Relatório Anual da Reciclagem

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual da Reciclagem"

Transcrição

1 Relatório Anual da Reciclagem 2011 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 30, Cristelos , Lousada

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO MATERIAL RECEPCIONADO NAS ESTAÇÕES DE TRIAGEM PLÁSTICOS PAPEL/CARTÃO VIDRO EMBALAGENS METÁLICAS SUCATA REEE COLCHÕES MADEIRA OUTROS RESÍDUOS MATERIAL RECEPCIONADO POR MUNICÍPIO CASTELO DE PAIVA FELGUEIRAS LOUSADA PAÇOS DE FERREIRA PAREDES PENAFIEL RESULTADOS AGREGADOS DO MATERIAL RECEPCIONADO PROVENIENTE DOS MUNICÌPIOS QUANTITATIVOS AGREGADOS POR MUNICÍPIO QUANTITATIVOS AGREGADOS POR FILEIRA DE RESÍDUO RESÍDUOS PROCESSADOS PELA AMBISOUSA TAXA DE RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA COMPARAÇÃO COM O ANO DE CONCLUSÕES Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

3 1 INTRODUÇÃO Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

4 O presente relatório pretende divulgar, de uma forma sintetizada, os resultados globais obtidos ao nível da reciclagem na Ambisousa para o ano de No Capítulo 2 deste documento, encontram-se discriminados e desagregados por fileira os quantitativos dos recicláveis que foram recepcionados nas Estações de Triagem de Lustosa, Cristelo e Rio Mau, bem como nos Centros de Recepção de REEE e de Desmantelamento de Colchões, ambos localizados em Rio Mau. A contribuição individual de cada Município, ao nível de entradas de recicláveis nas Triagens, é descrita no Capitulo 3, apresentando-se no capítulo seguinte os mesmos resultados de uma forma agregada. No Capítulo 5 são apresentadas as quantidades de materiais que foram processadas nas Unidades anteriormente referidas e, posteriormente, enviadas para reciclagem, quer através da Sociedade Ponto Verde (ao nível dos Resíduos de Embalagens), quer por intermédio de outros retomadores (Sucata e REEE - Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos). O Capítulo 6 apresenta as Taxas de Reciclagem da Ambisousa para 2011, a nível global e por fileira, obtidas a partir unicamente dos resíduos de embalagem enviados para reciclagem. A comparação com o ano de 2010 encontra-se no Capítulo 7, sendo tecidas algumas conclusões no último capítulo. Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

5 2 MATERIAL RECEPCIONADO NAS ESTAÇÕES DE TRIAGEM Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

6 2.1 Plásticos Tabela 1 - Resumo anual dos Plásticos (ton.) recepcionados nas Estações de Triagem Castelo Paços Felgueiras Lousada Paiva Ferreira Penafiel TOTAL Janeiro 4,76 15,17 13,14 23,49 42,44 29,10 128,10 Fevereiro 3,50 13,19 12,20 21,35 27,56 22,22 100,02 Março 3,30 14,01 13,41 23,62 28,66 25,32 108,32 Abril 1,42 13,10 14,21 22,63 48,24 22,04 121,64 Maio 5,02 15,93 14,01 24,33 25,10 26,88 111,26 Junho 2,40 17,08 14,26 21,08 47,88 20,08 122,78 Julho 3,96 17,09 12,41 21,01 15,20 22,14 91,80 Agosto 3,46 16,43 18,28 23,11 28,38 26,88 116,54 Setembro 3,24 15,03 13,72 23,80 25,44 24,50 105,72 Outubro 2,36 16,16 14,02 23,30 27,10 26,38 109,32 Novembro 3,02 15,77 15,21 24,12 29,24 21,68 109,04 Dezembro 4,06 16,72 15,34 21,56 49,66 20,14 127,48 Total 40,50 185,65 170,21 273,40 394,90 287, ,02 287,36 40,50 185,65 PLÁSTICOS ,02 ton. Castelo de Paiva 170,21 Felgueiras Lousada Paços de Ferreira 394,90 273,40 Penafiel Figura 1 - Distribuição por Municípios dos Plásticos (ton) recepcionados Castelo de Paiva Felgueiras Lousada 20 Paços de Ferreira 10 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Penafiel Figura 2 - Evolução anual da quantidade de Plásticos (ton.) recepcionados Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

7 2.2 Papel/Cartão Tabela 2 - Resumo anual do Papel/Cartão (ton.) recepcionado nas Estações de Triagem Castelo Paços Felgueiras Lousada Paiva Ferreira Penafiel TOTAL Janeiro 7,70 38,04 34,27 69,94 129,34 84,82 364,10 Fevereiro 2,32 30,09 28,82 57,29 88,82 78,26 285,60 Março 8,82 30,42 36,65 70,63 101,24 83,40 331,16 Abril 1,28 35,49 36,48 65,85 88,25 78,46 305,81 Maio 6,14 26,22 29,99 70,07 72,08 77,18 281,68 Junho 1,42 25,56 35,05 57,53 126,16 67,74 313,46 Julho 7,86 30,84 36,80 70,24 85,24 76,22 307,20 Agosto 4,06 34,48 39,94 69,86 110,02 90,02 348,38 Setembro 4,78 28,67 42,53 72,45 121,40 80,88 350,70 Outubro 3,32 28,54 36,58 59,82 58,40 77,48 264,14 Novembro 7,26 30,80 37,76 64,18 123,74 81,24 344,98 Dezembro 0,00 28,95 35,61 58,94 103,52 77,92 304,94 Total 54,96 368,09 430,49 786, ,21 953, ,15 953,62 54,96 368,09 PAPEL/CARTÃO ,15 ton. Castelo de Paiva 430,49 Felgueiras Lousada Paços de Ferreira 1.208,21 786,78 Penafiel Figura 3 - Distribuição por Municípios do Papel/Cartão (ton) recepcionado 140 Castelo de Paiva Felgueiras Lousada 60 Paços de Ferreira Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Penafiel Figura 4 - Evolução anual da quantidade de Papel/Cartão (ton.) recepcionado Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

8 2.3 Vidro Castelo Paiva Janeiro 10,46 Fevereiro 10,60 Março 10,66 Abril 9,94 Maio 22,12 Junho 0,00 Julho 22,42 Agosto 14,26 Setembro 11,64 Outubro 11,62 Novembro 10,30 Dezembro 11,42 Tabela 3 - Resumo anual do Vidro (ton.) recepcionado nas Estações de Triagem Felgueiras Lousada Paços Ferreira Penafiel TOTAL 51,31 51,36 50,63 103,00 62,98 329,74 30,54 28,16 42,16 71,52 58,90 241,88 52,38 40,78 42,10 93,98 47,80 287,70 25,33 27,32 70,21 104,78 59,76 297,34 38,78 24,62 42,88 79,78 62,64 270,82 31,05 39,37 39,07 81,42 69,54 260,44 43,12 42,57 55,13 105,14 85,16 353,54 60,25 33,24 55,73 108,92 89,74 362,14 46,29 31,68 74,55 131,60 73,28 369,04 33,23 33,84 36,46 53,58 74,06 242,78 19,22 29,06 50,75 126,82 58,94 295,08 50,59 27,80 38,50 87,14 22,98 238,42 Total 145,44 482,08 409,78 598, ,68 765, ,92 765,78 145,44 482,08 VIDRO ,92 ton. Castelo de Paiva 409,78 Felgueiras Lousada Paços de Ferreira 1.147,68 598,16 Figura 5 - Distribuição do Vidro (ton) por Município Penafiel Castelo de Paiva Felgueiras 80 Lousada 60 Paços de Ferreira Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Penafiel Figura 6 - Evolução da quantidade de Vidro (ton) recepcionado nas Estações de Triagem Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

9 2.4 Embalagens Metálicas Tabela 4 - Resumo anual das Embalagens Metálicas (ton.) recepcionadas nas Estações de Triagem Castelo Paiva Janeiro 0,00 Fevereiro 0,00 Março 0,00 Abril 0,00 Maio 0,00 Junho 0,00 Julho 0,00 Agosto 0,00 Setembro 0,00 Outubro 0,00 Novembro 0,00 Dezembro 0,00 Total 0,00 Felgueiras Lousada Paços Ferreira Penafiel TOTAL 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1,10 0,00 0,00 1,10 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1,12 0,00 1,12 0,00 0,00 0,98 0,00 0,00 0,98 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1,68 0,00 0,00 1,68 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 3,76 1,12 0,00 4,88 1,12 EMBALAGENS METÁLICAS - 4,88 ton. Paços de Ferreira 3,76 Figura 7 - Distribuição por Municípios das Embalagens Metálicas (ton) recepcionadas 2 1 Paços de Ferreira 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Figura 8 - Evolução anual da quantidade de Embalagens Metálicas (ton.) recepcionadas Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

10 2.5 Sucata 1 Castelo Paiva Janeiro 0,88 Fevereiro 0,00 Março 0,52 Abril 0,00 Maio 0,82 Junho 0,00 Julho 0,00 Agosto 0,21 Setembro 1,08 Outubro 0,00 Novembro 0,62 Dezembro 0,00 Tabela 5 - Resumo anual da Sucata 1 (ton.) recepcionada nas Estações de Triagem Felgueiras Lousada Paços Ferreira Penafiel TOTAL 1,01 0,69 2,37 4,01 2,32 11,26 1,60 0,57 3,39 5,47 2,12 13,16 0,17 0,55 3,34 3,66 0,00 8,24 3,46 0,87 3,07 2,78 1,78 11,96 0,87 0,62 0,82 4,16 1,66 8,94 0,43 0,39 0,82 1,65 0,00 3,28 0,00 0,94 2,25 7,80 1,40 12,38 1,24 0,42 3,06 4,04 1,24 10,22 0,85 0,59 1,66 2,53 1,54 8,26 0,60 0,70 3,09 1,40 2,20 7,99 0,90 0,00 0,47 5,94 0,00 7,92 0,92 0,60 1,16 2,44 2,22 7,34 Total 4,12 12,05 6,95 25,49 45,87 16,48 110,95 16,48 4,12 12,05 6,95 SUCATA - 110,95 ton. Castelo de Paiva 45,87 Felgueiras Lousada 25,49 Paços de Ferreira Penafiel Figura 9 - Distribuição por Municípios da Sucata (ton) recepcionada 10 Castelo de Paiva 8 Felgueiras 6 Lousada 4 Paços de Ferreira 2 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Penafiel Figura 10 - Evolução anual da quantidade de Sucata (ton.) recepcionada 1 Encontra-se incluída a sucata (molas metálicas) proveniente do desmantelamento de colchões (62,02 ton.). Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

11 2.6 REEE 2 Tabela 6 - Resumo anual de REEE 2 (ton) recepcionada no Centro de Recepção de REEE da Ambisousa Castelo Paiva Janeiro 0,00 Fevereiro 0,00 Março 0,00 Abril 0,00 Maio 0,00 Junho 0,00 Julho 0,00 Agosto 2,20 Setembro 0,00 Outubro 0,00 Novembro 0,00 Dezembro 0,00 Felgueiras Lousada Paços Ferreira Penafiel TOTAL 2,70 0,00 4,04 3,48 5,76 15,98 0,00 1,72 3,36 2,50 3,20 10,78 0,38 0,00 3,52 0,36 3,40 7,66 0,00 0,00 0,00 4,96 4,80 9,76 0,48 0,00 4,22 0,46 6,02 11,18 3,22 2,10 3,06 2,70 2,92 14,00 0,00 1,08 6,12 2,70 5,08 14,98 0,00 0,00 3,40 2,06 2,98 10,64 2,48 1,40 3,54 2,36 2,52 12,30 0,44 0,00 3,28 2,70 6,22 12,64 0,00 0,42 3,76 3,58 2,10 9,86 2,82 0,00 3,48 3,24 3,50 13,04 Total 2,20 12,52 6,72 41,78 31,10 48,50 142,82 48,50 2,20 12,52 6,72 REEE - 142,82 ton. Castelo de Paiva Felgueiras 41,78 Lousada Paços de Ferreira 31,10 Penafiel Figura 11 - Distribuição por Municípios dos REEE (ton) recepcionados Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Figura 12 - Evolução anual da quantidade de REEE (ton.) recepcionados Castelo de Paiva Felgueiras Lousada Paços de Ferreira Penafiel 2 Durante o ano de 2011 foram ainda recepcionadas 0,56 ton. de REEE provenientes de particulares, cujos quantitativos não se encontram contabilizados na tabela. Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

12 2.7 Colchões Castelo Paiva Janeiro 3,08 Fevereiro 0,00 Março 2,20 Abril 0,00 Maio 2,20 Junho 0,00 Julho 0,00 Agosto 0,74 Setembro 3,40 Outubro 0,00 Novembro 2,70 Dezembro 0,00 Tabela 7 - Resumo anual de colchões (ton) recepcionados nas Estações de Triagem Felgueiras Lousada Paços Ferreira Penafiel TOTAL 3,52 2,40 2,96 5,06 0,00 17,02 4,38 1,56 2,66 10,64 0,00 19,24 0,72 2,34 2,28 6,32 0,00 13,86 6,12 1,54 1,32 4,92 0,00 13,90 2,34 1,68 2,20 4,96 0,00 13,38 1,64 1,50 3,16 6,34 0,00 12,64 0,00 0,00 0,92 8,66 0,00 9,58 4,40 1,50 2,06 8,86 0,00 17,56 2,68 1,86 5,24 7,98 0,00 21,16 1,80 2,08 2,44 4,18 1,00 11,50 3,92 0,00 2,04 6,00 0,00 14,66 3,30 2,16 4,16 8,78 0,00 18,40 Total 14,32 34,82 18,62 31,44 82,70 1,00 182,90 82,70 1,00 14,32 COLCHÕES - 182,90 ton 34,82 Castelo de Paiva Felgueiras Lousada 18,62 Paços de Ferreira 31,44 Penafiel Figura 13 - Distribuição por Municípios dos Colchões (ton) recepcionados Castelo de Paiva Felgueiras 6 Lousada 4 Paços de Ferreira 2 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Penafiel Figura 14 - Evolução anual da quantidade de Colchões (ton.) recepcionados Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

13 2.8 Madeira Durante o ano de 2011 não foram recepcionados resíduos de embalagens de madeira. 2.9 Outros Resíduos A Ambisousa tem promovido a realização de determinadas campanhas de sensibilização ambiental, como foi o caso da Campanha Missão Possível 2, no qual permitiu a entrada nas Estações de Triagem de 21,85 ton. de latas metálicas. Ao nível da Responsabilidade Social, a Ambisousa continua a incentivar e a dinamizar o Projecto Tampinhas que consiste a troca de tampas plásticas por material ortopédico destinado a pessoas com carências socioeconómicas. Durante o ano de 2011 foram ainda recepcionadas 255,02 ton. de tampas plásticas nas Estações de Triagem da Ambisousa. Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

14 3 - MATERIAL RECEPCIONADO POR MUNICÍPIO Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

15 3.1 Castelo de Paiva Tabela 8 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Castelo de Paiva Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 4,76 7,70 10,46 0,00 0,88 0,00 0,00 3,08 26,88 Fevereiro 3,50 2,32 10,60 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 16,42 Março 3,30 8,82 10,66 0,00 0,52 0,00 0,00 2,20 25,50 Abril 1,42 1,28 9,94 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 12,64 Maio 5,02 6,14 22,12 0,00 0,82 0,00 0,00 2,20 36,30 Junho 2,40 1,42 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 3,82 Julho 3,96 7,86 22,42 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 34,24 Agosto 3,46 4,06 14,26 0,00 0,21 0,00 2,20 0,74 24,93 Setembro 3,24 4,78 11,64 0,00 1,08 0,00 0,00 3,40 24,14 Outubro 2,36 3,32 11,62 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 17,30 Novembro 3,02 7,26 10,30 0,00 0,62 0,00 0,00 2,70 23,90 Dezembro 4,06 0,00 11,42 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 15,48 Total 40,50 54,96 145,44 0,00 4,12 0,00 2,20 14,32 261,54 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 15 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Castelo de Paiva Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

16 3.2 Felgueiras Tabela 9 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Felgueiras Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 15,17 38,04 51,31 0,00 1,01 0,00 2,70 3,52 111,74 Fevereiro 13,19 30,09 30,54 0,00 1,60 0,00 0,00 4,38 79,80 Março 14,01 30,42 52,38 0,00 0,17 0,00 0,38 0,72 98,08 Abril 13,10 35,49 25,33 0,00 3,46 0,00 0,00 6,12 83,50 Maio 15,93 26,22 38,78 0,00 0,87 0,00 0,48 2,34 84,61 Junho 17,08 25,56 31,05 0,00 0,43 0,00 3,22 1,64 78,97 Julho 17,09 30,84 43,12 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 91,05 Agosto 16,43 34,48 60,25 0,00 1,24 0,00 0,00 4,40 116,81 Setembro 15,03 28,67 46,29 0,00 0,85 0,00 2,48 2,68 95,99 Outubro 16,16 28,54 33,23 0,00 0,60 0,00 0,44 1,80 80,77 Novembro 15,77 30,80 19,22 0,00 0,90 0,00 0,00 3,92 70,61 Dezembro 16,72 28,95 50,59 0,00 0,92 0,00 2,82 3,30 103,29 Total 185,65 368,09 482,08 0,00 12,05 0,00 12,52 34, ,21 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 16 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Felgueiras Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

17 3.3 Lousada Tabela 10 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Lousada Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 13,14 34,27 51,36 0,00 0,69 0,00 0,00 2,40 101,85 Fevereiro 12,20 28,82 28,16 0,00 0,57 0,00 1,72 1,56 73,02 Março 13,41 36,65 40,78 0,00 0,55 0,00 0,00 2,34 93,74 Abril 14,21 36,48 27,32 0,00 0,87 0,00 0,00 1,54 80,42 Maio 14,01 29,99 24,62 0,00 0,62 0,00 0,00 1,68 70,93 Junho 14,26 35,05 39,37 0,00 0,39 0,00 2,10 1,50 92,67 Julho 12,41 36,80 42,57 0,00 0,94 0,00 1,08 0,00 93,80 Agosto 18,28 39,94 33,24 0,00 0,42 0,00 0,00 1,50 93,38 Setembro 13,72 42,53 31,68 0,00 0,59 0,00 1,40 1,86 91,78 Outubro 14,02 36,58 33,84 0,00 0,70 0,00 0,00 2,08 87,22 Novembro 15,21 37,76 29,06 0,00 0,00 0,00 0,42 0,00 82,45 Dezembro 15,34 35,61 27,80 0,00 0,60 0,00 0,00 2,16 81,51 Total 170,21 430,49 409,78 0,00 6,95 0,00 6,72 18, ,77 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 9 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Lousada Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

18 3.4 Paços de Ferreira Tabela 11 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Paços de Ferreira Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 23,49 69,94 50,63 0,00 2,37 0,00 4,04 2,96 153,42 Fevereiro 21,35 57,29 42,16 0,00 3,39 0,00 3,36 2,66 130,22 Março 23,62 70,63 42,10 0,00 3,34 0,00 3,52 2,28 145,48 Abril 22,63 65,85 70,21 0,00 3,07 0,00 0,00 1,32 163,08 Maio 24,33 70,07 42,88 1,10 0,82 0,00 4,22 2,20 145,61 Junho 21,08 57,53 39,07 0,00 0,82 0,00 3,06 3,16 124,72 Julho 21,01 70,24 55,13 0,00 2,25 0,00 6,12 0,92 155,66 Agosto 23,11 69,86 55,73 0,00 3,06 0,00 3,40 2,06 157,22 Setembro 23,80 72,45 74,55 0,98 1,66 0,00 3,54 5,24 182,22 Outubro 23,30 59,82 36,46 0,00 3,09 0,00 3,28 2,44 128,39 Novembro 24,12 64,18 50,75 1,68 0,47 0,00 3,76 2,04 146,99 Dezembro 21,56 58,94 38,50 0,00 1,16 0,00 3,48 4,16 127,80 Total 273,40 786,78 598,16 3,76 25,49 0,00 41,78 31, ,80 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 10 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Paços de Ferreira Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

19 3.5 Tabela 6 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 42,44 129,34 103,00 0,00 4,01 0,00 3,48 5,06 287,33 Fevereiro 27,56 88,82 71,52 0,00 5,47 0,00 2,50 10,64 206,51 Março 28,66 101,24 93,98 0,00 3,66 0,00 0,36 6,32 234,22 Abril 48,24 88,25 104,78 0,00 2,78 0,00 4,96 4,92 253,94 Maio 25,10 72,08 79,78 0,00 4,16 0,00 0,46 4,96 186,54 Junho 47,88 126,16 81,42 0,00 1,65 0,00 2,70 6,34 266,15 Julho 15,20 85,24 105,14 0,00 7,80 0,00 2,70 8,66 224,74 Agosto 28,38 110,02 108,92 1,12 4,04 0,00 2,06 8,86 263,40 Setembro 25,44 121,40 131,60 0,00 2,53 0,00 2,36 7,98 291,31 Outubro 27,10 58,40 53,58 0,00 1,40 0,00 2,70 4,18 147,36 Novembro 29,24 123,74 126,82 0,00 5,94 0,00 3,58 6,00 295,32 Dezembro 49,66 103,52 87,14 0,00 2,44 0,00 3,24 8,78 254,78 Total 394, , ,68 1,12 45,87 0,00 31,10 82, ,59 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 11 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

20 3.6 Penafiel Tabela 7 - Material recepcionado (ton) proveniente do Município de Penafiel Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES TOTAL Janeiro 29,10 84,82 62,98 0,00 2,32 0,00 5,76 0,00 184,98 Fevereiro 22,22 78,26 58,90 0,00 2,12 0,00 3,20 0,00 164,70 Março 25,32 83,40 47,80 0,00 0,00 0,00 3,40 0,00 159,92 Abril 22,04 78,46 59,76 0,00 1,78 0,00 4,80 0,00 166,84 Maio 26,88 77,18 62,64 0,00 1,66 0,00 6,02 0,00 174,38 Junho 20,08 67,74 69,54 0,00 0,00 0,00 2,92 0,00 160,28 Julho 22,14 76,22 85,16 0,00 1,40 0,00 5,08 0,00 190,00 Agosto 26,88 90,02 89,74 0,00 1,24 0,00 2,98 0,00 210,86 Setembro 24,50 80,88 73,28 0,00 1,54 0,00 2,52 0,00 182,72 Outubro 26,38 77,48 74,06 0,00 2,20 0,00 6,22 1,00 187,34 Novembro 21,68 81,24 58,94 0,00 0,00 0,00 2,10 0,00 163,96 Dezembro 20,14 77,92 22,98 0,00 2,22 0,00 3,50 0,00 126,76 Total 287,36 953,62 765,78 0,00 16,48 0,00 48,50 1, ,74 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata Madeira REEE COLCHÕES Figura 12 - Evolução anual da quantidade de material reciclável (ton) recepcionado na Ambisousa, proveniente de Penafiel Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

21 4 RESULTADOS AGREGADOS DO MATERIAL RECEPCIONADO PROVENIENTE DOS MUNICÌPIOS Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

22 4.1 Quantitativos agregados por Município Tabela 8 - Quantitativos agregados (ton) por Município Castelo Paços Felgueiras Lousada Paiva Ferreira Penafiel TOTAL Janeiro 26,88 111,74 101,85 153,42 287,33 184,98 866,20 Fevereiro 16,42 79,80 73,02 130,22 206,51 164,70 670,68 Março 25,50 98,08 93,74 145,48 234,22 159,92 756,94 Abril 12,64 83,50 80,42 163,08 253,94 166,84 760,41 Maio 36,30 84,61 70,93 145,61 186,54 174,38 698,36 Junho 3,82 78,97 92,67 124,72 266,15 160,28 726,60 Julho 34,24 91,05 93,80 155,66 224,74 190,00 789,48 Agosto 24,93 116,81 93,38 157,22 263,40 210,86 866,60 Setembro 24,14 95,99 91,78 182,22 291,31 182,72 868,16 Outubro 17,30 80,77 87,22 128,39 147,36 187,34 648,37 Novembro 23,90 70,61 82,45 146,99 295,32 163,96 783,22 Dezembro 15,48 103,29 81,51 127,80 254,78 126,76 709,62 Total 261, , , , , , ,65 % % 3% 12% Resultados agregados (%) Castelo de Paiva 11% Felgueiras Lousada 32% 19% Paços de Ferreira Penafiel Figura 21 - Contribuição percentual de cada Município, relativamente aos quantitativos agregados (%) Resultados agregados ,65 ton Castelo de Paiva Felgueiras Lousada Paços de Ferreira Penafiel Figura 22 - Evolução dos quantitativos agregados por Município (ton.) Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

23 4.2 Quantitativos agregados por fileira de resíduo 3 Tabela 9 Quantitativos 3 agregados por fileira de resíduo (ton) Resíduos de Embalagem (ton.) Outros Resíduos (ton.) Mês Embalagens Total Plásticos Papel/Cartão Vidro Madeira Sucata REEE Colchões Metálicas Janeiro 128,10 364,10 329,74 0,00 0,00 11,26 15,98 17,02 866,20 Fevereiro 100,02 285,60 241,88 0,00 0,00 13,16 10,78 19,24 670,68 Março 108,32 331,16 287,70 0,00 0,00 8,24 7,66 13,86 756,94 Abril 121,64 305,81 297,34 0,00 0,00 11,96 9,76 13,90 760,41 Maio 111,26 281,68 270,82 1,10 0,00 8,94 11,18 13,38 698,36 Junho 122,78 313,46 260,44 0,00 0,00 3,28 14,00 12,64 726,60 Julho 91,80 307,20 353,54 0,00 0,00 12,38 14,98 9,58 789,48 Agosto 116,54 348,38 362,14 1,12 0,00 10,22 10,64 17,56 866,60 Setembro 105,72 350,70 369,04 0,98 0,00 8,26 12,30 21,16 868,16 Outubro 109,32 264,14 242,78 0,00 0,00 7,99 12,64 11,50 648,37 Novembro 109,04 344,98 295,08 1,68 0,00 7,92 9,86 14,66 783,22 Dezembro 127,48 304,94 238,42 0,00 0,00 7,34 13,04 18,40 709,62 Total 1.352, , ,92 4,88 0,00 110,95 142,82 182, ,65 4,88 110,95 142,82 182,90 Material Enviado para Reciclagem ,65 ton ,02 Plásticos 3.548,92 Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas 3.802,15 Sucata REEE Colchões Figura 23 Quantitativos agregados por fileira de resíduo (ton) Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Plásticos Papel/Cartão Vidro Embalagens Metálicas Sucata REEE Colchões Figura 24 - Evolução dos quantitativos agregados por fileira de resíduos (ton.) 3 Excluindo os resíduos com proveniência de particulares (277,43 ton.) Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

24 5 RESÍDUOS PROCESSADOS PELA AMBISOUSA Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

25 Mês Vidro Tabela 10 - Resíduos processados pela Ambisousa nas Estações de Triagem e Centro de Recepção de REEE, durante o ano de 2011 Papel/Cartão Filme Plástico Resíduos de Embalagens (ton.) Plásticos PEAD EPS PET Plásticos Mistos Outros Plásticos Embalagens Metálicas ECAL Aço Alumínio Outros Resíduos (ton.) Janeiro 371,50 323,12 44,54 0,00 2,28 0,00 15,50 18,48 0,00 0,00 0,00 6,17 10,70 792,29 Fevereiro 226,56 281,04 38,66 0,00 2,94 0,00 12,84 10,14 0,00 20,12 0,00 11,87 11,16 615,33 Março 289,12 312,39 25,94 18,14 1,96 17,78 0,00 18,88 0,00 0,00 0,00 12,10 3,28 699,59 Abril 258,72 240,55 46,28 12,96 1,84 12,02 35,52 18,50 25,46 0,00 5,08 6,64 12,38 675,95 Maio 296,00 265,45 0,00 0,00 1,90 0,00 0,00 19,52 0,00 0,00 0,00 4,70 15,64 603,20 Junho 248,44 294,48 62,48 17,14 3,24 29,88 31,37 18,52 0,00 35,32 0,00 18,39 5,56 764,82 Julho 355,86 274,60 0,00 0,00 1,80 0,00 0,00 28,12 25,76 0,00 0,00 9,94 13,92 710,00 Agosto 359,88 322,16 16,38 13,00 2,68 0,00 0,00 17,88 0,00 0,00 0,00 4,88 10,22 747,08 Setembro 374,84 295,34 0,00 0,00 2,52 28,56 16,50 19,82 0,00 26,66 0,00 16,23 8,26 788,73 Outubro 268,30 195,98 34,88 18,66 2,46 11,18 17,52 18,14 0,00 0,00 0,00 16,30 11,55 594,97 Novembro 317,06 298,76 19,90 12,84 1,72 30,48 18,26 40,14 22,56 0,00 0,00 6,45 3,36 771,53 Dezembro 219,70 307,96 65,00 0,00 1,90 0,00 0,00 29,60 0,00 23,08 5,88 0,40 5,12 658,64 Total 3.585, ,83 354,06 92,74 27,24 129,90 147,51 257,74 73,78 105,18 10,96 114,06 111, ,13 REEE Sucata TOTAL Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

26 129,90 147,51 27,24 354,06 92, ,83 105,18 10,96 73,78 114,06 257,74 Resíduos Processados ,13 ton. Vidro Papel/Cartão 3.585,98 Filme Plástico PEAD EPS PET Plásticos Mistos Outros Plásticos ECAL Aço Alumínio REEE Sucata 1,54 0,32 1,10 4,20 40,51 3,06 1,75 1,25 0,88 0,13 1,35 1,32 Resíduos Processados (%) Vidro Papel/Cartão 42,58 Filme Plástico PEAD EPS PET Plásticos Mistos Outros Plásticos ECAL Aço Alumínio REEE Sucata Figura 25 Quantitativos totais e contribuição percentual dos resíduos processados nas Estações de Triagem de, Penafiel e Lustosa, destinados a reciclagem Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Filme Plástico PEAD EPS PET PVC Plásticos Mistos Outros Plásticos ECAL Aço Alumínio Vidro Papel/Cartão REEE Sucata Madeira Figura 26 Evolução dos resíduos processados (ton) Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

27 6 TAXA DE RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

28 Tabela 11 - Resíduos Urbanos produzidos no Vale do Sousa em 2011 (ton) RSU s produzidos no Vale do Sousa ,68 Castelo de Paiva 4.860,62 Felgueiras ,28 Lousada ,02 Paços de Ferreira , ,30 Penafiel ,02 Refugos produzidos nas Estações de Triagem 647,20 Origem: Estação de Triagem de Lustosa 344,16 Origem: Estação de Triagem de 152,44 Origem: Estação de Triagem de Rio Mau 150,6 Material recepcionado pela Ambisousa 9.360,06 Resíduos provenientes dos Municípios ,63 Outros resíduos 6 277,43 Material processado pela Ambisousa 8.422,13 Resíduos de Embalagens 8.196,92 Outros Resíduos 225,21 Resíduos depositados em aterro ,10 Total de RU produzidos no Vale do Sousa ,74 Material Quantidade de Embalagens enviada para reciclagem (ton.) Tabela 12 - Taxas de Reciclagem 8 % Potencial RSU 9 Potencial de embalagens nos RSU (ton.) Taxa reciclagem no Vale do Sousa (%) Embalagens Plásticas 1.082,97 4, ,07 20,03 Papel/Cartão 3.411,83 6, ,96 41,62 Vidro 3.585,98 8, ,93 34,44 Aço 105,18 0, ,69 8,80 Alumínio 10,96 0,17 215,31 5,09 Madeira 0,00 0,48 595,96 0,00 Total 8.196,92 21, ,93 31, ,62 34,44 31,50 20,03 8,80 5,09 0,00 Embalagens Plásticas Papel/Cartão Vidro Aço Alumínio Madeira Total Figura 27 - Taxas de reciclagem (%) 4 Inclui também os quantitativos provenientes da EMAFEL (20,90 ton.); 5 Ao quantitativo total (9.144,65 ton.) foram subtraídas 62,02 ton. provenientes da sucata derivada do desmantelamento de colchões; 6 REEE provenientes de privados, Metais provenientes da Campanha Missão Possível 2 e Plásticos provenientes do Projecto Tampinhas ; 7 Considerando que 101,78 ton de refugo tiveram como destino final a valorização energética; 8 Para o cálculo do valor das taxas de reciclagem apenas se consideram as quantidades de resíduos de embalagens que foram alvo de retoma pela Sociedade Ponto Verde, durante o ano de 2011; 9 % Potencial nos RSU determinada através da metodologia de cálculo preconizada pela Sociedade Ponto Verde na Caracterização dos Sistemas Municipais Aderentes ao Sistema Ponto Verde Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

29 7 COMPARAÇÃO COM O ANO DE 2009 Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

30 Tabela 13 - Comparação dos valores das Taxas de Reciclagem de 2010 e 2011 Material Plásticos Papel/Cartão Vidro Aço Alumínio Madeira Total Embalagem Taxas reciclagem no Vale do Sousa 10 (%) Evolução ,68 20,03 73,18 41,62 31,76 34,44 9,80 8,80 2,29 5,09 0,00 0,00 = 37,52 31, , ,68 41,62 20,03 31,76 34,44 Plásticos Papel/Cartão Vidro Aço Alumínio Madeira Figura 28 - Taxas de reciclagem (%) em 2010 e ,80 8,80 2,29 5,09 0,00 0,00 37,52 Total Embalagem 31,50 Tabela 14 - Comparação dos Resíduos de Embalagens enviados para reciclagem em 2010 e 2011 Plásticos Papel/Cartão Vidro Aço Alumínio Madeira Total Embalagem Material enviado para reciclagem (ton.) 11 Evolução , , , , , ,98 111,56 105,18 5,38 10,96 0,00 0,00 = 8.277, ,92 10 Taxas de reciclagem determinadas através da metodologia de cálculo preconizada pela Sociedade Ponto Verde na Caracterização dos Sistemas Municipais Aderentes ao Sistema Ponto Verde 2009 ; 11 Unicamente resíduos de embalagens. Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

31 8 CONCLUSÕES Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

32 No ano de 2011 a Ambisousa recepcionou 9.422,08 toneladas de material potencialmente reciclável cuja proveniência essencialmente advém dos municípios que a constituem. Apesar de, em termos globais, se ter verificado uma ligeira diminuição (2,2%) face a 2010, o papel/cartão e o vidro continuam a ser as fileiras de resíduos mais preponderantes, representando cerca de 78% do material recepcionado nas Estações de Triagem. Ao nível dos plásticos, o contributo foi de aproximadamente 17%, ao qual está associado um aumento de 6,5% face a Aliás, ao nível do total de resíduos recebidos, os plásticos foram o único fluxo onde se verificaram aumentos, relativamente a Na globalidade, o Município de é o maior contribuidor de resíduos para processamento da região do Vale do Sousa, apenas superado pelos Municípios de Penafiel e de Paços de Ferreira, unicamente no que concerne aos Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos (REEE) e às Embalagens Metálicas respectivamente. Relativamente às quantidades globais de resíduos de embalagem processadas pela Ambisousa, é possível verificar um decréscimo inferior a 1%, comparativamente com o ano de Neste contexto, efectuando uma análise por fileira de resíduos, previsivelmente constatam-se diminuições ao nível do papel/cartão (4,7%), vidro (0,8%) e aço (5,7%), bem como satisfatórios aumentos ao nível das fileiras do alumínio (103,7%) e dos plásticos (12%). A quantidade de embalagens processadas em 2011 corresponde a uma taxa global de 31,5%, verificando-se contudo uma redução de aproximadamente seis pontos percentuais face a Em relação ao refugo, em 2011 foram produzidas 647,2 ton, verificando-se uma diminuição de aproximadamente 8% face a Esta fracção última dos resíduos submetidos a processos de triagem representou, no ano de 2011, cerca de 11,4% dos quantitativos de material passível de ser triado. Relatório Anual da Reciclagem no Vale do Sousa

33 Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 30, Cristelos , Lousada

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa Relatório de Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2006 Outubro 2006 Relatório da Reciclagem 4º Trimestre 2006 2 Total Outubro - 554,22 ton 16,44 1,18 18,74 2,62 11,20 251,82 252,22 Vidro Papel/Cartão

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 21 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, www.ambisousa.pt

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 213 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem

Relatório Anual da Reciclagem. Relatório Anual da Reciclagem Relatório Anual da Reciclagem 214 Relatório Anual da Reciclagem Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem 2017

Relatório Anual da Reciclagem 2017 Relatório Anual da Reciclagem 217 Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt Versão 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2016 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA 1

RELATÓRIO ANUAL DA RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA 1 RELATÓRIO ANUAL DA RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA 1 RELATÓRIO ANUAL DA RECICLAGEM NO VALE DO SOUSA 2 1 Introdução 3 2 Material Rececionado nas Estações de Triagem 2.1. Plásticos 2.2. Papel/Cartão 2.3. Vidro

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Anual da Reciclagem 2018

Relatório Anual da Reciclagem 2018 Relatório Anual da Reciclagem 218 Ambisousa Empresa Intermunicipal de Tratamento e Gestão de Resíduos Sólidos, EIM Av. Sá e Melo, n.º 3, Cristelos 462-151, Lousada www.ambisousa.pt ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2018 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2018 Versão 1.1. ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2016 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2018 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2016 Versão 1.2. ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2017 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2017 Versão 1.2. ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2017 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2017 Versão 1.2. ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS

Leia mais

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS

EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS EMBALAGENS E RESÍDUOS DE EMBALAGENS SITUAÇÃO DE REFERÊNCIA 2004 2010 Amadora, Janeiro de 2011 Departamento de Fluxos Especiais e Mercado de Resíduos Divisão de Entidade Gestoras e Mercado de Resíduos A

Leia mais

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009

Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 Boletim Estatístico Nº 2 Outubro de 2009 1. Evolução da Reciclagem em 2008 - Actualização Conforme anunciado, republica-se a informação estatística relativa a 2008, depois de efectuadas diversas correcções

Leia mais

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A.

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A. SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O presente projecto, co-financiado pelo Fundo de Coesão da União Europeia, contribui para a redução das disparidades sociais e económicas entre

Leia mais

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral)

1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) RELATÓRIO DE ATIVIDADES 214 GESTÃO DE RESÍDUOS DE EMBALAGENS SPV SOCIEDADE PONTO VERDE 1. Entidade Sociedade Ponto Verde (SPV) 2. Indicadores de atividade (em geral) 1) Mercado Potencial atualizado em

Leia mais

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011

Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Informação sobre a Recuperação e Reciclagem de Papel e Cartão em Portugal 2011 Índice A RECUPERAÇÃO EM PORTUGAL DE PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR... 3 DADOS GLOBAIS 2011... 4 PAPEL E CARTÃO PARA RECICLAR...

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE. www.pontoverde.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 SOCIEDADE PONTO VERDE www.pontoverde.pt Entidade Atividade Licença Sociedade Ponto Verde Gestão de um Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Embalagens (SIGRE) Licença

Leia mais

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020

III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos. Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 III Conferência Internacional sobre Resíduos Urbanos Porto, 23 e 24 de Outubro de 2008 Sociedade Ponto Verde Reutilização e Reciclagem. Objectivos 2020 Luís Veiga Martins REUTILIZAÇÃO OU RECICLAGEM COEXISTÊNCIA

Leia mais

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento A GESTÃO DE RESÍDUOS EM ZONAS INSULARES: UM DESAFIO PARA OS AÇORES OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento Paulo Santos Monteiro (Prof. Auxiliar da FEUP) 1.700 km 270

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho

Gestão de Resíduos nos Açores. Carlos de Andrade Botelho Gestão de Resíduos nos Açores Carlos de Andrade Botelho Distância ao Continente = 1.500 Km Dispersão por 600 Km (mais do que a altura de Portugal Continental ou a largura da Alemanha) Ligações marítimas

Leia mais

Constituição e Estrutura Accionista

Constituição e Estrutura Accionista Constituição e Estrutura Accionista DECRETO-LEI Nº 11/2001 DE 23 de Janeiro 8 Criação do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Norte Alentejano

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Brochura Institucional

Brochura Institucional Brochura Institucional INTERFILEIRAS A INTERFILEIRAS representa as organizações - Fileiras de material - criadas ao abrigo de legislação específica com a missão de assegurar a retoma e reciclagem de resíduos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008)

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008) AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Fernanda Margarido (2008) ACV - Avaliação do Ciclo de Vida dos Produtos ou Serviços Uma técnica de quantificação do impacte ambiental de um produto ou Serviço. Responsabilização

Leia mais

População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção anual de RSU cerca de 480.000 ton/ano capitação 1,3 kg/(hab/dia)

População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção anual de RSU cerca de 480.000 ton/ano capitação 1,3 kg/(hab/dia) Constituída por oito Municípios pertencentes à Área Metropolitana do Porto Área: 0.7% 648 km 2 População: 10.3% da população de Portugal População 1 milhão habitantes (aproximadamente) (Census 2001) Produção

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11

25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 PT 25.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 310/11 DECISÃO DA COMISSÃO de 18 de Novembro de 2011 que estabelece regras e métodos de cálculo para verificar o cumprimento dos objectivos estabelecidos

Leia mais

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA

OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA OS RESÍDUOS NO MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA M. A. P. Dinis Professora Auxiliar CIAGEB, Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal madinis@ufp.edu.pt RESUMO A gestão de

Leia mais

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio

7. RECICLAGEM 7.1 RECICLAGEM DE EMBALAGENS. 7.1.1 Latas de Alumínio 92 Panorama dos no Brasil 200..1 DE EMBALAGENS Os dados mais recentes disponibilizados pelas associações que congregam as empresas dos segmentos mais diretamente envolvidos na fabricação de embalagens

Leia mais

Certificação 3R6 das lojas próprias MEO. Sustentabilidade

Certificação 3R6 das lojas próprias MEO. Sustentabilidade Certificação 3R6 das lojas próprias MEO Sustentabilidade 2014 AGENDA ENQUADRAMENTO CERTIFICAÇÃO 3R6 ENQUADRAMENTO A Ponto Verde Serviços é uma empresa de consultoria ambiental criada em 2011 pela Embopar

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

O exemplo da Recolha Selectiva Porta a Porta junto de sectores específicos (restauração, comércio, serviços)

O exemplo da Recolha Selectiva Porta a Porta junto de sectores específicos (restauração, comércio, serviços) Pontos a abordar: Caracterização geral do sistema Lipor Enquadramento (PERSU II) Actuais projectos de Recolha Selectiva Porta a Porta na área da Lipor e análise da sua evolução Comparação da Recolha Selectiva

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

REGULAMENTO ECOSHOP PARA ENTREGAS DIRETAMENTE NOS ECOCENTROS

REGULAMENTO ECOSHOP PARA ENTREGAS DIRETAMENTE NOS ECOCENTROS REGULAMENTO ECOSHOP REGULAMENTO ECOSHOP Main sponsor Apoio Institucional PARA ENTREGAS DIRETAMENTE NOS ECOCENTROS Regulamento de utilização do Cartão EcoShop Artigo 1º - Entidade Promotora O Cartão Eco

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora

Pedro Sobral. Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora Pedro Sobral Gestão de Resíduos de Construção e Demolição CCDR-Alentejo/CM Montemor-o-Novo 26 de Julho, Évora A RESIALENTEJO em númerosn Área territorial: 8 Municípios População abrangida: 101.658 hab

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

COOPERATIVA MONÇÕES DE COLETA SELETIVA DE PORTO FELIZ Rua: Anita Garibaldi, nº694- Jd. Primavera- Tel: PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA

COOPERATIVA MONÇÕES DE COLETA SELETIVA DE PORTO FELIZ Rua: Anita Garibaldi, nº694- Jd. Primavera- Tel: PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA LOCAL DA INSTALAÇÃO: Razão Social: Cooperativa de Reciclagem Monções Nome Fantasia: Cooperativa Monções CNPJ: 12.522.788/0001-85 Endereço: R: Anita Garibaldi, nº694- Jd.

Leia mais

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios

CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios CENTRAL DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DO ECOPARQUE DA ABRUNHEIRA Ponto de situação e desafios Domingos Saraiva Presidente do Conselho de Administração da TRATOLIXO, E.I.M., S.A. TRATOLIXO, EIM, SA. Criada em 1990

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Evolução da gestão de resíduos na Europa Evolução da capitação de RSU vs. PIB em Portugal e na UE-, 1995-2000

Leia mais

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia

Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Sistema integrado de tratamento de resíduos sólidos Experiência Europeia Rosa Novais Belo Horizonte, março 2013 Gestão de Resíduos na Europa O setor de gestão e reciclagem de resíduos na União Europeia

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de

plástico papel vidro minerais O Seu Parceiro nos sectores de: Triagem de Tecnologia de triagem com sensor Triagem de Triagem de Triagem de www.redwave.at POR O Seu Parceiro nos sectores de: plástico papel Tecnologia de triagem com sensor REDWAVE é uma marca registada da BT-Wolfgang Binder GmbH, aplicada no sector da tecnologia de triagem

Leia mais

Parceira das empresas

Parceira das empresas Parceira das empresas PARCEIRA DAS EMPRESAS 02 SOCIEDADE PONTO VERDE PARCEIRA DAS EMPRESAS A Sociedade Ponto Verde é uma empresa privada sem fi ns lucrativos, licenciada pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO SISTEMA MULTIMUNICIPAL DO ALGARVE (2013) RELATÓRIO 1º PERÍODO DE CAMPANHA

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO SISTEMA MULTIMUNICIPAL DO ALGARVE (2013) RELATÓRIO 1º PERÍODO DE CAMPANHA CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO SISTEMA MULTIMUNICIPAL DO ALGARVE (2013) RELATÓRIO 1º PERÍODO DE CAMPANHA MARÇO 2013 CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS URBANOS DO SISTEMA MULTIMUNICIPAL DO ALGARVE (2013)

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais

Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos. Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Mineração de aterros - enquadramento na estratégia de resíduos Joana Sabino Chefe da Divisão de Resíduos Sectoriais Missão Executa a sua missão através da cooperação próxima e articulada com outros organismos

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado A LIPOR. ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS 2 A LIPOR NO CONTEXTO NACIONAL População 10 %

Leia mais

Estamos no bom caminho

Estamos no bom caminho O PROJECTO O Life ECOVIA é um projecto liderado pela Brisa, Auto-Estradas de Portugal, S.A., aprovado pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Life Ambiente. Este projecto visa a criação de novos materiais

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010

Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 Caracterização da Situação dos Fluxos Específicos de Resíduos em 2009 APA 06 08 2010 FLUXOS ESPECÍFICOS DE RESÍDUOS Um dos objectivos da política ambiental integrada é a atribuição da responsabilidade,

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

A Grande Viagem do Lixo

A Grande Viagem do Lixo Olá! Eu sou a Clarinha a mascote da Lipor. Sempre que me vires, é sinal que alguém está a cuidar do ambiente e a aprender como viver num mundo mais limpo, mais verde. E tu? sabias que... Há 4 R s nossos

Leia mais

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC SETEMBRO DE 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO Documentos de referência: Despacho n.º15370/2008 (Alteração à licença concedida à Sociedade Ponto Verde em 7 de Dezembro de 2004); Ajustamento, de 24 de Novembro de 2008,

Leia mais

os instrumentos de prestação de contas da empresa, o relatório da sua atividade e o parecer do fiscal único. O Conselho de Administração,

os instrumentos de prestação de contas da empresa, o relatório da sua atividade e o parecer do fiscal único. O Conselho de Administração, 1. Introdução O Conselho de Administração da Ambisousa, no cumprimento do disposto no artigo 16.º da Lei n.º 50/2012 de 31 de agosto, bem como do artigo 29.º dos Estatutos da Empresa Pública Intermunicipal

Leia mais

LOCALIZAÇÃO. 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI

LOCALIZAÇÃO. 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI LOCALIZAÇÃO 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Patrimônio Ecológico: MUNICÍPIO DO CRATO-CE Farias Brito Nova Olinda Caririaçu APA Área: 1.063.000 ha. Perímetro: 2.658,55 km.

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010

RELATÓRIO E CONTAS 2010 RELATÓRIO E CONTAS 2010 Relatório e Contas 2010 ÍNDICE 5 1. Introdução 7 Mensagem do Conselho de Administração 11 2. Sumário da evolução da actividade da empresa 15 3. Deposição de RSU 21 4. Reciclagem

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2011 Projetos temáticos 2 o ano Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco promover

Leia mais

DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt

DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt PARCEIRA DAS EMPRESAS www.pontoverde.pt SOCIEDADE PONTO VERDE PARCEIRA DAS EMPRESAS A Sociedade Ponto Verde é uma empresa privada sem fins lucrativos, licenciada pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento

Leia mais

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento

10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte. Elsa Pereira Nascimento 10 Anos Valorpneu Impacto nos Operadores de Ponto de Recolha e Transporte Elsa Pereira Nascimento O IMPACTO DA VALORPNEU: Pontos Recolha da Rede Valorpneu Transportadores na Rede Valorpneu O IMPACTO DA

Leia mais

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO).

COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES ENCAMINHADOS AO ATERRO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA (GO). Renata Gonçalves Moura Ribeiro Engenheira Civil pela Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim

Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim Reciclagem e valorização de resíduos sólidos. Meio Ambiente. Sustentabilidade Silvia Piedrahita Rolim São Paulo, 24 de maio de 2013 AGENDA Gerenciamento de Resíduos Cenário Mundial da Indústria de Reciclagem

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Mais clima para todos

Mais clima para todos Mais clima para todos 1 Mais clima para todos Na União Europeia, entre 1990 e 2011, o setor dos resíduos representou 2,9% das emissões de gases com efeito de estufa (GEE), e foi o 4º setor que mais contribuiu

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

Ecoparque da Ilha de São Miguel

Ecoparque da Ilha de São Miguel Ecoparque da Ilha de São Miguel Distância ao Continente = 1.500 Km Ligações marítimas = frequência semanal com duração de dois dias + 2 dias de operações portuárias Dispersão por 600 Km (mais do que

Leia mais

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ENQUADRAMENTO LEGAL Face à necessidade da criação de condições legais para a correta gestão dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD), foi publicado

Leia mais

Relatório & Contas 2011

Relatório & Contas 2011 Relatório & Contas 2011 Relatório & Contas 2011 Os textos que aparecem nos separadores são uma adptação de Millennium Ecosystem Assessment, 2005. Ecosystems and Human Wellbeing: Synthesis. World Resources

Leia mais

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira

VALORIZAÇÃO DE RCD. Contribuição da Indústria Cimenteira VALORIZAÇÃO DE RCD Contribuição da Indústria Cimenteira 1. APRESENTAÇÃO DA ATIC ATIC - Associação Técnica da Indústria de Cimento Assegura os aspectos institucionais e de representação da indústria cimenteira

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Rotulagem Ambiental. Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo

Rotulagem Ambiental. Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo Rotulagem Ambiental Assunta Camilo Abril 2013 São Paulo Objetivo da Rotulagem Ambiental É promover a melhoria da Qualidade Ambiental de produtos e processos mediante a mobilização das forças de mercado

Leia mais

8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos

8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos 8.ª Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos LIFE CYCLE ASSESSMENT OF PACKAGING WASTE MANAGEMENT IN PORTUGAL Ferreira, S.F., Cabral, M., Simões, P., Cruz, N., Marques, R.C. (IST ULisboa) Portugal IST,

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS. 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS 10 de Maio de 2014 Dr. Domingos Saraiva Presidente da Direção da EGSRA Surge da vontade dos Sistemas Intermunicipais, que até então se representavam

Leia mais

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS RESÍDUOS 2 RESÍDUOS 3 RESÍDUOS IMPACTOS AMBIENTAIS RESÍDUOS: Quantidade Natureza POLUIÇÃO E POLUENTES: Natureza Consequências 4 RESÍDUOS: Quantidade Produção: 2000-17

Leia mais

O QUE É A RECICLAGEM?

O QUE É A RECICLAGEM? O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos.

Leia mais