UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE ESTRATÉGIAS E EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA DE TV A CABO BRASILEIRA CASO NET SERVIÇOS S/A Por: Raquel da Silva Lima Orientador Prof. Luciano Gerard Rio de Janeiro 2009

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE ESTRATÉGIAS E EVOLUÇÃO DA INDÚSTRIA DE TV A CABO BRASILEIRA CASO NET SERVIÇOS LTDA Apresentação de monografia ao Instituto A Vez do Mestre Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Finanças e Gestão Corporativas. Por:. Raquel da Silva Lima

3 3 AGRADECIMENTOS A minha família que sempre estiveram presentes e se esforçaram para me dar uma boa formação. Aos meus amigos que torcem pelo meu sucesso, o meu muito obrigada.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico minha monografia a todos que já conheci, pois através deles pude obter meu crescimento pessoal e profissional.

5 5 RESUMO A indústria de TV a cabo está num caminho convergente com o setor de telecomunicações por força dos avanços tecnológicos relacionados à informática, processo frequentemente referido como convergência digital. Assim, as redes das operadoras de cabo têm a possibilidade de se transformarem num elemento central da evolução das sociedades da informação. Este trabalho descreve historicamente a evolução do setor a cabo no mundo e no Brasil. Em particular estuda-se e as estratégias da empresa Net Serviços S.A, empresa Brasileira, em direção a convergência da televisão a cabo frente seus concorrentes. São demonstradas as estratégias adotadas pela empresa para expandir sua atuação nos setores envolvidos nas comunicações até se tornar a maior multi-operadora de serviços via cabo do Brasil e uma das maiores da América Latina com serviços integrados de TV por assinatura, vídeo digital em alta definição, acesso bidirecional à Internet em banda larga e voz, dentro de um contexto de transformações que inclui a inovação tecnológica e a adaptação do modelo regulador brasileiro a esta realidade de mercado.

6 6 METODOLOGIA A metodologia utilizada baseou-se primeiramente na leitura de livros e revistas com estudos recentes sobre a convergência da TV a cabo. Posteriormente, procurou-se pesquisar estudos dedicados a TV a cabo no Brasil e no mundo, como também notícias e entrevistas encontradas nos sites com ênfase no assunto. Particularmente os sites da NET Serviços e ABTA (Associação Brasileira de TV por Assinatura), foram fontes de estudo para diversos dados aqui demonstrados.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Conceito de TV a cabo 11 CAPÍTULO II - Conceito de estratégia 16 CAPÍTULO III - Concorrência no Mercado de TV 21 CAPÍTULO IV Caso de estudo Net Serviços 24 CONCLUSÃO 36 BIBLIOGRAFIA 38 ÍNDICE 39

8 8 INTRODUÇÃO Segundo especialistas do setor, a indústria brasileira de cabo ainda esta no berço, mas já se faz presente nas principais capitais e em muitas cidades importantes do país. O Brasil ao nascimento do setor graças às permissões lançadas pelo Ministério das Comunicações (Minicom) em Os pioneiros na implantação dos sistemas foram, em geral, médios empresários muitas vezes associados a estrangeiros que possuíam alguma experiência prévia. Com o tempo, uma forte tendência de afiliação tomou conta dos operadores. Marcas como NET, TVA E MULTICANAL tornaram-se grandes guarda-chuvas que abrigam as mais variadas composições societárias. Nove anos passados do lançamento das permissões, existiam 98 operações de TV por assinatura no país. No plano de mercado para o setor publicado em 97 pelo Minicom estavam previstas em torno de permissões para o país. Em outubro do mesmo ano, foram publicados três lotes de editais de TV por assinatura, com 234 novas outorgas, entre serviços de cabo e MMDS. No início de 1999, outro lote foi publicado, já sem limitações da Lei de licitações. Tem-se, portanto, o primeiro componente que indica a mudança da estrutura estratégica da indústria: Nos próximos anos, a indústria de cabo deverá expandir-se geograficamente de maneira expressiva. Mesmo considerando os mercados atuais, o cenário estratégico presente tem baixa probabilidade de se manter estável. Graças ao avanço tecnológico, uma série de indústrias estão numa trilha convergente. São elas: A indústria de telefonia, a de transmissão de dados, a de televisão aberta e a de televisão a cabo, além das operadoras de serviços sem fio (wireless). Neste tablado, encontram-se também fabricantes de produtos eletrônicos de consumo e informática, que terão influência decisiva no desenrolar da história.

9 9 Essa trilha convergente é fruto da possibilidade de digitalizar eficientemente as informações que constituem hoje o produto dessas indústrias (texto, voz, imagem, som, vídeo, ou seja, dados). A lógica desse fenômeno está no fato de transformar a informação em bit s e, a partir daí, não mais interessa qual o tipo de informação se está trafegando, alterando ou reproduzindo, ao menos do ponto de vista dos equipamentos. Segundo Parsons (98), isso foi possível pela fusão entre computação e as telecomunicações que resultaram num conjunto reduzido de plataformas funcionais e de distribuição interrelacionadas. Convergência ou Convergência Digital é um termo utilizado para referenciar as aplicações de negócios, tecnológicas e de regulação, advindas da sobreposição das indústrias na prestação de seus serviços. Essa tendência implica mais que a simples eliminação de barreiras tecnológicas. A desregulamentação vivida nestes ramos em diversas partes do mundo tende a transformá-los em um único setor, que será fundamental no desenvolvimento ou remodelamento de outras inumeráveis indústrias. A tecnologia está criando um novo negócio que é uma confluência de entretenimento, trabalho, conteúdo, interatividade, televisão, computador e telefone (celular ou não). Muitas empresas estão com seu futuro em jogo, pois um ambiente estratégico totalmente distinto do atual se mostra cada dia mais provável. Na nova economia, o setor economicamente dominante é criado pela convergência de três indústrias (informática, comunicações e conteúdo) que, por sua vez, proverão a infra-estrutura onde todos os outros setores gerarão riquezas (Tapscott, 1995). O cenário atual da indústria de TV a cabo brasileira conta com empresas em sintonia com os países onde a TV paga está consolidada. A estratégia usada para inovação está se acirrando, a desregulamentação das telecomunicações está avançando em âmbito global e o Brasil não é exceção. Ao mesmo tempo as empresas buscam espaço com armas e tecnologias

10 10 tradicionais da indústria para consolidar o negócio de TV paga, elas devem influenciar a transformação do setor e ocupar as oportunidades existentes para escrever as novas regras da competição. A explosão da Internet aponta para um mundo com distâncias cada vez menores, informações circulando em crescente quantidade e velocidade. A indústria de cabo tem um papel a desempenhar na modificação da Internet pois as redes utilizadas pelas operadoras de cabo permitem que elas sejam a via de entrada dos futuros serviços digitais nas residência, escritórios e corporações. Contudo, a razão desse vínculo não se deve exclusivamente a tecnologia, mas principalmente aos modelos de negócio relacionados à concepção, introdução, difusões da inovações tecnológicas no mercado e das estratégias bem sucedidas. Um turbilhão de questões, com quais ou que tipos de companhias estão se preparando para esse novo cenário, começam a surgir nas empresas do ramo e nas corporações que as controlam. Uma série de incertezas estão sendo agregadas nos processos decisórios de investimentos e posicionamento estratégico. Particularmente, observando a empresa NET Serviços frente seus concorrentes, deflagramos que estratégias, quais vantagem competitivas, que competências, recursos e capacitações foram e são utilizadas por ela, bem como seus resultados e, como obteve o status de maior empresa de multisserviços da América Latina.

11 11 CAPÍTULO I CONCEITO DE TV A CABO Esclarecendo inicialmente a proposta deste trabalho, é importante desfazer um pequeno equivoco, mas que tende a ser comum: TV por assinatura não é o mesmo que TV a Cabo. A definição de TV por assinatura é mais ampla, já que abrange outros meio de distribuição além do cabo (coaxial ou fibra ótica). TV a cabo é uma modalidade de TV por assinatura na qual o transporte de sinal é feito por uma rede de cabos. Figura:1 Solução técnica para melhorar a qualidade de recepção. Fonte: M RAMOS, M Martins - Tendências XXI, unb.br A televisão por assinatura, na forma de TV a Cabo, surgiu no fim da década de 1940, nos Estados Unidos, como uma solução técnica para melhorar a qualidade de recepção dos sinais radioelétricos de TV, prejudicadas por interferências, sobretudo em regiões montanhosas. A solução era bem simples: em uma colina instalava-se uma grande antena que captava

12 12 sinais televisivos das emissoras convencionais, dirigindo-os a uma pequena estação que ampliava e corrigia suas distorções. A esta estação se ligava um cabo que distribuía os sinais as residências de uma dada comunidade. Por isso, recebeu na época, a denominação de Community Antenna Television, ou CATV, ainda hoje utilizada. A partir daí, passaram a ser vislumbradas novas aplicações, já que as grandes cidades, que sofriam interferências de sinais causadas pelo grande número de edifícios, começaram a se beneficiar da nova tecnologia. Com a disseminação das redes de cabo, portanto, começou-se a perceber que suas possibilidades não se limitavam à retransmissão dos sinais dos canais convencionais de televisão aberta. Suas aplicações eram potencialmente muito mais amplas: pelo cabo podiam circular além de sinais de rádio AM e FM, novos programas e serviços que seriam, em princípio gerados localmente. Desse modo, o casamento entre novidades tecnológicas e interesses econômicos transformou a TV a cabo de um simples recurso técnico naquilo que é, no momento, pelo menos quantitativamente, o mais eficiente meio de disseminação de informação existente TV a Cabo no Mundo Dois acontecimentos, entre o final dos anos 70 e início dos anos 80, deram partida, nos Estados Unidos mas com repercussões em todo mercado mundial, à transformação no negócio de TV a Cabo: O lançamento, em 1972, para distribuição por satélite pelo grupo Time- Life, depois Time Warner como resultado da fusão de dois gigantes da comunicação norte-americana: o mencionado grupo editorial Time-Life e os estúdios cinematográficos Warner Brothers -, do primeiro programa do Home Box Office, ou HBO, constituído de filmes, inclusive lançamentos simultâneos com as salas cinematográficas em todo o país. Cinema em casa, com

13 13 atualidade e alta qualidade de imagem, sem intervalos comerciais e a um preço compensador quanto comparado ao que seria gasto com ida às salas exibidoras tradicionais: esta foi a primeira grande descoberta dos operadores de TV a Cabo nos Estados Unidos. Figura: 2 Distribuição de conteúdo via satélite. Fonte: M RAMOS, M Martins - Tendências XXI, unb.br A transformação, em Atlanta, Georgia, em 1980, de uma pequena estação independente de televisão, operando na frequência UHF, em um canal com 24 horas de notícias, e a distribuição desse programa Cable News Network ou CNN por satélite, em tempo real, a centenas e depois milhares de operadores de TV a Cabo Assim, do começo até meados da década de 80 a TV a Cabo, nos Estados Unidos, conquistou cerca de 35% da audiência das três grandes redes de TV aberta (ABC, CBS e NBC). A partir daí, surgiria uma nova lógica de mercado, pela qual a ampliação do número de canais faria com que a programação fosse cada vez mais segmentada e especializada, sendo a diversidade, a originalidade e, sobretudo, a presumível identificação com o telespectador, o diferencial para conquistar o consumidor.

14 1.2 - TV a Cabo no Brasil 14 Apesar de a história de TV a cabo brasileira ser recente, segundo o panorama setorial da Gazeta Mercantil, a primeira operação de TV paga do Brasil data de 1958, em Petrópolis (RJ). Em 1976, a cidade de São José dos Campos também possuía uma rede que contava com os canais de televisão aberta recebidos da região. Mas é melhor colocar esses fatos como curiosidade, pois foi somente a partir da metade da década de 80, com a popularização das antenas parabólicas, que empreendedores começaram a montar redes em fachadas de casas e prédios em cidades espalhadas do país. Em fevereiro de 1988 é aprovado o Serviço Especial de Televisão por Assinatura, que funcionaria em regime de concessão outorgado pelo Dentel. As primeiras concessões foram dadas para, entre outros, a TV Globo e a Editora Abril. Em março de 1989, entra em operação o primeiro canal por assinatura do Brasil, o canal+ (sem nenhuma relação com o canal+ francês). Em dezembro do mesmo ano, sai a portaria que trata do, então intitulado, Serviço de Distribuição de Sinais de TV por Meios Físicos (DisTV). Essa portaria liberou a instalação de sistemas de TV por assinatura em comunidades fechadas, que tornaram a forma de sistema de recepção via parabólica. É Interessante notar que dentre as empresas de mídia, apenas a RBS se movimentou para conseguir concessões que permitiriam à empresa explorar o serviço em áreas metropolitanas. Pouco mais de cem concessões foram distribuídas entre 1990 e 1991 com base na portaria número 250, de Esse fato pode parecer irrelevante, mas aponta um fator que tem implicações na estrutura atual da indústria: tanto a Globo quanto a Abril apostaram inicialmente em outras formas de TV paga: a primeira foi para DBS, investindo em programação através da Globosat e a segunda apostou no MMDS com a TVA.

15 15 Em 1991 o governo interrompeu o processo de distribuição das licenças, atendendo ao pedido do Congresso Nacional. Nessa época, os dois grandes grupos aparentemente perceberam que o negócio de cabo era um filão a ser explorado e, em função da interrupção das licenças, só restava a aquisição como forma de entrada em novos mercados. Nesse período, foi formada a Net Brasil, uma associação entre Globo, RBS e Multicanal. A lei do cabo, Lei número 8977, promulgada em 1995, transformou oficialmente as concessões de DisTV em concessões de TV a cabo inserindo um caráter regulador do serviço, já com vistas à futura utilização das redes de cabo para telecomunicações. Esse caráter pode ser percebido no texto do artigo 18, Capitulo IV Da instalação do Serviço: 'As concessionárias de telecomunicações e as operadoras de TV a cabo empreenderão todos os esforços no sentido de evitar a duplicidade de redes, tanto nos segmentos de rede de transporte de telecomunicações quanto nos de rede local de distribuição. Nos anos que se passaram foram muitos investimentos e estratégias e as operadoras não perderam o foco inicial. Em 2009, o número de assinantes de TV paga cresceu 17,6%, em relação ao primeiro trimestre de 2008, e chegou a 6,35 milhões de assinantes no Brasil. Os dados são do Levantamento Setorial - Operadoras da ABTA (Associação Brasileira de TV por Assinatura) e da SETA (Sindicato das Empresas de TV por Assinatura). O faturamento da indústria de TV por assinatura, incluindo publicidade, cresceu 27% e ficou com R$ 2,54 bilhões. O setor também apresentou melhora no número de empregos diretos, o aumento foi de 16,3% com 17 mil funcionários. Para Alexandre Annenberg, presidente da ABTA e da SETA, a TV paga continua se desenvolvendo e o serviço ainda deve melhorar. "A programação variada nos canais pagos ganha valor nesse contexto, pois é

16 16 mais uma opção de entretenimento para o brasileiro. Além disso, as empresas do setor continuam a investir em melhorias, como alta definição e outras tecnologias, sempre em busca de aumentar a qualidade dos serviços oferecidos aos assinantes". Gráfico 1 - Base de Assinantes - Crescimento de 1,6% no primeiro de 2009, comparando-se com o anterior, totalizando 6,35 milhões de assinantes. Se comparado com o mesmo período, em 2008, o aumento no número de assinantes é de 17,6%. Gráfico 1 - Evolução do número de assinantes (em milhões de assinantes). Fonte: Site ABTA - Informações recebidas de operadoras que representam 98% da base de assinantes e estimativa sobre o crescimento das operadoras não informantes.

17 17 CAPÍTULO II CONCEITO DE ESTRATÉGIA A palavra estratégia vem do grego strategos a arte do general. Segundo Michael Porter, a estratégia da empresa consiste do conjunto de mudanças competitivas e abordagens comerciais que os gerentes executam para atingir o melhor desempenho da empresa. A estratégia é o planejamento do jogo de gerência para reforçar a posição da organização no mercado, promover a satisfação dos clientes a atingir os objetivos de desempenho. A estratégia pode ser definida como o conjunto de objetivos, finalidades, metas, diretrizes fundamentais e os planos para atingir os objetivos, postulados de forma a definir em que situação a organização se encontra, que tipo de organização ela é ou deseja ser. Existem vários conceitos e interpretações sobre o que é ser estratégico, sendo que todos estão associados ao conceito de escolha de rumo, um caminho, que uma vez constatado onde está localizado, decide-se aonde se quer chegar, relacionando-se direta ou indiretamente a noções de planejamento. A estratégia e os objetivos descrevem um conceito do campo de atuação da empresa. Eles especificam o volume, a área e as direções do crescimento, os principais pontos fortes e meta de responsabilidade.

18 2.1 - Principais características 18 De um modo geral a s principais características das estratégias devem ser baseadas no resultado da análise do ambiente, criar vantagem competitiva, ser viáveis e compatíveis com os recursos, ser coerentes entre si, buscar compromisso das pessoas envolvidas, ter o grau de risco limitado pela empresa, ser fundamentadas nos princípios da empresa, e principalmente ser criativas e inovadoras O perfil das empresas estratégicas As empresas têm de ser flexíveis para responder rapidamente às alterações competitivas e do mercado. Deve possuir competências essenciais para se manterem à frente de seus rivais. O posicionamento, em tempos considerado a alma da estratégia, é hoje rejeitado, por ser demasiado estático face às mudanças dos mercados e das tecnologias. Os concorrentes podem facilmente copiar o posicionamento estratégico, portanto, as vantagens competitivas são temporárias. Muitas empresas confundem eficiência operacional com estratégia. Estão surgindo diversas técnicas de gestão que aos poucos estão substituindo as estratégias. Para uma empresa ultrapassar os rivais deve preservar uma característica única. Terá de proporcionar maior valor aos consumidores ou criar valor a custos mais baixos, ou fazer as duas coisas. A eficiência operacional significa exercer atividades semelhantes melhor do que as rivais. Inclui todo o tipo de prática que permitem a uma empresa utilizar da melhor forma os seus recursos. O posicionamento estratégico significa exercer atividades diferentes dos rivais ou exercer atividades semelhantes de um modo diferente.

19 19 A medida que os rivais imitam as técnicas uns dos outros qualidade, ciclos de produção ou alianças com fornecedores as estratégias convergem e a concorrência torna-se uma série de corridas em que todos seguem o mesmo percurso e ninguém ganha. A eficiência baseada só na eficiência operacional é mutuamente destrutiva. Os gestores, aos poucos, têm deixado a eficiência operacional suplantar a estratégia. O resultado é um jogo de soma - nula, em que os preços são estáveis ou decrescentes e as pressões sobre os custos cada vez maiores, o que compromete a capacidade para investir no negócio a longo prazo A estratégia competitiva A estratégia competitiva consiste em ser diferente. Significa escolher deliberadamente um conjunto diferente de atividades para fornecer uma combinação única de valor. A empresa pode posicionar-se estrategicamente em diferentes formas: - Posicionamento baseado na variedade Baseia-se na produção de vários conjuntos de produtos ou serviços. Pode servir um vasto tipo de clientes, mas na maioria dos casos, satisfará apenas parte das suas necessidades. - Posicionamento baseado em necessidades Consiste em servir a maioria ou a totalidade das necessidades de um segmento específico de consumidores. - Posicionamento baseado no acesso - Consiste em segmentar clientes que são acessíveis de maneiras diferentes. - A essência do posicionamento estratégico é o de escolher atividades diferentes das dos rivais.

20 2.4 - Forças competitivas 20 A essência da formulação de uma estratégia competitiva é relacionar uma companhia ao seu meio ambiente. O aspecto principal do meio ambiente da empresa é a indústria ou as indústrias em que ela compete. O grau da concorrência em uma indústria depende de cinco forças competitivas básicas, que são apresentadas abaixo: Figura 3 - Forças competitivas básicas. Fonte: Site: Michael Porter A meta da estratégia competitiva para uma empresa é encontrar uma posição dentro dela em que a companhia possa melhor se defender contra as forças competitivas ou influenciá-las a seu favor. Para o desenvolvimento de uma estratégia é fundamental pesquisar e analisar as fontes de cada força. O conhecimento das fontes põe em destaque os pontos fortes e os pontos fracos da companhia, mostra o seu posicionamento em seu mercado, esclarece as áreas em que mudanças estratégicas podem resultar no retorno máximo e põe em destaque as áreas

21 21 em que as tendências da indústria são da maior importância, quer como oportunidades, quer como ameaças. 2.5 Forças e ameaças da NET Serviços Hoje a NET possui uma equipe centralizada responsável pela supervisão de suas vendas e marketing. Além disso, a NET mantém especialistas de marketing especificamente dedicados a cada região e comprometidos com a elaboração de um plano de ação detalhado para cada uma de suas principais operações. Para cada região, a NET monitora constantemente a percepção do assinante, a concorrência, preços e preferências de serviço, para aumentar a prestatividade a eles. Por outro lado as subsidiárias da NET oferecem serviços de televisão a cabo segundo os termos e condições das licenças outorgadas e supervisionadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a agência brasileira de telecomunicações, segundo a legislação em vigor. A Anatel tem o poder de conceder licenças a concorrentes nas mesmas áreas geográficas nas quais a NET já opera. Desse modo, as operadoras concorrentes poderão construir sistemas e oferecer serviços nas áreas em que já se tem licenças. A existência de mais de uma operadora de sistemas a cabo na mesma área é denominada sobreposição. Sobreposições poderão afetar de forma negativa o crescimento, situação financeira e resultados operacionais, aumentando a concorrência ou criando concorrência onde não havia anteriormente. Existem sobreposições em seis das 44 cidades nas quais a NET opera. Além disso, seus serviços de banda larga e voz concorrem com as empresas de telecomunicação em todas as cidades nas quais a Companhia opera. Atualmente existe concorrência com: - sistemas de cabo em seis das 44 cidades em que operamos, incluindo sistemas nas cidades de São Paulo, Curitiba e Florianópolis;

22 22 - serviços direct-to-home (DTH) oferecidos no Brasil por consórcios brasileiros e internacionais de mídia e por uma grande companhia de telecomunicação que atua principalmente no estado de São Paulo; - emissoras brasileiras de televisão aberta e suas coligadas locais; - sistemas de distribuição multiponto multicanal (MMDS), em São Paulo e no Rio de Janeiro; e - empresas de telecomunicações em todas as cidades nas quais oferecemos serviços de vídeo, banda larga e voz. A NET também concorre com a TV aberta, cinemas, locadoras de vídeo e outras atividades de entretenimento e lazer em geral. A Companhia não tem como assegurar aos investidores de que a demanda por seus novos serviços, tais como a televisão a cabo digital, o near video-on-demand (NT: sistema no qual o mesmo filme é exibido diversas vezes, iniciando em intervalos pequenos de tempo, de forma que o assinante possa optar por assistir ao filme quando lhe for conveniente. Fonte: Glossário da Revista Pay- TV) e o de voz, serão suficientes para recuperar seus custos de desenvolvimento e comercialização desses serviços A escolha da estratégia As estratégicas genéricas são métodos alternativos viáveis para lidar com as forças competitivas. A empresa que fica no meio-termo está em uma situação estratégica extremamente pobre. A empresa na posição de meio-termo tem que tomar uma decisão estratégica fundamental. Ou ela adota as medidas necessárias para lançar a liderança de custo, ou ela orienta-se para um alvo determinado (diferenciação) ou atingir alguma supremacia (diferenciação). A escolha entre estas opções está necessariamente baseada na capacidades e limitações da empresa. Raramente uma empresa está ajustada para as três. Deve-se escolher a

23 23 estratégia mais adequada às virtudes da empresa e que seja mais difícil de ser replicada por seus concorrentes. Ressalte-se que, a Companhia NET Serviços conseguiu se diferenciar das concorrentes e conquistar atributos através de estratégias como: inovação, qualidade, tecnologia e preocupação em oferecer soluções completas, bem como serviços novos e de alta capacidade, conquistando uma rede que atinge mais de 10,4 milhões de domicílios em todo o Brasil.

24 24 CAPÍTULO III A CONCORRÊNCIA NO MERCADO DE TV A CABO Durante anos, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) não expediu uma só autorização para interessados em prestar o serviço de TV paga por satélite - a DTH (sigla para direct-to-home, nome da tecnologia). Após a fusão entre Sky e DirecTV, em 2004, o mercado ficou praticamente sem concorrentes de peso. Atualmente com a chegada das operadoras de telefonia, o Brasil passa a ter 13 empresas que oferecem serviços de televisão por assinatura via satélite - quatro delas ainda em fase de instalação. Até o ano de 2008, havia apenas nove prestadoras de DTH, número igual ao que existia em O movimento mais recente partiu da Oi (ex-telemar), obteve autorização para oferecer TV paga por satélite. A operadora começou a operar o serviço no início de A Embratel planeja iniciar a operação até o fim deste mesmo ano. A Telefônica, por sua vez, já atua no segmento. O tamanho interesse das teles se deve ao fato que o satélite complementa a infra-estrutura que as operadoras já têm. Outra razão é que o DTH não tem restrições ao capital estrangeiro nem ao investimento das empresas de telefonia, como ocorre na TV a cabo. As teles não podem controlar redes de cabo em suas áreas de concessão, mas não existe essa limitação para os investimentos em televisão por satélite.

25 25 Portanto, esse foi o grande caminho encontrado por essas empresas para oferecer no mercado os chamados pacotes "três em um" - que combinam telefonia, banda larga e TV, já oferecidos pela NET Serviços. Para a NET Serviços, o cabo tem diferenciais que o DTH não tem, como a possibilidade de oferecer múltiplos serviços (telefonia, TV por assinatura e banda larga) por meio de uma única tecnologia. A Net sempre concorreu com outras tecnologias e está convicta de que a estratégia de oferecer produtos combinados é vencedora e tem a preferência dos clientes. Por outro lado, há um mercado complementar, que o cabo não atende e que pode ser atendido pelo DTH. Sabemos que a concorrência deste mercado esta atualmente mais focado nas empresas de telecomunicações, mas este ainda é um caso novo a ser estudado. Preocupa-se neste trabalho a verificar dentro da concorrência o posicionamento da tecnologia oferecida pela NET Serviços e seus concorrentes, as operadoras convencionais A concorrência entre as tecnologias Segundo a Pay-TV Survey, a NET fornecia serviços para cerca de 48% dos assinantes de televisão por assinatura no Brasil em dezembro de Além das outras modalidades de televisão por assinatura, como o satélite direct-to-home (DTH), a NET concorre com a televisão aberta e outras fontes de entretenimento doméstico em geral, incluindo a Internet. A NET concorre com essas organizações em termo de preço, ofertas de serviço e confiabilidade de serviço. Além disso, a NET oferecendo serviços adicionais passa a concorrer com cada prestadora e suas tecnologias. São elas: Emissoras de TV aberta: As emissoras de televisão aberta continuam sendo as principais provedoras de mídia do Brasil. O Brasil é o maior mercado de emissoras de

26 26 televisão aberta da América Latina. A maioria dos serviços de televisão aberta é transmitida por seis redes de emissoras de televisão privadas nacionais e uma rede de emissoras estatais de alcance nacional. Essas redes nacionais de televisão utilizam um ou mais satélites, para retransmitirem seus sinais. DTH: Os sistemas de DTH utilizam satélites de média ou alta potência, para transmitir sinais a antenas parabólicas instaladas em residências, hotéis e outras edificações. O sistema DTH tende exigem menos capital do que a construção de uma rede de televisão a cabo. Essa vantagem competitiva, no entanto, pode ser neutralizada por diversos fatores. Entre eles, esta o fato de que o DTH tende a resultar em taxas mensais de assinatura maiores do que o cabo. Além disso, o DTH exige que o assinantes possua um receptor especial direcionado ao satélite, o que nem sempre é possível em áreas densamente povoadas. Sobreposição de Cabos: Segundo a Pay-TV Survey, em 2008, o mercado brasileiro de televisão a cabo consistia em 50 operadoras de cabo em 204 municípios, atendendo a um número estimado de 3,6 milhões de assinantes. Segundo a legislação brasileira, as licenças de serviço de televisão a cabo em uma área específica não são exclusivas. Em determinados mercados, as áreas de serviço licenciadas da NET estão completamente sobrepostas às áreas se serviço de outros licenciados. Existe sobreposição de sistemas de cabo nas cidades de São Paulo, Curitiba, Florianópolis, Pelotas, Santos e Belo Horizonte. Em 2007, a Anatel aprovou a aquisição de companhias a cabo por parte de duas grandes companhias de telecomunicações, o que aumentou a concorrência, principalmente no mercado triple play. MMDS: A televisão por assinatura com tecnologia MMDS tornou-se disponível no Brasil em 1991, tendo como alvo inicial as maiores áreas urbanas do país.

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite

Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Algar Telecom lança TV por assinatura via satélite Com investimentos de mais de R$ 160 milhões, empresa amplia seu portfólio de serviços São Paulo, 20 de maio de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações

Leia mais

NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil

NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil NET, Claro e Embratel se unem para transformar a oferta de telecomunicações e entretenimento no Brasil Empresas investem na integração das suas redes e lançam a mais completa oferta convergente de serviços

Leia mais

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney

Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Net Serviços de Comunicação S.A Apresentação Expomoney Considerações Futuras Eventuais declarações que possam ser feitas durante essa apresentação, relativas às perspectivas de negócios da Companhia, projeções

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Número de operações: 93

Número de operações: 93 APIMEC Maio de 2010 PRESENÇA GEOGRÁFICA 2 Número de operações: 93 Principais cidades São Paulo Rio de Janeiro Belo Horizonte Recife Brasília Manaus Curitiba Florianópolis Porto Alegre Guarulhos Ponta Grossa

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008. maio de 2009 - Ano XIII

Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008. maio de 2009 - Ano XIII Edição especial: Retrospectiva da TV paga no Brasil em 2008 n ú m e r o 147 maio de 2009 - Ano XIII número 147 - Maio de 2009 - Ano XIII Rua Sergipe, 401/Conj. 1.111 Higienópolis 01243-001 São Paulo (SP)

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO

3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO 27 3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO Este capítulo apresenta o setor de telecomunicações no Brasil e o mercado de banda larga residencial. 3.1 O setor de telecomunicações no Brasil O setor de telecomunicações

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA CORPORATE TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA De empresa regional para empresa nacional De 24 cidades em 9 estados para 95 cidades em 17 estados De 800 funcionários em 2000 para 8 mil atualmente Oferta completa de

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

Desde as primeiras edições do

Desde as primeiras edições do TV POR ASSINATURAanálise Disputa acirrada Segmento é hoje um competidor importante em novos serviços, mas aia há espaço a ocupar. Desde as primeiras edições do Atlas Brasileiro de Telecomunicações o mercado

Leia mais

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição

NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição NET revoluciona oferta de HD com novos produtos e conteúdos em alta definição Pioneira em alta definição no Brasil, NET lança novo decodificador HD e novos pacotes de canais neste formato, disponíveis

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003

Brasil Telecom. Café da Manhã com Investidores Unibanco. Fevereiro 2003 Brasil Telecom Café da Manhã com Investidores Unibanco Fevereiro 2003 1 Estratégia 2 Mercado Metas Metas Garantir a liderança na Região II, focando nos clientes de alto valor. Garantir a liderança na Região

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

Net Serviços de Comunicação S.A. Resultados do 1T08

Net Serviços de Comunicação S.A. Resultados do 1T08 Net Serviços de Comunicação S.A. Resultados do 1T08 Destaques do Trimestre 2 Lançamento recente do Net Fone.com, produto que combina os serviços de telefonia, acesso rápido à internet e melhoria de imagem,

Leia mais

Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da

Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da Senado Federal Requerimento nº 43/09 de Audiência Pública CCT Destinação da faixa de 2,5 GHz e o pedido de anulação judicial da consulta pública nº 31/2009 da ANATEL Brasília, 18 de Novembro, 2009 Apresentação

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança.

Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda ManagedOfficeProtection Mais que antivírus, solução em segurança. Net View & Panda Managed Office Protection É fato, tanto pequenas e médias e grandes empresas enfrentam os mesmos riscos

Leia mais

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET

GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET GUIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS NET 1 SEJA BEM-VINDO à net! Caro cliente, Este guia foi desenvolvido para você conhecer um pouco mais sobre os produtos e serviços NET que estão à sua disposição. Aproveite

Leia mais

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite

Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sugestão de Política Pública para o Atendimento Rural via Satélite Sindicato Nacional das Empresas de Telecomunicações por Satélite SINDISAT Suporte: TELECO - Inteligência em Telecomunicações Brasília,

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO

COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO COMENTÁRIO DO DESEMPENHO CONSOLIDADO Uberlândia MG, Maio de 2013 A Algar Telecom, Companhia completa e integrada de telecomunicações e TI, detentora da marca CTBC, divulga seus resultados do 1º Trimestre

Leia mais

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie

Orbitall. Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite. Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo. Universidade Presbiteriana Mackenzie Orbitall Autora: Carolina Fernandes Corrêa Leite Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Melo Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução O setor de cartões de crédito tem crescido a taxas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como:

Introdução. ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

Introdução. ISP Local

Introdução. ISP Local Introdução ISP: Internet Service Provider O provedor de acesso oferece serviço de acesso à internet, agregando a ele outros serviços como: Correio Eletrônico; Hospedagem de sites; Blogs; DNS; Voip. Introdução

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Setembro/2007 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 10 milhões de conexões Mauro Peres, Research Director IDC Brasil Copyright

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar?

Se eu tenho o serviço de Voz sobre Internet, para quem posso ligar? 1 Conheça o sistema de Voz sobre IP (ou VOIP) O que é Voz sobre IP / Voz sobre Internet Protocolo? R. Voz sobre IP permite que você faça ligações telefônicas utilizando uma rede de computadores, como a

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

NET Serviços chega a Vitória e Vila Velha com a mais moderna oferta de serviços de comunicação

NET Serviços chega a Vitória e Vila Velha com a mais moderna oferta de serviços de comunicação NET Serviços chega a Vitória e Vila Velha com a mais moderna oferta de serviços de comunicação Com a integração da ESC 90, a NET Serviços passa a operar em Vitória e Vila Velha e traz para a cidade o seu

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES Rosa Costa Jornada de Direito Empresarial, Silveira Clemente & Rojas Advogados Associados 05/10/2007 - FIRJAN MARCO REGULATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES Após uma década do

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002 Brasil Telecom Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg Dezembro de 2002 1 OSetor de Telecomunicações no Brasil 2 Empresas de Telefonia Fixa Região IV (Somente Longa Distância) Preço Mínimo: US$1.548

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Destaques do trimestre

Destaques do trimestre Resultados 3T12 Destaques do trimestre 1 Empresa integrada é líder no índice de satisfação do cliente 2 Líder indiscutível nos segmentos de maior receita com foco na geração de valor 3 Melhora sequencial

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom Demonstração é a primeira de uma rede LTE Advanced agregando três faixas de frequências distintas (2600 MHz, 1800 MHz e

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNINORTE LAUREATE INTERNATIONAL UNIVERSITIES PRÊMIO DE EMPREENDEDORISMO JAMES McGUIRE EDITAL DE SELEÇÃO REGULAMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Prêmio James McGuire de Empreendedorismo é uma competição

Leia mais

Telefônica e TVA lançam Trio Xtreme em rede de fibra óptica

Telefônica e TVA lançam Trio Xtreme em rede de fibra óptica Telefônica e TVA lançam Trio Xtreme em rede de fibra óptica 26 bairros de São Paulo têm acesso à rede de fibra da Telefônica, tornando possível oferecer pacotes com até 30M de conexão à web e novos serviços

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Sistemas de comunicação e novas tecnologias

Sistemas de comunicação e novas tecnologias Sistemas de comunicação e novas tecnologias Módulo 3: Capitalismo informacional 3.3: Ascensão da TV paga Esta obra estálicenciada sob umalicença CreativeCommons. Prof. Dr. Marcos Dantas 1948 Pequenos empreendedores

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-20102010 Resultados de Junho 2009 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2009 IDC. Reproduction

Leia mais

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999

EMBRATEL PARTICIPAÇÕES TEM RECEITA LÍQUIDA DE R$ 1,5 BILHÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2000, 26 PORCENTO ACIMA DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 1999 INFORMATIVO Silvia M.R. Pereira Relações com Investidores tel: BR 55 21 519-9662 fax: 55 21 519-6388 Wallace Borges Grecco Relações com a Imprensa tel: BR 21 519-7282 fax: 021-519-8010 EMBRATEL PARTICIPAÇÕES

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico

Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico Guaiaquil tira proveito da IoE para oferecer à população os benefícios da telemedicina e do governo eletrônico RESUMO EXECUTIVO Objetivo Melhorar a vida dos moradores e ajudálos a serem bem-sucedidos na

Leia mais

5.500 postos de serviço

5.500 postos de serviço 5.500 postos de serviço Em 2009, a Ipiranga manteve sua trajetória de expansão acelerada da escala, com a aquisição das operações da rede de distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil e investimentos

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006 7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa 21 e 22 de agosto de 2006 1 Considerações Futuras Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006

TIM Participações S.A. Resultados do 1T06. 5 de Maio de 2006 TIM Participações S.A. Resultados do 5 de Maio de 2006 1 Principais realizações Desempenho do Mercado Desempenho Financeiro 2 Status da Reestruturação Corporativa Principais realizações Melhorando a Estrutura

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Office 365 muda rotina e aumenta a produtividade do maior portal de e-commerce de artigos de dança do Brasil A Mundo Dança nasceu há cinco anos a

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais