Estratégia e sociedade, uma reflexão sobre o equilíbrio de interesses das empresas e da sociedade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia e sociedade, uma reflexão sobre o equilíbrio de interesses das empresas e da sociedade"

Transcrição

1 Estratégia e sociedade, uma reflexão sobre o equilíbrio de interesses das empresas e da sociedade Jorge Vieira da Silva 1 Resumo: Este artigo traz uma reflexão sobre a relação entre a empresa e a sociedade que a cerca, ou seja, a relação da empresa com os diversos públicos com os quais interage e que têm interesse em suas operações, os stakeholders. Esta reflexão, considerando o caráter situacional desta relação, tem base em uma pesquisa qualitativa conduzida com alunos da disciplina Gestão Estratégica de Negócios do curso de pós-graduação de Especialização em Gestão de Pessoas com Ênfase no Desenvolvimento Humano e Organizacional, da Faculdade Cenecista de Osório (FACOS). O artigo esta dividido em seis tópicos: introdução, conceituação, metodologia, resultados, discussão e conclusão. A introdução apresenta a disciplina de Gestão Estratégica de Negócios e o contexto da pesquisa. A conceituação resume os principais conceitos de Gestão Estratégica de Negócios utilizados na pesquisa. A metodologia esclarece os métodos de coleta e análise de dados e delimitação da pesquisa. O tópico de resultados sintetiza os dados trazidos pelos alunos. A discussão traz a análise descritiva dos resultados, com base nos conceitos. O último tópico, conclusão, fecha a análise e introduz uma proposta de reflexão para o leitor a cerca do equilíbrio de interesses das empresas e da sociedade. Palavras-chave: estratégia e sociedade - responsabilidade social corporativa - valor compartilhado. Abstract: This article presents a reflection on the relationship between business and society, i.e. the company's relationship with the various stakeholders with whom it interacts and who have an interest in its operations. This reflection, considering the situational nature of this relationship, is based on a qualitative research conducted with students of the discipline Business Strategic Management of the Graduate Specialization Course in Human Resource Management with emphasis in Human and Organizational Development, at the Faculty Cenecista of Osorio (FACOS), RS, Brazil. The article is divided in six topics: introduction, conceptualization, methodology, results, discussion and conclusion. The introduction presents the discipline of Business Strategic Management and the research context. The conceptualization summarizes the main concepts of Strategic Business Management used in the research. The methodology clarifies the methods of data collection and analysis and the delimitation of the research. The topic of results summarizes the data provided by the students. The discussion provides a descriptive analysis of the results, based on the concepts. The last topic, conclusion, closes the analysis and introduces a proposal of reflection, for the reader, about the balance of interests of business and society. Keywords: strategy and society - social corporate responsibility - shared value. Introdução A Faculdade Cenecista de Osório, a FACOS/CNEC, oferece, à comunidade da cidade de Osório, Rio Grande do Sul, um curso de pós-graduação de especialização em Gestão de Pessoas com ênfase em desenvolvimento humano e organizacional. Este curso, visando uma formação de excelência, oferece, aos alunos, além da 1 Jorge Vieira da Silva é Doutor em Ciências Sociais: Sociologia Política e Mestre em Administração: Planejamento pela PUC/SP, Administrador formado pela USP (CRA/RS ). É professor da Escola da Administração da UFRGS, do MBA da FACOS e do MBA da FTEC. Página 54

2 especialização em Gestão de Pessoas, a oportunidade de atualização sobre publicações e tendências da área. O autor deste artigo ministrou a disciplina Gestão Estratégica de Negócios, integrante deste curso, entre junho e julho de Esta disciplina, de acordo com a orientação da FACOS, apresentou conceitos, estudos de casos e tendências de Gestão Estratégica de Negócios e desenvolveu, junto com os alunos, enquanto proposta didática para a apropriação de conceitos, uma pesquisa qualitativa sobre a gestão de empresas da cidade de Osório e região. Considerando relevantes os resultados desta pesquisa, o objetivo deste artigo é: Apresentar a pesquisa conduzida com os alunos de pós-graduação da FACOS; Propor uma reflexão sobre o tema da pesquisa: a relação entre empresas e sociedade, na cidade de Osório e região. A Gestão Estratégica de Negócios, na última década, tem evoluído no sentido de tentar equilibrar os interesses sociais e financeiros de uma empresa com os interesses dos diversos públicos com os quais ela se relaciona, dos chamados stakeholders (ou partes interessadas, na tradução para o português). Esta tentativa de equilíbrio remete à necessidade do desenvolvimento de relacionamentos de longo prazo. Ocorre, porém, que os interesses podem convergir ou divergir em diferentes assuntos, em diferentes momentos e assumir cenários diversos, ou seja, apresentam um caráter situacional (de apoio, parceria, oposição, confronto, etc.). Assim, ao tentar harmonizar os interesses da empresa e stakeholders, a empresa acaba por necessitar um planejamento estratégico mais flexível do que aquele planejamento estratégico tradicional, baseado na imposição normativa para seus públicos internos. Neste contexto, destacam-se dois conceitos recentes na Administração de Empresas e fundamentais para a Gestão Estratégica de Negócios: a responsabilidade social corporativa, que propõe uma gestão empresarial responsável, ética e transparente na relação com os stakeholders, e a iniciativa da criação do valor compartilhado, que visa a criação de valor que atenda, simultaneamente, empresa e sociedade, ou seja, que, respectivamente, gere resultados para empresa e para a sociedade. Página 55

3 O objetivo principal da pesquisa foi verificar o equilíbrio ou a tentativa, ou mesmo a vontade, de equilíbrio, por parte da empresa dos interesses empresariais e de seus stakeholders, em empresas situadas na cidade de Osório e região próxima. Os objetivos secundários foram checar a presença dos conceitos da responsabilidade social corporativa nas empresas pesquisadas e verificar se alguma iniciativa da empresa se aproxima do conceito de iniciativa de valor compartilhado no modelo proposto por Porter e Kramer (2006 e 2011). Uma questão norteadora para esta pesquisa foi colocada: como empresas de Osório e região atuam em sua gestão de negócios, considerando seus próprios interesses e os interesses dos diversos públicos da sociedade que a cerca? Este artigo está organizado de acordo com a formatação geralmente solicitada em artigos acadêmicos e visa, também, servir de modelo para outros artigos, que tenham base em pesquisa realizada (vide figura 1). Figura 1: Formatação do artigo. Fonte: do autor O artigo está organizado em seis tópicos: Introdução, que apresenta o artigo, seu contexto, seus objetivos (geral e específico), sua questão norteadora e seus tópicos; Conceituação, que traz o referencial teórico utilizado, que, neste artigo, inclui a responsabilidade social corporativa e a iniciativa do valor compartilhado; Metodologia, que indica os métodos de coleta de dados, de análise de dados e a delimitação da pesquisa; Resultados, que apresenta os resultados obtidos na pesquisa; Página 56

4 Discussão, que analisa os resultados com base nos conceitos teóricos incluídos no tópico de conceituação; Conclusão, que conclui o artigo e sugere a continuidade dos estudos sobre o tema abordado. No final do artigo, estão relacionadas as referências bibliográficas utilizadas e recomendadas para futuras referências. Conceituação A necessidade de equilíbrio entre os interesses da empresa e de seus diversos públicos esta presente no CEPA, Código de Ética dos Profissionais de Administração (Conselho Federal de Administração, 2013), que traz em seu preâmbulo a definição de ética como: A explicitação teórica do fundamento último do agir humano na busca do bem comum e da realização individual. (Conselho Federal de Administração, 2013, pág. 1). Esta definição de ética remete à busca de um equilíbrio entre o interesse individual e o interesse coletivo ou, como afirma o código: o exercício da atividade dos profissionais de Administração implica em compromisso moral com o indivíduo, cliente, empregador, organização e com a sociedade, impondo deveres e responsabilidades indelegáveis. (Conselho Federal de Administração, 2013, pág. 1). O CEPA também se propõe a ser o guia orientador e estimulador de novos comportamentos e, para isto, fundamenta-se em um conceito de ética direcionado para o desenvolvimento, que sirva de estímulo e parâmetro para que o administrador amplie sua capacidade de pensar, visualize seu papel e torne sua ação mais eficaz diante da sociedade (Conselho Federal de Administração, 2013). Analisando o CEPA, percebe-se que o interesse individual pode estar associado, como sugere Porter e Kramer (2011), à competitividade ou lucro individual pessoal ou empresarial. Este deve estar em equilíbrio com um interesse coletivo, de benefício para a sociedade. O objetivo econômico da empresa deve ser compatível Página 57

5 com o objetivo social coletivo. Procurando esta compatibilidade, os administradores devem ser estimulados a pensar, a visualizar o seu papel e a tornar sua ação mais eficaz e sustentável diante da sociedade. Neste sentido, Porter e Kramer (2011) colocam que: A competitividade de uma empresa e a saúde das comunidades a seu redor estão intimamente ligadas. Uma empresa precisa de uma comunidade vicejante, não só para gerar demanda para seus produtos, mas também para suprir ativos públicos essenciais e um ambiente favorável. (Porter e Kramer, 2011, pág. 26). Entre as iniciativas conceituais mais significativas de equilíbrio entre os interesses da empresa e da sociedade, nesta última década, incluem-se: A responsabilidade social corporativa; A iniciativa de criação do valor compartilhado. Responsabilidade social corporativa A responsabilidade social corporativa é uma realidade em muitas empresas, tanto no Brasil como no exterior, como se pode verificar, respectivamente, em Ashley (2005) e em McWilliams, Siegel e Wright (2006), que relatam um esforço no sentido de criar um relacionamento duradouro, de parceria e de comprometimento mútuo com os stakeholders. A responsabilidade social corporativa, ou responsabilidade social empresarial, verificada por McWilliams, Siegel e Wright (2006), é definida por estes autores como as situações aonde a empresa vai além de suas atribuições ( compliance ) e se engaja em ações visando favorecer o bem social, indo além de seus próprios interesses e do que é exigido por lei" (tradução livre, do autor deste artigo, de McWilliams, Siegel e Wright, 2006, pág. 4). Ashley (2005), ao analisar as atividades de empresas, coloca três níveis de relações de uma empresa: um nível mínimo, de cumprimento da lei, um nível intermediário, de atendimento a expectativas atuais (dos públicos com quem a empresa se Página 58

6 relaciona) e um nível de aspirações a ideais éticos, que correspondem a um ideal associado à responsabilidade social (e ambiental). Nestas relações, Ashley (2005) inclui as relações hierárquicas da empresa, as relações da empresa com o mercado e as relações de parceria e multilaterais (Ashley, 2005, pág. 123). A figura 2 ilustra os tipos de públicos e tipos de relações de uma organização empresarial, segundo Ashley. Figura 2: Tipos de públicos e tipos de relações de uma organização empresarial. Fonte: Ashley (2005, pág. 123). O conceito da responsabilidade social empresarial, como define o Instituto Ethos (2009), exemplifica esta realidade quando coloca a responsabilidade social empresarial como: a forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos os públicos com os quais ela se relaciona (Instituto Ethos, 2009). O Instituto Ethos (2009) também coloca que a empresa deve: estabelecer metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais (Instituto Ethos, 2009). O conceito de responsabilidade social corporativa, ou responsabilidade social empresarial, é reforçado quando o Instituto Ethos (2009) define uma empresa socialmente responsável como: Página 59

7 Iniciativa do valor compartilhado aquela que possui a capacidade de ouvir os interesses das diferentes partes (acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores, comunidade, governo e meio ambiente) e conseguir incorporá-los ao planejamento de suas atividades, buscando atender às demandas de todos, não apenas dos acionistas ou proprietários (Instituto Ethos, 2009). A proposta da iniciativa da criação do valor compartilhado é feita por Porter e Kramer, dos quais se podem destacar e recomendar duas publicações: Strategy & Society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility (Porter e Kramer, 2006) ; Criação de valor compartilhado: como reinventar o capitalismo e desencadear uma onda de inovação e crescimento (Porter e Kramer, 2011). Porter e Kramer (2011) entendem que a busca de um equilíbrio entre a competitividade empresarial e o benefício para a sociedade são compatíveis e entendem que a responsabilidade social corporativa erra, enquanto conceito, ao não focar na criação de valor que atenda, simultaneamente, à empresa e à sociedade. Porter e Kramer (2011), ao proporem a iniciativa da criação do valor compartilhado, visualizam este novo conceito como uma evolução, que transcende a vantagem competitiva e a responsabilidade social corporativa (Porter e Kramer, 2011, pág. 20). A figura 3 traz uma comparação entre os dois conceitos. Figura 3: Diferença entre Valor Compartilhado e Responsabilidade Social Empresarial, Fonte: Porter e Kramer (2011, pág. 30). Página 60

8 De acordo com Porter e Kramer (2011), o valor compartilhado ( shared value ) entre empresas e sociedade consiste em um novo paradigma e definem este valor compartilhado como políticas e práticas operacionais que aumentam a competitividade de uma empresa ao mesmo tempo que melhoram as condições socioeconômicas nas comunidades em que atua. Neste caso, os autores colocam que o foco da geração de valor compartilhado é identificar e ampliar o elo entre o progresso social e o econômico. Continuando: o conceito repousa na tese de que tanto o progresso econômico como o social devem ser abordados como princípios de valor. O valor é definido como benefícios em relação aos custos, não só benefícios. (Porter e Kramer, 2011, pág. 20). A figura 4 exemplifica o elo entre vantagem competitiva e questões sociais. Figura 4: O elo entre vantagem competitiva e questões sociais. Fonte: Porter e Kramer (2011, pág. 30). Resultante da discussão, ocorrida em sala de aula, sobre os conceitos apresentados de responsabilidade social corporativa e de iniciativa de criação do valor compartilhado e sobre o equilíbrio entre competitividade e responsabilidade empresarial - ou, simplificando, entre lucro e relacionamento empresarial vem a base conceitual para a pesquisa dos alunos do pós-graduação da FACOS/CNEC, junto a empresas da cidade de Osório e região e a proposta de reflexão deste artigo. Página 61

9 Metodologia A pesquisa foi realizada pelos 23 alunos da disciplina Gestão Estratégica Empresarial do curso de pós-graduação de especialização em Gestão de Pessoas da FACOS, entre 22 de junho e 06 de julho de Destes alunos, 18 têm formação de graduação em Administração (78%), três em outros cursos (Pedagogia, Biblioteconomia e Turismo) (13%) e dois não informaram seu curso de origem (9%). As empresas pesquisadas foram, na maioria, as empresas onde os alunos trabalhavam na época da pesquisa, no total de 17 empresas (dois alunos não informaram vínculo empregatício na época da pesquisa e quatro trabalhavam na mesma empresa que outros colegas), sendo 13 localizadas na cidade de Osório (76,5%) e quatro nas cidades próximas de Tramandaí, Capão da Canoa e Palmares (23,5%). Destas empresas, 12 estão na iniciativa privada (71%) e cinco na área pública (29%). Quatro são bancos (23,5%), dois privados e dois estatais. As figuras 5 e 6 mostram os percentuais referentes à localização das empresas e se pertencem à iniciativa privada ou pública. Figura 5: Localização geográfica das empresas pesquisadas. Fonte: do autor Figura 5: Distribuição das empresas pesquisadas entre iniciativa privada e área pública. Página 62

10 Fonte: do autor A coleta de dados incluiu consulta a documentos das empresas pesquisadas, entrevistas com funcionários e/ou com executivos destas empresas e, na maioria dos casos, com aluno ou aluna trabalhando na empresa, observação participativa. O tipo da coleta de dados foi opcional ao grupo de alunos e realizado de acordo com a disponibilidade de acesso dos alunos aos dados. Os alunos foram organizados em duplas ou trios, os quais elegeram uma empresa por grupo para a análise dos dados, totalizando oito empresas para a análise. O critério desta escolha foi a percepção do grupo sobre a confiabilidade dos dados obtidos. Os nomes das empresas escolhidas para análise, bem como seu porte e setor de atuação, foram omitidos para efeito da publicação deste artigo, por opção do autor. A análise dos dados foi a análise descritiva de conteúdo (dos documentos, entrevistas e/ou anotações de observação), com base nos conceitos apresentados, ou seja, nos conceitos de responsabilidade social corporativa e de criação do valor compartilhado. Esta análise foi apresentada em sala de aula e foi a base para a avaliação e aprovação dos alunos na disciplina de Gestão Estratégica de Negócios. Todos os alunos fizeram uma boa apresentação e foram aprovados. A delimitação da pesquisa, além da localização geográfica das empresas, consistiu na orientação do professor, autor deste artigo, para: A verificação crítica de evidências de práticas de gestão responsável, como, por exemplo, a identificação de diretrizes estratégicas responsáveis, ou seja, missão, Página 63

11 o n tr o l e e a p r e n d i z a d o Implantação da estratégia Desenvolvimento da estratégia visão e valores que incluam responsabilidade social e ambiental, evidenciando compromissos com stakeholders, além de acionistas e clientes, como funcionários, terceiros, parceiros comerciais, clientes, fornecedores, governo e comunidade; A identificação de iniciativas que se aproximam do conceito da criação do valor compartilhado. A tabela 1 ilustra possíveis pontos de identificação de evidências de práticas de gestão estratégica responsável, ou seja, associada à responsabilidade social corporativa. Tabela 1 Pontos de identificação de evidências de práticas de gestão estratégica responsável. Grupo Etapa 1. Análise da situação atual 2. Definição da situação desejada 3. Definição da estratégia 4. Planejamento tático 5. Planejamento operacional 6. Execução do planejado Gestão estratégica empresarial ( tradicional ) A análise de ameaças e oportunidades da empresa no mercado inclui a análise de microambiente, envolvendo concorrentes, clientes e fornecedores, e de macroambiente, de aspectos econômicos, sociais e legais. A análise de pontos fortes e fracos da organização inclui análise de competências operacionais, comerciais e de apoio administrativo. A empresa define diretrizes estratégicas, que incluem missão, visão e valores da empresa, que servem de norteadores de sua conduta. A empresa define sua estratégia em relação ao mercado e produz um planejamento estratégico de caráter normativo para ser seguido por suas diversas áreas. O Planejamento Estratégico Normativo é implantado parcialmente ( Estratégia Deliberada ) e a empresa lida com as exceções tentando as enquadrar à regra, muitas vezes de forma improvisada e sem um padrão de conduta. Gestão estratégica responsável A análise de ameaças e oportunidades da empresa no mercado passa a incluir a análise de todos os públicos de relacionamento da empresa, com vistas a um planejamento estratégico mais flexível ( situacional ). A análise de pontos fortes e fracos passa a incluir a análise de competências não somente técnicas, mas também de relacionamento da empresa com seus públicos. As diretrizes estratégicas passam a explicitar a forma responsável, ética e sustentável do relacionamento da empresa com seus públicos. A empresa define um planejamento estratégico normativo, mas também define um padrão de conduta que norteie sua flexibilização ( situacional ). O Planejamento estratégico normativo é combinado a um planejamento estratégico situacional, permitindo à empresa seguir a um padrão de conduta em uma Estratégia Emergente, aprender com seus relacionamentos e desenvolver uma ação responsável junto a seus diversos públicos. 7. Controle A empresa controla os resultados O planejamento estratégico mais Página 64

12 empresarial 8. Aprendizado organizacional 9. Análise de resultados e tenta aprender com eles, mas de uma maneira não estruturada. Fonte: do autor. flexível permite, à empresa, uma maneira responsável de agir, tanto em relação aos seus objetivos como em relação aos objetivos de seus públicos de relacionamento. Resultados Das 17 empresas pesquisadas, oito foram selecionadas, pelos grupos de alunos, para serem analisadas e apresentadas em sala de aula. Os resultados anotados das análises efetuadas se referem a estas oito empresas. Em linhas gerais, as análises descritivas de conteúdo, trazidas pelos alunos, demonstraram os resultados qualitativos próximos aos esperados, dos quais se pode destacar: As empresas analisadas demonstraram, de maneira geral, independentemente de seu porte, uma preocupação com seus diversos públicos de relacionamento; As empresas privadas, independentemente de seu porte e embora preocupadas com seus públicos de relacionamento, evidenciaram ter o lucro como prioridade e iniciativas de responsabilidade social corporativa, tidas como necessárias, são encaradas como custos para a empresa; As empresas públicas, que não objetivam em lucro, mas têm a necessidade de equilíbrio orçamentário ( responsabilidade fiscal ), demonstraram uma predisposição maior para a responsabilidade social corporativa, a qual foi, por vezes, questionada por alunos empregados na iniciativa privada; A comunicação das empresas de grande porte demonstraram evidências de práticas de gestão estratégica responsável em suas diretrizes estratégicas (como missão, visão e valores), em notícias veiculadas, em estatísticas publicadas e em seu balanço social, este último confundindo, por vezes, responsabilidade social corporativa com empreendimentos sociais ou marketing social ; Página 65

13 As empresas têm presente, em suas operações, a compreensão da necessidade de uma estratégia competitiva, que lhes dê um diferencial competitivo e uma vantagem competitiva ; Algumas empresas entendem a responsabilidade social corporativa como um diferencial competitivo em relação à concorrência, mas não têm clareza sobre a relação de custo-benefício de suas iniciativas nesta área; Considerando a responsabilidade social corporativa como um custo necessário, algumas empresas evidenciaram a pressão externa como motivo de suas iniciativas; Iniciativas de criação de valor compartilhado entre empresas e sociedade não foram identificadas na pesquisa. Discussão Com os dados da pesquisa e as análises de resultados, procedeu-se a discussão, em sala de aula, sobre a responsabilidade social corporativa e sobre a iniciativa da criação do valor compartilhado enquanto iniciativas para o equilíbrio entre os interesses da empresa e da sociedade. A percepção dos alunos é de que a responsabilidade social corporativa já é uma realidade nas empresas pesquisas. Todavia, esta é entendida como um custo necessário e que eventuais benefícios são decorrentes da imagem positiva que a empresa pode gerar junto à sociedade. Embora a motivação alegada para a iniciativa da responsabilidade social corporativa seja a ética empresarial, existe um movimento contrário que se origina na estratégia competitiva da empresa. Em outras palavras, a percepção é de que a responsabilidade social corporativa compete com o objetivo maior da empresa, que é o lucro do acionista-proprietário no caso da empresa privada (nota: não houve esta percepção na empresa pública analisada). A percepção dos alunos sobre a criação do valor compartilhado para a empresa e para a sociedade é de que esta iniciativa visa eliminar esta competição por tempo Página 66

14 e recursos da empresa, existente na responsabilidade social corporativa. Neste sentido, os elos de Porter e Kramer (2011, pág. 30), constantes na figura 4 deste artigo, são elucidativos. Por exemplo: o custo de prevenção das doenças laborais é menor que o custo da perda de um funcionário, do mesmo modo o custo de prevenção à poluição ambiental é menor do que o custo de descontaminação. Todavia, a iniciativa da criação do valor compartilhado não é uma realidade nas empresas pesquisadas. Estas desconhecem a proposta de Porter e Kramer, mas entendem o conceito e aplicabilidade - desta iniciativa em seus negócios. A conclusão realista desta análise é de que somente a ética empresarial não é suficiente para promover o equilíbrio entre os interesses da empresa e da sociedade. Faz-se necessário um incentivo maior, que, no caso das empresas privadas, (ainda) é o lucro. Neste sentido, presume-se que o conhecimento do conceito da proposta da criação do valor compartilhado pode vir a gerar iniciativas de empresas no sentido de criar valores que beneficiem, simultaneamente, empresas e a sociedade locais. Neste caso, a discussão sobre os motivos pela busca do equilíbrio de interesses se é a ética empresarial ou o lucro tornar-se-ia uma questão secundária. O ideal seria equilíbrio ser decorrente da ética, mas, no contexto do dia-a-dia dos negócios das empresas, a criação do valor compartilhado pode antecipar este equilíbrio. Conclusão A conclusão geral do trabalho é de que, nas empresas pesquisadas na cidade de Osório e região, a responsabilidade social corporativa é uma realidade e que estas empresas estão atuando no sentido de desenvolver melhores práticas de relacionamento com seus stakeholders. Evidências diversas de práticas de responsabilidade social corporativa foram identificadas e analisadas. Melhores práticas de relacionamento, com cada público, estão evoluindo, paulatinamente, nas empresas e isto inclui não somente proprietários, gestores e clientes, mas também funcionários, fornecedores, outros parceiros comerciais, governo e público em geral. Página 67

15 Sintetizando, percebe-se que a Gestão Estratégica de Negócios da empresa já é orientada por diretrizes estratégicas responsáveis, ou seja, missão, visão e valores que incluam responsabilidade social e ambiental, compromisso com acionistas e outros investidores, funcionários, terceiros, parceiros comerciais, clientes, fornecedores, governo, comunidade e meio-ambiente. A estratégia empresarial decorrente destas diretrizes já traz a orientação para o planejamento empresarial e sua implantação, incluindo planos de ação nas áreas financeira, comercial, produtiva e de apoio administrativo e tecnológico, assim como planos de relacionamento interpessoal, envolvendo os diversos stakeholders. Todavia, este trabalho é feito com muito esforço, pois as empresas carecem de um planejamento estratégico mais flexível ( situacional ) e porque as iniciativas de responsabilidade social corporativa competem com o foco em resultados financeiros que as empresas precisam ter. A iniciativa da criação do valor compartilhado, associada a um planejamento mais flexível, pode ser uma solução para melhor equilibrar os interesses das empresas e de seus públicos, mas esta é um conceito que ainda precisa ser desenvolvido na cidade de Osório e região. Fica, aqui, enquanto uma proposta para reflexão e para possíveis trabalhos de alunos da FACOS/CNEC. Referências Ashley, P. A. in Ashley P. A. (org.). Ética e responsabilidade social nos negócios. 2ª edição. São Paulo: Saraiva, McWilliams, A.; Siegel, D.; Wright, P. M. Corporate Social Responsibility: International Perspectives. Working Papers (0604). Troy, New York: Department of Economics, Rensselaer Polytechnic Institute, Nickels, W. G. e Wood, M. B.. Marketing: relacionamentos, qualidade, valor. Rio de Janeiro: LTC, Página 68

16 Porter, M. E. e Kramer, M. R., Strategy & Society: the link between competitive advantage and corporate social responsibility, Harvard Business Review, disponível em (acesso em outubro de 2013), Porter, M. E. e Kramer, M. R.. Criação de valor compartilhado: como reinventar o capitalismo e desencadear uma onda de inovação e crescimento. Harvard Business Review Brasil, jan.2011, pg , Saether, K. T.; Ruth V. A. Corporate Social Responsibility in a Comparative Perspective. In Crane, A., et al. The Oxford Handbook of Corporate Social Responsibility. Oxford: Oxford University Press, Silva, J. V.. Planejando o ato empresarial: um desafio para o executivo de empresas, in Revista Perspectiva e Conhecimento, 1ª edição. Gravataí: Facensa. Disponível em (acesso em 15/03/2013), Conselho Federal de Administração. Código de Ética dos Profissionais de Administração. (acesso em 28/04/2013), Foundation Strategy Group, FSG. (acesso em 04/11/2013), Instituto Ethos (org.). Responsabilidade Social das Empresas: a contribuição das universidades. Volume 3. São Paulo: Petrópolis, Instituto Ethos. perguntas_ frequentes/perguntas_frequentes.aspx (acesso em 21/09/2009), 2009 Página 69

Update, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 1-25, jan./jun. 2014. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA RESPONSÁVEL: COMPETITIVIDADE E RESPONSABILIDADE

Update, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 1-25, jan./jun. 2014. ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA RESPONSÁVEL: COMPETITIVIDADE E RESPONSABILIDADE ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA RESPONSÁVEL: COMPETITIVIDADE E RESPONSABILIDADE Jorge Vieira da Silva 1 RESUMO Este artigo tem o objetivo de propor uma reflexão, com base teórica, sobre a incorporação das atividades

Leia mais

Comunicação e sociedade: desafios e perspectivas das organizações em um ambiente em transformação 1

Comunicação e sociedade: desafios e perspectivas das organizações em um ambiente em transformação 1 Comunicação e sociedade: desafios e perspectivas das organizações em um ambiente em transformação 1 Valdete Cecato 2 Mestranda em Ciências da Comunicação ECA-USP Resumo O objetivo desse artigo é abordar

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS RESPONSABILIDADE SOCIAL COMO ESTRATÉGIA EMPRESARIAL E A FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR Kétura Silva Paiva; Juliana Ricardo Bispo de Almeida; Rosamaria Cox Moura-Leite Área Temática: Estratégias Sustentáveis

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa

Sustentabilidade Corporativa Sustentabilidade Corporativa Ana Cristina Campos Marques 15/05/2012 Apresentação DNV Pessoal 2 Sumário Fundamentos Aplicação Prática Tendências Mundiais Empresas & Sociedade Papel das empresas? Lucro apenas?

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli

Café com Responsabilidade. Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro. Vitor Seravalli Café com Responsabilidade Sustentabilidade: a competência empresarial do futuro Vitor Seravalli Manaus, 11 de Abril de 2012 Desafios que o Mundo Enfrenta Hoje Crescimento Populacional Desafios que o Mundo

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS

INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS ARTIGO INVESTIMENTO EM RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUA RELAÇÃO COM O DESEMPENHO ECONÔMICO DAS EMPRESAS Elaine Arantes Graduada em Administração- FAE; Especialista em Planejamento e Gestão de Negócios FAE.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Adm. Valter Faria São Paulo, 27 de novembro de 2014 Jornal de Hoje Que habilidades serão exigidas

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas

A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas A contabilidade gerencial e a gestão de valor nas empresas Prof. Mestre Renato silva 1 Resumo: Este artigo tem o propósito de apresentar a importância da contabilidade gerencial no contexto da geração

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social

RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL. A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social RESPONSABILIDADE SOCIAL E VOLUNTARIADO EMPRESARIAL A contribuição do trabalho voluntário na Responsabilidade Social Ana Paula P. Mohr Universidade do Vale do Rio dos Sinos ana.mohr@gerdau.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

ÉTICA EMPRESARIAL e RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA: CONCEITUAÇÃO, ANÁLISES E APLICAÇÕES.

ÉTICA EMPRESARIAL e RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA: CONCEITUAÇÃO, ANÁLISES E APLICAÇÕES. ÉTICA EMPRESARIAL e RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA: CONCEITUAÇÃO, ANÁLISES E APLICAÇÕES. 1ª etapa: Aprofundamento teórico: é a fase da revisão de literatura. Nela os pesquisadores (alunos e docentes)

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS ECONÔMICAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS Titulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Capítulo I Dos Fundamentos Art. 1º. Este Regulamento rege as Atividades de Estágio

Leia mais

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Compliance Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

Planejamento Estratégico: como foco na Gestão Hospitalar

Planejamento Estratégico: como foco na Gestão Hospitalar Planejamento Estratégico: como foco na Gestão Hospitalar Neusa Maria dos Santos Faculdade Herrero - HERRERO Resumo: Este artigo tem como finalidade e objetivo apresentar através de teorias já publicadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO)

DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) DESENVOLVIMENTO DE UM NOVO PRODUTO (SERVIÇO) SANTOS, Glaucia Angela Luz 1 CAMPOS, Jéssica de 1 SILVA, Juliana Gabriela Fogaça Cleto da 1 PONTES, Renata Amaral 1 OLIVEIRA, Ricardo Castilho de 1 CUNHA,Glaucia

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior

Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior Estruturas organizacionais em instituições privadas de ensino superior por Maurício Garcia*, agosto de 2005 A influência do modelo público A maioria das instituições privadas de ensino superior copiou,

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012

PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 PERFIL ÉTICO DOS PROFISSIONAIS DAS CORPORAÇÕES BRASILEIRAS RELATÓRIO BIENAL 2010/2012 FRAUDE Vantagem sobre outro por meio de sugestões falsas ou omissão da verdade COMPLIANCE Estar em conformidade e fazer

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Código de Ética e Conduta Lojas Renner

Código de Ética e Conduta Lojas Renner Código de Ética e Conduta Lojas Renner Junho de 2008 Introdução Carta do Presidente Código de Ética: Valores e Princípios Empresariais Código de Conduta: Colaboradores Fornecedores Clientes Comunidade

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

Tropa de Elite - ESTRATÉGIA

Tropa de Elite - ESTRATÉGIA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva.. Atlas. São Paulo, 1998. 1 Objetivos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

MBA em gestão de negócios

MBA em gestão de negócios MBA em gestão de negócios MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O MBA Executivo em Gestão de Negócios do Grupo Ibmec foi desenvolvido para responder à demanda do mercado por profissionais cada vez mais qualificados

Leia mais

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS)

Fundação Dom Cabral EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Fundação Dom Cabral Ritual de Passagem: A Educação de Lideranças para a Sustentabilidade INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO ALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO DE LIDERANÇAS PARA A SUSTENTABILIDADE (ELS) Prof. Raimundo Soares

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas

REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas REVIE Rede de Melhores Práticas para MKT e Vendas Este artigo foi publicado originalmente em abril de 2009 por Daniela Ramos Teixeira no portal Meta Análise. Este é o 1º dos artigos da série que Daniela

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA

POLÍTICA DE GESTÃO INTEGRADA Conteúdo 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. SGI-AMAZUL... 3 4. SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE... 3 5. QUALIDADE... 4 6. DOCUMENTAÇÃO... 5 6. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 6 7. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA...

Leia mais

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING

ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING ETEC TAKASHI MORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MARKETING PLANO TRABALHO DOCENTE 2º SEMESTRE 2013 1 ETEC TAKASORITA - EXTENSÃO PARELHEIROS INDICE

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais