PLANO DE ATIVIDADES CNPD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ATIVIDADES CNPD"

Transcrição

1 PLANO DE ATIVIDADES CNPD 2015

2 2 Introdução O Plano de Atividades da Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) para o ano de 2015 reflete o compromisso em continuar a exercer com competência e dedicação as suas funções, tanto no plano nacional, como no plano internacional. No exercício das suas competências, a CNPD realiza ações de fiscalização, quer seja no seguimento de queixas e participações, quer seja por sua iniciativa, as quais não são programáveis e integram o trabalho corrente da Comissão. Por insuficiência de recursos humanos, resultante dos constrangimentos legais ao seu reforço, e da incapacidade do regime de mobilidade de funcionários da Administração Pública para dar resposta plena às necessidades sentidas nos serviços da Comissão, no ano anterior não foram planeadas fiscalizações específicas, a determinado tipo de tratamentos de dados ou sectores de atividade, não obstante a importância da sua realização no plano nacional e também quanto às partes nacionais de sistemas de informação europeus. Este ano, mantendo-se a situação de gritante falta de recursos humanos, entende-se necessário redirecionar o enfoque da atividade da CNPD. Com efeito, há setores de atividade que, pela sua sensibilidade ou pelas preocupações que os cidadãos têm manifestado junto da Comissão, requerem averiguações de forma sistematizada. Por outro lado, estando iminente a avaliação pela Comissão Europeia do cumprimento das obrigações do Estado Português relativas ao acervo Schengen, as consequências que poderão advir de uma avaliação negativa maxime a exclusão da participação do Estado Português no Sistema de Informação Schengen apelam ao sentido de responsabilidade que sempre pautou esta Comissão, pelo que este organismo procurará, na medida dos condicionalismos já referidos, cumprir a sua função de fiscalização e, em termos práticos, de orientação para a adoção dos melhores procedimentos pelos diversos organismos nacionais que participam naquele sistema. Para além do reforço na atividade de fiscalização, a CNPD não pode descurar o estudo das implicações que novas tecnologias de informação e comunicação têm nos direitos fundamentais dos cidadãos. Nessa medida, determinadas matérias de proteção de dados, que, pela sua relevância e recente evolução, reclamam a definição

3 3 e divulgação de orientações claras para os cidadãos, empresas e organismos públicos, serão objeto de análise. No que à atividade internacional diz respeito, a CNPD manterá a participação intensa nos diferentes organismos europeus em que tem assento, por força de instrumentos legais da União Europeia, bem como nas redes internacionais de proteção de dados, tarefa que se tem revelado especialmente exigente e absorvente, com reconhecimento generalizado dos seus parceiros quanto à valia do seu contributo. A ação internacional será ainda marcada pela continuação da discussão do futuro quadro legal europeu em matéria de proteção de dados. A este Plano de Atividades acrescem naturalmente todas as tarefas quotidianas da CNPD. Aqui, em face do acentuado ritmo de produção legislativa, sobretudo nacional, mas também europeu, assumirá um específico realce a emissão de pareceres sobre projetos e propostas de normas jurídicas relativas ao tratamento de dados pessoais. Para além do desenvolvimento da função de supervisão, a qual em grande medida passa pela apreciação de pedidos de autorização de tratamento de dados pessoais. Acrescente-se que a tutela dos direitos fundamentais reclama uma intervenção preventiva nas situações emergentes e de atuação firme sempre que aqueles direitos possam ser postos em causa, que não é suscetível de ser plenamente programada e obriga, quer ao dinamismo do presente Plano, quer à flexibilidade das medidas nele inscritas. Janeiro de 2015

4 4 MAPA DO PLANO A. APROFUNDAMENTO DE ÁREAS TEMÁTICAS 1. Regime jurídico da Proteção de Dados Pessoais no setor das Comunicações Eletrónicas 2. Cloud computing 3. Smart Cities B. ACOMPANHAMENTO DE DOSSIÊS 1. Futuro quadro legal de Proteção de Dados no plano Europeu 2. Sistemas de aeronaves tripuladas remotamente (Drones) e o tratamento de dados pessoais 3. Sistema de supervisão de tráfego no Município de Lisboa 4. Smart Borders 5. Novo Regulamento Eurodac 6. PNR nacional C. AUDITORIAS E FISCALIZAÇÕES 1. Fiscalização dos tratamentos de dados pessoais realizados pela AT no âmbito do e-fatura e do SAF-T 2. Fiscalização dos tratamentos de dados pessoais realizados pela ACSS e SPMS no âmbito do SNS 3. Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN 4. Fiscalização da Unidade Nacional Europol

5 5 5. Fiscalização da parte nacional do Sistema de Informação Schengen 6. Fiscalização da parte nacional do Sistema de Informações VIS 7. Averiguação das comunicações de dados pessoais para fins de marketing por entidades privadas D. COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL 1. Estabelecimento de protocolos com instituições do Ensino Superior 2. Conselho de Fiscalização da PIIC e Conselho de Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN 3. Gabinete de Proteção de Dados Pessoais da Região Administrativa Especial de Macau 4. Instituto Nacional de Aviação Civil 5. Provedoria de Justiça 6. Centro de Competência em Cibersegurança e Privacidade (C3P) da Universidade do Porto 7. Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa 8. Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 9. Centro de Investigação e Desenvolvimento em Ciências Jurídicas Ratio Legis da Universidade Autónoma de Lisboa 10. Centro Internet Segura E. DIVULGAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO 1. Dia Europeu da Proteção de Dados 2. Prémio Ensaio CNPD 3. Promoção das matérias de proteção de dados junto das Magistraturas 4. Novas publicações na coleção Documentos da CNPD

6 6 5. Realização de conferências e palestras relativas aos regimes jurídicos europeu e nacional de proteção de dados pessoais 6. Participação em sessões no âmbito escolar F. INTERVENÇÃO INTERNACIONAL 1. ICC Europol 2. ACC Eurojust 3. ASC do Sistema de Informação Aduaneiro 4. Grupo de Proteção de Dados da UE (Grupo do Artigo 29.º) 5. Grupo Internacional das Telecomunicações 6. Grupos de supervisão coordenada Eurodac, SIS II, VIS, SIA e IMI 7. Rede Ibero-americana de proteção de dados 8. Conferência Europeia de Comissários de Proteção de Dados 9. Conferência Internacional de Proteção de Dados G. ORGANIZAÇÃO INTERNA E FUNCIONAMENTO 1. Atualização do Sítio da Internet 2. Reforço de Recursos Humanos 3. Automatização de procedimentos decisórios 4. Formação interna Anexo Orçamento da CNPD para 2015

7 7 PLANO DE ATIVIDADES 2015 A. APROFUNDAMENTO DE ÁREAS TEMÁTICAS 1. Regime jurídico da proteção de dados pessoais no setor das comunicações eletrónicas Analisar a legislação relativa à privacidade no setor das comunicações eletrónicas à luz do acórdão do TJUE relativo à retenção de dados de tráfego; Estabelecer orientações para os prestadores de telecomunicações relativas aos prazos máximos de conservação dos dados de tráfego e ao dever de conciliação dos direitos dos assinantes e dos utilizadores; Definir orientações para utilização de cookies e devices fingerprinting. 2. Cloud computing Analisar as soluções tecnológicas de computação em nuvem, propostas no setor público e privado, de modo a encontrar respostas que, em função da natureza dos dados pessoais tratados, a qualidade pública ou privada do responsável e outros fatores relevantes, garantam os direitos dos cidadãos. 3. Smart Cities (Cidades inteligentes) Equacionar em todas as suas vertentes o fenómeno designado por smart cities, que se caracteriza pela utilização das tecnologias de informação e comunicação na gestão integrada das autarquias.

8 8 B. ACOMPANHAMENTO DE DOSSIÊS 1. Futuro quadro legal de proteção de dados no plano europeu No âmbito da revisão da Diretiva de Proteção de Dados e da Decisão- Quadro, no sentido do reforço dos direitos e das garantias das pessoas no futuro quadro legal europeu, continuar a análise das propostas de Regulamento e de Diretiva e a intervenção nos vários fóruns da União Europeia, formalizando a posição da CNPD quanto ao Regulamento. 2. Sistemas de aeronaves tripuladas remotamente (drones) e o tratamento de dados pessoais Considerando o impacto que a utilização dos sistemas de aeronaves tripuladas remotamente pode ter na privacidade dos cidadãos, manter os contactos com o Instituto Nacional de Aviação Civil e outras entidades, a fim de contribuir para a regulamentação legal desta realidade. Delimitar áreas de atividade/finalidades de utilização de drones suscetíveis de ser objeto de deliberação de isenção de notificação à CNPD. 3. Sistema de supervisão de tráfego do Município de Lisboa Acompanhamento do estudo de impacto de privacidade e das medidas adequadas à minimização dos riscos para a proteção de dados pessoais a efetuar pela Câmara Municipal de Lisboa no sistema de supervisão de tráfego através de câmaras de vídeo.

9 9 4. Smart Borders Acompanhamento da experiência-piloto eu-lisa/serviço de Estrangeiros e Fronteiras e de outros projetos europeus, no âmbito do desenvolvimento e aplicação do conceito de fronteiras inteligentes. 5. Novo Regulamento Eurodac Acompanhamento da execução do novo Regulamento Eurodac, que prevê designadamente o acesso pelas autoridades policiais aos dados constantes deste sistema de informação. 6. PNR nacional Supervisão do projeto tecnológico português de desenvolvimento do programa Passanger Name Record (PNR), que foi objeto de financiamento pela Comissão Europeia. C. AUDITORIAS E FISCALIZAÇÕES 1. Fiscalização dos tratamentos de dados pessoais realizados pela AT no âmbito do e-fatura e do SAF-T As alterações legislativas ocorridas no IRS para o ano de 2015, relativamente à exigência de identificação do titular através do NIF nas despesas a abater à coleta poderá acarretar uma desproporcionada violação da privacidade dos cidadãos se não tiverem sido adotadas as medidas técnicas e organizativas que mitiguem aqueles riscos. A CNPD tem, por isso, de fiscalizar este tratamento de dados pessoais.

10 10 2. Fiscalização dos tratamentos de dados pessoais realizados pela ACSS e SPMS no âmbito do SNS A importância para a privacidade dos cidadãos da conformidade dos tratamentos de dados pessoais da responsabilidade destas entidades e a verificação da adoção das medidas indicadas na Autorização da CNPD à Plataforma de Dados de Saúde e ao Portal do Utente obrigam à fiscalização destes tratamentos de dados pessoais. 3. Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN A Base de Dados de Perfis de ADN para fins de investigação criminal e identificação civil funcionam há cerca de cinco anos. Desde o seu início que foram estabelecidos contactos entre a CNPD e o Conselho de Fiscalização e realizadas reuniões com a intenção de aproveitar as sinergias das duas entidades independentes com competências de controlo. Pelas razões conhecidas, relacionadas com a falta de recursos humanos, não foi possível, até ao presente, realizar-se a fiscalização ao sistema. Assim, pretende-se verificar o cumprimento da Lei n.º 5/2008, de 12 de fevereiro, e da Lei n.º 67/98, de 26 de outubro, na Base de Dados de Perfis de ADN. 4. Fiscalização da Unidade Nacional Europol (UNE) Foi decidido na Instância Comum de Controlo da Europol a realização de uma fiscalização conjunta, a efetuar por todas as autoridades nacionais de proteção de dados, para verificar da conformidade do tratamento de dados pelas UNE com as respetivas legislações nacionais e com a Decisão Europol.

11 11 5. Fiscalização da parte nacional do Sistema de Informação Schengen Em 2016, Portugal será objeto de avaliação pela Comissão Europeia sobre a implementação do acervo de Schengen. A CNPD, na qualidade de autoridade nacional de supervisão, será também avaliada. Importa, por isso, iniciar os procedimentos de preparação da avaliação, designadamente a inspeção ao Gabinete SIRENE, ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e às entidades utilizadoras do sistema. 6. Fiscalização da parte nacional do Sistema de Informações VIS No âmbito da avaliação supra referida serão, também, especificamente avaliados os procedimentos de vistos pelos serviços consulares e pelo SEF. Por outro lado, o Regulamento VIS impõe às autoridades nacionais de proteção de dados a realização de uma auditoria de quatro em quatro anos à parte nacional do Sistema de Informação de Vistos. Esse prazo vence-se este ano, uma vez que Portugal se ligou ao sistema em Assim, atendendo às responsabilidades das autoridades competentes em matéria de vistos, deverá ser fiscalizado o Ministério dos Negócios Estrangeiros, quer nos serviços centrais, quer em dois consulados situados fora do Espaço Schengen, e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. 7. Averiguação das comunicações de dados pessoais para fins de marketing por entidades privadas Atento o regular recebimento de queixas de cidadãos relativas ao envio de comunicações de marketing, sem consentimento do titular dos dados e mesmo em situações de expressa oposição à utilização dos seus dados para esta finalidade, após a contratação de serviços de utilização comum, designadamente fornecimento de energia, telecomunicações, impõe-se a verificação destes tratamentos de dados pessoais.

12 12 D. COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL 1. Estabelecimento de protocolos com instituições do Ensino Superior Interagir com as instituições de ensino superior, em especial na área das tecnologias de informação e comunicação, de modo a promover a tutela preventiva da privacidade (v.g., PbD) e contribuir para impulsionar a aplicação prática dos conhecimentos. Para o efeito, considera-se dever continuar a estabelecer protocolos com instituições do ensino superior que enquadrem a colaboração e as iniciativas conjuntas, designadamente quanto à realização de conferências, participação em cursos de formação avançada e sessões de esclarecimento. 2. Conselho de Fiscalização da PIIC e Conselho de Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN Cooperar com o Conselho de Fiscalização da PIIC e com o Conselho de Fiscalização da Base de Dados de Perfis de ADN para o acompanhamento do funcionamento da PIIC e a verificação do cumprimento das exigências legais na base de dados de perfis de ADN respetivamente. 3. Gabinete de Proteção de Dados Pessoais da Região Administrativa Especial de Macau Prosseguir a cooperação com o Gabinete de Proteção de Dados Pessoais (GPDP) da Região Administrativa Especial de Macau, quer na promoção da proteção de dados pessoais naquela região, quer no âmbito da avaliação do seu nível de proteção de dados.

13 13 Para o efeito, a CNPD e o GPDP promoverão palestras e sessões de esclarecimento sobre os problemas e riscos atuais para a proteção de dados pessoais, procurando nomeadamente avaliar da aptidão de algumas soluções tecnológicas já experimentadas em Portugal para o caso macaense. 4. Instituto Nacional de Aviação Civil Continuar a colaboração com o Instituto Nacional de Aviação Civil, a fim de encontrar formas de minimização dos riscos para a privacidade dos cidadãos decorrentes da utilização dos sistemas de aeronaves tripuladas remotamente, num momento em que se assiste a um crescente recurso a estes dispositivos também para finalidades privadas, designadamente comerciais e profissionais. 5. Provedoria de Justiça Considerando que a CNPD e o Provedor de Justiça partilham, no âmbito das suas atribuições, da missão de promover a tutela dos direitos, liberdades e garantias, entende-se ser da maior relevância a manutenção de um canal de comunicação ágil para análise ou simples reencaminhamento das questões e dúvidas. 6. Centro de Competência em Cibersegurança e Privacidade (C3P) da Universidade do Porto Colaborar com o C3P em campanhas de sensibilização da sociedade e dos órgãos de soberania e organismos públicos para os riscos decorrentes da utilização da Internet para a privacidade dos cidadãos, bem como na promoção de mecanismos capazes de minimizar tais riscos.

14 14 7. Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa Manter a colaboração com a Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa no âmbito de estágios curriculares de mestrado. 8. Instituto de Ciências Jurídico-Políticas (ICJP) da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Colaborar com o ICJP na divulgação dos regimes jurídicos nacional, europeu e internacional de proteção de dados pessoais e dos processos de revisão dos mesmos, através da realização conjunta de conferências e da participação da CNPD em cursos de formação especializados. 9. Centro de Investigação e Desenvolvimento em Ciências Jurídicas Ratio Legis (Centro Ratio Legis ) da Universidade Autónoma de Lisboa Colaborar com o Centro Ratio Legis na divulgação dos regimes jurídicos nacional, europeu e internacional de proteção de dados pessoais e dos processos de revisão dos mesmos, através da realização conjunta de conferências e da participação da CNPD em cursos de formação especializados. 10. Centro Internet Segura Continuar a parceria com o Centro de Internet Segura, focando na problemática da utilização da Internet por jovens a matéria da proteção de dados.

15 15 E. DIVULGAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO 1. Dia Europeu da Proteção de Dados Organizar uma sessão pública para debate da vigilância em massa a que cidadãos estão sujeitos, projetando-se para o efeito documentário Panopticon, da autoria de Peter Vlemmix. A sessão, a realizar no dia 28 de janeiro no Auditório da Assembleia da República, sob o lema Controlar os seus dados pessoais é controlar a sua identidade e escolher em liberdade tem por objetivo estimular a reflexão e o debate entre todos os participantes. Entrega do Prémio Ensaio 2014, pelo trabalho O Armazenamento de Amostras de ADN a as Bases de Dados de Perfis Genéticos, à autora premiada Tatiana Duarte Nicolau. 2. Prémio Ensaio CNPD Atribuir o Prémio Ensaio CNPD, mantendo a mesma filosofia de diversidade de áreas a concurso e de convite a pessoas externas para integrar o júri. 3. Promoção das matérias de proteção de dados junto das Magistraturas Promover junto do Conselho Superior de Magistratura, do Conselho Superior do Ministério Público e do Centro de Estudos Judiciários a realização de ações de sensibilização para as matérias de proteção de dados, nomeadamente através do reforço da cooperação institucional, do desenvolvimento conjunto de iniciativas de divulgação e do apoio na área de formação de magistrados.

16 16 4. Novas publicações na coleção Documentos da CNPD Continuar a editar as novas orientações gerais que vierem a ser produzidas pela CNPD, na coleção Documentos da CNPD. 5. Realização de conferências e palestras relativas aos regimes jurídicos europeu e nacionais de proteção de dados pessoais Realizar, em parceria com outros organismos públicos e entidades privadas, conferências e palestras sobre os diferentes instrumentos jurídicos nacionais, europeus e internacionais relativos à proteção de dados pessoais em vigor e dos projetos de revisão dos mesmos. 6. Participação em sessões no âmbito escolar Continuar a apoiar as escolas dos vários níveis de ensino, dinamizando sessões de sensibilização e debate da matéria da proteção de dados para alunos, professores e pais. F. INTERVENÇÃO INTERNACIONAL 1. ICC Europol Participar ativamente nos trabalhos da Instância de Controlo Comum (ICC) da Europol, em particular participar nas reuniões regulares, integrar a equipa de inspeção anual aos tratamentos de dados da Europol e participar nos subgrupos de trabalho onde Portugal está representado, bem como discutir, nesta instância, o novo quadro legal europeu de proteção de dados e nos trabalhos preparatórios da revisão da Decisão Europol.

17 17 2. ACC Eurojust Contribuir ativamente para o trabalho da Autoridade Controlo Comum (ACC) da Eurojust, apoiar a presidência portuguesa da ACC, coordenar a inspeção bienal aos tratamentos de dados realizados pela Eurojust e discutir, nesta instância, o novo quadro legal europeu de proteção de dados. 3. ASC do Sistema de Informação Aduaneiro Participar nos trabalhos da Autoridade Supervisora Comum (ASC) do Sistema de Informação Aduaneiro, em particular nas reuniões regulares, contribuir para as ações coordenadas e participar nesta instância nas discussões sobre o novo quadro legal europeu de proteção de dados. 4. Grupo de Protecção de Dados da UE (Grupo do Artigo 29.º) Participar nos trabalhos do Grupo do Artigo 29.º e nos subgrupos em que a CNPD está representada, tais como Tecnologia, Governo Eletrónico, Disposições-Chave da Diretiva, Futuro da Privacidade e Fronteiras, Viagens e Setor Policial, em particular participando nas reuniões regulares e contribuindo para a elaboração de pareceres sobre iniciativas legislativas europeias, de documentos de trabalho e recomendações sobre o tratamento de dados pessoais, bem como nas discussões sobre o novo quadro legal europeu de proteção de dados. 5. Grupo Internacional das Telecomunicações Participar nos trabalhos do Grupo Internacional de Protecção de Dados nas Telecomunicações (Grupo de Berlim), em particular nas reuniões regulares e na elaboração de documentos emanados deste Grupo, que analisam os desenvolvimentos tecnológicos mais atuais e refletem sobre

18 18 as implicações da sua utilização para a proteção de dados e para a privacidade das pessoas. 6. Grupos de supervisão coordenada Eurodac, SIS II, VIS, SIA e IMI Participar regularmente nos trabalhos dos Grupos de Supervisão Coordenada, em particular em apoio da presidência portuguesa do Grupo do Sistema de Informação Schengen, através da participação nas reuniões que vierem a ser convocadas, nas ações de fiscalização coordenadas e no trabalho dos subgrupos. 7. Rede Ibero-americana de proteção de dados Participar e contribuir para os trabalhos desenvolvidos no âmbito da Rede Ibero-Americana, cooperando com os países membros e observadores, em particular através da participação no Encontro Iberoamericano e em alguns seminários temáticos e da contribuição informativa e em Língua Portuguesa para o sítio da Rede. 8. Conferência Europeia de Comissários de Proteção de Dados Participar nos trabalhos da Conferência Europeia de Comissários de Proteção de Dados, em especial contribuindo para as resoluções aí aprovadas. 9. Conferência Internacional de Proteção de Dados Participar nos trabalhos da Conferência Internacional de Proteção de Dados, em especial contribuindo para as resoluções aí aprovadas.

19 19 G. ORGANIZAÇÃO INTERNA E FUNCIONAMENTO 1. Atualização do sítio da Internet Modernizar e atualizar o sítio da CNPD na Internet, para acolher os novos desenvolvimentos resultantes da notificação eletrónica e integrar mais conteúdos informativos e mecanismos de pesquisa fácil, tendo em conta que, neste contexto, o sítio se tornou um veículo essencial de comunicação com a CNPD. Ante a gritante falta de recursos, recorrerse-á, dentro dos condicionamentos decorrentes da necessidade de segurança do sistema de informação da CNPD, à aquisição de serviços externos. 2. Reforço de Recursos Humanos Ultrapassar os constrangimentos para o recrutamento de pessoal, através dos mecanismos da mobilidade, designadamente nas áreas jurídica, informática, de tramitação processual e apoio administrativo. A manifesta escassez de recursos humanos não sustenta a crescente atividade da CNPD e não comporta o pleno exercício das suas competências. 3. Automatização de procedimentos decisórios À semelhança do que já foi feito em áreas subordinadas à supervisão da CNPD, continuar-se-á a criar formulários específicos para determinados tipos de tratamentos, permitindo a emissão de decisões automatizadas e irão ser encetadas diligências no sentido de automatizar os procedimentos de registo. De igual modo irão ser criados modelos que sirvam de padrão para a tramitação de alguns processos de contraordenação.

20 20 4. Formação interna Em face da obrigação legal de garantir a formação contínua dos funcionários, em especial em matérias de proteção de dados, a CNPD irá, por recurso aos especialistas da casa, assegurar a formação em áreas a identificar.

21 21 ANEXO Orçamento da CNPD para 2015 Orçamento de receita TOTAIS ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Receitas correntes Receitas de capital Total de transferências RECEITAS PRÓPRIAS Taxas Coimas Total de receitas próprias Total Geral

22 22 Orçamento de despesa TOTAIS DESPESAS CORRENTES Remunerações certas e permanentes Abonos variáveis ou eventuais Segurança Social Aquisição de bens e serviços Aquisição de bens Aquisição de serviços Outras despesas correntes Total de correntes DESPESAS DE CAPITAL Total de capital Total Geral Total de cativos Reserva Total disponível

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DO CARTAXO Preâmbulo As Autarquias Locais são os órgãos que, devido à sua proximidade com a população, mais facilmente podem criar condições para uma efetiva

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade

Proteção de Dados Pessoais e Privacidade Proteção de Dados Pessoais e Privacidade João Paulo Ribeiro joao.ribeiro@cnpd.pt 22 Novembro/2012 HISTÓRIA 1888: o direito de ser deixado só - Juiz Thomas Cooley, USA 1890: The Right to Privacy (O Direito

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 14 Data: 2013/02/13 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento dos Grupos de Investigação da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de

Leia mais

e-privacy Proteção de Dados Pessoais nas Comunicações Eletrónicas

e-privacy Proteção de Dados Pessoais nas Comunicações Eletrónicas 27 de maio de 2014 e-privacy Proteção de Dados Pessoais nas Comunicações Eletrónicas e- Privacy Agenda O maravilhoso mundo das comunicações eletrónicas e tecnologias e a Privacidade Enquadramento legal

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016. - 30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016-30 de dezembro de 2015 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2016 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo

Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Estatutos do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CONSAN-CPLP) Preâmbulo Os Estados membros da CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa,

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO Considerando que, no âmbito do desenvolvimento económico, social e cultural, as políticas a adotar devem ser adequadas às necessidades

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de Consumo do Conselho Nacional do Consumo

1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de Consumo do Conselho Nacional do Consumo 1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de do Conselho Nacional do 1.ª Reunião da Comissão Especializada de Segurança de Serviços e Bens de do Conselho Nacional do Decreto-Lei

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES CNPD

PLANO DE ATIVIDADES CNPD PLANO DE ATIVIDADES CNPD 2016 2 Introdução A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) tem vindo a debater-se nos últimos anos com uma crescente quebra nos recursos humanos. A insuficiência de trabalhadores,

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Processo de declaração de conformidade de software PEM

Processo de declaração de conformidade de software PEM Processo de declaração de conformidade de software PEM Dezembro, 2012 Versão 1,0 Os direitos de autor deste trabalho pertencem à SPMS e a informação nele contida é confidencial. Este trabalho não pode

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

MESTRADO EM COMUNICAÇÃO, MEDIA E JUSTIÇA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA/FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS DA UNL SEMINÁRIO

MESTRADO EM COMUNICAÇÃO, MEDIA E JUSTIÇA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA/FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS DA UNL SEMINÁRIO MESTRADO EM COMUNICAÇÃO, MEDIA E JUSTIÇA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA/FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAS E HUMANAS DA UNL SEMINÁRIO DIREITO DA COMUNICAÇÃO Tema: A Protecção de dados pessoais

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Conferência Privacidade, Inovação e Internet 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Com a Colaboração Patrocinadores Globais APDSI Privacidade, Inovação e Internet Enquadramento Nacional e Europeu sobre

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

MEMORANDUM. No entanto, o exercício de funções pode ser acumulado com outras funções públicas ou com funções/atividades privadas.

MEMORANDUM. No entanto, o exercício de funções pode ser acumulado com outras funções públicas ou com funções/atividades privadas. Assunto: Acumulação de funções. MEMORANDUM Nos termos do artigo 26º do novo regime de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores da Administração Pública (LVCR) aprovado pela Lei n.º

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 -

PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015. - 30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015-30 de dezembro de 2014 - PRIORIDADES DA POLÍTICA DE CONCORRÊNCIA PARA O ANO DE 2015 Em cumprimento do disposto no n.º 3 do artigo 7.º da Lei n.º

Leia mais

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas

ANEXO XI. Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas ANEXO XI Resenha histórica da IGF e respetivas leis orgânicas Inicialmente, as suas competências eram, fundamentalmente, de órgão de inspeção das direções de finanças, repartições de finanças e de dar

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA E DA SAÚDE (SECVS)

NORMAS ORIENTADORAS DA SUBCOMISSÃO DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA E DA SAÚDE (SECVS) (SECVS) (Aprovadas pelo Despacho RT-76/2012, de 28 de novembro) Capítulo I Definição, missão e atribuições Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição e missão Artigo 3º Âmbito e competências Artigo 4º Emissão

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR

REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR REGULAMENTO DO CENTRO DE ATIVIDADES E RECURSOS CAR INDÍCE A) Noção... 2 B) Objetivos... 2 C) Destinatários... 2 D) Serviços do Centro de Atividades e Recursos (C.A.R.)... 2 E) Atividades... 3 F) Condições

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento

CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO. Regulamento CURSO DE FORMAÇÃO ESPECÍFICO ÍNDICE PREÂMBULO... 3 Procedimentos Técnico-Pedagógicos... 4 1.1. Destinatários e condições de acesso... 4 1.2. Organização dos cursos de formação... 4 1.3. Componentes de

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através do Programa Gulbenkian de Língua e Cultura

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA

Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Fundação Professor Francisco Pulido Valente CÓDIGO DE CONDUTA Dezembro de 2012 INTRODUÇÃO As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude. de S. João da Madeira. Artigo 1º. Definição. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de S. João da Madeira Artigo 1º Definição O Conselho Municipal de Juventude é o órgão consultivo do município sobre matérias relacionadas com a política de

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA LITERACIA FINANCEIRA DA U.PORTO Outubro de 2012 Enquadramento do programa na Estratégia Nacional de Formação Financeira Plano Nacional de Formação Financeira

Leia mais

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem

2014/15. Nesta. A quem se dirige? O Projeto Nós. municípios onde. locais; Geografia; Quem Projetoo Nós Propomos! Cidadania, Sustentabilidadee e Inovação na Educação Geográfica 2014/15 Quem o promove? Nesta sua 4ª edição, o Projeto Nós Propomos! Cidadania, SustentabiliS idade e Inovação na Educação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 14/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando os objetivos do Governo dos Açores em promover, na Região, um conhecimento especializado de temáticas

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014

11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 11º encontro nacional de arquivos municipais Esposende, 14 e 15 de novembro de 2014 PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA PARA A ADMINISTRAÇÃO LOCAL: DESENVOLVIMENTO E PERSPETIVAS DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

REGULAMENTO MARÇO 2013

REGULAMENTO MARÇO 2013 PROGRAMA DE VOLUNTÁRIO E ESTAGIÁRIOS MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO MARÇO 2013 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO Voluntariado 1. Qualquer cidadão maior

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Ilustração de Antónia Tinturé Associação Zoófila Portuguesa, março de 2014 1 Índice Enquadramento... 2 Qualidade dos Serviços e gestão internaerro! Marcador não definido. Abrangência e divulgação... 7

Leia mais

Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação

Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação REGULAMENTO DE INVESTIGAÇÃO Artigo 1.º Princípios da atividade de investigação A atividade de investigação desenvolvida no âmbito do Centro observa os seguintes princípios e critérios gerais: a) Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 287/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 287/XII Regula o regime de acesso e exercício da atividade profissional de cadastro predial, em conformidade com a disciplina da Lei n.º 9/2009, de 4 de março, e do Decreto-Lei n.º 92/2010,

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR CONSÓRCIOS ENTRE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DOCUMENTO DE ORIENTAÇÃO APROVADO PELO CCISP 1. Introdução O reconhecimento da importância decisiva que os Institutos Politécnicos têm desempenhado e querem

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016

PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 PLANO ESTRATÉGICO TRIÉNIO 2014-2016 MENSAGEM INICIAL Assimilar um saber, um conteúdo, uma praxis em Terapia da Fala é uma condição sine quo non para que haja uma base científica. Contudo, esta base de

Leia mais

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito

Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Discurso do Sr. Governador do BCV, Dr. Carlos Burgo, no acto de abertura do Seminário sobre Bureau de Informação de Crédito Câmara do Comércio, Industria e Serviços de Sotavento Praia, 16 de Julho de 2009

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ESTARREJA Aprovado em Câmara Municipal a 26 de fevereiro de 2015 Aprovado em Assembleia Municipal a 30 de abril 2015 Projeto de Regulamento

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED

PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED MERCOSUL/GMC/RES. Nº 39/00 PAUTAS NEGOCIADORAS DA RED TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Resolução Nº 76/98 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação N 1/00 da RED. CONSIDERANDO:

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais

Proteção de Dados Pessoais Proteção de Dados Pessoais COORDENAÇÃO: Leonor Chastre, Magda Cocco e Tiago Félix da Costa 13, 14, 20, 21, 27, 28 de março e 3 e 4 de abril de 2014 (quintas e sextas-feiras, das 18:30h às 21:30h) Proteção

Leia mais

Proteção de Dados Pessoais Teoria e prática

Proteção de Dados Pessoais Teoria e prática Proteção de Dados Pessoais COORDENAÇÃO: Leonor Chastre, Magda Cocco e Tiago Félix da Costa 6, 7, 13, 14, 20, 21, 27, 28 de março de 2014 (quintas e sextas-feiras, das 18:30h às 21:30h) Proteção de Dados

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014

Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 Linhas de Ação para o Plano de Atividade de 2014 As entidades de supervisão do sistema financeiro internacional procederam ao longo dos últimos anos a profundas adaptações, por via legislativa e organizacional,

Leia mais

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015

RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 RELATO RIO DE EXECUÇA O/2014 PLANO DE AÇA O/2015 Elaborado por: Rede Social de 0 Índice Sumário Executivo... 2 Capítulo I - Avaliação do Plano de Ação/2014... 4 Capítulo II - Plano de Ação de 2015... 10

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 5ª EDIÇÃO, 2015-16 Artigo 1º Âmbito O presente

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade Tema: Uso Sustentável da Água Regulamento do Concurso de Ideias (Aberto a todos os cidadãos) 1. O que é? O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade

Leia mais

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo.

Assunto: Forças policiais; denúncia; entrega de comprovativo. Sua Excelência A Ministra da Administração Interna Praça do Comércio 1149-015 Lisboa Sua referência Sua comunicação Nossa referência Proc. Q-1553/12 (UT5) e outros Assunto: Forças policiais; denúncia;

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais