IMPACTOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO (ERP) NO AMBIENTE DE CONTROLE GERENCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPACTOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO (ERP) NO AMBIENTE DE CONTROLE GERENCIAL"

Transcrição

1 RIGC - Vol. XII, nº 23, Enero-Junio 2014 IMPACTOS DA ADOÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO (ERP) NO AMBIENTE DE CONTROLE GERENCIAL Lucília Araújo da Silva Baptista Vieira Mestre em Ciências Contábeis UERJ 2012 José Francisco de Carvalho Rezende Professor Adjunto da UNIGRANRIO PPGA Francisco José dos Santos Alves Jorge de Abreu Soares Professores Adjuntos da UERJ PPGCC RESUMO: Este estudo investigou empresas usuárias de sistemas integrados de gestão de forma a verificar o impacto da adoção das aplicações ERP no ambiente de controle da gestão. Foram observadas práticas presentes nas fases de adoção de um projeto ERP (préimplementação, implementação e pós-implementação). Também foi analisada a maturidade do controle gerencial, tendo por base os estágios evolutivos descritos no IMAP1. A operacionalização permitiu identificar agrupamentos de empresas de acordo com o impacto no ambiente de controle gerencial, tendo por base as fases da adoção e perspectiva de performance do projeto, bem como computar funções discriminantes para classificação dos agrupamentos p < 0,05, com nível de acerto de 97,9%: (i) Agrupamento I empresas integradas externamente ; (ii) Agrupamento II empresas integradas internamente ; e (iii) Agrupamento III empresas em redesenho de processo. PALAVRAS-CHAVE: Sistemas integrados de gestão; Alinhamento organizacional; Controle da Gestão; Balanced Scorecard; Projetos ERP. ABSTRACT This study investigated companies using integrated management systems in order to check the impact of the adoption of ERP applications on management control environment. Practices were observed in the stages of adoption of an ERP project (pre-implementation, implementation and post-implementation). Also analyzed the maturity of managerial control, based on the evolutionary stages described in IMAP1. The operationalization identified clusters according to the environmental impact of managerial control, based on the phases of adoption and performance perspective of the project, as well as compute discriminant functions for classifying clusters p <0.05 with level of accuracy of 97.9%: (i) Cluster I - "externally integrated companies", (ii) Cluster II - "internally integrated companies", and (iii) Cluster III - "companies facing process redesing." KEY WORDS: Integrated management systems; Organizational alignment; Management Control; Balanced Scorecard; ERP projects. 1

2 INTRODUÇÃO Num cenário em que informações são solicitadas a todo instante, as organizações buscam apoio nos recursos da tecnologia da informação (TI), com o intuito de que o processamento das informações ocorra de maneira mais rápida, precisa e segura. Desta maneira, o desenho dos sistemas de apoio à decisão e dos procedimentos de controle gerencial devem levar em consideração os recursos de TI disponíveis, bem como a capacidade e disponibilidade da organização em investir nessa área. Padovezze (2007, p. 29) define TI como sendo todo conjunto tecnológico à disposição das empresas para efetivar seu subsistema de informação e suas operações. [...] O conceito de TI entende que a informação deve fazer parte de uma estrutura em nível estratégico das empresas. Em resposta à necessidade de as organizações disporem de ferramentas tecnológicas para gerenciamento e controle de suas atividades, surgiram no mercado aplicações como o Enterprise Resourse Planning ERP, também chamados de Sistemas Integrados de Gestão Empresarial SIGE ou simplesmente Sistemas Integrados de Gestão. No entanto esta solução é complexa e demanda bastante tempo para sua implementação, além de elevado consumo de recursos financeiros. Sendo o ERP uma ferramenta útil, porém dispendiosa, diversos trabalhos se debruçam sobre a análise de seleção, implementação e utilização (DAVENPORT, 1998; TONINI, 2002; SACCOL, 2003; TONINI, 2003; ZWICKER e SOUZA, 2003; BERGAMASCHI e REINHARD, 2003; MAÑAS, 2003; CHAND et al. 2005). Em sua maioria, os estudos apontam metodologias para seleção das aplicações ERP e descrevem os motivos de sucesso ou insucesso das implementações estudadas, registrando-se uma proporção bem menor dos que estão voltados ao acompanhamento das transformações trazidas pelos ERP sobre o ambiente de controle gerencial, cultura, procedimentos, artefatos e resultados. A necessidade de estudar sistemicamente as organizações, seu ambiente de controle e, principalmente, o volume crescente de investimentos na implementação dos ERP e resultados alcançados são os pontos de ancoragem e de motivação para este estudo. Embora o desempenho do projeto de implementação de um ERP seja mais expressivo do que o simples cumprimento do orçamento e do cronograma a ele destinado, não indentificamos estudos destinados a abordar os resultados de um projeto ERP sob um enfoque amplo e multidimensional que leve em conta utilidade, conformidade, aprendizado e economicidade, respectivamente sob as perspectivas do atendimento aos requisitos dos clientes, dos padrões operacionais existentes, das dinâmicas de inovação e de resultado econômico. A abordagem aqui adotada para investigar as fases de um projeto de adoção de ERP préimplementação, implementação e pós-implementação baseia-se em enfoque semelhante ao do Balanced Scorecard criado por Kaplan e Norton (1997 e 2004). O Balanced Scorecard (BSC) foi desenvolvido para acompanhar a implementação da estratégia empresarial e os projetos correlatos por meio de quatro perspectivas balanceadas. O presente estudo, portanto, objetiva identificar os impactos de adoção de uma solução ERP no ambiente de controle gerencial, considerando as fases de pré-implementação, implementação e pósimplementação, com desdobramentos na (i) verificação das práticas adotadas pelas organizações durante as fases de implementação de sistemas integrados de gestão empresarial; e (ii) verificação do impacto da adoção desse sistema no ambiente de controle da gestão da organização. Os argumentos e objetivos propostos foram operacionalizados por meio de indagação sobra a possibilidade de segmentação das empresas que adotam ERP de acordo com o impacto no ambiente de 2

3 controle gerencial, tendo por pano de fundo as fases de implementação e perspectivas de performance do projeto e como elemento de formalização os resultados percebidos em cada uma delas. 1. ALINHAMENTO ORGANIZACIONAL Na busca pela sobrevivência e o destaque no mercado em que atuam, as organizações necessitam que suas operações sejam cuidadosamente planejadas e que os esforços feitos por seus colaboradores, unidades e parceiros de negócio ocorram numa mesma direção. Esta sinergia entre as ações e planejamento estratégico é conhecida como alinhamento organizacional. Para Kaplan e Norton (2006, p. 3) alinhamento organizacional consiste em alinhar a corporação, as unidades de negócio, as unidades de apoio, os parceiros externos e o conselho de administração com a estratégia. Brodbeck e Hoppen (2003) afirmam que o alinhamento pode ser encontrado nas organizações em diversos estágios ou níveis, sendo que os autores destacam dois níveis: (i) o primeiro nível é o de integração operacional, que abrange estrutura e processos organizacionais, requisitos do sistema de informação e onde a tecnologia da informação TI serve de suporte; (ii) o segundo nível é o de integração entre a estratégia da tecnologia da informação e a estratégia de negócio: envolve um nível mais alto de gestão, podendo inclusive ocorrer redirecionamento do negócio por meio da TI (a integração deste nível contribui significativamente para a identificação de novas oportunidades de negócio, baseadas em soluções de TI e na obtenção de vantagens competitivas). Além de se utilizarem de recursos de TI, as organizações precisam ter um controle gerencial abrangente, de forma que haja acompanhamento e controle das tarefas realizadas, bem como mecanismos de avaliação de desempenho, e conseqüentemente, a estratégia seja implementada na organização. Este entendimento é reforçado por Kaplan e Norton (2008) ao citarem que um sistema gerencial abrangente e integrado pode ajudar as empresas na implementação da estratégia. 2. CONTROLE GERENCIAL De acordo com Anthony e Govindarajan (2008, p. 7) o controle gerencial é o processo pelo qual os gestores influenciam outros membros de uma organização para implementar as estratégias da organização. Os autores ainda listam as atividades que competem ao controle gerencial: (i) planejar o que organização deve fazer; (ii) coordenar as atividades de várias partes da organização; (iii) comunicar e informar; (iv) avaliar a informação; (v) decidir se deve ser tomada uma decisão, ou que decisão tomar; e (vi) influenciar as pessoas para que alterem seu comportamento. O sistema de controle gerencial está baseado em informações. Neste sentido Peleias (2002, p. 15) afirma que a informação é a base e o resultado da ação executiva. [...] é preciso empreender esforços para suprir os gestores com ferramentas de informática que permitam o planejamento, o registro e o controle das decisões tomadas em cada fase do processo de gestão. Alves, Silva e Fonseca (2008) classificam como eficaz o controle que não deixa espaço para comportamentos impróprios e apontam como solução aos problemas de controle a automação, uma vez que os computadores são projetados para realizarem as tarefas necessárias de forma mais consistente que os seres humanos realizariam. Além da introdução da automação nos processos organizacionais, o ambiente empresarial tem passado por mudanças ao longo do tempo e para dar suporte aos gestores, os instrumentos de controle também têm passado por mudanças. Essas alterações na forma de gerir as atividades organizações, o foco de controle e os artefatos utilizados foram descritos e sintetizados pela International Management 3

4 Accouting Practices 1 (IMAP1), emitido pela International Federation of Accoutants (IFA, 1998), conforme exposto na Figura 1: Figura 1. Estágios evolutivos da contabilidade gerencial Fonte: IMAP 1 (IFA, 1998) Embora o IMAP1 enquadre práticas de Contabilidade Gerencial, no presente estudo remeteremos, por equivalência, os construtos de maturidade ao Controle Gerencial por considerarmos que a Contabilidade Gerencial é uma expressão do Controle Gerencial. Os quatro estágios apresentam níveis diferenciados de emprego de artefatos (BEUREN e GRANDE, 2005, p.5), sendo caracterizados no tempo e na técnica: (i) Estágio 1 - antes de 1950, foco na determinação do custo e no controle financeiro; (ii) Estágio 2 - em torno de 1965, foco no fornecimento de informações para o planejamento de gestão e controle, por meio da análise de decisão e da contabilidade por responsabilidade; (iii) Estágio 3 - em torno de 1985, com atenção voltada para redução de desperdícios de recursos dos processos de negócio; e (iv) Estágio 4 - em torno de 1995, com atenção sobre a geração ou criação de valor tendo por base tecnologias que analisam os drivers de valor para o cliente, valor para o acionista e inovação organizacional. 3. ENTERPRISE RESOURCE PLANNING ERP Os ERPs são caracterizados como pacotes comerciais de softwares para o negócio e para a gestão, articulados por meio de uma base de dados única, e por visarem à integração das operações organizacionais (DAVENPORT, 1998; KOCH, 2002; GUPTA 2000; MARKUS e TANIS, 2000; SACCOL, 2003). Para Santos, Mendes e Benac (2005) os sistemas integrados de gestão surgiram como solução tecnológica destinada a integrar processos empresariais, tendo como objetivos: planejar, controlar e fornecer suporte a todos os processos organizacionais. De acordo com Monk e Wagner (2006) o ERP é a chave para melhorar o sistema de informação e resulta em maior eficiência dos processos de negócio e do gerenciamento empresarial. Sua utilização confere maior agilidade no acesso as informações e redução no tempo de input dos dados, visto que uma única operação alimenta os diversos módulos de forma online. Sendo assim as informações são disponibilizadas a todos assim que são geradas e isso é de grande valia para os gestores. Markus e Tanis (2000) listam razões técnicas e razões estratégicas para adoção de sistemas integrados de gestão, porque o ERP possui essa dualidade, atendendo tanto as operações da 4

5 organização como a estratégia empresarial. No entanto os autores também apontam fatores pelos quais algumas empresas decidem não adotar, adotar parcialmente ou descontinuar um sistema integrado de gestão: (i) o sistema integrado não se adéqua ao que empresa é atualmente; (ii) o sistema integrado não se adéqua ao que empresa pretende ser no futuro; (iii) existem opções ao sistema integrado; (iv) o custo-benefício do sistema integrado não compensa o seu uso; (v) cultura da empresa se mostra resistente ao sistema integrado. O custo para aquisição dos sistemas ERP e resistência a mudanças, principalmente por parte da alta gerência, são fatores que também dificultam a adoção dos sistemas integrados de gestão. Sendo o sistema integrado de gestão um pacote comercial, que possui características standard é necessário escolher o ERP que mais se adéque as necessidades da organização que pretende adotá-lo. Quanto a esta característica, Tonini (2003) comenta da grande dificuldade de escolher no mercado um sistema ERP, dentre tantas opções oferecidas, a alternativa que seja mais aderente e agregue mais valor aos negócios da organização no tocante a maior eficiência em seus processos. Os ERP vêm com a promessa de trazer as melhores práticas para a organização, contudo, Davenport (1998) chama atenção para o fato desse um discurso do fornecedor da aplicação, correndose o risco de não atender às reais necessidades da empresa contratante. No entanto, quanto maior as diferenças entre as soluções oferecidas e as práticas já em uso na empresa contratante, maiores serão os ajustes necessários para utilização do sistema. Esses ajustes podem ser feito por meio da reengenharia dos processos da organização e/ou pela customização da solução ERP adotada, ou a empresa pode ainda optar por não fazer customizações no sistema e nem reengenharia dos processos, e conviver com as discrepâncias entre os sistemas e os seus processos (ZWICKER e SOUZA, 2003). A literatura comenta que os sistemas ERP possuem um ciclo de vida que é divido em etapas e estas recebem diferentes nomenclaturas conforme os diferentes autores. Trabalharemos com a definição que o projeto de adoção do sistema contém as fases de: (i) pré-implementação; (ii) implementação e (iii) pós-implementação (ZWICKER e SOUZA 2003; MOTWANI, SUBRAMANIAN e GOPALAKRISHNA, 2005). Para Motwani, Subramanian e Gopalakrishna (2005), os itens críticos de cada fase seriam: a) Pré-implementação - claro entendimento dos objetivos estratégicos associados à aquisição da aplicação, compromisso da alta gerência, disposição para mudanças culturais e estruturais; b) Implementação - capacidade de gerenciamento do projeto, seleção dos sistema que melhor se alinha aos processos existentes, política de informação e comunicação aberta, análise dos processos do negócio, conhecimento representatividade da área de TI, qualidade técnica e comportamental do grupo de implantação, medição do desempenho do projeto, reconhecimento dos esforços quando do término da implantação; e c) Pós-implementação auditoria do projeto, documentação, divulgação interna, avaliação multidimensional dos resultados alcançados. Os seguintes itens deveriam ser observados ao se selecionar um sistema ERP: Cobertura dos itens auditáveis (TONINI, 2003) verificar o atendimento das rotinas que são sensíveis à auditoria; Cobertura de processos críticos (TONINI, 2003) mapear todos os processos da organização e verificar se o sistema atende principalmente os críticos; Garantia de continuidade (HEHN, 1999; SCAPENS E JAZAYERI, 2003) assegurar que as mudanças serão suportáveis e que o sistema será utilizado no futuro; Cobertura de funcionalidades requeridas (FANG E LIN, 2006; EDWARDS, 2001) verificar itens financeiros e não financeiros e como o ERP impactará dinâmica empresarial; 5

6 Necessidades de customização e reengenharia (TONINI, 2003; ZWICKER E SOUZA, 2003) levantar os processos e rotinas que tem discrepâncias entre a forma de trabalho da empresa e as funcionalidades do sistema ERP; Capacidades detidas (MARKUS E TANIS, 2000) a empresa deve conhecer seus pontos fortes e fracos, quais suas capacidades detidas (expertise, know how e habilidade) de forma a escolher um sistema ERP que agregue mais valor a organização; Necessidade de treinamento (HEHN, 1999; FISHER, 2002) a implementação de um novo sistema traz mudanças para a organização e os funcionários precisam ser comunicados e treinados quanto às mudanças introduzidas pelo sistema ERP; Aderência à cultura organizacional (NORRIS et al, 2001; SACCOL, 2003; DAVENPORT, 1998) o ERP impacta a cultura organizacional e gerenciar esta mudança é uma fator crítico na implementação; Custo total da aquisição (NORRIS et al, 2001; BERGAMASCHI E REINHARD, 2003; MAÑAS, 2003) ao se optar pelo sistema ERP deve observar os custos totais da aquisição, que incluem as licenças, hardwares, softwares e também os serviços de consultoria, treinamento, manutenção, entre outros; Economia de consumo de estrutura (CHAND et al, 2005; MONK E WAGNER, 2006) O ERP visto pela ótica da automação dos processos leva a uma redução dos custos, deve-se listar os benefícios que justifiquem a empresa a investir na adoção de um sistema integrado de gestão; e Relação com parceiros de negócios (FANG E LIN, 2006) a adoção do ERP altera a forma da empresa se relacionar com clientes e fornecedores, esse impacto deve ser avaliado e a expectativa é que a empresa seja mais eficiente nessas relações e tenha como resultado mais valor para a organização. Para realizar o levantamento dos processos da organização e das funcionalidades que devem ser atendidas pelo sistema ERP, é necessário criar um grupo de implementação formado por colaboradores de diversas áreas da organização. Estes deverão possuir visão de todo o negócio, além de contribuírem com as especificidades de seus departamentos, a fim de que todas as rotinas sejam listadas (ARIMA, TONINI E IKENAGA, 2002; ALBERTÃO, 2000; HEHN, 1999). Outro fator primordial para a seleção é a participação da alta gerência, sendo sugerida a existência da figura do patrocinador do projeto, um membro da alta gerência que apóie e estimule as atividades de implementação (HEHN, 1999; NORRIS et al., 2001; MEDEIROS E FERREIRA, 2003, ALBERTÃO, 2005). Para Zwicker e Souza (2003, p. 71) a implementação constitui a segunda etapa do ciclo de vida de sistemas ERP, embora o termo seja normalmente utilizado para representar o ciclo de vida completo. Os autores ainda comentam que a implementação é a fase crítica do projeto de implementação de um sistema ERP, e a dificuldade advêm dos conflitos organizacionais, de problemas com pessoas e departamentos. Outros itens a serem verificados durante a fase de implementação seriam: (i) dedicação da equipe interna de implementação (NORRIS et al, 2001; MEDEIROS e FERREIRA, 2003); (ii) rotatividade da equipe interna (ARIMA, TONINI e IKENAGA, 2003); (iii) alinhamento da equipe externa (GRANLUND e MALMI, 2002); e (iv) rotatividade da equipe externa (MOTWANI et al., 2005; STEFANOU, 2001). Scapens e Jazayeri (2003) apresentam uma visão mais crítica e afirmam que em um primeiro momento não se deve esperar soluções ótimas, mas sim assegurar o funcionamento da organização na nova plataforma do sistema. No entanto, se percebe como consenso que colocar o sistema em uso é apenas o início de um novo processo, sendo que oportunidades e necessidades de mudança só serão percebidas e ao longo do tempo. 6

7 4. O BALANCED SCORECARD BSC E OS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO ERP O Balanced Scorecard BSC (KAPLAN e NORTON, 1997; KAPLAN e NORTON, 2000, OLVE, ROY E WETTER, 2001; REZENDE, 2006) é um artefato de mensuração que permite acompanhar diversas perspectivas e focos de gestão em um empreendimento, unidade organizacional, processo ou projeto. A complexidade da implementação de um ERP requer um artefato de mensuração flexível, customizável, vinculado à estratégia e capaz de levar em conta as expectativas dos diversos stakeholders, o que é característico no BSC. Embora o Balanced Scorecard tenha sido utilizado originalmente para acompanhar a organização em suas metas corporativas, proporcionando o alinhamento entre a estratégia e os recursos organizacionais, o BSC também pode ser utilizado para acompanhar projetos ERPs (ROSEMANN e WIESE, 1999; MARKUS e TANIS, 2000; FANG e LIN, 2006). Rosemann e Wiese (1999) propõem a adoção do BSC para acompanhar o processo de implementação dos sistemas integrados de gestão, pois uma vez que o objetivo do Balanced Scorecard é transformar a visão em estratégias, objetivos e métricas ele pode ser utilizado em um projeto ERP. Ou seja, os autores remetem as perspectivas do BSC para perspectivas voltadas ao ERP conforme exposto na Figura 2. Ainda que a implementação seja um projeto único, ela está dividida em várias etapas e o BSC servirá como um direcionador da implementação. As definições da implementação são caracterizadas como perspectivas do projeto e vão interagir com as demais perspectivas ligadas a adoção do sistema ERP. Rosemann e Wiese (1999) chamam atenção para o fato de as perspectivas do cliente e de aprendizado e crescimento serem as mais negligenciadas no processo de implementação. E chama atenção para a necessidade de se estabelecer metas para as quatro perspectivas, fazendo uma ligação entre os indicadores e também estabelecendo uma relação de causa-efeito entre elas. Figura 2: O Balanced Scorecard para implementação de ERP Fonte: Adaptado de Rosemann e Wiese (1999, p. 777) Markus e Tanis (2000) afirmam que uma única métrica para medir o desempenho do sistema ERP não é eficiente. Sendo necessário medir outros fatores e em diferentes épocas, sugerindo a utilização do BSC para verificar fatores financeiros, técnicos e humanos. 7

