O Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: José Pires

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: José Pires"

Transcrição

1 Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: José Pires

2 2

3 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o System Monitor Introdução Tabela de Processos Terminar os Processos Barra do Filtro Filtro de Processos Espaço de Trabalho Lista de Sensores Gráfico de Linhas Apresentação Digital Gráfico de Barras Registar num Ficheiro Tabela de Partições Estabelecer ligações a outros computadores Configurar o ksysguardd 13 4 Créditos e Licenças 14

4 Lista de Tabelas 2.1 Colunas Predefinidas na Tabela de Processos Colunas Adicionais na Tabela de Processos

5 Resumo O System Monitor é um gestor de tarefas para a rede e uma aplicação de monitorização do sistema.

6 Capítulo 1 Introdução O System Monitor é o Monitor de Performance e Tarefas do KDE. Baseia-se numa arquitectura cliente/servidor que permite a monitorização das máquinas locais e remotas. A interface gráfica usa alguns sensores para obter a informação que mostram. O sensor poderá devolver valores simples ou mesmo informações complexas como, por exemplo, tabelas. Para cada tipo de informação, existem uma ou mais áreas de visualização. As áreas estão organizadas em folhas de trabalho que podem ser gravadas e carregadas independentemente umas das outras. Como tal, o System Monitor não só é um gestor de tarefas simples como também é uma ferramenta bastante poderosa para controlar as várias colónias de servidores. 6

7 Capítulo 2 Usar o System Monitor 2.1 Introdução O System Monitor pode ser iniciado a partir do menu K usando a opção Monitor do Sistema no menu Aplicações Sistema. Em alternativa, podê-lo-á iniciar escrevendo ksysguard num terminal. A janela principal do System Monitor consiste numa barra de menu, numa barra de ferramentas opcional e numa barra de estado, assim como no gestor de sensores e no espaço de trabalho. Por omissão, o System Monitor mostra duas folhas de trabalho: Tabela de Processos e Carga do Sistema. A Tabela de Processos mostra os processos em execução e permite ao utilizador controlá-los. Poderá seleccionar e controlar vários processos de uma vez. A Carga do Sistema enumera os processos em execução e permite ao utilizador controlá-los. Poderá seleccionar vários processos de uma vez. A Carga do Sistema contém gráficos de utilização do sistema: Histórico do CPU, Histórico da Memória e Memória Virtual e Histórico da Rede. Esta mesma configuração é o suficiente para um utilizador inexperiente fazer alguma gestão do sistema. Um utilizador mais experiente ou mesmo um administrador de sistemas de um laboratório com grandes computadores têm diferentes necessidades. Para se acomodar a um conjunto vasto de utilizadores, o System Monitor é altamente flexível. 2.2 Tabela de Processos A Tabela de Processos dá-lhe uma lista dos processos no seu sistema. A lista poderá ser ordenada de acordo com qualquer coluna. Basta carregar com o botão esquerdo do rato no cabeçalho da coluna. Use a ajuda O Que é Isto para os títulos das colunas, de modo a obter informações adicionais acerca do valor aqui apresentado. No menu de contexto de um processo na lista, irá encontrar acções adicionais como a alteração da prioridade, o envio de sinais para o processo, a mudança para a janela da aplicação, a apresentação detalhada da informação da memória e o encerramento do processo. A lista dá-lhe as seguintes informações sobre cada processo. Lembre-se que nem todas as propriedades estarão disponíveis em todos os sistemas operativos. Nome Nome do Utilizador O nome do executável que iniciou o processo O utilizador que possui o processo 7

8 O consumo actual total do CPU do % CPU processo, dividido pelo número de núcleos de processamento da máquina Esta é a quantidade de memória física real que este processo está a usar ele mesmo, aproximadamente o consumo de memória privada do processo. Não inclui nenhuma memória virtual em Memória disco nem o tamanho do código das suas bibliotecas dinâmicas. Este normalmente é o indicador mais útil para verificar a utilização de memória de um programa. Esta é aproximadamente a quantidade total de memória física real que as bibliotecas Mem. Partilhada dinâmicas deste processo estão a usar. Esta memória é partilhada por todos os processos que usam esta biblioteca Tabela 2.1: Colunas Predefinidas na Tabela de Processos PID O ID único do processo que identifica este O terminal de controlo onde este processo TTY está em execução A prioridade com que este processo se executa. Para o escalonamento normal, vai Prioridade de 19 (bastante simpático, prioridade mínima) até -19 (prioridade de topo) O tempo total do utilizador e do sistema durante o qual este processo esteve em Tempo de CPU execução, apresentado como minutos:segundos O número de bytes lidos. As Unidades de Apresentação e a Informação Visível E/S Lido poderão ser alterados com o menu de contexto do cabeçalho desta coluna O número de bytes gravados. As Unidades de Apresentação e a Informação E/S Escrita Visível poderão ser alterados com o menu de contexto do cabeçalho desta coluna Esta é a quantidade de memória virtual que o processo está a usar, incluindo as bibliotecas dinâmicas, a memória gráfica, os Tamanho Virtual ficheiros em disco, e assim por diante. Este número não faz grande sentido. Use o menu de contexto para seleccionar as Unidades de Apresentação O comando com o qual este processo foi Comando invocado Tabela 2.2: Colunas Adicionais na Tabela de Processos 8

9 No topo da tabela irá encontrar três controlos que serão descritos agora da esquerda para a direita Terminar os Processos Se tiver seleccionado um ou mais processos, poderá carregar no botão de Terminar o Processo para os matar. Será enviado um SIGKILL aos processos, o que faz com que estes terminem imediatamente. Se estas aplicação mantiverem à mesma os dados não gravados, estes serão perdidos. Por isso, utilize este botão com cuidado Barra do Filtro Filtre aqui os processos que são apresentados. O texto poderá ser uma correspondência de texto parcial ao Nome, Comando ou Título da Janela do processo. Também poderá ser o número de um Utilizador ou de ID do Processo Filtro de Processos O Filtro de Processos poderá ser usado para reduzir o número de processos mostrados na tabela. O utilizador poderá filtrar os processos nos quais não está interessado. De momento, poderá mostrar Todos os Processos numa lista ou em árvore, só os Processos de Sistema, só os Processos de Utilizador ou apenas os seus Próprios Processos ou Apenas os Programas. A vista em árvore foi desenhada para mostrar as relações entre os processos em execução. Um processo que é iniciado por outro processo é denominado como seu filho. Uma árvore é uma forma elegante de mostrar esta relação de pai para filho. O processo init é o ascendente de todos os processos. Se não estiver interessado nos filhos de um processo em particular poderá carregar na pequena opção à esquerda do pai para que a sua sub-árvore se feche. Se voltar a carregar no mesmo símbolo, a mesma sub-árvore abrir-se-á de novo. NOTA Poderá invocar a Tabela de Processos no KRunner com o botão Mostrar as Actividades do Sistema ou com a combinação de teclas global Ctrl+Esc em qualquer altura. A tabela de processos aparece numa janela chamada Actividades do Sistema. 2.3 Espaço de Trabalho O espaço de trabalho está organizado em folhas de trabalho. Seleccione a opção Nova Página... no menu Ficheiro para criar uma nova folha de trabalho. Irá aparecer uma janela onde poderá definir o nome, o tamanho e o intervalo de actualização da folha de trabalho. Para remover de novo uma folha de trabalho, seleccione o Fechar a Página no menu Ficheiro. Todas as modificações serão gravadas no ficheiro da folha de trabalho. Se uma folha de trabalho não foi nunca gravada, ser-lhe-á pedido o nome de um ficheiro. As folhas de trabalho consistem em células organizadas numa grelha. Cada célula poderá ser preenchida com uma área para um ou mais sensores. Poderá preencher uma célula ao arrastar um sensor a partir da lista de sensores e ao largá-la na célula. Se existir mais do que uma área disponível para esse tipo de sensor, irá aparecer um menu de contexto. Poderá então seleccionar qual a área que prefere usar. Certo tipo de áreas podem mostrar mais 9

10 do que um sensor. Adicione mais sensores a uma área, bastando para tal arrastá-los da lista de sensores e largá-loas na área já existente. As folhas de trabalho poderão ser configuradas ao carregar em Propriedades da Página no menu Ver. Na janela de aparência poderá definir o tamanho e o intervalo de actualização. As visualizações poderão se configuradas ao carregar com o botão direito do rato nelas. Aparecerá um menu onde o utilizador poderá seleccionar se quer alterar as propriedades dessa área, removê-la da folha de trabalho, alterar o seu intervalo de actualização, pausar ou reiniciar a sua actualização Lista de Sensores O navegador de sensores expõe a funcionalidade avançada do System Monitor. Para a usar, deverá ir primeiro ao menu Ficheiro e criar uma nova folha de trabalho. Esta aparece quando é seleccionada uma folha de trabalho personalizada. A lista de sensores mostra as máquinas registadas e os sensores no formato de uma árvore. Carregue nos nós da árvore para abrir ou fechar uma ramificação. Cada sensor vigia um dado valor do sistema. DICA Depois de ter configurado a sua folha de trabalho personalizada, use a divisória e mova-a para o extremo direito da janela, para esconder o navegador de sensores. Se o navegador de sensores não aparecer numa folha de trabalho personalizada, provavelmente estará escondida. Para a voltar a mostrar, seleccione o extremo direito da janela e arraste-o para a esquerda Gráfico de Linhas O gráfico de linhas imprime as amostras de um ou mais sensores ao longo do tempo. Se forem apresentados vários sensores, os valores serão sobrepostos em diferentes cores. Se a área for suficientemente grande, será desenhada um grelha para mostrar o intervalo das amostras desenhadas. Por omissão, o modo de intervalo automático está activo para que os valores máximos e mínimos sejam definidos automaticamente. Por vezes, o utilizador poderá desejar valores mínimos e máximos fixos. Nesse caso, poderá desactivar o modo do intervalo automático e definir os valores na janela de propriedades Apresentação Digital O multímetro mostra os valores dos sensores como um multímetro digital. Nas janelas de propriedades poderá escolher um limite inferior e superior. Se o intervalo for excedido, a área é colorida com a cor do alarme Gráfico de Barras O gráfico de barras mostra os valores dos sensores como barras dançantes. Na janela de propriedades poderá especificar os valores máximo e mínimo do intervalo, assim como um limite inferior e um superior. Se esse valor for excedido, a área é colorida com a cor do alarme. 10

11 2.3.5 Registar num Ficheiro O registo dos sensores não mostra nenhuns valores, mas sim guarda-os num ficheiro com a informação adicional da data e hora. Para todos os sensores poderá especificar um limite inferior e superior na janela de propriedades. Se esse intervalo for excedido, o item da tabela de sensores é colorido com a cor do alarme Tabela de Partições A Utilização da Partição tem um sensor da tabela especial que mostra informações sobre todas as partições montadas Estabelecer ligações a outros computadores Para se ligar a uma nova máquina use a opção Monitorizar uma Máquina Remota... no menu Ficheiro. Irá aparecer uma janela que lhe permite indicar o nome da máquina à qual se quer ligar. Por baixo do nome poderá escolher o método de ligação. Por omissão é usado o método por ssh, a linha de comandos segura. Em alternativa poderá ser usado o modo do rsh, a linha de comandos remota. Carregue em OK para estabelecer a ligação. Ao fim de algum tempo irá aparecer a nova máquina na lista de sensores para poder navegar nessa lista de sensores. Para estabelecer uma ligação, deve-se instalar na nova máquina um programa chamado ksysguardd, o qual poderá ser iniciado nos dois modos seguintes. modo servidor O utilizador pode iniciar o ksysguardd na altura do arranque no modo de Servidor ao adicionar o parâmetro -d como argumento. Neste caso, terá de seleccionar o modo de servidor na janela de ligações do ksysguard. Uma desvantagem deste tipo de ligação é que o utilizador não será capaz de matar ou mudar a prioridade de um processo com a Tabela de Processos e, para além disso, a troca de dados não será cifrada. modo da linha de comandos Neste modo, o ksysguardd é iniciado na altura da ligação pelo ksysguard. Para tornar isto possível, a sua localização deverá ser incluída na sua PATH. Infelizmente, o ssh não executa o seu ficheiro.profile, como tal a sua configuração da PATH normal não estará disponível. Em vez disso, utiliza uma PATH por omissão do tipo /bin:/usr/bin. Dado que é muito provável que o KDE não esteja instalado nessas pastas, o utilizador terá de criar ou actualizar um ficheiro na sua pasta pessoal. Esse ficheiro chama-se environment e necessita estar numa pasta escondida chamada.ssh. Veja a página do manual do ssh para mais detalhes. O ficheiro necessita ter uma linha semelhante a: PATH =/ bin :/ usr/bin :/ opt/kde/bin assumindo que o ksysguardd pode ser encontrado em /opt/kde/bin/ksysguardd. DICA Ao usar o ssh terá de confirmar se tem o identity.pub instalado na máquina remota e se a chave da mesma máquina se encontra registada na sua máquina. Se não configurar o ide ntity.pub, ser-lhe-á pedida a senha sempre que iniciar o ksysguard. A forma mais fácil de verificar isso é escrever ssh maquina_remota ksysguardd numa linha de comandos. Se o ksysguardd o atender, o utilizador poderá escrever quit e está tudo pronto. 11

12 NOTA Para os peritos: o ksysguardd é uma aplicação muito pequena que só está compilada com a libc. Como tal poderá ser usada nas máquinas que não tenham uma instalação completa do KDE, como acontece nos servidores. Muitas das distribuições oferecem um pacote ksysguardd separado para sua conveniência. Se escolher a opção do comando personalizado na ligação à máquina terá de especificar o comando completo para iniciar o ksysguardd. 12

13 Capítulo 3 Configurar o ksysguardd A interface gráfica está disponível para todas as plataformas onde o KDE se executa. A infraestrutura está de momento disponível para as seguintes variantes do UNIX : Linux 2.x Para o ksysguardd funcionar é necessário compilar o kernel do Linux com o suporte para o sistema de ficheiros /proc activo. Esta é a configuração por omissão e a maioria das distribuições do Linux já o têm. FreeBSD O programa ksysguardd necessita de pertencer ao grupo kmem e necessita de ter o bit setgid activo. Solaris A ser escrito O suporte para as outras plataformas está em progresso. Agradece-se-á bastante a sua ajuda. 13

14 Capítulo 4 Créditos e Licenças O System Monitor está a ser desenvolvido e mantido pelo John Tapsell O System Monitor é uma reinvenção do KTop, o gestor de tarefas do KDE 1.x. Várias outras pessoas trabalharam no KTop: A. Sanda Ralf Mueller Bernd Johannes Wuebben Nicolas Leclercq A passagem para outras plataformas que não o Linux foi feita por: FreeBSD: Hans Petter Bieker Tradução de José Nuno Pires A documentação está licenciada ao abrigo da GNU Free Documentation License. Este programa está licenciado ao abrigo da GNU General Public License. 14

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama

Manual do System Monitor. Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama Chris Schlaeger John Tapsell Chris Schlaeger Tobias Koenig Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usando o System Monitor 7 2.1 Iniciando........................................... 7 2.2 Tabela

Leia mais

O Manual do Simond. Peter H. Grasch

O Manual do Simond. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o Simond 7 2.1 Configuração do Utilizador................................ 7 2.2 Configuração de Rede................................... 9 2.3 Configuração

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Utilizador 7. 4 Configurar as opções internas 9

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Utilizador 7. 4 Configurar as opções internas 9 Esta documentação foi convertida a partir da Base de Utilizadores do KDE para o K3b a 2011-01-20. Actualização para o 2.1 pela Equipa de Documentação do KDE Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires O Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Usar o Remote Desktop Connection 7 3.1 Ligar o Remote

Leia mais

O Manual do KNetAttach. Orville Bennett Tradução: José Pires

O Manual do KNetAttach. Orville Bennett Tradução: José Pires Orville Bennett Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usar o KNetAttach 6 2.1 Adicionar pastas de rede.................................. 6 3 Viagem pelo KNetAttach 9 4 Créditos e Licença 12

Leia mais

O Manual do Editor de Menus do KDE. Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: José Pires

O Manual do Editor de Menus do KDE. Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: José Pires O Manual do Editor de Menus do KDE Milos Prudek Anne-Marie Mahfouf Lauri Watts Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Adicionar um Item do Menu 6 3 Usar o KMenuEdit 10 3.1 Página Geral.........................................

Leia mais

O Manual do Dragon Player. Mike Diehl Ian Monroe Tradução: José Pires

O Manual do Dragon Player. Mike Diehl Ian Monroe Tradução: José Pires Mike Diehl Ian Monroe Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Seleccionar um Conteúdo 6 3 Características 7 4 Créditos e Licença 8 Resumo O Dragon Player é um leitor de vídeo simples para o KDE.

Leia mais

Conteúdo. Obtenção do CDDB

Conteúdo. Obtenção do CDDB Mike McBride Jonathan Singer David White Desenvolvimento: Bernd Johannes Wuebben Desenvolvimento: Dirk Forsterling Desenvolvimento: Dirk Foersterling Revisão: Lauri Watts Tradução: José Pires 2 Conteúdo

Leia mais

Manual do KSudoku. Mick Kappenburg Eugene Trounev Ian Wadham Tradução: José Pires

Manual do KSudoku. Mick Kappenburg Eugene Trounev Ian Wadham Tradução: José Pires Mick Kappenburg Eugene Trounev Ian Wadham Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como Jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 8 3.1 Regras Gerais do Jogo...................................

Leia mais

Escalonador de Tarefas. Morgan N. Sandquist Desenvolvimento: Gary Meyer Revisão: Lauri Watts Tradução: José Pires

Escalonador de Tarefas. Morgan N. Sandquist Desenvolvimento: Gary Meyer Revisão: Lauri Watts Tradução: José Pires Morgan N. Sandquist Desenvolvimento: Gary Meyer Revisão: Lauri Watts Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 4 1.1 Arranque........................................... 4 1.1.1 Tarefas Escalonadas................................

Leia mais

O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive

O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive O Guia Introdutório Rápido do Kdenlive Esta documentação foi convertida a partir da página da Base de Utilizadores do KDE Kdenlive/Manual/QuickStart. Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Criar um novo projecto

Leia mais

Manual do KDE su. Geert Jansen Tradução: José Pires

Manual do KDE su. Geert Jansen Tradução: José Pires Geert Jansen Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usar o KDE su 6 3 Detalhes Internos 8 3.1 Autenticação X....................................... 8 3.2 Interface para o su.....................................

Leia mais

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires Nicholas Robbins Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como Jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 9 3.1 Regras............................................ 9 3.2 Estratégias e Dicas.....................................

Leia mais

O Manual do ssc. Peter H. Grasch

O Manual do ssc. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o ssc 7 2.1 Gerir os utilizadores.................................... 7 2.1.1 Adicionar um utilizador.............................. 8 2.1.1.1 Associar-se

Leia mais

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização

Power Systems. Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Power Systems Monitorizar o ambiente de virtualização Nota Antes de utilizar as informações contidas nesta publicação, bem como o produto a que se

Leia mais

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: José Pires

Java e JavaScript. Krishna Tateneni Tradução: José Pires Krishna Tateneni Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Java e JavaScript 4 1.1 Java............................................. 4 1.2 JavaScript.......................................... 4 3 1 Java e JavaScript

Leia mais

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR

Módulo de Estatísticas MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.4 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. REQUISITOS DO SISTEMA 3 3. CONTROLOS GERAIS DO WINDOWS 4 3.1 ESTRUTURA HIERÁRQUICA 4 3.2 CONTROLO DE DATA 5 4. INÍCIO DA UTILIZAÇÃO 8 5. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Análise de dados através de tabelas dinâmicas. Conceitos teóricos As Tabelas Dinâmicas são tabelas interactivas que resumem elevadas quantidades de dados, usando estrutura

Leia mais

Cookies. Krishna Tateneni Jost Schenck Tradução: José Pires

Cookies. Krishna Tateneni Jost Schenck Tradução: José Pires Krishna Tateneni Jost Schenck Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Cookies 4 1.1 Política............................................ 4 1.2 Gestão............................................ 5 3 1 Cookies

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução 5

Conteúdo. 1 Introdução 5 Gaurav Chaturvedi Desenvolvimento: Christian Esken Desenvolvimento: Helio Chissini de Castro Desenvolvimento: Brian Hanson Tradução: Rui Branco 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 A Janela Principal 6 2.1 Opções

Leia mais

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de 1. Alguns conceitos sobre Tabelas Dinâmicas Com tabelas dinâmicas podemos criar dinâmica e imediatamente resumos de uma lista Excel ou de uma base de dados

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

O Manual do sscd. Peter H. Grasch

O Manual do sscd. Peter H. Grasch Peter H. Grasch 2 Conteúdo 1 Introdução 6 2 Usar o sscd 7 2.1 Pasta de base......................................... 7 2.2 Configuração........................................ 7 2.3 Base de Dados........................................

Leia mais

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien

Manual do KSystemLog. Nicolas Ternisien Nicolas Ternisien 2 Conteúdo 1 Usando o KSystemLog 5 1.1 Introdução.......................................... 5 1.1.1 O que é KSystemLog?............................... 5 1.1.2 Recursos.......................................

Leia mais

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 3 2.1 INSTALAÇÃO 3 Instalar o Pacweb 3 Alterar o Ficheiro Default.htm 3 Criar um Virtual Directory 3 2.2 CONFIGURAÇÃO

Leia mais

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual NetOp Remote Control Versão 7.65 Adenda ao Manual Mover a perícia - não as pessoas 2003 Danware Data A/S. Todos os direitos reservados Revisão do Documento: 2004009 Por favor, envie os seus comentários

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

Performance. Mike McBride Tradução: José Pires

Performance. Mike McBride Tradução: José Pires Mike McBride Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Configuração da Performance 4 1.1 Instâncias do Konqueror.................................. 4 1.2 Pré-carregamento...................................... 4

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

Manual do KNotes. Fabian Dal Santo Greg M. Holmes Revisão: Lauri Watts Tradução: Marcus Gama

Manual do KNotes. Fabian Dal Santo Greg M. Holmes Revisão: Lauri Watts Tradução: Marcus Gama Fabian Dal Santo Greg M. Holmes Revisão: Lauri Watts Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o KNotes 6 3 Configuração 9 3.1 Configurando as Opções Padrão do KNotes.......................

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do KWallet. George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga George Staikos Lauri Watts Desenvolvedor: George Staikos Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Criar uma carteira...................................... 5

Leia mais

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho

Outlook 2003. Nivel 1. Rui Camacho Outlook 2003 Nivel 1 Objectivos gerais Enviar e Responder a mensagens de correio electrónico, e gestão de contactos, marcação de compromissos e trabalhar com notas. Objectivos específicos Começar a trabalhar

Leia mais

O Manual do KOrganizer

O Manual do KOrganizer Carlos Leonhard Woelz Milos Prudek Paul E. Ahlquist, Jr. Jürgen Nagel Michel Boyer de la Giroday Desenvolvimento: Reinhold Kainhofer Desenvolvimento: Cornelius Schumacher Desenvolvimento: Preston Brown

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

O Manual do Tenente Skat. Martin Heni Eugene Trounev Revisão: Mike McBride Tradução: José Pires

O Manual do Tenente Skat. Martin Heni Eugene Trounev Revisão: Mike McBride Tradução: José Pires Martin Heni Eugene Trounev Revisão: Mike McBride Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como Jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 7 3.1 Ecrã do Jogo.........................................

Leia mais

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8

ÍNDICE. Acesso para agências...3. Organização por pastas...4. Download das facturas a partir do site...5. Pesquisa de facturas...8 2 ÍNDICE Acesso para agências...3 Organização por pastas...4 Download das facturas a partir do site...5 Pesquisa de facturas...8 Configurar notificações por email...11 3 Bem-vindo ao manual de uso do novo

Leia mais

Manual do Plasma. Sebastian Kügler Claus Christensen Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Plasma. Sebastian Kügler Claus Christensen Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Sebastian Kügler Claus Christensen Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Usando o Plasma 6 2.1 Componentes do Plasma.................................. 6 2.1.1

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Configuração e Partilha de Pastas / ICS

Configuração e Partilha de Pastas / ICS Configuração e Partilha de Pastas / ICS 1. Comunicação entre 2 máquinas. 1.1 Windows Xp Clicar no símbolo de rede no canto inferior direito. 1.2 Ligação área Local No separador Geral Clicar em propriedades.

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

O KInfoCenter. Michael McBride Tradução: José Pires

O KInfoCenter. Michael McBride Tradução: José Pires Michael McBride Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 O KInfoCenter 6 1.1 Iniciar o KInfoCenter.................................... 6 1.2 O Ecrã do KInfoCenter................................... 6 1.3 A Barra

Leia mais

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE

Conteúdo Manual do sistema de ajuda do KDE 2 Conteúdo 1 Manual do sistema de ajuda do KDE 5 1.1 Sistema de ajuda do KDE................................. 5 1.1.1 Instalação...................................... 5 1.2 Invocar a ajuda.......................................

Leia mais

Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação

Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação Programação 2008/2009 MEEC Guia de instalação do PC de programação Requisitos: PC 1Gbyte de memória Windows, Linux ou Mac OS X. Aplicação Virtualbox. (www.virtualbox.org) O uso de máquinas virtuais permite

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 7.2 Gerenciamento de Processos Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 PS... 3 Atributos de ps... 3 Exemplos de ps... 3 TOP... 4 Atributos... 5 KILL... 5 Exemplos

Leia mais

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server

Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Curso Profissional de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Relatório de Instalação do Windows 2003 Server Instalação do Windows 2003 Server quarta-feira, 3 de dezembro de 2013 Índice Introdução...

Leia mais

Manual do PolicyKit-kde. Daniel Nicoletti Tradução: Luiz Fernando Ranghetti

Manual do PolicyKit-kde. Daniel Nicoletti Tradução: Luiz Fernando Ranghetti Daniel Nicoletti Tradução: Luiz Fernando Ranghetti 2 Conteúdo 1 Resumo 5 2 Como funciona 6 2.1 Resumo............................................ 6 2.2 O problema.........................................

Leia mais

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID

PROCESSOS COMPONENTES DE UM PROCESSO. A execução de um processo possui vários componentes. PID e PPID PROCESSOS Um processo é um canal de comunicação entre os programas que estão sendo executados no sistema operacional e o usuário, ou seja um processo é um programa que está sendo executado. No Linux /

Leia mais

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo

Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo Introdução à Folha de Cálculo O Excel é uma folha de cálculo capaz de guardar dados, executar cálculos e gerar gráficos. Introdução à Folha de Cálculo Uma folha de cálculo, por exemplo o Excel, permite

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

Acer econsole Manual do Utilizador

Acer econsole Manual do Utilizador Acer econsole Manual do Utilizador 1 Informações sobre software de outras empresas ou software gratuito O software pré-instalado, integrado ou distribuído com os produtos fornecidos pela Acer contém programas

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Criação e eliminação de atalhos Para criar atalhos, escolher um dos seguintes procedimentos: 1. Clicar no ambiente de trabalho com o botão secundário (direito) do

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition

Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server Virtual Edition Manual de introdução rápido Este documento descreve a forma de instalar e começar a utilizar o Acronis Backup & Recovery 10 Advanced Server

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Monitor Wall 4.0. Manual de Instalação e Operação

Monitor Wall 4.0. Manual de Instalação e Operação Monitor Wall 4.0 pt Manual de Instalação e Operação Monitor Wall 4.0 Índice pt 3 Índice 1 Introdução 4 1.1 Sobre este manual 4 1.2 Convenções neste manual 4 1.3 Requisitos mínimos de Instalação e Operação

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Utilização Laboratorial. Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial

Manual de Boas Práticas na Utilização Laboratorial. Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial Índice 1. Utilização de máquinas virtuais... 3 1.1. Manuseamento da máquina virtual Windows... 5 2. Sabe que pode utilizar a projecção em simultâneo com

Leia mais

Selector de Tarefas. Martin Gräßlin Tradução: José Pires

Selector de Tarefas. Martin Gräßlin Tradução: José Pires Martin Gräßlin Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Navegar pelas Janelas 4 1.1 Listar as janelas e critério de ordenação......................... 4 1.2 Efeitos do Ecrã........................................

Leia mais

Manual do Nero MediaStreaming para MCE

Manual do Nero MediaStreaming para MCE Manual do Nero MediaStreaming para MCE Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual e todos os seus conteúdos estão protegidos pelos direitos de autores e são propriedade da empresa Nero

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual.

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. 604 wifi FUNÇÕES WIFI e Internet Suplemento ao Manual do Utilizador ARCHOS 504/604 Versão 1.2 Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. Este manual contém informações

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Capítulo 1: Introdução

Capítulo 1: Introdução Capítulo 1: Introdução 1.1 Conteúdo da embalagem Quando receber a sua TVGo A03, certifique-se que os seguintes itens se encontram na embalagem da Mini Super TV USB. TVGo A03 CD do controlador Controlo

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

O Manual do Konqueror. Pamela Roberts Programadores: A Equipa do KDE Tradução: José Pires

O Manual do Konqueror. Pamela Roberts Programadores: A Equipa do KDE Tradução: José Pires Pamela Roberts Programadores: A Equipa do KDE Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 7 2 Fundamental do Konqueror 8 2.1 Iniciar o Konqueror..................................... 8 2.2 As Componentes

Leia mais

ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers

ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers ITALC - Intelligent Teaching and Learning with Computers Italc Ensino e aprendizado inteligente em computadores Antônio Ricardo Leocádio Gomes, Prof. Centro Universitário de Belo Horizonte UNI-BH Manual

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros na Caixa Mágica Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES

MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES MANUAL DO UTILIZADOR DO BACKUP HD SERIES OBRIGADO por ter adquirido a aplicação ClickFree Backup. Estas instruções foram reunidas para o ajudar a utilizar o produto, mas de um modo geral esperamos que

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação

Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux. Update 5. Guia da Instalação Acronis Backup & Recovery 10 Server para Linux Update 5 Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Linux... 3 1.1.2 Consola

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides.

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides. Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Manual do K3b. Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do K3b. Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga Esta documentação foi convertida a partir da página do K3b na KDE UserBase. Tradução: Marcus Gama Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Pré-configuração 6 3 Configurando a interface

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Aspectos de Sistemas Operativos

Aspectos de Sistemas Operativos Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Serviços de um sistema operativo Interface com o utilizador Chamadas ao sistema Programas de sistema

Leia mais

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole O Akropole tira proveito da ligação à internet, podendo efectuar várias operações de maior valia, com ou sem intervenção directa do utilizador.

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

WEB OF SCIENCE - tutorial

WEB OF SCIENCE - tutorial WEB OF SCIENCE - tutorial O QUE É A WEB OF SCIENCE A Web of Science é a designação comum que é dada a um conjunto de bases de dados também conhecidas como «Science Citation Indexes» (Science Citation Index,

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais