FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ #include

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007. #include

Transcrição

1 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 #include <stdio.h #include<stdlib. Double factorial { Int I,n; Double y; For(i=1ç1<=xç i

2 Índice 1 INSTALAÇÃO BÁSICA DO DEV-C CONFIGURANDO O DEV-C PRIMEIRO CONTADO COM DEV-C OBJETIVO REQUISITOS HELLO WORLD ESCREVENDO O CÓDIGO SALVANDO E REUTILIZANDO OS SEUS PROGRAMAS ALGORITMOS FATORES A SEREM LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM ALGORITMO MÉTODO PARA CONSTRUIR UM ALGORITMO 18 2 ATIVIDADES 18 2

3 1 Instalação Básica do Dev-C++ o o o o Baixe o arquivo de instalação devcpp _setup.exe 1 [ bytes ou 9108 kb ou 8.9M] para uma pasta temporária. Esse arquivo pode ser removido depois da instalação. Para começar a instalação, basta clicar (duas vezes) no nome do arquivo usando o "Windows Explorer". Durante a instalação escolha sempre as opções sugeridas, com exceção da escolha de linguagem comentada a seguir. Escolha "Português" quando aparecer a tela abaixo e clique em "OK". 1.1 Configurando o Dev-C++ o No fim da instalação, aparecerá a tela abaixo. Você deverá clicar em "Terminar" para executar o Dev-C++. o Depois de ler uma mensagem sobre o programa, você verá a tela abaixo. Escolha a linguagem "Português (Brazil)" para a sua configuração. 1 Link para download : 3

4 o A seguir, deverá aparecer a tela abaixo. Escolha "No, I prefer to use Dev-C++ without it" e clique em "Next". o A seguir, depois de uma tela sobre o programa e depois de ler a dica do dia, clique em "Ferramantas" e depois em "Opções do Compilador", conforme indicado na figura abaixo. 4

5 o Na tela que aparecer, conforme figura abaixo, clique em "Adicionar os seguintes comandos quando chamar o compilador:" e digite "-Wall -ansi -O2". Note que a última coisa que é digitada é "menos ó maiúsculo dois". Depois clique em "OK". o FIM!!!! 5

6 1.2 Primeiro contado com Dev-C++ O que vem a ser um programa em C? Você talvez já tenha ouvido falar que um compilador é um programa ou ferramenta que transforma um programa fonte escrito em uma linguagem de programação de alto nível, como C, para uma linguagem que o computador é capaz de "entender", o chamado programa executável. Assim, um compilador é essencialmente um tradutor e este processo de tradução é chamado de compilação. Para facilitar o desenvolvimento e compilação de um programa em C, o Dev-C++ oferece um ambiente que integra um editor de textos a um compilador para linguagem C. O compilador usado pelo Dev-C++ é o famoso (Uau!) gcc (Gnu C Compiler). No Windows há basicamente dois tipos de programas de usuário: aplicações para o console (Console Applications), que são executadas numa janela de texto (também conhecida como Prompt do MS-DOS); e aplicações Gráficas (GUI Applications), que usam janelas, menus e outros elementos visuais como parte de sua interface com o programador. Todos os programas em C que faremos serão aplicações para o console. O Dev-C++ é desenvolvido por Colin Laplace, Mike Berg e Hongli Lai e é ``Free Software'' (sob GNU General Public License). Isto significa, entre outras coisas, que ele pode ser distribuído e copiado à vontade. Você pode copiar o Dev-C++, digitando o seguinte link : Objetivo O objetivo desta aula dirigida é ajudá-lo no seu primeiro contado com Dev-C++, bem como dar-lhe alguma orientação quanto ao seu uso. Este conteúdo abrange uma parte muito pequena dos recursos disponíveis nos computadores. Cabe a você consultar os manuais com informações mais detalhadas para ampliar seus conhecimentos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: escrever programas através do Dev-C++ ; compilar e executar programas com Dev-C++ ; e salvar, reutilizar e imprimir arquivos utilizados no Dev-C++. A aula consta de duas partes. A primeira lhe ensina como criar um arquivo contendo um programa, compilá-lo e executá-lo, usando um programa bem simples do tipo ``Hello World'' (como se diz na gíria). Na segunda parte parte você criará um programa um pouco mais complexo, para conhecer outros recursos do Dev-C Requisitos Se você instalou o Dev-C++ em seu computador pessoal, você pode fazer essa aula prática em casa. Neste caso, somente os nomes das pastas poderão ser diferentes Hello World 6

7 Se você está trabalhando em casa ou chegou até esse passo em um computador na sala Pró-Aluno, você está pronto para chamar o Dev-C++ clicando em. Isto é, usando o mouse, posicione o cursor do Windows sobre o botão, localizado no canto inferior esquerdo da tela, e aperte a tecla esquerda do mouse. Aparecerá, logo acima do botão, um menu de opções. Selecione a opção. Novamente aparecerá um outro menu de opções. Selecione a opção e, novamente, a opção, a qual você deve clicar com o botão esquerdo do mouse. Figura 1: Janela inicial do ambiente de programação do Dev-C++. Você estará iniciando o ambiente de programação do Dev-C++. Isso fará com que apareça no monitor uma janela semelhante à mostrada na Figura 1. Nessa janela, clique em. O Dev-C++ criará para você um esqueleto básico para o seu programa. Na janela que foi criada você vai digitar, compilar e executar seu primeiro programa em C. Digite o programa mostrado na Figura 2. Dependendo da configuração do computador que você estiver utilizando, pode ser necessário pressionar a barra de espaço após digitar o caractere " a fim de que ele apareça na tela. Você vai precisar utilizar este caractere para digitar os seus programas. 7

