Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 O Sistema Visorama: Um Novo Ambiente de Multimdia e Realidade Virtual Andre Matos 1;3 Jonas Gomes 1 Andre Parente 2 Heloisa Siert 2 Luiz Velho 1 1 IMPA{Instituto de Matematica Pura e Aplicada 2 Escola de Comunicac~ao UFRJ 3 Departamento de Informatica, PUC-Rio Abstract The recent developments in image-based rendering have enabled a representation of virtual environments based on a simulation of panoramas, which we call virtual panoramas. Current virtual panorama systems do not provide a natural and immersive interaction with the environment. We present the architecture of a new system that uses hardware and software components to provide a natural and immersive interaction with virtual panoramas. As part of the system we propose a well suited representation for the interactions in a virtual panorama. This representation can be used as a basis for the design of a high-level language for the creation of such environments. Resumo O recente desenvolvimento de tecnicas de visualizac~ao baseada em imagens possibilitaram a representac~ao de ambientes virtuais utilizando panoramas geradas por computador, que chamamos de panoramas virtuais. Os sistemas de panoramas virtuais existentes n~ao permitem uma interac~ao natural e imersiva com o ambiente virtual. Propomos a arquitetura de um novo sistema que utiliza componentes de hardware e de software para oferecer esse tipo de interac~ao. Propomos tambem uma representac~ao para essas interac~oes que pode ser utilizada como base para o desenvolvimento de uma linguagem de alto nvel para a criac~ao desses ambientes. Palavras Chaves: Multimidia, Realidade Virtual, Panoramas, Ambientes Virtuais e Interativos, Rendericac~ao Baseada em Imagens.

2 1 Introduc~ao Os recentes desenvolvimentos na area de computac~ao graca t^em possibilitado a criac~ao de um grande numero de sistemas de realidade virtual. Esses sistemas utilizam modelos geometricos para representar um mundo virtual por onde os seus usuarios podem navegar, por vezes com o auxlio de algum equipamento adicional que proporciona uma interface mais realista anavegac~ao (imersibilidade) (Kalawsky, 1993). A visualizac~ao desse mundo e feita atraves de tecnicas de computac~ao graca 3D que s~ao executadas durante a navegac~ao. Para que isso seja feito em tempo real, esses mundos virtuais s~ao geralmente bastante simples e as imagens geradas para o usuario n~ao s~ao foto-realistas.com o objetivo de superar essas limitac~oes surgiram os sistemas de visualizac~ao baseada em imagens. As tecnicas utilizadas por esses sistemas para representar e visualizar ambientes virtuais t^em origens nas areas de vis~ao computacional, fotogametria e computac~ao graca (McMillan & Bishop, 1995). A representac~ao do ambiente virtual e criada a partir de um numero de fotograas, que podem ter sido obtidas do mundo real, ou de um ambiente modelado. Essa representac~ao e utilizada para reconstruir a vis~ao que um observador teria navegando pelo ambiente virtual. Alguns metodos de visualizac~ao baseada em imagens foram propostos utilizando representac~oes diferentes. McMillan e Bishop (McMillan & Bishop, 1995) fazem uma analise dos metodos existentes e apresentam um novo metodo. Outros metodos foram propostos recentemente baseados em tecnicas de holograa (Gortler et al., 1996)(Levoy & Hanrahan, 1996). A representac~ao utilizada por alguns metodos permite que os usuarios interajam com o ambiente virtual como se esse fosse mostrado por uma panorama. Chamaremos esse tipo de representac~ao de panorama virtual. O primeiro sistema comercial a utilizar panoramas virtuais foi o Quicktime VR da Apple Computer (Chen, 1995), mas outros sistemas semelhantes foram desenvolvidos recentemente. Apesar de suas diferencas, todos esses sistemas possuem certas limitac~oes em comum. Entre essas ressaltamos o fato de n~ao oferecerem uma interac~ao natural e imersiva com o ambiente virtual. Neste trabalho propomos a arquitetura de um novo sistema, o Sistema Visorama, que combina componentes de hardware e de software para oferecer uma interac~ao natural e imersiva com panoramas virtuais. O sistema tambem possui um ambiente de autoria que permite a especicac~ao de interac~oes caractersticas de ambientes representados por panoramas virtuais. Um prototipo deste sistema esta atualmente em desenvolvimento. O artigo comeca com uma introduc~ao as panoramas. Em seguida discute panoramas virtuais e os sistemas que as utilizam. Apresenta ent~ao a arquitetura do sistema Visorama com seus componentes de hardware e de software. Finalmente discute autoria no sistema visorama. 2 Panoramas Uma panorama e um tipo de pintura mural construda ao redor de uma plataforma circular onde espectadores podem olhar em qualquer direc~ao e ver uma cena como se

3 Figura 1: Sec~ao de uma panorama. estivessem no seu interior. Foi patenteada por Robert Baker em 1787 e nesse tempo era uma forma extremamente popular de representac~ao da natureza e de eventos historicos. As panoramas eram normalmente construdas em predios com dois ou tr^es andares de modo que os espectadores podiam passar por ambientes diferentes (Comment, 1993). A Figura 1 ilustra a sec~ao transversal de uma panorama de tr^es andares construda em Muitas variac~oes das panoramas foram criadas desde esse perodo ate meados deste seculo. Um exemplo dessas variac~oes e o Cinerama onde imagens cinematogracas eram projetadas em uma superfcie circular cobrindo 180 graus. Tr^es projec~oes eram utilizadas mas a imagem gerada aparentava ser criada por uma unica projec~ao. Algumas dessas variac~oes utilizavam outros recursos para tornar a interac~ao com o mundo ctcio mais imersiva. O Hale's Tour, por exemplo, simulava uma viagem de trem e os espectadores sentavam-se realmente no interior de um vag~ao. Durante a viagem simulada, imagens passavam pelas janelas do vag~ao. Ja o Sensorama utilizava efeitos como som stereo e odores para simular uma viagem de motocicleta pelo bairro do Brooklin, em Nova York. Todas essas variac~oes compartilham algumas caractersticas em comum. Os espectadores permanecem sempre no interior de um ambiente e imagens s~ao projetadas ao seu redor. Essas imagens mostram a vis~ao que o espectador teria se estivesse no interior do ambiente simulado, e buscam sempre o realismo com o objetivo de fazer com que o espectador se sinta imerso neste ambiente simulado. Essa forma de interac~ao oferecida pelas panoramas e naturalmente aceita pelos espectadores por ser muito semelhante ao modo como estamos acostumados a observar o mundo, como se estivessemos no seu centro. Talvez essa seja a explicac~ao psicologica de porque as panoramas e suas variac~oes t^em sido t~ao populares. 3 Panoramas Virtuais O recente desenvolvimento das tecnicas de visualizac~ao baseada em imagens possibilitou a simulac~ao de panoramas no computador. Chamaremos essa simulac~ao de

4 Figura 2: Uma c^amera virtual observando a panorama. panorama virtual. Em uma panorama virtual, uma imagem e pintada em uma superfcie panor^amica S R 3 utilizando tecnicas de mapeamento de textura (Heckbert, 1996). Uma c^amera virtual e utilizada para observar a superfcie panor^amica interativamente (Figura 2) e o usuario possui a liberdade de girar a c^amera em torno de seu centro e mudar o fator de zoom. A imagem mapeada na superfcie e chamada de imagem panor^amica. A imagem panor^amica representa a projec~ao do ambiente na superfcie panor^amica. Os sistemas de panorama virtual proporcionam ferramentas para a criac~ao dessa imagem a partir de fotograas, que podem ter sido obtidas do mundo real ou de um mundo modelado. Apos o mapeamento na superfcie, a imagem panor^amica pode ser interativamente observada, reconstruindo assim vistas arbitrarias do ponto do ambiente onde as fotos foram tiradas. A forma da superfcie determina as vistas que poder~ao ser reconstruidas. O processo que acabamos de descrever envolve duas projec~oes: Projec~ao do ambiente na superfcie panor^amica. Projec~ao da superfcie panor^amica na tela da c^amera virtual. A superfcie panor^amica deve ter uma forma geometrica simples para facilitar essas duas projec~oes. Os tipos de superfcies panor^amicas mais utilizadas s~ao o cilindro, a esfera e o cubo. No caso do cilindro, a imagem panor^amica deve ser obtida por uma c^amera panor^amica. O mapeamento dessa imagem na superfcie do cilindro pode ser feito \enrolando" a imagem ao seu redor. Essa transformac~ao dene uma isometria entre o cilindro e o domnio da imagem e assim a transformac~ao n~ao deforma a imagem. No caso da esfera, a imagem panor^amica e dividida em duas partes que devem ser obtidas com uma objetiva grande angular (\sheye"), de um mesmo ponto, em direc~oes opostas. Cada imagem e mapeada ortogonalmente em um hemisferio diferente. No caso do cubo, a imagem panor^amica e dividida em

5 seis partes, obtidas com uma lente comum de um mesmo ponto e em seis direc~oes perpendiculares diferentes. Cada imagem e mapeada em uma face do cubo. Segundo os processos descritos acima, um sistema de panorama virtual tem dois componentes principais: um ambiente de autoria e um visualizador. O ambiente de autoria permite que se crie a imagem panor^amica. Para que essa imagem represente uma projec~ao do mundo real, c^ameras e lentes especializadas para cada tipo de superfcie panor^amica devem ser utilizadas, conforme mencionamos anteriormente. Essas c^ameras e lentes podem tambem ser simuladas para a criac~ao de uma imagem panor^amica representando uma projec~ao de um ambiente modelado. Alternativamente, alguns sistemas permitem a criac~ao da imagem panor^amica a partir de fotograas obtidas com c^amera e lente comuns. Nesse caso as imagens obtidas de cada foto s~ao deformadas, alinhadas entre si, e combinadas, criando uma imagem panor^amica muito semelhante a imagem obtida utilizando-se as c^ameras e lentes especializadas. O visualizador reprojeta a superfcie panor^amica na c^amera virtual interativamente, permitindo ao usuario modicar a sua direc~ao de visualizac~ao e o seu fator de zoom. Para que essa reprojec~ao seja executada em tempo real, ela e aproximada por uma operac~ao de deformac~ao na imagem panor^amica e o resultado dessa deformac~ao e mostrado diretamente na tela (Smith, 1987). 4 Sistemas Existentes de Panoramas Virtuais Vamos comparar tr^es sistemas que utilizam panoramas virtuais disponveis comercialmente: Quicktime VR 1.0 da Apple Computer, PhotoBubbles da OmniView e RealVR da RealSpace. 4.1 Descric~ao O Quicktime VR 1.0 utiliza apenas superfcies panor^amicas cilndricas, e oferece um ambiente de autoria completo para a criac~ao de panoramas virtuais. A imagem panor^amica pode ser uma fotograa obtida com uma c^amera panor^amica, ou uma sequ^encia de fotograas parcialmente coincidentes que s~ao compostas pelo programa de autoria em uma imagem panor^amica. Atualmente, o sistema n~ao oferece nenhum suporte a audio, e n~ao permite que animac~oes ou objetos 3D sejam compostos com a panorama. Algumas dessas funcionalidades foram prometidas para a vers~ao 2.0 do programa, onde panoramas poder~ao ser compostas com video e audio Quicktime e objetos Quickdraw 3D, ambos padr~oes da Apple. O PhotoBubbles utiliza apenas superfcies panor^amicas esfericas. A imagem panor^amica deve ser obtida a partir de duas fotos tiradas com uma lente sheye de 180 graus, ou gerada por um programa de modelagem. O PhotoBubbles n~ao tem ambiente de autoria e todas as panoramas devem ser preparadas pela Omniview. O RealVR, por outro lado, suporta cilindros, esferas e cubos como superfcie panor^amica. No entanto, n~ao oferece, atualmente, nenhum ambiente de autoria para qualquer uma dessas superfcies, oferecendo apenas um programa para converter

6 panoramas do Quicktime VR para o formato do RealVR. Esse formato e uma extens~ao do VRML 2.0 criado pelo RealSpace, que permite a inclus~ao da panorama em um mundo especicado por VRML. Como consequ^encia, e relativamente simples incluir-se objetos modelados em 3D, guras, vdeo e audio nas panoramas virtuais. Os tr^es sistemas discutidos oferecem um visualizador para suas panoramas com uma interface que utiliza o mouse para modicar a direc~ao de visualizac~ao. No Quicktime VR e RealVR, o teclado e utilizado para o controle do fator de zoom. Nenhum desses sitemas utiliza metodos baseado em multiresoluc~ao para melhorar a qualidade das imagens durante a modicac~ao do fator de zoom. Finalmente, o Quicktme VR e o RealVR devem, no futuro, oferecer uma API em C, o que permitira o desenvolvimento de programas para controlar os par^ametros do visualizador desses sistemas. 4.2 Analise Em uma panorama real, o ambiente e pintado em uma parede e essa pintura e projetada diretamente nos olhos do observador. Como descrevemos na sec~ao 3, os sistemas de panoramas virtuais tentam simular esse processo de duas projec~oes. No entanto, uma panorama virtual utiliza tr^es projec~oes: projec~ao da imagem na superfcie panor^amica, reprojec~ao da panorama na c^amera virtual, produzindo a imagem no monitor, e a reprojec~ao do monitor nos olhos do usuario. Em grande parte dos sistemas n~ao existe uma correlac~ao (acoplamento) entre a projec~ao no monitor e a observac~ao do usuario. O modo de manipulac~ao da direc~ao de visualizac~ao na panorama virtual, utilizando o mouse, n~ao e natural, pois exige que o usuario associe o movimento da sua m~ao com a mudancạ na direc~ao de visualizac~ao. Com isso, esses sistemas n~ao permitem que o usuario se sinta imerso no ambiente virtual e, por essa falta de imersibilidade, n~ao podem ser considerados sistemas de realidade virtual, uma vez que a imersibilidade e uma das caractersticas principais desses sistemas. Outro problema e que os sistemas de panoramas virtuais n~ao oferecem uma linguagem de alto nvel para a especicac~ao da interac~ao entre o usuario e o ambiente virtual. Grande parte desses sistemas oferecem uma interface para especicac~ao de interac~oes de baixo nvel envolvendo a movimentac~ao do mouse na janela do visualizador. Mas os autores deveriam ser capazes de especicar interac~oes de alto nvel, como por exemplo uma sequ^encia de operac~oes na c^amera virtual. Relacionado a este problema, esta a incapacidade desses sistemas de suportar o conceito de ambiente virtual representado por uma panorama. Grande parte dos sistemas permitem que o usuario se movimente em um ambiente 3D "pulando"entre panoramas. Mas quando o usuario interage com uma so panorama, n~ao oferecem meios para a especicac~ao das interac~oes neste mundo virtual representado pela panorama. Uma excec~ao e o sistema RealVR, que tem todo o suporte da linguagem VRML para a criac~ao do ambiente virtual. Essa linguagem, no entanto, exige que se especique o mundo utilizando informac~oes 3D, o que n~ao esta disponvel em uma panorama virtual. Em geral, n~ao e trivial a determinac~ao de posic~oes em 3D que devem ser associadas a objetos para que uma determinada interac~ao na panorama virtual seja criada. Por outro lado, as interac~oes neste tipo de ambiente virtual s~ao

7 mais facilmente representadas em termos das operac~oes que podem ser executadas na c^amera virtual, pois essa informac~ao esta sempre disponvel. 5 O Sistema Visorama Nesta e nas proximas sec~oes apresentamos a arquitetura do sistema Visorama, seus componentes de software e de hardware, e mostramos como o sistema oferece uma soluc~ao para as limitac~oes dos sistemas existentes descritos na sec~ao anterior: Imersibilidade do usuario Interface de mudanca da direc~ao de visualizac~ao Linguagem de autoria de alto nvel Suporte para ambientes virtuais baseados em panoramas Como descrevemos anteriormente, o problema de imersibilidade do usuario e interface de visualizac~ao ocorre nos sistemas existentes porque s~ao utilizadas duas projec~oes na visualizac~ao: a projec~ao na c^amera virtual e a projec~ao do monitor nos olhos do usuario. Alem disso, as duas projec~oes n~ao s~ao acopladas. Para resolver esses problemas, e preciso utilizar-se um dispositivo com a seguinte funcionalidade: Acoplar as duas projec~oes de visualizac~ao. Correlacionar as projec~oes com o movimento da cabeca do usuario. Esse dispositivo de observac~ao cria uma abstrac~ao de que o usuario esta no meio do ambiente virtual, interagindo com este atraves do dispositivo. A sua implementac~ao e feita por um visualizador que simula um binoculo, porem ao inves de mostrar o mundo atraves de lentes, mostra a panorama virtual em um par de pequenos monitores. A Figura 3 ilustra um modelo do equipamento de observac~ao utilizado no sistema Visorama. O display binocular oferece ao usuario a imersibilidade visual na panorama virtual. Embora n~ao possa ser transladado, esse dispositivo pode rodar em torno de dois eixos, vertical e horizontal, e quando isso e feito, a imagem da panorama na tela e modicada para que a resposta visual para a rotac~ao seja produzida. Essa forma de manipulac~ao direta da direc~ao de visualizac~ao e uma interface natural para panoramas virtuais. Alem disso, o usuario n~ao pode, em principio, mudar sua localizac~ao, o que tambem e natural para panoramas virtuais. O usuario tambem pode interagir com o ambiente virtual atraves de um conjunto de controles adicionais. Para responder de modo apropriado a todas essas interac~oes, o software do sistema armazena uma representac~ao interna do ambiente virtual. Essa representaca~o e especca para ambientes representados por panoramas, e inclui o conjunto de interac~oes do usuario a que o ambiente deve responder. Uma linguagem de alto nvel permite a autores desse sistema especicarem essas interac~oes.

8 Figura 3: O equipamento de observac~ao do Visorama Nas proximas sec~oes descreveremos a arquitetura do sistema Visorama com maiores detalhes. Um prototipo baseado na arquitetura apresentada a seguir esta atualmente em desenvolvimento. 6 O Hardware do Visorama Os principais componentes de hardware do Visorama, o relacionamento entre eles e seus grupamentos funcionais s~ao mostrados na Figura 4. Esses componentes podem ser classicados em tr^es subsistemas de hardware: subsistema de entrada, subsistema de sada e subsistema de controle. O subsistema de controle e um computador com as interfaces necessarias para a comunicac~ao com os componentes dos subsistemas de entrada e de sada. O computador armazena todas as informac~oes sobre o ambiente virtual e executa programas que utilizam essas informac~oes para gerar a resposta do sistema as interac~oes do usuario. Esse processo deve ser feito em tempo real, o que imp~oe uma restric~ao de velocidade mnima no processador, ja que esse deve ser capaz de receber as entradas do usuario e gerar a sada apropriada sem introduzir quaisquer efeitos de retardamento (\latency"). Tambem e importante que os sistemas existentes de panoramas virtuais possam ser executados nessa plataforma ja que esses ser~ao parte do sistema Visorama. Para o subsistema de controle, decidimos utilizar um computador Macintosh da Apple com processador PowerPC. Essa plataforma tem diversas vantagens: tem a capacidade de processamento necessaria; diversos sistemas existentes de panoramas virtuais executam nessa plataforma; e todos os outros componentes de hardware do Visorama podem ser conectados a esse computador. O subsistema de controle gera dois tipos de dados para o subsistema de sada: imagem e som. O primeiro tipo e enviado para o display binocular e o segundo para

9 Figura 4: Componentes de Hardware. o sistema de som stereo. O display binocular e um dispositivo imersivo que se assemelha a binoculos mas ao inves de ter um par de lentes, tem, para cada visor, um display CRT miniatura. As imagens mostradas nesses displays aparecem para o usuario como se fossem projec~oes do mundo real atraves de lentes de um binoculo comum. Cada display CRT esta conectado a uma sada de vdeo no computador. Se duas sadas estiverem disponveis, cada diplay pode estar conectado de forma independente, e imagens diferentes podem ser mostradas para cada olho do observador. Isso permitiria que se mostrasse imagens estereoscopicas, mas a primeira vers~ao do Visorama n~ao suporta essa funcionalidade. O equipamento de som stereo e basicamente um par de headfones conectados a uma porta de sada de audio stereo no computador. Caixas de som podem tambem ser utilizadas mas essas tem a desvantagem de permitir que o som do ambiente real seja confundido com o som do sistema, o que resulta numa perda da imersibilidade sonora. A utilizac~ao de audio stereo permite que sons diferentes sejam associados a cada canal de sada, permitindo a simulac~ao de som 3D em panoramas onde fontes de som estejam associados a direc~oes de visualizac~ao especcas. Essa funcionalidade, no entanto, n~ao sera suportada pela primeira vers~ao do sistema devido a complexidade da sua implementac~ao. Toda sada gerada pelo subsistema de controle depende das informac~oes de autoria e dos dados de entrada. Esses dados s~ao de dois tipos: dados de direc~ao de visualizac~ao, gerados por uma cabeca de rotac~ao e um conjunto de sensores, e dados de controle do usuario, gerados por um conjunto de controles adicionais. A cabeca de rotac~ao permite a manipulac~ao direta da direc~ao de visualizac~ao na panorama. Potenci^ometros s~ao acoplados aos dois eixos de rotac~ao, vertical e horizontal, da cabeca para capturar o movimento do display binocular. O subsistema de entrada tem um conjunto de controles adicionais: dois bot~oes e um potenci^ometro. O potenci^ometro e utilizado para controlar o ^angulo de zoom. Um dos bot~oes e utilizado para eventos discretos em geral, como por exemplo a selec~ao

10 Figura 5: Modulos e seus relacionamentos. de um objeto na panorama. Esses dois controles devem ser facilmente acessados pelo usuario, ja que s~ao muito utilizados. Juntamente com o potenci^ometro da cabeca de rotac~ao, esses dois controles permitem a execuc~ao das tarefas de posicionamento, selec~ao e quanticac~ao (veja (Foley et al., 1987)). O segundo bot~ao e utilizado para que o sistema entre em um modo de controle que permite a especicac~ao de congurac~oes como, por exemplo, o controle do volume de som. Nesse modo, o potenci^ometro e utilizado para controle do par^ametro selecionado. Um circuito simples amostra todos os equipamentos de entrada periodicamente. Esses dados s~ao enviados para o subsistema de controle, que gera a resposta para o usuario conforme especicado pelo autor do ambiente virtual. Isso e feito pelos componentes de software do sistema. 7 Componentes de Software O software do sistema tambem pode ser dividido em tr^es modulos funcionais: entrada, sada e controle. Esses tr^es modulos e o relacionamento entre eles s~ao ilustrados na Figura 5. O modulo de entrada recebe todos os dados dos dispositivos de hardware e os envia para os outros modulos. O de sada recebe esses dados e utilizando os dados de comando do modulo de controle, gera a sada de imagens e sons. Finalmente,omodulo de controle examina os dados de entrada e envia comandos para o modulo de sada. 7.1 Entrada e Saida Omodulo de entrada l^e os dados que chegam pela porta de comunicac~ao e os converte para um formato que seja entendido pelos outros modulos. Essa convers~ao garante que os demais modulos n~ao precisem ser modicados quando algum dispositivo de entrada for trocado. Os valores resultantes s~ao periodicamente enviados para os outros dois modulos.

11 Omodulo de sada recebe os dados diretamente para que possa gerar com rapidez a resposta visual as interac~oes do usuario. Assim, qualquer atraso que possa ocorrer devido a processamentos feitos no modulo de controle n~ao afetam a resposta do sistema com relac~ao a mudancas de direc~ao de visualizac~ao e de ^angulo de zoom. E fundamental para a imersibilidade oferecida pelo sistema que essa resposta esteja sincronizada com o movimento do display binocular, ja que qualquer efeito de latency poderiam confundir o usuario. O modulo de sada tem dois componentes, o componente de gerac~ao de imagens e o componente de gerac~ao de som. O primeiro mostra a panorama virtual, imagens estaticas ou objetos 3D, todos combinados em uma unica sada. Qualquer sistema existente de panoramas virtuais pode ser utilizado, desde que possa mostrar imagens e objetos 3D compostos com a panorama e tenha uma API que possa ser usada para controlar a visualizac~ao da panorama virtual. O componente de gerac~ao de imagens recebe comandos do modulo de controle determinando qual panorama deve ser mostrada, quais objetos ou imagens devem ser compostos com a panorama, entre outros comandos. A direc~ao de visualizac~ao e fator de zoom s~ao obtidos diretamente do modulo de entrada e s~ao modicados cada vez que esse modulo envia novos dados, produzindo assim a resposta esperada pelo usuario. O componente de gerac~ao de som utiliza recursos do sistema para tocar audio no hardware de som do computador. Um ambiente como o Quicktime da Apple pode ser utilizado como base para esse componente, que recebe comandos do modulo de controle determinando quais arquivos de som devem ser tocados, a posic~ao corrente no arquivo de som, alem de comandos comuns de manipulac~ao de audio como play, pause, stop, e controle de volume. Esse componente tem acesso direto aos arquivos de som. 7.2 O Modulo de Controle Os comandos gerados pelo modulo de controle s~ao baseados em dados obtidos do modulo de entrada e em informac~oes de interac~oes no ambiente virtual. Essas informac~oes relacionam sequ^encias de entrada com as suas respostas correspondentes, conforme especicado pelo autor do ambiente virtual. A estrutura interna e conceitualmente equivalente a um diagrama de estados. Utilizando essa representac~ao, o sistema esta sempre em um estado discreto conhecido e um numero de eventos s~ao especicados que fazem com que o sistema sofra uma transic~ao para um estado diferente. Uma transic~ao e especicada pelos seus estados de origem e destino, por um conjunto de eventos que a causam, e por um conjunto de ac~oes que devem ser executadas quando ela ocorre. Uma transic~ao deve ent~ao ocorrer se algum dos seus eventos for gerado pelo usuario ou pelo proprio sistema. Ac~oes podem ser especicadas para execuc~ao quando uma transic~ao for efetuada. As ac~oes que podem ser executadas utilizando-se os sistemas de panoramas virtuais existentes s~ao: mudar a panorama sendo visualizada; modicar os par^ametros de visualizac~ao; tocar, parar, interromper ou pular para uma posic~ao em um arquivo de audio; mostrar ou esconder uma imagem ou objeto 3D; iniciar um temporizador. Outras ac~oes devem estar disponveis no futuro como, por exemplo, fazer uma

12 Figura 6: Diagrama de estado para um exemplo de interac~ao. interpolac~ao entre duas panoramas. Um diagrama de estados representando as informac~oes de interac~ao no ambiente virtual guia a execuc~ao do modulo de controle. Essa execuc~ao e basicamente composta de um unico loop onde o programa l^e os dados de entrada e verica se algum evento denido em alguma transic~ao partindo do estado atual se torna verdadeiro com essa entrada. Caso haja tal evento, o programa executa as ac~oes especicadas para aquela transic~ao e troca o estado atual para o estado destino da transic~ao. 8 Autoria no Sistema Visorama O principal problema com a representac~ao baseada em diagramas de estados e a diculdade do processo de criac~ao do diagrama para interac~oes complexas. Essa representac~ao e poderosa no sentido de representar todas as interac~oes possveis em panoramas virtuais e permitir uma implementac~ao eciente. Mas quando as interac~oes s~ao complexas, n~ao e trivial para o autor do sistema quais estados e transic~oes devem ser criados. Podemos ver isso pelo diagrama de estados ilustrado na Figura 6, que representa a seguinte especicac~ao de interac~ao: se o usuario visualizar a regi~ao R 1 por mais de t 0 segundos, toque um audio S 1 com durac~ao t 1 segundos. Se o usuario mudar a visualizac~ao para uma regi~ao R 2 e se S 1 tiver acabado de tocar, toque outro audio S 2. Se n~ao tiver acabado, espere acabar e ent~ao toque o audio S 2. Se o usuario parar de visualizar as regi~oes R 1 e R 2, pare de tocar o audio S 1. Se o usuario parar de visualizar a regi~ao R 2, pare de todar o audio S 2. Para permitir que autores especiquem as interac~oes possveis com esse sistema sem que tenham que especicar diagramas de estado complexos, estamos desenvolvendo um ambiente de autoria que contem primitivas de alto nvel para a especicac~ao de interac~oes. O sistema Visorama possibilita formas de interac~ao entre o usuario e o ambiente virtual n~ao disponveis nos outros sistemas de multimdia e realidade virtual, e

13 assim dene uma nova linguagem para a comunicac~ao entre o usuario e o sistema. A imersibilidade oferecida pelo sistema permite que o usuario navegue naturalmente pelo ambiente virtual, procurando as informac~oes que lhe interessa. Enquanto faz isso, o usuario, sem preceber, causa um numero de eventos que modicam o estado do ambiente virtual. Isso n~ao ocorre nos sistemas de multimdia existentes, onde os eventos s~ao explcitos e esta claro para os usuarios os pontos na navegac~ao onde devem tomar decis~oes. O sistema Visorama pode estimar as partes do ambiente virtual que mais interessam ao usuario, analizando, por exemplo, quanto tempo este olha para uma determinada area. Essa informac~ao pode ser utilizada para guiar o usuario atraves do ambiente vitual, fornecendo mais informac~oes nos pontos de maior interesse e sugerindo os proximos locais a serem visitados. Assim, dois usuarios interagindo com uma mesma area podem obter informac~oes completamente diferentes dependendo do caminho que tomaram para chegar a essa regi~ao. As formas de interac~ao possveis com o sistema denem uma linguagem que pode ser usada por autores para criar ambientes virtuais no Visorama. Para auxilia-los a explorar essas possibilidades, estamos denindo um conjunto de elementos basicos da linguagem e operac~oes para comp^o-los. A denic~ao de um bom conjunto de elementos basicos e uma quest~ao ainda em estudo e deve ser determinado apos a execuc~ao de um numero de experi^encias com o processo de autoria. Os elementos e operac~oes devem ter uma representac~ao conhecida em termos de diagramas de estado para que uma sentenca nessa linguagem possa ser convertida em uma descric~ao baseada nesses diagramas que pode ent~ao ser utilizada pelo modulo de controle. Alem de denir uma linguagem de autoria, estamos implementando um ambiente de autoria para usuarios criarem ambientes virtuais que utiliza um interpretador para essa linguagem. Com isso um script do usuario e convertido em uma representac~ao baseada em diagramas de estado. Pretendemos tambem criar um ambiente de autoria visual onde o ambiente virtual pode ser criado sem a necessidade de programac~ao. Os elementos e operac~oes da linguagem poder~ao ser especicados gracamente utilizando algum tipo de diagrama. Alem disso areas da panorama poder~ao ser especicadas navegando-se pelo ambiente virtual. Toda essa informac~ao pode sera automaticamente convertida na linguagem interpretada. 9 Conclus~oes Descrevemos a arquitetura de um sistema que permite uma interac~ao natural e imersiva com panoramas virtuais. O novo sistema inclui componentes de software e de hardware e possibilita formas de interac~ao que n~ao est~ao disponveis nos sistemas existentes atualmente. Inclui tambem uma linguagem que pode ser utilizada por autores para criar ambientes que utilizam todas as novas possibilidades de interac~ao. O sistema Visorama tem muitas aplicac~oes em areas como educac~ao, turismo, entretenimento, mercado imobiliario e muitos outros. Juntamente com o desenvolvimento do sistema, pretendemos criar uma aplicac~ao na area turstica tendo como base a cidade do Rio de Janeiro. O usuario podera observar panoramas da cidade vista do morro do Corcovado, de onde quase toda a cidade e visvel. Sera guiado pelas

14 partes mais importantes da cidade, podera olhar com mais detalhes regi~oes de maior interesse e eventualmente observar panoramas tiradas desses pontos. Alem disso, atraves da utilizac~ao de tecnicas de processamento de imagens aplicadas a fotograas antigas e de programas de modelagem, panoramas ser~ao criadas que representar~ao partes da cidade no passado. Toda a navegac~ao sera guiada por uma narrac~ao, com explicac~oes e sugest~oes de pontos a serem visitados. Para aplicac~oes do sistema Visorama, como a descrita acima, alguns desenvolvimentos na tecnologia atual de panoramas virtuais permitiriam possibilidades de interac~ao ainda maiores. Entre esses, podemos citar o suporte a multiresoluc~ao, que permitiria a utilizac~ao de imagens panor^amicas com resoluc~oes maiores nas regi~oes de maior interesse do ambiente virtual. Essa possibilidade apresenta novas diculdades na visualizac~ao da panorama e no processo de autoria, durante a composic~ao da panorama, e esta sendo considerada como trabalhos futuros. Agradecimentos: O projeto Visorama esta sendo nanciado com recursos do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq), da Fundac~ao de Amparo a Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro e da Fundac~ao Jose Bonifacio. Bibliograa Chen, S. E Quicktime VR - An Image-Based Approach to Virtual Environment Navigation. Computer Graphics, Annual Conference Series, 29{38. Comment, B Le XIX Siecle des Panorama. Adam Piro. Foley, J. D., Dam, A. V., Feiner, S. K., & Hughes, J. F Computer Graphics Principles and Practice. Addison-Wesley. Gortler, S. J., Grzeszczuk, R., Szelinsky, R., & Cohen, M. F The Lumigraph. SIGGRAPH '96 Proceedings, 43{54. Heckbert, P. S Survey of Texture Mapping. IEEE Computer Graphics and Applications, Nov., 56{67. Kalawsky, R. S The Science of Virtual Reality. Addison-Wesley. Levoy, M., & Hanrahan, P Light Field Rendering. SIGGRAPH '96 Proceedings, 31{42. McMillan, L., & Bishop, G Plenoptica Modeling: An Image-Based Rendering System. SIGGRAPH '95 Proceedings, 39{46. Smith, Alvy Ray Planar 2-Pass Texture Mapping and Warping. Computer Graphics, 21(4), 263{272.

Escola de Comunicação da UFRJ Av. Pasteur 250, Fundos Sala 183 Rio de Janeiro/RJ - BRASIL www.eco.ufrj.br/aparente www.eco.ufrj.

Escola de Comunicação da UFRJ Av. Pasteur 250, Fundos Sala 183 Rio de Janeiro/RJ - BRASIL www.eco.ufrj.br/aparente www.eco.ufrj. O VISORAMA E OS MUSEUS VIRTUAIS Prof. Dr. André Parente Escola de Comunicação da UFRJ Av. Pasteur 250, Fundos Sala 183 Rio de Janeiro/RJ - BRASIL www.eco.ufrj.br/aparente www.eco.ufrj.br/visorama O Visorama

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Paula Salgado Lucena, Marcelo Gattass, Luiz Velho Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA - CCEN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA

Leia mais

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo

Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Universidade do Vale do Rio dos Sinos Realidade Virtual: Aumentando ainda mais o realismo Mestrado em Computação Aplicada Dr. Fernando S. Osório fosorio@unisinos.br Milton Roberto Heinen mheinen@turing.unisinos.br

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distingüir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Simulação Distribuída

Leia mais

Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005. DVD MovieFactory

Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005. DVD MovieFactory Guia do utilizador Ulead Systems, Inc. Janeiro de 2005 DVD MovieFactory Ulead DVD MovieFactory versão 4 2000-2005 Ulead Systems, Inc. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico.

Esclarecimento: As versões dos navegadores a serem utilizadas pelo PSIM estão descrito no item 2.4.1.12 do projeto básico. 1 Dúvida: Por favor, nos explique alguns casos tipicos de uso para o monitoramento central? Esclarecimento: Recepção e tratamento de eventos provenientes da central de alarme, validação de ocorrências

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - Android

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - Android Manual do usuário Intelbras isic5 Tablet - Android Intelbras isic5 Tablet - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual irá auxiliá-lo na instalação

Leia mais

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR)

Modelagem e Desenvolvimento do Campus Virtual Tridimensional da Faculdade Independente do Nordeste (FAINOR) Este artigo foi reproduzido do original final entregue pelo autor, sem edições, correções ou considerações feitas pelo comitê técnico. A C&D não se responsabiliza pelo conteúdo. Outros artigos podem ser

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS

COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS COMPUTAÇÃO GRÁFICA EQUIPAMENTOS Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA EQUIPAMENTOS Antigamente, designers gráficos

Leia mais

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada

Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada Inteligência Embarcada Módulo de Inteligência Embarcada - Para acessar o módulo deve-se ir ao menu FERRAMENTAS, sub-menu INTELIGÊNCIA EMBARCADA. O menu, ilustrado abaixo, contém as seguintes opções: Configurando

Leia mais

Um desenvolvimento de uma plataforma para Realidade Espacialmente Aumentada

Um desenvolvimento de uma plataforma para Realidade Espacialmente Aumentada Um desenvolvimento de uma plataforma para Realidade Espacialmente Aumentada Julio Lucio Martin IMPA juliolucio@gmail.com Luiz Velho IMPA lvelho@impa.br Abstract Neste documento se relata o trabalho de

Leia mais

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução Computação Gráfica II Realidade Virtual Introdução Faculdade de Informática PUCRS 1. Introdução 1.1 Das interfaces gráficas à realidade virtual Um dos recentes adventos do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Apostila de PowerPoint 2013

Apostila de PowerPoint 2013 Iniciando o Power Point 2013...01 Nova apresentação baseada no modelo...01 Escolhendo o esquema de cores do fundo do slide manualmente...02 Modificando o layout do slide... 03 Inserindo textos no slide...

Leia mais

O que é CG?? Soraia Raupp Musse

O que é CG?? Soraia Raupp Musse O que é CG?? Soraia Raupp Musse Processamento Gráfico Modelagem Multimídia RV Usuário Visão Modelos Gráfico Tempo Animação Vídeo Imagens Processamento de Imagens O que NÃO é CG?? Processamento de Imagens

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Capitulo 11 Multimídias

Capitulo 11 Multimídias Capitulo 11 Multimídias Neste capítulo são exploradas as ferramentas multimídias presentes no SO Android customizadas para o Smartphone utilizado neste manual. É inegável o massivo uso destas ferramentas,

Leia mais

Representação de Imagens

Representação de Imagens Representação de Imagens Primitivas Gráficas As primitivas gráficas são os elementos básicos que formam um desenho. Exemplos: Ponto, segmento, polilinha, polígono, arco de elipse, etc. Primitivas já definidas

Leia mais

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard.

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard. 1 Windows Movie Maker XP O Windows Movie Maker é um software de edição de vídeos que permite criar e editar filmes caseiros, inserindo efeitos, músicas, legendas e transições. O vídeo pode ser criado a

Leia mais

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração

Introdução. Dados. Imagens. 1. CG Computação Gráfica. 2. Paradigmas de Abstração Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina: Computação Gráfica pozzer@inf.ufsm.br 19/03/2008 1. CG Computação Gráfica Introdução Teve

Leia mais

Processamento de Sinais Áudio- Visuais

Processamento de Sinais Áudio- Visuais Processamento de Sinais Áudio- Visuais Parte IV Modelagem Gráfica & Hardware e Software para Processamento AudioVisual Profs. Celso Kurashima celso.kurashima@ufabc.edu.br Introdução à Engenharia da Informação

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D

Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Introdução a Modelagem 3D com Blender 3D Thiago H. B. de Oliveira 1, Gabriel de França Pereira e Silva 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) Av. Bom Pastor,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NA MELHORIA DA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS

UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NA MELHORIA DA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS UTILIZAÇÃO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA NA MELHORIA DA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS Joel Edu Sánchez Castro, Fernando Hattori, Felipe Martins dos Santos, Miguel Angel Galarreta Valverde Instituto de Matemática e Estatística

Leia mais

MICROSOFT POWER POINT 2003

MICROSOFT POWER POINT 2003 MICROSOFT POWER POINT 2003 APOSTILA PAGINAS.TERRA.COM.BR/EDUCACAO/INFOCAO 1 Sumário Software de Apresentação 03 Exemplos de Software de Apresentação 04 Considerações para uma boa Apresentação 05 Apresentações

Leia mais

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - ipad

Manual do usuário. Intelbras isic5 Tablet - ipad Manual do usuário Intelbras isic5 Tablet - ipad Intelbras isic5 Tablet - ipad Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual irá auxiliá-lo na instalação

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

Computação Gráfica II. Realidade Virtual. Visão Tridimensional

Computação Gráfica II. Realidade Virtual. Visão Tridimensional Computação Gráfica II Realidade Virtual Visão Tridimensional Faculdade de Informática PUCRS 3. Percepção da Visão Espacial A percepção de espacialidade de uma imagem pode ser vista com a capacidade que

Leia mais

Índice de ilustrações

Índice de ilustrações Sumário 1Dez novos recursos do windows 8...2 1.1Interface Metro...2 1.2Internet Explorer 10...4 1.3Gerenciador de Tarefas...5 1.4Painel de Controle...5 1.5Interface Ribbon...6 1.6Menu Iniciar...7 1.7Windows

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada

Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada Alan Alberto Alves, Isabel Dillmann Nunes 1 Ciência da Computação Fundação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Caixa Postal

Leia mais

Monograa Mobile 3D Graphics (JSR 184) OpenGL ES (JSR 239) Grupo 4

Monograa Mobile 3D Graphics (JSR 184) OpenGL ES (JSR 239) Grupo 4 Monograa Mobile 3D Graphics (JSR 184) OpenGL ES (JSR 239) Grupo 4 Roseane Midori Miya Sileno Rocco Tatiane Silvia Leite 22 de Abril - 2008 1 Introduc~ao Esta monograa tem como objetivo apresentar duas

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

Sistema Solar com Realidade Aumentada

Sistema Solar com Realidade Aumentada Sistema Solar com Realidade Aumentada Eduardo S. Okawa, Claudio Kirner, Tereza G. Kirner ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá dudu.unifei@gmail.com, ckirner@gmail.com, tgkirner@gmail.com

Leia mais

Experimentos em Realidade Virtual Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2010-06 Relatório Técnico. June - 2010 - Junho

Experimentos em Realidade Virtual Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2010-06 Relatório Técnico. June - 2010 - Junho Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Experimentos em Realidade Virtual Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-2010-06 Relatório Técnico June - 2010 - Junho The

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Aula 03 PowerPoint 2007

Aula 03 PowerPoint 2007 Aula 03 PowerPoint 2007 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Abrindo o PowerPoint; 2. Conhecendo a Tela do PowerPoint; 3. Criando uma Nova

Leia mais

e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000

e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000 e-cross Ferramenta Gráfica para Ensino do Processo de Cross Versão 1.01 Junho de 2000 Autores: Luiz Fernando Martha (Professor de Análise de Estruturas) André Cahn Nunes (Aluno de Engenharia Civil, bolsista

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft PowerPoint 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Encontre o que você precisa Clique

Leia mais

Mirasys VMS 7.3. Manual do usuário Workstation

Mirasys VMS 7.3. Manual do usuário Workstation Mirasys VMS 7.3 Manual do usuário Workstation CONTEÚDOS Conteúdos... 2 Antes de começar... 3 Iniciando a sessão... 4 Interface de usuário... 8 Navegador... 11 Câmeras... 20 Saídas de Vídeo... 37 Saídas

Leia mais

TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE AUTOR(ES): EDUARDO REIS ALVES,

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

LOUSA INTERATIVA. ActivPen

LOUSA INTERATIVA. ActivPen LOUSA INTERATIVA Desenvolvidos por e para professores, a Lousa Interativa é composta por um quadro eletrônico branco, conectado a um computador por meio de um cabo USB. Manuseada por meio de uma caneta

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING

ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Análise do Produto Dr. Charles Clarke ANÁLISE DO PRODUTO NX CMM INSPECTION PROGRAMMING Tendências e requisitos do setor...3 Uma nova abordagem de programação de inspeção de CMM...4 O aplicativo na prática...5

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft OneNote 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Alterne entre a entrada por toque

Leia mais

Pipeline de Visualização Câmara Virtual

Pipeline de Visualização Câmara Virtual Pipeline de Visualização Câmara Virtual Edward Angel, Cap. 5 Instituto Superior Técnico Computação Gráfica 2009/2010 1 Na última aula... Transformações Geométricas Composição de Transformações Deformação

Leia mais

Display de LEDs Rotativo

Display de LEDs Rotativo Display de LEDs Rotativo Paulo Matias André Luiz Barbieri 12 de dezembro de 2008 Resumo Descrevemos um projeto capaz de formar imagens por meio de uma coluna de LEDs rotativa. A configuração dos LEDs é

Leia mais

INTEREXPO3D Uma Ferramenta de Geração de Ambientes Virtuais 3D para Exposições Virtuais Interativas

INTEREXPO3D Uma Ferramenta de Geração de Ambientes Virtuais 3D para Exposições Virtuais Interativas INTEREXPO3D Uma Ferramenta de Geração de Ambientes Virtuais 3D para Exposições Virtuais Interativas Andréa Zotovici 1, 2, Romero Tori 2 1 Universidade São Judas Tadeu Rua Taquari, 546 Mooca CEP 03166-000

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

Desenvolvimento de uma Interface em Realidade Virtual para Empreendimentos na Internet

Desenvolvimento de uma Interface em Realidade Virtual para Empreendimentos na Internet Desenvolvimento de uma Interface em Realidade Virtual para Empreendimentos na Internet Plinio Thomaz Aquino Junior Claudio Kirner Tereza Gonçalves Kirner Fundação Eurípides Soares da Rocha Av. Higino Muzzi

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS

PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS PROPOSTA DE INTERFACE PARA VISUALIZAÇÃO DE CAMPOS DE DIREÇÕES ANISOTRÓPICAS OBTIDAS A PARTIR DE DADOS DE TOMOGRAFIA DE ESTRUTURAS ORGÂNICAS Tiago M. Buriol a, Marco A. Argenta b, Mildred B. Hecke c, Sergio

Leia mais

Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies.

Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies. Pesquisa, desenvolvimento e difusão de novas tecnologias digitais de manufatura, modelagem e captura de superfícies. Aluno:Gabriel Vinagre Orientador: Jorge Lopes Introdução A pesquisa trata do estudo

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112 Características da VideoCAM GF112 Botão SnapShot 1 (INSTANTÂNEO) 2 Lente 3 Base ajustável Instalação da VideoCAM GF112 1. Instale primeiro o driver e somente então conecte a VideoCAM GF112 à porta USB.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose)

MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) MANUAL DE UTILIZAÇÃO PROGRAMA PRO-ÍRIS (Controle Clínico e Irisdiagnose) O Programa Pró Íris foi desenvolvido pela Castells, visando tornar-se uma valiosa ferramenta auxiliar de ajuda ao profissional da

Leia mais

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE Deficiência Visual Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações V Compartilhando Eficiências Seção de Educação Especial SEE - DE a voar como os pássaros, Temos aprendido a nadar como os peixes, Mas ainda

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil

Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil Realidade Aumentada Aplicada a Projetos de Engenharia Civil Orientação: Alvaro Luiz Gayoso de Azeredo Coutinho Candidato: Gabriel Aprigliano Fernandes 1 Organização da Apresentação Introdução Metodologia

Leia mais

Banco de Dados Multimídia

Banco de Dados Multimídia Banco de Dados Multimídia Nomes: Ariane Bazilio Cristiano de Deus Marcos Henrique Sidinei Souza Professor Mauricio Anderson Perecim Conteúdo Banco de Dados Multimídia... 3 Conceitos... 3 Descrição... 3

Leia mais

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA

HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA HyperCAL 3D MODELADOR DE SÓLIDOS PARA GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira Régio Pierre da Silva Tânia Luísa Koltermann da Silva Anelise Todeschini Hoffmann José Luís Farinatti Aymone UFRGS -

Leia mais

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Autor: Marllus Lustosa - marlluslustosa@gmail.com 0 Índice 1. Introdução... 1 2. Tela de boot... 2 3. Tela de login... 2 4. Ambiente de trabalho... 5 5. Utilizando

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br

Tutorial Blender. por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Tutorial Blender por Luis Carlos Retondaro (yudeen) yudeen@gmail.com http://www.retondaro.pro.br Modelagem de cabeça estilo cartoon para animação (box modelling) Este tutorial foi adaptado de um vídeo

Leia mais

RMI: Uma Visão Conceitual

RMI: Uma Visão Conceitual RMI: Uma Visão Conceitual Márcio Castro, Mateus Raeder e Thiago Nunes 11 de abril de 2007 Resumo Invocação de Método Remoto (Remote Method Invocation - RMI) trata-se de uma abordagem Java para disponibilizar

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I

Roteiro. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Conceitos e Arquiteturas de Sistemas de Banco de Dados. BCC321 - Banco de Dados I Roteiro Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft OneNote 2013 apresenta uma aparência diferente das versões anteriores; desse modo, criamos este guia para ajudá-lo a minimizar a curva de aprendizado. Alternar entre o

Leia mais

Apostila de Windows Movie Maker

Apostila de Windows Movie Maker Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva Apostila de Windows Movie Maker Autor: João Paulo da Silva 2 Índice Introdução ao Windows Movie Maker...03 O que é o Windows Movie Maker?...03

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC)

QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) QGIS 2.4 Sistemas de Referência de Coordenadas (SRC) Jorge Santos 2014 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Introdução... 3 1.1 Referência Espacial... 3 1.2 Sistema de Referência de Coordenadas (SRC)...3 1.3

Leia mais

Soluções completas de segurança em vídeo IP

Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com IndigoVision Visão geral A solução empresarial de segurança IP IndigoVision garante o monitoramento

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Gravação e Transmissão

Gravação e Transmissão O D-Guard Center é um poderoso sistema de controle e monitoramento, integrado aos mais diversos equipamentos de segurança eletrônica. Ilimitados dispositivos podem ser controlados e monitorados simultaneamente:

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais