Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013"

Transcrição

1 Webinar Freescale Desenvolvimento de sistemas embarcados em Linux com a Thunderboard 11/12/2013

2 Índice Sobre a Thunderboard Descrição do produto System on Module (SoM) MDP i.mx28 Aplicações Vantagens BSP Linux Yocto Project Xenomai Dúvidas

3 SOBRE A THUNDERBOARD

4 O que é a Thunderboard? Uma solução flexível e de baixo custo para aplicação em sistemas embarcados Hardware para aplicações embarcados Contém recursos básicos de um microcomputador embarcado De fácil integração em soluções personalizadas Baixo custo Reference design para projeto de equipamentos dedicados Placa base do System on Module MDP i.mx28 Projeto base para projeto de novo hardware dedicado

5 Thunderboard

6 Sobre a Thunderboard Projeto em parceria Phi Innovations itech Motivação inicial: CPU base para aplicação em uma linha de produtos da área de soluções do Grupo itech Resultado final: uma CPU de custo baixo para uso geral, em diversos segmentos de mercado

7 Características Um projeto de hardware em duas camadas SoM (System on Module) System on Module: Placa independente contendo todos os recursos computacionais necessários para projeto de hardwares dedicados com diferentes periféricos. Placa Base: Placa contendo todos os periféricos dedicados de um sistema embarcado específico Placa Base A comunicação entre as duas placas se dá através de conector ou soldagem

8 Vantagens de projetos com SoM Utilizar um SoM reduz risco de projeto de um sistema embarcado Projeto de hardware Maior risco está no projeto dos componentes de CPU de um sistema embarcado Riscos Gerenciamento de componentes em fim de linha Projeto de PCB de altas velocidades Aumento na quantidade de camadas de placa

9 Vantagens de projetos com SoM Tempo de desenvolvimento Time to market reduzido ao usar um SoM Placa base de complexidade reduzida Baixo custo Poucas camadas Flexibilidade do projeto É possível melhorar o desempenho e recursos do projeto através da substituição da unidade computacional do projeto

10 Especificações da Thunderboard Recursos System on Module MDP i.mx28 Ethernet USB Host duplo USB On The Go (OTG) Conector UART (FTDI) Cartão Micro SD Acelerômetro Alimentação através de conector P4 5 V 4 Leds auxiliares Barra de expansão Expansão 3 seriais UARTs 2 interfaces CAN GPIO LCD ADC 7 canais 12 bits e um canal 2 MSPS SPI I2C I2S

11 SoM MDP i.mx28 Microprocessador Freescale i.mx28 ARM926EJ-S de 454 MHz Cache 16 KB/32 KB 128 MB de memória RAM DDR2 512 MB de memória NAND Flash PHY Ethernet Suporte a IEEE 1588 Dimensão: 35 x 44 mm Encapsulamento castellation de 146 pinos Alimentação 5 V

12 Vantagens do MDP i.mx28 Baixo custo Produção nacional Fácil produção e manutenção Encapsulamento castellation facilita montagem e reparo de placa Versátil Permite o emprego em diferentes aplicações

13 APLICAÇÃO

14 Cenários de uso Utilização da Thunderboard em projetos específicos Utilização do MDP i.mx28 em projetos específicos

15 Uma placa para ser usada em equipamentos Leds de um lado e conectores de outro Apropriado para aproveitamento em caixas dedicadas Conectores de expansão Para inclusão de novas funcionalidades Conectividade essencial USB Host USB Device Ethernet Armazenamento externo Suporte a pendrive Cartão SD

16 Aplicações com Thunderboard Automação comercial Leitores de dados Teclados Microterminais Sensoreamento Aquisição e transmissão de dados Interface Homem Máquina (IHM) Telemetria Expansão através de hardware adicional Modems 3G e GPRS Sensores (GPIO/I2C/SPI) Display LCD Touchscreen Wi-Fi Bluetooth Ethernet Adicional

17 Aplicações com MDP i.mx28 Networking Roteadores personalizados Automação industrial CPU para CLPs e IHMs Automação comercial Microterminais Coletores de dados IHMs Telemetria Modems Unidades remotas de monitoramento Rastreadores de veículos Computadores de bordo Segurança Sistemas de vigilância Proxy

18 BSP

19 Definição de BSP BSP Board Support Package Conjunto de software necessário para execução de um determinado conjunto de software para um hardware específico Geralmente é composto pelo sistema operacional embarcado executado no equipamento eletrônico, juntamente com seus drivers de dispositivos e suas ferramentas de desenvolvimento de software aplicativo

20 Linux Suporte ao sistema operacional Linux Linux implementado na ferramenta Yocto Geração de todo o ambiente de desenvolvimento de software aplicativo para a Thunderboard/SoM

21 Yocto Project Projeto da Linux Foundation com o objetivo de uniformizar o desenvolvimento de BSPs Linux para diferentes microprocessadores e placas Fornece templates, ferramentas e métodos para auxiliar na criação de sistemas personalizados baseados em Linux para produtos embarcados independentemente da arquitetura de hardware

22 Yocto Project Principais componentes Openembedded Framework para criar distribuições Linux para sistemas embarcados Pode incluir bootloader, kernel Linux e aplicações É um conjunto de metadados usado para cross-compilar, empacotar e instalar pacotes de software A partir de seu código fonte

23 Yocto Project Principais componentes Poky Platform Builder É a ferramenta de construção de distribuição Linux (Linux build system) do Projeto Yocto É derivado do OpenEmbedded É um subconjunto do OpenEmbedded, com recursos compartilhados com o intuito de integração direta

24 Yocto Project Principais componentes Bitbake Ferramenta utilizada para execução de tarefas Derivada do projeto de código aberto Portage Sistema de gerenciamento de pacotes da distribuição Gentoo Utilizado principalmente para compilação de pacotes É base dos projetos Poky/OpenEmbedded

25 Construção de uma imagem QEMU ou placa final

26 Arquitetura

27 Áreas funcionais Configuração de usuário: metadados usados para controlar o processo de compilação Camadas de metadados: várias camadas de metadados com configurações de software, de hardware e de distribuição Arquivos fonte: versões oficiais, projetos locais ou repositórios remotos Package feeds: diretórios contendo pacotes de saída que são usados para construção de uma imagem ou SDK (Software Development Kit) Imagens: imagens produzidas pelo processo de desenvolvimento SDK de desenvolvimento de aplicações: ferramentas de cross compilação

28 Ambiente de trabalho

29 Procedimento básico Baixar o projeto poky Executar configurações de variáveis de ambiente source oe-init-build-env Alterar os arquivos de configuração bblayers.conf local.conf Executar a compilação desejada bitbake <target> Exemplos de targets core-image-minimal meta-toolchain openssh Cada imagem possui um arquivo.bb com a receita responsável pela execução das tarefas correspondentes a este procedimento

30 MDP i.mx28 Código fonte Projeto hospedado no Github https://github.com/phiinnovations/mdp28-linux-bsp Criada uma camada específica para a placa meta-phi Criada uma imagem específica para a placa image-phi-mdp28 Criada uma configuração específica de hardware mdp28

31 Xenomai Framework para desenvolvimento de sistemas de tempo real em Linux Objetivo é permitir com que software criado em outros ambientes possam executar em Linux, mediante recompilação Projeto criado em 2001 Se fundiu com o RTAI em 2003 RTAI/Fusion Se separou do RTAI em 2005

32 Xenomai USER SPACE Aplicativo convencional Chamadas de sistema Aplicativo tempo real Chamadas de API Interrupções de hardware Linux Kernel Xenomai RTOS (nucleus) KERNEL SPACE Chamadas de I/O Interrupções de hardware Adeos/I-pipe Chamadas de I/O Interrupções de hardware Hardware

33 Xenomai Utiliza o ADEOS como tecnologia de separação de domínios Tempo Real Não tempo real Possui um RTOS próprio (nucleus) Skins para utilização de código de outros sistemas operacionais Comunidade relativamente grande Em comparação com outras iniciativas similares Suporte a diversas plataformas

34 Principais componentes Xenomai Nucleus Sistema operacional de tempo real. Implementa todas as funcionalidades necessárias para execução de aplicativo de tempo real Real Time Driver Model (RTDM) Infraestrutura para desenvolvimento de drivers e tasks para execução em kernel-space com Xenomai Native API Conjunto de funções que controlam o funcionamento do Xenomai Nucleus. Trata-se de uma biblioteca nativa e específica para um projeto de software escrito para Xenomai POSIX Skin Implementação de funcionalidades de tempo real para execução no Xenomai Nucleos conforme as especificações de API de tempo real definidas no padrão POSIX Padrão POSIX é a principal referência de API dos principais vendors de RTOS do mercado HAL Hardware Abstraction Layer. Utilizada para comunicação com ADEOS SCHED Funcionalidades para controle de escalonadores

35 Roadmap BSP Fase 1 suporte inicial Configuração básica Ambiente de desenvolvimento Fase 2 Qt Suporte ao desenvolvimento de interface gráfica com o usuário Fase 3 Xenomai Suporte ao desenvolvimento de software em tempo real

36 PERGUNTAS?

37 Obrigado Informações para contato:

Programação de Periféricos

Programação de Periféricos Programação de Periféricos Componentes Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Apresentação Raspberry pi Sistema Operacional embarcado Atividade Raspberry pi Sistema computacional

Leia mais

Thunderboard guia do usuário

Thunderboard guia do usuário grupoitech.com.br Thunderboard guia do usuário Revisão 1.0 (05052015) Orientações gerais Este manual de usuário foi desenvolvido com o intuito de ajudar no desenvolvimento e manuseio dos equipamentos de

Leia mais

Toolkit para Linux Embarcado. Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer

Toolkit para Linux Embarcado. Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Toolkit para Linux Embarcado Autor: Thiago Waltrik Orientador: Miguel Alexandre Wisintainer Roteiro Introdução Fundamentação Teórica Objetivos Trabalhos Correlatos Desenvolvimento Requisitos Especificação

Leia mais

Yocto Project. reduzindo "time to market" do seu próximo produto. Otavio Salvador otavio@ossystems.com.br

Yocto Project. reduzindo time to market do seu próximo produto. Otavio Salvador otavio@ossystems.com.br Yocto Project reduzindo "time to market" do seu próximo produto Otavio Salvador otavio@ossystems.com.br Otavio Salvador Desenvolvedor Debian Gerente de Release: Debian Installer (por 3 releases) GNU Parted

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE

Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE Desenvolvimento de uma Aplicação de Controle de Créditos Usando a Tecnologia MIFARE Julho 2008 Davi, Marcelo, Murilo, Pablo, Rodrigo Resumo MIFARE é uma tecnologia de smart cards sem contato, especificada

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Catálogo de placas ARM9

Catálogo de placas ARM9 Catálogo de placas ARM9 CONTEÚDO ARM9-35... 2 ARM9-70... 4 ARM9-VGA... 6 ARM9-MICRO70... 8 WIFI BOARD... 9 WEBCAM BOARD... 9 Maiores informações:... 10 ARM9-35 Código do produto:m0194 Kit ARM9 com LCD

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 -

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - T e c n o l o g i a Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO Plataforma de desenvolvimento

Leia mais

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 -

Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - T e c n o l o g i a Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Microcontroladores ARM Cortex-M3 - XM 700

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado

Sistemas Embarcados. Introdução. Características de sistemas embarcados. Software embarcado Sistemas Embarcados Alexandre Carissimi João Cesar Netto Luigi Carro (asc@inf.ufrgs.br, netto@inf.ufrgs.br, carro@inf.ufrgs.br) Introdução Sistemas embarcados são parte integrante de muitos dispositivos

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera

Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Implementação de um módulo Ethernet 10/100Mbps com interface Avalon para o processador Nios II da Altera Ricardo Menotti Orientador: Prof. Dr. Eduardo Marques Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Hardware. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/25 Roteiro Estrutura de um sistema operacional Interrupções Proteção do núcleo Níveis de privilégio Chamadas de sistema 2/25 Mono-processadores atuais seguem um

Leia mais

Montagem e Manutenção (Hardware) Aula 01

Montagem e Manutenção (Hardware) Aula 01 Aula 01 1 Explique porque é importante saber Montagem e Manutenção de Computadores hoje? 2 Defina Hardware. 3 Explique Transistor. 4 Faça uma breve explicação da Evolução dos Hardwares usados nos computadores.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR:

TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: TERMO DE REFERÊNCIA Lote 1 item 3. MICROCOMPUTADOR: 1.0 PROCESSADOR 1.1 Um processador Intel com arquitetura 64 Bits compatível com o equipamento ofertado e tecnologia de 65nm e núcleo duplo E4500; 1.2

Leia mais

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa SISTEMAS EMBARCADOS Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa ÍNDICE História O que são Sistemas Embarcados? Exemplos e Aplicações Arquitetura Conceitual Implementação de Projetos Futuro dos Sistemas Embarcados

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias

Sistemas Operacionais. Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Sistemas Operacionais Microsoft Windows R Patrícia Megumi Matsumoto Luciana Maria Gregolin Dias Histórico Início da década de 80 MS-DOS (vai evoluindo, mas sem nunca deixar de ser um SO orientado à linha

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá9ca 1 Prof. Markus Endler Pré- requisitos Para desenvolver para plataforma Android, é necessário fazer o download e instalar: Android SDK Tools: necessário para gerenciamento

Leia mais

MICROCOMPUTADOR TIPO I

MICROCOMPUTADOR TIPO I MICROCOMPUTADOR TIPO I Processador...: Processador com memória cache mínima de 1 MB; Tipo...: 1)Intel Pentium IV Prescott com freqüência de 3.0 Ghz ou Superior Memória...: Memória RAM instalada de 512

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Discrete Automation and Motion. Produtos de automação Linhas AC500-eCo, AC500, CP400 e CP600

Discrete Automation and Motion. Produtos de automação Linhas AC500-eCo, AC500, CP400 e CP600 Discrete Automation and Motion Produtos de automação Linhas AC500-eCo, AC500, CP400 e CP600 Produtos de Automação Painéis de Controle Interfaces Homem Máquina Painéis de operação ABB podem ser distinguido

Leia mais

Correspondente Bancário A Tecnologia

Correspondente Bancário A Tecnologia Correspondente Bancário A Tecnologia www.procomp.com.br iebold Procomp. ompromisso constante. Correspondente Bancário Aspectos Operacionais Correspondente Bancário Solução tecnológica: q Comunicação Instituição

Leia mais

MODULO II - HARDWARE

MODULO II - HARDWARE MODULO II - HARDWARE AULA 01 O Bit e o Byte Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. Aplicações: Byte 1 0 1 0 0

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955

Introdução. O que vimos. Infraestrutura de Software. (cont.) História dos Sistemas Operacionais. O que vimos 12/03/2012. Primeira geração: 1945-1955 O que vimos Infraestrutura de Software Introdução (cont.) Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma

Leia mais

2 Configuração do Ambiente de Desenvolvimento

2 Configuração do Ambiente de Desenvolvimento Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Sistemas Elétricos de Automação e Energia ENG10032 Microcontroladores 1 Objetivo Roteiro de Laboratório 2 Ambiente de Desenvolvimento

Leia mais

Framboesa π: Signal processing with raspberry pie

Framboesa π: Signal processing with raspberry pie Framboesa π: Signal processing with raspberry pie Raspberry Pi: Processamento de sinais com torta de framboesa Antonio Deusany de Carvalho Junior dj@ime.usp.br Compmus - IME/USP Apresentação do RPi Apresentação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011 Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Projeto: Placa mãe STD-7100 UAC (unidade de Aquisição e Controle).

Leia mais

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br

Informática. Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Informática Técnico em Agronegócio 1º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Roteiro de Aula Introdução Computador Hardware, Software básico, Software Aplicativo Hardwares

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais

Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Arquitetura de Sistemas Embarcados: Controladores Industriais Heber A. Scachetti RA 004933 heber_augusto@yahoo.com.br RESUMO Este artigo apresenta algumas das principais características encontradas em

Leia mais

Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM

Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM Sistema de Monitoramento Remoto de Pacientes Implementado em Hardware de Arquitetura ARM Ítalo Cavalcante Sampaio, Helano de Sousa Castro, Alexandre Augusto da Penha Coelho e Ricardo Jardel Nunes da Silveira

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina

Interfaces Homem-Máquina Interfaces Homem-Máquina www.altus.com.br Muito mais que IHMs Insuperável: gráficos vetoriais em hardware de alto desempenho Interativa: comunicação com diversos dispositivos de automação Intuitiva: biblioteca

Leia mais

Intel por um Mundo Melhor Responsabilidade Social Corporativa. Emilio Loures, Assuntos Corporativos

Intel por um Mundo Melhor Responsabilidade Social Corporativa. Emilio Loures, Assuntos Corporativos Intel por um Mundo Melhor Responsabilidade Social Corporativa Emilio Loures, Assuntos Corporativos Geração de Valor Integrada melhor processador melhores produtos de tecnologia futuro melhor responsabilidade

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários

Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários Curso básico em técnicas de manutenção para activistas comunitários Modulo I INTRODUÇÃO AO EQUIPAMENTO INFORMÁTICO Respostas as perguntas do modulo I Aula 1 1. Qual dos seguintes itens faz parte do kit

Leia mais

Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários

Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários Curso básico em técnicas de Manutenção para activistas comunitários Perguntas relacionadas com a Aula 2 do Módulo I Aula 2 1. Qual das alíneas encontram-se mencionados todos os tipos de computador por

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

DIGIREP. Registro Eletrônico de Ponto

DIGIREP. Registro Eletrônico de Ponto DIGIREP Registro Eletrônico de Ponto DigiREP é um equipamento para Registro Eletrônico de Ponto, com impressão das marcações, atendendo à Portaria 1510 do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. A Digicon

Leia mais

Primeiros Passos para Embarcar Linux em Sistemas Baseados em Processadores ARM

Primeiros Passos para Embarcar Linux em Sistemas Baseados em Processadores ARM Primeiros Passos para Embarcar Linux em Sistemas Baseados em Processadores ARM Prof. Wagner Augusto Pires Coimbra Agenda Parte I: Entendendo os Problemas Parte II: Um Exemplo de Solução (com demonstrações)

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA

COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA COMANDO-GERAL DE TECNOLOGIA AEROESPACIAL INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA Medidor de Deslocamento utilizando sensores MEMS Outubro de 2010 Disciplina: EA-291 / 2010

Leia mais

Sistemas Embarcados. 1. Introdução. www.sbajovem.org Este Material é livre e não pode ser comercializado 1

Sistemas Embarcados. 1. Introdução. www.sbajovem.org Este Material é livre e não pode ser comercializado 1 Escrito por: Otavio Chase Em 12/2007 www.sbajovem.org SBAJovem 2010 Sistemas Embarcados 1. Introdução Segundo alguns dados estimados por pesquisas em alta tecnologia, mais de 90% dos microprocessadores

Leia mais

Discrete Automation & Motion. IHM Interface Homem-Máquina Linha CP400

Discrete Automation & Motion. IHM Interface Homem-Máquina Linha CP400 Discrete Automation & Motion IHM Interface Homem-Máquina Linha CP400 IHM Interface Homem-Máquina CP400 Desempenho e conforto em terminais de operação A linha de IHMs da ABB oferece excelente diversidade

Leia mais

Estrutura geral de um computador

Estrutura geral de um computador Estrutura geral de um computador Prof. Helio H. L. C. Monte-Alto Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.)

Infra-Estrutura de Software. Introdução. (cont.) Infra-Estrutura de Software Introdução (cont.) O que vimos Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como

Leia mais

DIGIREP. Registro Eletrônico de Ponto

DIGIREP. Registro Eletrônico de Ponto DIGIREP Registro Eletrônico de Ponto Versão preferencial com fundo branco: Versão Tons de Cinza com fundo branco: Versão colorida em fundo preto: Versão Tons de Cinza em fundo preto: DigiREP é um equipamento

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1 Introdução Conceituação Um Sistema Operacional tem como função principal gerenciar os componentes de hardware (processadores, memória principal,

Leia mais

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B

Hardware 2. O Gabinete. Unidades Derivadas do BYTE. 1 KB = Kilobyte = 1024B = 2 10 B. 1 MB = Megabyte = 1024KB = 2 20 B 1 2 MODULO II - HARDWARE AULA 01 OBiteoByte Byte 3 Definições: Bit é a menor unidade de informação que circula dentro do sistema computacional. Byte é a representação de oito bits. 4 Aplicações: Byte 1

Leia mais

Rua Alferes Poli, 589 - Centro Curitiba PR - CEP: 80230-090. BASTECH Automação e Serviços. E-Mail: comercial@bastech.com.br - www.bastech.com.

Rua Alferes Poli, 589 - Centro Curitiba PR - CEP: 80230-090. BASTECH Automação e Serviços. E-Mail: comercial@bastech.com.br - www.bastech.com. BASTECH Automação e Serviços Rua Alferes Poli, 589 - Centro Curitiba PR - CEP: 80230-090 Fone/Fax: (41) 3013-1049 E-Mail: comercial@bastech.com.br - www.bastech.com.br PLATINA Características Modelos:

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Matemática e Computação Bacharelado em Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Aula 05 Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br)

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

CLP - IHM. Solução Completa em Automação. Controladores Lógicos Programáveis - Interfaces Homem Máquina

CLP - IHM. Solução Completa em Automação. Controladores Lógicos Programáveis - Interfaces Homem Máquina Solução Completa em Automação CLP IHM Controladores Lógicos Programáveis Interfaces Homem Máquina Software de programação GRATUITO para toda linha + de 80 protocolos diferentes entre 30 fabricantes mundiais

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA KIT DE COMPONENTES DE MICROINFORMÁTICA P/ MONTAGEM DE TERMINAL DE AUTOATENDIMENTO PARA O SISTEMA GEST Controle de Revisões Elaborador: Adriano José Cunha de Aguiar Validador: Luiz

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES

Escola. Europeia de. Ensino. Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES Escola Europeia de t Ensino Profissional ARQUITETURA DE COMPUTADORES TRABALHO REALIZADO: ANDRÉ RIOS DA CRUZ ANO LETIVO: 2012/ 2013 TÉCNICO DE GESTÃO DE EQUIPAMENTOS INFORMÁTICOS 2012 / 2013 3902 Escola

Leia mais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais

Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais L I N H A D E P R O D U T O S PA R A Monitoramento, Controle, Registro e Supervisão de Processos Industriais Índice Apresentação 03 Características Individuais Controlador de Processos C702 Aquisitor de

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução

Sistemas Operacionais Introdução Sistemas Operacionais Introdução Adriano J. Holanda http://adrianoholanda.org/edu/ 5 de agosto de 2013 Introdução Sobre o curso Introdução Complexidade dos SOs Informações sobre a disciplina Serviços Arquitetura

Leia mais

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega

Introdução Dalvik Linux 2.6. Android. Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Android Diogo de Campos, João Paulo Pizani Flor, Maurício Oliveira Haensch, Pedro Covolan Bachiega Universidade Federal de Santa Catarina November 18, 2008 Agenda 1 Introdução 2 Dalvik 3 Linux 2.6 Introdução

Leia mais

Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study

Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study Manual (versão 1.4) Kit 8051 Study Microgenios Soluções Eletrônicas Ltda. ME - ano 2010 Todos os direitos reservados Proibida cópia integral ou parcial do material aqui contido www.microgenios.com.br Sumário

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 13 de novembro de 2014 Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Sistemas Embarcados Android

Sistemas Embarcados Android Engenharia Elétrica UFPR 7 de março de 2013 Outline Desenvolvido para sistemas móveis pelo Google: Android Open Source Project (AOSP) Grande sucesso, devido a combinação de: open source licensing aggressive

Leia mais

Real Time Linux. Walter Fetter Lages

Real Time Linux. Walter Fetter Lages Real Time Linux Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO

DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO DISPOSITIVO PARA RASTREAMENTO DE VEÍCULOS, COLETA, TRANSMISSÃO E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL APRESENTAÇÃO Luiz Carlos Miller Araras, outubro de 2010 DA LOCALIZAÇÃO DO DISPOSITIVO: O GPTD captura

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1

Sistemas Operacionais de Tempo-Real. Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Sistemas Operacionais de Tempo-Real Out/2007 Aleksey Victor Trevelin Covacevice 1 Tópicos O que é computação de tempo-real? O que são sistemas operacionais de tempo-real? Onde são utilizados RTOSs? Sistemas:

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída

Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída URCAMP Universidade da Região da Campanha Tecnologia da Informação Professor: Franco Sampaio Periféricos, dispositivos de entrada e dispositivos de saída Alunos: Geovani Silveira, Kellen Botino, Karen

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TERESA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TERESA Pregão Presencial Nº 000131/2014 Abertura 24/10/2014 09:00 Processo 012339/2014 Lote 00001 - LOTE 01 - IMPRESSORA Descrição Ítem Código Especificação Unidade Quantidade Marca Unitário Valor Total 00001

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais