RELATÓRIO: SEMINÁRIO POLÍTICAS DE (TELE)COMUNICAÇÕES 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO: SEMINÁRIO POLÍTICAS DE (TELE)COMUNICAÇÕES 2015"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Núcleo de Direito Setorial e Regulatório Grupo de Estudos em Direito das Telecomunicações Isabella Galvão Arruda RELATÓRIO: SEMINÁRIO POLÍTICAS DE (TELE)COMUNICAÇÕES 2015 (Tele)Communications Policy is an event organized since 2006 by Teletime News and the University of Brasilia Communications Policy Research Center (CCOM/UnB). It opens the political discussions season on telecommunications in Brasilia, catalyzing Brazil's federal agenda in an environment of selected government/industry/nonprofit/academic audience.

2 Contents SEMINÁRIO: Políticas de (Tele)comunicações Mesa de Abertura Painel 1 A agenda política do segundo governo Dilma Rousseff Palestrante: Ricardo Berzoini, Ministro das Comunicações Moderação: Murilo Ramos, pesquisador CCOM/UnB Rubens Glasberg, presidente Converge Comunicações Convidado: Professor Ivan Camargo, Reitor da Universidade de Brasília Painel 2 - Revisão do modelo: legado de 2014 ou planejamento para o futuro? Palestrante: João Rezende, presidente da Anatel Debatedores: Antonio Carlos Valente, presidente, Telefônica Vivo Rodrigo Abreu, presidente, TIM Brasil José Leite, Universidade de Brasília Moderação: Samuel Possebon editor, TELETIME Painel 3 Novas pesperctivas e abordagens regulatórias Palestrante: Karim Lesina, vice- presidente para assuntos internacionais, AT.T Debatedores: Maximiliano Martinhão, secretário de telecomunicações Guilherme Pinheiro, pesquisador, Universidade de Brasília Mário Girasole, VP de assuntos institucionais TIM Brasil Gilberto Sotto Mayor, diretor de estratégia regulatória, NET serviços Moderação: Samuel Possebon, editor, TELETIME Painel 4 TV Digital e banda larga móvel: impactos da EAD Palestrante: Rodrigo Zerbone, conselheiro Anatel Debatedores: Daniel Slaviero, presidente Abert Leila Loria, diretora executiva de relações institucionais e regulatórias, telefônica Vivo Nelson Breve, presidente EBC Moderação: Samuel Possebon, editor Teletime 2

3 O SEMINÁRIO: Samuel Possebon O Seminário Políticas de (Tele)Comunicações é um evento que a converge realiza há quase dez anos sempre em parceria com o Centro de Estudos de Políticas de Telecomunicações da UnB. Por isso mesmo, é um evento independente, mas um evento que traz uma perspectiva crítica, uma perspectiva analítica para além daquilo que se debate normalmente nos eventos setoriais que congregam aqueles que fazem o dia-a-dia do setor de comunicações. É um evento que consegue reunir no mesmo ambiente não só empresários, não só representantes da sociedade civil, mas também pesquisadores e analistas do setor, que estão interessados em debater com formuladores de política e com reguladores quais são as perspectivas para as políticas e para as práticas regulatórias para o ano que se abre naquele momento do evento. Neste evento discutiremos sobre a agenda política para o segundo mandato do governo Dilma Roussef, em que diversos planos sinalizados durante a campanha tais como o programa Banda Larga para todos e a Regulamentação Econômica de Mídia prometem ser implementados até o final do mandato, bem como outras metas visando a melhoria do fornecimento de serviços ao setor. O evento discutirá também sobre a revisão do modelo de prestação em regime público dos serviços de telecomunicações, bem como sobre a adaptação deste atual modelo às mudanças rápidas que ocorrem no setor, tais como concentração de mercado e a inovação tecnológica. O seminário tratará ainda sobre as mudanças no cenário internacional quanto à politica regulatória de telecomunicações, Internet e Mídia, e como o Brasil pode aprender com esta experiência. Outro tema foco do debate será a transição da tv analógica para a digital, bem como os grandes desafios desta proposta. Mesa de Abertura A mesa de abertura foi composta por Marcio Iorio Nunes Aranha, diretor do Núcleo de Direito Setorial e Regulatório da Universidade de Brasília (NDSR/UnB), e da área jurídica do Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações da (CCOM/UnB), e professor titular da faculdade de direito da UnB e Ivan Camargo, Reitor da Universidade de Brasília. Na oportunidade, o respeitável professor agradeceu pelo convite em participar da mesa de abertura do evento, e à todas as autoridades presentes, bem como aos participantes do evento, destacando a importância do evento em âmbito nacional para o Setor de Telecomunicações. Em 3

4 seguida, o Magnífico Reitor mencionou o sucesso das edições anteriores do evento e reconheceu a importância para a Universidade de Brasília em receber um evento deste porte, bem como a representatividade dos professores presentes, das diversas áreas do conhecimento, tais como o direito, a economia, a área de tecnologia, e etc. Painel 1 A Agenda Política do segundo governo de Dilma Roussef O programa do evento indicava que nesta sessão, o Ministério das Comunicações fará uma referência aos programas prometidos durante sua campanha de governo, tais como o programa Banda Larga para todos e a Regulamentação Econômica da Mída, itens previstos na agenda político-regulatória, a serem implementados em 2015, no no novo governo Dilma Roussef, bem como os impactos a serem gerados pela implementação de tais medidas. Assim, o Painel 1 foi composto por Ricardo Benzoini, Ministro das Comunicações, Murilo Ramos, pesquisador, CCOM/UnB, e Rubens Glasberg, Presidente da Converge Comunicações. Ricardo Berzoini - Ministro das Comunicações O secretário iniciou o painel fazendo uma análise dos impactos positivos que a economia brasileira teve nos ultimos naos, com a criação de novos empregos, a expansão da edução, a migração de milhares de brasileiros para classes sociais superiores, como os que vivam na classe C para a classe B, e outros da classe D para a C. Isto ocorreu de maneira geral em todas as classes sociais, uma melhora do poder aquisitivo. Também houve uma demanda renovada dos serviços e direitos essenciais. Ao mesmo, o país enfrenta desafios relevantes na macro economia, especialmente com as ondas de recessão que assolam todo o mundo. A conjuntura nacional e internacional tem sofrido mudanças, especialmente no setor de telecomunicações. Tem acontecido também uma mudança significativa na forma das pessoas se comunicarem, e a expansão das redes sociais possui relação com isso. Tem surgido mecanismos de comunicação que formam grupos de acordo com interesses comuns, como o whatssapp, e estes mecanismos ganham cada vez mais força. Uma massificação de grandes grupos de internet tem ocorrido para atender as demandas de consumo. A televisão também passou por essas transformações de mercado. O governo deve acompanhar estas mudanças para fomentar a indústria, e tem a obrigação de regular do ponto de 4

5 vista socio-econômico, para que seja mais um instrumento de democratização, resolvendo as dificuldades da forma mais institucional possível. Devemos assegurar que tenhamos no setor de telecomunicação uma concorrência capaz de gerar um alinhamento pleno com o que há de mais avançado no mundo no campo da tecnologia, e melhorar a prestação de serviços, fornecendo-a ao menor custo possível. Deve existir uma perfeita sintonia entre setor público e privado. Como o governo pode fornecer isto? Através do ambiente regulatório, permitindo com que as empresas sintam-se estimuladas a investir, entendendo as necessidades do país. Nós devemos ter a ambição de que o Brasil seja um produtor de tecnologia, e não apenas um importador, a fim de gerar mais autonomia e desenvolvimento. Isto é importante também para fins de preservação de nossa cultura e raízes. Exemplo: processo de expansão da banda larga, com preço que permita o acesso à todos os Brasileiros. O Poder concedente regulatório deve assegurar mecanismos institucionais, de modo que empresas tenham a segurança de que podem investir, ainda que não tenha um retorno imediato. Como exemplo podemos citar o processo de expansão da telefonia fixa e de radiodifusão. Aspectos importantes que serão abordados neste novo mandato serão a difusão das telecomunicações, a geração de novos empregos, e a questão dos impostos (ICMS). Há mais de 20 anos, o Brasil tem a missão de alinhar a tributação com o resto do mundo, para evitar a tributação regressiva. A tributação deveria incidir mais sobre o trabalho e o consumo, do que sobre a renda e a propriedade, mas esta ainda não é a realidade do Brasil. Um exemplo de país que segue este modelo de tributação são os Estados Unidos. Nós (ministério das comunicações) estamos com uma visão de amplo diálogo, buscando cumprir com as metas deste novo mandato. Finalizo reiterando que este segmento que é tão importante para a sociedade precisa se reinventar rapidamente para acompanhar as mudanças sociais que ocorrem neste setor. Murilo Ramos: Sobre a questão da banda larga, questão muito visada atualmente, como o senhor vê a possibilidade, num momento em que a telefonia fixa passa por um processo de revisão, de que o acesso à banda larga também seja visto como um serviço público, que futuramente pode até mesmo substituir o serviço de telefonia? Ricardo Benzoini: 5

6 A pesperctiva das pessoas sobre o serviço de telecomunicações mudou fortemente nos ultimos anos. Creio que em algum momento, sem precisar prejudicar o mercado competitivo, e para não prejudicar os interesses publicos também, temos que pensar em um serviço que assegure o direito às telecomunicações. Temos que ter a atenção, para evitar que a regulação se torne um inibidor de investimentos. Rubens Glasberg: A tradição é de que o ministro que suceda o outro, passe a discussão sobre a lei geral de telecomunicações para frente. Gostaria de perguntar como o senhor irá conduzir esta discussão, que já vem há muito tempo. Vejo que o presidente da câmara sequer irá colocar o assunto em pauta. Apresento-lhe um problema prático: Temos um grupo de mídia tradicional brasileiro que comprou uma emissora de tv no interior do maranhão e uma retransmissora em São Paulo, de grande potência. Esse sinal sobe para a grande São Paulo. Antena parabólica. Isso cobre um terço das casas brasileiras. Esta retransmissora foi arrendada para empresa de radiodifusão de esportes, que foi comprada por uma grande multinacional. Esta multinacional então faz broadcasting no Brasil. A mutinacional alega que não há ilegalidade, que se trata de arrendamento. Coloco portanto duas questões: Pode arrendamento de concessão publica? Pode uma empresa multinacional fazer broadcating no Brasil? Ricardo Benzoini: No Brasil, em função da conjuntura politica acirrada, há um marco regulatório da radiodifusão. Há na Constituição Federal, artigos que tratam da radiodifusão. Quando se busca uma regulação para isto, está se buscando cercear uma clausula pétrea da constituição, tanto quando fala da liberdade de expressão, de maneira geral, quando trata de maneira específica, das comunicações. A melhor maneira de se fazer este debate, é deixar claro estes fundamentos da sociedade democrático, que é não se discute a liberdade de expressão. No ramo da comunicação social, ainda mais. Tratando do caso pratico, este tema do arrendamento deve ser tratado com a devida tranquilidade, não será tratado de maneira tão acirrada, e sim levando em conta a liberdade de expressão. Temos várias ações no ministério que não dependem apenas da ação legislativa. Há regulamentação devida. Perguntas ao público: Luis edvan: Reporter da converge digital 6

7 Proposta na campanha Dilma, do final do ano passado. Plano nacional de banda larga. O que o senhor tem a dizer sobre o novo programa. Ricardo benzoini: É um programa novo porque as ações são novas, haverá um novo direcionamento do programa. Vamos aproveitar tudo o que foi feito, e expandir. Mas como se trata de um novo programa, não há maiores informações sobre ele. Integrante do Senado Federal De onde virão os recursos para estes planos? Ricardo Benzoini: Há recursos orçamentários, previsto no projeto de lei orçamentária. Também temos a intenção de aproximar os investimentos provados na area. Empresário Qual o incentivo que o governo tem para financiar os pequenos investidores. Gostaríamos que as redes servissem como garantia, pois os pequenos operadores não tem a mesma garantia dos grandes operadores, como por exemplo. O financiamento junto ao BNDS também seria um incentivo. Ricardo Benzoini: O governo vê com muitos bons olhos os pequenos investidores no setor das telecomunicações, se bem que já não é tão pequeno assim, pois sua empresa possui mais de 600 funcionários. Há sim previsões no ministério das telecomunicações de regulamentação neste sentido, de incentivo ao investimento, pois valorizamos muito este tipo de iniciativa. Repórter: Há previsão, na Constituição Federal, art. 54, de que os Deputados e Senadores são impedidos de firmar ou manter contrato de concessão. Debates no ministério da telecomunicações. Aguarda-se decisão no Supremo Tribunal Federal. Como se dará esta questão? Ricardo Benzoini: A Interpretação da lei é questão do ministério. Ainda que a questão esteja tramitando no supremo, podemos interpretar de forma razoável, e não contra legem. 7

8 Presidente da empresa de radiodifusão do paraná Que valor a concessionaria de AM terá para para ser transmitida na frequencia de FM. Queremos saber sobre as possibilidades de migração. Ricardo Benzoini: Esta é uma questão que tramita no TCU. Aguardamos ansiosamente por uma definição neste sentido. Pergunta (sem registro nome) Sobre o novo plano nacional de banda larga. Havia um fórum que reunia diversos segmentos para a construção de um novo plano de banda larga. Haverá uma reimplatação deste fórum? Ricardo Benzoini: Se depender só da minha decisão, o fórum brasileiro de telecomunicações será reimplantado o quanto antes, a fim de formentamos o debate sobre a questão das telecomunicações no Brasil. Finalização do debate Ricardo Benzoini: Gostaria de agradecer o convite. Foi um prazer tentar construir posições políticas e entendimentos técnicos de maneira democrática. Estou representando o Ministério, e mais do que minhas opiniões, tenho que construir consensos e entendimentos, sempre de maneira respeitosa e serena. Painel 2 Revisão do modelo: legado de 2014 ou planejamento para o futuro? Nesta sessão, conforme o programa, o Presidente da Anatel apontou a necessidade de rever o modelo de telecomunicações atual, sobretudo a prestação de serviços em regime público, de forma a ajustá-lo à realidade das comunicações de hoje. Tratou também sobre questão da reversibilidade de bens; a universalização da prestação de serviços e o controle tarifário. O Painel 2 foi composto por João Rezende, presidente da Anatel, Antonio Carlos Valente, presidente da Telefônica Brasil, Rodrigo Abreu, presidente, TIM Brasil, José Leite, professor da Universidade de Brasília, e Samuel Possebon, editor, TELETIME. João Resende Presidente Anatel 8

9 O ano de 2014 foi de grande importância para o setor de telecomunicações. Tivemos algumas conquistas relevantes, tais como o compartilhamento de postes junto com a ANEEL. O ano de 2015 será importante, porém com uma agenda mais leve, mas em compensação, que necessita de atenção redobrada. Há a questão da preparação para as olimpiadas, as estações a serem feitas, especialmente no ponto 8 em SP. Estamos trabalhando para a modernização do processo também, com o processo eletrônico. Temos também a questão da revisão quinquenal dos contratos de concessão, que irão vigorar até Prazo para revisão até março. Há limites legais para fazer mudança mais completa no contrato de concessão. Há o novo Plano Geral de Metas para Universalização, que prevê uma discussão importante sobre o Telefone de Uso Publico (TUP), considerando a densidade e utilização deste. Será uma revisão que não agradará a todos, mas temos que manter a telefonia de uso público em muitas areas no Brasil. Inicio do debate sobre marco regulatório das telecomunicações. Anatel tem trabalhado para instrumentalizar qual o papel da telefonia fixa hoje. O marco regulatório, no entanto, deve ser uma proposta do executivo. Há uma concorrência maior no setor privado, e uma maior mobilidade do Serviço Móvel Pessoal (SMP). O Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) não é atrativo por si só. Sobre a concessão do STFC, há uma demanda no sentido de que a Anatel flexibilize ou modifique no contrato de concessão os bens reversíveis 1. Essa discussão deve ser feita pelo Congresso Nacional. Mesmo que seja possível alterar regras de reversibilidade no contrato de concessão, não acredito que seja válido fazer isto apenas no âmbito da Anatel, e sim à nivel do legislativo. Também não acredito que a universalização do serviço de TUP seja substituível pela univerlização do SMP. Debate Samuel Possebon - moderação: Prezado José Leite, qual o papel desempenhado pelo serviço público hoje? Será que ele ainda faz sentido? José Leite - Debatedor: A impressão que eu tenho é que o serviço prestado em regime público, foi mais uma espécie de salva guarda, no período da privatização, o que conferiu um certo conforto. 1 A normativa vigente estabelece que, extinta a concessão, retornam ao poder concedente todos os bens reversíveis, direitos e privilégios transferidos ao concessionário conforme previsto no edital e estabelecido no contrato. 9

10 Ficamos com o Plano de Metas de Universalização para o STFC, e ficou comprovado que para existir universalização do serviço publico, não é necessário que seja através do serviço privado. O Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicação (FUST) sequer foi aplicado como deveria. Acredito que tem que ser avaliado se é necessário que exista a regulação do setor de telecomunicações pelo regime publico, pois acarreta uma série de gastos desnecessários. Samuel Possebon - moderação: Antônio Carlos, o Regime público no Brasil é excessivamente regulado? Antônio Carlos Resende debatedor: O que está colocado no texto legal é que os serviços públicos são aqueles que o governo se responsabiliza pela prestação destes serviços. Constituiu-se o Fundo de Universalização de Telecomunicações, para fins de suprir o economicamente viável, ou seja, as necessidades do país. Informações do setor: PINADE: numero de domicílios, dentro do período de 9 anos ,8% só telefone fixo. 16,8% só telefone móvel ,7% domicílios só com telefone fixo 54% domicílios só com telefone celular Market Share período de 9 anos, 2004 a Empresa que mais liberdade teve crescimento neste setor foi a NET. Temos que pegar casos bem sucedidos, para perceber que nem sempre um conjunto de obrigações leva a um resultado que pretendemos perceber. O legislador, quando teve a preocupação de criar o serviço publico, percebeu que nem todos os lugares seria viável prestar o serviço público, sem existisse um subsídio e uma demanda. Devemos observar a experiência adquirida em 17 anos, para que nos tivéssemos uma política onde a liberdade foi a regra, e que as definições previstas no marco legal sejam utilizadas. Estamos regulando demais? Não posso afirmar isto de forma tão genérica e categórica, depende muito da situação. Temos hoje no Brasil uma indústria que, considerando os acessos do regime privado, saiu de um investimento de 17,6% em 2013, para 21,4%, dentro de um ano. A maioria destes investimentos foram prestados em regime privado. É um grande investimento. 10

11 Rodrigo Abreu - debatedor Debatemos um tema tanto, e às vezes este tema nunca é resolvido. Deveríamos olhar para o serviço de banda larga como um serviço de caráter público? Vejamos no cenário empresarial quais são os instrumentos que estão disponíveis para trabalharmos dentro da indústria hoje. O serviço deve ser disponível e prestado com continuidade. O estado se utilizou de instrumentos para a universalização e a obrigatoriedade da prestação de serviços, tal como o FUST, que acabou se engessando. Pilares das telecomunicações: Qualidade de prestação de serviços, universalização e proteção da competitividade. Antigamente, quando se falava de telecomunicações, se tratava de voz e cobre. Hoje, se trata de uma série de outras coisas, diversas tecnologias tais como fibra óptica, etc. Salvaguarda do serviço público: quando olhamos o numero de empresas, os investimentos na área privada, esta salvaguarda já não parece fazer tanto sentido. Não mudamos a legislação do dia para a noite, uma vez que o setor é altamente renovável e sujeito a constantes mudanças. Tentar fazer uma proteção que não garanta uma devida mobilidade acaba gerando problemas, como ocorreu com a lei do FUST. Antonio Valente: Questão de pessoas que necessitam de subsídio público, atendimento especial, para utilização do serviço de telecomunicação. Sempre teremos coletivos que necessitam de apoio, e que este apoio deve ser assumido pelo estado. Entendemos que deveríamos levar o FUST para além do serviço de telefonia fixa público. Foi vetado pelo TCU, por entender que o fundo não se destinava a isso. Desde então essa questão não avançou. Os coletivos existem nos dias de hoje, mesmo pelos serviços de telefonia fixa. E precisam de atenção especial. José Leite: O regime público deve ter disponibilidade, continuidade, universalidade e controle de preços (tarifas). Esta quatro características podem ser prestadas pelo mercado. Disponibilidade: se houver demanda, haverá disponibilidade. Continuidade: se tiver apenas um prestando, fica mais difícil. A concorrência facilita isso. Universalidade: estimulado pelo estado, através do FUST. Tarifas: O SMP terá uma queda fantástica no preço das taxas. Já a tarifa não pode ser reduzida, por conta do equilíbrio orçamentário da concessão. 11

12 Antonio Valente: Sobre o processo de subsidio, destaco que a demanda existe por parte de empresas privadas, inclusive pertencentes a âmbito estatal. Samuel Possebon: Quem dará o pontapé neste modelo de revisão do contrato de concessão? João Rezende: As concessionárias não tem nenhuma restrição quanto aos investimentos em banda larga. O que há de restrição é o limite entre telefonia fixa e o ADSL 2. O ADSL propiciou um salto para as empresas de telefonia fixa, no entanto há um temor pela cláusula da reversibilidade. A Anatel, por dever regulamentar e de oficio, tem a lista de bens reversíveis, e não está claro o que ocorrerá daqui a nove anos. Esta questão deve ser discutida pelo legislativo brasileiro, e não pela Anatel, sob o risco de se gerar uma insegurança jurídica muito grande. Não vou discutir regime publico ou privado. Não faz sentido o atual sistema de concessão. Lei do SEAC propôs a unificação dos CNPJs, temos que definir esta questão, para dar segurança jurídica ao investidor. Precisamos dar garantia à universalização dos serviços, independente de ser via contrato de concessão ou não. Antonio Valente: Retomando a questão do sucesso da NET com o Marketing Share. O que está atrás disto? O que faz com que empresas que exploraram o STFC para serem mais agressivas ser correlacionada a reversibilidade dos bens. Para que se tenha a possibilidade de ser alternativa para o mercado brasileiro, tenho que ser tão bom quanto meus concorrentes. Mas a incerteza que existe nos dois cenários é diferente, para existir investimentos de longo prazo, precisamos de segurança e previsibilidade. Temos que refletir se aquelas restrições do passado redundaram no que queríamos hoje. Rodrigo Abreu: Telefonia rural SMP. Quem resolveu de fato os problemas da telefonia rural foi o regime privado, através de obrigações impostas ao SMP. 2 Assimetrical Digital Subscriber Line, tecnologia que permite conexão direta entre o modem instalado no computador do usuário e o modem do backboner da empresa de telecomunicação no mesmo par metálico do serviço de telefonia fixo comutado. 12

13 José Leite: Há um Questionamento forte, no sentido de resolver o bem reversível, trocando-o por infraestrutura. O bem reversível pertence ao estado, e se revestido em infra-estrutura, deixará de pertencer ao estado. Este pensamento, equivocado, está na cabeça de muita gente. Cerca de 1700 municípios, na época, não tinham telefone celular. Houve a troca de um bem do estado pelo bem de empresas. Os editais de frequência a Anatel sempre fez isso, até com maior intensidade. Se formos ficar esperando uma lei para regulamentar isto, esperaremos por anos. O processo deve ser feito em partes. Uma solução dentro da alçada da Anatel, e no máximo, dentro do poder executivo. Enquanto no Brasil, não houver uma rede de fibra óptica que interligue todos os municípios, a qualidade da banda larga ainda ficará muito a desejar. João Rezende: Debate da reversibilidade é complexo. Infelizmente, a visão que muitos órgão de controle tem, como MP e TCU, é a preocupação com a questão patrimonial, dos imóveis. Mas há o valor objetivo e também o subjetivo, no que se refere à segurança dos investidores. Perguntas à plateia Marcelo Miranda Brasil Telecom Idéia não é tornar a banda larga única e exclusivamente um serviço público. LGT, o serviço essencial deve ser prestado em regime publico e privado. Visão dos debatedores é de que o melhor caminho é o de privatização. A questão não é dizer sim ou não, e sim dizer se esse serviço é essencial, e posteriormente, a exclusividade do serviço publico. Contraponto. O Brasil necessita da universalização. As empresas necessitam da contrapartida lucrativa, para investimento em determinadas áreas. Objetivo: Banda larga para todos. Rodrigo Abreu: Deveria existir a viabilidade técnica da infra-estrutura. A infra-estrutura não é recurso infinito, há limitações, principalmente em relação ao SMP. Temos um debate que parte de um conceito, mas não desce para a questão prática, de viabilizar a infra-estrutura. O debate é difícil porque é técnico, porque se não corre o risco de se tornar infundado. 13

14 Antonio Valente: Discussão sobre marco civil das telecomunicações. Não há histórico de discriminação na prestação de serviços no setor de telecomunicações. Possibilidade concreta de existir regulamentações neste sentido. Regra e exceção. Organização do campos parte. Pergunta (não registrada): A diferenciação técnica dos pacotes já está garantida pela legislação. O que está em discussão é a garantia de tratamento equânime entre grandes e pequenas empresas, de forma a proteger as pequenas empresas. Rodrigo Abreu: A inclusão da gestão técnica dos pacotes se deu no ultimo momento. Porém quando tentamos entender a possibilidade de realizar a precificação dos pacotes de internet, o debate se torna mais complexo. Analogia com carro e caminhão. O tratamento deve ser diferenciado, uma vez que a infra-estrutura não é recurso infinito. Tentativa de modelo eficiente. Principio e conceitos muito claros. Deveriam estar norteados por princípios. A internet permite a inovação de modelo de negócios. Não pode tornar-se inibidora. Painel 3 Novas pesperctivas e abordagens regulatórias O programa do evento indicava que nesta sessão, o Vice-presidente para assuntos internacionais da ATeT, Karim Lessina, abordará sobre as mudanças nos modelos tradicionais de regulação do mercado de telecomunicações, internet e mídia que estão ocorrendo no mundo, como os operadores e reguladores estão se posicionando diante dos novos desafios colocados e como este cenário se desenvolve e se aplica à realidade brasileira. Assim, o Painel 3 foi composto por Karim Lessina, Vice-presidente para assuntos internacionais da ATeT, Maximiliano Martinhão, secretário de telecomunicações, Guilherme Pinheiro, pesquisador, Universidade de Brasília, Mário Girasole, VP de assuntos institucionais TIM Brasil, Gilberto Sotto Mayor, diretor de estratégia regulatória, NET serviços e Samuel Possebon, editor, TELETIME Karim Lessina: Questão foco: como desenvolver o sistema regulatório atual. Criação de novos desafios. Esta acontecendo em todos os lugares, porque esta é a mais nova geração dos celulares móveis. 14

15 In 2014, Brazil móbile data graffic grew 1.8 fold, or 82%. In Brazil mobile data traffic in 2014 was equivalent to 35x the volume of Brazilian mobile traffic five years earlier Exemplo da copa do mundo, dos jogos olímpicos. Temos que estar preparados para este tipo de situação, em que todo o mundo estará conectado. No futuro, milhares de peças de tecnologia poderão conectar-se com a internet, em qualquer lugar que se encontre. Isto está explodindo no mundo todo, e as operadoras devem estar preparadas para isso. Framework. A migração das pessoas para outros tipos de formas de comunicação é um fato nos dias atuais. Exemplo do skype, whatssapp. Quase não se faz mais uma ligação. Políticas sérias de regulação podem atrair melhores investimentos. 20 bilhões de dólares ao ano. A realidade é que se você tem uma boa política regulatória, poderá se desenvolver muito mais rapidamente, haverá maiores investimentos. É ótimo que as pessoas estejam buscando novos meios de comunicação, mas o mercado deve acompanhar a demanda. We should rethink policy so its adapts to a modern ecosystem 5 components of delivering a connected world Premier network experience. Investment Spectrum. Mapping where the spectrum is located Good tax policies Customer trust. We don t need to use too much regulation. Lax regulation. Samuel Possebon Estabelecimento de novas tendências internacionais e Políticas públicas. Como promover esta flexibilização? Mario Girassole A participação do Brasil em grande debates de políticas públicas mundiais é cada vez maior. Gilberto Sotto Discutimos muito sobre neutralidade de rede. Não existe neutralidade se não há rede. Discutimos sobre problemas de rentabilidade ou não da rede, que simplesmente não existe. Neste exato momento, há que ter menos regulamentação e mais infraestrutura e rede. Samuel Possebon Guilherme, você tem visto que há uma mudança de postura em relação ao investimento em infra-estrutura, ou em outros aspectos mais essenciais? 15

16 Guilherme Pinheiro: Acredito que há a necessidade de uma maior flexibilização da questão do espectro, maximizando sua locação, de forma a beneficiar o consumidor. A regulamentação tem um custo alto, que acaba atingindo de certa forma o consumidor. A Flexibilização do modelo regulatório para o espectro é de suma importância. Samuel Possebon: Maximiniano, como o estado brasileiro hoje tem respondido ao modelo regulatório atual? Maximiniano Martinhão: No ministério da comunicação, estávamos fazendo um balanço do que tem ocorrido nestes últimos anos. Mais do que enaltecer ou não, gostaria de dizer que Anatel nunca esteve tão aberta ao diálogo quando agora. A Anatel concluiu todas as atividades que foram propostas como metas. Expansão da banda larga no Brasil. Propomos ao setor mais incentivos fiscais. Leilão do 2,5%, decreto presidencial e leilão 10%, ministério das comunicações. Anatel precisou suspender a venda de celulares em determinado momento, tamanha era a qualidade duvidosa dos equipamentos. A intervenção existe por conta de uma falha do mercado. A discussão que existiu só cresceu com o tempo. Melhoria da qualidade de serviços pelo usuário. Regulamento da qualidade da banda larga. O momento agora é de fazer as coisas acontecerem. Samuel Possebon O setor de comunicações sofre concorrência com outros setores, como o whatssapp, facebook. São dois extremos, serviços over the top e regulatórios. Karim, como você percebe a solução desta questão? Karim Lessina Mais investimento é a chave. Temos que propiciar as melhores condições para também atrairmos investimentos, através de políticas públicas. I believe in policy. We need to work together to have a better framework. If you do that, the people will comes Gilberto Mayor 16

17 Mesmo nos piores momentos, nós investimos. Descobrimos que a cada 10% de desconto que damos, cobríamos uma área maior. O que temos que fazer é atrair cada vez mais investimentos. Nosso problema é construção de redes. Maximiniano Martinhão: Nota-se investimentos em cidades do Norte e Nordeste, em função das novas políticas implementadas. Quando o PNBL surgiu e implantou a Telebrás, esta surgiu para ativar os circuitos de capacidade em cima da fibra ótica. A Telebrás está terminando a construção do satélite. Empresa capaz de fazer integração de satélite foi implementada. Na linha de fomentar o desenvolvimento do setor, foi uma proposta colocada pela presidenta Dilma em sua campanha: expandir a fibra ótica no país. A meta do projeto é sair da velocidade atual de banda larga fixa e chegar com a velocidade de 25 MB/s. Velocidade média. Samuel Possebon: E o papel da Telebrás? Maximiniano Martinhão: Fomentar este desenvolvimento. Exemplo: pequeno empreendedor. Expansão das redes da Telebrás para ajudar o empreendimento. Recursos estão presentes e previstos na LOA. No decreto, existe exceções que indicam que o consumidor pode vir a arcar com os custos, o que não será o caso. Samuel Possebon Questão do desligamento do sinal analógico na faixa de 700 para que Banda Larga Móvel possa funcionar. Preocupação com o serviço de voz, que também serviria para banda larga. Qual o modelo mais interessante para desenvolvimento da banda larga móvel? Karim Lessina I don t think that exist a Best model. The most important is the operator can act with recourses. There are some models more interesting, but need to have less regulation. Mario Girasole 17

18 Planejamento: futuro das decisões presentes. As escolhas regulatórias, assim como a escolha de investimentos, podem fazer sentido em uma época e não era em outras. Modelo no Brasil será um leading case. Será um trabalho que atuará na detecção dos problemas. Samuel Possebon: Há um modelo ideal de licenciamento de espectros? Guilherme Pinheiro: Não há um melhor modelo. Questão da infraestrutura e neutralidade de rede. Serviços móveis entram na neutralidade de rede. A neutralidade é algo bom, mas tem que se ter um limite de até onde posso ir. Se provedores de conexão gratuitos forem proibidos, podem penalizar as pessoas que não podem pagar pelo serviço. Wikipedia zero, por exemplo. Karim Lessina: We need legal estability. I think Wikipédia zero its a great Project. We need to focus in transparency. We can t obrigate the people to watch HBO, for example. Gilberto Sotto Mayor: Como bloquearmos os serviços gratuitos à população, sem considerarmos a renda per capita brasileira? Ou vamos negar os serviços, ou vamos forçá-los a pagar. A neutralidade de rede está desvirtuada. Como fazer engenharia de tráfico sem saber do tráfico. Mario Girasole: Quando algo é obvio, e tão óbvio que não consegue se impor, há algum erro fundamental que é preciso expor. A neutralidade é uma plataforma de negociação que distribui recursos entre operadoras under the top e over the top. Devemos perder a ideia de que não há capacidade de se fazer as coisas. Painel 4 TV Digital e banda larga móvel: impactos da EAD Neste painel, o foco da discussão era sobre a migração da TV analógica para a TV digital, bem como a questão da limpeza do espectro e a introdução da banda larga móvel na faixa de 700 MHz. Este trabalho será implementado pela Entidade Administradora de Digitalização (EAD) e pelo Grupo de Implantação de Digitalização (GIRED). O painel foi composto por Rodrigo Zerbone, conselheiro Anatel, Daniel Slaviero, presidente Abert, Leila Loria, diretora executiva de 18

19 relações institucionais e regulatórias da telefônica Vivo, Nelson Breve, presidente EBC e Samuel Possebon, editor Teletime Rodrigo Zerbone, conselheiro Anatel: Com a alteração de decreto, por meio da portaria em 2013, Anatel tomaria medidas para acelerar processo de digitalização. Decisão absolutamente alinhada com outras iniciativas ao redor do mundo, desligamento completo. A faixa propicia grande propagação, capacidade maior e abrangência menor. De forma geral, países que tem radiodifusão mais desenvolvida, tiveram problemas no processo de desligamento. Alguns adiamentos foram realizados até que conseguissem. Exemplo: EUA Utilizaremos a Subfaixa de 700 MHz, mais propícia para cobertura de áreas rurais e urbanas. Convivência entre o SBTVD e o 4G LTE. No leilão, não foi vendido o primeiro lote, o que gera um conforto maior na prestação de serviços. Quanto ao Edital: Limpeza da subfaixa de 7OO MHz e a criação de duas entidades fundamentais: A EAD implementa processo de transição, deslocamento das empresas que ocupam a atual subfaixa, assistência às famílias que recebem bolsa família. Grupo GIRED, formado pelo Ministério das comunicações conjuntamente com a Anatel. Concentração inter-setorial, de forma a atuar em conjunto. Orçamento de 3.6 bilhões de reais. Cronograma estabelecido pelo edital. Na criação da EAD, conta-se 90 dias desde a constituição do GIRED. Grupo de implantação GIRED: É presidido pelo conselheiro da Anatel, Ministério das comunicações, prestadoras e radiodifusoras. GT de recepção, remanejamento e comunicação. O grupo técnico de remanejamento tem como objetivo principal realizar a assessoria ao GIRED. Viabilidade de antecipação de localidades para implementação do GIRED. O GT de comunicação tem por finalidade assessorar o GIRED. GIRED: Reuniões mensais na ANATEL. Não havendo consenso, toma-se decisão o representante da ANATEL ou do ministério, cabendo recurso ao conselho diretor. Cronograma de desligamento: etapas críticas: Cidade do rio verde: projeto piloto. A diferença de data entre rio verde e Brasília é pequena, então o projeto piloto acaba sendo Brasilia. Isto se alastra pelo resto do cronograma. Por isso, no GIRED, estamos tomando cuidado com o conteúdo das decisões, uma vez que qualquer erra pode comprometer grande parte do programa, uma vez que só em 2016 há Brasília, São Paulo, Belo Horizonte, etc. Requisitos para o desligamento Analógico: Um ano antes, entrar logomarca e tarja e texto, informando a população sobre informações importantes. 19

20 Dois meses antes: contagem regressiva. Propaganda na TV aberta, remanejamento de canais e ressarcimento, 93% das TVs abertas devem estar aptas a receber a TV digital, e o distribuidor de receptor +antena para famílias beneficiadas com bolsa família. A partir do dia 3 abril, a propaganda deve estar inserida na televisão analógica. Tarja informativa. Decisões do GIRED: Decisão de orientações para central de atendimento telefônico e pela internet. Não temos só que informar a população, mas também convencê-las a comprar a nova tecnologia, para que seja possível fazer a migração. Se não entraremos em um círculo vicioso. Critérios de comprovação de entrada em operação e realização de investimentos pelos radiodifusores, para fins de ressarcimento (abril) Distribuição de aproximadamente 14 milhões de receptores e antenas para os beneficiários do bolsa família. Oportunidade para o desenvolvimento de políticas públicas de inclusão digital. Para o cidadão: acesso à e-gov, home banking, etc Exemplos: saúde, trabalho, educação e previdência. Condição: ao menos 93% das residências do Município que recebe TV aberta apta à recepção de TVD. É a variável mais crítica do processo. Possibilidade de antecipação da entrada em operação do 4G LTE nas localidades em que há espaço no espectro de radiofrequências, regiões Norte e Nordeste. Pode ser necessária a adoção de medidas coordenadas que desburocratizem e/ou acelerem o procedimento de consignação de canais e autorização de uso de RF. Dificuldade dos pequenos radiodifusores em arcarem com os custos envolvidos no processo de digitalização dos canais de televisão. Debate: Samuel Possebon: O desafio será grande, pois o orçamento para o procedimento é alto, e algumas empresas de menor porte podem se sentir prejudicadas. O que fazer para que os diversos setores trabalhem conjuntamente para este desafio, e será que haverá tempo para estas mudanças? Leila Loria: Tem que dar tempo. Firmamos o contrato no fim de 2014, assumimos uma responsabilidade enorme, aprovamos um investimento alto em um edital desafiador. Estabelecemos um consórcio 20

14ª Edição. 10 de Fevereiro de 2015 Auditório Finatec, Universidade de Brasília, Brasília, DF. pós-evento

14ª Edição. 10 de Fevereiro de 2015 Auditório Finatec, Universidade de Brasília, Brasília, DF. pós-evento 14ª Edição 10 de Fevereiro de 2015 O Evento Com mais de 350 participantes, a edição de 2015 do Seminário Políticas de (Tele)comunicações teve como temas o cenário político setorial do próximo governo Dilma

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD)

Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Final da Transição ao Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD) Início das transmissões 100% digitais Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 07 de abril

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações 29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17de abril de 2012 Agenda Serviços de Telecomunicações: Convergência de Plataformas, Redes e Outorgas Premissas

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

Anatel publica regulamento para destinação da faixa de 700 MHz

Anatel publica regulamento para destinação da faixa de 700 MHz 4G/700 MHZ Anatel publica regulamento para destinação da faixa de 700 MHz Enquanto a SET e outras entidades do setor discutem no Congresso Nacional a hipótese de interferência de sinal para as emissões

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

A situação do espectro no Brasil e na Região 2

A situação do espectro no Brasil e na Região 2 A situação do espectro no Brasil e na Região 2 Maximiliano Salvadori Martinhão Gerente Geral de Certificação e Engenharia do Espectro Agenda Espectro no Brasil Contextualização do tema Onde Estamos O que

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Grupo 6 - STFC. Universidade de Brasília. Direito Administrativo III Turma: A. Prof.Dr. Márcio Iorio Aranha. Ailton Mota de Magalhães - 13/0059099

Grupo 6 - STFC. Universidade de Brasília. Direito Administrativo III Turma: A. Prof.Dr. Márcio Iorio Aranha. Ailton Mota de Magalhães - 13/0059099 Universidade de Brasília Direito Administrativo III Turma: A Prof.Dr. Márcio Iorio Aranha Grupo 6 - STFC Ailton Mota de Magalhães - 13/0059099 Danielle Aparecida Viana dos Reis 13/0069761 Melissa Luz Silva

Leia mais

Ministério das Comunicações 2015

Ministério das Comunicações 2015 Ministério das Comunicações 2015 _dados setoriais TELEFONIA Mais de 320 milhões de acessos! Número de acessos (em milhões) 350 300 250 200 150 100 50 0 261,8 271,1 280,7 282,4 242,2 202,9 174 150,6 121

Leia mais

Eduardo Levy. Entrevista com. SindiTelebrasil

Eduardo Levy. Entrevista com. SindiTelebrasil Entrevista com Eduardo Levy SindiTelebrasil por Olívia Bandeira 1 Eduardo Levy é diretor executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil),

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2008

PROJETO DE LEI N o, DE 2008 PROJETO DE LEI N o, DE 2008 (Da Sra. Elcione Barbalho) Altera a Lei n.º 9.998, de 17 de agosto de 2000, estendendo o uso dos recursos do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) à prestação

Leia mais

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma]

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma] MESTRE DE CERIMÔNIA: A seguir, o senhor Roberto Franco, da ABERT, fará as perguntas, formuladas pelos participantes, ao palestrante, o senhor Dimitri Ypsilanti, chefe da divisão de formação, comunicação

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social CONSULTORIA LEGISLATIVA SEMANA PORTAS ABERTAS ÁREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social Bernardo Lins Características

Leia mais

UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSALIZAÇÃO DAS TELECOMUNICAÇÕES Marcelo Rodrigues Superintendência de Universalização SUN São Paulo, 18 de Julho de 2011 Universalização - LGT é garantir o direito de acesso de toda pessoa ou instituição,

Leia mais

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA 4 de novembro de 2014 Flávia Lefèvre Guimarães flavia@lladvogados.com.br Lei Geral de Telecomunicações

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Sumário 1. Perfil do país 2. Dados Setoriais 3. Programa Nacional de Banda Larga 4. Marco Civil da Internet Perfil do País 30,0% Taxa de analfabetismo (população com mais de 15 anos de idade) 20,0% 10,0%

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013. Lançamento da Coleta. Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2013 Lançamento da Coleta Rio de Janeiro, 29/10/2013 1 A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD investiga anualmente, de forma permanente: características

Leia mais

Ações do Ministério das Comunicações

Ações do Ministério das Comunicações Ações do Ministério das Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Brasília, março de 2012. Crescimento do setor alguns destaques Serviço Número de Acessos Taxa de Crescimento

Leia mais

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio

Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio Na disputa da TV a Cabo um incrível dilema entre pluralismo e monopólio No debate que ainda não saiu dos bastidores, a luta pelo controle da infra-estrutura da "sociedade da informação o cidadão chega

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

Ministério das Comunicações 2015

Ministério das Comunicações 2015 Ministério das Comunicações 2015 O MINISTÉRIO - Secretaria de Telecomunicações Políticas para expansão dos serviços de telecomunicações, prioritariamente o acesso à banda larga - Secretaria de Comunicação

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS 366 ESPELHO DE AUTOR DA Chico D'angelo 24970001 Compartilhamento de infra estrutura para banda larga (unbundling) 0751 - Expandir a infraestrutura e os

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

Audiência Pública "Plano Nacional de Banda Larga

Audiência Pública Plano Nacional de Banda Larga Audiência Pública "Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal 09 de março de 2010 Plenário nº 03 da Ala Senador Alexandre Costa Imagine

Leia mais

Encontro tele.sintese 42

Encontro tele.sintese 42 Encontro tele.sintese 42 A reversibilidade e ampliac a o da concessa o para banda larga, uma contradic a o? Fim da concessa o e so servic o privado, uma sai da? Renata Mielli Secretária Geral do Fórum

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Recife, outubro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking Perspectivas, impactos e desafios Nilton Omura (nilton.omura@br.ey.com) Abril, 2012 As condições estruturais para viabilizar a massificação de smartphones e tablets no Brasil estão criadas, e irão transformar

Leia mais

Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências. 700 MHz

Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências. 700 MHz Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências 700 MHz Lotes e Áreas de Prestação Preços (*) Somente será licitado caso não exista Proponente vencedor em algum dos Lotes

Leia mais

Banda Larga rural e urbana

Banda Larga rural e urbana Banda Larga rural e urbana Edital de Licitação 004/2012/PVCP/SPV-Anatel (450 MHz e 2,5 GHz) Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Brasília/DF Abril/2012 Premissas e objetivos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver SESSÃO: 255-S0 DATA: 27/08/15 FL: 1 DE 5 O SR. TONINHO VESPOLI (PSOL) - Boa tarde novamente a todos e a todas. Sempre estou tranquilo nesta Casa, mas aqui temos posição política. Eu fico admirado de ver

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Concessão de Telefonia Fixa: Sustentabilidade e Renovação Contratual. 42º. Encontro Telesíntese

Concessão de Telefonia Fixa: Sustentabilidade e Renovação Contratual. 42º. Encontro Telesíntese Concessão de Telefonia Fixa: Sustentabilidade e Renovação Contratual 42º. Encontro Telesíntese 1 1 Reversibilidade: origem, função e reversão 2 Concessão: revisão do modelo 3 Banda Larga: massificação

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÕES O modelo tradicional do setor elétrico estruturado através de monopólios naturais verticalizados foi a principal forma de provisionamento de energia elétrica no mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Seja bem-vindo. Um abraço, Bruno Raposo Diretor de Relacionamento com Clientes. *Serviços gratuitos até junho de 2009.

Seja bem-vindo. Um abraço, Bruno Raposo Diretor de Relacionamento com Clientes. *Serviços gratuitos até junho de 2009. Seja bem-vindo. AGORA VOCÊ FARÁ SUAS LIGAÇÕES COM MUITO MAIS ECONOMIA. A partir de agora, você tem acesso a todos os benefícios do telefone via cabo, que reuniu as tecnologias da Embratel e da NET o NET

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois

Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Programa Nacional de Banda Larga 18 meses depois Caio Bonilha Telebras 1 Câmara dos Deputados, 06/12/2011 Mercado de Banda Larga no Brasil Conexões Banda Larga por região 9% 2% 17% 63% 9% Norte Nordeste

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA.

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução nº, de de de 2009

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural Investimentos em 4G, refarming de frequência e telefonia rural Carlos Baigorri Superintendente Anatel Brasília/DF Fevereiro/2014 Nos últimos 12 anos pudemos ver no mercado as tecnologias passando por diferentes

Leia mais

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010

Plano Nacional. de Banda Larga. Brasília, 05 de maio de 2010 Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 05 de maio de 2010 Sumário 1. Importância Estratégica 2. Diagnóstico 3. Objetivos e Metas 4. Ações 5. Investimento 6. Governança e Fórum Brasil Digital 2 1. Importância

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização Agência Nacional de Telecomunicações Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização José Alexandre Bicalho Superintendente de Planejamento e Regulamentação 02/09/2014

Leia mais

Fluxos de capitais, informações e turistas

Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxos de capitais, informações e turistas Fluxo de capitais especulativos e produtivos ESPECULATIVO Capital alocado nos mercados de títulos financeiros, ações, moedas ou mesmo de mercadorias, com o objetivo

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Código de Seleção de Prestadora (CSP) Este tutorial apresenta o Código de Seleção de Prestadora (CSP) utilizado no Brasil para chamadas de longa distância. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e

Leia mais

Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da

Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da Senado Federal Requerimento nº 43/09 de Audiência Pública CCT Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da consulta pública nº 31/2009 da ANATEL Brasília, 18 de Novembro, 2009 Apresentação

Leia mais

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES Rosa Costa Jornada de Direito Empresarial, Silveira Clemente & Rojas Advogados Associados 05/10/2007 - FIRJAN MARCO REGULATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES Após uma década do

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS Maximiliano Martinhão Brasília, 04 de janeiro de 2013 Dados socioeconômicos Banda Larga Anatel: Mais de 47 % dos acessos fixos ativados desde DEZ/2010

Leia mais

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento

Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Infra-estrutura para inovação e desenvolvimento Painel: Telecomunicações, acessibilidade, TICs e inovação As telecomunicações constituem um setor de infra-estrutura de importante impacto no crescimento

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários

ÍNDICE. Introdução. Os 7 Segredos. Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão. \\ 07 Segredos Milionários ÍNDICE Introdução Os 7 Segredos Como ser um milionário? Porque eu não sou milionário? Conclusão 3 4 6 11 12 INTRODUÇÃO IMPORTANTE Neste e-book você terá uma rápida introdução sobre as chaves que movem

Leia mais

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras.

Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Ao longo do mês Início da implementação do programa Brasil Sem Miséria pelas prefeituras. Merece destaque também a ação da Polícia Federal e Força Nacional nos Estados e Municípios onde ocorreram mortes

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais