O PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DE INOVAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS EM UM MEIO AUTOCOMPOSITIVO (André Gomma de Azevedo)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DE INOVAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS EM UM MEIO AUTOCOMPOSITIVO (André Gomma de Azevedo)"

Transcrição

1 O PROCESSO DE NEGOCIAÇÃO: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DE INOVAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS EM UM MEIO AUTOCOMPOSITIVO (André Gomma de Azevedo) André Gomma de Azevedo Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília Mestre em Direito pela Universidade de Columbia em Nova Iorque ÍNDICE I. Introdução. II. Negociação: Conceito. III. Tipos de Negociação. IV. Técnicas de Negociação. V. Conclusão. VI. Bibliografia. I. Introdução A palavra paradigma transformou-se em um vocábulo freqüentemente utilizado no meio acadêmico em razão do livro de Thomas Kuhn chamado A Estrutura das Revoluções Científicas 1. Um paradigma, segundo Kuhn, é um conjunto de suposições sobre a realidade um modelo ou padrão aceito que explica a realidade, ou como esta é por nós percebida, de maneira mais completa do que qualquer outro conjunto de suposições. Segundo esse trabalho de Kuhn, cada paradigma tem seu próprio conjunto de regras e ilumina ou esclarece um específico conjunto de fatos. Nesse contexto, um paradigma é adotado por uma comunidade científica na medida em que ele explica um dado conjunto de fenômenos e resolve problemas que esse grupo de indivíduos gostaria de solucionar. Todavia, na medida em que um novo fenômeno começa a se mostrar incompatível com o paradigma originário e passa a projetar uma imagem em desarmonia com o sistema, inicia-se um momento de questionamento desse paradigma. Em decorrência desse fenômeno em desarmonia (e de seus reflexos em outros fenômenos) articula-se um novo paradigma para que todos os fenômenos, especialmente aqueles em desarmonia, possam ser explicados por um novo conjunto de suposições um novo paradigma. Aplicando-se esse conceito de Kuhn ao contexto jurídico-processual, pode-se afirmar que a moderna doutrina processual tende a criticar o antigo modelo metodológico que propugnava um sistema puramente técnico da ordem jurídica processual e passou-se a perseguir o chamado aspecto ético do processo a sua conotação deontológica 2. Assim, na medida em que o próprio sistema processual afastase desse antigo paradigma e propõe novos conjuntos de suposições sobre a realidade ou modelos processuais informados por uma visão instrumental orientada por escopos 1 KUHN, Thomas, The Structure of Scientific Revolutions, Ed. University of Chicago Press, Chicago, 3a. Edição, BAGOLINI, Luigi, Visioni della giustizia e senso cumune, Ed. Giappichelli, 2 a. ed. Turim, 1972 apud DINAMARCO, Cândido Rangel, A Instrumentalidade do Processo, Ed. Malheiros, 8 a. Edição, São Paulo, 2000, p. 22.

2 2 sociais, políticos e jurídicos, mostra-se patente a necessidade de adequação de operadores do sistema processual (ontologicamente, um paradigma) para possibilitar suas efetivas inserções no novo modelo. Cria-se, portanto, nova estrutura que busca afastar os fenômenos em desarmonia do sistema processual e capacitam-se os operadores dentro desse novo modelo. Cumpre esclarecer que a desarmonia desses fenômenos foi realçada, no dizer de Mauro Cappelletti e Bryant Garth, por intermédio de inquietações de muitos juristas, sociólogos, antropólogos, economistas, cientistas políticos, e psicólogos 3 entre outros que conclamam alterações no sistema para se prover o acesso à Justiça, definido por esses autores como uma expressão para se que sejam determinadas duas finalidades básicas do sistema jurídico o sistema pelo qual as pessoas podem reivindicar seus direitos e/ou resolver seus litígios sob os auspícios do Estado 4. Buscaram-se então novos (e eficientes) mecanismos de resolução de litígios, o que dentro do contexto evolutivo dos sistemas processuais até então existentes deveriam ser desenvolvidos exclusivamente pelo Estado e não sob os auspícios do Estado. Cabe mencionar que na evolução do Direito Público nos países de orientação romano-germânica e principalmente do desenvolvimento de seus sistemas processuais houve um fortalecimento do Estado na sua função de pacificação de conflitos a ponto de praticamente se excluir o cidadão, desacompanhado do auxílio de instrumentos estatais, do processo de resolução de suas próprias controvérsias 5. Essa quase absoluta exclusividade estatal 6 do exercício de pacificação social, por um lado, freqüentemente mostra-se necessária na medida em que a autotutela pode prejudicar o desenvolvimento social (e.g. crime de exercício arbitrário das próprias razões art. 345 do Código Penal). Por outro lado, a própria autocomposição, que pode ser um meio muito eficiente de composição de controvérsias, não vem sendo especialmente estimulada pelo Estado. A negociação, como seu conjunto de técnicas e princípios, é praticamente desconhecida no Brasil, em especial quando se trata de conflitos que versam sobre interesses públicos. Em razão de um lento desenvolvimento doutrinário, dirigido por juristas como Ada Pellegrini Grinover, Antônio Carlos de Araújo Cintra, Cândido Rangel Dinamarco, Sálvio de Figueiredo Teixeira, Kazuo Watanabe, dentre muito outros autores, tem se conduzido a cultura jurídico-processual Brasileira a novas modalidades de soluções não-jurisdicionais de conflitos, tratadas como meios alternativos de resolução de controvérsias. Segundo Ada Pellegrini Grinover, vai ganhando corpo a consciência de que, se o que importa é pacificar, torna-se irrelevante que a pacificação venha por obra do Estado ou por outros meios, desde que eficientes 7. Pode-se mencionar que a recente busca da negociação como meio de composição de controvérsias é decorrente, principalmente, de dois fatores básicos do desenvolvimento da cultura jurídico-processual brasileira: (i) de um lado cresce a percepção de que o Estado tem falhado na sua missão pacificadora em razão de fatores como, dentre outros, a sobrecarga dos tribunais, as elevadas despesas com os litígios e o excessivo formalismo processual 8 ; (ii) por outro lado, tem se aceitado o fato de que escopo social mais elevado das atividades jurídicas do Estado é eliminar conflitos 3 CAPPELLETTI, Mauro e GARTH Bryant, Acesso à Justiça, Ed. Sérgio Antonio Fabris, Porto Alegre 1988 p CAPPELLETTI, Mauro e GARTH Bryant, ob. cit. p GRINOVER, Ada Pellegrini et. alii, Teoria Geral do Processo, Ed. Malheiros 9 a. Edição, São Paulo, GRINOVER, Ada Pellegrini et. alii, ob. cit, p GRINOVER, Ada Pellegrini et. alii, ob. cit, p CAPPELLETTI, Mauro e GARTH Bryant, ob. cit. p. 83.

3 3 mediante critérios justos 9, e, ao mesmo tempo, apregoa-se uma tendência quanto aos escopos do processo e do exercício da jurisdição que é o abandono de fórmulas exclusivamente jurídicas 10. Ao se desenvolver esse conceito de abandono de fórmulas exclusivamente jurídicas, de fato, o que se propõe é a implementação no nosso ordenamento jurídico-processual de mecanismos paraprocessuais ou metaprocessuais que efetivamente complementem o sistema instrumental visando o melhor atingimento de seus escopos fundamentais ou, até mesmo, que atinjam metas não pretendidas no processo judicial. Dentre esses chamados métodos alternativos de resolução de controvérsias nos compete um exame acerca da negociação e suas técnicas ou habilidades. Nesse contexto, surge a necessidade de adequação do operador direito ao novo paradigma proposto nesse sistema processual. Mostra-se necessário o trabalho de um operador do direito que tenha as habilidades necessárias para efetivar esses processos autocompositivos. Criou-se a necessidade de promotores, procuradores e advogados que compreendam o modelo não adversarial e belicoso da negociação modelo esse em que uma proposta (ou exigência) apresentada de maneira agressiva pode significar o fim de um processo de negociação e no qual um diálogo cooperativo em que se ressaltam ganhos para ambas as partes pode efetivar o processo de per si. Assim, e.g., estando o membro do Ministério Público em desacordo com a atuação de certo administrador público no que concerne a gestão de hospital, pode-se afirmar ser fundamental ao correto (e, portanto, eficiente) desenvolvimento profissional que sejam estudadas e aplicadas técnicas de negociação antes da propositura de uma ação civil pública. Cumpre frisar que diferentemente do processo judicial, as habilidades ou técnicas desses meios autocompositivos são intrinsecamente ligadas ao processo. Assim, ao contrário do processo judicial em que o fato de um advogado não apresentar seu pedido com prudência (ou tato) não altera necessariamente o resultado do processo, na mediação e negociação uma proposta excessivamente agressiva ou ameaçadora pode simplesmente encerrar o processo sem que se chegue a um acordo. As habilidades (ou técnicas) em negociação são, por conseguinte, da essência do processo. O estudo da negociação como um processo (um conjunto de atos ordenados lógica e cronologicamente para a composição de uma controvérsia) tornou-se objeto de estudos acadêmicos cientificamente adequados apenas na segunda metade do século XX. Comenta-se que o seu marco inicial foi a obra do Professor da Universidade de Harvard, Howard Raiffa intitulada The Art and Science of Negotiation, na qual esse professor da Faculdade de Administração introduziu conceitos de estatística, economia e psicologia na análise desse processo de resolução de conflitos de interesses. II. Negociação: Conceito. A negociação, definida como comunicação feita com o propósito de persuasão 11, é tida como o mais preeminente modo de resolução de conflitos em razão de seu baixo custo operacional (ou custo processual) e sua celeridade. 9 DINAMARCO, Cândido Rangel, A Instrumentalidade do Processo, Ed. Malheiros, 8 a. Edição, São Paulo, 2000, p DINAMARCO, Cândido Rangel, Ob. cit. P GOLDBERG, Stephen et. alii., Dispute Resolution: Negotiation, Mediation and Other Processes, Ed.

4 4 Costuma-se afirmar que a negociação é utilizada em todos os relacionamentos sociais nos quais estamos inseridos. Todavia, em especial no que concerne à conduta profissional, espera-se do operador do direito que saiba se comunicar de maneira a evitar, quando possível, que instrumentos mais complexos e morosos sejam utilizados. Esses instrumentos (e.g. uma ação civil pública) devem ser adotados tão somente se essa comunicação não produzir efeitos. Assim, pode-se afirmar que se espera de um representante de um órgão público legitimado a propor uma ação civil pública que, existindo a possibilidade, efetivamente se disponha a negociar, mediante adoção de técnicas adequadas, visando eventual ajustamento de conduta. Nesse sentido, apenas após o esgotamento das possibilidades de se elaborar um termo de ajustamento de conduta é que deve ser proposta a ação civil pública na qual se buscará do poder judiciário a prestação jurisdicional cabível. Note-se que no nosso próprio ordenamento jurídico temos instrumentos de validação de negociações que asseguram o cumprimento do que foi acordado, como a transação (art do Código Civil) ou o ajustamento de conduta (art. 5 6º da Lei de Ação Civil Pública). De fato, pode-se afirmar que, verdadeiramente, a negociação deve integrar nosso sistema processual como uma primeira opção para a resolução de conflitos. Outro conceito que reafirma tal posição é a própria característica de substitutividade da jurisdição apresentada inicialmente por Chiovenda 12 : a jurisdição como poder estatal atribuído a uma determinada autoridade para aplicar a norma ao fato concreto visando a composição de lides em razão da inexistência dessa resolução de controvérsia ter sido alcançada espontaneamente pelas partes. Apesar de o ordenamento jurídico conter já há algum tempo alguns elementos que sugerem ou até recomendem o uso de métodos autocompositivos, o desenvolvimento de meios como negociação e mediação não foi estimulado em um plano epistemológico. De fato, o desenvolvimento de teoria sobre negociação desenvolveu-se (a partir de uma metodologia científica adequada) apenas nos últimos 30 anos. Atualmente há diversas obras que recomendam a adoção de várias técnicas de negociação visando a otimização do resultado final, em geral para ambas as partes. A seguir examinaremos alguns exemplos de recomendações estratégicas (ou técnicas de negociação) recomendadas para operadores do Direito. Naturalmente, essas técnicas não são necessariamente apropriadas a todos os tipos de negociação. O uso de cada uma delas depende de cada caso ou hipótese e também do comportamento que a outra parte vier a adotar no processo de negociação. Essa lista de técnicas é exemplificativa, buscando ressaltar que em situações apropriadas a adoção dessas recomendações estratégicas deverá proporcionar resultados mais vantajosos às partes. Cabe destacar, em razão da apresentação sumarizada dessas técnicas de negociação, que o breve exame dessa lista não dispensa a leitura da bibliografia básica em anexo. III. Tipos de negociação Howard Raiffa classificou a negociação em duas espécies: distributiva e integrativa 13. Na negociação distributiva um ponto, como dinheiro, está sob disputa e as Aspen Law & Business, 6a. Edição, 1992, p v. CHIOVENDA, Giuseppe, Instituições de Direito Processual Civil, Ed. Bookseller, 2a Edição, São Paulo, RAIFFA, Howard, The Art and Science of Negotiation, Ed. Harvard University Press, 12a. Edição, Boston, 1982.

5 5 partes têm interesses opostos em relação a esse ponto quanto mais uma pessoa receber menos a segunda obterá. Assim, na negociação inserida em um processo de separação judicial e a partilha dos bens do casal, quanto maior a fração do ex-marido, menor a fração da ex-esposa e vice-versa. Cada parte busca maximizar sua fração ou seu ganho na negociação, o que necessariamente produz um movimento visando a minimização da fração ou ganho da outra parte. Outro exemplo de negociação distributiva é aquela na qual uma empreiteira negocia o tempo em que entregará imóveis residenciais a consumidores quanto mais tempo a empreiteira pedir para finalizar o projeto, maior a espera dos consumidores (e possivelmente gastos com suas próprias locações). Entende-se por negociação integrativa aquela na qual existem diversos pontos distintos sobre os quais versam os debates. As partes não são necessariamente oponentes e não é mais absolutamente verdadeira a afirmativa de que quanto mais uma receber menos a outra obterá da negociação. Na negociação integrativa as partes podem cooperar para aumentar o valor total da operação a ser eventualmente dividido. Cite-se como exemplo a negociação de dois parceiros comerciais na qual o primeiro necessita receber para pagar os custos do produto a ser fornecido (e uma razoável margem de lucro) pelo menos R$ ,00. Por sua vez, a outra parte não pode lhe pagar tais valores imediatamente pois tem, atualmente, um capital de giro de tão somente R$ ,00. Contudo, essa segunda parte, poderá pagar o valor remanescente em um futuro próximo. Assim, os dois pontos sobre os quais as partes negociam (dinheiro e tempo), por integrarem a mesma negociação, permitem a composição da controvérsia. Ao mesmo tempo, se essa controvérsia fosse tratada pela negociação distributiva não teríamos uma solução (desconsiderando o fator tempo a primeira parte pede R$ ,00 enquanto a segunda só possui R$ ,00). IV. Técnicas de negociação Existem muitas técnicas diferentes de negociação, sugeridas por diversos doutrinadores diferentes. Pode-se afirmar, contudo, que dentre as diferentes correntes em teoria da negociação a que foi adotada pela maioria dos autores é aquela apresentada pelos professores Roger Fisher e William Ury no livro Como Chegar ao Sim: A Negociação de Acordos Sem Concessões 14. Esses professores sugerem que a tradicional maneira de se negociar, na qual cada um dos lados toma uma posição, defendendo-a e fazendo concessões para se alcançar uma solução, deve ser substituída por uma noção de negociação baseada em princípios fundamentais (ou méritos) em função dos quais objetivamente se alcançará um resultado mais satisfatório para ambas as partes em função do contentamento com o próprio processo de negociação. O exemplo clássico daquela tradicional corrente de negociação, também denominada de negociação de posições 15 (ou posicional) é o regateio que ocorre entre uma [cliente] e o proprietário de uma loja de artigos de segunda mão 16 ou em uma feira de antiguidades, onde a cliente apresenta inicialmente uma proposta (ou posição) esperando uma contraproposta do proprietário da loja para em seguida fazer nova proposta para, por esse processo dialético, chegar eventualmente a um valor intermediário aceitável para ambos. 14 FISHER, Roger et alii, Como chegar ao Sim: A Negociação de Acordos Sem Concessões, Ed. Imago, 2 a Edição, Rio de Janeiro, Fisher, Roger et alii, ob. cit., p Fisher, Roger et alii, ob. cit., p. 21.

6 6 Por outro lado, a proposta de uma negociação baseada em princípios ou méritos possui cinco técnicas fundamentais que a diferenciam da negociação de posições: 1. Sugere-se a separação de pessoas do problema. Segundo Fisher um dado básico sobre a negociação, fácil de esquecer nas transações empresariais e internacionais é que se está lidando não com representantes abstratos do outro lado mas sim com seres humanos que têm emoções, valores profundamente arraigados e diferentes perspectivas quanto a questões semelhantes. Essa faceta humana da negociação pode ser útil ou contra-producente dependendo da maneira com que os prepostos são tratados nesse processo. Naturalmente, deixar de lidar com os outros de modo sensível, como seres humanos propensos a reações humanas, pode ser desastroso para a negociação. Ao se separar pessoas de problemas sugere-se, e.g., que não mais se aborde a questão de um certo diretor de hospital que é relapso na administração da estrutura física do hospital o que produz resultados negativos no que concerne à higidez ambiental dessa instituição (nessa hipótese traçou-se que o problema é a pessoa do administrador do hospital) ao se adotar essa técnica, cumpre abordar na negociação tão somente a questão da higiene ambiental da instituição. Assim, segundo essa técnica, um negociador deve lidar com as pessoas com urbanidade e abordar o problema segundo seus méritos. 2. Deve-se concentrar nos interesses e não nas posições. A posição em uma negociação é definida como aquilo que é pedido pela parte o que a parte deseja. Por outro lado, os interesses são a razão do pedido da parte. A noção de se concentrar em interesses e não em posições permite que se desenvolvam opções que satisfaçam concomitantemente os interesses de ambas as partes produzindo maiores probabilidades de obtenção de um acordo satisfatório. Nesse sentido, e.g. um procurador, ao negociar a alteração de uma política interna de um dado hospital que se recusa a proceder com reformas estruturais no telhado do edifício, deve se concentrar nos interesses do administrador público (otimizar os exíguos recursos que recebe do SUS) e não na posição (a recusa em providenciar o conserto relativo ao dano no telhado do hospital que está comprometendo a higiene ambiental dessa instituição). Entendendo que há interesses comuns de ambas as partes (prestar o melhor serviço público de saúde possível com aqueles recursos) poderão as partes em conjunto procurar opções (distintas daquelas posições iniciais) que satisfarão os interesses principais das partes. 3. Deve-se desenvolver opções de ganho mútuo. A negociação como processo de resolução de controvérsias não é necessariamente adversarial ou competitiva como, e.g., um processo judicial contencioso. Em muitos casos, há a possibilidade de se desenvolver uma negociação integrativa (v. supra seção sobre Tipos de negociação) na qual por existirem diversos pontos distintos que são objetos dos debates, as partes devem cooperar (eventualmente concedendo um ponto que não tenham tanto interesse para obter outro que lhes seja

7 7 mais importante) para aumentar o valor total da operação que eventualmente será dividido. O exemplo clássico dessa técnica trata de duas crianças que estão tentando decidir com quem ficará com a única laranja da casa. Após algum tempo de frustração nas negociações elas decidem dividir a laranja ao meio. No exemplo, se as crianças tivessem consciência de que uma desejava a laranja para obter seu sumo para um refresco e a segunda gostaria apenas da casca para usar no preparo de uma receita de bolo poderiam ter otimizado os resultados da negociação. Assim, ao se concentrar em interesses e não em posições e ao mesmo tempo buscar opções de ganho mútuo, dividirse-ia a laranja em duas partes: a primeira somente com o conteúdo (a fruta) e a segundo com a casca. Nesse contexto atingir-se-iam integralmente os interesses das partes sem que qualquer uma tivesse que fazer concessões relevantes. 4. Deve-se utilizar critérios objetivos. Há algumas negociações, em especial aquelas tidas como distributivas (v. supra seção sobre Tipos de negociação) em que os interesses das partes não podem ser integralmente atendidos, ou em que as partes devem fazer concessões quanto a aspectos importantes para satisfazer seus interesses principais. Nesses casos, para reduzir o risco de uma negociação frustrada, Fisher e Ury sugerem que as partes busquem critérios objetivos para orientar o atingimento do acordo. Assim, ao invés de negociar o preço de um automóvel por intermédio de uma intuição axiológica (a percepção subjetiva da parte de quanto vale o automóvel), sugere-se que se utilize um critério externo e alheio a desvios subjetivos de percepção tal como a tabela de preços de veículos da Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (FIPE). Assim, se um vendedor pede um preço excessivamente acima do preço de mercado (auferido por intermédio da tabela da FIPE), o comprador poderá sugerir que se estabeleça o preço máximo de determinada tabela reduzido de um determinado valor em função de certas características do automóvel. Naturalmente, esse valor a ser reduzido eventualmente poderá ser objeto de um novo critério objetivo (e.g. há um arranhão na porta dianteira do veículo cuja pintura reparadora custaria R$ 250,00). Cabe mencionar que, mesmo no caso das partes não concordem com todos os itens de um padrão de valoração, a utilização de critérios objetivos geralmente reduz o espectro de pontos controvertidos na resolução de conflitos. 5. Conheça a melhor alternativa para um acordo negociado. A razão para se negociar com certa contraparte mostra-se presente na medida em que aquela pessoa detém algumas características que, quando comparadas a outras pessoas com quem poder-se-ia negociar, mostram-se mais vantajosas. Nesse sentido, quando se está inconsciente dos resultados que poderiam ser obtidos em negociações com outras pessoas, de fato, não há como assegurar que daquela transação poderá sair o melhor acordo para uma parte poderia ser melhor não fechar um acordo com certa contraparte para fechá-lo com outra em uma distinta negociação. Segundo essa técnica, seria desaconselhável adquirir um automóvel pelo qual um vizinho está pedindo R$ ,00, sem verificar qual o valor de mercado daquele veículo. Essa melhor alternativa para um acordo negociado (ou MAANA), é um critério em função do qual se negociará e se buscará otimizar o resultado de uma negociação. Cumpre ressaltar que o conceito de MAANA pode e deve ser utilizado também no momento de se buscar uma prestação jurisdicional alternativa a uma negociação levando-se em

8 8 consideração a morosidade de resposta da prestação jurisdicional, custo para a Administração Pública e possível ineficiência da ação civil pública para se instituírem políticas públicas deve-se buscar um ajustamento de conduta condizente com esse MAANA e não com um ideal absoluto de prestação de serviço público incompatível com nossa realidade econômico-social e alheio ao que os modernos constitucionalistas denominam de princípio da reserva do possível. Cumpre ressaltar que em um processo de negociação deve-se buscar saber também qual é a melhor alternativa para um acordo negociado da outra parte. No exemplo acima mencionado, saber qual a melhor oferta que o vizinho já recebeu. Conhecer o MAANA da outra parte pode significativamente afetar a valoração de uma oferta. Comenta-se que, ainda que seja oneroso descobrir a melhor alternativa para um acordo negociado da outra parte, deve-se ao menos buscar informações suficientes para poder estimar esse valor. Os conceitos apresentados pelos professores Roger Fisher e William Ury, em especial no que concerne à noção de negociação baseada em princípios, têm sido amplamente utilizados em recentes livros sobre negociação. Inicialmente, essa teoria foi fortemente criticada por apresentar uma perspectiva, segundo alguns críticos, muito inocente e, portanto, ineficaz quando posta em confronto com técnicas de negociação tidas como mais agressivas 17. Em resposta a esses posicionamentos o professor William Ury escreveu nova obra 18 endereçando, entre muitas, essas específicas questões. V. Conclusão A inserção do processo de negociação no desenvolvimento sistêmico do nosso ordenamento jurídico-processual está apenas em seus estágios iniciais. O grande desenvolvimento epistemológico-processual, ocorrido nas últimas três décadas do século XX, trouxe à tona preocupações como o acesso a justiça, a instrumentalidade do processo e o exame axiológico de escopos do sistema processual. No contexto dessas novas expectativas de atuação do Estado, tem-se pretendido incentivar métodos autocompositivos como a mediação e a negociação. A mudança de paradigmas decorrente dessa nova sistemática processual mostra-se claramente tendente à formação de um operador do direito, quando exercendo suas atividades profissionais nesses processos autocompositivos, menos belicoso e adversarial e mais propenso à utilização criativa dos instrumentos jurídicos existentes no ordenamento jurídico (e.g. ajustamento de conduta e transação) para uma atuação cooperativa enfocada na solução de controvérsias de maneiras mais eficientes. Criou-se a necessidade de um operador do direito que aborde questões como um solucionador de problemas ou um pacificador a pergunta a ser feita deixou de ser quem devo acionar e passou a ser como devo abordar essa questão para que os interesses que defendo sejam atingidos de modo mais eficiente. Cumpre frisar que não se afasta o processo judicial da função pública de composição de controvérsias por outro lado, se criam novos mecanismos paraprocessuais para o atingimento de escopos próprios. Na medida em que esse novo paradigma de exercício profissional se desenvolve, lentamente se criam novos princípios ou preceitos fundamentais que aderem ao sistema para lhe garantir 17 e.g. Meltsner e Schnag, Negotiation tactics for legal services lawyers, 7 Clearinghouse Review 259 (1973) e Nierenberg, Gerald, The Art of Negotiating, Ed. Barnes & Noble Books, Nova Iorque, URY, William L., Supere o Não: Negociando com Pessoas Difíceis, Ed. Best Sellers, 4 a. Edição, São Paulo, 1996.

9 9 efetividade (e.g. atualmente fala-se no princípio da eficiência processual, segundo o qual um operador do direito deve ponderar qual processo compositivo deve ser adotado para uma dada disputa visando a otimização do resultado e a redução de custos operacionais). Em razão desse novo paradigma de atuação profissional, desenvolveramse técnicas de negociação, algumas brevemente exemplificadas acima, que conduzem o profissional a uma efetiva atuação nesses novos métodos. Todavia, cabe ressaltar que a exemplificação dessas técnicas acima apresentadas não substitui a leitura das obras citadas. A menção a tais técnicas fez-se tão somente para realçar o momento epistemológico-evolutivo em que a teoria da negociação se encontra. VI. Bibliografia Bibliografia básica recomendada: FISHER, Roger E URY, William, Como Chegar Ao Sim. Rio de Janeiro, Ed. Imago, URY, William; Supere o Não: Negociando Com Pessoas Difíceis, Ed. Best Seller. Bibliografia complementar recomendada: MNOOKIN, Robert et al., Beyond Winning: Negotiating to Create Value in Deals and Disputes, Harvard University Press, LAX, David e SEBENIUS, James K., The Manager as a Negotiator: Bargaining for Cooperation and Competitive Gain, Ed. Free Press, Nova Iorque, ARROW, Kenneth et. alii, Barriers to Conflict Resolution; Ed. W. W. Norton & Company, BIRKE, Richard e FOX, Craig R, Psychological Principles in Negotiating Civil Settlements, Harvard Negotiation Law Review, Vol. 4:1, BRADENBURGER, Adam e NALEBUFF, Barry, Co-opetition, Ed. Currency Doubleday, MENKEL-MEADOW, Carrie. Toward Another View of Negotiation: The Structure of Legal Problem Solving, 31 UCLA L. Rev. 754; SHELL, Richard G, Bargaining for Advantage: Negotiation Strategies for Reasonable People, Viking Penguin Publishers, Para uma lista de outras obras recomendadas sugerimos que se visite a seguinte página na internet:

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha

MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS. Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha MBA MARKETING: ENFASE EM VENDAS Negociação Aplicada a Vendas Prof. Dr. Cleverson Renan da Cunha Negociação e Vendas Marketing e vendas Quais são as relações entre marketing e vendas casos e causos de negociação

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB

CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL - CACB OS LIMITES DA AUTONOMIA DA VONTADE KÉLVIN WESLER SANTANA BAUER Primavera do Leste/MT 2014/1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 04 2 SOCIEDADE,

Leia mais

Curso de noções básicas de conciliação e resolução de conflitos para representantes de empresas

Curso de noções básicas de conciliação e resolução de conflitos para representantes de empresas Curso de noções básicas de conciliação e resolução de conflitos para representantes de empresas MEIOS ADEQUADOS DE SOLUÇÃO DE CONFLITOS Introdução aos Meios Adequados de Administração e Resolução de Conflitos

Leia mais

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO

O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL RESUMO 32 O ACESSO À JUSTIÇA E A EFETIVIDADE PROCESSUAL Cristiano José Lemos Szymanowski 1 RESUMO A proposta deste trabalho estrutura-se na análise de dois temas que se conjugam, o Acesso à Justiça e a Efetividade

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Noções introdutórias e históricas.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

A MEDIAÇÃO COMO MEIO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO DIVÓRCIO POR VIA ADMINISTRATIVA

A MEDIAÇÃO COMO MEIO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO DIVÓRCIO POR VIA ADMINISTRATIVA A MEDIAÇÃO COMO MEIO DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO DIVÓRCIO POR VIA ADMINISTRATIVA Lorrana Moulin Rossi Advogada, graduada pela Faculdade de Direito de Vitória-FDV, especialista em Educação, Governança

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG A MEDIAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ORGANIZACIONAL. Sônia Ferreira Ferraz

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG A MEDIAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ORGANIZACIONAL. Sônia Ferreira Ferraz CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG A MEDIAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Sônia Ferreira Ferraz Belo Horizonte / MG Junho / 2011 CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem

Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem Tabela Comparativa Mediação x Conciliação x Arbitragem Tipo de solução de controvérsia Objeto Abordagem do conflito e objetivos Método Mediação Conciliação Arbitragem Autocomposição Autocomposição Heterocomposição

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31. Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 31 Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 5 Índice OBJETIVO

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Curso de Mediação Judicial 40 horas-aula

Curso de Mediação Judicial 40 horas-aula Curso de Mediação Judicial 40 horas-aula Programa do curso Programa do curso Introdução e Visão Geral Programa do curso Introdução e Visão Geral Panorama do Processo de Mediação Teoria dos Jogos e Moderna

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário

A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário A instrumentalidade do Processo Judicial Tributário Eduardo Abílio Kerber Diniz Advogado; Graduado em Direito, grau de Bacharel, pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais do Centro Universitário de

Leia mais

Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG

Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG Análise SWOT seguindo a metodologia do BMG Análise SWOT (abreviatura das palavras em inglês Strong, Weakness, Opportunities e Threats) é uma análise ambiental que consiste em levantar pontos internos e

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Núcleo de Prática Jurídica Faculdade de Direito FAAP SUMÁRIO 1. O que é Estágio... 3 2. O Estágio Supervisionado na Faculdade de Direito... 3 3. Planejamento e desenvolvimento

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

A Informática e a Prestação Jurisdicional

A Informática e a Prestação Jurisdicional A Informática e a Prestação Jurisdicional Advogado/RS que nela crêem. e distribuição da Justiça exige a maciça utilização de recursos tecnológicos, especialmente informática. com a tecnologia hoje disponível

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Oficina de Planejamento Estratégico

Oficina de Planejamento Estratégico Oficina de Planejamento Estratégico Conselho Estadual de Saúde Secretaria Estadual da Saúde Paraná, agosto de 2012 Planejamento Estratégico Planejamento: atividade inerente ao ser humano Cada um de nós

Leia mais

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e

Ainda na visão dos entrevistados, as razões para profissionalização envolvem benefícios esperados, como a otimização da utilização de recursos, e 7 Conclusão No mundo de negócios, as organizações constantemente buscam melhorias e aperfeiçoamento de suas gestões para sobreviver e crescer em face de um mercado competitivo. Nesse movimento, percebe-se

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

A Publicidade dos Atos Processuais e a Mediação

A Publicidade dos Atos Processuais e a Mediação A Publicidade dos Atos Processuais e a Mediação Ivete Machado Vargas Psicóloga Mestranda em Direitos Humanos -UNIRITTER ivetevargas@gmail.com Resumo: O presente artigo propõe-se a abordar a mediação e

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA - CEUA Estrutura do Projeto de Pesquisa CAPA FOLHA DE ROSTO SUMÁRIO 1. RESUMO 2. PROBLEMA DE PESQUISA OU INTRODUÇÃO 3. REFERENCIAL TEÓRICO (REVISÃO DE

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA ADMINISTRAÇÃO / RELAÇÕES PÚBLICAS 1. O marketing de relacionamento: (A) Não se relaciona com o endomarketing. (B) Não utiliza ferramentas de CRM (customer relationship management). (C) Pressupõe diálogo entre empresa e cliente, mas a comunicação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

AFINAL, O QUE É ESSA TAL OUVIDORIA?

AFINAL, O QUE É ESSA TAL OUVIDORIA? AFINAL, O QUE É ESSA TAL OUVIDORIA? Hélio José Ferreira e Hilma Araújo dos Santos * O título provocativo dessa matéria reflete uma situação peculiar pela qual vem passando as ouvidorias no Brasil, que

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc...

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc... O QUE É MEDIAÇÃO? A Mediação é uma forma de tentativa de resolução de conflitos através de um terceiro, estranho ao conflito, que atuará como uma espécie de "facilitador", sem entretanto interferir na

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 05 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio de Técnico em Mecânica

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania.

PALAVRAS-CHAVE Extensão universitária. Direitos sociais. Cidadania. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO Cláudia Nabarro Munhoz 1 A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um problema de cada cidadão e algo que pede decisões e ações diárias,

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

Conciliando a gente se entende

Conciliando a gente se entende Conciliando a gente se entende No período de 29 de novembro a 3 de dezembro realiza o Judiciário Nacional, a Semana de Conciliação de 2010. Justiça do Trabalho, Federal e Comum, irmanadas, em um tema de

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II

Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 Planejamento Estratégico do Sistema 2008/2010 PARTE II 10/08/2007 SUMÁRIO Conceitos... 2 1. Missão... 2 2. Negócio... 3 3. Visão... 3 4. Valores... 5 5. Cenários...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Art. 1

REGIMENTO INTERNO Art. 1 REGIMENTO INTERNO Art. 1 - A Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Rondonópolis, doravante denominada simplesmente CBMAE ACIR, instituída no

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Filosofia e Conceitos

Filosofia e Conceitos Filosofia e Conceitos Objetivo confiabilidade para o usuário das avaliações. 1. Princípios e definições de aceitação genérica. 2. Comentários explicativos sem incluir orientações em técnicas de avaliação.

Leia mais