CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS, MARKETING E CONTROLADORIA MARCELO ANGELO FAVARINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS, MARKETING E CONTROLADORIA MARCELO ANGELO FAVARINI"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS, MARKETING E CONTROLADORIA MARCELO ANGELO FAVARINI SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES FORMIGA-MG 2010

2 MARCELO ANGELO FAVARINI SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso de Pós Graduação MBA - Gestão Estratégica de Negócios, Marketing e Controladoria do Centro Universitário de Formiga UNIFOR/MG como requisito parcial para obtenção do título de Pós-Graduado. Orientadora: Prof. Ms. Terezinha Richartz FORMIGA-MG 2010

3 RESUMO Este trabalho aborda o tema da sucessão de empresas familiares que consiste na substituição dos proprietários-gestores na administração dessas empresas. Define o que são empresas familiares, como elas surgem e qual o seu papel na economia global. Classifica as empresas familiares em tradicionais, híbridas e abertas de acordo com o nível de interferência dos sócios familiares. Define o processo sucessório e quais as suas principais fontes de conflitos. Discorre as vantagens e desvantagens conseqüentes do processo sucessório. Aborda a necessidade de um planejamento nos níveis estratégico, patrimonial, de continuidade e de contingência que garanta o sucesso e a continuidade do processo. Levanta e define a possível necessidade de implantação dos processos de profissionalização (com suas vantagens e desvantagens) e de governança (nos níveis corporativos, societária e familiar). Define cultura e clima organizacional e os meios de realizar mudanças organizacionais. Aborda e discute processos sucessórios de empresas familiares de diversos ramos e atividades econômicas. Por fim, traz como conclusão os benefícios do planejamento detalhado e antecipado da sucessão para o crescimento econômico da empresa e da melhoria nas relações familiares e funcionais dentro das organizações. Palavras-chave: Empresas familiares. Governança corporativa. Sucessão. Profissionalização. Planejamento.

4 ABSTRACT This paper addresses the topic of succession of family businesses is the replacement of owner-managers in running these businesses. It defines what family businesses are, how they arise and what their role is in the global economy. It sorts family businesses in traditional, hybrid and open according to the level of interference from family members. Sets the succession process and what are their main sources of conflict. It discusses the advantages and disadvantages resulting from the succession process. It addresses the need for a strategic planning levels, assets, business continuity and contingency to ensure the success and continuity of the process. It rises and defines the possible need for implementation of the processes of professionalization (with its advantages and disadvantages) and governance (corporate levels, corporate and family). It defines organizational culture and climate and the means to achieve organizational change. It addresses and discusses family business succession processes of various industries and economic activities. Finally, in conclusion brings the benefits of early and detailed planning of succession to the economic growth of the company and improvement in family relationships and functional within organizations. Keywords: Family firms. Corporate governance. Succession. Professionalization. Planning.

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES Definição de empresas familiares Os tipos de empresas familiares O processo sucessório em empresas familiares Fontes de conflitos de um processo sucessório Vantagens e desvantagens da sucessão Planejamento para o processo sucessório Processo de profissionalização Vantagens e desvantagens da profissionalização Governança corporativa Governança na empresa familiar Cultura e clima organizacional Mudança organizacional Algumas empresas e seus processos de sucessão familiar Grupo Pão de Açúcar Grupo Gerdau Grupo Votorantim Grupo Frigorífico Ceratti Empresa Emplarel Empresa KEKO Empresa Castelo Alimentos Empresa Transbahia Empresa Frigorífico Macedo CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 29

6 6 1. INTRODUÇÃO As empresas familiares ocupam grande parte da paisagem econômica e social e são as formas predominantes de empresas em todo o mundo. Quase sempre, o início de uma atividade empresarial se faz da união entre parentes: cônjuges que juntam suas economias e gerenciam lojas em conjuntos; irmãos que aprendem a gerir negócios com os pais; filhos que iniciam suas atividades profissionais com suas famílias. Pessoas que sonham com o sucesso e continuidade dessas empresas familiares. Muitos dessas empresas são de pequeno porte e podem não crescer ou passar para outras gerações. Entretanto, as estimativas mais conservadoras estabelecem que cerca de 65 a 80% do total das empresas são controladas por famílias. Também é verdade que muitas delas estão entre as maiores e mais bem sucedidas do mundo ao gerar grande parte dos PIB s (produtos interno bruto) dos países e dos empregos. Estar em uma empresa familiar é algo que afeta todos os colaboradores. Existe um relacionamento sentimental que pode misturar assuntos da instituição com familiares enraizadas na sua realidade cotidiana e podem trazer conseqüências positivas e negativas. Quando dirigentes são parentes, seus valores, tradições e objetivos costumam ser comuns, o que possibilita entender melhor as preferências explicitas e as forças e fraquezas ocultas uns dos outros exigindo maior empenho, até mesmo ao ponto de auto-sacrifício em nome do bem estar geral da família. Por outro lado, essa mesma intimidade pode gerar conflitos e ir contra o profissionalismo do comportamento empresarial, tornando os papéis na família e na empresa confusos, e muitas vezes, a impossibilitar exercer autoridade sobre parentes o que gera níveis de tensão e raiva que podem destruir empresas sólidas e de sucesso. O processo sucessório é uma das maiores fontes de conflitos entre os parentes nessa empresas familiares. Esta questão é ambígua, pois a sucessão pode dar uma perspectiva nova de atuação na empresa ou levá-la a sua autodestruição, caso esteja aliada à falta de profissionalismo.

7 7 Realizar um processo de sucessão exige um planejamento antecipado que consiste na escolha do sucessor como ponto central, devendo estabelecer critérios claros que defendam os interesses da empresa. Critérios esses que irão nortear as decisões e posturas dos administradores como contratações, renumerações, tomadas de decisões na promoção de funcionários.

8 8 2. SUCESSÃO EM EMPRESAS FAMILIARES 2.1. Definição de empresas familiares De acordo com Lodi (1993), pode-se considerar uma empresa familiar quando um ou mais membros de uma mesma família exercem o controle administrativo de uma empresa, possuindo parcela expressiva sobre o capital social. Já Oliveira (1999), considera como empresa familiar quando a gestão e sucessores mantêm-se em mãos da família. Existe um preconceito de que empresa e família, quando reunidas tendem a fracassar. Porém o que se prova é que esta parceria é possível além de lucrativa. Essa visão negativa deve-se à estatísticas que comprovam que cerca da metade das empresas familiares fracassaram, quebraram ou foram vendidas na primeira etapa de sucessão para a segunda geração e cerca de trinta a quarenta por cento fracassaram na passagem para a terceira geração. Contudo, as empresas não familiares também fracassam e estima-se que as empresas tenham um ciclo médio de vida de aproximadamente sessenta anos independentemente de serem ou não familiares. O que tem que ser entendido é que não é a família que atrapalha a empresa e sim a ignorância dos problemas desse relacionamento, ou seja, a falta de um código de relacionamento. Segundo Bernardi (1995), as empresas familiares têm muitas vantagens que devem ser exploradas e bem administradas, estando abertas a mudanças e atentas ao mercado. Segundo Vidigal (1996), nos Estados Unidos a empresa familiar é encorajadas. Universidades desenvolvem programas de apoio e incentivo a essas empresas, pois são as maiores geradoras de empregos e fonte de riqueza. No Brasil, porém, há uma desvalorização preconceituosa, já que muitas delas não conseguem se livrar do perfil conservador e autoritário dos gestores diferente do perfil norte-americano. Fica claro que para uma empresa familiar de destacar e adquirir expressão ela deve deixar o perfil conservador, ou seja, abrir capital, possuir uma

9 9 gestão profissionalizada e ter racionalidade temperada com ousadia no processo de tomada de decisão gerencial Os tipos de empresas familiares Segundo Lethbridge (1994) existem três tipos de empresas familiares. O primeiro seria a tradicional, que possui o capital fechado, pouca transparência administrativa e financeira e a família exerce domínio completo sobre os negócios. O segundo tipo seria a empresa híbrida, na qual empresa também exerce domínio dos negócios, porém já se encontra profissionais não familiares na administração e possui capital aberto. O terceiro tipo seria a empresa aberta, com o domínio dos negócios entre os acionistas, porém percebe-se a intervenção e influência familiar através da participação acionária, mesmo esta estando afastada da administração cotidiana. Portanto, fica claro que independente de seu tipo, torna-se indispensável à empresa a presença de pessoas inovadoras, desprendidas de elos paternalistas e preparadas para todas as situações O processo sucessório em empresas familiares Sucessão é a substituição do proprietário-gestor fundador do empreendimento a fim de dar prosseguimento à obra projetada, criada e conduzida pelo pioneiro com enfoques e estilos de liderança e formação teórica e prática renovadas. Representa o poder de continuidade de um nome de família, da história de vida e da estruturação patrimonial ao longo das gerações sucessoras. Segundo Lansberg, apud Bernhoeft (1996), considerados os maiores consultores mundiais em empresas familiares, a garantia de sucesso está na capacidade de separar os três chapéus: o chapéu de membros da família, o chapéu de acionista e o chapéu de executivo da empresa. Não se deve misturar as figuras, os direitos e deveres de cada membro, sob a pena de se permitir a instalação de conflitos de interesses o que coloca em risco o processo sucessório e o sucesso dos negócios.

10 10 Segundo Kignel (1993), cabe ao sucedido definir as regras de sucessão. Além de planejar antecipadamente, é necessário que se faça obrigatório por força da lei e entender, quem herda por disposição legal ou vontade daquele que está dispondo de seus bens. Ainda segundo Bernhoeft (1989), os elementos constitutivos de sucessão são: o sucedido, os candidatos a sucessores, a família, a empresa, o mercado e a comunidade, nos quais cada um desses elementos têm interesses especiais e particulares na sucessão Fontes de conflitos de um processo sucessório De acordo com Cohn (1991), as principais fontes de conflitos, que uma empresa pode passar quando está em um processo de sucessão, podem ser divididos em quatro zonas: na sucessão propriamente dita, nas participações administrativas, na renumeração de cargos e nas responsabilidades do cargo para com a família e sociedade. Na zona sucessão propriamente dita, os principais conflitos surgem da necessidade de escolher alguém que ficará encarregado de planejar a sucessão, de quando ela dever ocorrer e como deverá ser feita. O simples fato de ter que determinar essa pessoa já gera o início do conflito por interesses particulares (COHN,1991). Na zona de participação administrativa, os conflitos são determinados no momento que são estabelecidas quais as pessoas que podem ou não fazer parte da empresa, quando não podem mais entrar e como é determinada a autoridade e preparação necessária para assumir um cargo, além é claro, do risco de se fazer escolhas incorretas (COHN,1991). Na zona de renumeração de cargos, os conflitos são estabelecidos, quando se definem as pessoas que podem possuir ações e como se avaliam e pagam os membros da família, o que gera ciúmes e disputa de poder pelos cargos de maior renumeração (COHN,1991).

11 11 Já na zona de responsabilidades, os conflitos aparecem desde assuntos pessoais como: casos de houver divórcios e filhos fora do casamento; até mesmo as responsabilidades com a comunidade, aos empregados mais antigos e aos outros membros da família. Os membros mais tradicionais e inovadores disputam as responsabilidades com ideologias divergentes. Enquanto os tradicionais defendem a permanência de determinados funcionários e a não entrada de novos talentos os inovadores defender o contrário Vantagens e desvantagens da sucessão Com o processo de sucessão surgem as vantagens de desvantagens às quais as empresas familiares poderão se submeter, dependendo de como será realizado esse processo. Como vantagens podem-se destacar as práticas e teorias novas do novo sucessor através de uma visão mais atualizada e em um patamar mais elevado de profissionalização e de governança corporativa. Por outro lado, no momento de assumir um elevado poder na empresa, dar-se-á início aos velhos conflitos e disputas familiares que podem ter como conseqüência a origem da falta de capital, da quebra do sigilo financeiro mal dirigido, da falta de disciplina e dedicação, da utilização ineficiente de executivos e do nepotismo. Com a falta de um sistema de planejamento, as empresas focam na melhoria exagerada da fábrica e equipamentos, gerando um sistema inadequado de controle de custos, além da grande resistência ao marketing, que pode impedir que a empresa aproveite o aparecimento de novos mercados e oportunidades de desenvolvimento. Mas um dos grandes problemas vem a ser o nepotismo. A promoção de parentes por critérios subjetivos por laços familiares e não por merecimento, que provocam uma sobrecarrega do administrador ao se vê obrigado a assumir as responsabilidades pelas tarefas não executadas e carregando nas costas os

12 12 incompetentes, deixando a gestão e planejamento estratégico da empresa comprometida. Por outro lado, acontece a renumeração inadequada de parentes competentes e merecedores dos cargos compatíveis, os quais se vêem dependentes financeiramente da instituição que detêm todo o patrimônio, desencadeando desmotivação e estagnação profissional do individuo e da empresa Planejamento para o processo sucessório De acordo com Bernhoeft (1989), independente do porte da empresa, elas devem basear-se conscientemente no planejamento em quatro níveis: nível estratégico, nível patrimonial, nível de continuidade e nível de contingência. O nível estratégico deve ser discutido pelos proprietários e define as diretivas dos planejamentos futuros da empresa traçando objetivos a serem perseguidos em um determinado prazo. Isto faz com que os gestores e funcionários não saem do foco durante o processo sucessório e garante uma continuidade da gestão antes da sucessão (BERNHOEFT,1989). O nível patrimonial deve ser discutido pelos proprietários e por todos familiares sendo de grande importância para o convívio familiar gerar ampliações via novos empreendimentos por transformar empresa simples em grupos empresariais diversificados e garantir a inclusão de vários membros da família de acordo com competências e formações acadêmicas antes não aproveitadas pelo ramo de negócio (BERNHOEFT,1989). No nível de continuidade, discutem-se as regras e os critérios democráticos e normativos, que orientarão os candidatos à sucessão, devendo ser claros e tangíveis a todos os candidatos. É fundamentalmente a discussão do futuro da liderança empresarial e sua preparação ao cargo (BERNHOEFT,1989). Já no nível de contingência, buscam-se preparar a empresa, os familiares e gestores para crises inesperadas tanto em assuntos financeiros e econômicos, como no caso de eventual afastamento do principal líder empresarial (BERNHOEFT,1989).

13 13 Assim, o planejamento de sucessão familiar tem como ponto central a escolha do sucessor que por sua vez deve respeitar a realidade da empresa familiar, eliminar os focos de resistência, possuir uma equipe competente e motivada, ser conhecedor amplo do negócio, saber trabalhar as necessidades e anseios dos clientes, saber nortear e criar o futuro da empresa, saber administrar mudanças, ter criatividade, pensar globalmente e, sobretudo, saber transformar os pontos fracos em pontos fortes. Para se chegar a este nível de planejamento e gestão administrativa, a empresa precisa passar pelos processos de profissionalização e governança corporativa Processo de profissionalização De acordo com Lodi (1993), profissionalizar uma empresa consiste no processo pelo qual uma instituição qualquer, familiar ou tradicional, assume práticas administrativas mais racionais, modernas e menos personalizadas, substituindo os métodos intuitivos pelos racionais através da integração de gerentes contratados e assalariados no meio de administradores familiares. Para Vidigal (1997) esse processo se fez necessário devido à vinda de empresas multinacionais e a abertura de mercados, obrigando as empresas nacionais e tradicionais se modernizarem e profissionalizarem para competir e sobreviver, ou mesmo se desagregar e ser absorvida por grupos estrangeiros. As empresas familiares para obterem sucesso na sucessão devem profissionalizar a família, através de treinamentos de jovens que tenham vocação para serem executivos ou treinar os futuros herdeiros não para serem executivos, mas para que sejam acionistas competentes e tenham noções básicas de legislação, de contabilidade e de administração. É importante que o processo de profissionalização seja entendido como estabelecimento de regras profissionais de eficácia e eficiência. Conforme Bernhoeft (1987), para que a profissionalização atinja níveis satisfatórios é necessária que se crie um conselho de administração com os membros ligados por laços parentescos e uma diretoria bem balanceada composta

14 14 por familiares e profissionais maduros. Ao aparecer qualquer tipo de conflito, devese evitar seu aprofundamento. Quando o objeto de conflito for área especifica ligada a um dos conflitantes, sugere-se transferir-la para um terceiro membro, mantendo as relações em um nível de respeito não afetando o nível profissional. Profissionalizar não é apenas entregar a administração dos negócios para um profissional externo, mas saber lidar com os laços emocionais a fim de não comprometer o futuro dos negócios; diferenciar herança de sucessão para que os imobilizados da empresa não venham a ser consumidos pelo ego individual e acima de tudo entender que a empresa familiar tem sua própria característica que a diferencia das demais Vantagens e desvantagens da profissionalização A profissionalização é uma das principais ferramentas para atingir o objetivo de sucessão familiar, porém traz consigo vantagens e desvantagens. Para Oliveira (1999), as vantagens baseiam-se no intercambio das experiências novas e amplas trazidas pelo novo executivo vindo de outras empresas, incorporando novos estilos de administração, além da flexibilidade para alterações de executivos, pois fica mais fácil de substituí-los devido à inexistência de laços afetivos. Já as desvantagens consistem na maneira de ser da empresa familiar ao qual o novo profissional deverá incorporar o seu estilo de administrar. Traz também maior facilidade de se perder o profissional devido às incompatibilidades de estilos ou melhores ofertas no mercado, motivado por melhores salários e benefícios (OLIVEIRA,1999).

15 Governança corporativa Outro processo eficiente para o sucesso no processo sucessório é a governança corporativa, que consiste em um conjunto de práticas formais de supervisão e monitoramento da gestão de uma organização. Visa aumentar a sua transparência no sentido de proporcionar condições para um alinhamento de interesses entre acionistas e gestores. Representa uma importante estratégia de ação, legal e normatizada, para estabelecer os canais necessários e desejados de comunicação entre a família e a empresa. Minimiza consideravelmente diversos conflitos que se fixam a nas interseções entre família, gestão e propriedade Governanças na empresa familiar Nas empresas familiares devido à coexistência e a interação de três esferas que compõem a sociedade familiar (família, empresa e patrimônio), fazem com que a dinâmica envolva questões de ordem emocional, legal, patrimonial e empresarial. Assim podem-se dividir as governanças nas três esferas: a governança familiar, a governança societária e a governança corporativa. A governança familiar deve administrar questões tais como as relações sociais e familiares; a história registrada ou verbal da família para conhecimento das gerações seguintes; um "family office" que atue como gestor dos interesses familiares; zelar e preparar a família em que se refere à conduta pessoal e postura ética, na medida que seu comportamento individual pode ter efeitos sobre a imagem da sociedade e empresa (necessitam saber que são figuras públicas e como lidar com isto); fornecer orientação e apoio para projetos pessoais; contemplar pontos comuns à educação dos herdeiros; criar instrumentos de comunicação para a família; administrar conflitos que possam surgir e evitar que os mesmos cheguem até a empresa ou mercado; despertar e treinar as novas lideranças; assumir a gestão da responsabilidade social da família na sua relação com a comunidade e finalmente manter atualizado e respeitado um código de valores familiares.

16 16 A governança societária deve possuir uma clara visão e preocupação com a liquidez do capital. Vai agir no sentido de gerir o modelo da sociedade; acordo de direitos e obrigações dos sócios; controlar a pulverização e suas implicações; realizar programas de treinamento dos acionistas para o exercício do seu papel; acompanhar o desempenho dos Conselheiros; manter um sistema de informações sobre o desempenho da sociedade para todos os acionistas; administrar o "family office" que gere o patrimônio da sociedade e de interesse comum das famílias; aprovar diretrizes para associações, fusões, incorporações ou venda de ativos; administrar o código de ética/valores da sociedade e aplicar as sanções previstas no acordo. Já a governança corporativa, pode-se dividi-las entre as estratégias corporativo-organizacionais; análise e avaliação dos resultados em representação dos acionistas e avaliação do corpo executivo no seu desempenho à frente da empresa. Além destes "conselhos" mencionados existem ainda o consultivo e fiscal, com características e finalidades muito próprias. São instrumentos úteis para o processo de profissionalização de acionistas e gestores de empresas nacionais de forma geral. As lideranças de cada uma dessas esferas exigem pessoas habilitadas e com perfil apropriado, e não resiste à falta de profissionalização dos sócios o que torna, nas empresas familiares, o controle mais delicado do que a simples lógica da administração convencional Cultura e clima organizacional As empresas, no modo geral, necessitam assumir uma postura transparente diante do seu público interno e externo e reconhecer a importância dos aspectos intangíveis para fornecer um clima organizacional favorável através da divulgação de sua cultura organizacional. Nas empresas, deseja-se que essa cultura seja espontânea, forte e homogênea e não ditadas por uma liderança a fim de suportar os objetivos da organização. Percebe-se, então, que a cultura organizacional provém das relações

17 17 interpessoais de seu quadro funcional e são oriundos da cultura e costumes das pessoas que se interagem, somando valores, normas, crenças e princípios, em que o fundador é quem mais influência neste contexto. Ainda chama-se a atenção para a sociedade em que a empresa está inserida, pois ela está diretamente interligada e suscetível aos danos excessivos da má administração, ao considerar a empresa uma instituição e não mais um ente particular de seus proprietários. Assim o período de sucessão, em que há transição de liderança, é a fase mais crítica no ciclo das organizações. O novo líder traz consigo um novo estilo de liderança e cultura e desencadeia resistências internas e externas. Dessa forma provoca grandes mudanças organizacionais, tais como a troca os membros da alta gerência por pessoas que se adaptam melhor ao seu estilo e trazem menor resistência Mudança organizacional O processo de sucessão é sem dúvida uma das maiores mudanças organizacional que uma empresa familiar pode sofrer. Para isso, deve estar preparada para agir com agilidade e capacidade de adaptação, dada a imprevisibilidade de alguns acontecimentos que certamente virão. Toda mudança gera resistência, e no caso da sucessão, a maior dificuldade é a resistência do corpo funcional. Esta deve ser trabalhada para promover as mudanças necessárias em quatro pilares: autonomia de decisão, informação, motivação e estrutura organizacional. Se as mudanças forem pequenas, deve-se trabalhar nas práticas, comportamentos ou atitudes. Agora, se as mudanças forem significativas, deve-se trabalhar nos paradigmas, ou seja, nos padrões a serem seguidos. Contudo, para não se perder durantes as mudanças são necessárias traçar as metas e determinar um fim, procurar combinar competências existentes nos colaboradores funcionais da empresa, motivar a equipe para haver uma maior aceitação ou até a cooperação entusiástica que apesar de rara são realizados por sua esperança no resultado. Aceitar exige menos esforço do que resistir.

18 18 Além da rejeição e da aceitação, pode haver a indiferença, que é uma defesa muito comum a um fato novo, por ser uma forma sutil de oposição. Outro entrave é acreditar que as pessoas podem persuadir outras a mudarem, mas o máximo que conseguem é exercer a influência. Mudança pressupõe a passagem de algo conhecido para algo novo e duvidoso e nem sempre o mais forte e inteligente sobressai às mudanças e sim aquele que melhor se adapta a elas. A mudança organizacional é continua, porém ao ocorrer a transferência de liderança, fica claro, a existência de um processo inerente a ela e o novo líder. Deve-se considerar antecipadamente e preparar a motivação do corpo funcional na cumplicidade em torno da idéia da mudança iminente Algumas empresas e seus processos de sucessão familiar Foram várias as empresas ou grupos familiares que realizaram com sucesso o processo de sucessão no Brasil. O grupo Pão de Açúcar, Gerdau, Votorantim, Frigorífico Ceratti e outras grandes empresas também familiares, passaram pelo processo e foram capazes de aproveitar as vantagens do momento para expandir e tomaram-se mais lucrativas, organizadas e profissionalizadas Grupo Pão de Açúcar Grupo empresarial de propriedade da família Diniz, fundada pelo Valentim dos Santos Diniz, atuante no ramo de distribuição e venda de produtos através de redes de supermercados, expandiu-se através de aquisições de outras empresas do ramo e da introdução de novidades no Brasil, como hipermercados e lojas de conveniência. No Grupo Pão de Açúcar, fica clara a grande preocupação do fundador em conduzir o processo sob o ponto de vista de que o Grupo precisava continuar sua trajetória de crescimento e desenvolvimento e, certamente levando em conta a

19 19 necessidade de se manter firme na disputa com a concorrência, já que atua num mercado fortemente competitivo. Parece correto interpretar que a assunção do comando por Abílio, que embora por tradição devesse assumir o controle por ser o filho mais velho, teve grande peso a experiência adquirida na superintendência do Grupo, pois certamente vinha sendo observado por seu pai desde 1956 quando começou a trabalhar na empresa. Neste Grupo, os problemas internos aconteceram como ocorrem na grande maioria das empresas familiares, com disputas internas entre os membros da família, dificuldades de ações sinérgicas em torno de um único objetivo e com momentos de fragilidade abrindo espaço para o avanço da concorrência. A diferença, é que o fundador, que ainda se encontrava na ativa, mesmo após ter encaminhado a passagem do comando da primeira para a segunda geração, retomou o poder para si, acalmando as divergências internas e evitando que o grupo fosse dividido em partes. Percebe-se, portanto, que as disputas internas, aliadas a situações de mercado, ensejaram a debilidade do Grupo, mas o próprio fundador conseguiu reverter o quadro para o reencaminhamento do processo. Resolvidas as questões, o sucessor pôde voltar a se dedicar à condução do negócio e o Grupo não só se recuperou como voltou a ocupar importantes posições no seu segmento de atuação. Mais um aspecto pode ser observado no Grupo, agora na passagem do comando da segunda para a terceira geração, pois mesmo contando com membros da terceira geração em postos importantes, o sucessor se preocupou em identificar a pessoa a sucedê-lo no comando, sob o ponto de vista da razão e não da emoção, demonstrando adequado planejamento para a condução do processo. A entrega do comando na terceira geração a um profissional externo à família, o qual já vinha atuando em áreas estratégicas da empresa, demonstra que novamente prevaleceu o desejo de continuidade e expansão dos negócios.

20 Grupo Gerdau Em 1º de janeiro de 2007, André Gerdau Johannpeter, 46 anos, assumiu a função de diretor presidente (CEO - chief executive officer) do grupo Gerdau no lugar de seu pai, Jorge Gerdau Johannpeter, 70 anos. Jorge esteve à frente da presidência do conglomerado de siderurgia desde 1983, é bisneto do fundador e permanecendo apenas no conselho de administração, ao lado dos irmãos, Frederico, Klaus e Germano. André, que desde 2002 atua como vice-presidente executivo, passou a presidir também o Comitê Executivo Gerdau (CEG), órgão máximo de direção executiva do Grupo, responsável pela proposição e implementação das estratégias aprovadas no Conselho de Administração. Essa escolha foi tomada de forma consensual entre os membros do Conselho de Administração da companhia, que concluiu que a gestão executiva deveria continuar com a família controladora, considerando a existência de profissionais capacitados para as funções designadas no novo modelo de governança corporativa. O processo de sucessão para a quinta geração da família Gerdau teve início em 2000, apoio de cinco consultorias internacionais e é considerada pelos especialistas a sucessão mais organizada já vista em uma grande empresa familiar brasileira Grupo Votorantim O comando do Grupo Votorantim, formado por quase 100 empresas, se encontra atualmente com a terceira geração da família, que reúne 23 herdeiros. Diante de um cenário que envolve processos de abertura de capitais, internacionalização das operações e a futura diluição dos ativos na quarta geração entre cerca de 60 herdeiros, a empresa optou pela adoção de um modelo de governança corporativa e sucessão que deixa a família em posições mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL

EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL EMPRESAS FAMILIARES NO BRASIL OLIVEIRA,A.P.;SANTOS,S. RESUMO Este artigo tem como objetivo desenvolver uma reflexão sobre alguns dos principais aspectos relacionados com a administração das empresas familiares,

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar

SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar SUCESSÃO O papel do RH e a Perpetuidade da Empresa Familiar Por EDUARDO NAJJAR Expert em Family Business eduardonajjar@empreenda.net Ribeirão Preto 24 Março 2013 DOWNLOAD DOS SLIDES http://slides.empreenda.net

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014

ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES. Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 ESTRATÉGIA E GESTÃO PATRIMONIAL EMPRESAS FAMILIARES Domingos A Laudisio São Paulo, 15 de julho de 2014 Existem argumentos pró e contra empresas familiares particularmente no Brasil os argumentos contra

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES

SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES SUCESSÃO EM EMPRESAS RURAIS FAMILIARES CONFLITO DE GERAÇÕES *Ciloter Borges Iribarrem *Sandro Al-Alam Elias Manutenção da escala de produção, crescimento da empresa, resultados positivos dos negócios,

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO

ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO ASPECTOS PRÁTICOS DE PLANEJAMENTO PATRIMONIAL/SUCESSÓRIO APLICADOS AO AGRONEGÓCIO * Pedro Paulo Moreira Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Após passar a vida se dedicando ao desenvolvimento de seus negócios e à formação

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

www.avstraining.com.br

www.avstraining.com.br Apresentação A AVS Training é uma empresa cujo foco é a excelência em treinamentos corporativos. No mercado atual, a grande concorrência, o mercado globalizado e as recentes inovações tecnológicas que

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados

ALMEIDA GUILHERME Advogados Associados REORGANIZAÇÃO SUCESSÓRIA E SEUS ASPECTOS por Luiz Fernando do Vale de Almeida Guilherme Sócio de Almeida Guilherme Advogados e Maria Eugênia Gadia Ulian Advogada de Almeida Guilherme Advogados I. Introdução

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP

I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP I Simpósio COACHING - Arte e Ciência CRASP COACHING EMPRESARIAL: A IMPORTÂNCIA DO COACHING COMO SUPORTE ÀS EMPRESAS ROSA R. KRAUSZ CONTRIBUIÇÃO DAS PMEs NO BRASIL (IBGE-2010) 20% do PIB brasileiro (R$

Leia mais

Empreendedores em Informática

Empreendedores em Informática Empreendedores em Informática Introdução Existem riscos e custos para um programa de ação. Mas eles são bem menores que os riscos e custos de longo alcance de uma acomodação confortável. John F. Kennedy

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes *

PLANO DE CARREIRA. Rosangela Ferreira Leal Fernandes * PLANO DE CARREIRA Rosangela Ferreira Leal Fernandes * As mudanças no cenário político, econômico, social e ambiental das últimas décadas vêm exigindo uma mudança de postura das organizações e dos profissionais

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares

A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares A Importância do Processo de Profissionalização nas Empresas Familiares O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Governança é sinônimo de transparência. As Pessoas precisam saber que não estão criando adversários

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Motivar pessoas para o foco da organização

Motivar pessoas para o foco da organização PORTWAY Motivar pessoas para o foco da organização Série 4 pilares da liderança Volume 3 4 pilares da liderança Motivar pessoas para o foco da organização E m Julho de 2014, fui procurado por algumas diretoras

Leia mais

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha. PLANEJAMENTO DA SUCESSÃO É definido como a transferência do negócio familiar. Pesquisas revelam que os fatores sexo e ordem de idade dentro da família, são os últimos e menos importantes para a escolha.

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais