ANÁLISE DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS JOHNSON & JOHNSON

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS JOHNSON & JOHNSON"

Transcrição

1 ESPM ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING Pós-Graduação em Liderança Estratégica de Negócios e Pessoas Pós-Graduação em Gestão de Vendas e Relacionamento Pós-Graduação em Gestão de Projetos ANÁLISE DO AMBIENTE DE NEGÓCIOS JOHNSON & JOHNSON Alessandra Dias Guglieri, Camila Kosciuk, Camila Maciel, Denise Preto de Oliveira, Itiara Giordani, Karin Grau, Mariana Escoto, Priscila Gonçalves e Viviane Tonezer Porto Alegre Setembro/2010

2 2 Resumo Executivo O presente trabalho foi desenvolvido com a finalidade de demonstrar a importância estratégica do gerenciamento e planejamento nas organizações, em especial na empresa Johnson & Johnson UN, através da análise das estratégias de formulação desse gerenciamento e do ambiente de negócios onde a empresa atua, é possível averiguar se a missão, visão e valores da organização estão compatíveis com o setor de atuação do mercado. Com o propósito de atingir os objetivos traçados para esse trabalho e buscar conhecimentos significativos que possibilitem conhecer os principais aspectos relacionados ao tema de estudo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e um estudo setorial e empresarial do mercado, dos concorrentes e da empresa, com o objetivo de verificar e analisar as cinco forças competitivas entre elas: fornecedores, ameaça de novos entrantes no mercado, concorrentes, substitutos e compradores bem como o macro ambiente identificando as ameaças e oportunidades apresentadas, foram analisados e estudados também seus stakeholderes e sua cadeia de valores. O mercado de ações da empresa e seu crescimento de lucro líquido nos últimos dois anos estão apresentados em forma de gráficos e tabelas, facilitando assim o entendimento dos interessados no estudo. Por último o trabalho apresenta a matriz PFOA da empresa Johnson & Johnson e a análise das estratégias empresariais com base nos autores Ansoff e Portter.

3 3 Sumário Resumo Executivo 2 1. J & J: Uma empresa a serviço da saúde e do bem-estar Johnson & Johnson no Brasil - Qualidade e Inovação Mudando Hábitos Preocupação permanente Sustentabilidade na Johnson & Johnson Nosso Negócio, Visão, Missão, Valores/Nosso Credo Core Business Visão Análise de Visão da Johnson & Johnson Missão Análise da Missão da Johnson & Johnson Valores/Nosso Credo Fatores Chaves de Sucesso (FCS) Análise interna das cinco forças e do macro ambiente com a identificação das ameaças e oportunidades Fornecedores Ameaça de novos entrantes Concorrentes Substitutos 17

4 4 2.5 Compradores Macro Ambientes Análise da cadeia de valores e stakeholderes Cadeia de valores Stakeholderes Ações da Johnson & Johnson no mercado Crescimento em valores (R$) mensais da Johnson & Johnson Principais Acionistas Diretos Principais Acionistas Institucionais Principais Acionistas de Fundos Mútuos Matriz PFOA (SWOAT) Identificação das análises estratégicas empresariais (ANSOFF e PORTER) 30 Considerações Finais 31 Sugestões e Limittações 32

5 5 1. Johnson & Johnson: Uma empresa a serviço da saúde e do bemestar. A Johnson & Johnson nasceu em 1886 no Estado de New Jersey, nos Estados Unidos. Os irmãos Robert, James e Edward Johnson montaram uma empresa com instalações modestas, com o intuito de criar a primeira fábrica no mundo a produzir uma compressa cirúrgica asséptica pronta para o uso, que reduziria a ameaça de infecção hospitalar. Naquela época, as taxas de mortalidade no pós-operatório chegavam a 90% em alguns hospitais. E não por acaso, porque o algodão comum era recolhido do chão das tecelagens e utilizado durante as cirurgias. A compressa que a Johnson & Johnson criou foi baseada nas teorias então revolucionárias do cirurgião inglês Joseph Lister. Ele identificou a presença de germes no ar, que seriam a fonte de infecção nas salas de cirurgia. O visionário Robert Johnson se interessou pelas descobertas de Lister e estudou uma aplicação prática para elas. Fabricando compressas e desenvolvendo novos processos de esterilização, a corporação iniciou sua expansão internacional em 1919, com a abertura de uma filial no Canadá. Dois anos mais tarde, a empresa deu o primeiro passo na diversificação de seus produtos com o lançamento do BAND-AID, uma de suas criações mais usadas e conhecidas. Com seu crescimento, a empresa foi se organizando em divisões e subsidiárias e hoje está presente em 51 países, nos cinco continentes, com produtos comercializados em mais de 175 países. Empenham-se atualmente em todo o mundo na fabricação de produtos cirúrgico-hospitalares, de primeiros socorros, para higiene de crianças, produtos de higiene oral, farmacêuticos, de higiene feminina e outros produtos destinados a manter a saúde e o bem-estar dos consumidores. Com isso, a Johnson & Johnson é considerada a maior e mais diversificada Companhia de cuidados com a saúde do mundo, sempre a serviço da saúde e do bem-estar.

6 6 1.1 Johnson & Johnson no Brasil - Qualidade e Inovação A Johnson & Johnson do Brasil é uma das maiores afiliadas do grupo fora dos Estados Unidos. Sua chegada ao país (Móca - São Paulo) aconteceu em 1933 para suprir o mercado brasileiro com produtos de uso hospitalar e doméstico, como algodão, gaze, esparadrapo e compressas cirúrgicas, entre outros. Desde então, lançou produtos pioneiros, produzindo em escala industrial o primeiro esparadrapo antialérgico, os primeiros soros para diagnósticos sanguíneos, agulhas e suturas cirúrgicas, as primeiras compressas estéreis e descartáveis para pronto uso. Nessa trajetória, a Corporação detectou necessidades, treinou mão-de-obra, investiu em infra-estrutura, esclareceu o consumidor, cresceu e ganhou destaque. O Brasil dava, assim, os primeiros passos rumo à auto-suficiência na produção de material cirúrgico e hospitalar. 1.2 Mudando Hábitos Em 1934, o lançamento do MODESS, primeiro absorvente descartável do mercado, revolucionou o modo de pensar da mulher brasileira. Historicamente, em 1947 há destaque para o lançamento do BAND-AID em nosso país. Com elevado crescimento, as instalações às margens do Rio Tamanduateí logo se tornaram insuficientes para absorver todas as atividades da empresa. Em 1954, o Parque Industrial da Johnson & Johnson foi instalado em São José dos Campos, distante 72 quilômetros de São Paulo, onde hoje se concentra toda a produção de seus produtos. Mais uma vez, falando em produtos, na década de 70, o lançamento de SEMPRE LIVRE (primeiro absorvente aderente do mercado) e das fraldas descartáveis modificaram os conceitos de higiene para mulheres e bebês, respectivamente. Em 1984, a chegada de SUNDOWN iniciou as discussões sobre a necessidade de cuidados durante a exposição ao sol. Já em 2004, a organização inova novamente com a criação da Linha Johnson`s Soft, produtos para adultos que produzem a sensação de pele macia dos bebês.

7 7 1.3 Preocupação Permanente Desde que a Johnson & Johnson veio para o Brasil, seus funcionários têm "feito a diferença" nas comunidades onde vivem. Muito antes de as empresas começarem a voltar seus olhos para a responsabilidade social, ela buscou atuar junto à comunidade, contribuindo para o desenvolvimento social da região. Em 1976, foi criada a Escola de Enfermagem Robert Wood Johnson, com o objetivo de suprir a carência de profissionais para trabalhar na área da saúde. O Programa Casa Aberta com a Comunidade promove a troca de experiências entre a Johnson & Johnson Brasil e representantes de entidades sociais. Já através do Programa Menor Carente - Jovem Trabalhador, jovens de 16 a 18 anos realizam estágios remunerados em áreas administrativas da Johnson & Johnson Brasil. A parceria para Habilitação Profissional beneficia portadores de deficiências físicas e mentais, que recebem treinamento profissionalizante e realizam atividades dentro da Companhia. Ainda participa de diversas campanhas institucionais promovidas pela Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de São José dos Campos com o objetivo de estimular seus funcionários a ajudarem os menos favorecidos. 1.4 Sustentabilidade na Johnson & Johnson O biênio 2008/2009 mostra importantes conquistas na área. Destacam-se a implantação de dois importantes projetos de metas. O Healthy Planet 2010, que estabelece objetivos de redução de impactos industriais, e o Global Health 2012, de metas que visam melhorar a saúde dos funcionários.

8 Segue abaixo algumas linhas de produtos que merecem destaque: 8

9 9 Estrutura Padrão Unidade SUL Centro de Custo 1405 ALEXANDRE LEMOS Ger. Unidade de Negócios SUL Glauco Bernardis Finanças UN SP / SUL Sede: São Paulo - 2o. andar Fabiana de Mello Auxiliar Administrativo JJPT Inácio Fortunato Estagiário Sede: São Paulo Paula Zortéa Assistente UN Luiz Augusto Tavares Grouper de Desenvolvimento de Negócios José Pedro B. Assis Estagiário Felipe Silva Trainee Anelise Bittencourt Analista IOV Sede: Porto. Alegre Felipe Silva Trade UN. Etiene Braga Sup. Merchan Alim + Farma Sede: Porto. Alegre Kelli C. Hilgert Coordenadora SAC Sede: Porto. Alegre Anderson C. Silva Sup. Merchan Alim + Farma Sede:. Curitiba Márcia Pires Analista SAC. Fernanda Nau Analista SAC

10 10 Unidade SUL Centro de Custo 1405 ALEXANDRE LEMOS Diretor Unidade de Negócios Sul LUCIANO MACHADO Ger. Peq. Varejo (Sul) Gerente de Vendas ROBERTA MAIA Ger. KA Regional (RS + PR) Gerente de Vendas BERNARDO COELHO Ger. KA + Med. Var (PR/SC) Sede: Curitiba Gerente de Vendas RICARDO GARCIA Ger. Farma Sul Sede: Florianópolis Gerente de Vendas RAFAEL MATTAR Ger. Transfer Farma Sul Gerente de Vendas ANTÔNIO A. CARNEIRO Projeto Transfer Farma Sede: São Paulo Gerente de Vendas André Hanauer Diego S. Silva Giovani Cristofolini Sede: Itajaí Camila Kosciuk Antônio Fernandes Sede: São Paulo Juliano Ovalhe Renato Berdichevski Vinícius Santos Sede: Florianópolis Carlos Eduardo Andrade Antonio R. Silva Sede: São Paulo Trainee Tovar Machado Jr Sede: Passo Fundo Rodrigo Larronda Marcos A. Meneguetti Sede: Curitiba Paulo Weber Camila Teodoro Sede: São Paulo Assistente TM Douglas Amaro Sede: Florianópolis Leopoldo Borja Sede: Curitiba Sérgio Lopes Sede: Curitiba Delceu Baumgarten Sede: Florianópolis André Miranda Sede: Curitiba Haroldo Silva Sede: Curitiba Osvaldo Mayer Sede: Curitiba Vilcléia Machado Sede: Curitiba Eduardo Frazão Sede: Cascavel No quadro abaixo estão apresentados os colaboradores da UN Sul que totalizam quarenta e cinco: 01 Gerente Regional (Head); 01 IOV (Inteligência de Operações e Vendas); 01 Grouper Desenvolvimento de 02 Supervisores de Merchandising; Negócios; 06 Gerentes Regionais; 01 Finanças; 22 Gestores de Negócios; 01 Coordenador de SAC; 02 Trainees; 02 Analistas de SAC; 02 Trade Marketing; 01 Assistente de Vendas; 01 Auxiliar Administrativo; 02 Estagiários;

11 Nosso Negócio, Visão, Missão, Valores/Nosso Credo: Core Business: Produtos de saúde, higiene e beleza Visão A Visão atual da companhia é expressa da seguinte forma: A Johnson & Johnson promoverá o bem-estar de cada pessoa, fazendo parte de sua vida, pelo menos uma vez por dia, desde sua infância até a maturidade Análise da Visão da Johnson & Johnson: Dentro do Planejamento Estratégico do Negócio, sabemos que a Visão deve descrever de forma sucinta e inspiradora um estado futuro desejável para a empresa, respondendo basicamente o que ela é (Missão), no que acredita (Valores) e o que deseja ser (Objetivos). Para evidenciar estes três itens citados, principalmente a Missão da organização, sugerimos a alteração da Visão para: A Johnson & Johnson do Brasil promoverá, através de seus produtos de higiene, saúde e beleza o bem-estar de cada pessoa, fazendo parte de sua vida, pelo menos uma vez por dia, desde sua infância até a maturidade Missão A Missão da Johnson & Johnson é divulgada como sendo: Ser uma companhia de saúde, higiene e beleza que cresce acima do mercado através de superior satisfação do consumidor e dos clientes.

12 Análise da Missão da Johnson & Johnson: De acordo com os princípios da administração e planejamento estratégico, a Missão deve definir a razão de ser da organização, alinhando quatro pontos importantes e o quinto como facultativo conforme apresentado abaixo. Salientamos que paralelo aos questionamentos, respondemos o quê a Missão da empresa esclarece e/ou insinua. 1. O que a empresa faz? Produz produtos de saúde, higiene e beleza. 2. Como ela faz? Com qualidade, gerando satisfação do cliente e consumidor. 3. Para quem? Para o cliente e o consumidor final. 4. Aonde a empresa faz? Não mencionado. 5. Com que responsabilidade social? Não mencionado. Observa-se que a Missão da empresa J&J é de fácil entendimento e compreensão, contudo deve responder aonde a empresa faz, podendo ser reformulada conforme conclusão do grupo para: Ser uma companhia de saúde, higiene e beleza que cresce acima do mercado através de superior satisfação do consumidor e clientes brasileiros Valores/Nosso Credo Os Valores são convicções claras e fundamentais que a empresa defende e adota como guia para a gestão do seu negócio, devendo ser explícitos, éticos e compartilhados. Os Valores da Johnson & Johnson são baseados em uma carta de princípios escrita em 1943 por Robert Wood Johnson, filho do fundador da

13 13 empresa e responsável pela transformação de um pequeno negócio familiar em um empreendimento mundial. Em um documento de uma página, denominado Nosso Credo, Robert Johnson definiu a responsabilidade da Companhia para com seus consumidores, empregados, comunidade e acionistas, colocando os consumidores em primeiro lugar, o Credo representou um novo conceito no gerenciamento de negócios. O documento defende que a Empresa deve ir além da simples fabricação e venda de seus produtos. Escrito há mais de 50 anos, ele abordou temas como meio ambiente e responsabilidade social, muitas décadas antes desses assuntos estarem em evidência. Robert Johnson defendeu que o Nosso Credo deveria ser aplicado a todo o momento, na busca de respostas mais adequadas aos problemas do dia-adia da Empresa. Hoje, esses valores estão presentes nos escritórios e fábricas da Johnson & Johnson em todo o mundo. Todos os funcionários participam de uma pesquisa periódica para avaliar se as responsabilidades defendidas no Credo estão sendo aplicadas. Esta avaliação serve como parâmetro para que os diretores da Johnson & Johnson planejem as ações e o futuro da Empresa. Abaixo apresentado o Nosso Credo, carta responsável pela definição dos valores da empresa Johnson & Johnson:

14 Nosso Credo 14

15 Fatores chave de sucesso (FCS) São condições julgadas necessárias para que uma empresa tenha sucesso em determinado ramo de negócios, desta forma, podemos avaliar os líderes no setor em que atuam, descobrindo as razões que as permitiram atingir esta posição. Para uma análise mais aprofundada, devemos levar em conta aspectos estruturais e aspectos relacionados à percepção do cliente, assim, o grupo definiu para o setor de saúde, higiene e beleza os seguintes fatores chave de sucesso: Inovação e Tecnologia além da reputação que não é um fator visível Investir constantemente em profundos recursos na área de Pesquisa & Desenvolvimento, contribuem de forma definitiva para tornar as companhias verdadeiras campeãs no quesito inovação. A grande preocupação em garantir produtos inovadores - com qualidade, segurança e eficácia, está alinhada com a preocupação de entender estilos, hábitos e costumes dos consumidores, produzindo bem-estar e melhorando a qualidade de vida de cada indivíduo da sociedade através de suas criações. As marcas líderes de mercado, em diversas linhas de produtos, são consideradas inovadoras em virtude do pioneirismo no território brasileiro, entre outros fatores. Também, através de consultorias e softwares modernos (Nielsen, por exemplo), as companhias do setor buscam acompanhar as vendas e distribuição de seus produtos nacionalmente. Monitorando estas informações, elas conseguem traçar um panorama de cada mercado e desenhar táticas de venda de acordo com o perfil de cada cliente/consumidor. 2 Analise interna das cinco forças e do macro ambiente, com a identificação das ameaças e oportunidades 2.1 Fornecedores Devem ter oportunidade de auferir um lucro justo. Todos os fornecedores precisam atender aos requisitos de segurança, sendo eles: qualidade, limpeza, 5S, justin time, como forma de padronização e força do abastecimento de matéria

16 16 prima, por haver essa matéria disponível em outros segmentos também não possuem o poder de barganha. 2.2 Ameaças de novos entrantes No setor higiene o que atrapalha a entrada de novos concorrentes é a inovação e a qualidade dos produtos, quando se sabe que o mercado já esta saturado dos mesmos algumas empresas perdem a excelência de mercado, como, por exemplo: o absorvente de uso externo líder de mercado Sempre Livre. O segmento deste produto está saturado devido à diversidade de marcas e modelos, possuem share volume 31,2%, e o concorrente Intimus Gel, com share volume 28,3%. Já no segmento de absorventes de uso interno, o O.B, perdeu a liderança devido à falta de inovação e promoções ao consumidor. O surgimento de novidades tecnológicas, práticas modernas contribuem para a criação de novos produtos que agem como substitutos no setor, uma barreira de entrada de novos fornecedores é a dificuldade para licenciamento, regulamentação, padrões de meio ambiente e taxação. Diferenciação do Produto: Inovação, rapidez na distribuição do produto deve ser marca consolidada no mercado entre as empresas atuantes, com isso podemos citar a J&J como uma marca forte, consolidada no mercado, que cria uma barreira para a entrada de novos concorrentes, pois estes dependem de grandes investimentos de capital para quebrar a hegemonia da marca. A tecnologia se estende cada vez mais no setor aumentando a curva de aprendizado dos concorrentes, permitindo assim que todos se aprimorem ainda mais. 2.3 Concorrentes A rivalidade entre os concorrentes assume uma forma de disputa por posição. Os principais concorrentes de mercado são: Setor de higiene: Unilever (enxaguatorio bucal Plax, escovas e fios dentais) Kimberly Clark (Linha infantil, Intimus Gel e Intimus Day). Setor Beleza: La Roche Posay (dermocosmeticos), Vichy (dermocosmeticos).

17 17 Setor Saúde: Sanofi Aventis (Dorflex), Nycomed (Neosaldina), GSK (Niquitin). Salientamos que a Procter e Gamble (P&G), é uma das concorrentes que atuam em todos os setores do mercado, 2.4 Substitutos Neste quesito os líderes do setor não sofrem a pressão de substituição devido à qualidade, inovação e tradição de seus produtos. 2.5 Compradores Os compradores competem com a indústria forçando os preços para baixo e tendo o poder de barganha. Somente os compradores de grande porte são atendidos diretamente pela J&J, eles são: (rede WMS, CIA Zaffari, Carrefour, Condor Muffato, Nissei, distribuidoras: Dimed, Santa Cruz, Genecio, ANB, entre outros) e distribuidores (giro Brasil, Azambuya, Diprosul, JC Calegaro). Os compradores de pequeno porte são atendidos por distribuidores citados acima.

18 Macro Ambiente ANÁLISE DE MACRO-AMBIENTE AMBIENTE VARIÁVEL TENDÊNCIAS AMEAÇA OPORTUNIDADE ECONÔMICO Economia Brasil Crescimento da Economia brasileira 4,6% em 2011 sobre o crescimento de 7,5% em PIB Per Capta Aumento do PIB em 4.5%. Principal concorrente com fábrica no RS, aumento da quantidade de novos produtos ofertados; Com crescimento da produção industrial, haverá conseqüentemente aumento de vendas de bens de consumo. Fomenta a economia gerando assim maiores negócios à empresa. Nível de Emprego Aumento de vagas em 3%. Aumento na produção. Internet Aumentar a velocidade de Informação. Busca de informações sobre produtos. TECNOLÓGICO Surgimento de Novas Ferramentas de Marketing Aumentar Permitem gerenciar as necessidades do consumidor, adequando os produtos a cada perfil.

19 19 Tecnologia - P&D Cada vez mais investimentos nesta área. Os líderes do setor tem recursos para investimento e usam deles para criar produtos inovadores. SÓCIO CULTURAL Transformação de Hábitos e Atitudes Demanda por produtos Direcionamento específico para linhas de produtos POLÍTICO LEGAL Resultado das Eleições Leis de Proteção à Ecologia Dilma Rouseff vencer a disputa pela Presidência da República. Aumentar a cobrança sobre a sustentabilidade. José Serra como Presidente em função da influência sobre os remédios genéricos Divisão do negócio em setores regionais; Os líderes do setor possuem programas e recursos para investimento em desenvolvimento sustentável. SETORIAL Fornecedores Clientes Crescimento da concorrência Crescimento no nível de exigência Maior possibilidade de preço / benefício. Oferta de produtos de qualidade e inovadores.

20 20 3 Análise da Cadeia de Valores e Stakeholders 3.1 Cadeia de Valores Infraestrutura da empresa Financiamento: CooperJohnson cooperativa de credito para funcionários. A CooperJohnson Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados da Johnson e Johnson, fundada em Janeiro de 1973, em São José dos Campos, partiu de uma iniciativa dos próprios funcionários da companhia. Uma cooperativa constitui uma sociedade que pode ser criada por um pequeno grupo de pessoas, que formarão, com recursos individuais, um capital coletivo que deve garantir suas atividades. Diferencia-se dos demais tipos de sociedades por ser, ao mesmo tempo, uma associação de pessoas e também um negócio. Dentre todos os ramos do cooperativismo, a CooperJohnson se enquadra no Cooperativismo de Crédito, ou seja, é uma instituição financeira e, como tal, oferece produtos e serviços bancários. A diferença é que o cooperado é dono desse banco e se beneficia dessa condição com juros baixos e rendimentos maiores Trabalhando com uma Cooperativa, você conta com a vantagem do crédito fácil, sem burocracias e maior segurança. Planejamento: Relações com Investidores: Administração de Recursos Humanos: Desenvolvimento Tecnológico: Aquisição: Entrada Operações Saída Marketing e Vendas Serviços e Pósvendas Atividades Principais:

21 21 Atividades de Apoio Logística de Entrada Infraestrutura da Empresa (Financiamento, Planejamento, Relações com Investidores) Gerenciamento dos Recursos Humanos (Recrutamento, Treinamento, Sistema de Compensação) Desenvolvimento Tecnológico (Design de Produtos, Teste, Design de Processo, Pesq. de Materiais, Pesq. de Mercado) (Almoxarifado, coleta de Dados, Atendimento, Acesso ao Cliente) Operações (Montagem, Fabricação de Componentes, Operações das Filiais) Compras (Componentes, Maquinário, Propaganda, Serviços) Logística de Saída (Processamento de Pedidos, Armazenagem, Preparação de Relatórios) Marketing e Vendas (Força de Vendas, Propaganda, Feira e Shows, Redação de Propostas) Serviços pós-venda (Instalação, Apoio ao Cliente, Assistência Técnica) M M A E R G Cliente Atividades Principais Analisando a cadeia de valores da empresa em questão destacam-se como pontos fortes e pontos fracos da J&J: Cooperativa de empréstimos aos funcionários com juros baixíssimos; Ótimos ambientes de trabalhos, escritórios modernos e bem localizados; Treinamentos com freqüência em assuntos diversos (capacitação profissional); Pesquisa de mercado freqüente baseado na leitura Nielsen, das principais franquias (Sempre Livre, Listerine, Sundown e RoC); Propagandas desenvolvidas para atingir o público alvo, em mídia, internet e revistas; Força de Venda altamente qualificada e treinada; Propagandistas com visitação em Dermatologistas, Pediatras e Dentistas; Possui um Time de SAC para atendimento direto ao cliente por UN, possibilitando localizar a mercadoria, o que foi faturado e possíveis devoluções; Pontos Fracos: Existem 3 CD s ( Centro de Distribuição no Brasil Extrema, Nova Odessa e João Pessoa ), com isso a entrega aos clientes levam de 7 a 15 dias; Entrega somente de cargas fechadas ( carretas ), ou seja, atendimento direto somente em clientes de Grande Porte ou Distribuidores.

22 22 Com essas atividades de apoio bem estruturadas atingimos uma margem de lucro considerada uma das melhores para o segmento de mercado que a Johnson atua, todos esses aspectos bem definidos fazem com que os nossos clientes estejam satisfeitos com o produto final oferecido. Como ponto fraco, podemos citar a ausência de um processo de pós venda diretamente com o cliente, como a Johnson está a muitos anos no mercado e por prestar um serviço de qualidade e excelência, acaba não se preocupando tanto com as pesquisas de mercado, escuta sim seu consumidor, mas não possui um serviço específico de pós venda. Com base na apresentação acima e na análise da cadeia de valores podemos afirmar que dentro do setor de beleza, saúde e higiene, a Johnson conta com atividades de apoio bem estruturadas, o que a coloca em uma excelente posição de mercado perante suas concorrentes. 3.2 Stakeholders Acionistas Propriet ários Diretores Gerentes Fornecedores Empresa Clientes e Usu á rios Terceiros Comunidade Colaboradores Gerentes: treinamento e desenvolvimento interno de liderança, coathing, de produtos, negociação.

23 23 Clientes e usuários: Programa de viabilização de produtos de forma promocional nas maternidades de hospital de algumas regiões do RS e outros estados do Brasil, da linha de produtos Johnsons Baby. Ter em todos os pontos de vendas os produtos de higiene e beleza da J&J de forma a gerar maior credibilidade, tradição, inovação e segurança. Comunidade: O Programa Casa Aberta com a Comunidade promove a troca de experiências entre a Johnson & Johnson Brasil e representantes de entidades sociais. Já através do Programa Menor Carente - Jovem Trabalhador, jovens de 16 a 18 anos realizam estágios remunerados em áreas administrativas da Johnson & Johnson Brasil. A parceria para Habilitação Profissional beneficia portadores de deficiências físicas e mentais, que recebem treinamento profissionalizante e realizam atividades dentro da Companhia. A Companhia ainda participa de diversas campanhas institucionais promovidas pela Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de São José dos Campos com o objetivo de estimular seus funcionários a ajudarem os menos favorecidos. Colaboradores: treinamento constante, feedback a cada 6 meses, coathing, liderança, negociação e produtos. Terceiros: treinamento de negociação e produtos a cada 2 meses como forma de reciclagem e aprimoramento, reuniões semanais e mensais, acompanhamento a campo no PDV, coathing e desenvolvimento de pessoas. Fornecedores: Devem ter oportunidade de auferir um lucro justo. Todos os fornecedores da Johnson & Johnson também precisam atender aos requisitos de segurança estabelecidos pela Companhia, são eles qualidade, limpeza, 5S, Just Time, como forma de padronização no abastecimento da matéria prima. Diretores: Desenvolver, recursos para a gestão de pessoas e ampliar a percepção para aspectos relacionados a liderança focada nos desempenho das pessoas e no aumento de resultado para a empresa. Acionistas proprietários: Os negócios devem proporcionar lucros adequados, experimentar novas idéias, pesquisas devem ser lavadas avante, programas inovadores e erros reparados e devem receber justa recompensa.

24 Ações da Johnson & Johnson no mercado: % de ações retidas por todos os insiders e 5% dos proprietários: % das ações retidas por instituições e proprietários de fundos mútuos: % de flutuante retida por instituições e proprietários de fundos mútuos: Número de instituições que retêm ações: 0% 65% 65% Crescimento em valores (R$) mensais da Johnson & Johnson: No gráfico acima estão representados em valores (R$), o crescimento do lucro líquido da empresa Johnson & Johnson no ano de 2009, percebemos que do mês de janeiro de 2009 á março de 2009 o crescimento no faturamento final foi de mais de 50%, já do mês de abril até o mês agosto de 2009, nota-se uma queda considerável na margem de lucro, porém de setembro até dezembro o aumento foi quase continuo, com exceção do mês de novembro onde o

25 25 faturamento apresentou uma pequena queda, porém não expressiva visto que de novembro para dezembro o aumento foi de mais ou menos R$ ,00. Acima estão apresentados no gráfico os faturamentos dos meses de janeiro a setembro do ano corrente, verifica-se que do mês de janeiro ao mês de maio a margem de lucro líquido manteve oscilação na média entre R$ ,00 a R$ ,00, a partir do mês de junho de 2010 até setembro o crescimento mostra-se bastante expressivo e continuo.

26 Principais Acionistas Diretos: Acionista Ações Relatado Weldon william c /09/2010 Deyo russell c /09/2010 Goggins colleen a /09/2010 Cosgrove stephen j /09/2010 Valeriani nicholas j /09/2009

27 Principais Acionistas Institucionais: Acionista Ações % Emitidas Valor* Relatado State street corporation ,78 $ /06/2010 Vanguard group, inc. (the) ,69 Blackrock Institutional Trust Company, N.A. $ /06/ ,69 $ /06/2010 Berkshire hathaway, inc ,50 $ /06/2010 Northern trust corporation ,50 $ /06/2010 Bank of New York Mellon Corporation ,46 $ /06/2010 State farm mutual automobile insurance co ,38 $ /06/2010 Wellington management company, llp ,17 $ /06/2010 Fmr llc ,14 $ /06/2010 Capital world investors ,07 $ /06/2010

28 Principais Acionistas de Fundos Mútuos Acionista Ações % Emitidas Valor* Relatado Vanguard total stock market index fund ,06 $ /06/2010 Vanguard 500 index fund ,92 $ /06/2010 Spdr s&p 500 etf trust ,73 $ /03/2010 Vanguard institutional index fund-institutional index ,72 $ /06/2010 College retirement equities fund-stock account ,53 $ /03/2010 Gmo quality fund ,44 $ /05/2010 Washington mutual investors fund ,42 $ /06/2010 Davis new york venture fund ,42 $ /04/2010 Spartan 500 index fund ,36 $ /07/2010 Vanguard/windsor ii ,32 $ /04/2010

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo FRANQUIA A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo A rede de franquia com maior volume de vendas nos EUA. (Real Trends 500 2011) Primeiro sistema de franquias imobiliárias da América do Norte

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Gestão Financeira e Orçamentária. Professor Tirlê

Gestão Financeira e Orçamentária. Professor Tirlê Gestão Financeira e Orçamentária Professor Tirlê Gestão Financeira e Orçamentária Gerente de Distribuidora Alimentícia; Gerente Adm. Financeiro Eng. Civil; Gerente de Empresas de Agenciamento de Carga

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio?

Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Como motivar e liderar uma equipe de alta performance no agronegócio? Matheus Kfouri Marino Camila Dias de Sá* A competitividade do agronegócio brasileiro é incontestável e resulta em taxas expressivas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Estudo de caso 3.1 História da Empresa

Estudo de caso 3.1 História da Empresa 48 3 Estudo de caso A empresa referenciada nessa dissertação é a S.S.WHITE, atualmente com 178 funcionários diretos, está no mercado há mais de 160 anos e no Brasil presente há mais de 90 anos, fabricando

Leia mais

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida!

Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Nosso sucesso é sua logística bem-sucedida! Sobre a Store Automação A Store Automação é uma das empresas líderes em TI no Brasil. Especializada em softwares orientados à logística e com vinte anos de atuação,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

CBA. Certification in Business Administration

CBA. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SEREM EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL

RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL programação do evento 4ª edição RH: GESTÃO INOVADORA ORGANIZACIONAL 10 de abril de 2014 Staybridge Suites São Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO SILVER EXPO BRAND APOIO REALIZAÇÃO Os desafios do futuro na

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos Módulo 6 Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos A organização traduzindo a missão em resultados Missão Por que existimos?

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial A Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial nasceu

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira

A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA. -feira A EDIÇÃO PAULISTA DA ECONOFARMA ESTÁ DE VOLTA -feira EM 2014, A ECONOFARMA RETORNA COM UM NOVO OLHAR SOBRE O VAREJO FARMACÊUTICO CENÁRIO ATUAL O varejo nacional projeta otimismo de crescimento para os

Leia mais