P la no. B a nda L a rg a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P la no. B a nda L a rg a"

Transcrição

1 de P la no N a c io na l B a nda L a rg a 1

2 Sumário 1. Im p o r tâ n c ia E s tr a té g ic a 2. D ia g n ó s tic o 3. O b je tiv o s e M e ta s 4. A ções 5. In v e s tim e n to s 6. G o v e r n a n ç a e F ó r u m B r a s il D ig ita l 2

3 1. I m po rtâ nc ia E s tra tég ic a 3

4 A importância da Banda Larga 1. F e r r a m e n ta p a r a in c lu s ã o d ig ita l in c r e m e n ta r a c id a d a n ia e 2. M e lh o r ia n a p r e s ta ç ã o d e s e r v iç o s p ú b lic o s (Governo Eletrônico) 3. C a ta lis a d o r a d e d e s e n v o lv im e n to e c o n ô m ic o (Estudo 2009 Banco Mundial cada 10% de penetração implica 1,38% de incremento no PIB per capita) 4. In te r io r iz a ç ã o d e d e s e n v o lv im e n to 5. P r in c ip a l p la ta fo r m a d e c o m u n ic a ç ã o d o fu tu r o 4

5 A importância da Banda Larga Cidadãos Educação, qualificação profissional e desenvolvimento social Inserção econômica e emprego, inclusive fora dos grandes centros Opções de lazer e cultura Empresas Governos Instrumento para execução de políticas públicas (educação, saúde, segurança pública, entre outros) Ampliação dos canais de comunicação entre cidadãos e Governos e-gov Melhoria da gestão pública Integração de pequenos e médios empreendedores em cadeias produtivas de grandes empresas Aumento de produtividade Interação com fornecedores e compradores Inserção internacional 5

6 A importância da Banda Larga 1. A fir m a ç ã o m u n d ia l d e q u e b a n d a la r g a é in s u m o e s tr a té g ic o p a r a d e s e n v o lv im e n to p o r m e io d e p o lí tic a s p ú b lic a s 2. E la b o r a ç ã o d e P la n o s d e B a n d a L a r g a p o r d iv e r s o s p a í s e s (A u s tr á lia, C a n a d á, C o r é ia, D in a m a r c a, E U A, J a p ã o e tc ) 6

7 2. D ia g nó s tic o : B a nda L a rg a no B ra s il ho je 7

8 Diagnóstico da Banda Larga do Brasil C a ra 1. G a s to c o m ba nda la rg a na renda m ens a l per c a pita B r a s il - 4,5 % / R ú s s ia - 1,6 8 % / P a í s e s D e s e n v o lv id o s - 0,5 % V a lores no B ra s il 5 v e z e s J a p ã o / 2,7 v e z e s R ú s s ia / 2,5 v e z e s M é x ic o 1. C onc entra da A p e n a s 2 1 % d o s d o m ic í lio s c o m b a n d a la r g a, lo c a liz a d o s p r in c ip a lm e n te n o S u l, S u d e s te e C e n tr o -O e s te Velocidade da conexão à INT ERNET utilizada no domicílio (%) 1. L enta % d a s c o n e x õ e s s ã o d e a té k b p s S ó 1 % d a s c o n e x õ e s s ã o s u p e r io r e s a 8 M b p s Até 256 Kbps Fonte: IPEA (2010) / UIT (2010) / CGI (2009) 256 Kbps a 1Mbps 1 Mbps a 2Mbps 2 Mbps a 4 4 Mbps a 8 Mbps mbps 1 acima de 8Mbps NS/NR 8

9 Diagnóstico da Banda Larga do Brasil Fonte: IPEA (2010) / UIT (2009) 9

10 3. O bjetivo s e M eta s 10

11 Objetivo Geral M a s s ific a r o a c e s s o à In te r n e t e m b a n d a la r g a n o B r a s il p a r a o s c id a d ã o s, in s titu iç õ e s d o g o v e r n o, e n tid a d e s d a s o c ie d a d e c iv il e e m p r e s a s, d e m o d o a p r o m o v e r o p o r tu n id a d e s, d e s c o n c e n tr a r r e n d a e in c o r p o r a r o s c id a d ã o s h o je e x c lu í d o s d e s s e s e r v iç o O acesso em banda larga é caracterizado pela disponibilização de infraestrutura de telecomunicações que possibilite tráfego de informações contínuo, ininterrupto e com capacidade suficiente para as aplicações de dados, voz e vídeo mais comuns ou socialmente relevantes, conforme avaliação periódica a ser feita pelo Governo Federal. 11

12 Objetivos Específicos 1. R e d u ç ã o d a d e s ig u a ld a d e s o c ia l. 2. R e d u ç ã o d a d e s ig u a ld a d e r e g io n a l. 3. G e ra ç ã o d e e m p re g o, r e n d a e q u a lific a ç ã o d o s s e r v iç o s d e g o v e r n o. 4. C o m p e titiv id a d e b r a s ile ir a e in s e r ç ã o n o c e n á r io in te r n a c io n a l 12

13 Meta M A IS Q U E T R IP L IC A R A P E N E T R A Ç Ã O D E A C E S S O S E M BAN DA LAR G A P reç os 2009 R $ 49 (p r e ç o m é d io ) R $ 3 5 (c o m IC M S ) R $ 2 9 (s e m IC M S ) 2010 a 2014 P la n o In c e n tiv a d o R $ 1 5 (c o m IC M S ) < 256 kb ps 51 2 a 784 kbps 51 2 kbps (c o m lim ita ç ã o d e Fonte: IPEA (2010) / CGI (2009) M ilhões de D o m ic ílios (pla no m a is ba ra to ) + 23 Milhões de D o m ic ílios A no C a pa c ida de do D om ic ílios pla no m a is ba nda ba ra to la rg a (m ilhões ) 13

14 4. A ç õ es 14

15 Escopo de Atuação 15

16 R eg ul a ç ã o e no rm a s de in fra es trut ura I nc en ti vo s fis c a is e fin a nc ei ro s a o s ervi ç o P o lít ic a pro du ti va e te c no ló g ic a R ed e N a c io na l P la n o N a c io n a l de B a nda 16

17 R eg ula ç ão O bjetivos : a u m e n ta r a c o m p e tiç ã o n o s e to r ; d im in u ir p r e ç o s a o u s u á r io fin a l; a u m e n ta r a d is p o n ib ilid a d e d e in fr a e s tr u tu r a d e b a n d a la r g a ; in c e n tiv a r a in o v a ç ã o e o e m p r e e n d e d o r is m o 17

18 Regulação 20 a ç ões q u e e n v o lv e m a e x p e d iç ã o d e r e g u la m e n to s p e la A n a te l e a a lte r a ç ã o d e o u tr a s n o r m a s s e to r ia is, ta is c o m o : N o v o p la n o d e u n iv e r s a liz a ç ã o d o backhaul, a m p lia n d o a c a p a c id a d e d is p o n í v e l e r e d u z in d o o p r e ç o L e ilõ e s d e r a d io fr e q u ê n c ia p a r a a p r e s ta ç ã o d e b a n d a la r g a s e m fio, c o m m e n o r p r e ç o e c u s to d e o p e r a ç ã o C o n tr a p a r tid a e m P &D e em u tiliz a ç ã o e q u ip a m e n to s c o m te c n o lo g ia n a c io n a l de 18

19 Ações regulatórias Anatel (2010) R e v is ã o d a s m e ta s d e u n iv e r s a liz a ç ã o (P G M U 3 ) In te r c o n e x ã o d e r e d e s d e d a d o s C o m p a r tilh a m e n to d e r e d e s e in fr a e s tr u tu r a C o n tr a p a r tid a e m P & D e e m u tiliz a ç ã o d e e q u ip a m e n to s c o m te c n o lo g ia n a c io n a l 3 G e m to d o s o s m u n ic í p io s L e ilã o d e M H z L e ilã o d e 3,5 G H z O p e r a d o r v ir tu a l d e r e d e m ó v e l (M V N O ) 19

20 Ações regulatórias Anatel ( ) R e v is a r a r e g u la m e n ta ç ã o d e r e m u n e r a ç ã o d e u s o d e r e d e s F ix a r o b r ig a ç õ e s q u a n to à n e u tr a lid a d e d e r e d e R e g u la m e n ta r e m o n ito r a r p a r â m e tr o s d e q u a lid a d e d a b a n d a la r g a P r iv ile g ia r, n a s lic ita ç õ e s d e r a d io fr e q u ê n c ia, o u tr a s o b r ig a ç õ e s de in te r e s s e p ú b lic o (in s ta la ç ã o de in fr a e s tr u tu r a, m e n o r p r e ç o p a r a u s u á r io fin a l, m a io r o fe r ta d e c a p a c id a d e, e tc.) R e g u la m e n ta r o s p r o c e d im e n to s d e d e fin iç ã o d a s p r e s ta d o r a s d e s e r v iç o s d e te le c o m u n ic a ç õ e s d e te n to r a s d e P o d e r d e M e r c a d o S ig n ific a tiv o P M S R e s e r v a r p a r te d o e s p e c tr o d e r a d io fr e q u ê n c ia p a r a a p lic a ç õ e s p ú b lic a s fe d e r a is, e s ta d u a is e m u n ic ip a is d e in c lu s ã o d ig ita l, r e s p e ita d a a d is c ip lin a d a R e s o lu ç ã o n º 20

21 Ações regulatórias Anatel ( ) D is tr ib u ir b lo c o s d e r a d io fr e q u ê n c ia e m á r e a s d e d ife r e n te s a b r a n g ê n c ia s, d e m o d o a v ia b iliz a r a p a r tic ip a ç ã o n a s lic ita ç õ e s d e g r a n d e s, m é d ia s e p e q u e n a s p r e s ta d o r e s d e s e r v iç o s d e te le c o m u n ic a ç õ e s U s a r o F U S T n a a m p lia ç ã o a d ic io n a l d o b a c k h a u l e a c e s s o D a r m a is g a r a n tia s a o u s o s e c u n d á r io (s u je ito à in te r fe r ê n c ia p r e ju d ic ia l) d e r a d io fr e q u ê n c ia p o r p e q u e n o s e m ic r o p r e s ta d o r e s R e g u la r d ir e ito s e d e v e r e s r e la c io n a d o s a o p r o v im e n to d e a c e s s o, h o s p e d a g e m e c o n te ú d o, e s ta b e le c e n d o m e c a n is m o s e x tr a ju d ic ia is p a r a r e s o lu ç ã o d e c o n flito s Im p o r c o n d iç õ e s r e g u la m e n ta r e s à s p r e s ta d o r a s d e te n to r a s d e P M S q u e fa c ilite m o a c e s s o e x p e d ito à s u a in fr a e s tr u tu r a o c io s a p a r a fin s d e c o m p a r tilh a m e n to p o r o u tr a s p r e s ta d o r a s d e s e r v iç o s d e te le c o m u n ic a ç õ e s R e g u la m e n ta r m o d e lo d e a u to r iz a ç ã o c o n v e r g e n te p a r a s e r v iç o s d e in te r e s s e c o le tiv o 21

22 N o rm a s de infra es trutura O bjetivo: a m p lia r a d is p o n ib ilid a d e d e in fr a e s tr u tu r a d e b a n d a la r g a 22

23 Normas de infraestrutura I m pla nta r duto s e/ou fibra s óptic a s pa ra redes de telec om unic a ç ões em nova s obra s públic a s de infra es trutura E x e m p lo s : r o d o v ia s, fe r r o v ia s, lin h a s d e tr a n s m is s ã o d e e n e r g ia, g a s o d u to s e o u tr o s A ç ã o r e a liz a d a : a im p la n ta ç ã o d e d u to s e fib r a s n o tr e m d e a lta v e lo c id a d e (T A V ) e s tá a c o r d a d a c o m a A N T T O brig a r o c o m pa rtilha m ento da infra es trutura públic a e priva da já ins ta la da (duto s, pos tes, to rres etc.) pa ra a im plem enta ç ã o de redes de telec om unic a ç ões S itua ç ã o: m in u ta s d e n o r m a s r e g u la m e n ta r e s e m d e b a te 23

24 I nc entivo s fis c a is e fina nc eiro s O bjetivo : r e d u z ir s u b s ta n c ia lm e n te o p r e ç o d o a c e s s o e m b a n d a la r g a 24

25 Incentivos fiscais e financeiros (1 /3 ) D es onera ç ã o do FU S T pa ra pequena s e m édia s pres ta do ra s (opta ntes pelo S im ples ) A lv o : m a is d e p r e s ta d o r e s d e b a n d a la r g a (9 7 % ) C u s to d a d e s o n e r a ç ã o : R $ ,1 7 p o r a n o (b a s e 2009) A r r e c a d a ç ã o d o F U S T e m : R $ ,7 7 25

26 Incentivos fiscais e financeiros (2 /3 ) M o dem pa ra T o dos : d e s o n e r a r o s m o d e m s d e P IS /C O F IN S E s tim a tiv a d e c u s to d a d e s o n e r a ç ã o : R $ m ilh õ e s p o r a n o Fina nc ia m ento pa ra m ic ro, pequeno s e m édio s pres ta dores de s erviç os de telec o m unic a ç õ es e L A N H O U S E S (C a rtã o B N D E S ) E s tim a tiv a d e r e c u r s o s : R $ 1 b ilh ã o ( ) Fina nc ia m ento pa ra c ida des dig ita is (P M A T - B N D E S ) 26

27 Incentivos fiscais e financeiros (3 /3 ) P la no inc entiva do de pres ta ç ã o de s erviç o em ba nda la rg a C o ndiç õ es í n im o d e k b p s $ 1 0,0 0 m e n s a is, n ã o in c lu í d o IC M S r a n q u ia d e download: m í n im o d e M B fe r ta a u tô n o m a : s e m modem e s e m fid e liz a ç ã o 27

28 P o lític a pro dutiva e tec no ló g ic a O bjetivo : d e s e n v o lv e r a in d ú s tr ia n a c io n a l d e e q u ip a m e n to s d e te le c o m u n ic a ç õ e s 28

29 Política produtiva e tecnológica (1 /5 ) P ro du to c om T ec no lo g ia N a c io na l Foco do PNBL P ro du to c o m PPB * P ro du to I m po rta do * Processo Produtivo Básico 29

30 Política produtiva e tecnológica (2 /5 ) ina nc ia m ento à a quis iç ã o de equipa m ento s de telec o m unic a ç õ es de tec no log ia na c iona l c om c o ndiç ões diferenc ia da s, a tra vés do B N D E S V o lu m e d e C r é d ito a o lo n g o d o P N B L ( a ): R $ 6,5 0 b ilh õ e s (e s tim a tiv a ) M a is d e 1 0 e m p r e s a s p o s s u e m p r o d u to s c o m c e r tific a d o d e T e c n o lo g ia N a c io n a l e m itid o s (fonte: B ND E S ) 30

31 Política produtiva e tecnológica (3 /5 ) I nc luir o FU N T T E L c om o nã o -c o nting enc iá vel, junto a os dem a is fundos vinc ula dos a c iênc ia e tec nolo g ia O F U N T T E L é o fu n d o d e fo m e n to à p e s q u is a e d e s e n v o lv im e n to e s p e c í fic o p a r a o s e to r d e te le c o m u n ic a ç õ e s M a is de 80% d o s r e c u r s o s d o F U N T T E L fo r a m c o n tin g e n c ia d o s e m 2009 F U N T T E L : ú n ic o fu n d o s e to r ia l q u e n ã o e s tá in c lu í d o n a r e g r a d e d e s c o n tin g e n c ia m e n to p r e v is ta Im p a c to ( ): lib e r a ç ã o d e R $ 1,7 5 b ilh ã o 31

32 Política produtiva e tecnológica (4 /5 ) D es c onto de 100% do I P I inc idente s obre equipa m entos de telec o m unic a ç õ es c o m tec nolog ia na c io na l A m p lia ç ã o d a r e d u ç ã o d o IP I d e 9 5 % p a r a % I m pa c to : R $ 3,7 5 m ilh õ e s 32

33 Política produtiva e tecnológica (5 /5 ) U s a r o po der de c o m pra g overna m enta l pa ra fom enta r a tec nolo g ia na c io na l C o n fe r ir d ir e ito d e p r e fe r ê n c ia a p r o d u to s c o m te c n o lo g ia n a c io n a l n o s p r o c e s s o s d e c o m p r a g o v e r n a m e n ta l J á p r e v is to n a L e i d e In fo r m á tic a e n a L e i G e r a l d e T e le c o m u n ic a ç õ e s M in u ta d e D e c r e to já e la b o r a d o p o r M P, M C T e B N D E S 33

34 R ede N a c io na l O bjetivo : u s a r a s fib r a s s o b d o m í n io d a U n iã o p a r a m e lh o r a r a in fr a e s tr u tu r a d e b a n d a la r g a d o P a í s 34

35 Rede Nacional Intranet do Governo Federal Modernização da Administração e dos Serviços de Governo Eletrônico Suporte a Políticas Públicas Massificação da Banda Larga e Desenvolvimento Regional Integração com Redes Existentes e Futuras Estaduais, Municipais, Metropolitanas e Privadas 35

36 Rede Nacional O fe r ta d e backbone, backhaul e p o s s ib ilid a d e d e a c e s s o, p r e fe r e n c ia lm e n te e m p a r c e r ia c o m o m e r c a d o, p r e s ta d o r a s, in ic ia tiv a s lo c a is, r e d e s c o m u n itá r ia s e m u n ic ip a is, c o o p e r a tiv a s, la n h o u s e s e te le c e n tr o s Fo c o prio ritá rio R e d e c o r p o r a tiv a fe d e r a l n a s c a p ita is (S E R P R O, D A T A P R E V, DATASUS, ECT e RNP) P o n to s d e g o v e r n o e d e in te r e s s e p ú b lic o L o c a lid a d e s s e m p r e s ta d o r e s d e s e r v iç o d e c o m u n ic a ç ã o c o m p r e ç o e le v a d o o u b a ix a a tr a tiv id a d e e c o n ô m ic a e m á r e a s d e b a ix a r e n d a n a s r e g iõ e s m e tr o p o lita n a s 36

37 Rede Nacional Gestão de infraestrutura TE LE B R Á S E m p r e s a c o n s titu í d a e e m a tiv id a d e M a r c a n a c io n a l c o n s o lid a d a n o m e r c a d o O b je to s o c ie tá r io c o m p a tí v e l c o m o p r o p ó s ito d o PNBL A tiv id a d e e x c lu s iv a c o m fo c o n a g e s tã o d a b a n d a la r g a Q u a d r o d e c o la b o r a d o r e s e s p e c ia liz a d o s M e lh o r a lte r n a tiv a e n tr e a s o p ç õ e s a v a lia d a s 37

38 Rede Nacional 2010 Chesf Abrangência Brasília + 15 Capitais Utilização km (Anéis SE e NE) Eletronorte Furnas 15 Capitais Brasília/DF Recife/PE Palmas/TO Aracaju/SE Goiânia/GO Maceió/AL São Luís/MA Salvador/BA Teresina/PI Vitória/ES Fortaleza/CE Rio de Janeiro/RJ Natal/RN Belo Horizonte/MG João Pessoa/PB São Paulo/SP Fibras ópticas: Petrobras e Eletrobras Petrobras 38

39 Rede Nacional 2014 Abrangência Brasília + 25 Capitais Utilização km (Brasil) Chesf Consórcio Eletronorte F u rn a s Outras Redes Petrobras Eletrosul Fibras ópticas: Petrobras e Eletrobras 39

40 Rede Nacional P la no de a ç ã o 2010 Im p la n ta ç ã o d o n ú c le o p r in c ip a l d a r e d e (backbone) n o D F e e m 1 5 e s ta d o s (A n e l N o r d e s te e S u d e s te ) C o n s tr u ç ã o e p r o v im e n to d e a c e s s o a c o r p o r a tiv o s d o G o v e r n o F e d e r a l n a s c a p ita is 96 p o n to s L e v a r backhaul a c id a d e s, o fe r e c e n d o a c e s s o a p o n to s d e g o v e r n o (p r io r id a d e s : e d u c a ç ã o, s a ú d e e s e g u ra n ç a ) 40

41 5. I nves tim ento s 41

42 Investimentos Estimados ( ) D es o nera ç õ es R $ 1 1,3 6 m ilh õ e s (F U S T p a r a p e q u e n a s e m é d ia s p r e s ta d o r a s ) R $ m ilh õ e s (P IS /C O F IN S d e M O D E M s ) R $ 3,7 5 m ilh õ e s (a m p lia ç ã o d a r e d u ç ã o d e 9 5 % p a r a % d a a lí q u o ta d e IP I p a r a e q u ip a m e n to s d e te le c o m u n ic a ç õ e s c o m te c n o lo g ia n a c io n a l) I nves tim ento em P es quis a & D es envo lvim ento R $ 1,7 5 b ilh ã o (F U N T T E L ) C a pita liza ç ã o da T elebrá s R $ 3,2 2 b ilh õ e s C rédito B N D E S R $ 6,5 0 b ilh õ e s - fin a n c ia m e n to a a q u is iç ã o d e e q u ip a m e n to s d e te le c o m u n ic a ç õ e s d e te c n o lo g ia n a c io n a l c o m c o n d iç õ e s d ife r e n c ia d a s R $ 1 b ilh ã o fin a n c ia m e n to p a r a m ic r o, p e q u e n o s e m é d io s p r e s ta d o r e s d e s e r v iç o s d e te le c o m u n ic a ç õ e s e la n h o u s e s (C a r tã o B N D E S ) 42

43 6. G o verna nç a e Fó rum B ra s il D ig ita l 43

44 Governança Comitê Gestor de Inclusão Digital (Decreto 6.948/09) Secretaria Executiva GPR Assessoria Permanente Infraestrutura e Serviços de Telecom MC Aplicações e Serviços MP/MS Conteúdo MinC/MEC Política Industrial e Inovação MCT/ MDIC 44

45 Governança M em bros do C o m itê G es to r do P rog ra m a de I nc lus ã o D ig ita l - C G P I D 1. C a s a C iv il 2. G a b in e te P e s s o a l d o P r e s id e n te d a R e p ú b lic a 3. S e c r e ta r ia d e C o m u n ic a ç ã o S o c ia l d a P r e s id ê n c ia d a R e p ú b lic a 4. M in is té r io d a s C o m u n ic a ç õ e s 5. M in is té r io d a C iê n c ia e T e c n o lo g ia 6. M in is té r io d a E d u c a ç ã o 7. M in is té r io d a F a z e n d a 8. M in is té r io d a C u ltu r a 9. M in is té r io d o P la n e ja m e n to, O r ç a m e n to e G e s tã o 9. S e c r e ta r ia d e A s s u n to s E s tr a té g ic o s d a P r e s id ê n c ia d a R e p ú b lic a 45

46 Fórum Brasil Digital O b je tiv o s F o r m u la r p la n o d e a ç ã o d e lo n g o p r a z o p a r a o s te m a s e s tr a té g ic o s d e te c n o lo g ia s d e in fo r m a ç ã o e c o m u n ic a ç ã o (T IC s ) P r o d u z ir m in u ta s d o s in s tr u m e n to s n o r m a tiv o s n e c e s s á r io s à e x e c u ç ã o d o p la n o e s tr a té g ic o C r ia r e d ifu n d ir c o n h e c im e n to s o b r e T IC s Q u a lific a r e e s tim u la r o d e b a te p ú b lic o s o b r e p o lí tic a s r e la c io n a d a s a T IC s A n á lis e e s o lu ç ã o d e d iv e r g ê n c ia s 46

47 Fórum Brasil Digital C om pos iç ã o do Fórum 47

48 Fórum Brasil Digital - Metodologia 48

49 Fórum Brasil Digital - Temas 49

50 Fórum Brasil Digital - Subtemas 50

51 Fórum Brasil Digital - Subtemas 51

52 Fórum Brasil Digital - Subtemas 52

53 Fórum Brasil Digital - Subtemas 53

54 Próximos passos - PNBL 54

55 Obrigado! C ezar A lvarez planalto.gov.br 55

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 07 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 07 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 07 de maio de 2010 1 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimentos 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 8 de junho de 2010 1

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 8 de junho de 2010 1 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 8 de junho de 2010 1 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimentos 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19

C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C ontextualização his tórica da operacionalização da R es olução C onama 258/99 1/19 C iclo de vida : Do pneu novo ao pneu us ado FABRICAÇÃO IMPORTAÇÃO MERCADO Pneus Novos EXPORTADOS Pneus novos Fora do

Leia mais

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde

O P a pel da M ídia no C o ntro le da s P o lític a s de S a úde B ra s ília, 26 de s etem bro de 2009 C o ntro le da s P o lític a s de L uiz R ibeiro FU N Ç Ã O D O J O R N A L I S M O J o r n a lis m o é a a tiv id a d e p r o fis s io n a l q u e c o n s is te e

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

IN S A In s titu t N a tio n a l

IN S A In s titu t N a tio n a l IN S A : U m a re d e d e 5 e s c o la s s u p e rio re s d e e n g e n h a ria O INS A de Rennes existe desde 1966 R ouen O INS A de Rouen existe desde 1985 O INS A de S trasbourg existe desde 2003 R

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE AUDITORIA IA CLÍNICA A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE Auditoria é em um exame cuidadoso e sistemático das atividades desenvolvidas em determinada empresa ou setor, cujo objetivo é averiguar

Leia mais

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação

E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H. Plano de Ação E mpresa B rasileira de S erviços Hospitalares EBS ER H Plano de Ação 1 C O N T E X TO (R es ulta do s R E H U F) D es de s ua c o nc epç ã o o R E H U F tem a tua do : N a fo rm a de Fina nc ia m ento

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica

Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009. Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica Ministério Público Federal, B rasília 8 de junho de 2009 Leonardo C. Fleck, C ons ervação E s tratég ica P r e o c u p a ç ã o c o m a q u a lid a d e d o s g a s to s p ú b lic o s e m c e n á r io

Leia mais

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re

A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua lida de em D es envo lvim ento de S o ftw a re Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br contato@primeup.com.br +55 21 2512-6005 A va lia ç ã o de R is c o s A plic a da à Q ua

Leia mais

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09

Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião AESBE 10/02/09 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas Estaduais de Saneamento Básico - AESBE Padrões de lançamento para Estações de Tratamento de Esgotos Domésticos Reunião

Leia mais

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o

R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o R E DE MA IS VIDA R e de de A te nç ã o à S a úde do Ido s o C ic lo d e D e b a te s : "1 C liq0 u e Ap a ra n eo d ita s r do eo s tilo Ed o ssta u b tí tu lo to m e s tre d o Id o s o E lia n a M á

Leia mais

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o

lh e c o n fe re o in c is o II d o a rt. 4 º d o Re g u la m e n to d o D e p a rta m e n to -G e ra l d o Pe s s o a l (R-1 56 ), a p ro v a d o PORTARIA Nº 1 6 4 -D G P, D E 4 D E NOV E M B RO D E 2 0 1 1. Alte ra a d is trib u iç ã o d e e fe tiv o d e m ilita re s te m p o rá rio s, p a ra o a n o d e 2 0 1 1. O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO

Leia mais

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O.

U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. U M P R O G R A M A E S P E C I A L D E M O B I L I D A D E I N T E R N A C I O N A L E M C I Ê N C I A, T E C N O L O G I A e I N O V A Ç Ã O. C o n s e lh o N a c io n a l d e D e s e n v o lv im e n

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU

A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU Secretariado Executivo Bilíngüe/Office Administration 127 A COMUNICAÇÃO COMO ELEMENTO MOTIVACIONAL DOS ALUNOS INGRESSANTES NO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGÜE DA FAZU INTRODUÇÃO O p re s e n te

Leia mais

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013

R eg is tro de P rodutos R em edia dores. Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 R eg is tro de P rodutos R em edia dores Cintia M. Araújo Souza CCONP/CGASQ/DIQUA Brasília, 12/03/2013 Remediadores Ambientais LEGIS LAÇÃO ES PECÍFICA: Res olução CONAMA nº 314, de 29/10/2002 D is põe

Leia mais

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA

AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA AGÊNCIA AMBIENTAL FEDERAL AMERICANA - USEPA Emenda ao 40 CFR Parts 261, 266, 268 e 271 Documento: FERTILIZANTES À BASE DE ZINCO PRODUZIDOS A PARTIR DE MATERIAL SECUNDÁRIO PERIGOSO Julho/2002 S U M Á R

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s

PROGRAM A + V IDA. P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s PROGRAM A + V IDA P o lític a de Á lc o o l, Fum o e O utra s D ro g a s da S ec reta ria de S a úde R ec COSTA ife JOÃO do MARCELO Coordenação Clínica do CAPS AD Eulâmpio Cordeiro SMS-PCR (DSIV) Coordenação

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o

Ote r m o tr a b a lh o d e riv a d o la tim v u lg a r tr ip a lia r e, q u e s ig n ific a m a r tiriz a r c o m o TRABALHO VOLUNTÁRIO E TRABALHO RELIGIOSO A lic e M o n te ir o d e B a r r o s* Sum ário: TRA BA LH O V O LU N TÁ RIO ; Introdução; Conceito; Term o de adesão; Ressarcim ento de Despesas; O trabalho voluntário

Leia mais

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software

Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Uma Nova Geração de Ferramentas para Gestão de Processos de Software Coordenação Profa Carla Alessandra Lima Reis Prof Rodrigo Quites Reis http://www.processode Roteiro Introdução Elementos Motivadores

Leia mais

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011

Oferta Significado 2011. Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão. Setembro 2011 Oferta Significado 2011 Candidaturas POPH 3.2, 8.3.2 e 9.3.2 Formação para a Inovação e Gestão Setembro 2011 Data para submissão das Candidaturas: Até 10 de Outubro 2011 Financiamento Formação Geral Micro

Leia mais

As marcas dos castigos na infância

As marcas dos castigos na infância Seminário Educar Sem Castigo Discutindo o Projeto de Lei 7672/2010 As marcas dos castigos na infância Cida Alves Núcleo de Prevenção da Violências e Promoção da S aúde S MS de Goiânia Rede Não B ata Eduque

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Rogério Santanna dos Santos Brasília, 29 de Setembro de 2009 Mercado Banda Larga - Operadoras Empresas 2007 (x1000) 2008 (x1000) % Crescimento Ano 2007 Telefonica

Leia mais

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.

E V O L U Ç Ã O D O S S IS T E M A S D E M O N IT O R A M E N T O N A G E R Ê N C IA D E R IS C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com. E V O L U Ç Ã O D O S S I S T E M A S D E M O N I T O R A M E N T O N A G E R Ê N C I A D E R I S C O D A N IE L R U S S I F IL H O russi@sascar.com.br HISTÓRICO 1994 - in í c io d o s r a s t r e a d

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos

Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Avaliação, Tecnologias, e Custos Sociais e Econômicos Eduardo L.G. Rios-Neto Belo Horizonte, 11 de outubro de 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO: I. Comentários Gerais Introdutórios II. III. IV. Pareamento de

Leia mais

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G

G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o. U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e C a m p i n a G r a n d e U F C G M E T O D O L O G I A U T I L I Z A D A P E L O P E T C O M P U T A Ç Ã O D A U F C G P A R A M I N I S T R A R C U R S O S DE I N F O R M À T I C A B À S I C A G r u p o P E T C o m p u t a ç ã o C u

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o

E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o E fe itos fina nc e iros do S im ple s N a c iona l: L im ite s de s ua utiliza ç ã o fre nte a o ordeg rana o m a d om, R Se 2nto 6 d e Ju n h jurídic o d e 2 01 0 B ra s il - 4 º ou 5 º P I B? P ré -

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e

Ciclo de Palestras. Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e Ciclo de Palestras UDia do Farmacêutico OBJETIVO Celeb ra r o d ia d o p ro fissiona l fa rm a c êutic o c om c a p a c ita ç ões q ue p ossa m Instrum enta liza r e a tua liza r os p rofissiona is c om

Leia mais

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

16/02/2014. Masakazu Hoji. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Uma Abordagem Prática. 5a. Edição Editora Atlas. Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DMNSTRÇÃ FNNCER Uma bordagem Prática 5a. Edição Editora tlas Masakazu Hoji NTRDUÇÃ À Capítulo 1 DMNSTRÇÃ FNNCER 1.1 dministração financeira nas empresas 1.2 ntegração dos conceitos contábeis com os conceitos

Leia mais

Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações

Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações GOVERNO FEDERAL AÇÕES PÚBLICAS PARA IMPLEMENT TAÇÃO DE BANDA LARGA BRASIL. Jovino Francisco Filho Secretaria de Telecomunicações BANDA LARGA INFRAESTRUTURA PARA REDUÇÃO DAS DISPA ARIDADES REGIO ONAIS BANDA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO Departamento de Engenharia GRANDES EVENTOS SISTEMA INTEGRADO DE MONITORAMENTO 1 EVENTO DATA E HORA LOCAL TIPO E OBJETIVO DURAÇÃO INTERFERÊNCIAS

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Reconhecido Pela Portaria Nº 1.705 De 18 de Outubro de 2010,

Leia mais

P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s

P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s P a n o r a m a d o s e to r fe r tiliz a n te s H e n r iq u e M a ia R ib e ir o S u p e r v is o r c o m e r c ia l G u s ta v o N. G. P. R o s a S u p e r v is o r té c n ic o FE R TI L I Z A N TE

Leia mais

Princípios Básicos. Sindicância

Princípios Básicos. Sindicância Princípios Básicos Da Sindicância ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É a atividade concreta e imediata que o Estado desenvolve para a consecução dos interesses da coletividade. 1 O servidor público ao ser investido

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re

O b ra s da C o pa 2 0 1 4. P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re O b ra s da C o pa 2 0 1 4 P re fe it u ra Mu nic ipa l de P o rt o A le g re RE C URS OS Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Ma triz de R e s po n s a b ilida de s Assinada em 13 de janeiro de 2010

Leia mais

e Caracterização Não-Superior

e Caracterização Não-Superior Evolução e Caracterização da Formação Pós-Secundária Não-Superior em Portugal O O Estado da Arte Cristina Reis Rede de Escolas Objectivos: 1º - Perceber a evolução desta tipologia de oferta formativa.

Leia mais

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Prof. Dr. Jorge O. Trierweiler Departamento de Eng. Química (DEQUI) Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) D imens õ es do P ro blema do L ixo Q ua lquer s o luç ã o tem que s er a na lis a

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2

O siste ma foi de se nvolvido e m C # atra vé s da fe rrame nta Microsoft Visual S tudio 2008. Banco de dados Microsoft S QL S e rve r 2008 r2 His tó ric o O de s e nvolvime nto do S is te ma Voto E le trônico do Ministé rio P úblico do E stado de S ão P aulo te ve s e u início e m 2009 com a fina lidade de automatiza r os proce ssos e le itorais

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Mesa 1: Acesso à banda larga: onde chegamos com o PNBL e o que temos pela frente Brasília, 3 de Junho de 14 CGI.br Comitê Gestor da Internet

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE

ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE N 5 / junho/julho - Cuba - Sergipe - 2011 Médicos de ciência e consciência Informativo Eletrônico ESTUDANTES E MÉDICOS FORMADOS EM CUBA PREPARAM A III CARAVANA DA SAÚDE EM SERGIPE Palestra sobre Cuba em

Leia mais

C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S

C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S 1 3C A P A C ID A D E D E S U P O R TE A M B IE N TA L N A S R E G I 0 9 E S M E TR O P O LITA N A S R e in a ld o D ia s 1 3IN TR O D U 0 5 0 1 O - U rba niza 0 4 0 0 o n 0 0 o pla neja da - C onurba

Leia mais

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde

Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Consulta de Atas de Registro de Preços da área da Saúde Passo a passo para consulta ao Banco de Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. W Favoritos I ~ la..q.,ft >> CJJ lij ~ ~ Página Segurança

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

Análise e Concepção de Sistemas

Análise e Concepção de Sistemas Análise e Concepção de Sistemas de Informação Caso de Estudo Versão 1.0 HouseWorks 2004-2005,QWURGXomR O pres en te docu m en to tem com o objectivo a pres en ta r o en u n cia do do projecto de s u porte

Leia mais

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS

CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE SERVIÇOS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS CATMAT SISTEMA DE CATALOGAÇÃO DE MATERIAIS CATSER SISTEMA DE

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC

XPath e XQuery. Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC XPath e XQuery Carina F. Dorneles dorneles@inf.ufsc.br - UFSC Navegação/acesso aos dados em XML E n c o n tra r o s e le m e n to s a tra v é s d e c a m inhos q u e in d iq u e m o c o n te x to d e ta

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia

Sustentabilidade e Facilites. Prepared for: O ar condicionado de alto. desempenho em edifícios. comerciais CAPÍTULO. Metodologia II Seminário de Sustentabilidade e Facilites 2010 Prepared for: O ar condicionado de alto desempenho em edifícios comerciais CAPÍTULO 1 Metodologia Capítulo 1 Eficiência Correspondência ou adequação de

Leia mais

V is ã o g era l T I no G overno Federa l

V is ã o g era l T I no G overno Federa l V is ã o g era l T I no G overno Federa l C lique para editar o estilo do subtítulo mestre B rasília, abril 2014 R o teiro A G overnança de TI a tua ç ã o es tra tég ic a do governo G overno D igital c

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle

Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Audiência Pública CFFC - Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Brasília, 17 de abril de 2012 Visão Geral AC Rio Branco Venezuela Boa Vista Manaus AM Hub Satélite RR Porto Velho Rede de fibra ótica

Leia mais

BedZED é um bairro ecológico no sul de Londres cuja concepção permite atingir impressionantes taxas de economia nos consumos domésticos.

BedZED é um bairro ecológico no sul de Londres cuja concepção permite atingir impressionantes taxas de economia nos consumos domésticos. BedZED é um bairro ecológico no sul de Londres cuja concepção permite atingir impressionantes taxas de economia nos consumos domésticos. O BedZED atinge taxas de redução de 88% no aquecimento, 57% na utilização

Leia mais

Caio Bonilha 10 out 2012

Caio Bonilha 10 out 2012 Caio Bonilha 10 out 2012 1. Banda Larga no Brasil Cobertura do Mercado de Banda Larga Conexões Banda Larga por Região 62% 17% 8% 3% 10% Centro-Oeste Nordeste Norte Sudeste Sul Fonte: Anatel SICI Junho/2012

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA.

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA. A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DAS CONDICIONALIDADES PARA O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA. PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Tra n s fe rê n c ia d e re n d a c o m c o n d ic io n a lid a d e s Ca ra c te rís tic a s : Fo c a

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

. D A D O S I N I C I A I S 1.1 N a t u r e z a e fi n a l i d a d e d a e d i f i c a ç ã o : i n d i ca r o ti p o d e e d ifi ca ç ã o ( e x : e s c o l a r u r a l co m 0 2 s a l a s, e sc o la u r

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de 1 Mbps for ofertado por R$ 15 em todos os municípios Se pacote PNBL de 1 Mbps for

Leia mais

Alfabetização e analfabetismo

Alfabetização e analfabetismo Alfabetização e analfabetismo desafios para as políticas públicas o O bserva tório da Educação e da juventude PELO CONTRO LE SOCIAL DAS POLÍTICAS PÚBLICAS Alfabetização e analfabetismo desafios para as

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DAS ZONAS BALNEARES - QUALIDADE DAS ZONAS ENVOLVENTES

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DAS ZONAS BALNEARES - QUALIDADE DAS ZONAS ENVOLVENTES PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DAS ZONAS BALNEARES - QUALIDADE DAS ZONAS ENVOLVENTES Área Funcional de Engenharia Sanitária -Setúbal 1. PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Objectivos do programa Actividades

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Tecnologias disponíveis e as possíveis parcerias com a RNP

Tecnologias disponíveis e as possíveis parcerias com a RNP Tecnologias disponíveis e as possíveis parcerias com a RNP Encontro Provedores Regionais Rio de Janeiro Julho/2014 Agenda Tecnologias e tendências em redes ópticas; Oportunidades de negócio com a RNP.

Leia mais

Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado

Desafios para a construção de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Desafios para a construção" de uma rede de telecomunicações governamental no Estado Cristiane Lima Guadagnin Cardoso I Semana Estadual de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC Maio 2015. 1 AGENDA

Leia mais

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB

- 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB - 15G0078G130 - MÓDULO USB INSTRUÇÕES DA INTERFACE PARA ASAC-0/ASAC-1/ASAB Emitido em 15/6/2012 R. 01 Este manual é parte integrante e essencial do produto. Leia atentamente as instruções contidas nele,

Leia mais