GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS RELATÓRIO ANUAL SOBRE A SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDIÇÃO 2007/2008 Porto Alegre, dezembro de 2008

2 APOIO INSTITUCIONAL Eng. Paulo Renato Paim Diretor do Departamento de Recursos Hídricos COORDENAÇÃO TÉCNICA Geogr. Elaine Regina Oliveira dos Santos Divisão de Planejamento e Gestão/DRH EQUIPE TÉCNICA EXECUTIVA Geogr. João Manoel S. O. Trindade Silva DIPLA/DRH Pedro Paulo Ferreira de Souza - Estagiário de Geografia - DIPLA/DRH Zoraida Helena Gomes da Silva Estagiária de Geografia/DRH EQUIPE DE APOIO TÉCNICO Eng. Agrícola André Luís Silva Coutinho - Bolsista do CTHIDRO/CNPq Eng. Civil Diego Polacchini Carrillo - DIOUT/DRH Eng. Civil Graziela Zim Bolsista do CTHIDRO/CNPq Eng. Civil Leonardo dos Santos Tavares - Bolsista do CTHIDRO/CNPq Eng. Civil Letícia Coradini Frantz Bolsista do CTHIDRO/CNPq Eng. Minas José Maria Furtado Lima Assessor técnico Gabinete/DRH Carmem Lúcia Silveira da Silva Secretária-Executiva Adjunta/CRH Vania Mara Dutra de Oliveira Agente Administrativo/CRH

3 ÍNDICE LISTA DE FIGURAS... 5 LISTA DE TABELAS... 9 APRESENTAÇÃO O SISTEMA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS O QUADRO ATUAL DOS COMITÊS DE BACIA FORMAS ESPECIAIS DE GESTÃO As bacias compartilhadas O Comitê Gestor da Laguna dos Patos A IMPLANTAÇÃO DE INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E GESTÃO O Plano Estadual de RH Os comitês e o processo de planejamento por bacia Programas, projetos e convênios O PROÁGUA As Câmaras Técnicas METODOLOGIA AS BACIAS HIDROGRÁFICAS DO ESTADO REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí Bacia Hidrográfica do Baixo Jacuí Bacia Hidrográfica do Rio Caí Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Bacia Hidrográfica Taquari-Antas Bacia Hidrográfica dos rios Vacacaí e Vacacaí Mirim REGIÃO HIDROGRÁFICA DAS BACIAS LITORÂNEAS Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Bacia Hidrográfica do Litoral Médio Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Bacia Hidrográfica Mirim-São Gonçalo Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí REGIÃO HIDROGRÁFICA DO URUGUAI Bacia Hidrográfica do Apuaê-Inhandava Bacia Hidrográfica Butuí-Icamaquã Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Bacia Hidrográfica do Rio Negro Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Bacia Hidrográfica do Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo

4 Bacia Hidrográfica do Rio da Várzea ESPACIALIZAÇÃO CONSUMOS HÍDRICOS E CARGAS DE DBO PARA O ESTADO O CONTROLE HÍDRICO EM EVENTOS CRÍTICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO

5 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Mapa das Bacias Hidrográficas do Rio Grande do Sul Figura 2 Proposta ajuste institucional para gestão de bacias transfronteiriças Figura 3 Mapa da distribuição espacial dos Programas Pró-Guaíba, Pró-Mar-de-Dentro e Pró-Uruguai Figura 4 - Região Hidrográfica do Guaíba Figura 5 Mapa da Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí Figura 6 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia do Alto Jacuí Figura 7 Gráfico do percentual estimado para as principais demandas hídricas subterrâneas, Bacia do Alto Jacuí Figura 8 Mapa da Bacia Hidrográfica do Baixo Jacuí Figura 9 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia do Baixo Jacuí Figura 10 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas anuais, Bacia do Baixo Jacuí Figura 11 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Caí Figura 12 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Caí Figura 13 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Caí Figura 14 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Figura 15 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Figura 16 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Figura 17 Mapa da Bacia Hidrográfica do Lago Guaíba Figura 18 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia do Lago Guaíba Figura 19 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia do Lago Guaíba Figura 20 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Figura 21 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Figura 22 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Figura 23 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Figura 24 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Sinos Figura 25 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Figura 26 Mapa da Bacia Hidrográfica Taquari-Antas Figura 27 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Taquari-Antas Figura 28 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Taquari-Antas Figura 29 Mapa da Bacia Hidrográfica dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim

6 Figura 30 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Figura 31 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Figura 32 - Região Hidrográfica das Bacias Litorâneas Figura 33 Mapa da Bacia Hidrográfica do Camaquã Figura 34 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Figura 35 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Figura 36 Mapa da Bacia Hidrográfica do Litoral Médio Figura 37 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia do Litoral Médio Figura 38 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia do Litoral Médio Figura 39 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Figura 40 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Figura 41 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Figura 42 Mapa da Bacia Hidrográfica Mirim-São Gonçalo Figura 43- Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Mirim-São Gonçalo Figura 44 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Mirim-São Gonçalo Figura 45 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Figura 46 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Figura 47 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Figura 48: Região Hidrográfica do Uruguai Figura 49 Mapa da Bacia Hidrográfica Apuaê-Inhandava Figura 50 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Apuaê-Inhandava Figura 51 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Apuaê-Inhandava Figura 52 Mapa da Bacia Hidrográfica Butuí-Icamaquã Figura 53 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Butuí-Icamaquã Figura 54 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Butuí-Icamaquã Figura 55 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Figura 56 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Figura 57 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Figura 58 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Figura 59 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí

7 Figura 60 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Figura 61 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Negro Figura 62 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Negro Figura 63 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Negro Figura 64 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Figura 65 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Figura 66 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Figura 67 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Figura 68 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Figura 69 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Figura 70 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Figura 71 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Figura 72 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Figura 73 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Figura 74 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Figura 75 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Figura 76 Mapa da Bacia Hidrográfica Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Figura 77 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Figura 78 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia do Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Figura 79 Mapa da Bacia Hidrográfica do Rio da Várzea Figura 80 - Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas superficiais anuais, Bacia do Rio da Várzea Figura 81 Gráfico do percentual estimado para as demandas hídricas subterrâneas, Bacia do Rio Várzea Figura 82 - Percentual consumido pela irrigação em relação ao total estimado para este uso (hm3/ano), para o RS Figura 83 - percentual do consumo de irrigação dentre os demais usos considerados para cada bacia hidrográfica Figura 84 - Percentual consumido pela população, em relação ao total estimado para este uso (hm3/ano), para o RS Figura 85 - Percentual do consumo hídrico para a população dentre os demais usos considerados, por bacia hidrográfica Figura 86 Percentual consumido pela indústria, em relação ao total estimado para este uso (hm3/ano), para o RS Figura 87 - Percentual do consumo indústria dentre os demais usos considerados, por bacia hidrográfica

8 Figura 88 - Percentual dos consumos para a dessedentação animal, em relação ao total estimado para este uso (hm3/ano) Rio Grande do Sul Figura 89 Percentual do consumo dessedentação animal dentre os demais usos considerados para cada bacia hidrográfica Figura 90 Distribuição espacial por bacia hidrográfica da DBO derivada de fonte doméstica Figura 91 Distribuição espacial por bacia hidrográfica da DBO derivada de fonte industrial Figura 92 Distribuição espacial por bacia hidrográfica da DBO derivada de suinocultura Figura 93 Gráficos dos níveis de água do Rio Gravataí Figura 94 - Gráficos dos níveis de água do Rio dos Sinos

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Comitês de Bacias Hidrográficas e Comissões Provisórias - RS Tabela 2 Normatização do processo de gestão de bacias compartilhadas Tabela 3 As atividades previstas para a elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos Tabela 4 Instrumentos de gestão de recursos hídricos nas bacias hidrográficas do Estado Tabela 5 Metas, atividades e produtos previstos para o CTHidro Tabela 6 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Alto Jacuí Tabela 7 Dados de área e demografia - Bacia do Alto Jacuí Tabela 8 Composição atual do Comitê Alto Jacuí Tabela 9 População urbana e rural por município - Bacia do Alto Jacuí Tabela 10 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia do Alto Jacuí. 53 Tabela 11 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia do Alto Jacuí Tabela 12 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Alto Jacuí Tabela 13 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Alto Jacuí Tabela 14 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Alto Jacuí, Tabela 15 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Baixo Jacuí Tabela 16 Dados de área e demografia Bacia do Baixo Jacuí Tabela 17 Unidades de conservação na Bacia do Baixo Jacuí Tabela 18 Composição atual do Comitê Baixo Jacuí Tabela 19 População urbana e rural por município - Bacia do Baixo Jacuí Tabela 20 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia do Baixo Jacuí Tabela 21 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia do Baixo Jacuí Tabela 22 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Baixo Jacuí Tabela 23 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Baixo Jacuí Tabela 24 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Baixo Jacuí Tabela 25 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Caí Tabela 26 Dados de área e demografia Bacia do Rio Caí Tabela 27 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Caí Tabela 28 Composição atual do Comitê do Rio Caí Tabela 29 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Caí... 69

10 Tabela 30 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Caí Tabela 31 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Caí Tabela 32 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Caí Tabela 33 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Rio Caí Tabela 34 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Caí Tabela 35 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Gravataí Tabela 36 - Dados de área e demografia Bacia do Rio Gravataí Tabela 37 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 38 Composição atual do Comitê do Rio Gravataí Tabela 39 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 40 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 41 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 42 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 43 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí Tabela 44 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Gravataí Tabela 45 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais - Bacia do Lago Guaíba Tabela 46 Dados de área e demografia Bacia do Lago Guaíba Tabela 47 Unidades de conservação na Bacia do Lago Guaíba Tabela 48 Composição atual do Comitê do Lago Guaíba Tabela 49 População urbana e rural por município - Bacia do Lago Guaíba Tabela 50 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia do Lago Guaíba Tabela 51 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia do Lago Guaíba Tabela 52 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Lago Guaíba Tabela 53 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Lago Guaíba Tabela 54 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Lago Guaíba Tabela 55 Altitude e localização dos corpos de água principais - Bacia do Rio Pardo Tabela 56 Dados de área e demografia Bacia do Rio Pardo Tabela 57 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Tabela 58 - Composição atual do Comitê do Rio Pardo Tabela 59 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Pardo.. 96

11 Tabela 60 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Tabela 61 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Tabela 62 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Tabela 63 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Pardo Tabela 64 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Pardo Tabela 65 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio dos Sinos Tabela 66 Dados de área e demografia Bacia do Rio dos Sinos Tabela 67 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 68 Composição atual do Comitê do Rio dos Sinos Tabela 69 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 70 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 71 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 72 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 73 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio dos Sinos Tabela 74 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio dos Sinos Tabela 75 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia Taquari-Antas Tabela 76 Dados de área e demografia Bacia Taquari-Antas Tabela 77 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Taquari-Antas Tabela 78 Composição atual do Comitê Taquari-Antas Tabela 79 População urbana e rural por município - Bacia do Taquari Antas Tabela 80 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Taquari-Antas: Tabela 81 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Taquari- Antas Tabela 82 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Taquari-Antas Tabela 83 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Taquari-Antas Tabela 84 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Taquari-Antas Tabela 85 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 86 Dados de área e demografia Tabela 87 Composição atual do Comitê Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 88 População urbana e rural por município - Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim

12 Tabela 89 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 90 - Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 91 - Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 92 - Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia dos rios Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 93 - Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Vacacaí-Vacacaí Mirim Tabela 94 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Camaquã Tabela 95 Dados de área e demografia Bacia do Rio Camaquã Tabela 96 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela 97 Composição atual do Comitê Camaquã Tabela 98 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela 99 - Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Camaquã Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Camaquã Tabela 104 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Litoral Médio Tabela 105 Dados de área e demografia Bacia do Litoral Médio Tabela 106 Unidades de conservação na Bacia do Litoral Médio Tabela 107 Composição do Comitê do Litoral Médio Tabela 108 População urbana e rural por município - Bacia do Litoral Médio Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia do Litoral Médio Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Litoral Médio Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Litoral Médio Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Litoral Médio Tabela 113 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Mampituba Tabela 114 Dados de área e demografia Bacia do Rio Mampituba Tabela 115 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Tabela 116 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba

13 Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Mampituba Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Mampituba Tabela 121 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia Mirim- São Gonçalo Tabela 122 Dados de área e demografia Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela 123 Unidades de conservação na Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela 124 Composição do Comitê Mirim-São Gonçalo Tabela 125 População urbana e rural por município - Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Mirim- São Gonçalo Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia Mirim-São Gonçalo Tabela 131 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Tramandaí Tabela 132 Dados de área e demografia Bacia do Rio Tramandaí Tabela 133 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela 134 Composição atual do Comitê Tramandaí Tabela 135 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Tramandaí Tabela 141 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia Apuaê-Inhandava Tabela 142 Dados de área e demografia Bacia Apuaê-Inhandava Tabela 143 Unidades de conservação na Bacia Apuaê-Inhandava Tabela 144 Composição atual do Comitê Apuaê-Inhandava Tabela 145 População urbana e rural por município - Bacia Apuaê-Inhandava Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Apuaê- Inhandava Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Apuaê- Inhandava

14 Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Apuaê-Inhandava Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Apuaê-Inhandava Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Apuaê-Inhandava Tabela 151 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia Butuí- Icamaquã Tabela 152 Dados de área e demografia Bacia Butuí-Icamaquã Tabela 153 Unidades de conservação na Bacia Butuí-Icamaquã Tabela 154 Composição atual do Comitê Butuí-Icamaquã Tabela 155 População urbana e rural por município - Bacia Butuí-Icamaquã Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Butuí- Icamaquã Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Butuí- Icamaquã Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Butuí-Icamaquã Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Butuí-Icamaquã Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia Butuí-Icamaquã Tabela 161 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Ibicuí Tabela 162 Dados de área e demografia Bacia do Rio Ibicuí Tabela 163 Unidades de conservação na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Tabela 164 Composição atual do Comitê Ibicuí Tabela 165 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí 195 Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Ibicuí Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Ibicuí Tabela 171 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Ijuí Tabela 172- Dados de área e demografia Bacia do Rio Ijuí Tabela 173 Composição atual do Comitê do Rio Ijuí Tabela 174 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí

15 Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Ijuí Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Ijuí Tabela 180 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Negro Tabela 181 Dados de área e demografia Bacia do Rio Negro Tabela Composição atual do Comitê do Rio Negro Tabela 183 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Negro Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Negro Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Negro Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Negro Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Negro Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Negro Tabela 189 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Passo Fundo Tabela 190 Dados de área e demografia Bacia do Rio Passo Fundo Tabela 191 Composição atual do Comitê Passo Fundo Tabela 192 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Passo Fundo Tabela 198 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Piratinim Tabela 199 Dados de área e demografia Bacia do Rio Piratinim Tabela 200 Composição atual do Comitê Piratinim Tabela 201 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim

16 Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Piratinim Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Piratinim Tabela 207 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Quaraí Tabela 208 Dados de área e demografia Bacia do Rio Quaraí Tabela 209 Composição atual do Comitê Quaraí Tabela 210 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Quaraí Tabela 216 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio Santa Maria Tabela 217 Dados de área e demografia Bacia do Rio Santa Maria Tabela 218 Composição atual do Comitê do Rio Santa Maria Tabela 219 População urbana e rural por município - Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Hidrográfica do Rio Santa Maria Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Santa Maria Tabela 225 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela 226 Dados de área e demografia Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela 227 Unidades de conservação na Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela 228 Composição atual do Comitê Turvo-Santa Rosa Santo Cristo Tabela 229 População urbana e rural por município - Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia Turvo- Santa Rosa-Santo Cristo Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo

17 Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Turvo-Santa Rosa-Santo Cristo Tabela 235 Altitude e localização de alguns dos corpos de água principais Bacia do Rio da Várzea Tabela 236 Dados de área e demografia Bacia do Rio da Várzea Tabela 237 Unidades de conservação na Bacia do Rio da Várzea Tabela 238 Composição atual do Comitê Várzea Tabela 239 População urbana e rural por município - Bacia do Rio da Várzea Tabela Disponibilidades hídricas superficiais características da Bacia do Rio da Várzea Tabela Estimativa das reservas reguladoras de águas subterrâneas na Bacia do Rio da Várzea Tabela Demandas hídricas superficiais por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Rio da Várzea Tabela Principais demandas hídricas subterrâneas por setor usuário, em hm 3 /ano, na Bacia do Rio da Várzea Tabela Cargas específicas totais de DBO de origem doméstica, industrial e da suinocultura, em (t/ano/km²), Bacia do Rio Várzea

18 APRESENTAÇÃO O presente relatório tem por objetivo disponibilizar aos comitês, aos usuários da água e à sociedade em geral informações relativas à disponibilidade hídrica do conjunto das 25 bacias hidrográficas, distribuídas ao longo do território riograndense. A divulgação destas informações, além de ser uma exigência prevista na Lei /1994, a chamada Lei das Águas do Rio Grande do Sul, é uma condição básica para a viabilização de um processo integrado de gestão deste bem cada vez mais escasso. Para tanto, o documento foi dividido em quatro capítulos. O primeiro apresenta uma visão geral da implementação do Sistema Estadual de Recursos Hídricos, delineando o quadro de comitês, o modelo de gestão para as bacias compartilhadas e o status de aplicação dos instrumentos legais de planejamento e gestão das águas. O segundo descreve a metodologia utilizada e destaca que os dados de oferta, demanda e consumo da água foram obtidos do Relatório-Síntese da Fase A, do Plano Estadual de Recursos Hídricos. O terceiro capítulo sistematiza as informações para cada bacia hidrográfica, exibe a distribuição espacial dos consumos e do potencial poluidor estimado e avalia a necessidade de controle do uso da água em bacias mais suscetíveis a eventos climáticos críticos. O último capítulo tece as considerações finais, resgatando os pontos de maior vulnerabilidade identificados, bem como as ações desenvolvidas e em andamento que visam à implementação de um modelo sistêmico e participativo para a gestão das águas do Estado. Acreditamos que este documento contribui para ampliar o conhecimento da realidade hídrica de nossas bacias hidrográficas. Além disto, esperamos que as informações disponibilizadas subsidiem a adoção de estratégias mais eficientes para o uso e para a manutenção deste valioso bem natural, a água.

19 19 1 O SISTEMA ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS O Sistema Estadual de Recursos Hídricos, instituído pela Lei , de 30 de dezembro de 1994, representa um modelo descentralizado e participativo de gestão da água. Os seus objetivos abrangem desde a execução e atualização da Política Estadual de Recursos Hídricos; a proposição, a efetivação e a atualização do Plano Estadual e dos Planos de Bacias Hidrográficas; a instituição de mecanismos que coordenem e integrem atividades públicas e privadas, no setor hídrico; até a compatibilização da política gaúcha com a federal, com vistas à utilização e proteção das águas do Estado. Ao longo de mais de treze anos de atividades, o Sistema Estadual de Recursos Hídricos alcançou conquistas importantes para a viabilização de seus objetivos. Neste sentido, merece destaque a criação e instalação de dezenove novos comitês de bacias, que se somaram aos três já existentes antes da promulgação da lei; a formação de câmaras técnicas no âmbito do Conselho Estadual de Recursos Hídricos, que debatem e deliberam sobre temas importantes; o avanço no processo de planejamento das bacias hidrográficas, com o enquadramento discutido e aprovado com a comunidade local em pelo menos sete delas; e a consolidação da Fase A - Diagnóstico e Prognóstico Hídrico - do Primeiro Plano Estado de Recursos Hídricos do Rio Grande do Sul. Este capítulo fornece um panorama geral do estágio de implementação do sistema. Para tanto, estão retratados o quadro atual dos comitês, as formas especiais de gestão e a situação presente de efetivação dos instrumentos legais de planejamento e gestão do uso das águas rio-grandenses. Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

20 O QUADRO ATUAL DOS COMITÊS DE BACIA O processo de criação de comitês no Estado está praticamente concluído. Isto não significa a inexistência de futuros ajustes nos limites das bacias hidrográficas, a exemplo do ocorrido com o limite sul da Bacia Hidrográfica do Rio Tramandaí. O aprimoramento de informações sobre o comportamento hidráulico das bacias e a própria consolidação do processo de participação de usuários da água e população local, avaliados nas instâncias técnicas do sistema e aprovados no Conselho Estadual de Recursos Hídricos, possibilitam este procedimento, que tem por fim facilitar a gestão integrada e participativa dos recursos hídricos do Rio Grande do Sul. Atualmente, o território gaúcho está dividido em 25 unidades espaciais para a gestão das águas. Deste conjunto, fazem parte do Sistema Estadual de Recursos Hídricos vinte e duas (22) bacias hidrográficas: nove (09) situadas na Região Hidrográfica do Guaíba, quatro (04) na Região Hidrográfica das Bacias Litorâneas e nove (09) na Região Hidrográfica do Uruguai. Neste contexto foram criados e instalados vinte e um (21) comitês: todos os situados na Região Hidrográfica do Guaíba, três (03) na Região Hidrográfica das Bacias Litorâneas e nove (09) na Região Hidrográfica do Uruguai. As três unidades espaciais restantes compreendem as áreas drenadas por águas definidas como de domínio da União, sendo duas (02) localizadas na Região Hidrográfica do Uruguai e uma (01) na Região Hidrográfica das Bacias Litorâneas. Os critérios para a gestão destas áreas estão discriminados no item 1.2. Na tabela 1 as 25 unidades espaciais para a gestão das águas do Estado estão classificadas por Região Hidrográfica e pelos seus respectivos códigos no Sistema Estadual de Recursos Hídricos. A sua distribuição espacial no contexto rio-grandense está ilustrada na figura 1. Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

21 21 Tabela 1 Comitês de Bacias Hidrográficas e Comissões Provisórias - RS UNIDADE ESPACIAL CÓDIGO DECRETO DE CRIAÇÃO/COMISSÃO PROVISÓRIA ENDEREÇO ELETRÔNICO/PÁGINA INTERNET REGIÃO HIDROGRÁFICA DO GUAÍBA 09 BACIAS GRAVATAI G de 15/02/1989; Alterado pelo , de 28/10/2004. SINOS G de 17/03/1988; Alterado pelo , de17/02/ CAÍ G de 28/09/1998 Alterado pelo , de 17/09/2004. TAQUARI-ANTAS G de 08/061998; Alterado pelo , de 27/12/ ALTO JACUI G de 11/06/2001 VACACAI E VACACAI- MIRIM G de 28/07/1999; Alterado pelo , de 13/09/ BAIXO JACUI G de 07/08/00; Alterado pelo , de 01/06/ LAGO GUAIBA G de 29/10/1998; Alterado pelo , de 22/10/2004. PARDO G de 08/12/1998; Alterado pelo , de 05/01/2005 e pelo de 14/04/ REGIÃO HIDROGRÁFICA DAS BACIAS LITORÂNEAS 05 BACIAS TRAMANDAI L de 08/07/1999; Alterado pelo , de 03/10/ LITORAL MEDIO L de 25/01/2008 Não possui Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

22 22 CAMAQUÃ L de 28/07/1999; Alterado pelo , de 31/08/ MIRIM-SÃO GONÇALO L de r MAMPITUBA L 050 Compartilhada REGIÃO HIDROGRÁFICA DO URUGUAI 11 BACIAS APUAÊ-INHANDAVA U de 18/03/2002; Alterado pelo , de PASSO FUNDO U de 23/03/2004; Alterado pelo , de 13/04/2004. www,upf.br/cbhpf TURVO-SANTA ROSA- SANTO CRISTO U de 14/01/2002; Alterado pelo , de 13/07/2004 PIRATINIM U IBICUI U de 07/08/2000; Alterado pelo , de 27/12/2004. QUARAI U de 14/04/2008 SANTA MARIA U de 01/02/1994; Alterado pelo , de 27/12/ NEGRO U de 06/03/2008 IJUI U de 30/07/2001; Alterado pelo , de VARZEA U de 08/12/2004. BUTUI-ICAMAQUÃ U de Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

23 23 Figura 1 Mapa das Bacias Hidrográficas do Rio Grande do Sul Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

24 1.2 FORMAS ESPECIAIS DE GESTÃO No conjunto dos corpos de água do Estado, há pelo menos duas situações peculiares: uma a das bacias compartilhadas com o estado catarinense ou com as repúblicas argentina e uruguaia; outra a da Laguna dos Patos, que compreende o corpo hídrico receptor da Região Hidrográfica do Guaíba e da maior parte da Região Hidrográfica das Bacias Litorâneas. Para propiciar a gestão integrada destas águas, o Departamento de Recursos Hídricos (DRH/SEMA), o Conselho Estadual de Recursos Hídricos (CRH/SEMA) e a Agência Nacional de Águas (ANA) estão construindo metodologias apropriadas, conforme se verifica a seguir As bacias compartilhadas Na atual divisão do Rio grande do Sul em bacias hidrográficas são identificados os seguintes corpos hídricos cujas águas são de domínio da União: Rio Mampituba, que representa o limite natural com o Estado de Santa Catarina; Rio Uruguai, que limita o território rio-grandense a norte e noroeste com Santa Catarina e noroeste e oeste com a Argentina; Lagoa Mirim e os rios Jaguarão, Negro e Quaraí, que são compartilhados com a República Oriental do Uruguai. No caso específico da Lagoa Mirim, é importante referir que as águas do Canal São Gonçalo, ligação natural com a Laguna dos Patos, também estão sob a dominialidade da União. A gestão das bacias hidrográficas transfronteiriças se caracteriza por uma maior complexidade do ponto de vista institucional. Isto implica incorporar o estabelecido nos acordos binacionais existentes e obedecer ao ordenamento jurídico dos países signatários. Além do mais, a gestão de recursos hídricos transfronteiriças precisa integrar o planejamento e as ações de ambos os países sem interferir em seus assuntos internos e em sua soberania. De outra parte, Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

25 25 necessita ser objetiva e funcional, a fim de tornar possível a sua implementação na totalidade da bacia hidrográfica (CTGRHT, 2003) 1. As bacias hidrográficas da Lagoa Mirim e do Rio Quaraí apresentam décadas de experiências na formulação de estratégias binacionais para a gestão de seus recursos hídricos. Em dezembro de 2003, na Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim, Pelotas, RS, ocorreu a 20ª Reunião da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Transfronteiriços. O resultado das discussões realizadas nesse evento culminou com a elaboração de uma proposta de Projeto Piloto de Gestão Integrada e Sustentável de Recursos Hídricos e Ambiental nas Bacias Transfronteiriças da Lagoa Mirim e do Rio Quaraí. O ajuste institucional proposto baseou-se na criação de Comitês de Coordenação Local de Bacia Hidrográfica. O seu objetivo foi o de promover a articulação entre as instituições responsáveis pela gestão dos acordos bilaterais na região fronteiriça entre Brasil e Uruguai, de um lado, e as instituições integrantes dos Sistemas Nacional e Estadual de Recursos Hídricos (CTGRHT, 2003). A proposta foi elaborada tendo a Lagoa Mirim como referencial, em virtude da sua maior complexidade. O modelo sugerido, no entanto, aplica-se às demais bacias análogas, ou seja, transfronteiriças com a República Oriental do Uruguai, como as dos rios Jaguarão e Quaraí, visto que incorpora os marcos institucionais e legais inerentes à gestão de águas compartilhadas (figura 2). O Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH), através da Moção 29, de 29 de outubro de 2004, recomendou a implantação do Projeto. Como desdobramento deste processo, em 2007 o Conselho Estadual de Recursos Hídricos, mediante a Resolução 38, de 13 de setembro, aprovou a proposta de composição do Comitê de Gerenciamento das Águas de Domínio do Estado da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí. No mesmo ano, o CRH também aprovou proposta de composição do Comitê de Gerenciamento das Águas de Domínio do 1 CTGRHT. Proposta de Projeto Piloto de Gestão Integrada e Sustentável de Recursos Hídricos e Ambiental nas Bacias Transfronteiriças da Lagoa Mirim e do Rio Quarai. 20ª Reunião da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Transfronteiriços - CTGRHT Pelotas, RS, Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

26 26 Estado da Bacia Hidrográfica do Rio Negro, através da Resolução 47, de 19 de setembro. A tabela 2 sintetiza os principais documentos que regulamentaram a gestão das águas das bacias compartilhadas do Rio Grande do Sul. Figura 2 Proposta ajuste institucional para gestão de bacias transfronteiriças Fonte: CTGRHT (2003, p. 10) Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

27 27 Tabela 2 Normatização do processo de gestão de bacias compartilhadas BACIAS TRATADO/ACORDO INTERNACIONAL MOÇÃO CNRH RESOLUÇÃO CRH DATA EXECUTOR OBJETIVO DATA NÚMERO OBJETIVO DATA NÚMERO OBJETIVO LAGOA MIRIM 1977 CLM QUARAÍ 1991 CRQ Aproveitamento dos recursos naturais e desenvolvimento da Bacia. Aproveitamento dos recursos naturais e desenvolvimento da Bacia NEGRO - - Recomenda implantação de Projeto Piloto de Gestão Integrada e Sustentável de Recursos Hídricos e Ambiental nas Bacias Transfronteiriças da Lagoa Mirim e do Rio Quaraí Aprova a proposta de composição do Comitê de Gerenciamento das Águas de Domínio do Estado. Obs.: CLM: Comissão Mista Brasileiro-Uruguaia para o Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim; CRQ: Comissão Mista Brasileiro-Uruguaia para o Desenvolvimento da Bacia Hidrográfica do Rio Quaraí. Capítulo 1 O Sistema Estadual de Recursos Hídricos

Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social. Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social

Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social. Programação dos Trabalhos e Estratégia de Mobilização Social Programação dos Trabalhos e Retomada dos Trabalhos Elaboração do Plano Estadual de Recursos Hídricos do Rio Grande do Sul - Conclusão da ETAPA B e Elaboração das ETAPAS C e D PERH-RS Histórico e Contexto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS MERCOSUL MEIO AMBIENTE - SGT6 - Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Compartilhadas Gisela Forattini Superintendente de Fiscalização Brasília DF setembro/2002 Bacia Amazônica

Leia mais

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas

Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Gestão de Recursos Hídricos no Brasil VISÃO GERAL Nelson Neto de Freitas Coordenador de Instâncias Colegiadas do SINGREH Agência Nacional de Águas Congresso Internacional de Segurança da Água Brasília,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (Publicada no D.O.U. em 12/08/2010) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE RESOLUÇÃO Nº 5, DE 10 DE ABRIL DE 2000 (Publicada no D.O.U de 11 de abril de 2000) (Modificada pela Resolução nº18, de 20 de dezembro de 2001, e pela Resolução nº 24, de 24 de maio de 2002) O Conselho

Leia mais

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento

Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes. Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Enquadramento dos Corpos de Água em Classes segundo os Usos Preponderantes Correlação com Plano de Bacia, Sistema de Informação e Monitoramento Plano de Recursos Hídricos Plano diretor de longo prazo que

Leia mais

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil

Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Panorama da Gestão de Recursos Hídricos no Brasil Nelson Neto de Freitas 8º Seminário Água, Comunicação e Sociedade XVI ENCOB - Maceió, 23 de novembro de 2014 A Política e o Sistema Nacional de Gerenciamento

Leia mais

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo

Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Mesa Redonda 5: Monitoramento de Águas Subterrâneas, Estratégias para Implantação de um Modelo Cooperativo Adriana Niemeyer Pires Ferreira Gerência de Águas Subterrâneas Superintendência de Implementação

Leia mais

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil

- Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil - Dezembro, 2010 - Organismos de Bacia Estado da arte, Brasil ASPECTOS CONSTITUCIONAIS Organismos de bacia Histórico Constituição de 1988 estabeleceu, entre outros aspectos, que as águas são bens públicos,

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DAS VELHAS DELIBERAÇÃO CBH RIO DAS VELHAS Nº 001, de 05 de fevereiro de 2014 Estabelece procedimentos para o acompanhamento e a avaliação de projetos hidroambientais, planos e projetos municipais de saneamento, para

Leia mais

ANEXO A TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO A TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO A TERMOS DE REFERÊNCIA GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE

Leia mais

Perspectivas. Uma Agenda para o SINGREH

Perspectivas. Uma Agenda para o SINGREH Perspectivas Uma Agenda para o SINGREH Perspectivas Uma Agenda para o SINGREH Pacto Nacional Pacto Nacional Motivações Pacto Nacional Motivações Visão do Constituinte Um Sistema Nacional SINGREH CNRH -

Leia mais

CAPITULO I DO OBJETIVO

CAPITULO I DO OBJETIVO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 144, DE 10 DE JULHO DE 2012 (Publicada no D.O.U em 04/09/2012) Estabelece diretrizes para implementação da Política Nacional

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Distribuição da água no planeta

Distribuição da água no planeta Água A água é fundamental para a preservação da vida em todos os ecossistemas e é indispensável para o desenvolvimento e manutenção das atividades econômicas em suas múltiplas possibilidades. Distribuição

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica Observando os Rios Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica OBJETIVO: Capacitar cidadãos, usuários de água, sociedade

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente

DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO JOÃO HERRMANN NETO (PDT/SP), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM.../.../... Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, As águas subterrâneas que formam os aqüíferos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Gabinete Civil da Governadoria DECRETO Nº 5.327, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2000. Dispõe sobre o Conselho Estadual de Recursos Hídricos- CERH e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições constitucionais

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

Avançando na gestão das águas do DF

Avançando na gestão das águas do DF Avançando na gestão das águas do DF O Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal (CRH DF) 1 emitiu no ano de 2014 duas resoluções tratando do enquadramento dos corpos d água superficiais do Distrito

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Proposta Responsável/Sugestões Indicador

Proposta Responsável/Sugestões Indicador Coordenador: MEIO AMBIENTE Visão: Que Santa Maria seja um município bom para se viver, propício ao desenvolvimento de empreendimentos sustentáveis e que cumpre as diretrizes das Conferências Mu Elaborar,

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared Água Como tema gerador para trabalhos de EA Apresentação cedida por Valéria G. Iared O elemento água e o imaginário construído em torno da água nas diversas civilizações, Água como traço de união entre

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Departamento de Educação Ambiental Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Departamento de Educação Ambiental Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL Departamento de Educação Ambiental Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental Ministério do Meio Ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONJUNTURA - Degradação ambiental / mudanças climáticas -

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

Cobrança pelo Uso da Água

Cobrança pelo Uso da Água Oficina de Capacitação dos Convênio Membros SEMA do Comitê / METROPLAN Pardo Convênio SEMA / METROPLAN Oficina de Capacitação dos Membros do Comitê Pardo Cobrança pelo Uso da Água Santa Cruz do Sul, 29/maio/2012

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA COMPONENTE 1: Priorização da Biodiversidade em Setores Governamentais Objetivo: Implementar a Política Nacional

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

A REDE GUARANI/SERRA GERAL EM SANTA CATARINA E O PROGRAMA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS

A REDE GUARANI/SERRA GERAL EM SANTA CATARINA E O PROGRAMA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS A REDE GUARANI/SERRA GERAL EM SANTA CATARINA E O PROGRAMA NACIONAL DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS Maria de Fátima Schumacher Wolkmer - Coordenadora Geral (UNIPLAC) Luiz Fernando Scheibe - Coordenador Técnico (UFSC)

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL ASPECTOS INSTITUCIONAIS DA GESTÃO AMBIENTAL E DE RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL Giuliano Marcon* Departamento de Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ENTENDA O QUE SÃO OS COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS O que são Os Comitês foram criados para gerenciar o uso dos recursos hídricos de forma integrada e descentralizada com a participação da sociedade.

Leia mais

PROJETO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI

PROJETO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI PROJETO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SISTEMA AQUÍFERO GUARANI secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos superintendência de Recursos Hídricos e Pesca Arranjo Institucional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.346, DE 15 DE SETEMBRO DE 2006. Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN com vistas em assegurar

Leia mais

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14

GERENCIAMENTO 12 DAS SUBTERRÂNEAS. Elcio Linhares Silveira 6 14 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO EXPERIÊNCIA E CASOS PRÁTICOS NO GERENCIAMENTO DAS ÁGUAS 15 8 18 GERENCIAMENTO 12 DAS 19 SUBTERRÂNEAS 4 16 20 21 22 17 X ÁREA CONTAMINADA 13 11 5 1 10 2 Elcio Linhares Silveira

Leia mais

OFICINA ÁGUA, FLORESTA E SOLOS

OFICINA ÁGUA, FLORESTA E SOLOS Realização: Grupo de Trabalho Água e Floresta da Câmara Técnica de Assuntos Legais e Institucionais - CTIL do Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH Apoio: Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO CNRH N o 109, DE 13 DE ABRIL DE 2010 (a publicar) Cria Unidades de Gestão de Recursos Hídricos de Bacias Hidrográficas de rios

Leia mais

A implantação de sistemas específicos de financiamento, baseados na contribuição e solidariedade dos consumidores e dos poluidores, se impõe para garantir a realização em cada bacia dos programas prioritários

Leia mais

FICHA PROJETO - nº383-mapp

FICHA PROJETO - nº383-mapp FICHA PROJETO - nº383-mapp Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Restauração da Região Serrana RJ: assistência técnica para consolidar uma rede de produtores rurais e viveiros comunitários. 2) MUNICÍPIOS

Leia mais

Gestão de Riscos na Embrapa

Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de Riscos na Embrapa Gestão de riscos na Embrapa - Agenda A Embrapa Ponto de partida Reestruturação Organizacional Política de gestão de risco Metodologia Alinhamento de processos Contexto atual

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS Departamento de Gestão do SUAS DGSUAS Coordenação Geral de Regulação

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha

DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE GESTÃO. Eng. Luiz Corrêa Noronha PROBLEMAS NA LEI DE SANEAMENTO *ESTRUTURA DA LEI *TITULARIDADE *SISTEMA FINANCEIRO *INSTRUMENTOS DE GESTÃO Eng. Luiz Corrêa Noronha ESTRUTURA DA LEI DE SANEAMENTO Cap. I Dos Princípios Fundamentais Cap.

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Seminário Emergência Ambiental

Seminário Emergência Ambiental Seminário Emergência Ambiental Plano Diego Henrique Costa Pereira Analista Ambiental Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente 02 e 03 de Outubro de 2013 Belo Horizonte

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

Representação Institucional no SIGRH

Representação Institucional no SIGRH Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Coordenadoria de Recursos Hídricos Representação Institucional no SIGRH Ciclo de Conferências- Sabesp Gestão de Recursos Hídricos 8/10/2008 Evolução do

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

Aquíferos Transfronteiriços nas Américas.

Aquíferos Transfronteiriços nas Américas. XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS AQUÍFEROS TRANSFRONTEIRIÇOS: GESTÃO E USO DA ÁGUA Synara Olendzki Broch ABRH MS Bonito, 26 de outubro de 2012 Gestão Transfronteiriças de Recursos Hídricos

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006

Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Deliberação Conjunta dos Comitês PCJ n o 048/06, de 28/09/2006 Aprova a proposta para implementação da cobrança pelo uso dos recursos hídricos de domínio do Estado de São Paulo, nas bacias hidrográficas

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação

Planejando a Próxima Década. Alinhando os Planos de Educação Planejando a Próxima Década Alinhando os Planos de Educação EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 59, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Art. 4º O caput do art. 214 da Constituição Federal passa a vigorar com a seguinte redação,

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 066-C

FICHA PROJETO - nº 066-C FICHA PROJETO - nº 066-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto LOGO Instituição Parceira 1) TÍTULO: Frutos do Cerrado - Fortalecimento Organizacional e Produção Sustentável de Agricultores Extrativistas do Tocantins

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL

QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO BRASIL QUALIDADE AMBIENTAL E ATIVIDADE PORTUÁRIA NO 1. avaliar o papel dos portos no desenvolvimento; 2. perceber o funcionamento da gestão ambiental no panorama internacional; 3. descrever o atual sistema portuário

Leia mais

DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014

DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014 DECRETO Nº 38879 DE 2 DE JULHO DE 2014 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Informações Urbanas de que trata a Lei Complementar nº 111, de 01 de fevereiro de 2011. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais

Período: 13/09/2013 a 31/12/2013. Publico Alvo: 51 Gestores Governamentais Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral Unidade de Apoio a Projetos Especiais Projeto de Inserção dos Gestores Governamentais Programa de Qualificação Profissional para os Gestores Governamentais

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares. 7o. Fórum do SIPD

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares. 7o. Fórum do SIPD Informes gerais Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD 7o. Fórum do SIPD Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2009 SIPD resposta para as seguintes questões Como otimizar a aplicação dos recursos,

Leia mais