8 Figura: Programa fantastico.c. Certifique-se de que o texto que você acabou de digitar é igual ao texto da Figura 2. Vamos compilar o seu programa. Você pode agora clicar em. Neste momento surgirá uma pequena janela com o título Salvar Arquivo. No campo Nome do arquivo: você deve digitar um nome para o seu programa, como, por exemplo fantastico e no campo Salvar como tipo: deve ser selecionado C source files (*.c). Clique no botão situação atual pode ser vista na figura 3. da janela. A Figura 3: Janela para salvar o programa fantastico.c. 8

9 Depois de salvo, o programa fantastisco.c será compilado e surgirá um pequena janela de título Compile Progress mostrando que não foi encontrado nenhum erro de sintaxe no programa (Errors: 0), como mostra a figura 4. Clique agora em para encerrar essa janela. Figura 4: Resultado da compilação do programa fantastico.c. Para compilar o programa poderíamos, alternativamente, clicar em e salvar o arquivo antes de tentar compilá-lo. Bem, com o programa fantastico.c compilado sem erros, a pasta onde foi salvo o arquivo fantastico.c contém agora o programa executável fantastico.exe. Para executar o programa clique no botão da janela principal do Dev-C++. Deverá surgir uma nova janela, de DOS, mostrando a execução de seu programa, como pode ser visto na Figura 5. 9

10 Figura 5: Saída do programa fantastico.exe. Note que na janela do DOS aparece a mensagem Pressione qualquer tecla para continuar... Depois de conferir o resultado, pressione qualquer tecla para que a janela do DOS desapareça. Se a janela do DOS não desaparecer, para fechá-la clique no X, no canto superior direito da mesma. Agora que você sabe criar um programa, compilá-lo, salvá-lo e executá-lo, vamos tentar novamente com um programa um pouco mais complexo. Antes de continuar vamos encerrar o nosso trabalho com o programa fantastico.c. Para tanto clique em Escrevendo o código Nesse exemplo, vamos observar alguns outros recursos do Dev-C++. Para isso, crie um novo arquivo, por exemplo, chamado primprog.c, no diretório que você achar mais apropriado (vamos deixar isso ao seu encargo). Clique em exatamente como mostrado a seguir., e digite o seguinte programa, 10

11 #include <stdio.h> #include <stdlib.h> int main() { int n, par, impar, num; printf("digite o tamanho da sequencia: "); /* mostra mensagem na tela */ scanf("%d", &n); /* le informacao do teclado */ par = 0; impar = 0; cont = 0; while (cont < n) { printf("digite o %do. numero: ",cont+1); scanf("%d", &num); if (num%2 == 0) par = par + 1; else impar = impar + 1; cont = cont + 1; } printf("a sequencia e' formada por %d numeros pares e %d impares.\n\n", par,impar) system("pause"); return 0; } Procure salvar o programa com freqüência, assim você se protege contra possíveis acidentes. Não se esqueça de salvar o programa selecionando como tipo C source files (*.c). O programa pode ser salvo rapidamente pressionando as teclas CTRL e S simultaneamente. Se você digitou o programa como ele aparece acima, depois de salvá-lo e compilá-lo, a situação será, essencialmente, como a mostrada na figura 6. Figura 6: Resultado da compilação do programa primprog.c. 11

12 O compilador que é usado pelo Dev-C++, ou seja, o gcc, é capaz de identificar muitos erros de sintaxe nos programas. Preste atenção nas mensagens que aparecem na base da janela do Dev-C++. As linhas do seu programa onde foram encontrados erros estão na coluna do canto inferior esquerdo da janela do Dev-C++. Nesse exemplo, o Dev-C++ está indicando que ocorreram erros de compilação nas linhas e. Na mensagem de erro referente à linha, a mensagem que diz `cont' undeclared (first use in this function). Na figura, o editor do Dev-C++ está indicando a linha onde o erro foi detectado pelo gcc. A primeira mensagem de erro indica que na linha declarado. Para corrigir isso, altere a linha para: o identificador cont foi usado sem ter sido int n, par, impar, num, cont; A segunda mensagem de erro diz que, na linha, o compilador encontrou um erro antes de system. De fato, falta um ponto-e-vírgula (`;') no fim da linha. Para corrigir isso, acrescente um ponto-evírgula no final da linha : par,impar); Agora, salve o arquivo novamente clicando em ou simultaneamente nas teclas CTRL e S. Compile o programa novamente clicando em. O novo resultado da compilação, que pode ser visto na figura 7, mostra que não foram encontrados erros de sintaxe no programa. Figura 7: Resultado da compilação do programa primprog.c após as correções. Para executar o programa clique no botão. Uma janela do DOS aparecerá, com a mensagem Digite o tamanho da sequencia:. Digite algum número inteiro positivo 12

13 para indicar o número de elementos da seqüência, seguido por Enter. Esse número determinará a quantidade de números que deverão ser digitados a seguir. Depois de você digitar cada número da seqüência seguido de Enter, o programa mostrará quantos números ímpares e quantos números pares você digitou. Após seu programa ser executado, aparecerá a mensagem "Pressione qualquer tecla para continuar...". Um exemplo de resultado da execução do programa pode ser visto na figura 8. Depois de conferir o resultado digite qualquer tecla. Figura 8: Resultado da execução do programa primprog.c Salvando e reutilizando os seus programas A aula está quase no fim. Clique para encerrar o Dev-C++. Se você não sabe como utilizar o Windows Explorer, solicite o o auxílio de algum monitor. Com seus programas salvos no disquete, você pode querer reutilizá-los numa ocasião futura. Para isso basta utilizar o Windows Explorer para copiá-los do disquete para a pasta temp. Inicie o Dev-C++ e carregue o seu programa primprog.c clicando em. e indicando, na janela Abrir Arquivo, que a pasta a ser examinada é a temp e que o nome do arquivo a ser carregado é o primprog.c. Pronto, o seu programa primprog.c será carregado pelo Dev-C++ e estará pronto para ser reutilizado. 1.3 Algoritmos Algoritmo é a forma organizada de expressar uma seqüência de passos que visam atingir um objetivo definido. Algoritmo é a lógica necessária para o desenvolvimento de um programa. Apesar do nome estranho, os algoritmos são muito comuns no nosso cotidiano, como por exemplo, em uma receita de bolo. Nela estão escritos os ingredientes necessários e a seqüências de passos ou ações a serem cumpridos para que se consiga fazer um determinado tipo de bolo. Em um modo geral, um algoritmo segue um determinado padrão de comportamento, com objetivo de alcançar a solução de um problema. Padrão de comportamento: imagine a seqüência de números: 1, 6, 11, 16, 21, 26,... Para determinar qual será o sétimo elemento dessa série, precisamos descobrir qual é a sua regra de formação, isto é, qual é o seu padrão de comportamento. Como a seqüência segue uma certa constância, facilmente determinada, somos capazes de determinar qual seria o sétimo termo ou outro termo qualquer. 13

14 Descrevemos então uma atividade bem cotidiana: trocar uma lâmpada. Apesar de parecer óbvia demais, muitas vezes fazemos este tipo de atividade inconscientemente, sem percebermos os pequenos detalhes. Vejamos como seria descrevê-la passo a passo: -pegar uma escada; -posicionar a escada embaixo da lâmpada; -buscar uma lâmpada nova; -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova. Para se trocar a lâmpada, é seguida uma determinada seqüência de ações, representadas através desse algoritmo. Como isso pode ser seguido por qualquer pessoa, estabelece-se aí um padrão de comportamento. A sequencialização tem por objetivo reger o fluxo de execução, determinando qual ação vem a seguir. O algoritmo anterior tem um objetivo bem específico: trocar uma lâmpada. E se a lâmpada não estiver queimada? O algoritmo faz com ela seja trocada do mesmo modo, não prevendo essa situação. Para solucionar este problema, podemos efetuar um teste seletivo, verificando se a lâmpada está ou não queimada: -pegar uma escada; -posicionar embaixo da lâmpada; -buscar uma lâmpada nova; -ligar o interruptor; -se a lâmpada não acender, então: -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova. Dessa forma, algumas ações estão ligadas à condição (lâmpada não acender). No caso da lâmpada acender, as três linhas: -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova, não serão executadas. Em algumas situações, embora o algoritmo resolva o problema proposto, a solução pode não ser a mais eficiente. Exemplo: três alunos devem resolver um determinado problema: -O aluno A conseguiu resolver o problema executando 35 linhas de programa. -O aluno B resolveu o problema executando 10 linhas de programa -O aluno C resolveu o problema executando 54 linhas de programa. Obviamente, o algoritmo desenvolvido pelo aluno B é menor e mais eficiente que os demais. Isso significa que há código desnecessário nos demais programas. 14

15 Dessa forma, podemos otimizar o algoritmo anterior, uma vez que buscamos a escada e a lâmpada sem saber se serão necessárias: -ligar o interruptor; -se a lâmpada não acender, então: -pegar uma escada; -posicionar a escada embaixo da lâmpada; - buscar uma lâmpada nova; -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova. Podemos considerar ainda que a lâmpada nova pode não funcionar. Nesse caso devemos trocá-la novamente, quantas vezes for necessário, até que a lâmpada acenda: -ligar o interruptor; -se a lâmpada não acender, então: -pegar uma escada; -posicionar a escada embaixo da lâmpada; -buscar uma lâmpada nova; -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova; -se a lâmpada não acender, então: -retirar a lâmpada; -colocar outra lâmpada; -se a lâmpada não acender, então:... Observamos que o teste da lâmpada nova é efetuado por um conjunto de ações: -se a lâmpada não acender então: -retire a lâmpada - coloque outra lâmpada Em vez de escrevermos várias vezes este conjunto de ações, podemos alterar o fluxo sequencial de execução do programa, de forma que, após executar a ação coloque outra lâmpada, voltemos a executar a ação se a lâmpada não acender. Precisa-se então determinar um limite para tal repetição, para garantir que ela cesse quando a lâmpada finalmente acender: -enquanto a lâmpada não acender, faça: -retire a lâmpada 15

16 -coloque outra lâmpada Uma versão final do algoritmo, que repete ações até alcançar o seu objetivo: trocar a lâmpada queimada por uma que funcione, é apresentada abaixo. -ligar o interruptor; -se a lâmpada não acender, então: -pegar uma escada; -posicionar a escada embaixo da lâmpada; -buscar uma lâmpada nova; -subir na escada; -retirar a lâmpada velha; -colocar a lâmpada nova; -enquanto a lâmpada não acender, faça: -retirar a lâmpada; -colocar outra lâmpada. Até agora, estamos efetuando a troca de uma única lâmpada. Todo o procedimento poderia ser repetido 10 vezes, por exemplo, no caso de querermos trocar 10 lâmpadas. Inicialmente, tínhamos um pequeno conjunto de ações que deveriam ser executadas (estrutura sequencial). Através de uma condição, incluímos posteriormente uma estrutura de seleção. Na necessidade de repetir um determinado trecho do algoritmo, construiu-se no final uma estrutura de repetição Fatores a serem levados em consideração na construção de um algoritmo 1. Complexidade Percebeu-se, na medida em que colocávamos situações novas no problema a ser resolvido, que ia aumentando a complexidade do algoritmo. Esse certamente é o maior problema envolvido na construção de algoritmos. A complexidade pode ser vista como um sinônimo de variedade (quantidade de situações diferentes que um problema pode apresentar), as quais devem ser previstas na sua solução. Já que conviver com a complexidade é um mal necessário, é saudável fazer o possível para diminuí-la ao máximo, a fim de controlar o problema e encontrar sua solução. Deve-se diferenciar O que de Como. Muitos programadores aumentam a complexidade de um devido problema desnecessariamente. A forma errada de interpretação de um problema pode levar a respostas irrelevantes à solução almejada ou até mesmo a nenhuma solução, gerando algoritmos mais complexos do que o necessário. 16

17 Exemplo: digamos que se pergunte a um leigo a respeito de um relógio: -Como é um relógio?= É um instrumento com três ponteiros concêntricos. Como a descrição não é relevante, poderíamos indagar: -Um relógio com 2 ponteiros é possível?= É... pode ser! Poderíamos ainda indagar: -E um relógio com apenas 1 ponteiro não poderia ser uma possibilidade? = Bem... Pode ser com 3, 2 ou 1 ponteiro. -E sem ponteiro pode? = Ah!, Sim! Pode ser digital Já a pergunta: O que é um relógio?, poderia resultar na resposta:-é um instrumento cuja finalidade é marcar o decorrer do tempo. Ou seja, algumas variáveis podem aumentar ou diminuir a complexidade de um sistema quando forem bem ou mal utilizadas. 2. Legibilidade Mede a capacidade de compreensão de um algoritmo por qualquer observador (que não o construiu); a clareza com que sua lógica está exposta. Quanto mais legível for um algoritmo, menor será sua complexidade. 3. Portabilidade Devido a quantidade enorme de linguagens de programação existentes, não será adotada nenhuma linguagem específica para trabalhar os algoritmos (ex: C, pascal, Java, etc.). Isso porque a solução do problema fica ligada a características e recursos da linguagem na qual ela foi concebida. Utilizaremos uma pseudo-linguagem (linguagem fictícia) que visa a permitir a representação dos algoritmos através da língua portuguesa (português estruturado). Esses algoritmos poderão ser convertidos facilmente para qualquer linguagem de programação usual (Basic estruturado, C, pascal, Java). 4. Técnica de resolução por método cartesiano A famosa frase de Descartes Dividir para conquistar é muito importante dentro da programação. É um método que ataca um problema grande, de difícil solução, dividindo-o em problemas menores, de solução mais fácil. Se necessário, pode-se dividir novamente as partes não compreendidas. Esse método pode ser esquematizado em passos: 1. Dividir o problema em partes 2. Analisar a divisão e garantir a coerência entre as partes. 17

18 3. Reaplicar o método, se necessário 5. Planejamento reverso Consiste em, a partir do resultado final, determinar quais são os componentes básicos. Ou seja, a partir da saída desejada, devemos poder determinar, reversamente, quais são os componentes da entrada de dados necessários Método para construir um algoritmo Utilizando os conceitos já desenvolvidos, esquematizaremos um método para construir um algoritmo logicamente correto: 1. Ler atentamente o enunciado Deve-se reler o enunciado de um exercício quantas vezes for necessário, até compreendê-lo completamente. A maior parte da resolução de um exercício consiste na compreensão completa do enunciado. 2. Retirar a relação das entradas de dados do enunciado Através do enunciado, descobrimos quais são os dados que devem ser fornecidos ao programa, via teclado, a partir dos quais são desenvolvidos os cálculos. Obs. Pode haver algum algoritmo que não necessite da entrada de dados (pouco comum). 3. Retirar do enunciado, a relação das saídas das informações Através do enunciado podemos descobrir quais são as informações que devem ser mostradas para compor o resultado final, objetivo do algoritmo. 4. Determinar o que deve ser feito para transformar as entradas nas saídas especificadas Nessa fase é que teremos a construção do Algoritmo propriamente dito. Devemos determinar qual sequência de passos ou ações é capaz de transformar um conjunto de dados nas informações de resultado. Para isso, utilizamos os fatores descritos anteriormente, tais como legibilidade, portabilidade, método cartesiano e planejamento reverso, e finalmente podemos construir o algoritmo. 2 Atividades 1. Um homem quer atravessar um rio com um barco que pode carregar ele mesmo e apenas mais uma de suas três cargas: um lobo, um carneiro e um maço de alfafa. O que o homem deve fazer para atravessar o rio sem perder nenhuma de suas cargas? 2. Elabore um algoritmo que mova 3 discos de uma torre de Hanói, que consiste em 3 hastes (ab-c), uma das quais serve de suporte para os três discos de tamanhos diferentes (1-2-3), os menores sobre os maiores. Pode-se mover um disco de cada vez para qualquer haste, sendo 18

19 que nunca deve ser colocado um disco maior sobre um menor. O objetivo é transferir os três discos da haste A para haste C. Ex: Mova <disco n> da haste <n1> para haste <n2> 3. Apresente o seguinte algoritmo: Ler 2 valores, no caso variáveis A e B. Efetuar a soma das variáveis A e B implicando seu resultado na variável X. Apresentar o valor da variável X após a soma dos dois valores indicados. 4. A fórmula para calcular a área de uma circunferência é: A = pr2. Sendo que o valor de p = basta estabelecer: Ler 1 valor para raio, no caso a variável R. Efetuar o cálculo da área, elevando o valor de R ao quadrado e multiplicando por p. Apresentar o valor da variável A. 5. Leia duas variáveis A e B. A seguir, calcule a soma entre elas e atribua à variável SOMA. A seguir escrever o valor desta variável. 6. Leia duas variáveis A e B. A seguir, calcule o produto entre elas e atribua à variável PROD. A seguir mostre a variável PROD com mensagem correspondente. 7. Leia 2 variáveis A e B, que correspondem a 2 notas de um aluno. A seguir, calcule a média do aluno,sabendo que a nota A tem peso 3,5 e a nota B tem peso 7,5. 8. Leia 3 variáveis A e B e C, que são as notas de um aluno. A seguir, calcule a média do aluno, sabendo que a nota A tem peso 2, a nota B tem peso 3 e a nota C tem peso Leia 4 variáveis A,B,C e D. A seguir, calcule e mostre a diferença do produto de A e B pelo produto de C e D (A*B-C*D). 10. Escreva um algoritmo que leia o número de um funcionário, seu número de horas trabalhadas, o valor que recebe por hora e calcula o salário desse funcionário. A seguir, mostre o número e o salário do funcionário. 11. Escrever um algoritmo que leia o nome de um vendedor, o seu salário fixo e o total de vendas efetuadas por ele no mês (em dinheiro). Sabendo que este vendedor ganha 15% de comissão sobre suas vendas efetuadas, informar o seu salário no final do mês. 12. Escrever um algoritmo que calcule e mostre o fatorial de Escrever um algoritmo que escreve os números ímpares entre 10 e

20 14. Escrever um algoritmo que leia o código de uma peça 1, o número de peças 1, o valor unitário de cada peça 1, o código de uma peça 2, o número de peças 2, o valor unitário de cada peça 2 e calcula e mostra o valor a ser pago 15. Escrever um algoritmo para calcular o volume de uma esfera sendo fornecido o valor de seu raio. (4/3 *pi * R^3) 16. Escrever um algoritmo que leia três valores: A, B e C. A seguir, calcule e mostre: a) a área do triângulo que tem A por base e C por altura. b) a área do círculo de raio C. c) A área do trapézio que tem a e b por bases e c por altura. d) A área do quadrado que tem lado b. e) a área do retângulo que tem lados a e b )Escrever um algoritmo que leia 3 valores A, B e C. A seguir, encontre o maior dos três valores e o escreva com a mensagem É o maior. Utilize a fórmula: MaiorAB = (a + b + abs (a - b) ) / Escrever um algoritmo para determinar o consumo médio de um automóvel sendo fornecidos a distância total percorrida pelo automóvel e o total de combustível gasto. 19. Escrever um algoritmo que leia dois pontos quaisquer no plano, p1(x1,y1) e p2(x2,y2) e calcule a distância entre eles. d= x2 x1 2 y2 y Escrever um algoritmo que calcule e mostre a quantidade de litros de combustível gastos em uma viagem, utilizando-se um automóvel que faz 12 KM/L. Deve-se fornecer o tempo gasto na viagem e a velocidade média durante a mesma. Assim pode-se obter distância percorrida: Distancia= Tpo * vel Litros_usados = distancia/ Dois carros (x e y) saem de uma mesma cidade. O carro X sai com velocidade constante de 60 Km/h e o 2O com velocidade constante de 90 Km/h. A seguir faça a leitura de uma distância (em Quilômetros) e calcule quanto tempo leva para o carro mais veloz tomar essa distância do outro carro. 22. Considerando 3 carros (X,Y e Z) que saem de uma cidade A. A seguir, considerando que o caminho a percorrer pelo carro X é de 360 Km, pelo carro Y é de 270 Km e pelo carro Z é de 310 KM, faça a leitura da velocidade dos 3 carros e mostre o tempo em horas que cada um deles levará para percorrer seu percurso. 23. Escrever um algoritmo que leia um valor em Reais. A seguir, calcule o menor número de notas possíveis no qual o valor pode ser decomposto. As notas consideradas são de 100, 50, 20, 10, 5, 2 e 1. A seguir mostre o valor lido e a relação de notas necessárias. 24. Escrever um algoritmo que leia o tempo de duração em segundos de um determinado evento em uma fábrica e informe-o expresso no formato horas:minutos:segundos. 25. Escrever um algoritmo que leia a idade de uma pessoa em dias e informe-a em anos, meses e dias. 26. Leia a hora inicial e a hora final de um jogo. A seguir calcule a duração do jogo, sabendo que o mesmo pode começar em um dia e terminar em outro, tendo uma duração máxima de 24 horas. 20

21 27. Com relação ao exercício anterior, calcule o tempo considerando os minutos. 21

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++

Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ Aula Dirigida de Introdução ao Dev-C++ 1 Introdução Departamento de Ciência da Computação IME/USP J.C. de Pina, J. Soares e C.H. Morimoto O que vem a ser um programa em C? Você talvez já tenha ouvido falar

Leia mais

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++ Introdução ao Dev-C++ O Dev-C++ oferece um ambiente que integra um editor de textos a um compilador para linguagem C. O compilador usado pelo Dev-C++ é o gcc (Gnu C Compiler). 1) Primeiro programa Para

Leia mais

Programação Estruturada Linguagem C

Programação Estruturada Linguagem C 2007 Programação Estruturada Linguagem C Fluxogramas Francisco Tesifom Munhoz CONTEÚDO Fluxograma... 3 Etapas para criação de um fluxograma:... 3 Símbolos utilizados para a construção do fluxograma:...

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++

Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ Aula Prática 1: Introdução ao Ambiente de Programação Dev-C++ 1. Introdução Em nossa primeira aula prática de programação em linguagem C iremos escrever e testar programas de computador básicos. Mas antes,

Leia mais

1) Utilize o link abaixo para iniciar automaticamente o processo para baixar o arquivo de instalação do Code::Blocks:

1) Utilize o link abaixo para iniciar automaticamente o processo para baixar o arquivo de instalação do Code::Blocks: Manual do Code::Blocks para o Windows XP, Vista e 7 Instalação: 1) Utilize o link abaixo para iniciar automaticamente o processo para baixar o arquivo de instalação do Code::Blocks: http://prdownload.berlios.de/codeblocks/codeblocks-12.11mingw-setup.exe

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Fórmulas e Funções - Parte I

Fórmulas e Funções - Parte I Atividade 6 Fórmulas e Funções - Parte I Referências relativas e absolutas Muito comum é a necessidade de depois de criado uma fórmula é copiá-la para outras células ao invés de fazer tudo novamente, muitas

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Apostila de Algoritmos

Apostila de Algoritmos Algoritmo CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CAMPOS Curso Técnico de Informática Industrial Apostila de Algoritmos 2007 1 EMENTA: Estudo das formas para representação do pensamento lógico através

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS...

Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS... Primeiro programa C: Hello World! 1 Sumário Criação e execução a partir do Dev-C... 1 Erros de compilação... 4 Executar programa no DOS... 4 Ajustando o programa para executar no DOS... 5 Criação e execução

Leia mais

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO

LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO LINGUAGEM C UMA INTRODUÇÃO AULA 1 Conceitos muito básicos 1 Introdução O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks

Programação de Computadores I. Conhecendo a IDE Code::Blocks Code::Blocks Conhecendo a IDE Programação de Computadores I Professor: Edwar Saliba Júnior Conhecendo a IDE Code::Blocks Apresentação: 1) Abra a IDE (Integrated Development Environment), ou seja, o Ambiente

Leia mais

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Aula 01: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express EMENTA: Introdução ao Visual C#. Fundamentos da Linguagem. Estruturas de decisão e repetição. Modularização de Programas: Funções. Arrays

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

ABA: OFICINA BOTÃO: ORÇAMENTO (CLIENTES)

ABA: OFICINA BOTÃO: ORÇAMENTO (CLIENTES) ABA: OFICINA BOTÃO: ORÇAMENTO (CLIENTES) ORÇAMENTO DE SERVIÇO Faz orçamento de serviços para clientes cadastrados Abre o cadastro do cliente Mostra os produtos que serão utilizados, serviços que serão

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Introdução a lógica de programação Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Roteiro da aula Linguagem de Programação Visual C#: Introdução a C# através de comandos de entrada

Leia mais

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks

Nota de Aula: Utilização da IDE Code::Blocks INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS SÃO LUÍS MONTE CASTELO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO I PROFESSOR:

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW

Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW Eclipse com c++11 e boost Etapa 1- Download da IDE Eclipse c++ e configuração do MinGW Primeiro passo: download Primeiramente devemos baixar o eclipse para c++, sugiro a ultima versão o Mars M4 https://eclipse.org/downloads/packages/release/mars/m4

Leia mais

Campo: PREVISÃO Informa uma possível data e hora de entrega do veículo, caso o orçamento seja aprovado.

Campo: PREVISÃO Informa uma possível data e hora de entrega do veículo, caso o orçamento seja aprovado. ABA: OFICINA BOTÃO: ORÇAMENTO (CLIENTES) ORÇAMENTO DE SERVIÇO Faz orçamento de serviços para clientes cadastrados Abre o cadastro do cliente Mostra os produtos que serão utilizados, serviços que serão

Leia mais

Excel Planilhas Eletrônicas

Excel Planilhas Eletrônicas Excel Planilhas Eletrônicas Capitulo 1 O Excel é um programa de cálculos muito utilizado em empresas para controle administrativo, será utilizado também por pessoas que gostam de organizar suas contas

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice

Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia Curso Excel Avançado Índice Índice Apresentação...2 Barra de Título...2 Barra de Menus...2 Barra de Ferramentas Padrão...2 Barra de Ferramentas de Formatação...3 Barra de Fórmulas e Caixa de Nomes...3 Criando um atalho de teclado

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme

AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C. Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme AULA 2: INTRODUÇÃO A LINGUAGEM DE C Curso: Ciência da Computação Profª.: Luciana Balieiro Cosme Agenda Introdução a linguagem C Compiladores Variáveis IDEs Exemplos Exercícios Introdução A Linguagem C

Leia mais

Tutorial de Instalação do Ambiente de Programação Dev-C++

Tutorial de Instalação do Ambiente de Programação Dev-C++ Tutorial de Instalação do Ambiente de Programação Dev-C++ Descrição do sistema instalado: - Sistema Operacional: Windows Vista Business - Versão do Dev-C++: Dev-C++ 5 beta 9 release (4.9.9.2) Processo

Leia mais

Primeiro programa em Java (compilação e execução)

Primeiro programa em Java (compilação e execução) Universidade Federal do ABC Disciplina: Linguagens de Programação (BC-0501) Assunto: Primeiro programa em Java (compilação e execução) Primeiro programa em Java (compilação e execução) Introdução Este

Leia mais

Introdução a conceitos e a prática de programação

Introdução a conceitos e a prática de programação Instituto de Informática - UFG Disciplina: Introdução à Computação Introdução a conceitos e a prática de programação Autores: Marcelo Akira e Anderson Soares Fevereiro de 2011 Alguns direitos autorais

Leia mais

Primeiro programa em Java (compilação e execução)

Primeiro programa em Java (compilação e execução) Universidade Federal do ABC Disciplina: Linguagens de Programação (BC-0501) Assunto: Primeiro programa em Java (compilação e execução) Primeiro programa em Java (compilação e execução) Introdução Este

Leia mais

Planilha Eletrônica Excel

Planilha Eletrônica Excel COLÉGIO LA SALLE CANOAS Técnico em Informática Planilha Eletrônica Excel Excel Prof. Valter N. Silva Colégio La Salle Canoas Página 2 1. NOÇÕES BÁSICAS O Microsoft Excel 7.0 é um programa de planilha eletrônica,

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010

Disciplina: INF1005 - Programação I. 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1 a aula prática Introdução ao ambiente do Microsoft Visual Studio 2010 1. Execute o MS-Visual Studio 2010. Experimente o caminho: Start All Programs Microsoft Visual Studio 2010 Microsoft Visual Studio

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

Programação 2009/2010 MEEC

Programação 2009/2010 MEEC Programação 2009/2010 MEEC Laboratório 1 Semana de 28 de Setembro de 2009 SCDEEC Leia com atenção as regras de funcionamento da Sala de Computadores do DEEC (http://scdeec.ist.utl.pt/ e http://scdeec.ist.utl.pt/regras_utilizacao).

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Curso de Calc - Avançado Índice

Curso de Calc - Avançado Índice Índice Objetivo...2 Resultado Esperado...2 Recursos Avançados de Gráficos...3 Tipos de Gráficos...3 Rotacionar um Gráfico de Colunas 3D...4 Alterar a Iluminação nos Gráficos...5 Alterar a Escala do Eixo

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho

Algoritmos e Programação. Prof. Tarcio Carvalho Algoritmos e Programação Prof. Tarcio Carvalho Conceito de Lógica A utilização da lógica na vida do indivíduo é constante, visto que é ela quem possibilita a ordenação do pensamento humano. Exemplo: A

Leia mais

Conceitos Básicos da Linguagem C. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Conceitos Básicos da Linguagem C. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Conceitos Básicos da Linguagem C Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário As Origens da linguagem C, Características da linguagem C, Interpretação X Compilação, Estrutura básica de um programa em C, Tipos

Leia mais

Ambiente Online de Programação em C. http://www.tutorialspoint.com/compile_c_online.php

Ambiente Online de Programação em C. http://www.tutorialspoint.com/compile_c_online.php Ambiente Online de Programação em C O site tutorialspoint.com oferece um ambiente online para criação de projetos em C, entre outras linguagens de programação. O ambiente para desenvolvimento na linguagem

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Primeiro contato com a Impressora Fiscal, a ECF chegou e agora?

STK (Start Kit DARUMA) Primeiro contato com a Impressora Fiscal, a ECF chegou e agora? O que será abordado neste SKT: STK (Start Kit DARUMA) Primeiro contato com a Impressora Fiscal, a ECF chegou e agora? Verificando o papel. Verificando se o ECF está inicializado, caso não esteja como proceder.

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Tutorial de instalação do Java 7 no Windows 7.

Tutorial de instalação do Java 7 no Windows 7. Tutorial de instalação do Java 7 no Windows 7. Neste tutorial vamos instalar um ambiente de desenvolvimento Java JDK 7 no Windows 7. Quando falamos em ambiente Java, estamos nos referindo ao conjunto de

Leia mais

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C

Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Linguagem e Técnicas de Programação I Programação estruturada e fundamentos da linguagem C Prof. MSc. Hugo Souza Material desenvolvido por: Profa. Ameliara Freire Continuando as aulas sobre os fundamentos

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior 2000 Mozart de Melo Alves Júnior INTRODUÇÃO O Excel 7.0 é um aplicativo de planilha desenvolvido para ser usado dentro do ambiente Windows. As planilhas criadas a partir desta ferramenta poderão ser impressas,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA 2005/2006. 0.5 Valores ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE TOMAR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO (ENG. INFORMÁTICA) COMPUTADORES E PROGRAMAÇÃO I (ENG. ELECTROTÉCNICA) 2005/2006 TRABALHO PRÁTICO Nº

Leia mais

Em seguida leia com atenção o manual de instruções para obter um melhor aproveitamento de seu painel.

Em seguida leia com atenção o manual de instruções para obter um melhor aproveitamento de seu painel. MANUAL - Manual De Instruções Do Software - Termo De Garantia Manual de instruções do software LEDMIDIA Seu Painel Ledmidia tem as seguintes características: 1 Exibe qualquer tipo de fonte de letra que

Leia mais

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos.

Manual (Office 365) Para acesso ao sistema de e-mails, os passos iniciais continuam os mesmos. Histórico de Alterações Versão Data Autor Função Descrição 1 14/09/2012 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Criação inicial 2 19/11/2013 Roberto Gouveia Analista de Help Desk Atualização A partir de

Leia mais

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET).

É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada pela Microsoft (Microsoft.NET). C ( C-Sharp ) LPI 1. A Plataforma.NET (em inglês: dotnet) Visão Geral C é uma linguagem de programação. É uma das linguagens de programação que fazem parte da Plataforma.NET (em inglês: dotnet) criada

Leia mais

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET Obs.: Caso já possua um programa compactador de arquivo pular a etapa 1. 1 - Compactador de Arquivo Para instalar o Chef Foods Net você precisa de um programa descompactador

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

KID MANUAL DE SOFTWARE

KID MANUAL DE SOFTWARE KID MANUAL DE SOFTWARE Sumário 1.1. O que é Programação em Blocos?... 3 1.2. Conhecendo o KID Programador... 3 1.2.1. Instalação do Software... 3 1.2.2. Áreas do Software... 5 1.3. Blocos usados para Programação...

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL

INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL INFORMÁTICA APLICADA III APOSTILA VISUAL ACRESCENTANDO UMA NOVA COMPOSIÇÃO UNITÁRIA DE CUSTO AO BANCO GERAL DE DADOS (cunitgr.xls) Os arquivos cunitgr.xls e Bennett Profissional 04.xls são "pastas de trabalho"

Leia mais

EXERCÍCIOS e Respostas de Lógica de Programação - ALGORITMOS -

EXERCÍCIOS e Respostas de Lógica de Programação - ALGORITMOS - FIT - Faculdade de Informática de Taquara Curso de Sistemas de Informação EXERCÍCIOS e Respostas de Lógica de Programação - ALGORITMOS - Profa. Flávia Pereira de Carvalho Março de 2007 Profa. Flávia Pereira

Leia mais

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas

Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Depuração de Código Utilizando o Dev-C++ - Dicas Versão 1.0 Belo Horizonte Junho de 2009 Sumário Dicas... 2 Configuração do Dev-C++... 2 Como depurar um código no Dev-C++... 5 Referências Bibliográficas...

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Aula Número 01. Sumário

Aula Número 01. Sumário Aula Número 01 Sumário Conceitos Básicos:... 3 Movendo-se numa Planilha... 4 Selecionando Múltiplas Células... 4 Abrindo e Salvando um Arquivo... 6 Salvando um arquivo... 8 Introduzindo e Editando Dados...

Leia mais

Tutorial: Webmail. Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015. Versão 01

Tutorial: Webmail. Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015. Versão 01 Tutorial: Webmail Dicas de Uso e Funcionalidades 02/2015 Versão 01 Conteúdo Tutorial: Webmail 2015 Descrição... 2 Possíveis problemas... 5 Criando Regras de Mensagens (Filtros Automáticos)... 11 A partir

Leia mais

Eletron-DS Pedido Eletrônico 1

Eletron-DS Pedido Eletrônico 1 1 2 Eletron-DS Julho / 2010 3 Índice Sistema... 4 Menu Digitar Pedido... 6 Menu Consultar Pedidos... 9 Menu Conexão Fornecedor... 10 4 Sistema Pré-requesitos: - Windows Vista ou Superior; - Acesso a Internet.

Leia mais

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel

Probabilidade e Estatística I Antonio Roque Aula 8. Introdução ao Excel Introdução ao Excel Esta introdução visa apresentar apenas os elementos básicos do Microsoft Excel para que você possa refazer os exemplos dados em aula e fazer os projetos computacionais solicitados ao

Leia mais

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar

Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Pedido de Bar Sistema para controle de pedido de bar Desenvolvido por Hamilton Dias (31) 8829.9195 Belo Horizonte hamilton-dias@ig.com.br www.h-dias.cjb.net ÍNDICE Introdução...3 Implantação...3 Instalação...3

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4

Sumário INTRODUÇÃO 3 DICAS PARA CRIAR UM BOM SITE 4 Sumário Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5.988 de 14/12/73. Nenhuma parte deste livro, sem prévia autorização por escrito de Celta Informática, poderá ser reproduzida total ou parcialmente,

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

Vinte dicas para o Word 2007

Vinte dicas para o Word 2007 Vinte dicas para o Word 2007 Introdução O Microsoft Word é um dos editores de textos mais utilizados do mundo. Trata-se de uma ferramenta repleta de recursos e funcionalidades, o que a torna apta à elaboração

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda Scilab Scilab é uma linguagem de programação associada a uma rica coleção de algoritmos numéricos cobrindo muitos aspectos dos problemas de computação científica. Do ponto de vista do software, Scilab

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

Guião de Introdução ao Eclipse IDE Índice

Guião de Introdução ao Eclipse IDE Índice Índice 1. Introdução... 2 1.1. O que é um ambiente de desenvolvimento (IDE)?... 2 1.2. Visão geral sobre o Eclipse IDE... 2 2. Iniciar o Eclipse... 3 2.1. Instalação... 3 2.2. Utilizar o Eclipse... 3 3.

Leia mais

Faculdade de Computação Programação Orientada à Objetos 1 Laboratório de Programação Orientada à Objetos Prof. Fabíola Gonçalves Coelho Ribeiro

Faculdade de Computação Programação Orientada à Objetos 1 Laboratório de Programação Orientada à Objetos Prof. Fabíola Gonçalves Coelho Ribeiro Faculdade de Computação Programação Orientada à Objetos 1 Laboratório de Programação Orientada à Objetos Prof. Fabíola Gonçalves Coelho Ribeiro 1. Introdução O objetivo desta aula prática é apresentar

Leia mais

Linguagem de Programação Visual

Linguagem de Programação Visual Linguagem de Programação Visual Unidade 1 Ambiente de desenvolvimento Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 SOBRE O JAVA... 3 AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO... 5 RECURSOS DA FERRAMENTA NETBEANS...

Leia mais

Microsoft Excel 2010

Microsoft Excel 2010 Microsoft Excel 2010 Feito por Gustavo Stor com base na apostila desenvolvida por Marcos Paulo Furlan para o capacitação promovido pelo PET. 1 2 O Excel é uma das melhores planilhas existentes no mercado.

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Significa o uso correto das leis do pensamento e de processos de raciocínio para a produção de soluções logicamente válidas e coerentes, que resolvam com qualidade os problemas que

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Módulo II Macros e Tabelas Dinâmicas Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 Macro

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

FAQ. Erros, e dúvidas frequentes

FAQ. Erros, e dúvidas frequentes FAQ Erros, e dúvidas frequentes Sumário ERROS CONHECIDOS... 2 1. Botões desabilitados ou Congelados... 2 Resolução 2... 2 2. Erro de cadastro... 3 3. Célula com o campo #VALOR... 3 4. Erro em tempo de

Leia mais

Guia e Utilização do Visual Studio 6.0

Guia e Utilização do Visual Studio 6.0 Guia e Utilização do Visual Studio 6.0 Objectivo Este guia acompanha-o através do processo de criação de uma aplicação C++ utilizando o ambiente de desenvolvimento Visual Studio 6.0. Passo 1: Criação de

Leia mais

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 1 1. WINDOWS... 3 1.1 - Como funciona o Windows?... 3 1.2 - Botão Iniciar... 3 1.3 - Comutando entre tarefas abertas... 4 1.4 - O que é uma Janela?...

Leia mais

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP MANUAL DE FTP Instalando, Configurando e Utilizando FTP Este manual destina-se auxiliar os clientes e fornecedores da Log&Print na instalação, configuração e utilização de FTP O que é FTP? E o que é um

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais.

O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. MICROSOFT WINDOWS O Windows também é um programa de computador, mas ele faz parte de um grupo de programas especiais: os Sistemas Operacionais. Apresentaremos a seguir o Windows 7 (uma das versões do Windows)

Leia mais

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Uruaçu - 2009 Núcleo de Tecnologia Educacional de Uruaçu Rua Maranhão Quadra 02 Lote 01 Bairro JK Uruaçu Goiás Telefone: (62)3357-4237 - Fax : 3357-4217 E-mail nteuruacu@hotmail.com

Leia mais