UFRRJ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS DISSERTAÇÃO. e o planejamento pedagógico: uma proposta docente participativa?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UFRRJ CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS DISSERTAÇÃO. e o planejamento pedagógico: uma proposta docente participativa?"

Transcrição

1 UFRRJ INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS DISSERTAÇÃO Trajetórias na formação superior em Administração e o planejamento pedagógico: uma proposta docente participativa? Rodrigo Carlos Marques Pereira 2007

2 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS MESTRADO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS TRAJETÓRIAS NA FORMAÇÃO SUPERIOR EM ADMINISTRAÇÃO E O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO: UMA PROPOSTA DOCENTE PARTICIPATIVA? RODRIGO CARLOS MARQUES PEREIRA Sob a Orientação do Professor Aloísio Jorge de Jesus Monteiro Dissertação submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Ciências, no Curso de Pós- Graduação em Gestão e Estratégia em Negócios. Seropédica, RJ Agosto de 2007

3 P436t T Pereira, Rodrigo Carlos Marques, Trajetórias na formação superior em administração e o planejamento pedagógico: uma proposta docente participativa?/ Rodrigo Carlos Marques Pereira f. : il. Orientador: Aloísio Jorge de Jesus Monteiro. Dissertação (mestrado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais. Bibliografia: f Administradores de empresas Orientação profissional Teses. 2. Escolas de administração de empresas Rio de Janeiro (RJ) Avaliação - Teses. 3. Administradores Educação (Superior) - Teses. 4. Planejamento educacional Teses. I. Monteiro, Aloísio Jorge de Jesus, II. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Instituto de Ciências Humanas e Sociais. III. Título. i

4 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO E ESTRATÉGIA EM NEGÓCIOS RODRIGO CARLOS MARQUES PEREIRA Dissertação submetida como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Ciências, no Curso de Pós-Graduação em Gestão e Estratégia em Negócios, área de concentração em Estratégia Empresarial. DISSERTAÇÃO APROVADA EM 20/08/2007 Aloísio Jorge de Jesus Monteiro D.Sc. UFRRJ (Orientador) Diva Lopes da Silveira Ph.D. UFRRJ Thereza Penna Firme Ph.D. CESGRANRIO ii

5 Viver e não ter a vergonha de ser feliz Cantar e cantar e cantar A beleza de ser um eterno aprendiz Ah meu Deus eu sei, eu sei Que a vida devia ser bem melhor e será Mas isso não impede que eu repita: É bonita, é bonita e é bonita. Gonzaguinha iii

6 Se um dia, já homem feito e realizado sentires que a terra cede a teus pés, que tuas obras desmoronam, que não há ninguém a tua volta para te estender a mão, esquece tua maturidade, passa pela mocidade, volta a tua infância e balbucia, entre lágrimas e esperanças, as últimas palavras que sempre te restarão na alma: Minha mãe, meu pai. Rui Barbosa Aos meus queridos pais Selma e Marques pela dádiva do amor incondicional em todos os momentos. iv

7 AGRADECIMENTOS Inicialmente me coloco na posição de um ser simples aprendiz ao ser grato a Deus pela oportunidade de fazer parte da escola da vida e superar os desafios e limitações com as vibrações de amor, amparo e proteção divinos. Mais uma vez faço um agradecimento especial à minha grande família meus pais Selma e Marques e meu irmão Claudio pelo amor, carinho, paciência, tolerância, disposição, principalmente naqueles momentos em que eu me encontrava mais sensível. Ao meu orientador Aloísio Monteiro, por todo o apoio profissional, inclusive em me socorrer ao longo de noites e fins de semana, e pelo apoio emocional, com palavras de ânimo e carinho, principalmente naqueles momentos em que as dificuldades se apresentavam. Sua calma e profissionalismo sempre me deixavam confiante ao longo da trajetória. À professora Diva Silveira, exemplo de pessoa, com quem tive o prazer de desfrutar de suas inesquecíveis aulas. Foi a grande incentivadora para que eu mudasse o foco das minhas atividades do mestrado para a área de educação nos momentos de incerteza, e que tive a honra de sua participação nas bancas de qualificação e defesa. À professora Thereza Penna Firme pelas palavras de incentivo e contribuições na apresentação deste trabalho. A todos os meus alunos, ex-alunos e colegas docentes, que representaram a motivação para a condução deste trabalho. Cabe um agradecimento especial aos professores Tânia Dias, Norma Sueli, Marco Souza, Maria da Graça Rissi, Marcos Batista, Edival Dan, César Froes, Rosana Frujuelle e Antônio Nogueira, que me acompanharam de forma mais próxima, sempre com uma palavra de ânimo. Aos docentes do Mestrado, com destaque a Zezé, Heloisa Nogueira e Ana Alice, que, foram além das aulas e puderam contribuir com suas manifestações de carinho e apreço. Aos companheiros da turma do Mestrado, com carinho especial às figuras dos amigos Francisco Ávila e Madalena Thiry pela amizade ao longo da trajetória. Aos queridos amigos do clã dos Dantas, nas figuras de Daniele, Neide, Nilza, Nívia e Alexandres Martins e Bueno, pelos momentos de alegria e paciência, com quem pude compartilhar a ansiedade e, que sempre me davam motivos para cantar uma bela canção. Aos amigos de longa caminhada, como Isabel e João Vieira, Adriana Selva, Adriana Magano, Adriana Dutra, Marcos Afonso, Creuza Fernandes, Sérgio e Marinete Cohen, Gisele Luiza, Deise Araújo, Déborah e Heloiza Mesquita, Lourdes Kishinhevsky, Lúcia Affonso e Murilo de Alencar pelas vibrações de carinho e tolerância e a todos os amigos da ASAU pela boa vontade e disposição para que esta etapa fosse concluída. Aos meus queridos familiares, nas figuras de vovós e vovôs, tios (em especial à tia Sanena in memorian), primos e aos amigos de infância João, Tatiana, Victor, Marquinho, Donaldo, Felipe, Lidiane, Marcelo, e outros que acreditam em mim até os dias de hoje. Aos meus pequeninos Dudinha, Nicolle, Allison, Anna Clara, Letícia, Stella, Stefany, por me mostrarem que a esperança renasce a cada dia. Àqueles que contribuíram de forma direta ou indireta na construção e conclusão deste trabalho. E um agradecimento especial ao querido e amado mestre Jesus, que nos mostrou que, apesar das dificuldades, nunca podemos esmorecer na caminhada. Ao longo deste trabalho, suas palavras em Mateus, cap. XI: 28 a 30, foram o meu amparo e a minha consolação: Vinde a mim, todos vós que estais aflitos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei que sou manso e humilde de coração, e achareis repouso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. v

8 BIOGRAFIA Prometo dignificar minha profissão, consciente de minhas responsabilidades legais, observar o código de ética, objetivando o aperfeiçoamento da Ciência da Administração, o desenvolvimento das Instituições e a grandeza do homem e da pátria. Juramento do administrador A intenção de falar de si mesmo, e ainda de fatos ocorridos em nossa vida significa realizar uma tarefa muito complexa, além de ser algo muito difícil. Entretanto, neste momento, senti a necessidade de rever a minha trajetória intelectual, acadêmica e profissional com o intuito de rever o passado de forma crítica, viver o presente racionalmente, para que se possa projetar o futuro repleto de esperanças e sonhos. Estas palavras introdutórias nesta biografia proporcionaram a possibilidade de exprimir o sonho e esperança num mundo melhor sob uma outra perspectiva, aliada ao compromisso ora firmado como pessoa ao nascer e ratificado no juramento feito no dia da formatura, como elemento a impulsionar o desenvolvimento das organizações e do mundo. Desde pequeno, ainda freqüentando os bancos escolares em tenra idade, sempre tive uma postura de observar minuciosamente os detalhes de como é o processo de ensinoaprendizagem. Esta postura me motivou em trabalhar com educação, porque, para mim, significa uma ideologia em que acredito e defendo como forma de transformação de nossa vida, numa sociedade mais justa, livre e democrática, em que todos possam desenhar e viver os seus próprios destinos. Entretanto, nossa vida passa por caminhos e não entendemos a razão pelo qual somos levados, mas depois compreendemos a abrangência da caminhada. O sonho que eu tinha, que eu pretendia levar a cabo, seria desenhado na trajetória como profissional de administração. Mas, aquele que deveria ter a missão de planejar, organizar, dirigir e controlar, com o propósito de ser um administrador para que pudesse contribuir e aproveitar o que as pessoas têm de bom, mesmo com o mercado agressivo e individualista, percebi que eu poderia contribuir muito mais. O chamado para a educação era mais forte. Comecei as atividades de docência no ensino superior, em que pude compatibilizar a atuação profissional de administrador e a de professor na formação acadêmica. Meu objetivo sempre foi o de inspirar jovens a ter uma postura ética e profissional no mercado de trabalho e assim, pude participar, mesmo que, de forma terminal na educação de homens que fazem parte do contexto brasileiro. E ao longo dessa ainda curta trajetória docente, alguns questionamentos sobre a prática vinham à minha cabeça e me deixavam intrigados. Mas não como dificuldade, e sim como algo que eu poderia contribuir para minimizar. E aí surgiu a oportunidade de discutir essas idéias, com o objetivo de ser útil para a formação de um mundo melhor, mesmo que seja num curso tratado como tecnicista, voltado exclusivamente para o mercado capitalista e cruel. Mesmo com um trabalho de formiguinha, tive sempre a certeza de que as coisas podem mudar e pra melhor, e que isso depende da participação de cada um. Lembro que o trabalho é muito maior, pois o objetivo é de não só desenvolver pessoas, grupos ou organizações, mas sim a nossa Pátria, cuja responsabilidade também é nossa. E fiz a minha parte, ou pelo menos, tentei. vi

9 RESUMO PEREIRA, R.C.M. Trajetórias na formação superior em Administração e o planejamento pedagógico: uma proposta docente participativa? f. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão e Estratégia em Negócios, Estratégia Empresarial) - Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Departamento de Ciências Administrativas e Contábeis, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Este trabalho tem a intenção de descrever as trajetórias na formação superior em administração e o planejamento pedagógico sob uma perspectiva docente, com a possibilidade da participação como proposta. A pesquisa teve caráter predominantemente qualitativo com traços quantitativos, e foi utilizado como estudo de caso o curso de graduação em administração de uma universidade pública do Estado do Rio de Janeiro. Na coleta de dados, foi realizada uma entrevista não-estruturada com os gestores do curso sobre a visão do curso e a percepção dos docentes em relação ao planejamento e possibilidade de participação. Num segundo momento os docentes do curso responderam um questionário sobre aspectos relacionados ao projeto político-pedagógico e a sua percepção sobre o conceito de participação. A observação não-participante foi feita num fórum sobre os rumos do curso e a pesquisa documental com base nos relatórios do curso, com ênfase na estrutura curricular. Os principais resultados apontam que os docentes querem participar, mas não sabem ou não estão devidamente sensibilizados e o papel do gestor do curso está na preparação e estimulação da participação de uma forma eficiente. Sugere-se por fim que a proposta participativa pode ser considerada uma saída para a diminuição deste hiato. Palavras-chave: Administração, Planejamento, Participação. vii

10 ABSTRACT PEREIRA, R.C.M. Trajectories in Higher Education Management and its Pedagogic Planning: a proposition for university teaching staff participation? pp. Dissertation (Professional Masters Degree of Business Management and Enterprise Strategies) Human and Social Sciences Institute, Administrative and Accounting Sciences Department, Federal Rural University of Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2007, Brazil. This work describes the management higher education trajectories and its pedagogic planning under the university teachers participation perspective. Its research methodology is mainly qualitative, but it included quantitative data as well. It has focused on a case study of the Management Course of a Federal University of Rio de Janeiro. The data have been collected by means of both an unstructured interviews applied to the course s co-ordinators, and a questionnaire answered by university teachers involved in the course. The course s coordinators perceptions about the course planning and their possible participation were the main questions proposed during their interviews; and the university teachers perceptions of both the administration course s political-pedagogic project, and the concept of teaching staff s participation as proposed by this study, were the main questions proposed in the questionnaire. Non-observational participation and documental research were two other data collection techniques used. The former was used in a forum about the courses of action to be followed by the Management Course, and the latter, used the course s reports, emphasizing its curricular structure. The main findings have pointed out that the university teachers want to participate in the course s planning and management, but they either do not know how, or are not yet well sensibilized by such a challenge. As to the managers role, it was found that it lies mainly on the university teachers participation preparation and stimulation. This study suggests that the participative proposition is an opportunity to diminish such a hiatus. Key words: Management, Planning, Participation. viii

11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Características das linhas de planejamento Tabela 2 Diferenças entre as linhas de planejamento Tabela 3 Comparativo entre planejamento tecnocrático x participativo Tabela 4 Distribuição dos docentes por áreas temáticas no DA Tabela 5 Distribuição dos docentes participantes por áreas temáticas no DA Tabela 6 Classificação do PPP quanto ao tipo de plano Tabela 7 Perspectiva temporal do PPP Tabela 8 Participantes no planejamento através do PPP Tabela 9 Foco do planejamento através do PPP Tabela 10 Importância do PPP na formação em administração Tabela 11 Razões da importância do PPP Tabela 12 Contribuição do PPP na qualidade do curso Tabela 13 Conhecimento da reconstrução do PPP do curso na instituição Tabela 14 Contribuição do docente na reconstrução do PPP Tabela 15 Articulação da disciplina com o PPP Tabela 16 Sugestão do docente para articulação da disciplina com o PPP Tabela 17 Coerência da prática docente da disciplina com as demais do curso Tabela 18 Articulação do PPP com o PPP institucional Tabela 19 Coerência entre o PPP e as Diretrizes Curriculares Nacionais Tabela 20 Integração do Colegiado e corpo docente Tabela 21 Construção do PPP e mudanças na prática docente Tabela 22 Percepção da participação de acordo com os níveis propostos por Gandin Tabela 23 Percepção da participação de acordo com a ênfase dos docentes ix

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Quantidade de cursos de graduação em administração Quadro 2 Síntese da análise do conteúdo das entrevistas Quadro 3 Síntese da percepção dos docentes x

13 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Construção da hipótese... 7 Figura 2 Mapeamento da tese... 8 Figura 3 - Modelos de reprodução/confirmação na prática pedagógica Figura 4 Relação entre a sociedade e a prática educativa Figura 5 - A sociedade heterogênea e a prática educativa Figura 6 Etapas do planejamento Figura 7 Tipos de planos Figura 8 Dinâmica do Planejamento curricular Figura 9 Caracterização das pessoas que trabalham em educação Figura 10 Formas de participação conforme controle de dirigentes e membros Figura 11 Requisitos para um planejamento eficaz Figura 12 Planejamento como forma de agir Figura 13 Planejamento como processo xi

14 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Vínculo institucional do docente Gráfico 2 Titulação do corpo docente do DA na UPF Gráfico 3 Titulação do corpo docente dos cursos de administração no Brasil Gráfico 4 Formação acadêmica dos professores do DA Gráfico 5 Tempo de magistério dos docentes participantes Gráfico 6 Tipo de atividades além da docência dos docentes participantes xii

15 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CFA CFE CNE CRA DA EAESP EBAP Enade ENC EUA FEA FGV GQT IES INEP LDB MBA MEC PE PP PPP SESu Sinaes TCC UPF USAID USP Conselho Federal de Administração Conselho Federal de Educação Conselho Nacional de Educação Conselho Regional de Educação Departamento de Administração Escola de Administração de Empresas de São Paulo Escola Brasileira de Administração Pública Exame Nacional de Desempenho de Estudantes Exame Nacional de Cursos Estados Unidos da América Faculdade de Economia e Administração Fundação Getúlio Vargas Gerenciamento pela Qualidade Total Instituição de Ensino Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Lei de Diretrizes e Bases Master in Business Administration Ministério da Educação e Educação Planejamento Estratégico Planejamento Participativo Projeto político-pedagógico Secretaria de Ensino Superior Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Trabalho de Conclusão de Curso Universidade pública fluminense Desenvolvimento Internacional do Governo dos Estados Unidos Universidade de São Paulo xiii

16 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Formulação do problema Questões de estudo Objetivos da pesquisa Objetivo geral Objetivos específicos Hipótese Justificativa do tema Delimitação do tema Esquema do trabalho Roteiro da dissertação REVISÃO DE LITERATURA Trajetórias da formação superior em administração e o resgate histórico da 10 Educação no Brasil As razões da escolarização da administração O papel da educação na profissionalização O resgate do ensino superior que antecedeu o curso de Administração no Brasil Trajetórias do curso de graduação em Administração no mundo e no Brasil Projeto político-pedagógico e proposta participativa:nuances do planejamento A necessidade do planejamento em educação Os planos definidos no planejamento O projeto político-pedagógico subsídio ferramenta do planejamento Planejamento curricular Perspectiva ideológica: planejamento estratégico, gestão da qualidade total e 49 planejamento participativo A identidade docente do ensino superior e reflexos no planejamento Democracia e autonomia: pressupostos da gestão participativa Conceito de Participação no planejamento em educação Perspectiva prática: planejamento tecnocrático x planejamento participativo Planejamento participativo como proposta? METODOLOGIA Referencial sobre a pesquisa Participantes Instrumentos de Coleta de dados Análise dos resultados RESULTADOS E DISCUSSÃO Apresentação do estudo de caso Caracterização dos participantes Participantes da entrevista Participantes do questionário Procedimentos e Resultados da coleta de dados Perspectiva dos gestores em relação ao curso e aspectos relativos à participação Planejamento e participação sob o ponto de vista dos docentes Considerações sobre a observação não-participante Estrutura curricular do curso xiv

17 5 CONCLUSÕES Considerações sobre a investigação Sugestões para futuras pesquisas REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice A Roteiro de entrevista com os gestores Apêndice B - Questionário para os docentes Apêndice C Proposta de grade curricular ANEXOS Anexo A Grade curricular do curso em Anexo B Grade curricular do curso em Anexo C Grade curricular do curso em xv

18 1 INTRODUÇÃO 1.1 Formulação do problema A educação é um elemento constituinte do novo modelo de desenvolvimento que se constrói no Brasil. Ela é vital para romper com a histórica dependência científica, tecnológica e cultural de nosso país e consolidar o projeto de nação democrática, autônoma, soberana e solidária. Para o alcance destes objetivos, as instituições de ensino superior se inserem no contexto, não somente com a missão de transmissão de conhecimentos técnico-científicos o saber fazer imprescindíveis para o desempenho dos profissionais em formação frente às atividades do mercado de trabalho, mas também propiciando a reflexão e difusão de valores sociais. Desta idéia de formação, aliada à vontade de adequação das políticas educacionais ao mercado de trabalho, os planos de governo referentes ao ensino superior no Brasil, a partir de 1995, foram norteados por vários princípios de modernização, com ênfase na expansão do sistema. No entanto, esta expansão foi relevante nos cursos de graduação, porém, a partir de uma visão distorcida, pressupõe-se a exigência de baixo investimento em instalações e laboratórios para o ensino, evidenciando grande número de matrículas nos cursos de Pedagogia, Licenciaturas, Direito e Administração, e que deve ser analisada com cuidado para que não haja comprometimento na qualidade do ensino. Conforme apresentação na Pesquisa Nacional sobre o Perfil do Administrador (2006), realizada pelo Conselho Federal de Administração (CFA), dados do INEP/MEC indicam que existiam cursos de administração espalhados pelo Brasil no fim de Quanto ao número de matriculados, o último censo deste órgão registrou, em 2004, alunos matriculados, que representam cerca de 15% do total de matrículas em todo o país. Uma vez que os cursos de administração no país proporcionam o maior acesso de estudantes no ensino superior, de acordo com os dados acima citados, faz-se necessária uma reflexão sobre a formação desses profissionais, em que as disciplinas do curso precisam desenvolver as habilidades e competências específicas relevantes, cujas definições se encontram no projeto político-pedagógico, aspecto primordial do planejamento em educação. Entretanto, a dificuldade em compreender a necessidade de um processo de planejamento e torná-lo realidade ainda existe e deve ser levada em consideração, principalmente num curso com aspectos singulares em relação às suas trajetórias, desde a sua criação, o seu nascimento na universidade, às diretrizes curriculares que norteiam os seus princípios e à postura pedagógica de seu corpo docente. Atualmente a formação em Administração contempla campos interligados de estudos divididos em disciplinas com conteúdo básico, em que, na maioria dos cursos, pode-se perceber a falta integração entre as áreas, tão necessária para o desempenho das suas atividades profissionais no futuro e exigidas pelo mercado de trabalho. Esta limitação atinge todo o curso, principalmente na dificuldade de os professores articularem o conteúdo de suas disciplinas com os demais campos, propiciada pelo perfil profissional do professor universitário, cuja formação técnica prevalece em detrimento da formação pedagógica. Para diminuir os efeitos destas restrições e melhorar a qualidade no processo de formação nesta área, espera-se que o planejamento possa ser realizado de forma participativa, em que os professores, dentro de sua área de competência e no campo de cada disciplina ministrada, forneçam subsídios e contribuições para a elaboração do projeto político- 1

19 pedagógico do curso, cuja responsabilidade normalmente é atribuída aos gestores do processo e ao colegiado do curso, um grupo escolhido dentre os membros do corpo docente. Para que a participação ocorra de forma efetiva, são necessários o envolvimento e o posicionamento do corpo docente em relação à percepção e compreensão da realidade global na qual o curso de graduação em administração está inserido, ao estabelecimento de um rumo em função da formação e das exigências do mercado, à verificação do hiato entre o atual e o desejado e à definição de caminhos por um determinado período, cujos reflexos serão percebidos no cotidiano dos professores. Entretanto, deve também ser levada em consideração dentro desta discussão, a perspectiva ideológica que a instituição de ensino superior segue como pilar em suas atividades, para que a gestão em nível de curso de graduação seja congruente aos valores e ao tipo de formação de profissional que deverá ser formado por ela. Neste caso, o papel do gestor do curso e dos docentes deve ser relevante na discussão com seus pares para a manutenção da linha predominante na instituição ou para a construção conjunta de um novo referencial para servir de modelo ideológico em suas atividades. Os desafios são grandes, abrangentes, até discutíveis, mas sua reflexão proporcionará subsídios importantes para a educação. A questão institucional ainda é mais forte, pois este estudo tratará de uma instituição de ensino superior pública, que tem o compromisso com a sociedade em oferecer um ensino público, gratuito e de qualidade, conforme os direitos constitucionais. Apesar da intenção, deve ser lembrado que mesmo as organizações escolares possuem características inerentes ao serviço público, como uma estrutura burocrática e conservadora. Sob esta perspectiva, a falta de formação pedagógica, aliada à falta de vontade, pode intensificar esta caracterização. Por conta desta problemática inicial, este trabalho tem a intenção de levantar as trajetórias da formação superior em administração numa universidade pública fluminense, com foco no conceito de participação do corpo docente na formulação do projeto políticopedagógico (PPP) do curso e se a proposta participativa é viável, a partir da análise comparativa das perspectivas dos professores do curso e dos gestores do processo de definição dos aspectos no planejamento, conforme as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em administração. 1.2 Questões do estudo Por ter apresentado característica predominantemente exploratória, no sentido de realização do diagnóstico, em princípio, esta pesquisa se baseou em questões de estudo para direcionar a investigação e assim posteriormente contribuir numa hipótese de trabalho. Os questionamentos são feitos a partir da relação do pesquisador com o objeto de estudo, tomando com base o curso de graduação em administração de forma geral no Brasil e no caso específico da instituição em questão e seus aspectos sobre planejamento e participação, conforme as questões a seguir: Quais os principais caminhos que os cursos de graduação em administração percorreram ao longo de sua trajetória, do seu início até o momento atual? De uma forma geral, quais as características que o curso apresentou ao longo de sua trajetória, ao levar em consideração o contexto histórico educacional em que ele estava inserido? E o curso numa instituição de ensino pública? Como o planejamento é visto num curso em que os docentes, em sua maioria, não possuem formação pedagógica oficial? De que forma os docentes do curso de graduação em administração percebem a concepção do conceito de participação? 2

20 O projeto político-pedagógico do curso de graduação em administração é definido através das contribuições dos docentes, articuladas com os propósitos dos gestores? Existe algum hiato entre discurso (PPP) e prática (cotidiano) no curso? Pode-se pensar numa proposta participativa para o planejamento do curso? Porém, há necessidade de levar em consideração as questões pertinentes, apresentadas anteriormente, independentemente do questionamento central de investigação desta pesquisa, apresentada no último parágrafo do item 1.1 abordado na formulação do problema. 1.3 Objetivos da Pesquisa Objetivo Geral O objetivo geral nesta pesquisa consiste em descrever a trajetória da formação superior em administração em nível de graduação, com ênfase nos aspectos referentes ao planejamento e à possibilidade participativa como proposta Objetivos Específicos Os objetivos específicos nesta pesquisa são os seguintes: Levantar os aspectos históricos do ensino de administração em nível de graduação no Brasil, embasados pelo contexto histórico da educação no período desde a sua criação; Apresentar um referencial teórico para conhecimento mais aprofundado dos conceitos de planejamento e participação, ambos no âmbito da educação; Descrever a percepção sobre aspectos do planejamento e participação do curso de graduação em administração através de pesquisa junto ao corpo docente no geral e aos gestores do processo de planejamento; Analisar o hiato entre as percepções dos gestores e docentes apresentadas anteriormente e apontar possíveis limitações no processo de planejamento; Sugerir a proposta participativa como metodologia para re(pensar) o curso de forma permanente. 1.4 Hipótese Como já apontado no item 1.2 e que será ressaltado no capítulo de Metodologia, este trabalho tem um caráter exploratório e descritivo e as questões da pesquisa serviram como subsídio para a construção de uma hipótese. Conforme Alves-Mazzotti e Gewandsznajder (2001, p.157), além de questões, a hipótese pode ser trabalhada em pesquisas qualitativas e representa uma idéia prévia do que o pesquisador faz sobre o resultado da investigação. Portanto, é a hipótese desta investigação que uma proposta participativa docente pode representar o sucesso do processo de planejamento, operacionalizado pelo projeto políticopedagógico (PPP) ao longo da trajetória na formação superior em administração. 1.5 Justificativa do tema O objeto principal desta investigação consiste no desenho das trajetórias do curso de graduação em administração no Brasil e na universidade pública fluminense em questão, e na discussão da percepção do conceito de planejamento e a participação, que são aspectos de importância fundamental na gestão dos referidos cursos. Justifica-se a reflexão sobre o tema 3

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Histórico dos cursos de Administração no Brasil

Histórico dos cursos de Administração no Brasil Histórico dos cursos de Administração no Brasil 1941 O ensino de Administração ganha identidade com a criação do primeiro curso, na Escola Superior de Administração de Negócios ESAN/SP, inspirado no modelo

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS

HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS HISTÓRICO DAS AVALIAÇÕES INSTITUCIONAIS E DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ATENAS O processo de avaliação institucional foi desenvolvido pela comunidade acadêmica da Faculdade Atenas, com o intuito

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013.

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS MACEIÓ PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Maceió, 2013. PROJETO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Maceió, 2013. SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1. HISTÓRICO DO GRUPO 2. DIREÇÃO 3. MISSÃO INSTITUCIONAL 4. VISÃO INSTITUCIONAL 5. FACULDADE PITÁGORAS 6. A COMISSÃO PRÓPRIA

Leia mais

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO

PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PROJETO DE RECOMPOSIÇÃO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (CPA) FARO PORTO VELHO 2009 PROJETO DA RECOMPOSIÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AUTO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CPA INTRODUÇÃO A avaliação

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017)

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre PLANO PLURIANUAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (2014-2017) Setembro de 2014 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 5 3. OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Ciências Contábeis Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Ciências Contábeis MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE 2012 O

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR

UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR UMA CONSTRUÇÃO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA/PARTICIPATIVA NO ÂMBITO ESCOLAR Neiva Maestro 1 A participação, sem dúvida, é o principal meio de se assegurar a gestão da escola que se quer democrática. Deve possibilitar

Leia mais

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014

Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia. Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Políticas Públicas: Impactos na Formação em Engenharia Silvia Costa Dutra Unisinos 2014 Regatando o passado Avaliando o presente Pensando o futuro Formação em Engenharia: Alguns marcos Criação da ABENGE-

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO

VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO VARIÁVEIS FUNDAMENTAIS NA DISCUSSÃO E NO PLANEJAMENTO DO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DOS INSTITUTOS SUPERIORES DE EDUCAÇÃO Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Roberto Leal Lobo e Silva Filho Diante da nebulosidade

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 138, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO

GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO GESTOR ESCOLAR: ENTRE A PEDAGOGIA E A ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO Beatriz de Castro Rosa 1 O reconhecimento acadêmico de uma Instituição de Ensino Superior decorre, dentre outros fatores, do desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13

Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 Portaria Inep nº 190 de 12 de julho de 2011 Publicada no Diário Oficial de 13 de julho de 2011, Seção 1, pág. 13 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS 1 ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS Curitiba, maio/2010 ROBSON SELEME - Universidade Federal do Paraná - robsonseleme@hotmail.com ALESSANDRA DE PAULA - Faculdade

Leia mais