PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS. Lucas Germano Lange

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS. Lucas Germano Lange"

Transcrição

1 1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Lucas Germano Lange O MARKETING DE RELACIONAMENTO COMO FATOR DECISIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Santa Cruz do Sul 2013

2 2 Lucas Germano Lange O MARKETING DE RELACIONAMENTO COMO FATOR DECISIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração: Mestrado Profissional em Administração, Área de Concentração em Gestão de Negócios, Linha de Pesquisa em Gestão Estratégica de Marketing, Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Jorge Francisco Bertinetti Lengler. Santa Cruz do Sul 2013

3 3 L274m Lange, Lucas Germano O marketing de relacionamento como fator decisivo na fidelização de clientes / Lucas Germano Lange f. : il. ; 30 cm. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) Universidade de Santa Cruz do Sul, Orientação: Prof. Dr. Jorge Francisco Bertinetti Lengler. 1. Marketing de relacionamento. 2. Clientes - Lealdade. 3. Satisfação do consumidor. I. Lengler, Jorge Francisco Bertinetti. II. Título. CDD: Bibliotecária responsável: Fabiana Lorenzon Prates - CRB 10/1406

4 4 Lucas Germano Lange O MARKETING DE RELACIONAMENTO COMO FATOR DECISIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Esta dissertação foi submetida ao Programa de Pós- Graduação em Administração: Mestrado Profissional em Administração, Área de Concentração em Gestão de Negócios, Linha de Pesquisa em Gestão Estratégica de Marketing, Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Administração. Dr. Jorge Francisco Bertinetti Lengler Professor Orientador e Examinador PPGA / UNISC Dr. Carlos Alberto Mello Moyano Professor Examinador PPGA / UNISC Dr. Carlos Alberto Martins Callegaro Professor Examinador Convidado I-UMA Santa Cruz do Sul 2013

5 5 Dedico este trabalho ao meu filho Mateus que, em algumas vezes, não pôde receber a devida atenção. À paciência de minha esposa Anelise, por aguentar alguns momentos de estresse decorrentes ao tempo dedicado a este estudo. E ao Projetista e Criador Supremo do Universo Jeová, pela dádiva da vida.

6 6 AGRADECIMENTOS Agradeço à grande força da professora Rejane Alievi, pela motivação nos momentos da minha quase desistência; ao professor Jorge Lengler, pela paciência e exigência como meu orientador; ao professor Carlos Moyano, pelo sempre carinho demonstrado; aos meus pais Jacinta e Waldir, que sempre me apoiaram e incentivaram; a todos na Tecnilange e aos clientes que contribuíram com este estudo; ao Mateus, meu filho, por ter suportado esperar em algumas ocasiões durante a elaboração desta dissertação; á minha esposa Anelise, pela paciência e carinho demonstrado durante o transcorrer desta pós-graduação; ao Projetista e Criador do Universo e da vida nosso Deus Jeová; a todos que sempre me ajudaram e apoiaram a chegar até aqui. Espero que, através deste estudo, diversas melhorias possam ser concretizadas e muitos possam ser beneficiados.

7 7 Estamos na era do relacionamento, onde o cliente deve ser o foco principal das empresas! (Diversos Autores)

8 8 RESUMO A fidelização é um relacionamento de longo prazo entre a empresa e seus clientes, a partir de um compromisso que a empresa assume em proporcionar maior valor ao seu cliente. Neste sentido, desenvolveu-se o estudo para identificar a importância que o cliente atribui a diversos aspectos do fornecedor de peças de reposição Tecnilange em comparação ao seu desempenho com os mesmos clientes, com o objetivo de se propor um programa de relacionamento para a empresa, com a finalidade de gerar vantagem competitiva. A metodologia empregada foi um estudo de caso com abordagem exploratório-descritivo. A amostra foi composta de 12 empresas que caracterizam os clientes do fornecedor estudado. As análises, 9 foram quantitativas por meio da estatística descritiva. A partir dos resultados da pesquisa, foi possível concluir que o principal fator de mudança de fornecedor de peças de reposição ocorre por descaso ou pouca atenção. A Tecnilange superou as expectativas dos seus clientes no tratamento durante a negociação e na tecnologia diferenciada dos seus equipamentos, no entanto, ficou abaixo da expectativa dos seus clientes nos demais itens avaliados, em especial, no prazo e na entrega do pedido. A partir dos resultados, foi possível estabelecer um programa de estratégias de marketing de relacionamento que leva em consideração a prioridade nas relações comerciais a partir de uma classificação do cliente em três classes, com base em sua importância no faturamento para o fornecedor Tecnilange e também com base no potencial de crescimento dos clientes nas compras das peças de reposição. Palavras-chave: Marketing de Relacionamento. Fidelização. Retenção de Clientes.

9 7 ABSTRACT Loyalty is a long-term relationship between the company and its customers, from a commitment that the company takes to provide greater value to your customer. This study was therefore developed to identify the importance that customers ascribe to the different aspects of the spare parts supplier Tecnilange, compared to its performance with these same customers, for the purpose of proposing a relationship program for the company, in order to generate competitive advantage. The methodology used was a case study with an exploratory, descriptive approach. The sample consisted of 12 companies which characterize the customers of the supplier being studied here. The analyses were quantitative, using descriptive statistics. From the research results, it was concluded that the main reason customers change a spare parts supplier is due to neglect or insufficient attention. Tecnilange exceeded the expectations of its customers in terms of the treatment given during the negotiations phase and for the superior technology of its equipment, but it did not meet customer expectations in the other items that were assessed, particularly in regard to deadlines and delivering orders. On the basis of these results, it was possible to put together a program for relationship marketing strategies which takes into consideration the priority assigned to business relationships, which were divided into three classes, based on their sales importance for Tecnilange as well as the growth potential of customers in relation to spare parts purchases. Keywords: Relationship Marketing. Customer Loyalty. Customer Retention.

10 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Satisfação e insatisfação do cliente Figura 2 Fidelidade x tempo Figura 3 Programas que aumenta probabilidade do cliente voltar Figura 4 Janela do cliente do fornecedor Tecnilange Gráfico 1 Clientes leais são mais rentáveis Gráfico 2 Definição de estratégias para cada tipo de cliente Quadro 1 Marketing de massa versus marketing de relacionamento Quadro 2 Por que clientes abandonam as empresas Quadro 3 Estratégias de fidelização para cada tipo de cliente Quadro 4 Impacto de um aumento de 5% na taxa de retenção sobre lucros totais de tempo de vida de um cliente típico... 39

11 9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Análise qualitativa de conteúdo Tabela 2 Participação e potencial de crescimento Tabela 3 Critério de classificação dos clientes Tabela 4 Mudança de fornecedor Tabela 5 Dificuldades para a troca do fornecedor Tabela 6 Atendimento na fidelização Tabela 7 Preço e prazos na fidelização Tabela 8 Relacionamento na fidelização Tabela 9 Serviços e técnica na fidelização Tabela 10 Pós-venda na fidelização Tabela 11 Desempenho no atendimento Tabela 12 Desempenho no preço e nos prazos Tabela 13 Desempenho no relacionamento Tabela 14 Desempenho no serviço e na parte técnica Tabela 15 Desempenho no pós-venda Tabela 16 Resultado no atendimento Tabela 17 Resultado no preço e nos prazos Tabela 18 Resultado no relacionamento Tabela 19 Resultado no serviço e na parte técnica Tabela 20 Resultado no pós-venda... 72

12 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TEMA E PROBLEMAS DE PESQUISA Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos REFERENCIAL TEÓRICO Conceito de Marketing Conceito de Relacionamento (teorias de relacionamento) A Emoção como Fator de Influência O Marketing de Relacionamento Marketing Business to Business Ações de Relacionamento A Lealdade de Clientes A Rentabilidade como Resultado do Relacionamento A Confiança como uma Ferramenta Poderosa Estratégicas Específicas para Diferentes Tipos de Clientes Ferramentas da TI no Processo de Relacionamento O Marketing Interno O Marketing de Permissão Marketing Ciência e Tecnologia METODOLOGIA DA PESQUISA Tipo de Pesquisa Caracterização da Pesquisa Amostra Coletas de Dados e Instrumento de Pesquisa Análise de Dados A CONTRIBUIÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO NA FIDELIZAÇÃO Análise Qualitativa e Caracterização da Amostra Análise dos Clientes para com os Fornecedores de Peça Análise de Fidelização dos Clientes Análise de Desempenho do Fornecedor de Peças de Reposição Resultados Conclusivos das Análises Janela do cliente... 72

13 5 ESTRATÉGIAS DE MARKETING DE RELACIONAMENTO COM O OBJETIVO A FIDELIZAÇÃO DOS CLIENTES CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNCIDE A ROTEIRO DE ENTREVISTAS EM PROFUNDIDADE APÊNCIDE B QUESTIONÁRIO DE PESQUISA

14 12 1 INTRODUÇÃO - TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA Segundo a Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS, 2011), em um estudo realizado para o setor metal mecânico no Rio Grande do Sul, o complexo metal mecânico envolve vários setores de atividades, tais como: metalurgia, produtos de metal, máquinas e equipamentos, manutenção, entre outros. O complexo metal mecânico representa 35,2% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial nacional. Entre os anos de 2002 e 2010, o crescimento foi de 53,7% (uma média de 5,5% a.a.). O Brasil possui cerca de 78 mil estabelecimentos pertencentes ao complexo metal mecânico, o que representa aproximadamente 25% do total da indústria de transformação nacional. A região sudeste do país possui a maior concentração de estabelecimentos, com 54,2% de empresas, seguido da região sul, com 30,6% das empresas nesse ramo. Na região sul, o destaque é o Rio Grande do Sul, com 9,8 mil estabelecimentos no setor, o que equivale a 41% dos estabelecimentos da região sul do país. Na classificação geral por unidade da federação, o Rio Grande do Sul é o segundo na concentração de estabelecimentos industriais deste setor, com 12,5% do total de estabelecimentos no país. As empresas, em sua maioria (95,5%), são de predominância de micro e pequeno porte (até 99 funcionários). O complexo metal mecânico emprega cerca de 2 milhões de trabalhadores registrados formalmente. O Rio Grande do Sul possui 223,4 mil empregados, o que representa uma média de aproximadamente 22 funcionários por estabelecimento. No Brasil, essa média é de 29 funcionários (FIERGS, 2011). No Rio Grande do Sul, o segmento metal mecânico mais expressivo é o de veículos automotores, com 31% de participação, seguido, em segundo lugar, pelo setor de máquinas e equipamentos (24%), em terceiro, por produtos de metal (18%) e de metalurgia (14%) (FIERGS, 2011). A empresa de usinagem do estudo de caso, Tecnilange atua majoritariamente no setor de produtos de metal. Segundo a FIERGS (2011), o Rio Grande do Sul apresentou um faturamento em vendas de R$ 191,4 milhões no setor de produtos de metal em ferro e aço, o que coloca o Estado gaúcho na terceira posição nacional do segmento. São 4,71 mil estabelecimentos no Rio Grande do Sul no setor de produtos de metal, a segunda em concentração de empresas nesse segmento no país, com 13,7% de participação do total nacional, que possui 34,3 mil estabelecimentos. Grande parte das empresas

15 13 gaúchas desse segmento é da região Metropolitana de Porto Alegre (42,7%). O setor emprega no Rio Grande do Sul 59,7 mil trabalhadores. A fidelização de clientes é um ativo imprescindível para estabilidade nos negócios e prosperidade para a empresa metalomecânica. Num ambiente cada vez mais competitivo, onde novas marcas surgem, as antigas se fortalecem e para a empresa sobreviver é necessário manter os clientes fiéis. Este trabalho terá a finalidade de propor um conjunto de ações de relacionamento entre a empresa estudada e seus clientes. Abordar-se-á, também, o marketing de relacionamento. Utilizar-se-á de documentos na coleta de dados e um estudo de caso. O estudo de caso será realizado numa empresa de usinagem amplamente conhecida em seu setor e que presta um serviço bem especializado. O serviço se resume a fabricação de peças de reposição sob encomenda com altíssima precisão para máquinas que, em muitos casos, custam milhões de reais e tendo um curto prazo para entrega. Será, então, avaliada a importância do marketing de relacionamento para esta empresa. O marketing de relacionamento tem por função estabelecer, manter e aumentar os relacionamentos com clientes e outros parceiros, de forma lucrativa e de maneira como que os objetivos das partes envolvidas sejam atingidos. Isto é alcançado através da troca mútua e do cumprimento de promessas (GRÖNROOS, 1994, p. 9). As pessoas concentram suas energias nos clientes estratégicos, não em todos os clientes dentro de um segmento, menos ainda nos segmentos prioritários. Os profissionais de marketing de relacionamento precisam escolher com outros dentro da empresa e com os clientes, e conseguir um bom consenso da escolha feita (GORDON, 2001, p. 82). O que é consideravelmente mais difícil em tal dinâmica de mercado é manter os clientes comprando regularmente uma marca ou serviço. Dados os custos decorrentes de conquistar novos clientes, a única maneira de lucrar em tal situação é aumentar o tempo de vida de compra dos clientes atuais. Portanto, a retenção de clientes é de longe mais importante do que a atração de clientes (VAVRA, 1993, p. 17). Os clientes querem ser tratados como se fossem únicos, de forma individual. Para que isto aconteça, a empresa precisa assumir o compromisso perante o cliente, sendo que todos precisam se envolver: funcionários, fornecedores e demais envolvidos.

16 14 Visto que a empresa estudada precisa ter um relacionamento de confiança com seus clientes devido ao tipo de serviço prestado, serão sugeridas estratégias de relacionamento visando a fidelização. Neste estudo, tem-se como pressuposto que o relacionamento individualizado entre uma empresa e seu cliente, que geralmente poderá ser outra empresa, pode contribuir para gerar uma vantagem competitiva. Sendo assim, as questões que norteiam esse trabalho são: Como o marketing de relacionamento contribui para fidelizar clientes e gerar vantagem competitiva? Qual o conjunto de ações de marketing de relacionamento que a empresa estudada precisa para melhorar o relacionamento e a fidelização de seus clientes? 1.1 Justificativa O marketing de relacionamento surge como o meio de amenizar e resolver estas perdas que, conforme Peppers e Rogers (2002) chamam, é o relacionamento dentro de relacionamentos. Numa época em que o cliente tem muitas opções, a maneira de fidelizar este cliente é através da relação pessoal. Treacy e Wiersema (1995) concluem que empresas íntimas de seus clientes bem sucedidos são aquelas que se tornam peritas nos negócios e na criação de soluções para eles, aprofundando continuamente a dependência dos clientes à empresa. Quando se faz o que o cliente quer, gerando um trabalho bem feito, isto acaba aumentando a confiança do cliente e gera outros trabalhos. Assim, a empresa conhece melhor o cliente e o processo vai se auto-alimentando. O grau de intimidade passa a ser daí muito próximo e, quanto maior o relacionamento, melhor as oportunidades para uma solução total. Peppers e Rogers (1997) afirmam que o relacionamento se inicia quando o cliente diz para a empresa o que ele quer mediante interação e feedback. A empresa atende as solicitações e necessidades através de customização dos produtos/serviços conforme as especificações do cliente e busca cada vez melhor atender posteriormente na próxima oportunidade. O processo é contínuo e cíclico de ensino-aprendizagem ao longo do relacionamento, sendo que o cliente despende tempo e recursos com a empresa que está fornecendo. A empresa fornecedora terá, assim, know-how para atender de forma personalizada aquele cliente.

17 15 Para que este cliente busque um novo fornecedor, mesmo que este ofereça o mesmo nível de customização e feedback, isto gerará um transtorno para este cliente pois terá que primeiro reensinar esta nova empresa fornecedora tudo aquilo que já ensinou para o atual fornecedor. O cliente investiu tempo ensinado seu fornecedor sendo que ele próprio desenvolve sua parcela de benefícios esperados deste ensinamento. No marketing de relacionamento, clientes diferentes devem ser tratados de maneira diferente, de maneira individualizada, onde cada cliente terá uma oferta, um mix de marketing personalizado. O produto e o programa de marketing é adaptado às necessidades de cada cliente. Não é entregar o que o mercado quer, mas o que aquele cliente específico deseja, conforme Kotler e Armstrong (1995) e Treacy e Wiersema (1995). Vavra (1993) e McKenna (1993) afirmam que, para se conquistar um novo cliente, custa de quatro a seis vezes mais do que manter um cliente atual; e que 91% dos clientes insatisfeitos não comprarão mais e ainda comunicarão sua insatisfação a pelo menos outros noves clientes. Peppers e Rogers (1997), Vavra (1993), Treacy e Wiersema (1995) e Kotler e Armstrong (1995) afirmam que, quando se perde um cliente, é muito mais do que perder uma venda, pois deve-se levar em conta todas as compras que aquele cliente faria ao longo de sua vida. Visando o relacionamento, o fornecedor deve se preocupar em averiguar se o produto/serviço atendeu às expectatívas do cliente, e que se não atendeu, mesmo que por culpa do cliente, o fornecedor deve agir e ajudar o cliente a atingir suas expectatívas iniciais. Vavra (1993) avalia que o pós-marketing é um processo que propicia satisfação contínua e reforço as organizações que são clientes atuais ou que já foram clientes. Os clientes devem ser identificados, reconhecidos, comunicados e auditados em relação à satisfação e devidamente respondidos. Quando se privilegia de maneira individual um cliente através do relacionamento, é cobrado um preço premium, pois, conforme Las Casas (1987), a venda pessoal é umas das mais caras de comunicação, pois a manutenção da equipe de vendas exige treinamento, controle, gastos em transportes, tempo de espera, etc. Analisando os últimos anos, observa-se que a empresa Tecnilange possui uma elevada rotatividade de seus melhores clientes. O principal cliente há alguns anos atrás, hoje não consta mais no rol de clientes ativos da empresa. Visando verificar as

18 16 razões e os motivos da perda do principal cliente e sugerir soluções, este estudo foi elaborado. A empresa é reconhecida como excelência em tecnologia e qualidade, sendo a primeira empresa da região com as principais certificações, mas não consegue fidelizar seus clientes. Este trabalho será de grande apoio a empresa Tecnilange a fim de elaborar suas estratégias mercadológicas. A Tecnilange possui planos de expansão e para isto, precisa fidelizar seus clientes mais importantes. O presente estudo propõe uma investigação de como o marketing de relacionamento poderá contribuir para a retenção de clientes gerando a fidelização. Isto inclui identificar se existem vantagens em se aplicar o marketing de relacionamento e como ele interfere na continuidade de um relacionamento. Em outras palavras, como o relacionamento individualizado com os clientes pode oportunizar, posteriormente, fidelização e aumento nos lucros numa organização e na empresa estudada. 1.2 Objetivos Objetivo Geral Propor um programa de relacionamento para a empresa estudada com a finalidade de gerar vantagem competitiva Objetivos Específicos a) Analisar as características das empresas clientes e identificar as suas demandas em relação às ações de marketing de relacionamento; b) identificar e compreender como as ações do marketing de relacionamento interferem na continuidade dos relacionamentos entre a organização estudada e seus clientes; c) propor um conjunto de ações de relacionamento com a finalidade de reter clientes na empresa estudada; d) criar um sistema de controle da eficiência do programa de marketing de relacionamento da empresa estudada com seus clientes.

19 17 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Conceito de Marketing De acordo com a American Marketing Association, marketing, é o processo de planejar e executar a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de ideias, produtos e serviços a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais. De acordo com os autores Churchill e Peter (2001): [...] a essência do marketing é o desenvolvimento de trocas em que organizações de clientes participam voluntariamente de transações destinadas a trazer benefícios para ambos. Por exemplo, ao comprar um Chicabon, clientes e empresas recebem benefícios: os clientes por desfrutarem do sorvete e a Kibon pelo dinheiro ganho. Conforme os autores Semenik e Bamossy (1996), marketing é o processo de planejamento e execução do conceito, preço, comunicação e distribuição de idéias, bens e serviços, de modo a criar trocas que satisfaçam objetivos individuais e organizacionais. Peter Drucker (2001) afirma: [...] marketing e inovação geram resultados: todo o restante são custos. Marketing é a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos com eles (KOTLER, 1999). 2.2 Conceito de Relacionamento (teorias de relacionamento) Nesta seção, será tratado primeiramente como a emoção é o fator decisivo de influência da mente do ser humano nas decisões. Após, o marketing de relacionamento será analisado e o sistema de negócios Business to Business será descrito, visto este ser o tipo de marketing estudado na empresa escolhida A Emoção como Fator de Influência A emoção gerada pelo marketing de relacionamento influencia o comportamento e, como consequência, as tomadas de decisões.

20 Uma das técnicas desenvolvidas para se mexer com as emoções foi a de usar mensagens subliminares visuais. Conforme Cavaco (2010, p. 79): 18 [...] o primeiro experimento de imagens subliminares é de 1956, em Nova Jersey. Durante o filme Picnic, um segundo projetor emitia um slide com a frase Drink Coke, em uma velocidade de 1/3.000 segundos. O slide era projetado sobreposto ao filme, rápido demais para ser percebido conscientemente, mas a repetição dessa projeção causava efeito no subconsciente do público, aumentando as vendas da Coca-Cola. Este segundo projetor é chamado de taquicoscópio. Criou-se uma fórmula para explicar o subliminar: é a maior quantidade de informação divida pelo menor tempo de exposição. Outra técnica aprendida foi quando, conforme Cavaco (2010, p. 82): [...] o governo americano havia financiado uma pesquisa para tratamento psiquiátrico para os veteranos de guerra que sofreram lesões as ondas de choque dos bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial e descobriram que a música é registrada na parte do cérebro que é estimulada pelas emoções, contornando os centros cerebrais que lidam com a inteligência e a razão. A música, conforme investigado, afeta o sistema endócrino, que regula não somente as funções dos órgãos internos, como o coração e os órgãos respiratórios, mais as glândulas endócrinas. Essas glândulas são controladas pelo tálamo, o qual está intimamente ligado às nossas emoções. O The Institute of Music da Universidade de Oslo, na Noruega, atestou através de estudos, que a música afeta e governa o estado de humor de uma pessoa, podendo fazê-la sentir-se triste ou alegre. Estes sons subliminares são amplamente usados nos cinemas para se conseguir um estado alterado de consciência. A música então pode estimular os hábitos de consumo criando a sensação de bem-estar, funcionando como âncora que associa a música ao consumo e a sentir-se bem. Zaltman (2003, p. 80), afirma que pelo menos 95% de toda a cognição ocorre abaixo da consciência, nos desvãos da mente, ao passo que, no máximo, apenas 5% se verificam na área da consciência de alto nível. Um dos exemplos da mente inconsciente em ação, conforme Zaltman (2003), é que se vendem mais unidades de um produto ao preço de US$ 9,99 do que a US$ 10,00. Sem dúvida, a economia irrisória não explica a diferença, mas como 95% do processo mental ocorrem na mente inconsciente, explica este fato. Os exemplos mais bem conhecidos envolvem

21 19 os testes cegos de sabor, nos quais a simples ausência de informações sobre a marca altera a experiência de sabor dos participantes. Segundo Zaltman (2003, p. 59): [...] mostra que em determinado experimento, apresentou-se aos participantes um odor que os pesquisadores disseram ser de queijo maduro. A maioria se mostraram dispostas a provar o queijo. Outro grupo foi submetido ao mesmo odor, mas recebeu a informação de que era proveniente de meias usadas em ginásio esportivo. Este segundo grupo reagiu a experiência com grande intensidade. Um homem que dirige um modelo esportivo, provavelmente tem razões emocionais arraigadas: talvez queira que os outros o percebam como jovem, ousado, sensual e agressivo. Influências culturais, como propaganda e os hábitos de compra de carro de outras pessoas, podem ter fomentado esses desejos internos. Talvez seja possível que as raízes sejam eventos ocorridos durante a infância, como ver um jovem tio rico num carro esportivo, com uma atraente passageira a seu lado. Outro exemplo de como a mente, orientada pelas emoções, afeta as decisões é que ao alterar a sequência das perguntas de um determinado levantamento, os projetistas pré-ativaram as respostas dos consumidores de diferentes maneiras tudo sem a percepção consciente de ninguém. Conforme Zaltman (2003, p. 61): Os processos inconscientes entre consumidores também afetam suas respostas as perguntas dos profissionais de marketing. A ordem em que os pesquisadores apresentam as perguntas pode fazer grande diferença nas respostas recebidas. Num determinado levantamento de uma empresa automobilística, certa empresa teve o resultado de um alto nível de satisfação. A pergunta concernente a frequência de concertos só era formulada mais adiante. Quando esta empresa mudou a ordem e perguntou-se primeiro sobre a frequência de concertos, o nível de satisfação diminuiu e as mudanças foram bem significativas. A empresa teve de rever suas conclusões sobre a satisfação dos consumidores nos mercados globais. A atividade neural pode ser estimulada por sons, toques, movimentos e sentimentos de fundo, como disposição de ânimo ou emoções. Um anúncio da Coca-Cola talvez estimule ativações neurais. As consequências dessas ativações como a lembrança de uma experiência de dividir uma garrafa com um amigo, pegá-la e saboreá-la envolve outras ativações

22 20 neurais. Diferentes tipos de imagens ou pensamentos estão interligados uns com os outros e ocorrem juntos. Assim, para Zaltman (2003, p. 69), estudos sobre pacientes com determinado padrão de danos no cérebro revelam que quando os sistemas de raciocínio estão intactos, mas as capacidades emocionais foram danificadas, as decisões geralmente são de má qualidade. Pode-se afirmar, então, através destes exemplos, que as emoções, tanto positivas quanto negativas, afetam as tomadas de decisões, sendo o marketing a mais importante fonte de influência sobre o objeto das lembranças dos consumidores O Marketing de Relacionamento Dentre os tipos de marketing, o que mais mexe com as emoções das pessoas é o marketing de relacionamento, que é a construção de uma relação duradoura entre empresa e consumidor, baseada na confiança e em ganhos mútuos ao longo do tempo. Quadro 1 Marketing de massa versus marketing de relacionamento MARKETING DE MASSA MARKETING DE RELACIONAMENTO - Cliente médio - Cliente individualizado - Cliente anônimo - Cliente com perfil definido - Produto padronizado - Oferta sob medida - Produção em massa - Produção sob medida - Distribuição em massa - Distribuição individualizada - Propaganda em massa - Mensagem individualizada - Promoção em massa - Incentivos individualizados - Mensagem unidirecional - Mensagem bidirecional - Economia de escala - Economia de escopo - Participação de mercado - Participação do cliente - Todos os clientes - Apenas clientes rentáveis - Atração do cliente - Retenção do cliente Fonte: Kotler (1998) adaptado de Peppers & Rogers (2002). Peppers e Rogers (2002) salientam que marketing de relacionamento é fazer negócios como os avós. Alguns confundem marketing de relacionamento como sendo marketing de fidelização. Dias (2003, p. 300) afirma que o marketing de

23 21 fidelização é o primeiro nível do marketing de relacionamento. O marketing de fidelização, que tem por objetivo reter a preferência do consumidor à compra de determinado produto, faz parte do processo do marketing de relacionamento. Fidelizar ou reter o cliente é o resultado de uma estratégia de marketing de relacionamento. De acordo com Dias (2003, p. 301), o marketing de relacionamento é: [...] uma estratégia de marketing que visa a construir uma relação duradoura entre cliente e fornecedor, baseada em confiança, colaboração, compromisso, parceria, investimentos e benefícios mútuos, resultando na otimização do retorno para a empresa e seus clientes. Já o marketing one-to-one, também chamado marketing individualizado, é a parte final do marketing de relacionamento. Um exemplo são as agências de turismo, que criam pacotes personalizados para seus clientes. A oferta é adaptada às necessidades e características dos consumidores. No Brasil, quando o governo de Juscelino Kubitschek abriu o país ao capital estrangeiro, empresas norte-americanas e europeias que já dominavam as técnicas de marketing, obrigaram as empresas nacionais se quisessem se manter no mercado, a criarem e desenvolverem conceitos e técnicas de marketing a fim de se tornarem competitivas. Com isso, a competição passou a ser em nível global em vez de regional. As empresas precisaram se adaptar para se tornarem rentáveis num ambiente tão competitivo. O que se observou é que, atualmente, empresas que utilizam o marketing de relacionamento, são as que mais se mantêm sólidas no mercado. As ações passam a estar mais ligadas à estratégia de satisfazer e reter clientes, contendo também ações para conquistar novos clientes. A Consultoria Mckinsey realizou uma pesquisa demonstrando que compras repetidas (clientes fiéis) geram mais que o dobro de lucratividade quando comparado com novos clientes. A conclusão dos consultores é de que clientes devem ser tratados como ativos ou investimentos a serem criteriosamente administrado. Algumas empresas começaram então a implantar sistemas de informações, que permitem mensurar os ganhos e perdas resultantes de cada cliente e permitem também a troca de informações valiosas.

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Escala de Vínculo. O que entender por fidelidade? Thelma Rocha 1 e Fabiano Rodrigues 2

Escala de Vínculo. O que entender por fidelidade? Thelma Rocha 1 e Fabiano Rodrigues 2 Thelma Rocha 1 e Fabiano Rodrigues 2 Esta edição dos Estudos ESPM aborda os programas de fidelidade implantados em países emergentes, com ênfase no modelo chamado programa de coalizão. Esse tipo de programa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING Prof. Esp. Lucas Cruz Estabelecimento de metas Os objetivos devem atender aos critérios: ser organizados hierarquicamente, do mais importante para o

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

E-Book! O que é Inbound Marketing?

E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book O que é Inbound Marketing? Estamos em um período de transição de modelos mentais e operacionais entre o Marketing Tradicional e o Inbound Marketing. Este e-book

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos RH 2020: Valor e Inovação Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos Glaucy Bocci 7 de maio de 2015, São Paulo Agenda Contexto O valor estratégico da EVP Pesquisa

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES

CONQUISTAR E MANTER CLIENTES 1 CONQUISTAR E MANTER CLIENTES Historicamente, o marketing se concentrou na atração de novos clientes. O pessoal de vendas era mais recompensado por achar um novo cliente do que por prestar muita atenção

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes

Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes Palestra Como atrair, conquistar e manter clientes O passo a passo da fidelização de clientes Carga horária: 2 horas Conteúdo: A estratégia ACM. A escada da lealdade. Como atrair, conquistar e manter clientes.

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Serviço ao Cliente Prof. Fernando A. S. Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Conceitos Segmentação de Mercado Rentabilidade de Clientes e Serviço ao Cliente Recuperação de Serviço

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 Pesquisa de Marketing no SMG Obrigado por seu interesse na área de Pesquisa de Marketing do SMG! Este material detalha a abordagem que o SMG utiliza

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Varejo Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios reais, a partir de agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais