ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO DA QUALIDADE E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO DA QUALIDADE E"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Fabiano Pures Paes ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO DA QUALIDADE E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL Orientador: Prof. Dr. Ely Paiva São Leopoldo 2004

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Fabiano Pures Paes ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE GESTÃO DA QUALIDADE E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Ely Paiva São Leopoldo 2004

3 i AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho é a realização de um sonho. Um sonho de muitos anos que retrata a perseverança e a fé com que um projeto de vida pode ser construído. Algumas pessoas foram decisivas e, neste momento, gostaria de externar o meu profundo agradecimento. Agradeço ao Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade do Vale do Rio dos Sinos a oportunidade que me ofereceu de integrar o seu quadro de alunos e realizar o mestrado acadêmico. Agradeço ao meu orientador, professor Ely Paiva, que além de sua competência, conseguiu visualizar minhas idéias, sinalizando os caminhos que eu deveria trilhar. Ao professor José Antônio Valle Antunes Jr., por suas inspiradoras aulas e sua orientação durante meu estágio acadêmico em sua disciplina. Teus ensinamentos foram fundamentais para a minha formação como professor. Agradeço a José Losada, que foi mais que um gestor, tornando-se para mim um grande amigo e exemplo. À minha mãe, que me encaminhou para uma vida cheia de alegrias e que, com seu amor, me ensinou a fé. Ao meu incansável pai, que com toda sua dedicação sempre me auxiliou de todas as formas que lhe foram possíveis, mesmo nos momentos mais adversos. Finalmente, gostaria de agradecer a minha esposa Daniela, à qual dedico este trabalho. Espero assim retribuir uma pequena parte do apoio e amor que foram fundamentais para a conclusão deste trabalho. Sem você jamais seria possível a realização deste mestrado.

4 ii Para o amor da minha vida, Daniela.

5 iii RESUMO Esta pesquisa analisou as práticas relacionadas à Gestão da Qualidade e como estas estão alinhadas à estratégia da empresa, possibilitando a criação de competências organizacionais. Como modelo teórico de análise, identificaram-se elementos e categorias relacionadas a uma proposta de Gestão Estratégica da Qualidade, a partir de revisão da literatura. O método de pesquisa baseou-se em estudos de caso conduzidos em duas empresas de grande porte do setor automotivo, localizadas no Rio Grande do Sul. A pesquisa de campo relata as percepções dos gerentes sobre como o tema é desenvolvido em suas organizações. Tal orientação possibilitou o diagnóstico das práticas da Gestão da Qualidade e suas possíveis ligações com a estratégia. Os resultados indicam que as empresas estudadas possuem foco preferencial na melhoria contínua, possivelmente pelo seu histórico na área de qualidade. Ações claras que liguem a estratégia com a Gestão da Qualidade ainda estão em curso, sendo que ações visando identificar e criar competências a partir da qualidade são incipientes. Palavras-chave: Gestão Estratégica da Qualidade Estratégia - Competências

6 iv ABSTRACT This research paper analyzes Quality Management practices and its relations to Company s strategy, making organizational competence creation possible. As a theoretical model for analysis, some elements and classes were taken from literary reviews for a proposal of Strategic Quality Management. The research method is based on case studies conducted in two large size automotive companies, sited in Rio Grande do Sul. The field research reports managers views about how the theme is approached in their organizations. That made possible a diagnosis of Quality Management practices and their possible links to strategy. Results point out that studied Companies prefer to focus on continual improvement, possibly because of their history in quality area. Clear actions linking strategy to Quality Management are still in progress, and actions aiming at identifying and creating competencies based on quality are just beginning. Key-words: Strategic Quality Management Strategy - Competencies

7 v SUMÁRIO AGRADECIMENTOS...i RESUMO...iii ABSTRACT...iv LISTA DE FIGURAS...vii LISTA DE QUADROS...viii INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO PROBLEMA JUSTIFICATIVAS DO ESTUDO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL Evolução da Estratégia Organizacional Visão Baseada em Recursos (VBR) Recursos da Organização e Vantagem Competitiva Identificando Lacunas de Recursos e da Base de Recursos GESTÃO DA QUALIDADE: CONCEITOS E PRÁTICAS Evolução dos Conceitos da Qualidade Eras da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Implementação da Gestão Estratégica da Qualidade Planejamento Estratégico da Qualidade ELEMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Aspectos relativos ao papel da Alta Administração Aspectos relativos à Melhoria Contínua Desenvolvimento de Recursos Humanos Competências Organizacionais Modelo teórico para Análise da Implementação da Gestão Estratégica da Qualidade Elementos e Categorias de Análise MÉTODO DE PESQUISA Casos Analisados Coleta de Dados ESTUDOS DE CASO O Caso da Empresa A Planejamento Estratégico Desenvolvimento de Recursos Humanos Responsabilidades da Alta Administração Criação de Competências...73

8 vi Melhoria Contínua Sustentação da Vantagem Competitiva Síntese dos Resultados da Empresa A O Caso da Empresa B Planejamento Estratégico Desenvolvimento de Recursos Humanos Responsabilidades da Alta Administração Criação de Competências Melhoria Contínua Sustentação da Vantagem Competitiva Síntese dos Resultados da Empresa B CONCLUSÕES REFERENCIAL BIBLIOGRÁFICO ANEO A Questionário (Versão Completa) ANEO B Comparação dos resultados apresentados pelas empresas A e B a partir das categorias de Análise...134

9 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Modelos organizacionais e culturas predominantes por Dellan & Hause (2000). 38 Figura 2: Competências Organizacionais (BARTON, 1998)...50 Figura 3: Modelo teórico para Gestão Estratégico da Qualidade...53

10 viii LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Características das Eras da Qualidade...24 Quadro 2 - Descrição das Categorias, Elementos de Análise e Autores relacionados à Gestão Estratégica da Qualidade...56 Quadro 2 - Descrição das Categorias, Elementos de Análise e Autores relacionados à Gestão Estratégica da Qualidade...57 Quadro 2 - Descrição das Categorias, Elementos de Análise e Autores relacionados à Gestão Estratégica da Qualidade...58 Quadro 2 - Descrição das Categorias, Elementos de Análise e Autores relacionados à Gestão Estratégica da Qualidade...59 Quadro 3 - Descrição das categorias do Planejamento Estratégico e práticas implementadas da empresa A...69 Quadro 4 - Descrição das categorias relacionadas ao desenvolvimento de Recursos Humanos e práticas implementadas da empresa A Quadro 5 - Descrição das categorias relacionadas ao papel da Alta Administração e as práticas implementadas da empresa A...72 Quadro 6 - Descrição das categorias relacionadas à Criação de Competências e Desenvolvimento das Competências Estratégicas e práticas implementadas da empresa A Quadro 7 - Descrição das categorias relacionadas à Melhoria Contínua e práticas implementadas da empresa A...77 Quadro 8 - Descrição das categorias relacionadas à Sustentação da Vantagem Competitiva e práticas implementadas da empresa A...80 Quadro 9 - Descrição das categorias do Planejamento Estratégico e práticas implementadas da empresa B Quadro 10 - Descrição das categorias relacionadas ao Desenvolvimento de Recursos Humanos e práticas implementadas da empresa B...88 Quadro 11 - Descrição das categorias relacionadas ao papel da Alta Administração e as práticas implementadas da empresa B...89 Quadro 12 - Descrição das categorias relacionadas à Criação de Competências e práticas implementadas da empresa B Quadro 13 - Descrição das categorias relacionadas à Melhoria Contínua e práticas implementadas da empresa B Quadro 14 - Descrição das categorias relacionadas à Sustentação da Vantagem Competitiva e práticas implementadas da empresa B...96 Quadro A1 - Composição do Planejamento Estratégico da Qualidade Quadro B1 - Gerenciamento Estratégico da Qualidade Quadro B2 - Orientação Estratégica da Qualidade Quadro B3 - Composição do Planejamento Estratégico da Qualidade Quadro B4 - Monitoramento do Planejamento Estratégico da Qualidade Quadro B5 - Responsabilidades da Alta Administração Quadro B6 - Desenvolvimento de Recursos Humanos Quadro B7 - Criação de Competências Quadro B8 - Melhoria Contínua - Abordagem Interna Quadro B9 - Melhoria Contínua - Abordagem Externa...145

11 1 Introdução Historicamente, a base inicial da Gestão da Qualidade estava voltada para a inspeção de qualidade. Hoje, com a ampliação do seu escopo de atuação, o entendimento de sua implicação estratégica é considerado fator essencial para o sucesso das organizações. Em sua formatação atual, a qualidade abarca funções diversificadas em diferentes departamentos como compras, recursos humanos, produção, engenharia e marketing, moldando um modelo amplo de gestão. O alinhamento desta à estratégia organizacional é um desafio ainda presente. A gestão da qualidade, como proposta atual, representa o resultado de um processo evolutivo, sendo sustentada pelo alinhamento dos sistemas da qualidade e das características da qualidade do produto à estratégia da empresa. Este novo desenho da função da qualidade implica em uma nova abordagem para o tema, o qual engloba também o ponto de vista do cliente. Tem-se assim uma visão voltada para fora da empresa, com o objetivo de buscar uma maior abrangência na atuação das gerências. Esta visão se distancia do conceito da qualidade anteriormente centrado apenas em padrões fixos e internos. Como efeito, o atendimento às especificações passaria a ser uma preocupação complementar, sendo

12 2 alvo de atenção após cuidadosa definição das necessidades dos clientes. Apesar das propostas teóricas sobre a busca de um enfoque estratégico para a Gestão da Qualidade, raros são os trabalhos empíricos sobre o assunto. Um dos temas presentes emergentes na pesquisa e prática em administração é o conhecimento necessário à empresa. Ele pode ser criado através do contínuo aperfeiçoamento dos processos internos ligados às expectativas dos clientes. Deste modo o conhecimento relacionado à gestão da qualidade e à estratégia da organização criarão condições para o efetivo gerenciamento estratégico da qualidade. Assim, pode-se definir como os dois pilares teóricos deste trabalho as áreas de estratégia e gestão da qualidade. Em relação à estratégia serão apresentados fatores que auxiliam o desenvolvimento de uma visão estratégica para a gestão da qualidade. Por outro lado, em relação à gestão da qualidade, será apresentada a evolução dos conceitos relacionados a esta área, discutindo-se desde uma abordagem operacional até uma visão voltada para o cliente, relacionando-se à gestão estratégica das organizações. O trabalho está estruturado da seguinte forma: os capítulos 1, 2 e 3 definem respectivamente o problema, as justificativas e os objetivos deste estudo. O referencial teórico é apresentado nos capítulos 4, 5 e 6, onde os conceitos de Estratégia Organizacional, Gestão da Qualidade e os elementos da Gestão Estratégica da Qualidade são detalhados. A metodologia utilizada para esta pesquisa é descrita no capítulo 7. A apresentação e a análise dos resultados são apresentadas no capítulo 8. Finalmente, as conclusões do estudo e sugestões para novas pesquisas são detalhadas no capítulo 9.

13 3 1 Definição do Problema Historicamente, a gestão da qualidade surgiu a partir de uma perspectiva operacional. Os modelos atuais de Gestão da Qualidade, além das abordagens tradicionais como TQC e TQM, abrangem as normas ISO 9000, QS 9000 e TS Porém, nem sempre a manutenção e ligação da Gestão da Qualidade à estratégia da empresa tem sido clara para as empresas que buscam tais certificações, bem como estes modelos não apresentam uma proposta efetiva que direcione a implementação a partir da estratégia da empresa. Deste modo, a sustentação destes sistemas, apesar de habilitar as empresas para a concorrência em seus segmentos, por vezes não se apresenta como um diferencial competitivo. Isto incide sobre o não desenvolvimento de competências organizacionais e na pouca clareza nas ligações com os objetivos estratégicos da empresa. Ainda assim, o atendimento de requisitos obrigatórios dentro de determinados setores, com a implementação e manutenção de sistemas de Gestão da Qualidade, se apresenta como importante ação para competitividade. Isto demanda, porém, um alto investimento que se devidamente atrelado à estratégia da empresa, pode levar a criação de diferenciais competitivos.

14 4 A proposta deste estudo passa pelo problema apresentado e tem por questão: Há relação entre os sistemas de Gestão da Qualidade com a estratégia da empresa, criando condições de desenvolver competências organizacionais?.

15 5 2 Justificativas do Estudo Os investimentos atuais em Gestão da Qualidade são ressaltados por organismos de que atuam neste segmento. A FPNQ (Fundação para o Prêmio Nacional da Qualidade) registra em seu site investimentos sistemáticos de 131 empresas de diferentes portes e segmentos, no âmbito nacional, de forma a estimular o desenvolvimento e pesquisa desta instituição em práticas de gestão de excelência em qualidade e estratégia organizacional. Estas pesquisas são direcionadas à análise destas práticas em nível mundial valorizando, porém, a busca das práticas de excelência no continente europeu e americano. No Congresso Internacional da Qualidade de 2004, organizado pela própria instituição, em São Paulo, foram apresentados indicadores ( ) que evidenciam a evolução e importância desta área no contexto nacional: 12 ciclos de premiação; 252 candidaturas e relatórios de avaliação entregues; 51 empresas candidatas visitadas e 18 premiadas; critérios distribuídos;

16 pessoas treinadas no modelo de gestão do PNQ; membros da banca examinadora com mais de 139 mil horas de trabalho voluntário; participantes de 47 seminários (11 internacionais); 132 organizações filiadas, com mais de pessoas diretamente relacionadas. As certificações de qualidade são apresentadas como requisitos iniciais / básicos para fornecimento para determinados mercados e continentes. Os principais organismos certificadores destes padrões no Brasil, como BVQI e ABS, afirmam que a preocupação das empresas brasileiras com relação aos padrões de qualidade, desde seu surgimento, coloca os índices brasileiros entre os maiores do mundo. A justificativa geral deste trabalho está relacionada à discussão entre lacunas existentes na relação da Gestão da Qualidade e Estratégia Organizacional. Poucos trabalhos exploram diretamente este tema, apesar do critério competitivo da qualidade estar presente desde os trabalhos iniciais da área de Estratégia de Produção e Operações (SKINNER, 1969). Buscando evidências empíricas, usualmente os trabalhos abordam aspectos mais operacionais da Gestão da Qualidade, como Powell (1995) e Wacker (1989). Por fim, a importância do presente trabalho pode ser avaliada pelas contribuições específicas nos contextos acadêmico e prático: (I) referência bibliográfica para futuros trabalhos relacionados à Gestão Estratégica da Qualidade; (II) contribuição prática da Gestão da Qualidade e sua relação com a estratégia organizacional em empresas de grande

17 7 porte; (III) análise da relevância dos sistemas de Gestão da Qualidade para as empresas estudadas, incluindo os ganhos proporcionados a estas bem como a descrição das ações desenvolvidas.

18 8 3 Objetivos 3.1 Objetivo Geral Analisar as relações entre a Gestão da Qualidade e a estratégia da empresa, abrangendo a criação das competências desta. 3.2 Objetivos Específicos específicos: O objetivo principal deste trabalho está acompanhado dos seguintes objetivos Identificar os elementos que embasam a Gestão Estratégica da Qualidade da empresa; Identificar e analisar as categorias que compõem os elementos da Gestão Estratégica da Qualidade; Identificar resultados e possíveis relações com competências sustentadas ou criadas a partir da Gestão da Qualidade na empresa.

19 9 4 Estratégia Organizacional Este capítulo visa descrever a evolução da Estratégia Organizacional e as diferentes abordagens deste conceito. A Visão Baseada em Recursos (VBR) é analisada, bem como a base de recursos da organização que possibilita a Vantagem Competitiva. 4.1 Evolução da Estratégia Organizacional O estudo sobre estratégia tem sido amplamente influenciado pelo referencial concebido por Kenneth R. Andrews, a partir de seu clássico livro A Concepção da Estratégia Corporativa, de Nesta publicação, Andrews define estratégia como a conciliação entre o que a companhia pode fazer (forças e fraquezas organizacionais) com o universo do que se pode fazer (ameaças e oportunidades do ambiente). Este processo de formulação da estratégia teve início com a avaliação das competências e recursos organizacionais (ANDREWS apud PETERAF, 1993, p.179). Mintzberg (2000) argumenta que talvez não exista uma definição simples de estratégia, mas existem algumas áreas gerais de concordância a respeito da sua natureza. Para

20 10 ele, a estratégia diz respeito tanto à organização como ao ambiente, afetando o bem estar geral da organização e envolvendo questões tanto de conteúdo como de processo. O autor referencia os pontos positivos e negativos relacionados à estratégia nas organizações: a estratégia fixa a direção, a estratégia focaliza o esforço, a estratégia define a organização e a estratégia prova consistência. Apesar da grande influência do pensamento estratégico de Porter na literatura sobre estratégia, outras correntes teóricas têm sido desenvolvidas no decorrer dos anos. O surgimento de conceitos como Competências Essenciais e Competição baseada em Competências direcionou os estudos sobre estratégia para uma visão mais interna à empresa. Esta abordagem enfatiza a importância das habilidades e aprendizado coletivo e assume que as raízes da vantagem competitiva se baseiam nos recursos disponíveis da companhia, fazendo com que o ambiente externo receba pouca atenção (COLLIS & MONTGOMERY, 1995, p.121). De acordo com Grant (1991), o interesse relacionado ao papel dos recursos internos das empresas, como base para a estratégia corporativa, reflete a não satisfação com a visão estática e estrutural, nascida da economia e da organização industrial, a qual dominou o pensamento contemporâneo sobre estratégia de negócios e que foi renovando o interesse em teorias tradicionais de vantagem e competição. Os avanços ocorreram em diferentes frentes. Os estudos sobre estratégia corporativa, teoricamente interessados num escopo econômico e nos custos de transação, estão focando a sua atenção no papel dos recursos corporativos a fim de determinar as fronteiras geográficas e industriais das atividades da companhia. No nível de estratégia de negócios, a exploração das relações entre recursos, competição e rentabilidade incluem: análise da imitação competitiva; a apropriação de retorno sobre inovações e o papel

21 11 da informação imperfeita na criação de diferenciais rentáveis entre os competidores. Deste modo, as buscas de uma vantagem competitiva sustentável a partir dos recursos internos começaram a ganhar espaço (GRANT, 1991). Stalk, Evans & Shulman (1992) afirmam que nos anos 80 as companhias descobriram o tempo como uma nova fonte de vantagem competitiva. Nos anos 90, elas aprenderam que o tempo é apenas uma parte a mais de um longo processo de transformação na lógica da competição. As companhias que competem efetivamente pelo tempo - fornecem produtos rapidamente para o mercado, produzem just in time ou respondem prontamente às reclamações de clientes tendem a ser boas em outras coisas como consistência na qualidade de seus produtos; atendimento das necessidades dos clientes; habilidade de exploração de mercados emergentes e entrada em novos negócios; ou geração de novas idéias e incorporação de inovações. Mas, para os autores, todas essas competências são meros desdobramentos de um referencial fundamental: a nova concepção de estratégia corporativa a partir da concepção baseada em competências. 4.1 Visão Baseada em Recursos (VBR) A Visão Baseada em Recursos possibilita alguma ligação da abordagem de competências com a estrutura clássica proposta por Andrews (COLLIS & MONTGOMERY, 1995). Com a abordagem de competências, esta estrutura reconhece a importância dos recursos e competências específicas.

22 12 Collis & Montgomery (1995) consideram que a abordagem baseada em recursos não substitui a abordagem estratégica, a qual combina perspectivas internas e externas. Na realidade, esta abordagem possibilita explicar dentro de uma perspectiva gerencial porque alguns competidores são mais rentáveis que outros e como colocar a idéia de competências chaves em prática. Além disto, auxiliaria no desenvolvimento de estratégias de diversificação. Os autores consideram que a abordagem baseada em recursos gera a possibilidade das companhias possuírem e manterem uma diferente coleção de ativos intangíveis e físicos e competências (p. 119). Neste contexto, as vantagens da empresa pioneira, segundo Ghemawat (2000), proporcionam uma maneira simples de explicar porque o sucesso pode se mostrar sustentável diante das ameaças de imitação. O autor reconhece que a visão baseada em recursos apresenta uma vantagem perante uma visão de sistema de atividades afirmando que esta reconhece ligações intertemporais na função lucro de uma empresa de uma forma que a visão pura do sistema de atividades não reconhece (p.121). Os recursos e competências da companhia são considerações centrais na formulação desta estratégia: eles são constantes primárias no estabelecimento da estratégia da companhia e constituem fonte primária para os ganhos da companhia (GRANT, 1991, p.133). A formulação da estratégia, dentro desta abordagem, procura o alinhamento entre os recursos, as competências, as vantagens competitivas e os ganhos em particular o entendimento dos mecanismos que compõem a vantagem competitiva que a empresa pode sustentar com o passar do tempo. Para tal, Grant (1991) sugere a busca de estratégias que exploram ao máximo os efeitos de cada característica única da empresa.

23 Recursos da Organização e Vantagem Competitiva Porter (1989) introduziu o conceito de cadeia de valor, o qual serve para fazer uma análise estratégica sobre as atividades envolvidas em qualquer negócio e explora o papel dos produtos ou serviços complementares na competição e vantagem competitiva em alguns setores. Para o autor, a vantagem competitiva surge, fundamentalmente, do valor que uma empresa consegue criar para os seus compradores e que ultrapassa o custo de fabricação da empresa, podendo ser fortemente intensificada por inter-relações com unidades empresariais competindo em indústrias relacionadas. O conceito de vantagem competitiva sustentada também é detalhado por Barney (1991). Para o autor, a empresa possui vantagem competitiva quando está implementando uma estratégia criadora de valor que não está simultaneamente sendo implementada pelos seus competidores. Por outro lado, as organizações alcançam uma vantagem competitiva sustentada quando estão implementando uma estratégia criadora de valor que não está simultaneamente sendo implementada por atuais ou potenciais competidores e quando estas empresas são incapazes de duplicar esta estratégia (p.102). Daft (apud BARNEY, 1991) descreve que os recursos da empresa incluem todos os ativos, competências, processos organizacionais, atributos da companhia, informações, conhecimentos controlados pela empresa que possibilitam a mesma o atingimento e implementação de estratégias que melhorem a sua eficiência e eficácia.

24 14 Quanto aos recursos da organização, Barney (1991) salienta quatro atributos como sendo suas principais características a fim de criar uma vantagem competitiva sustentada: 1) Devem ser valiosos, no senso de explorar oportunidades e/ou neutralizar ameaças para o ambiente da empresa e devem proporcionar à organização a implementação de estratégias que melhorem a sua eficiência e eficácia (p.106); 2) Devem ser raros tanto para a empresa quanto para seus competidores, de forma a impossibilitar a implementação de estratégias comuns possibilitando à empresa vantagem competitiva; 3) Devem ser imperfeitamente imitáveis; 4) Estes recursos não devem possuir substitutos equivalentes, impossibilitando os concorrentes a implementação de estratégias similares. Collis & Montgomery (1995) reiteram as considerações de Barney (1991) ao definirem recursos valiosos para a organização. Os autores afirmam que estes não podem ser avaliados isoladamente, pois seu valor é determinado pela interação com as forças do mercado. Desse modo, os recursos podem ser valiosos apenas para um determinado tipo específico de indústria ou em um determinado contexto. O desenvolvimento dos recursos e competências da empresa dentro de uma estratégia de longo prazo passa por duas premissas: os recursos internos e as competências provêm uma direção básica para a estratégia da empresa e os recursos e competências são as fontes primárias para os ganhos da mesma (GRANT, 1991). Para Collis & Montgomery

25 15 (1995), duas companhias não são semelhantes porque possuem as mesmas experiências e habilidades distintas ou construíram cultura organizacional diferenciada. Para eles, estes ativos e competências determinam quão eficientes e eficazes as companhias integram suas atividades funcionais. Afirmam que, seguindo esta lógica, as companhias irão se posicionar para o sucesso de acordo com o estoque de recursos adequados para o seu negócio e estratégia (op.cit., p.119). Collis & Montgomery (1995) afirmam que uma performance superior está baseada no desenvolvimento de uma competitividade distinta com uma seleção específica de recursos para a concepção da estratégia (p.120). Neste cenário, a vantagem competitiva pode ser atribuída à posse de recursos que possibilitam a companhia um melhor desempenho de atividades ou desempenho eficaz com menores custos que seus competidores. Os recursos podem ser intangíveis e não físicos, os quais enfatizam a importância dos ativos corporativos como a cultura, a tecnologia e os condutores transformacionais. Num ambiente em contínua mudança, as companhias necessitam manter uma pressão constante nas suas fronteiras, construindo o próximo tipo de competição. Deste modo, é necessário que os gerentes continuamente invistam e aprimorem seus recursos para suportar atratividade à empresa de modo a gerar vantagem competitiva. (COLLIS & MONTGOMERY, 1995). Quanto à análise dos recursos e competências potenciais para gerar rentabilidade e ganhos para a organização, Grant (1991) contextualiza que os recursos e competências mais importantes para a companhia apresentam características como durabilidade, dificuldade de identificação e entendimento, transferência imperfeita, dificuldade de replicação e controle de propriedade. Para o autor, a essência da formulação da estratégia é o projeto que torna mais efetivo o uso das competências e recursos.

26 16 Collis & Montgomery (1995) discorrem sobre as implicações estratégicas dos recursos, relacionando alguns fatores como fundamentais neste contexto: 1) Investimento em Recursos: a depreciação de determinados recursos incita que, para uma estratégia corporativa efetiva, um contínuo investimento, de modo a manter e construir recursos valiosos, se faz necessário; 2) Atualização dos Recursos: a necessidade da avaliação dos recursos e uma comparação com padrões superiores direcionam a atualização dos recursos para duas direções: a companhia deve adicionar novos recursos (p.126) ou atualizar seus recursos alternativos que ameaçam as competências atuais da organização; 3) Alavancagem dos Recursos: a estratégia corporativa deve tentar alavancar os recursos para todos os mercados em que os recursos disponíveis contribuam para a vantagem competitiva ou auxiliem na competição em novos mercados, o que possibilita a melhoria dos recursos disponíveis. 4.3 Identificando Lacunas de Recursos e da Base de Recursos A visão baseada em recursos não se preocupa somente com a questão dos recursos existentes, mas também com o desenvolvimento da base de recursos (GRANT, 1991, p.131). Isto inclui o investimento em manutenção do estoque existente e o aumento dos recursos de forma a suportar e estender suas posições de vantagens competitivas para estratégias específicas, o que o autor descreve como Lacunas de Recursos.

27 17 Para Grant (1991), a manutenção da posição estratégica das empresas cria a necessidade do envolvimento com as necessidades dos clientes, as quais direcionam o contínuo desenvolvimento de sua base de recursos. Sob este aspecto, Grant (1991) descreve que um traço importante destes fatores de avanço para o atingimento de uma vantagem competitiva sustentável, é que estes são mais especializados e de difícil replicação. A harmonização entre os recursos existentes com o desenvolvimento de recursos e competências, visando criar a vantagem competitiva no futuro, é uma tarefa complexa. Para Grant (1991), seria necessário que a empresa priorizasse o desenvolvimento das competências necessárias para o seu futuro. O autor afirma que para ocorrer este desenvolvimento, a aquisição de recursos externos complementares é necessária de forma a incrementar e direcionar a estratégia da empresa quanto ao seu futuro.

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens e dimensões da qualidade PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Abordagens da Qualidade Garvin, (1992) mostrou que a qualidade sofre modificações Em função da sua organização e abrangência, sistematizou

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

Introdução à Qualidade. Aécio Costa

Introdução à Qualidade. Aécio Costa Introdução à Qualidade Aécio Costa O que é Qualidade? Percepções Necessidades Resultados O que influencia: Cultura Modelos mentais Tipo de produto ou serviço prestado Necessidades e expectativas Qualidade:

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Engenharia de Software - Parte 04

Engenharia de Software - Parte 04 Engenharia de Software - Parte 04 4 - ISO/IEC 9000-3 Há um conjunto de Normas da ISO desenvolvidas especificamente para software. O guia ISO/IEC 9000-3 aplica-se a empresas de software interessadas em

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO

JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO JUST IN TIME: UMA DAS FERRAMENTAS DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO RESUMO O presente artigo, mostra de forma clara e objetiva os processos da ferramenta Just in time, bem como sua importância para a área de produção.

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais