Manual. Programa de. Voluntariado. do Grupo. OHL Brasil. Voluntários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual. Programa de. Voluntariado. do Grupo. OHL Brasil. Voluntários"

Transcrição

1 Manual Programa de Voluntariado do Grupo OHL Brasil Voluntários

2 Voluntários SUMÁRIO Introdução Histórico do Voluntariado no Brasil O trabalho voluntário Por que o Grupo OHL quer fazer parte disso? Missão Objetivos Política Orientações Entidades apoiadas Estrutura Organizacional Estrutura do Programa de Voluntariado Disponibilização de Recursos Proposta de Calendário Contatos do Grupo Corporativo do Programa Logotipo Oportunidades de atuação Referências Anexos Anexo 1 Lei do Voluntariado Anexo 2 Modelo Sugestão do Termo de Adesão ao Serviço Voluntário Anexo 3 Modelo Sugestão do Termo de Desligamento ao Serviço Voluntário Anexo 4 Ficha Cadastral do Profissional Voluntário Anexo 5 Ficha Cadastral da Instituição a ser apoiada Anexo 6 Formulário de Dispensa para Trabalho Voluntário Anexo 7 Calendário Anexo 8 - Formulário de controle das ações

3 INTRODUÇÃO Prezados, É imensa a satisfação em apresentar-lhes o Voluntários, Programa de Voluntariado do Grupo OHL Brasil. Ele é consequência da percepção de que é possível darmos nossa contribuição à sociedade e, principalmente, às populações que convivem conosco no entorno do nosso ambiente de trabalho. Além disso, a criação do Voluntários decorre de uma série de fatores, muito deles já consagrados na atividade de nossos profissionais e que agora poderão receber o apoio e a participação da empresa como um todo, seja no compartilhamento das ideias e das ações, seja na organização e na identificação das atividades a serem desenvolvidas. O Voluntários contém um significado de apoio, reconhecimento e estímulo ao aumento dessas atividades. Pretende, organizar tais atividades, orientar os participantes, indicar programas que possam ser objeto do voluntariado de nossos profissionais, enfim, dar um caráter de programa definido para nossas ações voluntárias. Entendemos que, desta forma, o Grupo OHL Brasil trará sua contribuição para o bem estar comum e coletivo e para que tenhamos um mundo de igualdade, muito melhor para todos nós vivermos. Cordialmente, Maria de Castro Michielin Diretora Jurídica e Coordenadora de Responsabilidade Social Corporativa José Carlos Ferreira de Oliveira Filho Presidente do Grupo OHL Brasil 3

4 Voluntários HISTÓRICO DO VOLUNTARIADO NO BRASIL A evolução da ação voluntária no país passa por quatro momentos bem definidos: 1) Benemerência O nascimento formal do voluntariado teve origem no século XIX com o enfoque na benemerência. Na época, os problemas sociais eram entendidos como desvios da ordem dominante e atribuídos a indivíduos em desgraça, que por não terem oportunidade de reintegrar-se à sociedade, necessitavam da caridade organizada. Assim, famílias mais abastadas, com boas intenções, distribuíam seus excedentes entre os necessitados. Neste contexto social paternalista, rigoroso e excludente o voluntariado de benemerência era incipiente, moralizador, feminino e baseado em rígidos valores morais. 2) Estado do Bem-Estar A partir do século XX, as instituições filantrópicas assistenciais passaram a ter a intervenção do poder público. A partir da década de 30 desenvolve-se uma política de assistência social O Estado de Bem-Estar Social do pós-guerra pregou a solução total das questões sociais, visando atender a população carente. O atendimento aos necessitados virou política pública e o Estado assumiu a responsabilidade pelas condições de vida da população. 4 Embora desenvolvesse políticas muito interessantes, foi uma época que favoreceu o individualismo em prejuízo das iniciativas voluntárias ou associativas.

5 3) O voluntariado combativo A década de 60 propiciou irreversíveis transformações de comportamento, politizando e polemizando todas as relações ao extremo, inclusive as pessoais. Com a queda do Estado do Bem-Estar Social, o movimento voluntário viu-se questionado politicamente e sem direção clara. O movimento voluntário foi influenciado por uma corrente contestatória e libertária presente em quase todos os movimentos sociais de origem popular da época. Com a mudança da sociedade, grupos de pessoas lideraram a participação ativa nas questões sociais e inúmeras organizações sociais foram criadas, caracterizando uma atuação voluntária de ação social. Surge o voluntariado combativo, muitas vezes distante de seus ideais básicos. Parecia um movimento desorientado, espontâneo, principalmente jovem e sem perspectivas de uma consolidação institucional que pudesse desenvolver sua identidade. A ação baseava-se no pressuposto de uma mudança de ordem social e situava-se muitas vezes no âmbito do protesto. 4) O modelo dos anos 80 Na metade da década de 80, com a democratização da América Latina e dos países em desenvolvimento, o neoliberalismo surgiu como concepção político-econômico-cultural no Ocidente. Os Estados ajustaram seus orçamentos e diminuíram lentamente os financiamentos da assistência social, transferidos para os empreendimentos privados ou para as mãos dos antigos beneficiados. A resposta foi o nascimento de um voluntariado que veio preencher os espaços deixados pelo Estado e que se esforçou para diminuir as necessidades daqueles que ficaram fora do sistema. A questão deixou de ser responsabilidade exclusiva do Estado, mas co-responsabilidade entre o Estado e a sociedade civil, incluindo a atuação de organizações sociais, fundações e 5

6 Voluntários empresas. O trabalho voluntário começa a ser debatido como peça-chave nesta abordagem de intervenção nos problemas sociais, tanto pela possibilidade individual de ação participativa nos problemas da sociedade, quanto pela ação privada para o bem público. Foi um voluntariado de muitas conquistas concretas, de muitas ações assistenciais de atuação primária que agiu para reduzir problemas latentes. 5) A caminho de uma nova cultura A década de 90 abre as portas para um novo voluntariado que supere o anterior e considere o voluntário como um cidadão, que motivado por valores de participação e solidariedade, doa seu tempo, trabalho e talento de maneira espontânea e não remunerada em prol de causas de interesse social e comunitário. O movimento Ação da Cidadania Contra a Fome a Miséria e pela Vida, criado em março de 1993, constituiu-se em fato de extrema relevância para revitalizar uma consciência adormecida na sociedade brasileira. Sua proposta foi deixar de esperar por ações estruturais que não estariam ao alcance do cidadão e estimular o gesto imediato para quem tem fome, partindo para ações emergenciais como um primeiro passo. A partir desta ação, muitas outras surgiram com a mesma proposta: fazer com que a sociedade tome iniciativas imediatas para resolver seus problemas e, ao mesmo tempo pressione o Estado para que ele cumpra seu papel de formular políticas públicas. Outro fato marcante na história do voluntariado no Brasil é a criação do Programa Voluntários, do Conselho da Comunidade Solidária, em dezembro de O programa incentivou a constituição de uma rede nacional de Centros de Voluntariado. Hoje, a rede conta com cerca de 60 centros, localizados nas principais cidades do país. São organizações autônomas e independentes financeira e administrativamente, que buscam atender às necessidades da região onde estão inseridas. 6 Fonte:

7 O TRABALHO VOLUNTÁRiO O voluntariado é uma oportunidade de exercício da cidadania e solidariedade. Todos ganham quando alguém se dispõe a fazer a diferença na vida de outras pessoas. Ganha quem recebe, seja um projeto, uma causa ou uma instituição social, pois tem seus recursos ampliados. Ganha a sociedade, que reconhece no cidadão o seu grande potencial transformador. O voluntariado é uma atitude consciente, responsável, que exige muito comprometimento e que deve trazer a sensação de realização e alegria. O trabalho voluntário de gerar transformações. Cada voluntário escolhe onde e como participar dessas mudanças, na sociedade, na cidade, no mundo, por meio de ações em instituições sociais, em escolas, em grupos da comunidade, promovidas por empresas ou não. O voluntário se sente útil, valorizado e reconhecido, percebendo no voluntariado a grande oportunidade de exercer sua cidadania, de ser solidário e de participar da construção de uma sociedade mais justa, inclusa e melhor. Por tudo isso, é que ser voluntário faz bem! 7

8 Voluntários POR QUE O GRUPO OHL QUER FAZER PARTE DISSO? Com o objetivo de incentivar e apoiar atividades voluntárias, foi criado o Programa de Voluntariado do Grupo OHL Brasil, por meio do qual seus profissionais doarão espontaneamente parte do seu tempo, habilidades e conhecimentos. Os profissionais contribuem como voluntários diretamente para a melhoria na vida das pessoas e na comunidade onde a empresa está situada, em troca adquirem experiências que adicionam ao seu crescimento pessoal. O principal desafio do Programa é estruturar um projeto que traga benefícios para todos os envolvidos: a comunidade, os profissionais e a empresa. Além disso, o desenvolvimento do Programa possibilitará a sustentação e o fortalecimento dos valores humanos necessários à vida em comunidade, despertará o exercício de direitos humanos e responsabilidades, aumentará a credibilidade e o reconhecimento público dos projetos e da empresa, no seu âmbito Social e capacitará os profissionais voluntários para que prestem seus trabalhos com excelência, dedicação e qualidade. 8

9 MiSSÃO Missão Promover o voluntariado transformador, por meio da cidadania, contribuindo para o bem comum e a construção de um mundo melhor. Ser uma empresa reconhecida pela capacidade transformadora de suas ações através dos seus profissionais. Desenvolver o respeito, valorização e compromisso com a vida, pela pratica da solidariedade, colaboração, diversidade, aprendizado e compartilhamento. OBJETiVOS Para a Empresa Auxiliar no desenvolvimento de habilidades pessoais de seus profissionais; Agregar valor aos negócios; Fortalecer a imagem da OHL Brasil como empresa cidadã; Criar um vínculo de relacionamento mais próximo com a comunidade e a organização social. Para o voluntário Contribuir para o desenvolvimento pessoal e profissional; Favorecer descobertas de novas potencialidades; Aumentar o círculo de amizades; Promover a sensação de bem-estar; Desenvolver e fortalece o espírito de equipe; Aprender a desenvolver atividades com poucos recursos e de modo sustentável. 9

10 Voluntários Para a Comunidade ou organização social Contribuir para o desenvolvimento e com inclusão social dos beneficiários; Auxiliar na redução de problemas sociais; Ajudar na construção de um mundo melhor e mais justo; Contribuir para a melhoria da qualidade de vida; 10

11 POLÍTiCA Reconhecer a importância do trabalho voluntário; Todo profissional tem a liberdade de participar, escolher e acompanhar ativamente o desenvolvimento do projeto; Garantir a qualidade e consistência do projeto; Disponibilizar nas empresas profissionais responsáveis pela coordenação do projeto; Facilitar a transparência dos procedimentos para os envolvidos; Apoiar a realização das atividades voluntárias nas entidades, que independa de recursos financeiros. O trabalho voluntário poderá ser realizado dentro ou fora do expediente conforme as características do programa social no qual estão envolvidos; ABRANGÊNCiA DO PROGRAmA O Programa se estende a todos os profissionais das empresas da OHL Brasil. 11

12 Voluntários ORIENTAÇÕES A atuação voluntária dos profissionais é requisito fundamental para o engajamento da empresa na área social, garantindo o sucesso das iniciativas. Diante disso, o grupo estabeleceu a forma de atuação do voluntariado, a fim de orientar a empresa neste sentido. A opção pelo trabalho voluntário é decisão individual e absoluta do profissional, não havendo relação direta com o encarreiramento. 1. Dentro do horário de trabalho A empresa cederá 02 horas mensais de trabalho para que o voluntário participe dos programas, desde que isto não comprometa o cumprimento de suas funções habituais, e sempre com a concordância de seu gestor, que deverá ser comunicado com antecedência por meio do formulário de dispensa para trabalho voluntário. (Anexo 6) As horas mensais não são cumulativas, vencendo ao final de cada mês, e não serão contabilizada no banco de horas dos profissionais caso exista. 2. Fora do horário de trabalho Realizado em horários pré-definidos, de acordo com o programa social e/ou campanhas, cabendo ao voluntário a verificação da disponibilidade e interesse na participação. 3. Reconhecimento A valorização dos voluntários por suas ações podem ocorrer por meio de: Premiação anual dos voluntários; Divulgação das ações dos voluntários por meio dos veículos de comunicação do grupo; Envio de cartas de agradecimento assinadas pela direção da empresa; Possibilidade de compartilhar com os demais colegas da empresa suas experiências; Realização de eventos especiais; 12

13 ENTiDADES ApOiADAS O sucesso de um programa de voluntariado depende do grau de mobilização das pessoas envolvidas, mas também está intimamente relacionada a real necessidade de uma comunidade/entidade. Antes de descobrir as reais necessidades de uma comunidade é preciso definir em que comunidade se vai atuar. Entidades situadas em áreas próximas ao local de trabalho podem ser visitadas com maior frequência, facilitando o envolvimento dos profissionais, permitindo o estreitamento de laços e a construção de uma aliança benéfica entre as partes. Há varias caminhos para se identificar as principais demandas de uma comunidade. Os voluntários podem organizar-se para buscar informações junto ao corpo de profissionais da empresa, às lideranças comunitárias, igrejas, associações de moradores, secretarias municipais e centro de voluntariado. O Grupo Local será responsável pela checagem da idoneidade da Instituição escolhida e de seus representantes, de modo a garantir o comprometimento com seu público alvo e total transparência e a confiabilidade do programa e da imagem do Grupo OHL Brasil. Uma vez identificadas essas entidades deverá ser realizado um levantamento sobre suas necessidades específicas. 13

14 Voluntários ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Comitê de Responsabilidade Corporativa Educação Patrocínio e Mecenato Saúde Meio Ambiente Recursos Humanos Voluntariado 14

15 ESTRUTURA DO PROGRAmA DE VOLUNTARiADO Para o sucesso do Programa de Voluntariado do grupo OHL, propõe-se a implantação de um Grupo Corporativo (holding) e um Grupo Local (dentro de cada empresa do Grupo). GV Vianorte GV Latinas/ Paulista GV Autovias GV Planalto GV Régis Grupo Voluntário Corporativo GV Intervias GV Fluminense GV OHL Brasil GV Centrovias GV Litoral GV Fernão A) ATRIBUIÇÕES DO GRUPO CORPORATIVO O Grupo Corporativo será coordenado por Alessandra Lazarin, Flávia Tâmega e Viviani Medeiros, indicadas pela OHL Concesiones, sob responsabilidade da Sra. Maria de Castro Michielin, Coordenadora do Comitê de Responsabilidade Social Corporativa. O papel do Grupo Corporativo se dividirá em duas etapas: implantação e manutenção do Programa. 1) Implantação Após aprovação formal em dezembro de 2011, daremos início à fase de implantação e caberá ao Grupo Corporativo mapear junto às empresas do Grupo, profissionais com perfil de liderança para representar os respectivos Grupos Locais de Voluntariado. Por meio de encontros iniciais, caberá ao Grupo Corporativo explicar aos líderes, de forma transparente, as intenções e as motivações do voluntariado, contribuindo assim, para uma dinâmica de atividades que serão desenvolvidas pelos Grupos Locais, além de introduzir conceitos fundamentais à compreensão do que é o Programa para o grupo OHL. 15

16 Voluntários Cada líder ficará encarregado de formar, dentro de suas respectivas empresas, o Grupo Local, que deverá ser formado por profissionais interessados na organização e desenvolvimento do programa de voluntariado. Após a formação dos Grupos Locais, caberá ao Grupo Corporativo a realização de treinamento inicial de capacitação dos Grupos Locais, por meio de parceria com o Centro de Voluntariado. Referido treinamento poderá ser realizado em dia único, com a presença de todos, ou de forma descentralizada, já que existem Centros de Voluntariado em várias localidades. 2) Manutenção O Grupo Corporativo deverá desenvolver uma série de atividades no sentido de incentivar a adesão ao Programa de Voluntariado, como: Captação de novos voluntários: o estímulo à adesão de voluntários ao programa acontecerá fundamentalmente via a difusão das boas experiências do voluntariado. Também serão organizados eventos anuais com reconhecimento dos voluntários para estimular a participação dos profissionais. Avaliação das entidades e campanhas: o Grupo Corporativo avaliará as entidades a serem apoiadas segundo os critérios estabelecidos pelo programa, levando-se em conta as prioridades da empresa, as expectativas dos profissionais, e as necessidades da comunidade. Monitoramento e avaliação: o Grupo Corporativo fará o acompanhamento e análise do programa de voluntariado, quando ao impacto junto aos profissionais, à comunidade e a empresa. Este processo envolverá o uso de ferramentas especificas para a coleta de dados quantitativos (pesquisas) e qualitativos (relatórios, impressões e observação informal). Comunicação: A comunicação permanente das atividades do programa junto aos voluntários e profissionais em geral será essencial para informar, mobilizar, conscientizar, 16

17 valorizar e reconhecer a importância da participação social do voluntário. Reconhecimento: Caberá ao Grupo Corporativo estimular o reconhecimento dos voluntários, por meio de premiações simbólicas, envio de carta de agradecimento assinadas pela direção da empresa, confraternizações, divulgação das ações e voluntários que se destacaram em determinado período, convite aos voluntários para que se apresentem aos demais colegas da empresa suas experiências, visita dos altos executivos aos projetos apoiados pela empresa. Replanejamento: Será feita uma revisão anual para reorganização continua das atividades do programa de voluntariado. B) ATRIBUIÇÕES DOS GRUPOS LOCAIS Formação do Grupo Local: Os lideres serão indicados por seus Diretores Mapeamento de voluntários: O Grupo Local identificará por meio de pesquisas internas, profissionais com interesse em atuar como voluntário, que não necessariamente serão membros do Grupo, podendo atuar em ações pontuais. Mapeamento das entidades: As entidades a serem apoiadas deverão ser visitadas pelo Grupo Local para verificação da idoneidade das mesmas. O Grupo Local deverá preencher o formulário (Anexo 5) para registro das instituições e atendimento dos requisitos necessários para a realização das ações voluntárias. Caso o Grupo Local entenda que os requisitos estão sendo atendidos, deverá enviar o formulário devidamente preenchido para aprovação do Grupo Corporativo. Identificação das necessidades: Durante as visitas realizadas pelo Grupo Local às entidades, deverão ser mapeadas as necessidades de ações a serem executadas. Tais necessidades também deverão estar discriminadas no formulário anexo 5. Elaboração de Propostas de Ações Voluntárias: Por meio da proposta de calendário para ações sociais/campanhas, o Grupo Local deverá apresentar ao Grupo Corporativo proposta anual das ações que pretendem desenvolver. O calendário apresenta datas 17

18 Voluntários comemorativas que servirão de inspiração para Grupo Local. Relatório das ações desenvolvidas: o Grupo Local ficará responsável pelo preenchimento e envio de relatório das atividades desenvolvidas, (Anexo 8) ao final de cada campanha. DISPONIBILIZAÇÃO DE RECURSOS O Grupo OHL definirá antes do início de cada ano, em sua previsão orçamentária, os recursos financeiros que colocará a disposição dos voluntários para dar suporte às suas ações. Na elaboração da previsão orçamentária deverá ser delimitado o montante a ser investido na estruturação e desenvolvimento do programa de voluntariado, como por exemplo, previsão de deslocamentos, contratação de consultoria para capacitação dos voluntários, palestras, suporte técnico em projetos, realização de evento anual, premiação simbólica e alimentação. Além dos recursos financeiros, também deverão ser considerados: Recursos materiais: doação de sobras de produtos, móveis, utensílios, softwares ou equipamentos em desuso, para projetos sociais acompanhados pelos voluntários da empresa. Liberação de espaço físico: disponibilização de salas nas dependências da empresa para os voluntários realizarem reuniões de planejamento e atividades voluntárias como cursos e palestras. Liberação do uso de telefone e internet para assuntos específicos do voluntariado. Dispensa do profissional voluntário para atuação, quando a ação voluntária ocorrer em horário de expediente, desde que respeitado o Anexo 6. 18

19 PROPOSTA DE CALENDÁRIO O desafio do Programa Voluntários é desenvolver uma ação social mensal. Para tanto, será elaborado anualmente, pelo Grupo Corporativo, calendário com datas comemorativas que servirão como inspiração para os Grupos Locais no desenvolvimento dos projetos vide Calendário 2012 Anexo 7. CONTATOS DO GRUPO CORPORATIVO DO PROGRAMA Contato Telefone Alessandra Lazarin (11) Flávia Tâmega (11) Viviani Medeiros (11) LOGOTIPO Este será o logotipo usado nos formulários e em toda forma de comunicação do Programa de Voluntariado. Voluntários 19

20 Voluntários OPORTUNIDADES DE ATUAÇÃO Campanhas: campanhas de arrecadação de livros, leites, alimentos, bebidas, brinquedos, produtos de limpeza, remédios, roupas, doação de sangue, material escolar, organização e/ ou divulgação beneficentes. Cultura e artes: atividades ligadas a teatro, museus, bibliotecas, brinquedoteca, artesanato, leitura, pintura, dança, música, instrumentos musicais e contar histórias. Cidadania: palestras, orientações em diversas áreas de atuação, incentivo à coleta seletiva, atividades junto à associação de moradores em necessidades especificas como urbanização, saneamento, educação, saúde e cursos visando à geração de renda. Educação: alfabetização, acompanhamento escolar, ensino profissionalizante, cursos de línguas, informática, palestras diversas, estímulo a matrículas de crianças em escolas e segurança no transito. Esportes: Recreação esportiva, jogos diversos e competições. Administração: palestras, cursos de atividades ligadas às áreas administrativas, financeira, secretariado, recursos humanos e elaboração de currículos. Infraestrutura: suporte em informática, manutenção e conserto de equipamentos. Atuação como auxiliar de cozinha, motorista, jardineiro, eletricista, marcenaria, pedreiro e pintor. Saúde: palestras e orientação nas áreas de medicina, enfermagem, odontologia e psicologia, campanhas de prevenção a doenças, vacinação, incentivo à qualidade de vida. Outros: corte e costura, jardinagem, horta, leitura, cortes de cabelo, maquilagem, etc. Público beneficiado: crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos, comunidades, entidades, famílias e pessoas com necessidades especiais. 20

21 REFERÊNCiAS Goldberg, Ruth. Como as empresas podem implementar programas de voluntariado. São Paulo. Instituto Ethos, 2001, 118 p. Parceria com materiais do Centro de Voluntariado do Estado de São Paulo Av. Paulista, º andar sala 460 Sites enfocando voluntariado Portal do Voluntário: Centro de Voluntariado do Estado de São Paulo: Instituto Ethos: 21

22 Voluntários ANEXO 1 LEI DO VOLUNTARIADO Lei nº 9.608, de 18 de fevereiro de Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faça saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art.1. Considera-se serviço voluntário, para fins desta lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza ou instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive, mutualidade. Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista previdenciária ou afim. Art.2. O serviço voluntário será exercido mediante a celebração de termo de adesão entre a entidade, pública ou privada, e o prestador de serviço voluntário, dele devendo constar o objeto e as condições de seu exercício. Art.3. O prestador do serviço voluntário poderá ser ressarcido pelas despesas que comprovadamente realizar no desempenho das atividades voluntárias. Parágrafo único. As despesas a serem ressarcidas deverão estar expressamente autorizadas pela entidade a que for prestado o serviço voluntário. Art. 4. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. 5. Revogam-se as disposições em contrário. Brasília, 18 de fevereiro de 1998; 177º da Independência e 110º da República. 22

23 ANEXO 2 LOGO DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL ANEXO 2 Modelo SugestÃo do Termo de AdesÃo ao Serviço VoluNtÁrio Termo de Adesão ao Serviço Voluntário (1 via da organização, (1 via 1 da via organização, do voluntário, 1 via do voluntário, 1 via 1 para via para controle da da empresa) NOME DO VOLUNTÁRIO RG CPF Data Nascimento CARGO ESCOLARIDADE ENDEREÇO RESIDENCIAL CIDADE ESTADO CEP E MAIL TELEFONE CELULAR AREA DE ATIVIDADE HORÁRIOS DIAS DA SEMANA LOCAL CONDIÇÕES GERAIS O trabalho voluntário a ser desempenhado junto ao [NOME DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL], de acordo com a Lei nº de 18/02/98, transcrita no verso, é atividade espontânea, não remunerada, e não gera vínculo empregatício, nem funcional, ou quaisquer obrigações trabalhistas, previdenciárias ou afins. Compete ao Voluntário participar das atividades e cumprir com empenho, comprometimento e interesse a função estabelecida. Será de inteira responsabilidade do voluntário qualquer dano ou prejuízo que vier a causar a [NOME DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL]. O Voluntário isenta o [NOME DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL] de qualquer responsabilidade referente a acidentes pessoais ou materiais, que por ventura, venham a ocorrer no desempenho de suas atividades. O desligamento do Voluntário das atividades do [NOME DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL] poderá ocorrer a qualquer momento, bastando apenas o desejo expresso de uma das partes. As despesas decorrentes de sua atividade voluntária serão ressarcidas desde que autorizadas antecipadamente pela [NOME DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL]. O presente Termo de Adesão estará em vigor até o final do presente ano, quando deverá ser renovado, caso seja de interesse de ambas as partes. Declaro estar ciente da Legislação específica, normas e procedimentos da organização social e que aceito atuar como voluntário conforme este Termo de Adesão. Data: De acordo: Assinatura do Voluntário Assinatura do Coordenador de Voluntários da Organização 23

24 Voluntários ANEXO 3 LOGO DA ORGANIZAÇÃO SOCIAL ANEXO 3 MODELO SUGESTÃO DO TERMO DE DESLIGAMENTO AO SERVIÇO VOLUNTÁRIO Termo de Desligamento ao Serviço Voluntário (1 via da organização, (1 via 1 da via organização, do voluntário, 1 via do voluntário, 1 via para 1 via para controle da empresa) NOME DO VOLUNTÁRIO RG CPF Data Nascimento CARGO ESCOLARIDADE ENDEREÇO RESIDENCIAL CIDADE ESTADO CEP E MAIL TELEFONE CELULAR AREA DE ATIVIDADE HORÁRIOS DIAS DA SEMANA LOCAL CONDIÇÕES GERAIS Declaro o meu desligamento do trabalho voluntário desempenhado na [NOME DA ORGANIZAÇÃO] de acordo com a Lei nº de 18/02/98, no verso transcrita, sem ter desempenhado atividade remunerada e tampouco gerado vínculo empregatício nem funcional ou quaisquer obrigações trabalhistas, previdenciárias ou afins. Declaro ter estado ciente da legislação específica e que atuei como voluntário(a) conforme Termo de Adesão assinado em / /, válido até a data corrente. Assim, assumindo inteira responsabilidade pelas informações declaradas, atesto sua veracidade. Data: De acordo: Assinatura do Voluntário Assinatura do Coordenador de Voluntários da Organização 24

25 ANEXO 4 FICHA CADASTRAL DO PROFISSIONAL VOLUNTÁRIO ANEXO 4 FICHA CADASTRAL DO PROFISSIONAL VOLUNTÁRIO Data do Cadastro NOME COMPLETO RG CPF Data Nascimento CARGO ESCOLARIDADE ENDEREÇO RESIDENCIAL CIDADE ESTADO CEP E MAIL PARTICULAR E MAIL COMERCIAL TELEFONE EMPRESA ONDE TRABALHA CELULAR AREAS DE INTERESSE PÚBLICO ALVO HORÁRIOS DISPONÍVEIS DIAS DA SEMANA OBS. Já trabalhou como Voluntário alguma vez? Se SIM, em qual área? NÃO SIM Assinatura do Voluntário Assinatura do Lider Local 25

26 Voluntários ANEXO 5 FICHA CADASTRAL DA INSTITUIÇÃO/ONG FICHA CADASTRAL DA INSTITUIÇÃO/ONG Data do Cadastro ANEXO 5 RAZÃO SOCIAL COMPLETA NOME FANTASIA CNPJ DATA DA FUNDAÇÃO HOME PAGE BLOG / TWITTER NOME DO REPRESENTANTE LEGAL E MAIL DO REPRESENTANTE LEGAL NOME DO CONTATO PRINCIPAL E MAIL DO CONTATO PRINCIPAL TELEFONE CELULAR CEP ENDEREÇO COMERCIAL COMPLETO BAIRRO CIDADE ESTADO EMPRESA DO GRUPO INTERESSADA ÁREA DE ATUAÇÃO PÚBLICO ATENDIDO DATA DA VISITAÇÃO APRESENTA SUBSIDIOS PARA ATENDER BEM O VOLUNTÁRIO? NÃO SIM Se NÃO, porquê? QUAIS ITENS FORAM LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO PARA APROVAÇÃO DA INSTITUIÇÃO/ONG? Observações adicionais INDICAÇÃO APROVADA PELO GRUPO LOCAL DE VOLUNTARIADO NÃO SIM DATA NOME DO LIDER LOCAL INDICAÇÃO APROVADA PELO GRUPO CORPORATIVO NÃO SIM DATA NOME DO COORD. CORPORATIVO Assinatura do Lider Local 26 Coordenador Corporativo

27 ANEXO 6 ANEXO 6 FORMULÁRIO DE DISPENSA PARA TRABALHO VOLUNTÁRIO FORMULÁRIO DE DISPENSA PARA TRABALHO VOLUNTÁRIO NOME DO VOLUNTÁRIO DATA EMPRESA DEPARTAMENTO SUPERIOR IMEDIATO DATA DA DISPENSA CARGA HORÁRIA (DAS ÀS ) LOCAL DA AÇÃO VOLUNTÁRIO Observações adicionais AUTORIZAÇÃO Autorizo o funcionário indicado acima, a participar da ação voluntária dentro do horário de expediente da empresa, levando em consideração que não comprometerá o cumprimento de suas funções habituais. As horas mensais não são cumulativas, vencendo ao final de cada mês, e não serão contabilizadas no banco de horas caso exista. Assinatura do Funcionário Assinatura do Superior Imediato 27

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br MANUAL DE ASPECTOS JURÍDICOS

Leia mais

EMPRESARIAL VOLUNTARIADO. Aspectos Jurídicos. www.voluntariado.org.br. Apoio:

EMPRESARIAL VOLUNTARIADO. Aspectos Jurídicos. www.voluntariado.org.br. Apoio: www.voluntariado.org.br VOLUNTARIADO EMPRESARIAL Aspectos Jurídicos Apoio: No cumprimento de sua missão de "incentivar e consolidar a cultura e o trabalho voluntário na cidade de São Paulo e promover a

Leia mais

Ação Comunitária. Programa respuc Ação Comunitária. Manual

Ação Comunitária. Programa respuc Ação Comunitária. Manual Ação Comunitária Não existe sucesso ou felicidade sem o exercício pleno da cidadania e da ética global (Carlos Roberto Sabbi) Programa respuc Ação Comunitária Manual I APRESENTAÇÃO Considerando a demanda

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO 2014. RG e órgão emissor: CPF: Data de nascimento:

TERMO DE ADESÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO 2014. RG e órgão emissor: CPF: Data de nascimento: TERMO DE ADESÃO AO TRABALHO VOLUNTÁRIO 2014 1 VIA Nome: RG e órgão emissor: CPF: Data de nascimento: Profissão/ ocupação: CEP: Município: Estado: Comunidade: Telefone: ( ) Email: Descrever as atividades

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua.

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua. 1 Objetivos Estimular a participação cidadã dos profissionais das empresas do Grupo Camargo Corrêa em ações de voluntariado empresarial por meio do do Instituto Camargo Corrêa; Contribuir com o desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DO VOLUNTÁRIO

MANUAL DO VOLUNTÁRIO MANUAL DO VOLUNTÁRIO Dentre todas as coisas que se pode doar a alguém, existe uma que é a mais valiosa: o tempo. E é isso que um voluntário faz. Disponibiliza seu tempo e sua energia para ajudar o próximo,

Leia mais

VOLUNTÁRIO TIME ESPERANÇA HUMANO CARIDADE UNIÃO AJUDA AMIZADE TIME CUIDADO FELICIDADE UNIÃO MANUAL DO SERVIÇO PESSOAS PESSOAS AJUDA DOAÇÃO DOAÇÃO

VOLUNTÁRIO TIME ESPERANÇA HUMANO CARIDADE UNIÃO AJUDA AMIZADE TIME CUIDADO FELICIDADE UNIÃO MANUAL DO SERVIÇO PESSOAS PESSOAS AJUDA DOAÇÃO DOAÇÃO MANUAL DO VOLUNTÁRIO CARIDADE T I M E C O M U N I D A D E UNIÃO GRUPO AMIZADE PESSOAS G R U P O AJUDA T I M E TRABALHO FELICIDADEPESSOAS GRUPO SERVIÇO UNIÃO ESPERANÇA A J U D ASERVIÇO COMUNIDADE G R U

Leia mais

Números de Deliberações Ano de 2004

Números de Deliberações Ano de 2004 001 002 003 Números de Deliberações Ano de 2004 DOE. 09/03/04, Seção I, p.36 DELIBERAÇÃO CEETEPS N.º 01, DE 08 DE MARÇO DE 2004 Dispõe sobre a prestação, no âmbito da Administração Central e das Unidades

Leia mais

Programa de Voluntariado da LABCMI / HMG

Programa de Voluntariado da LABCMI / HMG Programa de Voluntariado da LABCMI / HMG CONCEITO As Nações Unidas entendem que o voluntário é o jovem ou adulto que, devido ao seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo,

Leia mais

Secretaria de Educação

Secretaria de Educação Secretaria de Educação VOLUNTARIADO NA EDUCAÇÃO JUNTOS COMBATENDO O ANALFABETISMO ESCOLAR NO MUNICIPIO DE JAGUARIBE Ano: 2014 INTRODUÇÃO As ações de voluntariado têm permitido, ao longo das experiências

Leia mais

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga MANUAL DO VOLUNTÁRIO SUMÁRIO 1. Ser voluntário 3 2. Normas internas dos voluntários 4 3. Lei nº 9608, de fevereiro de 1998 5 4. Procedimento

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

MHSBC Solidariedade Apresentação É um enorme desafio relançar o Programa HSBC de Voluntariado. Este Programa nasceu da iniciativa de

MHSBC Solidariedade Apresentação É um enorme desafio relançar o Programa HSBC de Voluntariado. Este Programa nasceu da iniciativa de MHSBC Solidariedade Apresentação É um enorme desafio relançar o Programa HSBC de Voluntariado. Este Programa nasceu da iniciativa de 04 MANUAL DO VOLUNTÁRIO Prezado colaborador Prezada colaboradora A ação

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação do Instituto Elektro. A História do Voluntariado no Brasil. Benefícios do Trabalho Voluntário. O Voluntário

ÍNDICE. Apresentação do Instituto Elektro. A História do Voluntariado no Brasil. Benefícios do Trabalho Voluntário. O Voluntário ÍNDICE Apresentação Apresentação do Instituto Elektro Programa Voluntariado Corporativo Elektro A História do Voluntariado no Brasil Benefícios do Trabalho Voluntário O Voluntário Oportunidade de Atuação

Leia mais

Atividades e terapia assistida por. Aula para curso de psicobiologia PUC SP

Atividades e terapia assistida por. Aula para curso de psicobiologia PUC SP Atividades e terapia assistida por animais Aula para curso de psicobiologia PUC SP Atividade Assistida por Animais (AAA) Sem programa oficial, sem objetivo definido, sem avaliação. Voluntários. Visitas

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

CASA DE APOIO AMOR FRATERNO

CASA DE APOIO AMOR FRATERNO O QUE É SER VOLUNTÁRIO CARTILHA DO VOLUNTÁRIO CASA DE APOIO AMOR FRATERNO Ser voluntário é estar disposto a doar parte do seu tempo para o próximo, seja através da sua formação profissional ou de alguma

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE CARTILHA DO VOLUNTÁRIO

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INFORMAÇÕES SOBRE A ATUAÇÃO DOS VOLUNTÁRIOS NO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2 O voluntariado propicia diversos ganhos para todas as partes envolvidas. GABPRES/ DEAPE A experiência do voluntariado

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani

Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Guia sobre Voluntariado Instituto Lina Galvani Sumário Conceito de voluntário... 3 O que é e o que não é voluntariado... 3 Lei do voluntariado... 4 Voluntariado no Brasil... 4 Benefício do Voluntariado...

Leia mais

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006

Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA. Comunicação de Progresso - 2006 Bolsa de Valores de São Paulo - BOVESPA Comunicação de Progresso - 2006 Quem somos: Número de funcionários: 781 Número de empresas listadas: 391 Volume financeiro diário: R$ 2,4 bilhões Market Cap: R$

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador

Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador Programa de Voluntariado da Defesa Civil de Salvador PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA DA INFRAESTRUTURA, HABITAÇÃO E DEFESA CIVIL - SINDEC DEFESA CIVIL Rua Mário Leal Ferreira, 80 - Bonocô -

Leia mais

ÍNDICE. Anexo: Modelo de termo de adesão de voluntários e a reprodução da Lei do Serviço Voluntário.

ÍNDICE. Anexo: Modelo de termo de adesão de voluntários e a reprodução da Lei do Serviço Voluntário. ÍNDICE 1. Apresentação... 4 2. O que é o terceiro setor?... 6 3. História do voluntariado no Brasil... 8 4. A força e as formas do voluntariado... 13 5. O coordenador de voluntários... 17 6. Quem é o voluntário?...

Leia mais

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE

EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE EDITAL PARA A SELEÇÃO DE AÇÕES VOLUNTÁRIAS DO PROGRAMA VOLUNTÁRIOS VALE A VALE S.A., no cumprimento de sua missão de transformar recursos naturais em prosperidade e desenvolvimento sustentável, tem implementado

Leia mais

PESQUISA SOBRE VOLUNTARIADO NO BRASIL

PESQUISA SOBRE VOLUNTARIADO NO BRASIL PESQUISA SOBRE VOLUNTARIADO NO BRASIL Voluntário é o cidadão que, motivado pelos valores de participação e solidariedade, doa seu tempo, trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada, para

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 10.629, de 25 de setembro de 2013 EMENTA:Cria no âmbito do Município de Itabuna, o Programa VIV-À-RTE, vinculado administrativamente à Fundação Marimbeta- Sítios de Integração da Criança

Leia mais

Sua empresa é CIDADÃ?

Sua empresa é CIDADÃ? Sua empresa é CIDADÃ? A Câmara de Comércio e Indústria do Estado do Rio de Janeiro (CAERJ) em uma iniciativa inédita está compilando informações corporativas de todos os segmentos: indústria, comércio

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social: MOLDURA MINUTO FRANCHISING LTDA Nome fantasia: MOLDURA MINUTO Data de

Leia mais

Serão destinadas 32 vagas para acadêmicos para o PROEXTENSINO, distribuídas para os Cursos de Graduação, conforme descrito abaixo:

Serão destinadas 32 vagas para acadêmicos para o PROEXTENSINO, distribuídas para os Cursos de Graduação, conforme descrito abaixo: FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO EDITAL Nº002/2013 EDITAL DE SELEÇÃO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO PROEXTENSINO e RESPONSABILIDADE SOCIAL - 2013/2014 A Coordenação de Extensão da Faculdade Católica

Leia mais

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I.

3. Cronograma. Encaminhamento da solicitação de apoio, formatada conforme Roteiro de elaboração de projetos estabelecido no Anexo I. PROPOSTA DE EDITAL O Instituto de Compromisso com o Desenvolvimento Humano, fundado aos 09 (nove) dias do mês de Maio de 2007, tendo como objetivo promover o desenvolvimento humano em diversos âmbitos,

Leia mais

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC

Relatório Anual. CADI Centro de Assistência e Desenvolvimento Integral de SC Resumo da ONG O CADI Palhoça é uma instituição não governamental cujo objetivo é executar, articular e fomentar ações e projetos que facilitem o desenvolvimento de comunidades. Desenvolve projetos em 6

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PMI - Project Management Institute Capítulo Goiânia Goiás Brasil PROGRAMA DE VOLUNTARIADO GOIÂNIA GOIÁS 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Justificativa... 3 4. O Trabalho Voluntário... 4

Leia mais

Missão. fortaleçam a segurança no transporte rodoviário e que qualifiquem o capital humano no setor logístico.

Missão. fortaleçam a segurança no transporte rodoviário e que qualifiquem o capital humano no setor logístico. O Instituto Julio Simões foi criado em 2006 com o objetivo de fortalecer o trabalho social que a JSL realizava junto às comunidades do entorno de suas operações. Seguindo a vocação de sua mantenedora de

Leia mais

Manual do Voluntário

Manual do Voluntário Manual do Voluntário Em grupo você faz o que sozinho seria incapaz ASSUMME ASSOCIAÇÃO PARA UM MUNDO MELHOR CNPJ: 20.499.475/0001-81 Insc. Mun.: 5.001.988-0 Av. Moaci, 313 Moema São Paulo/SP CEP:04083-000

Leia mais

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz

Doar Faz Bem. Capa. Ações que reverberam. Manual de Doações. nazareuniluz.org.br. Nazaré Uniluz Capa Doar Faz Bem Ações que reverberam Manual de Doações www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 www. - (11) 4597-7109 / 4597-7103 / 96473-2851 Este Manual foi criado com o intuito de inspirar,

Leia mais

Radiologia Calendário 2008

Radiologia Calendário 2008 Radiologia Calendário 2008 JANEIRO Confraternização Universal 1 Dia da Gratidão 6 Capacitação de Professores 10 a 12 Início de Módulo 14 TR 64/65/66-5º Módulo 14 TR 67-3º Módulo 14 Início de aulas para

Leia mais

SHOW DE CIDADANIA Funcionários McDonald s realizam mais de 5300 ações Bom Vizinho na comunidade

SHOW DE CIDADANIA Funcionários McDonald s realizam mais de 5300 ações Bom Vizinho na comunidade Nome da empresa: McDonald s Comércio de Alimentos Ltda Data da Fundação: 1979 Número de funcionários: 34 mil Tempo como Franqueador/ Franqueado: 20 anos Localização: Sede: Barueri/ SP e 120 restaurantes

Leia mais

EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO

EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO EDITAL N 001/ 2015 - PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE MONITORES PARA ATUAREM NO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO A SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA, DE BOA SAÚDE/RN, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL VOLUNTARIADO e TRANSFORMAÇÃO SOCIAL SITE: www.voluntariado.org.br Missão Incentivar e consolidar a cultura e o trabalho voluntário na cidade de São Paulo e promover a educação para o exercício consciente

Leia mais

CARTILHA DO VOLUNTÁRIO ABCC Rv3

CARTILHA DO VOLUNTÁRIO ABCC Rv3 CARTILHA DO VOLUNTÁRIO ABCC Rv3 A- O que você precisa saber sobre a Associação beneficente Cristã de Contagem : A Associação Beneficente Cristã de Contagem ABCC, fundada em 04 de agosto de 1985, é uma

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto?

Projetos Sociais da Faculdade Campo Real CIDADANIA REAL 1. O que é o projeto? 2. Em que consistem as atividades do projeto? Projetos Sociais da Faculdade Campo Real A promoção da cidadania é qualidade de toda instituição de ensino consciente de sua relevância e capacidade de atuação social. Considerando a importância da Faculdade

Leia mais

Manual do Voluntário da ABRH-PR

Manual do Voluntário da ABRH-PR Manual do Voluntário da ABRH-PR Elaborado por: Arlete Zagonel Galperin Laísa Weber Prust Curitiba, abril de 2014. 1 O que é ser voluntário na ABRH O voluntário ABRH é um profissional que acredita que o

Leia mais

Programa de Voluntariado FLL

Programa de Voluntariado FLL Programa de Voluntariado FLL Temporada 2013/2014 Para ser um voluntário do Torneio FLL, é preciso ter acima de 18 anos e disponibilidade de horário para atender as atividades oferecidas pela instituição.

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

Categoria Fornecedor

Categoria Fornecedor PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Fornecedor Razão Social: Patrus Transportes Urgentes Ltda Nome Fantasia: Patrus Transportes Data de fundação:

Leia mais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais

Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais Trabalho voluntário: o cidadão em ações sociais O trabalho voluntário vem assumindo um papel expressivo na sociedade. Adeptos da prática vêm de todas as classes sociais. Por Mayara Kelly Há seis anos,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE CNPJ. 88173968/0001-60 Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta POA-RS - CEP: 91150-140 e-mail: acelb@terra.com.br Fone: 3344-18-04-33406840

Leia mais

Inscrições Prêmio ABF-AFRAS. Categoria Franqueador Máster_McDonald s

Inscrições Prêmio ABF-AFRAS. Categoria Franqueador Máster_McDonald s Inscrições Prêmio ABF-AFRAS Categoria Franqueador Máster_McDonald s Nome empresa Arcos Dourados Comércio de Alimentos Ltda. Data de fundação 1979 Número de funcionários 48 mil Localização (cidade e estado

Leia mais

Por um Mundo Melhor. Campanha Solidária. Manual. Caros Voluntários,

Por um Mundo Melhor. Campanha Solidária. Manual. Caros Voluntários, Campanha Solidária Manual Caros Voluntários, Graças à mobilização de centenas de pessoas em todo o País (ministros, membros e frequentadores da Igreja Messiânica Mundial do Brasil), nossa campanha arrecada

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sistema Fiep, visando reconhecer e divulgar boas práticas para o alcance dos Objetivos de

Leia mais

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. 1º Encontro 2011 Aspectos Legais do Voluntariado 09/02/2011

Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial. 1º Encontro 2011 Aspectos Legais do Voluntariado 09/02/2011 Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial 1º Encontro 2011 Aspectos Legais do Voluntariado 09/02/2011 Introdução Uma das principais características legais do voluntariado é o não vínculo empregatício,

Leia mais

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM

III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM III PRÊMIO PARAÍBA ABRAÇA ODM Faça parte desse abraço A Fundação Solidariedade ponto focal do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,braço social do Sistema Correio de Comunicação, é uma Associação

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

SELO ODM PIAUÍ Objetivos de Desenvolvimento do Milênio/ONU 2000-2015 Novo Prazo: 10 de novembro de 2015

SELO ODM PIAUÍ Objetivos de Desenvolvimento do Milênio/ONU 2000-2015 Novo Prazo: 10 de novembro de 2015 SELO ODM PIAUÍ Objetivos de Desenvolvimento do Milênio/ONU 2000-2015 Novo Prazo: 10 de novembro de 2015 REGULAMENTO O NÚCLEO ODM PIAUÍ, com o apoio do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento,

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI)

RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI) RESOLUÇÃO Nº 031/2009 CONSUNI (Alterado pela Resolução 006/2014 CONSUNI) Cria o Programa Institucional de Serviços Voluntários da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC, e dá outras providências.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem!

PROGRAMA EMBRAER DE VOLUNTARIADO Fazer o bem faz bem! MAIS INFORMAÇÕES Entre em contato com a equipe do Instituto Embraer: Ramais 2766, 5701 ou 3611 (SJK) E-mail institutoembraer@embraer.com.br Envio de mensagens pelo Fale Conosco do site www.institutoembraer.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo

Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo Educação para a Sustentabilidade Projeto ESPM Social São Paulo (Escola Superior de Propaganda e Marketing) Apresentação: Prof. Ismael Rocha Prof. Carlos Frederico Lucio São Paulo, julho de 2011 Indicadores

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

Escola Cidadã Sangue Novo no Hemoce

Escola Cidadã Sangue Novo no Hemoce PARCERIA Escola Cidadã Sangue Novo no Hemoce Ajudando a formar cidadãos transformadores que salvam vidas através da doação de sangue. Um projeto da Captação de Doadores e Diretoria de Hemoterapia 1. CONTEXTUALIZAÇÃO

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014.

Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. Portaria nº 73, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe conferem o artigo 105, parágrafo único, III, da Lei Orgânica do Distrito Federal

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE CADASTRO DE INSTITUIÇÕES DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E ADOLESCENTE I INFORMAÇÕES DA ENTIDADE EXECUTORA 01) Nome da Entidade: 02) Endereço da Entidade (rua, avenida... número, complemento): 03) Bairro/vila/Jardim:

Leia mais

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL

MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL MANUAL DO COORDENADOR REGIONAL VOLUNTÁRIO E TERMO DE COMPROMISSO DO COORDENADOR REGIONAL 2010 TURMA DO BEM A Turma do Bem é uma OSCIP Organização da Sociedade Civil de Interesse Público fundada em 2002

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE MARANGUAPE-CE EDITAL N 20/2015 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO PMI-BA Manual do Voluntário

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO PMI-BA Manual do Voluntário PROGRAMA DE VOLUNTARIADO DO PMI-BA Manual do Voluntário Versão 1.0. - Setembro de 2008 Texto adaptado do Manual do Voluntariado do PMI-SP. 1 1. APRESENTAÇÃO Seja bem vindo ao Programa de Voluntariado do

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE INEA CONSELHO DIRETOR CONDIR ATO DO CONSELHO Resolução CONDIR/INEA nº XX, de xx de xxxxx Dispõe sobre

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: FLY IDIOMAS Nome Fantasia: WIZARD Data de fundação: 10/07/2010 Número de funcionários:

Leia mais

PARCERIA Município Cidadão

PARCERIA Município Cidadão PARCERIA Município Cidadão 1. Introdução O Hemoce é a instituição responsável pela execução da política de sangue do Ministério da Saúde no Estado do Ceará, que consiste essencialmente na coleta, no processamento

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016

4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 0 4.2 EDITAL DE INSCRIÇÃO PROBEX Nº 09/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA O ANO DE 2016 A Diretora Geral da Faculdade de Educação São Francisco FAESF, por intermédio da Direção Acadêmica, torna público

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Categoria Franqueador Senior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Senior Dados da empresa Razão Social: Sorridents Franchising Ltda Nome Fantasia: Sorridents Clínicas Odontológicas

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MIRASSOL D OESTE Secretaria de Administração, Planejamento e Coordenação Geral Coordenadoria Administrativa LEI Nº 950 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2010 AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAR PESSOAL PARA ATENDIMENTO AOS PROGRAMAS PETI, API, PROJOVEM E BOLSA FAMILIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO

CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO CONSTRUINDO UM PROJETO DE VOLUNTARIADO ExpedieNte TEXTO Kátia Regina Gonçalves Paulo de Camargo Priscila Cruz COORDENAÇÃO DO PROJETO Sílnia Nunes Martins Prado PROJETO GRÁFICO Linea Creativa ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário Luiz Antônio Jaeger (21) 9702 9194 luizantonio@parme.com.br parme@parme.com. PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Dados da empresa Razão Social Franquipar Franqueadora e Licenciadora de Marcas Ltda. Nome fantasia Parmê

Leia mais

Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS

Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS Associação Brasileira de Doadores e Voluntários do Sangue PLANO DE NEGÓCIOS I Introdução A intenção deste documento é apresentar a estratégia de trabalho da Voluntários do Sangue (VS) para os próximos

Leia mais

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO DO NAE - NÚCLEO DE ACOMPANHAMENTO AO EGRESSO DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O presente Regulamento dispõe sobre a estrutura e modo

Leia mais

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS.

PRINCIPAIS NORTEADORES ESTRATÉGICOS DA UNIMED VALE DAS ANTAS/RS. UNIMED VALE DAS ANTAS, RS - COOPERATIVA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE LTDA Ramo: Cooperativa Médica de Serviços de Saúde Período de Relato: de 27/02/2014 a 24/02/2015 E-mail: rh@valedasantas.unimed.com.br / gerencia@valedasantas.unimed.com.br

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO ACADÊMICO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO ACADÊMICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PLANEJAMENTO ACADÊMICO EDITAL Nº. 027/2014 PROGRAD/UFSM SELEÇÃO DE TUTOR PARA CURSO SEMIPRESENCIAL Inscrição

Leia mais