OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País. Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ"

Transcrição

1 OS IMPACTOS DA NOVA LEGISLAÇÃO Novo cenário da exploração do setor e ampliação da competitividade do País Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 9 de outubro de 2013

2 A g e n d a 2 1. Cenários dos portos no Brasil 2. Fatos e comportamentos do setor 3. O Novo Marco Regulatório 4. A indispensável participação do Governo

3 Lei /13 Estrutura organizacional do setor 3 Presidência da República CONAPORTOS: MPOG, ANTAQ, MD, MAPA, MF, MJ, MDIC CNAP CONIT EPL SEP MT SAC INPH ANTAQ DNIT ANTT INFRAERO ANAC Portos Marítimos, Fluviais e Lacustres Modal Terrestre e Hidroviário Inclusive IP4 Modal Aeroviário Administrações Portuárias CAP/CONAP/CLAP

4 Arrendamento e outorga de autorização 4 UNIÃO Paranaguá Porto Organizado (Cia Docas, delegação ou concessão) Arrendamento (subconcessão) Outorga de autorização Terminal de uso Privado - TUP Instalação Portuária de Turismo (IPT) Estação de Transbordo de Carga (ETC) Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte (IP4)

5 MANAUS SANTARÉM MACAPÁ BELÉM 5 RORAIMA AMAPÁ VILA DO CONDE ITAQUI ACRE AMAZONAS RODÔNIA PORTOS PÚBLICOS MARÍTIMOS 34 Apenas portos que movimentam cargas, sem pequenos portos e portos pesqueiros PARÁ MATO GROSSO MATO GROSSO DO SUL RESOLUÇÃO ANTAQ Nº 2.969/13 Define a classificação dos Portos Públicos, Terminais de Uso Privado e Estações de Transbordo de Cargas em Marítimos, Fluviais e Lacustres GOIÁS PARANÁ RIO GRANDE DO SUL TOCANTINS SÃO PAULO SANTA CATARINA PELOTAS RIO GRANDE MARANHÃO PIAUÍ MINAS GERAIS BAHIA CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PERNAMBUCO ALAGOAS SERGIPE FORTALEZA AREIA BRANCA NATAL CABEDELO SUAPE MACEIÓ SALVADOR ARATU ILHÉUS BARRA DO RIACHO VITÓRIA RIO DE JANEIRO ITAGUAÍ (Sepetiba) ANGRA DOS REIS SÃO SEBASTIÃO SANTOS PARANAGUÁ SÃO FRANCISCO DO SUL ITAJAÍ IMBITUBA LAGUNA PORTO ALEGRE ANTONINA FORNO NITERÓI RECIFE

6 6 14 AMAZONAS RORAIMA AMAPÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE 2 ACRE 6 RODÔNIA 1 MATO GROSSO PARÁ TOCANTINS PIAUÍ BAHIA 9 PERNAMBUCO 2 SERGIPE 1 1 GOIÁS TERMINAIS PORTUÁRIOS PRIVADOS (TUP) 128 MATO GROSSO DO SUL PARANÁ RIO GRANDE DO SUL SANTA CATARINA SÃO PAULO 7 9 MINAS GERAIS 22 10

7 Histórico da legislação do setor aquaviário : Modelo da concessão de Santos Totalmente privado por Decreto Linha do tempo do setor portuário: Modelo de gestão vai da centralização, com a Portobras, até a edição da Lei nº /13. A Lei nº /13 volta a atrair a iniciativa privada na injeção de capital financeiro em novos portos Portobras 1967 Surge o MT 1990 Extinções: Portobras, MT e Criação do MINFRA Setor aquaviário: cronologia de fatos 1993 Volta do MT e publicação da Lei nº 8.630/ Extinção do MINFRA e criação do MTC 2001 Criação do CONIT, DNIT, ANTT e ANTAQ: Lei / Lei 8.987/95 Lei das Concessões e Permissões 2005 Res. 517-ANTAQ Regulamenta exploração de Terminal de Uso Privativo - TUP 2002 Res. 55-ANTAQ Regulamenta exploração de Porto Público na forma de arrendamentos 2007 SEP/PR 2008 Dec Regulamenta Outorgas para exploração de Terminais e Portos Públicos MARCO REGULATÓRIO Lei dos Portos Criação da nova estrutura organizacional para Portos Públicos com o surgimento do Órgão Gestor de Mão de Obra do Trabalho Portuário Avulso OGMO) e do Conselho de Autoridade Portuária (CAP) e da Autoridade Portuária (AP). Lei nº /13 Dec / Res ANTAQ Regulamenta exploração de TUP: substitui a Res Res ANTAQ Regulação de arrendamentos

8 Estrutura do novo marco legal Lei nº / Definições e objetivos Concessão, arrendamento e autorização Poder Concedente 7 8 Infrações e penalidades Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária II 4 5 Administração do Porto Organizado Operação Portuária 9 Disposições finais e transitórias 6 Trabalho Portuário

9 A g e n d a 9 1. Cenários dos portos no Brasil 2. Fatos e comportamentos do setor 3. O Novo Marco Regulatório 4. A indispensável participação do Governo

10 Exportação e importação brasileira por via marítima (tonelada e US$ FOB) 10 27% Importação - US$ FOB 73% Importação - Toneladas 10% Marítimo Outros 90% Marítimo Outros Exportação - US$ FOB 16% Exportação - Toneladas 2% 84% Marítimo Outros 98% Marítimo Outros

11 Milhões de toneladas Movimentação total de cargas - histórico PORTO PÚBLICO TUPs Agenda TOTAIS

12 ,49 4,17 5,00 5,66 6,20 6,11 Milhões de toneladas 6,55 7,02 6,82 7,90 8,19 Milhões de TEUs Movimentação de cargas Totais Contêineres - Histórico PESO TEU Título do Eixo

13 13 O Transporte de Cargas e as Vias Navegadas no Brasil 51,6 55 mil Convenções (Vias Economicamente Navegadas) 4,3 Solimões-Amazonas 6 Tocantins Paraná-Tietê Paraguai São Francisco Sul vias navegadas = km malha hidroviária brasileira = km Em milhões de toneladas Exceto São Francisco

14 Transporte de cargas em vias interiores 14 OUTROS GRUPOS DE MERCADORIA GORDURA, ÓLEOS ANIMAIS/VEGETAIS Distribuição das cargas por região em 2012 CARVÃO MINERAL TRIGO Paraguai 5% Paraná 7% CELULOSE 322 MADEIRA PRODUTOS HORTÍCOLAS, PLANTAS, RAÍZES E TUBERCULOS Tocantins- Araguaia 25% Amazônica 58% FARELO DE SOJA FERTILIZANTES ADUBOS Atlântico Sul 5% MILHO COMBUSTÍVEIS E ÓLEOS MINERAIS E PRODUTOS SEMI-REBOQUE BAÚ PRODUTOS QUÍMICOS ORGÂNICOS ENXOFRE, TERRAS E PEDRAS, GESSO E CAL SOJA MINÉRIO DE FERRO Milhares

15 (R)Evolução dos navios porta-contêineres novos navios 15 Agenda

16 A g e n d a Cenários dos portos no Brasil 2. Fatos e comportamentos do setor 3. O Novo Marco Regulatório 4. A indispensável participação do Governo

17 Requerimentos de autorização de Instalação Portuária ETC 11 IP4 5 IPT 130 requerimentos já feitos à ANTAQ 69 TUP Fonte: Página da ANTAQ na Internet em acesso em 18/07/2013

18 Requerimentos de autorização de Instalação Portuária 18 ACRE REQUERIMENTOS NA ANTAQ - POR REGIÃO Legenda TUP 69 ETC 45 IP4 11 IPT RORAIMA AMAZONAS RODÔNIA 1 MATO GROSSO 2 MATO GROSSO DO SUL 1 3 PARÁ RIO GRANDE DO SUL AMAPÁ GOIÁS PARANÁ SANTA CATARINA TOCANTINS SÃO PAULO 1 2 MARANHÃO 2 PIAUÍ BAHIA MINAS GERAIS CEARÁ 10 RIO GRANDE DO NORTE PERNAMBUCO SERGIPE 1

19 Principais investimentos privados em análise na ANTAQ (em R$) 19 PA 1,69 milhões PA 1 milhão TO 164 milhões AC 1,26 milhões BA 2,04 bilhões RO 13,21 milhões ES 9 bilhões Legenda TUP Totais 24 bilhões SC 8,44 milhões RJ 110 milhões RJ 4,3 bilhões ETC IP4 IPT 1,6 bilhões 16,9 milhões 9 milhões SP 148 milhões SP 2,6 bilhões

20 Principais Investimentos em arrendamentos / ANTAQ (em R$ milhões) 20 INVESTIMENTOS TOTAIS = R$ 4.058,69 MILHÕES Em arrendamentos anteriores à Lei /13 em análise na ANTAQ PE Suape = 729,70 BA Salvador = 317 SC Imbituba = 92 S. F. Sul = 15,30 PR Antonina = 67,30 Paranaguá = 133,80 RJ Rio = 389,15 Itaguaí = SP Santos = 974,44

21 Decreto 8.033/13 Principais competências 21 Elaborar o PGO Disciplinar a atualização dos PDZs Definir diretrizes para os regulamentos dos portos Conduzir e aprovar os EVTEs Enviar ao Congresso relatório detalhado do setor Competências (arts. 1º ao 4º) Analisar transferência do Controle societário e de titularidade na concessão e arrendamento Analisar propostas de investimentos não previstos na concessão e arrendamento Arbitrar administrativamente conflitos entre arrendatários e Administração Portuária Arbitrar, em grau de recurso, conflitos entre agentes que atuam no Porto Organizado Estabelecer o regulamento do Porto Organizado Decidir sobre conflito entre agentes que atuam no P.O. Terá competências estabelecidas nos contratos de concessões

22 ANTAQ Números a considerar 22 Agenda 160 contratos de arrendamento a serem estabelecidos em 3 anos 270 contratos de arrendamento vigentes que terão acompanhamento a médio e longo prazos 134 Adaptações de termos de autorização e contratos de adesão das instalações portuárias Chamadas públicas com seleção de projetos alinhados com políticas públicas Intensificação da fiscalização em quantidade, especificidade e qualidade Estruturação de controles para o processo licitatório

23 Decreto 8.033/13 Concessões e arrendamentos (1) 23 Art. 6º, 1º Hipóteses de licitações (concessão e arrendamento) com apresentação de estudos simplificados Art. 9º, 1º Conjugação do art. 6º da Lei /13 com: - Maior valor do investimento - Menor contraprestação do Poder Concedente - - Melhor proposta técnica Arts. 12 a 14 Uso do RDC inversão de fases, negociação com o vencedor e fase recursal única

24 Decreto 8.033/13 Concessões e arrendamentos (2) 24 Art. 19 Prazo máximo para concessão de P.O. ou arrendamento = 25 anos Prorrogável uma única vez por período não superior ao do contrato original Art. 22 Contratos de arrendamento vigentes podem migrar para a concessionária (mantidos os prazos e termos anteriormente pactuados) Art. 24 Trata a expansão da área arrendada sem necessidade de licitação Deve-se comprovar inviabilidade técnica, operacional e econômica

25 Decreto 8.033/13 Autorização (1) 25 Art. 27 Relação da documentação MÍNIMA para participação do anúncio ou chamada pública Art. 29 ao 34 Anúncio e chamada públicos A ANTAQ publica região geográfica, perfil de cargas e previsão de movimentação Art. 30, P. Único Viabilidade locacional = possibilidade de instalação física de duas ou mais instalações portuárias autorizadas em uma região

26 Decreto 8.033/13 Autorização (2) 26 Art. 35, Caput Transferência de titularidade e aumento de capacidade sem expansão de área não será necessário novo contrato de adesão Art. 35 P. Único Dispensa de nova autorização na alteração da natureza da carga movimentada ou ampliação de até 25% da área original

27 Anúncio Públicos para Autorização 27 Requerimento à ANTAQ feito pelo interessado (art. 27 do Decr /13) ANTAQ publica em até 5 dias o requerimento (sítio eletrônico) ANTAQ em até 10 dias promove o anúncio público com prazo de 30 dias para manifestações de outros interessados

28 Chamada Pública para Autorização 28 Originada na SEP (art. 28 do Decr /13) ANTAQ publica em seu sítio eletrônico Até 30 dias para manifestações

29 Anúncio Público para Autorização fluxograma simplificado 29 Requerimento apresentado por empresa OU Chamada Pública (SEP) ANTAQ publica e dá 30 dias para propostas ANTAQ analisa propostas e as encaminha à SEP SEP analisa viabilidade locacional e adequação às políticas/diretrizes ANTAQ dá 30 dias para reformulação das propostas e propõe critérios de julgamento do processo seletivo público (Dec., art. 32) Não Há viabilidade Locacional ou é um só proponente? Sim Há viabilidade Locacional? Sim ANTAQ dá prazo de 90 dias para apresentação de documentação complementar (art. 33, Dec.) Não ANTAQ promove a seleção pública SEP avalia processos e decide sobre outorgas de autorização ANTAQ analisa documentação e envia à SEP

30 Concessão de Porto Organizado: Licitação (1) 30 Base Legal Lei /13 e RDC Dec /13 (art. 5º ao 25) O que licitar (art. 20, Dec /13) 1- funções adm. e exploração direta e indireta das I.P. 2. Funções adm. e exploração direta das I.P. Só as funções adm. total ou parcial Áreas não operacionais (art. 25, Dec /13) Devem observar o previsto nos PDZs Aprovação prévia do poder concedente

31 Concessão de Porto Organizado: Licitação (2) 31 Prazos (com reversão de bens à União art. 5º, 2º, da Lei /13) Quem conduz Critérios 25 anos ANTAQ faz a licitação > Movimentação < Tarifa < Tempo de movimentação Prorrogável uma única vez (por até o mesmo período do contrato) Art. 19, Dec /13 Poder Concedente assina contrato Outros: * > R$ do investimento * < contraprestação do P. Concedente * Melhor Prop. Técnica

32 Autorização de instalação portuária (1) 32 Forma Formalização Prazo Chamada ou anúncio público Contrato de adesão 25 anos TUP, ETC, IP4, IPT Quem assina é o Poder Concedente Prorrogáveis sucessivamente

33 Autorização de instalação portuária (2) 33 ANTAQ Procedimento Condições da outorga Assegura cronogramas de investimentos Requerimento à ANTAQ Atendimento ao art. 27 do Dec 8.033/13 - Documentação Poderá exigir garantias ou aplicar sanções Poder Concedente analisa viabilidade locacional Viabilidade locacional ou 1 só concorrente

34 A g e n d a Cenários dos portos no Brasil 2. Fatos e comportamentos do setor 3. O Novo Marco Regulatório 4. A indispensável participação do Governo

35 Programa Nacional de Dragagem II Lei /13 35 Art. 53. Fica instituído o Programa Nacional de Dragagem Portuária e Hidroviária II, a ser implantado pela Secretaria de Portos da Presidência da República e pelo Ministério dos Transportes, nas respectivas áreas de atuação. Fonte: Secretaria de Portos Página Internet em acesso em 31/05/2013

36 Porto Sem Papel - PSP 36 Investimentos Fase 1: R$ 22 Milhões Fase 2: R$92 Milhões

37 Organização Institucional: CONAPORTOS 37 CONAPORTOS Coordenação das ações integradas dos intervenientes nas instalações portuárias Receita Federal, Polícia Federal, Anvisa, MAPA, Marinha do Brasil

38 Elementos de planejamento do Governo 38

39 Cabotagem: a modalidade de transporte lógica para o Brasil 39 Agenda

40 Obrigado Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ

O setor aquaviário e o comércio exterior

O setor aquaviário e o comércio exterior O setor aquaviário e o comércio exterior Associação de Comércio Exterior do Brasil AEB ENAEX 2011 - Encontro nacional de comércio exterior Rio de Janeiro, RJ 19 de agosto de 2011 Fernando Antonio Brito

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo

Infraestrutura portuária para o Turismo Infraestrutura portuária para o Turismo Senado Federal Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 6 de abril de 2011 Aspectos institucionais

Leia mais

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ

ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca. Diretor da ANTAQ ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ 2 Aspectos Gerais O Novo Marco Portos no Espírito Santo Concessão, arrendamento e Autorização Perspectivas 3 1960 Contexto

Leia mais

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza NOVA LEGISLAÇÃO PORTUÁRIA O CASO DO BRASIL Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza REFORMA DO SETOR PORTUÁRIO Lei n 12.815, de 05 de Junho de 2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

Leia mais

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP

Plano Nacional de Logística Portuária PNLP Programa de Investimentos, Arrendamentos e TUPs, e o Potencial do Pará como novo Corredor de Exportação LUIS CLAUDIO S. MONTENEGRO Diretor de Informações Portuárias SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC

PIC. Projeto de Incentivo à CABOTAGEM. Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC Projeto de Incentivo à Cabotagem PIC PORTO DE PELOTAS - RS 08/JULHO/2010 Projeto de Incentivo à CABOTAGEM LUIZ HAMILTON Coordenador Geral de Gestão da Informação do Departamento de Sistemas de Informações

Leia mais

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11

São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 Os avanços e a sustentabilidade da logística brasileira São Luís - MA Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 29/11/11 1- A ANTAQ 2- Contexto 3- Portos e Terminais 4- Navegação Marítima e

Leia mais

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor

Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso. Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira. Fernando Fonseca Diretor Novo Marco Legal do Setor Portuário e Ações Governamentais em Curso Reflexos para a Marinha Mercante Brasileira Fernando Fonseca Diretor Rio de Janeiro, 25 de maio de 2015 DADOS GERAIS SOBRE O BRASIL 2

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos

Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Política Portuária Nacional e Programa de Arrendamentos Antonio Henrique P. Silveira Ministro-Chefe da Secretaria de Portos Comissão de Fiscalização Financeira e Controle 10/jun/2014 Novo Marco do Setor

Leia mais

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA

SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA SETOR PORTUÁRIO RIO BRASILEIRO: INVESTIMENTOS E LOGÍSTICA Novo Marco Regulatório do Setor - Lei n 12.815, de 05/06/2013 SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Audiência Pública Comissão

Leia mais

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária

Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Secretaria de Portos da Presidência da República Investimentos do Governo Federal nos Portos do Brasil e o Plano Nacional de Logística Portuária Ministro Leônidas Cristino São Luiz, abril 2011 AGENDA:

Leia mais

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC

Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura da economia ABRATEC SENADO FEDERAL COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS COMISÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TURISMO Portos públicos sob gestão privada promovem comércio exterior e abertura

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS

INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS INFORMAÇÕES DO SETOR DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO NO BRASIL ROGÉRIO MENESCAL ANTAQ/SDS 27, 28 e 29/10/2015 Workshop Observatório Logístico de Transporte ANTAQ - RAM 1 ROTEIRO 1 CONTEXTO ATUAL DO SETOR 2 SISTEMAS

Leia mais

Competitividade Portuária Rogério Menescal

Competitividade Portuária Rogério Menescal Competitividade Portuária Rogério Menescal ANTAQ RAM 1 1 Introdução 2 Importância dos portos na economia brasileira 3 Estatísticas do Setor Portuário/Aquaviário 4 Planejamento Multimodal Integrado 5 Comentários

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011

30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 30º Encontro Nacional de Comércio Exterior ENAEX 2011 Rio de Janeiro, 18 e 19 de Agosto de 2011 Reflexos das Concessões de Terminais Públicos e Privativos Juarez Moraes e Silva Presidente do Conselho Associação

Leia mais

Transporte Aquaviário e Portos

Transporte Aquaviário e Portos Transporte Aquaviário e Portos Arrendamentos operacionais de áreas e instalações portuárias A Constituição Federal de 1988 estabelece que compete à União explorar os portos públicos diretamente ou mediante

Leia mais

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL

Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL Intermodal 2015 CABOTAGEM NO BRASIL São Paulo, 07 de abril de 2015 Fernando Fonseca Diretor da ANTAQ Definição legal da navegação de cabotagem BAHIA Art. 2º, IX navegação de cabotagem: a realizada entre

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien

Modernização portuária impulsiona comércio exterior. Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior Richard Klien Modernização portuária impulsiona comércio exterior 1. Programa de modernização portuária 2. Operadores privados alavancam portos públicos

Leia mais

Portos e hidrovias brasileiras

Portos e hidrovias brasileiras Portos e hidrovias brasileiras UFRJ Curso de pós-graduação de engenharia portuária Rio de Janeiro 19 de maio de 2011 Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ 2 Dados gerais sobre o Brasil Área

Leia mais

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14

Reforma Portuária. Breakbulk South America 01.12.14 Reforma Portuária Breakbulk South America 01.12.14 AGENDA 2 Reforma Portuária Desafios Oportunidades e Decisões das Empresas Expectativas EVOLUÇÃO DO MARCO REGULATÓRIO 3 1990 1993 2001 2007 2008 2013 EXTINÇÃO

Leia mais

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva

Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Painel Porto Sem Papel (O Modelo Brasileiro) Jean Paulo Castro e Silva Agenda 1 2 3 4 5 6 Situação Anterior Concepção do PSP Implantação do PSP Resultados e Benefícios Alcançados Dificuldades Encontradas

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Agência Nacional de Transportes Aquaviários O PAPEL DA MATRIZ DE TRANSPORTES DE CARGAS NA EFICIÊNCIA DA CADEIA DE LOGÍSTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO FIESP

Leia mais

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR

IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGISTICA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SEP/PR Setor Portuário Brasileiro Estimativa do aumento da Movimentação nos Portos (em milhões de toneladas) 2.400

Leia mais

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS

ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS ESTATÍSTICAS PORTUÁRIAS 600 Milhões de toneladas 500 400 397 424 433 437 466 479 300 253 275 284 280 295 311 200 144 149 150 157 171 168 100 0 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Porto TUP Movimentação Fonte:

Leia mais

O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL)

O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL) O Papel da ANTAQ na Harmonização das Ações e Cumprimento de Acordos Internacionais com Ênfase em Questões Ambientais (Anexo V - MARPOL) Gustavo Eccard Especialista em Regulaçao Gerência de Meio Ambiente

Leia mais

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40.

BRASIL - IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 ( t ) ( US$ / t ) 450.000 120.000 400.000 100.000 350.000 80.000 300.000 250.000 60.000 200.000 150.000 40. BRASIL IMPORTAÇÃO DE TRIGO 2015 (POR PAÍS) PAÍSES ARGENTINA Volume ( Ton/Liq ) 269.719,83 387.213,30 406.882,12 310.956,48 318.530,07 375.612,10 414.745,41 233.717,31 309.486,24 320.128,57 267.045,80 205.498,88

Leia mais

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS

O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS ALUISIO SOBREIRA O NOVO MARCO REGULATÓRIO IMPACTOS E PERSPECTIVAS O Contexto da Lei Anterior Lei nº 8.630/93 O Contexto da Nova Lei Lei nº 12.815/13 A Evolução do Novo Marco Regulatório Principais Alterações

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro A Importância da Relação Porto-Cidade no Atual Cenário Econômico Mundial Antonio Maurício Ferreira Netto Secretaria de Portos da Presidência da República Rio de Janeiro

Leia mais

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ

O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo. Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ O papel da agência reguladora para o fortalecimento do Transporte Marítimo Murillo de Moraes R. C. Barbosa Diretor da ANTAQ Salvador - BA, 10 de março de 2008 Regulação do transporte aquaviário e das atividades

Leia mais

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS

PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS SENADO FEDERAL COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA PROGRAMA DE CONCESSÃO EM PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões

Leia mais

A Marinha Mercante Brasileira. Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores

A Marinha Mercante Brasileira. Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores A Marinha Mercante Brasileira Escola de Guerra Naval Curso de Política e Estratégia Marítimas Curso de Estado-Maior para Oficiais Superiores André Luís Souto de Arruda Coelho Superintendente da Navegação

Leia mais

IX PIANC - COPEDEC 2016 Nona Conferência Internacional de Engenharia Costeira e Portuária em Países em Desenvolvimento.

IX PIANC - COPEDEC 2016 Nona Conferência Internacional de Engenharia Costeira e Portuária em Países em Desenvolvimento. IX PIANC - COPEDEC 2016 Nona Conferência Internacional de Engenharia Costeira e Portuária em Países em Desenvolvimento. O SETOR PORTUÁRIO E A NAVEGAÇÃO NO BRASIL Adalberto Tokarski Diretor-Geral da ANTAQ

Leia mais

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS

MULTIMODALIDADE. Agência Nacional de Transportes Aquaviários SETOR AQUAVIÁRIO EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS Agência Nacional de Transportes Aquaviários MULTIMODALIDADE EVOLUÇÃO / TENDÊNCIAS SETOR AQUAVIÁRIO SEMINÁRIO: TRANSPORTE / ENERGIA PILARES DE SUSTENTAÇÃO DA NOVA ECONOMIA Palestra do Diretor-Geral da ANTAQ,

Leia mais

DRAGAGEM POR RESULTADOS

DRAGAGEM POR RESULTADOS Seminário: Reforma Portuária para Formuladores de Política e Especialistas DRAGAGEM POR RESULTADOS (LEI N 11.610 / 07) Brasília, 01 de abril de 2008 CONCEITUAÇÕES A = Calado B = Distância entre a quilha

Leia mais

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária

A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária A regulação do transporte aquaviário e da exploração da infraestrutura portuária Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ Data: 06/08/2010 Local: Escola Superior de Guerra - CAEPE Fatos Gerais sobre o Brasil

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS Presidência da República Secretaria de Portos INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA DE TURISMO NOS PORTOS Eng. Antonio Maurício Ferreira Netto Diretor de Revitalização e Modernização Portuária Brasília, 23 de

Leia mais

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira

Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Objetivo Promoção da competitividade e desenvolvimento da economia brasileira Fim das barreiras à entrada Estímulo à expansão dos investimentos do setor privado Modernização da infraestrutura e da gestão

Leia mais

Visão Geral do Programa de Portos

Visão Geral do Programa de Portos Visão Geral do Programa de Portos São Paulo, 3 de setembro de 2013 O que é a EBP? Aporte de capital em partes iguais Um voto cada no Conselho Desenvolvimento de projetos de infraestrutura: Em parceria

Leia mais

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9.

Amapá 2,1. Pará 46,2. Ceará 25,4 Pernambuco 22,3. Maranhão 17,4. Roraima 3,7. Tocantins 19,7. Rio Grande do Norte 7,5. Piauí 9,9. INFRAESTRUTURA Valores de investimentos sugeridos pelo Plano CNT de Transporte e Logística 2014 em todos os Estados brasileiros, incluindo os diferentes modais (em R$ bilhões) Tocantins 19,7 Roraima 3,7

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes VI Congresso Internacional de Transportes da Amazônia Plano Hidroviário Estratégico Belém, 01 de setembro de 2015 PHE - Objetivos Aumentar a participação do modal hidroviário

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA

COSAG. São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA COSAG São Paulo, 02 de Abril de 2012 PERSPECTIVAS PARA CARNE BOVINA ESCOPO DA ABIEC Fonte: MAPA Milhões de Cabeças Abatidas SIF 2008 2009 22,4 21,6 2010 2011 21,9 21,8 2012 (jan-fev) 4,3 ESCOPO DA ABIEC

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Mário Povia Diretor da ANTAQ

Mário Povia Diretor da ANTAQ III CIDESPORT Congresso Internacional de Desempenho Portuário A ANTAQ e a Regulação do Setor Portuário Mário Povia Diretor da ANTAQ Florianópolis, 16 de novembro de 2016 ORGANIZAÇÃO DO SETOR TRANSPORTES

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011

Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Transporte de cargas nas Hidrovias Brasileiras 2011 Hidrovia do Madeira Hidrovia do Paraguai Hidrovia Paraná-Tietê Hidrovia Solimões-Amazonas Hidrovia do Sul Hidrovia Tocantins-Araguaia AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS

REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS REGULAMENTAÇÃO SEGURANÇA PORTUÁRIA NOS PORTOS ORGANIZADOS Aquarela: PAULO MARTORELLI Brasília - DF Novembro 2013 Regulamentação da Segurança Portuária CONTEXTO PASSOS PERCORRIDOS PRÓXIMOS PASSOS PREVISTOS

Leia mais

Seminário Internacional sobre Hidrovias

Seminário Internacional sobre Hidrovias Seminário Internacional sobre Hidrovias Estação de Transbordo de Cargas ETC Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte IP4 Navegação Interior Navegação Marítima e Apoio Portuário Esfera de atuação ANTAQ

Leia mais

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS

COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS COMISSÃO PORTOS RIO DE JANEIRO INVESTIMENTOS PRIVADOS NA MODERNIZAÇÃO DOS PORTOS Edinho Araújo Ministro-chefe da Secretaria de Portos 1 Programa de Investimentos em Logística Investimentos projetados R$

Leia mais

O SETOR PORTUÁRIO E A NAVEGAÇÃO NO BRASIL. Clube da Ancora. Adalberto Tokarski Diretor-Geral da ANTAQ. Santos, 18 de novembro de 2016

O SETOR PORTUÁRIO E A NAVEGAÇÃO NO BRASIL. Clube da Ancora. Adalberto Tokarski Diretor-Geral da ANTAQ. Santos, 18 de novembro de 2016 O SETOR PORTUÁRIO E A NAVEGAÇÃO NO BRASIL Clube da Ancora Adalberto Tokarski Diretor-Geral da ANTAQ Santos, 18 de novembro de 2016 Brasil Dados Gerais Área total 8.516.767 Km² 22.037 Km de vias navegáveis

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários. Santos e Pará

1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários. Santos e Pará 1ª Consulta Pública dos Arrendamentos Portuários Santos e Pará 06/12/2012 16/05/2013 05/06/2013 28/06/2013 04/07/2013 07/08/2013 12/08/2013 Lançamento da MP dos Portos Aprovação da MP pelo Congresso Nacional

Leia mais

O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão

O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão O setor aquaviário como indutor de desenvolvimento no Maranhão Universidade Federal do Maranhão São Luís - MA, 23 de setembro de 2011 Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Dados gerais sobre

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de

Portaria SEP/PR nº 38/2013. Portos. Portos. Secretaria de Portaria SEP/PR nº 38/2013 Portos Secretaria de Portos CFT COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Tema: Obter esclarecimentos da autorização da Portaria nº 38, de 14/03/2013, para contratação

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro

O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro O Programa de Investimentos em Logística: Um Projeto Estratégico do Estado Brasileiro Bernardo Figueiredo Presidente da Empresa Brasileira de Planejamento e Logística Logística e Desenvolvimento Econômico

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do segundo trimestre de 2014 mostram que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 244,2 milhões de toneladas

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011

Infraestrutura portuária para o Turismo. Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Infraestrutura portuária para o Turismo Brazil World Cup Transportation Congress Tiago Pereira Lima Diretor da ANTAQ São Paulo, 26 de julho de 2011 Aspectos institucionais da ANTAQ 2 Criada pela Lei nº

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. 2. Dados Gerais sobre o FITP 3. 3. Descrição de Objetivos de Metas 5. 4. Indicadores ou Parâmetros de Gestão 6

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. 2. Dados Gerais sobre o FITP 3. 3. Descrição de Objetivos de Metas 5. 4. Indicadores ou Parâmetros de Gestão 6 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2 2. Dados Gerais sobre o FITP 3 2.1 Dados Gerais 3 2.2 Origem dos Recursos 4 2.3 Administração 4 2.4 Fluxo Operacional 4 2.5 Controle 5 2.6 Fiscalização e Auditagem 5 3. Descrição

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades

Ferrovias. Infraestrutura no Brasil: Projetos, Financiamentos e Oportunidades Ferrovias OBJETIVOS Ferrovias Novo modelo de investimento/exploração das ferrovias Quebra do monopólio na oferta de serviços de transporte ferroviário Expansão, modernização e integração da malha ferroviária

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP

CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015. Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP CÂMARA TEMÁTICA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO CTLOG Brasília, 25 de fevereiro de 2015 Wagner de Sousa Moreira Diretor Tecnico - ABTP BLOCO 1 BLOCO 2 BLOCO 3 BLOCO 4 Arrendamentos em Portos

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

10 ANOS DE CTLOG. Ações e Conquistas

10 ANOS DE CTLOG. Ações e Conquistas 10 ANOS DE Suspensão do Projeto de Lei nº 3635/2008 Exige forração com lona em caminhões graneleiros. Modelagem do TEGRAM Porto do Itaqui Modelagem do Porto de Outeiro - PA Redefinição da localização do

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem

Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Superintendência de Navegação SNA Navegação de Cabotagem Ana Maria Pinto Canellas Agência Nacional de Transportes Aquaviários Esfera de Atuação Navegação de Longo Curso; Navegação de Cabotagem; Navegação

Leia mais

Algumas considerações sobre o novo marco regulatório do setor portuário

Algumas considerações sobre o novo marco regulatório do setor portuário PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA: PORTOS Algumas considerações sobre o novo marco regulatório do setor portuário Em consonância com o Plano Nacional de Logística: Rodovias e Ferrovias, anunciado

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010

A s. do de. TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A Mod erniz ação dos Porto s Brasil eiros para a Copa do Mun do de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ São Paulo, 25 de agosto de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo Secretaria

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura em Transportes Eng. Luiz Guilherme Rodrigues de Mello, Dsc. Ministério dos Transportes DNIT VALEC ANTT EPL CODOMAR Ministério dos

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor

EXPEDIENTE. Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral. Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor. Tiago Pereira Lima Diretor Panorama Aquaviário Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Volume 4 outubro de 2009 EXPEDIENTE Fernando Antonio Brito Fialho DiretorGeral Murillo de Moraes Rego Corrêa Barbosa Diretor Tiago

Leia mais

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis

Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro. Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Fórum Porto-Cidade do Rio de Janeiro Plano de Expansão e Modernização Portuária Sustentáveis Dalmo Marchetti Gerente Setorial do Deptº de Transportes e Logística do BNDES Rio de Janeiro, 09/11/2012 Associação

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário 300 250 200 150 100 Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do primeiro trimestre de 2014 apontam que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 214,5

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP "A importância dos terminais portuários para a competitividade do Polo de Camaçari Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP 19 de Setembro de 2014 Salvador - BA Caracterização A luta por uma legislação

Leia mais

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE

CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE CONCESSÕES FERROVIÁRIAS WORKSHOP ABDE CENTRO-OESTE NOVEMBRO/2011 CONCESSÕES FERROVIÁRIAS ATUAIS FERROVIA km ALL - Malha Oeste (ex - NOVOESTE) 1.945 Ferrovia Centro-Atlântica S.A. - FCA 8.066 MRS Logística

Leia mais