Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano)"

Transcrição

1 Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Mutações Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Blog:

2 Mutação Qualquer mudança na sequência de nucleotídeos ou arranjo do DNA. súbitas espontâneas variação hereditária.

3 Mutante Fenótipo resultante de mutação

4 Introdução: a natureza das diferenças genéticas DOENÇAS As mutações promovem a evolução já que determinam aumento na variabilidade genética. VARIABILIDADE FENOTÍPICA DNA 99,9% idêntico entre duas pessoas NENHUM EFEITO NO FENÓTIPO

5 Mutação: Características Básicas Mutações somáticas x Mutações germinativas Células somáticas: Mutação somática Células germinativas: Mutação herdável Griffiths, 2001

6 Tipos de mutações MUTAÇÃO GENÔMICA: afeta o número de cromossomos nas células(aneuploidias) alterações numéricas MUTAÇÃO CROMOSSÔMICA: altera a estrutura de cromossomos individuais (translocações, deleções, inserções e duplicações) alterações estruturais MUTAÇÃO GÊNICA: altera genes individuais. pares de bases em escala muito pequena não observáveis citogeneticamente. THOMPSON & THOMPSON, 2002

7 Tipos de mutações Tiposde Mutaçõese suas Ferequencias Estimadas Classe de Mutação Mecanismo Frequência Genômica Não-disjunçãodos cromossomos 10-2 /divisãocelular Cromossômica RearranjoCromossômico 6x10-4 /divisãocelular Gênica Mutaçãode par de base /par de base/divisãocelular /locus/geração THOMPSON & THOMPSON, 2002

8 Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Mutações Gênicas Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Blog:

9 Classificação das mutações gênicas 1. Mudanças na sequência do DNA Frameshift 2. Mudanças Funcionais - Substituições - Inserções e deleções (Indel) - Inversão -Silenciosa -Sentido trocado -Sem sentido -Mudança de matriz de leitura

10 Classificação das mutações gênicas 1. Mudanças na sequência de DNA- Frameshift Mutação de ponto 1.1 Substituição ocorre a troca de um ou mais pares de bases.

11 1. Mudanças na sequência de DNA Mutação de ponto 1.1. Substituições: -Transição: purina por purina(a G) pirimidina por pirimidina(t C); -Transversão:AouG TouC. Purina Pirimidina Classificação das mutações gênicas Transversão G T

12 Classificação das mutações gênicas 1. Mudanças na sequência de DNA- Frameshift Mutação de ponto 1.1 Substituição Substituição (A-G)... AAG AGA ATA GCG CTG......Phe..Ser..Tyr..Arg.Asp AAG AGA GTA GCG CTG......Phe..Ser..His..Arg..Asp...

13 1. Mudanças na sequência de DNA Mutação de ponto Classificação das mutações gênicas 1.2 Inserção e deleção Adição Remoção 1pb ou grandes trechos

14 Classificação das mutações gênicas 1. Mudanças na sequência de DNA- Frameshift Mutação de ponto Adição (G)... AAG AGA ATA GCG CTG......Phe..Ser..Tyr..Arg.Asp AAG AGA GAT AGC GCT G Phe...Ser..Leu..Ser..Arg... Deleção (A)... AAG AGA ATA GCG CTG......Phe..Ser..Tyr..Arg.Asp AAG AGA TAG CGC TG Phe Ser Ileu Ala...

15 Classificação das mutações gênicas 1.3. Inversão: Excisão de uma parte da dupla hélice seguida de reinserção na mesma posição, mas em orientação inversa.

16 2. Consequências Funcionais: CÓDIGO GENÉTICO Classificação das mutações gênicas

17 2. Consequências Funcionais: 2.1. Mutação Silenciosa: sem alteração do produto gênico. Classificação das mutações gênicas

18 2. Consequências Funcionais: Classificação das mutações gênicas 2.2. Mutação de sentido trocado(missense): Ocódonparaumaminoácidoésubstituídoporumcódon para outro aminoácido

19 Classificação das mutações gênicas 2. Consequências Funcionais: 2.3. Mutação sem sentido(nonsense): Ocódon para umaminoácidoésubstituídoporum códon de terminação.

20 Classificação das mutações gênicas 2. Consequências Funcionais: 2.4. Mudança da matriz de leitura(frameshift): Adição ou deleção de pares de bases, não múltiplos de 3(perda completa da função da proteína normal)

21 Bases moleculares das mutações gênicas NOVAS MUTAÇÕES ESPONTÂNEAS INDUZIDAS

22 Mutações espontâneas Fonte de variação genética Frequênciabaixa: 10 5 a 10 8 Mecanismos moleculares: erros na replicação do DNA lesões espontâneas: desaminação, depurinaçãoe danos oxidativos elementos genéticos de transposição

23 Mutações espontâneas Erros na Replicação O mal pareamento durante a replicação é uma fonte de substituição espontânea: mal pareamento por mudanças tautômericas

24 Mutações espontâneas Erros na Replicação O mal pareamento durante a replicação é uma fonte de substituição espontânea: mal pareamento por mudanças tautômericas Tautomeria Cetoenólica: isomeria funcional em que os dois isômeros ficam em equilíbrio químico dinâmico. Alterama formaçãodas pontes de hidrogênio, durante replicação

25 Mutações espontâneas Erros na Replicação O mal pareamento durante a replicação é uma fonte de substituição espontânea: Mal pareamento por mudanças tautômericas ph fisiológico ph fisiológico

26 Mudanças Tautoméricas

27 Mutações espontâneas Erros na Replicação Griffiths, 2001

28 Erros na Replicação Mudanças Tautoméricas Transição: GC por AT Griffiths, 2001

29 Lesões espontâneas -Depurinação: perda de bases púricas (A e G)/dia/célula -Desaminação: 100 bases C U, T/dia/célula Transição: GC/AT

30 Lesões espontâneas Danos oxidativos ao DNA: ação de espécies de oxigênio ativo, produzidos como subprodutos de metabolismo aeróbico normal, como: radicais superóxido(o.) radicaissuperóxido(o 2.) peróxidodehidrogênio(h 2 O 2 ) radicais hidroxila(oh)

31 Mecanismos de indução de mutação MUTÁGENOS QUÍMICOS FÍSICOS (radiação/calor) BIOLÓGICOS (vírus)

32 Mecanismos de indução de mutação

33 Mecanismos de indução de mutação Atuam por 3 mecanismos diferentes: 1. SUBSTITUIR UMA BASE DE DNA 2. ALTERAR UMA BASE DE DNA 3. DANIFICAR UMA BASE DE DNA

34 Mecanismos de indução de mutação Substituição de bases -Análogos de bases podem ser substitutos frequentes durante a replicação. Timina Análogo da Timina 5-Bromouracila Transição: AT/GC

35 Mecanismos de indução de mutação Alteração de Bases Agentes Alquilantes Alguns mutágenos não são incorporados ao DNA, mas alteram uma base, causando mal pareamento específico: -EMS (ETIL METANOSSULFATO) -NG (NITROSOGUANIDINA) (C2H5) (CH3) Adicionam grupos Alcil (etila e metila respectivamente)

36 Mecanismos de indução de mutação Alteração de Bases Agentes Alquilantes Transferência de grupo etil Transição: Griffiths, 2001

37 Mecanismos de indução de mutação Constituem moléculas longas e achatadas que mimetizam pares de bases; Alteração de Bases Agentes Intercalantes Intercalam-se entre dois pares de bases adjacentes Na duplicação INSERÇÃO OU DELEÇÃO Exemplos: Griffiths, 2001

38 Mecanismos de indução de mutação Alteração de Bases Exemplo de Corante Laranja de Acridina: Agentes Intercalantes Inserções de pares únicos de nucleotídeos ou deleções Brown, 1999

39 Mecanismos de indução de mutação Dano as Bases CALOR: mutágeno ambiental -Resulta na perda de bases (clivagem de bases purínicas). Substituições ou deleções Brown, 1999

40 Mecanismos de indução de mutação RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA Transições C/T Transversões Mudanças de matriz de leitura Dano as Bases A luz UV gera alterações no DNA (fotoprodutos): - Anel ciclobutil (2 pirimidinas unidas no mesmo filamento); - Fotoproduto 6-4

41 Mecanismos de indução de mutação Dano as Bases Falhas no mecanismo de reparo das alterações causadas pela UV Xeroderma pigmentoso susceptibilidade câncer de pele fotossensível

42 Mecanismos de indução de mutação Os mutágenos induzem mutações por uma variedadede mecanismo. Alguns, mimetizambases normais e são incorporados ao DNA, causando pareamentoincorreto. Outros, danificambases, que então não são corretamente reconhecidas pela DNA polimerase durante a replicação, resultando em mal pareamento.

43 Resumindo Mutações Somáticas Germinativas 1. Mudanças na sequência do DNA Frameshift 2. Mudanças Funcionais - Substituições - Inserções e deleções (Indel) - Inversão -Silenciosa -Sentido trocado -Sem sentido -Mudança de matriz de leitura

44 Referências GRIFFITHS, A.J.; MILLER, J.H.; SUZUKI, D.T.; LEWONTIN, R.C.& GELBART, W.M.Introdução à Genética. 8 ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, NUSSBAUM, R.L.; MCINNES, R.R. & WILLARD, H.F. Thompson e Thompson GenéticaMédica. 7ª ed.,elsevier, SNUSTAD, P.; SIMMONS, M.J. Fundamentosde Genética. 4ª ed., Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2008.

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Mutações somáticas x Mutações germinativas Tipos de mutações MUTAÇÃO GENÔMICA:

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Aula 8 META Discutir os principais mecanismos geradores de mutação e suas conseqüências, assim como o papel dos mecanismos de reparo do DNA na manutenção da estabilidade e sobrevivência

Leia mais

MUTAÇÕES TIPOS DE MUTAÇÃO GÊNICA

MUTAÇÕES TIPOS DE MUTAÇÃO GÊNICA MUTAÇÕES Eduardo Dias Embora um dos mais importantes requisitos do material genético seja a sua estabilidade, a capacidade de mudança também é necessária. As mutações gênicas são importantes para a evolução

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

MUTAÇÕES. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

MUTAÇÕES. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva MUTAÇÕES Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva DEFINIÇÃO >> Mudanças na sequência dos nucleotídeos do material genético de um organismo >> Mensagem genética é alterada de forma irreversível. Causa:

Leia mais

Genética e Evolução: Profa. Gilcele

Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética e Evolução: Profa. Gilcele Genética É o estudo dos genes e de sua transmissão para as gerações futuras. É o estudo da hereditariedade, a transmissão de traços de genitores para filhos. É dividida

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Danos ao DNA (tipos, locais e frequência) Dano ao DNA -> mutação -> doença Mutação em regiões controladoras e codificantes Mecanismos de Reparo Fita simples

Leia mais

GENÔMICA NUTRICIONAL: Modulando a Origem e a Saúde Celular

GENÔMICA NUTRICIONAL: Modulando a Origem e a Saúde Celular Curso: Nutricius Vitae GENÔMICA NUTRICIONAL: Modulando a Origem e a Saúde Celular www.hgsc.bcm.tmc.edu/graphics/genome3.jpg Profª. Cibele Velloso Rodrigues 2009 e-mail: cvbiogenet@yahoo.com.br Conteúdo

Leia mais

Mutações. Disciplina: Estudo da Genética e da Evolução Turma: Terapia Ocupacional (1 o Ano)

Mutações. Disciplina: Estudo da Genética e da Evolução Turma: Terapia Ocupacional (1 o Ano) Disciplina: Estudo da Genética e da Evolução Turma: Terapia Ocupacional (1 o Ano) Mutações Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini E-mail: marilanda_bellini@yahoo.com Blog: http://marilandabellini.wordpress.com

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B.

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B. Do Corpo Humano ao DNA Noções de Biologia Molecular Prof a. Dr a. Mônica B. Melo FCM - SCSP - Estrutura dos ácidos nucléicos (DNA, RNA) - Replicação - Transcrição - Processamento - Tradução -Mutações -

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

Mutação e reparo do DNA

Mutação e reparo do DNA Mutação e reparo do DNA AULA 13 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Entender o que é mutação. Diferenciar as mutações espontâneas das induzidas, assim como as mutações somáticas das

Leia mais

Fundamentos da Evolução

Fundamentos da Evolução Fundamentos da Evolução UNIDADE VIII EVOLUÇÃO CAPÍTULO 24 Aula 02 Teorias evolucionistas Teoria Sintética Fatores evolutivos TEORIA SINTÉTICA DA EVOLUÇÃO Neodarwinismo Século XX Combina seleção natural

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

Mutações FICHA INFORMATIVA Nº10: MUTAÇÕES O QUE SÃO?

Mutações FICHA INFORMATIVA Nº10: MUTAÇÕES O QUE SÃO? Mutações O QUE SÃO? As mutações são alterações no material genético, que podem ocorrer naturalmente no percurso da síntese proteica mutações espontâneas ou por acção de agentes externos (agentes mutagénicos)

Leia mais

Licenciatura em Ciências Biomédicas. T1. Conceitos Gerais em Toxicologia

Licenciatura em Ciências Biomédicas. T1. Conceitos Gerais em Toxicologia urso Área Disciplinar icenciatura em iências Biomédicas oxicologia () no lectivo 203/204 Docente ema Duração Mestre Dr. uis Silva Santos. onceitos erais em oxicologia 6 horas () : onceitos gerais em oxicologia

Leia mais

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética.

Ácidos Nucleicos 22/12/2011. Funções do Material Genético. informação genética. Ácidos Nucleicos Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Turmas: Ciências Biológicas, enfermagem, nutrição e TO. Funções do Material Genético Mendel, 1865: genes

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUURAIS E NUMÉRICAS. Bruna Lima Barbosa

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUURAIS E NUMÉRICAS. Bruna Lima Barbosa ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS ESTRUURAIS E NUMÉRICAS Bruna Lima Barbosa INTRODUÇÃO Os cromossomos podem variar: Tamanho; Posição do centrômero; Quantidade de DNA; Heterocromatina; Número ou posição de bandas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

Atividade extraclasse Apresentação do curso - Teste. Aula expositiva - DE ROBERTIS. 2000. Bases da biologia celular e molecular. 3ª edição. Ed.

Atividade extraclasse Apresentação do curso - Teste. Aula expositiva - DE ROBERTIS. 2000. Bases da biologia celular e molecular. 3ª edição. Ed. PLANO DE AULA Disciplina: Biologia Celular e Genética Professor(a): Dr. Dercy José de Sá Filho e Dra. Marizia do Amaral Toma Curso: Biomedicina Semestre/A Semestral Turma: 1A Atividades temáticas Estratégias/bibliografia

Leia mais

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA.

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Genes Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Ácidos nucleicos Os ácidos nucléicos são macromoléculas

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

MECANISMOS DE REPARO

MECANISMOS DE REPARO MECANISMOS DE REPARO Eduardo Montagner Dias Apesar de mutações genéticas serem de extrema importância para a evolução de uma espécie, a sobrevivência do indivíduo depende da estabilidade do seu genoma.

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Resposta: Interbits SuperPro Web

Resposta: Interbits SuperPro Web 1. (Fuvest 2012) Uma mutação, responsável por uma doença sanguínea, foi identificada numa família. Abaixo estão representadas sequências de bases nitrogenadas, normal e mutante; nelas estão destacados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 2- Organização do Genoma Estrutura dos Ácidos Nucleicos- Nucleotídeos Cinco tipos: Adenina, Guanina, Citosina, Timina e Uracila.

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

A Molécula da Vida. Estrutura

A Molécula da Vida. Estrutura A Molécula da Vida Os cromossomos de células eucarióticas são formado por DNA associado a moléculas de histona, que são proteínas básicas. É na molécula de DNA que estão contidos os genes, responsáveis

Leia mais

Mitocôndrias e Cloroplastos

Mitocôndrias e Cloroplastos Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Departamento de Morfologia Biologia Celular Mitocôndrias e Cloroplastos Características gerais de mitocôndrias e cloroplastos Mitocôndrias

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr.

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr. DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS Prof. Olayr Modesto Jr. INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas

Leia mais

TEMA DA AULA. Fluxo da informação genética: I Replicação do DNA, II Transcrição do DNA, III - Tradução do DNA. Localização do DNA

TEMA DA AULA. Fluxo da informação genética: I Replicação do DNA, II Transcrição do DNA, III - Tradução do DNA. Localização do DNA FACULDADE DE TECNLGIA E CIÊNCIAS Curso: Nutrição Disciplina: Biologia Geral e Histologia Código: SP 449 CH: 80 h Docente: Jussara Silveira TEMA DA AULA Fluxo da informação genética: I eplicação do, II

Leia mais

Mutações e Aberrações Cromossômicas

Mutações e Aberrações Cromossômicas Mutações e Aberrações Cromossômicas Aula 32, 33 e 34 Aspectos Conceituais e Rotas Metabólicas Prof. Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva, M.Sc. Mutação Mutações são modificações casuais do material genético,

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2013/2014

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2013/2014 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2013/2014

Leia mais

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc.

Replicação do DNA. geradas cópias c. idênticas. das moléculas de DNA presentes lula-mãe, a seguir herdadas pelas duas célulasc. Replicação de DNA DNA Dupla-hélice composta de nucleotídeos ligados entre si e cujas bases nitrogenadas de uma hélice fazem pontes de hidrogênio com bases nitrogenadas de outra hélice, numa direção anti-paralela

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA

ELEMENTOS CELULARES ENVOLVIDOS NA GENÉTICA BACTERIANA GENÉTICA BACTERIANA INTRODUÇÃO O DNA existe como uma hélice de fita dupla, mantidas pelo pareamento de bases nitrogenadas específicas (AT; CG). - A seqüência de bases codifica a informação genética; -

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º Avisos 1.EstedocumentoapenasservecomoapoioparcialàsaulasdeBiologiaeGeologia11.ºano Unidade5 lecionadas na Escola Secundária Morgado Mateus(Vila Real)

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

Mutações Cromossômicas Estruturais

Mutações Cromossômicas Estruturais Genética Básica Mutações Cromossômicas Estruturais Aline Intorne Definição: Mudança substancial na estrutura do cromossomo, possivelmente, afetando mais do que um único gene. Segmentos de cromossomos podem

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA

PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA PROGRAMA DE DISCIPLINA: BIOQUÍMICA Departamento de Ciências Fisiológicas Carga horária total: 188h Ano letivo: 2012 - Série: 1º ano - Curso de Medicina Coordenador: Professor Doutor Wagner Ricardo Montor

Leia mais

MUTAÇÃO 22/5/2012. Mutação gênica ou mutação de ponto: Importância da Mutação. Fonte de variabilidade genética, matéria prima para a evolução

MUTAÇÃO 22/5/2012. Mutação gênica ou mutação de ponto: Importância da Mutação. Fonte de variabilidade genética, matéria prima para a evolução Importância da Mutação MUTAÇÃO Fonte de variabilidade genética, matéria prima para a evolução Sem a mutação não existiriam tantos alelos, e os organismos não seriam capazes de se adaptar às mudanças ambientais

Leia mais

Mutação = Mutação gênica

Mutação = Mutação gênica 1/6/2010 MUTAÇÃO E MECANISMOS DE REPARO Profª Ana Luisa Miranda Vilela MECANISMOS DE ALTERAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO Recombinação Rearranjos cromossômicos: aberrações numéricas aberrações estruturais Mutação

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2014/2015

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2014/2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR DA UFRGS 2014/2015

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária.

São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária. MUTAÇÕES Mutações São alterações ou modificações súbitas em genes ou cromossomas, podendo acarretar variação hereditária. As mutações podem ser génicas quando alteram a estrutura do DNA ou cromossómicas

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 36 MUTAÇÕES: GENÉTICAS E CROMOSSÔMICAS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 36 MUTAÇÕES: GENÉTICAS E CROMOSSÔMICAS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 36 MUTAÇÕES: GENÉTICAS E CROMOSSÔMICAS fita simples do gene da ß-globina normal GTGCACCTGACTCCRGAGGAG --- GTGCACCTGACTCCRGTGGAG --- fita simples do gene da ß-globina mutante única

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Código Genético O núcleo é de fundamental importância para grande parte

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

8/18/2015. IFSC Campus Lages. Biologia Molecular. Prof. Silmar Primieri. O que é Biologia Molecular?

8/18/2015. IFSC Campus Lages. Biologia Molecular. Prof. Silmar Primieri. O que é Biologia Molecular? IFSC Campus Lages Biologia Molecular Prof. Silmar Primieri O que é Biologia Molecular? 1 Aplicabilidades da Biologia Molecular Genética do Câncer Doenças com herança complexa Preservação de espécies ameaçadas

Leia mais

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas.

- Ácido ribonucléico (ARN ou RNA): participa do processo de síntese de proteínas. 1- TIPOS DE ÁCIDO NUCLÉICO: DNA E RNA Existem dois tipos de ácidos nucléicos: - Ácido desoxirribonucléico (ADN ou DNA): é o principal constituinte dos cromossomos, estrutura na qual encontramos os genes,

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva

Estrutura e função dos ácidos nucléicos. Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva Estrutura e função dos ácidos nucléicos Profa. Melissa de Freitas Cordeiro-Silva > Polímeros de nucleotídeos Funções: DNA (ácido desoxirribonucléico) : > Armazenar as informações necessárias para a construção

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

As Mutações. Aumento da biodiversidade

As Mutações. Aumento da biodiversidade As Mutações Aumento da biodiversidade Mutações As mutações são espontâneas e podem ser silenciosas, ou seja, não alterar a proteína ou sua ação. Podem ainda ser letais, quando provocam a morte, ou ainda

Leia mais

Material genético portador de informação gênica. Estruturas que carregam uma sequencia linear de genes.

Material genético portador de informação gênica. Estruturas que carregam uma sequencia linear de genes. LEIS DE MENDEL E VARIAÇÕES Disciplinas: Fundamentos da Genética e Biologia Molecular Estudo da Genética e da Evolução Turmas: Fisioterapia (1 o Ano) T.O. (1 o Ano) Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados

Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Alexandre Bella Cruz Rilton Alves de Freitas Toxicologia in vitro: Principais modelos utilizados Objetivo Conhecer Métodos para Avaliação de Genotoxicidade

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação OLÉIO XIX DE MRÇO excelência em educação 1ª PROV DE REPERÇÃO DE BIOLOI luno: Nº Série: 2º Turma: Data: Nota: Professor: Regina Volpato Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010.

TERAPIA GÊNICA. Brasília DF, Julho de 2010. Apresentação desenvolvida pelas graduandas em Ciências Farmacêuticas: Ana Carolina Macedo Lima, Ariane Mugnano Castelo Branco, Caroline Cardoso Mendes Souza, Clarisse Danielli Silva Albergaria, Jéssica

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS E CÓDIGO GENÉTICO. Transmissão das características hereditárias DNA + RNA controle da produção de

ÁCIDOS NUCLÉICOS E CÓDIGO GENÉTICO. Transmissão das características hereditárias DNA + RNA controle da produção de ÁCIDOS NUCLÉICOS E CÓDIGO GENÉTICO Os genes são formados por DNA; Transmissão das características hereditárias DNA + RNA controle da produção de proteínas da célula; 2 1.A estrutura dos ácidos nucléicos

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS DOMESTICAÇÃO DAS 2 PLANTAS CULTIVADAS INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas domesticadas são geneticamente

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1 Introdução a genética de populações e a origem da variação genética Aula 1 O Escopo da Genética de populações! Genética mendeliana! A transmissão da informação da informação genética está sujeita as leis

Leia mais

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR CÉLULA EUCARIONTE Cláudia Minazaki NÚCLEO Único; Normalmente: central Formato: acompanha a forma da célula Tamanho: varia com o funcionamento da célula Ciclo de vida da célula

Leia mais

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo 22/07/2011 Bioinformática É a aplicação de estatística e ciência da computação no campo

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado Genética Bacteriana

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

BASES NITROGENADAS DO RNA

BASES NITROGENADAS DO RNA BIO 1E aula 01 01.01. A determinação de como deve ser uma proteína é dada pelos genes contidos no DNA. Cada gene é formado por uma sequência de códons, que são sequências de três bases nitrogenadas que

Leia mais

GENÉTICA 1 INTRODUÇÃO

GENÉTICA 1 INTRODUÇÃO GENÉTICA 1 INTRODUÇÃO Genética, estudo científico de como se transmitem os caracteres físicos, bioquímicos e de comportamento de pais a filhos. Este termo foi criado em 1906 pelo biólogo britânico William

Leia mais