Guia Prático. SIAB: instrumento de planejamento e gestão na Atenção Básica - BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia Prático. SIAB: instrumento de planejamento e gestão na Atenção Básica - BAHIA"

Transcrição

1 Guia Prático SIAB: instrumento de planejamento e gestão na Atenção Básica - BAHIA Salvador / 2012

2 Guia Prático SIAB: instrumento de planejamento e gestão na Atenção Básica (versão preliminar) Bahia Dezembro de 2012

3 Governador do Estado da Bahia: Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia: Jorge José Santos Pereira Solla Superintendente de Atenção Integral à Saúde: Gisélia Santana Souza Diretor da Atenção Básica: Ricardo Souza Heinzelmann Organização Diretoria da Atenção Básica Equipe de elaboração Antonia (DATASUS-BA) Denise Rodrigues Diniz (SESAB/SAIS/DAB/COAM) Luiz Lázaro (DATASUS-BA) Maria Laura Fontes (DATASUS-BA) Rosivan Barbosa de Matos (SESAB/SAIS/DAB/COAM) Equipe de colaboração: Denise Rodrigues Diniz Fernanda de Brito Ribeiro Ieda Zilmara de Queiroz Jorge da Silva Júlia Gonçalves Costa Lyz Viana Luciene Oliveira Ludmila Monfort Oliveira Sousa Marcia Edmeia Matos Maria das Graças Gonsalves de Oliveira Pedro Hernando Pairazamán Diaz Rosivan Matos Sarah da Anunciação Vânia Gomes Theodoro Diagramação Rafael da Costa Veloso Equipe Técnica da Diretoria de Atenção Básica Adriana Alcantara Franco Marques Alan John de Jesus Costa Alessandra Vasconcelos dos Santos Cerqueira Alessandra Reis Alexinaldo Aristides Santos Aline Gomes Fernandes Santos Alionete Gomes Sodré Amanda Menegola Blauth Ana Luiza Gonsalves Pinto Celita Nazareth Pacheco de Menezes Clarissa Leite Campos Cristiana Brito Nascimento Daiane Fernandes Sena Denise Rodrigues Diniz Fernanda de Brito Ribeiro Flavia Regina da Conceição Silva Françoise Elaine Silva Oliveira Glaucia Alencar Helena Oliveira Salomão do Amaral Ieda Zilmara de Queiroz Jorge da Silva Ieda Macedo dos Santos Ivone de Freitas Alcântara Ivonete Queiroz Isabela Oliveira Cordeiro Andrade Isadora de Queiroz Batista Ribeiro Jandira Lopes Cruz Jean Ferreira Souza Jonsos Nunes Júnior José Cristiano Soster Júlia Gonçalves Costa Kally Cristina Soares Silva Vasconcelos Lopes Letícia de Moraes Falleiro Liara Saldanha Brites Lígia Castegnaro Trevisan Lindinalva Soares Silva Livia Daniela Xavier Lyz Viana Lorena Figueiredo Almeida Lucienne Bambini Luciene Oliveira Ludmila Monfort Oliveira Sousa Luzane Santana da Rocha Maiza da Conceição Teles Dias Marcia Edmeia Matos Marcelo Bolivar Issa da Silva Maria Aguinê Evangelista Cunha Maria Célia Alves Santos Bispo Maria das Graças Gonsalves de Oliveira Maria José Santana Marta Caires de Sousa Monica Maria Lemos Pereira Mônica Fiais Morgana Bastos Barreto Nilma Lima dos Santos Nivea Oliveira Villas Boas Paula Roberta da Conceição Brasil Pedro Hernando Pairazamán Diaz Raimunda Maria Cerqueira Santos Rafael da Costa Veloso Rebeca Silva de Barrros Ricardo Souza Heinzelmann Rivany Ribeiro da Silva Lima Rosana Maria Rehem da Silva Rosivan Matos Rute Maria Coutinho Samantha de Jesus Andrade 2

4 Sarah da Anunciação Sávia Souza Machado Simone Janete Oliveira Barbosa Silvia Aleluia Silvia Denise Laranjeira Cardoso Soraia Martins de Carvalho Sofia Campos dos Santos Tatiane Ferreira de Jesus Teresa Cristina Guimarães Lima Cruz Tércio Farias Valéria Aguiar Vânia Gomes Theodoro 2012 Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Todos os direitos de edição reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra desde que citada a fonte e que não seja para a venda ou qualquer fim comercial. Elaboração, distribuição e informações Diretoria de Atenção Básica/SAIS/SESAB Endereço: 4a Avenida 400, Plataforma 6, 2o andar, sala 222 Centro Administrativo da Bahia, Salvador/BA CEP:

5 SUMÁRIO Apresentação Introdução O Sistema de Informação da Atenção Básica- SIAB SIAB: questões operacionais do sistema (perguntas mais frequentes relacionadas à gestão e operacionalização do sistema) Referência Bibliográfica

6 Apresentação O principal objetivo deste documento é apresentar orientações sobre o Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB, apontando não apenas as questões teóricas do sistema, como também as operacionais e formatos de sua utilização no monitoramento e avaliação da Atenção Básica para o Estado da Bahia. Trata-se, portanto, de um documento onde primeriamente são apontados as questões históricas e conceituais do SIAB, discutindo as fichas e relatórios do sistema; no segundo capítulo são retratadas as principais questões operacionais do SIAB; e no terceiro e ultimo capítulo alguns conceitos sobre avaliação e monitoramento da Atenção Básica e uso de indicadores no acompanhamento e planejamento das ações de saúde. 5

7 Introdução A informação está presente nos mais diversos campos da atividade humana, e é um dos motivos para o seu crescente papel na vida social, cultural, política e econômica da sociedade contemporânea que a utiliza mais intensamente. No contexto organizacional, a informação configura-se como um dos recursos econômicos fundamentais, que vêm sendo utilizados para a definição de produtos e serviços a serem ofertados, para o estabelecimento de objetivos, para a definição de processos operacionais, além do monitoramento e avaliação do desempenho organizacional, entre outros (CALAZANS, 2008). Em se tratando de sistemas de informação, um dos principais objetivos é garantir dados e informações de qualidade para que os diversos gestores, trabalhadores e usuários possam executar as ações necessárias de planejamento dos serviços, ações do cuidado e monitoramento das mesmas, tendo sempre como objetivo uma melhoria do quadro de saúde. Um aspecto bastante ressaltado é a necessidade de que um sistema deve disponibilizar informações de saúde, e não apenas dados, estando aqui entendido o dado como uma expressão isolada e estática da informação que, ao contrário, é obtida através de complexo processo de correção, agregação, organização e análise (NAFFAH FILHO & CECILIO, 2006). O SIAB foi implantado em 1998 em substituição ao Sistema de Informação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (SISPACS). É uma base de dados do Ministério da Saúde, utilizada para controle das atividades ambulatoriais por todos os gestores do SUS, auxiliando no acompanhamento e avaliação das atividades realizadas pelos Agentes Comunitários de Saúde (ACS), agregando e processando os dados advindos das visitas domiciliares, bem como, do atendimento médico e de enfermagem realizado na unidade de saúde e nos domicílios (BRASIL, 2000). Diferentemente de outros sistemas de informação em saúde, o SIAB caracteriza-se por ser um sistema de informação territorializado, ou seja, fornece indicadores populacionais (morbidade, mortalidade e de serviços) de uma determinada área de abrangência. 6

8 Propõe, com isso, que se conheçam as condições de saúde dessa população adscrita, bem como os fatores determinantes do processo saúde-doença. Representa, então, potencialmente, uma fonte de dados de grande valor para a realização do diagnóstico de saúde de determinada área de abrangência, norteando o planejamento e avaliação de ações em saúde. Com a proposta da nova Política Nacional de Atenção Básica em 2011, surge o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) do Departamento de Atenção Básica DAB/SAS/MS. Nesse sentido, o SIAB foi modificado para atender às necessidades do monitoramento e avaliação por meio de indicadores de saúde, e, juntamente com a avaliação in loco das equipes, viabilizará a certificação de qualidade dos serviços e equipes da Atenção Básica, vinculando o repasse de incentivos financeiros aos resultados das equipes que aderiram ao PMAQ-AB. Dessa forma, este manual apresenta as principais questões conceituais e operacionais do SIAB, além de um capitulo sobre avaliação e monitoramento da Atenção utilizando de indicadores deste sistema, acreditando-se desta forma, que a cultura institucional de trabalho com a informação, fortalece o uso das informações para a gestão, e consequentemente produz avanços na gestão da informação e do cuidado em saúde. 7

9 O Sistema de Informação da Atenção Básica SIAB O SIAB foi implantado em 1998 em substituição ao Sistema de Informação do Programa de Agentes Comunitários de Saúde (SISPACS). É uma base de dados do Ministério da Saúde, utilizada para acompanhamento e avaliação da situação de saúde das áreas adscritas e das ações das Equipes de Atenção Básica agregando e processando os dados advindos das visitas domiciliares, bem como, das consultas médicas, de enfermagem e odontológicas realizadas nas unidades de saúde e nos domicílios (BRASIL, 2000). Diferentemente de outros sistemas de informação em saúde, o SIAB caracteriza-se por ser um sistema de informação territorializado, ou seja, fornece indicadores populacionais (morbidade, mortalidade e de serviços) de uma determinada área de abrangência. Propõe, com isso, que se conheçam as condições de saúde dessa população adscrita, bem como os fatores determinantes do processo saúde-doença. Representa, então, potencialmente, uma fonte de dados de grande valor para a realização do diagnóstico de saúde de determinada área de abrangência, norteando o planejamento e avaliação de ações em saúde. Desta forma, o SIAB foi desenvolvido para: a) Dar suporte operacional e gerencial ao trabalho de coleta de dados realizados pelas Equipes de Agentes Comunitários de Saúde e das Equipes de Saúde da Família; b) Gerar informações essenciais para as Secretarias Municipais de Saúde, Secretarias Estaduais de Saúde e para o Ministério da Saúde; c) Auxiliar e agilizar na tomada de decisões referentes a indivíduos e famílias, tornando disponível um conjunto de informações às equipes de saúde da família, coordenadores e gestores locais de saúde; d) Apoiar a priorização de ações dirigidas às comunidades nos municípios, distritos sanitários ou outro formato de organização em saúde; e) Permitir uma avaliação do trabalho das Equipes de Atenção Básica e; 8

10 f) Observar os impactos das ações de saúde desenvolvidas junto à comunidade. Com a proposta da nova Política Nacional de Atenção Básica em 2011, surge o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) do Departamento de Atenção Básica DAB/SAS/MS. Nesse sentido, o SIAB foi modificado para atender às necessidades do monitoramento e avaliação por meio de indicadores de saúde, e, juntamente com a avaliação in loco das equipes, viabilizará a certificação de qualidade dos serviços e equipes da Atenção Básica, vinculando o repasse de incentivos financeiros aos resultados das equipes que aderiram ao PMAQ-AB. As principais mudanças do SIAB envolvem informações de cadastro referentes ao Programa Bolsa Família (Ficha A), preenchidas durante a visita domiciliar, e a Ficha D- Complementar, com a produção dos profissionais de nível superior na unidade de saúde, especificamente do médico, enfermeiro e cirurgião dentista. Para isso, foi elaborado um novo relatório Relatório de Produção e de Marcadores para Avaliação Complementar (PMA2-C) contemplando os principais tipos de atendimentos, que são específicos do médico, do cirurgião dentista e enfermeiro. Neste relatório, as demandas do atendimento médico estão classificadas em agendada, imediata e continuada, e inclui o registro das consultas de urgência com observação. Quanto ao cirurgião dentista, este bloco consolida os tipos de atendimentos de registro diário (Ficha D Complementar): 1ª Consulta Odontológica Programática, Escovação Dental Supervisionada, Tratamento Concluído, Urgência, Atendimento a Gestantes e Instalações de Próteses Dentárias. E, para os tipos de atendimento do médico e do enfermeiro, em complementação aos demais do Relatório PMA2, estão os registros de atendimentos em saúde mental e usuários de álcool e drogas (BRASIL, 2011). 9

11 CAPÍTULO SIAB: questões operacionais do sistema (perguntas mais freqüentes relacionadas à gestão e operacionalização do sistema). Quanto a instalação ou atualização da versão do SIAB - Módulos Municipal, Estadual e Regional. Como instalar ou atualizar a versão do SIAB? Solução: Para instalar ou atualizar a versão do SIAB nos módulos Municipal, Estadual e Regional, pode-se seguir os seguintes passos: Passo 1. No Windows Explorer, criar uma pasta no diretório C com o nome SIAB; Passo 2. Copiar o arquivo com a versão SIAB para dentro da nova pasta (o arquivo deve ser baixado da internet > Downloads > Módulo Municipal ou Módulo Estadual / Regional); Passo 3. Clicar na pasta SIAB para ter acesso ao arquivo executável; Passo 4. Para descompactar o arquivo (aquele baixado da internet) clicar duas vezes e confirmar a extração pressionando a letra Y e ENTER; Passo 5. Ao confirmar a extração, irá aparecer uma mensagem em inglês informando que será criada uma nova pasta, novamente digite a letra Y e ENTER; Passo 6. Dessa forma criará uma pasta (amarela) com o nome SIAB (versão). Abrir essa pasta com dois cliques; Passo 7. Localizar o arquivo INSTALA e clicar duas vezes para executá-lo. Isso iniciará o 10

12 processo de instalação; Passo 8. Ao abrir a tela de instalação, ler atentamente as informações sobre a versão que está sendo instalada; Passo 9. Pressionar ENTER a cada passo da operação; Passo 10. Selecione o Estado (use as setas se necessário) e tecle ENTER; Passo 11. Informe o DRIVE onde será instalado o SIAB, que deve ser C. Depois escolha o Tipo de Máquina para instalar o sistema; Passo 12. Pressionar ENTER até finalizar a instalação; Passo 13. Observe que a última tela mostrará a informação de como executar o programa; Passo 14. E ao final da operação, teclar ENTER para fechar a tela. Atenção: Ler atentamente o leia-me das versões que serão instalados ou atualizados. SIAB? Qual a importância das informações trazidas pelas atualizações propostas no Solução: Normalmente as atualizações das versões do SIAB trazem implementações importantes para os módulos do Sistema SIAB (cadastro, consulta, relatórios e utilitários), que servem para adaptações que contemplem novos tipos de equipes criadas para a avalição e monitoramentos das informações da Estratégia Saúde da Família, asssim como: Criação do Relatório de Equipes de Atenção Básica, que contemplará as informações de quantidades de equipes e agentes dessas novas modalidades. 11

13 Criação do Relatório de Equipes da Estratégia de Saúde da Família Carga Horária diferenciada, que contemplará as informações de quantidades de equipes e agentes dessas novas modalidades. Criação do Relatório de Equipes Transitórias da Estratégia de Saúde da Família, que contemplará as informações de quantidades de equipes e agentes dessas novas modalidades. Atenção: É possível consultar e tirar relatórios de todos os tipos d equipes utilizando as setas de navegação e marcar através da barra de espaço o tipo de equipe desejado. O que fazer na instalação ou atualização do anti-vírus AVAST, quando no seu escaneamento, ele desloca o arquivo 7Z. exe para quarenta, danificando o sistema, impedindo que o mesmo seja executado completamente? Solução: Redirecionar o arquivo 7Z.exe para pasta do SIABMUN ou reinstalar o sistema SIAB. seguir: O que fazer quando surgir na tela do sistema SIAB, mensagem do tipo a ERROR DBFNTX/1001 open error: CONFIMP.dbf (DOS ERROR 5) [ERROR] BASE/1003 Variable does not exist: NIS BASE/1073 argument ERROR: <DOS ERROR 5> Error Base/2012. Open error: c:\par_inst.txt <DOS ERROR 2> Solução: É necessário que se faça alterações na configuração do sistema no seu computador, tanto no arquivo Config.NT, como no arquivo Autoexec.NT. 12

14 XP...? Como configurar o software SIAB, para o uso do Windows Vista ou Windows Solução Para que o SIAB funcione no Windows Vista ou Windows XP é necessário que se faça as seguintes alterações de configuração: Passo 1. Pelo botão Iniciar, clicar em Localizar. Localize o arquivo Config.nt; Passo 2. Incluir nas últimas linhas os seguintes comandos: FILES=100 e BUFFERS=32,0 Passo 3. Salve o arquivo; Passo 4. Da mesma forma, pelo botão Iniciar, clicar em Localizar. Localize o arquivo Autoexec.nt; Passo 5. Insira na primeira linha o comando SET CLIPPER=F100; Passo 6. Salve o arquivo; Passo 7. Reinicie o computador. Atenção: 1. Lembre-se de verificar se a linha de comando do seu atalho está com seguinte comando: C\siabmun.bat. 2. Respeite as letras maiúsculas e minúsculas e não deixe espaços em branco antes ou depois do sinal de igual, quando da inclusão da linha. Como fazer uma cópia de segurança da base de dados do município no sistema SIAB? Solução: 1. A cópia de base é um backup dos dados do SIAB, dessa forma deve ser feita a cada mês ou a cada alteração realizada nas informações do referido banco de dados. É 13

15 muito comum a perda total dos dados do SIAB e ocorrem por vários motivos: vírus, formatação da máquina entre outros. Muitos municípios não têm o hábito de fazer cópia de base (backup/cópia de segurança) do SIAB e ao perderem os dados não há mais como recuperá-los por não disporem da cópia de base. Nesse sentido, é importante e necessário que os municípios façam periodicamente um backup, e no caso de perda dos dados, basta instalar novamente o SIAB (se for preciso) Como fazer para restaurar a base de dados do município no sistema SIAB? Solução: Acessar SIABMUN atalho (área de trabalho) > Utilitários > Restaurar base > Ano: 2011 (por exemplo) > Recupera cópia > Selecionar o drive: C. 14

16 Como realizar o Cadastro das tabelas no sistema? Solução: No SIAB é necessário fazer o cadastramento das tabelas de territorialização, conforme passo a passo a seguir: Passo 1. Acessar SIABMUN atalho (área de trabalho) > Cadastro > Passo 2. Inserir a Regional de Saúde: código da Regional de Saúde utilizar somente o número das Regionais; Passo 3. Inserir o nome do Município: para essa função pressione a tecla F1, (com isso irá aparecer uma listagem com o nº do IBGE e o nome do município). Selecione o Município desejado e tecle ENTER. Atenção: Toda vez que houver alteração na composição dos municípios de uma regional para outra, de acordo com o PDR da SESAB, deverá ser feita a alteração do cadastro na base do SIAB municipal, regional e estadual, pois, caso contrário, os dados cadastrais do(s) município(s) não aparecerão no banco de dados nacional, correndo o risco de ter os recursos financeiros bloqueados por falta de dados. 15

17 Passo 4. A inserção do Segmento Territorial é importado do SCNES. Como realizar a inclusão do Cadastramento das Famílias Estimadas / População no sistema SIAB? Solução O cadastro das Famílias/População ocorre no início de cada ano, ou sempre que necessário a atualização das fichas de cadastro (Ficha A), devido à revisão do processo de territorialização da Atenção Básica, ou para a realização de seleção de Agentes Comunitários de Saúde, e é imprescindível realizar as devidas atualizações para Ano, Zona, Famílias Estimadas e População: Passo 1. Ano (ano em curso); (Tabelas Famílias Estimadas e População) Passo 2. Zona (01 - Urbana e/ou 02 Rural); 16

18 Passo 3. Famílias Estimadas (é o número de famílias estimadas para todo o município). Para o cálculo é necessário dividir a população geral do município pelo número de pessoas por família segundo estimativa do IBGE. Considerar a média de pessoas por família da estimativa IBGE do respectivo Estado (Fonte: PNAD - acesso: Passo 4. Inserir a População (população geral do município de acordo com os dados do IBGE, observando as diferenciações numéricas entre a população rural e urbana). Atenção: Para incluir, excluir e alterar os dados acima citados, observar o que indica as teclas de ajuda listadas no rodapé da tela do SIAB: (F2 para incluir, F3 para alterar (as Famílias Estimadas e População) e F4 para excluir). Como realizar o cálculo das famílias estimadas para inclusão do Cadastramento das Famílias Estimadas / População no sistema SIAB? Solução: Para realizar o cálculo da Famílias Estimadas (URBANA E RURAL) no SIAB toma-se como base a População do IBGE, por exemplo do ano de 2010 ou se estiver disponível a estimativa da população para o ano desejado, então: Exemplo: = número de famílias estimadas para o ano de 2011 (3,75 aproximadamente 4, é número de pessoas por família) Toma-se como base número de famílias estimadas para URBANA e RURAL já existente no ano anterior (ano de 2010). Exemplo: Se o total de famílias existentes para o ano de 2010 é igual a , e no sistema temos como saber o total de família para o segmento URBANO = 8.000, que representa 40% de famílias em 2010 e para o segmento RURAL = , que representa 60% de famílias em 2010, então para sabermos o percentual que representa o número de famílias urbana e rural basta efetuarmos uma regra de três simples, ou seja: 17

19 URBANO: % X X = x = 40% RURAL: % x X = x = 60% Então: Para o cálculo das famílias estimadas para o ano de 2011 tomando como base a população de 2011 igual a , temos que: URBANO: 40% de somos iguais a: famílias estimadas para o ano de RURAL: 60% de somos iguais a: famílias estimadas para o ano de Como realizar o envio da base de dados do SIAB através do transmissor simultâneo para base nacional? Solução: Antes do envio da Base de Dados do SIAB, é bom saber, que: 1. A partir da Portaria nº 750/SAS, de 10 de outubro de 2006, o cadastro das equipes de saúde da família, saúde da família com saúde bucal (modalidade I e II) e de agentes comunitário de saúde, passou a ser realizado no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde SCNES, sob responsabilidade do gestor municipal. 18

20 2. A partir da Portaria nº 1.876/GM, de 07 de agosto de 2007, ficou estabelecido que a base de dados do SIAB deve ser transferida mensalmente por meio de transmissor simultâneo pelas Secretarias Municipais de Saúde para o Departamento de Informática do SUS DATASUS -RJ. 3. A base do cadastro dos profissionais da Atenção Básica é exportada do SCNES para o SIAB, no formato TXT, com vistas à alimentação dos dados referentes às equipes: Cadastro de Famílias, Situação de Saúde e Produção. 4. No SCNES a geração do arquivo de exportação TXT para alimentar o SIAB deve estar condicionada ao envio prévio da base de dados ou certidão negativa do SCNES ao nível nacional por meio do Módulo Transmissor Simultâneo. Sabendo dessas informações, a seguir veremos o passo a passo para preparação da alimentação dos dados no SIAB: Passo 1. Em Utilitários, clicar em Lê Arquivos SCNES. Passo 2. Em seguida, o sistema solicita informações do Drive e a Competência. Passo 3. Feito a leitura dos arquivos do SCNES, digitar as informações de saúde, produção e cadastro relativos à competência. Acessar Utilitários e clicar em Transf. p/ Nacional, caso o município envie o arquivo direto para o DATASUS através do aplicativo do Transmissor; 19

21 Passo 4. Informar o Período. No caso de ser apenas a competência vigente, por exemplo, Competência Janeiro/2011, digitar no campo de: 01/2011 até: 01/2011 ; Passo 5. O sistema processa o arquivo para o período desejado e gera um relatório prévio com as informações de cadastro das equipes; Passo 6. Confirmada a transferência, selecionar o Drive de destino da operação; 20

22 Passo 7. O sistema conclui o processamento do arquivo de formato [I + CÓDIGO DO MUNICÍPIO], que será utilizado no Transmissor Simultâneo. 21

23 Como transmitir os dados através do transmissor simultâneo? Solução: Antes de tudo, verifica-se a disponibilidade da versão mais atualizada do Transmissor e que deve ser acompanhada e instalada pelo usuário do sistema, periodicamente, através do endereço: e Feito a instalação do Transmissor, a seguir veremos o passo a passo para a transmissão da Base de Dados do SIAB. 22

24 (Tela do Transmissor) Passo 1. No campo Tipo Arquivo, é preciso informar o tipo de arquivo que você vai transmitir como, por exemplo, SIAB. Passo 2. No campo Competência deverá ser informada a competência que está sendo transmitida no formato (MM/AA), Ex: 01/11 para Janeiro de Passo 3. No campo IBGE é preciso informar o código IBGE do município ou o código IBGE do estado (no caso de uma transmissão) seguindo o padrão com zeros no final, exemplo: , , , etc. Passo 4. No campo CPF é preciso informar o CPF do operador que está enviando o arquivo no momento. Caso o tipo de usuário da pessoa que esteja enviando o arquivo seja Mestre no cadastro do CNES, o CPF não precisa ser informado. Passo 5. No campo Senha é preciso informar a senha do município ou estado, esta senha foi gerada pelo DATASUS e será enviada aos gestores das secretarias municipais e estaduais que estão cadastrados no CNES. Passo 6. No campo Arquivo, é preciso selecionar o arquivo que você quer transmitir. Cada sistema possui algumas regras de validação e padrões de nomes de arquivo, dessa 23

25 forma é preciso obedecer tais padrões ou a transmissão não será executada. O botão ao lado com três pontinhos [...] permite você navegar e selecionar em seu computador o arquivo para envio. Na hora de selecionar o arquivo, o transmissor mostrará somente os arquivos que obedecerem à regra de formação do nome do arquivo com os parâmetros competência, IBGE e sistema informados anteriormente. Passo 7. No campo Status da Transmissão, irá aparecer o progresso que o arquivo é processado e preparado para ser transmitido, assim que a barra chegar ao final é iniciada a transmissão. Neste momento aparecerá uma animação indicando que os dados estão sendo transmitidos, é preciso esperar a transmissão ser concluída para que o seu recibo seja gerado corretamente. Dependendo da sua conexão com a internet e o tamanho do seu arquivo, o processo pode demorar vários minutos. Passo 8. O botão Testar Conexão tenta fazer uma chamada ao servidor do DATASUS para saber existe uma conexão com o mesmo. Caso a conexão seja estabelecida, o arquivo será enviado sem problema. Logo após testar a conexão com o DATASUS, o transmissor tentará fazer o mesmo procedimento para Secretária Estadual Saúde (SES) do município que enviará o arquivo. Passo 9. O botão Transmitir inicia a transmissão e uma mensagem aparecerá quando a transmissão for concluída informando que seu recibo foi gerado. Passo 10. O botão Sair sai do Transmissor interrompendo a transmissão caso a mesma já tenha sido iniciada. Atenção: Após transmitir o arquivo, será gerado um recibo na pasta c:\meus arquivos com os nomes de ReciboMS_[SISTEMA]_[DATA]_[HORA]_[COMPETENCIA].pdf para recibo do Ministério da Saúde e ReciboSES_[SISTEMA]_[DATA]_[HORA]_[COMPETENCIA].pdf para recibo de envio dado pela SES. Importante ressaltar que o recibo dado pelo transmissor é apenas um recibo que o arquivo foi enviado para o respectivo sistema e ainda sim precisará ser processado pelos sistemas 24

26 correspondentes. Exemplo do nome do recibo: ReciboMS_SAMU_ _111927_1108.pdf. Atenção: Ler atentamente o leia-me das versões que serão instalados ou atualizados, referentes às mensagens e explicações dos erros surgidos na transmissão das informações do SIAB. Quais as mensagens de erros do Transmissor Simultâneo e soluções que podem surgir na tramissão da base de dados do SIAB? Solução: [ERRO-1] O arquivo informado não existe. Explicação: o arquivo não se encontra no disco onde se está efetuando a transmissão. Selecione um arquivo válido e tente novamente. [ERRO-2] Competência inválida. Explicação: a competência deve ser informada no formato mês/ano. Exemplo: 02/08 indica a competência de fevereiro de [ERRO-3] Código IBGE inválido. Explicação: o código IBGE tem que ser um valor contendo nove dígitos. Estes dígitos têm que representar o código do município ou o do estado. No caso do estado, deverá ser os dois dígitos do código IBGE do estado seguido de quatro zeros. À exceção do CIH onde o código do estado deverá ser seguido por quatro zeros. [ERRO-4] Este usuário não está habilitado a transmitir o arquivo. Explicação: o usuário não está habilitado para transmitir arquivos do sistema selecionado. O usuário deverá entrar em contato com sua Secretaria Estadual de Saúde. A indicação de que o usuário está habilitado ou não encontra-se no cadastro de usuários 25

27 do CNES. [ERRO-5] Erro de Conexão com a internet Explicação: esta mensagem pode ocorrer quando o computador do usuário não está conectado à internet. Deve-se entrar em contato com o suporte local de rede para solução do problema. [ERRO-6] Fora do prazo para envio da competência! Explicação: a data limite para envio de dados da competência selecionada usuário deverá solicitar à CGSI o cadastramento de uma exceção. expirou. O [ERRO-7] Esse arquivo foi gerado com uma versão antiga do SCNES. Favor gerar novamente o arquivo com a versão atual do sistema. Explicação: deverá ser feito o download da versão mais nova do CNES e o deverá ser regenerado. arquivo [ERRO-8] Esse arquivo já foi transmitido. Explicação: a transmissão já foi realizada. Se for o caso, o arquivo deverá ser excluído (solicitar à CGSI). Somente após a exclusão, o arquivo poderá ser retransmitido. OBS: o SIASUS possui arquivos próprios para retransmissão. Um arquivo de retransmissão (possuem uma letra R no seu nome) não pode ser enviado antes de um arquivo normal. [ERRO-9] Não existe um ofício cadastrado na base de dados DATASUS autorizando esta retransmissão. Explicação: no caso do SIASUS, quando uma retransmissão é realizada fora do prazo da competência, um ofício deverá ser enviado para CGSI que cadastrará uma exceção específica para retransmissão. [ERRO-10] Essa retransmissão já foi realizada. Explicação: no caso do SIASUS, este erro ocorre quando um arquivo de retransmissão é enviado novamente. [ERRO-11] Essa competência já foi transmitida. Explicação: indica que um arquivo da competência selecionada já foi enviado. [ERRO-12] Erro de comunicação com o servidor. Explicação: algum problema de comunicação com o servidor do Ministério da Saúde ou da Secretaria Estadual ocorreu. Tente novamente mais tarde. O sítio pode estar congestionado. [ERRO-13] Erro inesperado. Explicação: um erro não previsto pelos programadores ocorreu. Entrar em imediatamente com o suporte. contato 26

Guia Operacional Básico do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB

Guia Operacional Básico do Sistema de Informação da Atenção Básica - SIAB MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP. Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretária de Gestão Estratégica e Participativa da Saúde SGEP Coordenação de Desenvolvimento dos Sistemas de Saúde - CDESS Departamento de Informática do SUS - DATASUS Manual operacional

Leia mais

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA

SISAB SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E ATENÇÃO BÁSICA Manual Prático Resumido de Instalação, Configuração e Uso dos Sistemas e-sus CDS (Coleta de Dados Simplificado), e-sus PEC (Prontuário Eletrônico do Cidadão) e e-sus PEC Centralizador (Centralizador de

Leia mais

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda

Governo do Estado do Pará Secretaria de Estado da Fazenda Manual do Usuário Sistema Notapará Programa Nota Fiscal Cidadã Objetivo: Estabelecer orientações aos usuários do sistema Notapará, tais como: usabilidade, funcionalidade e navegabilidade. Manual do Usuário

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.br NOTA TÉCNICA N.º 01/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Ministério da Saúde Secretária Executiva Departamento de Informática do SUS SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Manual de Operação Versão 1.0 M 01 Rio de Janeiro 2006 GARANTIAS

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA

MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE OPERAÇÃO DO SISTEMA Versão 1.0 BRASÍLIA, DISTRITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO DOMICILIAR SAF SUL Qd. 02, Bl. E/F, Ed. Premium Torre II Auditório Sala 05 Telefone: (61) 3315 9052

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS. MÓDULO DO CERTIFICADOR MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 2.4.6

SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS. MÓDULO DO CERTIFICADOR MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 2.4.6 SISTEMA DE PRODUTOS E SERVIÇOS CERTIFICADOS Versão 2.4.6 Sumário Fluxograma básico do processo de envio de remessa... 5 Criar novo certificado... 6 Aprovar certificado... 16 Preparar e enviar remessa...

Leia mais

Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan Net. Manual do Site Sinan Net

Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan Net. Manual do Site Sinan Net Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan Net Manual do Site Sinan Net Fevereiro 2010 José Gomes Temporão Ministro de Estado da Saúde Márcia Bassit Secretário Executivo Gerson de Oliveira Penna

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

DICAS TÉCNICAS. Procedimentos S.A.T. - Serviço de Atendimento Técnico

DICAS TÉCNICAS. Procedimentos S.A.T. - Serviço de Atendimento Técnico SUMÁRIO Dicas Técnicas... 02 1. Problemas com Impressoras... 03 1.1. A impressora não está imprimindo nada.... 03 1.2. A impressora não está imprimindo em DOS... 03 1.3. A impressora não esta imprimindo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA. Documento de Arrecadação Estadual DAE. Manual do Usuário. Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 1 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA Documento de Arrecadação Estadual DAE Manual do Usuário Versão 1.0.0 SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA 66.053-000 Av. Visconde de Souza Franco, 110 Reduto Belém PA Tel.:(091)

Leia mais

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO

Corregedoria-Geral de Justiça. Serviço Notarial e de Registro. Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Corregedoria-Geral de Justiça Serviço Notarial e de Registro Manual do Sistema SISNOR CARTÓRIO Atualizado em 29/04/2015 CONTEÚDO APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 1 DOWNLOAD DO SISNOR CARTÓRIO... 5 CAPÍTULO 2

Leia mais

CIHA. CIHA 01 e CIHA 02. Manual de Instalação

CIHA. CIHA 01 e CIHA 02. Manual de Instalação CIHA CIHA 01 e CIHA 02 Manual de Instalação Versão do produto: CIHA 01 1.0.4.3 e CIHA 02 1.0.4.4 Edição do documento: 1.1 Abril de 2015 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria

Leia mais

SI-AIU SISTEMA DE APURAÇÂO DE IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS

SI-AIU SISTEMA DE APURAÇÂO DE IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES MS / - Departamento de Informática do SUS SIPPS - Equipe

Leia mais

PASSO A PASSO PARA INSTALAÇÃO DO E-SUS E DIGITAÇÃO DAS FICHAS DO PSE

PASSO A PASSO PARA INSTALAÇÃO DO E-SUS E DIGITAÇÃO DAS FICHAS DO PSE ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA PASSO A PASSO PARA INSTALAÇÃO DO E-SUS E DIGITAÇÃO DAS FICHAS DO PSE 1º Passo Acesse o Portal

Leia mais

Indice. Sistema Smartphone / Tablet

Indice. Sistema Smartphone / Tablet Indice Sistema Smartphone / Tablet 1. Cadastrando um cliente... 2 2. Cadastrando produtos... 4 3. Incluindo fotos de produtos... 5 4. Fazendo um pedido... 6 5. Transmitindo pedido para empresa... 8 6.

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1.

CIH01. Comunicação de Internação Hospitar. Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 4.0.1.1. Edição do documento: 1. CIH01 Comunicação de Internação Hospitar Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 4.0.1.1 Edição do documento: 1.0 Agosto de 2008 MS - SE - DATASUS CIH01 Comunicação de Internação Hospitar

Leia mais

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE

PTA Versão 4.0.6 21/11/2012 Manual do Usuário ÍNDICE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 Finalidade do Aplicativo... 2 Notas sobre a versão... 2 INSTALAÇÃO DO APLICATIVO... 3 Privilégios necessários para executar o instalador... 3 VISÃO GERAL DO PTA... 4 Quando utilizar

Leia mais

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE

Manual de Configuração e Utilização TabFisc Versão Mobile 09/2013 Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 1 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TABLET VERSÃO MOBILE Pag. 2 INTRODUÇÃO Esse documento contém as instruções básicas para a utilização do TabFisc Versão Mobile (que permite ao fiscal a realização do seu trabalho

Leia mais

Sistema MSYS. Manual de Instalação, Configuração e Suporte. Versão 7

Sistema MSYS. Manual de Instalação, Configuração e Suporte. Versão 7 Ao abrir o arquivo em PDF, clique em Visualizar, Painéis de navegação, Marcadores para visualizar o menu lateral ou selecione as opções Visualizar, Painéis de Navegação, Marcadores. Sistema Manual de Instalação,

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características... 5 Configuração necessária para instalação... 6 Conteúdo do CD de Instalação... 7 Instruções para Instalação... 8 Solicitação da Chave de Acesso... 22 Funcionamento

Leia mais

Manual do Usuário Instituição

Manual do Usuário Instituição 1 Manual do Usuário Instituição Área Restrita Site de Certificação Controle: D.04.36.00 Data da Elaboração: 13/08/2014 Data da Revisão: - Elaborado por: TIVIT / Certificação ANBIMA Aprovado por: Gerência

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema.

Instalação: permite baixar o pacote de instalação do agente de coleta do sistema. O que é o projeto O PROINFODATA - programa de coleta de dados do projeto ProInfo/MEC de inclusão digital nas escolas públicas brasileiras tem como objetivo acompanhar o estado de funcionamento dos laboratórios

Leia mais

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos

Procedimentos para Instalação e Utilização do PEP Programa automatizado de apoio à Elaboração de Projetos MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria-Executiva Unidade de Coordenação de Programas Esplanada dos Ministérios Bl. P 4º Andar Salas 409/410 CEP 70.048-900 Brasília DF Tel: (61) 3412.2492 email: ucp@fazenda.gov.br

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

CADSUS. Simplificado Multiplataforma Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 1.0. Edição do documento: 1.

CADSUS. Simplificado Multiplataforma Manual de Instalação e Administração. Versão do produto: 1.0. Edição do documento: 1. CADSUS Simplificado Multiplataforma Manual de Instalação e Administração Versão do produto: 1.0 Edição do documento: 1.0 Maio de 2008 CADSUS Simplificado Multiplataforma Manual de Instalação e Administração

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. Guia de Instalação do SolidWorks 2009 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

Sinan Net. Manual de Operação. Versão do produto: 5.0. Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014. Série A. Normas e Manuais Técnicos.

Sinan Net. Manual de Operação. Versão do produto: 5.0. Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Sinan Net Manual de Operação Versão do produto: 5.0 Edição do documento: 1.0 Outubro de 2014 Série A. Normas e Manuais Técnicos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013)

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013) FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 () 1 Sumário: PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO VERSÃO 5.8... 4 ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA VIA CD... 6 1º Passo Atualizações e Alterações da Versão 5.8...

Leia mais

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados Pagina 1 Titulo do Manual [Parâmetros Gerais] Elaboração [Ricardo Francisco Mizael] Versão 1.1 Data Elaboração 01/08/2011 Paginas 33 Data Revisão 25/11/2011 Pagina 2 Conteúdo do Manual Apresentação...3

Leia mais

Passos para importar CNES no Sistema com CDS

Passos para importar CNES no Sistema com CDS e-sus AB Sistema com Coleta de Dados Simplificada - CDS Passos para importar CNES no Sistema com CDS Maio/2013 1 Por que importar o CNES? A importação do CNES deve ser o primeiro passo a ser realizado

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

SI-PNI/SI-EAPV SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO

SI-PNI/SI-EAPV SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO SI-PNI/SI-EAPV SISTEMA DE INFORMAÇÕES DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES EVENTOS ADVERSOS PÓS-VACINAÇÃO MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO DO SISTEMA: 2.0 VERSÃO DO MANUAL: 2.0 Rio de Janeiro, 2003. 1 2003. Ministério

Leia mais

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04

1 - O que é o Conectividade Social? 03. 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 Conteúdo 1 - O que é o Conectividade Social? 03 2 - Qual a configuração mínima para instalar o programa?... 04 3 - O que é necessário para instalar o Conectividade Social?.... 05 4 - Como faço para executar

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Nota Fiscal Paulista. Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Nota Fiscal Paulista Manual do TD REDF (Transmissor de Dados Registro Eletrônico de Documentos Fiscais) Versão 1.1 15/02/2008 Página 1 de 17 Índice Analítico 1. Considerações Iniciais 3 2. Instalação do

Leia mais

MANUAL DE SISTEMA. Página1

MANUAL DE SISTEMA. Página1 Página1 Página2 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 3 2 Passo a Passo... 4 2.1. Visão inicial do Sistema Presença 4 2.2. Solicitar Acesso 5 2.3. Substituição do Operador Municipal Máster 7 2.4. Acessar

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BPA Boletim de Produção Ambulatorial MANUAL DE OPERAÇÃO DO

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

SSE 3.0 Guia Rápido Parametrizando o SISTEMA DE SECRETARIA Nesta Edição Configurando a Conexão com o Banco de Dados

SSE 3.0 Guia Rápido Parametrizando o SISTEMA DE SECRETARIA Nesta Edição Configurando a Conexão com o Banco de Dados SSE 3.0 Guia Rápido Parametrizando o SISTEMA DE SECRETARIA Nesta Edição 1 Configurando a Conexão com o Banco de Dados 2 Primeiro Acesso ao Sistema Manutenção de Usuários 3 Parametrizando o Sistema Configura

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

Gerenciador de Imóveis

Gerenciador de Imóveis Gerenciador de Imóveis O Corretor Top é o mais completo sistema de gestão de imóveis do mercado, onde corretores terão acesso à agenda, cadastro de imóveis, carteira de clientes, atendimento, dentre muitas

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

SES-SP GCS - Grupo de Compras e Serviços para o SUS SIAB. Sistema de Informação de Atenção Básica

SES-SP GCS - Grupo de Compras e Serviços para o SUS SIAB. Sistema de Informação de Atenção Básica SES-SP GCS - Grupo de Compras e Serviços para o SUS SIAB Sistema de Informação de Atenção Básica SIAB É um sistema de gerenciamento que possibilita obter informações nas visitas às comunidades, conhecer

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário-Executivo José Henrique Paim Fernandes Subsecretário de Assuntos Administrativos Jose Eduardo Bueno de

Leia mais

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário

Shop Control 8 Pocket. Guia do usuário Shop Control 8 Pocket Guia do usuário Abril / 2007 1 Pocket O módulo Pocket permite fazer vendas dos produtos diretamente em handhelds Pocket PC, pelos vendedores externos da empresa. Os cadastros (clientes,

Leia mais

Manual do Usuário SystemFarma AutoCred

Manual do Usuário SystemFarma AutoCred Manual do Usuário SystemFarma AutoCred Objetivo O SystemFarma AutoCred foi desenvolvido com o intuito de facilitar a comunicação entre a automação comercial e o Servidor Central do SystemFarma. Com este

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SESAU DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP GERÊNCIA DE AGRAVOS DE TRANSMISSÃO RESPIRAT, SEXUAL, VIG DO ÓBITO E SIST DE INFORMAÇÃO E - GATRSVOSI NÚCLEO

Leia mais

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0

SIAFRO Módulo de Devolução 1.0 Conteúdo do Manual. Introdução. Capítulo Requisitos. Capítulo Instalação 4. Capítulo Configuração 5. Capítulo 4 Cadastro de Devolução 6. Capítulo 5 Relatório 7. Capítulo 6 Backup 8. Capítulo 7 Atualização

Leia mais

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores Módulo de Gestores Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores As telas oficiais do Módulo de Gestores estão disponíveis

Leia mais

9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2

9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2 1 9. EXECUTANDO OPERAÇÕES NO MENU UTILITÁRIOS...2 9.1 Cópia de Segurança (Backup)...2 9.1.a Adicionar ou Remover Empresas da Lista... 2 9.1.b Empresas Cadastradas no Sistema... 2 9.1.c Inserir uma Empresa...

Leia mais

Passo a Passo - SIOPS

Passo a Passo - SIOPS Passo a Passo - SIOPS I.INSTRUÇÕES GERAIS 1. PERIODICIDADE O programa SIOPS, no período de 1998 a 2001, coletava os dados anualmente. A partir de 2002, passou a ter periodicidade semestral, passando a

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

MANUAL DO SINASC_LOCAL

MANUAL DO SINASC_LOCAL MANUAL DO SINASC_LOCAL Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC - 2006 1 Módulo - Usuário Manual do Sinasc Módulo Usuário Capítulo 01 - Introdução O SINASC é um instrumento fundamental para informações

Leia mais

Manual de Operação SISRCA. Módulo Captação do Atendimento

Manual de Operação SISRCA. Módulo Captação do Atendimento Manual de Operação SISRCA Módulo Captação do Atendimento Versão Alfa 1.9 04-04-2013 SUMÁRIO GLOSSÁRIO... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 1.1. INFORMAÇÕES RELEVANTES... 4 2. VISÃO GERAL DO SISTEMA... 5 3. INSTALANDO

Leia mais

Manual do Usuário SUMÁRIO

Manual do Usuário SUMÁRIO SUMÁRIO VISUAL LIVRO CAIXA 1. Noções Gerais 1.1. Objetivo... 03 1.2. Sistema com Fundamento Legal Atualizado...03 1.3. Assistência Técnica... 03 1.3.1. Suporte Técnico... 03 1.3.2. Office Service... 03

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação PROPEPG Manual de Utilização Sistema de Projetos URI Módulo Projetos Versão 1 - Revisão

Leia mais

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 MÓDULO CLIENTE Conteúdo 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 2.2 HOME 4 2.3 A VALECARD 5 2.4 PRODUTOS 6 2.5 REDE CREDENCIADA 7 2.6 ROTA 9 2.7 CONTATO 9 3. EMPRESAS 11 3.1. ACESSO

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

INTRODUÇÃO 0800 726 0104 www.caixa.gov.br 0800 726 0104

INTRODUÇÃO 0800 726 0104 www.caixa.gov.br 0800 726 0104 Manual Operacional Aplicativo Cliente - GRRF Versão 2.0.2 INTRODUÇÃO O aplicativo cliente da GRRF é o instrumento criado para que os empregadores façam o recolhimento rescisório do Fundo de Garantia do

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

INTRODUÇÃO ALTERAÇÃO EM RELAÇÃO À VERSÃO ANTERIOR

INTRODUÇÃO ALTERAÇÃO EM RELAÇÃO À VERSÃO ANTERIOR Manual Operacional Aplicativo Cliente - GRRF Versão 2.0.4 INTRODUÇÃO O aplicativo cliente da GRRF é o instrumento criado para que os empregadores façam o recolhimento rescisório do Fundo de Garantia do

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

TransactionCentre Client

TransactionCentre Client TransactionCentre Client Manual de Instalação Client Connection Esta documentação, softwares e materiais disponibilizados são protegidos por propriedade intelectual e não podem ser copiados, reproduzidos

Leia mais

Manual de Instalação ( Client / Server ) Versão 1.0

Manual de Instalação ( Client / Server ) Versão 1.0 1 pág. PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DO SGCOM ATENÇÃO: É OBRIGATÓRIO UMA CONEXÃO COM A INTERNET PARA EXECUTAR A INSTALAÇÃO DO SGCOM. Após o Download do instalador do SGCOM versão Server e Client no site www.sgcom.inf.br

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online

I - Configurações mínimas da máquina, internet e Browser para acesso ao Sinan Online MINISTÉRIO DA SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 NOTA TÉCNICA N.º 03/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS, CGPNCD/DEVEP/SVS/MS, CDESS/CGAM/DATASUS/MS e DEVEP/SVS/MS

Leia mais

SCPI 8.0. Guia Rápido. Instalação e Configurações Iniciais. Introdução. 1-Sistema Recomendável. Instalando o SCPI. Nesta Edição

SCPI 8.0. Guia Rápido. Instalação e Configurações Iniciais. Introdução. 1-Sistema Recomendável. Instalando o SCPI. Nesta Edição SCPI 8.0 Guia Rápido Instalação e Configurações Iniciais Introdução Nesta Edição 1 Sistema Recomendável 2 Instalando o SCPI e Firebird 1.5 3 Instalando o SCPI e Firebird 2.1 4 Configurando o Servidor 5

Leia mais

HDEV SOLUÇÕES EM SISTEMAS RETAGUARDA DOTZ

HDEV SOLUÇÕES EM SISTEMAS RETAGUARDA DOTZ RETAGUARDA DOTZ Suporte Telefônico: (31) 3484-9763 (OI) Suporte Celular: (31) 8829.9195 (OI) 8540.8872 (TIM) Suporte Email: dotz@hdias.com.br Suporte On-Line: www.hdias.com.br/dotz Belo Horizonte, Fevereiro

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 2.1. Atualização... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 6 4.1. Tela Principal... 6 4.2.

Leia mais

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL

Versão 1.0 CARBON SYSTEM. Manual do Software Ponto Legal. Manual do PONTO LEGAL Versão 1.0 CARBON SYSTEM Manual do Software Ponto Legal Manual do PONTO LEGAL S O F T W A R E P A R A E M I S S Ã O D O R E L A T Ó R I O E S P E L H O D E P O N T O Manual do Ponto Legal Versão 1.0 Carbon

Leia mais