INVESTIREMPORTUGAL ESCOLHA CERTA. MOMENTO CERTO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVESTIREMPORTUGAL ESCOLHA CERTA. MOMENTO CERTO."

Transcrição

1 1 INVESTIREMPORTUGAL ESCOLHA CERTA. MOMENTO CERTO.

2 2 INVESTIREMPORTUGAL ESCOLHA CERTA. MOMENTO CERTO. MIGUEL FRASQUILHO CEO aicep Portugal Global Portugal é hoje um destino atraente para investir, oferecendo muitas vantagens competitivas. Ao longo dos últimos anos, o país tem vindo a corrigir os seus desequilíbrios estruturais, como as contas públicas e as contas externas e implementou cerca de 500 medidas e reformas estruturais (como a que flexibilizou o mercado de trabalho, a que alterou o sistema judicial e a reforma do IRC, em vigor desde 2014, criando um dos regimes fiscais mais favoráveis da Europa para as empresas até 2018). A nossa competitividade tem vindo a melhorar, como revela o Ranking do World Economic Forum, onde Portugal subiu 15 lugares posicionando-se

3 3 atualmente como o 36º país mais competitivo entre 144 e as nossas perspetivas económicas são hoje mais favoráveis. A nossa proposta de valor é bastante atrativa: disponibilidade de talento competitivo, localização estratégica, elevada qualidade de infraestruturas tecnológicas, incentivos competitivos (reforçados com o Portugal 2020) e outros ativos intangíveis como a hospitalidade, abertura à integração de cidadãos estrangeiros, assim como o facto de sermos um país agradável e seguro para viver são algumas das vantagens competitivas e fatores de atratividade que nos distinguem. Portugal está a caminhar para se tornar um dos países com um ambiente de negócios mais favorável do mundo. Convidamos todas as empresas que queiram investir a fazê-lo aqui, em Portugal e todas aquelas que já estão no nosso país a reforçar os seus investimentos. Portugal é a escolha certa, no momento certo, para investir. A AICEP, Agência Portuguesa para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, é o vosso ponto único de contacto. Um verdadeiro facilitador. Venham ter connosco. Tudo faremos para vos ajudar em todas as fases dos vossos processos de investimento.

4 4

5 5 INVESTIREMPORTUGAL Portugal é um destino atraente para investir, oferecendo muitas vantagens competitivas. CORREÇÃO DE DESEQUILÍBRIOS ESTRUTURAIS E IMPLEMENTAÇÃO DE REFORMAS ESTRUTURAIS 6 14 MELHOR COMPETITIVIDADE, AMBIENTE DE NEGÓCIOS MAIS FAVORÁVEL E MELHORES PERSPETIVAS ECONÓMICAS MELHORES VANTAGENS COMPETITIVAS MELHOR APOIO AO INVESTIMENTO

6 6 INVESTIREMPORTUGAL CORREÇÃO DE DESEQUILÍBRIOS ESTRUTURAIS E REFORMAS ESTRUTURAIS

7 CORREÇÃO DE DESEQUILÍBIROS ESTRUTURAIS 7 CONTAS EXTERNAS E PÚBLICAS Portugal já regista um excedente da balança externa e tem vindo a reduzir o défice orçamental. >2% Balança externa, Portugal, E (Percentagem do PIB) Inversão do défice externo (balança corrente e de capital): de -10,9% do PIB em 2008 para um saldo positivo superior a 2% do PIB. Saldo orçamental, Portugal, Zona Euro, E (Percentagem do PIB) <3% Prevê-se que o défice orçamental seja inferior a 3% do PIB em E Estimativa. Fontes: Governo de Portugal, INE, Banco de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

8 8 CORREÇÃO DE DESEQUILÍBRIOS ESTRUTURAIS CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTAL A despesa pública tem vindo a diminuir e o saldo orçamental estrutural tem melhorado 1. Despesa pública, E (Milhares de milhões de euros, percentagem do PIB) Saldo orçamental estrutural, P (Percentagem do PIB) E Estimativa. P Previsão. 1. Saldo orçamental corrigido do efeito do ciclo económico e expurgado de medidas extraordinárias (não recorrentes). Fontes: Governo de Portugal, INE, Banco de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

9 REFORMAS ESTRUTURAIS PARA MELHORAR A COMPETITIVIDADE Orçamentais e Administração pública Regulação e supervisão do sector financeiro Cerca de 500 medidas implementadas desde Saúde Mercado de trabalho Educação Mercado de bens e serviços Mercado de arrendamento Política fiscal Justiça Concorrência Fontes: Governo de Portugal, AICEP.

10 10 REFORMAS ESTRUTURAIS MERCADO DE TRABALHO Portugal convergiu para a média da OCDE, no que diz respeito à flexibilidade do mercado de trabalho. MEDIDAS PARA MELHORAR A FLEXIBILIDADE DO TRABALHO: Aumento do número de dias de trabalho. Possibilidade de implementação de Banco de horas, negociado diretamente com os trabalhadores. Diminuição dos valores das indemnizações por despedimento. Redução dos custos com horas extraordinárias. LEICA ( ) com os seus conhecimentos de engenharia, os colaboradores portugueses contribuíram significativamente para a história de sucesso da câmera Leica. Andreas Kaufmann, Presidente do Conselho de Supervisão, Leica AG. Fontes: OCDE, AICEP.

11 REFORMAS ESTRUTURAIS REGULAÇÃO 11 Regulação do mercado de produtos, º Portugal tem vindo a melhorar a sua classificação no indicador da OCDE relativo à Regulação do Mercado de Produtos, sendo atualmente o sétimo país menos restritivo da UE-28. Mais restritivo Menos restritivo Fonte: OCDE.

12 12 REFORMAS ESTRUTURAIS IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Portugal à frente da média da UE. REGIME DE PARTICIPATION EXEMPTION Isenção de imposto para os dividendos pagos por subsidiárias portuguesas a empresas não residentes (exceto paraísos fiscais), bem como para as mais valias obtidas na alienação das suas ações, desde que detendo participações não inferiores a 5% durante 24 meses. REPORTE DE PREJUÍZOS Período de reporte de prejuízos fiscais alargado de 5 para 12 anos. IRC PARA AS PME Taxa reduzida de IRC (17%) para os primeiros 15 mil euros de matéria colectável; Regime simplificado. TAXA DE IRC Redução do IRC. 31,5% > 17% 19% PATENT BOX Isenção de 50% de imposto para o rendimento proveniente de patentes e outros direitos de propriedade intelectual > Uma das mais baixas taxas de IRC da Europa 1. Taxa máxima ajustada (i.e., taxa de IRC de 25% em 2013, 23% em 2014, 21% em 2015 e 17%-19% em 2016, mais derramas municipal e estadual, que deverão ser eliminadas até 2018). Fontes: Governo de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

13 REFORMAS ESTRUTURAIS IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Portugal à frente da média da UE TAXA DE IRC, Redução do IRC. Letónia 1. Em 2013: UE-28 = 22,9%, Zona Euro = 25,1%. 2. Taxa máxima ajustada (i.e., taxa de IRC de 25% em 2013, 23% em 2014, 21% em 2015 e 17% 19% em 2016, mais derramas municipal e estadual, que deverão ser eliminadas até 2018). Fontes: Governo de Portugal, INE, Banco de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

14 14 REFORMAS ESTRUTURAIS PRIVATIZAÇÕES O programa foi implementado com sucesso (receitas de aproximadamente 8,8 mil milhões de euros, acima das expectativas iniciais de 5 mil milhões de euros). EMPRESAS PRIVATIZADAS PRINCIPAIS INVESTIDORES PARTICIPAÇÕES ALIENADAS MONTANTE EM EUROS 21,35%, prémio de 53,6% por ação EUR milhões 40%, prémio de 33,6% por ação 11%, desconto de 6,3% por ação EUR 593 milhões EUR 157 milhões PRIVATIZAÇÕES EM 2015 TRANSPORTE AÉREO 100% 100% EUR 910 milhões 80% da Fidelidade, Caixa Poupança, Multicare e Cares EUR milhões pelas ações + EUR milhões de euros pela comissão de concessão + EUR 753 milhões de dívida preexistente EUR milhões 1% da GALP EUR 101 milhões HPP Saúde (CGD) EUR 85,6 milhões 100% EUR 149,9 milhões LOGÍSTICA FERROVIÁRIA CONCESSÕES Transportes urbanos (Lisboa, Porto) Portos marítimos Fontes: Governo de Portugal, AICEP.

15 INVESTIREMPORTUGAL 15 MELHOR COMPETITIVIDADE, AMBIENTE DE NEGÓCIOS MAIS FAVORÁVEL E MELHORES PERSPETIVAS ECONÓMICAS

16 16 MELHOR COMPETITIVIDADE PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE 36º Evolução da posição de Portugal no ranking de competitividade do Fórum Económico Mundial, Portugal subiu 15 lugares, tornando-se o 36º país mais competitivo do mundo 1, de acordo com o índice de competitividade do Fórum Económico Mundial Portugal é o 14º país mais competitivo da UE-28, à frente de países como a Itália, a República Checa e a Polónia. 2. Em 2014, entre 144 países. Fonte: Fórum Económico Mundial.

17 AMBIENTE DE NEGÓCIOS MELHOR AMBIENTE DE NEGÓCIOS É fácil fazer negócios em Portugal º 1º De acordo com o Doing Business 2015, publicado pelo Banco Mundial, Portugal é o 25º país no Mundo 1 onde é mais fácil fazer negócios. O nosso país destaca-se em alguns indicadores: Portugal é, por exemplo, o 1º país da UE-28 (10º entre 189 países analisados) onde é mais fácil criar uma nova empresa. Em Portugal, começar um novo negócio demora 2,5 dias e implica 3 procedimentos. Efetuar um registo predial demora apenas 1 dia e implica 1 só processo. 1. Portugal é o 11º país da UE-28 onde é mais fácil fazer negócios à frente de países como Holanda, França, Espanha, Itália ou Polónia. Fonte: Banco Mundial.

18 18 PERSPETIVAS ECONÓMICAS RECUPERAÇÃO ECONÓMICA Portugal voltou a registar crescimento económico e o desemprego tem vindo a diminuir. PIB, Portugal, Zona Euro, E (Percentagem do PIB) Previsão do PIB, 2016 (Percentagem) Desemprego, Portugal, Zona Euro, E (Percentagem) Governo Banco de Portugal 2,0% 1,9% Comissão Europeia 1,8% E Estimativa. Fontes: Governo de Portugal, INE, Banco de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

19 PERSPETIVAS ECONÓMICAS 19 MOTORES DE CRESCIMENTO As exportações têm aumentado de forma sustentável e o investimento tem recuperado. SINAIS ENCORAJADORES SUSTENTAM TENDÊNCIA EXPORTADORA 1. Aumento do número de empresas exportadoras; 2. Maior diversificação (mais exportações para países extra-ue); 3. Melhoria do perfil tecnológico; 4. Ganhos de quota de mercado a nível internacional. Evolução das exportações Portuguesas (bens e serviços), E (Percentagem do PIB) Exportações, Portugal, Zona Euro, E (Percentagem) Investimento, Portugal (Percentagem) E Estimativa. Fontes: Governo de Portugal, INE, Banco de Portugal, Comissão Europeia, AICEP.

20 20 INVESTIREMPORTUGAL MELHORES VANTAGENS COMPETITIVAS

21 21 País europeu mais próximo dos Estados Unidos e do Canadá Mesmo fuso horário do Reino Unido e da Irlanda 1 hora de diferença do fuso horário central europeu 3 horas de diferença horária em relação a Moscovo MELHOR LOCALIZAÇÃO Nota: Tendo como referência horas UTC. 3 horas de diferença horária em relação a São Paulo Portugal tem uma localização privilegiada para aceder a mercados relevantes.

22 22 MELHOR TECNOLOGIA Portugal é um país de topo no fornecimento de serviços tecnológicos. TELECOMUNICAÇÕES Percentagem de ligações de fibra ótica no total de banda larga: 18,1% em dezembro de 2013 (acima da média de 16,7% da OCDE). 7º lugar entre os 28 países da UE. Portugal é o 8º país da UE-28 com maior número de assinaturas de banda larga de alta velocidade por habitante. E-GOVERNMENT De acordo com o e-government Survey 2014 das Nações Unidas, Portugal ocupa o 37º lugar entre os 193 países que compõem o ranking do Índice de Desenvolvimento de e-government. PAGAMENTOS ELETRÓNICOS Portugal é um país líder na execução de operações através da rede Multibanco. A Via Verde, a rede eletrónica de portagens portuguesa, é pioneira a nível mundial na gestão de portagens. Fontes: Estatísticas da Banda Larga da OCDE, The World in 2014 ICT Facts and Figures (UIT), Eurostat, Anacom, INE, DGEEC, Nações Unidas, Comissão Europeia (e-government).

23 23 MELHORES INFRAESTRUTURAS Portugal é o 12º país do mundo com melhores infraestruturas 1. QUALIDADE DAS ESTRADAS 2º melhor do mundo 1. Portugal é 6º a nível de densidade da rede de auto-estradas, bem acima da média da OCDE. QUALIDADE DAS INFRAESTRUTURAS MARÍTIMAS 23º melhor do mundo 1. Porto de Águas Profundas de Sines: Navios Post- Panamax; O porto de Sines foi o porto de maior crescimento a nível mundial (+68% em 2013). QUALIDADE DO TRANSPORTE AÉREO 20º melhor do mundo 1. O Aeroporto do Porto foi considerado como sendo o 3º Melhor Aeroporto Europeu em QUALIDADE DAS INFRAESTRUTURAS FERROVIÁRIAS 23º melhor do mundo 1. Recentemente inaugurado, o Corredor Atlântico é uma linha ferroviária entre Portugal, Espanha e França. A extensão até à Alemanha deverá estar operacional em novembro de Ranking de competitividade do Fórum Económico Mundial (144 países). Fontes: OCDE, Container Management, Fórum Económico Mundial, Airports Council International, Corridor 4.

24 24 + MERCADO Portugal é uma porta aberta para um mercado de 500 milhões de pessoas na Europa e mais de 250 milhões de consumidores de língua portuguesa. 27º Portugal é um Estadomembro da UE e pertence à Zona Euro. Comércio livre, inexistência de barreiras aduaneiras, livre circulação de pessoas e bens, estão entre as maiores vantagens. Portugal é o 27º melhor país do mundo na Execução de Contratos. 29º Portugal é o 29º melhor país do mundo na facilidade de Comércio Internacional. Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa GUINÉ BISSAU GUINÉ EQUATORIAL SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE PORTUGAL ANGOLA BRASIL CABO VERDE TIMOR-LESTE MOÇAMBIQUE Fonte: Banco Mundial (Doing Business 2015, número total de países: 189).

25 25 MELHOR TALENTO Portugal tem uma força de trabalho disponível, flexível, dedicada e produtiva, com um alto nível de educação em áreas orientadas para os negócios ESTUDANTES MATRICULADOS EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR POR ÁREA DE ESTUDO, ANO 2012/2013. Agricultura Educação Artes Outros Matemática, Ciência e Tecnologia representam cerca de 43%. Saúde Ciências Sociais e Direito Ciência, Matemática e Informática Engenharia e Produção NÚMERO TOTAL DE DIPLOMADOS POR REGIÕES DE PORTUGAL, 2011/2012. Fonte: INE (2014).

26 26 MELHORES COMPETÊNCIAS 61% dos portugueses falam pelo menos 1 língua estrangeira. 4º 18º LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Aprender Inglês é obrigatório a partir do ensino primário. 78% dos alunos aprendem 2 ou mais línguas estrangeiras (65% na UE-28, 53% em França e 42% em Espanha). Desempenho em matemática acima da média da OCDE: 19,6%, no PISA 2012 (média da OCDE é de 14,8%). Portugal ocupa o 4º lugar a nível mundial na Qualidade das Escolas de Gestão. 8º Portugal ocupa o 8º lugar a nível mundial na Disponibilidade de Cientistas e Engenheiros. Portugal ocupa o 18º lugar a nível mundial na Qualidade das Instituições de Investigação Científica. Fonte: Fórum Económico Mundial (Relatório Global de Competitividade , número total de países: 144).

27 27 MELHOR IDE Clientes satisfeitos. BOSCH A Bosch investiu no desenvolvimento e produção de soluções e tecnologias inovadoras em Portugal para o mercado global de produtos multimédia para automóveis porque acredita no potencial do país. As instalações da Bosch em Braga são altamente competitivas em termos de qualidade e produtividade na Europa. Dr.-Ing. Sven Ost, Administrador Técnico da Bosch Car Multimedia, Braga. H. B. FULLER Na HB Fuller, a nossa equipa portuguesa ganhou rapidamente reputação pelos seus conhecimentos profissionais, energia, rapidez de aprendizagem e capacidade de trabalho multifuncional em equipa. Estou muito satisfeito com a qualidade das pessoas que temos vindo a contratar e a rapidez com que evoluíram. Malcolm Gray, Diretor Financeiro EIMEA, H.B. Fuller.

28 28 MELHOR QUALIDADE DE VIDA Portugal é um bom país para investir, viver e desfrutar. É seguro, tem um clima agradável, meio ambiente sem igual, boas estruturas culturais e de lazer e cuidados de saúde de alta qualidade. Portugal ocupa o 20º lugar (entre 140) no Travel & Tourism Competitiveness Report milhões de turistas em Fonte: INE. Melhor país europeu para visitar. Fonte: USA Today (2014). Lisboa é a 2ª melhor cidade para investir. Fonte: Financial Times (2014). Temperatura média às 12h00: 25º C (verão) e 16 C (inverno). O Algarve é o melhor lugar do mundo para disfrutar da reforma. Fonte: FORBES Retire Overseas Index (2014).

29 INVESTIREMPORTUGAL 29 MELHOR APOIO INCENTIVOS

30 30 MELHOR APOIO INCENTIVOS Os instrumentos de incentivo foram revistos, simplificados e reforçados. PROPOSTA DE VALOR ACRESCENTADO INVESTIMENTO PRODUTIVO Incentivos financeiros (Portugal 2020) Benefícios fiscais contratuais (Código Fiscal do Investimento) INVESTIMENTO EM I&D Incentivos financeiros (Portugal 2020) Benefícios fiscais contratuais (SIFIDE II) OUTROS INCENTIVOS ESTÁGIOS INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO RESIDENTES NÃO HABITUAIS Taxa reduzida para expatriados qualificados Fonte: Governo de Portugal.

31 MELHOR APOIO INCENTIVOS + Investimento Produtivo. 31 ÂMBITO INCENTIVOS FINANCEIROS Novos produtos e serviços; Novos métodos e processos de produção; A inovação tem de ser a nível nacional/internacional para as não PME. BENEFÍCIOS FISCAIS CONTRATUAIS Projetos de investimento estratégico, com impacto positivo na criação de postos de trabalho e na inovação tecnológica e investigação científica nacionais. DESPESAS ELEGÍVEIS Ativos Fixos Tangíveis: máquinas, equipamento e prédios; Ativos Fixos Intangíveis: software, transferência de tecnologia; Despesas com formação. Ativos Fixos Tangíveis: máquinas, equipamento e prédios; Ativos Fixos Intangíveis: software, transferência de tecnologia. MODALIDADE DO APOIO Incentivo reembolsável: até 35% (taxa base máxima) das despesas elegíveis, com um período de reembolso de 8 anos; Incentivo não reembolsável: isenção de reembolso até 50% do incentivo, dependendo do desempenho do projeto. 35% Taxa de base Crédito Fiscal de 10% a 25% das despesas elegíveis, a deduzir 10% ao montante da coleta durante a vigência a do contrato (máximo de 10 anos); 25% Isenção de IMI, IMT e de Imposto do Selo. APOIO MÁXIMO Um projeto de investimento produtivo tem um apoio máximo (Incentivos Financeiros + Benefícios Fiscais) de 25% Equivalente Subvenção Bruta (ESB); No caso de projetos de investimento localizados nas NUTS II Lisboa e Algarve, apenas são elegíveis atividades de inovação produtiva a favor de uma nova atividade, sendo a intensidade máxima de auxílio aplicável de 10% ESB. Fonte: Governo de Portugal.

32 32 MELHOR APOIO INCENTIVOS + Investimento em I&D. INCENTIVOS FINANCEIROS BENEFÍCIOS FISCAIS CONTRATUAIS ÂMBITO DESPESAS ELEGÍVEIS Investimento em atividades de I&D para o desenvolvimento de novos produtos/serviços ou novos métodos e processos de produção. Despesas com o pessoal técnico que desenvolve as atividades de I&D; Aquisição de serviços a terceiros, incluindo assistência e consultoria técnica e científica; Aquisição de equipamentos e instrumentos técnicos e científicos; Custos associados ao registo e aquisição de patentes. MODALIDADE DO APOIO Taxa de base: 25% das despesas elegíveis; Majorações: até +60 pp de acordo com âmbito do projeto e dimensão da empresa; Incentivo não reembolsável até 1 milhão de euros. Para o incentivo que excede este valor, 25% sob forma de Incentivo Reembolsável e os restantes 75% sob forma de Incentivo Não Reembolsável. Dedução ao montante da coleta (despesas realizadas entre 2014 e 2020); Taxa de base: 32,5% das despesas elegíveis; Taxa incremental: 50% do acréscimo das despesas realizadas no período abrangido, em relação à média dos dois exercícios anteriores, até ao limite de 1,5 milhões de euros. APOIO MÁXIMO Um projeto de investimento em I&D tem um apoio máximo (Incentivos Financeiros + Benefícios Fiscais) de: 80% do Equivalente de Subvenção Bruta para projetos de investigação industrial; 60% do Equivalente de Subvenção Bruta para projetos de desenvolvimento experimental. Fonte: Governo de Portugal.

33 MELHOR APOIO INCENTIVOS Estágios (até 9 meses*) 33 DESTINATÁRIOS Desempregados com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos (inclusive)*, com um nível de qualificação >1. APOIOS À ENTIDADE EMPREGADORA CUSTOS DA ENTIDADE EMPREGADORA Bolsa Mensal*: 3º Ciclo do Ensino Básico (Nível 2) 438,16 Ensino Secundário (Nível 3) 505,23 Ensino Secundário, dupla certificação (Nível 4) 538,77 Pós-Secundário não superior (Nível 5) 572,31 Ensino Superior (Nível 6, 7 e 8) 656,15 >20% Salário Mensal Contribuições para a Segurança Social ENTIDADE PROMOTORA Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). * Regra geral. Fonte: Governo de Portugal.

34 34 MELHOR APOIO INCENTIVOS Isenção de contribuições para a Segurança Social. DESTINATÁRIOS Jovens à procura do primeiro emprego, com menos de 30 anos; Desempregados de longa duração (inscritos no Centro de Emprego há mais de 12 meses). APOIOS À ENTIDADE EMPREGADORA Isenção do pagamento de contribuições à Segurança Social (23,75%) por um período máximo de 36 meses (aplicável apenas a contratos de trabalho sem termo). 23,75% ENTIDADE PROMOTORA Segurança Social. Fonte: Governo de Portugal.

35 MELHOR APOIO INCENTIVOS Medida Estímulo Emprego. 35 DESTINATÁRIOS Desempregados (inscritos no Centro de Emprego). APOIOS À ENTIDADE EMPREGADORA Apoio anual que poderá ir até: Contratos sem termo Contratos a termo certo (regra geral) Contratos a termo certo (circunstâncias execionais) 5.533, , ,32 ENTIDADE PROMOTORA Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). Fonte: Governo de Portugal.

36 36 MELHOR APOIO INCENTIVOS + Talento de Classe Mundial em Portugal (Benefícios Fiscais para expatriados) DESTINATÁRIOS Expatriados qualificados em (i) atividades com alto valor acrescentado, (ii) atividades científicas, artísticas ou técnicas e (iii) quadros superiores. APOIOS AOS EXPATRIADOS Taxa fixa de tributação de 20% (mais 3,5%) por 10 anos. 20% ENTIDADE PROMOTORA Autoridade Tributária e Aduaneira. Fonte: Governo de Portugal.

37 37 MELHOR APOIO A aicep Portugal Global é a sua Agência one-stop-shop. Perto de si, para o levar mais longe. TOP 10 A AICEP está no Top 10 das Agências de Promoção de Investimento que melhor respondem aos pedidos dos investidores. Fonte: Banco Mundial PRÉ-INVESTIMENTO Negoceia diretamente com as empresas através de uma abordagem adaptada às suas necessidades. NEGOCIAÇÃO DE INCENTIVOS É o único ponto de contacto em todas as fases dos processos de investimento. APOIO À INSTALAÇÃO Entidade pública de natureza empresarial, flexível, livre de encargos e com serviços simplificados. ACOMPANHAMENTO É uma Agência dinâmica com abordagem centrada no cliente / investidor.

38 38 REDE EXTERNA E FDI SCOUTS

39 39

40 40 MAIO 2015 DISCLAIMER Este documento tem fins meramente informativos. Toda a informação nele contida foi elaborada de boa fé pela AICEP, utilizando fontes públicas, consideradas confiáveis. No entanto, a Agência não garante a exatidão dos conteúdos, declinando responsabilidade por quaisquer erros ou omissões. Embora esta apresentação reflita parcialmente a legislação que rege os incentivos ao investimento em Portugal, não a retrata na sua totalidade, nem substitui a necessidade da sua análise. A AICEP está disponível para avaliar planos de negócios específicos e para determinar de que forma determinado plano de investimento poderá ou não enquadrar-se num pacote de incentivos ao investimento. A divulgação ou cópia, total ou parcial, deste documento não é permitida sem autorização.

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

Ponto de Situação 31 de janeiro 2015" Ajustamento português " Retoma económica" Investimento: agora é o momento"

Ponto de Situação 31 de janeiro 2015 Ajustamento português  Retoma económica Investimento: agora é o momento Ponto de Situação 31 de janeiro 2015! 1 2 3 Ajustamento português Retoma económica Investimento: agora é o momento Ajustamento Português! A Missão da CE, BCE e FMI foi concluída de forma bemsucedida. Reformas

Leia mais

PORTUGAL 2020 E OS BENEFÍCIOS FISCAIS PARA O INVESTIMENTO: DOIS

PORTUGAL 2020 E OS BENEFÍCIOS FISCAIS PARA O INVESTIMENTO: DOIS 11 de maio de 2015 PORTUGAL 2020 E OS BENEFÍCIOS FISCAIS PARA O INVESTIMENTO: DOIS CAMINHOS PARALELOS O novo Código Fiscal do Investimento foi publicado em 31 de Outubro de 2014. No seguimento da Reforma

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL)

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) Condições de Acesso (Lei n.º 55-A/2010 de 31 de Dezembro) 0 SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Beneficiários... 2 3 Condições de Acesso... 2 4 Despesas Elegíveis... 3 5 Taxas de Apoio...

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro Índice 1. Tributação, crescimento económico e competitividade: algumas considerações de

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo Benefícios Fiscais Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Condições de Acesso dos Beneficiários... 2 3 Condições de

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Centro Internacional de Negócios da Madeira Um Instrumento de Política de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Leia mais

Incentives News Flash nº 28/2014 Create value with public funding

Incentives News Flash nº 28/2014 Create value with public funding 3 de Novembro de 2014 Incentives News Flash nº 28/2014 Create value with public funding Foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, de 31 de Outubro, que aprova um novo Código Fiscal do Investimento ( CFI

Leia mais

07-01-2015 BBB 2015 1

07-01-2015 BBB 2015 1 BBB 2015 1 Decreto-Lei N.º 162/2014 de 31 de Outubro C F I 3 Preâmbulo Ideias base Promoção da competitividade e do investimento; Reforço do apoio ao investimento, favorecendo o crescimento sustentável,

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Seminário Diplomático. Speaking Notes. Janeiro 07, 2015. Lisboa. Miguel Frasquilho. Presidente, AICEP Portugal Global

Seminário Diplomático. Speaking Notes. Janeiro 07, 2015. Lisboa. Miguel Frasquilho. Presidente, AICEP Portugal Global Seminário Diplomático Speaking Notes Janeiro 07, 2015 Lisboa Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global Senhor Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Senhores Secretários de Estado, Senhora

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Guia de Incentivos Fiscais

Guia de Incentivos Fiscais Guia de Incentivos Fiscais Instrumentos Fiscais de Apoio e Promoção ao Investimento Conteúdo do Guia Enquadramento Sistema de Incentivos Fiscais de Investigação e Desenvolvimento Empresarial II (SIFIDE

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Guia de Incentivos Fiscais 2014

Guia de Incentivos Fiscais 2014 Guia de Incentivos Fiscais 2014 Instrumentos Fiscais de Apoio e Promoção ao Investimento Conteúdo do Guia Enquadramento Sistema de Incentivos Fiscais de Investigação e Desenvolvimento Empresarial II (SIFIDE

Leia mais

1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a

1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a 1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas Objetivo Apoio ao investimento e à criação de emprego e, em geral, ao desenvolvimento regional, assente na dinamização económica e social das comunidades

Leia mais

Seminário Orçamento do Estado 2016

Seminário Orçamento do Estado 2016 Seminário Orçamento do Estado 2016 As opiniões aqui expressas vinculam apenas o seu autor e podem não corresponder às posições da Jaime Carvalho Esteves Dezembro de 2015 FORUM PARA A COMPETITIVIDADE A

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

BENEFÍCIOS INCENTIVOS FISCAIS

BENEFÍCIOS INCENTIVOS FISCAIS ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS BENEFÍCIOS INCENTIVOS FISCAIS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 EBF 1 ICR INVESTIDORES DE CAPITAL DE RISCO 2 AQUISIÇÕES DE COMPUTADORES 3 CRIAÇÃO DE EMPREGO

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo

Leia mais

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE Internacionalização

Medidas de apoio ao I&D nas Empresas. Investigação em Co-Promoção SIFIDE Internacionalização Medidas de apoio ao I&D nas Empresas Investigação em Co-Promoção SIFIDE Internacionalização AdI Principais Áreas de Actuação e Instrumentos de Apoio SIFIDE BOLSAS CERN, ESA, ESO BDE Apoio ao I&D nas Empresas

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014 Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IMI Prédios para habitação própria e permanente Momento da contagem do período de isenção. Quando o pedido é apresentado

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48

Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Lei n.º 10/2009, de 10-03 - Série I, n.º 48 Cria o programa orçamental designado por Iniciativa para o Investimento e o Emprego e, no seu âmbito, cria o regime fiscal de apoio ao investimento realizado

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL A INOVAÇÃO EM PORTUGAL Luís Portela BIAL 2 VIVEMOS NUM QUADRO DE PRONUNCIADO DUALISMO evolução notável na produção de conhecimento científico. acentuado desfasamento em comparação com as economias que

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Sistema de Incentivos. Inovação produtiva PME

Sistema de Incentivos. Inovação produtiva PME Inovação produtiva PME SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Tipologia de investimento: Inovação empresarial e empreendedorismo Área de investimento Inovação produtiva PME Tem como objetivo promover a inovação

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento. Valença, 12 de Julho de 2012

Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento. Valença, 12 de Julho de 2012 Internacionalização Empresarial e Atração de Investimento Valença, 12 de Julho de 2012 A aicep Portugal Global A aicep Portugal Global aicep Portugal Global missão é: é uma agência pública de natureza

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

APRESENTAÇÃO SIFIDE. Inovaz Consultoria em Inovação. Tel: 256 668 413 Fax: 256 668 414 Email: geral@inovaz.pt

APRESENTAÇÃO SIFIDE. Inovaz Consultoria em Inovação. Tel: 256 668 413 Fax: 256 668 414 Email: geral@inovaz.pt APRESENTAÇÃO SIFIDE ÍNDICE 1) O GRUPO GLOBAZ 2) A INOVAZ 3) SIFIDE 3.1) DESCRIÇÃO GERAL 3.2) DESTINATÁRIOS 3.3) DESPESAS ELEGÍVEIS 3.4) CÁLCULO DOS BENEFÍCIOS 4) PORQUÊ A INOVAZ 5) DÚVIDAS E QUESTÕES 6)

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa

Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Serviços na Balança de Pagamentos Portuguesa Margarida Brites Coordenadora da Área da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional 1 dezembro 2014 Lisboa Balança de Pagamentos Transações

Leia mais

O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1

O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1 O governo ainda não compreendeu nem a gravidade nem a provável duração da crise Pág. 1 O GOVERNO NÃO COMPREENDEU NEM A GRAVIDADE NEM A PROVÁVEL DURAÇÃO DA CRISE, INVESTE POUCO E OCULTA MEDIDAS INSUFICINTES

Leia mais

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento Elaboração de dossier fiscal possível em permanência Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala P 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal Lisboa

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta

Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo. Documento de consulta Reapreciação da Comunicação relativa ao seguro de crédito à exportação em operações garantidas a curto prazo 1. Introdução Documento de consulta Em alguns Estados-Membros, as agências oficiais de crédito

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais