Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas."

Transcrição

1 ATA NÚMERO TRÊS Ao vigésimo sétimo dia do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas dez horas realizou-se, nos termos do artigo 25 dos estatutos da AEFEUP, a Assembleia Geral Extraordinária número dois na sala B031 da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Não se verificando o quórum mínimo à hora marcada, a AG deu início às dez horas e trinta minutos com a presença de 22 sócios. A ordem de trabalhos foi a seguinte: 1. Informações; 2. Apreciação e votação do Balancete económico de atividades, balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014; 3. Parecer do CF relativo ao Balancete económico de atividades, balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014; 4. Outros assuntos A MAG, tomou a palavra na pessoa do seu 1º Secretário, Pedro Kretschmann, de forma a iniciar a terceira Assembleia Geral Extraordinária, explicando que assume a presidência da MAG na presente Assembleia Geral devido à ausência do Presidente por motivos profissionais. Explica também que o segundo Secretário, João Brochado, assume assim a posição de primeiro Secretário e a posição de segundo Secretário é ocupada pelo Presidente do Conselho Fiscal, Mário Xavier. Pedro Kretschmann no papel de Presidente, pede a apreciação da ata da AG Extraordinária número dois. Os associados Filipe Teixeira e José Pedro Nunes sugerem alterações na ata da assembleia geral extraordinária anterior. Pedro Kretschmann no papel de presidente, pede a votação da ata da AG Extraordinária número dois, propondo-se a fazer as alterações após a presente Assembleia Geral. A ata é aprovada com 18 votos a favor e 4 abstenções. O associado Filipe Teixeira sugere uma alteração à atual ordem de trabalhos, sendo introduzido um novo ponto quatro e alterando o ponto número dois excluindo a apreciação do Balancete económico de atividades, sendo esta alteração aprovado pela Mesa de Assembleia Geral, passando a ordem de trabalhos a ser a seguinte: 1. Informações; 2. Apreciação do balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014; 3. Parecer do CF relativo ao Balancete económico de atividades, balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014; 4. Votação do balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de Outros assuntos; i

2 Mário Xavier, presidente do Conselho Fiscal, toma a palavra de forma a fazer um esclarecimento em relação aos pareceres emitidos por este órgão, referindo também que não via razão para abrir um processo de inquérito, mas que após o associado Filipe Teixeira ter pedido este teria que ser obrigatoriamente aberto. Mário Xavier sugere que sejam feitas alterações aos estatutos de forma a que os prazos de entrega de documentos fiscais sejam de acordo com os prazos possibilitados pelo contabilista, evocando que previamente em dois mil e doze já haviam sido feitas alterações nos estatutos. Filipe Teixeira pede um esclarecimento em relação ao cariz da alteração feita, ao qual Mário Xavier esclarece. Filipe Teixeira, solicita à MAG uma defesa de honra, afirmando que o inquérito não deveria ter sido arquivado sendo que em relação ao IPDJ não foram cumpridas as exigências para o apoio financeiro devido a quebra dos estatutos. Acrescenta que os estatutos só deverão ser alterados caso se verifique a impossibilidade de cumpri-los e sendo que nem o relatório intercalar foi apresentado, deveria haver consequências para os membros que considera responsáveis. Finaliza afirmando que vai proceder por vias legas de maneira a fazer valer o cumprimento dos estatutos por parte da AEFEUP. Pedro Kretschmann faz a passagem ao segundo ponto da ordem de trabalhos Apreciação do balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014, com a passagem da palavra a Wilson, que procede à apresentação dos documentos cedidos pelo contabilista, sugerindo uma suspensão da Assembleia Geral para leitura e estudo dos documentos. Filipe Teixeira sugere uma alternativa pedindo que Wilson Cândido faça uma apresentação guiada dos documentos, sendo que este refere que pode abordá-los dentro dos seus conhecimentos mas que não poderá dar grandes informações devido ao fato de não se encontrar a par dos termos usados no documento. Filipe Teixeira pede um esclarecimento em relação aos valores que estão no balanço individual, Wilson esclarece que estes são acumulados das encomendas, referindo ainda que os valores não estão separados do mandato anterior dificultando a sua tarefa no que toca à alocação de custos, assegurando no entanto que no que toca ao seu mandato estes são devidos às encomendas. Filipe Teixeira pede novo esclarecimento pelo fato dos valores do ativo serem bastante díspares do passivo, ao qual Wilson esclareceu. Filipe Teixeira pede um esclarecimento em relação aos valores do resultado antes dos impostos e líquido do período por estes terem valores iguais referindo que a AEFEUP paga IRC, o que levaria a uma diferença nos valores e questiona ainda a simplicidade do documento apresentado na presente Assembleia Geral. Wilson Cândido esclarece que acredita que o documento se encontra completo e é o suficiente para a apreciação do ano fiscal da AEFEUP. Filipe Teixeira pede esclarecimento acerca das datas em que foram enviados, sendo que Wilson esclarece que estes foram disponibilizados assim que estavam na sua posse. ii

3 Pedro Kretschmann abre o período de intervenções passando a palavra a Filipe Teixeira que afirma que resumir os movimentos relativos a um ano fiscal a três páginas é muito pouco e faz uma pequena apresentação de documentos que foram elaborados e expostos em Assembleia Geral por este mesmo quando era tesoureiro da AEFEUP. Passagem da palavra a José Nunes que faz um pedido de esclarecimento em relação à validade e veracidade dos documentos que foram apresentados, por não ter nenhum comprovativo da origem dos mesmos, referindo também que os documentos apresentados podem estar desatualizados ao qual Filipe Teixeira esclarece dizendo que os apresentou como forma de comparação em relação aos documentos apresentados no atual mandato. Pedro Kretschmann dá por encerrado o período de intervenções e passa assim ao ponto terceiro Parecer do CF relativo, balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014, passando a palavra a Mário Xavier, Presidente do Conselho Fiscal, que solicita à MAG a apresentação de uma moção de confiança em nome do Conselho Fiscal. A MAG aceita a proposta (em anexo) e esta é apreciada e votada, tendo sido aprovada com 23 votos a favor e duas abstenções. Pedro Kretschmann passa a palavra a Filipe Teixeira que faz uma declaração de voto, explicando que se abstém pelo fato de ainda não ter sido apresentado o parecer e como tal achar que não se sente confortável em votar a moção. Mário Xavier apresenta o seu parecer (em anexo) como presidente do Conselho Fiscal. Passagem da palavra a Filipe Teixeira que pede um esclarecimento quanto à diferença de assinaturas nos documentos fiscais, este também refere que o contabilista que redigiu os documentos não parece encontrar-se inscrito nos registos dos técnicos oficiais de contas, o que é um requisito necessário para que possa elaborar os relatórios de contas da AEFEUP, pedindo assim ao Conselho Fiscal que verifique a veracidade dos documentos cedidos. Mário Xavier esclarece que não é da leitura do Conselho Fiscal que lhe compita verificar a veracidade de um Técnico Oficial de Contas. Pedro Kretschmann abre o período de intervenções não sendo feita qualquer intervenção, passando desta forma ao quarto ponto Votação do balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de Pedro Kretschmann passa a palavra a Filipe Teixeira que inicia o ponto fazendo um apelo ao voto afirmando que os associados deverão votar com consciência baseando-se em todos os factos que têm sido discutidos e expostos ao longo das últimas Assembleias Gerais. Pedro Kretschmann passa a palavra a Wilson Cândido que faz um apelo ao voto, afirmando que os associados devem votar com confiança baseando-se nos resultados dos esforços da Direção ao longo do ano. Afirma ainda que nem tudo o que é dito pelo associado Filipe Teixeira deve ser levado a sério sendo que no passado este já teria tido problemas de boa conduta em Assembleia Geral. Filipe Teixeira pede esclarecimento ao qual Wilson Cândido afirma não ter nada a acrescentar. iii

4 Pedro Kretschmann passa assim à votação do balanço, demonstração de resultados e demonstração do fluxo de caixa da AEFEUP para o ano fiscal de 2014, sendo este aprovado com vinte e um votos a favor e dois votos contra. Pedro Kretschmann passa assim ao último ponto da ordem de trabalhos Outros Assuntos, passando a palavra a Wilson Cândido que leu um comunicado redigido pela presidência da AEFEUP. Filipe Teixeira pede a palavra de forma a fazer uma defesa de honra, referindo que redigiu o dinâmico após ter sido cancelada a Assembleia Geral de dia vinte e três de Maio de Refere novamente que está na lei que o IPDJ pede que sejam cedidos os documentos fiscais atempadamente não o tendo sido cumprido, afirma também que vai ler a declaração lida por Wilson Cândido e apresentar a sua reclamação nos órgãos próprios. Filipe Teixeira defende também que a sua posição em Assembleia Geral sempre foi defender o cumprimento dos estatutos e refere que a AEFEUP os devia ter cumprido e refere também que está no seu direito de discordar com as atitudes e decisões tomadas pela AEFEUP. Assume que as suas intervenções foram feitas no intuito de tornar o processo eleitoral claro e transparente para que não restassem dúvidas e pudesse votar favoravelmente nos documentos. Pedro Kretschmann abre o período de intervenções, sendo passada a palavra a José Pedro Nunes que afirma que se voltaram a ouvir meias verdades e afirma que se alguém teria algo a protestar quanto a uma lista ou membro devia ser feita aos órgãos competentes como este o fez aquando da suspensão do processo eleitoral e não por dinâmico. Afirma ainda que ouvindo meias verdades os associados ficam mal instruídos e uma vez que se enumera os estatutos, há que ter uma postura seria em relação a estes. Enunciou alguns artigos dos estatutos, incluindo o 55º e 56º, alínea c). Acabando a sua intervenção passou a MAG então à leitura da minuta para que esta pudesse der votada. A minuta foi aprovada com unanimidade com vinte e três votos a favor. Às doze horas e trinta sete minutos a Assembleia Geral deu por findada. iv

5 Moção 1 Esta Assembleia Geral confia nos trabalhos do Conselho Fiscal, nomeadamente no resultado das diligências por este tomadas, e suas condutas. Mário Xavier /05/2015 v

6 Conselho Fiscal da Associação de Estudantes da Faculdade De Engenharia da Universidade do Porto Parecer do Conselho Fiscal No seguimento do pedido efetuado pela Mesa de Assembleia Geral no dia 22 de Maio de 2015, no âmbito do Artigo 40º, alínea d), dos estatutos da AEFEUP, vem o Conselho Fiscal da AEFEUP emitir um parecer sobre o Balanço da Gerência da AEFEUP, no mandato 2014/2015. Parece ao Conselho Fiscal que: 1 - Os resultados divulgados até Dezembro de 2014 são altamente positivos, mostrando uma excelente Gerência que dotou a AEFEUP de condições financeiras ímpares para o ano de O motivo de um fluxo de caixa negativo até Dezembro de 2014 não é preocupante nem em valor, nem em natureza, correspondendo a faturas que, à data, haviam sido emitidas mas não pagas. 3 Os estatutos da AEFEUP devem ser urgentemente alterados por forma a fazerem coincidir os prazos estatutariamente definidos para entrega de documentação contabilística, com o tempo real de trabalho necessário para a sua elaboração, por forma a facilitar a apresentação das contas aos membros da AEFEUP, eliminando assim uma questão que tem sido recorrente. 4 Existiu uma boa colaboração com a Direção da AEFEUP, especialmente com a sua Tesouraria, na pessoa de seu Tesoureiro Wilson Cândido. 5 Não há motivo para acreditar que os documentos relativos ao restante mandato não serão entregues, já que a Direção tem cumprido sempre com os prazos reais do seu contabilista, tendo oportunamente divulgado esses prazos aos membros da AEFEUP. Porto, 27 de Maio de 2015 P/ Conselho Fiscal, Mário Xavier vi

Às dezasseis horas e quarenta e dois minutos a Assembleia Geral deu por findada.

Às dezasseis horas e quarenta e dois minutos a Assembleia Geral deu por findada. ATA NÚMERO QUATRO Ao décimo terceiro dia do mês de Maio de dois mil e quinze, pelas quatorze horas realizou-se, nos termos do artigo 25 dos estatutos da AEFEUP, a Assembleia Geral Ordinária número quatro

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto)

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto) REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O funcionamento da Assembleia Geral rege-se pelo disposto no presente Regulamento e pelas demais disposições dos Estatutos

Leia mais

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE

EDITAL (Nº.31/09. Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO VERDE EDITAL (Nº.31/09 Francisco José Caldeira Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde: Torna público que, em reunião do executivo realizada no dia 11 de Novembro do ano corrente, foi aprovado

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BORBA. Artigo 1º (Promoção das Eleições)

REGULAMENTO ELEITORAL DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BORBA. Artigo 1º (Promoção das Eleições) REGULAMENTO ELEITORAL DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BORBA Artigo 1º (Promoção das Eleições) 1 A promoção das eleições é da responsabilidade da Mesa da Assembleia Geral da Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

PARECER N.º 198/CITE/2012

PARECER N.º 198/CITE/2012 PARECER N.º 198/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhador no gozo de licença parental, por facto imputável ao trabalhador, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento da Assembleia Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza A Assembleia Geral é o órgão deliberativo máximo do Fórum Académico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS

REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS REGRAS DE PROCEDIMENTO DA CONFEDERAÇÃO PARLAMENTAR DAS AMÉRICAS 1. Desenvolvimento das reuniões do Comitê Executivo 1.1 Ordem do dia 1.2

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES COMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Comissão de Política Geral reuniu no dia 11 de junho de 2014, na delegação de Ponta Delgada da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, a fim de apreciar, relatar e dar parecer

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL. ARTIGO 1.º Reuniões REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL POMBAL ARTIGO 1.º Reuniões 1- As reuniões da Câmara realizam-se habitualmente nos Paços do Concelho, podendo realizar-se noutros locais, quando assim for deliberado. 2- As

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

ATA N.º 75 Mandato 2009-2013. Data da reunião extraordinária: 12-07-2012 Local da reunião: Sala das reuniões da Câmara Municipal de Santarém

ATA N.º 75 Mandato 2009-2013. Data da reunião extraordinária: 12-07-2012 Local da reunião: Sala das reuniões da Câmara Municipal de Santarém REUNIÃO DO EXECUTIVO MANDATO 2009-2013 DE 12-07-2012 83 Data da reunião extraordinária: 12-07-2012 Local da reunião: Sala das reuniões da Câmara Municipal de Santarém Início da reunião: 09:10 horas Términus

Leia mais

Ata da Assembleia-geral extraordinária

Ata da Assembleia-geral extraordinária Ata da Assembleia-geral extraordinária 16 de outubro de 2014, 15h00 Lisboa Auditório do Centro de Medicina Desportiva (Estádio Universitário de Lisboa) Aos dezasseis dias do mês de outubro do ano de Dois

Leia mais

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA REGIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇAO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I Da Assembleia Geral Artigo 1 Natureza A Assembleia Geral é constituída por todos os associados no pleno gozo dos seus

Leia mais

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 mod. EXP 14.1 Aos vinte e sete dias do mês de Abril do ano de dois mil e nove, reuniu no Salão Nobre dos Paços do

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, estatui na alínea a) do artigo 39.º que compete à Câmara Municipal, no âmbito do seu funcionamento, elaborar e

Leia mais

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO

CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL ADITAMENTO ADITAMENTO 27 de abril de 2015 GLINTT GLOBAL INTELLIGENT TECHNOLOGIES, S.A. Sociedade Aberta Sede Social: Beloura Office Park, Edifício 10, Quinta da Beloura, 2710-693 Sintra Capital Social: 86.962.868,00

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP)

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho na Administração Publica (SIADAP) REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO COORDENADOR DA AVALIAÇÃO O Decreto Regulamentar n.º 18/2009, de 4 de setembro, procedeu

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE CONDÓMINOS 6 DE JULHO DE

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE CONDÓMINOS 6 DE JULHO DE Ata n.º 37.... ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE CONDÓMINOS de 6 DE JULHO DE 2013 Aos seis dias do mês de Julho de dois mil e treze, pelas dez horas e vinte minutos, reuniu em segunda convocatória a Assembleia

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo O Regimento da Câmara Municipal De Vila Franca do Campo foi elaborado de acordo com a alínea a) do número 1 do Artº 64º da Lei n.º 169/99,

Leia mais

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa

Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proposta de alteração aos Estatutos da Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa Proponentes: André Caldas, Francisco Rodrigues dos Santos, Gonçalo Carrilho TÍTULO I Disposições Gerais CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017 EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL PARA DIRETORIA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA ELEIÇÃO 2015 GESTÃO 2016/2017 A Associação Brasileira de Fisioterapia Traumato-Ortopédica

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores A pretende impulsionar as actividades de Responsabilidade Social em Angola, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Leia mais

PERMANÊNCIA DO SPGL NA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE QUADROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS. Organização e Direcção do Processo

PERMANÊNCIA DO SPGL NA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE QUADROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS. Organização e Direcção do Processo SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa PERMANÊNCIA DO SPGL NA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE QUADROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS METODOLOGIA A SEGUIR NA CONSULTA AOS ASSOCIADOS (Aprovada na Assembleia

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS

JUNTA DE FREGUESIA DE GALVEIAS MINUTA DA ATA NR.8/2014 MINUTA DA ACTA DA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA REALIZADA NO DIA DEZASSETE DE ABRIL DO ANO DE DOIS MIL E QUINZE ---------------------------------------------------------------------- ---------

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 195/12.0TBPNF Tribunal Judicial de Penafiel 3º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE) de Santos

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto

REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1. Objeto REGULAMENTO ELEITORAL PARA O CONSELHO GERAL DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1. Objeto O presente Regulamento estabelece o regime de eleição dos membros que integrarão

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos locais de Educação. A Lei 169/99, de 18

Leia mais

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto

Regulamento. Conselho Municipal de Desporto Regulamento Conselho Municipal de Desporto 30.abril.2015 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM CONSELHO MUNICIPAL DE DESPORTO Preâmbulo Considerando que as autarquias, pela sua proximidade com a população, são

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho

SEGURANÇA & SAÚDE NO LOCAL DE TRABALHO. Conheça os seus direitos! UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES. Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho UNIÃO GERAL DE TRABALHADORES Direito à prestação de trabalho em condições de Segurança e Saúde O direito de todos os/as trabalhadores/as à prestação do trabalho em condições de Segurança e Saúde encontra-se

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita

REGIMENTO CONSELHO GERAL. Agrupamento de Escolas da Moita Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita REGIMENTO do CONSELHO GERAL do Agrupamento de Escolas da Moita 2012 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza, responsabilidade,

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES PARA 2013 Índice CERTIFICAÇAO DOS PROGRAMAS DE FATURAÇAO... 3 DECRETO-LEI Nº 197/2012... 4 FATURAS... 5 PRAZO PARA EMISSÃO DAS FATURAS:... 5 ELEMENTOS E MENÇÕES EXIGÍVEIS NAS FATURAS...

Leia mais

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore

CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore CONCURSO PARA CONCEPÇÃO DA IDENTIDADE GRÁFICA DA MARCA Silvares Terra da Música e do Folclore A Junta de Freguesia de Silvares em parceria com a Comissão Representativa do Movimento Associativo da Freguesia

Leia mais

O Conselho de Administração tomou as seguintes deliberações: -------------------------------------------------

O Conselho de Administração tomou as seguintes deliberações: ------------------------------------------------- ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA EMPRESA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO HABISOLVIS REALIZADA NO DIA TRINTA E UM DO MÊS DE MAIO DE DOIS MIL E TREZE. ------ Aos trinta e um dias do mês de maio de dois mil e treze, no

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Câmara Municipal de Resende REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO A Lei n.º 159/99, de 14 de setembro estabelece no seu artigo 19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar

Leia mais

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente

Número de acções detidas detidas indirectamente % Total sobre o capital. directamente Estrutura Capital Salvo se indicação em contrário, as respostas reportam à situação a 31 de Dezembro do ano #### Contacto da sociedade para esclarecimento: Nome Telefone E mail Quesito Identificação da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Generalidades. ARTIGO 1.º Denominação e sede

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO ESTATUTOS. CAPÍTULO I Generalidades. ARTIGO 1.º Denominação e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO ESTATUTOS CAPÍTULO I ARTIGO 1.º Denominação e sede 1. Nos termos gerais de direito, do Decreto-Lei n.º 594/74, de 07 de Novembro,

Leia mais

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos

Programa NOSSABOLSA. Manual. Procedimentos Programa NOSSABOLSA Manual de Procedimentos Instituições de Ensino Superior - IES - 1 1 - Adesão da Mantenedora ao Programa...4 1.1 - Informações preliminares...4 1.2 - Requerimento...4 1.2.1 - Para aderir

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014

Reitoria. Universidade do Minho, 28 de março de 2014 Reitoria despacho RT-14/2014 Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 37.º e no n.º 2 do artigo 51.º dos Estatutos da Universidade do Minho, aprovados pelo Despacho Normativo n.º 61/2008, de 5 de dezembro

Leia mais

CONSELHO CONSULTIVO REGIONAL PARA OS ASSUNTOS DA IMIGRAÇÃO ACTA

CONSELHO CONSULTIVO REGIONAL PARA OS ASSUNTOS DA IMIGRAÇÃO ACTA CONSELHO CONSULTIVO REGIONAL PARA OS ASSUNTOS DA IMIGRAÇÃO ACTA Aos vinte e oito dias do mês de Setembro do ano dois mil e sete, reuniu, em sessão ordinária, na sala de reuniões da Direcção Regional do

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Preâmbulo O presente Regulamento Eleitoral tem como finalidade dotar a Associação PMI Portugal Chapter, doravante mencionado por PMI Portugal de um instrumento capaz de regular o normal funcionamento dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL

CONTABILIDADE E PROCESSAMENTO SALARIAL Contabilidade e Processamento Salarial A Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã disponibiliza às empresas alemãs com sucursal ou estabelecimento estável em Portugal, o serviço de contabilidade organizada

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CLUBE GALP ENERGIA Artigo 1º (Das Eleições) 1. Os Corpos Sociais Regionais do Clube Galp Energia são eleitos em cada Núcleo Regional para um mandato de três anos, conforme disposto

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013

ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013 ATA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE 18 DE ABRIL DE 2013 Nº 8 /2013 PRESIDENTE: Nuno Manuel Sousa Pinto de Carvalho Gonçalves. VEREADORES PRESENTES: José Manuel Gonçalves Vice-Presidente, Mário

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em nove de Janeiro de dois mil e dois

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em nove de Janeiro de dois mil e dois FL 1 ANO DE 2002 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em nove de Janeiro de dois mil e dois Acta º1 --------Aos nove dias do mês

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro)

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 1. A Câmara dos Técnicos Oficias de Contas substitui: a) A DGCI enquanto entidade pública a quem compete representar e superintender os TOC; b) A Associação dos Técnicos Oficiais de Contas, criada pelo

Leia mais

PASSO A PASSO PARA HABILITAÇÃO COMPLETA NO CADASTRO DE FORNECEDORES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Revisão 01 em 12/01/2015

PASSO A PASSO PARA HABILITAÇÃO COMPLETA NO CADASTRO DE FORNECEDORES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Revisão 01 em 12/01/2015 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL SUBAD GERÊNCIA DE LICITAÇÕES GELIC SUBGERÊNCIA DE CADASTRO DE FORNECEDORES

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal

Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Regulamento Genérico dos Núcleos da Associação Académica do Instituto Politécnico de Setúbal Capítulo I Núcleos Artigo 1.º Definição 1 Os Núcleos da (AAIPS) são grupos de estudantes com um interesse comum

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008

Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Regulamento n.º 1/2008, de 12 de Maio de 2008 Fundos de Investimento Imobiliário Registo e Autorização de Peritos Avaliadores B.O n.º 18 - I Série Regulamento nº 1/2008 12 de Maio Fundos de Investimento

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE (MANDATO 20132017) ATA DA VIGÉSIMA REUNIÃO DE 2015 Aos vinte e quatro dias do mês de setembro do ano dois mil e quinze, pelas dez horas, em cumprimento de convocatória emanada nos termos do disposto n.º

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º.

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: RITI - CIVA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. Operações Triangulares Falsas Triangulares Localização de operações Aquisições Intracomunitárias

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, REALIZADA EM 28 DE FEVEREIRO 2003 Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT. Nota Justificativa REGULAMENTO DE INCENTIVO AO COMÉRCIO TRADICIONAL RICT Nota Justificativa A Cidade de Mirandela reúne condições de atratividade comercial extremamente favoráveis, designadamente as acessibilidades, o parqueamento

Leia mais

ACTA N.º 46 Mandato 2009-2013. Data da reunião extraordinária: 16-06-2011 Local da reunião: Sala das Reuniões da Câmara Municipal de Santarém

ACTA N.º 46 Mandato 2009-2013. Data da reunião extraordinária: 16-06-2011 Local da reunião: Sala das Reuniões da Câmara Municipal de Santarém REUNIÃO DO EXECUTIVO MANDATO 2009-2013 DE 16-06-2011 192 Data da reunião extraordinária: 16-06-2011 Local da reunião: Sala das Reuniões da Câmara Municipal de Santarém Início da reunião: 09,30 horas Términus

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A.

NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. NOVABASE - Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. D. João II, lote 1.03.2.3., Parque das Nações, Lisboa Capital Social: 15.700.697 Euros Número de matrícula na Conservatória

Leia mais

Associação de Estudantes do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, Mandato 2014/2015

Associação de Estudantes do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, Mandato 2014/2015 IV ATA ATA DA QUARTA REUNIÃO DA ASSEMBLEIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ABEL SALAZAR DA UNIVERSIDADE DO PORTO PARA O MANDATO 2014/2015 No dia vinte e quatro de

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste.

- REGIMENTO INTERNO. Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. - REGIMENTO INTERNO Aprovado pelo Conselho de Administração da Garantisudoeste. REGIMENTO INTERNO PREMISSAS BÁSICAS: Considerando a grande responsabilidade que compreende a execução do objeto social da

Leia mais

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos

CAPÍTULO I. Objectivos e Definição. Artigo 1º. Objectivos REGULAMENTO DA DISCIPLINA DE ESTÁGIO INTEGRADO EM CONTABILIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR CAPÍTULO I Objectivos e Definição Artigo 1º

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO

COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA CAPÍTULO I Disposições Iniciais COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA E OBSTÉTRICA REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º -

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PARECER N.º 214/CITE/2015

PARECER N.º 214/CITE/2015 PARECER N.º 214/CITE/2015 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do

Leia mais

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.

IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta. Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n. IMOBILIÁRIA CONSTRUTORA GRÃO-PARÁ, S.A. Sociedade Aberta Sede: Edifício Espaço Chiado, Rua da Misericórdia, 12 a 20, 5º andar, Escritório n.º 19 1200-273 Lisboa Capital social: Euro 12.500.000 Matriculada

Leia mais