Sistemas Autônomos e Roteamento na Internet Edgard Jamhour

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Autônomos e Roteamento na Internet Edgard Jamhour"

Transcrição

1 Sistemas Autônomos e Roteamento na Internet Edgard Jamhour O objetivo deste módulo é apresentar a arquitetura atual da Internet, baseada em endereços IPv4. Para isso será abordado o conceito de sistemas autônomos (Autonomous System AS) que é a forma de organização lógica da Internet. Em seguida, serão vistos os protocolos de roteamento usados na Internet e nas redes privadas. Os protocolos de roteamento são utilizados para configurar automaticamente as rotas dos roteadores que formam os backbones da Internet e também as redes privadas. 1

2 Estrutura Física de Redes IP Exemplo ADSL linha de baixa capacidade PPPoE DSLAM linha de alta capacidade B-RAS Broadband Remote Access Server (responsável por autenticar e policiar o tráfego do usuário) Rede Backbone DSLAM usuário acesso núcleo Do ponto de vista físico, a infraestrutura de redes IP pode ser dividida em 3 níveis: usuário, acesso e núcleo (também chamado de core ou backbone). A infraestrutura nível núcleo (backbone) corresponde geralmente a equipamentos e enlaces de alta capacidade pertencentes a operadoras de telecomunicação. Exemplos de tecnologias de comunicação nesse nível são o ATM, SDH, Gigabit-Ethernet. Nesse nível, os dados transportados pelos enlaces são agregados, isto é, eles correspondem a dados de uma grande quantidade de usuários. Os equipamentos utilizados no backbone são geralmente muito caros para serem utilizados ao nível de usuário. Dessa forma, é necessário criar um nível intermediário, com equipamentos mais baratos e velocidades inferiores, a fim de permitir que usuários se conectem ao backbone. Esse nível intermediário é denominado nível de acesso. Um exemplo de tecnologia de nível acesso é o ADSL, conforme mostrado na figura. O ADSL permite que a conexão de rede utilizada pelos usuários seja uma simples linha telefônica. A linha telefônica tem uma capacidade muito inferior àquele utilizada no backbone, de forma que múltiplas linhas telefônicas precisam ser multiplexadas para atingir uma velocidade compatível com o backbone. O equipamento de rede responsável por multiplexar as linhas é denominado: DSLAM: Digital Subscriber Line Access Multiplexer. Geralmente o próprio DSLAM é um equipamento intermediário, sendo necessário ainda um outro nível de multiplexagem realizado por um equipamento denominado B-RAS (Broadband Remote Access Server). 2

3 Exemplo Rede Backbone Rede Backbone operadora 1 operadora 2 Além da multiplexagem, o B-RAS é responsável por autenticar e policiar o tráfego do usuário. O protocolo de autenticação geralmente é o PPPoE (Point-to-Point over Ethernet) ou PPPoA (Point-to-Point over ATM), de acordo com a tecnologia utilizada no nível backbone. A infraestrutura de rede de nível usuário corresponde a tecnologia de comunicação que conecta um usuário ou a uma rede privada até a rede de acessp. Os equipamentos desse nível são comumente chamados de : Customer Premises Equipment ou RG: Residential Gateway. No caso do ADSL, o é um modem que conecta a rede do usuário a uma linha multiplexada pelo DSLAM. Conforme mostra a figura, uma rede backbone pode interligar multiplas redes de acesso. Os backbones, por sua vez são conectados entre si, formado uma grande rede formada por inúmeras operadoras. A rede Internet é uma rede que segue esse princípio. As redes backbones que formam a Internet podem ser de várias origens: redes de empresas de telecomunicação (com fins comerciais), redes do governo e redes de pesquisa. Independente de sua origem, todas essas redes precisam seguir um padrão comum de funcionamento, a fim de que sejam interoperáveis. Esse padrão de funcionamento é baseado no conceito de sistemas autônomos e protocolos de roteamento padronizados. 3

4 Sistema Autônomo (Autonomous System - AS) A B E F G H C D I J SISTEMA AUTÔNOMO 1 X SISTEMA AUTÔNOMO 2 Y Z SISTEMA AUTÔNOMO 3 Para entender como a Internet funciona, duas perguntas precisam ser respondidas: Como as informações são roteadas na Internet? Como as tabelas de roteamento são atualizadas? A resposta a essas perguntas está relacionada a forma lógica e não física de como a Internet está estruturada. Conforme mostra a figura, do ponto de vista lógico a Internet é formada pela conexão de sistemas autônomos. Um sistema autônomo compreende a rede e todo o conjunto de computadores que ela conecta. Se tomarmos como analogia a discussão feita sobre a estruturação física das redes IP, um sistema autônomo compreenderia todos todos os níveis da rede: usuário, acesso ou backbone. Do ponto de vista lógico da Internet, a divisão entre usuário, acesso ou backbone desaparece. Qualquer computador conectado a Internet, precisa pertencer a um sistema autônomo. Por exemplo, um usuário acessando a Internet em sua residência, através de uma linha ADSL, é visto como sendo parte do sistema autônomo do backbone ao qual está conectado. Para que uma rede seja considerada um sistema autônomo (Autonomous System AS), ela precisa ser organizada de forma a seguir alguns princípios fundamentais: 1. Ela deve ser capaz de divulgar suas rotas (os blocos de endereço dos computadores que pertencem ao AS) para outras redes (AS) da Internet. 2. Ela deve possuir os seus próprios endereços IP públicos (registrados). Observe que mesmo uma rede de grande porte, como a rede de um banco, pode não ser um sistema autônomo. Por exemplo, se o banco se conecta a um backbone de uma operadora e utiliza os endereços IP da operadora, ele não é um sistema autônomo, mas sim parte do sistema autônomo que representa a operadora. 4

5 O que é um AS? /24 Conexão com outro AS B I I /24 O AS pode divulgar rotas agrupadas: /16 I I / /24 Um AS é uma rede (coleção de roteadores e computadores) que segue uma arquitetura WAN. Para que a rede de uma instituição possa ser transformada em AS, ela primeiro, precisa obter um conjunto mínimo de endereços IP públicos (registrados) junto as autoridades da Internet. Quando uma instituição se torna um AS, ela passa a ter seus próprios endereços IP, isto é, os endereços utilizados na rede não são obtidos de provedores, mas pertencem a própria instituição. A topologia de uma rede AS possui dois tipos de roteadores: internos e de borda. Os roteadores internos são utilizados para interconectar as redes do AS. As redes internas ao AS podem ser a diversas filiais de uma empresa ou os clientes de uma operadora de telecomunicações. O roteador de borda é utilizado para conectar o AS a outros AS que compõem a Internet. Observe que os roteadores internos precisam conhecer como os vários prefixos estão distribuídos entre as várias redes que pertencem ao AS. Já o roteador de borda (indicado como B, na figura), pode simplesmente divulgar rotas agregadas para os outros AS da internet. Por exemplo, ao invés de divulgar os vários prefixos /24, /24, /24, etc., ele pode divulgar simplesmente a rota /16.

6 Autoridades de Registro de Endereço IANA ARIN RIPE NCC AfriNIC LACNIC APNIC América do Norte Europa, Oriente e Asia Central Africa América Latina e Caribe Ásia e Pacífico Para se tornar um AS, a instituição precisa solicitar um conjunto de IPs registrados junto as autoridades da Internet. O controle global da atribuição de endereços IP é feito pelo IANA (Internet Assigned Numbers Authority). A IANA é responsável por designar quantos blocos de endereço estão disponíveis para cada região do planeta, evitando duplicação ou má distribuição dos endereços. A IANA utiliza 5 autoridades de abrangência regional para agilizar o processo de atribuição dos endereços em todo o mundo. Essas autoridades são: AfriNIC: responsável pela região da África APNIC: responsável pela região Ásia e Pacífico ARIN: responsável pela região da América do Norte LACNIC: responsável pela região da América Latina e algumas ilhas do Caribe RIPE NCC: responsável pela Europa, Oriente Médio e Ásia Central Todas vez que uma empresa solicita se tornar um AS, ela precisa receber um "número de AS", que é único em toda a Internet. A IANA também é responsável por atribuir os números de AS.

7 Exemplos de AS AS PUCPR Número do AS: Prefixos: 3 Endereços IP:8192 Nome: Pontificia Descrição :Universidade Catolica do Parana País: BR Autoridade de Registro: LACNIC Prefixo BGP do endereço /21 AS GOOGLE Número do AS: Prefixos: 109 Endereços: Nome: GOOGLE Descrição: Google Inc. País: US Autoridade de Registro: ARIN Prefixo BGP do endereço google.com Prefix: /17 As figuras ilustram informações parciais de dois sistemas autônomos: PUCPR e GOOGLE. A PUCPR é registrada junto ao LACNIC e o GOOGLE é registrado junto a ARIN. Cada AS possui um número, que é utilizado para identificar o AS ao nível dos protocolos de roteamento da Internet. Nesses exemplos, o AS PUCPR possui o número e o AS GOOGLE possui o número A quantidade de prefixos (blocos de endereços IP contínuos) e endereços IP varia de acordo com o tamanho da instituição. A PUCPR possui três prefixos e 8192 endereços. O GOOGLE possui 109 prefixos e endereços. As entidades de registro (LACNIC, ARIN, etc) possuem bases de dados que permitem obter de forma online informações sobre um AS. É possível também consultar bases de dados para determinar todos os prefixos (blocos de endereços IP) que pertencem a um dado AS. O plugin gratuito para o firefox, que pode ser obtidon o endereço permite identificar o AS de qualquer site da Internet. Os dados mostrados na figura foram obtidos através desse plugin. Para usar o plugin, basta entrar em qualquer site da Internet, que o plugin mostra os dados do AS na barra de status, na parte inferior da janela do firefox. Através do plugin, observamos que o site "pucpr.br" pertence ao prefixo /21, e o site google.com pertence ao prefixo /17. 7

8 Backbone ou AS? Nem todo AS corresponde a um backbone de uma empresa de telecomunicações. A RNP (Rede Nacional de Pesquisa) é um backbone mantido pelo MCP, que oferece serviços de conectividade gratúitos para o governo e instituições de ensino e pesquisa. Uma instituição pode se tornar um sistema autônomo por diversas razões diferentes. Operadoras de telecomunicações precisam se tornar sistemas autônomos a fim de poder prestar a venda de serviços de conectividade para Internet. Nesse caso, a operadora geralmente possui um backbone de grande porte, como o caso da RNP (que é uma operadora gratuita para universidades e instituiçõe do governo). Quando um cliente se conecta a Internet através de um sistema autônomo de uma operadora de telecomunicações, ele é "visto" pelo restante da Internet como sendo parte da rede da operadora. Isso significa que o cliente não precisa se preocupar em instalar protocolos de roteamento em seus roteadores. Essa responsabilidade é do administrador do sistema autônomo (AS). Como consequência, a rede do cliente pode ser bem mais simples e barata. Contudo, muitas instituições que não são operadoras de telecomunicações também podem se tornar AS. Esse é o caso de grandes instituições como bancos, instituições do governo, universidades e multi-nacionais. A vantagem de ser um AS nesse caso é ter total independência em relação ao provedor de acesso. Por exemplo, se um grande banco não for um AS, mas um simples cliente de outro AS, ele precisará trocar todos os endereços IP registrados de sua rede caso decida trocar de provedor. Além disso, é muito difícil conectar a rede da empresa a dois ou mais provedores simultaneamente (para garantir redundância), pois a rede precisaria conter endereços IP de várias operadoras misturados na rede da instituição. Dessa forma, os sistemas autônomos podem ser classificados em vários tipos, de acordo com a finalidade de uso destinada pela instituição que o controla.

9 Tipos de AS AS5 stub sentido de divulgação das rotas [peer] [transit] AS1 non-transit [transit] AS2 transit [transit] AS3 transit [transit] AS4 transit [transit] Os sistemas autônomos podem ser classificados por dois critérios: o primeiro em relação a sua permissão de passagem de tráfego de outros AS, e o segundo em relação a forma de relacionamento comercial com outros AS. Quanto a pemissão de passagem de tráfego de outros AS, a classificação é a seguinte: Stub AS: são ligados à Internet através de um único ponto de saída. Também são chamados de single-homed. Esse tipo de AS corresponde geralmente a instituições privadas que não desejam prestar serviços de telecomunicações para terceiros, apenas se beneficiar da autonomia de ser um AS. Na figura, o AS 5 é um exemplo de stub AS. Transit AS : Sistemas Multihomed (com várias conexões) que permitem que o tráfego de outros AS utilizem suas conexões como passagem. As operadoras que prestam serviços de acesso a Internet (ISP) são desse tipo. Non-Transit: São sistemas multihomed, mas que não permitem transporte de tráfego envolvendo outros AS. Isso significa que apenas o tráfego em que a origem ou o destino é um endereço IP do próprio AS é permitido. Esse é o caso das instituições privadas que possuem mais de uma conexão com a Internet (para redundância), mas não desejam que essa conexão seja utilizada para transportar tráfego de terceiros. O controle de passagem de tráfego é feito através do protocolo de roteamento entre ASs, que controla o sentido de divulgação das rotas. Esse tópico será discutido mais adiante, quando falarmos sobre o BGP, que é o protocolo de roteamento usado na Internet. Quanto a forma de relacionamento comercial, a classificação é a seguinte: Relacionamento Peer: Quando dois AS se interconectam de maneira gratuita, visando benefício mútuo de troca de tráfego, através de um acordo de tráfego multi-lateral (ATM). Quando o relacionamento é comercial, a conectividade é denominada transit.

10 IXP: Internet Exchange Point A interconexão desordenada de sistemas autônomos em forma de uma malha poderia levar a um desempenho muito pobre da Internet, devido a uma grande quantidade de saltos. Por essa razão, foram desenvolvidos locais especiais onde vários sistemas autônomos podem se conectar utilizando apenas um salto. Esses locais são denominados IXP (Internet Exchange Point). Atualmente, a tecnologia mais utilizada para implementar IXP é o Ethernet. O equipamento usado no IXP nada mais é do que um switch de grande capacidade, que recebe, em suas portas, as fibras oriundas dos roteadores de borda de vários AS. Em muitos países a manutenção dos IXP é subsidiada por órgãos públicos. No Brasil além da denominação IXP (ou PIX, Ponto de Troca de Tráfego), a denominação PTT (PTT: Ponto de Troca de Tráfego) também é muito usada. O maior PTT do Brasil é denominado PTTMetro. Esse PPT é mantido pelo Projeto do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGIbr). Ele permite a interconexão direta entre as redes ASs que compõem a Internet Brasileira. O PTTMetro possui vários locais de interconexão (PIX). A figura mostra o PIX Central, localizado em São Paulo, que interconecta vários ASs, como a USP, a Brasil Telecom e Outros.

11 Tipos de Roteadores Conhece todas as rotas da Internet Conhece apenas as rotas no interior do AS /24 A B E EGP F G H C IGP D I IGP J SISTEMA AUTÔNOMO 1 SISTEMA AUTÔNOMO 2 prefixo: /16 L prefixo: /16 M /24 Para que a rede de uma instituição possa se tornar um AS, algumas regras precisam ser respeitadas. Conforme dito anteriormente, os roteadores de um AS são classificados em dois tipos: roteadores internos e roteadores de borda. Os roteadores internos são aqueles que se conectam apenas a roteadores e computadores no interior do AS. Os roteadores de borda, se conectam a roteadores de outros AS. Na figura, apenas os roteadores E, F e L são roteadores de borda. Todos os demais são roteadores internos. Um roteador interno não precisa ser um muito potente, pois ele precisa conhecer apenas as rotas para as redes que pertencem ao próprio AS. Já o roteador de borda precisa conhecer todas as rotas da Internet. Isso faz com que esse roteador seja, geralmente, muito caro. A quantidade de rotas da Internet, atualmente, é superior a Isso faz com que o roteador de borda tenha que ter uma quantidade razoável de memória, e também bastante velocidade para consultar as tabelas de roteamento. O roteador será tanto mais caro quanto maior a velocidade do seu enlace. Se o roteador for de baixa capacidade (com link de menos de 1 Mbps), ele pode até ser implementado com um equipamento de custo reduzido. Contudo, se o link do roteador de borda for da ordem de centenas de Mbps, então seu custo será bastante elevado (dezenas de milhares de dólares). Roteadores de borda atuais precisam suportar aproximadamente rotas (junho 2007) além de mais 50% para rotas privadas de clientes. A fim de processar essas rotas sem grande atraso na propagação dos pacotes os roteadores precisam: Muita memória de acesso rápido e Alta capacidade de processamento. Roteadores com essa capacidade podem ter custos superiores a U$ 50K.

12 Protocolos de Roteamento O roteador dos clientes não precisa de protocolo de roteamento. Basta ele ter uma única rota default para o ISP /24 A B E EGP F G H C IGP D I IGP J SISTEMA AUTÔNOMO 1 SISTEMA AUTÔNOMO 2 prefixo: /16 L prefixo: /16 M /24 No interior de um AS de grante porte, como aquele de um provedor de acesso a Internet (ISP), o processo de atualização de rotas nos roteadores interno e de borda deve ser automatizado, isto é, a configuração das tabelas de roteamento deve ser feita através de protocolos de roteamento padronizados, e não através de configuração manual. Um protocolo de roteamento nada mais é do que um conjunto de mensagens padronizadas trocadas entre os roteadores. Essas mensagens carregam as rotas que um roteador conhece, de maneira que os demais roteadores possam apontar para ele quando precisarem enviar pacotes a um certo destino. Os protocolos de roteamento são classificados em dois tipos: IGP: Interior Gateway Protocol: protocolo de roteamento para roteadores internos e EGP: Exterior Gateway Protocol: protocolo de roteamento entre sistemas autônomos. Os principais protocolos padronizados são os seguintes: IGP: (Informações de Roteamento no Interior do AS) RIP: Routing Information Protocol OSPF: Open Shortest Path First IS-IS: Intermediate System to Intermediate System EGP: (Informações de Roteamento entre ASs) BGP: Border Gateway Protocol Geralmente, o protocol IGP pode ser escolhido livremente pelo administrador do AS. Já o EGP precisa ser padronizado para permitir a interoperação do equipamento de várias instituições distintas. Atualmente, o único protocolo EGP usado na Internet é o BGP.

13 Conceitos Básicos de Roteamento As duas rotas estão da RIB, mas apenas a melhor está na FIB A B ir até E por B com custo 2 E C D ir até E por C com custo 3 Para entender a diferença entre os protocolos BGP, OSPF, RIP, etc é necessário, primeiro, rever alguns conceitos importantes sobre o roteamento. O primeiro aspecto que precisa ser analisado é como um roteador armazena suas rotas. Conceitualmente, um roteador utiliza duas tabelas internas a fim de determinar para onde enviar um pacote para um dado destino: a RIB e a FIB. A RIB (Router Information Base) é o conjunto completo de rotas configuradas no roteador. Na RIB, é possível ter mais de uma rota para um mesmo destino. Independente de quantas rotas existem, um roteador irá sempre utilizar a rota de menor custo até que essa rota deixe de funcionar, ou uma outra rota seja criada. Por isso, os roteadores mantém uma outra tabela, mais otimizada denominada FIB. A FIB (Forwarding Information Base) contém apenas as melhores rotas ativas (as que realmente são utilizadas). Além disso, a FIB pode conter informações necessárias para simplificar o processo de encaminhamento dos pacotes para o roteador vizinho (por exemplo, o endereço MAC do próximo salto para evitar uma consulta ARP desnecessária). Olhando a figura, vemos que o roteador A conhece duas rotas para chegar até uma rede E, uma através de B (com custo 2) e outra através de C (com custo 3). Ambas as rotas estão armazenada em sua RIB, mas apenas a rota de custo 3 está armazenada em sua FIB.

14 Conceitos Básicos de Roteamento estado de enlace A 1 2 B 2 C E D 2 5 F A [5] [4] B E F C [2] D [4] vetor de distâncias O segundo aspecto que precisa ser analisado é como o roteador representa e descobre suas rotas. Em redes IP, dois métodos são utilizados: os algoritmos de estado de enlace (link state) e os algoritmos de vetor de distâncias (distance vector). No método baseado em estado de enlace, cada roteador possui uma representação completa da rede ao qual está conectado na forma de um grafo. Isto é, o roteador sabe como os roteadores estão conectados e qual o custo associado ao enlace de cada roteador. Nesse método, os roteadores não trocam rotas diretamente, mas sim trocam informações sobre seus enlaces e a velocidade de seus enlaces. Uma vez criada a representação interna da rede no roteador, as rotas são calculadas através de um algoritmo de varredura de grafos, como o Dijkstra, para subsequente preenchimento das tabelas RIB e FIB. Por outro lado, no método baseado em vetor de distâncias, nenhum roteador possui o conhecimento completo da rede. Ao invés disso, o roteador possui apenas as rotas, isto é, a informação do próximo salto e do custo associado para um conjunto de destinos conhecidos na rede. Nesse método, os roteadores trocam rotas diretamente, não sendo necessário nenhum tipo de cálculo para determinação das rotas. Apesar do método de vetor de distâncias parecer mais simples, ele é muito limitado. Nessa abordagem, os roteadores perdem muito tempo para reparar danos na rede (substituir rotas melhores defeituosas por rotas alternativas).

15 Vetores de Distância acesso a rede A com custo 1 rede A por A.1 1 B 2 rede A por B2 acesso a rede A com custo 2 rede A acesso a rede A com custo 1 A 1 2 rede A por A.2 1 X C D rede A por C3 acesso a rede A com custo 2 Os protocolos de roteamento que seguem o método do vetor de distâncias são baseados na propagação de rotas, com incremento de custos. Esse método pode ser resumido da seguinte forma: A) Os roteadores divulgam as redes a que estão diretamente conectados por seus enlaces B) Apenas as melhores ofertas são aceitas para cada rede. C) Quando um roteador recebe uma rota, ele a repassa adiante acrescentando a ela o seu próprio custo Na figura, observa-se que o roteador A faz o anúncio de que ele sabe acessar a rede A para os roteadores B e C. O roteador B repassa o anúncio de acesso ao roteador C, adicionando o custo do seu próprio enlace na rota. Dessa forma, o roteador C recebe duas ofertas: uma vinda diretamente de A e outra vinda de B, com o custo acrescido. Nesse caso, a oferta vinda de B é descartada, e apenas a oferta vinda de A é propagada para D. Nesse método, as rotas tem um tempo de vida (TTL), e os roteadores re-anunciam periodicamente suas rotas. As rotas cujo re-anuncio não é recebido dentro do prazo de vida são desativadas. Nesse caso, as rotas de maior custo previamente ignoradas passam a ser aceitas (por exemplo, o roteador C passaria a aceitar a oferta de B, caso parasse de receber a oferta de A). Conforme dito anteriormente, a desvantagem desse método é que o tempo para reparar rotas defeituosas pode ser muito alto. O tempo de atualização das rotas é aproximadamente: nsaltos * TTL. O protocolo RIP segue esse princípio.

16 Estado de Enlace hello hello Link State Database A LSA LSA B Link State Database B novo LSA novo LSA C X A novo LSA novo LSA novo LSA D E Os protocolos de roteamento que seguem o método baseado em estado de enlace são muito mais eficientes que os de vetor de distância, mas podem exigir roteadores um pouco mais sofisticados para serem implementados. Nesse método, cada roteador mantém um banco de dados completo com a descrição de toda topologia da rede (link state database). Incialmente, nesse método, os roteadores descobrem se existem outros roteadores (roteadores vizinhos) que suportam o mesmo protocolo através de mensagem Hello. A mensagem de Hello também é utilizada para verificar se os vizinhos continuam ativos (isto é, como mensagens de keep alive). Uma vez conhecido seus vizinhos, os roteadores trocam informações sobre a topologia da rede (roteadores e seus enlaces). Os roteadores parceiros sincronizam sua base de estado de enlace através de mensagens que transportam anúncios de novos enlaces (Link State Advertisement - LSA). Quanto o protocolo é ativado pela primeira vez nos roteadores da rede, existe uma grande quantidade de informações trocadas. Todavia, após as informações das bases de estado de enlace terem sido sincronizadas, as mensagens de atualização de estado (LSA) serão enviadas somente se um novo enlace for adicionado ou removido. Isso faz com que esse tipo de protocolo seja mais adequado para redes de grande porte. Igualmente, o roteador já possui localmente todas as informações necessárias para calcular rotas alternativas no caso de falha de seus vizinhos, fazendo com que a recuperação em caso de falhas seja muito mais rápida. Os protocolos OSPF e IS-IS são exemplos de protocolos de estado de enlace.

17 Dijkstra Shortest Path First (SPF) Princípio: Encontrar o menor caminho entre um dos nós da rede e todos os demais Estratégia: Escolher sempre o melhor nó adjacente Atribuir custos acumulativos a cada nó da rede 0 A B E 2 F 1 1 C 5 D No método baseado em estado de enlace, cada roteador constrói uma representação completa da rede na forma de um grafo, conforme indicado na figura. A tabela de roteamento é preenchida através de um algoritmo que varre o grafo e determina as melhores rotas do roteador para cada um dos destinos possíveis (isto é, para cada uma das interfaces dos demais roteadores). O algoritmo mais utilizado para essa finalidade é o Dijikstra. Os principais conceitos desse algoritmo são mostrados na figura. Suponha que o algoritmo está sendo executado no roteador A. O roteador A determina que o melhor caminho para chegar ao roteador C é usar o enlace AC. Dessa forma, ele atribui o custo 1 (em vermelho) para a rota AC. Para chegar até o roteador B, existem duas alternativas: AB com custo 5 ou ACB com custo 4. O roteador decide então que o melhor caminho para chegar até B é ACB, e atribui o custo 4 para o caminho. A partir desse momento, qualquer rota que passe por B utilizará sempre o trajeto ACB, de forma que esse teste não precisa mais ser efetuado. Esse procedimento se repete até que uma rota cada um dos demais destinos da rede seja encontrada. Existem variações no algoritmo Dijikstra. O constrained shortest path first (CSPF) permite impor restrições adicionais ao invés de escolher simplesmente o caminho mais curto. As restrições podem ser de várias naturezas: restringir o uso de enlaces indisponíveis, pouco confiáveis ou muito lentos (menos banda). Duas técnicas são utilizadas: aparar enlaces indesejáveis (eliminá-los do grafo - prunning) e criar uma nova métrica que incorpora outras restrições em seu cálculo. O CSPF deve ser usado com cautela, pois todos os roteadores precisam usar a mesma métrica, ou poderão ser criadas rotas em loop. A versão sem restrições é ainda a mais usada atualmetne. Observe que pela estratégia do Dijikstra, apenas uma rota é escolhida para cada destino. Mesmo quando dois caminhos de custo idêntico são encontrados, o primeiro a ser descoberto é mantido. Em alguns roteadores com suporte ao ECMP (Equal Cost Mutipath), é possível utilizar mais de um caminho quando existem alternativas idênticas de menor custo. Nesse caso, os roteadores procurar efetuam balanceamento de carga entre caminhos de custo idêntico.

18 Divisão em Áreas área B resumo das outras áreas (rotas agregadas) resumo ABR resumo ABR: Roteador de Borda de Àrea estado completo da própria área ABR resumo ABR Roteador Intra-Area área A área C Em um protocolo de estado de enlace os roteadores necessitam de memória para armazenas as informações da topologia da rede e capacidade de processamento para descobrir rotas a partir do grafo de topologia. Supondo que n é o número de enlaces total da rede (isto é, a soma de enlaces de todos os roteadores da rede), então a quantidade de recursos gasta em cada roteador pode ser estimada da seguinte forma: Memória para armazenar o grafo: cresce linearmente com n. Capacidade de processamente necessária para varrer o grafo: cresce entre n* log(n) e n^2. Por essa razão, para prover escalabilidade em redes de grade porte, os protocolos de estado de enlace adotam o conceito de divisão em áreas, conforme ilustrado pela figura. O objetivo da divisão em áreas é reduzir a quantidade de informação que cada roteador precisa conhecer sobre a rede. Nessa abordagem, um roteador tem conhecimento completo apenas dos roteadores que estão na mesma área que ele, e apenas um sumário das informações das outras áreas. O sumário das outras áreas nada mais é do que um conjunto de rotas agregadas (isto é, dependendo dos prefixos, todas as rotas de uma área estrangeira podem ser representadas por uma única rota). Nessa abordagem, os roteadores são classificados em dois tipos: os roteadores intra-área e os roteadores de borda de área (ABR). Os roteadores intra-área trocam informações completas de estado de enlace dentro de suas áreas. Já os roteadores ABR trocam apenas rotas sumarizadas com outros ABR.

19 Vetores de Caminho /24 via SA /24 Y Z /24 via SA3 X W SA3 EGP C B D E EGP F I G /24 via SA3, SA1 J SA /24 via SA3, SA2 SA1 Conceitualmente, é possível definir um terceiro método de propagação de rotas denominado vetor de caminho. O método de vetor de caminho é bastante similar ao método de vetor de distância, contudo, nesse método, uma lista completa de saltos da origem até o destino é incluída nas ofertas de rota trocadas entre os roteadores. O objetivo principal dessa lista é evitar a criação de loops. O protocolo BGP, utilizado para toca de rotas entre sistemas autônomos, segue o princípio do vetor de caminho. Para ilustrar esse conceito, considere a figura que ilustra uma rede formada por três sistemas autônomos: SA1, SA2 e SA3. Considere, no exemplo, que o roteador de borda do SA3 (Z) deseja informar para os demais AS que é possível chegar a rede /24 através dele. A oferta de rota é feita para o roteador E do SA2 e para o roteador F do SA1. A oferta inclui o vetor de caminho, que é uma lista de sistemas autônomos e não de roteadores. Quando um roteador de borda recebe uma oferta, ele passa a oferta para frente incluindo também o seu número de AS no vetor de caminho. Dessa forma, a oferta de acesso a rede /24 é repassada para o roteador F do SA1 pelo roteador E do SA2, incluindo também o código do SA2. Observe que no exemplo, o SA2 é um AS do tipo transit, pois ele repassou a oferta de rota do SA3 para o SA1. Caso o SA2 fosse do tipo non-transit, o repasse da rota não seria feito.

20 Protocolos para Redes IP Vetor de Distâncias RIP (Routing Information Protocol) Estado de Enlace OSPF (Open Shortest Path First) Vetor de caminho BGP (Border Gateway Protocol) Na seqüência desse módulo serão estudados três protocolos relacionados a configuração de rotas em redes IP: RIP, OSPF e BGP. Os protocolos RIP e OSPF são do tipo IGP, isto é, eles são utilizados para troca de informações de roteamento no interior de um AS. Já o protocolo BGP é um protocolo EGP, isto é, ele é utilizado para troca de informações entre sistemas autônomos distintos. Como vimos, o protocolo RIP é do tipo "vetor de distâncias". Esse protocolo é considerado bastante ineficiente para redes de grande porte, não sendo utilizado, na prática, em sistemas autônomos de grande porte. Contudo, seu estudo é importante, principalmente para entender a diferença com relação a outros protocolos. O OSPF segue o método de "estado de enlace", e é um dos protocolos mais utilizados como IGP. O outro protocolo bastante usado como IGP é o IS-IS (Intermediate System to Intermediate System). Nesse módulo, apenas o OSPF será estudado, pois ambos os protocolos trazem muitas similaridades. O BGP é o único protocolo utilizado como EGP. Como veremos, esse protocolo é bastante diferente dos anteriores, pois além de ser do tipo "vetor de caminho", ele é o único que funciona sobre TCP.

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP

Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Redes de Computadores Protocolos de Roteamento t Dinâmico i I RIP Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br 1 Roteamento Relembrando: O roteamento IP consiste em duas fases: 1. Como repassar um pacote de uma

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com Professor Guerra Faculdades Santa Cruz Ab.guerra@gmail.com Protocolo BGP Conceitos de Internet a Internet é um conjunto de redes distintas, agrupadas em estruturas autônomas (AS); um AS não está relacionado

Leia mais

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III

PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04. Administração de Redes III Trabalho: PROJETO INTEGRADO GTI2012M-04 Cadeira: Administração de Redes III Data: 23/03/2013 Aluno: Revisões: 1.2 Impresso em 22/04/2013 Página 1 de 22 RESUMO Este documento faz uma análise técnica das

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES MPLS BGP PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução ao BGP Sistema Autonômo Fundamentos do BGP Sessão BGP Cabeçalho BGP Mensagem BGP Tabelas BGP Estados do BGP Border Gateway Protocol (BGP)

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes: Endereços IP Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede Na Internet, endereços são únicos e atribuídos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Leia mais

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF

PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO RIP e OSPF Monografia apresentada na disciplina Laboratório de Redes II no Mestrado de Redes de Computadores da UNIFACS. Alunos : Manoel Carvalho Marques Neto manoel.netom@unifacs.br

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes

Leia mais

O Protocolo OSPF. 1. Introdução

O Protocolo OSPF. 1. Introdução O Protocolo OSPF Jailton Santos das Neves, Waldeck Ribeiro Torres Departamento de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense UFF Niterói RJ Brasil jaineves@ig.com.br, waldeck@spymac.com

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer

Protocolo de roteamento EIGRP. kraemer Protocolo de roteamento EIGRP Cronograma Introdução Formato das mensagens Módulos independentes de protocolos Tipos de pacote Protocolo Hello Atualizações associadas Algoritmo DUAL Distância administrativa

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless

CISCO Networking Academy. copyright Thiago MacAllister, 2006 C C N A. versão 3.1. Aulas. 3º Semestre Capítulo 1. Introdução ao Roteamento Classless CISCO Networking Academy 3º Semestre C C N A versão 3.1 2006 Índice 1.1 VLSM 1.1.1 O que é VLSM e por que ele é usado 1.1.2 Desperdício de endereços 1.1.3 Quando usar VLSM 1.1.4 Cálculo de sub-redes com

Leia mais

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO

CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO CURSO AVANÇADO DE BGP DESIGN COM ROTEADORES CISCO Instrutor: Rinaldo Vaz Analista de Redes Responsável técnico pelo AS 28135 Versão do material: 1.0 1.1 INTRODUÇÃO autor: Rinaldo Vaz rinaldopvaz@gmail.com

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.5 Algoritmos de Roteamento Capítulo 4.6 Roteamento na Internet Prof. Jó Ueyama Abril/2011 SSC0641-2011 1 Rede Roteador default? saltos? rotas? SSC0641-2011 2 Roteamento

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico Link State OSPF 1 Algoritmos de encaminhamento estado das ligações (link state) 2 Os protocolos do tipo Link State mantêm uma tabela de informação topológica muito

Leia mais

São Paulo, Brasil 24 de Novembro de 2014

São Paulo, Brasil 24 de Novembro de 2014 São Paulo, Brasil 24 de Novembro de 2014 PTT.br Definição de Conexão PTT Fórum 8 Galvão Rezende Equipe de Engenharia PTT.br PTT.br Referência IXP - Internet exchange Point

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao

Exercícios de Revisão Edgard Jamhour. Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Exercícios de Revisão Edgard Jamhour Quarto Bimestre: IPv6 e Mecanismos de Transiçao Questão 1: Indique a qual versão do IP pertence cada uma das características abaixo: ( ) Verifica erros no cabeçalho

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 05 - OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt OSPF. Suporte para diferentes tipos de redes. Encaminhamento hierárquico no OSPF. IS-IS. IGRP.

Leia mais

O Protocolo RIPv1. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo RIPv1. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br O Protocolo RIPv1 Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br RIP Routing Information Protocol É o protocolo distance vector mais antigo e ainda em grande uso. Possui duas

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico As principais vantagens do roteamento dinâmico são: Simplifica o gerenciamento da rede. Viável em grandes

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro

PTTMetro. Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010. Equipe de Engenharia PTTMetro <eng@ptt.br> PTTMetro Interconexão de Sistemas Autônomos (AS) 15 Agosto 2010 Equipe de Engenharia PTTMetro 1 Sobre o CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) Criado em maio de 1995 Pela Portaria

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 OSPF Open Shortest Path First - OSPF Protocolo aberto e padronizado pelo IETF (RFC 2328), o que permite que diversas plataformas

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro. Oripide Cilento Filho. NIC.br

Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro. Oripide Cilento Filho. NIC.br Ponto de Troca de Tráfego na Internet Projeto PTTmetro Oripide Cilento Filho NIC.br Agenda Governança da Internet O CGI.Br e o NIC.Br Internet Arquitetura e Operação Sistemas Autônomos Princípios do protocolo

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito 1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos. Boas Práticas BGP. Formação para Sistemas Autônomos Boas Práticas BGP Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos:

Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: NRSYSTEM SOLUÇÕES Fundamentos de Design de Interfaces para Internet Este documento é propriedade intelectual 2013 do Núcleo de Educação a distância da NRsystem e distribuído sob os seguintes termos: 1.

Leia mais

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.

» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente. PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO» O roteador em uma rede geograficamente distribuída é um dos principais dispositivos responsáveis pelo sucesso do ambiente.» Roteadores são os dispositivos responsáveis pelo recebimento

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais