Curso de Engenharia de Computação PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE CONTROLE ACADÊMICO COM ENVIO DE MENSAGENS AUTOMÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Engenharia de Computação PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE CONTROLE ACADÊMICO COM ENVIO DE MENSAGENS AUTOMÁTICAS"

Transcrição

1 Curso de Engenharia de Computação PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE CONTROLE ACADÊMICO COM ENVIO DE MENSAGENS AUTOMÁTICAS Willian Alexandre Ribeiro Campinas São Paulo Brasil Dezembro de 2008

2 Curso de Engenharia de Computação PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE CONTROLE ACADÊMICO COM ENVIO DE MENSAGENS AUTOMÁTICAS Willian Alexandre Ribeiro Monografia apresentada à disciplina de Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia de Computação da Universidade São Francisco, sob a orientação da Professora Silvia Elisabeth S. Lopes, como exigência parcial para conclusão do curso de graduação. Orientadora: Professora Silvia Elisabeth S. Lopes Campinas São Paulo Brasil Dezembro de 2008

3 Protótipo de um Sistema de Controle Acadêmico com Envio de Mensagens Automáticas Willian Alexandre Ribeiro Ribeiro, Willian Alexandre. Protótipo de um Sistema de Controle Acadêmico com Envio de Mensagens Automáticas. Monografia defendida e aprovada em 11 de Dezembro de 2008 pela Banca Examinadora assim constituída: Prof. M.Sc. Silvia Elisabeth S. Lopes (Orientadora) USF Universidade São Francisco Campinas SP. Prof M.Sc. Raimundo Cláudio da Silva Vasconcelos. USF Universidade São Francisco Campinas SP. Prof Esp. Ricardo César Boaretto. USF Universidade São Francisco Campinas SP.

4 Aos meus pais, por imensa dedicação e pelos sábios conselhos despendidos ao longo da minha caminhada.

5 .Agradecimentos Agradeço imensamente aos meus pais, que me apoiaram e compartilharam todas as batalhas que enfrentei até aqui, com muito carinho, paciência, sorriso e principalmente confiança. Agradeço a todos os meus colegas de trabalho, em especial: Marcelo Oliveira de Moraes e André L. Macedo, pelo incentivo, fornecimento de fontes e literaturas que trouxeram um maior esclarecimento sobre os assuntos abordados. Agradeço a todos os meus amigos, em especial: Fagner Firmo de Souza Santos e Waldeir C. Alves de Souza, pelo incentivo e companheirismo em horas definitivamente importantes. Ao professor Raimundo Claudio da Silva Vasconcelos, pela paciência na coorientação e explicações a respeito de sistemas de gerenciamento, comunicação e desenvolvimento web. A minha professora e orientadora Silvia Elisabeth S. Lopes, que me auxiliou durante toda a elaboração e conclusão deste trabalho. Agradeço a todos que, de alguma forma direta ou indireta me ajudaram e incentivaram para a realização deste projeto. v

6 Sumário Lista de Siglas... viii Lista de Figuras... ix Lista de Tabelas... xi Resumo... xii Abstract... xiii 1 Introdução Contextualização Objetivo Estrutura do Texto TECNOLOGIA adotada Linguagem de Programação Java Características Importantes Simplicidade na programação Linguagem orientada a objetos Independente de Plataforma Performance e segurança Java Server Pages (JSP) Servlet Tomcat MySQL UML Análise de requisitos Conceitos Projeto Desenvolvido Visão Geral da Universidade Problema de Negócio Solução Proposta Interessados no Projeto Características Gerais do Projeto Requisitos não funcionais: Requisitos Funcionais: Usuários do Projeto Premissas e Restrições do Projeto Documentos Relacionados Diagrama de Caso de Uso Descrição dos Casos de Uso vi

7 3.10 Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Administração Comunicação Conclusão Contribuições Trabalhos futuros Referências Bibliográficas Glossário APÊNDICE Apêndice A vii

8 Lista de Siglas SGBD JSP JVM ASP HTTP API JPA UML HTML Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados. Java Server Pages. Java Virtual Machine. Active Server Pages. Hypertext Transfer Protocol. Application Programming Interface. Java Persistence API. Unified Modeling Language. Hyper Text Markup Language. viii

9 Lista de Figuras FIGURA 1: AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO JAVA... 3 FIGURA 2: EXEMPLO DE CLASSE E OBJETOS FIGURA 3: JAVA MULTIPLATAFORMA FIGURA 4: ARQUITETURA DE UMA PÁGINA JSP... 8 FIGURA 5: FUNCIONAMENTO DE UM SERVLET... 9 FIGURA 6: CASO DE USO GERAIS DO SISTEMA FIGURA 7: CASO DE USO CADASTRO DE ALUNO FIGURA 8: CASO DE USO LISTAR ALUNO FIGURA 9: CASO DE USO CADASTRO DE PROFESSOR FIGURA 10: CASO DE USO LISTAR PROFESSOR FIGURA 11: CASO DE USO CADASTRO DE DISCIPLINA FIGURA 12: CASO DE USO LISTAR DISCIPLINA FIGURA 13: CASO DE USO CADASTRO DE TURMA FIGURA 14: CASO DE USO LISTAR TURMAS FIGURA 15: CASO DE USO CADASTRO DE HISTÓRICO FIGURA 16: CASO DE USO ENVIA MENSAGEM FIGURA 17: CASO DE USO LISTAR MENSAGENS FIGURA 18: CASO DE USO UPLOAD DE ARQUIVO FIGURA 19: CASO DE USO LISTAR ARQUIVOS FIGURA 20: DIAGRAMA DE CLASSES FIGURA 21: DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA FIGURA 22: CADASTRO DE ALUNO FIGURA 23: CADASTRO DE PROFESSOR FIGURA 24: CADASTRO DE DISCIPLINA FIGURA 25: CADASTRO DE TURMA FIGURA 26: LISTAR DE ALUNOS CADASTRADOS NA TURMA PESQUISADA FIGURA 27: GERENCIAMENTO DE HISTÓRICO FIGURA 28: MODELO DE ENVIO DE MENSAGENS FIGURA 29: INSERÇÃO DE ARQUIVOS NO SISTEMA FIGURA 30: DOWNLOAD DE ARQUIVOS ix

10 FIGURA 31: DIAGRAMA DE CLASSES COMPLETO x

11 Lista de Tabelas TABELA 1: INTERESSADOS NO PROJETO (STAKEHOLDERS) TABELA 2: USUÁRIOS DO PROJETO xi

12 Resumo O presente trabalho tem como objetivo principal apresentar um protótipo de um sistema de controle acadêmico com envio de mensagens automáticas para correios eletrônicos e celulares, utilizando a linguagem de programação Java. O protótipo desenvolvido tem como foco principal o desenvolvimento de um software que agrega conceitos adquiridos durante o curso de Engenharia de Computação, tais como, engenharia de software, linguagem orientada a objetos e sistemas de gerenciamento de banco de dados. Esse sistema visa beneficiar os usuários de um sistema acadêmico, proporcionando ferramentas para uma melhor comunicação e estabelecendo assim uma melhor integração entre os seus membros. O protótipo foi desenvolvido em um ambiente Java, pois a linguagem de programação Java proporciona vantagens na programação com uso de interface com banco de dados e protocolos da internet, elementos de extrema importância para a realização e conclusão deste protótipo. PALAVRAS-CHAVE: envio de mensagens automáticas; sistema de controle acadêmico; protótipo em Java; xii

13 Abstract This work has as main objective to present a prototype of an academic control system with automatic messaging to s and to mobile phones, using Java programming language. The prototype has as main focus the development of software that uses concepts acquired during the Computing Engineering course such as software engineering, knowledge of object oriented languages, and database management systems. This system aims to help users of an academic system, making available tools to improve communication, and so improving the interactions in between the members of this system. The prototype was developed in a Java environment, because the Java programming language presents advantages during the implementation as the use of an easy interface with the database and internet protocols, extremely important elements for the realization and conclusion of such prototype. KEY WORDS: automatic messaging; academic control system; Java prototype; xiii

14 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização A idéia principal do projeto é a implementação de um protótipo de controle acadêmico com envio de mensagens automáticas para celulares utilizando a linguagem de programação Java. Este sistema acadêmico possibilita aos seus usuários o serviço de envio de mensagens automáticas após a ocorrência de determinados eventos. O desenvolvimento do projeto tem como foco principal o desenvolvimento de um protótipo baseado em orientação a objetos utilizando como ferramenta a linguagem de programação Java. A linguagem Java oferece uma série de vantagens na implementação da interface com banco de dados e protocolos da internet. No desenvolvimento do projeto também foi utilizado um sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD). O projeto tem como base o sistema acadêmico utilizado na Universidade São Francisco, e tem como finalidade a implementação de um programa que utiliza uma interface disponível na linguagem Java para um banco de dados. Após o desenvolvimento do projeto é feito um estudo de caso para mostrar sua funcionalidade. A escolha do software Netbeans justifica-se por ser um software livre, prática utilizada pela Universidade São Francisco. Com a contribuição da linguagem JSP (Java Server Pages), o projeto visa uma melhor interface gráfica com os seus usuários bem como sua utilização via internet. Este trabalho de conclusão de curso tem como função também promover uma inter ralação entre os diversos temas e conteúdos tratados durante o curso de Engenharia de Computação, de forma a contribuir para a formação profissional do aluno agregando conhecimento entre as diversas áreas relacionadas ao curso. 1.2 Objetivo O objetivo principal do projeto é a implementação de um sistema acadêmico que possibilitará uma melhor comunicação entre seus usuários com envio de mensagens automáticas após a ocorrência de determinados eventos. 1.3 Estrutura do Texto A monografia foi dividida em 6 seções da seguinte maneira: Seção 1 aborda a introdução e contextualização do objetivo do projeto. 1

15 Seção 2 aborda a tecnologia e ferramentas necessárias para o desenvolvimento do protótipo. Seção 3 contempla tópicos de metodologias de desenvolvimento utilizadas na implementação do protótipo. Seção 4 aborda a conclusão da monografia assim como contribuições a possíveis trabalhos futuros. Seção 5 lista as referências bibliográficas. Seção 6 contém um glossário de palavras para um maior entendimento da monografia. 2

16 2 TECNOLOGIA ADOTADA 2.1 Linguagem de Programação Java A linguagem de programação Java foi criada por uma equipe de pesquisadores da Sun Microsystems, em 23 de maio de Java é uma linguagem de alto nível muito semelhante à linguagem de programação C++. A linguagem de programação Java é o resultado de um trabalho de pesquisa e desenvolvimento muito mais do que uma simples linguagem de programação, ou seja, tem todo um ambiente de desenvolvimento e execução de programas que reúne um conjunto infinito de facilidades. A seguir, a figura 1 demonstra como é dividido um ambiente de desenvolvimento Java. Figura 1: Ambiente de Desenvolvimento Java Fonte: A linguagem de programação Java foi adotada para o desenvolvimento deste projeto, por tratar-se de uma linguagem de programação que suporta a programação orientada a objetos, por ter facilidade na implementação de uma interface com bancos de dados e protocolos de internet e por incorporar diversas características voltadas para segurança. 3

17 Como será visto posteriormente, um aperfeiçoamento deste projeto seria a execução do mesmo através de um dispositivo móvel, e, neste caso, é através da linguagem Java que este tipo de implementação se torna possível. 2.2 Características Importantes Simplicidade na programação Sua semelhança com a linguagem de programação C++ torna a linguagem Java conhecida pela maioria dos programadores que utilizam a programação orientada a objetos. Porém Java foi desenvolvida com intuito de melhorar e eliminar desvantagens que vinham do C++, como por exemplo, herança múltipla, sobrecarga de operadores, aritmética de ponteiros, alocação e liberação manual de memória. Java é uma linguagem de programação de propósito geral, concorrente, com base em classes e orientada a objetos. Foi projetada para ser simples o bastante para que a maioria dos programadores se torne fluente com a linguagem Java. A linguagem Java tem relação com C e C++, mas é organizada de maneira diferente, com vários aspectos de C e C++ omitidos e algumas idéias de outras linguagens incluídas [6] Linguagem orientada a objetos O protótipo tem como princípio, além do envio de mensagens automáticas após a ocorrência de determinados eventos, a manipulação de usuários desse sistema acadêmico utilizando métodos como cadastro, pesquisa e alteração, por essa razão foi necessário a utilização de uma linguagem que suportasse a orientação a objetos. Ao se utilizar uma linguagem de programação orientada a objetos para a manipulação dos dados, ganha-se uma maior organização e gerenciamento, pois esta programação ajuda em muito o tratamento e gerenciamento de grandes quantidades de dados. A linguagem orientada a objetos também descreve procedimentos para obter a solução de um problema de forma clara, rápida e objetiva dando segurança ao programador. A programação orientada a objetos implementa uma séries de classes que irão definir os objetos presentes do sistema, onde cada classe determinará o comportamento e estados possíveis de seus objetos, assim como o relacionamento com outros objetos. O projeto orientado a objetos fornece uma maneira natural e intuitiva de visualizar o processo de projeto de software modelar objetos por seus atributos e comportamentos da maneira como descrevemos objetos do mundo real. [1]. A figura 2 mostra um exemplo de 4

18 orientação a objetos onde temos uma classe casa e as suas instâncias. A classe casa define o comportamento dos objetos, através do método boolean abreporta(), e quais estados que esses objetos poderão manter através dos atributos número e cor. Os objetos c1, c2 e c3 têm valores diferentes de cor e número das casas, enquanto apenas o objeto c3 utiliza o método abreporta(). Figura 2: Exemplo de classe e objetos. Fonte: Independente de Plataforma Um dos conceitos mais importantes da linguagem Java é a independência de plataforma, pois um programa Java escrito em uma plataforma pode ser utilizado em qualquer outra plataforma diferente da original. Isso é possível através da utilização da Java Virtual Machine (JVM), esta máquina virtual interpretará um programa Java para o código de máquina específico da plataforma em questão. Portanto, qualquer plataforma que possui uma JVM pode compilar qualquer programa Java. Na figura 3, temos um exemplo de como o JVM pode funcionar em diferentes sistemas operacionais, como Windows, Linux e Mac. 5

19 Figura 3: Java Multiplataforma. Fonte: Performance e segurança Pensando em performance, a linguagem de programação Java foi projetada para ser compacta, independente de plataforma e para a utilização em rede, o que levou a decisão de ser interpretada por intermédio dos esquemas de bytecodes. Sendo uma linguagem interpretada, sua performance é razoável não podendo ser comparada a velocidade de execução de código nativo. [6]. Visando a segurança e considerando a possibilidade de que as aplicações possam ser obtidas através de uma rede, a linguagem Java possui mecanismos de segurança que podem, no caso de applets, evitar, por exemplo, qualquer operação no sistema de arquivos de outra máquina, minimizando problemas de segurança. Tal mecanismo é flexível o suficiente para determinar se uma applet é considerada segura, especificando nesta situação diferentes níveis de acesso ao sistema de outro computador. 2.3 Java Server Pages (JSP) Java Server Pages é uma tecnologia usada para o desenvolvimento de aplicações para web, muito semelhante ao Active Server Pages (ASP). Por ser modelada na linguagem de programação Java, tem a vantagem da portabilidade de plataforma, que permite a execução em diversos sistemas operacionais como o Windows e o Linux. 6

20 As Java Server Pages simplificam o fornecimento de conteúdo web dinâmico. Elas permitem aos programadores de aplicativo web criar conteúdo dinâmico reutilizando componentes pré-definidos e interagindo com componentes que utilizam script do lado do servidor. [1]. JSP permite aos programadores de sites, construírem aplicações que permitam o acesso ao banco de dados, acessos a arquivos texto, a captação de informações por formulários, a captação de informações sobre o visitante e sobre o servidor entre outras funcionalidades. Há quatro componentes chaves para o JSP: diretivas, ações, elementos de script e bibliotecas de tags. Diretivas: são mensagens para o componente de servidor que executa o JSP, que permitem ao programador especificar configurações de página, incluindo conteúdos de outros recursos, e especificar as bibliotecas de tag personalizada para utilização em uma JSP. Ações: encapsulam funcionalidades em tags pré-definidas que os programadores podem incorporar em uma JSP. As ações freqüentemente são realizadas com base nas informações enviadas para o servidor como parte de uma solicitação particular de cliente, estas ações também podem criar objetos Java para a utilização em scriptlets de JSP. Elementos de Script: permitem aos programadores inserir um código Java que entre em interação com os componentes de uma página JSP, para realizar o processo de solicitação. Os scriptlets podem ser considerados como um tipo de script, que contém fragmentos de código, que descrevem a ação a ser realizada em resposta a uma solicitação de um usuário. Bibliotecas de tags: fazem parte do mecanismo de extensão de tag que disponibiliza aos programadores criarem tags personalizadas. Os programadores tendem a utilizar JSPs quando a maior parte do conteúdo enviado para o cliente for dados de template fixo e uma pequena ou nenhuma parte do conteúdo for gerada dinamicamente com código Java. [1]. A figura 4 mostra a arquitetura de uma página JSP, onde o cliente faz uma requisição a uma página. Após essa requisição o browser web efetua o pedido através da internet. O pedido JSP é então enviado para o servidor web. O servidor web reconhece o pedido em extensão JSP e entrega o arquivo JSP ao JSP Engine. 7

21 Figura 4: Arquitetura de uma página JSP Fonte: Fonte: 2.4 Servlet Servlet é uma classe Java usada para ampliar as capacidades dos servidores que permitem o acesso a aplicações por meio do modelo requisição-resposta. Embora as classes Servlets possam responder a qualquer tipo de requisição, as mesmas são comumente usadas para ampliar as aplicações hospedadas em servidores web. Para tais aplicações, a tecnologia Java Servlet define classes Servlets específicas para o protocolo HTTP. [7]. Servlets geralmente são utilizadas para geração de conteúdo HTML dinâmico, sincronização de requisição e redirecionamento de requisições. A classe Servlet é executada a partir de requisições de clientes, que executam uma determinada tarefa, por exemplo, tarefas em banco de dados. A classe Servlet realiza a operação requisitada e retorna uma página ao cliente. Na figura 5 será mostrado o funcionamento de uma classe servlet. 8

22 Figura 5: Funcionamento de um Servlet Fonte: No momento (1), na figura 5, o cliente envia uma requisição POST ou GET via HTTP ao Servlet; no momento (2) o Servlet executa as tarefas necessárias para atender à requisição, buscando, inserindo ou alterando dados na Base de Dados; no momento (3) o Servlet envia ao navegador do cliente uma URL como resultado da requisição deste; finalizando no momento (4) o navegador recupera a URL e exibe ao cliente. 2.5 Tomcat O Tomcat é um servidor de aplicações Java para web. É distribuído como software livre e desenvolvido como código aberto dentro do projeto Apache Jakarta. O Tomcat tem a capacidade de atuar também como servidor web/http. Este foi o grande motivo pelo qual o Apache Tomcat foi utilizado para o desenvolvimento deste protótipo. 2.6 MySQL O MySQL é um sistema de gerenciamento de banco de dados, que utiliza a linguagem SQL (Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada) como interface. O gerenciador de dados é usado para adicionar, modificar ou apagar dados armazenados em uma base de dados do computador. A grande vantagem do MySQL é o fato de ser um gerenciador gratuito e possuir as mesmas funcionalidades de outros gerenciadores de dados atualmente no mercado. 2.7 UML A UML (Unified Modeling Language) não é um método e sim uma linguagem de modelagem projetada para especificar, visualizar, construir e documentar um sistema. A linguagem de modelagem é a notação que o método utiliza para expressar projetos enquanto 9

23 que o processo indica quais passos seguir para desenvolver um projeto. A especificação da UML consiste de duas partes: Semântica - especifica a sintaxe abstrata e a semântica dos conceitos de modelagem estática e dinâmica de objetos; Notação especifica a notação gráfica para a representação visual da semântica. A UML suporta o desenvolvimento iterativo e incremental. Desenvolvimento iterativo e incremental é o processo de desenvolvimento de sistemas em pequenos passos. Uma iteração é um laço de desenvolvimento que resulta na liberação de um subconjunto de produtos que evolui até o produto final percorrendo as seguintes atividades: Análise de requisitos Análise Projeto Implementação Teste O detalhamento de cada etapa destas atividades define o método de desenvolvimento de sistemas Análise de requisitos Esta etapa se caracteriza pela definição do comportamento do sistema, ou seja, como o sistema age ou reage, descrevendo o relacionamento entre o ambiente e o sistema. Deve ser uma definição de necessidades do usuário e não uma proposta de solução. O usuário deve indicar os requisitos prioritários para o sistema. O grupo de análise deve identificar as necessidades do usuário. Decisões do projeto impostas não são características essenciais do domínio do problema. A análise de requisitos é composta pelos seguintes diagramas: Diagrama de caso de uso; Diagrama de seqüência; 10

24 Diagrama de colaboração; Para realizar a análise de requisitos, primeiramente deve-se: Identificar objetivo e características do sistema; Identificar os requisitos essenciais; Descrever as necessidades do usuário; Elaborar diagrama de caso de uso; Elaborar diagrama de seqüência; Elaborar diagrama de colaboração Conceitos Como já foi dito, a UML é uma linguagem visual para especificação (modelagem) de sistemas orientados a objeto. A UML privilegia a descrição de um sistema seguindo três perspectivas: 1. Os diagramas de classes - (Dados estruturais); 2. Os diagramas de casos de uso (Operações funcionais); 3. Os diagramas de seqüência, atividades e transição de Estados (Eventos temporais); No decorrer desse documento, estes assuntos serão abordados com maiores detalhes. 11

25 3 PROJETO DESENVOLVIDO Conforme comentado anteriormente, o projeto visa beneficiar os usuários de um sistema acadêmico, proporcionando ferramentas para uma melhor administração e também comunicação entre as partes envolvidas neste sistema. O protótipo tem como base o sistema acadêmico utilizado na Universidade São Francisco. 3.1 Visão Geral da Universidade Como já dito anteriormente, o Sistema Acadêmico utilizado como base deste protótipo tem como referência o sistema utilizado pela Universidade São Francisco. A Universidade São Francisco é uma entidade educacional que contribui para o desenvolvimento humano e profissional de seus alunos, bem como para sua inserção no mercado de trabalho. Com sede em Bragança Paulista, a Universidade São Francisco conta com mais três campus (Itatiba, Campinas e São Paulo), todos situados em região de fácil acesso. Fisicamente estão distribuídos em instalações que acolhem plenamente as atividades educacionais e, também técnico-administrativas. Com laboratórios altamente equipados a Universidade São Francisco oferece aos seus alunos e professores alto nível no ensino superior. A Universidade São Francisco adota o sistema denominado Aluno online para o cadastro de alunos, atualização dos dados dos alunos, disponibilização de notas e freqüências, disponibilização de arquivos, mensagens e avisos, plano de estudo, histórico acadêmico entre outras ferramentas, para melhor gerenciamento e comunicação entre alunos e professores. A Universidade também adota o sistema denominado Docente online, que atua em conjunto com o sistema Aluno online. O sistema Docente online possibilita a interação do docente com as turmas das disciplinas para as quais leciona. É realizado a inserção de notas e freqüências e também a disponibilização de arquivos juntamente com a comunicação via mensagens e avisos. 3.2 Problema de Negócio O sistema Aluno online atua de acordo com as normas internas da Universidade. A comunicação entre o docente e os alunos de uma determinada turma, somente se dá quando do acesso via internet ao sistema. Este método de interação não é muito eficiente, uma vez que o aluno necessita verificar constantemente se houve a inclusão de algum arquivo, mensagem ou aviso, ou se houve a inclusão de nota ou freqüência. Com esses acessos constantes, a rede e o sistema tendem a ficar sobrecarregados gerando assim certo desconforto por parte de seus usuários. 12

26 3.3 Solução Proposta Visando resolver o problema de negócio mencionado no item anterior, o presente trabalho apresenta uma melhoria na comunicação entre o docente e os alunos, promovendo a emissão de avisos para endereços eletrônicos e dispositivos móveis, sempre após a ocorrência de um determinado evento no sistema. Por evento, entende-se a inclusão de um arquivo, mensagem ou aviso, ou a inserção de nota ou freqüência. Com a emissão dos avisos, o usuário não necessita verificar constantemente o sistema, apenas o fará após o recebimento de mensagens em seu correio eletrônico ou mensagens em seu dispositivo móvel. 3.4 Interessados no Projeto A tabela abaixo apresenta os interessados/envolvidos no desenvolvimento do projeto. Coordenador do curso de Engenharia de Computação. Professor Aluno Desenvolvedor Tabela 1: Interessados no Projeto (Stakeholders). Orientar os alunos e docentes sobre as atividades e deveres da Universidade. Lecionar as disciplinas oferecidas pelo curso. Atuar como um cliente para a Universidade, tendo direitos e deveres de acordo com o estatuto. Apresentar um projeto rápido, seguro e inovador. Solicitação de retornos freqüentes das atividades desenvolvidas no projeto e aplicação das devidas avaliações. Contribuição nas explanações sobre a utilização do sistema: elogios, críticas e sugestões. Contribuição nas explanações sobre a utilização do sistema: elogios, críticas e sugestões. Manter o escopo do projeto, aplicando os requisitos préestabelecidos na fase de planejamento. Desenvolver a programação com qualidade, visando não ultrapassar o budget (esforço). Espera-se que o aluno aplique na prática os conhecimentos adquiridos durante a graduação em um projeto inovador. Espera-se um software que seja rápido e seguro, facilitando a interação com os alunos da Universidade Espera-se um software que seja rápido e seguro, facilitando a interação com os professores e outros alunos da Universidade. Espera-se concluir um projeto que siga as normas e padrões de um trabalho de conclusão de curso. 13

27 3.5 Características Gerais do Projeto Requisitos não funcionais: 1. O acesso ao sistema deve ser feito usando a tecnologia de internet, ou seja, usando um navegador web. 2. As telas para consulta e cadastro (alunos, professores, turmas, disciplinas, etc.) devem ter tempo de resposta máximo de 8 segundos. 3. O sistema deve ser projetado tanto para dar agilidade de movimentação do dados quanto para evitar erros de digitação que possam levar a informações inconsistentes. 4. Os computadores da Universidade estão baseados na plataforma Windows. O sistema foi desenvolvido em Java, utilizando servidor web (Tomcat) e banco de dados (MySQL) Requisitos Funcionais: 5. Manutenção de Alunos: criar um banco de dados de alunos no sistema acadêmico e assim gerar possíveis consultas no sistema. 6. Manutenção de Professores: criar um banco de dados de professores no sistema acadêmico e assim gerar possíveis consultas no sistema. 7. Manutenção de Disciplinas: criar um banco de dados das disciplinas no sistema acadêmico e assim gerar possíveis consultas e exclusões das disciplinas do sistema. 8. Manutenção de Turmas: criar um banco de dados de turmas no sistema acadêmico e assim gerar possíveis consulta e exclusões das turmas no sistema. 9. Envio de Mensagens: criar um banco de dados com os conteúdos das Mensagens Enviadas. Essas mensagens são visualizadas pelos usuários do sistema e podem ser excluídas a qualquer momento. 10. Upload (inclusão) de Arquivos: criar um acervo de arquivos para possíveis consultas e downloads dos usuários do sistema. 3.6 Usuários do Projeto A tabela abaixo informa os usuários do projeto. 14

28 Tabela 2: Usuários do Projeto. Professores Responsável por lecionar as disciplinas. Alunos Atua como um cliente para a Universidade, mantendo um comprometimento com as normas acadêmicas. Desenvolvedor Responsável pela implementação e validação do sistema. Funcionários Responsável pelas atividades administrativas. Disponibilizar arquivos para acompanhamento das aulas. Divulgar através de mensagens u avisos informações pertinentes ao curso. Incluir as notas e freqüências. Interage com os demais usuários incluindo mensagens. Possui acesso ao seu cadastro e também as notas e freqüências. Deve atuar na manutenção do sistema e futuras alterações. Cadastra alunos, professores, disciplinas e turmas. Exclui disciplinas e turmas. 3.7 Premissas e Restrições do Projeto O projeto apresenta as seguintes premissas e restrições: 1. O banco de dados MySQL está disponível para o armazenamento dos dados dos professores e dos alunos e também para o armazenamento das mensagens e arquivos. 2. O servidor suporta páginas JSP. 3. Professores e alunos devem ter acesso ao sistema. 3.8 Documentos Relacionados O projeto não contempla nenhum documento específico, uma vez que a finalidade da presente monografia é didática e âmbito acadêmico. 3.9 Diagrama de Caso de Uso O caso de uso é a parte mais importante da construção de software orientado a objetos utilizando a UML. Os Casos de Uso são, talvez, o único instrumento que acompanha um software do seu inicio até a sua conclusão. [5]. A utilização do diagrama de casos de uso auxiliou a descrever as funcionalidades propostas desse sistema acadêmico, pois podemos descrever a seqüência de eventos que um usuário necessita realizar para completar um processo no sistema. A seguir é apresentado um 15

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML

Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Software Livre ESL2/2008. Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Projeto Agenda Saúde Requisitos e Modelagem UML Histórico de Revisão Versão 0.1 Data 01/06/09 Revisor Descrição Versão inicial Sumário 1. Introdução...4 1.1 Visão geral deste documento...4 1.2 Módulos

Leia mais

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle

CONCEITO: Moodle Moodle Moodle Moodle NE@D - Moodle CONCEITO: O Moodle é uma plataforma de aprendizagem a distância baseada em software livre. É um acrônimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (ambiente modular de aprendizagem

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 2.1. COMPARTILHANDO O DIRETÓRIO DO APLICATIVO 3. INTERFACE DO APLICATIVO 3.1. ÁREA DO MENU 3.1.2. APLICANDO A CHAVE DE LICENÇA AO APLICATIVO 3.1.3 EFETUANDO

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma

O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO BLOG DO CONHECIMENTO APRESENTAÇÃO O Blog do Conhecimento (http://blog.df.sebrae.com.br/ugc), desenvolvido pela UGC, é uma ferramenta de COLABORAÇÃO que tem como objetivo facilitar

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário

Cadastramento de Computadores. Manual do Usuário Cadastramento de Computadores Manual do Usuário Setembro 2008 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Conhecendo a solução...03 Segurança pela identificação da máquina...03 2. ADERINDO À SOLUÇÃO e CADASTRANDO COMPUTADORES

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion

CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion CAPÍTULO 35 Como utilizar os componentes ColdFusion Os componentes ColdFusion (CFC) permitem ao usuário encapsular lógicas de aplicação e de negócios (business logic) em unidades auto-controladas reutilizáveis.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário Documentos ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário 68 ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI.

Mostrar área de trabalho.scf. Manual do Produto EDI. Mostrar área de trabalho.scf Manual do Produto EDI. ÍNDICE MANUAL DO PRODUTO EDI....3 1. O QUE É O EDI?...3 1.1. VANTAGENS... 3 1.2. FUNCIONAMENTO... 3 1.3. CONFIGURAÇÃO NECESSÁRIA... 3 2. UTILIZANDO O

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS

DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS DESENVOLVIMENTO EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO BANCO DE DADOS Leandro Guilherme Gouvea 1, João Paulo Rodrigues 1, Wyllian Fressatti 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leandrog.gouvea@gmail.com,

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Sumário. Guia do Aluno

Sumário. Guia do Aluno Sumário Guia do Aluno 1. Roteiro de estudo...3 2. Acessando seu ambiente acadêmico...5 3. Ferramentas...6 3.1 Avisos...6 3.2 Calendário...7 3.3 Tarefas...8 3.4 Informações pessoais...9 3.5 Minhas notas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET

SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA PED MANUAL INTERNET SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DA RECEITA MANUAL INTERNET ÍNDICE Sistema Integrado de Administração da Receita 1 INTRODUÇÃO GERAL... 4 2 INTRODUÇÃO AO... 4 2.1 OBJETIVOS... 4 2.2 BENEFÍCIOS... 4 2.3

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO

Guia Rápido de Uso. Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Guia Rápido de Uso Aqui seguem os tópicos tratados nesse guia, para que você aprenda a usar o Sistema HOT SMS. SUMÁRIO 1 Acesso ao sistema...3 2 Entenda o Menu...4 3 Como enviar torpedos...6 3.1 Envio

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor

Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor H6Projetos Documento de Requisitos Versão 1.3 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2013 1.0 Preenchimento do Capítulo 2 Requisitos Funcionais Evilson Montenegro 26/09/2013 1.1 Preenchimento

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

mobile PhoneTools Guia do Usuário

mobile PhoneTools Guia do Usuário mobile PhoneTools Guia do Usuário Conteúdo Requisitos...2 Antes da instalação...3 Instalar mobile PhoneTools...4 Instalação e configuração do telefone celular...5 Registro on-line...7 Desinstalar mobile

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://blog.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Conteúdo Programático Instalação e configuração básica do Eclipse Indigo e do

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

Manual das funcionalidades Webmail AASP

Manual das funcionalidades Webmail AASP Manual das funcionalidades Webmail AASP 1. Configurações iniciais 2. Regras 3. Histórico da conta 4. Autorresposta 5. Dados de acesso (alterando senha de acesso) 6. Identidade (assinatura) 7. Redirecionamento

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais

Manual de utilização sistema Comtele SMS

Manual de utilização sistema Comtele SMS Manual de utilização sistema Comtele SMS Login... 3 Dashboard... 4 Envio instantâneo de mensagens SMS... 5 Requisições de envio instantâneo para contatos ou grupos.... 5 Agendamento de envio d e SMS...7

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno

Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Ambiente de Aprendizagem Moodle FPD Manual do Aluno Maio 2008 Conteúdo 1 Primeiros passos...4 1.1 Tornando-se um usuário...4 1.2 Acessando o ambiente Moodle...4 1.3 O ambiente Moodle...4 1.4 Cadastrando-se

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE.

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE PARA ACESSO AO BANCO DE DADOS METEOROLÓGICOS DO CPTEC/INPE. Bianca Antunes de S. R. Alves 1, Luciana M. C. Mira 2, Ana Paula Tavarez 3, José Alberto Ferreira 4, Luíz Henrique

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES.

APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. APLICAÇÃO DO ENSINO POR PESQUISA NO DESENVOLVIMENTO DE WEB SERVICE PARA MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS UTILIZANDO JAVA SERVLET PAGES. Fredericko Xavier Gonçalves - fredericko.xg@hotmail.com Geshner Inagaki Martins

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais