Gestão Estratégica de Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão Estratégica de Empresas"

Transcrição

1 Gestão Estratégica de Empresas Prof. Florêncio dos Santos Penteado Sobrinho

2 Gestão Estratégica de Empresas MBAs PÓS-GRADUAÇÃO

3 Florêncio dos Santos Penteado Sobrinho GESTÃO ESTRATÉGICA Ensino a Distância EaD Revisão: 10/2008

4 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O PENSAMENTO ESTRATÉGICO DESAFIO EMPRESARIAL: GESTÃO ESTRATÉGICA Alguns Princípios de Gestão Estratégica Escopo Competitividade Metas Escopo, Postura Competitiva e Metas: Necessário Equilíbrio PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Definição de Planejamento Níveis de Planejamento Elaboração e implementação do planejamento Diagnóstico Estratégico Missão da Empresa Instrumentos Prescritivos e Quantitativos Instrumentos Prescritivos Instrumentos Quantitativos Controle e Avaliação ORGANIZAÇÕES COMO SISTEMAS PENSAR E AGIR ESTRATEGICAMENTE A Reflexão Corporativa, Competitiva e Funcional Visão: deve ser estratégica Visão Compartilhada Eficiência Operacional, Eficácia Estratégica e Vantagem Competitiva Definindo Missão e Valores Valores como condicionantes Prospecção: lidando com o imprevisível Construção de Cenários e de Visões Alternativas O BALANCED SCORECARD Sistema Gerencial Esclarecer e traduzir a visão estratégica Comunicar e Associar Objetivos e Medidas Estratégicos Planejar, Estabelecer Metas e Alinhar Iniciativas Estratégicas Melhorar o feedback e o Aprendizado Estratégico A necessidade de um Balanced Scorecard Medidas Financeiras Quatro Perspectivas Perspectiva Financeira Perspectivas do Cliente Perspectivas dos Processos Internos Perspectiva do Aprendizado e Crescimento Causa e Efeito REFERÊNCIAS... 73

5 1 INTRODUÇÃO Obter e manter alta eficácia e efetividade é um desafio permanente para as empresas. Uma das ferramentas para sustentar essa capacidade é a gestão estratégica. A gestão estratégica é um processo que deve ser desencadeado pela alta administração, porém compartilhado com os demais níveis de gerência, para se buscar o envolvimento e o comprometimento de todos para o planejamento, organização, execução, acompanhamento e correção de rumos, quando necessário. É um processo macro e essencial na condução das organizações. Hoje, a incerteza é constante e, portanto, há necessidade contínua de mudanças, muitas vezes radicais. Nesse contexto, como é possível ser eficaz com base em regras sólidas, estáveis e duradouras, políticas históricas ou simples extrapolações das tendências atuais? Contrariamente, é preciso olhar para o futuro. A gestão estratégica necessita da análise do ambiente operacional interno e externo, da formulação da missão e visão das políticas, dos objetivos e metas, da definição das estratégias e sua implementação e dos respectivos mecanismos de controle e avaliação. A gestão estratégica exige a elaboração do planejamento. O planejamento, estratégico, contempla as decisões que devem conduzir as ações efetivas sobre os fatores críticos de sucesso da missão, visão, políticas, objetivos e metas organizacionais. Com o planejamento estratégico, ruma-se ao futuro, a uma nova situação, visando a um impacto positivo. As visões sobre o planejamento evoluíram desde o planejamento financeiro e o planejamento a longo prazo, até a busca da sobrevivência das organizações com base na gestão estratégica. A conexão e a dependência em relação ao ambiente foram percebidas e assimiladas pelas organizações. É irrefutável a fragilidade das fronteiras organizacionais e a necessidade da flexibilização constante da gestão organizacional, em face da dinâmica das mudanças do ambiente. Ameaças, oportunidades, pontos fortes e pontos fracos são modelos vazios, invariáveis, que têm seus preenchimentos alterados, transformando-os a qualquer momento. Apesar disso é saudável o fortalecimento da identidade, da idéia-valor, da missão, da razão de uma organização. É recomendável, portanto, que as organizações se transformem para que não venham a constituir-se em obstáculos para si mesmas. A boa gestão do plano estratégico implica que este esteja inserido no sistema adotado pela organização e, comprometida e responsavelmente, seja assumido pelos diversos níveis da mesma. A idéia é que o plano propague a vida da organização, influenciando, inclusive, sua reorganização da estrutura.

6 2 1. O PENSAMENTO ESTRATÉGICO O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A escola do planejamento estratégico surgiu na década de 1970, utilizando a clássica técnica do SWOT, desenvolvida em Harvard. Está relacionada à avaliação do ambiente interno da empresa a partir da análise de suas forças e fraquezas e do ambiente externo, com base em suas oportunidades e ameaças. Sua formulação deriva de um processo do pensamento humano rigidamente formulado. Só depois de formuladas, as estratégias são postas em prática. A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA A administração estratégica da década de 1980 mostrava que a implementação da estratégia era tão importante quanto sua formulação, além de evidenciar o lado prescritivo do pensamento estratégico. Um dos pensadores dessa escola é Igor Ansoff, para quem o planejamento da postura estratégica defronta-se com dois desafios: o da análise competitiva de cada área estratégica de negócio que a empresa pretende atuar, e a integração dos objetivos estratégicos de cada área numa direção global. Outro autor é Michael Porter, que deu maior atenção ao lado prescritivo do pensamento estratégico e desenvolveu um modelo de análise estrutural que foca cinco forças competitivas que atuam sobre uma indústria: ameaça de novos entrantes; a rivalidade entre os concorrentes; a ameaça de produtos substitutos; o poder de negociação dos fornecedores; e o poder de negociação dos compradores. A GESTÃO ESTRATÉGICA Na década de 1990, as mudanças cada vez mais aceleradas geraram uma maior valorização da gestão estratégica, que veio dar um enfoque mais sistêmico ao processo de planejamento. Além de planejar estrategicamente, era preciso organizar, dirigir, coordenar e controlar, também estrategicamente. A gestão estratégica buscou dar um enfoque sistêmico às funções estratégicas para equilibrar demandas dos ambientes interno e externo, além de integrar todos os setores da organização para melhor alocar os recursos. As funções se relacionavam dinamicamente entre si para atingir um objetivo, atuando sobre entradas e fornecendo saídas processadas. Na gestão estratégica propõe-se que o processo terá mais chance de sucesso se a organização estiver em sintonia com o seu ambiente de negócio.

7 3 2. DESAFIO EMPRESARIAL: GESTÃO ESTRATÉGICA A Gestão estratégica é importante desafio árduo e abrangente para qualquer organização privada ou pública: de que maneira estabelecer as bases para o êxito de amanhã e ao mesmo tempo competir para vencer nos mercados de hoje. A vitória é o bastante desde que, simultaneamente, as sementes do êxito de amanhã também estejam sendo plantadas e cultivadas. Do contrário, a empresa não terá futuro. O desafio é árduo, pois as escolhas que compõem a exploração do presente e a construção do futuro impõem aos gerentes um conjunto de complexas opções excludentes. Os gerentes precisam resolver as conflitantes demandas dos stakeholders 1. O desafio é abrangente, pois envolve todas as decisões da empresa. FAHEY e RANDALL (1999) esclarecem que o conflito entre as demandas do presente e o que pode ser exigências do futuro se situa no cerne da gestão estratégica por pelo menos três razões: I- O ambiente em que os êxitos de amanhã serão conquistados provavelmente será muito diferente do ambiente com que hoje se depara a empresa. Os produtos mudam com o lançamento de novas variedades pelos concorrentes, por vezes alterando radicalmente a natureza da oferta aos clientes. Novos concorrentes ingressam em mercados de longa tradição, com novos conceitos de como servir e satisfazer os clientes. As preferências dos clientes, por vezes, mudam de maneira inesperada. Os desenvolvimentos tecnológicos freqüentemente alteram não apenas a função dos produtos, mas todos os aspectos do gerenciamento das empresas: compras de bens e serviços, logística, fabricação, marketing, vendas e serviços. As mudanças políticas, regulamentárias, sociais e econômicas geralmente dão origem, de forma direta ou indireta, a mudanças nas condições setoriais ou competitivas. II- Para ser bem-sucedida no novo ambiente de amanhã, a própria empresa deve submeter-se a mudanças significativas e, por vezes, radicais. Empresas tão grandes, diversificadas e historicamente bem-sucedidas como IBM, General Motors, Sears, Honda, Sony, Philips e Rolls Royce aprenderam essa lição em fins 1 Stakeholders são todas as pessoas, grupos e entidades que recebem um impacto expressivo das atividades da empresa. Os principais stakeholders são os clientes, os fornecedores, os empregados, os prestadores de serviços, a comunidade e os acionistas. (FAHEY e RANDALL: 1999).

8 4 dos anos 1980 e inícios dos anos As velhas maneiras de pensar devem ser questionadas e reconcebidas: as premissas e crenças tradicionais se tornaram incompatíveis com o ambiente transformado. É necessário aprender novos processos operacionais e novas formas de atuação. As estruturas organizacionais, os sistemas e os processos decisórios herdados de um passado superado carecem de reformulação. III- A adaptação à mudança (e, em muitos casos, a indução da mudança) no e em torno do mercado nas épocas de transformações internas significativas impõe um ônus extremamente pesado sobre os líderes de qualquer empresa. No entanto, essa é exatamente a dupla tarefa com que se confrontam os gerentes estratégicos. É necessário: Explorar o presente e ao mesmo tempo lançar as sementes de um futuro novo e muito diferente; Simultaneamente, construir pontes entre as mudanças no ambiente e as mudanças dentro das empresas. A mudança no ambiente dentro da empresa e em como a empresa estabelece os elos entre a estratégia e a empresa devem ser o foco da gestão estratégica. Mudança significa que as empresas nunca devem ficar satisfeitas com suas realizações, ou ficarão para trás em relação aos seus concorrentes. A menos que altere a sua própria compreensão do ambiente, a empresa não será capaz de acompanhar e muito menos de colocar-se à frente das mudanças nos clientes, no setor, na tecnologia e nas políticas governamentais. 2.1 ALGUNS PRINCÍPIOS DE GESTÃO ESTRATÉGICA A Gestão Estratégica: Necessariamente envolve a gestão da estratégia de mercado, da empresa e do relacionamento entre ambas. Gerencia a interface entre a empresa e o ambiente. Envolve a antecipação, a adaptação à mudança e a criação da mudança, tanto no ambiente como na empresa. É induzida pela busca de oportunidades.

9 5 Reconhece que as oportunidades surgem no ambiente externo ou são geradas dentro da própria empresa; em ambos os casos, se concretizam no mercado. Necessita assumir riscos; a empresa persegue as oportunidades antes de sua existência material (no ambiente). Diz respeito à invenção ou criação do futuro competitivo da empresa e à adaptação à visão desse futuro. O objetivo de mercado é encontrar, servir e satisfazer os clientes como condição para outras recompensas, como os lucros. É tarefa da totalidade da empresa; não pode ser delegada a qualquer grupo específico dentro da empresa. Reconhece que o futuro influencia as decisões do presente; as decisões do presente induzem a alguma situação ou meta no futuro. A incapacidade de controlar o seu ambiente não torna as empresas indefesas em situações de mudanças ambientais persistentes e, por vezes, imprevisíveis. A prática da gestão estratégica capacita a gerência à condução da empresa de forma mais eficaz. Podem-se mudar as estratégias: lançar novos produtos, aprimorar os produtos existentes, retirar-se de determinados mercados, competir de maneira mais inteligente com os concorrentes e oferecer maior valor aos clientes. Os gerentes também têm condições de reconfigurar as empresas: podem extrair mais produtos dos recursos existentes, aprimorar as capacidades e competências do presente e desenvolver outras. Com vistas a enfrentar com êxito a mudança, destacam FAHEY e RANDALL (1999) que a gestão estratégica deve abranger três tarefas interligadas: I- Gestão da Estratégia de Mercado: projetar, executar e aperfeiçoar estratégias vitoriosas no mercado em mutação. A estratégia é o meio pelo qual a empresa cria e alavanca a mudança no e em torno do mercado. II- III- Gestão da Empresa: reconfigurar continuamente a empresa sua maneira de pensar e de operar. Sem essa mudança interna, a empresa não tem como aprimorar a sua capacidade de identificar as mudanças ambientais, adaptar-se a elas e alavancá-las em seu benefício. Exercício da Gestão Estratégica: fortalecer constantemente os elos e a interface entre a estratégia (a atuação da empresa no mercado) e a empresa (o que ocorre no interior da organização).

10 ESCOPO As questões referentes ao escopo da empresa são fundamentais em qualquer consideração sobre estratégia. O escopo sempre envolve escolhas. As empresas não são capazes de comercializar um conjunto ilimitado de produtos e não conseguirão alcançar todos os clientes em potencial. Na verdade, poucas empresas têm condições de competir ou de participar de todos os segmentos produto-cliente do setor. FAHEY e RANDALL (1999) propõem três questões gerais para determinar o escopo: 1. Que produtos (ou grupos de produtos) a empresa quer oferecer ao mercado? 2. Que clientes ou, mais especificamente, a que necessidade dos clientes a empresa quer servir? 3. Que recursos, competências e tecnologias a empresa possui ou é capaz de desenvolver para atender aos seus segmentos produto-cliente? Pode-se inferir por essas três questões que a organização deve avaliar de forma sistemática e cuidadosa o negócio em que atua, onde se situam as oportunidades de mercado, e quais as capacidades de que dispõe ou que pode criar para aproveitar essas oportunidades. Algumas questões e temas críticos elencados por FAHEY e RANDALL (1999): Nível Corporativo Escopo do Negócio: Em que negócio a empresa está? Em que negócio a empresa gostaria de estar? Escopo dos Stakeholders: Quais os detentores de interesses a serem alavancados pela empresa para ajudá-la na consecução das suas metas? Grau de Correlação dos Escopos: De que forma correlacionar entre si os negócios da corporação, se for o caso? Meios de Mudança: Desenvolvimento interno, aquisições, alianças do Escopo, desinvestimentos, alinhamentos com ou em oposição aos stakeholders. Temas Estratégicos: Em que área de negócios a empresa deve investir? Manter o atual nível de investimentos? Reduzir os investimentos ou desinvestir inteiramente? Desafios Estratégicos: Como a corporação será capaz de agregar valor aos diferentes negócios? Qual seria a base de sinergia entre dois ou mais negócios da corporação?

11 7 Nível das Unidades de Negócios Escopo do Produto: Que faixa de produtos a empresa pretende oferecer ao mercado? Escopo do Cliente: Que categorias de clientes a empresa pretende servir? Que necessidade dos clientes a empresa quer satisfazer? Escopo Geográfico: Em que área geográfica a empresa pretende oferecer os seus produtos aos clientes escolhidos? Escopo Vertical: Quais os elos da empresa com fornecedores e clientes? Que elos pretende desenvolver? Escopo dos Stakeholders: Quais os detentores de interesses a serem alavancados pela empresa para ajudá-la na consecução das suas metas? Meios de Mudança: Adição ou eliminação de produtos ou clientes, ingresso do Escopo ou saída de regiões geográficas, alinhamento com ou sem oposição a detentores de interesses. Temas Estratégicos: Em que produtos a empresa deve investir? Manter os atuais níveis? Desinvestir? Que relacionamentos a empresa deseja desenvolver com os detentores de interesses? Desafios Estratégicos: Como identificar e explorar as oportunidades? Qual a melhor estratégia para alcançar esse resultado? 2.3 COMPETITIVIDADE A postura competitiva diz respeito a como a empresa se diferencia dos concorrentes atuais e futuros, considerando a percepção e a compreensão dos clientes. A assimetria é a fonte do valor (em comparação com o valor proporcionado pelos demais competidores) obtido pelos clientes, ao adquirirem os produtos ou as soluções de uma empresa. Sem algum grau de diferenciação, os clientes têm poucos motivos para comprar os produtos de uma empresa, em detrimento aos dos concorrentes. Em suma, o objetivo crítico da estratégia consiste em criar e em ampliar constantemente algum grau de diferenciação. A postura competitiva define o embate entre as empresas para criar novos clientes, para atrair os clientes umas das outras e para reter os clientes conquistados.

12 8 Em relação à assimetria a ser alcançada pelas empresas, algumas dimensões críticas devem ser observadas: As Características do Produto: estilo, design, tamanho e forma; A Funcionalidade do Produto: desempenho, confiabilidade, durabilidade, velocidade, gosto; Serviço: assistência técnica, consertos, linhas telefônicas de suporte, treinamento sobre o uso do produto; Disponibilidade: acesso por meio dos canais de distribuição, capacidade de compra em grandes quantidades, rapidez com que o produto é obtido. Imagem e Reputação: marca, imagem como produto sofisticado, reputação pela qualidade do serviço. Vendas e Relacionamentos: força de vendas capaz de explicar muitos produtos, tradição de relacionamento com grandes usuários finais. Preço: preço de tabela, preço de desconto, comparações de preço-desempenho, comparações de preço-valor. 2.4 METAS As opções em termos de escopo do negócio e postura competitiva têm em vista a consecução de alguns propósitos ou metas. É muito difícil compreender as mudanças no escopo e postura de uma empresa sem o conhecimento das suas metas. O que a empresa pretende conseguir no mercado? Que retornos ou recompensa a empresa pretende proporcionar aos seus acionistas, empregados, clientes, fornecedores e à comunidade em geral? As empresas têm uma hierarquia explícita ou implícita de metas que envolvem alguma conjugação de mercado, finanças, tecnologia e outros fatores. FAHEY e RANDALL (1999) identificam quatro níveis de metas a serem considerados: Intenção estratégica ou visão de mercado; Impulsos estratégicos ou programas de investimento; Objetivos; Metas operacionais. 1. As metas no nível de intenção estratégica ou de visão de mercado se referem ao conceito de longo prazo daquilo que a empresa pretende conseguir no mercado, em termos de produtos, clientes e tecnologias. 2. Os impulsos estratégicos e programas de investimento dizem respeito aos compromissos significativos em termos de produtos e outros investimentos que a

13 9 empresa está assumindo ou planeja assumir para realizar a sua intenção ou visão, em períodos de três a cinco anos (e às vezes bem mais longo). 3. Os objetivos se referem às metas que transformam os impulsos estratégicos em programas de ação. Os objetivos tendem a especificar resultados que abrangem um horizonte de tempo de um a três anos e representam os grandes alvos ou marcos que a empresa procura atingir. 4. As metas operacionais são os alvos de curto prazo (geralmente atingíveis em um ano), mensuráveis, específicos e detalhados. São consideradas como realizações que contribuem para a consecução dos objetivos. As metas operacionais típicas incluem: atingir determinada participação no mercado, para cada produto, num mercado geográfico específico ou em diferentes conjuntos de clientes; melhorar as margens mediante o acréscimo de determinado valor ou aumentar a satisfação dos clientes em certa percentagem (com base em alguma escala de mensuração). Em suma, as metas dão sentido às ações das empresas. Elas focalizam a atenção das empresas. Se a meta é elevar as margens, a empresa provavelmente se voltará para as atividades que aumentarão as receitas e reduzirão os custos. As metas motivam os membros da empresa e racionalizam as suas ações, para que todos os interessados no negócio tenham condições de contribuir para a vitória. 2.5 ESCOPO, POSTURA COMPETITIVA E METAS: NECESSÁRIO EQUILÍBRIO A gestão estratégica presume que as empresas sejam induzidas por metas, embora a experiência gerencial reconheça que as metas de uma empresa, às vezes, não são consistentes, integradas, compreendidas ou amplamente difundidas. Muitas empresas demasiadamente ocupadas com as oportunidades do presente deixam de analisar a consistência das metas. Outras empresas estão tão comprometidas com as metas do passado que falham na reação rápida às mudanças críticas no mercado. Assim, um elemento no desafio da gestão estratégica é o gerenciamento do conflito entre o comprometimento com as metas e a necessidade de adaptar o escopo e a postura competitiva às condições ambientais e organizacionais em mutação. Esse difícil ato de equilíbrio fortalece o necessário elo entre escopo, postura competitiva e metas.

14 10 3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Conforme já definido, a gestão estratégica consiste em gerenciar a estratégia, a empresa e os elos entre ambas, de modo a vencer no mercado hoje e amanhã. A criação e a alavancagem da mudança exigem o foco simultâneo tanto no ambiente como na empresa. A liderança gerencial deve consistir no questionamento persistente das visões aceitas sobre o futuro e sobre as suas implicações, da base para o êxito das estratégias, e da habilidade da empresa em identificar e aproveitar as oportunidades. No início do século XX, as sociedades, já capitalistas, foram inseridas num contexto de produção e consumo, o qual foi potencializado por meio de vários eventos no âmbito organizacional, dispondo as empresas ao fazer bem e fazer certo. A cada momento, descobriram-se novas maneiras de ser eficiente e eficaz, dando impulso à produção e às vendas. A administração empresarial já se consolidava com o desenvolvimento de métodos de trabalho que otimizaram e aumentaram a produtividade e a qualidade dos bens produzidos. Rubricas foram atribuídas a algumas metodologias que serviram para criar e modelar a fôrma da área administrativa. Por exemplo, fordismo e taylorismo. Ambos os autores que deram origem a esses ismos, Ford e Taylor, assim, também, como Fayol, apresentaram aos empreendedores daquele momento, e que serve aos hodiernos, a possibilidade de obter mais resultados, utilizando menos recursos da empresa para atender à grande demanda pautada pelo poder-fazer e o querer-ter, intrínsecos da sociedade configurada para e pela revolução industrial. A produção empresarial em alta escala instigou as expectativas sociais pelas aquisições de bens diversos. Era o ser querendo ter e a indústria concedendo-lhe a possibilidade de satisfazer seu querer. A alta escala de produção conseguida naqueles tempos colocou os empresários à frente das demandas consumistas, inclusive controlando-as e impulsionando-as. O comprador queria ter e o vendedor dizia o que poderia ser comprado. Ford tornou sua linha de produção eficiente e eficaz ao ponto de fazer automóveis em alta escala com baixo custo, provocando e alimentando o desejo das pessoas de ter um automóvel. Ótimo! Podia-se comprar um carro. Era o que Ford queria que o comprador fizesse. No entanto, o provimento do querer do comprador não parava aí. As outras escolhas eram prerrogativas daquele fornecedor: o carro tinha de ser na cor preta.

15 11 Considerando que naqueles primórdios a concorrência para atender as massas de consumidores era baixa, ninguém tinha com o que se preocupar. Se uma pessoa não quisesse comprar, outra compraria e ainda assim estava mantida a demanda. A partir da década de 1950, então meados do século XX, o cenário já era outro. Agora a diversidade entre os produtos e a heterogeneidade entre compradores era bem diferente. Por exemplo, vários modelos de carros transitavam pelas ruas, desde os mais simples, como o Sedan Volkswagen, até os mais luxuosos, como o Cadillac. Sedan Cadillac Essa miríade de produtos tirou o comprador da berlinda que o deixa na condição de aceitar o que tem disponível. Contrariamente apresentou-lhe opções que possibilitavam tornálo proprietário de um bem de consumo, tão importante para a sociedade do bem-estar, conformada pelos Estados Unidos do pós-guerra. Tratava-se da fase conhecida como American way of life, ou, aquela do modo americano de viver: grandes famílias (o boom da natalidade), alto consumo, alta produtividade, hábitos e costumes disseminados para os países aliados e capitalistas, a formatação da sociedade influenciada pelos meios de comunicação de massa, just-in-case etc. Nesse cenário do início dos anos 1950, as empresas começaram a preocupar-se com um tipo de inquietação, que até então não houvera lhes preocupado. Elas começaram a se perguntar como, o que, quando e quanto deveriam produzir para atender à demanda por seus produtos. O problema que gerou a indagação foi a falta de sintonia do que era produzido com o que o mercado estava disposto a consumir. Isso recebeu o nome de problema estratégico. Passou a ser extremamente necessário para as empresas saber antecipadamente onde, como e quando a empresa deveria operar no futuro. Diante disso passaram-se a formular outros métodos e modelos para conduzir a empresa rumo à eternidade, ou seja, estar presente no futuro. Essas propostas pretendem fazer com que as pessoas, os processos e a estrutura da empresa estejam sempre com o foco voltado para as expectativas e necessidades dos clientes. Isso se chama planejamento estratégico.

16 DEFINIÇÃO DE PLANEJAMENTO Para estabelecer-se a abrangência da função do planejamento nas empresas, necessitase estabelecer o conceito, como marco geral, para o entendimento do tema. O entendimento deriva, e dá sentido, à formação do processo administrativo: planejar, organizar, executar e controlar. Recorrendo ao dicionário, tem-se: Planejamento: trabalho de preparação para qualquer empreendimento, segundo roteiro e métodos determinados. Elaboração, por etapas, com bases técnicas (especialmente no campo sócio-econômico), de planos e programas com objetivos definidos. (Ferreira, 1986:1342) Maximiano (2000:175) observa: as decisões que procuram, de alguma forma influenciar o futuro, ou que serão colocadas em prática no futuro, são decisões de planejamento. Oliveira (2003:34) cita cinco dimensões do planejamento: I. Corresponde ao assunto abordado, que pode ser produção, pesquisa, novos produtos, finanças, marketing, instalações, recursos humanos etc. II. Os elementos do planejamento, entre os quais podem ser citados propósitos, objetivos, estratégias, políticas, programas, orçamentos, normas e procedimentos, entre outros. III. A dimensão de tempo do planejamento, que pode ser, por exemplo, de longo, médio ou curto prazo. IV. As unidades organizacionais onde o julgamento é elaborado, e, nesse caso, pode-se ter planejamento corporativo, de subsidiárias, de grupos funcionais, de divisões, de departamentos, de produtos etc. V. As características do planejamento que podem ser representadas por complexidade ou simplicidade, qualidade ou quantidade; planejamento estratégico ou tático, confidencial ou público, formal ou informal, econômico ou caro. As fronteiras dessas dimensões, na prática, são de difícil percepção, entretanto, permitem visualizar a amplitude do assunto planejamento. O planejamento, então, pode ser considerado um processo, em face dos aspectos das dimensões apresentadas, desenvolvido para o alcance de uma situação desejada de um modo mais eficiente, eficaz e efetivo, com a melhor concentração de esforços e recursos pela empresa.

17 13 Também, é importante compreender que, no contexto empresarial, há diferença entre planejamento, previsão, projeção, predição, resolução de problemas ou plano, sendo: Previsão: o esforço para verificar quais serão os eventos que poderão ocorrer, com base no registro de uma série de probabilidades. Projeção: a situação em que o futuro tende a ser igual ao passado, em sua estrutura básica. Predição: a situação em que o futuro tende a ser diferente do passado, mas a empresa não tem controle sobre seu processo e desenvolvimento. Resolução de Problemas: procurar corrigir certas descontinuidades e desajustes entre a empresa e as forças externas que lhe sejam potencialmente relevantes. Plano: documento formal consolidando as informações e atividades desenvolvidas no processo de planejamento; é o limite formal do planejamento. Dentro do tema, pode-se considerar então o planejamento estratégico correspondente ao estabelecimento de um conjunto de providências futuras, pautadas no passado, proporcionando condições e meios da empresa agir sobre variáveis e fatores de modo que possa exercer alguma influência; o processo, e exercício, contínuo que deve ser executado pela empresa independentemente de vontade de seus executivos. Vislumbra o necessário processo decisório que ocorrerá antes, durante e depois de sua elaboração e implantação na empresa. O processo de planejar envolve indagações, questionamentos sobre o que fazer, como, quando, quanto, para quem, por que, por quem e onde. O objeto do planejamento se define como desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas, os quais pretendem avaliar as implicações futuras de decisões presentes em função dos objetivos empresariais e tornará a tomada de decisões no futuro, de modo mais rápido, coerente, eficiente e eficaz. O exercício sistemático do planejamento tende a reduzir a incerteza no processo decisório e, conseqüentemente, provocar o aumento da probabilidade de alcance dos objetivos, desafios e metas estabelecidos para a empresa. O planejamento antecede à decisão e à ação. É processo de estabelecimento de um desejado estado futuro e um delineamento dos meios efetivos de torná-lo realidade.

18 14 Alguns Aspectos do Planejamento Diz respeito às implicações futuras de decisões presentes; São ações inter-relacionadas e interdependentes para o alcance de objetivos previamente estabelecidos. Os objetivos devem ser viáveis com base na validade das suas hipóteses; O produto do planejamento é o plano, que este deve ser desenvolvido pela empresa e não para a empresa. O planejamento é a função administrativa que antecede às outras (a organização, a execução e o controle), por meio do qual é possível hierarquizar e alcançar os objetivos da empresa. O que são objetivos? São os resultados finais em direção aos quais a atividade empresarial é orientada. Planejar, também, conduz à maior eficiência, à eficácia e à efetividade, compreendendo que: Eficiência significa gastar menos tempo e recursos (financeiros, materiais e humanos) na realização de atividades ou tarefas; Eficácia é a capacidade de resolver um problema. É a ação planejada e plenamente realizada; Efetividade diz respeito à empresa manter-se no ambiente por meio da permanência de resultados positivos ao longo do tempo. 3.2 NÍVEIS DE PLANEJAMENTO Os níveis em que está distribuído o planejamento estão relacionados com as escolhas feitas pelos gerentes para enfrentar problemas e aproveitar oportunidades: as decisões. A tomada de decisões requer informações internas e externas relacionadas diretamente com o nível do gerenciamento na estrutura organizacional. São classificadas de acordo com a estrutura da informação disponível no processo decisório, distribuído nos níveis da gerência estratégica, tática e operacional da empresa, sendo: a) Decisões Estratégicas: um conselho de diretores e um comitê executivo do presidente e principais executivos monitoram o desempenho da organização e sua direção geral no ambiente político, econômico e competitivo dos negócios.

19 15 Desenvolvem as metas globais, estratégias, políticas e objetivos da organização como parte de um processo de planejamento estratégico; b) Decisões Táticas ou Administrativas: os gerentes intermediários distribuem recursos e monitoram o desempenho de suas sub-unidades organizacionais, como departamentos, divisões, equipes de processo e outros grupos de trabalho. Necessitam de informações tanto em nível operacional quanto em nível estratégico para apoiar suas responsabilidades de tomada de decisões semi-estruturadas; c) Decisões Operacionais: os gerentes de supervisões desenvolvem planos de curto prazo, como os programas de produção semanal, e dirigem o uso dos recursos e o desempenho das tarefas de acordo com procedimentos e dentro dos orçamentos e programações que eles definem para as equipes e outros grupos de trabalho da organização. Quanto à estrutura da decisão: a) Não-Estruturadas: Envolvem situações de decisão onde não é possível especificar de antemão os procedimentos a serem seguidos. Levam aos objetivos estratégicos; b) Semi-Estruturadas: Alguns procedimentos de decisões podem ser préespecificados, mas não o suficiente para levar a uma decisão definitiva recomendada. Desenvolve os meios para atingir os objetivos estratégicos; c) Estruturadas: Definem os procedimentos a serem seguidos quando é necessária uma decisão. Podem ser especificados de antemão. Três tipos de planejamento podem-se distinguir na consideração dos grandes níveis hierárquicos: Planejamento Estratégico; Planejamento Tático; Planejamento Operacional. De forma genérica, podem-se relacionar os tipos de planejamento aos níveis de decisão, a pirâmide organizacional :

20 16 Pirâmide Organizacional Não-Estruturadas Semi-Estruturadas Estruturadas NÍVEL ESTRATÉGICO Decisões Estratégicas Não-Estruturadas Planejamento Estratégico NÍVEL TÁTICO Decisões Táticas Semi-Estruturadas Planejamento Tático NÍVEL OPERACIONAL Decisões Operacionais Estruturadas Planejamento Operacional Planejamento estratégico é o processo de decidir, sobre os objetivos da organização, os recursos a serem usados para atingi-los e as estratégias para obter, utilizar e dispor desses recursos. Planejamento tático é o processo de detalhamento dos meios necessários para implementar as metas das unidades funcionais, dentro de um prazo determinado e reduzido, rumo ao alcance dos objetivos da organização. Planejamento operacional lida com as operações do dia-a-dia.

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização

ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Organograma e Departamentalização DISCIPLINA: Introdução à Administração FONTE: BATEMAN, Thomas S., SNELL, Scott A. Administração - Construindo Vantagem Competitiva. Atlas. São

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

1. METODOLOGIA APLICADA

1. METODOLOGIA APLICADA 1. METODOLOGIA APLICADA O propósito do planejamento pode ser definido como o desenvolvimento de processos, técnicas e atitudes administrativas que proporcionam uma situação viável de avaliar as implicações

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES. Prof. Me. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS Prof. Me. Léo Noronha Objetivos Informação estratégica Sistema de informações como fonte de vantagem competitiva (VC) Conceito de informação estratégica

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças

Estratégias em Tecnologia da Informação. Estratégias e Mudanças Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 3 Estratégias e Mudanças Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais