$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "$ $ $ $ $ ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B."

Transcrição

1 XXVIENANGRAD ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONAL SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS Wagner B. Godinho! FOZDOIGUAÇU,2015

2 GESTÃODEOPERAÇÕESELOGÍSTICA2GOL ALTERNATIVAS DO EXPORTADOR PARA A DECISÃO DO TERMO COMERCIAL INTERNACIONALSEGUNDOASREGRASDOSINCOTERMS!!!!!!!

3 Resumo Oartigodescreveasdefiniçõesdostermoscomerciaisinternacionais Incoterms,padronizadospela Câmara de Comércio Internacional e em vigor desde 1º de janeiro de 2011, geralmente inseridos como cláusulas nos contratos de compra e venda internacional de mercadorias. A abordagem destaca sua importância para a precisão e clareza na divisão de custos e riscos entre as partes contratantes2vendedorecompradoryesugereumroteiroparaatomadadedecisãopeloexportador sobreascondiçõesmaisfavoráveisaosseusinteressesemváriassituações.discuteoprocessode padronizaçãodosincotermseanalisaosaspectosjurídicosdesuainserçãonoscontratosmercantis internacionais, como fonte do Direito do Comércio Internacional reconhecida e integrante da Nova Lex Mercatoria, que rege o ordenamento jurídico das transações internacionais. Finalmente, os autores discutem as preferências dos exportadores brasileiros e dos Estados Unidos e analisam certosfatoreslimitadoresdousodosincoterms. Palavraschave:Termoscomerciais,Incoterms,comérciointernacional. Abstract The article describes the definitions of international commercial terms Incoterms, standardized by the International Chamber of Commerce and in force since January 1, 2011, generally entered as clauses in international sale and purchase of goods. This approach highlights its importance for accuracy and clarity in the division of costs and risks between the contracting parties 2 seller and buyeryandsuggestsaroadmapfordecision2makingbytheexporteronthemostfavorableconditions totheirinterestsinavarietyofsituations.itdiscussestheprocessofstandardizationofincotermsand examines the legal aspects of their insertion in these international agreements, as a recognized source of International Trade Law and integral part of the New Lex Mercatoria, which governs the legalframeworkofinternationaltransactions.finally,theauthorsdiscussthepreferencesofbrazilian andunitedstatesexportersandanalyzesomefactorslimitingtheuseofincoterms. Keywords:commercialterms,Incoterms,foreigntrade!!!

4 1.!Introdução! No ano 1012 A.C, quando o Rei Salomão, sucessor de Davi no trono de Israel, decidiu construir, seguindo as palavras de Javé a seu pai, um templo em Jerusalém em nome do Senhor, enviou mensagemahiram,reidetiro:...#mande#que#cortem#cedros#do#líbano.#meus#operários#trabalharão# com# os# seus,# e# eu# pagarei# o# trabalho# de# seus# operários,# conforme# você# determinar....# Hiram# respondeualhe:#...# Vou# atender# a# seu# desejo,# mandandoalhe# madeira# de# cedro# e# cipreste.# Meus# operários# descerão#a#madeira#do#líbano#até#o#mar,#e#ela#seguirá#para#o#lugar# que#você#me#indicar.#então#eu#a#desembarcarei,#e#você#a#receberá.# Em# troca,# você# fornecerá# víveres# para# o# meu# palácio,# conforme# eu# quiser.# Hiram# forneceu# toda# a# madeira# de# cedro# e# cipreste# que# Salomão# necessitava,# e# este# enviou# nove# mil# toneladas# de# trigo# e# nove# mil# litros# de# azeite# virgem# anualmente# para# o# sustento# do# palácio# do# Rei# de# Tiro.# Houve# bom# entendimento# entre# Hiram# e# Salomão,#e#os#dois#firmaram#uma#aliança.BIBLIASAGRADA,2002.I LivrodosReis,522,pp Esteéumexemplomuitoantigodecontratomercantil,cujascondiçõessãodevidamenteajustadas entre as partes, evidenciando um padrão de termos de entrega das mercadorias que facilita o entendimentodasobrigaçõeseaconclusãodatransação. Noentanto,nemsempreascondiçõesdecompraevendanoscontratosmercantisinternacionaissão definidas e redigidas com grande precisão, levantando dúvidas e possibilidades de disputas com relaçãoàdivisãodecustoseriscos.segundobasso(1995),aexperiênciatemcomprovadoquea faltadeclarezaeprecisãonaredaçãoedehomogeneidadenainterpretaçãodascláusulas,termose condições contratuais, leva a desentendimentos e controvérsias que resultam inapelavelmente a demorasecustosadicionais,onerandoaspartesintervenientes compradoresevendedores. Essassituaçõesdesconfortáveisentreosintervenientescontratantesforamsetornandomaisrarasa partir da padronização das condições gerais da compra e venda internacional de mercadorias, incluindo as técnicas de pagamento, como a carta de crédito comercial e as cobranças documentáriasy e os termos comerciais ou de entregay bem como dos documentos de transporte internacional,pelacâmaradecomérciointernacional,deparis,atualmenteestabelecidaemmaisde 130países. Nesteestudo,osIncoterms#2010daCâmaradeComércioInternacional,emvigordesde1ºdejaneiro de 2011, são identificados e detalhados, visto que representam um exemplo de sucesso de padronizaçãoecodificaçãodascondiçõesgeraisdoscontratosdecompraevendainternacionalde mercadorias. E, com a finalidade de discutir a viabilidade de utilização de cada uma das onze definiçõespublicadaspelabrochuranº725dacci,umroteirofoiestabelecidoparaorientaçãodos exportadoressobreatomadadedecisãoemrelaçãoaostermosdeentregacontratuais.finalmente, uma pesquisa bibliográfica foi realizada com o propósito de estabelecer osincoterms mais usados porempresasdomésticaseinternacionais. 2.!Padronização!das!condições!de!compra!e!venda!internacional!de!mercadorias! NoséculoXIX,quandoocomérciomarítimointernacionalseexpandiumuitorapidamente,autilização de termos comerciais codificados, tais como FOB# A# Free# On# Board (Livre a Bordo) 2Y e CIF# A# Cost# Insurance#and#Freight(CustoSeguroeFrete)2Ytornou2sepráticacomumdevidoànecessidadedese especificar claramente, nos contratos da espécie, os riscos e responsabilidades assumidas pelas partescontratantes2vendedorecomprador. No início do século XX, tornou2se evidente aos exportadores que as práticas comerciais estavam sujeitasainterpretaçõesamplamentevariadasnasdiferentescortesinternacionais.comoaumento do intercâmbio comercial internacional, tornaram2se ainda mais evidentes as diferenças entre as definiçõesderesponsabilidadespordespesaseriscosdaspartescontratantesdacompraevenda internacional.segundoperry(1989),cotaçõescomo CIFalemão, CIFbritânico, FOBamericano, FOBfrancês,entreoutrasdefinições,consagraram2sepelousonasprincipaisrotasmarítimas.As diferençastornaram2seinevitavelmenteumafontedeamplosdesentendimentosedisputasentreas partes,queconduziaacustosimprevistoseincertezasdesnecessárias. Naquelaoportunidade,asempresasnãoeramcompelidasporquaisquerleisautilizaressestermos padronizados. Muito pelo contrário, foram adotados voluntariamente como forma de abreviar o período de negociação de contratos mercantis internacionais. Transformados em regras simples, esses termos traduziam os costumes e práticas comerciais correntes da época, transportando2os para as cláusulas e condições dos contratos mercantis internacionais, atendendo às necessidades