8 5. MARCO REFERENCIAL A pesquisa de Leandro (2011) serviu como ponto de partida para o presente trabalho. O estudo de casos múltiplos então desenvolvido resultou na proposta de uma grade multidimensional de métricas para acompanhamento da performance de projetos de adoção de um sistema integrado de gestão tendo por base as fases de pré-implementação, implementação e pós-implementação e, como dinâmica de mensuração, o Balanced Scorecard aplicado a projetos, que está voltada para identificação de valor a partir de diversas perspectivas. As métricas propostas a partir da matriz de demarcação e dos casos comparados (LEANDRO, 2011), serviram de base para criação das proposições do questionário utilizado e encontram-se no Apêndice 1. O survey de agora foi aplicado junto a empresas já vivenciando a condição de usuárias de sistemas integrados de gestão em apoio à transformação e aprimoramento das práticas de controle. 6. METODOLOGIA Partindo do objetivo de identificação dos impactos de um projeto de adoção de uma solução ERP no ambiente de controle gerencial foi formulada questão de pesquisa para caracterizar os diferentes resultados decorrentes de investimentos em automação integrada de processos de gestão. O pressuposto, fazendo frente à revisão de literatura, é de que o valor final de um projeto de adoção de ERP decorre de resultados em cada uma das fases acumulação e interação e da possibilidade de entregar soluções os stakeholders em diversas dimensões. Nesse sentido adotamos como ponto de partida o questionamento sobre a possibilidade de segmentar as empresas que adotam ERP de acordo com o impacto no ambiente de controle gerencial, tendo por base as fases de implementação e as perspectivas de performance do projeto, desdobrada em duas hipóteses. Para verificar H 0,1: Não existem grupamentos estatisticamente diferenciados quanto aos escores médios de maturidade de cada fase/perspectiva, foi aplicada a técnica multivariada de análise de agrupamentos (cluster analysis),com um procedimento aglomerativo hierárquico método de Ward, afim de identificar se os resultados alcançadas nas diversas fases do projeto possibilitam descrever implicações e tipos distintos de organizações quando do investimento na adoção de um ERP. Para verificar H 0,2 : Não existem funções de classificação estatisticamente significativas que possibilitem discriminar as observações em agrupamentos/tipos, de acordo com os escores de maturidade adotados, foi aplicada a técnica multivariada de classificação por meio de funções discriminantes (Discriminant) de forma a verificar se existe função capaz de classificar corretamente as observações em cada um dos agrupamento tipo existentes. Para desenvolver o argumento e alcançar o objetivo da pesquisa e comprovar as hipóteses levantadas optou-se por realizar uma pesquisa descritiva: as pesquisas descritivas têm como objetivo primordial a descrição das características de determinada população ou fenômeno ou, então, o estabelecimento de relações entre variáveis Gil (2002, p. 42). As pesquisas descritivas geralmente se utilizam de técnicas padronizadas de coleta de dados, a exemplo, de questionário e a observação sistemática. A coleta de dados foi realizada por meio de questionário (survey), sendo este um instrumento amplamente utilizado em pesquisas descritivas (OLIVEIRA, 2003). Gil (1994, p. 124) descreve o questionário como uma [...] técnica de investigação, composta por um número mais ou menos elevado de questões apresentadas, por escrito, às pessoas, tendo por objetivo o conhecimento de opiniões, crenças, sentimentos, interesses, expectativas e situações vivenciadas. O questionário aplicado aborda questões relativas ao ERP, tratando das fases de pré-implementação, implementação e pós-implementação, com variáveis definidas a partir de proposições que remetem ao referencial de 8

9 placar equilibrado Balanced Scorecard (BSC). As perguntas desta primeira parte foram criadas a partir das premissas apresentadas por Leandro (2011) em sua matriz de amarração teórica. A seção referente ao controle da gestão foi criada com base em IFA (1998) caracterizando a evolução do controle gerencial em quatro estágios. Foi adotada Escala Likert de seis pontos de discordo totalmente a concordo totalmente por permitir aos sujeitos da pesquisa melhores possibilidades de retratar sua percepção; ao mesmo tempo uma escala mais ampla permite maior variabilidade nos dados pesquisados favorecendo a adoção de técnicas de análise multivariada. Foi realizado pré-teste para verificar o entendimento do grupo de validação quanto aos objetivos de cada pergunta, visando também uma análise crítica. O questionário foi encaminhado aos sujeitos por meio de da Empresa Provedora aos seus clientes em arquivo em formato PDF (Portable Document Format), sendo respondido nos meses de outubro e novembro de Os dados coletados foram inseridos no SPSS (Statistical Package for Social Sciences), versão 15. De forma preliminar foi feita uma análise exploratória de dados através da estatística descritiva. A amostragem utilizada é não-probabilística e realizada por acessibilidade, ou seja, não foram utilizados procedimentos estatísticos para selecionar os elementos participantes. A escolha ocorreu em virtude da facilidade de acesso aos elementos (VERGARA, 2009). A identificação das organizações pesquisadas Empresa Provedora e seus clientes e dos profissionais participantes foi totalmente preservada, de forma que na elaboração dos estudos foram tabuladas informações agrupadas, permitindo caracterizar comparações entre perfis de práticas e resultados organizacionais. 7. PLANO AMOSTRAL A Empresa Provedora (EP) iniciou as suas atividades em 1991 e ao longo dos 21 anos de sua existência manteve um crescimento constante de aproximadamente 20% ao ano. No ano 2000 atingiu a marca de 100 funcionários e 200 clientes, hoje conta com 382 colaboradores e 413 clientes, que utilizam o sistema em mais de unidades de negócio (empresas). Em 2000 a EP constituiu filial em São Paulo, em 2001 continuou sua expansão abrindo uma filial em Salvador e em 2002 uma filial em Porto Alegre, consolidando sua ação nas principais regiões do país. A EP atua em diversos segmentos de mercado, com destaque para os segmentos de Óleo & Gás e de Saúde, oferecendo aos clientes uma solução completa e com um custo diferenciado. A aplicação ERP da EP foi inicialmente desenvolvida na plataforma DOS e em 1999 migrada para o padrão Windows. No ano de 2004 iniciou a pesquisa e desenvolvimento do software para versão WEB, lançado em Em 2005 iniciou a prestação de serviços ASP (Application Solution Provider), o que permite o uso do sistema a partir da internet por meio do software TS (Terminal Server), garantindo um baixo investimento as empresas e atingindo um novo nicho de mercado. As organizações observadas são todas clientes da EP. De uma carteira com 300 empresas, foram selecionadas 105 em virtude do escopo de módulos já contratados, com o critério de que utilizassem pelo menos quatro módulos e sendo necessária a prévia implementação de: Contabilidade, Contas a Pagar, Contas a Receber e Compras. Os módulos selecionados são considerados como o conjunto mínimo necessário para que as empresas possam ser classificadas no estágio 1 no tocante a utilização dos artefatos do controle gerencial proposto no IMAP1. A aderência à pesquisa foi de 47%, com retorno de 49 questionários respondidos, representando organizações com (i) faturamento anual de 60 milhões de Reais (mediana); (ii) patrimônio líquido de 1,2 milhões de Reais (mediana); (iii) 223 postos de trabalho (mediana). Quanto ao perfil dos respondentes, 47% são da área de TI Tecnologia da Informação, seguidos de profissionais da área contábil-financeira (aqui representada por contabilidade, controladoria e financeiro) que representam 32%. Também teve uma participação de 19% de respondentes ligados a área administrativa e 2% da área de planejamento. Quanto ao cargo 9

10 exercido pelos sujeitos, 18 são gerentes. A média de idade dos é de 42 anos, com experiência profissional de 22 anos, tempo de organização de oito anos e tempo no cargo de seis anos. 8. OPERACIONALIZAÇÃO E ANÁLISE DAS VARIÁVEIS Inicialmente seria utilizada a técnica de análise fatorial para construção de construtos capazes de representar as perspectivas e focos de cada fase e também um indicador final para caracterizar o resultado/desempenho da fase como um todo. No entanto, uma vez que se recomenda um mínimo de cinco observações por variável estudada (HAIR et al, 2005) e este nível de resposta não foi atingido, dado que seriam necessárias ao menos 180 observações e o presente estudo trabalha com 49 observações. Desta forma, optou-se pela formulação de construtos a partir de médias simples das variáveis em cada perspectiva. A análise teve início com a verificação das variáveis quanto ao tipo de distribuição e foi constatado através dos testes Kolmogorov-Smirnov e Shapiro-Wilk que todas atendem ao critério de normalidade. Na sequência foi verificada a existência de observações discrepantes por meio da visualização das distribuições representadas por histogramas e box plots, tendo sido encontrada a observação numero 18. Em 53% dos casos verificados, a observação 18 foi listada como outlier e conseqüentemente foi retirada da análise. Com a exclusão de um caso, a amostra final passou a ser composta por 48 observações. Em seguida foram computados indicadores parciais (para cada foco/perspectiva) e gerais (da fase), a partir de média aritmética, para representar a percepção dos sujeitos da pesquisa no tocante às três fases de implantação estudadas e calculadas medidas de dispersão para as variáveis, seguidas de testes de normalidade das distribuições e de testes de confiabilidade (Tabela 1). Tabela 1. Testes de Normalidade e Confiabilidade Fases e Indicadores de Desempenho do Projeto de Implementação do ERP Macroconstrutos e Construtos Estatísticas Descritivas Confiabilidade Desvio Estatísti Alpha Avaliação Média Padrão ca Sig. Fase de Pré-Implementação 4,514 0,683 0,077 (*)0,200 0,892 Bom Utilidade 4,549 0,882 0,134 0,030 0,846 Bom Conformidade 4,569 0,741 0,167 0,002 0,716 Aceitável Aprendizado 4,563 0,722 0,145 0,013 0,662 Confrontável Economicidade 4,375 0,789 0,125 0,057 0,744 Aceitável Fase de Implementação 4,219 0,746 0,064 (*)0,200 0,811 Bom Utilidade 4,181 0,958 0,168 0,002 0,733 Aceitável Conformidade 4,167 0,845 0,141 0,018 0,671 Confrontável Aprendizado 4,146 0,955 0,110 0,198 0,732 Aceitável Economicidade 4,382 0,970 0,105 (*)0,200 0,612 Confrontável Fase de Pós-Implementação 4,519 0,789 0,118 0,094 0,886 Bom Utilidade 4,757 2,482 0,287 0,000 0,725 Aceitável Conformidade 4,368 0,719 0,127 0,050 0,588 Pobre Aprendizado 4,389 0,654 0,117 0,097 0,571 Pobre Economicidade 4,563 0,649 0,200 0,000 0,690 Confrontável * Valor limite para verdadeira significância. Fonte: autores Em se tratando de estudos exploratórios foram identificados construtos que ainda deverão ser aperfeiçoados como, por exemplo: Pós-implementação Conformidade e Pós-Implementação Aprendizado. Uma vez que para fins de desenvolvimento dos testes de hipóteses foram utilizados os macro construtos Pré-implementação, Implementação e Pós-implementação, todos caracterizados como de boa consistência interna, foi possível dar plena continuidade a operacionalização dos testes. 10

11 A Hipótese 1 foi operacionalizada, a partir dos valores apurados para os construtos Fase de Pré-Implementação, Fase de Implementação e Fase de Pós-Implementação. Adotou-se o procedimento Análise Hierárquica do SPSS, método de Ward, computada como medida de afastamento entre os casos nas dimensões analisadas a distância euclidiana fatorial. A existência de três agrupamentos distintos e típicos foi então testada dos pontos de vista univariado, teste ANOVA, e multivariado, teste MANOVA (Tabela 2) levando à rejeição da hipótese nula, para p < 0,01, em favor da existência de agrupamentos distintos e tipificados no tocante aos indicadores do painel de acompanhamento da implantação dos sistemas integrados de gestão. Tabela 2. Teste multivariado de diferença de médias entre agrupamentos Teste Valor F Graus de liberdade Graus de liberdade do erro Sig. Pillais 1, , ,00 88,00 0,000 Hotellings 6, , ,00 0,000 Wilks 0, , ,00 86,00 0,000 Roys 0,85952 Fonte: os autores A verificação da diferença de médias dos construtos nos três agrupamentos, a partir da métrica Lambda de Wilks (Tabela 3), confirma a existência de tipos distintos de organizações no tocante às fases de pré-implementação, implementação e pós-implementação. Tabela 3. Testes de diferenças de médias (Lambda Wilks) Lambda Wilks' F df1 df2 Sig. Fase de Pré-Implementação 0,567 17, ,000 Fase de Implementação 0,312 49, ,000 Fase de Pós-Implementação 0,334 44, ,000 Fonte: os autores Foram classificados no primeiro agrupamento 18 observações, já no segundo encontram-se 17 observações e no terceiro agrupamento 13 observações. A Hipótese 2 foi testada por meio da rotina Discriminant do SPSS, possibilitando, a partir dos agrupamentos da Hipótese 1 e da adoção dos construtos Fase de Pré-Implementação a (B), Fase de Implementação (I) e Fase de Pós-Implementação (A), a identificação de duas funções de classificação capazes de explicar 100% da variância das observações, significantes para p < 0,05 (Tabela 4). Tabela 4. Funções de classificação Função Autovalor % Correlação Lambda Wilks Variância Canônica GL Sig. 1 (DERP) 6,119(a) 97,3 0,927 0,120 93,360 6,000 2 (PERP) 0,172(a) 2,7 0,384 0,853 7,001 2,030 Fonte: os autores Foram identificadas as funções de classificação Desenvolvimento do projeto ERP e Planejamento do Projeto ERP, a primeira consolidando os resultados dos construtos Fase de Implementação e Fase de Pós-Implementação e a segunda retratando a Fase de Pré-Implementação (Tabela 5). 11

12 Tabela 5. Funções de classificação Desenvolvimento do Projeto ERP (DERP) Funções Discriminantes Planejamento do Projeto ERP (PERP) Implementação (*) 0,597-0,343 Pós-implementação (*) 0,571-0,044 Pré-Implementação 0,315 (*) 0,949 * construtos que integram a função discriminante. Fonte: os autores A seguir as observações foram traçadas em plano composto a partir das duas funções de classificação (Figura 3), de maneira a permitir um melhor entendimento sobre o efeito destas funções na caracterização da amostra e, em seguida, identificado o padrão de classificação destas funções para fins de previsão do enquadramento de novas observações nos tipos de empresas identificados, resultando num índice de acerto de 97,9% dos casos. O intervalo de confiança apontado pelo teste 2 e os índices de acerto das regras de classificação (Tabela 6) representadas pelas funções Desenvolvimento do projeto ERP e Planejamento do Projeto ERP permitem rejeitar a H 0,2 em favor da existência de regras de classificação capazes de discriminar os casos analisados de acordo com os agrupamentos tipo. Figura 3. Distribuição das observações segundo funções Discriminantes Canônicas Fonte: os autores Tabela 6. Classificação dos resultados (agrupamentos) Original Contagem % Método de Ward Presença prevista no Agrupamento Total I II III ,0 0,0 0,0 100,0 2 0,0 94,4 5,6 100,0 3,0,0 100,0 100,0 a Validação cruzada é feita somente para os casos em análise. Em validação cruzada, cada caso é classificado pelas funções derivadas de todos os outros casos do que a caso. b 97,9% do grupo original corretamente classificado. Fonte: os autores 12

13 9. DISCUSSÃO De maneira à melhor caracterizar os agrupamentos tipo das organizações estudadas no tocante aos resultados obtidos no projeto de implantação de um ERP e respectivos impactos no ambiente de controle da gestão, foram realizadas tabulações para o estágio evolutivo do ambiente (artefatos e práticas) de Controle Gerencial na organização Tabela 7, permitindo maior visibilidade quanto aos perfis: (i) nenhuma empresa do Agrupamento I está classificada no Estágio 1, elas estão distribuídas nos estágios 2, 3 e 4, sendo visível a concentração nos dois últimos estágios; (ii) no Agrupamento II as empresas estão em sua maioria no Estágio 2; e (iii) no Agrupamento III as empresas concentramse no Estágio 1, tendo no último nível (Estágio 4) apenas 2,13% de participação. Tabela 7 Estágios Evolutivos (IMAP1) do ambiente de Controle Gerencial e Distribuição Percentual nos Agrupamentos das Observações Agrupamentos I II III Estágio 1 do IMAP1- foco na apuração e determinação dos custos e no controle financeiro, com ênfase no orçamento e nas práticas de contabilidade de custos. 0,00% 8,51% 10,64% Estágio 2 do IMAP1- foco no fornecimento de informações para planejamento e controle da gestão por meio da adoção de práticas de análise de decisão e da adoção de centros de 8,51% 10,64% 6,38% responsabilidade custos. Estágio 3 do IMAP1- foco na redução do desperdício dos recursos (financeiros, materiais, humanos, tecnológicos etc.) utilizados nos processos de negócio por meio da análise 14,89% 6,38% 8,51% detalhada de procedimentos e de práticas de avançadas de custeio e precificação custos. Estágio 4 do IMAP1- foco na geração e criação de valor por meio do efetivo uso de recursos e práticas que examinam os direcionadores de valor para os clientes, para os acionistas e para a inovação organizacional, entre outros custos. 14,89% 8,51% 2,13% Fonte: os autores A utilização dos sistemas integrados de gestão auxiliam as empresas de todos os estágios, para as que estão no Estágio 1 e tem foco na apuração dos custos e o controle financeiro, o ERP supre estas necessidade (MARKUS E TANIS, 2000; ZWICKER E SOUZA, 2003; CHAND et al, 2005). As empresas do Estágio 2 que usam as informações para planejamento e controle da gestão e controle dos custos também podem ser beneficiadas pelo ERP uma vez que os sistemas fornecem informações em tempo real e melhoram a qualidade da informação para tomada de decisão DAVENPORT, 1998; SACCOL, 2003; VERA, 2006). As empresas do Estágio 3 que tem a preocupação com a redução do desperdício dos recursos (financeiros, materiais, humanos, tecnológicos, entre outros) podem introduzir o ERP para reformular seus processos e melhorar os processos os modelos de negócio (MARKUS E TANIS, 2000), introduzir boas práticas de gestão (ZWICKER E SOUZA, 2003; MONK E WAGNER, 2006), controlar itens operacionais e estratégicos (MARKUS E TANIS, 2000; SANTOS, MENDES E BENAC, 2005). As empresas do Estágio 4 que buscam a geração e criação de valor por meio do efetivo uso de recursos e práticas que examinam os direcionadores de valor para os clientes, para os acionistas e para a inovação organizacional, entre outros custos também são beneficiadas com a utilização do ERP, pois os sistemas integrados de gestão habilitam as empresas a terem melhor relacionamento com os parceiros de negócio e gerarem mais valor aos negócios (GUPTA, 2000; NORRIS et al, 2001; CHAND et al, 2005; FANG e LIN, 2006). Venkatraman (1991) classifica as empresas em cinco níveis relacionados à utilização estratégica de TI: (i) uso localizado; (ii) integração interna; (iii) redesenho dos processos; (iv) redesenho da network; e (v) redefinição do escopo. 13

14 Na abordagem, embora não tenha sido atribuído previamente nome aos agrupamentos hierárquicos, é razoável sugerir que os tipos de empresa identificados se assemelham aos níveis 2, 3 e 4 conforme proposto por Venkatraman (1991) uma vez que inegavelmente já ultrapassaram o nível 1 de uso localizado, porém possivelmente ainda não alcançaram o nível 5 de redefinição de escopo do negócio. Neste sentindo poderiam ser atribuídos aos agrupamentos hierárquicos computados as seguintes nomenclaturas: (i) Agrupamento I empresas integradas externamente ; (ii) Agrupamento II empresas integradas internamente ; e (iii) Agrupamento III empresas em redesenho de processo. Do ponto de vista do ambiente de controle gerencial as empresas integradas externamente aparentam ser mais evoluídas do que as demais. Em relação ao estágio evolutivo do ambiente (artefatos e práticas) de Controle Gerencial na organização seria razoável afirmar que as empresas do Agrupamento I apresentam um ambiente de controle de gestão mais evoluído, com a adoção mais intensa de sistemas integrados de gestão e com maior potencial de geração de valor: Agrupamento I (integradas externamente): As empresas deste agrupamento estão concentradas nos Estágios 3 e 4 do IMAP1 (77,78%), sendo 38,89% em cada estágio. Também são observadas 22,22% no Estágio 2 do IMAP1 e Nenhuma empresa deste agrupamento foi classificado no Estágio 1 do IMAP1. Agrupamento II (integradas internamente): As empresas estão concentradas nos Estágios 1 e 2 do IMA. Contudo nota-se uma participação de quatro observações no Estágio 4, segundo o IMAP1, o nível mais elevado de estágio evolutivo do ambiente de controle. Agrupamento III (em redesenho de processos): As empresas deste agrupamento estão concentradas nos estágios iniciais, 1 e 2 do IMAP1, com 61,54% dos casos observados. Apenas uma empresa deste agrupamento está no estágio 4 do IMAP1. Em relação aos focos de desempenho propostos por Leandro (2011), e aqui operacionalizados por meio de survey, são notáveis as diferenças nos padrões dos agrupamentos (Tabela 8): Agrupamento I: apresentam melhores escores parciais de performance do projeto de implementação do ERP em 11 dos 12 critérios de avaliação, com todos os escores gerais de cada fase superiores aos dos demais grupamentos, aspectos que corroboram a maior maturidade e apontam que a partir de um alinhamento interno prévio é possível alcançar o alinhamento externo. Agrupamento II: de uma forma geral, apresenta escores intermediários, à exceção do melhor resultado dentre os três grupos em utilidade na pré-implementação que abrange as métricas cobertura dos itens auditáveis, participação na especificação e escolha e garantia de continuidade, evidenciando atributos de uma boa integração interna. Agrupamento III: Empresas com menores escores dentre os três agrupamentos, em todas as métricas investigadas, notadamente com desempenho pior na fase de implementação, principalmente no tocante à identificação de custos ocultos, ao realinhamento de rotinas e ao alinhamento da equipe externa, denotando necessidades de redesenho de processos. 14

15 Tabela 8. Escores de Desempenho: A Adoção do ERP, de Acordo com Focos de Desempenho em Cada Agrupamento Fases Pré- Implementação Implementação Pós Implementação Focos Média Agrupamentos I II III Desvio padrão Média Desvio padrão Média Desvio padrão Utilidade 4,78 0,80 4,83 0,83 3,85 0,69 Conformidade 4,98 0,75 4,72 0,47 3,82 0,44 Aprendizagem 4,92 0,69 4,67 0,65 3,95 0,45 Economicidade 4,80 0,67 4,56 0,70 3,56 0,37 Geral 4,87 0,65 4,69 0,50 3,79 0,36 Utilidade 4,96 0,51 4,17 0,76 3,18 0,69 Conformidade 4,80 0,76 4,00 0,66 3,56 0,63 Aprendizagem 4,90 0,66 3,89 0,82 3,51 0,83 Economicidade 5,29 0,58 4,06 0,70 3,64 0,79 Geral 4,99 0,35 4,03 0,42 3,47 0,52 Utilidade 5,16 0,60 4,11 0,65 3,85 0,50 Conformidade 4,94 0,52 4,37 0,57 3,62 0,36 Aprendizagem 4,88 0,51 4,43 0,47 3,69 0,37 Economicidade 5,08 0,65 4,43 0,36 4,08 0,49 Geral 5,01 0,43 4,33 0,34 3,81 0,22 Fonte: os autores CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho teve como objetivo geral identificar os impactos de adoção de uma solução ERP no ambiente de controle de gestão, considerando as fases de pré-implementação, implementação e pós-implementação. De forma a alcançar os objetivos da pesquisa foi estabelecida a pergunta é possível segmentar as empresas que adotam ERP de acordo com o impacto no ambiente de controle gerencial, tendo por base as fases de implementação e perspectivas de performance do projeto?. Participaram da presente pesquisa empresas usuárias de sistema integrado de gestão que possuíssem ao menos e simultaneamente os seguintes módulos: Contabilidade, Contas a Pagar, Contas a Receber e Compras. Estes quatro módulos foram selecionados por serem considerados neste estudo como o mínimo necessário para que as organizações possam exercer o controle gerencial descrito no Estágio 1 do IMAP1 quanto aos estágios evolutivos dos artefatos do controle gerencial. Utilizando tal critério de seleção, o universo de pesquisa passou a ser de 105 empresas, das quais 49 retornaram os questionários. Após análise das respostas uma empresa foi excluída da amostra por ser considerada outlier. Foi possível responder à pergunta de pesquisa e, portanto, agrupar as empresas que adotam ERP de acordo com o impacto no ambiente de controle gerencial, tendo por base as fases de adoção (pré-implementação, implementação e pós-implementação) e perspectiva de performance do projeto: (i) a hipótese H 0,1 foi rejeitada em favor da possibilidade de se agrupar as empresas observadas de acordo indicadores de evolução da implantação dos projetos que retratam as fases de préimplementação, implementação e pós-implementação; (ii) a hipótese H 0,2 foi rejeitada por terem sido identificadas, para p < 0,05 e com capacidade de classificar 100% das observações, regras de classificação capazes de discriminar os casos analisados de acordo com os agrupamentos tipo. As 15

16 funções classificação encontradas são Desenvolvimento do projeto ERP e Planejamento do Projeto ERP. A primeira consolidando os resultados dos construtos Fase de Implementação e Fase de Pós- Implementação e a segunda retratando a Fase de Pré-Implementação. Todas as empresas participantes da pesquisa são clientes de uma única empresa provedora de sistemas integrados de gestão e todas possuem o mesmo sistema ERP e este fato pode estabelecer algum viés. Embora os resultados retratados nesta pesquisa não possam ser generalizados eles indicam como tem sido o projeto de adoção sistema ERP ao longo das fases de adoção, bem como o impacto desses sistemas no ambiente de controle da gestão e o reflexo na geração de valor total das organizações. Sugere-se que em futuros estudos sejam aprofundados itens de pesquisa relativos aos níveis estratégicos da utilização da tecnologia da informação (VENKATRAMAN, 1991). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, L.C.O.; SILVA, A.S.; FONSECA, A.C.P.D. (2008): Implicações da adoção do modelo de Merchant na avaliação do uso da TI para controle gerencial do serviço público análise do portal Comprasnet. Contabilidade Vista & Revista, V. 19, nº 1, p , jan./mar ANTHONY, R.N.; GOVINDARAJAN, V. (2002): Sistemas de Controle Gerencial. São Paulo: Atlas p. Tradução de: Adalberto Ferreira Neves. ARIMA, C.H.; TONINI, A.C.; IKENAGA, C.Y. (2002): Metodologias para estabelecimento de critérios de seleção de um sistema ERP. In:. IX Congresso ABC Custos FECAP. São Paulo. ALBERTÃO, S.E. (2001): ERP Sistemas de gestão empresarial: Metodologia para avaliação, seleção e implementação para pequenas e médias empresas. São Paulo: Iglu. BERGAMASCHI, S.; REINHARD, N. (2003): Fatores Críticos de Sucesso para Implementação de Sistemas de Gestão Empresarial. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.). Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. BEUREN, I.M.; GRANDE, J.F. (2009): Mudanças de práticas de contabilidade gerencial identificadas com aplicação da análise de discurso no RA de empresa. CONGRESSO IAAER-ANPCONT, III, São Paulo. Anais Eletônicos... São Paulo: ANPCONT, Disponível em: <www.anpcont.com.br/site/docs/congressoiii/01.98.pdf> Aceso em 15/02/2012. BRODBECK, A.F.; HOPPEN, N. (2003): Alinhamento Estratégico entre os Planos de Negócio e de Tecnologia de Informação: Um Modelo Operacional para Implementação. RAC Revista de Administração Contemporânea, V. 7, nº 3, p Jul./Set CHAND, D. et al. (2005): A Balanced Scorecard based framework for accessing the strategic impact of ERP systems. Computers in Industry, [s.1], V. 12, nº 5 p DAVENPORT, T.H. (1998): Putting the enterprise into the enterprise system. Harvard Business Review, jul/ago, 31, p FANG, M.Y.; LIN, F. (2006): Measuring the performance of ERP system from the Balanced Scorecard perspectives. The Jornal of American Academy of Business, Cambridge, V. 10, nº 1. FISHER, M.F. (2002): Enterprise resource planning: Barriers to successful implementation. Thesis (Doctor in Philisophy). Capella University, Minnesota. GIL, A.C. (2002): Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas, 4ª ed. GRANLUND, M.; MALMI, T. (2002): Moderate impact of ERPs on management accounting: A lag or permanent outcome?. Management Accounting Research, nº 13, p GUPTA, A.: Enterprise resource planning: The energing organizational value system. Industry Management e data systems, [s.1], V. 100, nº 3-4, p HAIR Jr., J.F.; et al. (2005): Análise multivariada de dados. Tradução Adonai Schulp Sant Anna e Anselmo Chaves Neto. 5 ed. Porto Alegre: Bookman. HEHN, H.F. (1999): Peopleware: Como trabalhar o fator humano nas implementações de sistemas integrados de informação. São Paulo: Gente. 16

17 KAPLAN, R.S.; NORTON, D.P. (1997): A Estratégia em Ação Balanced Scorecard. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 11ª Ed.. (2004): Mapas Estratégicos: Convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 8ª Ed.. (2006): Alinhamento. Rio de Janeiro: Campus Elsevier.. (2008): A Execução Premium. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 5ª Ed. LEANDRO, L.L. (2011): Razões de uso e adaptação para implementação de sistemas integrados de gestão (ERP) e suas implicações no controle gerencial: Estudo de caso com quatro empresas brasileiras. f.136. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Administração e Finanças, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. MAÑAS, A.V. (2003): Avaliação de resultados no emprego do ERP em empresas brasileiras. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.). Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. MARKUS, M.L.; TANIS, C. (2000): The enterprise system experience from adoption to success. Framing the Domains of IT Management, 10, p MEDEIROS, A.C.M.; FERREIRA, S.B.L. (2003): Administração de projetos complexos: ERP na Petrobras. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.). Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. MOTWANI, J.; SUBRAMANIAN, R.; GOPALAKRISHNA, P. (2005): Critical factors for successful ERP implementation: Exploratory findings from four case studies. Compute in Industry 56, p MONK, E.F.; WAGNER, B.J. (2006): Concepts in Enterprise Resource Planning. 2ª ed. Mac Mendelsohn, Canada: Thomson Course Technology. NORRIS, G.; HURLEY, J.R.; HARTLEY, K.M.; DUNLEAVY, J.R.; BALLS, J.D. (2001): E- Business e ERP Transformando as Organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark. OLVE, N.G.; ROY, J.; WETTER, W. (2001): Condutores da Performance: Um guia prático para o uso do Balanced Scorecard. Tradução Maria Cristina da Costa Muller. Rio de Janeiro: Qualitymark. PADOVEZZE, C.L. (2007): Sistemas de informações contábeis: Fundamentos e análises. 5º ed. São Paulo: Atlas. OLIVEIRA, A.B.S. (Org.) (2003): Métodos e Técnicas de Pesquisa em Contabilidade. São Paulo: Atlas, 177 p. PELEIAS, I.R. (2002): Controladoria: Gestão eficaz utilizando padrões. São Paulo: Saraiva. REZENDE, J.F.C. (2003): Balanced Scorecard e a Gestão do Capital Intelectual: Alcançando a mensuração equilibrada na economia do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 5ª ed.. (2006): O Alinhamento Estratégico, o Balanced Scorecard e o Capital Intelecturla- Um estudo empírico nas empresas de maior complexidade e repercussão. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. SACCOL, A.Z. et al. (2003): Sistemas ERP e seu impacto sobre variáveis estratégicas de grandes empresas no Brasil. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.): Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. ; MACADAR, M.A.; SOARES, R.O. (2003): Mudanças organizacionais e Sistemas ERP. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.): Sistemas ERP no Brasil: teoria e casos. São Paulo: Atlas. (2003): Um olhar crítico sobre modismo em tecnologia da informação: Analisando o discurso de vendedores de pacotes ERP. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.): Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. SANTOS, R.; MENDES, F.C.; BENAC, M.A. (2011): A implementação de sistemas integrados de gestão: Um estudo de caso na Embratel. Disponível em <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/art_cie/art_03.pdf>. Acesso em: 12/08/2011. SCAPENS, R.W.; JAZAYERI, M. (2003): ERP systems and management accounting change: Opportunities or impacts? a research note. European Accounting Review, 122, p

18 STEFANOU, C.J. (2001): Ex-ante evaluation of ERP software. European Journal of Information Systems 10, p TONINI, A. (2003): Metodologia para seleção de sistemas ERP: Um estudo de caso. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.): Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. VERA, A.B. (2000): Implementación de sistemas ERP, su impacto em la gestión de la empresa e integración com otras TIC. CAPIV Review, Vol. 4. VENKATRAMAN, N.T. (1991): Induced business reconfiguration. In: SCOTT-Morton, M.S.: The corporation of the 1990 s: Information technology and organizational transformation. New Your, NY: Oxford University. VERGARA, S.C. (2009): Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10 ed. São Paulo: Atlas. ZWICKER, R.; SOUZA, C.A. (2003): Sistemas ERP: Conceituação, ciclo de vida e estudos de casos comparados. In: SOUZA, C.A.; SACCOL, A.Z. (Orgs.). Sistemas ERP no Brasil: Teoria e casos. São Paulo: Atlas. 18

19 Apêndice I. Métricas para acompanhamento de projetos de adoção de ERP (Leandro, 2011) FASES PERSPECTIVA FOCO MÉTRICAS Pré- Implementação (1) Implementação (2) Pós- Implementação (3) CLIENTE Utilidade OPERAÇÕES Conformidade INOVAÇÃO Aprendizado FINANCEIRA Economicidade CLIENTE Utilidade OPERAÇÕES Conformidade INOVAÇÃO Aprendizado FINANCEIRA Economicidade CLIENTE Utilidade OPERAÇÕES Conformidade INOVAÇÃO Aprendizado FINANCEIRA Economicidade Cobertura dos itens auditáveis Participação na especificação e escolha Garantia de continuidade Cobertura de processos críticos mapeados Cobertura das funcionalidades requeridas Necessidades de customização e reengenharia Capacidades detidas Treinamento necessário Aderência à cultura organizacional Custo total de aquisição Economias de consumo de estrutura Incremento de receitas Custos ocultos identificados Rotinas realinhadas Alinhamento da equipe externa Entregáveis cumpridos no prazo Rotatividade da equipe externa Rotatividade da equipe interna Dedicação da equipe de implementação Oportunidades de outsourcing Ocorrência de custos Imprevistos Custos de transação Diminuição de apontamentos de auditoria Apoio à decisão Transações com clientes Transações com fornecedores Transações internas Capacidades adicionadas Horas de trabalho liberadas Clima organizacional Economia com fraudes e violações Cumprimento do orçamento do projeto (1) Verificar se no momento da seleção do sistema ERP foram considerados fatores ligados a utilidade do sistema para organização, se este estava em conformidade com as operações realizadas pela organização, se contribuiria para o aprendizado e inovação e seu impacto econômico. (2) Verificar como ocorreu a implementação do sistema ERP. (3) Verificar se os benefícios esperados ocorreram e qual o real impacto da adoção do sistema sobre o ambiente de controle e as operações da empresa. 19

20 Lucília Araújo da Silva Baptista Vieira Possui mestrado em Contabilidade pela FAF/UERJ (2012) e graduação em Ciências Contábeis (UNIPLI/2007). Sólida experiência de 10 anos na área Contábil/Financeira, adquirida em empresas de grande porte. Forte vivência em sistema integrado de gestão empresarial (ERP), sendo responsável pela implantação e treinamento de equipes. Realizou pesquisas acadêmicas nas áreas de sistemas integrados de gestão e de controle gerencial. Além de atuar por um ano como professor de contabilidade no curso de graduação da UERJ, tendo também ministrado aulas na pós-graduação de gestão hospitalar na UFRJ José Francisco de Carvalho Rezende Doutor em Ciências da Administração pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - Instituto Coppead de Administração (2006), Mestre em Veille Technologiqué - Universite de Toulon Et Du Var (2002), Graduado em Administração de Empresas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1986). Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Administração da Unigranrio. Pesquisador na área de Estratégia, Governança e Conhecimento. Líder do Projeto Gestão do Conhecimento, Capital Intelectual e Ativos Intangíveis UNIGRANRIO / CNPQ. Experiência na área de Administração Empresarial, com ênfase em Administração de Recursos Humanos e Estratégia Empresarial. Autor do livro Balanced Scorecard e a Gestão do Capital Intelectual (Elsevier, 2003) e organizador do livro Gestão do Conhecimento, Capital Intelectual e Ativos Intangíveis (Elsevier, 2014). Francisco Jose dos Santos Alves Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Mestre em Ciências Contábeis pela mesma instituição (1998) e doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (2005). Atualmente são professor e coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis (Mestrado Acadêmico) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e coordenador adjunto do bacharelado em Ciências Contábeis da UNISUAM. Possui experiência na área de Auditoria no setor público e atua como pesquisador. 20

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO

Fasci-Tech SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO SISTEMA ERP: FATORES CRÍTICOS PARA O SUCESSO DE UMA IMPLANTAÇÃO Jorge Luiz Maria Junior 1 Profa. MSc. Rosangela Kronig 2 Resumo Através dos sistemas de informação, as organizações mundiais buscam práticas

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias, governança, melhoria

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Wikipédia Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO

IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO IMPLANTAÇÃO DA METODOLOGIA BALANCED SCORECARD NAS EMPRESAS INCUBADAS NO MIDILAGES Autores: Msc. Angelo Augusto Frozza Msc. Carlos Eduardo de Liz Gr. Rafael Magnabosco Campo Grande, setembro 2010 Este artigo

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Unidade V GOVERNANÇA DE TI

Unidade V GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade V CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY (COBIT) 1 O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo Information Systems Audit and Control Foundation (ISACF)

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil

Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil PRÁTICA 1) TÍTULO Desenvolvimento e utilização do Painel de Auditoria Contínua Agências pela Auditoria Interna do Banco do Brasil 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Auditoria Interna

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas Maria Clara Fonteque Scacchetti 1 Aparecido Rudnick 2 Washington Fernando Silva 3 Lucia Braga Sousa 4 Resumo: Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais