ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO I-d ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES"

Transcrição

1 ANEXO I- ESPECIFICAÇÕES DAS FUNCIONALIDADES DOS ROTEADORES Os roteaores everão ser fornecios, instalaos, mantios, gerenciaos e operaos pela CONTRATADA e everá ser garantio o esempenho e os níveis e serviços contrataos. Toas as atualizações e correções (patches) e softwares, necessárias para o cumprimento os requisitos exigios neste Projeto Básico, everão ser realizaas sem ônus aicionais para a CONTRATANTE. As funcionaliaes os equipamentos necessários para o perfeito funcionamento a solução a ser contrataa estão escritas a seguir: 1. Roteaor Tipo 1 A ser usao para Pontos e Presença categorizaos como C2 e C2-INT 1.1. Possuir, no mínimo, 03 (três) portas e LAN a 10/100/1000 Mbps com conector tipo RJ45 para cabos UTP e que seja compatível com o parão IEEE e 03 (três) slots SFP para inserção e portas Gigabit em fibra. Será aceita a tecnologia COMBO entre os slots SFP e as portas 10/100/1000; 1.2. Possuir, no mínimo 2 (uas) portas WAN, acomoaas em slots istintos, que permitam ao equipamento atener a toas as funcionaliaes exigias pela(s) tecnologia(s) efinia(s) para a interligação ao backbone nacional, contingência Datasus/RJ e Datasus/BSB e Internet; 1.3. Possuir opção e boot local e permitir armazenamento e firmware e configuração em memória compact flash que everá ser fornecia; 1.4. Possuir 256 MB e memória flash ou similar e 1024 MB e memória DRAM, permitino que o equipamento atena a toas as funcionaliaes exigias nesta especificação, em conformiae com as recomenações o fabricante; 1.5. Possuir seu firmware e sistema operacional em versão que atena a toos os requisitos mínimos necessários (memória, flash, entre outros) para suportá-lo. Por questões e compatibiliae, o firmware 1

2 os roteaores Tipos I e II everão possuir toas uma mesma interface e configuração; 1.6. Suportar o protocolo e ree IP sobre ATM, compatível com a RFC 2684; 1.7. Suportar interfaces parões V.35, X.21, ATM, E1/ISDN-PRI, ISDN- BRI, portas seriais Síncronas, Assíncronas, ATM OC3 e Gigabit; 1.8. Implementar os protocolos e roteamento OSPF (Open Shortest Path First) e RIP v.2 (Routing Information Protocol version 2) e BGP 4; 1.9. Implementar o protocolo e istribuição e enereços IP - DHCP Relay, Server, Client; O protocolo IGMPv1,v2 e v3 (Internet Grouping Message Protocol), PIM-SM e PIM-DM; Os protocolos e gerenciamento SNMP V1, V2, V3 (Simple Network Management Protocol), empregano a MIB-II (Management Information Base), RMON (Remote Monitoring); Implementar, no mínimo, 32 VLAN (Virtual Local Area Network), com base em portas, enereços MAC e Parão IEEE 802.1q; Implementar NAT (Network Aress Translation) e PAT (Port Aress Translation); Deverá suportar os parões QoS (Quality-of-Service), 802.1p e 802.1q; No caso e roteaor ATM eve implementar, no mínimo, 1000 VCI por porta; No caso e roteaor ATM eve permitir configuração e qualquer uma as portas ATM como PVC; No caso e roteaor ATM eve suportar sinalização e acoro com parão PVC; Disponibilizar, no mínimo, três níveis e senha e acesso; Possuir reunância interna e fonte; Deve possuir arquitetura moular, permitino a substituição e interfaces e o móulo e processamento central. 2

3 1.21. Capaciae e comutação mínima e 1000 (mil) kpps isponível no equipamento; Permitir a criação e funções e filtragem baseaa em listas e controle e acesso com capaciae e filtrar através e enereços e origem e estino e porta UDP e TCP e origem e estino (ACL Básicas e Estenias Lista e controle e acesso) 3 mil linhas; Implementar TACACS E RADIUS; Deve suportar fonte reunante e VRRP; Deverá ser o mesmo fabricante e compartilhar a mesma sintaxe e comanos os emais roteaores fornecios; Implementar IPSEC com criptografia em harware. Devem ser suportaos 1500 túneis externos IPSEC simultâneos, com capaciae mínima e 200 Mbps e tráfego criptografao em 3DES/MD5, consierano-se pacotes e 1400 bytes; Deve implementar a criação e tuneis VPN inamicamente, e forma a garantir que escritórios remotos criem túneis entre si sob emana, mesmo quano associaos a enereços IP inâmicos; Deve possuir interfaces com velociaes iguais ou superiores às especificaas para os links fornecios. Será aceita a tecnologia Gigabit ou a tecnologia ATM para essas interfaces; Permitir a configuração remota através e TELNET, SSH e por porta e console parão RS-232 ou porta console RJ-45. O equipamento everá possuir, além a porta console, porta auxiliar que permita a ligação e moem externo; Deverá ser compatível com, pelo menos, um os protocolos a seguir: NetFlow, NetStream ou IPFIX, e forma a permitir estatísticas mais apuraas o tráfego. 2. Roteaor Tipo II 2.1. Possuir, no mínimo, 02 (uas) portas e LAN a 10/100 Mbps com conector tipo RJ-45 para cabos UTP que seja compatível com o parão IEEE 802.3u; 2.2. Possuir, no mínimo, 02 (uas) portas e WAN que possa conectar ispositivos com interfaces parão ITU-T V.35 a taxas e até 2 Mbps. 3

4 Caa uma essas portas ever ser acomoaa em slot istinto e forma a permitir sua troca iniviual em manutenções corretivas; 2.3. Possuir opção e boot local e permitir armazenamento e firmware e configuração em memória compact flash; 2.4. Quantiae mínima instalaa e memória flash e 64 MB e 256 MB e memória DRAM. Deverá permitir expansão e memória DRAM para 384 MB, que permita o equipamento atener toas as funcionaliaes exigias nesta especificação; 2.5. Capaciae e comutação mínima e 120 (cento e vinte) kpps isponível no equipamento; 2.6. Possuir seu firmware e sistema operacional em versão que atena a toos os requisitos mínimos necessários (memória, flash, entre outros) para suportá-lo; 2.7. Implementar protocolo roteável e LAN IP IEEE802.1q e os protocolos e WAN Multilink Frame Relay e Multilink PPP; 2.8. Implementar os protocolos e roteamento OSPF (Open Shortest Path First), RIP v.2 (Routing Information Protocol version 2) e BGP4; 2.9. Implementar o protocolo e istribuição e enereços IP DHCP Server, Relay, Client; Implementar QoS: priorização e tráfego por tipo e protocolo e por serviços a pilha TCP/IP, marcação e pacotes, reirecionamento e fluxo e traffic shaping com os seguintes métoos e tratamento e filas: Priority Queuing, Class Base Queuing (CBQ), Generic Traffic Shaping (GTS),Weighte Fair Queuing; Permitir a criação e funções e filtragem baseaa em listas e controle e acesso com capaciae e filtrar através e enereços e origem e estino e porta UDP e TCP e origem e estino (ACL Básicas e Estenias Lista e controle e acesso) mil linhas; Permitir a configuração remota através e TELNET, SSH e por porta e console parão RS-232 ou porta console RJ-45. O equipamento everá possuir, além a porta console, porta auxiliar que permita a ligação e moem externo; Possuir os protocolos e gerenciamento Remote Shell, NTP, RMON, Syslog e SNMP v1,v2 e v3(simple Network Management Protocol), empregano a MIB-II (Management Information Base) e acoro com a RFC 1157 ou RFC 1213; 4

5 2.14. Implementar NAT (Network Aress Translation), e PAT (Port Aress Translation); Disponibilizar, no mínimo, ois níveis e senha e acesso garantino autenticação local, RADIUS e TACACS; Implementar roteamento Ipv6: IPV6-BGP4+ E IPV6-RIPng; Implementar Multicast seguno os parões IGMPv3, PIM-SM e PIM- DM; Deverá ser o mesmo fabricante e compartilhar a mesma sintaxe e comanos os emais roteaores fornecios; Deve suportar fonte reunante e VRRP; Deverá ser compatível com, pelo menos, um os protocolos a seguir: NetFlow, NetStream ou IPFIX, e forma a permitir estatísticas mais apuraas o tráfego; 3. Roteaor Tipo Possuir, no mínimo, 02 (uas) portas e LAN a 10/100 Mbps com conector tipo RJ-45 para cabo UTP e que seja compatível com o parão IEEE 802.3u; 3.2. Possuir, no mínimo, 02 (uas) portas e WAN que possa conectar ispositivos com interfaces parão ITU-T V.35 a taxas e até 2 Mbps. Caa uma essas portas ever ser acomoaa em slot istinto e forma a permitir sua troca iniviual em manutenções corretivas Possuir opção e boot local e permitir armazenamento e firmware e configuração em memória compact flash; 3.4. Quantiae mínima instalaa e memória flash e e memória DRAM para atener as configurações completas; 3.5. Possuir firmware e sistema operacional em sua versão mais atual, isponível no mercao para o moelo e equipamento ofertao, eveno este estar configurao com toos os requisitos mínimos necessários (memória, flash, entre outros); 3.6. Implementar protocolo roteável e LAN IP IEEE802.1q; 5

6 3.7. Implementar os protocolos e roteamento OSPF (Open Shortest Path First), RIP v.2 (Routing Information Protocol version 2); 3.8. Implementar o protocolo e istribuição e enereços IP DHCP Server, Relay, Client; 3.9. Tipos e interface: Parões V.35, X.21 e aceitar iversas tecnologias e WAN E1/ISDN-PRI, ISDN-BRI, portas seriais Síncronas, Assíncronas, ADSL-2+, Gigabit, moem Implementar QoS: priorização e tráfego por tipo e protocolo e por serviços a pilha TCP/IP, marcação e pacotes, reirecionamento e fluxo e traffic shaping com os seguintes métoos e tratamento e filas: Priority Queuing, Class Base Queuing (CBQ), Generic Traffic Shaping (GTS),Weighte Fair Queuing Permitir a criação e funções e filtragem baseaa em listas e controle e acesso com capaciae e filtrar através e enereços e origem e estino e porta UDP e TCP e origem e estino (ACL Básicas e Estenias Lista e controle e acesso) com 500 linhas; Permitir a configuração remota através e TELNET, SSH e por porta e console parão RS-232 ou porta console RJ-45. O equipamento everá possuir, além a porta console, porta auxiliar que permita a ligação e moem externo Possuir os protocolos e gerenciamento Remote Shell, NTP, RMON, Syslog e SNMP v1,v2 e v3(simple Network Management Protocol), empregano a MIB-II (Management Information Base) e acoro com a RFC 1157 ou RFC Implementar NAT (Network Aress Translation); Disponibilizar, no mínimo, ois níveis e senha e acesso; Implementar roteamento Ipv6: IPV6- + E IPV6-RIPng; Implementar Multicast seguno os parões IGMPv3, PIM-SM e PIM- DM Deverá ser o mesmo fabricante e compartilhar a mesma sintaxe e comanos os emais roteaores fornecios; Deverá ser compatível com, pelo menos, um os protocolos a seguir: NetFlow, NetStream ou IPFIX, e forma a permitir estatísticas mais apuraas o tráfego 6

7 7

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1.UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE REDE CORPORATIVOS ( SWITCHS e ACESSÓRIOS), todos

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação de Referência Switch de Borda Alguns itens apresentam opções de configuração, refletindo nos aspectos originais de preço e características da máquina Código do Material Descrição do Material

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário.

ESPECIFICAÇÕES. 2.6. Possibilidade de prover serviço de hospedagem para DNS secundário. 1 1. OBJETO ESPECIFICAÇÕES Contratação de serviços de telecomunicações para implementação, operação e manutenção de um circuito de acesso, síncrono, dedicado à Internet, na velocidade de 6Mbps, com disponibilidade

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps Especificações Técnicas Característica/Configurações/Requisitos mínimos: Descrição do Material Switch

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

ANEXO III. INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0

ANEXO III. INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0 ANEXO III INFOVIA.RJ 2.0, Rede IP Multiserviços do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Versão: 0.0 1 1 ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS - REDE INFOVIA.RJ 2.0 1.1 CARACTERISTICAS BASICAS COMUNS A TODOS OS

Leia mais

Especificaça o Te cnica

Especificaça o Te cnica Especificaça o Te cnica Esta especificação técnica tem como objetivo possibilitar a implantação da infraestrutura de rede lógica (nível de acesso) na nova sede da DME Distribuição. A solução deverá ser

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 197, DE 12 DE JULHO DE 2011 A Presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1

Sumário. CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Sumário Sumário IX CAPÍTULO 1: Introdução às Certificações Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 Por que Cisco?... 3 CCNA Routing and Switching (200-120)... 4 Como é a Prova?... 6 As

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO

TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO Contratação de empresa especializada para fornecimento de equipamentos e instalação de Ativos de Rede, destinados à ampliação da infraestrutura física e lógica da Procuradoria

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1 1. OBJETO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de serviços de telecomunicações para implementação, operação e manutenção de um circuito de acesso, síncrono, dedicado à Internet, na velocidade de 6Mbps,

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Aker Firewall UTM. Basic

Aker Firewall UTM. Basic Aker Firewall 6. Basic VERSÃO: /9/ Máxima proteção e segurança na conexão entre redes. O Aker Firewall é um sistema completo de segurança para o ambiente corporativo pois garante o controle total das informações

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características

GWM 1420 N. INFORMÁTICA - networks. Roteador ADSL 2+ Wireless N 150 Mbps BANDA LARGA. Características INFORMÁTICA - networks BANDA LARGA GWM 1420 N A solução mais inteligente em banda larga. O Roteador GWM 1420 N Intelbras é um 3 em 1 que integra a função de modem ADSL 2+ de alta velocidade, roteador Wireless

Leia mais

Switch Central de Grande Porte

Switch Central de Grande Porte Switch Central de Grande Porte GERAL 1. Estrutura de chassi modular, para instalação em gabinete padrão EIA 19, e kit completo de instalação. Os equipamentos ofertados deverão vir acompanhados de kits

Leia mais

Aker Firewall UTM. Enterprise

Aker Firewall UTM. Enterprise Aker Firewall 6. Enterprise Máxima proteção e segurança na conexão entre redes. VERSÃO: 7/3/2 O Aker Firewall é uma solução completa de segurança para o ambiente corporativo que garante o controle total

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES 1 SWITCH Todos os switches objeto deste fornecimento deverão ser do mesmo fabricante e serem entregues com todas as licenças de software necessárias à implementação de todos

Leia mais

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA 1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA Switch de 10 portas, Quantidade unidades. 1.1.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação e deve ocupar uma unidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 22 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 20 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

Roteadores de Serviços Unificados

Roteadores de Serviços Unificados VPN de alto desempenho Protocolos IPSec PPTP L2TP SSL Túneis VPN Até 25 (DSR-250N) Até 35 (DSR-500/500N) Até 70 (DSR-1000/1000N) Túneis SSL VPN Até 5 (DSR-250N) Até 10 (DSR-500/500N) Até 20 (DSR-1000/1000N)

Leia mais

Secure Router 1000 Series de Avaya

Secure Router 1000 Series de Avaya Secure Router 1000 Series de Avaya Os roteadores Secure Router 1000 Series da Avaya oferecem T1/E1 de rede de área ampla (WAN) e acesso serial rápido, seguro, confiável e escalável para empresas e prestadores

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO:

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: GRUPO 1 Item Quant. Descrição item R$ unitário R$ total 01 123 SWITCH TIPO 01: Equipamento tipo Switch Gigabit Ethernet com capacidade de operação

Leia mais

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET

ANEXO II PROJETO BÁSICO - INTERNET 1. Objetivo 1.1. Contratação de serviços para fornecimento de uma solução de conexão IP Internet Protocol que suporte aplicações TCP/IP e disponibilize a PRODEB acesso a rede mundial de computadores Internet,

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina COMPONENTES ATIVOS DE REDE i Paulo Montenegro paulo.montenegro@simplestec.com.br 04 de fevereiro de 2009 FP.AC.010.00 Sumário Assuntos: Objetivos da Disciplina Competências Habilidades Bibliografia Didática

Leia mais

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33

Sumário 1 Introdução... 19 2 O Modelo OSI... 33 Sumário 1 Introdução... 19 1.1 Um Resumo da História da Cisco Systems... 19 1.2 Sobre a Certificação Cisco Certified Network Associate CCNA Routing and Switching (R&S)... 20 1.2.1 Por que Tornar-se um

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Especificação de Referência Switch de Acesso I

Especificação de Referência Switch de Acesso I 1 Especificação de Referência Switch de Acesso I Código do Objeto Descrição do Objeto Aplicação do Objeto Data da Especificação de Referência Validade da Especificação de Referência AC0000045 Switch de

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA. DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DIE GIE Documento1 1/12 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA OBJETO / ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS / QUANTIDADE 1. OBJETO: 1.1 Aquisição de Firewalls Appliance (hardware dedicado) com throughput

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Termo de Referência ANEXO II - Especificações Técnicas de CPEs, Transceivers e Módulos GRUPO 3 NACIONAL

Termo de Referência ANEXO II - Especificações Técnicas de CPEs, Transceivers e Módulos GRUPO 3 NACIONAL XX/216/33 ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE CPES, TRANSCEIVERS E MÓDULOS GRUPO 3 - NACIONAL SCS Quadra 9 - Bloco "B" Salas 31 a 35 - Ed. Parque Cidade Corporate - CEP 738-2 - Brasília/DF Página 1 de

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4

1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 Índice de figuras XVII Índice de tabelas XXII Agradecimentos XXIII Nota prévia XXIV 1- Introdução 1 1.1 Motivação e âmbito... 1 1.2 Objetivos e abordagem... 3 1.3 Organização do presente texto... 4 2 -

Leia mais

DmSwitch 3000 Series maio de 2015

DmSwitch 3000 Series maio de 2015 DmSwitch 3000 Series maio de 2015 DmSwitch 3000 Metro Ethernet Series A linha de produtos DmSwitch 3000 oferece soluções confiáveis de alto desempenho para ambientes Metro Ethernet LAN e Redes Corporativas.

Leia mais

Certificação Cisco 5.0 R&S CCNAX 200-120 v2 CCENT (ICND-1 & ICND-2) v2. Prof. Robson Vaamonde SENAC Tatuapé

Certificação Cisco 5.0 R&S CCNAX 200-120 v2 CCENT (ICND-1 & ICND-2) v2. Prof. Robson Vaamonde SENAC Tatuapé Certificação Cisco 5.0 R&S CCNAX 200-120 v2 CCENT (ICND-1 & ICND-2) v2 Prof. Robson Vaamonde SENAC Tatuapé Prof. Robson Vaamonde Consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há 18 anos, técnico

Leia mais

Customers Série de Roteadores LTE

Customers Série de Roteadores LTE Customers Série de Roteadores LTE QIR-2401W/QIR-4401W 1. INTRODUÇÃO Os dispositivos dessa série são feitos para fornecer o acesso à internet através das redes mobile 3G/4G. Graças à transferência da informação

Leia mais

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Objeto: Aquisição de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) para expansão da rede loca do CSS (aumento de pontos de rede) em atendimento

Leia mais

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia da Informação e Administração de Sistemas de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO VIII Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 020/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 6 Página 1 de 6 1. OBJETO: 1.1. Constitui objeto deste pregão a AQUISIÇÃO DE SISTEMA FIREWALL, conforme

Leia mais

Roteadores VPN da Avaya

Roteadores VPN da Avaya Roteadores VPN da Avaya Os Roteadores VPN da Avaya (antes conhecidos como Contivity*) são uma família de produtos que oferecem serviços de segurança e IP em uma plataforma integrada simples. Especialmente

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

MikroTik RouterOS. Anderson Marques da Silva

MikroTik RouterOS. Anderson Marques da Silva MikroTik RouterOS Anderson Marques da Silva Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC) Curso Superior de Tecnologia em Redes De Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 Centro anderson@linuxmail.org Resumo.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011 Anexo I 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de infraestrutura tecnológica de conectividade e de segurança lógica, com fornecimento de equipamentos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 1 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo Programa Bibliografia 2 Conceitos Um pouco de história Comutação de Pactoes Comutação de pacote

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Mato Grosso do Sul, entidade de direito privado, sem fins lucrativos, comunica

Leia mais

GT-ATER. RP0 Especificação de equipamentos. Mário Augusto da Cruz Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso

GT-ATER. RP0 Especificação de equipamentos. Mário Augusto da Cruz Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso GT-ATER RP0 Especificação de equipamentos Mário Augusto da Cruz Micael Oliveira Massula Carvalho de Mello Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso 08/11/2012 1. Especificação de equipamentos e softwares Os

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA ANEXO VIII Referente ao Edital de Pregão Presencial nº. 020/2014 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RETIFICADA Página 1 de 6 Página 1 de 6 OBJETO : Constitui objeto deste Pregão a Aquisição de Sistema Firewall, conforme

Leia mais

Curso de Redes de Computadores

Curso de Redes de Computadores Curso de Redes de Computadores EMENTA Objetivo do curso: abordar conceitos básicos das principais tecnologias de rede e seus princípios de funcionamento. Instrutor: Emanuel Peixoto Conteúdo CAPÍTULO 1

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013 No dia 06 (seis) do mês de novembro de 2013 (dois mil e treze), o MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ sob o nº

Leia mais

Fundada em 2010 a partir de uma fusão entre duas

Fundada em 2010 a partir de uma fusão entre duas Confiabilidade, Segurança e Agilidade Desde 1994. LINHA DE PRODUTOS SMC EDGE-CORE Fundada em 2010 a partir de uma fusão entre duas grandes marcas, a SMC Edge-Core atende tanto ao mercado SOHO (Small Office

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Termo de Referência Tecnologia da Informação

Termo de Referência Tecnologia da Informação Termo de Referência Tecnologia da Informação TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TI E LICENÇAS. GERENCIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS JULHO/2015 CDG CAE 01/2015 1. DO OBJETO Aquisição de

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 1. Por meio deste aditamento, inserimos o Anexo I Especificações Técnicas.

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÂO DE DADOS (SWITCHS e ACESSÓRIOS), de

Leia mais

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos

Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II. Ana Claudia de Barcellos Projetos de Rede Corporativa usando plataforma Gilat SkyEdge II Ana Claudia de Barcellos Negócio Satélite na BT LatAm Foco no Mercado Corporativo BT possui uma ótima reputação na região com capacidade

Leia mais

Ter conhecimentos de Redes IP (nível básico) ou ter concluído o curso EaD "Redes IP Protocolos e Aplicações".

Ter conhecimentos de Redes IP (nível básico) ou ter concluído o curso EaD Redes IP Protocolos e Aplicações. Fundado em 1965, o Instituto Nacional de Telecomunicações - Inatel - é um centro de excelência em ensino e pesquisa na área de Engenharia, e tem se consolidado cada vez mais, no Brasil e no exterior, como

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

IAD - Integrated Access Device

IAD - Integrated Access Device Gateway FXS/SIP com roteador avançado integrado para serviços de Voz (VoIP) e Dados. IAD - Integrated Access Device www.digistar.com.br 6 - FXS 0 - FXS As soluções Digistar IAD disponibilizam acesso FXS

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO SERVIÇO DE LICITAÇÕES E COMPRAS WWW.TRT12.JUS.BR PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS N.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO SERVIÇO DE LICITAÇÕES E COMPRAS WWW.TRT12.JUS.BR PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS N. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO SERVIÇO DE LICITAÇÕES E COMPRAS WWW.TRT12.JUS.BR PREGÃO ELETRÔNICO PARA REGISTRO DE PREÇOS N.º 12702/2012 ARILDO DISARO FILHO PAULO CESAR DIAS EDITAL O Tribunal

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA

REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO DE SANTA CATARINA UNIDADE DE SÃO JOSÉ NUCLEO DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE COMPUTADORES E A CAMADA FÍSICA MÓDULO 2 CAPÍTULO 6 Redes de Computadores Prof. Jorge H. B.

Leia mais

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE

TREINAMENTO AVANÇADO DE PFSENSE DEPOIMENTOS DOS ALUNOS DE PFSENSE Esse foi um momento de conhecimento consistente ao uso de uma ferramenta de segurança Open Source, o pfsense, o qual possibilitou um aprendizado de TREINAMENTO AVANÇADO

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SWITCH SWITCH CORE SUBITEM CARACTERÍSTICAS GERAIS REDE E DESEMPENHO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quantidade: 02 unidades DESCRIÇÃO A solução deverá ser composta de um único chassis modular, com 1.0 no mínimo

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro

Redes Corporativas. 9 junho 2004 Fabio Montoro Redes Corporativas 9 junho 2004 Fabio Montoro Experiência do responsável técnico Experiência em redes de dados, áudio e vídeo Primeiro fornecimento de mux voz-dados do Brasil em 1991 Primeiro fornecimento

Leia mais

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas

Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Roteador Wireless 150Mbps 4 Portas Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

Traga mais excelência para a rede inteligente Visão Geral

Traga mais excelência para a rede inteligente Visão Geral Traga mais excelência para a rede inteligente Visão Geral Próxima Geração de Roteadores de Acesso ZXR10 ZSR V2 ZXR10 ZSR V2 é roteador multiserviço inteligente da ZTE integração de roteamento, switching,

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

Switches Gigabit Cabeados/Wireless Unificados L2+

Switches Gigabit Cabeados/Wireless Unificados L2+ Arquitetura de Rede Unificada Cabeada/Wireless Escalável 20 portas Gigabit 10/100/1000BASE-T Até 48 conexões diretas/indiretas de APs wireless Conexão cabeada/wireless combinada de qualquer porta 4 Combo

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

ANEXO III INFOVIA.RJ 2.0

ANEXO III INFOVIA.RJ 2.0 ANEXO III INFOVIA.RJ 2.0 REDE IP MULTISERVIÇOS DO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Versão: 2.0 7-AGO-09 1 1 EQUIPAMENTOS CONCENTRADORES DATA CENTER PRODERJ 1.1 CARACTERÍSTICAS GERAIS Possuir no mínimo

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012)

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Data limite de entrega do relatório do trabalho: 8 de Julho

Leia mais