Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido"

Transcrição

1 XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiárido Anna Flávia de Oliveira Lima¹, Rodolfo José Sabiá². 1, 2 - Universidade Regional do Cariri URCA. Introdução A adsorção é uma técnica muito usada no tratamento de águas contaminadas, pois é capaz de remover poluentes orgânicos e inorgânicos. No tratamento de efluentes industriais a adsorção é empregada, principalmente, na remoção de corantes e metais pesados. O adsorvente mais utilizado é o carvão ativo, que é muito eficiente, porém adsorventes alternativos vêm sendo estudados. Os resíduos agrícolas são particularmente interessantes, pois são abundantes, baratos, exigem pouco preparo e vem se mostrando eficientes adsorventes de corantes e íons metálicos. [1] O presente estudo tem como objetivo a verificação por métodos analíticos e experimentais a eficácia da remoção de metais pesados em água, efluentes e chorume por meio de resíduos agrícolas a fim indicar o resíduo biossorvente (resíduos agrícolas) capaz de atender as expectativas no tocante à eficiência de remoção dos metais analisados e a viabilidade de sua adoção. Metodologia Inicialmente realizou-se o levantamento bibliográfico dos principais biosorventes presentes em regiões semiáridas e sua capacidade de adsorção de metais pesados. O diagnóstico dos principais resíduos agrícolas presente na região está sendo realizado na região metropolitana do cariri, parte integrante do semiárido brasileiro. Serão testada a capacidade de remoção de metais pesados presentes em águas, efluentes e chorume através da biossorção de Cd, Cu, Cr, Ni, Ag e Pb de cada um dos resíduos agrícolas escolhidos. [2] A etapa experimental inicia-se com a coleta e secagem natural das cascas de banana (Musa sp), laranja (Citrus sinensis) e limão (Citrus limon), estabelecendo um período de quatro dias expostas ao sol para desidratá-las. Posteriormente ocorreu a trituração, utilizando o moinho e o pó obtido será peneirado e pesado em quantidades significativas. Ressaltando, ainda, a utilização da serragem da madeira de sabiá (Mimosa caesalpineafolia) como adsorvente alternativo neste estudo. Limão Galego 15 unidades 135 Serragem da Sabiá Estaca com 12 cm 140 madeira de diâmetro Tabela 1: Lista dos biossorventes estudados. Posteriormente serão analisados os biossorventes para indicar a seletividade na remoção de metais pesados estudados, identificando e eficiência da capacidade de cada biossorvente na remoção de metais pesados em águas, efluentes e chorume com a determinação do biossorvente, gerado a partir de resíduos agrícolas mais eficiente, considerando as características climáticas e hidrológicas do semiárido brasileiro e a viabilidade econômica de sua adoção. Conclusões e Perspectivas Um dos aspectos mais promissores neste estudo é que os biossorventes utilizados são facilmente obtidos a partir de biomassas que são consideradas resíduos e, portanto de baixo custo na sua implementação em larga escala. Conforme já visualizado em outros trabalhos, foi possível verificar que a adsorção em resíduos agrícolas é um processo relativamente novo e promissor para o tratamento de efluentes. Agradecimentos A FUNCAP pelo apoio financeiro e ao professor orientador, Dr. Rodolfo José Sabiá pela condução dos estudos. Referências [1] MOTTA, Claudianara Veloso et al. RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS COMO MATERIAIS ADSORVENTES. (2011). [2] SABIÁ, R. J. Projeto de pesquisa, Estudo de alternativas para a remoção dos metais pesados em águas no semiarido. (2013). Resultados e Discussão A pesquisa em desenvolvimento, experimental tem como dados a coleta, secagem e trituração dos biossorventes. Biossorvente Tipo Quantidade Peso (g) Banana Prata 30 unidades 100 Laranja Pêra 12 unidades 130 Autor correspondente: Anna Flávia de Oliveira Lima

2 ! "!"#$%& '!( )'*+'!( )'*, * #-#$$#.$.!.$,/#.0 12 $$$ 3.45, *67#! *7. 8$ ( $19 ( :$. $8$#$6#.8!:$;#.$!# $$;#.4+5, '$<( ($#$*7.$. #$$. (.19 = $!$1% 8 #> $!.?8<1%.#.#$8, >$<$#$8 #> (!. #$. ($. ;##3#$# -;#. (4 5, * (!. $? ($. ;# #> 8$19 (. <.0!.0#$ (0 #.#!!<#1%! #- :$ 0( ( ( $($.!#45,!$1% #># <*7A;#8= 19$. 3#! 1% ( < 6 4B5 8 #!.8$. 19 ( $. $. *7A 4C5 $ $. ( = #- (% ;# 8 =!!$ #?! <6! ## (*67#! 1#-)D #6$? 1%$.;#88 #> $8 #>!, # / $ #! 1 #-? -!$ 8$196##$$8$.. 8 (, E!% #-.;# 6$ #9..!. 8 $2, $% *.;#!! <#? 8 #$ ## ( 8 8#$! ( $.*7 1#-D,*..?#$! 1%## $. <1% #$ $.! 1%! = (6, /$<$ ;#%, & ' ## ( *67#! 1#- ) D 8$ <#.!!$ #?! (%, * '! (..!.($7F3'*, $ ( 45 /*GDE?, )* + # +,-)-.,-)),H?I -+J, 4+5*E*/E, D,K */D L,,, / 0' '1 ',D, #$H#$?,+JJ, 4 5 *DH*, ' +' 5 D# $(E77D*H'I+JJ+, 45 D/D 7,, 2!+ ',! ( D, 7#< % 7# +JJ+, 4B5 FE*GD/'*,, ",K I"'DDHE I,, *D* M,,,, 6 0 ' 2 +'4& ',---,-))5 7E, $.0 *$1% 7#1%(E.19+J+%7#, *NG7E+J+,!,NG, 4C5I'*D//ED,,G*,,*,7 ' ' ' ' 7 5 $.0*$1%7#1% (E.19+JJC%7#,* N7E+JJC,!,N, *#.O$

3 !" ##$%"$& * +,$- #!. +$/+ #+ $+. $+0+#.+#+!+.#+.12&(.$.+ $ # +#+ $+ ##+ 3 $ #.$. $&(# 4+- #.# $+,#+ $ $ +$$-.#$#$$53#+ # 0& $ # 3#- #.#.+$. $ 4+.. $7. +89&6$#:# +$/ # $+12#$#$7. $+ # $ #$$$&* ;$ #:#$$+$+4++ # +.$ 3+$+#/ &$+12+ ;$+$..$ $0+ $ +$+.##120+! <9&= $.$ #..$ $ 0+ 5 ;$ #:#!+$ $>4+..#.$ +$# $ #.?# $7. $ $& * # /#+#.!4+.+$ 3 +# +$7. $+ +#+$.+12. #. $# $+. /12.#$ $8 9&%$$ 3/ #>+$/ $&(3. ;$#:#$+$++ #0.($(A #. +$/#:#&! ( +$+#:# + #0.($(A>$+.+ #.12 + $/ #:# $&*$/>$$7 + $+ + $7. $+ BC## $ 0+##& * $ $#0+2# $D3#+ $&23$ 30#4+0# #: # >/+$+. ' ()'(*& *+$#. $B$S!$&#C B*C$12 +7$#12>+B**C.#03#. $BA*C+ 7$ 4+1E..*#!89&* >4+0# $>$ 3+#- #F B"FC 2# # $1E >$# $$+ $& 2+$/. $3# + $+$+ #.$.#$ # 2 3!BGC##. $H #+BAGC& " *$ - ### $$ +$ $#:#$+$+$## 4+- # + $ 4+ $0+5&*>.$: #?##0+.$.+$+$ $.+ $ #.12+$/#:# $# $+ $ $. 4+$2 $$ #$ $ $ $7.BC+ 3#12.+$. ;$#:#$+$+& #! "$ 89 I*(66G&&"&$& #% &'(#'& )!*J/ * $<KK<&.& & 8<9*(L%6&I&"&M*=6&&M**NI6&& &M 6OGA* I& "&M *J6 & & &M "!'<K<& 8 96'P*G&&M=6OA%6&MJ6O*%*I&&"&M G**J&M"**I&=&M+!, ))!! -. -!/01/203'200 <KK& 896A%&(&O&MAA&*&M(JAO*==6*&O&M (JAOO*=6*&&*&M*%*O"&&M 4% 5 ' 6' 7 % 8 9 Q(A($"/+1+<KKR&

4 !!"# $%&'$'( (&! )!*++, +*!! &)- (+)!!)).%+!/0!))12! 1/ 3 1. % & 1/!& + +*)4)++56-!%7 %&8)"9)7 ++, ) +)!)! )/++:&!! +!!+!!*+! 8//5;6-<) +!/0 : + +*% %9 )1!/+1!&.,)! ) "/++))+% 2+ +!/&%)-=+!+1! )1!/&%)!7!>! )!3"3%9"/&&1*! + +!/ )!)+: +)9!- +)1"!!1!) +&,+) )1!1+?)+!)!)) +!!%++/ ) ++)"%9!)+/1!)+)1!/ )& ++/ ) 1/ +!/,5 6-!8.") :!!!&&1*!!!!*!+!/0*+9!!!!./0*+!)+!/ 9!!!!2/ 2 + % ++&&1*!! %.++-!?)""&).%1!)% :!!!&+!) ++ ) & &1*!!!!*! +!/0 )9 * ) +1))2*+9!!!!./0*+!)+!/9!!!!2/2+ %++&&1*!-(* &"&1*!+!!. "!) "/!.!.% + & +)/,- (, )+!+!!!.&!"# $%" $%&' " " Os resultados esperados devem apresentar estudos teóricos que mostrem condições adequadas do processo de organofilização, através do aumento na distância basal para a argila modificada em relação à argila in natura. Estudos mostram que a inserção de moléculas orgânicas em argilas torna a argila organofílica, e proporciona diversas possibilidades de aplicações das mesmas. A estrutura e o tamanho das moléculas orgânicas usadas na modificação, à densidade e orientação dessas moléculas sobre a superfície das argilas são fatores importantes para definirem as características das argilas organofílicas.. # ('A++1!!" +3- "$ 56(B='---C<D=#--(-C<D=-(--C =EF= <- G-C % & '( )* +,-./-012-;HH;- 5;6E<I(J(-CD(I(DJI-C ( #3(31410.;HH- 5 6(G(D-E-C=(D<(--C#(K--G-C # +5, ;HH- L3+-+-M )-!)N

5 !"#$% &' ( $)!' %' *!"# $%%%&'$&(#)$%%%&'$&(# +, *%+,%,%%,%-,% -./%,-+%0-%%%%+ %,%%,-,%+% 1/+% % 1/2-%1/%%%-+%+%%+#*%+,%,% %+,%%+% % %,!%%-/!%%%+%3% +-!% -/ / 0 %,%-,+- /+ -,+ % -,% #$%%-+%,/78 9/+%+% %+/ % -.%-% -,-% % /+%,/78 % - -,.2- %+ 1/+%%%/%+%1/%--,:%%-% %% 1/% / --+%2+- +/ %9,%9/-# %,%%2% %,/78,-%% /+%,/78,%% ++%%-%+%%. 1/%;!/5)6#!-. (,+ %7<%%%%-:7808 %/:%+%%+=+-1/%%!/% --, %,/78%,%-./%%%7/% %--%+78%%+,% %:1/+-,.,-/,+#(,= -%++%-,%,%1/% A&B % /+: B,%-++C%+%( 78(+C-%&.B (( +=%D/B/%+%%?%+E% $&(#E-/%0+F-% % -./%,%%+% %+% 08 -%+ % %,+%%+% + -, - B*$GHB &*(?( I% J %%.!%0+F- %+&(&&/E /,-, & %%/+ +%%78&(& %&/ %/%1/%--%+7<%%+%%+ %,%-+%+%-%JJJKLJJKL JJIKLJJ)IK %JJJK1/%8+%!0-%+%!//,%-%+ %%- %/78&*(?( I%,&(-%J) KLJKL)JK%,%-+%+%%+ %%- %/78&*(?( J1/%,<% %-7<%,4%+,<%%%+:%,%+87%+ %%/%+%%-,%!/%-%,+%#%++ %%78&/%&2% %+ %!/%+%++%,%+,%%/78 &*(?( J# M/+%/+ E %/% 1/%8./%--%+7<%%-./ # -,0%+12 (E%7<%,%-% %/%1/% %/F--./%08/-,%/:% +%+1/%1/+%%%+%-+ -./%%+%!/%,+ + -% / /,%% %+ %%-,%%/7<%&*(?( I% J5 6 56#B+% +,- %+%+% 1/%!/ +,=,,+/%+ %%- %+:1/%%+,/78-%+, %+1/%--%+78%%+8 -//+#.+ ($%%%&,%,-% %+!,%- 78%,%1/%A&B,%/ +=# +3 (/+%-%,%+%OP.+#-Q %/+,+%1NF->4/?%#

6 2&+-+3 5)6((B(&B#B,1,+ )JJ# 5 6 S( B*$GT* &*(?( I# /// & # % KJ K)JJI 56 S( B*$GT* &*(?( J# /// &+-6799/% KJIK)J# (/+%-%,%+%OP.+#-Q

7 !""# $!"# $%&'($%()$%&'($%(* +,-./,0-,1 ' 0- '!-, 0&-1-0 0,-2/3 -',-14,-10 54,-! '!-6* 10 /,-100/31-0* /3!'1-,1/310- '7 -",1-0-1&-0,-*8,10/3,-"4,&&-- -,19,1,',1- : 1,0,0 ;9*3, - 4, --,- -,1-1-<&,1-:,1,/3,1,-7,0 ;,- =>* (&3 -&, -&!,1 0,- 4,11- -,01/310,2& 0,-1--*?!10&3 -&1&10-!0-&" - 10-&/34,&3,1- ',1- ", ,-, - 0 0/ ',0,,0 ; 0 4, 1 - -&,0 ; 1A 0 - -:17=) >* $% 1-',-2-0-,1&3 --, 00 &- 5;, 'B--&-60-1 'A 1", 0/ /31-&/3 &3 &'-* +'9-1,B--&-/, ( 12&-"11 C,- 9'3 1-0"& 0 ',/3 0,/3&3&'-* DB ,2 1- &3 &'- -& ; 4, / "',,-<,1-&!/3((, ('?* &%', , 0 B- 1,1(-1.<4,1 B-/39/,<,1-11 0"-0,/3&3&'-/,* +,-1--,1-' ,/3&3&'-1-1!10 -&/3 ; 4,;1* D , B01-01-,01/31-0 "',,- <,1* %(" (,0-&3--,4, 0,/3 &3&'-! --'-10-,-EFF )FFG0!,10093<" 1,-3-&/3& /3 &1 2 /3'-4,;10-&/34,;14, -"C,-1-12/3*"-&/3 ;& -0902/3 11-!,1-&/3101-* (? H*!"00,/3-<* &) =>DHD * % "& * %%+*)FFI*H-/35J-1 D'< K,;16 $ %& - (-90)FFI* J*L N*D*L + *J*, 00- ', -&- 1 ',-, O$0,- -< - P,' 2-*,- %!.&*0*F $))FFF* = ',-&- 1-',-,O$0,- &,- -< 0<O < *,- %!.&*0* $) )FFF* **L..D *(*L??**?0/3 &A -& 0-,*/ %.90 (0* $)FFF*,-0-5C)R&S<-1*16H*!"5 *S,*6

8 !"!""#$! %&'(%( ' ) # '* " ""+", -.) '/'" "0.)1.)2&"" ""0.)2 " """+"345,',6""7"""6"& 8+'0')9 & ) & ' 9"""+-"2-",".) 3:45 0.)'," 9,,;& -".) ",""+"-+"2+""6" &0 2,,, - ), ""+" 9,5 "1-0 "; < ""0.)'0,,.) "6"')(=(>5 ",.)2+" -',+" $ E#9 -,+& #& -"*"A"".FG :,.! :G 2""0"& '9/1" :G (G :GH :G EG :5 - "? "6" ') "0 %( ", (# ""0.),'-0, 9""-.)=AB$AC>,"", &#"')-& BDC;9" -" BE$C ; 9" '&9" BEC -"*" A "", 7" &B>DC,"",',& B>$C -" ",,", ", 5 $"" ;&&-.) "6"-,-.&, "6"5 #,$-.)AB!'C-,+& #&,"," 20 -, - "-,,"", ',& B>$C1,"&5,"",7"&B>DC #&-')')" - # -.F # %& ''( ) ( $ *+, %,,"&,92',,",", -""+"#;"5 '!%(8,,-""#, I 855IJ55J5I& 55IH5K555I!K5(5I ILL M M:NNI 3:45G5I"55I(1O55I055I &J55J5I&I55I,. +D5L5 MLNB:NNC5 BP 5"C

9 !"## $%##!& &'(!"#"$% &'""("")'()*'""("")'()+ & #,-"""-"""-"."-"" "/0""!1""" 02"-""--1/0""/" -""34" "/"5""""1". 1"""2".67+ 1""""89-3"/:" -" "/ ""-"." " 1"0 "!""/"5"+ ;-"<-"""2/03".""-"--/0"""1"0 3""-""4 " "8"" " = ". "3""""3>"/0"" "-""-?"/+ $"B$,C#DDB*DDC -/0"""1"03""" A"""."8""1</0." 02"22"""" "A13"12 9"2E" "2F-"1<+ -3"F3"-"9"1"."0) "F-""/0"""G"03" BGC"1</0"1"0""!" "/"5"B,CH )* # -"""34" "< -". " "<. -""" 2"" A-""3"/0"F" 3>" " -". """ 3>""" 3"/0"F""6*7+ I2""-".A"- -""A"-".< 2 """1</0" "<""."F"3" $,#+DD?*DD+ "-" -". " " " 1""!""" "F1-"""F1-" *D"1A-"""+ &+& # " 3 -" /0 -""""2/0J!3" "-"K "2/0-" 3""- 3""-""""."1 "-""BT4++3C "8""3>"""3"K";" "-3" "</0 " "" /:" "/0 " -" " "-9""1E+;"-<02! "- " /0 J"L " /:" "-"" "1 " "" F")!" "0 G 0 2"-""""-"" <--".-""+,*& -)./0 ", 102%##34" &56' )".""8"2"4"""A /"-"/0"3""."-""" "-"+ ;-"."""34"43!-- ""2"""""G"03" :"3""3""-">" "A1 " 9.":" 3" "." "4 >""1"""""!""/" 5" / " " ""-"4"-" AMM+ /* (/1""5"";"N"1","-3"&;,""-"-" -"""F1-"+ 7 67O )+;+KP#JJ;+;++* 8& '(. &,G" *DDQ+ 6*7JJ#OR,#(+)*7 1(2" -F-".+0J*DDS+

10 !""#$% %&$$#$$&!"# $%& '()* +'()+,-()* +'()+,& '( +" " * ". */"&+"* 0 *12 3" ". 04 ". "0 & (" 1 *.# 2 "".0# 5* * ".0/&,.# 1/. *951"" *:;. "*4& <. " ".2 ==>+17*"*895& <..# "" *" " " ". " 8; *1&!. 8;.2 "21"5 00*9 9?" *.2"2; < ".8 0.B,(,)$C)<+D, /""0 9"*"1EF. " " 2 ". ". ".95"8. "1" 8"*&..8"9G"2 0"5. <.36 "."95+; * B/ + 6 / " 8. "8 2 0" " :" "6 ""7" 86&<8.*".1-==>+ *"..# & ()( <03.31*".K1" * "." /95 " 0...# "7.*5++" " /. ":" 8;..# 0" "7.".95 5* 8 "95 5& )(+%',-. "6 " 2 5 *./..#." * *.*10L"". "0 L " " * "?*&.".3"..".95"0" * /"0& *' *&+0"0 9"*"1/G H=H = +I"2 0""8" =J." )K-==!""*..3""03 * ".K ":" * /95" 0...# "7.*5++& )* " 6 / " " K " * #*5 <*"()* B/ # & B&!&L & (" K 8 P 8.K **0* Q.P P840 -==H N*K +".* K"*" ) SK, )P T 4."! <8 * $* NP P N*8 K K +<$M-==..H 5 N N&,.EU VK" &"F

11 !"#$!"%& ' ( ')*+('( ), )*-.#*-( '(- (''/0)' &1 ' ) 2' '3# 24 ( (' )'.*- ' #') 2*-/#)'.).# 5'(' )#/ ' #')(*-678&%.'(' )'.*- )' ) '( ' 3#.) 2&%()'.*- ) (. ' 9 :.9'.(#-3#& ( #0). (- ( ( /#) (.9''#-3#& ''0)9)' 0) /#) 3&1,0)(.)-'5') ''5B (, *- )*- #- ' )&! ;*-5 *-/#)'3# )'''(.'(#&1..)- '. )' & 1 #- 3#-( 3).5&%0)*- <=(,*' 0) 0)*-<7=,*#& (#)* +$ = 7 "#$ 7! # = > " # "%$ ( ) + ( ) ;)*- '.'(0)*+<=<7= )'4#)'5,'5 )'.. )3& 1 4#. &' %?#)'. (-,,.9' #)&0) A': 7B ( 9. ( (- ( ( C/#) ( )BDDDDD7DDD;&1#- 'E' B''&1..)-'.)( #) FD D ' 7 G. *-.)#-. #)DHG' 7 &1,0)(-,.). ' F *- 3#&%*-(-((/#) %) ( I& <S&T)&,=,-*!' )('()'.*- ')' '( 3#.&!' ''(.( )5 *-/#)'3#&!'4#)'5, '5 )'.. ( )*-' ' '/ & 1) )'5 ' ' 0) )' (- ( ( )' F*-/#)( 3)3#&!''(*-E'*-/#) )' '( 3# /'' &. %?)*- %( I' & &/ 68"%JK%& &%I1L "&M%M! %& # %I)'.!#;M.O; 0B>((&7<7D =& -1HR&

GERAÇÃO DE EMPREGO E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS INSTALADAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI

GERAÇÃO DE EMPREGO E RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS INSTALADAS NA REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão De 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará GERAÇÃO DE EMPREGO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Leia mais

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Geometria Plana I. Mostre que o ângulo inscrito em uma circunferência é a metade do ângulo central correspondente. 1. (MAM-Mathematical

Leia mais

OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO MÉDIO E SEUS CONHECIMENTOS SOBRE AS SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO MÉDIO E SEUS CONHECIMENTOS SOBRE AS SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA- Crato, Ceará OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO

Leia mais

XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará

XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará GRUPOS DIEDRAIS Daniele Alves Souza¹, Paulo

Leia mais

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES.

REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. REMOÇÃO DE CHUMBO(II) EM EFLUENTES UTILIZANDO DIFERENTES BIOMASSAS ADSORVENTES. Thianne Silva BATISTA¹, Thacyanne Kataryne Barbosa LIRA¹, Josy Suyane de Brito SOUZA¹, Thiago Rodrigo Barbosa BARROS¹, Verônica

Leia mais

ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES.

ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES. ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO POR SOLVENTE PARA BIOMASSAS ADSORVENTES. SILVA, André Miranda. 1* COSTA, Franciele Oliveira. 1 CARVALHO, Emanoel da Silva. 1 SILVA, Vera Lúcia Moraes Meira. 2 LIMA, Lígia

Leia mais

SEGURO FATURAMENTO AGRÍCOLA. Condições Gerais

SEGURO FATURAMENTO AGRÍCOLA. Condições Gerais SEGURO FATURAMENTO AGRÍCOLA Condições Gerais VERSÃO 1.3 CNPJ 28.196.889/0001-43 Processo SUSEP nº 15414.001668/2011-41 Condições Gerais Seguro Faturamento Agrícola versão 1.3 / Processo SUSEP nº 15414.001668/2011-41

Leia mais

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz

Flávia Pereira Puget Marcos Roberto Teixeira Halasz Análise da performance de sedimentadores es de alta eficiência para suspensões de chorume (Performance Analysis of High Efficiency Thickeners to Suspensions of Leachate) Estevão Frigini Mai Flávia Pereira

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

ONE DAY BASE DO CORPINHO

ONE DAY BASE DO CORPINHO ELIE SAAB Imagem ilustrativa Curso de Modelagem Plana ONE DAY BASE DO CORPINHO Prof* Especialista Mari Ramondini a BASE DO CORPINHO TAMANHO 38 MEDIDAS DADAS EM CM TRAÇADO ABERTO 1- AB = comprimento frente

Leia mais

A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NA CIDADE DE CRATO-CE: O USO EM CONTEXTOS RELIGIOSOS

A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NA CIDADE DE CRATO-CE: O USO EM CONTEXTOS RELIGIOSOS XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 213 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NA CIDADE DE

Leia mais

CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE

CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE CONTAMINAÇÃO DOS METAIS PESADOS EM ÁGUAS SUPERFICIAIS PROVOCADOS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS DISPOSTOS NO LIXÃO DE JUAZEIRO DO NORTE- CE Rodolfo Jose Sabia (URCA ) rodolfo.sabia@urca.br dagmar landim silva

Leia mais

!" "! # $ % & '!! % #(! % ) #**! + (, - - #. % %! % % - #+ / $ 0% % 1 1 * 2 & #

! ! # $ % & '!! % #(! % ) #**! + (, - - #. % %! % % - #+ / $ 0% % 1 1 * 2 & # " " # $ % & ' % #( % ) #** + (, - - #. % % % % - #+ ' % & # / $ 0% % 1 1 * 2 & # 0 +& 3$.41(5$6# 7 3$(25$6 # 2 % / #$ ( 8 19(# ) $ 4%0 0 #+&$ 3$.41(5$6#0 3$. 41( 5$6# 7 3:*; 5$6# $ 9. < 1 = + 2 # Revista

Leia mais

#$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,? " 2= $.9.5!!< 2 #$45 6-= $,? <" 2= $>A 9. $ = = 5.

#$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,?  2= $.9.5!!< 2 #$45 6-= $,? < 2= $>A 9. $ = = 5. !"!"#$ %&!$'#(%)"&!'&*)+),#)&!-+.$#)/ %&! #$% $ &' 0123 ()**+,+,*& #$ -.,./0*$/1 2 3,*45 $. 6 /768/. $ 2.95,* :;< 6$ $ -.,./0 *$/1 +=. $6 >.=7 2 3.=45.$ $ 1,? " 2= $.9.5!!< 2 3@ #$45 6-= $,?

Leia mais

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo

Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo. Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Coeficientes de distribuição de metais pesados em solos de São Paulo Luís Reynaldo F. Alleoni ESALQ/USP Dep. de Ciência do Solo Definição de metais pesados Química - grande grupo de elementos com: densidade

Leia mais

Módulo de Áreas de Figuras Planas. Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados. Nono Ano

Módulo de Áreas de Figuras Planas. Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados. Nono Ano Módulo de Áreas de Figuras Planas Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados Nono Ano Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No desenho abaixo, as

Leia mais

PROJETO SOLOS DE MINAS

PROJETO SOLOS DE MINAS PROJETO SOLOS DE MINAS Liliana Adriana Nappi Mateus Fundação Estadual do Meio Ambiente Walter Antônio Pereira Abraão Universidade Federal de Viçosa 15-04-2015 Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA

ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA ESTUDO DA REMOÇÃO DE ÓLEOS E GRAXAS EM EFLUENTES DE PETRÓLEO UTILIZANDO BAGAÇO DA CANA Petrus Ferreira de Souza Orientadora: Elba Gomes dos Santos Resumo A presença de óleos em efluentes, pode se bastante

Leia mais

Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise. Paulo S.D. Brito

Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise. Paulo S.D. Brito Bioenergia Portugal 2015 Portalegre, 28/05/2015 Eficiência na Produção de Hidrogénio por Electrólise Paulo S.D. Brito 28 de Maio 2015 Tópicos 1. Enquadramento 2. Armazenamento de energia 3. Eléctrodos

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP

RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP Programa de Pós- Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento RESÍDUOS SÓLIDOS X RECURSOS HÍDRICOS: ESTUDOS NO LIXÃO SANTA MADALENA, SÃO CARLOS, SP Tema: Saneamento Ambiental e Qualidade da Água Autores:

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS OFICIAIS FEDERATIVAS

REGULAMENTO DAS PROVAS OFICIAIS FEDERATIVAS REGULAMENTO DAS PROVAS OFICIAIS FEDERATIVAS ÉPOCA 2013-2014 FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BASQUETEBOL !"#! $%&"% '! % ( )* % +, -- )*!"% % -. /0 1% 2 333-4 /0 1% 2 % -5 )*!"% 6 %%7-8 9 : 9 97 2 % ' )*!"% *9.

Leia mais

INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL. ---e Carvalho. rlgues. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL. ---e Carvalho. rlgues. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação INDÚSTRIAS NUCLEARES DO BRASIL ---e Carvalho rlgues Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação GOVERNO FEDERAL Projeto da Mina Subterrânea Encontra-se em fase de licenciamento da Mina Subterrânea da

Leia mais

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete

7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete AULA 8 7. Conceito de Barrilete e Dimensionamento das Colunas de Água-Fria e do Barrilete Além do sistema ramificado utilizado em residências, existe o sistema unificado que usa um Barrilete de distribuição.

Leia mais

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS

ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS ECOEFICIENCIA URBANA E RESÍDUOS SÓLIDOS Dentre as várias contribuições das pesquisas na área psicologia, está a de promover e assegurar o desenvolvimento de pessoas e grupos sociais, visando sempre a melhoria

Leia mais

Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães. Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães. Diretor de Operações Adriano de Magalhães

Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães. Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães. Diretor de Operações Adriano de Magalhães Diretor Executivo Márcio Augusto Magalhães Diretor Departamento de Administração Márcio Wamilton Magalhães Diretor de Operações Adriano de Magalhães Manual de Abastecimento de Água pág. 2 !"!#$$ %"&'()*%+,%-%+,%./&01

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

!"!#""" MESTRADO EM TEOLOGIA. Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#""./

!!# MESTRADO EM TEOLOGIA. Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#./ !"!#""" $%&&' MESTRADO EM TEOLOGIA Área de Concentração: Religião e Educação ()*+,-#""./ 0!"!#""" 1223445, 26,),7)2 8 9:;28 87767 26,;2

Leia mais

José Valente de Oliveira e Fernando Lobo. Introdução à. Programação de Computadores em Java

José Valente de Oliveira e Fernando Lobo. Introdução à. Programação de Computadores em Java José Valente de Oliveira e Fernando Lobo Introdução à Programação de Computadores em Java José Valente de Oliveira e Fernando Lobo The Ualg Informatics Lab Universidade do Algarve Índice...4 CONCEITOS

Leia mais

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF 1* Ferreira, Ricardo R. F.; 1 Assunção, Hildeu Ferreira.; 1 Ribeiro, Dinalva Donizete Ribeiro; 1** Martins, Alessandro.

Leia mais

AVES DESCLASSIFICADAS CANÁRIOS DE COR

AVES DESCLASSIFICADAS CANÁRIOS DE COR CC001 852 Q FOB BB 0044 2107 06 0029 MANCHA(S) AMARELAS NA COR DE FUNDO VERMELHA CC001 6821 Q FOB FK 0289 0018 06 0030 CC001 11673 I FOB KA 0040 0078 06 0900 CC002 2286 Q FOB CE 0004 0230 06 0800 HARMONIA

Leia mais

! &" #$& "% '()) '()' 4 )* * +, ' -./ )* 0' ( ' 1% +, 2 ' 3 -./ $ * + *,-. / #. 0! " 1 $ 2 3 # $ $ % & ' 4 " *.! " * 5 5+ * 6 7 # - 7 # ( $ % & '

! & #$& % '()) '()' 4 )* * +, ' -./ )* 0' ( ' 1% +, 2 ' 3 -./ $ * + *,-. / #. 0!  1 $ 2 3 # $ $ % & ' 4  *.!  * 5 5+ * 6 7 # - 7 # ( $ % & ' ! " # $ % ! &" #$& "% '()) * + *,-. / #. 0! " 1 $ 2 3 # $ $ % & ' '()' 4 " *.! " * 5 5+ * 6 7 # - 7 # ( $ % & ' 4 )* * +, ' -./ )* 0' ( ' 1% +, 2 ' 3 -./ $ 3 4 SUMÁRIO MATERIAL DE ATUAÇÃO PRÁTICA PARA

Leia mais

Nuno Figueiredo; Henrique Trindade; José Pereira; João Coutinho; Piebiep Goufo; Ângela Prazeres; Paula Marques; Amarilis de Varennes; Corina Carranca

Nuno Figueiredo; Henrique Trindade; José Pereira; João Coutinho; Piebiep Goufo; Ângela Prazeres; Paula Marques; Amarilis de Varennes; Corina Carranca Nuno Figueiredo; Henrique Trindade; José Pereira; João Coutinho; Piebiep Goufo; Ângela Prazeres; Paula Marques; Amarilis de Varennes; Corina Carranca Oeiras, 3 de Maio de 13 Ciclo N em solos alagados NH

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Gabarito da a Prova de Geometria I - Matemática - Monica 9/05/015 1 a Questão: (4,5 pontos) (solução na

Leia mais

!" # $ % & ' ( ) ) ( *+, # -

! # $ % & ' ( ) ) ( *+, # - !" # $ % & ' ( ) ) ( *+, # - # INTRODUÇÃO ".//".01234"556574"58246".4.0.215"/9/615":58759/6.58/"1/".46515" ;"0:8/""/.2" 1/ 7/4 8/75.432" 5 =8?14.2" 514=42654"@ 54"/9/615"

Leia mais

ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão

ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão ACEF/1112/13457 Parecer do RIES sobre intenção de decisão Parecer da Instituição de Ensino Superior à Intenção de Decisão do Conselho de Administração

Leia mais

r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a

r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a 01 De T 1 e T 3, temos: a h r s h r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a De T e T 3, temos: h b s s b s b t (IV) e (V) r s t r h De (III) e (V): b h h a b (VI) h a Somando (I) e (IV) temos: r s at bt

Leia mais

Módulo Quadriláteros. Relação de Euler para Quadrilátero. 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Quadriláteros. Relação de Euler para Quadrilátero. 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Quadriláteros Relação de Euler para Quadrilátero 9 ano E.F. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Quadriláteros Relação de Euler para Quadriláteros Exercícios de Fixação Exercício 6. No triângulo

Leia mais

! " #! $% & ' # & $% # & $% #! $% &! $(

!  #! $% & ' # & $% # & $% #! $% &! $( !"#"! " ! " #!$%&' # &$% # &$% #!$%&! $( # ( $%&%'' """ )* %&%''* " ' + !"#$" ' %& '(%)* +, -./ *.!"#$ %! & #' &0 ( ) &1 ) 2 0 * +1 ) &&, )-./0 123.45 63/%2-5-'/37.138 &1 ) &2 3 9 ( "!!"#$ %#' *!!: %*'

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS CINÉTICA DE ADSORÇÃO DE POLUENTES ORGÂNICOS POR BIOADSORVENTES E. G. Santos, O. L. S. Alsina, F. L. H. Silva Bolsista PRH-/ANP Universidade Federal de Campina

Leia mais

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

ENG. ELVIRA LÍDIA STRAUS SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS 4a Reunião Ordinária do GT Interinstitucional sobre Uso de Resíduos Industriais Indicados como Matéria-Prima para Fabricação de Produtos Fornecedores de Micronutrientes Utilizados como Insumo Agrícola

Leia mais

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS

REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS REMOÇÃO DE COR EM EFLUENTES INDUSTRIAIS Gandhi Giordano Engenheiro Químico pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialização em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ, Mestrando

Leia mais

Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Análise das redes sociais de estudantes da URCA XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA- Crato, Ceará Análise das redes sociais de estudantes da URCA

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Ambiental, Indústria de Folheados, Região Crajubar, Ceará.

Palavras-chave: Gestão Ambiental, Indústria de Folheados, Região Crajubar, Ceará. A INDÚSTRIA DE FOLHEADOS DO TRIÂNGULO CRAJUBAR E SEUS ASPECTOS AMBIENTAIS Maria Rosa Mística Correia Leite (Universidade Regional do Cariri) José Leonardo da Silveira Guimarães (Universidade Regional do

Leia mais

-!"%!%"/$#/"1%+,# *$#/"1% +,#4"*5+-!"# $*/"1% +,#!+$/$*-3/"!+9+3/!*- : 0%;#$*+ <#"./&8*- =!%0#-*.9#("/ &/4"*5+-!"# $*0#!* *5+-!"#$*!/06**5.*!

-!%!%/$#/1%+,# *$#/1% +,#4*5+-!# $*/1% +,#!+$/$*-3/!+9+3/!*- : 0%;#$*+ <#./&8*- =!%0#-*.9#(/ &/4*5+-!# $*0#!* *5+-!#$*!/06**5.*! 1 "#$%&'# ()*+,#-$#./ %/0 -"%%"/$#/"1%+,# #.3#-+&'#$#/"1% +,# #*$*-*",++"#$%# *5+-"#$*$*/06* (-*",/&8*- *$#/"1% +,#4"*5+-"# $*/"1% +,# *5+-"#$*/"1% +,# *",++"#$%# #("/ &/ *-9"+&'#$#3"#9*--# ()*+,#

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

!"#$%& '!!!(!)!"#*+&,$!+!)!!% -"#'.!$ ' &/-+!'!&$!"#

!#$%& '!!!(!)!#*+&,$!+!)!!% -#'.!$ ' &/-+!'!&$!# !"#$%& '!!!(!)!"#*+&,$!+!)!!% -"#'.!$ ' &/-+!'!&$!"# 011+!' $.$ '!$2 -!' ).*'2&%'34431 3 5 6 - +78*-! -!-' ). &!! +-!&- ' 9)$)! & +$ : -! -!-' - +781 5 ).;'!*34431 1;)1!"#?&!'@5-('!''!)'!-' ' $)1.!&!

Leia mais

Paulo Freire e Sustentabilidade :Educação para a Sociedade Sustentável

Paulo Freire e Sustentabilidade :Educação para a Sociedade Sustentável XVI Semana de Iniciação Científica e II Semana de Extensão de 21 a 26 de outubro de 2013 ISSN: 1983-8174 Universidade Regional do Cariri - URCA - Crato, Ceará Paulo Freire e Sustentabilidade :Educação

Leia mais

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO

PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Página 755 PRODUÇÃO DE MAMONEIRA CV BRS 149 NORDESTINA ADUBADA COM NITROGÊNIO, FOSFÓRO E POTÁSSIO Evandro Franklin de Mesquita 1,2, Lúcia Helena Garofálo Chaves 3, Hugo Orlando carvallo Guerra3, Diva Lima

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES...

APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... MISSÃO... VISÃO... POLÍTICA DA QUALIDADE... VALORES... APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS... A L3 Engenharia Ambiental é uma empresa de consultoria, serviços, desenvolvimento e execução de projetos ambientais, que possui como foco o desenvolvimento sustentável e desenvolve

Leia mais

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães Nível Iniciante Propriedade 1 Num triângulo retângulo ABC, a mediana BM relativa à hipotenusa mede

Leia mais

%./ Z.W;E[\]^C_` B H H

%./ Z.W;E[\]^C_` B H H 1 3 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7! 1 7! 1 7" 1 7 1 7 1 7! 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7 1 7!"# $%&' 1 7 1 7' 1 7 1 7 1 7 1 7( 1 7) 1 7!!" 1 7 1 7 1 7 1 7 *+,-./# $%&' 1 7 1 701' 1 7 1 7 1 7"#) 1 7!!!!

Leia mais

"* + "* + ")"* + ")"* +

* + * + )* + )* + * + * + %& '( %& '( )* + )* + ),-./ 0 ( ( ),1.2./ 0 ( ( 0(0*33** 0(7 4 % & % &' % ( ) * & )+ ', + ---. % / -. + +) /0.- 1 2. 0. 3 + (4 % 7 +4 -' & 1 1' *88** 1&0 % ' % 1 9 1 1 1 % (4 (4 +272 4 1 & 9+

Leia mais

CEASA CAMPINAS Centrais de Abastecimento de Campinas S.A.

CEASA CAMPINAS Centrais de Abastecimento de Campinas S.A. 5 /0 46 /0 /7 0 0 /0 81 9:/ //1" ;/4/9=//9/ 5?"*1 5?" 5@4//A/817:/0 B #C/ 0 46 /0 /7 0 0 /0 81 9:/ //1" ;/ 4 / 9< 0 1 =// 10/)81:/61B /9 / D +, &)&& 14 D +, %---)''$/0>1 E B #C/ : 7 @4/

Leia mais

Semelhança e Congruência de Triângulos

Semelhança e Congruência de Triângulos Resumo: Palavras-chave: Introdução Congruência e Semelhança de Triângulos Através de Modelos Um modelo concreto é proposto para ser utilizado pelo aluno em sala de aula, de maneira a compreender os conceitos

Leia mais

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos agrossilvopastoris 1.Estabelecimento de linhas de financiamento em condições específicas

Leia mais

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação

Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte 2: Lixiviação Adição de Metais Tóxicos a Massas Cerâmicas e Avaliação de sua Estabilidade frente a Agente Lixiviante. Parte : Lixiviação Humberto Naoyuki Yoshimura*, Antonio Carlos de Camargo, José Carlos da Silva Portela

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

Resolução comentada Lista sobre lei dos senos e lei dos cossenos

Resolução comentada Lista sobre lei dos senos e lei dos cossenos Resolução comentada Lista sobre lei dos senos e lei dos cossenos 1 1. A figura mostra o trecho de um rio onde se deseja construir uma ponte AB. De um ponto P, a 100m de B, mediu-se o ângulo APB = 45º e

Leia mais

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula.

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula. CM127 - Lista 3 Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis 1. Faça todos os exercícios dados em aula. 2. Determine as medidas x e y dos ângulos dos triângulos nos itens abaixo 3. Dizemos que um triângulo

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/10/01256 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

AVF - MA Gabarito

AVF - MA Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL AVF - MA13-016.1 - Gabarito Questão 01 [,00 pts ] Em um triângulo ABC de perímetro 9, o lado BC mede 3 e a distância entre os pés das bissetrizes interna

Leia mais

MODELO DE FILTRO ALTERNATIVO PARA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS COM VERMICULITA E CARVÃO ATIVADO

MODELO DE FILTRO ALTERNATIVO PARA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS COM VERMICULITA E CARVÃO ATIVADO MODELO DE FILTRO ALTERNATIVO PARA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS COM VERMICULITA E CARVÃO ATIVADO Hebertty Vieira Dantas (1); Marcelo Batista de Lima (2); Umberto Gomes da S. Junior (3) (1) Coordenação de Licenciatura

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

#+ *=8 www.scienceofgettingrich.net

#+ *=8 www.scienceofgettingrich.net !"#$!%!&!' ()#($***&*'!((+,(-($&(-(% &!' ".&("/***&* 012&("&&***(3& 4/((5(3&6&#"& &($."&(7'8"9***&*:3 (*#&(3&( ;?@@!)(A( ;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS 1st International Workshop: Advances in Cleaner Production RELATÓRIO SOBRE EXPERIÊNCIA ORGANIZACIONAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DE USINAS TERMELÉTRICAS Denise Alves Fungaro,

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

a) Falsa. Dois ou mais pontos podem ser coincidentes, por exemplo. b) Falsa. Os três pontos não podem ser colineares.

a) Falsa. Dois ou mais pontos podem ser coincidentes, por exemplo. b) Falsa. Os três pontos não podem ser colineares. 01 a) Falsa. Dois ou mais pontos podem ser coincidentes, por exemplo. b) Falsa. Os três pontos não podem ser colineares. c) Verdadeira. Três pontos distintos e não colineares sempre determinam um plano.

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

Tecnologia Dos Materiais

Tecnologia Dos Materiais Tecnologia Dos Materiais Aula 2: Estrutura Cristalina Conceitos Fundamentais Célula Unitária Estrutura Cristalina Por que estudar? As propriedades de alguns materiais estão diretamente associadas à sua

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS

PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PQ R 03 PARQUE DE RECICLAGEMIII III PARQUE DE RECICLAGEM III RECEPÇÃO DE RESÍDUOS PORTARIA Portaria 24 h para a recepção, registro de entradas e saídas e orientações de direcionamento para pesagem e descarga

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34

#)*389)+63+/*$0)/*$' Página 3/34 ! " Página 1/34 $%')*+,))-*).$/+.0$+1$2 $0 3/4)*$5'$6*)$*+*+30+$7/++89) 0-$6+/7)0*+*)'$/+1)'+:;)+6)*$,),$++$7$,7+89)5$6*)'*).3-/7+*+ *$ 6)1) + $7/++89) 0-$6+/ 7)0./$+;.$'$6$ $7/++89) *+ < +.0$+ *$7/++89)

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

Como ler Saccheri. Ricardo Bianconi

Como ler Saccheri. Ricardo Bianconi Como ler Saccheri Ricardo Bianconi 1 Introdução Em sua obra Euclides ab omni naevo vindicatus (Euclides justificado de toda falha), publicada em Milão em 1733, Saccheri também apresenta uma prova falha

Leia mais

O conhecimento é a nossa propaganda.

O conhecimento é a nossa propaganda. Conhecimentos geométricos II - Triângulos e Quadriláteros Lista de Exercícios 1 Gabaritos Comentados dos Questionários 01) (ENEM 2000) Um marceneiro deseja construir uma escada trapezoidal com 5 degraus,

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015 DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DESCRIÇÃO DO CICLO DE VIDA DO PRODUTO Os dados apresentados nesta Declaração Ambiental de Produto são referentes à produção

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1 ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO " #$%&' () +, # '$%&+ -+ + (. ) / - 0)( 0) / 01 0 23( 4 0 &5 ( 5, 3 0 23 ( 6 6 0 - / - ) + (7 ++" ), 3( ( ( 8(" " +9%9:$;) ?@ 5 A, 2 (3. 3 ( " 7

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2

Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011. Cálculo I. Caderno de exercícios 2 Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Semestre de Inverno 2010/2011 Cálculo I Caderno de exercícios 2 Paulo Corte-Real Ernesto Freitas Claudia Alves David Antunes Silvia Guerra 1 0 12,+,3,456)

Leia mais

Município de Gondomar. Resumo. 97.037,18 97.037,18 6737 401 04 99D Outras construções Anfiteatro junto à Igreja de Medas

Município de Gondomar. Resumo. 97.037,18 97.037,18 6737 401 04 99D Outras construções Anfiteatro junto à Igreja de Medas 3196 31 4 4D Equipamentos não integrados nos Deposito de aguas das oliveiras 29-6-2 19.75,81 151,716.257,33 637 41 4 5D Cemitérios (construções, vedações e Cemiterio de Melres - novo 31-12-29 25.887,49

Leia mais

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I Adsorção Aula 01 Prof. Moisés Teles moises.teles@usp.br Departamento de Engenharia Química Escola Politécnica da USP Introdução Exemplos. Bicarbonato

Leia mais

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo.

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo. TEOREMA DE CEVA E MENELAUS Definição 1. A ceviana de um triângulo é qualquer segmento de reta que une um dos vértices do triângulo a um ponto pertencente à reta suporte do lado oposto a este vértice. Teorema

Leia mais

-./ 0123 345./ 0123 36'- *"$** - / <0 #. . / : <0 :( G ::: -

-./ 0123 345./ 0123 36'- *$** - / <0 #. <?9: < : >. / : <0 :( G ::: - !""#$%&'()*+, -./ 0123 345./ 0123 36'- 789 :$/;0+=8 >, *"$** -. '/0 / 0 #.?9: :. +,#78+37;,9@ 7;,9@ : >.?%A:--:+8#+:$ :"". 4."" 48."")/$A0 B" C:5::" :: :.A$)44 8:**-8$5C:: :::-7:AD$ &':3&&&-'-$EF(: :3-9$:(-:7$

Leia mais

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.

DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail. MÉTODO PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AMBIENTAL DA INDÚSTRIA METAL MECÂNICA ANTUNES, Celso V. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, celso.antunes@gmail.com

Leia mais

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Pontos Notáveis no Triângulo. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda

Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Pontos Notáveis no Triângulo. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Módulo Elementos Básicos de Geometria - Parte 3 Pontos Notáveis no Triângulo. 8 ano/e.f. Professores Cleber Assis e Tiago Miranda Elementos Básicos de Geometria - Parte 3. Pontos Notáveis no Triângulo.

Leia mais

Remoção de Faces Traseiras Recorte

Remoção de Faces Traseiras Recorte Remoção de Faces Traseiras Recorte Edward Angel, Cap. 7 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Câmara Virtual Simples Transformação de Visualização Volumes canónicos

Leia mais

63789:!" #$$!%&'" %%($!)* '+($!%,'$'!)' '';! +! <' = + -.%" '$/0!)" #$!/0!)%&! + 2 4> + ; (! ; ( 8 ; ( ; *(" #+ + ; ('+ +? '

63789:! #$$!%&' %%($!)* '+($!%,'$'!)' '';! +! <' = + -.% '$/0!) #$!/0!)%&! + 2 4> + ; (! ; ( 8 ; ( ; *( #+ + ; ('+ +? ' Página 1 de 31!"#$%&'"!!"( )* +,-./(,0 " #1$,*2 34#5'+ 63789:!" #$$!%&'" %%($!)* '+($!%,'$'!)' '';! +! .12 # '1 + #%

Leia mais

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66

Artigo. Resumo. Abstract. Introdução. Materiais e Métodos. 64 Revista Analytica Agosto/Setembro 2013 nº 66 Artigo Caracterização e Classificação de Resíduo Gerado na Indústria de Metal-Mecânica Characterization and Classification of Waste Generated in Metal-Mechanical Industry Resumo O objetivo do presente

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO

ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS DE CO 2 PROVENIENTES DE SEQUESTRO GEOLÓGICO Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Núcleo Ressacada de Pesquisas em Meio Ambiente ALTERAÇÕES GEOQUÍMICAS EM ÁGUAS SUBTERRÂNEAS IMPACTADAS POR VAZAMENTOS

Leia mais

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99 1 ! ""#$ %! &! $ '()*+,-./01234435 634432 #78!99 #:;&9 2 !" # " $!" %" # $ &'()*+(,$$#% -.*/0(1)2)3425 3 Marcelo O. Coutinho de Lima 4 )*+, 9 82 "! 9!2 $ $ $?$@; *7 A> =" " ); B$" 9 $

Leia mais

MARINE COMMANDER 3000

MARINE COMMANDER 3000 Índice Introdução 2 Colocar em funcionamento 2 Como jogar 3 A batalha 5 Variantes de jogo 6 Seleccionar a variante de jogo 8 Cria a tua própria configuração inicial 9 Tecla Near Miss 11 Verificação das

Leia mais

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO EMPRESA 1) ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL, 1200, CENTRO, IVAIPORÃ- PR NUMERO DE FUNCIONÁRIOS: 6 AREA

Leia mais