Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X"

Transcrição

1 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Pós-Graduação Lato Sensu em Governança de Tecnologia da Informação Cristiano Ferreira Soares Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X Brasília-DF 2013

2 SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Cristiano Ferreira Soares Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito para a obtenção do título de Especialista em Governança de Tecnologia da Informação ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAC, Unidade EAD SENAC/DF. Orientador: Prof. ME Edilberto Magalhães Silva Brasília-DF 2013

3 FICHA CATALOGRÁFICA Soares, Cristiano F. Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X / Cristiano Ferreira Soares. Brasília: Senac - DF, Monografia (especialização) SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Centro Nacional de Educação a Distância, Inclui Bibliografia. 1.Maturidade. 2.MPS.BR. 3.CMMI. I. Título.

4 Cristiano Ferreira Soares Implementação do Modelo de Maturidade CMMI-DEV na Empresa X Projeto apresentado ao Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAC, Distrito Federal, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Governança de Tecnologia da Informação. Aprovado em BANCA EXAMINADORA Prof. ME Edilberto Magalhães Silva Tutor Orientador Convidado Prof.ª ME Alexandra Cristina Moreira Caetano Coordenadora Pedagógica

5 Dedico este trabalho à minha mãe. Nunca poderei me esquecer de seu esforço em me proporcionar as condições adequadas ao desenvolvimento de minhas potencialidades no campo do saber. A ela, devo desde o meu primeiro passo até onde eu puder chegar.

6 AGRADECIMENTOS Eu não conseguiria enumerar, individualmente, todas as pessoas a quem devo agradecer e, além disso, não agradeceria somente às pessoas, mas a todo o universo que, misteriosamente, testifica nossa caminhada ou colabora para o nosso êxito. As contribuições para mais esta realização foram várias e metamorfoseadas sob diversas formas: o Incentivo veio quando eu estava cansado; o Carinho, quando eu precisava de um pouco mais de atenção; a Instrução, enquanto eu me preparava; a Compreensão, quando a querida família se resignava quanto à minha ausência nos momentos de estudo e trabalho e a Perseverança que me fez prosseguir mesmo quando o apelo do lazer e da companhia de pessoas benquistas parecia mais forte que eu. Ademais, se faço uma breve exceção quanto a não menção daqueles a quem devo minha absoluta gratidão, esta se refere ao meu filho, Miguel. Agradeço à você, filho, cuja existência ilumina e justifica a minha.

7 Altiora semper petens Brasão de Petrópolis

8 RESUMO Este trabalho descreve uma proposta de implementação de um modelo de maturidade para qualidade de software por meio da análise dos modelos CMMI v1.3, desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) e do Programa de Melhoria de Processos do Software Brasileiro 2012 (MPS.BR) desenvolvido pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX). Tal proposta visa à implementação do modelo de maturidade considerado, dentre os apresentados, como o mais adequado a uma empresa desenvolvedora de software, seguindo uma metodologia baseada em pesquisas bibliográficas e num estudo de caso desenvolvido no âmbito da referida empresa. O trabalho consta, ainda, de outros modelos empregados na área da governança da tecnologia da informação, como o Control Objectives for Information and Related Technology (COBIT) e a Information Technology Infrastructure Library (ITIL), como forma de relacioná-los ao CMMI. Este, por sua vez, é combinado ao ciclo de vida de processos IDEAL na proposta de implementação aqui descrita. Ressaltese, ademais, que a importância deste tema está diretamente relacionada à satisfação dos objetivos estratégicos das empresas do ramo de desenvolvimento de software em sua busca pelo aumento da produtividade, da satisfação do cliente e da otimização dos recursos, benefícios advindos da racionalidade técnica e da adoção de boas práticas. Palavras-chave: Maturidade. MPS.BR. CMMI.

9 ABSTRACT This paper describes a proposal to implement a maturity model for software quality through analysis of CMMI v1.3, developed by the Software Engineering Institute (SEI) and the Brazilian Software Process Improvement Program 2012 (MPS.BR) developed by the Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX). This proposal aims at the implementation of the maturity model, chosen among those presented in this work, as the most appropriate for a company that develops software, using a methodology based on bibliographical research and a case study conducted inside the considered company. The work consists also of other models used in the area of governance of information technology, such as the Control Objectives for Information and Related Technology (COBIT) and Information Technology Infrastructure Library (ITIL) as a way to relate them to the CMMI. This, in turn, is combined in the present proposal of implementation with the process life cycle of the IDEAL model. It should be noted, moreover, that the importance of this issue is directly related to the fulfillment of the strategic objectives of software development companies regarding their quest for increased productivity, customer satisfaction and resources optimization, benefits which result from the technical rationality and from the adoption of good practices. KeyWords: Maturity. MPS.BR. CMMI.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 01 Cronograma de Implementação...19 Figura 02 Evolução do CMMI...21 Figura 03 Componentes do MPS.BR...24 Figura 04 Relacionando CMMI com os Domínios do COBIT...26

11 LISTA DE TABELAS Tabela 01 Representações do CMMI...22 Tabela 02 Níveis de Maturidade do MPS.BR...24 Tabela 03 Relacionando CMMI Nível 2 com o Ciclo de Vida da ITIL...27 Tabela 04 Resumo das Entrevistas Realizadas...30 Tabela 05 Análise Comparativa entre CMMI e o MPS.BR...36 Tabela 06 Áreas de Processo do CMMI-DEV...37 Tabela 07 Cronograma de Ações...38 Tabela 08 Metas e Práticas Genéricas do CMMI Nível Tabela 09 Meta e Práticas Específicas da Área de Processos REQM...40 Tabela 10 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos PP...40 Tabela 11 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos PMC...40 Tabela 12 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos SAM...41 Tabela 13 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos MA...41 Tabela 14 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos PPQA...41 Tabela 15 Metas e Práticas Específicas da Área de Processos CM...41 Tabela 16 Estimativa de Desembolsos Previstos...42 Tabela 17 Definição de Papéis e Responsabilidades...44 Tabela 18 Designação das Áreas de Processo...45

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Formulação da situação problema (Questões de pesquisa) Objetivos e escopo Objetivo Geral Objetivos Específicos Escopo Justificativa METODOLOGIA Cronograma de Implementação REVISÃO DE LITERATURA E FUNDAMENTOS CMMI Capability Maturity Model Integration MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro Relacionando CMMI, ITIL e COBIT ESTUDO DE CASO Sobre a organização Coleta de dados organização DISCUSSÃO Critérios para interpretação dos achados do estudo de caso Combinação dos dados para responder às questões de pesquisa Proposição da solução e aplicação de boas práticas Escolha do modelo a ser implementado Implementando o CMMI-DEV O Modelo IDEAL Iniciando Diagnosticando Estabelecendo Agindo... 44

13 Aprendendo CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS Conclusões Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS E FONTES CONSULTADAS... 49

14 1 INTRODUÇÃO Todos os dias, inúmeras atividades são realizadas nas mais diversas situações: s podem ser consultados via laptops na cozinha na hora do café da manhã; games podem ser jogados através de smartphones no trajeto entre a casa e o trabalho; transações bancárias podem ser realizadas durante o horário de almoço por meio de terminais eletrônicos; nos diversos deslocamentos pela cidade, aparelhos de GPS podem ser utilizados para se encontrar determinadas rotas ou pontos de interesse. Por trás de todas estas atividades, há um componente do qual nem sempre nos damos conta, senão através da interface de aparelhos ou de dispositivos que utilizamos: o software. Ainda mais imperceptível que a noção de sua existência é a maneira como são concebidos. Se é fácil imaginar como carros são produzidos através das linhas de montagem, o mesmo não se pode dizer do ambiente produtivo de uma empresa desenvolvedora de softwares. Ainda assim, é fácil constatar a importância deste segmento na sociedade contemporânea. Em virtude da emergência com que são demandados e adstritos ao fato de sua, relativamente, curta história, os softwares sofreram, ao longo do tempo que vai do seu surgimento à atualidade, uma tremenda evolução na maneira com que são concebidos, tamanha a velocidade de mutação de ambientes, linguagens, métodos e formas de organização. Tal evolução não se deu sem sobressaltos, haja vista o que se convencionou chamar de crise do software nos anos 70. A reação a este cenário, entretanto, veio logo a seguir, como resposta de superação a tal contingência. No bojo desta reação, além da revolução na engenharia de software, revolucionou-se também o ambiente organizacional das empresas e novos meios de gerenciamento tomaram forma. O presente trabalho tem por escopo oferecer uma proposta de implementação de um modelo de maturidade numa empresa desenvolvedora de software com vistas a apresentar um modelo de boas práticas que a capacite ao desafio da melhoria contínua, uma vez que 14

15 Especialmente para organizações onde o produto principal é o desenvolvimento e manutenção de software, faz-se necessário, senão a implementação do CMMI, o conhecimento e aplicação parcial deste. Seja por necessidades mercadológicas, para maior visibilidade de produtos e serviços da organização ou simplesmente para melhoria de processos, torna-se imprescindível o conhecimento e aplicação destas melhores práticas ao processo de desenvolvimento e manutenção de produtos e serviços de software. (SAMARINI, 2005) Esta contextualização evidencia a relevância da temática que será abordada. Ademais, o aumento da produtividade, da satisfação do cliente e da otimização dos recursos, fruto da racionalidade técnica e da adoção de boas práticas constituem, por si sós, razões suficientes para um olhar mais atento e um interesse decidido ao que é proposto por modelos de maturidade como o MPS.BR ou o CMMI. Desta forma, ao longo deste trabalho, a proposta de implementação se dará da seguinte forma: no capítulo 1, além desta introdução, estão compreendidos, também, os objetivos, o escopo e a justificativa para este trabalho; no capítulo 2, faz-se uma revisão de literatura e fundamentos, abordando aspectos do CMMI v1.3, do MPS.BR 2012 e da forma como o CMMI está relacionado a outros frameworks, como COBIT e ITIL; no capítulo 3, apresenta-se a metodologia e o cronograma de implementação deste trabalho; no capítulo 4, tem-se o estudo de caso, evidenciando-se o ambiente de produção da empresa; no capítulo 5, faz-se a proposta de implementação do modelo de maturidade para a empresa X e, finalmente, no capítulo 6, são apresentadas as conclusões e as indicações para trabalhos futuros. 15

16 1.1 Formulação da situação problema (Questões de pesquisa) No mundo corporativo, a clareza dos objetivos de uma empresa é condição indispensável à elaboração de um bom planejamento estratégico. Este representa o seu plano de vôo no qual constam a rota e o destino traçados. Especificamente, para as empresas voltadas à produção de software, os modelos de maturidade representam, grosso modo, justamente o roteiro de práticas que auxiliam a organização a se situar quanto ao seu estágio atual e a se adequar quanto às suas possibilidades futuras. Assim, no âmbito da empresa X, a questão que move este trabalho é: Qual deverá ser o modelo de maturidade a ser adotado pela empresa a fim de melhor orientá-la na consecução de seus objetivos? 1.2 Objetivos e escopo Objetivo Geral Propor a implementação de processos dos modelos de maturidade para qualidade de software por meio da análise dos modelos CMMI desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) e pelo MPS.BR (2012) - desenvolvido pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex)- para a empresa X Objetivos Específicos 1. Efetuar uma revisão bibliográfica e análise comparativa sobre os modelos Capabilitiy Maturity Model Integration (CMMI v1.3) e o modelo de Melhorias de Processos do Software Brasileiro (MPS-BR 2012); 2. Realizar avaliação e análise da melhoria de desenvolvimento de software em relação aos objetivos estratégicos da organização e 3. Propor a implantação de processos do modelo considerado como o mais adequado. 16

17 1.2.3 Escopo Este trabalho trata do ambiente de produção de software da empresa X, sobre as condições atuais que regem seus processos de desenvolvimento de softwares e tem por escopo apresentar uma proposta de implementação de um modelo de maturidade. 1.3 Justificativa O software é, atualmente, um dos produtos comerciais de maior importância no mundo. Dada a sua ubiquidade nos sistemas de informação que permeiam, praticamente, todas as atividades humanas na atualidade, é de se esperar que a mesma diligência outrora voltada à melhoria e racionalização dos sistemas de produção de manufaturas e de bens industriais, também tenha se voltado, neste momento, ao desenvolvimento de programas que agreguem, continuamente, maior confiabilidade, mais qualidade e valor face às necessidades de clientes, usuários e consumidores que requisitam soluções de mercado com um crescente e ininterrupto perfil de exigência. Na esteira dos esforços que têm sido empreendidos visando a uma efetiva governança da tecnologia da informação, a engenharia de software vem recebendo importante contribuição de modelos de capacidade e maturidade das organizações. Estes modelos balizam o caminho de otimização de processos com vistas aos ganhos de eficiência e eficácia de produtos acabados, por conseguinte, a obtenção da almejada qualidade pelo cliente com a melhor combinação de fatores de que os desenvolvedores e gerentes podem dispor. Esta contextualização evidencia a relevância da temática que será abordada. Ademais, no contexto da empresa X, acredita-se que a melhoria de sua maturidade a credenciará não somente à obtenção de resultados de excelência no que concerne ao gerenciamento de seus projetos de desenvolvimento de software como a fará atingir, também, novos clientes em potencial. 17

18 2 METODOLOGIA A metodologia a ser utilizada basear-se-á em pesquisas bibliográficas sobre os temas e tópicos que serão abordados bem como em outros referenciais teóricos consultados através de artigos, monografias, dissertações e teses disponíveis na internet que tratem, sobretudo, de temáticas voltadas a modelos de maturidade, ao framework COBIT e ao modelo ITIL. Ademais, tendo em vista a proposta prática deste trabalho, qual seja, a pretensão em realizar uma avaliação crítica que contemple, igualmente, uma análise de melhoria no que tange ao desenvolvimento de software levando-se em consideração os objetivos estratégicos da organização, a presente metodologia também abrangerá um estudo de caso. Este se desenrolará através de detida observação acerca dos processos empregados na empresa X, especificamente, na Seção de Projeto/Desenvolvimento, com vistas a obter um quadro-síntese da situação em que se encontra a organização a fim de traçar as propostas de melhoria subsequentes. Desta forma, resumidamente, a metodologia empregada neste trabalho para obtenção e análise de dados consiste em: Levantamento de referencial teórico; Leitura e sistematização do conteúdo; Elaboração do conteúdo; Obtenção dos dados; Análise dos resultados. Para a pesquisa de campo, os seguintes métodos foram utilizados: Observação participante; Observação direta das atividades e serviços executados; Realização de entrevistas; Análises de registros escritos. 18

19 2.1 Cronograma de Implementação O cronograma abaixo apresenta as metas e as atividades que serão desenvolvidas ao longo deste trabalho. Figura 01 Cronograma de Implementação Fonte: Autor Os próximos capítulos materializam as atividades previstas no quadro acima. Desta forma, no capítulo 3, Revisão de Literatura e Fundamentos, são expostos os conceitos e os entendimentos adquiridos através de consultas em livros e artigos; o capitulo 4 dedicase ao estudo de caso e compreende: análise da empresa, formulação de questionamentos e entrevistas e a reunião dos dados coletados e, por fim, os capítulos 5 e 6, Discussão e Conclusão, respectivamente, encerram as atividades necessárias à consecução dos objetivos propostos neste trabalho. 19

20 3 REVISÃO DE LITERATURA E FUNDAMENTOS 3.1 CMMI Capability Maturity Model Integration A quase onipresença da TI é ilustrativa de uma época que muitos alcunham como a Era da Informação. Seu alcance tornou os softwares imprescindíveis a, virtualmente, todas as organizações. Os programas, como vetores básicos da produção, armazenamento e disseminação da informação, ganharam relevo na sociedade contemporânea e seus níveis de qualidade, seus prazos de desenvolvimento e suas conformidades aos requisitos dos clientes e às exigências legais passaram a ser objeto de grande preocupação. No livro Software Engineering, a Practitioner s Approach, o autor apresenta a noção de que as pessoas apostam seus empregos, seu conforto, sua segurança, sua diversão e suas próprias vidas nos softwares de computadores. Eles precisam estar certos 1 (PRESSMAN, 2001, p.4) É neste quadro que o Instituto de Engenharia de Software da Universidade Carnegie Melon cria, no início dos anos 90, patrocinada pelo Departamento de Defesa (DoD) americano, os CMMs, matriz do atual modelo de maturidade e capacidade, a fim de, simplificadamente, representar o mundo real. Por essa época, o SW-CMM torna-se o padrão de-facto para o desenvolvimento de software ajudando as organizações a saírem do caos e a entrarem em um ambiente mais estruturado e estável (DAVIS et al., 2007 apud Marçal). Os Capability Maturity Models (CMM), segundo o SEI, foram baseados nos conceitos desenvolvidos por Deming, que refinou os princípios de controle estatístico da qualidade estabelecidos por Walter Shewhart nos anos de 1930 e também por Crosby, Juran e Humphrey que, posteriormente, estenderam estes princípios e começaram a aplicá-los aos softwares nos trabalhos que desenvolveram na IBM e no próprio SEI. O CMMI é uma evolução desses primeiros CMM e, atualmente, encontra-se na versão 1.3. Embora não tenha havido profundas alterações em relação à versão anterior, 1 And yet, people bet their jobs, their comfort, their safety, their entertainment, their decisions, and their very lives on computer software. It better be right. 20

21 segundo pesquisas realizadas no site da ISDBrasil consultoria especializada em governança de TI - cumpre destacar que a atual deu maior esclarecimento a termos e conceitos que na antecedente pareciam um pouco obscuras, como o conceito de alta maturidade. Há referências também à modernização de práticas, tendo em vista a preocupação em refletir o ambiente de TI atual e suas melhores práticas e, também, uma abordagem para permitir um melhor compartilhamento de práticas entre as constelações. Figura 02 Evolução do CMMI Fonte: SEI O CMMI, como outros CMMs, provê orientações para desenvolvimento de processos, indicando o que fazer sem, no entanto, revelar de qual maneira. Com isto, admite-se que o CMMI, diferentemente das metodologias ágeis, tem foco nos processos e não nos procedimentos. 21

22 Desta forma, ele instrui sobre as características estruturais e semânticas quanto aos objetivos bem como quanto ao grau de qualidade a ser alcançado pelo trabalho, estabelecendo determinados padrões dentro de um sistema de classificação que o CMMI representa sob a forma de duas diferentes abordagens, sendo uma denominada contínua e a outra entendida por meio de estágios. Estas abordagens representam, respectivamente, os níveis de capacidade e de maturidade da organização. Tabela 01 Representações do CMMI NÍVEL NÍVEIS DE CAPACIDADE DA REPRESENTAÇÃO CONTÍNUA NÍVEIS DE MATURIDADE DA REPRESENTAÇÃO POR ESTÁGIO N0 Incompleto N1 Executado Inicial N2 Gerenciado Gerenciado N3 Definido Definido N4 Quantitativamente Gerenciado N5 Em Otimização Fonte: SEI Na abordagem contínua, a capacidade é medida por processos que são independentes entre si, sendo possível ter processos com níveis diferentes, variando de acordo com os interesses da empresa, possibilitando à organização utilizar a ordem de melhoria que melhor satisfaça os seus objetivos de negócio. É caracterizada por Níveis de Capacidade (Capability Levels). A representação contínua é indicada quando se deseja tornar apenas alguns processos mais maduros, quando já se utiliza algum modelo de maturidade contínua ou quando não se pretende usar a maturidade alcançada como modelo de comparação com outras empresas. A representação por estágio disponibiliza, por outro lado, uma sequência prédeterminada para melhoria baseada em estágios, nos quais cada um serve de base para o próximo. Caracteriza-se por Níveis de Maturidade (Maturity Levels).Em cada nível a maturidade é medida por um conjunto de processos. Indica-se esta representação quando a empresa já utiliza algum modelo de maturidade por estágios, quando se deseja utilizar o nível de maturidade alcançado para comparação com outras empresas ou quando se pretende usar o nível de conhecimento obtido por outros para sua área de atuação. Estas representações, portanto, servem como roteiro no qual as organizações se baseiam para localizarem o ponto de partida bem como as paradas ao longo do caminho 22

23 em sua jornada rumo ao contínuo processo de otimização. Destaque-se que o CMMI possui 22 áreas de processos, elencadas na seção deste trabalho, as quais encontram-se distribuídas por 4 categorias: gerenciamento de projetos, gerenciamento de processos, engenharia e suporte. 3.2 MPS.BR - Melhoria de Processo de Software Brasileiro O mercado de software, no cenário brasileiro, é amplamente dominado por empresas de pequeno e médio porte, segundo dados do SEBRAE. Esta realidade, não obstante, ponha em relevo o empreendedorismo nacional, evidencia, também, a escassez de grandes empresas com disponibilidade e capacidade financeira suficientes para fazer frente a investimentos em tecnologias e certificações. Para as empresas de menor porte,investir em certificação é algo que, raramente, se leva a cabo em um ambiente onde, segundo o SEBRAE, a maioria delas sucumbe já nos primeiros anos de vida. A acirrada concorrência constitui, igualmente, outro fator a ponderar no tocante a dispêndios com certificações e licenças, uma vez que as reduzidas margens de lucro por conta da competição inviabilizam novas fontes de custos. Atenta a este panorama, a SOFTEX, Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, em parceria com o governo e universidades, criou o programa MPS.BR Melhoria do Processo de Software Brasileiro. Alicerçado em normas e padrões internacionais, o MPS.BR utiliza, em seu modelo, a ABNT NBR ISO/IEC 12207:2009 e a ABNT NBR ISO/IEC 15504:2008 também conhecida por SPICE (Software Process Improvement and Capability determination. Além disso, o modelo está em conformidade, também, com o CMMI, sendo dividido em três componentes: um modelo de referência (MR-MPS), responsável pelo estabelecimento de níveis de maturidade; um método de avaliação (MA-MPS), cujo escopo é a orientação na realização de avaliações e um modelo de negócio (MN-MPS), modelo que prevê duas formas de implementação do MPS.BR, uma de maneira personalizada através de um Modelo de Negócios Específico (MNE) e outra de forma cooperada, através de um Modelo de Negócios Cooperado (MNC). Todos os modelos são descritos por meio de guias ou documentos do MPS.BR. 23

24 Figura 03 Componentes do MPS.BR Fonte: SOFTEX O Modelo de Referência MPS define níveis de maturidade como sendo uma combinação entre processos e sua capacidade. Ao todo, são sete níveis de maturidade: Tabela 02 Níveis de Maturidade do MPS.BR NÍVEL DESCRIÇÃO PROCESSOS A Em Otimização - B Gerenciado Quantitativamente Gerência de Projetos (2ª evolução) C Definido Desenvolvimento para Reutilização Gerência de Decisões Gerência de Riscos D Largamente Definido Desenvolvimento de Requisitos Integração do Produto Projeto e Construção do Produto Verificação Validação E Parcialmente Definido Gerência de Reutilização Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional Definição do Processo Organizacional 24

25 NÍVEL DESCRIÇÃO PROCESSOS F Gerenciado Gerência de Recursos Humanos Gerência de Projetos (1ª evolução) Medição Gerência de Configuração Gerência de Portfólio de Projetos Aquisição Garantia da Qualidade G Parcialmente Gerenciado Gerência de Requisitos Gerência de Projetos Fonte: SOFTEX Em comparação ao CMMI, o presente modelo é mais simples, com menos processos e com uma progressão diferente daquele, já que agrega dois outros níveis. Entretanto, estes aspectos permitem uma implementação mais gradual do modelo, o que se traduz em visibilidade de melhorias a prazos mais curtos. O custo reduzido de implantação é outro dos benefícios aventados. 3.3 Relacionando CMMI, COBIT e ITIL Um dos maiores referenciais quando o assunto é governança de TI, o COBIT pode ser tido como um dos mais abrangentes frameworks da tecnologia da informação e, certamente, o mais integrador dentre todos, dado o seu nível de abstração e generalidade. O Control Objectives for Information and Related Technology, atualmente na versão 5, relaciona-se com o CMMI através dos seguintes domínios: Build, Acquire and Implement (BAI) no que tange aos processos relacionados à construção, aquisição e aplicação; Align, Plan and Organise (APO) referente a alguns processos organizacionais e relacionados à qualidade. Na figura abaixo, uma série de frameworks de TI encontram-se distribuídos segundo as áreas de intersecção com os domínios do COBIT. Em destaque, com os comentários do autor, está o CMMI. 25

26 Figura 04 Relacionando CMMI com os Domínios do COBIT Fonte: ISACA A ITIL, de maneira sucinta, é uma biblioteca composta por livros contextualizados conforme os conceitos que abrangem. Na Estratégia de Serviços são identificados os requisitos e as necessidades do negócio que possam ser atendidos por serviços de TI; No Desenho de Serviços, formula-se a solução de TI a ser projetada em forma de serviço em todos os seus aspectos; Na Transição de Serviços, parte-se para a implementação de forma que esta seja testada, acompanhada e validada. Na Operação de Serviços, o foco é sua manutenção e funcionamento em consonância com os SLA, os acordos de nível de serviço. Finalmente, na Melhoria Contínua de Serviços, são identificadas as oportunidades de aperfeiçoamento do serviço. Os ciclos de vida do serviço da ITIL em contato com o nível 2 do CMMI são: 26

27 Tabela 03 Relacionando CMMI Nível 2 com o Ciclo de Vida da ITIL RELACIONAMENTO ENTRE ÁREAS DE PROCESSO E CICLO DE VIDA DA ITIL LEGENDA AP Área de Processo do CMMI REQM Gestão de Requisitos PP Planejamento de Projeto PMC Monitoramento e Controle de Projeto SAM Gestão de Contrato com Fornecedores CM Gestão de Configuração PPQA Garantia da Qualidade de Processo e Produto MA Medição e Análise AP Objetivos Relacionados CMMI/ITIL Ciclo de Vida da ITIL REQM Desenvolver e gerenciar seus requisitos de serviço. Estratégia do Serviço Desenho do Serviço PP Manter planos de serviços que incluam orçamento Estratégia do Serviço e cronograma necessários ao suporte do cliente. PMC Gerenciar custos e cronograma associados ao Estratégia do Serviço serviço. SAM Gerencia fornecedores de ferramentas ou recursos Estratégia do Serviço vitais ao sucesso do serviço. CM Produtos do trabalho de gerenciamento e técnicas Transição do Serviço de controle. PPQA Assegurar que seus serviços atendam aos objetivos de qualidade e requisitos dos clientes. Transição do Serviço Contínua Melhoria do Serviço MA Entender medidas de custos, lucros e custo da qualidade. Estratégia do Serviço Contínua Melhoria do Serviço Fonte:SEI Conforme visto, o nível 2 do CMMI-DEV enquadra-se, basicamente, no primeiro estágio do ciclo da ITIL, ou seja, na estratégia de serviço, no qual se busca, prioritariamente, atender aos objetivos estratégicos da organização. 27

28 4 ESTUDO DE CASO O presente capítulo apresenta o estudo de caso realizado na empresa X. Este estudo, partindo do referencial teórico, tem o propósito de conhecer e analisar a empresa em questão, abordando os aspectos relacionados à sua constituição bem como a coleta de dados necessária ao entendimento de seu quadro atual para, a partir de então, propor a implementação de um modelo de maturidade que a auxilie a alcançar os objetivos expressos em seu planejamento estratégico. 4.1 Sobre a organização A empresa X é uma fábrica de software que oferece soluções em tecnologia da informação, atuante no mercado desde Surgida como uma start-up 2 focada no desenvolvimento de sistemas sob medida para uma ampla variedade de setores, possui, entre seus colaboradores, analistas de sistemas, administradores de bancos de dados, designers gráficos, programadores web e gerente financeiro. Emprega em seus trabalhos, sobretudo, tecnologias Java, MySQL e PHP. Eventualmente, soluções que escapam ao domínio da empresa são providas por meio de outsourcing. A empresa trabalha com foco na customização, desenvolvendo projetos de sistemas personalizados e que atendam às expectativas dos clientes. Estes, geralmente, são compostos por pequenos ou microempresários com necessidades específicas, embora, também, haja cases de sucesso com empresas bem conhecidas no mercado. Com o fito de transformar idéias e requisitos em produtos e serviços de qualidade, a empresa X adota como valores a criatividade, a inovação e o compromisso com o cliente. Em seu planejamento estratégico, consta, ainda, que sua missão é a de gerar valor para todos os seus stakeholders, atuando no mercado de desenvolvimento de 2 O conceito de startups tem origem nos EUA e significa empresas de pequeno porte, recém-criadas ou ainda em fase de constituição, com atividades ligadas à pesquisa e desenvolvimento, cujos custos de manutenção sejam baixos e ofereçam a possibilidade de rápida e consistente geração de lucros (Leone Farias. Empreendedores com projetos tecnológicos atraem investidores. Diário do Grande ABC, Região do ABC Paulista, 21 de julho de 2013, Economia/Empresas, pag 2). 28

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito Alterações no Guia Geral:2011 Este documento lista todas as alterações realizadas nos resultados esperados de processos e resultados esperados de atributos de processo presentes no MR-MPS versão de 2011

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação

Leia mais

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos Qualidade em TIC: Principais normas e modelos "Falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de métodos." Albert Einstein CMMI Visão Geral Three Complementary Constellations CMMI-DEV fornece

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software 22 de maio de 2006 Agenda Introdução Motivações para a Melhoria de Processos e sua importância Modelos de Qualidade de

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI

Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI efagundes.com Serviço de Avaliaça o e Planejamento de Governança de TI O serviço especializado avalia, planeja e implanta um modelo de governança nas organizações de TI alinhado com as estratégias e operações

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

do software Brasileiro

do software Brasileiro Projeto mps Br: melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Projeto mps Br 3. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement 1 Percepção da Qualidade dos Processos

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais MPS.BR Rogério Araújo Questões O futuro pertence àqueles que acreditam

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY

ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY ESTUDO E AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PROCESSO GESTÃO DE REQUISITOS DE ACORDO COM A NORMA CMMI NÍVEL 2 NA EMPRESA SWQUALITY FABRÍCIO DE ALMEIDA OLIVEIRA ANA CRISTINA ROUILLER UFLA - Universidade Federal de Lavras

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE 1 VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO PROGRAMA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO MPS.BR NOS AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Elvis Ferreira da Silva* Msc. Marta Alves de Souza** Msc. Helder

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Por que conhecer o COBIT 5

Por que conhecer o COBIT 5 10Minutos Tecnologia da Informação Saiba quais são as novidades da versão 5 do COBIT Por que conhecer o COBIT 5 Destaques A utilização do COBIT 5 como guia de melhores práticas permite alinhar de modo

Leia mais

CMMI Capability Maturity Model Integration

CMMI Capability Maturity Model Integration Centro Universitário UNA Pós-Graduação em Gestão de Tecnologia da Informação CMMI Capability Maturity Model Integration Professor: Julio Vilela da Silva Neto Eduardo Fernandes Catrinck RA: 0623787 Belo

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F:

MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: MPS.BR A EXPERIÊNCIA E OS BENEFÍCIOS EM IMPLANTAR O MODELO NOS NÍVEIS G E F: um estudo de caso. Rodrigo Pereira Assunção 1 Fabrício Pires Vasconcellos 2 RESUMO: Muitas empresas têm buscado no modelo de

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO. Introdução 2. Projeto mps Br 3. Modelo MR mps 4. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement Comparação da Maturidade

Leia mais

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM) UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET1 COLEGIADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDUARDO JORGE Modelos de Maturidade

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 2. Qualidade do

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MPS.BR

LISTA DE EXERCÍCIOS MPS.BR LISTA DE EXERCÍCIOS MPS.BR Disciplina: Professor: Qualidade de Software Edison Andrade Martins Morais 01. (FGV 2008 Senado Analista de Sistemas) Considere as assertivas sobre o Modelo MPS do Programa de

Leia mais

Unidade V GOVERNANÇA DE TI

Unidade V GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade V CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY (COBIT) 1 O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo Information Systems Audit and Control Foundation (ISACF)

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation

Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Curso preparatório para a certificação COBIT 4.1 Fundation Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - tecnologia da informação, bem como

Leia mais