DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior"

Transcrição

1 DELINEAMENTO EM BLOOS ASUALIZADOS (DB) Mario de Andrade Lira Junior

2 GENERALIDADES Delineamento mais comum em ciências agrárias Delineamento mais simples com controle local Só usar quando confiar que pode formar blocos com menor variação do acaso dentro do bloco do que entre os blocos Normalmente cada bloco tem uma repetição de cada tratamento Mas pode haver mais de uma 2

3 MODELO Yij Y ij - Valor referente à j-ésima repetição do i-ésimo tratamento I efeito do i-ésimo tratamento j efeito do j-ésimo bloco i ij variação do acaso ligado à parcela do j-ésimo bloco com o i-ésimo tratamento j ij 3

4 REQUISITOS Efeitos aditivos Resíduos são: Independentes om distribuição normal com média zero Homocedase Em síntese, o de sempre 4

5 ESQUEMA DA ANÁLISE DE VARIÂNIA F.V. GL SQ QM F NS Tratamentos t-1 T =distf(f; GLT; GLR) Blocos b-1 Resíduo Dif. Dif. Total tb-1 2 b 2 B t x 2 SQT GLT SQR GLR QMT QMR t número de tratamentos b número de blocos (normalmente igual ao de repetições) T total de cada tratamento B total de cada bloco rt x 2 5

6 EXEMPLO DE ANÁLISE Foi conduzido um experimento na Unidade Acadêmica de Júpiter - UFRPE, no ano agrícola 2100, avaliando o efeito de seis adubações verdes (calopogônio, cunha e mucuna leguminosas, milheto e painço gramíneas e girassol composta), dois tratamentos sem cobertura verde limpo limpeza mecânica e herbicida), e a manutenção de vegetação nativa mato sobre a produtividade do milho verde subsequente. bloco obertura produtividade bloco obertura produtividade a limpo 7000 c limpo 3513 a calopogônio 9000 c calopogônio 4516 a cunha 8100 c cunha 4065 a girassol 8000 c girassol 4014 a herbicida 7001 c herbicida 3513 a mato 4200 c mato 2107 a milheto 6300 c milheto 3161 a mucuna 9450 c mucuna 4742 a painço 6615 c painço 3319 b limpo d limpo 5262 b calopogônio d calopogônio 6765 b cunha d cunha 6089 b girassol d girassol 6013 b herbicida d herbicida 5262 b mato 6292 d mato 3156 b milheto 9438 d milheto 4735 b mucuna d mucuna 7104 b painço 9910 d painço

7 PRIMEIRO PASSO ORGANIZAR OS DADOS a b c d T limpo calapogônio cunha girassol herbicida mato milheto mucuna painço B

8 SEGUNDO PASSO FAZER AS ONTAS , ² ² ²... 2² 1² SQB , ² ² ²... 2² 1² SQT , ² ² , )²... ( t Bn B B t B b Tn T T b T x SQTot x rt x

9 TEREIRO PASSO FAZER A ANOVA/ANAVA FV GL SQ QM F NS Trat , ,72 19,47 9,86E-09 Bloco ,97 Resíduo , ,01 Total ,97 9

10 QUARTO PASSO FAZER O TUKEY q (5%, t, GLR) 4,68x b ,01 4 QMR 1569,24526 limpo 6565,25 calapogônio 8441,00 cunha 7597,00 girassol 7503,00 herbicida 6566,00 mato 3938,75 milheto 5908,50 mucuna 8863,25 painço 6204, ,24 mucuna 8863,25 calapogônio 8441,00 cunha 7597,00 girassol 7503,00 herbicida 6566,00 limpo 6565,25 painço 6204,00 milheto 5908,50 mato 3938,75 mucuna 8863,25a calapogônio 8441,00a cunha 7597,00ab girassol 7503,00ab herbicida 6566,00bc limpo 6565,25bc painço 6204,00bc milheto 5908,50c mato 3938,75d 10

11 Produtividade (kg/ha) QUINTO PASSO APRESENTAR OS RESULTADOS Tabela 1 - Produtividade de milho após um ciclo de adubação verde, Júpiter, 2100 obertura Produtividade (kg/ha) Mato 3939d Limpo 6565bc Herbicida 6566bc alopogônio 8441a unhã 7597ab Mucuna 8863a Milheto 5908c Painço 6204c Girassol 7503ab V 9,8% Valores em uma mesma coluna, seguidos por letras idênticas, não diferem entre si ao nível de 5% pelo teste de Tukey 10000, , , , , , , , , ,00 0,00 d bc bc Figura 1 - Produtividade de milho após um ciclo de adubação verde, Júpiter, 2100 a ab a c bc ab 11

12 ANÁLISE PELO SAS Proc glm data=aula.bloco; lass bloco cobertura; Model produtividade=bloco cobertura; Lsmeans cobertura/adjust=tukey pdiff; Run; Quit; 12

13 The SAS Sys tem 09:54 Monday, April 26, The GLM Procedure lass Level Information lass Levels Values bloco 4 a b c d cobertura 9 calopogônio cunha girassol herbicida limpo mato milheto mucuna painço Number of observations 36 The SAS System 09:54 Monday, April 26, Seção 1 Informação para lembrar do que se trata 13

14 The GLM Procedure Dependent Variable: produtividade produtividade Sum of Source DF Squares Mean Square F Value Pr > F Model <.0001 Error orrected Total Seção 2 - Análise de variância geral do modelo R-Square oeff Var Root MSE produtividade Mean Seção 3 - Dados para avaliação geral do modelo Source DF Type I SS Mean Square F Value Pr > F bloco <.0001 cobertura <.0001 Seção 4 - Desdobramento do modelo (parte que mais interessa) Principal diferença em relação ao DI 14

15 produtividade LSMEAN cobertura LSMEAN Number calopogônio cunha girassol herbicida limpo mato milheto mucuna painço Least Squares Means for effect cobertura Pr > t for H0: LSMean(i)=LSMean(j) Dependent Variable: produtividade Seção 5 - Médias corrigidas para os demais efeitos (neste caso não há outros efeitos para corrigir) i/j < < < <.0001 <.0001 < < < <.0001 < Seção 6 Matriz de probabilidades das diferenças acontecerem por acaso

16 PROEDIMENTO PARA AVALIAÇÃO DO TUKEY Organizar os tratamentos Ordem decrescente das médias Pelos códigos 8,1,2,3,4,5,9,7,6 omparação maior com segundo 8 x 1 Valor tabela Acima de 99 % de chance de ser devido ao acaso Repetir até encontrar diferença significativa 8 x ,17 % de chance de ser devido ao acaso Descer para o imediatamente inferior 1 x ,43 % de chance de ser devido ao acaso Repetir até terminar todas as comparações 16

Arranjo fatorial de tratamentos

Arranjo fatorial de tratamentos Matéria Seca de Nódulos (mg/planta) Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura 01- Exemplo gráfico com fator quantitativo Arranjo fatorial de tratamentos Características básicas Utilizável

Leia mais

Mario de Andrade Lira Junior - Reservados todos os direitos autorais.

Mario de Andrade Lira Junior   - Reservados todos os direitos autorais. Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br todos os direitos autorais. 27/6/2010 1 Caso especial do fatorial, com todas as características do mesmo Principal diferença é o uso de parcelas diferentes

Leia mais

Sabatina Delineamentos

Sabatina Delineamentos Diferenças de um mesmo tratamento aplicado a diferentes unidades experimentais contribuem para o erro experimental. Tratamentos atribuídos às diferentes unidades experimentais devem ser homogêneos quanto

Leia mais

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Maria Elizabeth da Costa Vasconcellos 1 Paula Cristina de Oliveira Klefens 2 Cezar Francisco Araujo Junior

Leia mais

Delineamento em Blocos ao Acaso

Delineamento em Blocos ao Acaso Costa, S.C. 1 Universidade Estadual de Londrina Departamento de Estatística Delineamento em Blocos ao Acaso Silvano Cesar da Costa Londrina - Paraná Costa, S.C. 2 Delineamento em Blocos Casualizados Experimento

Leia mais

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas Aula no SAS Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado Saídas title "Antes da Casualização"; data plano; do parc=1 to 20;*DEVE SER MÚLTIPLO DO NÚMERO DE TRATAMENTOS; trat=int((parc-1)/5)+1;*tratamentos+1=5;

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC)

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) Profª Railene Hérica Carlos Rocha Pombal, PB. 1. Conceitos

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL

A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL IPEF Série Técnica, Piracicaba, 9(6): -36, mar.993 ISSN 00-837 A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL Frederico Pimentel Gomes Carlos Henrique Garcia INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS

Leia mais

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL);

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); ods rtf; title 'Planejamento do Experimento - Quadrados Latinos';

Leia mais

EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES

EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES Na maioria dos experimentos, os tratamentos são de efeitos fixos. Mas também são realizados experimentos em que os efeitos dos tratamentos são aleatórios. 1 Para saber se, em

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema 4: Experimentos factoriais Definição Experimentos factoriais são aqueles que incluem todas as combinações possíveis de vários conjuntos de factores. Ex : Um experimento com

Leia mais

Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura o Interação Graus de liberdade de todas as

Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura o Interação Graus de liberdade de todas as Cmbina cm tds s níveis d terceir fatr (Mat, Ad, Cm e Mat, Ad, Sem) Fixa próxim nível d segund fatr Arranj fatrial de trataments (Nac) Repetir até acabarem tdas as Características básicas cmbinações ds

Leia mais

Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos

Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos Professor Jomar Antonio Camarinha Filho CURITIBA - PARANÁ SETEMBRO/2003ÍNDICE Modelos Mistos Prof. Jomar

Leia mais

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557 ANEXO M: Output 1 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: meio rural e meio urbano. Group Statistics

Leia mais

5. BLOCOS ALEATORIZADOS QUADRADOS LATINOS

5. BLOCOS ALEATORIZADOS QUADRADOS LATINOS 5. BLOCOS ALEATORIZADOS e QUADRADOS LATINOS Vamos analisar 4 tipos de experimentos: I) Projetos completamente aleatorizados II) Projetos em blocos aleatorizados III) Quadrados Latinos IV) Quadrados Greco-Latinos

Leia mais

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO Sempre que não houver condições experimentais homogêneas, devemos utilizar o principio do controle local, instalando Blocos, casualizando os tratamentos, igualmente repetidos.

Leia mais

Análise de Variância simples (One way ANOVA)

Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1 VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP João Riboldi 1 1. Introdução Na construção de um modelo de regressão, de uma maneira geral segue-se três etapas: executa-se o ajuste do modelo, obtendo-se

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

Uso do SISVAR na Análise de Experimentos

Uso do SISVAR na Análise de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS/MG DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS/DEX PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS Curso Básico de Estatística Experimental Uso do SISVAR na Análise de Experimentos Roberta

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB DISCIPLINA BIOEXPERIMENTAÇÃO Exercício de experimento fatorial resolução passo-à-passo Os dados apresentados abaixo são uma adaptação do exemplo apresentado por Banzato e Kronka (199) Os dados são valores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO ANÁLISE ESTATÍSTICA JOÃO RIBOLDI SERIE B, N 56, PORTO ALEGRE, MAIO

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br 1. Objetivos Estudar o procedimento de instalação e análise de

Leia mais

Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais

Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Dois Vizinhos PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais

Leia mais

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao

o experimento encontra-se em andamento desde junho de 1997, no municipio de Introduc;ao Carlos Cesar Pereira Nogueiraf.H, Humberto Umbelino de Sousa 2 e Jocicler da Silva Carneiro 3. Introduc;ao Originario do sudeste asiatico, 0 coqueiro esta distribuido por toda a regiao tropical do planeta.

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari EXPERIMENTAÇÃO AGRÍCOLA Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari amanda@fcav.unesp.br INTRODUÇÃO Muitas vezes, embora se tenha cuidado no planejamento e Ao planejar um experimento, o pesquisador

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS

INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS Delineamento experimental ou desenho experimental, de uma forma bastante simples, é a forma em que os tratamentos (níveis de um fator ou combinações de níveis de fatores) são

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores.

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR DISCIPLINA: ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 a AVALIAÇÃO PROFESSOR: ROBERTO QUEIROGA Questão 1: Faça um croqui (disposição

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 2 Professor Claodomir Antonio Martinazzo Sumário 1 Introdução... 03 2 Instalação da ferramenta Análise de Dados... 04 3 Estatística Descritiva...

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO

ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO ATRIBUTO FÍSICO DO SOLO EM FUNÇÃO DE SISTEMAS DE CULTIVO E VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO Mauricio Viero Rufino 1 ; Jorge Wilson Cortez 2 ; Paulo Henrique Nascimento de Souza 3 ; Renan Miranda Viero 3 ; Eduardo

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema : Delineamentos experimentais básicos (DCC/DBCC/DQL) Delineamento de Blocos Completos Casualizados (DBCC) Quando usar? Quando as unidades experimentais não apresentam características

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS

MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Página 1014 MANEJO DE PRAGAS DO AMENDOINZEIRO COM PRODUTOS ALTENATIVOS E CONVENCIONAIS Raul Porfirio de Almeida 1 ; Aderdilânia Iane Barbosa de Azevedo 2 ; 1Embrapa Algodão, C.P. 174, 58.428-095, Campina

Leia mais

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Juntando os pressupostos necessários à inferência, Modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Seja A o Factor dominante e B o Factor subordinado. Existem

Leia mais

II Análise de variância... 17

II Análise de variância... 17 Índice Página I Introdução... 1 1 População e amostra... Intervalo de confiança da média da população... 4 3 Comparação das médias de duas amostras Teste t... 6 4 Testes à normalidade da distribuição e

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS Retratos do Cárcere 2 PRESIDIÁRIO CARIOCA O Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPS/IBRE/FGV) realizou um breve levantamento dos presídios cariocas, que

Leia mais

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Em muitas experiências interessa estudar o efeito de mais do que um factor sobre uma variável de interesse. Quando uma experiência

Leia mais

25 a 30 de novembro de 2013

25 a 30 de novembro de 2013 em em Introdução à Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agronômica ESALQ/USP 25 a 30 de novembro de 2013 Parte 3 - Conteúdo em em 1 em 2 em em em Permite estudar como uma (simples)

Leia mais

VERSÃO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ASSISTAT PARA O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS

VERSÃO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ASSISTAT PARA O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS 71 VERSÃO DO PROGRAMA COMPUTACIONAL ASSISTAT PARA O SISTEMA OPERACIONAL WINDOWS Francisco de Assis Santos e Silva 1, Carlos Alberto Vieira de Azevedo 2 RESUMO Foi feita uma versão (Assistat 6.2) do software

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE IV

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE IV MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE IV TESTES DE COMPARAÇÕES MÚLTIPLAS DE MÉDIAS EXPERIMENTAIS Profª Railene Hérica Carlos

Leia mais

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 (24), 117-124. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos

Leia mais

1) Como vou comparar 3 grupos realizo uma Anova one way:

1) Como vou comparar 3 grupos realizo uma Anova one way: Gabarito aula anova e teste não-paramétrico: 1) Como vou comparar 3 grupos realizo uma Anova one way: One-way ANOVA: AREA versus VIRUS Analysis of Variance for AREA Source DF SS MS F P VIRUS 2 215,54 107,77

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Efeito da Densidade de Plantas no Progresso da Ferrugem Comum em Híbridos Comerciais de Milho Murilo Viotto Del Conte²,

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Mestrado

Leia mais

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R.

AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O. 3 ; CHIAPINOTTO, I.C. 3 ; HÜBNER, A.P. 3 ; QUAINI, D. 3 ; CUBILLA, M.M. 3 ; FRIES, M.R. leguminosas de verão como culturas intercalares ao milho e sua influência sobre a associação de aveia (Avena strigosa Schieb) + ervilhaca (Vicia sativa L.) AITA, C. 1 ; GIACOMINI, S.J. 2 ; VENDRÚSCULO,E.R.O.

Leia mais

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação

Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EXPERIMENTAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Conceitos e Princípios Básicos da Experimentação Mestranda:

Leia mais

Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia. Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br

Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia. Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A competitividade e o alto custo tornam, a cada momento,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1527

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1527 Página 1527 ADAPTABILIDADE E ESTABILIDADE DE CUL TIVARES DE GIRASSOL NO NORDESTE BRASILEIRO NA SAFRA 2009 Ivênio Rubens de Oliveira¹; Hélio Wilson Lemos de Carvalho¹; Cláudio Guilherme Portela de Carvalho

Leia mais

Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso

Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso Aula 7: Delineamento em blocos ao acaso Uma possível distribuição de parcelas é a esquematicamente mostrada na figura a seguir: Também denominado por delineamento em blocos casualizados é com certeza o

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Doutorado

Leia mais

Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos

Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos Prof. Dr. Silvio Sandoval Zocchi 15 de Setembro de 2016 Prof. Dr. Silvio Sandoval Zocchi Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos 15 de Setembro de 2016 1 / 32 1. Introdução

Leia mais

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO _2010_03_Exercicio _Regressão_exemplo O gerente de uma loja de artigos escolares, cada semana, deve decidir quanto gastar com propaganda e que atrativo (por exemplo preços

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS ATRAVÉS DE HERBICIDAS EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Hugo de Almeida Dan 1, Alberto Leão de Lemos Barroso 2, Lilian Gomes de Moraes Dan 3, Alaeste Diniz da Silva Júnior 3, Cleriston

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho Agronômico de Híbridos de Sorgo Biomassa Gutemberg de Aquiles Pereira 1, Rafael A. da C. Parrella 2, Nádia

Leia mais

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue

Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Avaliação das fases larva e pupa no desenvolvimento do mosquito causador da dengue Karla Yamina Guimarães Santos 1 Diego Alves Gomes 2 Rafael Aguiar Marino 2 Eduardo Barbosa Beserra 2 Ricardo Alves de

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha

Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha CONTEÚDO Estatística Descritiva e Exploratória Noções de Estimação de Parâmetros Intervalos de Confiança

Leia mais

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS

Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Aula 10. ANOVA Análise de Variância em SPSS Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Análise de Variância Objectivo: comparar medidas de localização para mais do que

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana

Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Modelos mistos na análise de dados longitudinais de um experimento para armazenamento de banana Simone Silmara Werner Gurgel do Amaral Sara Regina Kulzer 2 Marcus Vinícius Silva Gurgel do Amaral Sílvia

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG

RESUMO INTRODUÇÃO. 1 Graduando do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. 2 Professor orientador, UnU- Ipameri - UEG DENSIDADE DE SEMEADURA DE FEIJÃO-DE-PORCO Canavalia ensiformis. Mário Guilherme de Biagi Cava 1 ; Bruce James Santos 1 ; Vinícius André Pereira 1 ; Paulo César Timossi 2 1 Graduando do Curso de Agronomia,

Leia mais

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO

CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO CRESCIMENTO DO RABANETE EM TÚNEIS BAIXOS COBERTOS COM PLÁSTICO PERFURADO EM DIFERENTES NÍVEIS DE PERFURAÇÃO EDILAINE REGINA PEREIRA 1 SONIA MARIA STEPHANO PIEDADE 2 RESUMO O presente trabalho teve como

Leia mais

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil de Carvalho, Eric Xavier; da Anunciação Filho, Clodoaldo José; Menezes Aragão, Wilson; dos Santos Musser, Rosimar;

Leia mais

Curso de MINITAB Universidade Federal de Ouro Preto. Planejamento de Experimentos (DOE)

Curso de MINITAB Universidade Federal de Ouro Preto. Planejamento de Experimentos (DOE) Planejamento de Experimentos (DOE) - Introdução Um experimento é um procedimento no qual as alterações propositais são feitas nas variáveis de entrada de um processo ou sistema, de modo que se possa avaliar

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP.

Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Avaliação da influência de coberturas mortas sobre o desenvolvimento da cultura da alface na região de Fernandópolis- SP. Roberto Andreani Junior 1 Pedro Galbiati Neto 1 UNICASTELO-Faculdade de Ciências

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO Digamos que temos 6 métodos de ensino aplicados a 30 crianças cada

Leia mais

Capítulo 7. Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 7. Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 7 Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 2007 Capítulo

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ALTERNATIVAS TÉCNICAS PARA O MANEJO DA VEGETAÇÃO SOB AS LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DA COPEL Autores: 1 CLAUDIO PURÍSSIMO; 1 LUIZ

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

INTRODUÇÃO A PROJETOS DE EXPERIMENTOS. Caderno Didático

INTRODUÇÃO A PROJETOS DE EXPERIMENTOS. Caderno Didático INTRODUÇÃO A PROJETOS DE EXPERIMENTOS Caderno Didático Projeto gráfico da capa: Laboratório de Design Gráfico Curso de Desenho Industrial / Programação Visual - UFSM INTRODUÇÃO A PROJETOS DE EXPERIMENTOS

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO

DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO DE COBERTURA EM MILHO (Zea mays L.) COM SULFATO DE AMÔNIO FARELADO GOMES, Onélio Marcos Teston Acadêmico do curso de Engenharia Agronômica da FAEF-Garça-SP nelio_agro@ibest.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE)

COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE FEIJOEIRO AO ATAQUE DE Bemisia tabaci (Genn.) BIÓTIPO B (HEMIPTERA: ALEYRODIDAE) B.C. Martins 1 ; F.S. Rocha 1,4 ; L.A. Ferreira 1,4 ; J.C.M.R. Silva 1,4 ; R.R. Guimarães

Leia mais

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada

Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Propriedades físico-hidricas de um Argissolo sob cultivo de culturas bioenergéticas com e sem adubação nitrogenada Oliveira, A. E. 1 ; Fontanela, E.; Reichert, J. M.; Reinert, D. J.; Pereira, T. I. 1 Universidade

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 153. Dezembro/1987 PROGRAMA DE COMPUTADOR PARA A ESTIMATIVA DE PARÂMETROS GENÉTICOS

CIRCULAR TÉCNICA N o 153. Dezembro/1987 PROGRAMA DE COMPUTADOR PARA A ESTIMATIVA DE PARÂMETROS GENÉTICOS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 153 Dezembro/1987 PROGRAMA DE COMPUTADOR PARA A ESTIMATIVA DE PARÂMETROS GENÉTICOS 1. CONSIDERAÇÕES

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO PARA PRODUÇÃO DE SILAGEM SAFRA 2012/2013 Aildson Pereira Duarte (IAC, Campinas) Luiz Gustavo Nussio (USP/ESALQ, Piracicaba) Solidete

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais