PCL: INTERNET PELA REDE ELÉTRICA ¹MARCELO SILVA FRANCO, ²SAMUEL VIEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PCL: INTERNET PELA REDE ELÉTRICA ¹MARCELO SILVA FRANCO, ²SAMUEL VIEIRA"

Transcrição

1 PCL: INTERNET PELA REDE ELÉTRICA ¹MARCELO SILVA FRANCO, ²SAMUEL VIEIRA ¹Aluno de Graduação do curso de Gestão da Tecnologia da Informação. FATEC - Tatuí SP ²Prof. Do Curso de Gestão da Tecnologia da Informação. FATEC Tatuí SP RESUMO Este artigo visa mostrar ao leitor a tecnologia PLC, Power Line Comunications, tecnologia que trabalha com radiofrequências, utilizando a rede elétrica como meio de transporte para fornecimento do sinal de internet banda larga. PLC faz com que a rede elétrica se transforme em uma rede local de dados. Essa tecnologia é utilizada com excelência em outros países; já o Brasil vem testando a tecnologia PLC obtendo grandes resultados. Ao se deparar com a robustez da tecnologia, o governo brasileiro fez a regulamentação para o uso da tecnologia PLC. Com isso, ficou mais fácil a aquisição; assim ela se torna uma alternativa de acesso à internet de banda larga para empresas como para usuários comuns. PALAVRAS CHAVE: internet; banda larga; tecnologia plc 1-INTRODUÇÃO 1.1 Internet e sua história Segundo Sousa (2009), encerrada a Segunda Guerra Mundial, observamos que o colapso do totalitarismo abriu portas para que Estados Unidos e União Soviética tomassem frente à reorganização do cenário político internacional. Mais do que duas nações, Estados Unidos e União Soviética representaram o antagonismo entre dois modos de organização da sociedade, da economia e das relações políticas. Sendo assim, a chamada Guerra Fria simboliza o enfrentamento dessas duas ideologias fomentadas pelo suporte ideológico dos valores de ordem socialista e capitalista. Tanembau (2003) afirma que durante a Guerra Fria houve um grande desenvolvimento nas comunicações. Estados Unidos, temendo ser atacado pelos soviéticos, financiou pesquisas e desenvolveu um sistema de comunicação entre os computadores, linha de ponto-a-ponto onde participaram centros militares, e algumas universidades americanas. Essa rede de comunicações foi criada pela ARPA que depois ficou veio a ser conhecida como ARPANET. Com pensamento que seriam atacados pelos soviéticos, a central de informações não estaria num só lugar, mas espalhada pelo país onde estariam conectadas numa rede, fazendo que cada ponto dessa rede funcionasse como uma central, todas conectadas entre si.(comer 2006). Na década de 80, começou a Internet, quando todos os computadores que usavam a ARPANET trocaram os antigos protocolos NCP, pelo TCP/IP. Assim a ARPANET rapidamente se tornou o backbone da nova Internet sendo usada para muitas experiencias com TCP/IP. A migração para a tecnologia da Internet foi completada em janeiro de 1983, quando a Secretaria de Defesa determinou que todos os computadores das redes de longa distância usassem o protocolo TCP/IP. Nesse mesmo período a ARPANET foi divida em duas redes separadas, sendo que uma era para a comunicação militar e a outra para continuar a pesquisa. A parte militar, que era maior, teve o nome de MILNET e a outra continuou como ARPANET. Segundo Comer (2009), vendo que a comunicação de redes seria extremamente crucial para

2 pesquisas científicas, a National Science Foundation (NSF), assumiu ativamente na expansão da Internet com o sentido de conseguir o maior número de cientistas possíveis. Já na década de 70, a NSF patrocinou o projeto Computer Science NETwork, com o objetivo de conectar todos os cientistas da computação. Em 1985, a NSF criou o programa onde estabelecia redes de acesso em torno de seus seis centros de supercomputação, em 1986 expandiu sua rede com uma nova rede de backbone, investindo em redes regionais, cada uma conectando nas principais instituições de pesquisas de uma determinada área.(comer, 2006). Com sete anos, a Internet cresceu espalhando centenas de redes individuais, localizadas nos Estados Unidos na e Europa. Conectando computadores em universidades e governos. A Internet continuou a crescer rapidamente fora do que tinha sido previsto. Em 1987, seu crescimento tinha atingindo 15% por mês.(comer, 2006). No ano de 2005, a Internet atingiu 300 milhões de computadores em 209 países. Esses números mostram que o avanço da digitalização é mais rápido do que as previsões feitas pelos especialistas e indicam que o impacto das novas tecnologias sobre os valores que herdamos da era industrial será mais traumático do que se imaginava, porque a transição será mais curta. 1.2 Internet na sociedade brasileira Na sociedade em que vivemos, a internet tem se tornado o meio de comunicação que mais expandiu em todos os sentidos, uma ferramenta vital na sociedade da informação. A cada dia, novos acessos por parte de novos usuários; há uma projeção cada vez maior de tantos internautas estarem se conectando à rede mundial de computadores, no intuito de agilizar os processos do dia-a-dia como: as transações bancárias, as correspondências pessoais, as pesquisas, as compras, as vendas; e obtêm-se, desta forma, avanços em diversos setores, dentre eles o educacional, social e econômico. Portanto, pessoas que não possuem acesso a essas ferramentas estão atualmente em grande desvantagem em relação àquelas que já usam a Internet para desenvolver várias de suas atividades diárias. A necessidade é aumentar o nível de inclusão digital da população brasileira, tendo isso como um objetivo vital e estratégico.(ibge 2007). O grande enlace da digitalização promove consequentemente uma grande alavancada na economia nacional; com isso o país prospera e busca novas tendências de mercado, e o principal objetivo é independentemente da idade, sexo, raça, ou outra característica que possa distinguir a população, fazer com que todos consigam acesso à internet, utilizando as ferramentas e para entenderem como funciona essa nova era da tecnologia. O governo vem desenvolvendo projetos, criando alternativas e motivando, visando reduzir os índices de exclusão digital por parte de um grande percentual da população. O objetivo é ajudar àqueles cuja renda é a menos favorecida em nossa sociedade. Estão sendo criados projetos que objetivam a ampliação da inclusão digital particularmente nas áreas educacionais e da saúde, pois infelizmente uma boa parte de cidades da região norte e nordeste dentre outras, ainda não possuem um acesso intenso e de qualidade.(ibge). A inclusão digital é, atualmente, mais do que uma necessidade para reduzir a desigualdade social no país, é uma opção estratégica para colocar o Brasil em posição de destaque na sociedade da informação. Essa estratégia pode ao mesmo tempo incidir sobre a ampliação da cidadania, a redução da pobreza e a generalização do domínio das novas tecnologias da informação pelo conjunto da sociedade brasileira. (IBGE). É notório que o Brasil tem condições de superar esse atraso e as vicissitudes existentes. Todavia, para que isso de fato ocorra, é preciso começar a fazê-lo hoje, ou melhor, ontem. Do contrário, as gerações vindouras continuarão com elevado índice de excluídos da era digital. Dentro deste contexto, considera-se que a inclusão digital é necessária a fim de possibilitar a toda a população, por exemplo, o usufruto dos mais variados serviços prestados via Internet. Hoje em dia, ter acesso à Internet significa acesso a um vasto banco de informações e de serviços. Este imenso repositório de conteúdo e serviços merece e deve ser utilizado por toda população brasileira. (IBGE).

3 2. DESENVOLVIMENTO 2.1 Tecnologia PLC A PLC, Power Line Comunications, é a tecnologia que usa a rede elétrica como meio físico para o transporte de sinais de dados, e sua transmissão é feita sobre os fios de cobre das redes de distribuição de baixa e média tensão. Seu funcionando transforma qualquer tomada elétrica em um ponto de dados. Assim, podemos ter uma conexão plug and play para ligarmos computadores e televisores com sinal digital, ela proporciona uma velocidade alta e sem perdas de dados, uma vez que a faixa da velocidade pode variar entre 3 Mbps e 33 Mbps, um valor alto em comparação as outras tecnologias existentes, trabalhando numa frequência de 1 a 30 Mhz. Isso faz que não haja nenhuma interferência.(teleco). A tecnologia PLC existe há muito tempo, mas utilizando a Banda Larga ela ainda é recente. Nos últimos anos, foram criados centros de pesquisa e, dessa maneira, desenvolveram-se sistemas de comunicação de Banda Larga sobre a rede de distribuição elétrica. Com essas pesquisas conseguiram a criação de tecnologias de acesso. Logo levaram o PLC a residências e a escritórios. Com essa tecnologia, seus usuários estão conseguindo uma largura de banda de 200 Mbps. A partir dessa tecnologia, será fornecido acesso à internet banda larga para população. A, PLC, trabalhando junto ou ao lado de outras tecnologias, passará a ser uma alternativa tecnológica principalmente no tocante à questão de análise de custos e de serviços a serem ofertados. A PLC pode ser utilizada em rede de baixa e média tensão, e estudos estão sendo feitos para a utilização na rede de alta tensão. Ainda, pode ser utilizada tanto nas redes de baixa tensão aéreas quanto em redes subterrâneas. Atualmente existem vários projetos executados utilizando a tecnologia PLC, seja para fins econômicos financeiros, seja para fins sociais, com fez a empresa APTEL em 2004, implantando o projeto Barreirinhas, no Maranhão, projeto este voltado para o acesso à informação. As grandes empresas fornecedoras de eletricidade como CEMIG, COPEL, e a Eletropaulo também estão desenvolvendo trabalhos neste seguimento.(teleco). A tecnologia PLC está evoluindo a cada dia e as desvantagens e problemas estão sendo superados com avanços através de pesquisas. Com o tempo, ela será, sem dúvida, uma opção para diversas aplicações, e as empresas de energias brasileiras terão grandes oportunidades, pois 95% da população de nosso país utiliza energia elétrica. Como as topologias das redes de energia elétrica são bastantes diferentes, isso irá definir o potencial da região onde estará a tecnologia PLC. Podemos citar como exemplo o Estados Unidos, onde a rede de baixa tensão usa o valor de 110V e seus transformadores passam a energia para 10 casas em média, a Europa utiliza a rede de baixa tensão também mas com o valor de 220V e seus transformadores passam energia para 250 casas.(teleco). Um grande benefício da tecnologia PLC, segundo Currrent (2006) são: acesso à internet banda larga com velocidade de transmissão de até 200Mbps; serviços de telefonia IP; conectividade em qualquer tipo de edificação, abrangendo desde residências simples até grandes condomínios; sem necessidade de cabeamento adicional, pois usa os cabos da rede de energia elétrica já existente; fácil instalação, com modems plug and play e uma central head-end; disponibilidade de repetidores para grandes extensões de rede; privacidade e segurança através da encriptação e autenticação de dados; e por fim, baixa taxa de manutenção dos equipamentos. Abaixo, temos duas figuras; assim podemos entender melhor como funciona tecnologia PLC com triple play.

4 Figura 1 fonte:

5 Figura 2 fonte: 2.2 Acesso à rede plc Para obter acesso à rede PLC, é necessário ter instalado ao medidor de energia elétrica da casa do usuário o equipamento chamado Repetidor ou Equipamento Intermediário. O equipamento intermediário faz a função de receber os sinais PLC que são gerados nos modems existentes na rede do usuário, para redirecionar o sinal a fim de que voltem para rede de baixa tensão. Já nos edifícios, basta ter apenas um equipamento intermediário instalado, pois ele receberá os sinais PLC que vêm de todo edifício e irá redirecioná-los para voltarem à rede de baixa tensão.(teleco). Se o equipamento intermediário estiver numa distância maior que 300 metros de um transformador, será necessário utilizar o repetidor, pois ele faz a recuperação do sinal PLC e redireciona novamente para a rede elétrica de baixa tensão o sinal PLC. Nos casos onde a distância do modem PLC e o transformador for pequena, podemos excluir o repetidor e substituí-lo por acopladores. A rede de acesso acaba no equipamento chamado de repetidor de baixa tensão ou média

6 tensão, ou como é conhecido em inglês Trasnformer Equipment. Ele é encontrado junto ao transformador da rede elétrica, pois ele recebe os sinais PLC e os coloca nos equipamentos intermediários da rede de baixa tensão ou média tensão. Podemos ver na figura 3 e 4 o funcionamento para o acesso da rede PLC. Figura 3 fonte: Figura 4 fonte : 2.3 Rede local

7 A criação da rede local do usuário é constituída pela rede elétrica do próprio usuário, e também pelos modems onde serão conectados os aparelhos para o uso da internet banda larga. Podemse ligar vários modens nas tomadas de energia elétrica, e isso fica a critério do usuário ao total de equipamentos que serão utilizados. A tecnologia PLC dá ao usuário a vantagem de ele criar um ponto de acesso , assim poderá distribuir a internet banda larga pelo sinal wireless; mas, se o usuário tiver uma rede cabeada em sua casa ele também poderá usa-lá, utilizando o acesso broadband nos pontos existentes.(www.eeec.ufg.br). A interface dos modems PLC tem como padrão o RJ45 para rede Ethernet; RJ11 para conexão de telefones, pois o modem proporciona ao usuário uma gateway onde poderá usar o serviço de voz sobre IP (VoIP), e também a conexão USB para utilização em demais aparelhos. A figura 5 mostra o processo do modem PLC. Figura 5 fonte: 2.4 Segurança A rede PLC utiliza a criptografia DES 56-bits, desenvolvida pala IBM na década de 70. Isso faz a criação de usuário e senha, podendo-se utilizar também uma VLAN onde os dados estão numa

8 rede separada, o que proporcionará um melhor controle de acesso à rede. Se não houvesse segurança da rede PLC, isso nos daria como escutar a transmissão de dados que ocorre na rede. Além dessa criptografia, outros sistemas de segurança poderão ser implementados, dentre eles destaca-se um sistema de detecção de intrusão para que nenhum acesso seja feito sem o conhecimento do administrador da rede. A figura 6 nos ajuda a entender como funciona a a criptografia da rede PLC. Figura 6 fonte: mídiacom 2.5 Multiplexação A tecnologia PLC proporciona o uso da modulação da transmissão de dados. Multiplexação nada mais é do que a combinação de vários sinais para a transmissão simultânea no mesmo canal. Métodos básicos da multiplexação são: (MÍDIACOM). Frequency-Division Multiplexing: usa modulação por onda contínua para colocar cada sinal em uma frequência específica da banda. No receptor são usados vários filtros para separar os diferentes sinais e prepará-los para demodulação. Time-Division Multiplexing: usa modulação por pulsos para posicionar os sinais em diferentes fatias de tempo. Code-Division Multiplexing: cada sinal é identificado por uma sequência (código) diferente. 2.6 Vantagens A tecnologia PLC trata-se de uma rede de comunicações independente, utilizando a

9 infraestrutura existente de cabos elétricos, possibilitando a transmissão de dados de comunicação. A cobertura geográfica da rede de baixa tensão em regiões habitadas é bem abrangente, facilitando o acesso quase universal à rede, podendo ainda ser implanta com muita facilidade, visto que não precisará de obras para cabeamento. Além disso, é simples, de fácil instalação e utilização; para o usuário usá-la basta conectar à tomada. Estão sendo feitos pesquisas e investimentos, e os custos operacionais da rede PLC estão ficando cada vez mais competitivos com relação à xdsl e menores do que o serviço de distribuição via cabo. O desenvolvimento da tecnologia tira proveito da rede elétrica, e convergente com os desenvolvimentos mais recentes do quadro de serviços NGN e protocolos IP, por exemplo, parâmetros de QoS, IPv6, etc. 2.7 Desvantagens Algumas desvantagens do sistema são: o ambiente de comunicações é particularmente complicado, pois níveis de ruídos podem ser constantes; o sinal se perde em distâncias longas, pela instabilidade da rede elétrica; repetidores nos transformadores externos precisam existir, pois eles são responsáveis pela filtragem do sinal de alta frequência; problemas de compatibilidade eletromagnética, são detectados, entre circuitos eletrônicos e linhas de transmissão de energia elétrica. A figura 7 exemplifica as desvantagens do PLC. Figura 7 fonte: 3 - CONCLUSÃO O PLC nasceu na era da Internet e utiliza o protocolo IP na integração de rede e de serviço. Através de um único modem, o usuário poderá acessar a internet, a telefonia VoIP, a TV digital, e isso certamente irá reduzir os custos com equipamentos desnecessários para o acesso dos serviços. A tecnologia PLC faz com que os países que a implantarem obtenham um grande aumento da competitividade no fornecimento da Rede de Acesso, acelerando a difusão dos principais objetivos da inclusão digital. A implantação da tecnologia PLC é muito rápida quando comparada com a maior parte das tecnologias existentes, já que se baseia na infraestrutura da rede elétrica. Por isso, ganha tempo de mercado, permitindo implantações rápidas e massivas. Se implantada gradativamente, fará a transformação dos cabos de cobre das redes de energia elétrica em grandiosos meios de transmissão de

10 dados, voz, imagens, que poderão ser enviados de qualquer lugar onde a porta para comunicação se baseia simplesmente numa tomada elétrica. Com tudo isso, seríamos beneficiados, talvez, com um custo bem menor do que existe hoje no mercado. É evidente, que ainda há o que melhorar, porém a evolução está cada vez mais acelerada, pois o PLC levará a internet banda larga a pessoas menos favorecidas, chegando, assim, à tão grande e esperada inclusão digital para todos. 4 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APTEL. Associação de Empresas Proprietárias de Infra- Estrutura e de Sistemas Privados de Telecomunicações. Disponível em: <http://www.aptel.com.br>. Acesso em: 15 jun REVISTA ESPIRITO LIVRE. PLC Transmissão de dados pela rede elétrica. vol. 13, COMER Douglas. Interligação de redes com TCP/IP. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, BORGES, Aderbal Alves. Tecnologia PLC. São José dos campos Disponível em: <http://www.teleco.com.br/emdebate/aderbal01.asp>. Acesso em: 20 jun HOMEPLUG. Site de fabricante de equipamentos PLC. Disponível em: <http://www.homeplug.org>. Acesso em: 15 jun ANATEL. Agência nacional de telecomunicações. Disponível em: <http://www.anatel.gov.br>. Acesso em: 15 jun ANNEL. Agência de eneriga elétrica. Disponível em: <www.aneel.gov.br/area.cfm?idarea=89&idperfil=7>. Acesso em: 15 jun PORTALADSL. Site sobre tecnologias ADSL. Disponível em: <http://www.portaladsl.com.br>. Acesso em: 15 mai OPERA. Open PLC European Research Alliance. Disponível em: < Acesso em: 15 mai TELECO. Site sobre a tecnologia PLC. Disponível em: <http://www.teleco.com.br/plc.asp>. Acesso em: 15 jun IBGE. Instituto Brasileiro de Geografiae Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 15 jun AMBICOM. Tecnologia PLC. Disponível em: <www.ambicom.com.tw>. Acesso em: 15 jun PANASONIC. Equipamentos PLC. Disponível em: <www.panasonic.com>. Acesso em: 15 mai MIDIACOM. Segurança da tecnologia do PLC. Disponível em: <www.midiacom.com>. Acesso em: 15 jun COMUNIDADE PLC. Tudo sobre PLC. Disponível em: <www.plc-j.org>. Acesso em: 15 jun. 2010

Tem também grande experiência em desenvolvimento e padronização de processos em empresas de prestação de serviços.

Tem também grande experiência em desenvolvimento e padronização de processos em empresas de prestação de serviços. PLC - Power Line Communications Este tutorial tem por objetivo introduzir o tema PLC Power Line Communications. Esta tecnologia já está disponível, hoje, para o fornecimento de infra-estrutura para os

Leia mais

PLC - Power Line Communications - 2009

PLC - Power Line Communications - 2009 PLC - Power Line Communications - 2009 Bruno Aguilar e Silva Bruno B. L. de Oliveira David Alves da Silva Hugo Pereira Rios Luiz Carlos Duarte Vilmar Batista da Silva Universidade Presidente Antônio Carlos

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

Rede PLC Power Line Conection

Rede PLC Power Line Conection Rede PLC Power Line Conection Por: Luiz Fernando Laguardia Campos Semana do Técnico Colégio PioXII Outubro 2008 Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Rede PLC - Tópicos

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications)

VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications) VoIP em Redes PLC (PowerLine( Communications) Christiane Borges Santos Doutoranda em Ciência da Computação - UNB Mestre em Eng. Elétrica e de Computação - EEEC/UFG Tecnóloga em Redes de Comunicação CEFETGO

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

Assunto: Redes Com Menos Gastos

Assunto: Redes Com Menos Gastos Assunto: Redes Com Menos Gastos Christian Luiz Galafassi 09132064 Resumo: Novos modos de Redes estão sendo implantadas e em testes. No artigo vou falar sobre duas delas que são Power of Ethernet (PoE),

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Eletrônica IV Redes de Computadores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que é uma rede

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Comunicado Técnico 20

Comunicado Técnico 20 Comunicado Técnico 20 ISSN 2177-854X Novembro. 2012 Uberaba - MG Redes PLC Uma nova alternativa para a transmissão de dados Instruções Técnicas Responsável: Thiago Lara dos Reis Graduado no curso de Sistemas

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Power Line Communication

Power Line Communication INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA Power Line Communication Nome: Sergio Bezerra Valmir Brasília, 24 de Junho de 2012 Introdução A transmissão de dados via rede de energia elétrica (PLC - Power Line Communications),

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA CENTRO DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E INFORMÁTICA CURSO DE INFORMÁTICA TOPICOS ESPECIAIS EM SISTEMA DE INFORMACAO INTERNET SOB REDE ELÉTRICA RODRIGO MACHADO DE OLIVEIRA Bagé,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Matemático Comunicação de Dados em Redes

Matemático Comunicação de Dados em Redes The Sims: Jogo Computacional como uma Ferramenta Pedagógica na Construção do Conhecimento Matemático Comunicação de Dados em Redes Rúbia Juliana Gomes Fernandes - Guataçara dos Santos Junior de Distribuição

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC

Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC Uma Arquitetura para a Integração e Avaliação da Tecnologia Voz sobre IP em Enlaces PLC André M. Zenun 1, Diego L. Kreutz 2, Rafael R. Righi 1 1 Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis SENAI-SC Rodovia

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Tecnologias de Banda Larga

Tecnologias de Banda Larga Banda Larga Banda larga é uma comunicação de dados em alta velocidade. Possui diversas tecnologia associadas a ela. Entre essas tecnologias as mais conhecidas são a ADSL, ISDN, e o Cable Modem. Essas tecnologias

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4

ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 ATIVIDADE 1 ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.1 História Apesar de este livro ter um enfoque prático, com atividades no estilo mão na massa em todas as atividades que veremos a seguir torna-se necessário, em

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com INFRA-ESTRUTURA COMUM PARA PROVEDORES DE SERVIÇOS E EMPRESAS Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com No passado, os provedores de serviços de telecomunicações projetavam, implementavam e operavam

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto

Rede PLC da Restinga Primeira Etapa do Projeto Primeira Etapa do Projeto Transferência de sinal da rede elétrica do prédio para cabo ou wireless e vice-versa D Repetidores e extratores de sinal para baixa tensão (220V/127V) e vice-versa C B Injeção

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Internet. A Grande Rede Mundial. Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha Internet A Grande Rede Mundial Givanaldo Rocha givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha O que é a Internet? InterNet International Network A Internet é uma rede mundial de

Leia mais

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo

Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Outras apostilas em: www.projetoderedes.com.br Como Montar uma Rede Wireless Passo-a-Passo Redes Wireless estão em franco crescimento. Novas redes são implementadas, com soluções mais rápidas, abrangentes

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo Data:17 de Julho de 2009 Índice 01 Evolução da Internet - História (comercialização dos Backbones)

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa Lin Yu Han Rafael Santos de Almeida INTERNET. Ponta Grossa

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa Lin Yu Han Rafael Santos de Almeida INTERNET. Ponta Grossa UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa Lin Yu Han Rafael Santos de Almeida INTERNET Ponta Grossa 31/05/2010 0 Lin Yu Han Rafael Santos de Almeida INTERNET Artigo apresentado à disciplina

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução a Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 25 O que é Redes de Computadores? É a infra-estrutura de hardware

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Powerline 85 PSA-1108. Manual do usuário

Powerline 85 PSA-1108. Manual do usuário Powerline 85 PSA-1108 Manual do usuário Direitos autorais O conteúdo desta publicação não pode, em parte ou completamente, ser reproduzido, armazenado, traduzido para qualquer língua ou transmitido em

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO.

SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. SECRETARIA DE FAZENDA - DF SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DE DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 1 Marcelo Herbert de Lima Chefe do Núcleo de Controle da Produção DADOS, VOZ E IMAGENS VIA RÁDIO. 2 1 Roteiro A Secretaria

Leia mais