SISTEMAS EMBARCADOS COM ACESSO Á INTERNET EM APLICAÇÕES DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS EMBARCADOS COM ACESSO Á INTERNET EM APLICAÇÕES DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL"

Transcrição

1 SISTEMAS EMBARCADOS COM ACESSO Á INTERNET EM APLICAÇÕES DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Carlos Cleude Barbosa de Abreu e Edward David Moreno UEA (Universidade do Estado do Amazonas) & BenQ, Manaus, AM, Brasil RESUMO O principal objetivo deste trabalho é desenvolver um sistema que utiliza uma página WEB gravada na memória flash de um microcontrolador PIC 18F8720, formando um sistema embarcado capaz de fazer o monitoramento e o controle de quatro equipamentos industriais conectados a uma rede de computadores através de um sistema embarcado microcontrolado com acesso à internet. A montagem do sistema foi desenvolvida utilizando ferramentas apropriadas para o trabalho em ambiente de sistemas embarcados como o ambiente de desenvolvimento MPLab e o software para a gravação de circuito integrado ICProg, ambos da Microchip Tecnologia Inc. Palavras-Chaves: internet embarcada, autonomia, aplicações em automação. 1. INTRODUCAO Muitos investimentos em pesquisas sobre microeletrônica e eletrônica digital levaram à utilização de diversos componentes encapsulados em uma única pastilha, também chamados de chip, diminuindo o espaço utilizado no interior dos dispositivos. Os Microcontroladores estão entre os chips que agregam em sua arquitetura outros componentes, que são: memória, ULA (unidade lógica e aritmética), entrada e saída (I/O) e barramentos. Os microcontroladores estão presentes em diversos dispositivos como: relógios, telefones celulares, caixas eletrônicos, máquinas de lavar, microondas, entre outros. As principais características que tornaram os microcontroladores um componente bem aceito pela indústria foram o baixo consumo de energia, o tamanho reduzido e o baixo custo de produção [8]. Os microcontroladores, os programas e os dispositivos a que estão agregados, formam os chamados Sistemas Embarcados. Estes sistemas são desenvolvidos para atender, normalmente, a uma aplicação especifica ou mais comumente conhecida com Customizada. Um sistema embarcado é um sistema microprocessado que realiza um conjunto de tarefas prédefinidas, geralmente com requisitos específicos. Já que o sistema é dedicado e as tarefas são específicas, pode-se através da engenharia, aperfeiçoar o projeto reduzindo o tamanho, recursos computacionais e custo do produto [8]. Assim, foi desenvolvido um sistema que usa uma aplicação WEB gravada na memória flash do microcontrolador PIC 18F8720. Através da aplicação é possível controlar as portas de saída do microcontrolador fazendo com que o nível lógico delas se alternem entre 0 e 1 (0 e 5 VDC respectivamente). A partir daí usa-se a tensão de saída da porta do microcontrolador para o acionamento de um dispositivo (relés, relés de estado sólidos, entre outros) que possa comutar um equipamento com uma grande faixa de tensão e consumo de corrente elétrica (motores AC/DC, contactores, solenóides, entre outros). 2. SISTEMAS EMBARCADOS Um sistema embarcado pode ser definido como um sistema de software e hardware integrado a um outro sistema dedicado a uma tarefa específica, que não tem a computação como fim [8]. Pode-se encontrar sistemas embarcados em diversos utensílios domésticos tais como DVDs, TV, microondas etc. Também são encontrados em automóveis, quiosques de informação, caixas eletrônicos, fax, máquinas fotográficas etc. É importante destacar que a grande maioria dos processadores do mundo são utilizados em sistemas embarcados [3]. Os sistemas embarcados vem se diferenciando no mercado por apresentar um alto desempenho na realização de suas tarefas, uma vez que possuem processos bem definidos e enxutos para os padrões computacionais. A complexidade dos sistemas embarcados se dá na forma como os analistas os usam e os projetam. O sistema operacional deveria ser imprescindível nesse caso, porem os sistemas embarcados podem ser também um sistema especializado em funções muito bem definidas e específicas trazendo as tarefas a serem executadas implementadas no corpo do programa. Entre os dispositivos desenvolvidos com a tecnologia de Sistemas Embarcados podemos citar [8] telefones celulares, PDAs, pagers, relógios digitais, sistemas para carros, televisores, DVDs, cartões inteligentes, caixas eletrônicos, equipamentos médico-hospitalares, eletroeletrônicos, equipamento de medições, equipamentos industriais, dispositivos móveis e portáteis (handhelds, telefones celulares, PDAs, pagers, relógios digitais, etc.), Decodificadores de TV a cabo (set-up box), Sistemas de controles industriais, entre outros.

2 O baixo preço e o constante aumento de processamento desses componentes faz com que cada vez mais dispositivos estejam conectados à rede. Esse aumento levou também à necessidade de ampliação na infra-estrutura de comunicações. Em especial, destaca-se a tecnologia Ethernet e a rede global Internet. Com isso, os servidores web são implementados em dispositivos embarcados e estes apenas respondem às requisições dos clientes com os arquivos solicitados [2]. Esta solução é possível porque estes dispositivos estão ligados a infra-estrutura de rede já existente e para fins de economia, é preciso minimizar o uso de memória RAM e aperfeiçoar o poder de processamento [4]. Existem muitos serviços disponíveis na rede mundial de computadores, entre eles destaca-se a World Wide Web, ou mais conhecida como Web. A facilidade no uso fez dela a mais usada entre os usuários da rede. O protocolo utilizado por algum cliente para acesso a servidores Web é o HTTP 1.1, tendo como versão anterior a 1.0, que é compatível com a atual HTTP 1.1 e é mais utilizada em dispositivos embarcados pela sua maior simplicidade. Os servidores Web embarcados devem ser compactos, robustos e flexíveis a fim de permitir monitoramento e controle do dispositivo. Dessa forma deve-se dar atenção especial para dois componentes: Server Sites Includes (SSI) são diretivas inseridas dentro do HTML que são avaliadas e substituídas no momento em que as páginas estão sendo servidas [17]. Em sistemas embarcados, esses processos podem ser utilizados para inserir em uma página a temperatura lida a partir de um termômetro ligado ao sistema, por exemplo. Commom Gateway Includes (CGI) é um padrão de interfaceamento entre servidores de informação e aplicações externas. Uma aplicação da máquina, normalmente um executável do sistema, gera a página e o CGI é responsável pelo intercambio com o servidor Web [17]. 3.0 ESTUDO DE CASO: CONTROLE EMBARCADO DE MÁQUINAS A DISTÂNCIA Para demonstrar as funcionalidades dos sistemas embarcados microcontrolados, neste trabalho foi desenvolvida uma aplicação utilizando uma placa microcontrolada. Nesta placa estão dispostos os diversos componentes que foram utilizados no projeto, entre eles o microcontrolador UCP PIC18F8720, o controlador Ethernet Realtek RTL8019AS (10Mbps). Uma interface de programação serial RS-232 para ICSP (In Circuit Serial Programmer), um cabo serial, Um cabo de rede crossover, entre outros. A UCP PIC18F8720 é de fabricação da empresa Microchip Tecnologia que pode ser interligada a outros componentes eletrônicos através de seus pinos de expansão. Junto com os componentes, o fabricante fornece uma pilha TCP/IP que foi modificada para atender às necessidades do projeto e diversas bibliotecas de código fontes que também foram usadas no projeto. O objetivo é demonstrar a possibilidade de ter aplicações, economicamente viável, de baixo custo e com um grau de dificuldade baixo de se implementar. É importante salientar que o microcontrolador sozinho não tem grande poder de processamento e analisando dessa forma o próprio fabricante indica qual o melhor tipo de combinação para uma determinada aplicação. Varias aplicações programáveis podem ser gravadas no microcontrolador, desde que se obedeça aos limites indicados pelo fabricante, como: memória, entradas/saída, clock e processamento. Com base nas informações fornecidas pelo fabricante chegou-se à conclusão de que era possível desenvolver uma aplicação que faça o controle de quatro máquinas industrias utilizando a pilha TCP/IP e as bibliotecas de funções que acompanham a placa microcontrolada. No final ainda foi preciso acrescentar um dispositivo (relés, relés de estado sólido, led), que acionem com a tensão de saída dos pinos do microcontrolador que é de 5 VDC. 3.1 O PROJETO E OS COMPONENTES Para dar inicio ao projeto deste trabalho é preciso juntar todos os componentes, conforme mostra a figura 1. O projeto visa desenvolver aplicações com páginas WEB utilizando para esse fim os componentes mostrados na figura 1, que são: Figura 1 componentes do projeto [14]. 1. Uma placa microcontrolada (UCP PIC18F8720) com interfaces Ethernet 10 Mbps e serial RS-232. Ela pode ser adicionada a qualquer rede Ethernet 10/100 Mbps. Fornecida com a pilha TCP/IP da Microchip modificada, a qual está escrita na linguagem C e pode ser compilada pelo compilador Microchip PIC18 C [14]. 2. Um cabo serial para a interface de programação da UCP PIC18F8720. Este cabo serve para fazer a gravação da página WEB na memória flash do microcontrolador, através da interface de programação; 3. Uma interface de programação serial RS-232 para ICSP (In Circuit Serial Programmer) para gravação da memória Flash do microcontrolador contido na UCP PIC18F8720; 4. Um cabo de rede crossover (10 Base T) para conectar a placa microcontrolada a um computador um computador tipo PC;

3 5. Uma placa filha contendo conector para fonte de +5VDC, LED, chave pushbutton e um potenciômetro para demonstração de monitoração remota. Foi seguido um pequeno roteiro de instruções proposto pelo fabricante [14] que leva a execução do projeto com segurança e sem danos: Somente utiliza-se uma interface serial RS-232 verdadeira em seu PC, pois conversores USB para serial podem alterar a seqüência dos dados de entrada e saída da porta serial. Com isso, provavelmente não funcionarão [14]. Todos os componentes, com exceção dos cabos, estão dispostos em placas e são identificados conforme a figura 2 [14]. Uma melhor descrição de cada um desses componentes aparece em [18]. Fazemos um destaque para (1) O microcontrolador PIC18F8720, (2) Controlador ethernet, (3) LEDs de indicação, (4) Chave PUSHBUTTON, (5) Conector RJ-45 (10 Base T), (6) Conector tipo Molex Serial RS232, (7) Conector ICSP (In Circuit Serial Programming), (8) Conectores de expansão. Figura 2 Componentes do projeto inserido na placa [14]. 3.2 PREPARANDO E CONFIGURANDO O SISTEMA Para colocar o projeto em funcionamento é preciso que algumas precauções devem ser tomadas antes de qualquer novo desenvolvimento. Sempre que um novo hardware ou software é adicionado a um sistema em rede, é sempre aconselhável criar uma rede de testes separada da LAN (Local Area Network) de uso cotidiano. Isto permite testar o novo sistema em um ambiente controlado e minimizar as possibilidades de interferência na rede de um novo sistema. Os pontos que podem ser apontados como possíveis fontes de interferência são: - O endereçamento, cada dispositivo na rede deve ter um único endereço IP. Se o protocolo DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) for usado, a placa com a UCP PIC 18F8720 automaticamente será configurada com um endereço IP. Um endereço fixo deve ser fornecido se o protocolo DHCP não for usado; O tráfego, enquanto o controlador ethernet filtra mensagens não endereçadas a placa microcontrolada uma rede ethernet com muitas mensagens broadcast pode carregar demasiadamente o microcontrolador PIC18F8720; - A segurança dos dados, embora não seja comum que a adição de um dispositivo simples irá comprometer a integridade dos dados ou privacidade de informações, é sempre uma boa idéia executar intensivamente testes com novos sistemas antes de adicioná-los a uma rede; - A experimentação, a placa microcontrolada é capaz de gerar um grande volume de informações, podendo congestionar a rede. A placa microcontrolada é fornecida apta para trabalhar com endereço IP dinâmico (DHCP). Porém o projeto não requer uma rede ethernet para que o micro controlador possa funcionar. A placa possui interface ethernet que pode se comunicar diretamente com um computador pessoal quando ambos estiverem configurados corretamente. Esta configuração é conhecida como sistema host local. Nesta configuração deve-se usar um cabo crossover para interligação da placa (interface Ethernet) com um computador pessoal. A energização do sistema microcontrolado requer um cuidado especial quanto ao plug da fonte, que na placa é do tipo macho e no cabo deve ser do tipo fêmea, ambos com o (+Vcc) no centro e o ( Vcc) na parte externa. Este tipo de fonte é fácil de encontrar no comércio especializado. O procedimento mais comum para a energização é: Conecte a placa microcontrolada a placa de expansão fonte; Conecte a fonte que deve ser entre 9VDC e 12 VDC com corrente a partir de 600mA. O fabricante indica que pode energizar com 5 VDC diretamente nos pinos 13 e 14 do conector J2 e GND no pino 16 do conector J2. Porém esse procedimento não é aconselhável quando se usa a placa fonte, porque essa alimentação volta até a saída do regulador de tensão da placa fonte. Após energizada pode-se conectar a placa microcontrolada ao computador pessoal através do cabo crossover. O ambiente de desenvolvimento MPLAB IDE é um programa que tem como finalidade principal fornecer um ambiente adequado ao desenvolvimento de projetos que usem os microcontroladores fabricado pela Microchip, juntamente com o compilador C MCC18 (versão estudante). Ambos são de propriedade da Microchip e podem ser obtido no endereço site [14]. Foi necessário instalar também o programa IC-PROG Ver mais detalhes e um tutorial de cada um deles em [18]. 4 RESULTADOS EXPERIMENTAIS DA APLICAÇÃO INDUSTRIAL A placa microcontrolada (UCP PIC18F8720) com interfaces Ethernet 10 Mbps já está configurada de fábrica com um endereço MAC (descrição do fabricante para IP fixo), que pode ser alterado conforme sua especificação.

4 Este endereço fixo ( ), não foi alterado porque o projeto foi desenvolvido usando apenas um computador e não altera em nada o resultado do projeto. A placa microcontrolada (UCP PIC18F8720) quando inserida em uma rede de computador ou conectada a um computador através do cabo crossover em interface ethernet deve desempenhar a função de servidor de internet. Sua memória flash permite que sejam armazenadas paginas WEB. Essas páginas podem ser programadas usando linguagem de programação de alto nível, compiladas e depois gravadas no microcontrolador. Usando um navegador Web, é possível fazer a interação da página do microcontrolador com outras máquinas remotas de forma que seja possível executar o acionamento e desligamento de 4 máquinas que se encontram distantes da sala de controle. A página que a figura 3 apresenta foi desenvolvida usando um editor de html (Dreamwever) e as bibliotecas do fabricante. Depois foi compilada e gravada na memória flash do microcontrolador usando dois outros programas fornecidos pelo fabricante Microchip chamado Mplab e ICProg [14]. Interface) Commands, que usa a funções de linguagens de programação para acionar e parar as máquinas selecionadas neste projeto. Para que as interfaces possam interagir com suas respectivas funções do navegador WEB, é preciso primeiramente definir os códigos das variáveis CGI. Para ter acesso ao código fonte implementado nesta monografia, sugere-se consultar o Apêndice B CONTROLE DA SAÍDA O layout da interface Commands.cgi é formada por uma tabela de 3 linhas por 4 colunas. A primeira linha consiste do cabeçalho (Máquina 0 a Máquina 3). A segunda linha contém os botões DESL para desligamento das máquinas. A terceira linha contém os botões LIGA para acionamento das máquinas. O ponto chave desta interface é o name= e é nela que são interpretadas pelo servidor Web. Para ter acesso ao código fonte implementado neste trabalho, sugere-se consultar o Apêndice C. A interface Commands.cgi interage com o Servidor Web através da biblioteca de função void HTTPExecCmd(unsigned char** argv, unsigned char argc), que é melhor descrita no Apêndice D. Verifique que se o comando a ser executado for o de desligamento da máquina 0, o case a ser executado será case MAQ0_OFF., pois de commands.cgi name=0 foi enviado, o que corresponde a #define MAQ0_OFF (0) [14] CONSIDERANDO MUDANÇAS DE ESTADO DO SISTEMA Figura 3 Interfaces WEB do controle de equipamentos à distância Ao acessarmos o endereço estamos requisitando do servidor web a página index.htm. Para ter acesso ao código fonte implementado neste trabalho, sugere-se consultar Apêndice A. O microcontrolador UCP PIC18F8720 usa as portas J0 a J3 para fazer o controle das máquinas, onde cada uma relaciona-se respectivamente de máquina 0 a máquina 3. Para um melhor entendimento do projeto, o layout da tela foi dividido em três partes. A primeira parte contém a descrição do projeto (Controle de Máquinas a Distância); a segunda a interface CGI (Code Gateway Interface) Status, que faz o monitoramento do estado das máquinas; a terceira é a interface CGI (Code Gateway A interface Commands comanda as máquinas e a interface Status mostra o estado das máquinas. De modo que quando o usuário aciona uma máquina, pode logo em seguida verificar se ela realmente foi acionada através do status dela. Para ter acesso ao código fonte implementado neste trabalho, sugere-se consultar o Apêndice E. O layout da interface Status.cgi é formada por uma tabela de 2 linhas por 4 colunas. A primeira linha consiste do cabeçalho (Máquina 0 a Máquina 3). A segunda linha é o estado das máquinas. O LED verde indica a máquina ligada (Porta J em nível lógico e o LED vermelho indica a máquina desligada (Porta J em nível lógico 0). Verifique que o nome da figura a ser carregada depende do valor das variáveis %08 a %11. Quando %08 for igual a 0, a figura a ser carregada é LED0.gif. Quando %08 for igual a 1, a figura a ser carregada é LED1.gif. O Servidor Web substitui estas variáveis pelos seus respectivos valores de modo que o navegador Web mostre as figuras que correspondam aos estados das máquinas. A interface Status.cgi interage com o Servidor Web através da biblioteca de função WORD HTTPGetVar(unsigned char var, WORD ref, unsigned char* val), melhor descrita no apêndice F.

5 A variável %08 que se encontra em status.cgi é substituída pelo valor 1 ou 0, dependendo do estado da porta J0 (case ST_MAQ_0:). Para as variáveis %09 a %11 vale o mesmo raciocínio. 4.3 DIAGRAMA ELÉTRICO O microcontrolador PIC 18F8720 só fornece em seus pinos da porta J0 a J3 uma tensão de 5.0 Vcc, o que não é suficiente para ligar apenas um LED (diodo emissor de luz). Isso ocorre porque o pino de saída do microcontrolador não fornece corrente elétrica suficiente para acionar outros dispositivos. Com isso, para ligar um equipamento com faixas de tensões e correntes mais elevadas, é preciso acrescentar um circuito de potência que possa receber a tensão do pino de saída do microcontrolador faça o acionamento da máquina. A figura 4 mostra como essa ligação pode ser feita usando uma fonte auxiliar, um transistor do tipo NPN, relés de estado sólidos e relés de contatos. A tensão de 5 VDC que saem das portas J0 e J1 é suficiente para polarizar os transistores NPN que saturam ao receber a tensão do microcontrolador fazendo com que os emissores e os coletores dos transistores se tornem um curto. A partir daí aciona um relé de estado sólido que a tensão de entrada seja de 03~30 VDC. Com isso o relé de estado sólido fecha os contatos e deixa passar tensão AC (220VCA) para os equipamentos. O funcionamento das portas J2 e J3, mostrada na figura 5 é bem semelhante ao das portas J0 e J1, a diferença e que a J2 aciona um relé comum que fecha seus contatos e aciona um segundo dispositivo chamado solenóide. Este dispositivo gera um campo magnético que por sua vez aciona uma válvula pneumática. Na porta J3 a tensão de 05 VDC passa diretamente por um resistor (220 HOMS) e liga um LED (diodo emissor de luz) de sinalização que estar diretamente ligado ao emissor do transistor. Figura 4 Diagrama elétrico das portas J0 e J1 Figura 5- Diagrama elétrico das portas J2 e J3 5.0 CONCLUSÔES Esta projeto apresentou no decorrer de seu desenvolvimento uma forma bastante didática de demonstrar as funcionalidades dos microcontroladores com acesso a internet. Nos capítulos II e III Foi feita uma análise profunda dos sistemas embarcados e nos componentes o compõe de forma geral, abrangendo uma vasta quantidade de informações como as definições, as limitações técnicas e as formas como os usuários podem aproveitar melhor o desempenho dos dispositivos.

6 No capítulo IV foi feitas a instalação dos componentes utilizados, a preparação e gravação do software e a montagem do sistema embarcado. Depois de gravado o microcontrolador foi feito a medição das portas de saída J0 à J3 para confirmar a existência dos 5 VDC quando a porta era acionada, a partir daí foi adicionado os demais dispositivos do projeto. Podem-se citar os principais benefícios desse projeto como sendo a facilidade de implementar a montagem do hardware, o baixo custo do microcontrolador, baixo consumo de energia e o principal resultado do projeto que é o acionamento de equipamentos industriais a distância. Outros projetos podem ser idealizados com a utilização dos sistemas embarcados e placas microcontrolada, entre eles pode-se citar a utilização em configurações que necessite de controladores lógicos programáveis (CLPs), Automação residencial (portões, luminárias), automação predial (grupo geradores pequenos, centrais PABX), automação comerciais (leitores de códigos de barras), sistemas hospitalares, sistemas penitenciário, entre outros. Não é possível fugir das tendências tecnológicas que estão cada vez mas avançadas, por isso, tivemos o aprimoramento da indústria de semicondutores e toda a avalanche de produtos microcontrolados prevista para chegar ao consumidor somente num futuro distante já estar acontecendo denotando que não existe obstáculo a ser vencido para o progresso dos sistemas embarcados. 6. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Alencar, Rossine; Abreu, Carlos Cleude Barbosa. Chaveador de Audio. Projeto desenvolvido nas linhas de produção de DVDs da Philips da Amazônia, Manaus-Am Brasil [2] Cabral, Tarsis Alex - Tolerância a Falhas em Sistemas de Tempo Real Crítico Artigo apresentado no III Workshop interno do LASID, 2006, acesso 08/05/2007. [3] Carro, Luigi; Wagner, Flávio Rech Sistemas Computacionais Embarcados. Trabalho conclusão de curso de doutorado do Instituto de Informática da UFRGS, 2003; acesso em 11/03/2007. [4] Carro, Luigi; Wagner, Flávio Rech; Corrêa, Edgard F; Netto, J. Cesar Modelagem e Geração de Sistema Operacional de Tempo Real para Sistemas Embarcados. Artigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre RS Brasil. 2003, Acesso em 11/03/2007 [5] Corteletti, Daniel - -Introdução à programação de microcontroladores Microchip PIC. Dossiê Técnico- Centro Tecnológico de Mecatrônica - RS,Outubro 2006, acesso 15/02/2007. [6] Cartolano, Etienne Américo; Avegliano, Priscila Barreira - Introdução a família de microntroladores PIC Trabalho de conclusão do curso de engenharia de computação. Escola Politécnica USP São Paulo, Publicado na revista The Bug! Magazine - [Numero 0x01, Edição 0x01, Artigo 0x08-05 de Marco de 2006, acesso 11/03/2007 [7] Lacerda, Wilian Soares Sistemas embarcados. Palestra Departamento de Ciências da Computação UFLA,2006; acesso em 11/03/2007. [8] Magalhães, Giselia; Queiroz, Leonardo; Protásio, Renato. Sistemas operacionais para sistemas embarcados. Universidade Federal da Bahia. Artigo do curso de ciências da computação, acesso 8/05/2007 [9] Matic, Nebojsa. PIC MicroController livro publicado online pela Mikre. Traduzido do inglês por Alberto Jerónim, 137 página, ano acesso em 14/08/2006. [10] Mattos, Nádia Pádua; Raskin, Sara Fichman - Aspectos da Arquitetura de Processadores RISC. Byte Brasil - revista técnica versão3, edição número 7, páginas de 35, São Paulo, maio 1994; acesso em 11/03/2007. [11] Microchip Corp. Embedded system. Documentação técnica dos microcontroladores PIC, Disponível no endereço acesso em 11/03/2007. [12] Paulo, João da silva. Internet Embedded. Trabalho de Conclusão de Curso da Universidade do Estado do Amazonas, Manaus-Am Brasil. 2006; [13] PIC 18F Data sheet do microcontrolador PIC 18F8720 disponível no endereço aceeso em 11/03/2007. [14] PME-10, Placa microcontrolada com PIC 18F8720. Manual técnico de funcionamento da placa, [15] Song, Siang W. - Organizãção de Computadores - MAC 412- Baseado no livro de Tanenbaum - Structured Computer Organization, ano acesso 02/09/2006. [16] Souza, Franklin. Eletrônica Embarcada para Internet Documentação técnica de dispositivo embarcado, Disponível no endereço acesso em 05/02/2007. [17] wikipedia, documento técnico retirado da enciclopédia eletrônica no endereço com acesso em 23/05/2007 [18] Abreu, Carlos Cleude Barbosa De. Sistemas Embarcados Com Acesso Á Internet Em Aplicações De Automação Industrial. Trabalho De Conclusão De Curso, Engenharia De Computação, Universidade Do Estado Do Amazonas, Manaus, Am, Brasil, 2007.

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

ANE0003 - Configurando a pilha TCP/IP Microchip

ANE0003 - Configurando a pilha TCP/IP Microchip - Configurando a pilha TCP/IP Microchip ANE0003 Autor: 1. Introdução Marcelo Martins Maia do Couto A pilha TCP/IP é largamente utilizada para a comunicação entre elementos dentro de uma rede. Este protocolo

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa de I/O Ethernet Kits Didáticos e Gravadores da Cerne Tecnologia A Cerne tecnologia têm uma linha completa de aprendizado para os microcontroladores

Leia mais

VERIDIS. Manual de instalação DAC1

VERIDIS. Manual de instalação DAC1 Manual de instalação DAC Sumário. Vista geral dos dispositivos do Equipamento DAC... 6 2. Descrição dos recursos disponíveis... 7 2. Rede Ethernet: Porta de rede /0/00Mbps padrão;... 7 2.2 2 X USB HOST:

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB

LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA - DTB LANGUARD WEB INTERFACE INTERNET / INTRANET HTTP / SMTP / SNMP INTERFACE RS-232 / RJ-45 / USB PARA UTILIZAÇÃO COM SISTEMAS NO BREAKS MONOFÁSICOS GUARDIAN LINHAS ENERGIZA E SEICA DESCRIÇÃO TÉCNICA BÁSICA

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas Operacionais 1- Introdução aos SOs Prof. Sílvio Fernandes Disciplina Sistemas

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência

AEC Access Easy Controller. Guia de Referência AEC Access Easy Controller Guia de Referência Índice 3 1. AEC - Vista Geral do Sistema 4 2. AEC - Componentes Principais 6 3. AEC - Configuração 7 4. AEC - Benefícios 8 5. AEC - Como encomendar? 10 6.

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 SISTEMA ZIGLOCK TCP Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria.

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina X-015 - MONITORAMENTO VIA INTERNET DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TIPO

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

WebGate PO9900. Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A interface de comunicação WebGate,, permite que controladores programáveis com protocolo ALNET I possam ser conectados a uma rede Ethernet TCP/IP. O WebGate permite que estes controladores

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ETHERNET BOX MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO E.P.M. Tecnologia e Equipamentos Ltda. Av. Comendador Gumercindo Barranqueiros, 285 Jardim Samambaia - Jundiaí SP CEP: 13211-410 Telefone (0xx11) 4582-5533

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês.

Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. - Introdução Até meados da década de 60, todo o controle dos processos fabris, nas indústrias e fabricações em geral, era feito através de lógica de relês. Os relês são elementos versáteis que possuem

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A

Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Objetivos: Módulo de Desenvolvimento PIC16F877A Realizar programação e projetos com microcontroladores e seus periféricos, integrando sistemas analógicos e digitais com a utilização de compilador (Mikro

Leia mais

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200

Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Tutorial de Utilização do CellControl SMS I/O em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 julho/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun

Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf. ABB Automação. Hartmann & Braun Multimedidores Inteligentes MGE G3 Modo de uso do software IBIS_BE_cnf ABB Automação Hartmann & Braun Índice 1. IBIS_BE_CNF - DEFINIÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1. PRÉ-REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 3

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Todas as etapas do fluxograma da figura x.x foram realizada no PC. O código de máquina foi criado no PC na pasta Resource. O arquivo a ser transferido

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B

CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B CONVERSOR SERIAL PARA REDE TCP/IP DS100B MANUAL DE INSTRUÇÕES Rev.03 Sumário: 1. CARACTERÍSTICAS 2 2. INSTALAÇÃO DO CONVERSOR 2 ALIMENTAÇÃO DS100 COM CENTRAL DE ALARME... 3 ALIMENTAÇÃO DS100 COM PAINEL

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores

REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores REWIND e SI.MO.NE. Sistema de monitoramento para grupos geradores SISTEMA SICES Rewind e SI.ces MO.nitoring NE.twork (SI.MO.NE.) Sistema de monitoramento remoto REWIND Rewind é um módulo microprocessado

Leia mais

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP)

Conexões e Protocolo Internet (TCP/IP) "Visão geral da configuração da rede" na página 3-2 "Escolhendo um método de conexão" na página 3-3 "Conectando via Ethernet (recomendado)" na página 3-3 "Conectando via USB" na página 3-4 "Configurando

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS

Software. Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS Software Professora Milene Selbach Silveira Prof. Celso Maciel da Costa Faculdade de Informática - PUCRS ESQUEMA DE UM SISTEMA DE COMPUTADOR Unidades de Entrada - Teclado - Scanner - Caneta Ótica - Leitora

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Heber A. Scachetti RA 004933 heber_augusto@yahoo.com.br RESUMO Este artigo apresenta algumas das principais características encontradas em

Leia mais

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LEIA O MANUAL ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO! Considerações importantes, leia antes de usar o produto: A diferença entre a interface Lumikit PRO X4 e Lumikit PRO

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:

MEMÓRIA. A memória do computador pode ser dividida em duas categorias: Aula 11 Arquitetura de Computadores - 20/10/2008 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber MEMÓRIA Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador

Leia mais

Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200

Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Tutorial de Utilização do CellControl SMS 200 em rede DXNET com CLP Dexter µdx série 200 Novembro/2009 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador

Aula 2. - Elaboração de algoritmos/fluxogramas. - Gravação do programa no microcontrolador Aula 2 - Elaboração de algoritmos/fluxogramas - Set de instruções do 8051 - Programação em Assembly - Gravação do programa no microcontrolador - Simulação Exercícios da aula passada... 1) Converta os números

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa GSM I/O (21)3062-1711 (11)4063-1877 Skype: suporte.cerne-tec MSN: suporte.cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Manual. Roteador - 3G Portátil

Manual. Roteador - 3G Portátil Manual Roteador - 3G Portátil Conteúdo da Embalagem 1. 1 x Produto 2. 1 x Guia de Instalação Rápida 3. 1 x Carregador USB Visão Geral (3) Recarregando o Power Bank: Conecte a ponta Micro USB à porta de

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes Descrição do Produto As UCPs PO3x47 são destinadas a supervisão e controle de processos. Devido a sua arquitetura, é possível obter-se um alto desempenho em relação a série anterior de UCPs PO3x42. Com

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Nota de aplicação NAP080 Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1. Introdução...3 1.1 Páginas do WebGate... 3 2. Árvore de Navegação...3 3.

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COM MICROCONTROLADORES Matheus Montanini Breve (PIBIC-Jr), Miguel Angel Chincaro Bernuy (Orientador), e-mail: migueltrabalho@gmail.com Universidade Tecnológica

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Rua Coronel Botelho, 64 - Alto da Lapa - CEP: 05088-020 São Paulo - SP - Brasil +55 (11) 3832-6102 PÉGASUS (ETHERNET) STUDIO V2.02 - MANUAL

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Manual DataMax (Instalação)

Manual DataMax (Instalação) DataQuest Manual (Instalação) Configuração geral do sistema Este manual se destina a orientar o instalador do sistema quanto às ligações e configurações da placa DMH-1. O sistema utiliza como controladores

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02

Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02 Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02 A Tyco Security Products tem o prazer de anunciar o lançamento da controladora PoE para uma porta KT-1 da Kantech.

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008

Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Departamento de Física e Ciência dos Materiais Caixa Postal 369-13560-970 São Carlos SP Brasil e-mail : andretec@ifsc.usp.br Controle para Motores de Passo usando módulo USB-6008 Introdução Neste projeto

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE

Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE Julho 2008 Davi, Marcelo, Murilo, Pablo, Rodrigo Resumo MIFARE é uma tecnologia de smart cards sem contato, especificada

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01

Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01. - 1 - Rev01 Application Note FBEE Comunicação Serial Wireless REV01-1 - Rev01 1. INTRODUÇÃO Aplicações com redes sem fio vêm se tornando bastante comuns. De aplicações industriais a projetos específicos, criou-se

Leia mais