2ª Parte Objetivos do Teste

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2ª Parte Objetivos do Teste"

Transcrição

1 2ª Parte Objetivos do Teste O teste de software geralmente é conduzido por objetivos, que podem ou não ser claros Diferentes propriedades podem ser verificadas Teste Funcional Ø Também conhecido como teste de conformidade ou teste de corretude Ø Verificar se o software possui o comportamento esperado Ø Pode ser executado em vários níveis Ø Diversas ferramentas de apoio - Teste Funcional Selenium (http://seleniumhq.org) Ø É uma ferramenta Open Source usada testar aplicações web pelo browser de forma automatizada. Ø Os testes rodam diretamente a partir do navegador. Ø Selenium Core Sistema de teste baseado em Javascript. Parte do Selenium RC. Ø Selenium RC Modo no qual os testes são dirigidos por uma das linguagens suportadas (Ruby, Python, Java,...) - Teste Funcional Selenium Ø Selenium Core Sistema de teste baseado em Javascript. Parte do Selenium RC. Ø Selenium RC Módulo responsável por controlar navegadores para execução dos testes Ø Selenium IDE Plugin para Firefox que permite gravação e reprodução de testes. - Teste Funcional Selenium Ø Permite gravar ações e obter qualquer informação visível nas telas de um software 1

2 - Teste Funcional Selenium Comandos Ø Open Ø Type Ø Click / ClickAndWait Ø Assert Ø Verify Ø Store/ StoreText Ø Select - Teste Funcional Selenium Comandos Ø Open Ø Type Ø Click / ClickAndWait Ø Assert Ø Verify Ø Store/ StoreText Ø Select - Teste Funcional Demonstração Teste de Aceitação Ø Verifica se o software funciona de acordo com as necessidades do cliente Ø Geralmente feito pela empresa contratante Ø Pode envolver desenvolvedores Teste de Aceitação Ø Acceptance Testing Driven Development (ATDD) Cliente especifica os testes para auxiliar no desenvolvimento do programa Acompanha a implementação do sistema desde o começo Pode acompanhar desenvolvimento de funcionalidades - Teste de Aceitação Conversas com cliente / Coletar Requisitos Escrever testes de aceitação Teste de Aceitação passou!!! falhou!!! Implementar testes de aceitação Aceitação do cliente Eventualmente refatorar Implementar funcionalidade 2

3 - Teste de Aceitação - Teste de Aceitação FitNesse Ø Ferramenta de teste de aceitação Ø Novas páginas facilmente criadas wiki Ø Utiliza tabelas para criação de testes - Teste de Aceitação FitNesse Passos para uso Ø Criar nova página Convenção Camel Case, muito usada em Java» Primeira letra de cada palavra com letras maiúsculas; Definir como página de teste Editar a página, incluindo dados de teste Definir tipo de tabela» Slim» Fit Importar bibliotecas extras - Teste de Aceitação FitNesse Tipos de Tabelas ü Slim Decision Table Query Table Comment ü Fit ColumnFixture ActionFixture SetUpFixture RowFixture Import SummaryFixture - Teste de Aceitação FitNesse Passos para uso Ø Criar Fixture Classe que liga a FitNesse ao sistema sob teste Procedimento de teste Contém procedimentos para manipulação das informações das tabelas - Teste de Aceitação Exemplos Ø Slim DecisionTable Ø FIT ActionFixture 3

4 Teste de Instalação Ø Verifica se a instalação do software no ambiente alvo ocorre corretamente. Ø Necessário para softwares que executam em diferentes plataformas de hardware e software Ex: Imposto de Renda Ø Pode incluir a verificação de todo o procedimento de instalação, que envolve dentre outras coisas, as instruções de instalação Teste de Instalação Ø Práticas Aconselhadas: Sistemas com diversos tipos de usuário, com diferentes configurações de hardware e software precisam desse tipo de teste Idealmente, pessoas sem conhecimento do software a ser instalado deveriam ser selecionadas para a verificação da documentação de instalação Testes Alfa e Beta Ø Antes da liberação de uma versão do produto, pode ser realizado testes com usuários finais na organização desenvolvedora (alfa) ou fora da organização, preferencialmente nas instalações dos usuários finais (beta). Ø Práticas Aconselhadas Teste alfa pode ser combinado com teste de usabilidade, reduzindo custos Mas isso deve ser feito em etapas iniciais, por isso, essa prática deve ser seguida por desenvolvimento baseado em iterações Teste de segurança Ø Verificam o nível de segurança de uma aplicação. Ø Durante o desenvolvimento, muitas brechas podem ter sido deixadas no sistema. O teste de segurança procura identificar tais brechas, para que elas possam ser resolvidas. Teste de segurança Ø 25 erros críticos de segurança (http://cwe.mitre.org/top25/): Teste de segurança Ø Ferramentas de apoio: 4

5 Teste de segurança Ø Ferramentas de teste: Ø Ferramenta para prevenção de ataques Ø Testes realizados a cada vez que um sw é alterado Ø Objetivo: validar modificações feitas mostrar que modificações realizadas não afetaram as partes que não foram modificadas Ø Ou seja: mostrar que o software não regrediu Ø Testar aplicações críticas que devem ser retestadas freqüentemente Ø Testar sw que é alterado constantemente durante o desenvolvimento (por exemplo, Processo Incremental) Ø Testar componentes reutilizáveis para determinar se são adequados para o novo sistema Ø Quando? Durante os testes de integração Durante os testes, após correções Na fase de manutenção (corretiva, adaptativa, perfectiva ou preventiva) Quando há mudanças de plataforma Ø Quando aplicar, no conceito de desenvolvimento Orientado a Objetos: quando uma nova subclasse é criada quando uma super-classe é alterada quando uma classe servidora é alterada quando uma classe é reusada em um novo contexto Ø Modelos de Falhas de Regressão Orientadas a Objetos Ø Programa original = P Ø Programa modificado = P Ø Abordagens: retesta tudo: T = T seletiva: T T Ø qual abordagem usar? P P T T? 5

6 Ø Sejam: T e T cardinalidades de T e T s custo médio de seleção/caso de teste r custo médio de execução/caso de teste Ø se s T < r ( T - T ) regressão seletiva Ø mas se potencial detecção falhas T < T retesta tudo P P T T Ø Retesta tudo Segura Caixa Branca reaplica todos os testes da linha básica Ø Retesta no firewall Segura seleciona casos de testes analisando dependências de código Ø Retesta casos de uso de maior risco Caixa Preta seleciona casos de testes com base em análise de riscos Ø Retesta de acordo com o perfil seleciona casos de teste de acordo com o perfil operacional: retestar as parte mais usadas Ø Retesta no firewall Analisa conjunto de componentes (classes, programas, módulos,...) que devem ser incluídos nos testes de regressão Dependências entre A (delta) e B (inalterado):» B usa A (B é cliente de A)» B é servidor de A» B é subclasse de A» B sobrecarrega A (polimorfismo) Ø Retesta no firewall Ø Retesta no firewall Dependência entre componentes Ø Retesta no firewall Seleção de testes 6

7 Ø Ferramentas Existem muitas, principalmente de caráter acadêmico Muito pouco existe para uso comercial e em um ambiente de produção Práticas Aconselhadas Ø Uma boa estratégia inicial é o uso dos testes de unidade e de integração como testes de regressão Ø Mantenha todos, até que sua execução fique impraticável, por exemplo, por causa do tempo de execução Ø Se isso ocorrer, use alguma técnica de seleção Práticas Aconselhadas Ø Procure usar uma ferramenta de integração contínua! Servidor de Builds Sempre busca por alterações Reporta erros aos interessados» , netsend, sms Verifica padrões de codificação Cria rótulos no ambiente de gestão de configuração Exemplo:» Continuum (http://continuum.apache.org/)» Hudson (http://hudson-ci.org/) Demonstração: Teste de Regressão Testes de Desempenho e Estresse Ø 3 Cenários comuns: 1: não existe nenhuma ou quase nenhuma preocupação quanto ao desempenho e performance do sistema pois não existe nenhum gargalo aparente. 2: existe uma chocante necessidade de uso em escala extrema e toda a concentração da equipe fica voltada para a capacidade de processamento, prejudicando o andamento das funcionalidades de negócio. 3: existe um equilíbrio entre produzir o software e garantir que suas funcionalidades atendam a demanda esperada. Somente a metodologia, experiência e conhecimento de processos conseguem garantir tal equilíbrio. Testes de Desempenho Ø O teste de desempenho é idealizado para testar o desempenho do software quando executado dentro do contexto de um sistema integrado. Ø É importante definir o contexto, ou seja, descrever o ambiente, no qual o desempenho será medido. Ø Exemplo: Número de usuários simultâneos Configuração da máquina que está sendo utilizada Os atributos relacionados com o desempenho irão variar de sistema para sistema. 7

8 Testes de Desempenho Ø Para executarmos um teste de desempenho devemos seguir os seguintes passos: Definir o contexto no qual o desempenho será medido; Definir, de acordo com os resultados esperados, o que constituirá uma performance aceitável; Executar os testes e avaliar os resultados. Testes de Estresse Ø O teste de estresse é realizado para confrontar os programas com situações anormais. Ø Essencialmente, a pessoa que realiza esse teste pergunta: até que ponto podemos elevar isto até que falhe? Ø O teste de estresse executa o sistema de uma forma que exige recursos de quantidade, freqüência ou volume anormais. Testes de Estresse Ø Exemplos: Entrada de dados podem ser aumentados em uma ordem de magnitude para determinar como as funções de entrada responderão. Os casos de teste que exigem o máximo da memória ou outros recursos podem ser executados. Qualquer outro teste que tente, essencialmente, destruir o programa. Testes de Desempenho e Estresse - Passos Ø Entender melhor o problema Qual é a demanda prevista para usar a solução?» 200 acessos por dia em média. Existe possibilidade de picos? Se sim, qual o pico previsto?» Sim. Podemos chegar a um pico de 100 usuários simultâneos. Qual é o tempo de resposta desejado?» O nível ideal de trabalho é que o usuário não espere mais do que 2 segundos por cada resposta. Os acessos durante o dia vão se concentrar mais em um horário específico?» Sim, 80% devem ocorrer entre as 11:00 e 21:00. Testes de Desempenho e Estresse Ø Entender melhor o problema Existe um nivelamento no acesso durante a semana ou existe um período de maior concentração?» Segundas e terças, acesso baixo, 100 acessos por dia.» Quartas, quintas, médio acesso com 150 acessos por dia.» Sextas e sábados, pico de 300 acessos por dia.» Domingo, 200 por dia. Quanto seu negócio tende a crescer no próximo ano e no ano seguinte dentro do cenário otimista do seu Plano de Negócio?» Pretendemos crescer 15% neste ano e 30% no próximo. O negócio que a solução atende pode apresentar variações extremas e situações atípicas com que grau de freqüência?» 5%. Testes de Desempenho e Estresse Ø Cálculo de volume de dados por entidade 8

9 Testes de Desempenho e Estresse Ø Identificação de cenários atípicos - Exemplos: Em um software de gestão empresarial, as entidades de recursos humanos serão mais acessadas no final e início do mês; Um site de e-commerce pode oferecer uma promoção como nunca fez anteriormente causando um pico não previsto de 10 vezes mais usuários que o previsto; Em uma escola as entidades de matrícula e operação de inclusão são mais acessadas, causando um aumento nos outputs e redução nos inputs do sistema; Uma montadora comete um erro técnico e vende mil carros com defeito e precisa elaborar uma ação de recall que vai demandar muito mais do seu sistema de gestão. Demonstração: Testes de Desempenho e Estresse Projeto do Grupo Apache Utilizado para criação e execução de testes de estresse em aplicações Web. Para utilizar a ferramenta basta: Ø Fazer download: Ø Pasta bin: scripts para inicialização Ø docs: manual HTML Ø extras: arquivos relacionados com a integração com o Ant Ø lib: biliotecas utilizadas Ø printable_docs: manual pronto para impressão /bin/jmeter.bat à Inicia o JMeter Tela Inicial Dois itens principais: Ø Test Plan: agrupa itens que representam a simulação de múltiplos usuários no plano de testes (samplers), além de configuradores e controladores de lógica de execução do teste. Ø WorkBench: área de trabalho para armazenamento temporário de elementos. Os itens associados à este elemento não são considerados como parte do plano de testes. Os elementos dentro da árvore são adicionados de forma ordenada e hierárquica. Determinados elementos são sensíveis à hierarquia e / ou a ordem em que eles se encontram na árvore. Elementos do JMeter 9

10 Elementos do JMeter Usaremos uma aplicação exemplo com apenas 2 casos de uso: Ø Login: autentica usuário no sistema Ø Gestão de Usuários: gerencia dados de usuários Vamos simular o acesso concorrente de 10 usuários e gerar relatórios com os resultados Objetivo do Teste: Ø Medir o tempo médio de resposta de todas as requisições, identificar a página que consome mais tempo. Configurar valores comuns entre as URLs; Ø Criar componentes Config Elements Ø No nosso exemplo, utilizaremos um HTTP Request Defaults Informar o servidor, porta, caminho e tudo que for padrão para os testes a serem criados Exemplo:» Server Name: localhost» Port Number: 8080 Configurar as requisições HTTP Ø Adicionar um Thread Group (responsável pela criação de threads) Ø Cada thread representará 1 usuário Informar o número de threads e o período usado para iniciar tais threads Exemplo:» Number of Threads: 2» Ramp-Up Periodo: 2 Pode-se agendar o teste para outros dias e horários Configurar as requisições HTTP Ø Adicionar elementos do grupo Logic Controller: Once Only Controller: que irá conter requisições que só devem ocorrer 1 vez em um loop por usuário» login Simple Controller: requisições que ocorrem mais de 1 vez por usuário (ex: consultar valor, realizar pesquisa,...)» Exibir lista de usuários Configurar as requisições HTTP Ø Adicionar requisições para cada um dos elementos selecionados 10

11 Definir a forma de apresentação dos resultados Ø Adicionando os Listeners ao plano de testes Testes de Desempenho Ø Práticas Aconselhadas Procure sempre verificar o funcionamento do seu sistema sob circunstâncias anormais Isso pode revelar comportamentos indevidos que podem gerar prejuízos - Teste de Usabilidade Participantes representativos avaliam o grau que um produto se encontra em relação a critérios específicos O teste de usabilidade não é uma pesquisa. É uma avaliação do sistema feita por especialistas, através da observação e análise do comportamento do usuário enquanto ele navega e executa tarefas específicas. São mais eficientes quando implementados como parte do processo de desenvolvimento de um produto - Teste de Usabilidade Os testes podem ser feitos em cada uma das etapas do projeto. Problemas detectados precocemente são corrigidos a um custo muito menor em qualquer aspecto Fornecer um retorno mais rápido para o cliente, que vê o seu pedido tomando forma antes do produto estar necessariamente pronto. - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø Consiste em os experts em usabilidade realizarem avaliação heurística da interface com base em uma lista pré-determinada de critérios de navegação e usabilidade Ø Cada critério será analisado por cada um dos envolvidos, que julgarão se a interface apresenta problemas em relação àquele critério - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø Três fatores mostram a gravidade de um problema de usabilidade: Freqüência: quantas vezes ele ocorre na interface? É comum ou é raro? Impacto: ele é fácil ou difícil de ser superado pelos usuários? Persistência: é um problema que afeta os usuários somente uma vez ou é um problema que vai incomodar os usuários repetidas vezes? 11

12 - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø Avaliação da Severidade 0 = Não é um problema de usabilidade 1 = Problema coméstico apenas 2 = Problema de usabilidade menor. Pode ser corrigido e não precisa ser de grande prioridade 3 = Problema de usabilidade maior. Deveria ser corrijido com alta prioridade 4 = Catástrofe de Usabilidade - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø 10 Heurísticas de Nielsen (http://www.useit.com/papers/heuristic) Visibilidade do status do sistema:» o sistema deveria manter o usuário informado sobre o que está havendo, emitindo feedback dentro de tempos razoáveis. Adequação entre o sistema e o mundo real:» o sistema deveria falar a linguagem do usuário, com palavras, frases e conceitos familiares, ao invés de termos ligados ao desenvolvimento. Seguir convenções aceitas, fazendo as informações aparecerem em ordem lógica e natural. - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø 10 Heurísticas de Nielsen Controle do usuário e liberdade:» usuários frequentemente erram nas escolhas e precisam de saídas de emergência. Deveriam existir funções similares ao CTRL+Z. Consistência e padrões:» não deveriam existir diferentes palavras e situações que signifiquem a mesma coisa. Prevenção de erros:» melhor que uma boa mensagem é um projeto que impeça o erro. Deveriam ser eliminados condições favoráveis ao erro ou deveriam ser verificadas antes da confirmação da ação. - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø 10 Heurísticas de Nielsen Reconhecimento ao invés que recordação:» o usuário não deveria ter que lembrar muita coisa entre ações no sistema. Informações deveriam estar sempre visíveis ou facilmente recuperáveis quando necessário. Flexibilidade e eficiência de uso:» prover aceleradores, que sejam utilizados por usuários mais avançados. Permitir que usuários customizem suas ações frequentes. Projeto harmonioso e minimalista:» as janelas devem conter apenas informação relevante. - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas Ø 10 Heurísticas de Nielsen Ajuda para reconhecer, diagnosticar e recuperar de erros:» as mensagens deveriam ser expressas em linguagem simples, indicar precisamente o problema e sugerir soluções. Ajuda e documentação:» pode ser necessário a existência de ajuda e documentação. Ela deveria ser fácil de pesquisar e focada nas tarefas do usuários, direta e precisa. - Teste de Usabilidade Avaliações Heurísticas x Teste de Usabilidade Ø A avaliação heurística é mais rápida, pois envolve apenas o trabalho interno dos desenvolvedores. Ø Avaliações heurísticas revelam cerca de 80% dos problemas de uma interface Ø Equipe de avaliação nem sempre conseguem abstrair o desconhecimento da ferramenta muitas vezes demonstrado pelo usuário básico. Ø Teste de usabilidade revela cerca de 20% dos problemas de uma interface, mas os piores e mais danosos. 12

13 ü Objetivos do Teste - Teste de Usabilidade ü Objetivos do Teste - Teste de Usabilidade Processo Ambiente Físico Ø É feito utilizando uma amostragem dos próprios futuros usuários do sistema. Ø São selecionados de 3 a 5 participantes representativos de um grupo de usuários do programa. Ø Este grupo é colocado em contato com a interface criada e têm que executar algumas tarefas pré-definidas pela equipe de teste. Ø Todos os passos dos participantes são monitorados e gravados. Ø Em seguida, a equipe de teste faz uma minuciosa entrevista dos participantes ü Objetivos do Teste Teste de Usabilidade Ø Melhor opção é utilizar 2 salas uma reservada aos testes outra reservada à observação Ø Na sala de observação, os observadores assistem, mas não se comunicam diretamente com o avaliador. Ø O som e as imagens são captados pelas câmeras de vídeo e transmitidos diretamente para o monitor de vídeo da sala de observação. ü Objetivos do Teste - Teste de Usabilidade Ambiente Físico Ambiente Físico ü Objetivos do Teste - Teste de Usabilidade Ambiente Físico Ø Através do segundo monitor, moderador observa o desempenho do participante e toma notas. Ø Uma câmera estrategicamente posicionada filma tanto as reações do participante quanto seu caminho percorrido no site. ü Objetivos do Teste - Teste de Usabilidade Resultados Ø As observações da equipe de teste, aliadas às respostas das entrevistas com os participantes, são transformadas em um relatório detalhado, contendo: Ø Descrição e Metodologia do Roteiro do Teste Uma breve descrição explicativas das metas propostas e de como se chegou nelas. Ø Análise do Comportamento dos Participantes Como os participantes se comportaram durante o teste? Sorriam? Faziam cara de sofrimento? Coçavam a cabeça? Perguntavam muito?» Parece bobagem, mas isso é essencial para avaliar o sucesso da interface. Ø Resumos das Entrevistas Pós-Teste As principais opiniões, perguntas, dúvidas, reclamações e sugestões dadas pelos participantes após o teste. 13

14 - Teste de Usabilidade Resultados Ø Problemas de Usabilidade Lista dos problemas de usabilidade encontrados.» Cada problema é tratado detalhadamente, com descrição dos critérios heurísticos que ele viola, seu grau de severidade, o custo para o cliente de não consertar o problema versus o custo de resolvê-lo. Principais Paradas Críticas» Mais do que um simples problema, uma parada crítica é um beco sem saída do sistema. Seja físico (o usuário não tem mais fisicamente aonde ir) ou psicológico (o usuário fica tão confuso e frustrado que simplesmente pára, desiste), as paradas críticas, se existirem, têm que ser tratadas como prioridade absoluta. Plano de Correção» São propostas soluções eficientes e cost-effective para cada problema encontrado. Cada solução é sempre pensada em termos de custo-benefício para o cliente. - Teste de Usabilidade Material para realização do teste Ø Roteiro do Avaliador Ø Questionário para Identificação do Perfil do Participante Ø Script de Orientação Ø Lista de Tarefas Ø Instrumentos para Coleta de Dados Ø Questionário de Avaliação do Sistema pelo Participante Ø Tópicos para Questionamento - Teste de Usabilidade Práticas Aconselhadas Ø A Usabilidade de um sistema pode ser uma ótima estratégia de marketing Ø A Usabilidade exprime parte do contentamento do usuário com o trabalho realizado Ø A realização de testes de usabilidade em etapas iniciais do projeto possibilitam correções mais baratas Ø Esse tipo de teste pode ser realizado em conjunto com testes alfa, reduzindo custos Para isso é necessário uma estratégia de priorização de casos de uso com entrega evolutiva 14

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 05 FERRAMENTAS TESTE DE CARGA E GERÊNCIA DE TESTE Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 05 Ferramentas para gerência dos testes Ferramentas

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web. Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS

Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web. Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS Utilizando JMeter para realizar testes de carga em aplicações Web Robinson Castilho castilho@bacarin.com.br Bacarin Software Ltda JUGMS Agenda Apresentação Motivação Visão Geral JMeter Principais elementos

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse

FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse FERRARI FERRAmenta de Automação dos testes de RequIsitos de Desempenho e Estresse Teresina, 28 de maio de 2008 1 Sumário 1. Introdução...03 2. Conceitos Iniciais 2.1 O que é Teste de Software?...04 2.2

Leia mais

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse

Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Requisitos Executáveis: O modelo FIT / FitNesse Jorge Diz Globalcode 57 Encontro do SPIN-SP Slide 1 Instrutor Jorge Alberto Diz ( 95 Mestre em Eng. Elétrica (UNICAMP ( 89 Bach. em Ciência da Computação

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins

Testes de Software Fases. Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Testes de Software Fases Baseado em notas de aula da profa. Eliane Martins Tópicos Testes de Unidades Testes de Integração Testes de Aceitação e de Sistemas Testes de Regressão Testes de Unidades Visam

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Por quê testar? Manter alta qualidade Prevenir e encontrar defeitos Ganhar confiança sobre o nível de qualidade e prover informações.

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br)

Teste e Depuração de Sistemas Web. Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Teste e Depuração de Sistemas Web Prof. Fellipe Aleixo (fellipe.aleixo@ifrn.edu.br) Testando Aplicações Web Ê É bem mais complicado testar interfaces Web do que classes de objetos Ê Aplicações WEB não

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Teste de Regressão R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Testes de Regressão Objetivo Utilização Falhas de regressão Manutenção do conjunto de testes Redução do conjunto de testes

Leia mais

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste

MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste MDC Metodologia de Desenvolvimento Compartilhado Roteiro da Disciplina de Teste Agosto - 2005 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO...3 2 APLICAÇÃO...3 3 ESTRUTURA DO ROTEIRO...3 4 DESCRIÇÃO DO ROTEIRO...4 4.1 PLANEJAR

Leia mais

Segurança em PHP. Márcio Pessoa. Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças

Segurança em PHP. Márcio Pessoa. Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças Segurança em PHP Desenvolva programas PHP com alto nível de segurança e aprenda como manter os servidores web livres de ameaças Márcio Pessoa Novatec capítulo 1 Conceitos gerais No primeiro capítulo serão

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB. Anne Caroline O. Rocha Tester Certified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 04 FERRAMENTAS DE AUTOMAÇÃO DE TESTES FUNCIONAIS Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático Aula 04 Automação de testes funcionais Ferramentas

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3

Testes Orientação Visão Conceitual em Testes Versão 0.3 Testes Versão 0.3 ori_visao_conceitual_testes.odt 1 de 10 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/04/2010 0.1 Versão inicial Fernanda Monteiro 07/10/10 0.2 Verificação ortográfica Ana Eckel

Leia mais

Qualidade com Agilidade

Qualidade com Agilidade Qualidade com Agilidade para startups 2015-02-06 T about.me/paulocheque about.me/paulocheque T oss, bibliotecas, bootstraps links, dicas, comandos CodeArt.io (em dev) contato, Concepção Criação Consolidação

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta

SELENIUM 28/03/2011. Márcio Delamaro Harry Trinta 1 SELENIUM 28/03/2011 Márcio Delamaro Harry Trinta O que é a Selenium? Selenium é uma ferramenta desenvolvida para a automação de testes em aplicações Web Suporta diversos browsers: Firefox Internet Explorer

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software TERMO DE REFERENCIA Prestação de Serviços de Treinamento Profissional em Teste de Software Novembro 2012 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviço(s) de treinamento de em Teste de Software

Leia mais

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar

Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Guia Técnicas de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiatecnicasteste.odt Número de páginas: 22 Versão Data Mudanças Autor 1.0 17/09/07 Criação. Ariel

Leia mais

2 Medição e Acompanhamento

2 Medição e Acompanhamento 2 Medição e Acompanhamento Para verificar a eficácia da aplicação da técnica de desenvolvimento dirigido por testes, foram usadas algumas métricas para determinar se houve melhoria ou degradação no processo

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística)

Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Avaliação por Peritos (Avaliação Heurística) Capítulo 8 HCI, Cap. 9, AlanDix www.useit.com (webpage de Jakob Nielsen) Transparências da disciplina de Interfaces Homem-Máquina IST, Mário Rui Gomes e Joaquim

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar

Linha Silk: a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Linha : a maneira leve para testar, desenvolver e gerenciar Leve Criado apenas com a funcionalidade que você precisa Barato Do uso gratuito ao licenciamento flexível Eficiente Software fácil de usar e

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Teste de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Teste de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Teste de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho

PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho ANEXO II PSQT Prêmio SESI Qualidade no Trabalho Manutenção Evolutiva Modelo: 4.0 Sistema Indústria, 2008 Página 1 de 18 Histórico da Revisão Data Descrição Autor 06/12/2007 Necessidades para atualização

Leia mais

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar

Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar Atualização deixa Java mais seguro, mas ainda é melhor desativar seg, 21/01/13 por Altieres Rohr Segurança Digital Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime,

Leia mais

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos

Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema. Teste de Software. Teste de defeitos. Objetivos. Tópicos Teste de defeitos Teste de Software Testar os programas para estabelecer a presença de defeitos no sistema Ian Sommerville 2000 Software Engineering, 6th edition. Chapter 20 Slide 1 Ian Sommerville 2000

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

5 Detalhes da Implementação

5 Detalhes da Implementação Detalhes da Implementação 101 5 Detalhes da Implementação Neste capítulo descreveremos detalhes da implementação do Explorator que foi desenvolvido usando o paradigma MVC 45 e o paradigma de CoC 46 (Convention

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa 1. Relatório de Análise de Causa Quando utilizar? O template deve ser utilizado

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos

O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos O projeto Metasploit é um framework que foi criado em 2003 por HD Moore e é uma plataforma que permite a verificação do estado da segurança dos computadores existentes numa determinada rede, permitindo

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar

Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Estratégias para testes: a metáfora da pirâmide alimentar Jorge Diz Instrutor Globalcode Kleber Xavier Instrutor Globalcode 1 Agenda > O que são testes? > Tipos de testes > A pirâmide de testes (Huggins)

Leia mais

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software

O que é software? Software e Engenharia de Software. O que é software? Tipos de Sistemas de Software. A Evolução do Software O que é software? Software e Engenharia de Software Programas de computador Entidade abstrata. Ferramentas (mecanismos) pelas quais: exploramos os recursos do hardware. executamos determinadas tarefas

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM Visão Geral Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM 2.0 Desafios na Simulação de Engenharia PAGE 2? Cenário 1: Colaboração Cenário 2: Reutilização Vários analistas trabalhando no mesmo Projeto

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Teste automatizado Na parte final da demonstração, Jan, nossa testadora, usará o IBM Rational Functional Tester ou RFT para registrar um novo script de teste. O RFT está integrado ao IBM Rational Software Delivery Platform

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software

Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Rede de Laboratórios de Produtividade de Software Testes em aplicações WEB Uma Visão Geral Programa de Capacitação em Testes de Software Desktop system WEB system Ambiente de aplicativo da Web Rede de

Leia mais

Avaliação de Interfaces Humano- Computador

Avaliação de Interfaces Humano- Computador Avaliação de Interfaces Humano- Computador Classificação de métodos de avaliação Inspeção de usabilidade Não envolve usuários Usado em qualquer fase do desenvolvimento do sistema Testes de usabilidade

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático

Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Estudo de Caso Sistema de Caixa Automático Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Notas de Aula Ulrich Schiel Notas de Aula Ariadne

Leia mais

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP

Programação WEB. Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida. Aula III Introdução PHP Programação WEB Prof. André Gustavo Duarte de Almeida andre.almeida@ifrn.edu.br docente.ifrn.edu.br/andrealmeida Aula III Introdução PHP Introdução PHP PHP=Hypertext Pre-Processor Linguagem de script open

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo.

MODULO DE GESTÃO MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. MANUTENÇÃO DE MATRÍCULA 1. Informações Gerais. O módulo de Gestão tem por objetivo gerenciar as atividades que ocorrem durante um ano letivo. O item do menu Manutenção de Matrícula tem por objetivo manter

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260

Workshop. Workshop SCRUM. Rildo F Santos. rildo.santos@etecnologia.com.br. Versão 1 Ago 2010 RFS. www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Workshop www.etcnologia.com.br (11) 9123-5358 (11) 9962-4260 Rildo F Santos twitter: @rildosan skype: rildo.f.santos http://rildosan.blogspot.com/ Todos os direitos reservados e protegidos 2006 e 2010

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

http://aden.psl.gov.ao/wiki/environmentdevelpt

http://aden.psl.gov.ao/wiki/environmentdevelpt Página 1 de 20 Wiki Histórico Cronograma Ver Código Visualizar Tickets Pesquisa Tags Discussion Blog Desenvolvimento ambiente Eclipse Desenvolvimento existem em muitos ambientes Linux, mas a nossa escolha

Leia mais

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes

Tópicos abordados. Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) 2/2/2015. Testes de desenvolvimento. Desenvolvimento dirigido a testes Testes de Software (Capítulo 8 Sommerville) slide 569 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Testes de desenvolvimento Desenvolvimento dirigido a testes Testes de release

Leia mais

Engenharia de Requisitos. Aécio Costa

Engenharia de Requisitos. Aécio Costa Aécio Costa Um requisito é uma característica do sistema ou a descrição de algo que o sistema é capaz de realizar, para atingir os seus objetivos. (PFLEEGER, 2004) Um requisito é algo que o sistema é capaz

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0

Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0 Conceitos e Aplicações Sobre Pastas Públicas com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson

Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua Multiplataforma para Java e.net. Hudson QUALIDADE Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software - SBQS Instituto Nokia de Tecnologia Unit Test Sucess Bug INdT Melhoria no Desenvolvimento Ágil com Implantação de Processo de Integração Contínua

Leia mais