CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA Ernani Mendes Botelho Orientador: Prof. Dr. Alberto Borges Matias SÃO PAULO 2006

2

3 Prof. Dra. Suely Vilela Reitora da Universidade de São Paulo Profa. Dra. Maria Tereza Leme Fleury Diretora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Prof. Dr. Isak Kruglianskas Chefe do Departamento de Administração Prof. Dr. Lindolfo Galvão de Albuquerque Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Administração

4 ERNANI MENDES BOTELHO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA Tese apresentada ao Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo como requisito para a obtenção do título de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Dr. Alberto Borges Matias SÃO PAULO 2006

5 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Seção de Processamento Técnico do SBD/FEA/USP Botelho, Ernani Mendes Custeio baseado em atividades ABC : uma aplicação em uma organização hospitalar universitária / Ernani Mendes Botelho. -- São Paulo, p. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, 2006 Bibliografia. 1. Custeio baseado em atividades 2. Hospitais 3. Hospitais universitários 4. Hospitais Custos I. Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade II. Título. CDD

6 ii Aos meus pais Adilson e Hilda, pelo amor e espírito de luta que sempre transmitiram. À minha esposa Aurenice, aos meus filhos André Gustavo e Ana Clara, pelo incentivo, carinho e paciência.

7 iii Primeiro quero agradecer a Deus, por ter permitido vencer mais este desafio. Ao Prof. Dr. Alberto Borges Matias, pelas inestimáveis contribuições, conselhos amigos, confiança a mim dedicada, meu reconhecimento, estima e consideração. Aos professores do curso que muito contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho. A Patrícia Carvalho pela contribuição na revisão metodológica e de língua portuguesa, de muita competência e eficiência. Ao Hospital Universitário Clemente de Faria, especialmente à Diretora Administrativa Joelina da Conceição Alves de Almeida; Lucinéia Lopes Bahia Ribeiro e Almir Lopes da Silva pelo apoio. Agradeço à Universidade Estadual de Montes Claros, pela oportunidade e apoio, especialmente ao Reitor Prof. Paulo César Gonçalves de Almeida e ao Pró-Reitor de Planejamento, Gestão e Finanças, Prof. Wilson Atair Ramos. Ao Departamento de Ciências Contábeis, especialmente ao Prof. Dr. Carlos Renato Theóphilo por sua grande contribuição. Aos Professores Dr. Roberto Vatan dos Santos pelo apoio no projeto e Dr. Antônio Artur de Souza que têm contribuído desde o mestrado. Ao pessoal da Secretaria de Pós-Graduação da FEA-RP, que sempre teve boa disposição para me ajudar, especialmente Érika e Eduardo Agradeço aos meus pais, meus irmãos, minha esposa e meus filhinhos. A todos que me ajudaram, direta ou indiretamente, com o desenvolvimento desta tese, meus sinceros agradecimentos.

8 iv RESUMO O desenvolvimento do Sistema ABC (Activity-Based Costing/Sistema de Custeio Baseado em Atividades) e sua aplicação em organizações industriais apresentou-se como uma importante ferramenta no processo de gerenciamento das organizações. A viabilidade deste sistema em organizações industriais e a carência de um sistema que apoiasse o processo de gerenciamento em organizações hospitalares despertaram, na área acadêmica, o desenvolvimento de trabalhos científicos que objetivam discutir a viabilidade da aplicação deste sistema também nas organizações hospitalares. A pesquisa bibliográfica deste trabalho demonstrou a existência de muitos trabalhos acadêmicos abordando a aplicação deste sistema em organizações hospitalares, sendo, no entanto, que todos estes abordam a aplicação em setores isolados. Visando ampliar a discussão a respeito deste tema, procurando discutir como seria a aplicação do mesmo sistema em uma organização hospitalar como um todo, este trabalho teve como objetivo geral delinear um modelo a partir da identificação e integração de dados, baseado na concepção do sistema ABC, que seja aplicável às organizações hospitalares. Para atingir este objetivo, foi aplicado um estudo empírico no Hospital Universitário Clemente de Faria em todos os seus setores e clínicas. Os resultados revelaram que o Sistema ABC pode ser aplicado em qualquer tipo de organização hospitalar, seja esta pública, privada ou filantrópica, devendo-se apenas realizar algumas adaptações conforme as características de cada organização.

9 334 Quadro A34 - Direcionadores de recursos do pronto atendimento Recursos Direcionadores de Recursos Pessoal Tempo em Minutos Material de Expediente Estimativa Gerencial Energia Elétrica KWh Telefone Estimativa gerencial Água e Esgoto Litros Recursos Recebidos de Outros Setores Número de Funcionários Tabela A271 - Recurso financeiro consumido por atividade Recurso Direcionador % Recurso Recurso Atividades Financeiro de Recurso Consumido Financeiro Pessoal Tempo em 22,97% ,79 Realizar triagem Minutos 74,05% ,79 Realizar consulta 2,98% 2.107,64 Gerenciar setor Material de Alocação 100% 578,14 Gerenciar setor Expediente Direta Material médico Alocação 100% 2.835,94 Realizar consulta gases medicinais Direta Telefone Alocação direta 100% 86,94 Gerenciar setor Energia Elétrica Alocação direta 100% 96,31 Realizar consulta Recurso Recebido Tempo em 22,97% 3.801,34 Realizar triagem de Outros Setores Minutos 74,05% ,65 Realizar consulta Funcionários 2,98% 493,17 Gerenciar setor Tabela A272 - Custo de realizar triagem Recursos Direcionador de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos ,79 Recursos de Outros Setores funcionários Número de Funcionários 3.801,34 Custo Total da Atividade ,13 Tabela A273 - Custo de realizar consulta ambulatorial Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos ,79 Material médico gases medicinais Alocação direta 2.835,94 Energia elétrica Alocação direta 96,31 Recursos recebido de outros setores Tempo em Minutos ,65 Total ,69 Tabela A274 - Custo de gerenciar setor Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 2.107,64 Material de Expediente Alocação Direta 578,14 Telefone Alocação Direta 86,94 Recursos recebidos de outros setores Tempo em minutos 493,17 Total 3.265,89

10 335 Tabela A275 - Recursos financeiros da Pediatria Recursos Valor R$ Pessoal ,15 Material de Expediente 232,30 Energia Elétrica 56,79 Telefone 33,49 Água e Esgoto 15,70 Serviço de terceiros 4.469,39 Recursos Recebidos de Outros Setores ,35 Almoxarifado R$ 6,35 Conservação R$ 1.268,48 Diluição R$ 377,70 Diretoria R$ 986,38 Manutenção R$ 1.008,69 Pessoal R$ 165,77 SND - Funcionários R$ 1.304,54 Lavanderia R$ 4.202,47 CME R$ 2.228,89 Farmácia R$ 2.196,45 Faturamento R$ 818,29 Recepção R$ 7.068,14 SAME R$ 1.723,86 SCIH R$ 538,30 Agência Transfusional R$ 1.477,35 Ambulatório R$ 0,00 Bloco Cirúrgico R$ ,91 Bloco Obstétrico R$ 0,00 Endoscopia R$ 0,00 Eletrocardiograma R$ 237,30 Laboratório de Análise Clínica R$ 3.165,93 Laboratório de Patologia R$ 0,00 Radiologia R$ 2.522,36 GANP R$ 716,40 SND Pacientes R$ ,58 Supervisão de Enfermagem R$ 1.021,44 Ultra-som R$ 415,17 Total ,18 Quadro A35 - Direcionadores de recursos da clínica pediátrica Recursos Pessoal Material de Expediente Energia Elétrica Telefone Água e Esgoto Recursos Recebidos de Outros Setores Direcionadores de Recursos Tempo em Minutos Estimativa Gerencial KWh Estimativa gerencial Litros Número de Funcionários

11 336 Tabela A276 - Recurso financeiro consumido por atividade Recurso Financeiro Direcionador de % Recurso Recurso Atividades Recurso Consumido Financeiro Pessoal Tempo em Minutos 11, ,96 Realizar anamnese 4,55 727,85 Admitir paciente clínica 52, ,32 Realizar cuidados de enfermagem 14, ,89 Realizar medicação 1,76 281,39 Realizar alta hospitalar 15, ,75 Gerenciar setor Material de Alocação Direta 100% 232,30 Gerenciar setor Expediente Energia Elétrica Alocação Direta 100% 56,79 Cuidados de enfermagem Telefone Alocação direta 100% 33,49 Gerenciar setor Serviço de terceiro Alocação Direta 100% 4.469,39 Realizar cuidados médicos Água e Esgoto Alocação direta 100% 15,70 Cuidados de enfermagem Recursos recebidos - pacientes Recurso Recebido de Outros Setores Funcionários Estimativa Gerencial Tempo em Minutos 3, ,15 Gerenciar setor 8, ,14 Admitir paciente 47, ,91 Realizar Cirurgia 40, ,24 Cuidados de enfermagem 11,48 587,53 Realizar anamnese 4,55 232,86 Admitir paciente clínica 52, ,81 Realizar cuidados de enfermagem 14,68 751,30 Realizar medicação 1,76 90,10 Realizar alta hospitalar 15,11 773,31 Gerenciar setor Obs: os recursos de pessoal referem-se a: almoxarifado, diluição, conservação, diretoria, manutenção, pessoal, SND. Os recursos recebidos de outros setores para paciente são: lavanderia, CME, farmácia, faturamento, recepção, SAME, SCIH, agência transfusional, ambulatório, bloco cirúrgico, endoscopia, eletrocardiograma, laboratório análise clínica, laboratório de patologia, radiologia, GANP, supervisão de enfermagem, ultra-som. Tabela A277 - Custo de realizar anamnese Recursos Direcionador de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 1.831,96 Recursos de Outros Setores Tempo em Minutos 587,53 Custo Total da Atividade 2.419,49 Tabela A278 Custo de admitir paciente Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 4.325,77 Recursos recebidos de outros setores pacientes Estimativa Gerencial 7.068,14 Recursos recebidos de outros setores funcionários Tempo em Minutos 232,86 Total ,77 Tabela A279 - Custo de realizar cuidados de enfermagem Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 8.370,32 Energia Elétrica Alocação Direta 56,79 Água e Esgoto Estimativa Gerencial 15,70 Recursos recebidos de outros setores pacientes Estimativa Gerencial ,24 Recursos recebidos de outros setores funcionários Tempo em Minutos 2.682,81 Total ,86

12 337 Tabela A280 - Custo realizar de realizar medicação Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 2.344,89 Recursos recebidos de outros setores Número de Funcionários 751,30 Total 3.096,19 Tabela A281 - Custo de realizar alta hospitalar Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 281,39 Recursos recebidos de outros setores Número de Funcionários 90,10 Total 371,49 Tabela A282 - Custo de gerenciar setor Recursos Direcionadores de Recursos Valor R$ Pessoal Tempo em Minutos 2.413,75 Material de expediente Alocação direta 232,30 Telefone Alocação direta 33,49 Recursos recebidos de outros setores Paciente Alocação direta 2.542,15 Recursos Recebidos de outros setores Tempo em Minutos 773,31 Total 5.995,00

13 338 APÊNDICE B PROTOCOLO DE PESQUISA 1. VISÃO GERAL DO PROJETO DE ESTUDO DE CASO 1.1. Título: Custeio Baseado em Atividades ABC: uma Aplicação em uma Organização Hospitalar Universitária Objetivo do estudo: delinear um modelo a partir da identificação e integração de dado, baseado na concepção do sistema ABC, que seja aplicável às organizações hospitalares Questão de pesquisa: quais os tipos de dados e como devem ser integrados ao modelo de estrutura de custo baseado no sistema ABC e aplicados aos setores para que este modelo possa ser utilizado em uma organização hospitalar universitária? 2. PROCEDIMENTO DE CAMPO 2.1 Aspectos metodológicos: aplicação do método de estudo de caso. 2.2 Organização estudada: Hospital Universitário Clemente de Faria. Localizado em Montes Claros MG 2.3 Unidade de análise: todos os setores do hospital 2.4 Fonte de evidência: entrevista e observações. 2.5 Executores da pesquisa: Pesquisador: Ernani Mendes Botelho Orientador: Prof. Dr. Alberto Borges Matias 3. QUESTÕES DO ROTEIRO DE ENTREVISTA 3.1 Setores Administrativos 1) Quais as atividades desenvolvidas no setor?

14 339 2) Quem são os responsáveis pela execução das atividades? 3) Quanto tempo demora a execução de cada atividade? 4) Qual o fluxo da execução das atividades? 5) Quais os recursos necessários para a execução das atividades? 3.2 Setores de Apóio 1) Quais as atividades desenvolvidas no setor 2) Quanto tempo demora a execução de cada atividade? 3) Quem são os seus clientes? 4) Quem são os fornecedores 3.3 Clínicas 1) Quais as atividades desenvolvidas no setor? 2) Qual é o fluxo dos pacientes, desde a recepção até a enfermaria? 3) Quais os medicamentos mais utilizados nos procedimentos da clínica? 4) Como são solicitados os exames complementares? 5) Qual o período médio de permanência para os pacientes da clínica? 4. PESQUISA DOCUMENTAL 4.1 Prontuário de paciente Nos prontuários dos pacientes foi verificado principalmente o medicamento utilizado durante o tratamento; período de permanência; quais os exames solicitados pelos médicos. 4.2 Relatórios diversos Foi verificado junto aos cadernos de controle do CTI; Bloco Cirúrgico e Obstétricos dados como: quais as cirurgias executadas, tempo de duração, tipo de anestesia, medicamentos e materiais médico-hospitalar. 5 ANÁLISE DOS DADOS Aplicação da triangulação, visando confrontar os dados coletados por intermédio da pesquisa documental, entrevistas e observações não-participativas.

15 340 6 CONCLUSÃO Propor a implantação do sistema ABC para organizações hospitalares; Sugestões para melhorar a aplicação do sistema ABC em organizações hospitalares

MARKETING VERDE E A PROPAGANDA ECOLÓGICA UMA ANÁLISE DA ESTRUTURA DA COMUNICAÇÃO EM ANÚNCIOS IMPRESSOS.

MARKETING VERDE E A PROPAGANDA ECOLÓGICA UMA ANÁLISE DA ESTRUTURA DA COMUNICAÇÃO EM ANÚNCIOS IMPRESSOS. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MARKETING VERDE E A PROPAGANDA ECOLÓGICA UMA ANÁLISE

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o uso da informação de custos como ferramenta gerencial da transparência do gasto público

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o uso da informação de custos como ferramenta gerencial da transparência do gasto público

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS - HRAC

LISTA TELEFÔNICA DO HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS - HRAC Departamento LISTA TELEFÔNICA DO HOSPITAL DE REABILITAÇÃO DE ANOMALIAS CRANIOFACIAIS - HRAC Ramal Agendamento Hosp. - Caso Novo Cartão Sus Interno 8131 Agendamento Hosp. - Chefia Célia 8092 Agendamento

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais PREMIO CHICO RIBEIRO SOBRE INFORMAÇÃO DE CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR Público O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO JOBSON AUGUSTO DE MELO COUTINHO O SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA

DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA SOB GESTÃO TERCEIRIZADA 1. Hospital Regional Castro Alves Castro Alves-4ª DIRES (S.A. de Jesus) O HRCA está programado para compor a rede assistencial

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC

FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC FACULDADES INTEGRADAS DA UNIÃO EDUCACIONAL DO PLANALTO CENTRAL FACIPLAC TERCEIRIZAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL UM ESTUDO DE CASO NA AGÊNCIA DO GAMA-DF DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL DENIVALDO MARTINS

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013 30/06/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE CLÍNICA

APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISE CLÍNICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTEIO ABC EM UM LABORATÓRIO

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA

ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA 1 3 GESTÃO POR PROCESSOS E INDICADORES DE DESEMPENHO FORNECE DOR AULA ADAPTADA DO CURSO DE GESTÃO DA QUALIDADE DA GESTÃO CONSULTORIA PROFESSOR CLÁUDIO MEDEIROS INSUMOS Conjunto de recursos e atividades

Leia mais

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto A construção do Hospital Municipal Profº Drº Alípio Corrêa Netto foi uma reivindicação do movimento popular junto à Secretaria de Higiene e Saúde desde 1982.

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de maio e junho/2015

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de maio e junho/2015 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de maio e junho/2015 Considerações Em maio e junho de 2015, a Ouvidoria da UNISC recebeu 102 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 59%

Leia mais

Atuário e Estatística

Atuário e Estatística Série Qual é a sua profissão? Atuário e Estatística Objetivos 1. Apresentar algumas características de duas profissões; 2. Mostrar a presença da matemática nas profissões; 3. Incentivar o estudo para a

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO. 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Nos últimos anos, a indústria hospitalar no Brasil tem revelado expressivo crescimento. Dados do IBGE indicam que, em 1976, havia 13.133 estabelecimentos de saúde espalhados

Leia mais

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA

Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA ANEXO DO EDITAL Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA Outubro - 2012 Anexo III MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS DE REFERÊNCIA INTRODUÇÃO O presente ANEXO tem como

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS OUT/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS OUT/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS OUT/2013 31/10/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MARKETING DE SERVIÇOS: A PRÁTICA DE SEGMENTAÇÃO, DIFERENCIAÇÃO E POSICIONAMENTO DE AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO DE SANTA CATARINA.

ESTRATÉGIAS DE MARKETING DE SERVIÇOS: A PRÁTICA DE SEGMENTAÇÃO, DIFERENCIAÇÃO E POSICIONAMENTO DE AGÊNCIAS DE COMUNICAÇÃO DE SANTA CATARINA. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO TESE DE DOUTORADO ESTRATÉGIAS DE MARKETING DE SERVIÇOS:

Leia mais

MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA MANUAL HOSPITALAR DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Ernesto Fernando Ferreyra Ramírez Elizabeth Crestani Caldas Paulo Rodrigues dos Santos Júnior LondrinaPR 03/04/02 ORELHA DIANTEIRA DO LIVRO Este manual foi desenvolvido

Leia mais

ANA CLÁUDIA FINGER O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ NO DIREITO ADMINISTRATIVO

ANA CLÁUDIA FINGER O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ NO DIREITO ADMINISTRATIVO ANA CLÁUDIA FINGER O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ NO DIREITO ADMINISTRATIVO Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de mestre em Direito do Estado, Curso de Pós- Graduação em Direito,

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística

Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística Luis Cláudio Bernardo Moura Avaliação do Impacto do Sistema de Rastreamento de Veículos na Logística Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES

CAPÍTULO I DO ÓRGÃO E SUA FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL VETERINÁRIO [adaptação à Resolução 11/98 do Conselho Universitário, de 3 de dezembro de 1998] (Aprovado em reunião da Congregação em 15-04-99 e reformulado em 27-10-2000 atendendo

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de julho e agosto/2011 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de julho e agosto/2011 Considerações Em julho e agosto de 2011, a Ouvidoria da UNISC recebeu 96 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 73%

Leia mais

Acupuntura AMN 3º andar

Acupuntura AMN 3º andar Relação de Setores e Serviços Setor / Serviço Unidade Localização Acupuntura 3º andar Aleitamento Materno CPPHO 1º andar Alergia 1º pav., ala 2 Alergo Imunologia Pediátrica CPPHO Térreo Almoxarifado 1º

Leia mais

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas

Humberto Gonçalves de Carvalho. Manual do. Empreendedor. Guia prático. Conceitos, ideias e dicas Humberto Gonçalves de Carvalho Manual do Empreendedor Guia prático Conceitos, ideias e dicas Rio de Janeiro 2011 Copyright Editora Ferreira Ltda., 2011 1. ed. 2011 Capa Theo Guedes Diagramação Theo Guedes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE 18 e 19 de marco de 2011 Recife/PE Case da Unidade de Diálise da Santa Casa de Belo Horizonte NEFROMG Raquel Mendes Administradora Marco /

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos

Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Daniel Catunda Marreco Um Processo Controlável de Desenvolvimento de Software Focado na Gestão da Qualidade em Pequenos Projetos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

1 Shirleyanne Brasileiro Araújo de Lima

1 Shirleyanne Brasileiro Araújo de Lima MENSURAÇÃO DOS CUSTOS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO CDI - CENTRO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM: ESTUDO DE CASO NO HOSPITAL DE TRAUMA DE CAMPINA GRANDE - PB Autores: 1 Shirleyanne Brasileiro Araújo de Lima

Leia mais

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO Dr. Antonio Carlos Forte SANTA CASA DE SÃO PAULO Complexo hospitalar formado por dez unidades de assistência a

Leia mais

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso

Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Rafael Paradella Freitas Controle de estoque de peças de reposição: revisão da literatura e um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt

Sustentabilidade em saúde. Dr. Reynaldo A. Brandt Sustentabilidade em saúde Dr. Reynaldo A. Brandt Definição Sustentabilidade é prover o melhor para as pessoas e para o ambiente tanto agora como para um futuro indefinido. É suprir as necessidades da geração

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

Organograma Complexo HUPES

Organograma Complexo HUPES Organograma Complexo HUPES Organograma Geral Conselho Gestor Diretor Geral - Presidente; Vice-Diretor; Representante da Reitoria; Diretor de Unidades de ensino da área de Saúde da UFBA ; Diretor Adjunto

Leia mais

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários

Estimados Professores, Estudantes e Funcionários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal Nº 77.496 DE 27.4.1976 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19.12.86 Recredenciada pelo Decreto Estadual 9.271, de

Leia mais

AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA

AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA 1- Definição A Capelania Espírita é a prestação de apoio religioso espírita, oferecido a pacientes internados em hospitais e/ou a seus familiares,

Leia mais

UniRV - Universidade de Rio Verde Departamentos

UniRV - Universidade de Rio Verde Departamentos UniRV - Universidade de Rio Verde Departamentos Ramal Telefonista (64) 3611-2200 Telefonista (64) 3611-2284 Telefonista - FAX (64) 3611-2201 Campus UniRV Caiapônia (64) 3663-1892 Extensão UniRV Cristalina

Leia mais

Boletim de Serviço. Nº 06, 05 de janeiro de 2015. Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes

Boletim de Serviço. Nº 06, 05 de janeiro de 2015. Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes Boletim de Serviço Nº 06, 05 de janeiro de 2015 Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTÔNIO MORAES Av. Marechal

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO REPRESENTAÇÕES E EXPERIÊNCIAS DE UMA COMUNIDADE RURAL E ESCOLAR SOBRE O AMBIENTE, POUSO ALTO

Leia mais

Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Eugénia Andrade Lopes A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO ISE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Praia, Outubro 2007 A COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PARA A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NA BAHIA: ANÁLISE QUALITATIVA

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Roberta de Souza Chun Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DIRETORIA

APRESENTAÇÃO DIRETORIA APRESENTAÇÃO Com mais de 50 anos de dedicação á SAÚDE, o Hospital São Marcos se tornou referência no assunto. Aliamos a vanguarda tecnológica com a tradição do maior e melhor corpo de profissionais do

Leia mais

XIII CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANIPULAÇÃO FARMACÊUTICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

XIII CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANIPULAÇÃO FARMACÊUTICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO XIII CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANIPULAÇÃO FARMACÊUTICA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 2010-2011 A manipulação farmacêutica tem crescido muito

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

Projeto Saúde On-line

Projeto Saúde On-line Projeto Saúde On-line Sistemas de computadorizados de registro médico e tecnologia de informação em saúde. INTRODUÇÃO: Visando organizar o acesso aos serviços, agilizar processo, impactar na qualidade

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de projetos prof.

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço

Gerenciamento de Custos. Profª Karina Gomes Lourenço Gerenciamento de Custos Profª Karina Gomes Lourenço A EXPANSÃO DOS GASTOS NA SAÚDE (Nível Macroeconômico) Aumento da Demanda Incorporação de direitos universais de cobertura Mudanças na estrutura etária

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino A experiência do NHE do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Curitiba, 16 de abril de 2015 Hospital das Clínicas

Leia mais

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM

I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM 2012 I CURSO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR EM BETIM REALIZAÇÃO: e Secretaria Municipal de Saúde de Betim Local: Auditório do Hospital Público Regional de Betim, Avenida Mattos Lazzarotti, 3800 Ingá Betim MG.

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO. Redação Tele jornalística 01 80,00. Gráfica 01 20,00

DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO. Redação Tele jornalística 01 80,00. Gráfica 01 20,00 DISCRIMINAÇÃO DO PRÉDIO I QUANTIDADE ÁREA (m 2 ) SUBSOLO Redação Tele jornalística 01 80,00 Gráfica 01 20,00 Estúdio Pedagógico de Áudio Visual 01 140,00 Laboratório de Rádio: Estúdio de Radio 01 24,00

Leia mais

DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO

DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO DIREITO E PROCESSO: A LEGITIMIDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO ATRAVÉS DO PROCESSO ROSEMARY CIPRIANO DA SILVA Mestra em Direito Público pela FUMEC Professora substituta do Curso de Graduação em Direito

Leia mais

APÊNDICE A FICHA DE ACOMPANHAMENTO DO TCC

APÊNDICE A FICHA DE ACOMPANHAMENTO DO TCC APÊNDICE A FICHA DE ACOMPANHAMENTO DO TCC MÉDIA PARCIAL: ( ) M1 ( ) M2 ( ) M3 ACADÊMICO: CÓDIGO DE MATRÍCULA: PROF. ORIENTADOR: Nº ENC. DATA DA ORIENTAÇÃO INÍCIO HORÁRIO ASSUNTOS ABORDADOS DURANTE AS REALIZOU

Leia mais

Para utilização dos recursos, você deverá ter sempre em mãos o cartão de seu plano, RG e guia.

Para utilização dos recursos, você deverá ter sempre em mãos o cartão de seu plano, RG e guia. Introdução Parabéns pelo seu Plano de Saúde! Com o Plano São Francisco Saúde - Castilho, você possui uma série de recursos e serviços com o melhor atendimento e estrutura médica. Este manual irá orientá-lo

Leia mais

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 1 Introdução Entende-se que a Proposta Técnica e Econômica é a demonstração do conjunto dos elementos necessários

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Porto Alegre, março de 2009. 1. O Programa O Programa de Pós-Graduação em Patologia (PPG-Patol) foi criado com o objetivo de formar pessoal

Leia mais

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência Irene Minikovski Hahn novas tecnologias remuneração pela doença transição demográfica falta de incentivo para avaliação de qualidade

Leia mais

PROJETO DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ENDOCRINOLOGIA CEDEBA - CENTRO DE REFERENCIA ESTADUAL PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES E ENDOCRINOLOGIA.

PROJETO DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ENDOCRINOLOGIA CEDEBA - CENTRO DE REFERENCIA ESTADUAL PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES E ENDOCRINOLOGIA. PROJETO DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM ENDOCRINOLOGIA CEDEBA - CENTRO DE REFERENCIA ESTADUAL PARA ASSISTÊNCIA AO DIABETES E ENDOCRINOLOGIA. Salvador, julho de 2010 Governador do Estado da Bahia Jacques Wagner

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Neste estudo apresenta-se uma breve análise de como era a Santa Casa de Caridade de Bagé desde a sua fundação em 1883 até a atualidade.

Neste estudo apresenta-se uma breve análise de como era a Santa Casa de Caridade de Bagé desde a sua fundação em 1883 até a atualidade. Neste estudo apresenta-se uma breve análise de como era a Santa Casa de Caridade de Bagé desde a sua fundação em 1883 até a atualidade. Neste sentido, os estudos bibliográficos que compõem o referencial

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED I. DO ATENDIMENTO O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido

Leia mais

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Maria Fátima da Conceição - FEHOSP. 2 INTRODUÇÃO Os hospitais são organizações complexas

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE JUSSARA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ANA PAULA ALVES MACHADO DE LIMA A HISTÓRIA DA CRIPTOGRAFIA E A APLICAÇÃO DE TEORIA DOS NÚMEROS EM CRIPTOGRAFIA

Leia mais