Área temática: Inovação e Tecnologia da Informação. Título: Cidades Inteligentes: um novo arranjo para o desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área temática: Inovação e Tecnologia da Informação. Título: Cidades Inteligentes: um novo arranjo para o desenvolvimento"

Transcrição

1 Área temática: Inovação e Tecnologia da Informação Título: Cidades Inteligentes: um novo arranjo para o desenvolvimento David Jose Soares, UFU, Resumo O rápido processo urbanizatório que vivenciam o Brasil e o mundo nas últimas décadas tem gerado imensos problemas como a favelização, bolsões de pobreza e miséria, esgotamento dos recursos naturais, entre outros. Um novo ordenamento se faz necessário para que as cidades se tornem reais polos de desenvolvimento humano e social. Neste sentido, a utilização das tecnologias de informação e comunicação (TICs) tem muito a contribuir com essa nova ordem. Com o emergir da sociedade do conhecimento, torna-se necessário construir mecanismos capazes de dar agilidade na forma como pessoas e instituições se comunicam. Dessa forma, podem ser construídas as cidades digitais, fortemente amparadas na internet e em seus aplicativos. Essas mudanças impactam diretamente os processos de inovação e competitividade, que são intrinsicamente relacionados. Na medida em que as TICs facilitam as interações entre as mais diferentes demandas, favorecendo a inovação, as regiões se tornam mais competitivas e, portanto, mais preparadas para o mundo globalizado. Da junção entre as cidades digitais e o conceito de sociedade baseada no conhecimento surge uma nova concepção: as cidades inteligentes, que são regiões onde qualidade de vida, inovação, competitividade e conhecimento se unem para alcançarem o pleno desenvolvimento. Palavras-chave: Desenvolvimento, Inovação, Cidades inteligentes. 1 Introdução O surgimento das cidades datam de 3000 a.c. como um distinto ajuntamento populacional, Cabral (2009) salienta que seu tamanho e tipos de trabalhos realizados por seus habitantes as tornaram destacadas entre as demais povoações existentes nesse dado momento histórico, pois a atividade agrícola não era sua única função, mas também funções administrativas, artesanais, comerciais e de segurança. Já na idade média, segundo o autor, com o advento do feudalismo grandes transformações ocorreram no sistema político-econômico até então em vigência nas cidades. O novo sistema desencadeou um processo de esvaziamento e, consequentemente a diminuição das cidades, pois o nova sistemática era baseada na auto sustentação, ou seja, os habitantes retornavam ao campo para produzirem seu próprio alimento, o que por consequência reduziu a troca de mercadorias e a importância da urbanização. Contudo, no inicio do século XIII, as cidades ganharam novo fôlego graças à derrocada do feudalismo e a emergência de um novo modelo que a posteriori seria utilizado por praticamente todo o planeta, o denominado capitalismo. Desde então as cidades têm ganhado cada vez mais importância, tornaram-se o centro do comercio onde se realiza a troca de mercadorias e o acúmulo de capitais (MONTE-MÓR, 2006).

2 Em 2008 a humanidade alcançou um marco histórico: mais da metade dos habitantes da terra viviam em áreas urbanas 3,3 bilhões de pessoas. Estimativas apontam que no ano de 2030 esse número poderá chegar a 5 bilhões de indivíduos (UNFPA, 2007). A urbanização 1 é um fato inexorável na sociedade capitalista. No entanto, tal processo civilizatório não veio acompanhado de um planejamento estratégico que na visão de Ansoff e McDonnell (1993), se dá na medida em que há a elucidação das várias tendências, ameaças, oportunidades e descontinuidades que possam em algum grau modificar as tendências históricas. A não utilização de tal sistemática levou à geração de inúmeros problemas como a favelização, tensões sociais, concentração da pobreza entre outros que de fato, soam insustentáveis a longo prazo. Contudo, para que haja um crescimento econômico significativo à urbanização é necessária. As cidades da atualidade certamente concentram profundas desigualdades socioeconômicas, mas representam a melhor oportunidade para superá-las (UNFPA, 2007). No Brasil o cenário não é diferente, com uma população de milhões de habitantes (IBGE, 2010), o país conta atualmente com uma alta taxa de urbanização, como pode ser verificado nas tabelas 1 e 2. Tabela 1: Taxa geral histórica da urbanização (%) do Brasil 1940/2010 Ano Taxa de urbanização 31,24 36,16 45,08 55,94 67,59 75,59 81,23 84,4 Fonte: IBGE: series estatísticas e históricas, Tabela 2: Taxa histórica da urbanização (%) do Brasil por unidade territorial Taxa de urbanização Região/ano Centro-Oeste 21,52 24,38 34,22 48,04 67,79 81,28 86,73 88,79 Norte 27,75 31,49 37,38 45,13 51,65 59,05 69,87 73,53 Nordeste 23,42 26,40 33,89 41,81 50,46 60,65 69,07 73,13 Sul 27,73 29,50 37,10 44,27 62,41 74,12 80,94 84,93 Sudeste 39,42 47,55 57,00 72,68 82,81 88,02 90,52 92,95 Fonte: IBGE: series estatísticas e históricas, A urbanização brasileira como conhecemos hoje se deu na medida em que os diferentes sistemas regionais de cidades, fundamentalmente litorâneos e centrados nas regiões sudeste e nordeste, a partir da república velha, começam a se articular, nacionalmente, em torno de um processo de integração mercadológica impulsionados pela emergente economia cafeeira paulista (BRITO, HORTA, AMARAL; 2001). Na visão de Brito (2009), tais transformações devem ser analisadas na medida em que o urbano é um fator irreversível, não só para a realização das diversas atividades econômicas como também, disseminadora dos emergentes padrões de relações sociais e de estilos de vida. Todo esse processo de urbanização acelerada que se desencadeia no mundo tem trazido consigo inúmeros problemas e demandas que abrangem os aspectos econômico, social e ambiental. As cidades antes tidas como polos de desenvolvimento e geração de riquezas se 1 Processo de transição de uma sociedade rural para uma mais urbana. Estatisticamente, a urbanização reflete uma proporção crescente da população vivendo em assentamentos definidos como urbanos, principalmente por meio da migração rural-urbana líquida. O nível de urbanização é a percentagem da população total que vive nas cidades (UNFPA, 2007).

3 transformaram em imensos territórios problemáticos e desafiadores para a sociedade. Sistemas de transporte, energia, água e comunicação estão à beira de um colapso eminente. Esses são apenas alguns dos vários exemplos que apontam para a necessidade que haja uma mudança profunda no modo de como enxergamos e gerimos as cidades. Por mais que as cidades gerem problemas os mais variados possíveis, nelas também estão as soluções, logo, o grande desafio esta em aprender como explorar suas capacidades e potencialidades (UNFPA, 2007). 2 Metodologia Nesse contexto, o objetivo deste trabalho é verificar como a interação entre as diversas instituições e a sociedade através do uso intensivo das tecnologias de informação e comunicação (TIC s) podem auxiliar as cidades a serem mais inteligentes se tornado, assim, centros de desenvolvimento econômico e social de forma sustentável e humanizada. Para tal, o procedimento metodológico utilizado será o da pesquisa bibliográfica, ou seja, buscar-se-á informações em trabalhos existentes que abordem o assunto, pois assim teremos o embasamento teórico necessário para demostrar o que objetivamos. 3 Desenvolvimento, inovação e competitividade O desenvolvimento tecnológico que tem caracterizado as últimas décadas do século XX e início do XXI transformaram as cidades de forma substancial, outrora essencialmente industriais, numa cidade baseada no conhecimento, onde a informação é parte essencial de todo o processo produtivo e social. Com o advento da globalização, as economias nacionais estão cada vez mais interligadas e, nesse cenário, os indivíduos que as compõem tem exercido papel preponderante na criação de valor da nova sociedade baseada no conhecimento, nos processos de aprendizagem coletivos e nas novas TIC s. Logo, os emergentes desafios socioeconômicos nos levam à formulação de novas políticas e análises sobre a maneira como gerenciamos as decisões no que tange o planejamento e gestão do território ao qual pertencemos (GAMA, 2007). No contexto da sociedade do conhecimento, nasce uma nova concepção a de regiões e cidades digitais que, na visão de Graham (1996) assim podem ser definidas: [...] espaços eletrônicos, em geral com base no World Wide Web, que foram desenvolvidos para interligar, de forma explícita, as agendas de desenvolvimento de cada cidade. Tais cidades virtuais estão funcionando como ferramenta política para uma variedade de planos e objetivos urbanos: marketing urbano global, estímulo ao turismo de negócios e de consumo, melhoria das comunicações entre os cidadãos e os governos locais, aumento da competitividade das empresas locais, maior integração das economias locais e o renascimento do civismo e da cultura local. Com o surgimento das cidades digitais como estratégias de desenvolvimento na era do conhecimento, Gama e Fernandes (2006) afirma que tal processo está estritamente ligado ao investimento em infraestruturas digitais e ao crescimento vertiginoso do uso e valorização da internet. Devemos aqui frisar que a utilização das TIC s e do ciberespaço são ferramentas facilitadoras do processo das interações sociais. Sendo assim, auxiliam na construção de uma rede virtual de inovação. Unindo o real e o intangível através de novas ideias, politicas e principalmente para maximizar as novas possibilidades abertas pelos diversos usos da informação, ingrediente impar na base essencial do conhecimento e consequentemente na diferenciação dos territórios (GAMA, 2007).

4 Com a globalização a cada dia mais latente, torna-se imprescindível que a sociedade pertencente a determinado território (região) crie uma agenda positiva rumo ao desenvolvimento econômico. Logo, atores locais e/ou nacionais tem papel de grande valor: universidades, agencias de fomento à pesquisa, associações comercias e industriais, prefeituras, entre outros. Tais instituições tem como função estimular a inovação, reduzir custos de produção e estimular a ação das empresas no mercado (SOUZA, 2005). A inovação é parte essencial do desenvolvimento de empresas e países. Nesse campo (inovação) o economista Joseph Schumpeter (1964) muito influenciou com suas teorizações. Segundo ele, o desenvolvimento econômico é conduzido pela inovação por um processo corrente em que novas tecnologias substituem as antigas, um processo por ele chamado de destruição criadora. Segundo ele, inovações radicais produzem rupturas mais intensas, enquanto inovações incrementais exercem função de continuidade no processo de mudança. Nesse sentido, o autor propôs uma lista de cinco tipos de inovação, são elas: introdução de novos produtos, introdução de novos métodos de produção, abertura de novos mercados, desenvolvimento de novas fontes provedoras de matérias-primas e outros insumos e criação de novas estruturas de mercado em uma indústria. Em outras palavras, a inovação, notadamente a econômica, nos dias atuais deve ser entendida como: [...] a implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente melhorado, ou processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método organizacional nas práticas de negócio, organização do trabalho ou nas relações externas (OCDE, FINEP, p.55). Como percebido, em uma sociedade do conhecimento a inovação é fruto consequente da interação das várias entidades que compõe o ciclo socioeconômico. A busca pela inovação, portanto, torna-se instrumento necessário para o desenvolvimento dos territórios e/ou estadosnação. Estabelecido um ambiente favorável a inovação, facilitado por um cinturão digital 2, as empresas e instituições se tornam mais competitivas em um ambiente cada vez mais mundializado. As empresas agora competem em âmbito global, logo a concorrência se intensificou de tal modo que não há mais espaços para ineficiência e deseconomias. A inovação se torna um diferencial crucial para a sustentabilidade dos mais diversos organismos empresários ou não. A relação entre inovação e competitividade se torna mais evidente quando se analisa as performances dos países (nações) que, durante muitas décadas, tem políticas claras em relação ao tema. Notadamente os países denominados centrais ou de capitalismo avançado tem com êxito encontrado o equilíbrio correto no alcançar de um desenvolvimento econômico baseado, principalmente, na indústria do conhecimento e das TIC s. Já os chamados países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, somente agora direcionam suas atenções para ações efetivas rumo à construção de uma sociedade pautada pelo conhecimento e inovação. Durante séculos tais países são importadores líquidos de tecnologia e conhecimento dos países de capitalismo avançado. Na visão de Furtado (1974), parte desse quadro de subserviência pode ser ancorada na prerrogativa de que as economias cêntricas na fase de consolidação do sistema capitalista foram capazes de desenvolver sistemas econômicos nacionais capazes de unir classes e grupos sociais burguesia industrial, comercial e financeira, proprietários rurais, burocracia estatal- em torno de um projeto nacional, fato que não se viu nos países de industrialização tardia ou pouco industrializados. 2 Quando as interações socioeconômicas são maximizadas e otimizadas pelo uso das TIC s.

5 A seguir, comparamos a relação entre inovação e competitividade (tabelas 3 e 4) de alguns países selecionados. Tabela 3: Ranking mundial de competitividade The Global Competitiveness Report ( ) Tabela 4: Ranking mundial de inovação The Global Innovation Index (2011) Posição País/Economia Posição País/Economia 1 Suíça 1 Suíça 2 Suécia 2 Suécia 3 Cingapura 3 Cingapura 4 Estados Unidos 4 Hong Kong 5 Alemanha 5 Finlândia 6 Japão 6 Dinamarca 7 Finlândia 7 Estados Unidos 8 Holanda 8 Canada 9 Dinamarca 9 Holanda 10 Canadá 10 Reino Unido 11 Hong Kong 11 Islândia 12 Reino Unido 12 Alemanha 13 Taiwan 13 Irlanda 14 Noruega 14 Israel 15 France 15 Nova Zelândia 27 China 29 China 51 Índia 47 Brasil 54 África do Sul 56 Rússia 58 Brasil 59 África do Sul 63 Rússia 62 Índia Fonte: Adaptado de World Economic Fonte: Adaptado de INSEAD, Forum, Quando se faz um comparativo entre as tabelas 3 e 4, notamos que os países de capitalismo avançado lideram praticamente as primeiras quinze colocações em ambas. A partir de então podemos notar que a inovação torna os países mais competitivos e, consequentemente, mais aptos a concorrer em um mundo onde as barreiras físicas ou distanciais não são mais empecilhos para a comercialização de bens e serviços. Devemos aqui constatar que, para que tais países chegassem a esse patamar, foram necessários pesados investimentos tanto em infraestrutura física quanto digital. Em um mundo que se torna cada vez mais multipolar devemos aqui destacar um distinto grupo de países: os BRICS 3. Tal grupo de país tem desempenhado papel relevante na recuperação da economia mundial - após a crise mundial que se arrasta desde o ano de , com crescimento de suas economias acima da media global. Esse grupo de países em desenvolvimento tem se destacado fortemente no campo econômico com suas economias galgando posições antes pouco imaginadas. No entanto, seu poderio econômico não tem sido acompanhado por um fator que tem acarretado o desenvolvimento de outros países: a inovação. Como salientam Oliveira e Avellar (2009), em países em desenvolvimento os fluxos de informação dentro de seus vários sistemas nacionais de inovação são fragmentados e, não raro, falta interação entre a ciência e as empresas. 3 Sigla utilizada para se referir a Brasil, Rússia, Índia, China e mais recentemente África do Sul. A mesma foi idealizada pelo economista chefe da Goldman Sachs, Jim O Neil, para caracterizar o grupo dos grandes países emergentes.( ITAMARATY, 2011).

6 Problemática essa que, pode ser solucionada com a aplicação de uma rede digitalizada capaz de fornecer uma interação sistêmica e confiável necessária na aproximação do conhecimento (inovação) e das empresas (mercado). E, nesse contexto, as cidades tem papel importantíssimo, pois são nelas que ofertantes e demandantes se encontram para a satisfação de suas devidas necessidades. Portanto, as cidades devem propiciar a esses atores do mercado um ambiente sustentável para que as trocas sejam realizadas com eficiência e eficácia. 4 As cidades brasileiras na era do digital O Brasil conta hoje com muitas cidades de vários tamanhos e diferentes graus de desenvolvimento. Por questões históricas e político-econômicas as cidades das regiões sul e sudeste possuem hoje uma infraestrutura em geral bem mais qualificada do que as demais regiões do país. Como exposto anteriormente, parte desse desempenho se assentou na crescente economia cafeeira paulista, que excluiu grande parte da nação do desenvolvimento acelerado que se via naquela região. Como retrato desse processo civilizatório temos hoje no país discrepâncias ímpares não só no campo econômico como também no digital, ou seja, no que tange as TIC s. Em um estudo baseado no Pnad 2009 (Pesquisa nacional por amostra de domicílios), Elias (2011) constata que as maiores discrepâncias se centram nas regiões nordeste e norte onde apenas 14% e 10% dos domicílios, respectivamente, possuem um computador ligado à rede. Proporções segundo a autora, bem inferiores à média nacional 27,3%-, colocando tais regiões em um atraso de seis anos em relação às demais regiões do país. Além das diferenças acentuadas nas regiões em relação à penetração da internet, outro fator agravante, apontado no estudo, que impede o Brasil de dar um salto no campo digital é a velocidade de suas conexões, 54% das conexões no país estavam abaixo de 1 Mbps e outros 15% se estendiam até 2 Mbps. Como as cidades digitais são fortemente amparadas na rede mundial de computadores (internet), o Brasil estaria muito longe se tornar um país digital, quesito indissociável para a transição para uma sociedade do conhecimento. Com o intuito de massificar o acesso a internet no país e inverter o quadro de defasagem hoje existente, o governo federal, através do Ministério das Comunicações, lançou o programa denominado Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). Segundo o CGPID (Comitê Gestor do Programa de Inclusão Digital) (2010), além de massificar, a internet o programa visa, em um primeiro momento, a disponibilização de infraestrutura e no fomento de uma política produtiva e tecnológica, ou seja, além de fornecer à população infraestrutura adequada, o plano tem o intuito de fomentar a indústria da TIC, assim, desenvolvendo tecnologia nacional capaz de satisfazer as cada vez mais crescentes necessidades por conteúdos e comunicações rápidas e eficazes. A massificação, de acordo com o comitê, será baseada em preços que a maior parte da população tenha condições de pagar, disponibilizando a cada domicilio velocidade mínima de 1 Mbps. Se o plano se realizar como planejado, as cidades brasileiras terão reais chances de ingressarem no complexo universo digital que o planeta vivencia. Estudo realizado pela empresa americana de tecnologia Cisco, pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e pela de Oviedo, na Espanha (COSTA, 2010), fez um levantamento global para aferir a qualidade da internet banda larga 4 em 239 cidades de 72 países. Na classificação 4 Tecnologia que permitem ao usuário estar conectado à internet com velocidades maiores do que as normalmente usadas em tecnologias anteriores. Além disso, esse tipo de serviço possibilita o usuário deixar seu computador conectado à rede por longos períodos de tempo, ilimitadamente e sem tarifação adicional (CGI BR, 2006).

7 geral, o Brasil ocupa a posição de número 42. A pesquisa ainda afirma que o país não deu um salto significativo no número de pessoas com acesso a serviços de banda larga, como pôde ser verificado em nações do Oriente Médio, e tampouco na qualidade do serviço prestado. Dificuldades tais que não colocam o país em um grupo de 14 países que estarão preparados para aplicativos que a um curto prazo de tempo demandarão uma banda larga de maior qualidade. Ao final do estudo, o mesmo nos confirma o que anteriormente já havíamos constatado: que fortes investimentos em banda larga- uma das ferramentas das TICs-, têm impacto extremamente positivo na inovação e competitividade. Quem toma a dianteira deste processo de transição para uma internet de altíssima velocidade e igualmente padrão de qualidade é a Correia do Sul que, em 2009, anunciou um plano que custará 24,6 bilhões de dólares nos próximos cinco anos com o intuito de fornecer à sua população internet banda larga a uma velocidade de 1 Gbps. Hoje a população coreana já conta com uma internet de 100 Mbps (EM DISCUSSÃO, 2011). Em outro estudo, dessa vez realizado pela UIT (União Internacional de Telecomunicações), órgão ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil aparece na 60ª colocação no índice de desenvolvimento de TICs entre 159 países analisados (gráfico 1). O índice é composto por 11 variáveis, que medem acesso, uso e habilidades da população, incluindo telefonia fixa, móvel e internet banda larga. Gráfico 1 - Performance de países selecionados baseado no índice de desenvolvimento das tecnologias de informação 2008 Fonte: Adaptado de Measuring the Information Society, UIT, p.10.

8 Como pode ser visto no gráfico 1, o Brasil, assim como nos rankings anteriores de inovação e competitividade, não tem tido bons resultados. A penetração da internet, pressuposto essencial nas cidades digitais, é ainda muita baixa, ou seja, grande parte da população e das instituições ainda não conta com essa ferramenta, em muitos países já tida como direito de todos, dificultando assim a entrada de diversas cidades e regiões na sociedade do conhecimento e do compartilhamento virtual. Não só o Brasil, mas sim, todos os BRICS se encontram em posição desconfortável, logo é preciso um investimento maciço para que tais países equilibrem seu poder econômico aos demais indicadores que caracterizam as nações desenvolvidas. A utilização de forma marginal ou nula de tecnologias tem gerado prejuízos inestimáveis a toda a população brasileira. Um exemplo dessa não utilização se dá no âmbito daquela que, para muitos, já está sendo motivo de conflitos: a água potável. Segundo um relatório do Instituto Socioambiental (ISA) (2007), que traça um panorama do alcance de sistemas de saneamento básico e do volume de desperdício de águas do Brasil, somente nas capitais brasileiras diariamente o desperdício de água potável equivale a piscinas olímpicas (em média 2,5 milhões de litros de água). A perda, segundo o relatório, de cerca de 6,14 bilhões de litros o suficiente para abastecer 38 milhões de pessoas acontece entre a retirada dos mananciais e a chegada às torneiras. As perdas em sua maioria são causadas por falhas nos sistemas de distribuição de água notadamente por vazamentos nas redes. Um fato estarrecedor no relatório nos chama a atenção: A maioria das capitais brasileiras (15 entre 27) perdem mais da metade da água produzida. A capital campeã de perda é Porto Velho, com 78,8% de perda. [...] Em termos de volume de água perdido, Rio de Janeiro é a capital que mais joga fora a água no Brasil. São 618 piscinas olímpicas por dia. Seguida de São Paulo, com 425 piscinas perdidas por dia (ISA, p.11). Além da água, na energia elétrica também há geração de prejuízos consideráveis pelo não incremento de tecnologia digital. Segundo Pereira (2010), o Brasil continua desperdiçando cerca de R$ 16 bilhões por ano de energia elétrica, mesmo com investimentos na casa dos R$ 5 bilhões despendidos pelos brasileiros através de suas contas de luz para bancar projetos de eficiência energética e de soluções para melhorar a operação do sistema elétrico nacional. Dos R$ 16 bilhões de eletricidade não aproveitada R$ 7,3 bilhões referem-se a furtos, fraudes e erros de medição -23 mil MWh-, o que poderia abastecer por um ano 19 milhões de residências com consumo médio de 100 kwh/mês. Já os restantes, R$ 8,7 bilhões, referem-se a perdas ocorridas durante a transmissão da energia, da usina até o consumidor final. Esses são apenas dois exemplos existentes no país onde, as TICs poderiam auxiliar fortemente no intuito de maximizar resultados positivos e que a médio prazo trariam resultados financeiros consideráveis, instigariam a inovação e consequentemente aumentariam a competitividade dos diversos setores envolvidos. Se a implementação de tecnologias de informação e comunicação de forma isolada em cada setor específico traz resultados substanciais aos mesmos, imagine uma cidade ou região capaz de trabalhar de forma inteligente a fim de propiciar a toda à sociedade uma integração sistêmica e inclusiva, capaz de transformar em verdadeiras cidades inteligentes, indutoras do desenvolvimento e da construção da cidadania, as atualmente tidas como polos de pobreza e concentração de renda. Essa cidade do futuro é o que será analisada a seguir. 5 Cidades Inteligentes

9 Os países desenvolvidos, diferentemente dos denominados em desenvolvimento, têm consolidado de forma mais acentuada suas economias em atividades intensivas no conhecimento e inovação, o que tem gerado profundas mudanças nos modos de produção e comunicação. Mudanças tão significativas tem impactado no modo como vivemos em sociedade. Logo, as cidades onde moramos tem se transformado em um emaranhado complexo de interesses e demandas. Nesse contexto, as economias baseadas no conhecimento, vistas anteriormente, tem se apresentado como uma alternativa na mediação de tais variáveis. Contudo, o conhecimento por si não soluciona as várias problemáticas que existem nas cidades do século XXI. É preciso ir além, construir uma cidade capaz de gerar conhecimento e ao mesmo tempo coloca-lo a disposição da sociedade de modo fácil e rápido. Surge dai uma nova concepção de cidade: as cidades inteligentes. Essas cidades devem ser consideradas uma junção entre as cidades do conhecimento e as cidades digitais. Komninos (2006, p. 1. tradução nossa) define as cidades inteligentes como um território: [...] com elevada capacidade de aprendizagem e inovação, que é construída pela criatividade da sua população, pelas suas instituições de criação de conhecimento e pela infraestrutura digital de comunicação e de gestão do conhecimento. Ou nas palavras de Strapazzon (2010) as cidades inteligentes são antes de qualquer coisa, uma convergência entre os aspectos tecnológicos, humanos e econômicos. A capacidade das cidades para gerar e promover a inovação, a aprendizagem coletiva e o conhecimento, segundo Gama (2007), se dá pela criação de estruturas capazes de promover e assegurar que tais elementos interajam em conjunto com a dimensão digital. Portanto, a relação simbiótica entre tangível e intangível é o grande objeto de estudo no direcionamento das cidades inteligentes (figura 1). Figura 1: Ligações funcionais das cidades inteligentes Fonte: Fernandes e Gama, 2004/2005. p. 8.

10 Em parâmetros gerais, as cidades inteligentes foram anteriormente definidas nesse estudo. Porém, qual sua significância empírica? De acordo com o documento elaborado pelo Centre of Regional Science (2007, tradução nossa), a cidade deve se sobressair em seis eixos norteadores que tornam as cidades em adequados espaços fomentadores do desenvolvimento: a) economia: inteligência econômica significa gerar capacidade de inovação, competitividade, empreendedorismo, flexibilidade nas relações de trabalho, influenciar positivamente nas taxas de desemprego e aprimorar o sistema de transporte público; b) sociedade: habitantes inteligentes significa uma população local com cultura cosmopolita, o que, entre outros, exige domínio de língua estrangeira, participação dos assuntos públicos, educação formal adequada, afinidade com a educação continuada, boa cultura geral, bom índice de livros lidos por habitante, tolerância étnica, atuação em atividades voluntárias, participação nas eleições; c) governo: governo inteligente significa um sistema de gestão pública participativo, gerador de serviços públicos e sociais, transparente e dotado de perspectivas estratégicas; d) mobilidade: a cidade deve ter um inteligente sistema logístico e de transporte de pessoas, ter meios eficientes de acessibilidade local e internacional, ter um sistema de transporte sustentável não agressivo ao meio ambiente e ter amplo acesso à internet; e) meio ambiente: a gestão inteligente dos recursos naturais significa que a cidade deve ter boa gestão dos espaços verdes, ter programas de reciclagem e proteção ambiental, ter programa sustentável de gestão da água, da energia, do lixo e da poluição, e fazer bom uso de seus espaços naturais, de modo a torná-los atrativos; f) qualidade de vida: a cidade inteligente deve ter facilidades culturais, boa educação formal, bom sistema de saúde e segurança individual, as características das moradias devem ser sustentáveis e agradáveis, deve ter opções para atrações turísticas, e ter um bom nível de coesão social, isto é, com programa de percepção do risco social, decorrentes dos altos níveis de pobreza. A primeira vista pode parecer que a cidade inteligente é apenas uma região onde há inovação, oportunidade de trabalho e renda, contudo, seu principal objetivo está na promoção da qualidade de vida com intensivo uso de novas tecnologias (EUROPEAN SMART CITIES, 2007, tradução nossa). Nesse sentido, Strapazzon (2010), afirma que a adição de inteligência em cada subsistema de uma cidade - transporte, energia, educação, saúde, água, segurança pública, entre outros-, tem sua relevância assegurada, mas eles por si só não são capazes de construir cidades inteligentes. A cidade inteligente deve ser visualizada como um sistema orgânico, cujas partes são indissociáveis, um sistema interligado. As pessoas são os mais importantes conectores de todos os subsistemas, então o maior desafio dessas cidades é mobilização de cada individuo ao objetivo fim de incorpora-los a uma complexa rede de interconexões sociais. Logo, é de suma importância que se concebam as comunidades como sistemas complexos de nodos humanos, econômicos, emocionais e culturais. Esse é o elemento principal que produzirá de forma salutar a união dos vários interesses que compõe o meio urbano (STRAPAZZON, 2010).

Escalando a muralha de Zhõngguó

Escalando a muralha de Zhõngguó ASSUNTO em pauta Getty Images Escalando a muralha de Zhõngguó Competitividade, desafios sociais e futuros consumidores chineses. Por Marcelo Zorovich 11 R E V I S T A D A E S P M março / abril de 011 D

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga

O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga Instituto de Inovação com TIC O Impacto Sócio-Econômico da Banda Larga [ Flávia Fernandes Julho/2010] Banda Larga Internet A Internet supera a produtividade combinada do telefone, transporte e eletricidade

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE PARA A GERAÇÃO DE INOVAÇÃO NO CONTEXTO EMPRESARIAL

A CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE PARA A GERAÇÃO DE INOVAÇÃO NO CONTEXTO EMPRESARIAL Painel 1: Gestão do Conhecimento: desafios para a academia e oportunidades de negócios - trilha acadêmica A CONTRIBUIÇÃO DA UNIVERSIDADE PARA A GERAÇÃO DE INOVAÇÃO NO CONTEXTO EMPRESARIAL Fatores de Desenvolvimento

Leia mais

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro.

Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. ASSUNTO em pauta O BRIC em números P o r Sérgio Pio Bernardes Ser grande não significa ser mais rico, e ter relevância em um dos indicadores não confere a cada país primazia em comparação a outro. É Smuito

Leia mais

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado.

I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. I Ao longo do último século o Brasil passou de um país mentalmente aberto para um país mentalmente fechado. Em 1900, o País chegou a ter 7,3% da população composta por imigrantes; hoje, tem apenas 0,3%.

Leia mais

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP

Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP Escola de Artes, Ciências e Humanidades EACH/USP CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS TRABALHO DE GESTÃO DE PROCESSOS E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º SEMESTRE DE 2010 PROFESSOR JOSÉ CARLOS VAZ São Paulo,

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

ABRIL DE 2012. Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1

ABRIL DE 2012. Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1 ABRIL DE 2012 Provedores de Internet no Brasil: Inclusão Digital e Infraestrutura Ano 4 Número 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Apresentação A inclusão digital no Brasil depende fundamentalmente da expansão da infraestrutura

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030

Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 Gestão Pública em BH Programa BH Metas e Resultados e BH 2030 5º Congresso de Gerenciamento de Projetos 10 de novembro de 2010 Belo Horizonte Planejamento Estratégico Longo Prazo período 2010-2030 - planejamento

Leia mais

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas

Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Acesso à Internet e direitos do consumidor: balanço e perspectivas Mesa 1: Acesso à banda larga: onde chegamos com o PNBL e o que temos pela frente Brasília, 3 de Junho de 14 CGI.br Comitê Gestor da Internet

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014

As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 As Megatendências por Setores da Economia CRI Minas 25 de Setembro de 2014 Fortune Top companies: Biggest by Market Value Fortune Top companies: Most profitable VALOR V = Valor percebido pelo cliente (

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES

DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES DECLARAÇÃO DE HONG KONG SOBRE O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS CIDADES 1. Nós, representantes dos governos nacionais e locais, grupos comunitários, comunidade científica, instituições profissionais, empresas,

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado

Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica. Jaime Quesado VII Encontro da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil 2 de Março de 2011 Sala do Senado da Reitoria da UNL Inteligência Competitiva Uma Solução Estratégica Jaime Quesado Patrocinadores Globais Inteligência

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS

Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS ALÍCIA FERNANDINO RODRIGUES aliciarodrigues@terra.com.br Título: Planejamento Urbano no Brasil, Estatuto da Cidade e o GIS GRUPO 1 : Planos Diretores e Sustentabilidade urbano-ambiental Planejamento Urbano

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ

SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ SISTEMA DE PARTICIPAÇÃO POPULAR E CIDADÃ 1 1. Participação regular dos cidadãos no processo de definição das políticas públicas e definição das diretrizes para o desenvolvimento. 2. Deslocamento das prioridades

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL Ranking traz a Suíça em primeiro lugar, seguida de Cingapura e EUA O Brasil perdeu uma posição no Ranking Global

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 O Setor Bancário em Números Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme

Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas. Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Pesquisa Clínica Intercâmbio de Conhecimento e Fator Gerador de Riquezas Dr. Mário Bochembuzio Merck Sharp Dohme Agenda Cadeia de valor e inovação em saúde Desafios e oportunidades Investimentos em P &

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Geografia TRABALHO RECUPERAÇÃO FINAL

Geografia TRABALHO RECUPERAÇÃO FINAL Geografia TRABALHO RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Hudson de Paula 9º ANO RECUPERAÇÃO FINAL De sonhos e conquistas Aluno(a): Data / /2015 Questão 01 - (UFRR/2015) A ideia dos BRICS foi formulada pelo economista-chefe

Leia mais

Enquadramento do sector

Enquadramento do sector ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 Enquadramento do sector No âmbito da Estratégia Nacional de Especialização Inteligente, o desafio que se coloca à economia

Leia mais

Inovação como diferencial para MPE S. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

Inovação como diferencial para MPE S. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br Inovação como diferencial para MPE S O sonho dos brasileiros (2013) A proporção dos brasileiros que deseja de ter o próprio negócio (34,6%) é superior a dos que desejam fazer carreira em empresas (18,8%)

Leia mais

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Communications Outlook 2005 Summary in Portuguese Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE Sumário em Português Sumário Executivo Após a explosão da "bolha dot-com", a indústria de telecomunicações

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro

Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro ESTUDOS E PESQUISAS Nº 488 Convertendo a Pequena Empresa Moderna em Pilar do Desenvolvimento Brasileiro Carlos Alberto dos Santos * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015

Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015 10Minutos Desafios de Negócios As grandes transformações que estão revolucionando o cenário global de negócios e a própria sociedade Megatendências e suas implicaçõesdestaques Julho de 2015 Destaque Nos

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Os caminhos para o Brasil de 2022

Os caminhos para o Brasil de 2022 Os caminhos para o Brasil de 2022 GOVERNANÇA PARA A COMPETITIVIDADE Gustavo Morelli Sócio diretor da Macroplan Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais