Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata"

Transcrição

1 econstor Der Open-Access-Publikationsserver der ZBW Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft The Open Access Publication Server of the ZBW Leibniz Information Centre for Economics Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata Working Paper Aumento da penetração do serviço de acesso à Internet em banda larga e seu possível impacto econômico: Análise através de sistema de equações simultâneas de oferta e demanda Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No Provided in Cooperation with: Institute of Applied Economic Research (IPEA), Brasília Suggested Citation: Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata (2010) : Aumento da penetração do serviço de acesso à Internet em banda larga e seu possível impacto econômico: Análise através de sistema de equações simultâneas de oferta e demanda, Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No This Version is available at: Nutzungsbedingungen: Die ZBW räumt Ihnen als Nutzerin/Nutzer das unentgeltliche, räumlich unbeschränkte und zeitlich auf die Dauer des Schutzrechts beschränkte einfache Recht ein, das ausgewählte Werk im Rahmen der unter nachzulesenden vollständigen Nutzungsbedingungen zu vervielfältigen, mit denen die Nutzerin/der Nutzer sich durch die erste Nutzung einverstanden erklärt. Terms of use: The ZBW grants you, the user, the non-exclusive right to use the selected work free of charge, territorially unrestricted and within the time limit of the term of the property rights according to the terms specified at By the first use of the selected work the user agrees and declares to comply with these terms of use. zbw Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft Leibniz Information Centre for Economics

2 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1495 AUMENTO DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA E SEU POSSÍVEL IMPACTO ECONÔMICO: ANÁLISE ATRAVÉS DE SISTEMA DE EQUAÇÕES SIMULTÂNEAS DE OFERTA E DEMANDA Hildebrando Rodrigues Macedo Alexandre Xavier Ywata de Carvalho

3

4 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1495 AUMENTO DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA E SEU POSSÍVEL IMPACTO ECONÔMICO: ANÁLISE ATRAVÉS DE SISTEMA DE EQUAÇÕES SIMULTÂNEAS DE OFERTA E DEMANDA Hildebrando Rodrigues Macedo* Alexandre Xavier Ywata de Carvalho** Rio de Janeiro, maio de 2010 * Especialista em Regulação de Serviços Públicos de Telecomunicações na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Mestrando em Gestão de Negócios pela Universidade de Brasília (UnB). ** Técnico de Planejamento e Pesquisa e coordenador de Métodos Quantitativos da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais Dirur/Ipea.

5 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Samuel Pinheiro Guimarães Neto TEXTO PARA DISCUSSÃO Publicação cujo objetivo é divulgar resultados de estudos direta ou indiretamente desenvolvidos pelo Ipea, os quais, por sua relevância, levam informações para profissionais especializados e estabelecem um espaço para sugestões. Fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, o Ipea fornece suporte técnico e institucional às ações governamentais possibilitando a formulação de inúmeras políticas públicas e programas de desenvolvimento brasileiro e disponibiliza, para a sociedade, pesquisas e estudos realizados por seus técnicos. Presidente Marcio Pochmann As opiniões emitidas nesta publicação são de exclusiva e de inteira responsabilidade do(s) autor(es), não exprimindo, necessariamente, o ponto de vista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada ou da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. É permitida a reprodução deste texto e dos dados nele contidos, desde que citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são proibidas. Diretor de Desenvolvimento Institucional Fernando Ferreira Diretor de Estudos e Relações Econômicas e Políticas Internacionais Mário Lisboa Theodoro Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia José Celso Pereira Cardoso Júnior Diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas João Sicsú Diretora de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais Liana Maria da Frota Carleial Diretor de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura Márcio Wohlers de Almeida Diretor de Estudos e Políticas Sociais Jorge Abrahão de Castro Chefe de Gabinete Persio Marco Antonio Davison Assessor-chefe de Imprensa e Comunicação Daniel Castro URL: Ouvidoria: ISSN JEL: C21, O33

6 SUMÁRIO SINOPSE ABSTRACT 1 INTRODUÇÃO 7 2 DADOS UTILIZADOS 9 3 REFERÊNCIAS 11 4 MODELOS UTILIZADOS NA ANÁLISE 12 5 ANÁLISE DOS RESULTADOS 22 6 CONCLUSÕES 32 REFERÊNCIAS 33 APÊNDICE A 37 APÊNDICE B 39 APÊNDICE C 46 APÊNDICE D 49

7

8 SINOPSE Utilizando sistemas de equações simultâneas de oferta e demanda, com variáveis endógenas, analisou-se o possível impacto econômico sobre o PIB e o PIB per capita advindo do aumento da difusão do acesso à internet em banda larga no Brasil. Empregaram-se dados, desagregados por Unidades da Federação (UFs), da penetração de banda larga, PIB, PIB per capita e escolaridade populacional, e dados, consolidados nacionalmente, dos investimentos em banda larga. As densidades de acessos de banda larga por UF entre 2000 e 2006 precisaram ser estimadas a partir dos dados agregados nacionalmente por estes só estarem disponíveis, de forma desagregada, de 2007 em diante. Os preços também tiveram de ser estimados por falta de dados confiáveis disponíveis. ABSTRACT i Using demand and supply simultaneous equations, including endogenous variables, it was analyzed the possible economic impact on the GDP and GDP per capita, resulted of the increase in the broadband internet access diffusion in Brazil. Broadband penetration, GDP, GDP per capita and population education data were disaggregated at State level. Data about investment on broadband networks were nationally consolidated. Estimations, of the broadband accesses density per State, between 2000 and 2006, from the national densities, were required because lack of data detailed at State level. Only from 2007 on this data was available at the State (and municipality) level. The prices had also to be estimated due the lack of reliable data. i. The versions in English of the abstracts of this series have not been edited by Ipea s editorial department. As versões em língua inglesa das sinopses (abstracts) desta coleção não são objeto de revisão pelo Editorial do Ipea.

9

10 1 INTRODUÇÃO A importância de ampliar a difusão do acesso à internet através de conexões em banda larga, que oferecem maior velocidade de transmissão de dados e melhor qualidade do acesso à internet, tem se tornado recentemente um tema que chama bastante a atenção de parte da sociedade, seja do poder público ou das demais entidades. Alguns estudos como o do Banco Mundial, de Qiang, Rossotto e Kimura (2009), ressaltam a importância desse recurso tecnológico para o desenvolvimento das nações, destacando que a transformação na sociedade trazida pelo acesso à internet em banda larga é tão significativa quanto o impacto positivo trazido pela introdução das redes de energia elétrica, telefonia, ferrovias, rodovias e outras que compõem a infraestrutura de um país. Estas permitiram transformar as atividades econômicas e também criar novas, tornando-se instrumentos importantes para o desenvolvimento. Esta expectativa quanto aos benefícios decorrentes da maior difusão do acesso à internet em alta velocidade tem levado o poder público em diversos países a tomar para si a responsabilidade de universalizar o acesso a este importante meio de desenvolvimento humano e econômico. Por exemplo, recentemente o governo dos Estados Unidos lançou, em 2009, um plano para levar o acesso de banda larga a todos os seus cidadãos, como divulgado pelo FCC (2009b). No Brasil, o governo federal lançou seu Plano Nacional de Banda Larga (MC, 2009), com o objetivo similar de permitir uma universalização maior deste serviço. Na Espanha, o governo, reconhecendo a importância do tal acesso para o desenvolvimento do país, anunciou, como divulgado pelo MYCT (2009), a intenção de que o acesso em banda larga com velocidade mínima de 1 Mbps 1 seja de disponibilidade universal (acessível a todos os habitantes do país, independentemente de sua localização geográfica e a preços razoáveis). Em particular no caso brasileiro, outro aspecto relevante trazido pela maior difusão do acesso à banda larga a toda a população seria o de fortalecer a democracia, uma vez que permitiria ao cidadão comum acessar uma diversidade enorme de fontes de informação e conhecimento. Vários estudos, no exterior, se detiveram sobre a questão de como se quantificar ou, ao menos, se ter uma noção de como a maior penetração do serviço de banda larga resulta em benefício econômico. Como instrumento de análise, são aplicados modelos de econometria sobre dados referentes ao número de usuários de banda larga e outros dados como nível de escolaridade da população, Produto Interno Bruto (PIB), PIB per capita etc. O estudo recente do Banco Mundial, feito por Qiang, Rossotto e Kimura (2009, p. 49), com dados em painel de cerca de 120 países, revelou que, nos países em desenvolvimento, para cada 1 ponto percentual (p.p.) de aumento da penetração do serviço de banda larga, haveria aumento de 0,138 p.p. na taxa de crescimento do PIB per capita. O modelo utilizado por Crandall, Lehr e Litan (2007, p. 2), para avaliar a relação entre o nível de emprego e a difusão dos acessos à banda larga, utilizando dados oficiais do Federal Communications Commission (FCC) norte-americano 1. Megabit por segundo. ipea texto para discussão 1495 mai

11 sobre o número de conexões de banda larga entre 2003 e 2005, apresentou o resultado que a cada 1 p.p. de aumento na penetração de banda larga, haveria um aumento de 0,2 p.p. a 0,3 p.p. na taxa de crescimento do nível de emprego. Essa expectativa de ter o acesso a redes de alta velocidade como fator habilitador e facilitador do desenvolvimento de novas atividades econômicas tem levado o poder público, em nível local, em alguns países, a construir estas redes e disponibilizá-las ao público em geral. Nos Estados Unidos, no condado de Lake County, no Estado da Flórida, o governo local implementou uma extensa rede de comunicações com uso de fibras ópticas, tornando-a disponível a todos os interessados em seu uso, em Para avaliar o impacto econômico na economia local trazido por essa iniciativa, Koutsky e Ford (2005) compararam os indicadores de atividade econômica desta localidade com a de outras localidades com o mesmo perfil, no mesmo estado, mas que não dispunham de redes similares. Tomando dados econômicos entre 1998 e 2004, excluindo-se o ano de 2001 por ser o ano de transição, os autores encontraram que, após 2001, Lake County teve uma expressiva melhora de seus indicadores de atividade econômica quando comparado às demais localidades. Os autores mencionam que, em alguns casos, houve aumento de 100%. Esse tipo de iniciativa do poder público local tem ocorrido em menor medida no Brasil, onde tem sido frequente a implantação pelas prefeituras de redes de comunicação comunitárias, usando principalmente a tecnologia de acesso sem fio, mais difundida com o nome de WiFi. Este aumento da procura levou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a buscar uma solução, do ponto de vista regulatório, que contemplasse essas demandas, como divulgado pela Anatel (2007). O objetivo do presente estudo foi o de tentar avaliar, para o caso do Brasil, qual o impacto econômico trazido pelo aumento do acesso à internet em banda larga no país. A literatura apresenta um grande número de estudos semelhantes para diversos países, mas nenhum para o Brasil. Dadas as características peculiares de nosso país, como grande extensão territorial; obstáculos físicos de natureza geográfica, que dificultam sobremaneira a implantação de redes de telecomunicações, em particular a região Norte; diferenças regionais; alta disparidade do nível de renda, entre outros; se faz necessário um estudo particularizado para o caso brasileiro. Com essa finalidade, foi replicado aqui o modelo de equações simultâneas de oferta e demanda pelo serviço de banda larga, de Koutroumpis (2009), que estudou qual seu impacto econômico em 22 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Os dados utilizados, referentes ao número de acessos à banda larga, são provenientes da Anatel. Entretanto, como para a maior parte dos anos não havia dados desagregados ao nível de Unidade da Federação (UF), houve um esforço para estimá-los a partir dos dados consolidados em nível nacional. Isso trouxe um fator de imprecisão adicional. Da mesma fonte vieram os dados de investimento e de receita operacional bruta das prestadoras do serviço de banda larga cuja denominação sob o ponto de vista regulatório é Serviço de Comunicação Multimídia (SCM). Outros dados referentes à economia, PIB, PIB per capita e escolaridade da população são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), incluindo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). 8 texto para discussão 1495 mai ipea

12 Um fator de extrema importância para estudos dessa natureza é o preço cobrado dos usuários finais para poder usufruir do serviço de acesso à internet em banda larga. Esse é um produto cuja demanda é bastante sensível à variação de preços, como comprovado pelos estudos de Wohlers, Abdala e Kubota (2009), Ávila (2008) e Guedes et al. (2008). Porém, dada a dificuldade de se obter dados confiáveis que permitissem compor uma série histórica dos preços praticados no mercado, mas reconhecendo a importância desta variável, foi feito um esforço de se tentar estimar esses valores a partir de dados de pesquisas do Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação (CETIC) de 2005 a 2008, entidade vinculada ao Comitê Gestor da Internet. Como houve a necessidade de se proceder às estimativas dos dados faltantes, os modelos aplicados no estudo têm limitações que devem ser levadas em conta ao se analisar os resultados obtidos. O objetivo deste trabalho também é trazer o tema do impacto econômico da difusão de banda larga para uma discussão mais ampla, bem como ser útil em futuros estudos que complementem este e venham a solucionar suas limitações. 2 DADOS UTILIZADOS Os dados referem-se ao período entre 2000 e Com exceção dos dados referentes aos investimentos em banda larga, à receita operacional bruta das operadoras de telecomunicações e aos preços praticados no mercado, que estão agregados para o país inteiro, os demais estão desagregados por UF. Houve a necessidade de se fazer a estimativa da distribuição por UF dos dados referentes à densidade de acessos por mil habitantes para o período entre 2000 e Isto porque entre 2000 e 2006 os dados oficiais disponibilizados pela Anatel estão consolidados para o país inteiro. Somente a partir de 2007, os dados que se referem ao número de acessos à banda larga estão desagregados em nível de município, permitindo fazer a consolidação por UF dessas informações. A metodologia adotada para se fazer a estimativa por UF se baseia na participação de cada estado no total de domicílios do país que possui acesso à internet. Tomando-se os dados de 2007 e 2008 do número de acessos, verificou-se uma distribuição similar entre os estados no que se refere à sua participação no total de acessos de banda larga quando comparados com a participação por UF no total de domicílios com acesso à internet. A metodologia empregada está detalhada no apêndice B. Foram considerados como acessos de banda larga os dados referentes aos acessos do SCM e outros equivalentes, de acordo com as informações disponibilizadas pela Anatel. Os acessos de banda larga, SCM, são classificados pela Anatel conforme suas faixas de velocidade de transmissão de dados que podem ser: de 0 kbps a 64 kbps, 64 kbps a 512 kbps, 512 kbps a 2 Mbps, 2 Mbps a 34 Mbps e acima de 34 Mbps. Os acessos de todas essas faixas de velocidade foram incluídos na análise. A prestação do serviço de banda larga está regulamentada no Brasil de acordo com as normas da Anatel. Assim as empresas interessadas em prestar o serviço têm de obter a autorização junto à agência, ficando assim sujeitas a algumas obrigações perante o órgão regulador, que inclui a prestação obrigatória de informações quanto ao número de assinantes, investimentos feitos e receita operacional. Os dados são coletados pela ipea texto para discussão 1495 mai

13 agência no Sistema de Coleta de Informações (Sici). Os dados provenientes desse sistema é que foram utilizados no estudo. Foram incluídos os dados dos acessos de velocidades mais baixas, de 0 kbps a 64 kbps, para permitir uma melhor comparabilidade para estudos futuros que venham a utilizar esses dados da Anatel. Apesar das baixas velocidades desses acessos, até mesmo comparáveis aos disponíveis por meio de linha telefônica discada, o fato de permitirem o seu uso continuamente por tempo indeterminado, sem a cobrança de pulsos telefônicos, como no caso de acesso discado, traz uma característica que é mais próxima de banda larga do que de acesso telefônico discado. Este tipo de conexão, embora com velocidade reduzida, permite ao usuário permanecer conectado à internet por longos períodos de tempo sem que haja cobrança de valores tão elevados que ocorreria no caso de acesso por linha discada. Esta característica confere um aspecto de melhor qualidade do acesso à internet que se fosse feita por linha discada. Este aspecto que caracteriza as conexões de banda larga como estando permanentemente conectadas (always on) é enfatizado por Benkler (2009, p. 16). Por isso, mesmo com velocidades reduzidas, os acessos entre 0 kbps a 64 kbps foram contabilizados como sendo de banda larga para a finalidade do estudo. Também se deve considerar que a densidade de acessos de banda larga no Brasil é bastante reduzida, sendo de 5,91 acessos por 100 habitantes, ao final de 2008, estando em situação intermediária entre os países da América Latina, conforme o estudo de Katz (2009). A União Internacional de Telecomunicações (UIT) define a velocidade mínima de 256 kbps para classificar um acesso como banda larga, como no indicador de código 4213, em ITU (2007, p. 3). Porém optou-se por utilizar diretamente os dados da Anatel, do SCM e outros equivalentes para permitir uma melhor comparabilidade em futuros estudos, já que estes dados são de domínio público. Também há a limitação de a Anatel contabilizar de forma consolidada os dados de acessos de banda larga da faixa de velocidades entre 64 kbps e 512 kbps em um único indicador. Assim dificulta a separação de quantos acessos dessa faixa estão acima do mínimo de 256 kbps conforme definição da UIT. O mesmo critério de velocidade mínima de 256 kbps também é utilizado pela OCDE. Existem outras definições de velocidade mínima para se considerar como banda larga. Como mencionado em Thompsom e Garbacz (2008), o FCC americano, órgão regulador das telecomunicações naquele país, utiliza o mínimo de 200 kbps. O FCC (2009) estabelece que as prestadoras do serviço de acesso à internet em banda larga prestem informações anualmente, preenchendo um formulário onde deve ser informado o número de usuários cujos acessos têm velocidade de pelo menos 200 kbps. Uma variável de fundamental importância para este tipo de análise é o preço cobrado pelas empresas prestadoras do serviço de banda larga, como mencionado na introdução. Pela falta de disponibilidade, para este estudo, de dados confiáveis dos preços de banda larga no Brasil que permitissem formar uma série histórica de 2000 a 2008, houve a necessidade de se estimar os preços de forma indireta. Isso foi feito a partir dos dados das pesquisas do CETIC (2005 a 2008), que entrevistou usuários, perguntando qual o preço máximo que estariam dispostos a pagar para ter o serviço em suas residências. Há várias limitações para o método utilizado, mas foi necessário 10 texto para discussão 1495 mai ipea

14 seu emprego para poder continuar o estudo. A metodologia utilizada e suas limitações estão descritas no apêndice D. 3 REFERÊNCIAS Para levar em conta esse efeito mútuo, alguns autores empregam modelos de equações modelando simultaneamente a oferta e a demanda, como em Röller e Waverman (2001) que analisaram o impacto econômico em 21 países da OCDE do aumento do serviço de telefonia fixa. O trabalho de Koutroumpis (2009), que se tenta reproduzir aqui com dados do Brasil, é o mesmo estudo de Röller e Waverman (2001), porém utilizando dados da difusão de serviço de banda larga e não de telefonia fixa, para 22 países da OCDE entre 2002 e Há diversas maneiras de a adoção de banda larga afetar o desenvolvimento econômico. Por exemplo, no estudo de Holt e Jamison (2008) é mencionada a capacidade de se aumentar o grau de competitividade da economia, o que permite aumentar a produtividade das empresas e as possibilidades de inovação e incorporação de novos conhecimentos e processos às suas atividades. Também menciona que há um certo atraso entre haver difusão ampla de banda larga e os seus efeitos serem sentidos na economia. Este é um aspecto a ser levado em conta quando forem feitas análises de econometria, tentando relacionar desenvolvimento econômico com difusão de banda larga. Isto também é mencionado por Thompsom e Garbacz (2008), que em um de seus modelos de mensuração de impacto econômico direto da banda larga utilizam dados de penetração deste serviço atrasados em um ano em relação às demais variáveis do modelo. Outros estudos, como o feito pelo Banco Mundial, por Qiang, Rossotto e Kimura (2009, p. 45), tiveram o mesmo objetivo e encontraram uma relação que indica que o aumento da difusão do número de acessos de banda larga tem impacto positivo sobre o PIB per capita. Segundo o estudo destes, para cada 1 ponto percentual (p.p.) de aumento da densidade de acessos de banda larga por 100 habitantes, haveria aumento de 1,38 p.p. sobre a taxa de crescimento do PIB per capita. O método empregado foi o de análise de dados em painel. Crandall, Lehr e Litan (2007, p. 2) estudaram o efeito sobre a diminuição da taxa de desemprego. Os resultados encontrados por estes indicaram um aumento entre 0,2 p.p. e 0,3 p.p. no nível de emprego, para cada 1 p.p. de aumento na densidade de acessos de banda larga, nos Estados Unidos. O trabalho de Datta e Agarwal (2004), analisando dados em painel, entre 1980 e 1992, de 22 países da OCDE, encontrou uma ligação significativa entre investimento na infraestrutura de telecomunicações e desenvolvimento econômico. No estudo de Koutsky e Ford (2005), foi analisado se a implantação de uma rede de telecomunicações por fibras ópticas pelo poder público local (municipal, no caso) para localidades no Estado da Flórida, nos Estados Unidos, teria impacto econômico positivo. Os resultados, segundo os autores, foram de aumento de cerca de 100% na atividade econômica das localidades pesquisadas, quando comparadas com localidades equivalentes, mas que não foram objeto de investimento similar. ipea texto para discussão 1495 mai

15 Nem sempre os estudos sobre o tema encontram relação positiva entre investimentos em telecomunicações e desenvolvimento econômico. No trabalho de Lee, Gholami e Tong (2005), os autores concluem que o investimento em telecomunicações traz impacto positivo em países desenvolvidos, mas não para países em desenvolvimento. A análise feita por Thompsom e Garbacz (2008), referente a dados da penetração de banda larga nos Estados Unidos, com atraso de um ano em relação às demais variáveis explicativas, apresentou um impacto negativo (porém próximo de zero) sobre a economia. Em Bohman (2008), o estudo com dados do Brasil trata da penetração do serviço de telefonia fixa. A autora não encontrou resultados que indiquem que o aumento da difusão dos serviços de telecomunicações tenha efeito positivo no que concerne à redução das desigualdades de renda. 4 MODELOS UTILIZADOS NA ANÁLISE Na tentativa de estudar o impacto econômico da difusão da tecnologia de acesso à internet via banda larga, nos deparamos com o fato de que um fator influencia o outro e vice-versa. Por um lado, o aumento da difusão da banda larga traz consigo melhoria dos indicadores econômicos do país; por outro, à medida que o país se desenvolve acaba demandando mais serviços de telecomunicações. Por esse motivo, para tentar capturar este efeito simultâneo em que oferta e demanda influenciam-se ao mesmo tempo, é que foi feita a análise do possível impacto econômico que o aumento da difusão do serviço de acesso à internet em banda larga poderia ter por meio de um sistema de equações simultâneas, com variáveis endógenas expressando tanto o comportamento da demanda como o da oferta do serviço. O objetivo principal deste trabalho é o de tentar reproduzir, aplicando dados oficiais do Brasil referentes à densidade de acessos de banda larga, o estudo feito por Koutroumpis (2009) para 22 países da OCDE que avaliou o impacto econômico do aumento da difusão do acesso à internet em banda larga. Os poucos estudos feitos até o momento são baseados principalmente em dados não oficiais, obtidos com pesquisas junto às principais operadoras de telecomunicações, fornecidos por determinadas consultorias ou mesmo obtidos junto a revistas especializadas de notícias do setor de telecomunicações. Então, daí decorre a necessidade de se empenhar na incorporação de dados oficiais em estudos dessa natureza. No sistema de equações, utilizado para a análise como variáveis dependentes (lado esquerdo das equações), estão PIB, PIB per capita, penetração do serviço de banda larga (densidade de acessos por mil habitantes), investimentos na ampliação da rede de banda larga e variação anual da densidade de acessos de banda larga por mil habitantes. Do lado direito das equações, como variáveis explicativas, estão o investimento em banda larga, a população com pelo menos 15 anos de idade e 8 anos de escolaridade completos (capital humano), densidade de acessos de banda larga por mil habitantes, PIB per capita, porcentagem da população que tem pelo menos 15 anos de idade e 8 anos de escolaridade completos, a parcela da população que habita cidades com pelo menos 50 mil habitantes, a receita operacional bruta de todas as prestadoras que oferecem serviço de banda larga, os investimentos totais em banda larga e os preços cobrados pelas prestadoras do serviço. Assim as variáveis endógenas 12 texto para discussão 1495 mai ipea

16 que aparecem dos dois lados do sistema de equações são: PIB per capita, densidade de acessos de banda larga por mil habitantes e investimentos em banda larga. 4.1 VARIÁVEIS UTILIZADAS NOS MODELOS Foram utilizadas as seguintes variáveis: 1) DENS_B_LARG : densidade em número de acessos de banda larga por mil t habitantes, em cada estado entre os anos 2000 e Para 2007 e 2008 foram usados dados disponíveis em Anatel/Sici. Entre 2000 e 2006 foram usados dados estimados do número de acessos nos estados, como detalhado no apêndice B, pois só havia dados disponíveis consolidados para o país inteiro. Foram utilizados acessos por mil habitantes em vez de acessos por 100 habitantes, conforme encontrado na literatura, apenas pela facilidade de análise. Como a penetração no Brasil é muito baixa, 5,91 acessos por 100 habitantes em 2008, abaixo de países mencionados por Katz (2009), como a Argentina (7,9 acessos por 100 habitantes), Chile (8,1 acessos por 100 habitantes), México (7,1 acessos por 100 habitantes), Estados Unidos (26,7 acessos por 100 habitantes) e Coreia do Sul (32 acessos por 100 habitantes), os números de densidade de acessos ficariam muito pequenos, dificultando um pouco a visualização dos dados. 2) INVEST_SCM t : investimentos anuais das prestadoras do SCM (empresas que prestam o serviço de acesso à internet em banda larga) entre 2002 e Fonte: Anatel. 3) PIB t : PIB no ano t, entre 2000 e Até 2007 foram usados os dados do IBGE. Para 2008 foi estimado o PIB de cada estado distribuindo-se o PIB nacional de acordo com a mesma participação de cada UF em Fonte: IBGE. Obs.: o PIB por UF de 2008 teve de ser estimado. Foi tomado o PIB nacional de 2008 para distribuí-lo entre os estados, verificou-se que nos dois anos anteriores, 2006 e 2007, a participação de cada UF no PIB nacional se manteve praticamente inalterada. Assim tomou-se a participação de cada UF no PIB nacional em 2007 e aplicou-se sobre o PIB de 2008, permitindo-se ter uma ideia de como o PIB de 2008 se distribuiu por todos os estados. 4) PIB_PER_CAPITA t : PIB per capita anual de cada estado, entre 2000 e Fonte: IBGE. Obs.: o PIB per capita por UF de 2008 teve de ser estimado também através das estimativas do PIB de cada estado, como mencionado anteriormente. 5) POP_ACIMA_50K t : parcela da população em cada UF vivendo em municípios com pelo menos 50 mil habitantes. Esta variável foi utilizada porque não se dispunha, como no modelo de Koutroumpis (2009), de dados a respeito da porcentagem da população em cada UF habitando áreas urbanas com densidade demográfica de pelo menos 500 habitantes por km 2. 6) POP_15_AN_8_AN_EST t : população em cada UF com 15 anos de idade ou mais e com pelo menos oito anos de escolaridade completos. É o capital humano. Fonte: calculado a partir de dados da PNAD. ipea texto para discussão 1495 mai

17 7) PORCENT_ESCOL t : porcentagem da população em cada UF com 15 anos de idade ou mais e com pelo menos oito anos de escolaridade completos. Fonte: calculado a partir de dados da PNAD. 8) ROB_SCM t : receita operacional bruta anual das prestadoras do SCM (empresas que prestam o serviço de acesso à internet em banda larga) entre 2000 e Fonte: Anatel. 9) PRECO t: é o preço médio cobrado para usuários residenciais para o serviço de acesso à internet em banda larga. Não é o valor real do preço pago pelos usuários, como o do modelo de Koutroumpis (2009). São valores estimados, conforme o método detalhado no apêndice D, a partir de dados de pesquisas do CETIC (2005 a 2009). Também os valores são expressos de forma indireta a partir dos dados da penetração do serviço (porcentagem dos domicílios com acesso de banda larga). É o preço independente da faixa de velocidade da conexão, pois os dados disponíveis pelo CETIC (2005 a 2009) não fazem essa distinção. Os preços são estimados a partir de dados de pesquisas onde os entrevistados informam qual seria o valor máximo que estariam dispostos a pagar para ter o serviço de acesso à internet em suas residências, seja através de banda larga ou não. No apêndice D também são feitos comentários a respeito das limitações do método empregado na estimativa dos preços. 4.2 DESCRIÇÃO DOS MODELOS Foram utilizados seis modelos para avaliar o impacto econômico sobre o PIB e o PIB per capita do aumento da penetração do serviço de banda larga no Brasil. São três modelos para o PIB e outros três para o PIB per capita. Em cada modelo foram utilizadas as técnicas de regressão Método dos Momentos Generalizados Generalized Method of Moments (GMM) e Mínimos Quadrados com Três Estágios Three Stage Least Squares (3SLS). Para ambos os modelos foram utilizadas variáveis instrumentais. São três tipos de modelos: 1) O primeiro não inclui a variável preço do serviço de banda larga. 2) O segundo corresponde aos mesmos modelos do primeiro tipo, só que com a inclusão da variável preço da banda larga, com valores estimados conforme detalhado no apêndice D. 3) O terceiro tipo é igual ao segundo tipo, mantendo a variável preço, mas excluindo duas variáveis utilizadas anteriormente: a) a variável de porcentagem dos habitantes da UF com 15 anos de idade ou mais e ao menos oito anos de estudo completos; e b) a variável de porcentagem da população por UF, habitando cidades com pelo menos 50 mil habitantes. Estas duas variáveis foram retiradas do terceiro tipo de modelo porque a variável referente à concentração populacional não teve o comportamento esperado nos dois tipos de modelo anteriores, e a variável referente ao nível educacional da população passou a ter comportamento diferente do esperado, no segundo tipo de modelo, com a inclusão da variável preço. No primeiro modelo, esta teve o comportamento dentro da expectativa. 14 texto para discussão 1495 mai ipea

18 Para referência, os modelos são: Modelo 1: PIB sem a variável PREÇO. Modelo 2: PIB per capita sem a variável PREÇO. Modelo 3: PIB incluindo a variável PREÇO. Modelo 4: PIB per capita INCLUINDO A VARIÁVEL PREÇO. Modelo 5: PIB incluindo a variável PREÇO, mas sem as variáveis de escolaridade e densidade demográfica. Modelo 6: PIB per capita incluindo a variável PREÇO, mas sem as variáveis de escolaridade e densidade demográfica. Assim as equações dos modelos ficaram: Modelo 1 PIB sem a variável PREÇO Produção agregada (PIB) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) Produção agregada (PIB_PER_CAPTA) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) Produção agregada (PIB) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) ln(pib t ) = β P0 + β P1.ln(INVEST_SCM t ) + β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t ) + ε P (1) ln(dens_b_larg t ) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPTA t ) + β D2.(PORCENT_ESCOL t ) + β D3.ln(POP_ACIMA_50K t ) + ε D (2) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + ε O (3) DENS _ B _ LARG t ln = PBL + β PBL DENS B LARG 0 1 t 1 Modelo 2: PIB per capita sem a variável PREÇO ( INVEST _ SCM t ) ε PBL β ln + ln(pib_per_capita t ) = β P0 +β P1.ln(INVEST_SCM t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t ) + β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + ε P (5) ln(dens_b_larg t ) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPITA t ) + β D2.(PORCENT_ESCOL t ) + β D3.ln(POP_ACIMA_50K t) + ε D (6) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + ε O (7) DENS _ B _ LARG t ln = PBL + β PBL DENS B LARG 0 1 t 1 Modelo 3: PIB com a variável PREÇO ( INVEST _ SCM t ) ε PBL β ln + ln(pib t ) = β P0 + β P1.ln(INVEST_SCM t ) +β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t ) + ε P (1) ln(dens_b_larg t ) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPITA t ) + β D4.ln(PRECO t ) + β D2.(PORCENT_ESCOL t ) + β D3.ln(POP_ACIMA_50K t ) + ε D (9) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + β O2.ln(PRECO t ) + ε O (10) DENS _ B _ LARG t ln PBL PBL DENS B LARG 0 1 t 1 = β + β ln + ( INVEST _ SCM t ) ε PBL (4) (8) (4) (continua) ipea texto para discussão 1495 mai

19 (continuação) Modelo 4: PIB per capita com a variável PREÇO Produção agregada (PIB_PER_CAPTA) ln(pib t ) = β P0 + β P1.ln(INVEST_SCM t ) + β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t ) + ε P (1) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) Produção agregada (PIB) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) ln(dens_b_larg t ) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPITA t ) + β D4.ln(PRECO t ) + β D2.(PORCENT_ESCOL t ) + β D3.ln(POP_ACIMA_50K t ) + ε D (9) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + β O2.ln(PRECO t ) + ε O (10) DENS _ B _ LARG t ln PBL PBL DENS B LARG 0 1 t 1 = β + β ln + ( INVEST _ SCM t ) ε PBL Modelo 5 PIB com a variável PREÇO e sem as variáveis PORCENT_ESCOL e POP_ACIMA_50K Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) ln(pib t ) = β P0 + β P1.ln(INVEST_SCM t ) + β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t ) + ε P (1) ln(dens_b_larg t ) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPITA t ) + β D4.ln(PRECO t ) + ε D (11) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + β O2.ln(PRECO t ) + ε O (10) DENS _ B _ LARG t ln = DENS B LARG 1 t 1 β PBL0 + β PBL ln( INVEST _ SCM t ) + ε PBL Modelo 6: PIB per capita com a variável PREÇO e sem as variáveis PORCENT_ESCOL e POP_ACIMA_50K (4) (4) Produção agregada (PIB_PER_CAPTA) Demanda agregada (densidade de banda larga) Oferta agregada (investimento em banda larga) Produção agregada da infraestrutura de banda larga (variação da penetração de banda larga) ln(pib_per_capita t ) = β P0 + β P1.ln(INVEST_SCM t ) +β P2.ln(POP_15_AN_8_AN_EST t ) + β P3.ln(DENS_B_LARG t )+ε P (2) ln(dens_b_larg t) = β D0 + β D1.ln(PIB_PER_CAPITA t ) + β D4.ln(PRECO t ) + ε D (11) ln(invest_scm t ) = β O0 + β O1.ln(ROB_SCM t ) + β O2.ln(PRECO t ) + ε O (10) DENS _ B _ LARG = t ln DENS B LARG 1 t 1 β PBL0 + β PBL ln( INVEST _ SCM t ) + ε PBL (4) 4.3 COMENTÁRIOS SOBRE OS MODELOS UTILIZADOS Com base no modelo original de Koutroumpis (2009), foram criados os modelos 1, 3 e 5 para avaliar a influência do aumento da penetração de banda larga sobre o PIB. Algumas variáveis explicativas foram substituídas, devido à ausência de dados disponíveis por ocasião do presente estudo, assim como foram modificadas algumas das equações. Por exemplo, o autor utilizou como uma das variáveis explicativas um indicador para avaliar a competição entre as diversas tecnologias para prestação do serviço de banda larga como DSL, WiFi, WiMAX, fibra óptica, celular 3G e outros. Utilizou o índice Herfindahl-Hirschman (ou HHI), Hirschman (1964). Koutroumpis (2009) levou em conta a competição entre tecnologias. Como descreve Gentzoglanis e Aravantinos (2008), há estudos mostrando que a presença de diversas tecnologias disponíveis para prestação de acesso à internet em banda larga favorece a sua difusão como, por exemplo, em Brown e Lee (2008a, 2008b). Isto porque novos entrantes no mercado, dominado principalmente por acesso fixo via DSL ou cabo, têm de se valer de outras tecnologias, como WCDMA (celular 3G), WiMAX, WiFi, oferecendo outras vantagens não disponíveis para prestação via DSL, como a mobilidade e a possibilidade de acesso em locais onde o DSL ainda não está disponível, para poder competir. Isso, por outro lado, faz com que as operadoras 16 texto para discussão 1495 mai ipea

20 dominantes, que utilizam DSL para prestação de serviço, tenham de reagir para não perder mercado, podendo assim adotar políticas de redução de preços ou outras estratégias para aumentar o número de assinantes. O resultado global é que, havendo esta competição entre tecnologias, a difusão do serviço de banda larga se dá de forma mais acelerada. Entretanto, como para o caso do Brasil os dados suficientes para compor uma série histórica não estavam disponíveis, esta variável não foi incluída. Somente a partir de 2007 a coleta de informações junto às operadoras de telecomunicação, pela Anatel, passou a ser mais detalhada permitindo avaliar tanto a competição das operadoras como das tecnologias em nível local. No estudo original também é incluída uma variável que leva em conta a possibilidade de compartilhamento de redes de telecomunicações denominada unbundling. É calculada como sendo a porcentagem dos acessos de banda larga oferecidos valendo-se deste mecanismo. No Brasil, por não haver dados disponíveis, esta variável não foi incluída. Entende-se que a existência deste compartilhamento favoreça a difusão do serviço de banda larga por requerer menor investimento das empresas entrantes em um mercado, já que podem alugar a rede de outra empresa. Esse é um tema a ser avaliado pelos formuladores de políticas públicas no Brasil e tem potencial para incentivar a competição e a maior difusão do serviço de banda larga no país. Outras variáveis empregadas por Koutroumpis (2009), como porcentagem do PIB gasto em educação e em ciência e tecnologia, e que, segundo o autor, favoreceria a penetração do serviço, não foram utilizadas por se entender que não teriam impacto relevante no modelo para o caso brasileiro. Inicialmente o dado de porcentagem do PIB gasto em educação foi incluído, mas a variável não foi significativa, sendo excluída do modelo final. Talvez isso tenha ocorrido por ser o valor praticamente constante no período analisado variou entre 4,5% e 5,1% do PIB entre 2000 e 2007, conforme dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Em relação ao modelo original de Koutroumpis (2009), podem ser feitos os seguintes comentários: Equação de produção agregada No modelo original foi usado o estoque de infraestrutura existente de banda larga no país e não os investimentos no setor. Isto porque, segundo o autor, a demanda dos usuários é pela infraestrutura das operadoras, meio através do qual irão usufruir o serviço, e não pelos investimentos que elas fazem. Como no caso do Brasil não se dispunha de dados equivalentes sobre a infraestrutura instalada, optou-se por utilizar os dados disponíveis de investimentos das prestadoras do serviço de banda larga (SCM), que periodicamente têm de informá-los à Anatel. As análises de regressão também foram feitas com os dados de investimentos em serviços fixos de telecomunicações e investimentos totais em telecomunicações, conforme a tabela C.1, pois estes têm maior número de amostras. Entretanto, os melhores resultados foram obtidos utilizando-se os dados de investimentos das prestadoras de SCM. Quanto ao estoque de capital humano (força de trabalho), enquanto o autor do modelo original utilizou a população entre 15 e 64 anos, os resultados foram ipea texto para discussão 1495 mai

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1495

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1495 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1495 AUMENTO DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA E SEU POSSÍVEL IMPACTO ECONÔMICO: ANÁLISE ATRAVÉS DE SISTEMA DE EQUAÇÕES SIMULTÂNEAS DE OFERTA E DEMANDA

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1494

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1494 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 1494 AUMENTO DO ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NO BRASIL E SUA POSSÍVEL RELAÇÃO COM O CRESCIMENTO ECONÔMICO: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL Hildebrando Rodrigues Macedo Alexandre

Leia mais

Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata

Macedo, Hildebrando Rodrigues; de Carvalho, Alexandre Xavier Ywata econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publikationsserver der ZBW Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft The Open Access Publication Server of the ZBW Leibniz Information Centre for Economics Macedo,

Leia mais

ANÁLISE DE POSSÍVEIS DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ANÁLISE DE POSSÍVEIS DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS 1503 ANÁLISE DE POSSÍVEIS DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS Hildebrando Rodrigues Macedo Alexandre Xavier Ywata de Carvalho 1 5 0 3 TEXTO

Leia mais

Barros, Ricardo; de Carvalho, Mirela; Mendonça, Rosane. Working Paper Dimensionando o programa Bolsa Família

Barros, Ricardo; de Carvalho, Mirela; Mendonça, Rosane. Working Paper Dimensionando o programa Bolsa Família econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publikationsserver der ZBW Leibniz-Informationszentrum Wirtschaft The Open Access Publication Server of the ZBW Leibniz Information Centre for Economics Barros,

Leia mais

Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1

Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1 Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1 Hildebrando Rodrigues Macedo **2 Alexandre Xavier Ywata de Carvalho ***3 Resumo

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1

Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1 Análise de possíveis determinantes da penetração do serviço de acesso à internet em Banda Larga nos municípios brasileiros *1 Hildebrando Rodrigues Macedo **2 Alexandre Xavier Ywata de Carvalho ***3 Resumo

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resultados de Junho 2009 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2009 IDC. Reproduction

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador LINDBERGH FARIAS

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador LINDBERGH FARIAS PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Resolução do Senado nº 15, de 2014, da Senadora Gleisi Hoffmann, que estabelece alíquotas máximas do Imposto sobre Operações Relativas

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação

de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação De Olho nas Metas 2011Quarto relatório de monitoramento das 5 Metas do Todos Pela Educação Investimentos em Educação: comparação internacional Brasil investiu US$ 2.416 por aluno/ ano em 2008. Média dos

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

Análise de Regressão Sobre Indicadores da Economia e da Difusão do Serviço o de Acesso àinternet em Banda Larga no Brasil

Análise de Regressão Sobre Indicadores da Economia e da Difusão do Serviço o de Acesso àinternet em Banda Larga no Brasil Análise de Regressão Sobre Indicadores da Economia e da Difusão do Serviço o de Acesso àinternet em Banda Larga no Brasil Dissertação de Mestrado Aluno: Hildebrando Rodrigues Macedo Orientador: Prof. PhD

Leia mais

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Recife, outubro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA.

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução nº, de de de 2009

Leia mais

Análise de Regressão Sobre Indicadores da Economia e da Difusão do Serviço de Acesso à Internet em Banda Larga no Brasil

Análise de Regressão Sobre Indicadores da Economia e da Difusão do Serviço de Acesso à Internet em Banda Larga no Brasil Universidade de Brasília - UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Economia ECO Centro de Investigação em Economia e Finanças

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional. larga

Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional. larga Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional larga Curitiba, março de 2013 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Fonte: IBGE,

Leia mais

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Luiz Ricardo Cavalcante 2 Ambiente de negócios é o nome genericamente atribuído às condições que circunscrevem, em um determinado

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Marabá, abril de 2014 Ministério das Comunicações Evolução da penetração

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

A Mineração Industrial em Goiás

A Mineração Industrial em Goiás A Mineração Industrial em Goiás Luciano Ferreira da Silva 1 Resumo: A extração mineral constitui atividade de relevante importância para a economia do estado de Goiás, ocupando posição de destaque no cenário

Leia mais

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013

Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados São Paulo, 23 de maio de 2013 Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação Pesquisa TIC Educação 2012 Pesquisa sobre o uso das TIC nas escolas brasileiras Coletiva de Imprensa Apresentação de resultados

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ

DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ DETERMINANTES DA PENETRAÇÃO DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARANÁ RESUMO: Autoria: Leandro Iantas Moralejo, Erica P. Stupka, Marcelo Tardelli, Marcia Cassitas Hino As discussões

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

PORQUE A VOLTA DA TELEBRÁS É UMA BOA NOTÍCIA

PORQUE A VOLTA DA TELEBRÁS É UMA BOA NOTÍCIA ESTUDO PORQUE A VOLTA DA TELEBRÁS É UMA BOA NOTÍCIA Vilson Vedana Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente 1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente Painel: Gestão Pública, Orçamento e Investimento Públicos - Privados O HISTÓRICO DOS INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Luiz Fernando Fauth Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL ibusiness 2011 Curitiba, 24/11/2011 SUMÁRIO Cenário atual do SCM Consulta Pública

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES

RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES RESTRIÇÕES A INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS EM EMPRESAS JORNALÍSTICAS E DE RADIODIFUSÃO EM OUTROS PAÍSES Walkyria Menezes Leitão Tavares Consultora Legislativa da ÁreaXIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações,

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado

Desafios para a construção de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Cristiane Lima Guadagnin Cardoso I Semana Estadual de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Maio 2015. 1 AGENDA

Leia mais

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013

Artigo publicado. na edição 34. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. maio e junho de 2013 Artigo publicado na edição 34 Assine a revista através do nosso site maio e junho de 2013 www.revistamundologistica.com.br Paulo Guedes :: opinião Gastos e Custos Logísticos diferenciar para compreender

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS PARA A ÁREA COMERCIAL - SIG Newton Morais e Silva (1) Engenheiro Mecânico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Computer Studies pela Essex University

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013 Lançamento da Coleta Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD investiga anualmente, de forma permanente: características

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 18 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 18 Aluguel de Imóveis (versão para informação e comentários)

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications 09 de março de 2011 Mainstay Partners LLC 901 Mariners Island Blvd Suite

Leia mais