O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia. Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia"

Transcrição

1 O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia

2 O CONCEITO DE HORTA URBANA Possui objetivos distintos da atividade agrícola enquanto atividade económica Fenómeno social em crescimento nas cidades, inspirando as população citadina a BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS Para além de requalificarem os espaços urbanos, contribuem para projectos de INCLUSÃO SOCIAL Fonte: CORBIS Fonte: CORBIS Fonte: CORBIS

3 Dinamarca é o país europeu com maior % de hortas urbanas. Atualmente existem cerca de 409 associações de agricultores e jardineiros urbanos E-COS Cooperativa Comunitária de Habitação Ecológica Fonte: CORBIS Bairro desenhado para hortas urbanas familiares e comunitárias, em Copenhaga, Dinamarca. Fonte:

4 Surgiu nos países do norte da europa mas cuja moda está amplamente implementada. Exemplo Casa Branca: - promoção de uma alimentação e estilo de vida saudável - contributo para a luta contra a obesidade nos EUA Horta Biológica 100 m 2

5 Assume diversas designações:

6 PLANO VERDE DE LISBOA ( )

7 Nos últimos anos, a procura de espaços urbanos livres para a instalação de uma Horta tem vindo a crescer de forma muito significativa, podendo dizer-se que se trata já de um novo fenómeno social que caracteriza as cidades do Séc. XXI. Fonte: CORBIS

8

9 O retorno económico não é a principal motivação para a manutenção de um talhão, apesar de ter um peso significativo no orçamento das famílias. Estima-se que uma pequena horta de 50 m 2 representa um contributo de 60 a 100 por mês no orçamento familiar de uma família de 4 pessoas. Fonte: CORBIS

10 Constatou-se a oportunidade de criação de uma Rede Municipal de Hortas Urbanas

11 Até 2011: Horta do Solar Condes Resende, Canelas (24 talhões) Horta do Empreendimento Alberto Martins Andrade, S. Félix da Marinha (24 talhões) Horta do Empreendimento Mário Cál Brandão, Avintes (16talhões) Horta Comunitária do Empreendimento D. Manuel Martins, Oliveira do Douro (14 talhões) Em 2008, foi lançado pela Empresa Municipal GaiaSocial um projecto, concebido em articulação com a Empresa Municipal Parque Biológico - a Horta Comunitária no empreendimento social Alberto Martins Andrade, em S. Félix da Marinha. Esta experiência teve um balanço positivo, pelo que foi replicada posteriormente em outros 2 empreendimentos sociais: 1 em Avintes e 2 em Olival. No SOLAR CONDES DE RESENDE, Hortas no Solar - Iniciativa "Venha Cultivar a sua Horta no Solar : Organização do Pelouro da Cultura, Património e Turismo/Solar dos Condes de Resende/ Gaianima Organização anual do sorteio de atribuição dos talhões para as hortas, destinados ao cultivo de legumes e flores;

12 Numa vertente mais pedagógica, a Divisão de Ambiente levou a cabo um projeto de educação ambiental com as escolas para a construção de Hortas Pedagógicas. Fonte: CORBIS Fonte: CORBIS

13 Tendo em conta a experiência já desenvolvida pelo Município, através da empresa Águas e Parque Biológico de Gaia EEM com as Hortas Comunitárias e Pedagógicas existentes no Concelho Dada a dinâmica e a procura existente na Área Metropolitana do Porto de Hortas Urbanas e Analisadas de forma sumária as características dos terrenos municipais expectantes (cedidos na maioria dos casos ao domínio municipal no âmbito de operações urbanísticas ): com localizações estratégicas face aos aglomerados urbanos; os quais se encontram livre e expectantes; necessitando de limpezas regulares (o que representa uma despesa para o Município). A oportunidade de criação de uma Rede Municipal de Hortas Urbanas!

14 Documento VISÃO ESTRATÉGICA PARA A AGRICUTURA URBANA EM VN GAIA, elaborado pela equipa multidisciplinar do Projeto Municipal Avenida da República até ao Mar 53 - terrenos disponíveis, distribuídos por 20 freguesias A agricultura urbana e os terrenos pertencentes ao domínio municipal como espaço de oportunidade! Estratégia para a implementação do projeto: Captar a colaboração das Juntas de Freguesia para se assumirem como Entidades Gestoras das Hortas, Dimensão do território do concelho Beneficiando da relação de proximidade que é necessário estabelecer com os utilizadores

15 Janeiro de 2012 Criação de um Grupo de Trabalho para a Implementação da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia

16 Valorizar o recurso natural solo fértil

17 Valorizar o recurso natural solo fértil Requalificar terrenos municipais desqualificadas

18 Valorizar o recurso natural solo fértil Requalificar terrenos municipais desqualificadas Torná-los úteis para a comunidade Reduzir os custos municipais associados à salubridade/limpeza Criar novos espaços verdes

19 Valorizar o recurso natural solo fértil Requalificar terrenos municipais desqualificadas Torná-los úteis para a comunidade Reduzir os custos municipais associados à salubridade/limpeza Criar novos espaços verdes Promover a educação ambiental Manter os terrenos limpos e produtivos!

20 Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia 10 Princípios Estratégicos: 1. Promoção da melhoria da qualidade de vida; 2. Promoção de práticas ambientais sustentáveis; 3. Promoção da agricultura urbana sustentável e contacto com a terra e com a natureza; 4. Incentivo à produção de alimentos saudáveis para auto consumo; 5. Promoção da interação social; 6. Promoção e conjugação de novas actividades recreativas ao ar livre; 7. Inovação na utilização de espaços livres em contexto urbano; 8. Promoção do bem-estar físico da população; 9. Contribuição para o orçamento familiar; 10. Promoção da educação ambiental através de acções de formação. Fonte: CORBIS Fonte: CORBIS Fonte: CORBIS

21

22 Divulgação do projeto e as candidaturas As candidaturas para atribuição de talhões de hortas urbanas foram abertas em Abril de A comunicação do projeto seja feita através de: publicitação do Pelouro do Ambiente, nas Juntas de Freguesia, no site do Município. Cartaz de divulgação do projeto das Hortas Urbanas divulgado pelos Serviços Municipais e pelas Juntas de Freguesia

23 Formulário on-line: Formulário em papel disponível

24 A Rede Municipal de Hortas Urbanas: A Rede Municipal de Hortas Urbanas tem vindo a ser desenvolvida em parceria com as entidades que irão assumir a gestão e manutenção dos respetivos espaços, ou seja, com as Juntas de Freguesia onde vão ser instaladas as hortas, ou, tratando-se de hortas situadas na envolvente de empreendimentos sociais, com a Gaiurb - Urbanismo e Habitação, EEM. A decisão de implementar cada uma das hortas tem surgido na sequência dos contactos com as Junta de Freguesia ou, no caso dos empreendimentos sociais, os responsáveis da Gaiurb para a Habitação. Localização esquemática da Rede Municipal de Hortas Urbanas em desenvolvimento

25 15 sítios

26 Funcionamento: Identificação da Entidade Gestora da Horta - Junta de Freguesia - GAIURB Urbanismo e Habitação EM - Empresa ou Instituição (exemplo Saint-Gobain Autover Portugal, em Serzedo) Avaliação do terreno onde se pretende instalar a horta Aptidão agrícola; Disponibilidade de água; ( ) Elaboração de Plano Geral de Organização da Horta: N.º de talhões, área média dos talhões, esquema de circulação; Origem da água para rega e rede de distribuição de água; Definição do n.º de pontos de água de utilização coletiva (1 torneira comum para 5 utilizadores); Vedações a instalar, abrigo (alguns casos) placa de identificação da horta com os contactos da respectiva entidade gestora da horta; (.)

27

28

29

30 Funcionamento: Coordenação dos Serviços que intervêm no processo de implementação da horta: Serviços municipais (limpezas, vedações, preparação dos talhões) Empresa Municipal Águas e Parque Biológico, EM Articulação e promoção do envolvimento da Entidade Gestora da Horta desde a fase inicial; Horta concluída Entidade Gestora da Horta Selecção dos Utilizadores Apoio do Município: - Normas de Utilização das Hortas Urbanas - Acordo de Utilização do talhão (é celebrado pelo prazo de um ano, podendo ser renovado por iguais e sucessivos períodos) - Formação em Compostagem Caseira e Agricultura Biológica Gestão da Horta Responsabilidade da Entidade Gestora da Horta

31 Funcionamento: Custos para os utilizadores: Comparticipação nos encargos de funcionamento da horta com o montante de 3 /mês (IVA já incluído), ficando dispensado dessa comparticipação nos primeiros 6 (seis) meses, contados da data da assinatura do Acordo de Utilização do Talhão. Estrutura de Acompanhamento (em desenvolvimento): - Criação de uma estrutura de acompanhamento e monitorização - Acompanhamento técnico regular (formação inicial e reciclagem)

32 Custos com o projecto: Utilização terrenos municipais ou privados cedidos em regime de comodato (sem encargos para o Município); Colaboração da Águas e Parque Biológico, EM no que se refere à instalação da rede de distribuição e captação de água; Trabalhos são executados pelo pessoal da Câmara Municipal com os meios e materiais disponíveis (novos ou reutilizados); Apoio das Entidades Gestoras das Hortas: Juntas de Freguesia e Gaiurb Urbanismo e Habitação EM Mecenas (ex.:wipitex e Saint-Gobain Autover Portugal)

33

34

35

36 O projeto da Rede Municipal de Hortas Urbanas de Vila Nova de Gaia Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Vilma Silva

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012

REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO APROVADAS POR DELIBERAÇÃO DE CÂMARA DE 08/02/2012 REGRAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA As quintas da periferia da cidade de Évora já representaram um importante

Leia mais

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias

II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade. Tema: Uso Sustentável da Água. Regulamento do Concurso de Ideias II Edição do Concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade Tema: Uso Sustentável da Água Regulamento do Concurso de Ideias (Aberto a todos os cidadãos) 1. O que é? O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade

Leia mais

Horta à Porta. LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto

Horta à Porta. LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Horta à Porta LIPOR Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto Ana Lopes DVO ana.lopes@lipor.pt 9 de Outubro de 2011 1 Apresentação 8 Municípios Área 648 km2 População 1 milhão habitantes

Leia mais

Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila

Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila Regulamento Geral do Projeto Hortas da Vila Preâmbulo O Presente Regulamento é elaborado no âmbito de uma parceria constituída entre a ADAE Associação de Desenvolvimento da Alta Estremadura, Município

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional PROJECTO (III) Ano Lectivo 2008/2009 (compostagem, horta,

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS

PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS PROJETO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DAS HORTAS URBANAS HORTAS URBANAS DO PARQUE CORGO Vila Real 2015 1 Nota Justificativa O Concelho de Vila Real, com uma importante parcela territorial classificada como

Leia mais

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Conselho de Gestão do IPP 21-01-2013 00 HORTA PEDAGÓGICA DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE Preâmbulo A atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA

NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA NORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO DAS HORTAS DE ÁGUEDA PREÂMBULO O projeto Agricultura semente de sustentabilidade tem como desígnio trazer para um sector de atividade tradicional de baixa tecnologia, um elevado

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011

REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 REGULAMENTO DE HORTAS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA 2011 Considerando a vontade da Câmara Municipal de Beja no aproveitamento do potencial das hortas urbanas enquanto espaços de fins múltiplos, nomeadamente

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis

Vereadora Corália Loureiro. Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis Poder Local e Cidades d Saudáveis Vereadora Corália Loureiro Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis II Simpósio Internacional de Saúde Ambiental e a Construção de Cidades Saudáveis - IGOT - UL 6 Dezembro

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES

REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES 1 REGULAMENTO BOLSA DE ÁRVORES AUTÓCTONES PROJETO FLORESTA COMUM PREÂMBULO Tendo por base o protocolo celebrado entre a AFN Autoridade Florestal Nacional, o ICNB,

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

REGULAMENTO HORTA COMUNITÁRIA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO HORTA COMUNITÁRIA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO HORTA COMUNITÁRIA DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo A atividade agrícola de subsistência, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que permite uma melhoria da qualidade ambiental, através

Leia mais

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA?

QUERES SER VOLUNTÁRIO(A) NO GEOTA? INVENTARIAÇÃO DE POPULAÇÕES DE AVIFAUNA DA RESERVA NATURAL LOCAL DO PAUL DE TORNADA - Quais os objetivos da tarefa? Manter, incrementar e divulgar os valores naturais da Reserva Natural Local do Paul de

Leia mais

Não tem terreno em Leiria?

Não tem terreno em Leiria? REGULAMENTO Não tem terreno em Leiria? Adira às hortas comunitárias biológicas Preâmbulo A atividade agrícola de lazer, materializada sob a forma de hortas, para além de suprimir necessidades económicas

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO

SESSÃO DE CAPACITAÇÃO SESSÃO DE CAPACITAÇÃO Apoios Financeiros para a Área Social 27 de Maio de 2013 MISSÃO ÁREAS ESTATUTÁRIAS ARTE BENEFICÊNCIA EDUCAÇÃO CIÊNCIA Promoção do desenvolvimento individual e apoio à inclusão social

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 -

Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas. - Ano Lectivo 2010/2011 - Gestão de Resíduos e Empreendedorismo nas Escolas - Ano Lectivo 2010/2011 - Empreendedorismo como ensiná-lo aos nossos jovens? Contudo, e mesmo sendo possível fazê-lo, o espírito empresarial não é normalmente

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Informação sobre Ecossistemas Locais

Informação sobre Ecossistemas Locais Informação sobre Ecossistemas Locais Bandeira Azul 2015 1. Biodiversidade local O litoral de Vila Nova de Gaia apresenta uma considerável biodiversidade, com fauna e flora característica dos substratos

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

1 - Câmaras Verdes.pt, 27-01-2010, CASCALENSES REGISTAM COMPORTAMENTOS ECOLÓGICOS ONLINE. 2 - Time Out Lisboa, 27-01-2010, Agenda de Feiras

1 - Câmaras Verdes.pt, 27-01-2010, CASCALENSES REGISTAM COMPORTAMENTOS ECOLÓGICOS ONLINE. 2 - Time Out Lisboa, 27-01-2010, Agenda de Feiras Revista de Imprensa Agenda 21 1 - Câmaras Verdes.pt, 27-01-2010, CASCALENSES REGISTAM COMPORTAMENTOS ECOLÓGICOS ONLINE 2 - Time Out Lisboa, 27-01-2010, Agenda de Feiras 3 - Time Out Lisboa, 20-01-2010,

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa

Câmara Municipal de Lisboa Câmara Municipal de Lisboa Uma Experiência em Realojamentos Sociais XXXI Programa Iberoamericano de Formación Municipal de la UCCI L i s b o a, 30 de Junho de 2009 Índice de Apresentação 00 Estrutura da

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL REGULAMENTO

I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL REGULAMENTO E/27562/2012 I CONCURSO DE FOTOGRAFIA SOBRE AGRICULTURA SUSTENTAVEL 2012 REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O I Concurso de Fotografia sobre Agricultura Sustentável é uma iniciativa da Câmara Municipal de Loures,

Leia mais

Desporto e Hábitos de Vida Saudável

Desporto e Hábitos de Vida Saudável Desporto e Hábitos de Vida Saudável SRA PRESIDENTE SRAS E SRS DEPUTADOS SR PRESIDENTE SRA E SRS MEMBROS DO GOVERNO Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar a Srª Presidente da Assembleia, desejando-lhe

Leia mais

Escola Básica e Secundária do Porto Moniz Ano Letivo 2014/2015. Plano Anual de Atividades do Programa Eco Escolas

Escola Básica e Secundária do Porto Moniz Ano Letivo 2014/2015. Plano Anual de Atividades do Programa Eco Escolas Escola Básica e Secundária do Porto Moniz Ano Letivo 2014/2015 Plano Anual de Atividades do Programa Eco Plano Anual de Atividades do Programa Eco Ano Letivo 2014-2015 Calendarização Atividades Objetivos

Leia mais

REABILITAÇÃO DO PARQUE HABITACIONAL INTRODUÇÃO

REABILITAÇÃO DO PARQUE HABITACIONAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A política social de habitação traçada pelo Município de Gaia favorece e estimula a reabilitação e manutenção do parque habitacional, potenciando o aproveitamento adequado do património existente

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

Câmara Municipal de Montemor-o-Velho. Proposta de Regulamento das Hortas Sociais. Preâmbulo

Câmara Municipal de Montemor-o-Velho. Proposta de Regulamento das Hortas Sociais. Preâmbulo Câmara Municipal de Montemor-o-Velho Proposta de Regulamento das Hortas Sociais Preâmbulo A Câmara Municipal de Montemor-o-Velho pretende implementar o projeto de Hortas Sociais como forma de proporcionar

Leia mais

Caracterização do Projecto

Caracterização do Projecto Caracterização do Projecto http://www.cm-lousa.pt/educacao/alimbem_crscsaud.htm O Projecto "Alimenta-te bem, Cresce saudável" tem a sua base na preocupação da Autarquia em garantir a todas as crianças

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT)

PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) PLANO ESTRATÉGICO CONCELHIO DE PREVENÇÃO DAS TOXICODEPENDÊNCIAS (PECPT) Plano de Actividades 2009/10 Odivelas 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1 IDENTIDADE E COMUNICAÇÃO 2 2 FUNCIONAMENTO DA REDE DE PARCERIA 4 2.2

Leia mais

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação

Aspectos a Abordar. Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt. Porquê Comunicar? Estratégia de Comunicação Como Comunicar na Área dos Resíduos Paula Mendes (LIPOR) paula.mendes@lipor.pt Conferência Gestão e Comunicação na Área dos Resíduos Estoril, 22 de Setembro de 2009 1 Aspectos a Abordar Porquê Comunicar?

Leia mais

Dossier Promocional. Terreno para Construção Vila Nova de Gaia Rua Heróis de Ultramar nº2881, 4430-432 Vila Nova de Gaia Vilar de Andorinho

Dossier Promocional. Terreno para Construção Vila Nova de Gaia Rua Heróis de Ultramar nº2881, 4430-432 Vila Nova de Gaia Vilar de Andorinho Dossier Promocional Terreno para Construção Vila Nova de Gaia Rua Heróis de Ultramar nº2881, 4430-432 Vila Nova de Gaia Vilar de Andorinho 1 1. Contexto e Oportunidade O lote de terreno objecto de comercialização

Leia mais

REGULAMENTO. Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero

REGULAMENTO. Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero REGULAMENTO Selo de Reconhecimento de Práticas e Atos pelo Desperdício Alimentar Zero A Secretaria de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar, no seguimento do Compromisso Prevenir Desperdício

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO CONCELHO DE OEIRAS 2012/2013

CARTA DE PRINCÍPIOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO CONCELHO DE OEIRAS 2012/2013 CARTA DE PRINCÍPIOS ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DO CONCELHO DE OEIRAS 2012/2013 Preâmbulo A Câmara Municipal de Oeiras pretende com a implementação do Orçamento Participativo (OP), contribuir para um modelo

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Hortas Comunitárias. Regulamento

Hortas Comunitárias. Regulamento Hortas Comunitárias Regulamento Preâmbulo A atividade agrícola, materializada sob a forma de hortas, é uma atividade que permite uma melhoria da qualidade ambiental. Nos municípios urbanos, a horticultura

Leia mais

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente

Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana Viana do Alentejo Poente Fevereiro de 2014 Índice Pág. 1. Introdução 2 2. Objetivos da delimitação da ARU Viana do Alentejo Poente 3 3. Enquadramento

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Politicas Municipais de Apoio à Criança

Politicas Municipais de Apoio à Criança Politicas Municipais de Apoio à Criança MUNICIPIO DA MOITA DASC / Divisão de Assuntos Sociais Projectos Dirigidos à Comunidade em Geral Bibliotecas - Biblioteca Fora d Horas - Pé Direito Juventude - Férias

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL João Teresa Ribeiro, Presidente da Câmara Municipal do Crato, em cumprimento do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99 de 18 de setembro, torna público que na 27.ª reunião

Leia mais

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 REFERÊNCIA: 090 DESIGNAÇÃO: Participar para Alimentar BIP/ZIP em que pretende intervir: 8. Ameixoeira (PER) ENTIDADES: Promotora: ANAFS - Associação Nacional dos Alistados das Formações Sanitárias Parceiras:

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Procedimento Candidaturas ao Apoio Municipal às Associações do Concelho para o Investimento

Procedimento Candidaturas ao Apoio Municipal às Associações do Concelho para o Investimento Procedimento Candidaturas ao Apoio Municipal às Associações do Concelho para o Investimento 18 de abril a 16 de maio APOIO AO INVESTIMENTO Secção I Âmbito e Procedimento Artigo 1.º Âmbito O apoio municipal

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Plano de Atividades Programa de Educação para a Sustentabilidade O Programa de Educação para a Sustentabilidade para o ano letivo 2014/2015 integra

Leia mais

Banco de Manuais Escolares REGULAMENTO PREÂMBULO

Banco de Manuais Escolares REGULAMENTO PREÂMBULO PREÂMBULO O Banco de Manuais Escolares tem o propósito de contribuir para o sucesso do Projeto Educativo do Agrupamento visando objetivos sociais, ambientais e económicos ao permitir o acesso mais alargado

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Face ao quadro legal em vigor, ao abrigo do qual se

Leia mais

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS

> MENSAGEM DE BOAS VINDAS > MENSAGEM DE BOAS VINDAS A (DPE), da (DREQP), inicia, com o primeiro número desta Newsletter, um novo ciclo de comunicação e aproximação ao público em geral e, de forma particular, aos seus parceiros

Leia mais

Plano de ação para o tema: Resíduos

Plano de ação para o tema: Resíduos Plano de ação para o tema: Resíduos Diagnóstico (situações a melhorar) Objetivo(s) Meta(s) Ações e Atividades Previstas Concretização Avaliação- instrumentos e Indicadores (de monitorização e avaliação

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal

Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal Regulamento do NNIES Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal 1 Preâmbulo O Ninho de Novas Iniciativas Empresariais de Setúbal, adiante designado por NNIES, é um equipamento municipal criado

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora

ECO XXI Acção de formação. 11 de fevereiro de 2014 Amadora ECO XXI Acção de formação 11 de fevereiro de 2014 Amadora Júri Sérgio Guerreiro Director do Departamento de Estudos e Planeamento António Fontes Director, Área Institucional Ana Isabel Fonseca Moiteiro

Leia mais

manual do centro de educação ambiental

manual do centro de educação ambiental manual do centro de educação ambiental 1 centro de educação ambiental O Centro de Educação Ambiental (CEA) é uma infraestrutura da s do Douro e Paiva (AdDP), localizado em Lever, Vila Nova de Gaia. Desde

Leia mais

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 Novo Conceito de Hotelaria SUSTENTABILIDADE 360 NA HOTELARIA EM PORTUGAL EMPRESA A Inspira, uma joint-venture formalizada em 2006 entre o grupo Blandy, com sede na Madeira e larga experiência

Leia mais

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado.

Cada instituição tem que obrigatoriamente apresentar as facturas das respectivas despesas no âmbito do projecto candidatado. Programa de Educação Ambiental Círculo Mágico 2007/2008 O programa Círculo Mágico, ano lectivo 2007/2008, seguirá a seguinte metodologia: Abordará, no âmbito do apoio aos projectos candidatados pelas escolas,

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

CÂMARA MU NI CIPAL DE A ZAMBU JA. Centro de Educação Ambiental de Azambuja

CÂMARA MU NI CIPAL DE A ZAMBU JA. Centro de Educação Ambiental de Azambuja CÂMARA MU NI CIPAL DE A ZAMBU JA Centro de Educação Ambiental de Azambuja Página 2 Página 11 Índice Educação Ambiental.. 3 Centro de Educação Ambiental de Azambuja.... 4 Objetivos. 5 Atribuição visitas.

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA

OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA O Projecto SMART-SPP: a visão do Município de Cascais Dr. João Dias Coelho - Administrador da Agência Cascais Energia Supported by: YOUR LOGO OBJECTIVOS DA CASCAIS ENERGIA Promover o uso racional de energia;

Leia mais

Projeto Viva a Alameda

Projeto Viva a Alameda Projeto Viva a Alameda Janeiro 2012 I. Enquadramento a. Política de Cidades o instrumento PRU b. Sessões Temáticas II. A PRU de Oliveira do Bairro a. Visão b. Prioridades Estratégicas c. Área de Intervenção

Leia mais