COOPERAÇÃO SUBJETIVA, SOFTWARE LIVRE E PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE A COMPUTAÇÃO EM NUVEM RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COOPERAÇÃO SUBJETIVA, SOFTWARE LIVRE E PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE A COMPUTAÇÃO EM NUVEM RESUMO"

Transcrição

1 COOPERAÇÃO SUBJETIVA, SOFTWARE LIVRE E PROBLEMATIZAÇÕES SOBRE A COMPUTAÇÃO EM NUVEM Giuseppe Cocco 1 Gilvan Vilarim 2 RESUMO O artigo objetiva identificar transformações recentes na área de produção de software, suficientes para justificar esta produção como parte do deslocamento produtivo do capitalismo industrial em direção ao chamado capitalismo cognitivo. É feita uma revisão teórica para fundamentação de tais transformações, e o modelo do software livre é descrito e analisado como o exemplo de uma cooperação subjetiva promovida pelas redes; nele se valorizam o papel coletivo e a liberdade de produtores e usuários, agora agindo em espaços de comunicação virtuais. A computação em nuvem, último estágio do desenvolvimento de software, a despeito da mobilidade e crescimento que lhe são inerentes, é apresentada e problematizada quanto a seus mecanismos atuais de controle e da redução da capacidade de intervenção dos usuários. Para os próximos passos, considera-se que o modelo da nuvem não é mais capaz de impedir as inovações trazidas pelas redes e pelo trabalho vivo, sugerindo que novas modalidades de resistência com tecnologias livres também podem fazer parte da computação em nuvem. Palavras-chave: Capitalismo Cognitivo. Redes de Cooperação. Software Livre. Computação em Nuvem. 1 INTRODUÇÃO Desde o momento em que o software tornou-se um construto desencarnado do hardware, quando os avanços da eletrônica digital permitiram que instruções simbólicas pudessem ser convertidas em sinais elétricos muito simples, o caráter material e homogêneo da computação física foi perdendo o fôlego nascido no contexto industrial, dando lugar a uma tremenda heterogeneidade possibilitada pelas lógicas da programação. Hoje o software encontra-se espraiado por diferentes artefatos e é a base para que muitos deles executem suas ações digitalmente (numerizadas); tornou-se tão onipresente que já se espera mais estudos sobre a computação ubíqua, isto é, integrada às pessoas de forma invisível, ou uma computação embutida (embarcada) em diversos dispositivos, sejam eles computadores de facto ou não. 1 D.Sc. - Universidade Federal do Rio de Janeiro M.Sc. - Universidade Federal do Rio de Janeiro e Centro Universitário Serra dos Órgãos -

2 Os avanços proporcionados pelo software, contribuindo para a integração de novas tecnologias de informação e de comunicação (NTICs) aos processos produtivos, encontram-se inseridos no mesmo deslocamento que nos permite compreender as dinâmicas atuais como diferentes de um capitalismo industrial. No capitalismo de hoje, cognitivo, hardware e software estão na sustentação de todo o sistema, mas é o software que faz o elo entre uma base de suporte operacional e diversas formas de cooperação social que vem se estabelecendo entre usuários e produtores. No capitalismo cognitivo, prevalece o trabalho imaterial vivo e faz-se um deslocamento de processos de reprodução para outros imediatamente produtivos. Este artigo tem como objetivo identificar algumas das transformações ocorridas nos últimos tempos na área de produção de software, suficientes para justificar tal produção como típica do capitalismo cognitivo atual. Novas tecnologias de informação e de comunicação contribuem fortemente para a criação e disseminação de redes sociotécnicas, que acabam por favorecer tanto a cooperação subjetiva entre seus diversos participantes, como novas formas de interação e compartilhamento. Com base nestas transformações, a produção de software é utilizada para demonstrar as dinâmicas existentes nas redes de cooperação. Tendo em vista que o caráter material do hardware (o aparato eletrônico) se torna mais afastado da produção e do consumo, o software aparece como uma importante manifestação de um construto capaz de ser melhorado conforme vai sendo consumido. O modelo do software livre, já solidamente estabelecido, é analisado sob o ponto de vista da potência de liberdade e da inovação em rede que o mesmo traz em sua dinâmica. Como suposta contraposição ao modelo livre, a computação em nuvem é apresentada e analisada como sendo um dos fenômenos mais recentes na área da produção de software, tomando-se em consideração, em primeiro lugar, que a quantidade de serviços nela existentes tem aumentado rapidamente; segundo, ela rompe com antigos paradigmas técnicos de execução e uso dos softwares. São descritas algumas problematizações referentes ao que julgamos ser um desequilíbrio de poder na computação em nuvem, em especial a possibilidade de controle centralizado do acesso a dados e software, e diminuição da liberdade de intervenção sobre os mesmos, sob o ponto de vista produtivo. Por último, são tecidas algumas considerações finais que reforçam a importância do estímulo ao uso de tecnologias livres para promoção da liberdade. A computação em nuvem, neste caso, só poderá ser fonte de inovações em rede desde que tenha abertura para também contemplar o uso das tecnologias livres, e que seja capaz de oferecer interação produtorusuário sob as mesmas proporções de cooperação reticular.

3 2 COOPERAÇÃO SUBJETIVA E AS REDES O capitalismo industrial, vigente durante bastante tempo, tinha como uma de suas características uma separação rígida entre produção e circulação. No capitalismo cognitivo, contudo, quando os conhecimentos são compartilhados por meio de uma interação entre diversos atores, esta separação tende a se esvair. Os fluxos de cooperação ocorrem de modo não-linear e configuram um tipo de agir produtivo que pode ser simultaneamente produção, consumo, circulação. Na mudança para a economia informacional, a linha de montagem foi então substituída pela forma de rede, aquela que define o verdadeiro modelo de organização da produção, capaz de alterar as formas de cooperação e comunicação dentro de cada lugar que produz, e entre os próprios lugares da produção. Diversamente do comando industrial, a passagem para a produção informacional e para a estrutura de rede da organização fazem com que a cooperação e a eficiência produtivas deixem de ser tão dependentes da proximidade e da centralização (HARDT e NEGRI, 2006). A falta de centro único é justamente uma das características da topologia das redes, agora mais horizontalizadas. Favorecendo o uso das redes e ao mesmo tempo fluindo por meio das mesmas, as NTICs tendem a tornar as distâncias cada vez menos relevantes e com bordas difusas, como lembram Hardt e Negri (2005, p. 86): A rede está constantemente solapando os limites estáveis entre o interior e o exterior. Não se quer dizer com isso que toda rede está sempre presente em toda parte; significa, isto sim, que sua presença e sua ausência tendem a ser indeterminadas. Poderíamos dizer que a rede tende a transformar cada fronteira num limiar. É através das redes que se pode ter o trabalho imaterial e o seu agir. Elas são infraestruturas de circulação e locais de produção (COCCO, 1999) onde o trabalho imaterial pode se manifestar por meio da comunicação, da colaboração e das relações afetivas. Este desenvolvimento e difusão das redes sinaliza que, mais do que novas formas de produção e consumo de bens materiais, há também possibilidades novas de produção e circulação de conhecimentos. A novidade da infra-estrutura de informação é o fato de que ela está embutida nos novos processos de produção, sendo totalmente imanente aos mesmos: No auge da produção contemporânea, a informação e a comunicação são as verdadeiras mercadorias produzidas; a rede, em si, é o lugar tanto da produção quanto da circulação (HARDT e NEGRI, 2006, p. 319). Quando se trata aqui da cooperação em rede, não se quer relacionar esta cooperação a um meio de apropriação capitalista. É por isto que Virno (2003) diferencia um tipo de

4 cooperação objetiva de outra subjetiva. Na cooperação objetiva, cada um dos indivíduos executa suas atividades, que são apropriadas pelo capitalista; a cooperação aqui é transcendente à atividade de cada um e não é, em si mesma, relevante para o trabalho. Mas na cooperação subjetiva, prevalecente no capitalismo cognitivo, as ações possuem uma tendência lingüístico-comunicativa e os indivíduos se expõem politicamente. Enquanto as grandes empresas tendem a se estruturar ao longo de redes de integração virtual, a nova organização do trabalho solicita sempre mais a subjetividade operária, isto é, sua capacidade independente de intervenção, sua imaginação, sua criatividade, bem como sua flexibilidade (COCCO, 2001). Ao tratar das redes como espaços de produção de conhecimentos, Jollivet (2003) distingue duas concepções diferentes. Na primeira a rede é cognitiva, isto é, promove o saber por si só; já na segunda, tanto a dimensão cognitiva quanto a dimensão social são tratadas em pé de igualdade as redes sociotécnicas, como definidas por certos autores. Se a dinâmica da produção e difusão mobiliza capacidades comunicativas, sociais e culturais, então a segunda concepção é mais condizente com uma cooperação reticular cuja mobilidade vai além do nível cognitivo. Boutang observa que a rede em si tende à mobilidade, mas não que seja necessariamente uma mobilidade geográfica, e sim a mobilidade social entendida como a capacidade de viajar e de cooperar com pessoas que não são do seu ambiente ou de sua classe social de origem (BOUTANG, 2007, p. 170). 3 RELAÇÕES DE SERVIÇO NO CAPITALISMO COGNITIVO A existência de redes de cooperação expõe a descaracterização cada vez mais forte daquilo que se considerava anteriormente como indústria. As dinâmicas de agora são caracterizadas por atividades de cunho imaterial articuladas no espaço-tempo. As relações existentes possuem uma relação típica da prestação de serviços, ou melhor, são processos e produtos que se confundem com o meio, com sua capacidade de criação e desenvolvimento virtual (COCCO, 2001). Ao tratar destas relações de serviço, não se retorna ao servicium original suserano (GORZ, 2005), hierárquico, mas o que temos agora é um serviço vivo que depende fortemente de um conjunto de desejos, crenças e cultura que circulam como fluxos ou correntes entre os cérebros (LAZZARATO, 2002), cuja comunicação e cooperação são partes integradoras do desempenho de cada um dos indivíduos envolvidos. A relação de serviço torna-se o modelo de toda a produção e é a forma mais consoante de organizar e capturar as

5 relações, sejam elas produtivas, comerciais, comunicativas, de saber ou, mais genericamente, sociais (LAZZARATO e NEGRI, 2001). O trabalho imaterial passa, dessa forma, a não ser mais prescritível no domínio das tarefas fragmentadas nas atividades de outrora, mas sim sobre a subjetividade. Essa produção contemporânea, virtuosa nas palavras de Virno (2008), tem instrumentos que não são necessariamente máquinas, mas sim competências lingüístico-cognitivas indissociáveis do trabalho vivo. Ela é virtuosa porque depende da presença de outros para sua execução, sem se depositar em um produto/obra; o que conduz a sua execução é o general intelect de um público e a cooperação social entre os virtuosos produzindo conhecimentos. Negri (2003) observa que a produção por meio deste general intelect não pode ser considerada a partir de uma visão economicista do trabalho; o valor do trabalho se apresenta, na realidade, sob a forma biopolítica. Significa que a vida está completamente investida de condições e atos artificiais de reprodução; significa que a própria natureza socializou-se e tornou-se uma máquina produtiva. O trabalho, neste cenário, requalifica-se completamente. (NEGRI, 2003, p. 263) É claro que tal produção também é passível de apropriação por parte do capital, e isto pode ser percebido pelas tentativas de controle por meio, por exemplo, da propriedade intelectual. Entretanto, quando se trata da produção de conhecimentos, o valor surge justamente quando há a troca, isto é, quando há difusão. O sistema de propriedade intelectual, nascido na época dos livros físicos (LAZZARATO, 2002), intervém para provocar algum tipo de raridade no que é abundante, atuando como um freio ao processo de socialização (COCCO; GALVÃO; SILVA, 2003). Todavia, ao longo da socialização (difusão), os conhecimentos vão se enriquecendo com a criatividade gerada pelo general intelect, e é isto que assegura o crescimento da riqueza. Os envolvidos com objetos digitais vivenciam isso, como observa Barlow: A lei sobre a propriedade intelectual não pode ser estendida até cobrir a expressão digitalizada. A maior parte daqueles que produzem objetos soft, os programadores, os hackers e os net surfers sabem disso. Infelizmente, as grandes companhias e os advogados a serviço delas não têm experiência suficiente acerca das mercadorias imateriais para entender qual é o problema. Comportam-se como se as velhas leis voltassem a ser vigentes de alguma forma, com alguma extensão grotesca ou com a força. (BARLOW, 1994, apud BERARDI, 2005, p. 105) Isto posto, hoje existem questionamentos com respeito ao papel do sistema de propriedade intelectual como real promotor do avanço técnico-científico (ALBAGLI, 1999). Indo além, questiona-se, ao contrário, se não é importante haver mecanismos que tragam mais

6 estímulos à livre circulação de conhecimentos, sejam eles técnicos, científicos, culturais ou sociais. É a partir disso que surgem movimentos de promoção, por exemplo, do chamado copyleft, isto é, que estimulem as trocas e doações e não a escassez. O Creative Commons é outro exemplo em ascensão: ao registrar uma obra no projeto Creative Commons, seja ela um texto, uma imagem, registro de áudio ou produções de vídeo, o autor abre mão das proteções legais de copyright que impedem a reprodução, e também tem a possibilidade de escolher formas mínimas de restrição que se aplicam a sua utilização. Passa a se manifestar a lógica do some rights reserved (alguns direitos reservados) no lugar de all rights reserved (todos os direitos reservados), algo diferente de extremos como todos ou nenhum (LESSIG, 2005). Se os conhecimentos são reproduzidos sem custo e de forma acelerada pelas NTICs, tem-se para alguns autores o deslocamento de uma economia baseada na escassez para uma outra economia baseada na abundância e na possibilidade de doação entre os seus envolvidos; para Barbrook (2003) e outros, é a base de uma gift economy ou economia da dádiva. Ela abrange todas as relações e realizações não computáveis e não remuneráveis, cuja motivação é a alegria espontânea na colaboração livre, no convívio e na doação livres. Dela resulta a capacidade de sentir, de amar, de se unir e de viver em paz com o próprio corpo, com a natureza e com o próximo (GORZ, 2005, p. 57). O que começou no interior do campo da pesquisa científica pois ela, entre seus pares, sempre envolveu compartilhamento de conhecimento, como lembra Jollivet (2002) está agora transformando a produção musical e muitas outras formas de expressão cultural. No começo da década de 1990, apenas poucos acadêmicos e usuários amadores podiam acessar esta forma aberta de comunicações mediadas por computador, a Internet; agora, a presença na rede é comum. Todos os usuários da rede podem então participar na economia hitech da dádiva (BARBROOK, 2003). É importante, neste caso, não confundir tal situação com a gratuidade oferecida em determinadas modalidades da própria economia da escassez. No caso da produção de software, por exemplo, há produtos entregues gratuitamente mas sem permitir participação ou compartilhamento de conhecimento (isto é, permanecem fechados). No paradigma da cloud computing, analisado adiante, também tem ocorrido tal gratuidade sem necessariamente haver implicação em produção compartilhada de conhecimento. 4 O SOFTWARE LIVRE Com base nos conceitos apresentados anteriormente, fixemos nossas considerações no que julgamos ser um bom exemplo de cooperação subjetiva, a programação de computadores.

7 Arte ou técnica, a programação desvencilhou-se do hardware e tornou-se hoje peça-chave para a disseminação das TICs. De um modo mais abrangente, a produção de software é realizada com participação de diversos indivíduos que contribuem com seus conhecimentos, técnicos ou não, para a criação de um produto que, em essência, é não-rival, pois o seu valor de uso só faz aumentar com sua disseminação (REZENDE, 2008). Entretanto, seguindo a lógica econômica da escassez, as corporações passaram a tratar o software como bem rival a partir do momento que definiram mecanismos de controle de propriedade, como licenças de uso e fechamento do acesso ao código-fonte, isto é, às instruções e documentos contendo a essência de como o software foi criado. É impossível deixar de perceber os altíssimos ganhos advindos destes modelos de negócio que se consolidaram nas últimas décadas do século passado. Contudo, a expansão das redes nos últimos anos tem viabilizado, cada vez mais, modelos de produção colaborativa que crescem à parte destas corporações. Além disso, a cooperação subjetiva no desenvolvimento de software é resgatada com a revalorização do papel conjunto de usuários e programadores na produção coletiva e difusora dos conhecimentos, apoiados também por espaços de comunicação virtuais. O maior exemplo desta cooperação é o desenvolvimento de software livre, que passa a minar as barreiras de sustentação criadas para gerar a escassez artificial dos produtos de software. No software livre, é possível para qualquer um ter acesso às instruções e outras documentações utilizadas pelos seus criadores. Os participantes desse tipo de processo de desenvolvimento contribuem com um trabalho individual que é compartilhado entre os seus produtores; mas uma vez envolvidos em redes, muitas vezes os produtores também são usuários, o que vai então modulando uma produção de conhecimentos cada vez mais refinada. A competência pessoal foge à norma das atribuições profissionais que poderia existir em ambientes mais piramidais e hierárquicos, e tende a se aproximar mais da atividade virtuosa mencionada anteriormente. Quando um software embute tecnologias que favoreçam a liberdade de se fazer certas modificações, um usuário/técnico pode fazer alterações e ajustes (hacks) que adaptam um software às suas necessidades e, em última instância, contribuem para a disseminação de determinados conhecimentos. Em diferentes graus, estes hacks permitem recombinar ou reprogramar os artefatos originais. No extremo do espectro do acesso e do uso, os softwares livres são os que mais potencializam esta modificação de suas características e a sua liberdade de cópia. Quando apresentam as formas de enfrentamento do controle da propriedade no terreno da cibernética e

8 da Internet, Hardt e Negri (2005) mencionam o movimento do código-fonte aberto como o seu exemplo mais radical. Segundo os autores, os defensores do software livre alegam que não são capazes de visualizar como um software proprietário funciona internamente, e muito menos podem identificar seus problemas ou modificá-lo para que funcione melhor. Desta forma, os softwares deveriam então ter seu código-fonte liberado para consulta: o código dos softwares é sempre um projeto colaborativo, e quanto mais pessoas puderem vê-lo e modificálo, melhor ele se tornará (HARDT e NEGRI, 2005, p. 380). Se a liberdade de consulta e modificação permite expor as entranhas do conhecimento embutido em determinados softwares, é possível também levar em consideração a possibilidade de que os usuários tenham uma potência despertada que os tornem tão produtores quanto os assim rotulados técnicos. Mesmo que um usuário não domine determinados conhecimentos específicos sobre a construção de software, a própria possibilidade de modificar configurações localmente, no seu computador, ou decidir quando e como atualizar o programa, ou ainda como fazer cópia dos seus dados, permite torná-los parte da produção. Isto significa que o fato de um software estar disponível localmente, ainda que codificado de forma fechada, pode dar abertura para determinadas configurações e ajustes ao gosto do usuário, visto que o espaço de instalação e configuração é seu (um disco rígido, por exemplo). Lazzarato (2006), ao lembrar que hoje a riqueza pode ser pensada também sob uma lógica da abundância, reforça a importância desta liberdade no caso do software: Se a economia é a ciência da otimização dos recursos escassos, e se hoje em dia a escassez não é mais uma condição natural, mas um produto do direito, parece-nos necessário lançar as bases de reflexão para pensar a riqueza a partir da lógica da abundância própria aos bens comuns. A ambigüidade que encerra o termo inglês que distingue o software livre do software proprietário free software pode ser um bom ângulo de aproximação dessas questões, que ultrapassam amplamente a própria questão do software livre. O termo free software remete a dois conceitos diferentes: liberdade e gratuidade. As comunidades do software livre insistem no fato de que um software livre se define antes de mais nada pela liberdade, mais do que pela gratuidade. (...) O software livre coloca o usuário em uma situação potencial ao demandar um engajamento específico por parte deste mesmo usuário de liberdade e independência. Já o software proprietário, mesmo que tenha sido adquirido gratuitamente, deixa o usuário em uma condição de dependência e passividade. (LAZZARATO, 2006, p.138) O que se quer reforçar aqui é que a liberdade embutida em determinadas tecnologias, que não necessariamente é mera gratuidade, permite confundir positivamente usuários e desenvolvedores e potencializar a capacidade de mudança. A hierarquia de saberes entre os dois atores pode dar lugar a inovações de caráter cada vez mais reticular, como lembra

9 Jollivet: esta natureza coletiva, cooperativa e reticular do processo de inovação é particularmente pronunciada na dinâmica da indústria informática, através da importância, recentemente afirmada, das comunidades informais de informaticistas de software livre (JOLLIVET, 2003, p. 89). A palavra-chave é o compartilhamento: a relação entre produtores e consumidores possui as características da cooperação, da participação no mesmo ciclo produtivo de um jeito que foge às regras da economia capitalista (BERARDI, 2005). Esta cooperação é um dos fundamentos de uma ética hacker, cuja atividade repousa numa ética de cooperação voluntária, na qual cada um se compara aos outros pela qualidade e pelo valor de uso da sua contribuição para seu grupo, coordenando-se livremente entre si. Não é uma produção com a finalidade de trocas comerciais; o valor de troca nunca é levado em conta; considera-se apenas o valor de uso que, na essência, não é mensurável (GORZ, 2005). Indo além da correta lembrança de Gorz, podemos afirmar que as redes de cooperação estimuladas por tecnologias livres, das quais o software livre faz parte, dão margem para que os usuários, na verdade, também se tornem hackers. Estamos aqui bem longe da conotação sombria sobre o significado de hacker, freqüentemente (mal) associada a invasões de computadores e roubos cibernéticos. Ao contrário, o uso do termo hack embute a idéia de uma modificação criativa, uma solução que seja fora-de-padrão para um problema, não necessariamente exclusiva de uma suposta elite técnica. 5 A COMPUTAÇÃO EM NUVEM COMO PRÓXIMO PARADIGMA Mesmo com o modelo do software livre rompendo com a lógica econômica proprietária disseminada na área de informática, as possibilidades trazidas pela comunicação em redes, como a produção colaborativa e o compartilhamento de conhecimento, e ainda as próprias necessidades levantadas pelos participantes, não haviam, até pouco tempo atrás, modificado o paradigma atual da computação, fortemente baseado na existência de máquinas contendo memórias capazes de armazenar localmente e executar localmente dados e instruções. O software foi desencarnado das máquinas físicas, uma vez que tornou-se numerizado eletronicamente, mas dependia de um corpo local (o hardware) para ser posto em execução. A computação pessoal e a microeletrônica, iniciadas na década de 1970, expandiram para pessoas comuns o uso dos softwares em larga escala por meio do hardware local (LÉVY, 1993). Durante a década atual, entretanto, um novo fenômeno tem gerado uma discussão crescente sobre as possibilidades de criação e uso dos softwares. Trata-se do que vem sendo

10 chamado de cloud computing, ou computação em nuvem. O conceito parte da idéia de se explorar o acesso remoto a dados e programas ao extremo. O acesso remoto já existe desde o momento em que se delineou o uso das redes de computadores, mas o que vê agora é que a velocidade de transmissão permite que os dados, e principalmente os softwares, possam ser manipulados remotamente de um modo muito mais disperso e fluido. Tecnicamente, a computação em nuvem é uma evolução dos grids computacionais, agregando supercomputadores e aglomerados de milhares de computadores. Delic e Walker (2008) representam a nuvem como um nexus de hardware, software, dados e pessoas que provê serviços on-line, trazendo uma maciça participação, colaboração e criação de conteúdo. Para os usuários, a computação em nuvem permite que um software seja executado não a partir do seu computador local, mas sim de um servidor funcionando à distância em algum lugar da rede, isto é, em algum lugar da nuvem. A fronteira entre o que está gravado localmente e o que está na nuvem se torna muito fluida, pois determinados softwares de um computador local podem na realidade estar executando instruções e manipulando dados que estão na rede, sem que o usuário saiba exatamente onde está cada parte. Um dos exemplos mais difundidos atualmente é o webmail. O correio eletrônico, um dos serviços mais antigos da Internet, é baseado na troca de mensagens entre usuários a partir de endereços individuais. Durante um longo período, cada usuário precisava utilizar um software (como o Outlook, Pegasus, Thunderbird e muitos outros) capaz de puxar as mensagens armazenadas em servidores e gravá-las localmente para consulta. Com o webmail, o usuário não precisa mais trazer as mensagens para si: o acesso é feito diretamente a algum servidor na nuvem e alguma interface amigável (provida pelos navegadores web) permite a manipulação direta das mensagens. Com isto o usuário pode consultar suas mensagens de qualquer computador que tenha acesso ao webmail, seja de casa, do trabalho, de uma lan house, etc. É fato que, mesmo na nuvem, o software ainda depende de uma execução em uma máquina física, mas a questão é que, do ponto de vista de quem está fazendo uso do serviço (o usuário do webmail, por exemplo), o acesso é remoto e pode ser feito a partir de qualquer nó da rede, aumentando o grau de mobilidade (KNORR e GRUMAN, 2008). Tudo se comporta como se os dados e o software estivessem sempre no mesmo lugar do acesso. Isso é ainda mais impulsionado quando o acesso é feito a partir de dispositivos móveis que permitem o uso em trânsito, como no caso de smartphones e notebooks, cada vez mais comuns.

11 Justamente pelo crescimento da importância da porta de acesso aos serviços on line, a chegada da computação em nuvem impulsionou a sofisticação das tecnologias embutidas nos navegadores, que se tornaram hoje uma peça-chave; depende-se deles para o acesso às aplicações, e as corporações de tecnologia vêem nos mesmos a possibilidade de conquista de um espaço de atuação estratégico. Um verdadeiro coquetel de tecnologias vem sendo desenvolvido de modo a tornar o uso de certas aplicações mais dinâmico, sofisticado e amigável por parte dos usuários, como seria com os softwares gravados localmente, só que agora tendo como base a interface de um navegador. É caso dos navegadores mais conhecidos, como o Microsoft Internet Explorer, o Mozilla Firefox e o Google Chrome este último chegando ao mercado já fortemente atrelado ao uso na nuvem. Sob o ponto de vista das corporações, a computação em nuvem tem sido propalada como um paradigma capaz de prover um conjunto de aplicações on line que fortalecem a idéia do software como um serviço, trazendo uma maior mobilidade para os seus usuários e otimizando recursos computacionais (IBM, 2009). Isto tem fortalecido uma migração da venda de software de caixinha (ou mesmo que, sem caixinha nem mídia física, são oferecidos via Internet) para a venda de um serviço que condiz com as dinâmicas do capitalismo cognitivo descritas anteriormente. Um dos exemplos mais significativos atualmente tem sido a estratégia da Google, que procura oferecer um leque de serviços on line a seus usuários, desde o webmail até ferramentas de manipulação de documentos. Sob o ponto de vista dos usuários, duas mudanças podem ser mencionadas. A primeira é a migração crescente para interfaces de comunicação com os softwares cada vez mais web like, isto é, disponíveis dentro da interface dos navegadores. A segunda é o uso de produtos sem a necessidade de instalação no computador local. As ações possíveis são puxadas remotamente e apresentadas dentro do navegador com tal grau de sofisticação que dão a impressão de estarem instaladas localmente. 6 ALGUMAS PROBLEMATIZAÇÕES Nos últimos tempos, em especial no ano de 2009, parece-nos que a discussão sobre o paradigma da computação em nuvem extrapolou os limites da área tecnológica e atingiu um público mais amplo. O que antes envolvia apenas discussões de caráter técnico no meio computacional aos poucos começa a se disseminar para pessoas comuns, que na realidade já são muitas vezes usuárias deste paradigma; matéria recente em revista de grande circulação sinaliza que a nuvem marca o fim de um universo digital PC-cêntrico (Rydlewski, 2009, p.65).

12 Como outro exemplo dessa extrapolação pode-se citar ainda o texto de Fusco (2009), dirigido ao público de negócios, onde a nuvem é apresentada como a maior transformação da indústria de software desde o seu nascimento; aqui são ressaltados os benefícios, para os clientes, da migração de um sistema baseado em uma licença de uso, paga no ato de compra e depois complementada por atualizações, para um modelo onde a lógica é a do aluguel: a partir de um pagamento, os softwares são acessados pela internet e ficam sob responsabilidade do prestador. Este novo modelo reforça a idéia de que, na computação em nuvem, o que se fortalece é o conceito de software como um serviço. Seja para clientes-pessoas ou clientes-empresas, o que mais tem sido difundido é o fato de que a computação em nuvem traz mobilidade de acesso a programas e documentos, ambos na nuvem, e a possibilidade de concentrar recursos num só lugar, ainda que não se saiba exatamente onde. Contudo, julga-se que tem havido um desequilíbrio na forma como a computação em nuvem tem sido apresentada, uma vez que, até o momento, os atores que têm tido mais voz são as corporações economicamente interessadas em explorar as tecnologias envolvidas no paradigma. Portanto, algumas questões merecem ser problematizadas. Primeiro, há pouca discussão sobre o grau de confiança nas empresas que hospedam as informações dos usuários. Quando as informações estão fisicamente em um espaço que lhes diz respeito, cabe ao usuário decidir quando realizar cópias de segurança (backup). Com uma migração crescente de informações para a nuvem, pouco se tem discutido sobre quem está garantindo a existência de backups que possam ser utilizados no caso de contingências futuras. Moraes (2009) cita uma lista de problemas relacionados ao Google nos últimos anos e situações onde documentos de usuários desapareceram de uma hora para outra. Em segundo lugar, há a questão da privacidade. Ao mesmo tempo que se tem uma informação posta na nuvem, capaz de ser compartilhada entre diversas pessoas e por isso acelerando o processo de difusão de conhecimento, também aumenta-se a possibilidade de que pessoas não-autorizadas tenham acesso a estas informações. Como regra geral, há também um grau de confiança dos usuários de que as informações estarão disponíveis apenas para os que forem autorizados. Em terceiro lugar, a tendência de execução dos softwares remotamente se choca com a liberdade de interferência sobre os mesmos, seja pelos próprios usuários, seja por técnicos. A computação em nuvem tem mostrado até o momento uma situação oposta à liberdade; os usuários perdem a capacidade de intervenção justamente porque têm acesso somente à interface provida pelo software remoto, trazida à distância e montada dentro do navegador a

13 partir de um conjunto de tecnologias (Ajax, Java, Flash, etc). Weber (2008) observa que a dependência tecnológica de outro pode limitar a flexibilidade e a criatividade, lembrando que o computador pessoal foi bem-sucedido justamente porque o modelo anterior dos mainframes, acessados por terminais burros, era muito frustrante para os que ficavam à frente dos terminais. Esta perda da capacidade de intervenção é observada de modo cada vez mais freqüente com as atualizações dos softwares. Num primeiro momento, os softwares só podiam ser atualizados quando o usuário assim o desejava. No segundo momento, com a chegada das redes e da Internet, as atualizações poderiam ser automaticamente baixadas, mas o usuário ainda poderia decidir quando quer fazer a atualização é o caso do sistema operacional Windows, por exemplo. Mas com os programas on line, qualquer atualização realizada pelo provedor do que agora é um serviço é refletida imediatamente para todos os seus usuários do globo. Usuários do GMail, por exemplo, têm acompanhado diversas modificações nesta aplicação nos últimos tempos: inclusão de novas opções; modificações de layout; possibilidade de ativação de gadgets (adendos). A questão é que, na maioria das vezes, não há avisos sobre o momento das mudanças. Como maior ícone das empresas interessadas no desenvolvimento da computação em nuvem, a Google tem ofertado uma série de serviços a seus usuários, sejam eles gratuitos ou pagos. Nos últimos anos, a Google distanciou-se da imagem de um mero, mas não menos importante, mecanismo de busca na web, para se tornar uma empresa que oferece diferentes aplicações para as mais variadas situações, incluindo o webmail, agenda de compromissos, gerenciamento de tarefas, redes sociais, criação de documentos on-line, etc. Segundo Doria e Affonso (2009), 65% dos usuários da Internet no mundo utilizam alguma ou algumas das ferramentas oferecidas pela empresa. A questão é que o modelo da cloud computing pode trazer um desbalanceamento entre quem provê e quem usa e levantar a barreira entre produção e difusão. Além das possibilidades de produção de escassez por meio do acesso às aplicações on line (controle por meio de um login) e das questões de segurança dos dados pessoais, dispostos em um lugar que não se conhece, a computação na nuvem pode ofuscar o potencial de compartilhamento de conhecimentos entre os seus usuários, justamente um dos pontos mais importantes para a prática de atividades colaborativas. É fato que a Google tem interagido com seus usuários na criação dos seus produtosserviços. Tanto que várias aplicações são chanceladas como versões beta eternas: o termo que antes indicava uma aplicação quase acabada, passível de últimas modificações, agora é

14 usado como forma de mostrar que a cooperação é constante e que a aplicação nunca estará finalizada. Na realidade, são os usuários que têm mobilizado uma grande quantidade de inovações; bastar observar quanto o Orkut, o serviço de redes sociais da empresa, mudou ao longo do tempo a partir das necessidades dos seus usuários (inclusive do Brasil, onde o serviço teve um sucesso até inesperado em comparação com outros países). Contudo, isto não significa que se possa ter um desequilíbrio das capacidades de participação ativa dos usuáriosprodutores ou mesmo uma concentração de poder e de controle, o que nos faria retroceder a um paradigma anterior. Sendo um dos pioneiros do movimento do software livre no mundo, Richard Stallman já opinou que o fenômeno da computação em nuvem é como uma armadilha (JOHNSON, 2008), uma vez que é capaz de amarrar as pessoas a sistemas proprietários e trancá-las do lado de fora dos locais dos seus próprios dados. Se organizações como a Google têm oferecido serviços de forma gratuita, não se pode garantir que não haja cobrança futura nem o que irá ocorrer com os dados, isto num momento em que os usuários já estarão em um nível muito mais elevado de dependência. 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste texto procuramos identificar as transformações do capitalismo atual como sendo características do capitalismo cognitivo, focalizando a importância das redes como uma topologia capaz de promover uma produção colaborativa horizontalizada e também de permitir o agir comunicativo típico do trabalho imaterial. Nestas redes prevalece uma forma de cooperação muito mais subjetiva, no sentido de solicitar a subjetividade de seus participantes independentemente de um comando transcendente. As dinâmicas passam, portanto, a valorizar relações de serviço de caráter imaterial que fogem aos padrões anteriores de produção, compondo um serviço vivo que depende da fricção proporcionada por um general intelect. Dentre os espaços de produtividade inerentes ao capitalismo cognitivo, a produção de software foi apresentada como exemplo significativo destas dinâmicas; com este recorte, o modelo de software livre é descrito como um dos que mais tem impulsionado a livre produção colaborativa, aproximando e confundindo produtores e usuários. Consideramos que este modelo tem sido um marco significativo na construção e compartilhamento de conhecimentos em rede, abrindo espaço para a existência de gambiarras produtivas que representem a manifestação plena de criatividade e inovação na produção de software.

15 Com o crescimento do conceito de software como serviço, julgamos que a computação em nuvem tem assumido o posto de novo paradigma de computação, uma vez que a oferta de aplicações na nuvem tem aumentado rapidamente nos últimos tempos. Contudo, procuramos identificar que há um desbalanceamento de poder entre as corporações provedoras e os seus usuários. Dados e programas têm sido dispostos on line em espaços virtuais desconhecidos e são manipulados por mecanismos de login que podem representar tentativas de exercício de controle por parte de determinadas corporações. Ao mesmo tempo em que atua como uma tranca para acesso aos dados, o login típico para acesso aos serviços tem se mostrado uma forma de rastreamento e de controle de privacidade bastante eficaz. Usuários da Google tem toda a sua navegação registrada no serviço de web (registro que, embora possa ser desligado, encontra-se ativado por padrão) e ainda há pouca discussão sobre as implicações do uso de tal acúmulo de dados por parte da empresa. A lógica capitalista já apresentava anteriormente formas de cerceamento e de geração de raridade no ciberespaço, embutindo uma cultura da falta que procura manter suas bases econômicas clássicas; é o caso dos licenciamentos de produtos digitais, a criminalização e o combate à pirataria, a mercantilização do digital, etc. Na situação atual, a computação em nuvem pode se tornar mais uma tentativa pulverizada de controlar digitalmente os indivíduos no ciberespaço, ofuscando o potencial de compartilhamento entre os seus usuários, cuja capacidade produtiva é parte integrante e fundamental para a fluidez das redes. Indo além, a nuvem pode contribuir para o enfraquecimento de um espaço de compartilhamento de conhecimentos e de exercício de uma cibercultura livre ao se tornar uma via de mão única. Entretanto, a própria natureza das redes de cooperação, capaz de fugir de um centro de comando e permitir o trabalho vivo de produtores-usuários, levanta possibilidades de resistência na produção de software, como a que já se iniciou com o movimento do software livre. Indo além, nada impede que a disseminação de tecnologias livres também entremeie a computação em nuvem. A mesma mobilidade trazida pela nuvem, se se supõe fonte de lucratividades futuras ainda que no momento seja oferecida em grande parte de forma gratuita pode também ser fonte de novas possibilidades de configuração das aplicações em modalidades ainda não pensadas (mudanças em códigos diretamente on line, por exemplo), indicando que não há mais como deter as inovações proporcionadas pelas redes e pelo trabalho vivo.

16 COOPERATION THEORY, AND FREE SOFTWARE problematizations ON COMPUTERS IN CLOUD ABSTRACT The article aims to identify recent changes in the area of software production, which are sufficient to be justified as part of a productive shift towards cognitive capitalism. A theoretical review is made in order to explain these changes, and the free software model is presented as an example of a subjective cooperation promoted by the networks; we emphasize the collective role and the freedom for producers and users, which now act in virtual spaces of communication. Cloud computing, the last stage in software development, despite the growth and mobility that are inherent in it, is problematised about its current mechanisms for controlling and reducing the capacity of intervention of users. For the next steps, we consider that the cloud model is no longer capable of preventing the innovations brought by the networks and the living labor, suggesting that new forms or resistance with free technologies may also be part of cloud computing. Keywords: Cognitive Capitalism. Cooperation Networks. Free Software. Cloud Computing. REFERÊNCIAS ALBAGLI, S. Novos espaços de regulação na era da informação e do conhecimento. In: LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. (orgs). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, BARBROOK, R. A regulamentação da liberdade: liberdade de expressão, liberdade de comércio e liberdade de dádiva na rede. In: COCCO, G.; GALVÃO, A. P.; SILVA. G. (orgs.) Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, BERARDI, F. A fábrica da infelicidade: trabalho cognitivo e crise da new economy. Rio de Janeiro: DP&A, BOUTANG, Y. M. Le capitalism cognitif: la nouvelle grande transformation. Paris: Amsterdam, COCCO, G. Trabalho e cidadania: produção e direitos na era da globalização. São Paulo: Cortez, A nova qualidade do trabalho na era da informação. In: LASTRES, H. M.M.; ALBAGLI, S. (orgs.) Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, ; GALVÃO, A. P.; SILVA, G. Introdução: conhecimento, inovação e redes de redes. In:. Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

17 DELIC, K. A.; WALKER, M. A. Emergences of the academic computing clouds. In: ACM Ubiquity, v. 9, 31. ed., ago./2008. Disponível em: <http://www.acm.org/ ubiquity/volume_9/v9i31_delic.html>. Acesso em: 10 set DORIA, P.; AFFONSO, A. Bem-vindos à Googlelândia. Revista Galileu, n. 215, jun./2009. p São Paulo: Globo, FUSCO, C. Este será o seu computador. Revista Exame, ano 43, n. 7. São Paulo: Abril, GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão. Rio de Janeiro: Record, Império. Rio de Janeiro: Record, IBM. Seeding the clouds: key infrastructure elements for cloud computing, Disponível em: <ftp://ftp.software.ibm.com/common/ssi/sa/wh/n/oiw03022usen/oiw03022usen.pdf> Acesso em: 10 set JOHNSON, B. Cloud computing is a trap, warns GNU founder Richard Stallman. The Guardian, Disponível em: <http://www.guardian.co.uk/technology/ 2008/sep/29/cloud.computing.richard.stallman>. Acesso em: 30 jul JOLLIVET, P. NTIC e trabalho cooperativo reticular: do conhecimento socialmente incorporado à inovação sociotécnica. In: COCCO, G.; GALVÃO, A. P.; SILVA, G. Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: DP&A, L étique hacker de Pekka Himanen. Multitudes, n. 8, mar. /abr Disponível em: <http://multitudes.samizdat.net/spip.php?page=rubrique&id_ rubrique=11>. Acesso em: 30 jul KNORR, E.; GRUMAN, G. What cloud computing really means. Infoworld, Disponível em: <http://www.infoworld.com/article/08/04/07/15fe-cloud-computing-reality_1.html>. Acesso em: 10 set LAZZARATO, M. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Puissances de l'invention: la psychologie économique de Gabriel Tarde contre l'économie politique. Paris: Les empêcheurs de penser em rond, ; NEGRI, A. Trabalho imaterial: formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, LESSIG, L. Cultura livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. São Paulo: Trama, 2005.

18 LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: 34, MORAES, M. Dá para confiar no Google? Revista InfoExame, abr p São Paulo: Abril, NEGRI, A. Cinco lições sobre Império. Rio de Janeiro: DP&A, REZENDE, P. A. D. Custo social: propriedade imaterial, software, cultura e natureza. In: PRETTO, N. L.; SILVEIRA, S. A. Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, RYDLEWSKI, C. Computação sem fronteiras. Revista Veja, ano 42, n. 32, 12 ago São Paulo: Abril VIRNO, P. Virtuosismo e revolução: a idéia de "mundo" entre a experiência sensível e a esfera pública. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Gramática da multidão: para uma análise das formas de vida contemporâneas. Santa Maria, Disponível em: < Acesso em: 30 jul WEBER, J. Cloud computing. TimesOnline, maio/2008. Disponível em: <http://technology.timesonline.co.uk/tol/news/tech_and_web/article ece>. Acesso em: 10 set

A computação em nuvem e algumas questões sobre o presente e o futuro

A computação em nuvem e algumas questões sobre o presente e o futuro Divulgação A computação em nuvem e algumas questões sobre o presente e o futuro Gilvan Vilarim Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela URJ e bacharel em Informática pela UERJ. Atualmente, é

Leia mais

Tecnologias, hacks e liberdade

Tecnologias, hacks e liberdade LUGAR COMUM Nº28, pp. 187-200 Tecnologias, hacks e liberdade Gilvan Vilarim Declarações: um retrospecto Nos últimos anos, no Brasil, o final do mês de abril tem se consolidado como o prazo máximo definido

Leia mais

V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 27 a 29 de maio de 2009 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil.

V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 27 a 29 de maio de 2009 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. V ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 27 a 29 de maio de 2009 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. CIBERCULTURA, CAPITALISMO E A CLOUD COMPUTING Gilvan de Oliveira

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo, Paraná, 85902-490. E-mail: faspanhol@utfpr.edu. MOVIMENTO DO SOFTWARE LIVRE NO ENSINO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PARA PROMOVER A CONSCIENTIZAÇÃO E EMANCIPAÇÃO SOCIAL Fabio Alexandre Spanhol; Raquel Ribeiro Moreira, rua Cristo Rei, 19, Vila Becker, Toledo,

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas

Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas Planejamento de TI usando Cenários Prospectivos: Tecnologias de Desenvolvimento de Sistemas Sidnei da Silva 11 de julho de 2007 1 Sumário 1 Dados Fundamentais 3 2 Definição do Problema 3 2.1 Questão...............................

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO 10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO UMA DAS GRANDES FUNÇÕES DA TECNOLOGIA É A DE FACILITAR A VIDA DO HOMEM, SEJA NA VIDA PESSOAL OU CORPORATIVA. ATRAVÉS DELA, ELE CONSEGUE

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE APLICAÇÕES GRATUITAS EM NUVEM Pedro Victor Fortunato Lima, Ricardo Ribeiro Rufino Universidade Paranaense UNIPAR Paranavaí Paraná Brasil pedrin_victor@hotmail.com, ricardo@unipar.br

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Acelere a sua jornada à nuvem

Acelere a sua jornada à nuvem Boletim técnico Acelere a sua jornada à nuvem Arquitetura de nuvem convergente da HP Índice Uma nova computação para a empresa... 2 Evolua a sua estratégia de TI para incluir serviços da nuvem... 2 A nova

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03 UNIDADE 03 / AULA 06 UNIDADE 03 Apostila Estácio Sociedade da Informação de Demerval L. Polizelli e Adalton M. Ozaki, 1ª Edição/2007 1 O CONHECIMENTO DIGITALIZADO 2 O que é informação? É um conjunto de

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2008 Vicente Aguiar

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Universidade Agostinho Neto Faculdade de Ciências Departamento de Ciências da Computação Nº 96080 - Adário de Assunção Fonseca Muatelembe Nº 96118 - Castelo Pedro dos Santos Nº 96170 - Feliciano José Pascoal

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

É CLOUD. É ON-DEMAND.

É CLOUD. É ON-DEMAND. É CLOUD. É ON-DEMAND. Última geração de software para transferência de arquivos digitais PARA MOVIMENTAÇÃO INTELIGENTE DA SUA MÍDIA Conceito digital FedEx: A maneira mais fácil e confiável para enviar

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Redes de Computadores MISSÃO DO CURSO Com a modernização tecnológica e com o surgimento destes novos serviços e produtos, fica clara a necessidade de profissionais

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem

Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem White paper Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem Resumo Sabemos que as equipes de segurança não podem estar em todos os locais, mas o cenário atual exige que as empresas estejam prontas para proteger

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET

CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET CULTURA LIVRE E COMPARTILHAMENTO DIGITAL: LIBERDADE PARA DISTRIBUIÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA INTERNET Luciana Cristina Ribeiro Pércope e Guilherme Domingos do Carmo Palavras-Chave: liberdade, internet,

Leia mais

Levantamento sobre Computação em Nuvens

Levantamento sobre Computação em Nuvens Levantamento sobre Computação em Nuvens Mozart Lemos de Siqueira Doutor em Ciência da Computação Centro Universitário Ritter dos Reis Sistemas de Informação: Ciência e Tecnologia Aplicadas mozarts@uniritter.edu.br

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Trabalho imaterial e produção de software no capitalismo cognitivo

Trabalho imaterial e produção de software no capitalismo cognitivo Trabalho imaterial e produção de software no capitalismo cognitivo Giuseppe Cocco Gilvan de Oliveira Vilarim Resumo O artigo discute conceituações sobre a hegemonia do trabalho imaterial, focalizando sua

Leia mais

Inteligência coletiva e função social da propriedade

Inteligência coletiva e função social da propriedade Apresentação As transformações no modo de produção capitalista rumo a um regime de acumulação global e flexível traduzem-se na fuga para adiante em relação aos aspectos materiais, fixos e territoriais

Leia mais

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente

Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Educação, Tecnologias de Comunicação e Formação Docente Espaços de fluxo das TICs Fluxo Tecnológico Sistema Produtivo Sociedade Inovação Realimentação Flexibilidade Equipes Extrema velocidade das mudanças

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES

1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES 1. AULA 1 - INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES Objetivos da Aula Aprender os conceitos básicos para compreensão das próximas aulas. Na maioria dos casos, os conceitos apresentados serão revistos com maior

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

MPRS SECRETÁRIO DE DILIGÊNCIAS

MPRS SECRETÁRIO DE DILIGÊNCIAS Ola pessoal, PROF MÁRCIO HOLLWEG Segue abaixo os comentários da prova realizada dia 23/02 para o cargo de Secretário de Diligências do Ministério Público do Rio Grande do Sul, uma cobrança boa apresentando

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO INFORMÁTICA PARA CONCURSOS (jabruas@uol.com.br) 1 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Edição de textos, planilhas e apresentações (ambiente Office, OpenOffice, BrOffice e LibreOffice).

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br

Manual do Usuário Nextel Cloud. Manual do Usuário. Versão 1.0.0. Copyright Nextel 2014. http://nextelcloud.nextel.com.br Manual do Usuário Versão 1.0.0 Copyright Nextel 2014 http://nextelcloud.nextel.com.br 1 Nextel Cloud... 4 2 Nextel Cloud Web... 5 2.1 Página Inicial... 6 2.1.1 Meu Perfil... 7 2.1.2 Meu Dispositivo...

Leia mais

Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital.

Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital. Hackers, Monopólios e Instituições Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital. Sergio Amadeu da Silveira Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero Camadasdeprotocolos AplicaçãoHTTP,SMTP,FTP,SSH,IRC,SNMP,NNTP,POP3,

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens)

O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Entendendo a cloud computing (computação nas nuvens) O que é cloud computing (computação nas nuvens)? Introdução A expressão cloud computing começou a ganhar força em 2008, mas, conceitualmente, as ideias por trás da denominação existem há muito mais tempo.

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era

Produção de textos online. O modelo de consumo de uma nova era Produção de textos online O modelo de consumo de uma nova era Introdução Novas tecnologias, ou mesmo o aprimoramento daquelas já existentes, tem transformado o modo como são consumidos os conteúdos disponibilizados

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Desktop Qlik Sense 2.1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014

Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014 Tendências em TI Aula: 01 versão: 1.1 30/06/2014 Robson Vaamonde http://www.vaamonde.com.br http://www.procedimentosemti.com.br Professor do Curso Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de

Leia mais

INFORMÁTICA PROF. RENATO DA COSTA

INFORMÁTICA PROF. RENATO DA COSTA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FCC 2012 NOÇÕES DE : 1 Conceitos de Internet e intranet. 2 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet e

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

E- mail Corporativo. 2RS Soluções em TI

E- mail Corporativo. 2RS Soluções em TI E- mail Corporativo 2RS Soluções em TI Email Corporativo Índice Índice 1. Porque E- mail Corporativo é diferente?... 1 2. Ferramentas do Email Class... 2 2.1 Aplicativos do E- mail Corporativo... 2 2.1.1

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios

Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios IBM Global Technology Services White Paper IBM Resiliency Services Usando a nuvem para melhorar a resiliência dos negócios Escolha o provedor de serviços gerenciados certo para mitigar riscos à reputação

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 1º PERÍODO.: GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES :. Madson Santos madsonsantos@gmail.com 2 Unidade I Unidade I Software 3 Software o é uma sentença escrita em uma linguagem de computador, para a qual existe

Leia mais

Prof. Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck

Prof. Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck Noções de Informática Professor: Ricardo Beck Prof. Ricardo Beck www.aprovaconcursos.com.br Página 1 de 5 Noções de Informática SISTEMA OPERACIONAL Software O hardware consiste nos equipamentos que compõe

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD

TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD PROPOSTA: TELEFONIA E SOLUÇÕES CLOUD EMPRESA: SCRIBE INFORMÁTICA LTDA DATA: 21 de Janeiro de 2014 A/C SRº JEAN 1 / 10 SOLUÇÃO DE TELEFONIA INTEGRADA O objetivo dessa proposta é apresentar os diferenciais

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO

UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO www.origy.com.br UM NOVO CONCEITO EM HOSPEDAGEM DE DOMÍNIO CARACTERÍSTICAS: E-MAIL IMAP * Acesso simultâneo e centralizado, via aplicativo, webmail e celular/smartphone * Alta capacidade de armazenamento

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais