UNIVERSIDADE POTIGUAR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO VALDELÚCIO PEREIRA RIBEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POTIGUAR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO VALDELÚCIO PEREIRA RIBEIRO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POTIGUAR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO VALDELÚCIO PEREIRA RIBEIRO AÇÕES E INDICADORES DE DESEMPENHO EDUCACIONAL VISTOS SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL 2010

2 VALDELÚCIO PEREIRA RIBEIRO AÇÕES E INDICADORES DE DESEMPENHO EDUCACIONAL VISTOS SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Dissertação apresentada ao Curso de Pós- Graduação Stricto Sensu em Administração, Mestrado Profissional da Universidade Potiguar, como requisito para obtenção do título de Mestre em Administração na área de concentração Gestão Estratégica de Negócios. ORIENTADOR: Prof. Dr. Rodrigo José Guerra Leone NATAL 2010

3 R484a Ribeiro, Valdelúcio Pereira. Ações e indicadores de desempenho educacional vistos sob a ótica do balanced scorecard: estudo de caso no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte / Valdelúcio Pereira Ribeiro. Natal, f. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade Potiguar. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Bibliografia: f Administração Dissertação. 2. Balanced scorecard. 3. Plano de Desenvolvimento Institucional. I. Título. RN/UnP/BSFP CDU: 658(043.3)

4 VALDELÚCIO PEREIRA RIBEIRO AÇÕES E INDICADORES DE DESEMPENHO EDUCACIONAL VISTOS SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Potiguar, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre na área de concentração Gestão Estratégica de Negócios. Aprovado em: 10/11/2010 BANCA EXAMINADORA Prof. Rodrigo José Guerra Leone, Dr. Orientador Universidade Potiguar - UnP Profª Tereza de Souza, Dra. Membro Examinador Universidade Potiguar - UnP Prof. Renato Samuel Barbosa de Araújo, Dr. Membro Examinador Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN IFRN

5 Dedico este trabalho a meus filhos: Arthur Magnus Bernardo Ribeiro, Jordana Ribeiro e Victor Ribeiro, inspiradores da minha implacável busca pelo conhecimento visando oferecer-lhes um futuro digno.

6 AGRADECIMENTOS Aos meus pais, que desprovidos de conhecimento acadêmico, souberam incentivar os filhos em busca da maior riqueza do ser humano, o saber. A Berenice Helena, esposa e amiga, pela paciência e compreensão dedicada à realização desse meu projeto de vida. Ao Professor Doutor Rodrigo José Guerra Leone, meu orientador, pela paciência, presteza e dedicação em todas as etapas deste trabalho de pesquisa, a quem hipoteco todo meu carinho e admiração. Ao Professor Doutor Domingos Fernandes Campos, com a sua vasta experiência acadêmica, pelas contribuições nos momentos da pré-qualificação e qualificação do projeto de dissertação. À Professora Doutora Teresa de Sousa, Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Potiguar, pela capacidade, amizade, ternura e dedicação, fazendo com que os seus alunos alcançassem os objetivos a que se propunham. Aos demais professores do Mestrado em Administração da Universidade Potiguar, que, desprovidos de vaidade, proporcionaram, com notável saber, a difícil arte de ensinar. A Nadja Dantas, Secretária da Coordenação do Programa de Pós- Graduação em Administração da Universidade Potiguar, pelo profissionalismo, paciência e sabedoria ao se relacionar com todos os mestrandos. Ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, pela louvável política de investir, continuamente, em seu capital intelectual. Aos gestores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, que, prontamente, colaboraram com a pesquisa aplicada. Aos colegas do mestrado em Administração da Universidade Potiguar, pelos momentos proveitosos de estudo. A Deus, pela bênção de mais um dia de vida.

7 Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o ser determinado. (Paulo Freire)

8 RESUMO O setor educacional público, visando obter melhoria de qualidade e desempenho, evoluiu, numa perspectiva contemporânea, além dos resultados acadêmicos, a fim de se adequar a uma realidade competitiva. Adotou modelo de gestão que permite uma visão sistêmica de desempenho da organização, evidencia se as estratégias estabelecidas estão efetivamente sendo seguidas, bem como se os objetivos propostos estão sendo alcançados, para atender às demandas da sociedade. O presente estudo é classificado como estudo de caso e tem como objetivo geral avaliar o enquadramento do Plano de Desenvolvimento Institucional-PDI às perspectivas do Balanced Scorecard e analisar a tomada de decisão dos gestores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) com base nos indicadores de desempenho da perspectiva financeira. A metodologia utilizada concentrou-se em estudo do tipo exploratório e descritivo, considerado como misto (qualitativo e quantitativo). Para a coleta de dados, utilizou-se um questionário estruturado como instrumento, elaborado pelo pesquisador e aplicado a uma amostra de 17 (dezessete) gestores do IFRN de primeiro e segundo escalões hierárquicos. Teve como variáveis pesquisadas as ações e os indicadores financeiros. Os resultados obtidos, ao serem submetidos a Cálculo de Correlação, Análise de Discriminante e Análise de Conglomerados, indicaram a formação de aglomerações para as ações, as quais demonstraram a importância atribuída às mesmas e sua frequência de monitoramento. Para os indicadores, pelos achados revelados na pesquisa, verificou-se que eles não estão monitorando os resultados da realização das ações internalizadas no PDI adequadamente, pois são adotados de forma geral ou ampla para cada dimensão do Plano de Desenvolvimento Institucional e não se vinculam, diretamente, às ações constantes das dimensões do PDI. Palavras-chave: Balanced Scorecard. Plano de Desenvolvimento Institucional. Indicadores. Ações.

9 ABSTRACT The public education sector, in order to achieve better quality and performance, has evolved, from a contemporary perspective, apart and beyond from academic performance to suit a competitive reality. It has adopted a management model that enables a systemic view of organizational performance, shows if these strategies are actually being followed, and whether the proposed objectives are being achieved, to meet the demands of society. This study is classified as a case study and aims to assess the general framework of the Institutional Development Plan- IDP prospects on the basis of the Balanced Scorecard and analyze the decision making of managers at the Federal Institute of Education, Science and Technology of Rio Grande do North (IFRN) based on performance indicators for the financial perspective. The methodology used initially focused on an exploratory and descriptive like study, a mix of qualitative and quantitative study. In order to collect data, we used a structured questionnaire as an instrument, developed by the researcher and applied to a sample of 17 (seventeen) IFRN managers from the first and second hierarchical levels. Actions and financial indicators were the researched variables. The results, when subjected to Calculation of Correlation, Discriminant Analysis and Cluster Analysis, indicated the formation of clusters for the actions, which demonstrated the importance attached to them and their monitoring frequency. For indicators, according to the findings revealed in this research, it was found that they are not monitoring properly the results of the action performance internalized in the IDP. Instead, they are taken as a general character for each dimension of the Institutional Development Plan and do not bind, directly, to the actions contained in the PDI dimensions. Keywords: Balanced Scorecard. Institutional Development Plan. Indicators. Actions

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Medição dos temas financeiros estratégicos Figura 2 - O Balanced Scorecard fornece a estrutura necessária para a tradução da estratégia em termos operacionais Figura 3 Perspectivas financeiras e do cliente para órgãos do setor público. 28 Figura 4 - Definição de visão, missão e estratégia Figura 5 - Área de abrangência dos campi do IFRN no Rio Grande do Norte... 63

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Kaplan e Norton no primeiro artigo The Balanced Scorecard Measures That Drive Performance 21 Quadro 2 Descrição dos cargos de direção do IFRN pesquisados Quadro 3 Variáveis e ações do PDI/IFRN pesquisado Quadro 4 Variáveis e indicadores de desempenho do IFRN pesquisado Quadro 5 Os campi do IFRN agrupados de acordo com a sua área de abrangência Quadro 6 Indicadores de gestão e índices do PDI agrupados por perspectivas do BSC Quadro 7 Indicadores do PDI 2009/2014 agrupados por perspectivas do BSC Quadro 8 Opiniões dos respondentes acerca dos indicadores Quadro 9 Opiniões dos respondentes sobre as ações... 85

12 LISTA DE TABELAS Tabela 1 As médias, desvios-padrão e frequência de monitoramento das ações Tabela 2 Correlações entre ações Tabela 3 Média, desvio padrão e frequência de utilização de indicadores Tabela 4 Correlação entre indicadores Tabela 5 Média, desvio padrão e frequência de monitoramento de ações e 79 indicadores... Tabela 6 Frequência absoluta e relativa dos conglomerados para as ações Tabela 7 Média de importância e frequência de monitoramento para as ações nos conglomerados... Tabela 8 Funções de Fisher para classificação dos indivíduos relativa às ações

13 LISTA DE SIGLAS ACG Avaliação dos Cursos de Graduação BSC Balanced Scorecard CD Cargo de Direção CNE Conselho Nacional de Educação CPA Comissão Própria e Avaliação ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização IES Instituições de Educação Superior IFRN Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais LOA Lei Orçamentária Anual LRF Lei de Responsabilidade Fiscal MEC Ministério da Educação RN Rio Grande do Norte PDI Plano de Desenvolvimento Institucional SESU Secretaria de Educação Superior SETEC Secretaria de Educação Tecnológica SINAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SPSS Statistical Package for Social Science TCU Tribunal de Contas da União

14 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA DEFINIÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVOS Geral Específicos JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO O BALANCED SCORECARD Perspectivas do Balanced Scorecard Perspectiva Financeira Perspectiva do Cliente Perspectiva dos Processos Internos Perspectiva do Aprendizado e Crescimento O BSC como um Sistema de Gestão Estratégica O Balanced Scorecard no setor público PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - SINAES: A PASSAGEM PARA O ATO DE CONTROLAR RESULTADOS O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COMO INSTRUMENTO DEFINIDOR DO PLANEJAMENTO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR MEDIÇÃO DE DESEMPENHO COMO CARÁTER DE VALIDAÇÃO DA GESTÃO Indicadores de Desempenho e a Educação Tecnológica METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA UNIVERSO DA PESQUISA VARIÁVEIS ANALÍTICAS DA PESQUISA COLETA DOS DADOS... 57

15 3.5 TRATAMENTO DOS DADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DO IFRN VISTO NA ÓTICA DAS DIMENSÕES DO BALANCED SCORECARD AS AÇÕES E OS INDICADORES ESTUDO DAS AÇÕES Análise de conglomerados Análise discriminante ESTUDO DOS INDICADORES RESULTADO DAS QUESTÕES SUBJETIVAS PARA INDICADORES RESULTADO DAS QUESTÕES SUBJETIVAS PARA AÇÕES CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS APÊNDICE A - PESQUISA DE OPINIÃO ANEXO A ACÓRDÃO 2267/

16 14 1 INTRODUÇÃO As organizações educacionais, por sua complexidade, exigem dos seus gestores inventividade na formulação de modelos e abordagens gerenciais que lhes permitam atuar em um contexto competitivo abstruso caracterizado por grande sensibilidade a fatores ambientais. Para Meyer Júnior (2004), o gestor de estabelecimento educacional necessita reunir competências técnicas e políticas, bem como habilidades para lidar com as expectativas, intenções, angústias, frustrações e necessidades das pessoas na organização. O sistema de gerenciamento no ensino sempre tendeu a ser histórico e, geralmente, sem indicadores capazes de alertar as instituições para as mudanças de forma tempestiva. Além disso, salienta Ruben (1999) que a ênfase tem sido em medidas acadêmicas mais fáceis de ser obtidas. Essas medidas não representam uma imagem real da situação da instituição, e não refletem os aspectos da missão, visão e direção estratégica do órgão público educacional. As mudanças promovidas, no cenário político nacional, forçam as organizações a buscarem a promoção de desempenhos superiores aos apresentados, com o objetivo de bem servir à sociedade que cresce em grau de consciência na cobrança de seus direitos constitucionais. Contudo, Kraemer (2003) parte da reflexão de que as Instituições de Ensino Superior (IES) sejam elas particulares ou públicas, com ou sem fins lucrativos são organizações constituídas para oferecer benefícios à sociedade. Esses benefícios são de natureza social, cultural, econômica, educativa, tecnológica e moral. Sua existência só tem sentido quando, realmente, está contribuindo para o desenvolvimento da comunidade. No entender de Lima e Leone (2010), o setor educacional evoluiu de um modelo que não vislumbrava desempenho e resultados organizacionais além dos acadêmicos, para, numa perspectiva contemporânea, adotar métodos que se equiparam aos de uma empresa mercantil. Segundo os mesmos autores, as instituições de ensino superior devem apresentar resultados organizacionais adotando modelos de gestão com indicadores e sistemas de desempenho para se adequarem a uma realidade competitiva em que a profissionalização do processo de gestão é vista como uma necessidade e não, apenas, como um diferencial.

17 15 Nesse contexto, insere-se o Balanced Scorecard (BSC), ao considerar um conjunto de medidas que permitem uma visão sistêmica do desempenho de uma organização. Proposto, em 1992, por Kaplan e Norton, inicialmente para complementar as medidas financeiras tradicionais de desempenho com medidas não-financeiras em três perspectivas clientes, processos e aprendizado e crescimento, após algum tempo, desenvolveu-se para um sistema de gestão estratégica que articula a estratégia de longo prazo aos objetivos de curto prazo. Esse modelo de gerenciamento tem gerado considerável interesse nos anos recentes como ferramenta capaz de criar novos pontos de vista, provocar maior atenção para fora da realidade competitiva empresarial, para servir, também, de instrumento gerencial nas entidades sem fins lucrativos. Nesse sentido, Kaplan e Norton (1997) dedicam um capítulo da publicação para comentar sobre empresas públicas e instituições sem fins lucrativos. Consideram os autores que, atualmente, as responsabilidades dos órgãos públicos são maiores e ponderam que, no caso das empresas públicas e instituições sem fins lucrativos, o sucesso deve ser medido pelo grau de eficiência e eficácia com que essas organizações atendem às necessidades da sociedade. A dissertação está estruturada em cinco partes, divididas em: introdução que contempla os itens da contextualização do tema, definição do problema, os objetivos gerais e específicos e a justificativa. A segunda parte é composta pelo referencial teórico dando ênfase aos estudos relativos ao Balanced Scorecard, o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Gespública, Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) como instrumento definidor do planejamento da instituição de ensino superior e a medição do desempenho como caráter de avaliação da gestão. A terceira parte apresenta a metodologia da pesquisa, contemplando o tipo da pesquisa, o universo e a amostra pesquisa e os procedimentos adotados para coleta e tratamento dos dados. A quarta parte apresenta a análise e discussão dos resultados do estudo das ações e indicadores que constituem o Plano de Desenvolvimento Institucional.

18 16 A quinta parte expõe a conclusão do trabalho, destacando o cumprimento dos objetivos propostos, bem como algumas limitações do estudo e proposta para novos estudos. 1.1 CONTEXTUALIZAÇÃO A Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, conhecida pelo senso comum, segundo Silva et al. (2009, p. 15), como referência a um conjunto de instituições federais vinculadas ao Ministério da Educação (MEC), voltadas para a educação profissional e tecnológica em nível médio e superior [...] como instrumento de transformação, representava, no ano de 2006, o quantitativo de 152 escolas técnicas no país, segundo Silva (2008, p. 1). O governo federal, na compreensão do valor estratégico da educação profissional, planeja construir 354 unidades de ensino em todo o país até o ano de O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) evolui de dois centros federais de educação, em 2005, para onze campi em pleno funcionamento no ano de 2010, localizando-se o Campus Natal Central na cidade do Natal, e os demais, situados na Zona Norte de Natal, Ipanguaçu, Mossoró, Apodi, Pau dos Ferros, Caicó, Currais Novos, Santa Cruz, João Câmara e Macau, com funcionários ativos, divididos entre 751 docentes, 555 administrativos e 120 contratos temporários. Com o advento dessa política expansionista da educação tecnológica, há necessidade de um efetivo e eficaz planejamento educacional e de um sistema de acompanhamento desse planejamento, que evidencie se as estratégias estabelecidas estão efetivamente sendo seguidas e se os objetivos propostos estão sendo alcançados para atender às necessidades internas e às demandas da sociedade, pois, historicamente, padece a educação profissional de mecanismos de gerenciamento estratégico, capaz de demonstrar, de forma eficaz, suas realizações fora do panorama acadêmico, no contexto de uma das organizações mais complexas da sociedade, a educacional. No atual ambiente competitivo, até os serviços públicos, que, tradicionalmente, serviram a mercados com proteção financeira e administrativa

19 17 estatal, passaram a suportar pressões, visando obter melhorias de produtividade e desempenho, que resultem em maior valor para seu público. O IFRN, com cem anos de existência, tem como função social, promover educação científico-tecnológico-humanística com vistas à formação integral do profissional-cidadão crítico-reflexivo, competente técnica e eticamente e comprometido com as transformações sociais, políticas e culturais e em condições de atuar no mundo do trabalho na perspectiva da solidificação de uma sociedade mais justa e igualitária, através da formação inicial e continuada de trabalhadores; da educação profissional técnica em nível médio; da educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação; e da formação de professores fundamentada, na construção, reconstrução e transmissão do conhecimento, que, de maneira eficaz, corresponda aos anseios da sociedade que é sua financiadora. 1.2 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Naturalmente, com a globalização, exige-se ainda mais a excelência do conhecimento, visto por Silva et al. (2009, p. 10) como capaz de modificar a vida social e atribuir maior sentido e alcance ao conjunto da experiência humana, para que o estudante se torne cidadão com participação na economia e na vida cultural da sociedade. Para tanto, deve-se avaliar e monitorar as ações, não apenas, no plano pedagógico, mas, sobretudo, numa visão sistêmica da organização. Uma forma de se verificar isso pode ser por meio do acompanhamento sistemático da execução do PDI, contemplando, medidas financeiras e não financeiras nas suas dimensões, conforme entendimento emprestado do Balanced Scorecard. Nesse contexto, o presente estudo propõe as seguintes questões de pesquisa: o PDI pode ser enquadrado de acordo com as perspectivas do BSC? Em caso positivo, qual a participação dos indicadores de desempenho da perspectiva financeira na tomada de decisão dos gestores do IFRN?

20 OBJETIVOS Geral Avaliar o enquadramento do PDI às perspectivas do BSC e analisar a tomada de decisão dos gestores do IFRN com base nos indicadores de desempenho da perspectiva financeira Específicos Identificar a possibilidade de enquadramento dos indicadores e ações do PDI às perspectivas do BSC. Propor o enquadramento dos indicadores e ações do PDI às perspectivas do BSC. Identificar o monitoramento das ações de ordem financeira por parte dos gestores do IFRN, relativas ao contexto financeiro. Investigar o uso dos indicadores de desempenho financeiro por parte dos gestores do IFRN. Verificar a existência de diferentes grupos de gestores do IFRN em relação ao monitoramento das ações de ordem financeira. Observar a existência de diferentes grupos de gestores do IFRN em relação ao uso dos indicadores financeiros.

21 JUSTIFICATIVA Para o contexto acadêmico, o presente trabalho acrescerá um estudo a mais à produção científica existente acerca de indicadores de desempenho na educação profissional brasileira, baseados na metodologia do Balanced Scorecard. No contexto social, colaborar para que o IFRN mantenha o foco na justiça social, equidade, geração de novas tecnologias, respondendo, de forma ágil e eficaz, às crescentes demandas por formação profissional, no ensino de ciências naturais, humanidades e educação profissional em nível técnico e tecnológico. O interesse por este tema deve-se ao fato de que o autor deste trabalho é servidor público, vinculado à rede federal de educação tecnológica, empenhado, cada vez mais, em prestar serviços de qualidade à referida Instituição. Para desenvolver o presente trabalho científico de dissertação de mestrado, foi visível o acesso facilitado pela instituição estudada, com o propósito de contribuir para a gestão da organização ao estudar e discutir ações e indicadores de desempenho sob a égide do BSC no setor público. Para Lima (2005, p. 19), existe uma grande quantidade de publicações sobre o BSC em organizações privadas, porém raras em instituições de ensino. No mesmo sentido, colabora Silva (2008, p. 6) quando afirma que a produção científica brasileira sobre BSC corresponde a, apenas, dez por cento do banco de dissertações e teses de doutorado no Brasil, no setor Público, no período de 1996 a 2005.

22 20 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 O BALANCED SCORECARD Durante a Era Industrial, (1850 a 1975), o sucesso das empresas era determinado pela maneira como se aproveitavam os benefícios das economias de escala. Durante esse período, sistemas de controle financeiro foram desenvolvidos com o intuito de facilitar e monitorar alocação eficiente de capital financeiro e físico. Nas últimas décadas, com o advento da Era da Informação, tornaram-se obsoletas muitas das premissas fundamentais da concorrência industrial. Na década de 90, a preocupação nas empresas consistia em medir o desempenho das organizações, visto que os métodos existentes para avaliação do desempenho empresarial, apoiado nos indicadores contábeis e financeiros, estavam se tornando obsoletos. Acadêmicos e executivos estudaram, pesquisaram e desenvolveram um novo modelo que considera os objetivos em curto e longo prazo, medidas financeiras e não financeiras; indicadores de desempenho e as perspectivas internas e externas do desempenho empresarial. A síntese foi feita por Robert S. Kaplan, professor da Harvard Business School, e David P. Norton, presidente da Renaissance Solutions, em 1992, no artigo The balanced scorecard measures that drive perfomance (Balanced scorecard medidas que impulsionam o desempenho) publicado na conceituada revista Harvard Business Review. O conceito que os autores chamaram de Balanced Scorecard (Cenário Balanceado) vem sendo utilizado de maneira global como ferramenta adequada para medir o desempenho das organizações, tornando-se a marca de uma organização bem administrada, base sobre a qual se assenta seu sistema de gestão. O BSC, de acordo com Kaplan e Norton (2000), é um sistema integrado de gestão e implementação da estratégia da empresa e seu propósito é traduzir a missão e a estratégia das empresas em um conjunto abrangente de medidas de desempenho que serve de base para um sistema de medição e gestão

23 21 estratégica. O Balanced Scorecard integra a visão da empresa em todos os níveis, a partir de quatro perspectivas na sequência do quadro a seguir: Financeira: Como queremos ser vistos pelos nossos acionistas? Do Cliente: Como queremos ser vistos pelos nossos clientes? Qual a proposta de valor que faremos a nossos clientes? Dos Processos Internos: Em quais processos precisamos alcançar excelência? Do Aprendizado e Crescimento: Como sustentaremos nossa capacidade para inovar, mudar e melhorar e que conhecimentos precisaremos possuir? Quadro 1 - Kaplan e Norton no primeiro artigo The Balanced Scorecard Measures That Drive Performance. Fonte: Harvard Business Review (janeiro-fevereiro de 1992) Perspectivas do Balanced Scorecard As metas específicas a curto prazo, e as medidas de desempenho são divididas em quatro perspectivas que influenciam na estratégia da organização. Segundo Kaplan e Norton (1997), essas perspectivas têm sido suficientes para a maioria das organizações que utilizam o Balanced Scorecard, pois, quando integradas, elas proporcionam uma análise e uma visão ponderada da situação atual e futura do sucesso do negócio. São elas: financeira, do cliente, dos processos internos, do aprendizado e crescimento Perspectiva Financeira Segundo Kaplan e Norton (1997), o Balanced Scorecard conserva a perspectiva financeira, visto que as medidas financeiras são valiosas para sintetizar as consequências econômicas imediatas de ações consumadas. Sabese que as medidas financeiras constituem a forma tradicional de se avaliar fatos realizados pela organização, constatando-se, portanto, que o uso exclusivo de medidas financeiras é inadequado para orientar e avaliar a trajetória

24 22 organizacional em ambientes competitivos. Isso porque as medidas financeiras são incapazes de captar grande parte do valor criado ou destruído pelas ações das decisões dos executivos, ou seja, essas medidas revelam apenas parte da história de ações passadas, ao mesmo tempo que não fornecem orientação adequada para as ações que devem ser desenvolvidas no sentido de criar valor financeiro futuro. As informações financeiras, em geral, monitoram o fluxo de caixa e a rentabilidade. Os fatores críticos de sucesso, para esse sistema, são a atualidade e a precisão das informações, visto que se trata de uma área onde as decisões têm um grande impacto na empresa como um todo e sofrem pressão direta do ritmo acelerado da economia atual. Kaplan e Norton (1997) afirmam que os objetivos financeiros podem ser diferentes em cada fase do ciclo de vida de uma empresa, conforme abaixo descrito: Fase de Crescimento: situam-se as empresas em crescimento nos seus ciclos de vida nos estágios iniciais, apresentando grande potencial de crescimento para produtos e serviços. Precisam comprometer recursos significativos para aproveitar esse potencial, aperfeiçoando e desenvolvendo novos produtos e serviços, e, assim, construir e ampliar instalações de produção, gerar capacidades operacionais, investir em sistemas, infraestrutura e redes de distribuição que sustentem relações globais. Os objetivos financeiros globais para a empresa na fase de crescimento serão os percentuais de crescimento da receita e de aumento de vendas para determinados mercados, grupos de clientes e regiões, podendo operar com fluxos de caixa negativos e baixas taxas de retorno sobre o capital investido. Fase de Sustentação: A maioria das empresas se encontra nessa fase, quando conseguem atrair investimentos, porém devem apresentar excelentes retornos sobre o capital investido. A maioria das empresas, nessa fase, estabelece objetivos financeiros diretamente relacionados à lucratividade. Esses objetivos podem ser expressos através de medidas relacionadas às receitas contábeis, como receita operacional e margem bruta. Fase de Colheita: fase de maturidade em seu ciclo de vida, no qual a empresa deseja colher os investimentos feitos nas duas fases anteriores. Não se

25 23 justificam mais investimentos significativos, apenas o suficiente para manter equipamentos e capacidades, e não para ampliar ou gerar novas capacidades. Evidenciadas as três fases do ciclo de vida da empresa, Kaplan e Norton (1997, p. 55) apresentam indicadores para auferição dos temas financeiros estratégicos: Estratégia da Unidade de Negócios Crescimento Sustentação Colheita Aumento e Mix de Receita.Aumento da taxa de vendas por segmento.percentual de receita gerado por novos produtos, serviços e clientes.fatia de Clientes e contasalvo.vendas cruzadas.percentual de receita gerado por novas aplicações.lucratividade por clientes e linhas de produtos.lucratividade por clientes e linhas de produtos.percentual de clientes não- lucrativos Redução de Custos/Aumento de Produtividade Receita/Funcionário.Custos versus custos dos concorrentes.taxas de redução de custos.despesas indiretas (percentual de vendas).custos unitários (por unidade de produção, por transação) Utilização dos Ativos Investimento (percentual de vendas) P&D percentual de vendas).índices de capital de giro (ciclo de caixa a caixa).roce por categoriachave de ativo.taxas de utilização dos ativos.retorno.rendimento (throughput) Figura 1 - Medição dos temas financeiros estratégicos. Fonte: Kaplan e Norton (1997, p. 55). As empresas que estão nos primeiros estágios de desenvolvimento ou divisam oportunidades de crescimento extremamente rápido enfatizarão objetivos e indicadores da estratégia de crescimento da receita. As empresas mais próximas da maturidade no ciclo de vida enfatizarão os componentes de redução de custos e utilização de ativos, por serem poucas as oportunidades para a descoberta de novos clientes ou de expansão para novos mercados. Complementam Kaplan e Norton (2004, p. 12) com posicionamento bastante claro que o ponto de partida da descrição da estratégia é equilibrar e articular os objetivos financeiros de curto prazo de redução de custos e de melhoria da produtividade com os objetivos de longo prazo de aumento lucrativo da receita.

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa

Balanced Scorecard. by Edmilson J. Rosa Balanced Scorecard Balanced Scorecard O Balanced Scorecard, sistema de medição de desempenho das empresas, foi criado por Robert Kaplan e David Norton, professores da Harvard Business School. Tendo como

Leia mais

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional

Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Gestão Estratégica Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional Abril/2012 1. Conceituação O desempenho institucional refere-se tanto ao valor agregado às partes interessadas pela instituição (e.g

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros

A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público GUIA Avaliação Continuada da Gestão Pública 25 pontos A gestão pública a serviço de todos os brasileiros Programa da Qualidade no Serviço Público PQSP: Avaliação

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Planejamento; Orçamento; Integração; Gerenciamento. 1. Formulação Da Situação Problema

Resumo. Palavras chave: Planejamento; Orçamento; Integração; Gerenciamento. 1. Formulação Da Situação Problema Proposta de Integração e Alinhamento da Função Orçamentária dos Institutos de Pesos e Medidas Estaduais e Municipais, ao Planejamento Estratégico do Inmetro Resumo Vários instrumentos gerenciais vêm sendo

Leia mais

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão

Ges tão Estra tégica: 3 - I m plantaç ão Todos gostamos de belas palavras, porém poucos de nós as transformam em atos (Sun Tzu) INTRODUÇÃO Se oferecermos a um piloto de avião, duas aeronaves distintas para ele voar, qual delas escolheria? (i)

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES (Lei 10.681/2004) tem o propósito de promover a melhoria da educação superior no Brasil....assegurar

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior CONAES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE FUNCIONÁRIOS - PDF ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR - EMENTAS MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos

Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Organização Orientada para a Estratégia (Kaplan & Norton) Transformando a Estratégia em tarefa cotidiana de todos Revisão Organizações focalizadas na estratégia: Traduzir a estratégia em termos operacionais;

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013.

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013. PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Maceió, 2013. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. HISTÓRICO DO GRUPO 2. DIREÇÃO 3. MISSÃO INSTITUCIONAL 4. VISÃO INSTITUCIONAL 5. FACULDADE PITÁGORAS 6. A COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ÚNICA EDUCACIONAL LTDA FACULDADE ÚNICA DE IPATINGA PROJETO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Março de 2015 SISTEMA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A avaliação é entendida pela Faculdade Única de Ipatinga como um processo

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA I n s t r u m e n to MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior SISTEMA NACIONAL

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial

PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial PNQS - Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Gestão Classe Mundial O principal vetor para alavancar a universalização dos serviços de saneamento ambiental com competitividade e sustentabilidade PNQS

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS 249, 00. ao mês

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS 249, 00. ao mês PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO CONSULTIVA EM NEGOCIAÇÕES EM VENDAS MEC CURSOS AUTORIZADOS apenas 249, 00 ao mês FACULDADES CAMPUS CHAPECÓ GRUPO SANTA RITA Eldemar Neitzke Gestor de Estratégias Comerciais

Leia mais

Painel Relato da experiência na elaboração, aferição e avaliação de indicadores de desempenho.

Painel Relato da experiência na elaboração, aferição e avaliação de indicadores de desempenho. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior (Forplad) 3º Fórum de 2013 Painel Relato da experiência na elaboração, aferição e avaliação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANA- ESUDA PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA BALANCED SCORECARD: Uma ferramenta de gestão estratégica para empresa do ramo de consultoria contábil com foco

Leia mais

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO

Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Balanced Scorecard JAIME JOSÉ VELOSO Wikipédia Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia de medição e gestão de desempenho desenvolvida pelos professores da Harvard Business School (HBS) Robert Kaplan

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Roberto Leal Lobo e Silva Filho Diante da nebulosidade

Leia mais

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto

José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto José Geraldo Loureiro Rodrigues Orientador: João Souza Neto Análise dos três níveis: Governança Corporativa Governança de TI Gerenciamento da Área de TI ORGANIZAÇÃO Governança Corporativa Governança

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Gestão de Performance por KPIs

Gestão de Performance por KPIs Gestão de Performance por KPIs Henrique Brodbeck Diretor, Brodbeck Consultores em Informática Henrique Brodbeck Brodbeck Consultores em Informática e UFRGS Business Intelligence - BI Termo guarda-chuva

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa

A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior. Prof. Marcílio A. F. Feitosa A Função da Comissão Própria de Avaliação (CPA) em uma Instituição de Ensino Superior Prof. Marcílio A. F. Feitosa Avaliação das Instituições de Educação Superior A Avaliação Institucional é um dos componentes

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard

Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard Tribunal Regional do Trabalho da 23ª Região (http://www.trt23.jus.br) Gestão Estratégica e o Balanced Scorecard José Silva Barbosa Assessor de Planejamento e Gestão Setembro/2009 Objetivos Apresentar a

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA

O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA 1 O GESPÚBLICA E O MODELO DE EXECELÊNCIA GERENCIAL BUSCADO PELO SISTEMA CONFEA/CREA Edson Cezar Mello Junior Administrador de Empresas, com especialização em Gestão Estratégica da Informação, Gerente de

Leia mais

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares

Disciplina : Avaliação de Desempenho. Prof. Robson Soares Capítulo 4 Balanced Scorecard Disciplina : Avaliação de Desempenho Prof. Robson Soares À medida que são verificados os diversos conceitos e concepções ligados a avaliação de desempenho, torna-se necessário

Leia mais

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2

SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 Regina Beatriz Bevilacqua Vieira 1 SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: Da Concepção à Regulamentação. 2 BRASIL/INEP. SINAES: Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior:

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar???

Por que medir? Para que medir?? Como e que medidas utilizar??? Palestra: O BSC e a Gestão Estratégica das EBT s Sergio Boeira Kappel, engenheiro eletrônico PUC-RS / 1979, especialista em Gestão Estratégica de Empresas (UFSC / 2001) e mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL: ESTUDO DE CASO NO 1º GRUPAMENTO DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO SERVIÇO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ADMINISTRAÇÃO HÉLIO MENDES RODRIGUES AVALIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como:

Balanced Scorecard. As quatro perspectivas de desempenho compreendem diversos indicadores, tais como: Balanced Scorecard Inicialmente desenvolvido pelo Dr. Robert Kaplan e David Norton - Harvard, o Balanced Scorecard é uma filosofia prática e inovadora de gestão da performance das empresas e organizações.

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD - BSC E SUAS PERSPECTIVAS COMO INSTRUMENTO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL COMO APOIO À TOMADA DE DECISÃO

A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD - BSC E SUAS PERSPECTIVAS COMO INSTRUMENTO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL COMO APOIO À TOMADA DE DECISÃO VIII CIAEC 020 A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DO BALANCED SCORECARD - BSC E SUAS PERSPECTIVAS COMO INSTRUMENTO DE ESTRATÉGIA EMPRESARIAL COMO APOIO À TOMADA DE DECISÃO Leticia Da Silva Zago Universidade Federal

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc.

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP

As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 6 As aplicações do Balanced Scorecard na Engenharia de Produção: uma análise baseada nas publicações do ENEGEP Sérgio Henrique Barszcz (União/UTFPR)

Leia mais

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng.

Balanced Scorecard - BSC Indicadores de. Prof. Douglas Rocha, M.Eng. Balanced Scorecard - BSC Indicadores de Desempenho Prof. Douglas Rocha, M.Eng. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Estratégica 2. Definições de Visão Estratégica 3. Vantagem competitiva 4. Posicionamento Estratégico

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Gestão 2015-2017

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Gestão 2015-2017 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Gestão 2015-2017 Curitiba Paraná 2015 Plenário do Coren/PR Conselheiros Efetivos do Quadro I Simone Aparecida Peruzzo Janyne Dayane Ribas Elvira Maria Perides Lawand Maria Cristina

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA BRASILEIRA

CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA BRASILEIRA 1 CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE BALANCED SCORECARD: ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA BRASILEIRA Resumo Vinicius Feltrin (ESIC) vinicius@horusinfo.com.br Antonio Raimundo dos Santos (ESIC) kondutta@yahoo.com.br

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: TMBAGCH*14/02 Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais