Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2005"

Transcrição

1 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2005

2 Brasil Vivo Móvel UOL ISP, conteúdos Internet Mobitel Serviços call center Hungria Hungaro Digitel HD Operação VSAT São Tomé e Príncipe CST Fixo, móvel, Internet e dados Guiné-Bissau Guiné Telecom Fixo Guinetel Móvel Cabo Verde CVT Fixo, móvel, Internet e dados Directel Cabo Verde Directórios Marrocos Médi Télécom Móvel Quénia Kenya Postel Directories Directórios Moçambique LTM Directórios Teledata ISP e dados Angola Unitel Móvel Elta Directórios Multitel ISP e dados Timor-Leste Timor Telecom Fixo, móvel, Internet e dados Macau [RAEM-China] CTM Fixo, móvel, Internet e dados TV Cabo Macau TV por subscrição Telesat Radiodifusão por satélite Directel Macau Directórios Clientes (milhões) Colaboradores 12 nacional +2% 35 internacional +17% nacional -6% internacional +39%

3 Portugal Telecom Portugal Rede fixa > Retalho [PT Comunicações 100%] milhões de euros de receitas > Voz e dados para grandes empresas [PT Corporate 100%] > Voz e dados para PME [PT Prime 100%] > ISP e serviços de banda larga [PT.COM 100%] Móvel > TMN 100% milhões de euros de receitas > PT Wi-Fi 100% PT Multimédia 58,43% > TV por subscrição e Internet por cabo 628 milhões de euros de receitas > Audiovisuais Internacional receitas (milhões de euros) Brasil > Vivo 50% > Móvel Brasil > UOL 29% > ISP, conteúdos Internet 146 Marrocos > Médi Télécom 32,18% > Móvel 392 Cabo Verde > Cabo Verde Telecom 40% > Fixo, móvel, Internet e dados 55 São Tomé e Príncipe > CST 51% > Fixo, móvel, Internet e dados 8 Angola > Unitel 25% > Móvel 357 Timor-Leste > Timor Telecom 41,12% > Fixo, móvel, Internet e dados 14 Macau > CTM 28% > Fixo, móvel, Internet e dados 190 Empresas instrumentais Serviços de sistemas e TI [PT Sistemas de Informação 100%]; Inovação, investigação e desenvolvimento [PT Inovação 100%]; Serviços administrativos e de gestão partilhada [PT PRO 100%]; Serviços de consultoria e negociação [PT Compras 100%]; Telemarketing e serviços de informação [PT Contact 100%]; Gestão de fundos de pensões [Previsão 78,12%] Principais dados financeiros proveitos operacionais +7% EBITDA +6% 654 resultado líquido +5% 943 Capex +24% Valores: milhões de euros Percentagem: variação

4 ... Este relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo que os dados de carácter económico, social e ambiental apresentados resultam da agregação dos dados das empresas do Grupo, no ano de _ Contactos: Abílio Martins Director de Comunicação Corporativa Av. Fontes Pereira de Melo, Lisboa Portugal Tel: + (351) Site: _ As designações PT, Grupo Portugal Telecom, Grupo PT, Grupo e Empresa referem-se ao conjunto das empresas que constituem a Portugal Telecom ou a qualquer uma delas consoante o contexto.

5 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2005 Notas Metodológicas A apresentação deste relatório obedece aos seguintes critérios: Global Reporting Initiative (GRI) Este relatório de sustentabilidade empresarial é elaborado de acordo com as linhas orientadoras da Global Reporting Initiative, no grau mais elevado de exigência, contemplando também as directrizes para o sector das telecomunicações. Tabela GRI A tabela com o índice referente aos indicadores da GRI encontram-se no final deste relatório. Período de análise Este relatório contém dados relativos ao perfil da PT durante o ano de Atendendo a que o Grupo PT é composto por várias empresas, cujo início de actividade é distinto no tempo, as séries temporais aqui divulgadas não abrangerão sempre os mesmos períodos. Auditoria e veracidade dos dados apresentados Este relatório, à semelhança do anterior, será sujeito a um processo de verificação da totalidade da informação nele incluída, em linha com as directrizes da GRI, no que respeita à credibilidade e qualidade do seu conteúdo e à orientação da auditoria por parte de uma entidade independente. Alterações significativas ocorridas em 2005 face ao relatório anterior Em 2005 foi alterada a utilização das regras contabilísticas aplicáveis às sociedades cotadas. Foram introduzidas as Normas Internacionais de Relato Financeito IFRS. Não se verificaram alterações significativas na estrutura da organização. Critérios utilizados na contabilização dos custos e benefícios económicos, ambientais e sociais A contabilização dos custos e benefícios, nos dados económicos e sociais, têm por base as Normas Internacionais de Contabilidade IFRS, o sistema fiscal e a legislação do direito do trabalho em Portugal. Relativamente à área do ambiente, as empresas do Grupo já certificadas de acordo com a ISO 14001:2004 desenvolveram metodologias internas que estão na base dos valores evidenciados. Um canal sempre aberto para que nos possa fazer chegar as suas sugestões. Para aperfeiçoarmos continuamente o nosso relatório de sustentabilidade. Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

6

7 04 Mensagem do presidente da Comissão Executiva 06 Principais desenvolvimentos de Governo para uma empresa sustentável 12 Governo orientado para a sustentabilidade 16 O nosso modelo de governo 27 Os nossos compromissos 29 Criar valor de longo prazo 30 Principais indicadores 34 Avaliação de riscos e oportunidades susceptíveis de terem impacte no valor dos negócios 37 Sociedade do conhecimento e inclusão digital 44 Inovação tecnológica e desenvolvimento de serviços 48 Respeito pelo ambiente 58 Reputação corporativa 60 Relacionamento com os stakeholders 62 Clientes 68 Comunidade financeira 71 Media 72 Entidades reguladoras e fiscalizadoras 73 Colaboradores 87 Fornecedores 90 Responsabilidade social no apoio à comunidade 98 Iniciativas Anexos 106 Participação em organizações nacionais e internacionais 109 Principais índices onde a PT está presente 111 Declaração de verificação por SGS ICS, Serviços Internacionais de Certificação, lda.

8 Mensagem do CEO Cada dia conta no longo caminho da sustentabilidade Miguel Horta e Costa Presidente da Comissão Executiva No longo caminho da sustentabilidade, um ano é uma medida curta. O que não impede que os últimos 365 dias registem um conjunto de factos que constituem motivo de orgulho para a Portugal Telecom. Em 2005, foi integrado no nosso modelo de governo a orientação estratégica para a sustentabilidade, tendo para o efeito sido criado o Comité de Sustentabilidade, do qual fazem parte todos os membros da Comissão Executiva, entre outros. Esta formalização ao mais alto nível do nosso empenho numa gestão sustentável é um sinal inequívoco de que este é um caminho para o nosso futuro. Somos hoje o maior grupo económico português, com mais de 40 milhões de clientes, 6 mil milhões de euros de receitas operacionais e mais de 31 mil colaboradores. Números que reforçam a nossa responsabilidade e o nosso compromisso com os stakeholders da Portugal Telecom e com a sociedade de uma forma geral. O ano de 2005, em que a PT publicou o seu primeiro relatório de sustentabilidade, representou um período de avanço na nossa política de sustentabilidade e também no reconhecimento público das iniciativas que temos vindo a assumir como estruturantes no envolvimento com a comunidade em que estamos inseridos. Este ano o relatório foi de novo elaborado de acordo com as directrizes de 2002 da GRI e apresenta um balanço equilibrado e correcto do desempenho económico, ambiental e social da nossa organização. A nível nacional, o nosso grupo conquistou a distinção de empresa familiarmente responsável, um reconhecimento de um conjunto de iniciativas coesas desenvolvidas ao longo dos anos no sentido de dar, aos colaboradores da Portugal Telecom, a melhor resposta à integração entre empresa e família, mediante a criação de condições de harmonia entre os dois universos. A entrada no índice Footsie4Good, uma joint-venture entre o Financial Times e a London Stock Exchange que visa distinguir as melhores práticas de responsabilidade corporativa, foi, sem dúvida, um dos marcos a assinalar. Ao juntar-se ao grupo de instituições que melhor promovem a estratégia de sustentabilidade a nível internacional, a Portugal Telecom recebeu um sinal encorajador de estar a trilhar o caminho certo. Foram dois momentos altos de um ano em que continuámos a trabalhar, de forma coerente e comprometida, para um futuro sustentável. É esse o significado de um conjunto alargado de acções desenvolvidas no âmbito do governo da sociedade, ambiente, saúde, educação, sociedade de informação e melhoria global da qualidade de vida das populações. São iniciativas com um raio de actuação alargado. Na defesa do rigor e da transparência da informação prestada aos mercados foram dados passos do maior significado, como a adopção do Código de Ética para Financial Officers, a implementação de uma política de procedimentos de pré-aprovação de contratação de serviços a firmas de auditores externos e a criação de um sistema de participação qualificada de práticas indevidas Whistleblowing Procedures. 4 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

9 No relacionamento com os colaboradores, a Portugal Telecom reforçou o seu compromisso de manutenção da paz social dentro do Grupo e a sua visão de parceria efectiva com os seus colaboradores, subscrevendo o Código de Conduta da UNI (Union Network International). E, à semelhança do que tem sido prática corrente da PT, o ambiente destaca-se como uma prioridade de gestão, patente nos programas internos e externos de sensibilização e da obtenção de certificação ambiental em mais uma empresa do Grupo. Este relatório retrata dezenas de projectos a decorrer em simultâneo com a nossa prática diária de bem-fazer. Pela sua importância e impacto na comunidade, não posso nesta mensagem deixar de referir duas iniciativas. Uma relacionada com a educação, o investimento mais determinante que podemos realizar com vista a um futuro melhor para as novas gerações. Neste âmbito, o PT Escolas, uma verdadeira aventura do conhecimento que levou o desafio da Internet a 30 mil jovens de escolas de todos os distritos de Portugal, revelou-se uma iniciativa emblemática. Pela adesão da comunidade escolar, pela participação entusiasta dos jovens e sobretudo pela certeza de a sociedade do conhecimento ser um caminho incontornável para o nosso progresso enquanto país. A inovação tem pautado a actuação do Grupo PT nos vários domínios em que marca presença. Longe de ser um conceito meramente tecnológico, a inovação é entendida pela Portugal Telecom como uma forma de estar e de fazer, encontrando as melhores soluções, ou as mais adequadas, para dar resposta às necessidades de evolução e desenvolvimento. Foi com este espírito que nasceu no universo do nosso grupo empresarial uma solução para a banda larga em Portugal que permitiu antecipar no tempo a cobertura total do país, reforçando a nossa posição no ranking mundial dos países mais avançados neste domínio. O ano de 2005 representou um período de avanço na nossa política de sustentabilidade e também no reconhecimento público das iniciativas que temos vindo a assumir como estruturantes no envolvimento com a comunidade em que estamos inseridos. Enquanto sociedade, só seremos capazes de ser bem sucedidos na criação de um modelo sustentável se nos preocuparmos em ser mais eficientes naquilo que já fazemos. É por isso que a estratrégia da Portugal Telecom tem um único centro: o cliente. Da nossa capacidade de servir bem 40 milhões de pessoas em locais tão dispersos do mundo nasce a nossa possibilidade de, nas comunidades em que estamos inseridos, sermos agentes activos de desenvolvimento, modernidade e futuro. O caminho da sustentabilidade é longo, mas cada dia é único. Miguel Horta e Costa Presidente da Comissão Executiva 19 de Abril de 2006 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

10 Relatório de sustentabilidade Principais desenvolvimentos em 2005 A nível económico Resultado líquido O resultado líquido de 2005 ascendeu aos 654 milhões de euros, o equivalente a um aumento de 4,9% em comparação com Os proveitos operacionais totalizaram milhões de euros, o que significa um aumento de 7% face ao ano de Entre os destaques financeiros, é de sublinhar o EBITDA de milhões de euros, o equivalente a uma margem de 39,1%. O EBITDA menos o Capex totalizou milhões de euros. A distribuição de dividendos relativos ao ano de 2005 é de 0,475 euros por acção, o que representa um aumento de 35,7% face ao dividendo distribuído em Comité de Sustentabilidade Relativamente ao seu modelo de governo, a PT, em 2005, formalizou a criação e constituição do Comité de Sustentabilidade, do qual fazem parte, entre outros, todos os membros da Comissão Executiva. Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade A acrescer à PT Comunicações, TMN, PT Contact, PT Corporate, PT SI e PT Inovação, em 2005, a PT PRO foi também certificada pela APCER pelo referencial ISO 9001: Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

11 FTSE4GOOD índex membership O Grupo PT foi seleccionado para integrar o FTSE4GOOD índex, tendo-lhe sido atribuído o Certificate of Membership. Este índice do FTSE resulta de uma joint-venture entre o Financial Times e a London Stock Exchange. Em 2005, foram convidadas a candidatar-se ao FTSE4GOOD, 300 empresas a nível europeu e os processos de candidatura obedecem ao preenchimento de um vasto questionário sobre a performance (processos, factos, monitorização de processos e factos e respectivas evidências) da empresa no que respeita às áreas de governo da sociedade, económica, ambiental e social. O FTSE4GOOD índex em colaboração com a EIRIS, empresa de consultadoria, mede a performance das empresas globalmente susceptíveis de serem reconhecidas com boas práticas de responsabilidade corporativa. A nível social Empresa familiarmente responsável Porque as melhores práticas devem ser partilhadas, a Portugal Telecom participou no seminário Conciliação família-trabalho, uma legítima aspiração de todos, organizado pela AESE Escola de Direcção e Negócios, entidade que, em conjunto com a Deloitte, atribuiu ao Grupo PT a distinção de Empresa familiarmente responsável. A construção de uma empresa familiarmente responsável é uma tarefa que muitas empresas ainda não colocaram na sua agenda. Na Portugal Telecom, essa é já uma realidade que mereceu o reconhecimento por parte dos seus colaboradores e pela organização do seminário. A nível ambiental A nível ambiental a PT viu mais uma das suas empresas ser reconhecida através da certificação atribuída pela APCER pelo referencial NP EN ISO 14001:2004 e outra em processo de conclusão. As empresas anteriormente certificadas por este referencial foram a PT Comunicações e a TMN. Empresa certificada em 2005: PT PRO. Empresa a concluir o processo de auditoria: PT Inovação. Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

12 Relatório de sustentabilidade _ principais desenvolvimentos em 2005 Peso das receitas telecom no PIB (%) Portugal Reino Unido Espanha Holanda Alemanha Irlanda França 2,3 3,8 3,4 3,1 2,8 4,7 5,6 Fonte: Bloomberg O Grupo na sociedade portuguesa No ano de 2005, as telecomunicações destacaram-se mais uma vez pelo impacte da sua actividade na economia nacional e no caso da PT, em particular, pelo forte contributo para a dinamização da sociedade de informação e do conhecimento. Como se pode verificar pelo gráfico, em Portugal o peso das receitas do sector das telecomunicações é de 5,6% do PIB nacional, atingindo o valor mais alto dos países europeus. A PT tem-se empenhado em aumentar a conectividade e o acesso às telecomunicações e tem investido na optimização da utilização dos seus serviços, empenhando-se em contribuir para a construção de uma sociedade mais informada e digitalizada, e para uma economia tecnologicamente mais avançada, dinâmica e competitiva. Portugal está hoje dotado de uma das melhores infra-estruturas de toda a Europa no acesso à Internet em banda larga. O Grupo PT tem estado fortemente envolvido nesta realidade, já que sendo líder nas diversas plataformas de acesso à Internet em banda larga tem efectuado elevados investimentos mais de 3 mil milhões de euros na última década na actualização da rede e no lançamento de novos e mais flexíveis serviços. Presentemente, o país encontra-se com 100% de cobertura em banda larga tornando-o o quarto país no mundo a fazê-lo, logo após a Holanda, Bélgica e Singapura. Cobertura do território em banda larga ADSL (%) UE 96 Portugal 100 Banda larga em lares com computadores (%) UE 48 Portugal 60 Cabo com bidireccionalidade (%) UE 50 Portugal 85 TV por subscrição (%) UE 55 Portugal 60 Penetração de telemóveis (%) UE 99 Portugal 107 Fonte: Screen Digest; Merryl Lynch 8 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

13 Estrutura organizativa A Portugal Telecom encontra-se estruturada por linhas de negócio correspondentes aos seguintes núcleos: negócio fixo em Portugal (PT Comunicações), negócio móvel em Portugal (TMN), negócios multimédia (PT Multimedia) e negócios internacionais, que incluem a Vivo e as respectivas empresas instrumentais. As unidades de negócio são coordenadas pela holding do Grupo, liderada pela respectiva Comissão Executiva, com o apoio das unidades do centro corporativo. O reporte das empresas que constituem cada uma das unidades de negócio, face à holding, é de carácter funcional e não hierárquico, sendo por isso facilitada uma articulação efectiva. A holding do Grupo é responsável pela definição de políticas e pela normalização e harmonização de processos que permitam garantir a execução das orientações estratégicas definidas pelos órgãos de gestão. Deste modo, cada linha de negócio funciona segundo princípios de autonomia de gestão, orientados por uma política comum, sob a coordenação de um sistema de planeamento e controlo corporativo. As unidades corporativas que apoiaram a gestão da PT foram as seguintes com os seguintes responsáveis: Luís Sousa de Macedo Abílio Martins Miguel Dias Amaro Rita Sampaio Nunes Francisco Nunes Carlos Cruz Nuno Prego Luís Moura Miguel Chambel Rogério Henriques Portugal Telecom Rede fixa Móvel Portugal Multimédia Negócios internacionais Empresas instrumentais e outros negócios Secretário-Geral Direcção Jurídica Direcção de Comunicação Direcção de Auditoria Interna Direcção de Concorrência Direcção de Contabilidade, Consolidação e Reporte Financeiro Direcção de Finanças Direcção de Relação com Investidores Direcção de Activos Humanos Direcção de Planeamento e Controlo de Gestão Direcção de Desenvolvimento de Negócios Natureza Legal do Grupo PT A holding do Grupo Portugal Telecom, empresa constituída em 23 de Junho de 1994, por fusão das empresas Telecom Portugal, Telefones de Lisboa e Porto e Teledifusora de Portugal. Por escritura pública realizada a 12 de Dezembro de 2000, a Portugal Telecom alterou a sua denominação social para Portugal Telecom SGPS, tendo modificado o seu objecto social para sociedade gestora de participações sociais. Esta alteração foi aprovada em Assembleia Geral Extraordinária de accionistas a 14 de Junho de 2000 e insere-se no âmbito da reestruturação do Grupo PT, que repartiu os seus negócios por diversas sub-holdings. A Portugal Telecom SGPS e as suas empresas subsidiárias e associadas operam essencialmente no sector das telecomunicações em Portugal e no estrangeiro. Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

14

15 Governo para uma empresa sustentável

16 Relatório de sustentabilidade _ governo para uma empresa sustentável Governo orientado para a sustentabilidade Uma boa performance económica e financeira só é e será possível no futuro se as empresas investirem de forma consciente e empenhada no desenvolvimento social e no respeito pela comunidade e pelo ambiente. A PT assume a sustentabilidade como parte integrante da sua estratégia empresarial procurando continuar a garantir a criação de valor no longo prazo para todos os stakeholders. Na PT, a sustentabilidade empresarial é encarada não como uma moda de gestão mas sim como uma atitude estratégica que faz parte da sua cultura há muitos anos. No modelo de governo, os cargos de presidente do Conselho de Administração e de presidente da Comissão Executiva são assegurados por diferentes administradores, garantindo deste modo uma melhor separação entre as funções de supervisão e controlo e as tarefas de gestão corrente. Este modelo também prevê que todos os membros da Comissão Executiva sejam escolhidos pelos membros do Conselho de Administração. O Conselho de Administração é composto por sete membros com funções executivas, seis não executivas e nove independentes. Membros do Conselho de Administração As questões relativas ao governo societário têm sido alvo de reflexão nos meios empresariais e financeiros internacionais, ao longo das últimas décadas, sobressaindo questões relacionadas com a conduta que norteia a actuação das organizações, com a independência e forma de remuneração dos gestores e com a capacidade de comunicar e interagir com os vários stakeholders. Funções (%) Funções executivas 32 Funções não executivas 27 Independentes 41 Nacionalidade (%) Outros países14 Portugal 86 Assimilados os conteúdos destas reflexões, e a sua importância estratégica para um desenvolvimento sustentado, em 2002, a PT implementou um modelo de governo assente em quatro pilares básicos: eficácia, simplicidade, transparência e rigor. Grupos etários (%) Até 45 anos 18 De 46 a 55 anos 46 Mais de 55 anos 36 Foram elaborados o Código de Ética, que norteia a atitude e a conduta da PT para consigo e para com a sociedade, e o Código de Ética para Financial Officers, que preconiza os moldes de preparação e reporte da informação para o mercado. A alteração dos seus estatutos permitiu à PT dispor de uma Comissão Executiva mais operacional em decisões-chave, bem como contribuiu para consolidar o envolvimento dos gestores de segunda linha na discussão das questões críticas, garantindo o estreito acompanhamento das questões estratégicas por parte do Conselho de Administração. No âmbito deste modelo de governo societário, foram aprovados em 2003 os estatutos e regras de funcionamento da Comissão de Auditoria, em conformidade com as regras da New York Stoxx Exchange, aplicáveis ao Grupo a partir do ano de Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

17 Sumário do Código de Ética A identidade das empresas e a sua imagem resultam cada vez mais, não só do seu desempenho económico e financeiro, mas também do conjunto de princípios, valores, comportamento e opções nela dominantes. A ética de uma empresa resulta, antes de mais, da ética dos seus colaboradores, que devem seguir um conjunto de normas e princípios de conduta, consubstanciando um padrão de comportamento irrepreensível. Valores a preservar Princípios de actuação: honestidade, integridade, dignidade, correcção e diligência profissional, isenção e equidade Dever de lealdade Cumprimento da legislação Por ter as suas acções cotadas na Bolsa de Nova Iorque, a PT está obrigada ao cumprimento das pertinentes disposições legais de direito norte-americano, particularmente as que constam da lei do Senado dos EUA, conhecida por Sarbarnes Oxley-Act, entre as quais cabe destacar as secções relativas a public company audit committees e a protection for employees of public companies who provide evidence of fraud, designada por Whistleblowing Protection for Employees of Publicly Traded Companies. Por isso, durante 2005, foi definida e implementada a política e procedimentos de pré-aprovação de contratação de serviços a firmas de auditores externos e foi criado um sistema de participação qualificada de práticas indevidas Whistleblowing Procedures. Estes dois documentos definem o âmbito de actuação da Comissão de Auditoria relativamente aos dois temas e estabelecem os princípios de independência face aos serviços de auditoria externa e o conceito e fluxo de tratamento de práticas indevidas. Em 2005, foi também formalizada a constituição e definidas as responsabilidades do Comité de Sustentabilidade da PT, do qual fazem parte todos os membros da Comissão Executiva, o secretário-geral e alguns dos responsáveis pelas unidades corporativas da empresa. O Comité passou a integrar o modelo de governo da PT, garantindo a transparência e o rigor no relacionamento com os stakeholders, incentivando o diálogo e evitando quaisquer conflitos de interesses. Nesse sentido, a PT não desenvolve qualquer actividade de lobby e/ou contribui monetariamente para organizações que não se enquadrem nas suas políticas de patrocínio, filantropia e mecenato. Normas de Conduta referem-se a: Responsabilidades Recurso a actividades ilegais Relacionamento internacional Transacções particulares efectuadas por colaboradores Aperfeiçoamento e mérito profissional por colaboradores Confidencialidade e sigilo profissional Utilização dos recursos das empresas Conflitos de interesses Relacionamento com fornecedores Transacções de valores mobiliários Relações com concorrentes Sumário do Código de Ética para Financial Officers Para os efeitos deste código, consideram-se Financial Officers os seguintes elementos com responsabilidades ao nível do Grupo PT: Chief Executive Officer e Chief Financial Officer, bem como Chief Accounting Officer e directores e subdirectores que tenham alguma responsabilidade de gestão nas áreas financeiras, contabilidade e de planeamento e controlo, assim como os membros do Disclosure Committee e, ainda, qualquer outro colaborador do Grupo PT que, independentemente do seu vínculo contratual, esteja directa ou indirectamente envolvido na elaboração, análise e divulgação de demonstrações financeiras ou de quaisquer outros indicadores ou relatórios de actividade. Princípios, deveres e normas de conduta Honestidade e responsabilidade Conflitos de interesses Competência Sigilo profissional Cumprimento das leis Divulgação de informação Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

18 Relatório de sustentabilidade _ governo para uma empresa sustentável _ governo orientado para a sustentabilidade Pilares estratégicos da sustentabilidade empresarial Consciencialização Regulação Inovação Eficiência de recursos Dar a conhecer Cooperação Processos Relacionamento Ter conhecimento de todos os impactos ambientais sociais e económicos provenientes dos produtos e serviços, sejam eles positivos ou negativos. Estar em conformidade com todos os requisitos legais relevantes e, quando necessário, superá-los. Promover a pesquisa e o desenvolvimento de novos produtos e serviços que contribuam para o desenvolvimento sustentável. Implementar uma gestão eficaz dos recursos energéticos e de resíduos, controlar os níveis de emissões e dinamizar processos ambientalmente amigáveis e de respeito pelos direitos humanos e condições de trabalho. Tornar acessíveis a todos os stakeholders dados sobre a performance ambiental, social e económica. Ser transparente. Criar proximidade com os diferentes stakeholders, de forma a reflectir as suas necessidades e aspirações nas actividades empresariais. Cooperar de forma construtiva com governos, clientes, parceiros, sociedade civil e organizações internacionais, sempre que se investiguem, desenvolvam ou promovam benefícios que a informação e as tecnologias da informação possam trazer ao desenvolvimento sustentável. Criação de uma entidade com responsabilidades de coordenação dos programas de melhoria nas áreas económica, social e ambiental. Implementar gradualmente sistemas de gestão que contribuam para mensurar a actividade. Criar ambientes de trabalho que promovam o equilíbrio entre a vida profissional e privada e que sejam susceptíveis de incentivar a vontade de ser melhor e o respeito pela diversidade. A estratégia de sustentabilidade empresarial na PT está integrada de forma coerente e transversal dentro do Grupo e assenta no desenvolvimento de um vasto conjunto de práticas e processos em três vertentes principais: económica, ambiental e social. No caso do mercado das telecomunicações, existem recursos poderosos para aproximar as pessoas e contribuir para melhorar a vida de todos. Por isso, consideramos que a tecnologia deve contribuir para beneficiar a sociedade permitindo à PT partilhar valor com a comunidade, o ambiente e os accionistas. A dinamização dos pilares estratégicos de sustentabilidade empresarial da PT é assegurada pelo Comité de Sustentabilidade de acordo com o plano de actuação e os compromissos assumidos para cada ano de actividade. O diálogo com os stakeholders é assegurado por cada unidade de negócio e pelas unidades que constituem o centro corporativo do Grupo. Os métodos, a frequência e a incorporação do feedback do diálogo com cada público são aprofundados neste relatório na área respeitante ao relacionamento com stakeholders. 14 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

19 Genericamente os objectivos e instrumentos do modelo de gestão orientado para criação de valor na óptica Triple Bottom Line são os seguintes: Vector Social Ambiental Económico Objectivos de gestão Internos Maximizar o valor dos activos humanos. Externos Promover a inclusão digital de todo o mercado, criando soluções para grupos de cidadãos com necessidades especiais. Estimular a qualidade e o acesso ao conhecimento e à cultura através de apoio a iniciativas credíveis. Desenvolver projectos de responsabilidade social estratégica. Gerir os impactes ambientais decorrentes do exercício da sua actividade. Maximizar o retorno dos accionistas. Instrumentos de gestão Modelo de análise de performance individual Modelo de formação Política de benefícios para os colaboradores Acordo de Empresa Código de Ética Investigação e desenvolvimento Comunicação e informação Estudos de mercado e opinião Fundação PT áreas de actuação: Sociedade do conhecimento Comunidade Clientes com necessidades especiais Mecenato História e património Gestão ambiental Certificação ambiental Gestão dos níveis de consumo de energia Gestão dos níveis de consumo de água Gestão dos níveis de consumo de materiais Gestão de resíduos Gestão de impactes ambientais dos fornecedores através da inclusão do critério ambiente na selecção dos fornecedores Marketing financeiro e comercial Código de Ética para Financial Officers Diálogo e estudos de mercado Planeamento e controlo Tecnologia e inovação Gestão de Activos Humanos Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade

20 Relatório de sustentabilidade _ governo para uma empresa sustentável O nosso modelo de governo Comissões específicas criadas na Sociedade As decisões dos investidores relativamente a empresas cotadas têm em conta, nos dias de hoje, não só as avaliações económicas, como também a transparência da informação e os níveis de segurança e fiabilidade da gestão executiva dessas empresas. Deste modo, em cumprimento das exigências legais ou regulamentares aplicáveis, e procurando adoptar as melhores práticas internacionais neste âmbito, o Conselho de Administração criou no seu seio, para além da Comissão Executiva, diversas comissões responsáveis pelo desempenho de funções específicas da competência do Conselho de Administração. A composição e atribuições dessas comissões específicas são as seguintes: Comissão de Governança Ernâni Rodrigues Lopes Miguel Horta e Costa Henrique Granadeiro Jorge Tomé João Mello Franco Jorge Bleck * Carlos Blanco de Morais Atribuições > Estudar, rever e avaliar os princípios de governança societária para o Grupo PT, designadamente no tocante às responsabilidades dos administradores, às relações entre os administradores e os accionistas, às relações com os detentores de participações qualificadas e à avaliação geral dos termos de governança do Grupo no desempenho do Conselho de Administração e das suas comissões. > Aconselhar e propor ao Conselho de Administração a adopção e revisão do modelo de governança da holding do Grupo, designadamente no tocante às normas e procedimentos internos relativos aos princípios e práticas de governança societária, à sua articulação e relacionamento com a estrutura da gestão, os accionistas, os stakeholders e o mercado, à prevenção de conflitos de interesses e à disciplina da informação. > Supervisionar a aplicação do Código de Ética do Grupo PT, acompanhando a sua implementação e procedendo, quando necessário ou conveniente, à interpretação das suas regras e à integração dos casos nele omissos, bem como emitir pareceres sobre matérias das alíneas precedentes e outras afins, quando solicitado pelo Conselho de Administração. A Comissão de Governança reuniu quatro vezes durante o exercício de 2005, tendo sido discutidas principalmente as seguintes matérias: > revisão do Código de Ética; > criação de um Código de Conduta para Financial Officers; > regulamento sobre aquisição de acções PT pelos quadros de alta direcção; > criação de um sistema de participações qualificadas de práticas indevidas (whistleblowing). Nas referidas reuniões estiveram presentes, em média, cinco membros que integram a Comissão de Governança. * Renunciou ao cargo em Fevereiro de Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade 2005

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais Face à crescente importância e complexide dos assuntos relativos à divulgação de informação sobre o Societário, o Grupo PT apresenta em anexo a este relatório, mas como sua parte integrante, o Relatório

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Relatório de Governo da Sociedade

Relatório de Governo da Sociedade Relatório de Governo da Sociedade _???? Relatório de Governo da Sociedade Declaração de conformidade 160 1. Divulgação de informação 162 1. Organigramas relativos à repartição de competências 162 2. Comissões

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio a 30 de Junho de 2009: ( 11.790.198) Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa e Benfica 1500-313 Lisboa Matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SUMOL+COMPAL Incluindo: (I) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (II) COMISSÃO EXECUTIVA (III) COMITÉ DE AUDITORIA INTERNA Este regulamento aplica-se à SUMOL+COMPAL considerando

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto. Artigo 1.º (Natureza e designação)

Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto. Artigo 1.º (Natureza e designação) Pacto Social da ATLÂNTICOLINE, S. A. «CAPÍTULO I» Constituição, Sede e Objecto Artigo 1.º (Natureza e designação) A Sociedade é comercial, encontra-se constituída sob o tipo de sociedade anónima, tem existência

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS

FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS FUNDAÇÃO ALENTEJO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO (Denominação e Qualificação) A FUNDAÇÃO ALENTEJO adiante designada apenas por Fundação, é uma Pessoa Colectiva

Leia mais

COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003

COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003 COMPANHIA PORTUGUESA DE AMIDOS, S.A., SOCIEDADE ABERTA RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DAS SOCIEDADES EXERCÍCIO DE 2003 Sede: Estrada Nacional 10, 2695-718 S. João da Talha Capital Social: 5.000.000,00 Euros

Leia mais

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Portugal Telecom Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom Lisboa, 12 de Dezembro de 2002 Estrutura do Grupo PT Comunicações PT Móveis PT Prime

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA SCOIEDADE ANÓNIMA PORTUCEL, S.A., ELABORADO NOS TERMOS DO Nº 2 DO ARTIGO 59º DO CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL, EM CONSEQUÊNCIA DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL EFECTUADA

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

Capital social, acções e obrigações Artigo 4º. - 1 - O capital social é de setecentos e sessenta e sete milhões e quinhentos mil euros e está

Capital social, acções e obrigações Artigo 4º. - 1 - O capital social é de setecentos e sessenta e sete milhões e quinhentos mil euros e está TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA PORTUCEL - EMPRESA PRODUTORA DE PASTA E PAPEL, S.A., COM A PROPOSTA DE ALTERAÇÃO AOS ARTIGOS 8.º, N.º 3 E 16.º, A SUBMETER À APRECIAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL A REALIZAR

Leia mais

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A.

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração A sociedade adopta a denominação de PME Investimentos Sociedade de Investimento,

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

CAPÍTULO I. Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1º

CAPÍTULO I. Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1º CONTRATO DE SOCIEDADE DE TRANSPORTES AÉREOS PORTUGUESES, S. A. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1º 1. A sociedade anónima que, por força do Decreto-Lei nº 312/91, de 17 de Agosto,

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. 13 de Outubro de 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição, Denominação e Natureza A Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma associação cultural,

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS DA EDP 29.07.2010 REGULAMENTO SOBRE CONFLITOS DE INTERESSES E NEGÓCIOS ENTRE PARTES RELACIONADAS

Leia mais

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93)

(Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE CONCERTAÇÃO SOCIAL (Aprovado em sessão do Plenário de 04.06.93 e publicado no D.R., II Série, n.º 204, de 31.08.93) CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL

ESTATUTOS FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESCOLA PROFISSIONAL DE SETÚBAL Aprovados pelo CA em de 02-12-2008; pela CMS em 10.12.2008; pela AM em 29.12.2008 Escritura celebrada pelo Notário Privativo da CMS em 16.01.2009 Publicado

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. ARTIGO 1.º (Composição do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração é composto por um número mínimo de três

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020]

REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] REGULAMENTO DA PARCERIA TERRITORIAL Alentejo Central [2014-2020] PREÂMBULO A Parceria Territorial Alentejo Central [2014-2020] resulta da dinâmica do Conselho de Cooperação para o acompanhamento à Iniciativa

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA

DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA DOCUMENTO COMPLEMENTAR ELABORADO NOS TERMOS DO NÚMERO DOIS DO ARTIGO SESSENTA E QUATRO DO CÓDIGO DO NOTARIADO, QUE FAZ PARTE INTEGRANTE DA ESCRITURA EXARADA EM VINTE E DOIS DE SETEMBRO DE DOIS MIL E QUATRO,

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO ARTIGO SEGUNDO

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO ARTIGO SEGUNDO RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE CAPITAL - SGPS, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTO SOCIAL ARTIGO PRIMEIRO A sociedade adopta a firma de Sonae Capital - SGPS, S. A.. ARTIGO SEGUNDO

Leia mais

NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A.

NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. D. João II, lote 1.03.2.3., Parque das Nações, Lisboa Capital Social: 15.700.697 Euros Número de matrícula na Conservatória

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede e Objecto Artigo 1º Denominação A sociedade continua a sua existência e actividade sob a denominação Lisgráfica-Impressão

Leia mais

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012

Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas de 30 de Março de 2012 Assembleia Geral de Accionistas da Sonae Capital, SGPS, S.A., reuniu no dia 30 de Março de 2012, pelas 11:00, no Lugar do Espido, Via Norte, na Maia,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto. Artigo 1º Denominação

CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto. Artigo 1º Denominação CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto Artigo 1º Denominação A sociedade adota a forma de sociedade anónima e a denominação de CTT - Correios de Portugal,

Leia mais

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência

ESTATUTOS. Empreendedoras Por Excelência ESTATUTOS Empreendedoras Por Excelência Maputo, 5 de Maio de 2009 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, ÂMBITO DE ACÇÃO Artigo 1. A Associação FEMME Moçambique - Empreendedoras por Excelência é uma associação

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE - SGPS, S.A. QUE RESULTA DA PROPOSTA DE ALTERAÇÕES APRESENTADA PELO

RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE - SGPS, S.A. QUE RESULTA DA PROPOSTA DE ALTERAÇÕES APRESENTADA PELO RELAÇÃO INTEGRAL DO PACTO SOCIAL DA SONAE - SGPS, S.A. QUE RESULTA DA PROPOSTA DE ALTERAÇÕES APRESENTADA PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO À ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DE 3 DE MAIO DE 2007 CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Geral. A cada acção corresponde um voto.

Geral. A cada acção corresponde um voto. ACTA NÚMERO 38 Aos vinte e oito de Maio de dois mil e oito, pelas dez horas, na sua sede social, à Rua General Norton de Matos, 68, R/C., no Porto, reuniu a Assembleia Geral Anual da COFINA, S.G.P.S, S.A.,

Leia mais

Código de Ética Grupo Portugal Telecom

Código de Ética Grupo Portugal Telecom Código de Ética Grupo Portugal Telecom Enquadramento Valores a preservar Normas de Conduta novas oportunida desempen princípios, valores, co ética irrepreensív importância soci formas de a dimen princípios

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto

Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Regulamento Interno de Direcção Associação de Estudantes da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto Capítulo I

Leia mais

----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de

----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de ----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de Janeiro de dois mil e dez, pelas quinze horas, reuniu no

Leia mais

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95:

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95: CCV Correios de Cabo Verde, SA Decreto Lei nº 9-A/95: Transforma a empresa Pública dos Correios e Telecomunicações CTT, em duas sociedades anónimas de capitais públicos. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação,

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º DENOMINAÇÃO, NATUREZA E SEDE 1. A Associação para o Desenvolvimento da Medicina Tropical, adiante designada por ADMT é uma associação cientifica e tecnológica,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma CONTRATO DE SOCIEDADE de Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO Tipo e Firma A sociedade é constituída segundo o tipo de sociedade anónima e adopta a firma Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara: Reunião da Assembleia: Entrada em vigor: CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA SOCIEDADE COMERCIAL OREY ANTUNES, S.A. (Sociedade Aberta) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º A sociedade adota a denominação de Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A..

Leia mais

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

ESTATUTOS. ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis ESTATUTOS ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 (Denominação, natureza jurídica, sede e duração) 1.1 A ALER - Associação Lusófona de Energias Renováveis

Leia mais

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL)

ESTATUTOS LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL) ESTATUTOS E LISTA DOS MEMBROS FUNDADORES DA (ASEL) ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Objectivos, Sede e Duração 1. A associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE SUPERVISORES DE SEGUROS LUSÓFONOS (ASEL),

Leia mais

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro

ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON. (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I. Denominação, sede, duração e objectivos. Artigo Primeiro 1 ESTATUTOS DO AMERICAN CLUB OF LISBON (Escriturados em 2014) CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objectivos Artigo Primeiro Denominação, duração e sede 1. É constituído o AMERICAN CLUB OF LISBON,

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Regimento do Conselho de Escola da Escola de Psicologia Março 2010 Índice Artigo 1º Objecto 3 Artigo 2º Competências 3 Artigo 3º Composição do Conselho de Escola 3 Artigo 4º Presidente do Conselho de Escola

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL)

Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (AVESTGL) Associação de Voluntariado da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego AVESTGL (Em fase de Publicação em DR) ESTATUTOS Capítulo I (Constituição e fins) Artigo 1º 1. É constituída uma associação

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES DO SUL - ACOS CAPÍTULO PRIMEIRO Denominação, sede e fins. Artigo Primeiro A associação denomina-se ACOS - Associação de Agricultores do Sul e durará por tempo indeterminado

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE TRANCOSO ÍNDICE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Trancoso... 1 Preâmbulo... 1 CAPÍTULO I... 2 Parte Geral... 2 Artigo 1º... 2 Lei Habilitante

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL

ESTATUTOS AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL ESTATUTOS DA AEMP ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS DE MUDANÇAS DE PORTUGAL CAPÍTULO I Denominação, Sede e Fins Artigo 1º. (Denominação e Natureza Jurídica) A AEMP Associação das Empresas de Mudanças de Portugal,

Leia mais

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO

ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO ESTATUTOS ASSEMBLEIA MOVIMENTO CÍVICO NÃO PARTIDÁRIO Capítulo I Artigo 1º (Denominação, natureza e fins) Assembleia Movimento Cívico Não Partidário (abreviadamente designado "Assembleia"), é um movimento

Leia mais

SECÇÃO PRIMEIRA ASSEMBLEIA GERAL ARTIGO QUINTO (CONSTITUIÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL)

SECÇÃO PRIMEIRA ASSEMBLEIA GERAL ARTIGO QUINTO (CONSTITUIÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL) ESTATUTOS DA ISA INTELLIGENT SENSING ANYWHERE, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO PRIMEIRO (DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE) A sociedade, constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

CONVOCATÓRIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ACCIONISTAS EDP RENOVÁVEIS, S.A.

CONVOCATÓRIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ACCIONISTAS EDP RENOVÁVEIS, S.A. CONVOCATÓRIA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ACCIONISTAS EDP RENOVÁVEIS, S.A. Os Senhores Administradores decidiram unanimemente convocar a Assembleia Geral Ordinária de Accionistas da EDP Renováveis,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. (Firma, Sede e objecto)

CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO. (Firma, Sede e objecto) CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL,S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO (Firma, Sede e objecto) Artigo Primeiro A sociedade adopta a firma LUSA AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DE PORTUGAL, S.A.. Artigo

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais