MANUAL DO REGISTO CENTRAL DE AUXÍLIOS DE MINIMIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO REGISTO CENTRAL DE AUXÍLIOS DE MINIMIS"

Transcrição

1 Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional, IP outubro 2008

2

3 Registo do Controlo de MINIMIS Registo Central de auxílios de minimis Índice 1. As comunicações regulares 5 2. Alterações às comunicações Relatório de Erros na validação Relatório de Importação 27 3

4

5 Registo do Controlo de MINIMIS 1. AS COMUNICAÇÕES REGULARES Qualquer informação sobre apoios concedidos ou a conceder deve ser remetida para o A importação de dados para o Registo Central faz-se através de ficheiros de importação em formato xls ou xml. 5

6 MINIMIS 1.1 Ficheiros de importação em formato xls (Excel) As comunicações de apoios em formato xls (excel) são efectuadas através de um modelo, a disponibilizar pelo IFDR a todas as entidades responsáveis, designado ficheiro de importação. 6

7 Registo do Controlo de MINIMIS Ao proceder-se à abertura do ficheiro de importação ( excel) deverá ser escolhida a opção enable macros Preenchimento do ficheiro de importação No preenchimento do ficheiro de importação não devem ser deixadas linhas em branco. 7

8 MINIMIS Novas concessões ou revogações A primeira operação que o utilizador deve fazer é a escolha da tipologia do registo, ou seja indicar se o apoio que pretende comunicar se trata de uma concessão ou de uma revogação. Chama-se a atenção para o seguinte: A informação que é objecto de validação para efeitos de controlo de acumulação de ajuda é a relativa ao montante do apoio aprovado. Desta forma, só podem ser consideradas para efeitos de registo na aplicação, os apoios que configurem uma decisão de concessão ou de revogação. As alterações aos incentivos já concedidos são tratadas como Concessão de apoio financeiro, caso se trate de incrementos de apoio, ou de Revogação de apoio financeiro caso se trate de reduções, totais ou parciais, do apoio inicialmente aprovado. Nestas situações os valores que deverão ser comunicados são os incrementos ou reduções que forem aprovadas. 8

9 Registo do Controlo de MINIMIS Identificação do programa e da entidade De seguida o utilizador deve identificar o Programa/Entidade no âmbito do qual os apoios estão a ser comunicados, por selecção de tabelas pré-definidas. Estas tabelas são construídas com base na informação que é remetida ao IFDR para identificação dos regimes de apoio que são criados ao abrigo da regra de minimis. 9

10 MINIMIS Com a escolha da entidade, o campo contacto é automaticamente preenchido pela aplicação. 10

11 Registo do Controlo de MINIMIS Código do Incentivo Cada projecto poderá ter um código de origem atribuído pelas entidades que concedem os auxílios. No entanto, sempre que esse campo esteja em branco, aquando da comunicação da concessão de apoios, a aplicação atribuí automaticamente um código a cada um dos apoios que será comunicado à respectiva entidade no Relatório de Importação. Sempre que se trate da comunicação de uma revogação (total ou parcial) de um apoio, este teve de ser anteriormente comunicado, pelo que torna-se imprescindível o registo do código de incentivo, de modo a ser claramente identificado que apoio aprovado se pretende revogar ou reduzir. Esta informação é subsequentemente validada quando introduzida no Registo Central. 11

12 MINIMIS Identificação do Número de identificação fiscal (NIF) Cada beneficiário, juridicamente diferente *, só pode ter um único NIF. Sendo um código de correspondência única é a variável chave para a identificação dos beneficiários apoiados e o subsequente controlo de acumulação de apoios. Criaram-se mecanismos de validação sobre a informação relativa ao NIF, sendo parte dos mesmos dados a conhecer de imediato ao utilizador na altura da sua inserção na folha em Excel. Assim nenhum NIF definitivo poderá ser inscrito com um número de dígitos superior a 9. Caso o NIF indicado se trate de um NIF provisório poderão ser aceites NIF iniciados por T (num total de 9 dígitos) ou P (num total de 10 dígitos). * Consultar Guia de Aplicação para clarificação do conceito de Entidade Beneficiária. 12

13 Registo do Controlo de MINIMIS Além desta primeira validação, antes da inserção da informação comunicada no Registo Central de apoios, a mesma é validada. Caso o NIF definitivo indicado não se trate de um NIF válido a comunicação será devolvida à entidade que procedeu ao seu envio, com a indicação do erro encontrado. Nestes casos, deverá então ser apurado junto do potencial beneficiário candidato ao apoio, o NIF correcto, após o que deverá então ser reenviada a comunicação com o NIF já corrigido. Esta informação será igualmente útil às entidades responsáveis pela concessão dos apoios, uma vez que passarão a dispôr de uma triagem da informação prestada pelo beneficiário Identificação dos códigos das Classificações de Actividades Económicas (CAE) Com a análise dos códigos CAE pretende-se aferir o âmbito sectorial de aplicação do Regulamento (CE) nº 1998/2006 de 15 de Dezembro, designadamente as actividades não enquadráveis definidas nas alíneas a), b), c), f) e g) do ponto 1 do artigo 1º. Os códigos CAE a inscrever no ficheiro devem ter por base a subclasse da tabela CAE, constante no Decreto-Lei nº 381/2007 de 14 de Novembro, que entrou em vigor em 01/01/2008, e devem corresponder a um número de 5 dígitos. 13

14 MINIMIS Beneficiário A designação do beneficiário deverá ser registada sempre da mesma forma, ou seja, sempre que é comunicado um novo apoio para uma entidade que já conste do Registo Central a respectiva designação da entidade não deve ser alterada, de modo a evitar situações em que a mesma entidade consta do Registo Central com designações diferentes. 14

15 Registo do Controlo de MINIMIS Esta correcção será feita pelo IFDR e registada na resposta, sempre que o primeiro registo do beneficiário na aplicação tenha sido comunicado por outra entidade (situação em que o utilizador desconhece de que forma é que a designação do beneficiário foi redigida). 15

16 MINIMIS Validação do controlo das excepções O Regulamento (CE) nº 1998/2006 de 15 de Dezembro, nas alíneas d), e), e h) do ponto 1 do artigo 1º, prevê situações não enquadráveis nos auxílios de minimis para as quais a análise da CAE não se ajusta. Neste sentido e por forma a aferir a confirmação de que foram ponderadas estas situações pela entidade responsável pela concessão dos apoios, constam 3 colunas no ficheiro de importação, para que sejam preenchidas com SIM caso o apoio em causa seja enquadrável nessas alíneas e NÃO caso contrário. Pretende-se, assim, aferir que os apoios a conceder não se destinam diretamente a: Actividades relacionadas com exportação para países terceiros ou Estados-Membros; Utilização de produtos nacionais em detrimento de produtos importados; Empresas em dificuldade *. * Uma empresa em dificuldade é uma empresa incapaz, com os seus próprios recursos financeiros ou com os recursos que os seus proprietários/ accionistas e credores estão dispostos a conceder-lhe, de suportar prejuízos que a condenam na ausência de uma intervenção externa dos poderes públicos, ao desaparecimento quase certo a curto ou médio prazo (Comunicação da Comissão (2004/C 244/02). 16

17 Registo do Controlo de MINIMIS Sempre que for seleccionado o SIM numa dessas colunas do ficheiro de importação não será importado, sendo devolvido, à entidade que procedeu à comunicação, um Relatório de Erro. 17

18 MINIMIS Data de decisão A data de decisão a inscrever é a data em que foi decidida a concessão do apoio (novo apoio ou acréscimo do apoio) ou a revogação total ou parcial de um apoio anteriormente aprovado. Igualmente foram introduzidas validações sumárias a este registo devendo o mesmo ser sempre efectuado no formato dd/mm/aaaa. Para além desta validação, e aquando do registo na aplicação de revogações do apoio financeiro, a respectiva data de decisão não poderá ser anterior à decisão da aprovação (esta validação é feita aquando da análise dos dados para inserção no Registo Central). 18

19 Registo do Controlo de MINIMIS Valor do incentivo O valor do incentivo a introduzir será o total de apoios de minimis que se pretende atribuir não devendo ser feita qualquer desagregação por componentes do apoio (ex: o apoio a atribuir a um projecto, para este efeito, consiste na soma dos apoios à criação de postos de trabalho e dos apoios ao investimento no caso do programa de estímulo à oferta de emprego). Deverão ser evitadas as situações em que, no mesmo ficheiro de comunicação de apoios, para o mesmo beneficiário sejam registados vários apoios concedidos (1 por linha). Nestas situações deverão ser enviados tantos ficheiros, quantos os projectos que estejam em causa, ou somados os apoios, se se tratar do mesmo projecto e da mesma data de decisão. O valor do Incentivo a inserir será sempre positivo, mesmo que se trate de uma revogação total ou parcial, não devendo ter mais de 6 algarismos à esquerda da vírgula. 19

20 MINIMIS O valor do apoio a ser transmitido é o equivalente subvenção bruto, ou seja o valor que efectivamente corresponde a uma vantagem financeira atribuída pelo Estado (independentemente do organismo que atribui a ajuda) ao beneficiário. Assim, no caso de se tratar de um incentivo a fundo perdido o correspondente equivalente de subvenção bruto é igual ao valor do incentivo aprovado, uma vez que a totalidade do apoio corresponde de facto a uma vantagem financeira que o Estado proporciona ao beneficiário. No caso de se tratar de um subsídio reembolsável, o respectivo equivalente de subvenção terá de ser calculado, uma vez que o valor do reembolso não confere uma vantagem para a empresa encontrando-se esta vantagem apenas no valor dos juros que a empresa fica dispensada de pagar. As taxas de juro de referência utilizadas para avaliar o equivalente subvenção de um auxílio pago em diversas fracções de modo a calcular o elemento de auxílio, são fixadas pela Comissão Europeia e divulgadas periodicamente. 20

21 Registo do Controlo de MINIMIS Tal como já se referiu (vide ponto 2.1) nas situações de nova decisão que representem um aumento ou uma redução/revogação (parcial ou total) do apoio concedido os valores que deverão ser comunicados são os incrementos ou reduções que forem aprovadas. - Se o apoio inicialmente aprovado para um projecto foi de euros e se pretende que a empresa possa beneficiar de um apoio total de euros, verifica-se que o que está em causa é a aprovação de um novo apoio de euros. Neste caso, a comunicação de apoio deverá ser a concessão de apoio financeiro e o valor a indicar seria de euros. - Se ao invés o apoio inicial aprovado para um projecto foi de euros e se se pretende que a empresa possa beneficiar apenas de um apoio total de euros, verifica-se que o que está em causa é a aprovação de uma redução do apoio inicial de euros. Neste caso, a comunicação de apoio deverá ser a revogação do apoio financeiro e o valor a indicar seria de 5000 euros. Igual procedimento deverá ser adoptado caso a nova decisão determine uma anulação do valor do incentivo. Naturalmente, o valor do apoio que se pretende revogar ou reduzir não poderá ser superior ao valor do apoio inicialmente aprovado (esta validação é feita aquando da análise de dados antes da sua inserção no Registo Central e as comunicações em que se verifique este lapso serão devolvidas). 21

22 MINIMIS Registo da medida Por último o registo da medida é feito pelo utilizador com base numa tabela que está subjacente a este campo e que dá apenas acesso às medidas que são geridas no âmbito do Programa já identificado pela entidade no início do preenchimento do ficheiro. 22

23 Registo do Controlo de MINIMIS 1.2 Ficheiros de importação em formato xml No caso dos ficheiros xml devem ser identificados os seguintes campos: Código da operação - No caso de uma concessão será o código C (em maiúsculas), - No caso de uma revogação será o código R (em maiúsculas). 23

24 MINIMIS Código da entidade - corresponde ao código da entidade responsável pela comunicação dos apoios a conceder e é atribuído pelo IFDR aquando da acreditação do Programa no Registo Central Código do incentivo; NIF do beneficiário; CAE; Situações de excepção Consoante a situação deverá ser inscrito nos seguintes campos SIM OU NÃO: - Auxílios concedidos a actividades relacionadas com exportação para países terceiros ou Estados-Membros: <actexport> SIM ou NÃO </actexport> - Auxílios subordinados à utilização de produtos nacionais em detrimento de produtos importados: <utlprodnac> SIM ou NÃO </utlprodnac> - Auxílios concedidos a empresas em dificuldade: <empdif> SIM ou NÃO </empdif> Designação do beneficiário - neste campo apenas estão disponíveis 75 caracteres, pelo que as designações que ultrapassem este limite serão cortadas no 75º carácter. Data de decisão (dd/mm/aaaa) da concessão ou da revogação; Montante do incentivo - sem espaços nem vírgulas e em que a unidade é separada da décima por um ponto; Código da medida - corresponde ao código da Medida associada ao Programa em causa e é atribuído pelo IFDR aquando da acreditação do Programa no Registo Central. Do ponto de vista conceptual deverão ser observados todos os requisitos inerentes ao preenchimento da informação que é registada em Excel apresentados no Ponto

25 Registo do Controlo de MINIMIS 2. Alterações às comunicações Qualquer alteração de NIF, de designação do beneficiário ou de CAE deve ser comunicada ao IFDR em comunicação específica para o efeito (enviada para o mesmo endereço electrónico) não sendo incluída no ficheiro de importação descrito no ponto 1. Nesta comunicação dever-se-á fazer referência a todos os campos relativos ao apoio que se pretende alterar (incluindo o código do projecto) para que não haja qualquer dúvida sobre o projecto que se pretende alterar e a informação a alterar. 25

26 MINIMIS 3. Relatório de Erros na validação Sempre que os ficheiros em Excel são integrados na aplicação é feita uma análise aos dados, sendo identificadas no campo Erro do Relatório criado para o efeito (Relatório de Erros na validação, que consta na figura) as situações de não conformidade que tenham sido detectadas. No caso de se tratar de um novo apoio as situações de não conformidade são as seguintes: NIF não ser válido, ou já existir na aplicação o mesmo NIF com outra designação do beneficíario; CAE não ser válida; CAE corresponder a uma actividade não elegível no âmbito dos auxílios de minimis; 26

27 Registo do Controlo de MINIMIS O apoio a conceder enquadrar-se nas seguintes situações (vide ponto 1.2.8): - Auxílios concedidos a actividades relacionadas com exportação para países terceiros ou Estados-Membros; - Auxílios subordinados à utilização de produtos nacionais em detrimento de produtos importados; - Auxílios concedidos a empresas em dificuldade. No caso de se tratar de uma revogação do incentivo: o código do projecto/medida/valor não ter correspondência com os valores aprovados e já registados. Caso os erros detectados careçam de ser corrigidos pela entidade que enviou a comunicação, este Relatório será enviado a acompanhar a mensagem de devolução do ficheiro para identificação e subsequente correcção dos erros detectados. Nesta situação o ficheiro deverá ser reenviado depois de corrigido para inserção no Registo Central. 27

28 MINIMIS 4. Relatório de Importação Concluída a análise dos dados, no caso de inexistência de erros ou desconformidades, o ficheiro de importação reúne condições para ser integrado no Registo Central. Após a integração dos dados e extraído o Relatório de Importação, este será, nos termos habituais, enviado à entidade que comunicou os apoios, devendo o mesmo fazer parte integrante do processo de decisão. Pr o g r a m a Este Relatório contém informação que constava do ficheiro de importação que foi inserido e informação extraída do Registo Central: a identificação do Programa no âmbito do qual o apoio foi comunicado; a identificação se estamos em presença de uma Concessão ou Revogação de apoio financeiro; o Código do Incentivo (que deverá ser tomado em consideração para eventuais comunicações de revogações totais ou parciais do incentivo); 28

29 Registo do Controlo de MINIMIS o NIF; a CAE; a Designação do Beneficiário (será aqui explicitada a designação que foi registada na aplicação, devendo em próximas comunicações de apoios para o mesmo beneficiário, caso existam, ser redigida desta forma); as colunas [1] a [3] relativas às situações não enquadráveis nos auxílios de minimis para as quais a análise dos códigos CAE não se ajusta; a Data de Decisão da concessão ou da revogação do apoio; o valor do Incentivo; a Medida; o Montante Acumulado (regra de minimis), que consiste na soma do valor que cumulativamente se encontra na aplicação registado para o Beneficiário, tendo em conta o montante total de auxílios de minimis concedidos durante um período de três exercícios financeiros, adicionado do novo valor agora comunicado; Este montante acumulado (regra minimis) permitirá à entidade tomar a decisão final de aprovação ou, por outro lado, proceder ao recalculo do valor a atribuir tendo em vista não ultrapassar o limite máximo de acumulação de apoios minimis, configurando assim uma nova decisão a ser comunicada. 29

30 MINIMIS Assim temos: - Se o apoio que se pretende atribuir é de e o valor acumulado que surge no Relatório de Importação é de , significa que o valor acumulado que se encontrava registado na aplicação era de euros ( ), pelo que de modo a não ultrapassar o limite terá de ser apenas aprovado um valor de ao invés dos Nesta situação deverá de seguida ser-nos enviada nova comunicação com a revisão da decisão inicial, o que configura uma nova decisão de redução do valor do incentivo aprovado, passando de 45000euros para euros. - De acordo com o referido no ponto supra esta comunicação seria uma comunicação de revogação com um valor de ( ). Mensagens de alerta que surgem quando a análise do código CAE por si só não permite aferir o enquadramento do apoio no âmbito dos auxílios de minimis. 30

31 Registo do Controlo de MINIMIS Quando a CAE indicada corresponde a actividades de transformação e comercialização de produtos agrícolas indicados no Anexo I do Tratado previstas na alínea c) do número 1 do artigo 1º do Regulamento (CE) nº1998, de 15 de Dezembro, a mensagem será: Não enquadrável no regime de minimis de acordo com a alínea c) do nº 1 do art. 1º do Regulamento (CE) nº 1998/2006 de 15 de Dezembro, nos seguintes casos: Sempre que o montante de auxílio for fixado com base no preço ou na quantidade dos produtos adquiridos junto de produtores primários ou colocados no mercado pelas empresas em causa; Sempre que o auxílio esteja subordinado à condição de ser total ou parcialmente repercutido para os produtores primários. Quando a CAE em análise contenha actividades classificadas como de transformação de produtos e outras actividades industriais será emitida uma das seguintes mensagens, complementar à anterior: 31

32 MINIMIS No caso de 1ª transformação (polpes ou polmes, concentrados e sumos naturais obtidos directamente da fruta e produtos hortícolas) ou transformação ulteriores quando integrados com a 1ª transformação No caso de 1ª transformação de frutos em frutos confitados (caldeados, cobertos ou cristalizados) ou resultantes de transformações ulteriores quando integradas com a primeira transformação) No caso de vinagres de origem vinica quando integradas com a 1ª transformação No caso de tratamento e liofilização e conservação de ovos e ovoprodutos No caso de preparação do linho até à fiação No caso de 1ª transformação (descasque, corte e aplainamento) No caso de 1ª transformação (preparação, trituração/granulação) Caso a aplicação emita uma destas mensagens complementares significa que as precauções de enquadramento a considerar não se aplicam à totalidade das actividades abrangidas por essa CAE mas apenas à actividade referida na mensagem. 32

33 Registo do Controlo de MINIMIS Poderá igualmente ser acrescentada a seguinte mensagem no caso de actividades relacionadas com a comercialização de produtos agrícolas: Se for a primeira venda de um produtor primário a revendedores e transformadores e qualquer actividade de preparação de um produto para a primeira venda não é enquadrável no regime de minimis, de acordo com as alíneas b) e c) do nº 2 do art. 1º do Regulamento (CE) nº 1998/2006 de 15 de Dezembro. Quando a CAE indicada corresponde a uma actividade do sector dos transportes rodoviários, a mensagem será: Não são enquadráveis no regime de minimis os auxílios que se destinem à aquisição de veículos de transporte rodoviário de mercadorias concedidos a transportadores rodoviários de mercadorias por conta de terceiros de acordo com alínea g) do número 1 do artigo1º do o Regulamento (CE) nº 1998/2006 de 15 de Dezembro. 33

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - - MAIS CENTRO - GUIA DE SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO: - SUBMISSÃO ELECTRÓNICA DOS PEDIDOS DE PAGAMENTO - SUBMISSÃO DE CHECK-LIST

Leia mais

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE

circular ifdr Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa SÍNTESE ÍNDICE N.º 07/2009 Versão n.º 01.0 Data de aprovação: 2009/11/04 Orientações para o preenchimento do formulário de declaração de despesa Elaborada por: Unidade de Coordenação da Gestão Operacional SÍNTESE A presente

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Questões mais frequentes FAQs Maio/2012 Versão 2.0 DDO É obrigatório adoptar o novo formato para envio da informação de Folhas de Férias estabelecido na legislação em vigor

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS

CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS CARTÃO BIGONLINE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PONTOS Definições: Gestor: Banco de Investimento Global, S.A., responsável pela concepção, gestão e desenvolvimento do Programa de Pontos (adiante designado

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora)

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) ACÇÃO 4.2.2 REDES TEMÁTICAS DE INFORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) União Europeia FEADER PRODER 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo

Plataforma de Benefícios Públicos Acesso externo Índice 1. Acesso à Plataforma... 2 2. Consulta dos Programas de Beneficios Públicos em Curso... 3 3. Entrar na Plataforma... 4 4. Consultar/Entregar Documentos... 5 5. Consultar... 7 6. Entregar Comprovativos

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

Entrega de Folhas de Férias

Entrega de Folhas de Férias Entrega de Folhas de Férias Guia do Utilizador Versão 4.0 Agosto/ 2014 Índice 1. Introdução 2. Criar/ Validar Folhas de Férias 3. Acesso à funcionalidade 4. Inserir/ Consultar Folhas de Férias 5. Comprovativo

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Nota 2014-07-22. Enquadramento

Nota 2014-07-22. Enquadramento Nota Reg (CE) 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107º. e 108º. do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia aos auxílios de minimis Conceito de empresa única

Leia mais

FAQ s para os Administradores do Sistema

FAQ s para os Administradores do Sistema FAQ s para os Administradores do Sistema Este documento disponibiliza FAQ s sobre vários temas. Clique sobre o tema que lhe interessa para aceder às respetivas FAQ s. FAQ s sobre a credenciação do Administrador

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

prodj Condições Gerais de Venda On-line

prodj Condições Gerais de Venda On-line Índice 1. Contactos da prodj... 2 2. Processo de compra na loja on line da prodj... 2 2.1. Registo introdução, correcção e eliminação de dados pessoais... 2 2.2. Segurança no registo... 2 2.2. Compra...

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO

INSTITUTO DOS VINHOS DO DOURO E DO PORTO 1 de 6 Considerando que o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP), procurando agilizar e simplificar os procedimentos legais exigíveis, quer para a denominação de origem (DO) Porto, quer

Leia mais

Registo central de apoios de minimis

Registo central de apoios de minimis Registo central de apoios de minimis 1. NOÇÃO DE AUXÍLIO DE ESTADO 2. OS AUXÍLIOS DE ESTADO OBJECTO DE COFINANCIAMENTO 3. O REGISTO CENTRAL DE AJUDAS DE MINIMIS 4. A aplicação das disposições do Reg. 69/2001,

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES

ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES ACUMULAÇÃO DE FUNÇÕES MANUAL DE APOIO Este manual de apoio destina-se aos docentes do ensino oficial que pretendam requerer autorização para acumular funções. Exceptuam-se aqueles que se encontram na situação

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2

Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 Orientação de Gestão 3.Rev.2 (2013) Procedimentos de Verificações de Gestão Sistema de Incentivos do ON.2 1. ENQUADRAMENTO 1.1. De acordo com a alínea b) do artigo 60.º do Regulamento (CE) n.º 1083/2006,

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros

Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros Instrução da CMVM N.º 3/2008 Informação sobre Concessão de Crédito para a Realização de Operações sobre Instrumentos Financeiros A CMVM, no âmbito e no exercício da actividade de supervisão, entende dever

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.1.2 INVESTIMENTOS DE PEQUENA DIMENSÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis apenas nos

Leia mais

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS

MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS MANUAL DE SUBMISSÃO DE PEDIDOS PARA EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE UM MEDICAMENTO MODELO OMS E DECLARAÇÕES DE MEDICAMENTOS GLOSSÁRIO... 2 INTRODUÇÃO... 3 Objectivo... 3 DEFINIÇÕES... 3 Certificado de um medicamento

Leia mais

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO Introdução Esta informação foi concebida como apoio ao processo de submissão dos

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES

MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES MODELO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES GUIÃO DE UTILIZAÇÃO FORMULÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE ALTERAÇÕES - 1 - INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Questões Prévias: 1. A Entidade Titular do Pedido de Financiamento deverá

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Registo de Produtores de Pilhas e Acumuladores

Registo de Produtores de Pilhas e Acumuladores MANUAL DE PROCEDIMENTOS Registo de Produtores de Pilhas e Acumuladores Ecopilhas Sociedade Gestora de Resíduos de Pilhas e Acumuladores, Lda. JUNHO 2011 Índice 1. Início do Registo de Produtor de Pilhas

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS "COMÉRCIO INVESTE"

SISTEMA DE INCENTIVOS COMÉRCIO INVESTE Parametrização = 2.ª Fase = SISTEMA DE INCENTIVOS "COMÉRCIO INVESTE" Projeto Individual de Modernização Comercial Ano de Referência 2015 Referência da Candidatura Candidatura enviada em: Referência do

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO \ Este guia tem por finalidade prestar apoio aos beneficiários com o intuito de facilitar o preenchimento do formulário de Pedido de Pagamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Direccionado para as escolas www.estagiostic.gov.pt Índice 1. Objectivo da Plataforma... 2 2. Acesso restrito... 2 3. Perfis... 2 3.1. O administrador...

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema de Apoio a Ações Coletivas

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. DIPLOMA: Decreto-Lei n.º 89/95, de 06 de Maio SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. ALTERAÇÕES: Declaração

Leia mais

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS

MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS MANUAL DA TRANSFERÊNCIA ELECTRÓNICA DE DADOS O relacionamento com os prestadores convencionados tem vindo a sustentar-se na utilização de transferências electrónicas de dados (TED) que permitem alterar

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

Actualização. Versão 5.3.1

Actualização. Versão 5.3.1 Actualização Versão 5.3.1 Janeiro 2011 2 JURINFOR Rua de Artilharia 1, Nº 79 3º Dtº - 1250-038 LISBOA PORTUGAL 1 Índice 2 Facturação Certificada Conformidade de procedimentos... 4 2.1 Documentos Certificados...

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA 2014 CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Direcção Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social [DOCUMENTO DE APOIO À CANDIDATURA ON LINE ] Para mais esclarecimentos, ligue para 21 798 86 01/ 86 55 ou através

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIZAÇÃO DO CARTÃO ZILIAN PROPRIEDADE E EMISSÃO 1. O CARTÃO ZILIAN é válido nos estabelecimentos comerciais Zilian, pertencentes ao Grupo Mar Capital, SGPS, SA, adiante designados

Leia mais

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho:

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho: Dedução de despesas IRS 2015 A partir de 2015 as despesas dedutíveis à colecta de IRS, que agregam as despesas com todos os membros do agregado familiar, incluindo os filhos, exigem uma observância rigorosa

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010

Linha PME Investe V. Millennium bcp. Maio 2010 Linha PME Investe V Millennium bcp Maio 2010 Protocolo celebrado entre o Millennium bcp, a PME Investimentos, o IAPMEI, as Sociedades de Garantia Mútua (Norgarante, Garval, Lisgarante e Agrogarante). Disponibiliza

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.5.2 RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO União Europeia FEADER Página 1 -Acção 152 Restabelecimento do Potencial Produtivo Funcionamento genérico Os formulários

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira

CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL . Considerando I. II. III. IV. Primeira CONTRATO DE BOLSA Entre FUNDAÇÃO BIAL, instituição de utilidade pública, com o número de identificação de pessoa colectiva 503 323 055, com sede na Avenida da Siderurgia Nacional, S. Mamede do Coronado,

Leia mais

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII

Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Movimento Transfronteiriço de Resíduos Lista Verde Desmaterialização do Anexo VII Versão 2.4 agosto de 2015 Perfil SILiAmb O perfil de utilizador 3. Pessoa que trata da transferência em Movimentos Transfronteiriços

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA

TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA pág. 1 / 5 TERMOS E CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO e CONDIÇÕES GENÉRICAS DE VENDA 1. INTRODUÇÃO O site de vendas online www.fitnesshut.pt (adiante designado por site ou loja online) é um site de vendas online

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed.

Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES. Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde. Contacto: taxa.04@infarmed. Manual SRCT - v.ps.2 UTILIZADORES Apoio à gestão das Declarações de Vendas dos Produtos de Saúde Contacto: taxa.04@infarmed.pt 2008/Setembro NOTAS EXPLICATIVAS 1. As Declaração de Vendas a que se referem

Leia mais

Registo de Nomeação/Alteração dos Órgãos Sociais Manual de Procedimentos

Registo de Nomeação/Alteração dos Órgãos Sociais Manual de Procedimentos Registo de Nomeação/Alteração dos Órgãos Sociais Manual de Procedimentos Procedimentos do Registo de 1. Autenticar apresentante / Login 2. Introduzir Informação do registo de Órgãos Sociais 3. Enviar os

Leia mais

Balanço a 30 de Junho de 2004

Balanço a 30 de Junho de 2004 Caracterização Em 30 de Junho o registo central de ajudas de minimis apresentava um volume financeiro de apoios aprovados de mais de 612 milhões de euros, sendo composto por 37 337 registos de apoios.

Leia mais

ACÇÃO 1.3.1 MELHORIA PRODUTIVA DE POVOAMENTOS Modernização de viveiros exclusivamente florestais GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO

ACÇÃO 1.3.1 MELHORIA PRODUTIVA DE POVOAMENTOS Modernização de viveiros exclusivamente florestais GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ACÇÃO 1.3.1 MELHORIA PRODUTIVA DE POVOAMENTOS Modernização de viveiros exclusivamente florestais GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO Março 2011 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Deliberação. I. Enquadramento

Deliberação. I. Enquadramento http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=252062 Deliberação de 29.8.2007 Deliberação I. Enquadramento 1. Em 21.06.2005, a Optimus requereu, ao abrigo do artigo 78.º da Lei Geral Tributária (LGT),

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN

SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN SISTEMAS DE INCENTIVOS QREN INFORMAÇÃO PARA ACESSO À LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN A. BENEFICIÁRIOS Entidades beneficiárias dos Sistemas de Incentivos do QREN (SI QREN) e entidades beneficiárias do Sistema

Leia mais

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Na prossecução das suas atribuições cabe ao Instituto Português

Leia mais

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9

26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 26.8.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 220/9 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 859/2011 DA COMISSÃO de 25 de Agosto de 2011 que altera o Regulamento (UE) n. o 185/2010 que estabelece as medidas de

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Apresentar Propostas vortalgov

Apresentar Propostas vortalgov Guia de utilização Apresentar Propostas Janeiro 2008 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 3 Área de Trabalho... 4 PPA / C. Públicos... 4 Funcionalidades da pasta PPA / C. Públicos - Activos...

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando

Guia de Acesso à Formação Online Formando Guia de Acesso à Formação Online Formando Copyright 2008 CTOC / NOVABASE ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...5 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...6 5. Avaliação...7

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais