Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE"

Transcrição

1 Tecnologia de leites e derivados Prof. Andréa Matta Ristow PROCESSAMENTO DO IOGURTE

2 Leites Fermentados Exemplos: iogurte, bebidas lácteas fermentadas, coalhada, kefir, entre outros. A fermentação pode ser lática e/ou A fermentação pode ser lática e/ou alcoólica.

3 Definição Iogurte é um produto lácteo, obtido pela fermentação lática através da ação do Streptococcus salivarius subs. thermophillus e do Lactobacillus delbrueckii subs. bulgaricus, do leite e produtos lácteos, com ou sem adição de opcionais. Os microrganismos no produto devem ser VIÁVEIS e ABUNDANTES.

4

5 Benefícios do Iogurte Grandes quantidades de cálcio, proteínas, fósforo, riboflavina (vitamina B2) e iodo; Boas quantidades de vitamina B12, ácido pantotênico (vitamina B5), zinco, potássio e molibdênio; Redução dos sintomas de má digestão; Redução da intolerância à lactose; Melhoria das bactérias do intestino.

6 Benefícios Probiótico: Alimentos que contém microrganismos capazes de colonizar o intestino; Promove a inibição da colonização do intestino por bactérias patogênicas; Ativação da imunidade humoral e celular; Aumento da digestibilidade da lactose.

7 Classificação de Iogurtes Pode ser classificado em alguns tipos conforme: o processo de elaboração, adição de ingredientes, composição, consistência e textura. Segundo a legislação: Com creme: mínimo de 6% de gordura; Integrais ou enteros: mínimo de 3% de gordura; Parcialmente desnatados: máximo de 2,9% de gordura; Desnatados: máximo de 0,5% de gordura;

8 PRODUTO Com creme Matéria gorda láctea (g/100g) Mínimo de 6,0 Acidez (g de ácido lactício/100g) Proteínas lácteas (g/100g) 0,6 a 2,0 Mínimo de 2,9 Integral 3,0 a 5,9 0,6 a 2,0 Mínimo de 2,9 Parcialmente desnatado 0,6 a 2,9 0,6 a 2,0 Mínimo de 2,9 Desnatado Máximo de 0,5 0,6 a 2,0 Mínimo de 2,9

9 Classificação de Iogurtes De acordo com a presença de flavor: Iogurte natural; Iogurte com aromas; Iogurte com frutas. De acordo com a natureza físico-química do coágulo: Iogurte tradicional; Iogurte batido; Iogurte Líquido.

10 Apresentação dos Iogurtes Natural; Com aromas; Com polpas; Com pedaços de frutas; Líquidos; Bicompartimentados.

11 Fluxograma simplificado do processamento do iogurte

12 Fluxograma Simplificado do processamento do iogurte Recepção e seleção do leite cru padronização da gordura, homogeneização Pasteurização rápida Resfriamento

13 Fluxograma Simplificado do processamento do iogurte Inoculação da Cultura Lática Tradicional Envase Incubação (40 a 46ºC/2 a 6h) Resfriamento Fechamento da embalagem Batido Incubação em tanques (40 a 46ºC/2 a 6h) Resfriamento Adição de ingredientes e Agitação Envase Líquido Incubação em tanques (40 a 46ºC/2 a 6h) Resfriamento Adição de ingredientes e Agitação Envase Estocagem à TºC de refrigeração

14 Métodos de Fabricação Incubação no envase: produto mais firme, tipo pudim ; Incubação na fermenteira (no tanque) e batimento: textura menos firme; Incubação na fermenteira, batimento e adição de líquido: textura mais fina, mais líquida.

15 PROCESSAMENTO DO IOGURTE Descrição das etapas de processo

16 1. O leite: Deve ser de excelente qualidade, não deve conter antibióticos, ou ser contaminado por microrganismos que causem dano à saúde e/ou atrapalhem o desenvolvimento da cultura lática.

17 2. Pasteurização do leite, adição de ingredientes e pasteurização da mistura: A pasteurização rápida do leite é empregada para os produtos fabricados a partir do leite in natura, este é armazenado até a utilização. Seguidamente adicionam-se os ingredientes ao leite (aumento do EST), esta mistura é então aquecida a 95 C, sofrendo um novo tratamento térmico equivalente à pasteurização.

18 2. Pasteurização: O leite é submetido à pasteurização para destruir grande parte dos microrganismos a fim da cultura lática poder posteriormente exercer sua função corretamente, sem que a ação de outras bactérias a prejudiquem.

19 3. Resfriamento: Após a pasteurização da mistura, esta é resfriada até a temperatura ótima de ação da cultura lática.

20 4. Inoculação da cultura lática: Faz-se a inoculação da cultura mista, homofermentativa e termófila. Na fase da fermentação ocorre o desenvolvimento da cultura e a conseqüente produção de ácido lático a partir da fermentação lática promovida pelos mos Streptococcus salivarius subs. thermophillus e do Lactobacillus delbrueckii subs. bulgaricus.

21 4. Fermentação: A mistura é mantida a uma temperatura entre C (temperatura ótima para o crescimento do fermento) até alcançar a acidez necessária para a obtenção do produto final.

22 4. Fermentação: A fermentação é a fase em que o leite se transforma em iogurte, devido à ação dos fermentos que foram introduzidos. Estes mos transformam parte da lactose existente no leite em ácido láctico. É nesta fase que, devido ao meio ácido, as proteínas coagulam (coagulação ácida) e o iogurte começa a ganhar sua textura característica.

23 5. Resfriamento: Quando o iogurte já adquiriu as características desejadas (ph, textura, etc), é necessário parar a fermentação. Isto é conseguido através de um resfriamento rápido para uma temperatura média de 4 C. as bactérias lácticas a esta temperatura ficam em estado de latência e a sua atividade é reduzida ao mínimo.

24 6. Mistura de frutas: É nesta fase que são adicionados os aromas e a fruta dependendo do produto que se queira obter.

25 7. Enchimento: Na fase de enchimento, enchem-se as embalagens e fecham-se hermeticamente. Após ser embalado o produto pode passar por um túnel de resfriamento para obter a temperatura final de armazenamento que é <7 C.

26 8. Armazenamento: O produto embalado é armazenado em câmaras de refrigeração a uma temperatura entre 4 C e 7 C, garantindo a qualidade e ampliando a vida útil do produto.

27 9. Transporte: O transporte do iogurte deve ser frigorificado para a manutenção da sua qualidade.

28 Características da cultura lática Streptococcus salivarius subs. thermophilus ( cocos ) Temperatura ótima de crescimento: 39 a 45ºC; Menos acidificante e possui menor resistência à baixo ph; Menor resistência à substâncias inibidoras (antibióticos); Predominante no início da fermentação.

29 Características da cultura lática Lactobacillus delbrueckii subs. bulgaricus ( bacilos ) Temperatura ótima de crescimento: 40 a 50ºC; Mais acidificante e possui maior resistência à baixo ph; Maior resistência à substâncias inibidoras (antibióticos); Predominante no final da fermentação.

30 Características da cultura lática Proporção entre cocos e bacilos na inoculação: 1:1 (cocos:bacilos); após fermentação: 1:2, 1:3, 2:3; Os dois microrganismos podem ser inoculados juntos ou separados numa proporção 1:1. Durante a fermentação, deve-se manter o equilíbrio entre os dois microrganismos que apresentam crescimento SIMBIÓTICO.

31 Desenvolvimento da Cultura No início da fermentação, o ph mais elevado do leite favorece o crescimento dos cocos que predominam, dando início a fermentação lática, promovendo a acidificação do meio (metabolizam a lactose e produzem ácido lático).

32 Desenvolvimento da Cultura No decorrer da fermentação, ocorre a redução do ph do meio e o favorecimento do crescimento dos bacilos. Estes, além da fermentação da lactose, possuem ação caseolítica (hidrolisam a caseína), que tem como resultado aminoácidos e peptídeos. Estes compostos, por sua vez, estimulam o crescimento dos cocos.

33 Desenvolvimento da Cultura Os cocos durante a fermentação consomem o O 2 e produzem ácido fórmico e CO 2, tornando o meio semi-anaeróbico que é favorável para o crescimento dos bacilos.

34 Desenvolvimento da Cultura

35 ALGUNS DEFEITOS DO LEITE QUE IMPEDEM O USO NA FABRICAÇÃO DE IOGURTES

36 DEFEITO Acidez alta. Coagulação do leite estando gelado/sabor amargo. CAUSAS Contaminação,conservação inadequada, falha de resfriamento. Bactérias psicrotrófilas. CONSEQUÊNCIAS NO IOGURTE Impossibilidade de pasteurização. Prejudica o sabor final. Sabor de ranço, oxidação. Leite do fim da lactação, leite com alta contaminação por bactérias lipolíticas. Prejudica o sabor final. Leite salgado, odor desagradável Leite alcalino. Leite com resíduos de antibióticos, pesticidas e sanitizantes. Leite proveniente de gado com mamite. Leite suspeito de fraude por adição de neutralizante, ou proveniente de gado com mamite. Leite proveniente de animais em tratamento com antibióticos. Prejudica a saúde humana. Altera a consistência do produto final. Inibem as bactérias lácticas.

37 Embalagens de Iogurte Bandejas: Poliestireno com tampa de alumínio. Caixas: Cartonada impressa. Sacos: Polietileno atóxico. Garrafas: Poliestireno rotuladas com filme de PVC termo encolível.

38 Embalagens de Iogurte

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido

HISTÓRIA: PROCESSAMENTO LEITES FERMETADOS. Leite fermentado batido LEITES FERMETADOS Profa.Dra.Vanerli Beloti HISTÓRIA: Consumido há século em todo Mediterrâneo Oriental Primeiro alimento transformado que se tem notícia na história da humanidade Iogurte é o mais popular

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Iogurte Sólido com Aroma

Iogurte Sólido com Aroma Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura Engenharia Alimentar Processamento Geral dos Alimentos Iogurte Sólido com Aroma Elaborado por: Joana Rodrigues nº 20703020 José Sousa nº 20708048 Luís Jordão

Leia mais

Prof. Drª. Caroline Moraes

Prof. Drª. Caroline Moraes Prof. Drª. Caroline Moraes Carnobacterium Enterococcus Lactococcus Lactobacilus Lactosphaera Leuconostoc Oenococcus Pediococcus Streptococcus Tetragenococcus Vagococcus Weissella Característica do grupo:

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini

PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE. Ângela Maria Fiorentini PRODUTOS DERIVADOS DO LEITE Ângela Maria Fiorentini QUALIDADE DO LEITE Organoléptica Nutricional Físico-química Microbiológica LEITE E PRODUTOS Fonte : Rabobank, adaptado por Otavio A. C. De Farias LEITES

Leia mais

Leites Fermentados e bebidas lácteas

Leites Fermentados e bebidas lácteas Leites Fermentados e bebidas lácteas Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL Lipoa.uel@gmail.com neli@sercomtel.com.br www.uel.br/laboratorios/inspecao Leites Fermentados História Período Neolítico (pedra

Leia mais

E OS SEUS BENEFÍCIOS

E OS SEUS BENEFÍCIOS E OS SEUS BENEFÍCIOS A principal função do leite é nutrir (alimentar). Além disso, cumpre as funções de proteger o estômago das toxinas e inflamações e contribui para a saúde metabólica, regulando os processos

Leia mais

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra. Trabalho realizado por:

Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra. Trabalho realizado por: Iogurte Trabalho realizado por: Francisco Barreto Nº. 20603068 2º. Ano LEAL Francisco Machado Nº. 20603056 2º Ano LEAL Nota introdutória Com este trabalho pretende-se dar a conhecer a produção de iogurte,

Leia mais

Estes microrganismos específicos devem ser viáveis, ativos e abundantes no produto final durante seu prazo de validade.

Estes microrganismos específicos devem ser viáveis, ativos e abundantes no produto final durante seu prazo de validade. MANUAL PARA FABRICAÇÃO DE LEITES FERMENTADOS: IOGURTES E BEBIDAS LACTEAS 1. LEGISLAÇÃO A resolução G M C 47/97 aprovado no Subgrupo 3 do MERCOSUL, em novembro de 1997, é o que regulamenta tanto no Brasil

Leia mais

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL

FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL FABRICAÇÃO DE PRODUTOS LÁCTEOS PROCESSAMENTO ARTESANAL 1 - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA O leite destinado à fabricação de produtos lácteos deve ser de boa qualidade. Essa qualidade está diretamente relacionada

Leia mais

Iogurte Agregação de valor na cadeia produtiva

Iogurte Agregação de valor na cadeia produtiva Leite BOLETIM DE TENDÊNCIAS MAIO 2014 Iogurte Agregação de valor na cadeia produtiva O alimento iogurte é um derivado do leite, sua produção é o resultado da ação fermentativa de alguns microorganismos,

Leia mais

9/3/2011. Emulsão O/A de cor branca, ligeiramente amarelada, de odor suave e gosto adocicado com ph = 6,8

9/3/2011. Emulsão O/A de cor branca, ligeiramente amarelada, de odor suave e gosto adocicado com ph = 6,8 Tecnologia de leite e derivados Prof Msc Thiago Manzoni Jacintho Departamento da Saúde Curso: Farmácia 2011 Definição Leite = o produto oriundo da ordenha completa e ininterrupta, em condições de higiene,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo.

Leite e derivados. UHT, HTST, fermentos, maturação, coalho, flor de cardo. Leite e derivados Objectivos: Conhecer a composição química e estrutura física do leite. Descrever leite inteiro, meio gordo magro e enriquecido. Descrever manteiga. Descrever natas. Descrever requeijão,

Leia mais

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI

PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO DO LEITE LAN 1444 PROF. ERNANI PASTEURIZAÇÃO Obrigatória no Brasil para todo o leite Todos os derivados devem ser fabricados a partir de leite pasteurizado Tecnologia obrigatória em todo

Leia mais

São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao

São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ O QUE SÃO? São considerados derivados do leite aqueles produtos obtidos mediante a aplicação de uma dada tecnologia/processamento conhecido e direcionado ao leite. 2

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Fabricação de iogurtes Noely Forlin Robert Rede de Tecnologia do Rio de Janeiro REDETEC Julho 2008 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2 HISTÓRIA... 3 3 DEFINIÇÃO... 4 4

Leia mais

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo.

Art. 1º Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO, em anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 12 DE JUNHO DE 2007 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

LUDIMILA ALVES AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE LEITES FERMENTADOS INSPECIONADOS, COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

LUDIMILA ALVES AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE LEITES FERMENTADOS INSPECIONADOS, COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO LUDIMILA ALVES AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS DE LEITES FERMENTADOS INSPECIONADOS, COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO 2007 LUDIMILA ALVES AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO

PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO PRODUÇÃO DE LEITE FERMENTADO COM ADIÇÃO DE LEITE DE COCO Yolanda A. Silva BESERRA 1 Rebeca Alves de BARROS 1 Isanna Menezes FLORÊNCIO 1,Eliane Rolim FLORENTINO 1,Francisco Danilo Morais da SILVA 1 1 Departamento

Leia mais

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO

LEITE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE GRADUAÇAO EM NUTRIÇÃO DISCIPLINA DIETÉTICA I CONCEITO LEITE O leite é o produto da secreção das glândulas mamárias dos mamíferos. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS O leite é

Leia mais

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE SABORIZADO COM BETERRABA E LIMÃO. Creciana M. Endres¹, Marli T. Viot Fabricio¹, Maryelen A. Souza¹, Juliana Savio²

ACEITAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE SABORIZADO COM BETERRABA E LIMÃO. Creciana M. Endres¹, Marli T. Viot Fabricio¹, Maryelen A. Souza¹, Juliana Savio² ACEITAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE SABORIZADO COM BETERRABA E LIMÃO Creciana M. Endres¹, Marli T. Viot Fabricio¹, Maryelen A. Souza¹, Juliana Savio² Resumo: O objetivo do presente trabalho foi desenvolver

Leia mais

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE BEBIDA LÁCTEA FERMENTADA E NÃO FERMENTADA 1 O que é Bebida Láctea?

Leia mais

PRODUÇÃO DE IOGURTE. Projecto FEUP. Equipa QUI608:

PRODUÇÃO DE IOGURTE. Projecto FEUP. Equipa QUI608: Projecto FEUP PRODUÇÃO DE IOGURTE Equipa QUI608: Outubro de 2010 Ana Inês Dias da Silva Flávio José da Costa Pereira Marcelo Cardoso da Rocha Vilhena Beirão Mariana Rodrigues Ferreira de Sousa Gomes Patrícia

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE

COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Universidade Federal do Rio de Janeiro Faculdade de Farmácia COAGULAÇÃO DE PROTEÍNAS DO LEITE Integrantes: Paula Floriano da Silva Virgínia Figueira Marques PROTEÍNAS PROTEÍNAS Ponto isoelétrico ou pi,

Leia mais

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios

O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Matéria de capa O papel dos edulcorantes na indústria de laticínios Introdução Roberta Sasso Farmacêutica Bioquímica Divisão AminoScience Ajinomoto do Brasil Fone: 11-5908-8788 A indústria de laticínios

Leia mais

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas Comunicado Técnico Novembro, 81 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Processamento de Queijo de Cabra com Ervas romáticas FOTO ntônio Sílvio do Egito 1 Karina Olbrich dos Santos 2 Luis Eduardo Laguna 3 Selene

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO CINÉTICO E REOLÓGICO DA FERMENTAÇÃO LÁTICA NA PRODUÇÃO DO IOGURTE NATURAL

ESTUDO DO COMPORTAMENTO CINÉTICO E REOLÓGICO DA FERMENTAÇÃO LÁTICA NA PRODUÇÃO DO IOGURTE NATURAL ESTUDO DO COMPORTAMENTO CINÉTICO E REOLÓGICO DA FERMENTAÇÃO LÁTICA NA PRODUÇÃO DO IOGURTE NATURAL Anne Rafaela Silva 1, Larissa Mendes e Moro 1, Ellen Godinho Pinto 2,Aline Franciele Souza 1, Bruno Franco

Leia mais

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira 1 Instituição Gestora Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Gestora Adriana Hintz Eick Apoio Administrativo Danúbia Maria de Oliveira Ketlyn de Oliveira Souza 2 APRESENTAÇÃO Este manual didático objetiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR?

O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? O Iogurte A ORIGEM DO IOGURTE CARACTERÍSTICAS NUTRICIONAIS DO IOGURTE TIPOS DE IOGURTE VANTAGENS DO IOGURTE COMO CONSUMIR? ALGUMAS SUGESTÕES CURIOSIDADES: SABIAS QUE A ORIGEM DO IOGURTE No período 10.000

Leia mais

Qualidade nos Lacticínios. manual do consumidor

Qualidade nos Lacticínios. manual do consumidor Qualidade nos Lacticínios manual do consumidor qualidade 1 Mesmo que intuitivamente cada indivíduo perceba o que é a qualidade, este conceito não é muito fácil de definir. Qualidade: aptidão de um produto

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sorbet. Curso técnico profissionalizante. Engenharia de Alimentos

PALAVRAS-CHAVE Sorbet. Curso técnico profissionalizante. Engenharia de Alimentos 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS

MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA MICROBIOLOGIA DE ALIMENTOS MICRORGANISMOS DE INTERESSE EM ALIMENTOS Profª. Drª. Caroline Costa Moraes BAGÉ 2010 Técnicas microbiológicas aplicadas a microbiologia de alimentos.

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br

Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 28, de 01 de junho de 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014/01

CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014/01 CATÁLOGO DE PRODUTOS 2014/01 2 A Lacticínios Tirol foi fundada em 1974, na maior colônia austríaca do país Treze Tílias (SC), com industrialização, na época, de 200 litros de leite por dia. Hoje, 40 anos

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação DECLARACIONES FUNCIONALES O DE SALUD As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas com base em evidências científicas.

Leia mais

ANEXO PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS

ANEXO PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS ANEXO PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS 1. Alcance 1.1 Objetivo: Estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deverão atender os leites fermentados destinados

Leia mais

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis

BACTÉRIAS LÁCTICAS. Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS Profª Drª Dejanira de Franceschi de Angelis BACTÉRIAS LÁCTICAS São bactérias que pertencem ao domínio BACTÉRIA. Cocos ou bacilos são Gram positivos não esporulados possuem baixo teor

Leia mais

IOGURTE, BEBIDAS LÁCTEAS E DOCE DE LEITE

IOGURTE, BEBIDAS LÁCTEAS E DOCE DE LEITE 138 Coleção SENAR Acesse também o portal de educação à distância do SENAR: www.canaldoprodutor.com.br/eadsenar SGAN Quadra 601, Módulo K Ed. Antônio Ernesto de Salvo - 1º andar Brasília-DF - CEP: 70830-903

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Iogurte. Resumo. Informações sobre iogurte. Palavras-chave

RESPOSTA TÉCNICA. Título. Iogurte. Resumo. Informações sobre iogurte. Palavras-chave RESPOSTA TÉCNICA Título Iogurte Resumo Informações sobre iogurte. Palavras-chave Iogurte; lacticínio; bebida láctea; alimento; natural; sabores; leite Assunto 1052-0/00 - Fabricação de leite fermentado

Leia mais

AULA 5: Microrganismos Fermentadores

AULA 5: Microrganismos Fermentadores Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 7 período Disciplina: Microbiologia de Alimentos Professora: Sabrina Dias AULA 5: Microrganismos Fermentadores

Leia mais

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005

item 7.1 revogada(o) por: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 revogada(o) por: Resolução RDC nº 266, de 22 de setembro de 2005 título: Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 ementa não oficial: Aprova o Regulamento Técnico referente a Gelados Comestíveis, Preparados, Pós para o Preparo e Bases para Gelados Comestíveis, constante

Leia mais

Processamento. Cacau

Processamento. Cacau Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Processamento do Cacau Márcia Rodrigues 20603001 Catarina Medina 20603002 Nuno Pratas 20603021 Celestino

Leia mais

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE DERIVADOS DO LEITE NA PROPRIEDADE RURAL

TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE DERIVADOS DO LEITE NA PROPRIEDADE RURAL TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DE DERIVADOS DO LEITE NA PROPRIEDADE RURAL VERÔNICA LOBATO 1 1 INTRODUÇÃO O leite é um produto originado da secreção da glândula mamária das fêmeas no período de lactação, liberado

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 26 DE JUNHO DE 2001 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO,

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Ácido Lático. CARACTERÍSTICAS Isomeria óptica:

Ácido Lático. CARACTERÍSTICAS Isomeria óptica: Ácido Lático CARACTERÍSTICAS Isomeria óptica: Destrógiro: D-ácido lático Levógiro: L-ácido lático (com atividade fisiológica) Racêmico: D,L-ácido lático Ponto de fusão: 18 C (racêmico) ; 28 C (D e L) Ponto

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 21. Após o abate do animal, ocorre a queda pos mortem do ph do músculo devido ao acúmulo de ácido lático, e essa é uma das mudanças mais significativas durante a sua conversão

Leia mais

Palavras-Chave: novos produtos, leites fermentados, produtos funcionais.

Palavras-Chave: novos produtos, leites fermentados, produtos funcionais. LEITELHO FERMENTADO PROBIÓTICO Luciana Oliveira de FARIÑA, Carla ULSENHEIMER, Angela PAHL Resumo O mercado de produtos lácteos vem buscando desenvolver produtos inovadores que, além de garantir a lucratividade

Leia mais

Processamento de leite UHT

Processamento de leite UHT Processamento de leite UHT O leite foi desde os tempos mais remotos um alimento de eleição para os povos. Contudo, apesar de nutritivo era muito sensível e deteriorava-se depressa, pelo que não tinha poder

Leia mais

Avaliação da influência de massa-base liofilizada de Passiflora edulis f. flavicarpa nas características microbiológicas de iogurte probiótico

Avaliação da influência de massa-base liofilizada de Passiflora edulis f. flavicarpa nas características microbiológicas de iogurte probiótico Avaliação da influência de massa-base liofilizada de Passiflora edulis f. flavicarpa nas características microbiológicas de iogurte probiótico Fernanda Riccomini Manduco 1 ; Eliana Paula Ribeiro 2 1 Aluna

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITE EM PÓ MODIFICADO 1. ALCANCE 1.1. OBJETIVO: Estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deverão atender o

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

ARMAZENAMENTO DO IOGURTE COMERCIAL E O EFEITO NA PROPORÇÃO DAS BACTÉRIAS LÁCTICAS ADRIANA FURLAN MARTIN

ARMAZENAMENTO DO IOGURTE COMERCIAL E O EFEITO NA PROPORÇÃO DAS BACTÉRIAS LÁCTICAS ADRIANA FURLAN MARTIN ARMAZENAMENTO DO IOGURTE COMERCIAL E O EFEITO NA PROPORÇÃO DAS BACTÉRIAS LÁCTICAS ADRIANA FURLAN MARTIN Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São

Leia mais

Processo de industrialização do leite pasteurizado

Processo de industrialização do leite pasteurizado Processo de industrialização do leite pasteurizado Bruna dos Santos 1 (FECILCAM) brunadosantos@hotmail.com Igor José do Nascimento 1 (FECILCAM) - igor_jnascimento@live.com Fabiane Avanzi Rezende 1 (FECILCAM)

Leia mais

Treinamento Conservas de frutas 382

Treinamento Conservas de frutas 382 Para que haja boa conservação dos alimentos é importante que os produtos conservados mantenham suas qualidades nutritivas, seu aroma, sabor e que se eliminem as causas das alterações. As várias maneiras

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias

Agroindústria Processamento Artesanal de Frutas - Geléias 1 de 7 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Agroindústria: Processamento Artesanal de Frutas - Geléias Processamento Nome artesanal de frutas: Geléias Produto Informação Tecnológica Data Agosto -2000 Preço -

Leia mais

MÉRCIA GOMES LYRIO ANALISAR A QUALIDADE QUANTO AOS ASPECTOS FÍSICO- QUÍMICOS E SENSORIAIS DO IOGURTE EM BANDEJA EM UM LATICÍNIO NO RECÔNCAVO BAIANO

MÉRCIA GOMES LYRIO ANALISAR A QUALIDADE QUANTO AOS ASPECTOS FÍSICO- QUÍMICOS E SENSORIAIS DO IOGURTE EM BANDEJA EM UM LATICÍNIO NO RECÔNCAVO BAIANO MÉRCIA GOMES LYRIO ANALISAR A QUALIDADE QUANTO AOS ASPECTOS FÍSICO- QUÍMICOS E SENSORIAIS DO IOGURTE EM BANDEJA EM UM LATICÍNIO NO RECÔNCAVO BAIANO SALVADOR - BA 2008 MÉRCIA GOMES LYRIO ANALISAR A QUALIDADE

Leia mais

Recepção. Beneficiamento do leite

Recepção. Beneficiamento do leite Recepção Beneficiamento do leite Seleção do leite Provas de plataforma Provas sensoriais: aspectos visuais e aroma Prova do alizarol: leite deve ser estável alizarol 72%v/v Características de um leite

Leia mais

Efeito da suplementação do leite com proteínas de diferentes fontes (soro de leite, soja e colágeno) e da composição da cultura lática em iogurtes

Efeito da suplementação do leite com proteínas de diferentes fontes (soro de leite, soja e colágeno) e da composição da cultura lática em iogurtes Campus de São José do Rio Preto BRUNA RODRIGUES MORETTI Efeito da suplementação do leite com proteínas de diferentes fontes (soro de leite, soja e colágeno) e da composição da cultura lática em iogurtes

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL KIDS MORANGO IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro: Concórdia. Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DANONE LTDA. São Paulo-SP Estagiário: Sheila Vieira Supervisor: Diego Gondim Inicio: 16/01/2011

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E CADERNO DE EXERCÍCIOS 1E Ensino Médio Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1. Misturas e processos de separação H4, H5 2. Misturas e processos de separação H4, H5 e H6

Leia mais

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias

Autoridade de Segurança Alimentar e Económica. Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias Alexandra Veiga Manuel Barreto Dias SEGURANÇA ALIMENTAR Prevenir a presença de agentes patogénicos nos alimentos agentes biológicos microrganismos parasitas agentes tóxicos origem microbiana origem no

Leia mais

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? 2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento?

Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida?  2. O alumínio da embalagem entra em contato com o alimento? Perguntas Frequentes 1. O que é uma embalagem da Tetra Pak ou Longa Vida? R: A embalagem da Tetra Pak é composta por várias camadas de materiais. Estas criam uma barreira que impede a entrada de luz, ar,

Leia mais

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg.

PLANO HACCP. 5- Recepção do sal O sal é recepcionado à temperatura ambiente em sacos de polietileno de 25Kg. Ideal DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE FABRICO Página: 1 / 5 1- Recepção do leite de vaca O Leite de vaca dá entrada na Queijaria Ideal num camião cisterna isotérmico a uma temperatura inferior a 6ºC. 2- Recepção

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO SUSTEMIL BAUNILHA IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairo Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

Biotecnologia. Fermentação láctica. Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani

Biotecnologia. Fermentação láctica. Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani Biotecnologia Fermentação láctica Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani 1- Introdução A fermentação láctica consiste na oxidação anaeróbica, parcial de hidratos de carbono (mais especificamente

Leia mais

1.2 Microrganismos Micróbios Bons

1.2 Microrganismos Micróbios Bons 1.2 Microrganismos Micróbios Bons Ligação ao Currículo Nacional 2ª Fase Principal Ciências 1: 1a, 1b, 2a, 2b, 2c, 2d, 2g, 2j Ciências 2: 1a, 2b, 2g, 5f Unidade de Estudo Unidade 6 Microrganismos Tempo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065/2005 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA E INDUSTRIAL PARA LEITE E SEUS DERIVADOS

RESOLUÇÃO Nº 065/2005 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA E INDUSTRIAL PARA LEITE E SEUS DERIVADOS RESOLUÇÃO Nº 065/2005 REGULAMENTO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA E INDUSTRIAL PARA LEITE E SEUS DERIVADOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Denomina-se leite, sem adicionais designativos, o produto

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano IV N o 17 Abril/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Soro de leite integral na alimentação dos suínos Teresinha Marisa Bertol 1 Jonas Irineu dos Santos

Leia mais

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos

Determinação do Resíduo Mineral Fixo em Leite e Derivados Lácteos 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 5 Este MET tem como objetivo determinar os procedimentos para o ensaio Determinação do resíduo mineral fixo em amostras de leite e derivados lácteos. É aplicável para

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FORMULAÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS COM PROPRIEDADES FUNCIONAIS EM PÓ (IOGURTE E LEITE FERMENTADO) CORADO COM BIOPIGMENTO MONASCUS

DESENVOLVIMENTO DE UMA FORMULAÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS COM PROPRIEDADES FUNCIONAIS EM PÓ (IOGURTE E LEITE FERMENTADO) CORADO COM BIOPIGMENTO MONASCUS DESENVOLVIMENTO DE UMA FORMULAÇÃO DE DERIVADOS LÁCTEOS COM PROPRIEDADES FUNCIONAIS EM PÓ (IOGURTE E LEITE FERMENTADO) CORADO COM BIOPIGMENTO MONASCUS Adriana Boudelon Macedo 1 ; Dra. Denise Esteves Moritz

Leia mais

Tecnologias de elaboração de alimentos. Tecnologias de elaboração de alimentos

Tecnologias de elaboração de alimentos. Tecnologias de elaboração de alimentos 1 Derivados do leite 2 produtos fluidos derivados do leite bebidas à base de leite combina as operações unitárias de clarificação, separação, pasteurização e homogeneização teor em gordura é reduzido a

Leia mais

Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS. O Leite UHT

Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS. O Leite UHT Escola Superior Agrária de Coimbra DISCIPLINA: PROCESSAMENTO GERAL DOS ALIMENTOS O Leite UHT Coimbra, 15 de Outubro de 2007 Realizado por: António Martins Nº 20603054 Bárbara Abreu Nº 20603072 Gisela Vilão

Leia mais

De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural

De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural De onde vem... o leite? Comissão Europeia Agricultura e Desenvolvimento Rural Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Linha telefónica gratuita (*) : 00 800 6

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LEITES FERMENTADOS 1. Alcance 1.1. Objetivo: estabelecer a identidade e os requisitos mínimos de qualidade que deverão atender os leites fermentados

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Embalagem nos Lacticínios manual do consumidor

Embalagem nos Lacticínios manual do consumidor Embalagem nos Lacticínios manual do consumidor embalagem 1 A embalagem dos produtos alimentares desempenha muitas funções ao longo de todo o ciclo de vida dos produtos, desde a sua produção até ao momento

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação sensorial de bebida láctea saborizada com pequi (Caryocar brasiliense)

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação sensorial de bebida láctea saborizada com pequi (Caryocar brasiliense) PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação sensorial de bebida láctea saborizada com pequi (Caryocar brasiliense) Rafaella Belchior Brasil 1, Marco Antônio Pereira da Silva 1, Thiago

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima

A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima A Microbiologia em Sorvete - Aspectos básicos - Luana Tashima Fispal - Sorvetes Junho/2014 2014 Centro de Tecnologia SENAI-RJ Alimentos e Bebidas Educação Profissional Curso Técnico de Alimentos Curso

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

FERRAMENTA ALTERNATIVA PARA O CONTROLE TÉRMICO DE ALIMENTOS, COM ÊNFASE NA FABRICAÇÃO DE IOGURTE

FERRAMENTA ALTERNATIVA PARA O CONTROLE TÉRMICO DE ALIMENTOS, COM ÊNFASE NA FABRICAÇÃO DE IOGURTE FERRAMENTA ALTERNATIVA PARA O CONTROLE TÉRMICO DE ALIMENTOS, COM ÊNFASE NA FABRICAÇÃO DE IOGURTE Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI / Automação / Toledo -PR MONDADORI, J. A. P.; ANTUNES,

Leia mais

Processamento de Leite e Derivado III. Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Curso Técnico em Agroindústria

Processamento de Leite e Derivado III. Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Curso Técnico em Agroindústria Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP Curso Técnico em Agroindústria Processamento de Leite e Derivado III Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE NA QUALIDADE DO IOGURTE*

EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE NA QUALIDADE DO IOGURTE* EFEITO DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE NA QUALIDADE DO IOGURTE* W.M.C. Araújo** J.G.B. Caruso*** A.J.de Oliveira** RESUMO: O efeito do tratamento térmico do leite na qualidade do iogurte foi investigado

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

PRODUTOS DOS CAPRINOS: LEITE. Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro

PRODUTOS DOS CAPRINOS: LEITE. Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro PRODUTOS DOS CAPRINOS: LEITE Profa. Dra. Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 INTRODUÇÃO PRODUÇÃO DE CAPRINOS LEITE e derivados CARNE e derivados Pele (couro) Pêlos Outros RAÇAS LEITEIRAS Alpina (França e outros

Leia mais

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA FINAL 14 de Maio de 2007 Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. A prova tem a duração de 30 minutos. Cada resposta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO E ALIMENTOS

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO E ALIMENTOS UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO E ALIMENTOS MESTRADO PROFISSIONAL EM NUTRIÇÃO E ALIMENTOS ANDRÉIA RUPPENTHAL

Leia mais