5 dascontrapartesdatransação.àépoca,segundoengelberg(1997),ascortesjáhaviamvirtualmente efetivadoessestermos,sempreviabilizandosuaaplicaçãoparaasoluçãodedisputascontratuais. Em 1919, foi fundada em Paris a Câmara de Comércio Internacional (International# Chamber# of# Commerce),atualmenteainstituiçãoempresarialprivadademaiorrepresentatividadedomundo,com centenasdemilharesdecompanhiasmembrosdesetoresrelacionadosaocomércioeinvestimentos internacionais.duranteoicongressodecomércioexteriordacci,realizadoem1920emparis,foi constatado que os parceiros comerciais tinham interpretações diferentes para os principais termos comerciaisusualmentepraticadosnosprincipaismercados.istopropiciouoiníciodostrabalhospara a elaboração de um regulamento específico sobre condições de venda para os comerciantes internacionais,comsignificaçãoclaraeconhecimentouniversal. Em1928,aCCI emitiuabrochuranº682 TermosComerciais (Trade#Terms) 2Y padronizando seis condiçõesdevendaparaocomérciointernacional,baseadasnasdefiniçõesamericanas,ondeforam definidas as obrigações entre comprador e vendedor, dispondo sobre aspectos importantes como entrega das mercadorias, abrangência do pagamento e riscos de perdas e danos no transporte marítimointernacional.segundoacâmara de Comércio Internacional (1936), a perspectiva era de adoção desses termos padronizados por vinte e cinco países, para que a compreensão clara e a precisainterpretaçãodessascondiçõesgeraispudessemeliminarmal2entendidosgraveseonerosos depois de firmados os contratos. Entretanto, incertezas e contradições nas definições, levaram a publicaçãoanãoobterarepercussãodesejada,apesardoméritodetersidoaprimeiramanifestação objetivaemâmbitomundialparaaresoluçãodosproblemasconcernentesàsobrigaçõescontratuais daspartes. Em 1936, a Câmara de Comércio Internacional reuniu especialistas de todos os continentes para elaborar, com a máxima precisão, um novo regulamento sobre os termos comerciais usados em contratosmercantisinternacionais,estabelecendoasobrigaçõesdaspartescontratantesemrelação ariscosecustosdaatividade.foientãopublicadaabrochuranº922international#commercial#terms# A# Incoterms# 1936 (Termos Comerciais Internacionais), com um conjunto de regras aplicáveis internacionalmente com o propósito de facilitar a interpretação dos termos comerciais comumente utilizados, e garantir a eficácia das transações mercantis internacionais. Os Incoterms foram posteriormenterevisadosem1953,1967,1976,1980,1990,2000e2010. ABrochuranº560 Incoterms2000,daCCI,segundoLunardi(2002),estabeleceuquatorzetermos comerciaisinternacionais,realizandomudançasnasdefiniçõescombaseemumapesquisacompleta entre os usuários de Incoterms, com particular atenção às questões recebidas desde 1990 pelo Painel de Especialistas em Incoterms, estabelecido como um serviço adicional aos usuários. Os termos padronizados estavam divididos em quatro grupos: (a) E, do# Incoterm# EXWY (b) F, dos IncotermsFCA,FASeFOBY(c) C,dosIncotermsCFR,CIF,CPTeCIPY(d) D,dosIncotermsDES, DEQ,DDUeDDP. A decisão de aplicar termos padronizados internacionalmente nos contratos de compra e venda internacional de mercadorias é tão importante quanto à escolha do sistema mais adequado para validadenospaísesemercadosenvolvidosedacotaçãomaisrecomendadaemvistadomodalde transporteempregado,naturezadasmercadoriasetc. Emgeral,aelegibilidadedeumassuntoparaharmonizaçãooumesmounificaçãoserácondicionada emgrandeextensãopelavontadedosestadosemaceitarmudançasnasregrasdedireitodoméstico em favor de uma nova solução internacional em relação ao assunto relevante. Argumentos legais, entreoutros,emfavordaharmonizaçãodevemserponderadoscuidadosamenteemrelaçãoaesta percepção.consideraçõessemelhantestambémtenderãoadeterminaraesferamaisapropriadada aplicaçãoaserdadaàsregrasuniformes,istoé,sedevemficarrestritasàstransaçõesinternacionais ousedevemsertambémestendidasàcoberturadesituaçõesinternas. 3.!Termos!comerciais!internacionais!!Incoterms,!em!uso!no!comércio!internacional!! Os padrões quase universalmente utilizados são os Incoterms# 2010, introduzidos pela Brochura nº 725daCâmaradeComércioInternacional,quedispõesobreonzecondiçõesdevenda,emvigora partirde1ºdejaneirode2011(quadro1).! Estarevisãoextinguiuquatrotermoscomerciaisdechegada,ouseja,paraentregadasmercadorias no país do comprador 2 os termos marítimos DES e DEQY e os de uso por qualquer meio de transportedafeddu#ayeossubstituindoporduasnovascotaçõesparaqualquermeiodetransporte DAT#Delivered#at#terminaleDAP#Delivered#at#Place.#Emparticular,oIncoterm#DATpreencheua lacuna deixada pelo DEQ no caso de contêineres descarregados dos navios e empilhados no terminal aguardando o embarque, visto que não havia previamente um termo de entrega tratando claramentedecontêineres,excetoaquelesestacionadosnasinstalaçõesdocomprador. Quadro1 CategorizaçãodosIncoterms2010 Grupo Incoterm2000 Definiçãoregulamentaremodalaplicável

6 GrupoE GrupoF GrupoC GrupoD EXW FCA FAS FOB CPT CIP CFR CIF DAT DAP DDP Apartirdoestabelecimentodovendedoremlocaldenominadonopaís deprocedência.usadoparaqualquermeiodetransporte. Livre no transportador em local denominado no país de procedência. Usadoparaqualquermeiodetransporte. Livrenocostadodonavioestipuladonoportodeembarquedenominado no país de procedência. Usado exclusivamente para transporte aquaviário. Livreabordodonavioestipuladonoportodeembarquedenominadono paísdeprocedência. Usadoexclusivamenteparatransporteaquaviário. Transporte pago até local denominado no país do comprador. Usado paraqualquermeiodetransporte. Transporteeseguropagosatélocaldenominadonopaísdocomprador. Usadoparaqualquermeiodetransporte. Custoefreteatéoportodechegada denominadonopaísdedestino. Usadoexclusivamenteparatransporteaquaviário. Custofreteeseguropagoatéoportodechegadadenominadonopaís dedestino. Usadoexclusivamenteparatransporteaquaviário. Entregueemterminaldoportodechegadaoudelocaldenominadono paísdocomprador. Usadoparaqualquermeiodetransporte. Entregue em local designado no país do comprador. Usado para qualquermeiodetransporte. Entregue com direitos pagos em local denominado no país do comprador. Usadoparaqualquermeiodetransporte. Fonte:CÂMARADECOMÉRCIOINTERNACIONAL.PublicaçãoCCInº.725 Incoterms2010.São Paulo:CCI/Aduaneiras,2011. Portanto, em uma transação de compra e venda internacional de mercadorias por transporte marítimo, as partes poderão optar por qualquer dos oito Incoterms# 2010 ao longo do trajeto das mercadorias do estabelecimento do vendedor até o estabelecimento do comprador, no país de importação(figura1). Figura1 Incoterms2010recomendadosparaembarquesmarítimos Fonte: CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL. Publicação nº 725 Incoterms 2010 (2011). AdaptaçãodoAutor.! Deoutraforma,emumatransaçãodecompraevendainternacionaldemercadorias,cujoembarque devaserrealizadoporqualquermodaldetransporte,aspartespoderãooptarporqualquerumdos sete Incoterms# 2010 de uso geral, ao longo do trajeto das mercadorias do estabelecimento do vendedoratéasinstalaçõesdocomprador,nopaísdeimportação(figura2). Figura2 Incoterms#2010recomendadosparaqualquermeiodetransporte

7 Fonte: CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL. Publicação nº 725 Incoterms 2010 (2011). AdaptaçãodoAutor.! AsdefiniçõesdosIncotermscodificadospelaCâmaradeComércioInternacionalnaRevisãode2010 sãoentãoresumidasabaixo: EXW#ExAWorks#(ExAfactory,#exAmill,#exAplantation,#exAwarehouse#etc.).#Otermodeentrega Livre depagamentoapartirdafábrica,domoinho,daplantação,doarmazém,etc. foicriadoem1936. Significaqueovendedorcolocaasmercadoriasàdisposiçãodocomprador,nadataouemprazo combinado, em seu estabelecimento designado 2 fábrica, plantação, mina, armazém, etc. 2Y no país de procedência, não desembaraçadas para exportação e não carregadas em qualquer veículodecoleta.ovendedorincorreemtodososcustoseriscosdeperdasedanossobreas mercadoriasatéomomentoemqueocompradoracusaarecepçãodasmercadorias.cabemao compradortodasasdespesasincorridasdesdearetiradanolocaldesignadoatéodestinofinal, inclusiveosgastosparaobtençãodedocumentoseformalidadesnaexportação. FCA#Free#Carrier#(named#point).#Otermo# Livrenotransportadoremlocaldenominadonopaísdo vendedor foiintroduzidopelarevisãode1980epermiteousodequalquermeiodetransporte internacional.significaqueovendedorentregaasmercadoriasdesembaraçadasparaexportação ao transportador designado pelo comprador no local estipulado. Se a entrega ocorrer nas instalaçõesdovendedor,aentregaserámedianteocarregamentodasmercadoriasnoveículode coleta. Se a entrega ocorrer em qualquer outro lugar, a entrega será realizada com as mercadoriascarregadasnoveículodeentrega. FAS#Free#alongside#ship#(named#port#of#shipment).#Otermo# Livrenocostadodonavionoporto deembarquedenominado # foi criado em Significa que as mercadoriassãoentreguesao comprador, colocadas no costado do navio estipulado no porto de destino denominado, desembaraçadas para exportação. Daqueleponto em diante, o comprador assume todos os custoseosriscosdeperdasedanosàsmercadorias.## FOB# Free# on# board# (named# port# of# shipment).# O termo de entrega# Livre a bordo do navio no portodeembarquedenominado #foicriadoem1936.significaqueasmercadoriassãoentregues a bordo do navio designado no porto de partida denominado devidamente estivadas, e desembaraçadas para exportação. Nesse caso,opreço de vendanãoincluifrete marítimo internacional,queéderesponsabilidadedocomprador. CFR#Cost#and#freight#(named#port#of#destination).#Otermodeentrega Custoefreteatéoporto dedestinodenominadonopaísdoimportador foicriadoem1936.significaqueasmercadorias são entregues desembaraçadas para exportação, a bordo do navio designado no porto de embarqueestipuladodevidamenteestivadas.ofretedetransporteinternacionaléporcontado vendedor, que não assume o risco de perdas ou danos às mercadorias até o local de entrega combinado.oprêmiodeseguroéderesponsabilidadedocomprador. CIF#Cost#insurance#and#freight#(named#port#of#destination).#Otermodeentrega Custoseguroe freteatéoportodedestinodenominadonopaísdoimportador foicriadoem1936.significaque asmercadoriassãoentreguesdesembaraçadasparaexportação,abordodonaviodesignadono porto de embarque estipulado, devidamente estivadasy com frete e seguro de transporte internacional por conta do vendedor. Porém, o vendedor cumpre as obrigações contratuais na entregaemseupaís,enãoassumeoriscodeperdasoudanosàsmercadoriasduranteoseu transporte até o porto de entrega combinado. As cláusulas do seguro de transporte a ser contratadopelovendedorlimitam2seàcoberturamínima. CPT#Carriage#paid#to#(named#point#of#destination).#Acondiçãodevenda Transportepagoatéo local de destino denominado no país do importador foi introduzida pela Revisão de 1990 e é usada para qualquer meio de transporte. Significa que as mercadorias são entregues pelo vendedoraotransportadorporelecontratado,desembaraçadasparaexportação,comtransporte principalpagoatéolocaldedestinoestipuladonopaísdoimportador.

8 CIP# Carriage# and# insurance# paid# to# (named# point# of# destination).# A condição de venda Transporteeseguropagoatélocaldedestinodenominadonopaísdoimportador foiintroduzida pelarevisãode1990,#eéusadaparaqualquermeiodetransporte.significaqueasmercadorias sãoentreguespelovendedor,desembaraçadasparaexportação,àcompanhiatransportadorapor elecontratada,comtransporteprincipaleseguropagoatéolocaldedestinoestipuladonopaís doimportador. DAT#Delivered#at#terminal#(named#terminal#at#the#named#port#or#place#of#destination).# Otermo Entreguenoterminalnoportooulocaldedestinodesignado foiintroduzidonarevisãode2010, e é aplicado para qualquer modalidade de transporte. As mercadorias são consideradas entreguesàdisposiçãodocompradorquandoforemdescarregadasdoveículodeentrega.neste caso, o vendedor assume os riscos associados unicamente ao transporte da mercadoria até o portooulocaldedestino,cabendoaocompradorodesembaraçodeimportação. DAP# Delivered# at# place# (named# place# of# destination).# O termo Entregue no local de destino denominado foi introduzido na Revisão de 2010 e é aplicado para qualquer modalidade de transporte. Neste caso, as mercadorias são consideradas entregues pelo vendedor quando colocadas à disposição do comprador descarregadas do meio de transporte e não desembaraçadasparaimportaçãonolocaldedestinodenominado.ovendedorassumeosriscos associadosunicamenteaotransporteeaodescarregamentodasmercadoriasemquestão. DDP#Delivered#duty#paid#(named#point#of#destination).Otermo Entreguecomdireitospagosem local de destino denominado no país do importador foi introduzido na Revisão de 1967 e é aplicado para qualquer modal de transporte. Significa que as mercadorias são entregues pelo vendedor no local de destino estipulado, desembaraçadas para importação, mas não2 descarregadasdoveículotransportadorparaentregafinal.éumacondiçãodevendausadapara qualquer meio de transporte internacional e representa a cotação máxima oferecida pelo vendedor. 4.!Aspectos!jurídicos!da!inclusão!dos!Incoterms!nos!contratos!mercantis!internacionais! O Direito do Comércio Internacional, segundo Baptista e Rios (1992), tem por função entender e, sobretudoatuar,nosmercadosexternos,eexplicarosaspectosjurídicosprincipaisexatamentecomo são em cada uma das etapas de comercialização internacional para compreendê2los dentro dos nossossistemasjurídicosnacionais. Nãotendoalcançadooconsenso,atesedeumDireitoComercialInternacional universal,surgida apósaiiguerramundial,adenominada NovaLexMercatoria,segundoBasso(1994),queregeas transaçõesdecompraevendainternacionaldemercadorias,reúneasfontesdodireitodocomércio internacional, incluindo os tratados bilaterais ou multilaterais celebrados entre os Estados, como a Convenção de Haia sobre a lei aplicável às vendas de caráter internacional de objetos móveis corpóreos (1955), a Convenção de Viena sobre a compra e venda internacional de mercadorias (1980),entreoutras. Além do direito convencional, outras fontes do comércio internacional incluem o chamado direito costumeiro2usosecostumespeculiaresaosmaisvariadossetoresdasatividadesmercantiseque se tornam uma prática constante e uniforme na grande maioria dos mercados 2Y as convenções arbitrais, em especial, aquelas proferidas por instituições de arbitragem reconhecidas internacionalmente como a Câmara de Comércio Internacional (ICC), Associação Americana de Arbitragem (AAA) e a Corte de Arbitragem Internacional de Londres (LCIA)Y as fontes de direito nacional(atosunilateraisdosestadosqueafetamastransaçõesdecomérciointernacional),easde direitotransnacionalque,emboramuitocontestadas,atuamnaausênciadeoutrasnormasnacionais ou internacionais representadas por normas próprias criadas pelos agentes econômicos internacionaisparafuncionamentodecertossetores,semaparticipaçãodosestados,comoa Lex Petrolea,asnormassobre eurobônus etc. Portanto, embora a inclusão dos termos de entrega padronizados no contrato mercantil seja extremamenteimportanteparaasuaeficácia,inúmerosproblemasquepodemocorrerapartirdesse contrato não são tratados em sua totalidade, como quebras de contrato e suas consequênciasy e isençõesderesponsabilidadedevidoaváriosimpedimentos.essasquestõesdevemserresolvidas poroutrasdisposiçõesdocontratodevendaepelaleiaplicável. Os Incoterms, segundo Moura (2001), constituem uma fonte do Direito Comercial Internacional inseridanasnormasobjetivasinternacionais,oudodireitocostumeiro.comopassardotempo,esses termos e cláusulas2padrão, quando inseridos expressamente nos documentos de contratação, passaram a estipular os direitos e obrigações das partes independentemente das legislações nacionais, e a propiciar um mínimo de entendimento comum sobre as condições gerais das transações internacionais. Cabe salientar que o surgimento de uma nova versão não revoga a anterior, que pode continuar sendo usada. É necessário, portanto, que vendedor e comprador não

9 somenteindiquemdeformaexplícitaqueocontratoestarásujeitoaosincoterms,mastambémqual seráaversãoaserutilizada. De acordo com a Câmara de Comércio Internacional (1999), dois desentendimentos particulares sobreessestermossãomuitocomuns.primeiro,porquefrequentementegerammal2entendidospor seremaplicadosmaisnocontratodetransportedoquenocontratodecompraevenda.esegundo, porque às vezes supõe2se erroneamente que estabelecem todos os direitos que as partes podem desejarincluirnocontratomercantil.osincotermsreferem2sesomenteàrelaçãoentrevendedorese compradores segundo o contrato e conseguem fazê2lo eficazmente em alguns aspectos muitos particulares. Além do mais, dispõem sobre as obrigações de desembaraçar as mercadorias para exportaçãoeimportação,daformadeembalagemdasmercadorias,deassumiraentregaefornecer aprovadequeasrespectivasobrigaçõesforamintegralmentecumpridas. 5.!Roteiro!para!a!escolha!dos!termos!de!entrega!pelo!vendedor,!segundo!os!Incoterms*2010* NoBrasil,segundoaFUNCEX(2001),aindaháumafortepredominânciadaescolhadoFOB(Free# on#board,#named#port#of#shipment)devidoàprecáriaofertadeoperadoresdetransportemultimodale do nível dos serviços logísticos disponíveis. Entretanto, os exportadores dos Estados Unidos, segundo pesquisas da Revista Managing# Exports# and# Imports (2006), diversificam bastante as respectivas escolhas em relação aos custos incluídos no preço de exportação, para os diferentes mercadosdedestinoeemrelaçãoànaturezadasmercadoriasexportadas. Quandoconsideradasobaóticadovendedor,adecisãosobreaescolhadoIncoterm#2010contratual deveráenvolverumasequênciadedecisõessobreoscustosincluídosnopreçodevendaesobreos riscosqueaspartesdesejarãocorrer.asdecisõesquesereferemaosriscosdaatividadelogística envolvem a escolha do país de entrega das mercadorias, do local combinado para a entrega da mercadorianopaísdeprocedência,domodaldetransporteinternacionaledolocalderecebimento das mercadorias no país de destino. Por outro lado, as decisões associados aos gastos que, se assumidos pelo vendedor, devem ser incluídos no preço de exportação negociado, envolvem a responsabilidade pelo despacho aduaneiro de exportação, pelas despesas e operação de carregamento das mercadorias no local de partida, pela contratação e pagamento do transporte internacional,pelacontrataçãoepagamentodosegurodetransporteinternacional,pelasdespesase operação de descarregamento das mercadorias no local de destino e pelo despacho aduaneiro de importação. Para orientar o vendedor sobre a escolha dos termos comerciais a prevalecerem nos contratos de compra e venda internacional de mercadorias, foi desenvolvido um roteiro de fácil acesso a exportadores iniciantes e experientes, quando se veem envolvidos com novas modalidades de negócios, parceiros comerciais pouco familiares, condições de frete diferenciadas propostas por companhiastransportadorasoualgumaoutrafontedeincerteza. A.!O!vendedor!decide!pela!entrega!das!mercadorias!em!seu!país! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias em seu próprio país, em qualquer estabelecimentodesuapropriedade fábrica,armazém,etc. ouemqualqueroutrolocalcombinado contratualmente,poderáescolherqualquerumdosincoterms#2010dosgrupose,fec,dependendo dedecisõessubsequentessobrearesponsabilidadepelasformalidadesedespesasdedesembaraço deexportação,pelotransporteinternoatéolocaldeembarquecombinado,pelocarregamentodas mercadoriasnoveículodetransporteprincipal,pelacontrataçãoepagamentodofretereferenteao transporteinternacionaledosegurointernacionaldacarga(figura1). A.1!O!vendedor!não!será!responsável!pelo!despacho!aduaneiro!de!exportação! Quando o vendedor decidir não ficar responsável pelas formalidades e despesas do despacho aduaneiro de exportação, deverá escolher o Incoterm# 2010 EXW Ex# Works (A partir do estabelecimento do vendedor, em local denominado), obtendo a declaração de recebimento das mercadoriasporocasiãodaentregaaocompradornolocalcombinado.estacotação,equivalenteao preço mínimo, requer simplesmente que o vendedor entregue as mercadorias, ao comprador, descarregadasemsuafábricaouestabelecimento. A.2!O!vendedor!será!responsável!pelo!despacho!aduaneiro!de!exportação! Quandoovendedordecidirficarresponsávelpelasdespesaseformalidadesreferentesaodespacho aduaneirodeexportação,poderáescolherqualquerumdosincoterms#2010dosgruposfec,que exigem a entrega das mercadorias à custódia da companhia transportadora designada pelo compradorouporelecontratada,conformeocaso,devidamentedesembaraçadasparaexportação, em local ou porto designado pelo comprador, portanto, fora da fábrica ou estabelecimento do vendedor, podendo ser inclusive no costado de um navio estipulado, ou nele embarcadas, em um portodesignadoparaoembarque.

10 A.2.1!O!vendedor!usará!um!meio!de!transporte!internacional!nãoJaquaviário! Quandoovendedordecidirqueasmercadoriasserãotransportadasporveículodetransportenão2 aquaviário 2 rodoviário, ferroviário, aéreo ou multimodal 2, e que a entrega das mercadorias será realizadaaotransportadoremalgumestabelecimentoouterminalurbanoouaeroportuárioestipulado, deverá escolher um dos seguintes Incoterms 2010: FCA Free Carrier (Livre no transportador em localdenominado),cpt Carriage#Paid#To(Transportepagoatélocaldedestinoestipulado),ouCIP Carriage# and# Insurance# Paid (Transporte e seguro pagos até local de destino estipulado). Neste caso, as mercadorias serão entregues pelo vendedor, desembaraçadas para exportação, no local combinadoaoprimeirotransportadorestipuladopelocomprador. A.2.1.1!O!vendedor!pagará!o!frete!de!transporte!internacional!e!o!incluirá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaqueincluaofretedetransporteinternacionaldasmercadorias,por qualquermodalnão2aquaviário,ouseja,rodoviário,ferroviário,aéreooumultimodal,comaentrega dasmercadoriasrealizadaácustódiadotransportadoremalgumestabelecimentoouterminalurbano ouaeroportuárioestipulado,poderáescolherumdosseguintesincoterms#2010:cpt Carriage#Paid# To (Transporte pago até local de destino estipulado), ou CIP Carriage# and# Insurance# Paid (Transporteeseguropagosatélocaldedestinoestipulado). A !O!vendedor!pagará!o!seguro!de!transporte!internacional!e!o!incluirá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaqueincluaofreteeoprêmiodesegurodetransporteinternacional das mercadorias, por qualquer modal não2aquaviário, ou seja, rodoviário, ferroviário, aéreo ou multimodal, com a entrega das mercadorias realizada à custódia do transportador em algum estabelecimento ou terminal urbano ou aeroportuário estipulado, deverá escolher o Incoterm# 2010 CIP Carriage#and#Insurance#Paid(Transporteeseguropagosatélocaldedestinoestipulado). A !O!vendedor!não!pagará!o!seguro!de!transporte!internacional! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaqueincluaofretedetransporteinternacionaldasmercadorias,por qualquermodalnão2aquaviário,ouseja,rodoviário,ferroviário,aéreooumultimodal,comaentrega das mercadorias realizada à custódia do transportador em algum local ou terminal urbano ou aeroportuáriodenominado,semainclusãodoprêmiodesegurodetransporteinternacionalnopreço devenda,deveráescolheroincoterm#2010cpt Carriage#Paid#To(Transportepagoatélocalde destinoestipulado). A.2.1.2!O!vendedor!não!pagará!o!frete!de!transporte!internacional!e!não!o!incluirá!no!preço!! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluanemofreteenemoprêmiodesegurodetransporte internacional das mercadorias, por qualquer modal não2aquaviário, ou seja, rodoviário, ferroviário, aéreooumultimodal,comaentregadasmercadoriasrealizadaàcustódiadotransportadoremalgum estabelecimentoouterminalurbanoouaeroportuáriodenominado,deveráescolheroincoterm#2010# FCA FreeCarrier(Livrenotransportadoremlocaldenominado). A.2.2!O!vendedor!usará!o!meio!de!transporte!internacional!aquaviário! Quando o vendedor decidir que as mercadorias serão transportadas por veículo de transporte aquaviário2marítimo,hidroviário(fluvialoulacustre),costeirooudecabotagem2,equeaentregadas mercadorias será realizada ao transportador em algum estabelecimento ou terminal portuário estipulado,poderáescolherqualquerumdosincoterms#2010dosgruposf:fca Free#Carrier(Livre notransportadoremlocaldenominado),fas Free#AlongsideShip(Livrenocostadodonavioem portodenominado)oufob Free#On#Board(Livreabordodonavioemportodenominado)Youdo grupo C: CFR Cost# and# Freight (Custo e frete até o porto de destino denominado), CIF Cost# Insurance# and# Freight (Custo, seguro e frete até o porto de destino denominado). Neste caso, as mercadoriasserãoentreguespelovendedor,desembaraçadasparaexportação,nolocalcombinado nasdependênciasdoportodeembarqueestipuladocontratualmente. A.2.2.1!O!vendedor!não!pagará!o!frete!de!transporte!internacional!e!não!o!incluírá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluaofretedetransporteinternacionaldasmercadorias por veículo de transporte aquaviário 2 marítimo, hidroviário (fluvial ou lacustre), costeiro ou de cabotagem 2, poderá escolher qualquer um dos Incoterms# 2010 do grupo F, significando que não assumiráaresponsabilidadepelacontrataçãoepagamentodofretedetransporteinternacional,nem pelos riscos de perdas ou danos às mercadorias até o porto de destino designado, sendo este transferidoaocompradorporocasiãodaentregadasmercadoriasàcustódiadotransportadoroude seu carregamento no veículo de transporte principal, nas dependências do porto estipulado para embarquenopaísdeprocedência.

11 A !O!vendedor!entregará!as!mercadorias!no!cais!do!porto!de!embarque! Quandoocompradordecidirentregarasmercadoriasdesembaraçadasparaexportaçãoenegociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluaofretedetransporteinternacionaldasmercadorias por veículo de transporte aquaviário 2 marítimo, hidroviário (fluvial ou lacustre), costeiro ou de cabotagem 2, com a entrega das mercadorias realizada no cais do porto de partida designado, descarregadasnocostadodonavioounelecarregadas,poderáescolherumdosseguintesincoterms# 2010: FAS Free# Alongside# Ship (Livre no costado do navio estipulado no porto de embarque denominado) ou FOB # Free# On# Board (Livre a bordo do navio estipulado no porto de embarque denominado). A !O!vendedor!entregará!as!mercadorias!no!costado!do!navio!designado! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluaofretedetransporteaquaviáriointernacionaldas mercadorias2marítimo,hidroviário(fluvialoulacustre),costeirooudecabotagem2,comaentrega dasmercadoriasrealizadanocostadodonaviodesignadonoportodepartidadenominado,deverá escolheroincoterm#2010fas Free#Alongside#Ship(Livrenocostadodonavioestipuladonoporto deembarquedenominado). A !O!vendedor!entregará!as!mercadorias!carregadas!a!bordo!do!navio!designado! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluaofretedetransporteaquaviáriointernacionaldas mercadorias 2 marítimo, hidroviário (fluvial ou lacustre), costeiro ou de cabotagem 2, com as mercadorias entregues a bordo do navio designado no porto de partida denominado devidamente estivadas,deveráescolheroincoterm#2010fob Free#On#Board(Livreabordodonavioestipulado noportodeembarquedenominado). A !O!vendedor!não!entregará!as!mercadorias!no!cais!do!porto!de!embarque! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaquenãoincluaofretedetransporteaquaviáriointernacionaldas mercadorias2marítimo,hidroviário(fluvialoulacustre),costeirooudecabotagem2,comaentrega das mercadorias realizada nas dependências do porto combinado, exceto no costado do navio ou carregadasabordodonaviodesignadonoportodepartidadenominado,deveráescolheroincoterm# 2010FCA #Free#Carrier(Livrenotransportadoremlocaldenominado). A.2.2.2!O!vendedor!pagará!o!frete!de!transporte!internacional!e!o!incluirá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar com base em um preço de venda que inclua o frete de transporte aquaviário internacional das mercadorias2marítimo,hidroviário(fluvialoulacustre),costeirooudecabotagem2,poderáescolher um dos seguintes Incoterms# 2010: CFR# Cost# and# Freight (Custo e frete até o porto de destino denominado) ou CIF# # Cost# Insurance# and# Freight (Custo, seguro e frete até o porto de destino denominado),significandoqueovendedorassumiráaresponsabilidadepelodespachoaduaneirode exportação,contrataçãoepagamentodofretedetransporteaquaviáriointernacional,masnãopelo riscodeperdasoudanosàsmercadoriasatéopaísdedestinocombinado,sendoestetransferidoao comprador por ocasião da entrega das mercadorias à custódia do transportador ou de seu carregamentonoveículodetransporteinternacional. A !O!vendedor!não!pagará!o!seguro!de!transporte!internacional!e!não!o!incluirá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar com base em um preço de venda que inclua o frete, mas não o prêmio de seguro de transporte aquaviário internacional das mercadorias 2 marítimo, hidroviário (fluvial ou lacustre), costeiro ou de cabotagem 2, com a entrega das mercadorias a bordo do navio designado no porto de partida denominadodevidamenteestivadas,deveráescolheroincoterm#2010cfr Cost#and#Freight(Custo efreteatéoportodedestinodenominado). A !O!vendedor!pagará!o!seguro!de!transporte!internacional!e!o!incluirá!no!preço! Quando o vendedor decidir entregar as mercadorias desembaraçadas para exportação e negociar combaseemumpreçodevendaqueincluaofreteeoprêmiodesegurodetransporteaquaviário internacionaldasmercadorias2marítimo,hidroviário(fluvialoulacustre),costeirooudecabotagem2, com a entrega das mercadorias realizada a bordo do navio estipulado no porto de partida denominado, ou seja, carregadas por sobre a amurada do navio designado, deverá escolher o Incoterm#2010CIF Cost#Insurance#and#Freight(Custoseguroefretepagoatéoportodedestino denominado). B.!O!vendedor!entregará!as!mercadorias!em!local!estipulado!no!país!do!comprador! Quandoovendedor,independentedomeiodetransporteutilizado,decidirentregarasmercadorias em qualquer local estipulado no país do comprador, poderá escolher qualquer um dos Incoterms# 2010pertencentesaogrupoD,dependendodomeiodetransporteinternacionalutilizado,dolocalde

12 recebimento das mercadorias, das responsabilidades pelo descarregamento das mercadorias do veículo de transporte principal e pelas formalidades e despesas de despacho aduaneiro de importação,inclusiveopagamentodosdireitosetaxasdeimportação(figura2). B.1!O!vendedor!não!fará!o!despacho!aduaneiro!de!importação! Quandoovendedor,independentedomeiodetransporteutilizado,decidirassumir,porsuacontae risco,aentregadasmercadoriasemlocalouterminaldefronteiraouurbano,não2descarregadasdo veículo de transporte principal, sem assumir qualquer responsabilidade por despesas, riscos e formalidadesdodespachoaduaneirodeimportação,inclusiveopagamentodosdireitosetaxasde importação, poderá escolher um dos seguintes Incoterms# 2010: DAT Delivered# At# Terminal# (Entregueapartirdeterminaldesignadonopaísdedestino)ouDAP Delivered#at#Place(Entregue emlocaldesignadonopaísdedestino). Figura1 Decisãodovendedorsobreostermosdeentregadasmercadorias B.1.1!O!vendedor!entregará!as!mercadorias!em!terminal!no!país!de!destino! Quandoovendedor,independentedomeiodetransporteutilizado,decidirassumir,porsuacontae risco, as despesas e riscos até a entrega das mercadorias não descarregadas do veículo de transporte em local ou terminal portuário ou urbano designado no país de importação, mas não a responsabilidadepelasdespesaseformalidadesdodespachoaduaneirodeimportação,inclusiveo pagamentodedireitosetaxasdeimportação,deveráescolheroincoterm#2010dat Delivered#At# Terminal(Entregueemterminalestipuladonopaísdeimportação),sendoestetermodeentregade usogeral,ouseja,paraqualquermeiodetransporte. B.1.2!O!vendedor!não!entregará!as!mercadorias!em!terminal!no!país!de!destino! Quandoovendedor,independentedomeiodetransporteutilizado,desejarassumir,porsuacontae risco, as despesas e riscos até a entrega das mercadorias não descarregadas do veículo de transporte em local ou estabelecimento do comprador, sem, no entanto, assumir qualquer responsabilidadepelasdespesaseformalidadesdodespachoaduaneirodeimportação,inclusiveo pagamentodedireitosetaxasdeimportação,deveráescolheroincoterm#2010dap Delivered#at# Place(Entregueemlocaldesignadonopaísdedestino). B.2!O!vendedor!fará!o!despacho!aduaneiro!de!importação! Quandoovendedor,independentedomeiodetransporteutilizado,desejarassumir,porsuacontae risco, as despesas e riscos até a entrega das mercadorias não descarregadas do veículo de transporte, em terminal ou local, de fronteira ou urbano, e toda e qualquer responsabilidade por despesas,riscoseformalidadesdodespachoaduaneirodeimportação,inclusiveopagamentodos direitos e taxas de importação, deverá escolher o Incoterm# 2010 DDP Delivered# Duty# Paid (Entreguecomdireitospagosnolocalestipulado). 6.!Modalidades!de!entrega!de!preferência!dos!exportadores!

13 Pesquisadesenvolvidajuntoa354empresasexportadorasbrasileirasdediversosportesesetoresde atividades, patrocinado pela FUNCEX (2001), registrou que 87,2% das empresas têm preferência pela modalidade FOB e 8% pela modalidade CIF. A preferência pelo Incoterm# FOB chega a 90%, quandoasexportaçõesdestinam2seaomercosul,ecaia82,5%quandoosembarquesseguempara auniãoeuropéia(tabela1). Tabela1 Incotermsutilizadosporexportadoresbrasileirossegundoomercadodedestino Destino Mercosul UniãoEuropéia EUA OutrosDestinos Total EXW 2% ,2% FCA 1% ,9% FOB 90% 82,5% 87% 55% 87,2% CFR 1% 1,5% % 1,5% CIF 6% 9% 9% 40% 8% CPT ,7% DDU % DDP ,7% Fonte:FUNCEX.PesquisaquantitativadeEnfoquePesquisadeMarketing(2001).In:ODesafioda Exportação.ArmandoCastelarPinheiro,RicardoMarkwaldeLiaVallsPereira(org.).RiodeJaneiro: BNDES,2002(1ªed.). Nestecontexto,segundooportedasempresas,registrou2sequeamodalidadeEXWéapreferencial de33,3%dasgrandesempresasede50%daspequenas,enquantoocifépreferidopor44,4%das médias.poroutrolado,asmicroempresasapresentamequilíbrionaescolhadostermosdeentrega, sendootermocfraopçãode12,5%,oexwde16,7%,ofobde18,25%eotermocifde19,4% dototaldessasempresas(tabela2). Tabela2 Incotermsutilizadosporexportadoresbrasileirossegundooportedaempresa PortedaEmpresa Grande Média Pequena Micro Total EXW 33,3% % 16,7% 1,2% FOB 22% 31,5% 28,25% 18,25% 87,2% CFR 25% 37,5% 25% 12,5% 1,5% CIF 11,1% 44,4% 25% 19,4% 8% Fonte:FUNCEX.PesquisaquantitativadeEnfoquePesquisadeMarketing(2001).In:ODesafioda Exportação.ArmandoCastelarPinheiro,RicardoMarkwaldeLiaVallsPereira(org.).RiodeJaneiro: BNDES,2002(1ªed.). Considerando o estágio das exportadoras, a pesquisa da FUNCEX (2001) indicou que 91,3% das empresaspermanentese86,9%dasiniciantespreferemoincotermfob.nosembarquesdestinados apaísesdauniãoeuropéia,87%dasexportadoraspermanentese77%dasiniciantesembarcamas mercadoriassobtalmodalidade(tabela3). Tabela3 Incotermsutilizadosporexportadoresbrasileirossegundooestágiodaempresa EstágiodaEmpresa ExportadorasIniciantes ExportadorasPermanentes Destinodosembarques Mercosul EU Outros Mercosul UE Outros EXW 2,8% ,5% FOB 90,3% 90,9% 68,7% 92,9% 87,0% 78,6% CFR ,5% CIF 6,9% 9,1% 31,3% 3,0% 6,5% 21,4% Fonte:FUNCEX.PesquisaquantitativadeEnfoquePesquisadeMarketing(2001).In:ODesafioda Exportação.ArmandoCastelarPinheiro,RicardoMarkwaldeLiaVallsPereira(org.).RiodeJaneiro: BNDES,2002(1ªed.). SegundopesquisasdaRevistaManaging#Exports#and#Imports(2006)in:Godinho,WagnerB.eVictor A.Antunes(2007),ostermosdeentregademaiorpreferênciadosexportadoresdosEstadosUnidos, considerandotodososmercadosdedestinoforamexw(30,5%),fob(18,5%)ecif(16,2%)(tabela 4). Entretanto, quando o destino das exportações é o Canadá, a preferência foi pelos termos FOB (42%),CIP(25%)eEXW(17%),eosembarquesparaoMéxicoregistraramEXW(38%),FOBeCIF, com15%dototalparacadaum.porsuavez,osincotermsdepreferênciadessesexportadorescom destino a dezesseis países da Europa foram EXW (23%), FOB (17%), FCA (15%) e CIF (13%), enquantoosembarquesdestinadosadozenaçõesdaregiãodaásia2pacífico,foramnamodalidade CIF(27%),EXW(22%)eFOB(15%). Tabela4 IncotermsusadosporexportadoresdosEUAsegundoodestinodosembarques Incoterms2000 Canadá México Europa Ásia2Pacífico Todos EXW 17% 38% 23% 22% 30,5% FCA 8% 8% 15% 10% 9,5%

14 FOB 42% 15% 17% 15% 18,5% CFR % 6% CIF % 13% 27% 16,2% CPT % CIP 25% % 7% DDP 8% 8% 8% 7% 6,5% DES % 17% 5% 8,8% Fonte:MEI2ManagingExportsandImports.Survey:IncotermsusedbyExporters.March2006v.6, n.3.adaptadopeloautor. 7.!Considerações!finais! A inserção dos termos de entrega das mercadorias padronizados pela Câmara de Comércio Internacionalnoscontratosdecompraevendainternacionaléseguramente,segundoKeedi(2004),a decisãomaisimportantenastransaçõesdecomércioexterior,porestabeleceremregrasclarassobre a divisão de responsabilidade de comprador e vendedor sobre os riscos e custos inerentes ao processo logístico, desde a expedição das mercadorias no estabelecimento do vendedor até a recepção das mercadorias no local ou estabelecimento indicado contratualmente pelo comprador. SegundoAlves(2006),aspartesdevemevidenciar,deformaexpressa,nocontratodetransporte,o serviçocontratadoearesponsabilidadedecadaparteemcadaetapadacadeialogística,paraevitar transferirouassumirresponsabilidadesdeformaindevida,oquepoderesultaremgravesprejuízos paraosenvolvidosnasoperaçõescomerciaisinternacionais. A decisão sobre a modalidade de entrega, segundo Rodriguez e Junkes (2007), passa por dois modelos elementares: exportar incorporando ao valor da mercadoria a os gastos referentes a embarque,freteeseguroatéoestabelecimentodocompradorouvender,estabelecendoopreçoda mercadoriapreparadanopróprioestabelecimento,cabendoaocompradoraretiradadasmercadorias easprovidênciasparaoembarqueetransporteinternacional.entretanto,adecisãonãoseresumeà escolhaentrefoboufcaecifoucip(termosdeentreganopaísdovendedor),masdeveainda considerar as modalidades de entrega no país de destino, envolvendo Incoterms do grupo D, em especial,asmodalidadesdat,dapouddp. SegundoLunardi(2001),nãohárestrições para aplicação nas importações brasileiras de qualquer dos Incoterms, exceto entraves operacionais que dificultam a remessa de câmbio para cobrir despesasincorridasnoexteriornastransaçõessegundoostermosexwefca.nasexportações, tais remessas seriam destinadas a pagamento de serviços logísticos e às formalidades administrativaseaduaneirasnopaísdedestino. Os parâmetros de avaliação para a tomada de decisão sobre o Incoterm mais adequado ao exportador, segundo Rodriguez e Junkes (2007), incluem o poder de persuasão e/ou autonomia dentro da cadeia logística para tomar essa decisão, valor agregado da mercadoria, estratégia mercadológica e expertise logística da organização, abrangência e capilaridade regional do canal logístico,capacidadedealavancagemfinanceiraoudeinvestimentopróprioparabancaraoperação eosaspectoslegaisetributáriospertinentes. Em pesquisa junto a 354 empresas exportadoras de diversos portes, patrocinada pela FUNCEX (2001), registrou2se que os principais problemas associados ao transporte e à logística nas exportaçõesbrasileiras,porordemdeimportância,sãooscustosportuários,afaltadenavioscoma frequência adequada para os destinos desejados, o frete marítimo, o custo de armazenagem para exportação,ofretedomésticoeasdificuldadesparaorganizarotransportedeexportação.e,alémdo mais, entre as principais razões para a escolha dos termos de entrega FOB, destacando2se as questõesreferentesacustoseriscosdetransporte(52,5%),opçãodocliente(27,1%),facilidadede negociaçãoparareduçãodopreço(15,8%),normasdaempresa(10,7%)econveniênciadaspartes (9,3%). Aopçãoportermosdeentreganopaísdovendedor,istoé,IncotermsdogrupoDtambémexigirádas autoridadesmonetáriasmaiorliberdadenaremessadevaloresemmoedaestrangeiraparacobertura degastoscomserviçoslogísticoseformalidadesadministrativaseaduaneirasnoexterior,bemcomo, paraorecolhimentodastarifasaduaneirasedemaistributosincidentesnasimportaçõesdospaíses dedestinodasmercadoriasnegociadas. Por outro lado, com relação aos exportadores dos Estados Unidos, foi evidenciado que o custo financeiro e o nível dos serviços logísticos oferecidos em presença de uma infraestrutura mais desenvolvida, proporcionam a experiência com termos de entrega de maior valor agregado em relaçãoàsmodalidadesutilizadaspelasempresasbrasileiras,ressalvando2seaindaoscostumesdo comérciodecadaumdosdoispaíses.

15 Em continuação do presente estudo, os autores sugerem como recomendações, que sejam aprofundadas as pesquisas sobre os aspectos financeiros das cotações de preços internacionais referentesàscomissões,juroseimpostosetaxas,esobreascondiçõesparaqueosincotermssejam compatibilizados com as cotações de frete marítimo internacional, que podem ou não incluir as despesas de carregamento no veículo de transporte principal no local de partida, despesas de descarregamentodotalveículonolocaldedestino,gastoscomestiva,arrumaçãoeconferência. Referências! ALVES, André de Seixas Ponce. O Uso das Terminologias e as Responsabilidades no Transporte Internacional.Revista Global,RiodeJaneiro,setembrode2006. BAPTISTA,LuizOlavoeRÍOS,AníbalSierralta.AspectosJurídicosdoComércioInternacional.Lima: AcademiaDiplomáticadelPeru,1992. BASSO,Maristela.Contratosinternacionais:negociação,conclusãoeprática.PortoAlegre:Livraria doadvogado,1994. BÍBLIASAGRADA.Português.VelhoTestamento:EdiçãoPastoral.SãoPaulo:Paulus,2002. CÂMARADECOMÉRCIOINTERNACIONAL CCI.Publicaçãonº.460 Incoterms1990(Versãoem Português).SãoPaulo:CCI/Aduaneiras, Publicação nº. 560 Incoterms 2000 (Versão em Português). São Paulo: CCI / Aduaneiras,1999..PublicaçãoCCInº.725 Incoterms2010.SãoPaulo:CCI/Aduaneiras, Brochure nº Incoterms 1936: Règles Internationales pour l Interprétation des TermesCommerciaux.Paris:ChambredeCommerceInternationale,1936. ENGELBERG,Esther.ContratosInternacionaisdoComércio(2ªed).SãoPaulo:Atlas,1997. FUNCEX FUNDAÇÃOCENTRODEESTUDOSDOCOMÉRCIOEXTERIOR.Pesquisaquantitativa deenfoquepesquisademarketing(2001).in:odesafiodaexportação.armandocastelarpinheiro, RicardoMarkwaldeLiaVallsPereira(org.).RiodeJaneiro:BNDES,2002(1ªed.). GODINHO,WagnerB.eNadejdaV.S.Domingues.Aimportânciadostermosdeentregacodificados internacionalmenteparaaeficáciadastransaçõesdecompraevendainternacionaldemercadoriase a universalização do uso dos termos comerciais internacionais da CCI 2 Incoterms Curitiba: RevistaCiênciaeCultura UTP,Nº43,dez GODINHO,WagnerB.eVictorAurélioAntunes.Decisãodovendedorsobreostermosentregadas mercadorias na exportação segundo as regras dos Incoterms 2000 da Câmara de Comércio Internacional. IV Simpósio Internacional de Gestão de Negócios em Ambiente Portuário SINAP. UniversidadeCatólicadeSantos,2007,1. Decisão do comprador sobre os termos de entrega das mercadorias nas transações internacionais segundo as regras dos Incoterms 2000 da Câmara de Comércio Internacional. Revista egesta, UniversidadeCatólicadeSantos,v.3,nº.1,ano2007,2. GOEBEL, Dieter. A competitividade externa e a logística doméstica. In: O Desafio da Exportação. Armando Castelar Pinheiro, Ricardo Markwald e Lia Valls Pereira (org.). Rio de Janeiro: BNDES, 2002(1ªed.). GRANZIERO, Maria Luiza Machado. Incoterms. In: RODAS, João Grandino (coord.). Contratos internacionais(2ªed.).sãopaulo:editorarevistadostribunais,1995,pp INTERNATIONAL CHAMBER OF COMMERCE ICC. ICC Publication nº. 589 Incoterms Q & A: Incoterms1990QuestionsandAnswers.Paris:ICC,1998. KEEDI,Samir.Logísticadetransporteinternacional:veículopráticodecompetitividade(2ªEd.).São Paulo:Aduaneiras,2004. LUNARDI,ÂngeloLuiz.CondiçõesInternacionaisdeCompraeVenda:Incoterms2000(2ª.ed.).São Paulo,Aduaneiras,2002. MEI2ManagingExportsandImports.Survey:IncotermsusedbyExporters.March2006v.6,n.3. MOURA,GeraldoBezerrade.CursodeDireitoComercial(2ª.ed.).SãoPaulo:CompanhiaForense, PALMÉS, Remigi. Cómo escoger el Incoterms 2010 correcto sin error. Barcelona: Marge Books, PERRY, Eugene W. Practical Export Trade Finance. Homewood (Estados Unidos): Dow Jones Irwin,1989. PINHEIRO, Armando CastelarY MARKWALD, RicardoY PEREIRA, Lia Valls (org). O Desafio da Exportação.RiodeJaneiro:BNDES,2002(1ªed.). RODRIGUEZ,CarlosM.TaboadaeLucianoN.Junkes.Definiçãodopreçodemercadoria:impactos sobreodesempenhodocanallogísticodeoutbond.todaylogistics&supplychain,anoii,nº14/15, abrilemaiode2007.

16 VALIOTI,Zoi.PassingofRiskininternationalsalecontracts:acomparativeexaminationoftherules onriskundertheunitednationsconventiononcontractsfortheinternationalsaleofgoods(vienna 1980)andINCOTERMS2000.September2003. VIEIRA,GuilhermeBergman.Borges.RegulamentaçãonoComércioInternacional:Aspectos ContratuaiseImplicaçõesPráticas.SãoPaulo:Aduaneiras,2002.

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br

INCOTERMS 2000-2010. samir keedi. samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 samir keedi samir@aduaneiras.com.br INCOTERMS 2000-2010 PUBLICAÇÃO Nº 560 / 715E VIGOR A PARTIR DE 01.01.2000 / 2011 CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL CCI - PARIS O QUE É E O OBJETIVO

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

Os Incoterms 2010 e a universalização do uso de condições gerais de venda padronizadas em contratos de compra e venda internacional de mercadorias

Os Incoterms 2010 e a universalização do uso de condições gerais de venda padronizadas em contratos de compra e venda internacional de mercadorias Os Incoterms 2010 e a universalização do uso de condições gerais de venda padronizadas em contratos de compra e venda internacional de mercadorias Nadejda V. S. Domingues Bacharela em Relações Internacionais

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio)

INCOTERMS. (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) INCOTERMS INCOTERMS (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) Servem para definir, dentro da estrutura de um contrato de compra e venda internacional, os direitos e obrigações

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS)

CURSOS ON-LINE COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO REGULAR PROFESSORES: RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) AULA 09 INCOTERMS (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS) Olá pessoal. Hoje falaremos sobre o tema Incoterms, que tanto cai nas provas. É a nossa última aula. As próximas serão ministradas pelo professor Rodrigo

Leia mais

Módulo 21 Comércio Internacional

Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Módulo 21 Comércio Internacional Exportação e Importação Trabalho realizado por: Tânia Leão n.º19 12.ºS Importação e Exportação A Exportação é a saída de

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira

Escola Secundária com 3º ciclo de Paços de Ferreira INCOTERMS CATARINA CAMPOS, Nº7 CATARINA PINTO, Nº8 12ºS INCOTERMS Os INCOTERMS (International Commercial Terms) podem ser considerados como um conjunto de regras internacionais de carácter facultativo

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides : il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística : incoterms / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 23 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Comércio Internacional Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 01. (AFRF/2002-2) Considerando que o sistema harmonizado de

Leia mais

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes.

(ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. FORMAS DE PAGAMENTO E SEGUROS (ECT/2011) Considerando as diferentes modalidades de pagamento previstas na legislação Brasileira, julgue os itens seguintes. 1. Na modalidade denominada carta de crédito,

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR

INCOTERMS GRUPO E ENTREGA NO ESTABELECIMENTO DO IMPORTADOR/ EXPORTADOR Introdução Nas relações de Comércio Internacional, tanto o exportador quanto o importador devem agir de acordo com normas estabelecidas pelos órgãos competentes a fim de haver êxito na logística das mercadorias.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do

Glossário. Alfândega (do árabe al-fundaq, hospedaria, estalagem) ou aduana (do Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe ad-dīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controle do movimento de

Leia mais

Joana Nunes Coelho 19.11.2014

Joana Nunes Coelho 19.11.2014 Joana Nunes Coelho 19.11.2014 1 INDICE TEMÁTICO 1. Contrato de compra e venda internacional 2. Incoterms 2010 que diferenças? 3. Análise das regras Incoterms 2010 a. Para qualquer modo ou modos de transporte;

Leia mais

AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL AS FÓRMULAS CONTRATUAIS TÍPICAS UTILIZADAS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Elaborado em 09.2007 Cátia Cristina de Oliveira Bethonico Advogada formada pela Universidade Federal de Ouro Preto e Mestranda em Direito

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO

CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO AIMINHO - CHAVES CONTRATUAIS DA EXPORTAÇÃO I.- Contratos de compra e venda II.- Contratos de agência e distribuição III.- Factuar para cobrar 2 I.- CONTRATOS DE COMPRA

Leia mais

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática

INCOTERMS Check list para uma boa utilização na prática INCOTERMS 2010 INCOTERMS 2010 1. O que são? 2. Antecedentes históricos e evolução 3. Elementos chave 4. 2 classes & principais diferenças entre D e C 5. As obrigações ao abrigo de cada regra Incoterms

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

INCOTERMS. (International Commercial Terms)

INCOTERMS. (International Commercial Terms) Página 1 INCOTERMS (International Commercial Terms) André de Farias Albuquerque Recife PE 2016 Página 2 ANDRÉ DE FARIAS ALBUQUERQUE INCOTERMS (International Commercial Terms) Recife, janeiro de 2016. Página

Leia mais

Curso Analista de Importação

Curso Analista de Importação Curso Analista de Importação (Curso Presencial em Belo Horizonte) Objetivo: Capacitar o aluno para planejar e gerenciar os processos de importação de uma empresa, atuando como analista de importação ou

Leia mais

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II

ZONAS FRANCAS. PDF criado com versão de teste do pdffactory. Para comprar, acesse www.divertire.com.br/pdffactory UNIDADE I PARTE II RELAÇÕES INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO Profª [ Sidney Jaciana Reis] Amorim UNIDADE I PARTE II ZONAS FRANCAS PRINCIPAIS CONCEITOS UTILIZADOS PORTO SECO LIVRE denominação dada as Zonas Francas onde não há portos

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Concurso Receita Federal

Concurso Receita Federal PAGAMENTOS INTERNACIONAIS Concurso Receita Federal Analista Prof.Nelson Guerra VISÃO GERAL DE UMA OPERAÇÃO DE IM/EXPORTAÇÃO 1) OPORTUNIDADE NEGOCIAL: Contato importador / exportador. 2) REGULAMENTAÇÃO:

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula

Cursos in company CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula CIA. LIBRA Formação Básica em Comércio Exterior Carga horária: 36h/aula PROGRAMA Preparando-se para exportar 6 hs Procedimentos básicos na exportação 6 hs Procedimentos básicos na importação 6 hs Câmbio

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas. INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established

INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas. INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established Eixo Temático: Relações Internacionais INCOTERMS: Definições e Responsabilidades Estabelecidas INCOTERMS: Definitions and Responsibilities Established Iliane Colpo, Ana Paula de Azevedo Dal Pozzolo,Rafael

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

Modalidades de Pagamento

Modalidades de Pagamento Modalidades de Pagamento Remessa / Pagamento antecipado: Nesta modalidade, o importador realiza o pagamento ao exportador antes do envio da mercadoria. Trata-se da opção mais interessante para o exportador,

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL

Prof. Glauco Carvalho. INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL Prof. Glauco Carvalho INCOTERMS e LOGÍSTICA INTERNACIONAL INCOTERMS Em qualquer transação de compra e venda internacional as responsabilidades se dividem. A globalização promoveu a criação de uma normatização

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Curso de Consultoria Empresarial

Curso de Consultoria Empresarial Curso de Consultoria Empresarial (Curso Presencial em Belo Horizonte) Início - 23/08 Objetivo: Capacitar o aluno para atuar na área de consultoria e gestão empresarial. Este é um curso livre de capacitação

Leia mais

GOIÂNIA, MARÇO DE 2003.

GOIÂNIA, MARÇO DE 2003. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Professores: Lucilene Correia de Macêdo e Manuel Gomes da Silva Não existe vento favorável para aquele que não sabe aonde vai. (Sêneca) GOIÂNIA,

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO

RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. RESUMO DA 3ª AVALIAÇÃO Prof. Esp. Romoaldo J S do Carmo Disciplina: Comércio Exterior 14 - FORMAS

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

SERIE DE AGRONEGÓCIOS Cadernos para a exportação. A CONTRATAÇÃO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Guia prático para exportadores

SERIE DE AGRONEGÓCIOS Cadernos para a exportação. A CONTRATAÇÃO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Guia prático para exportadores SERIE DE AGRONEGÓCIOS Cadernos para a exportação A CONTRATAÇÃO NO COMÉRCIO INTERNACIONAL Guia prático para exportadores Elaborado para o IICA por Luis Clemente Ventura, advogado. El Salvador, março de

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA I. Aplicabilidade Estas Condições Gerais serão aplicáveis a todas as vendas efetuadas pela Nefab e suas afiliadas (VENDEDOR) aos seus clientes (COMPRADOR). Desvios destas Condições

Leia mais

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com base no Método Primeiro, o valor

Leia mais

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02.

OBS: o que está grifado em amarelo foi suprimido da resolução na versão do dia 29/02. NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SEREM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES E VOLUMES, EM INSTALAÇÕES DE USO PÚBLICO, NOS PORTOS ORGANIZADOS -

Leia mais

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA

CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA CURSO CANAL DISCIPLINA: COMÉRCIO INTERNACIONAL MÓDULO: VALORAÇÃO ADUANEIRA PROF: LUIZ ROBERTO MISSAGIA LISTA DE EXERCÍCIOS DE AULA EXERCÍCIOS 1 (AFRF/2002-1) Por meio dos elementos abaixo determine, com

Leia mais

INCOTERMS: aspectos operacionais e jurídicos relevantes na teoria e na prática do comércio internacional

INCOTERMS: aspectos operacionais e jurídicos relevantes na teoria e na prática do comércio internacional Martinho Martins Botelho INCOTERMS: aspectos operacionais e jurídicos relevantes na teoria e na prática do comércio internacional Atualizado conforme os Incoterms 2010 São Paulo 2011 Martinho Martins Botelho

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12º Ano do Curso Técnicas de Secretariado 2009/2010. Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento no comércio Internacional Formas de Pagamento Tanto o exportador como o importador devem evitar os riscos de natureza comercial a que estão sujeitas as transacções internacionais. Ao

Leia mais

ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR

ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR A elaboração deste estudo foi feita por Rodrigo Monteiro Vicente, atualmente Diretor Financeiro da Leschaco Agente de

Leia mais

104 Introdução ao e-learning

104 Introdução ao e-learning 104 Introdução ao e-learning Ficha Técnica Título: Comércio Internacional Autor: Alfredo Motty Editor: Companhia Própria Formação e Consultoria Lda. Edifício World Trade Center, Avenida do Brasil, n.º

Leia mais

GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO

GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO GUIA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO para mais informações: Responsável: 913232522 Indice: 244 850 430 Acsia: 262 598 449 1 ÍNDICE Enquadramento Com tantos mercados, quais é que eu vou escolher e como?

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais