A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES AUDITIVOS RV_PEAMDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES AUDITIVOS RV_PEAMDA"

Transcrição

1 IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES AUDITIVOS RV_PEAMDA Prof. Dr. Edemilson Jorge Ramos Brandão Prof. MS Marco Antonio Sandini Trentin Prof.a MS Tatiana Bolivar Lebedeff Prof.a MS Mágda Inês Moreira Mortari Prof.a MS Neusa Terezinha Oro Prof. Adriano Pasqualotti Universidade de Passo Fundo Fax (054) Após apresentação de alguns fatos históricos e dos fundamentos teóricos é apresentado a proposta de ensino-aprendizagem para deficientes auditivos. Sendo a interação do usuário com o computador a grande despertadora do uso de Realidade Virtual os principais meios de se obtê-la são diagnosticados. Segue-se uma comparação dos Hardware e Software necessários para a execução da Realidade Virtual na resolução de problemas para surdos. Finalmente são apresentados os objetivos e a metodologia que será utilizada para a execução do projeto. After presentation of some historical facts and of the theoretical foundations the teachinglearning proposal is presented for faulty auditory. Being the user's interaction with the computer the great awakening of the use of Virtual Reality the main means of obtaining is she diagnosed. It is followed a comparison of the Hardware and necessary Software for the execution of the Virtual Reality in the resolution of problems for deaf. Finally they are presented the objectives and the methodology that it will be used for the execution of the project.

2 Introdução Diversas pesquisas têm sido realizadas com deficientes surdos, que visam trabalhar os aspectos afetivos e cognitivos [36, 38], pois, uma das características da surdez é a falta de estruturação e de conceituação para dar forma a expressão de pensar. Neste caso, o surdo necessita desenvolver suas operações cognitivas para aprimorar seu comportamento lingüístico que está entrelaçado aos processos de comunicação e de aprendizagem [40]. A comunicação possui um importante papel, não só no momento de enriquecer o conteúdo da consciência infantil e assegura à criança novos conhecimentos e habilidades, como também na determinação da estrutura da consciência [44]. No atual desenvolvimento da informática, a Realidade Virtual (RV) surgiu como uma tecnologia avançada de interface entre o usuário e o computador, enfatizando características como utilização de dispositivos multi-sensoriais, navegação em espaços tridimensionais, imersão no contexto da aplicação, simulação de ambientes, e interação em tempo real [5, 23]. Um sistema de RV envolve estudos e recursos ligados com percepção, hardware, software, interface do usuário, fatores humanos e aplicações [9]. A RV também pode ser considerada como a junção de três idéias básicas: imersão, interação e envolvimento [7, 11, 10, 16]. Figura 1: Interação e motivação do usuários num Sistema de Realidade Virtual. Tanto a idéia de imersão quanto de envolvimento, despertaram grande interesse dos pesquisadores em educação, e uma exigência de resposta rápida de escolas e centros de educação especial, que deverão viabilizar esta tecnologia para novas propostas de ensino-aprendizagem para deficientes, pois as duas idéias introduzem a motivação necessária para a aprendizagem de geometria para os deficientes auditivos e para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e afetivos.

3 Visão Geral de Realidade Virtual - Caracterização Como foi visto na introdução, há várias definições aceitas para realidade virtual. Isto é devido, em parte, à natureza interdisciplinar da área, e também a sua evolução. De uma maneira ou de outra, os sistemas de realidade virtual acabaram vindo de sistemas computacionais de mesa, simuladores, sistemas de teleoperação, etc. A realidade virtual também pode ser considerada como a junção de três idéias básicas: imersão, interação e envolvimento [35]. Isoladamente, essas idéias não são exclusivas de realidade virtual, mas aqui elas coexistem. A idéia de imersão está ligada com o sentimento de se estar dentro do ambiente. Normalmente, um sistema imersivo é obtido com o uso de capacete de visualização, mas existem também sistemas imersivos baseados em salas com projeções das visões nas paredes, teto, e piso. Além do fator visual, os dispositivos ligados com os outros sentidos também são importantes para o sentimento de imersão, como som [7], posicionamento automático da pessoa e dos movimentos da cabeça, controles reativos, etc. A visualização tridimensional através de monitor é considerada não imersiva. A idéia de interação está ligada com a capacidade do computador detectar as entradas do usuário e modificar instantaneamente o mundo virtual e as ações sobre ele (capacidade reativa). As pessoas gostam de ficar cativadas por uma boa simulação e de ver as cenas mudarem em resposta aos seus comandos. Esta é a característica mais marcante nos vídeo-games. A idéia de envolvimento, por sua vez, está ligada com o grau de motivação para o engajamento de uma pessoa com determinada atividade. O envolvimento pode ser passivo, como ler um livro ou assistir televisão, ou ativo, ao participar de um jogo com algum parceiro. A realidade virtual tem potencial para os dois tipos de envolvimento ao permitir a exploração de um ambiente virtual e ao propiciar a interação do usuário com um mundo virtual dinâmico. Realidade Virtual Imersiva e Não Imersiva Outra questão importante está ligada ao fato da realidade virtual poder ser imersiva ou não imersiva. Como já foi visto, do ponto de vista da visualização, a realidade virtual imersiva é baseada no uso de capacete ou de salas de projeção nas paredes, enquanto a realidade virtual não imersiva baseia-se no uso de monitores. De qualquer maneira, os dispositivos baseados nos outros sentidos acabam dando algum grau de imersão à realidade virtual com o uso de monitores, mantendo sua caracterização e importância [39]. Embora a realidade virtual com o uso de capacetes tenha evoluído e seja considerada típica, a realidade virtual com monitor apresenta ainda assim alguns pontos positivos como : utilizar plenamente todas as vantagens da evolução da indústria de computadores; evitar as limitações técnicas e problemas decorrentes do uso de capacete; e facilidade de uso. Em alguns casos, como visualização, por exemplo, a realidade virtual com monitor é aceitável, mas com a evolução da tecnologia de realidade virtual a tendência será a utilização de capacetes ou salas de projeção para a grande maioria das aplicações.

4 Uma Breve História da Realidade Virtual A introdução do cinerama e cinemascope, em meados da década de 50 é considerada uma das primeiras experiências em obtenção de realismo artificial [32, 46]. Logo em seguida, em 1956; Morton Heilig (um cineasta) desenvolveu um simulador baseado em vídeo denominado sensorama [13, 32, 31], que permitia ao usuário expor-se a uma combinação de visão tridimensional, som estéreo, vibrações, sensações de vento e de aromas num passeio simulado de motocicleta por Nova York. Embora o invento não tenha tido sucesso comercial, ele foi o precursor da imersão do usuário num ambiente sintético. Em 1961, Comeau e Bryan descreveram o primeiro sistema de circuito fechado de televisão com o visor montado num capacete, produzido pela Philco. O sistema tinha um rastreador de posição no capacete e permitia ao usuário controlar remotamente uma câmera de televisão a partir dos seus movimentos da cabeça [31]. Em 1968, Ivan Sutherland construiu, na Universidade de Harvard, o primeiro capacete de visualização com imagens geradas por computador, incorporando um sistema de rastreamento da posição da cabeça. Esse trabalho é considerado por muitos como o marco inicial da imersão em ambiente virtual e início da realidade virtual. Em 1977 e 1982 apareceram as primeiras luvas desenvolvidas respectivamente pelo grupo levado por Dan Sandin, Richard Soyre e Thomas Defanti na Universidade de Illinois e por Thomas Zimmerman para serem acoplados a computadores, e, em 1987, a empresa VPL Research Inc, da qual Zimmenam foi um dos fundadores colocou pela primeira vez produtos de realidade virtual no mercado com a comercialização da luva "Data Glove". Em seguida, a empresa também passou a vender um capacete de visualização chamado "Eye Phones". A partir daí, o avanço das pesquisas, o elevado interesse industrial, o crescimento das aplicações e um número crescente de usuários vêm provocando um crescimento enorme na demanda de componentes e produtos de realidade virtual e uma redução rápida nos preços, movimentando um mercado multi-milionário de crescimento extraordinário. Figura 2: Interação de Vários Usuários

5 Realidade Virtual na Educação de Deficientes Auditivos Necessitando o surdo desenvolver suas operações cognitivas, e sabendo-se da importância da comunicação com a Língua de Sinais, para que isto ocorra, percebe-se a grande dificuldade que se interpõe no processo de ensino-aprendizagem desta população. Esta dificuldade aumenta em função dos níveis de perda auditiva: quanto maior a surdez maior a dificuldade de integração num processo de ensino-aprendizagem de uma escola regular. A importância do uso da Língua de Sinais na comunicação com pessoas surdas, se deve em função do maior desenvolvimento dos canais visos-gestuais [34, 45]. O uso da RV imersiva e não imersiva na educação de surdos para o desenvolvimento da Língua de Sinais ainda não foi devidamente explorado. Algumas pesquisas demonstram a diferença que o uso da RV pode trazer para o aprendizado de estudantes, com maiores habilidade visuais/cinestésicas [19, 20, 27, 28]. Sendo assim, os deficientes surdos poderão beneficiar-se desta tecnologia, pois, permitirá o acesso as imagens e as informações verbais-escritas, com o poder de manuseá-las. A proposta de ensino-aprendizagem visa a estruturação de um sistema de software para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e afetivos dos deficientes surdos, baseando-se nas teorias da geometria espacial, utilizando-se dos sistemas de RV. O uso da Geometria Espacial como Proposta de Ensino-Aprendizagem em RV O uso da geometria para o desenvolvimento da proposta, ocupar-se-á com os aspectos do espaço, que possuem grande atrativo estético e podem ser elementos surpresa. Além disso, a geometria apresenta-se como uma ciência dedutiva. Partindo de um número de idéias elementares e baseando-se em algumas poucas regras de manipulação matemática e lógica, constrói uma urdidura de deduções de complexidade crescente. O que é salientado no uso da geometria não é somente o aspecto espacial ou visual do assunto, mas a metodologia pela qual a hipótese conduzirá à conclusão. Por isso ela será usado no campo de treinamento para o pensamento lógico-matemático [17]. O uso das teorias de geometria no sistemas de RV resultará numa economia tanto de reflexões como de comunicações de reflexões. Pois, as imagens geométricas sugeridas levarão a resultados e a estudos adicionais, dotando os envolvidos no processo de um instrumento poderoso de raciocínio indutivo ou criativo [21]. A Realidade Virtual na Educação As pesquisas em RV vem crescendo consideravelmente, a nível internacional, com destaque para os Estados Unidos [5, 14, 15, 16], onde existem vários grupos de pesquisa, atuando em projetos de grande porte. Destacam-se também as pesquisas em RV na Alemanha, Inglaterra e Japão [8, 12, 18]. No Brasil, as pesquisas em RV ainda estão reduzidas a alguns poucos grupos, em fase de implantação ou consolidação, com destaque para o grupo de RV da UFSCar que já vem investindo na área há mais de dois anos [3, 4, 6]. Apesar do projeto de RV como proposta de ensino-aprendizagem estar

6 ligado a uma área específica de aplicação (educação especial), o suporte para sistema de RV, a ser produzido, servirá como plataforma para o desenvolvimento de inúmeras outras aplicações em educação, envolvendo múltiplos usuários, por exemplo. Alguns Equipamentos em Sistemas de Realidade Virtual Desde os primeiros estudos sobre RV, ao final da década de 60, o principal objetivo dos pesquisadores tem sido criar dispositivos que envolvam completamente o usuário. O usuário deveria ter sensações que lhe dessem informações sobre o mundo virtual da mesma forma que o mundo real. Da mesma maneira, deveria ser possível atuar nesse mundo virtual de forma natural e intuitiva. Para isso, foram desenvolvidos vários dispositivos e, entre estes, os mais comuns são o capacete de visualização e a luva. O capacete de visualização HMD (Head Mounted Display) cumpre a função de fornecer a imagem do ambiente virtual ao usuário. Quando o usuário do sistema de RV veste o capacete, é como se ele se isolasse do mundo real e mergulhasse dentro do ambiente virtual, ou seja, se o usuário olha para cima, por exemplo, espera ver o céu, se olha para baixo espera ver o chão e assim por diante. Portanto, o capacete possui a função de entrada, já que detecta o movimento da cabeça, e saída (fornece a imagem). Já a luva surgiu da necessidade de se manipular objetos no ambiente virtual. Ela é capaz de responder aos movimentos da mão do usuário e o sistema repete estes movimentos dentro do ambiente virtual. O capacete e a luva possuem dispositivos de rastreamento de posição que determinam sua localização no espaço. Além desses dispositivos, existem outros com uso destinado a navegação, como joysticks e mouses-3d. Figuras 3: Exemplos de equipamentos de Realidade Virtual. Um sistema de RV não consiste apenas de capacetes, luvas e mouses-3d. Para o desenvolvimento de ambiente virtual é necessário também o uso de vários softwares específicos. É preciso ter um software para modelar os objetos e ambientes 3D, outro para gerenciar as eventuais simulações, outro para gerar e retocar as texturas, outro para gerenciar a comunicação em rede etc. Também é necessário ter pessoas especialistas em cada um deles, já que os sistemas podem ser muito complexos, ficando quase impossível para uma só pessoa gerenciá-lo. Portanto, a RV é uma área multi-disciplinar.

7 Programas de Realidade Virtual Atualmente existe a tentativa de levar a RV para a Internet. Isto se deve ao surgimento do VRML [1, 2, 24, 25, 33], que é uma linguagem para descrever ambientes virtuais e simulações que possam ser usados na Internet, livremente, sem nenhum custo, e rodando em qualquer máquina. É claro que o VRML não é a linguagem mais poderosa, mas, por outro lado, é grátis. Qualquer um pode fazer seu ambiente virtual e deixá-lo disponível para todos na rede. Mias detalhes sobre VRML serão dados mais a frente. Com o uso da linguagem VRML pretendemos disseminar aos deficientes auditivos novos conceitos de geometria, via acesso remoto em microcomputadores [13], para a comunicação compartilhada com outro surdos. Figura 4: Configuração típica de um Sistema de RV baseado em microcomputador. Com o sistema WorldToolKit da Sense8 [41], pretende-se criar aplicações para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e afetivos dos deficientes auditivos, inclusive em sistemas compartilhados, pois o WTK é um sistema multiplataforma para o

8 desenvolvimento de aplicações integradas 3D de alta performance em tempo-real. Além disso, o WTK suporta simulações distribuídas em rede e um conjunto vasto de dispositivos de interface, tais como HMDs (Head-Mounted Displays), trackers, e controladores de navegação. Desde sua introdução no mercado até os tempos atuais, o WTK tem se mostrado como sendo o padrão para o desenvolvimento de aplicações de RV e simulação em estações Silicon Graphics [22, 42, 43]. Com o uso dos dispositivos (capacete, luva, mouse-3d), da linguagem VRML e do sistema multiplataforma WTK, será possível inserir os princípios da RV no cenário acadêmico nacional, criando capacitação para o desenvolvimento de propostas de ensino-aprendizagem, ao mesmo tempo em que impulsionará a geração de aplicações de alta qualidade, voltadas para problemas de interesse nacional na área de educação especial. Plataformas Baseadas em Microcomputadores Embora inicialmente os equipamentos de realidade virtual fossem muito caros e utilizados em poucos laboratórios de pesquisa, a popularidade dos microcomputadores e a curiosidade de muitos interessados na área fizeram com que as plataformas baseadas em microcomputadores se tornassem realidade. A adaptação de dispositivos [29] e o desenvolvimento de software adequado às limitações dos microcomputadores propiciaram o surgimento de aplicações para essas plataformas. A indústria, por sua vez, também investiu nesse segmento, de forma que atualmente pode-se montar uma boa plataforma com menos de US$5, O crescimento acelerado do mercado de realidade virtual vem assegurando cada vez mais o aumento da qualidade da plataforma e das aplicações nessa área. A configuração típica de um sistema de realidade virtual baseado em microcomputador PC [13,37] consta na Figura 4. Além do microcomputador e dos dispositivos, a plataforma deve incluir o software que pode ser um único módulo integrado (tool kit) ou vários módulos separados e compatíveis para a criação do mundo virtual, simulação, e definição da aplicação. Plataformas Baseadas em Estações de Trabalho A grande vantagem das estações de trabalho sobre os PCs está na superioridade de características como capacidade computacional, capacidade gráfica, espaço em disco, e velocidade de comunicação. A grande maioria das estações de trabalho são voltadas para as mais variadas aplicações, de forma que, para serem usadas em realidade virtual, devem ser compostas com interfaces e dispositivos adequados. Há uma grande variação de produtos e preços, envolvendo hardware e software para estações [22], mas é possível montar-se uma boa plataforma com custo abaixo de US$50,000.00, considerando-se, por exemplo, um estação Silicon Graphics Indigo 2 - Impact [42], software World Tool Kit [41], e alguns dispositivos de E/S mais simples [39]. Nesse caso, uma configuração de 64 bits e 250 MHz, 128 Mbytes de memória, 4 Gbytes de disco, características gráficas para dar um desempenho da ordem

9 de 2 M triângulos por segundo e 600 K Polígonos por segundo, e software incluindo GL e Performer. Para trabalhar com taxa de 30 frames por segundo, essa plataforma aceita no máximo cenas com 20k polígonos. Também é possível montar-se plataformas no valor de centenas de milhares de dólares, envolvendo máquinas paralelas, dispositivos avançados e software sofisticado [22]. As ferramentas para desenvolvimento de sistema de realidade virtual costumam ser instaladas em plataformas de diversos fabricantes. Dentre as plataformas, citadas pelos fornecedores de ferramentas, tem-se: Silicon Graphics, Sun, DEC, IBM, HP, etc., e microcomputadores com aceleradores gráficos. VRML - A Internet em 3 Dimensões VRML é a abreviação de Virtual Reality Modeling Language, ou Linguagem para Modelagem em Realidade Virtual. É uma linguagem independente de plataforma que permite a criação de cenários 3D, por onde se pode passear, visualizar objetos por ângulos diferentes e interagir com eles. A linguagem foi concebida para descrever simulações interativas de múltiplos participantes, em mundos virtuais disponibilizados na Internet e ligados com o WWW (World Wide Webe), mas a primeira versão da linguagem não possibilitou muita interação do usuário com o mundo virtual. Nas versões futuras seriam acrescentadas características como animação, movimentos de corpos, som e interação entre múltiplos usuários em tempo real. Apresentada pela primeira vez em 1994 na Conferência Mundial sobre World Wide Web, realizada em Genebra na Suíça, a linguagem tem como objetivo dar o suporte necessário para o desenvolvimento de mundos virtuais tridimensionais multiusuários na Internet, sem precisar de redes de alta velocidade. O código VRML é um subconjunto do formato de arquivo ASCII do Open Inventor, da Silicon Graphics, com características adicionais para navegação na Web. Esta característica é equivalente às âncoras do HTML, ou seja, pode-se criar âncoras em um ambiente virtual que levem a outros ambientes virtuais. A linguagem, na sua versão 1.0, trabalha com geometria 3D, permitindo a elaboração de objetos baseados em polígonos, possui alguns objetos pré-definidos como cubo, cone, cilindro e esfera, suporta transformações como rotação, translação e escala, permite a aplicação de texturas, luz, sombreamento, etc. Outra característica importante da linguagem é o Nível de Detalhe (LOD, level of detail), que permite o ajustamento da complexidade dos objetos, dependendo da distância do obsevador. Tudo que se precisa para escrever um código VRML é um editor de textos. Uma vez editados, os arquivos são gravados em formato ASCII com a extensão.wrl. Na verdade, a linguagem apenas descreve como os ambientes tridimensionais devem ser representados. O arquivo não precisa ser compilado. Pode-se, por exemplo, criar um cubo e gravá-lo em um arquivo chamado cubo. wrl. O código VRML para este cubo descreverá as características do ambiente, como coordenadas, luz, cores etc. Também pode-se colocar, em um mundo, objetos que estão localizados remotamente em outros lugares na Internet, além de links que levam a outros homeworlds ou homepages.

10 VRML é baseada no sistema cartesiano 3D. A seqüência dos eixos é X, Y, Z, a unidade de medida para distâncias é metros e para ângulos é radianos. Usando uma página na frente do leitor como referência, o eixo-x positivo está para a direita, o eixo-y positivo está para cima e o eixo-z positivo está perpendicular aos dois anteriores, saindo da página em direção ao leitor. O sentido de rotação para ângulos positivos é o antihorário, quando a seta vai em direção ao observador. VRML 2.0 A versão de VRML 1.0 tem como principais características a criação de mundos 3D estáticos e a criação de âncoras para outros ambientes. por outro lado, na versão de VRML 2.0, os objetos do mundo virtual agora podem mover-se e responder a eventos baseados no tempo ou em iniciativas do usuário. Além disso, esta nova versão permite a utilização de objetos multimídia, como sons e filmes em uma cena 3D. Em resumo, as características de VRML 2.0 podem ser agrupadas em quatro áreas principais: melhoria dos mundos estáticos, interação, animação e comportamento baseado em scripts, e prototipação de novos objetos VRML. Objetivos Propostos para o Ensino-Aprendizagem em RV A Realidade Virtual envolve tecnologias revolucionárias para o desenvolvimento de aplicações, em função de novas possibilidades que oferece para interfaceamento com o uso de dispositivos multi-sensoriais, navegação em espaços tridimensionais, imersão no contexto da aplicação e interação em tempo real. O projeto enfoca o uso conjugado de Realidade Virtual e visualização científica, visando facilitar o desenvolvimento dos aspectos cognitivos de deficientes auditivos. Os Objetivos da Proposta Desenvolver estratégias de intervenção na área de linguagem verbal-escrita, que auxiliem os deficientes auditivos a suprir as dificuldades de comunicação, através de sistemas de RV; Desenvolver alternativas de comunicação e de acesso à informação para surdos, utilizando ferramentas de RV; Produzir conhecimento científico e tecnológico, expressos tanto em sistemas de software e hardware, quanto em ferramentas e modelos pedagógicos para a informática na educação especial; Estudar as possibilidades de uso de sistemas de RV, no processo de ensinoaprendizagem para crianças e jovens surdos; Criar um ambiente de aprendizagem virtual no processo de comunicação, de produção de informação, de resolução de problemas e de organização de estratégias dos surdos; Desenvolver ferramentas para o desenvolvimento do raciocínio lógicomatemático, da lateralidade, da orientação espacial e da motricidade fina, dos deficientes

11 auditivos com o uso da geometria espacial em sistemas de RV; Criar propostas de exercícios para educação especial, em RV imersiva e não imersiva; Metodologia e Epistemologia em RV O projeto enfatiza a montagem de uma proposta de ensino-aprendizagem visando a elaboração de um ambiente de software, com recursos gráficos, de animação e de RV, que possibilite o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e afetivos dos deficientes auditivos. O projeto será dividido em 5 fases. Na primeira fase será feita a caracterização e a seleção do grupo de referência, levando-se em conta a idade, o grau de escolaridade, o acesso a tecnologia e a situação sócio-econômica de cada deficiente. Serão elegíveis para o grupo de referência os alunos que possuírem apenas deficiência auditiva. Posteriormente realizar-se-á um levantamento de software existentes para a educação de deficientes auditivos, utilizando-se redes locais e internacionais. De posse da caracterização dos alunos e dos softwares, será elaborada uma proposta de ensino-aprendizagem com as teorias da RV, baseando-se nos princípios de geometria espacial, visando o desenvolvimento dos aspectos cognitivos (lateralidade, raciocínio lógico-matemático, motricidade fina, orientação espacial, linguagem verbalescrita) e afetivos (interação, motivação, autonomia, interesse), para tanto, utilizar-se-á a linguagem VRML 2.0 e o sistema multiplataforma WTK. Na segunda fase, após a coleta de informações dos sistemas de RV e a compra dos equipamentos, será montado o laboratório de estudos para o desenvolvimento da proposta de ensino-aprendizagem. Os equipamentos e os sistemas estarão conectados em redes, tanto para trabalhos compartilhados em RV, quanto para os trabalhos com VRML. Na terceira fase será desenvolvido um protótipo do sistema, a ser usado pelo grupo de referência, no qual constarão exercícios de geometria espacial, buscando o desenvolvimento dos aspectos cognitivos e afetivos já mencionados. Uma vez estando pronto o protótipo, ele será submetido a uma bateria de testes para detectar deficiências pelo grupo de referência. O grupo de referência virá à Universidade, uma vez por semana, em sessões de duas horas, para realizar os testes de verificação e validação. Inicialmente, será oferecido para o grupo de referência, conceitos de informática básica, bem como de software e hardware de sistemas de RV imersiva e não imersiva. A comunicação será através da língua dos sinais, com a consultoria de uma instrutora de língua de sinais e informática, autorizada pela FENEIS (Federação Nacional para Educação e Integração dos Surdos), que possui surdes profunda. No final de cada sessão os surdos elaborarão um relatório (verval-escrito) descrevendo as suas impressões e percepções sobre o protótipo. Além disso, levar-se-á em conta as reações dos deficientes nos sistemas de RV imersiva e não imersiva observados pelos pesquisadores durante as sessões. Em cima das sugestões passadas pelo grupo de referências e pelas análises realizadas pelo gripo de pesquisadores, novas versões do protótipo serão desenvolvidas.

12 Na quarta fase, após todos os refinamentos e acréscimos de módulos feitos, o protótipo se tornará um sistema que será disponibilizado, gratuitamente, na Internet e na mídia de CD-ROOM. Na quinta fase, além da disponibilização do sistema, cada grupo deverá ter produzido relatórios semestrais de pesquisa e ter preparado artigos nacionais e internacionais, de acordo com a seguinte previsão: NIE (segundo ano: um artigo internacional); ICEG (primeiro ano: 1 artigo nacional e 1 internacional; segundo ano: 2 artigos nacionais e 1 internacional); FAED (primeiro ano: 1 artigo nacional; segundo ano: 1 artigo nacional e 1 internacional). Expectativas dos Resultados O projeto tem como metas produzir: protótipos, aplicações, publicações científicas, e especialistas em Realidade Virtual. Os resultados serão aproveitados pelos grupos parceiros para a multiplicação e elevação da educação especial para deficientes auditivos, devendo também ficar disponíveis para outros pesquisadores interessados. Além disso, os softwares desenvolvidos poderão ser repassados para outros centros de estudos. O trabalho servirá também para validar os estudos sobre desenvolvimento de aplicações de Realidade Virtual em educação especial. Pretende-se, desta forma, dar uma contribuição significativa ao estado da arte. É também objetivo do projeto, contribuir para o crescimento das pesquisas em realidade virtual do grupo da UPF, e criar experiência de utilização de realidade virtual para o desenvolvimento dos aspectos cognitivos de deficientes auditivos. REFERÊNCIAS [1] AMES, A., NADEAU, D., MORELAND,J. - VRML Sourcebook - - John Wiley & Sons, Inc [2] AMES, A.L. et al. -The VRML Sourcebook. John Wiley & Sons, [3] ARAÚJO, R.B. & KIRNER, C. - Especificação e Análise de um Sistema Distribuído de Realidade Virtual, Anais XIV Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores - SBRC, SBC, Fortaleza, CE, Maio, [4] ARAUJO, R.B. & KIRNER, C. - Network Requirements for Large Virtual Environments, In: RIX,J. et al. - Virtual Prototyping: Virtual Environments and the Product Design Process, Chapman & Hall, London, UK, 1995, pp [5] AUKSTAKALNIS, S. & BLATNER, D. - Silicon Mirage: The Art and Science of Virtual Reality, Peatchpit Press, Berkeley, CA, [6] AVVIC/VESIV - cooperations/ [7] BEGAULT, D.R. - 3-D Sound for Virtual Reality and Multimedia, Academic Press, Cambridge, MA, 1994.

13 [8] BENFORD, S. et al. - Networked Virtual Reality and Cooperative Work, Presence, 4(4): ,1995. [9] BISHOP, G. et al. - Reseach Directions in Vu Environments, Computer graphics - ACM, 26(3): , Aug [10] BOWSKILL, J. & DOWNIE, J. - Extending the Capabilities of the Human Visual System: An Introduction to Enhanced Reality, Computer Graphics - ACM, 29(2):61-65, May [11] BRICKEN, W. & COCO, G. - The VEOS Project, Presence, 3(2): , [12] BRILL, LOUIS M. "Virtual Auditoriums - Sharing VR in Small Groups" - Virtual Reality Special Report, Nov. 1995, p. 17 [13] BURDEA,G. & COIFFET,P. - Virtual RealityTechnology, John Wiley & Sons, New York, NY, [14] CARLSON, C. & HAGSAND, O. - DIVE - A Multi-User Virtual Reality System. Proc. of The IEEE VRAIS 93, IEEE, 1993, pp [15] CODDELA, C. et al. - A Toolkit for Developing Multi-User Distributed Virtual Environments. Proc of the IEEE VRAIS 93, 1993, pp [16] CRUZ-NEIRA, C. et al. - The CAVE Audio Visual Experience Automatic Virtual Environment, Communication of the ACM, 35(6):64-72,June [17] DAVIS, P. Y. & HERSH, R. A Experiência Matemática. Francisco Alves, Rio de Janeiro, [18] DIVISION - [19] EMERSON, T. - Information Resources in Virtual Reality (IRVR), HITL B update 05/03/96, March [20] EMERSON. T. - Distributed Virtual Environments Bibliograph, HITL B-96-1, April [21] EVES, H. História da Geometria. Atual, São Paulo, [22] FELDBERG, I. - Ian s VR Buying Guide, May [23] FRANCIS, H. Realidade Virtual e a Exploração do Espaço Cibernético. Berkeley, Rio de Janeiro, [24] FOX, D. & SHADDOCK, P. - Web Publisher s Construction Kit with VRML/Live 3D: Creating 3D Web Worlds. Waite Group, [25] FOX, D. & SHADDOCK, P. - VRML Construction Kit - Waite Group Press - com/waite [26] HANCOCK, D. - Viewpoint: Virtual Realityin Search of Middle Ground, IEEE Spectrum, 32(1):68, Jan [27] HAND, C., TOWN, J. E., EMERSON, T. - The Power Glove FAQ - edu/projects/knowledge_base/virtual-worlds/glovefaq.html

14 [28] HUMAN INTERFACE TECHNOLOGY LAB - /knowledge_base/virtual-worlds [29] JACOBSON, L. - Garage Virtual Reality, SAMS Pub., Indianapolis, IN, [30] JACOBSON, L. - Virtual Reality: A Status Report, AI Expert, pp , Aug [31] KALAWSKY, R.S. - The Science of Virtual Reality and Virtual Environments, Addison-Wesley, [32] KRUEGER, M.W. - Artificial Reality II, Addison-Wesley, Reading, MA, [33] LEMAY, L. et al. - 3D Graphics and VRML 2. Sams Net, [34] MARCHESI, A. El Desarrolo Cognitivo Y Lingüístico de los Ninõs Sordos. Alianza Editorial, Madrid, [35] MORIE, J.F. - Inspiring the Future: Merging Mass Communication, Art, Entertainment and Virtual environments, Computer Graphics, 28(2): , May [35] NÚCLEO DE INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL - [37] PIMENTEL, K. & TEIXEIRA, K. - Virtual Reality Though the New Looking Glass, [38] PSICOLOGIA - [39] ROBERTSON, G.G. et al. - Nonimmersive Virtual Reality, IEEE Computer, Feb. 1993, pp [40] SACENTI, D. & SILVA, V. Surdo, Um Conceito a Ser Repensado. Integração. Ano 7, n o 18. MEC-Brasil, [41] SENSE8 - World Toolkit Technical Overview, Sense8 Corp., Sausalito, CA, [42] SILICON GRAPHICS - [43] THE OPEN INVENTOR FAQ - [44] TRIADÓ, C. El Desarrollo de la Cominicación en el Ninõ Sordo. Revista Logopedia y Audiologia. Vol XI, n o , [45] VIADER, M. P. F. Sordera Y Estilos de Comunicación en el Hogar Padres Sordos y Padres Oyentes. FIAPAS, n o , [46]. WATKINS, C. & MARENK A., S.R. - Virtual Reality Excursions, Academic Press, Cambridge, MA, 1994.

A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM PARA DEFICIENTES AUDITIVOS

A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM PARA DEFICIENTES AUDITIVOS A REALIDADE VIRTUAL COMO PROPOSTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM PARA DEFICIENTES AUDITIVOS BRANDÃO, Edemilson Jorge Ramos LEBEDEFF, Tatiana Bolivar MORTARI, Mágda Inês Moreira PASQUALOTTI, Adriano TRENTIN, Marco

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

WRV 97. 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL

WRV 97. 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL WRV 97 1 o Workshop de Realidade Virtual São Carlos, SP, 9-12 de Novembro de 1997 MINI-CURSO INTRODUÇÃO À REALIDADE VIRTUAL Prof. Dr. Claudio Kirner Departamento de Computação Universidade Federal de São

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

Sistema Solar com Realidade Aumentada

Sistema Solar com Realidade Aumentada Sistema Solar com Realidade Aumentada Eduardo S. Okawa, Claudio Kirner, Tereza G. Kirner ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá dudu.unifei@gmail.com, ckirner@gmail.com, tgkirner@gmail.com

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA BEATRIZ RENEIS LUIS¹, FELIPE DE PAULA RUI² e LUCIENE APARECIDA GOUVÊA NOGUEIRA³ biareneis@gmail.com,

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL Cássio David Borralho Pinheiro cassio@stm.ufpa.br cdbpinheiro@zipmail.com.br Universidade Federal do Pará - Campus de Santarém Resumo.

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE

Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Proposta do projeto de extensão: Inclusão digital dos softwares livres na comunidade escolar da rede pública em Aracaju SE Resumo O projeto tem como objetivo principal promover a inclusão digital dos softwares

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática

Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul Departamento de Informática II Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Sistemas Computacionais de Apoio à Educação Santa Cruz

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual

Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual Visualização de dados da Rede de Computadores utilizando técnicas de Realidade Virtual Eduardo Noboru Sasaki 1 e 2 Alex Alves Assis 2, Julio César Mafra 2 1 Faculdade de Ciências Matemáticas, da Natureza

Leia mais

STC SAD Profº Daniel Gondim

STC SAD Profº Daniel Gondim STC SAD Profº Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento (STC) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Conceitos Aplicações Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA BÁSICA

NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA BÁSICA NOVA ABORDAGEM PARA O ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA BÁSICA Jocelise J. Jacques 1, Gabriela Z. Azevedo 2, José L. F. Aymone 3 e Fábio G. Teixeira 4 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Ezequiel Roberto Zorzal 1, Alexandre Cardoso 1, Claudio Kirner 2, Edgard Lamounier Júnior 1 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo A construção de dispositivos controlados através do computador, como ferramenta educacional associado ao trabalho com

Leia mais

Informática, Internet e Multimídia

Informática, Internet e Multimídia Informática, Internet e Multimídia 1 TIPOS DE COMPUTADOR Netbook Notebook Computador Pessoal 2 Palmtop / Handheld Mainframe TIPOS DE COMPUTADOR Computador Pessoal O Computador Pessoal (PC Personal Computer),

Leia mais

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Realidade Virtual & Ensino a Distância Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Sumário 1. RV - Conceitos e Principais Características 2. RV Imersiva e Não Imersiva 3. Tipos de Sistemas de RV 4. RV na

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE EDUCATIVO PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO SOFTWARE DEVELOPMENT FOR EDUCATIONAL PROCESS OF LITERACY Daiyane Akemi Morimoto- Graduanda em Pedagogia- Unisalesiano de Linsday_akemi@hotmail,com

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO

MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** RESUMO MATEMÁTICA Ellen Hertzog ** O TWITTER COMO FERRAMENTA DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE RESUMO Este artigo trata da utilização do Twitter como uma ferramenta de ensino e aprendizagem de Matemática. A experiência

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

7.Conclusão e Trabalhos Futuros

7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 158 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.1 Conclusões Finais Neste trabalho, foram apresentados novos métodos para aceleração, otimização e gerenciamento do processo de renderização

Leia mais

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho

Computação Gráfica. Introdução. Profª Alessandra Martins Coelho Computação Gráfica Introdução Profª Alessandra Martins Coelho março/2013 Introdução Computação gráfica (CG) é a utilização de computadores para gerar imagens (GUHA, 2013). Nos dias atuais, para não se

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES

Leia mais

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução

Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil 1 - Introdução Emprego da Realidade Virtual como ambiente de trabalho para a Arquitetura e Engenharia Civil Francisco Assis da Silva Faculdade de Informática - UNOESTE Rua: José Bongiovani, 700, Cidade Universitária,

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução

Computação Gráfica II. Realidade Virtual Introdução Computação Gráfica II Realidade Virtual Introdução Faculdade de Informática PUCRS 1. Introdução 1.1 Das interfaces gráficas à realidade virtual Um dos recentes adventos do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Profs. Deja e Andrei

Profs. Deja e Andrei Disciplina Sistemas Distribuídos e de Tempo Real Profs. Deja e Andrei Sistemas Distribuídos 1 Conceitos e Projetos de Sistemas Distribuídos Objetivos: Apresentar uma visão geral de processamento distribuído,

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DO APARELHO DIGESTIVO CANINO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL

FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DO APARELHO DIGESTIVO CANINO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DO APARELHO DIGESTIVO CANINO UTILIZANDO TÉCNICAS DE REALIDADE VIRTUAL FERREIRA, Eliane TOLEDO, Miriam Discentes da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG -

Leia mais

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR

ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR ESCOLHA UM TESTE PARA EXECUTAR Acompanhe o ritmo de aceleração dos ciclos de lançamento. Descubra a automatização com um toque humano EXECUTE UM TESTE 26032015 Com a Borland, tanto analistas de negócios

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO

CROQUI DIGITAL E INTERATIVO CROQUI DIGITAL E INTERATIVO Luisa Felix Adriane Borda Almeida da Silva Neusa Rodrigues Felix Universidade Federal de Pelotas, Departamento de Desenho Técnico e Gráfica Computacional, Brasil Isa_luls@universia.com.br,

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola

Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Revistas digitais educativas para tablet: possibilidade de enriquecimento audiovisual da revista Nova Escola Francisco Rolfsen Belda e-mail: belda@faac.unesp.br Danilo Leme Bressan e-mail: danilo.bressan@gmail.com.br

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index.

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index. Applets no Geogebra Sonia Regina Soares Ferreira UFBA Applet é um software aplicativo que é executado no contexto de outro programa. Os applets geralmente tem algum tipo de interface de usuário, ou fazem

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 01 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Apresentação da disciplina e Introdução ao HTML Desenvolvimento de Web sites e Sistemas Web; Projeto de sites web; 2 Quem é

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ REITORIA DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS PROJETO TELECENTROS COMUNITÁRIOS APPEL MICROSOFT LINUX GOOGLE É um controlador

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Um mundo de formas do concreto ao abstrato

Um mundo de formas do concreto ao abstrato Um mundo de formas do concreto ao abstrato Orientadora: Marcela dos Santos Nunes Matrícula SIAPE: 1673276 Orientado: Bruno da Silva Santos Matrícula UFF: 007705/06 Palavras-chave: Geometria, modelagem,

Leia mais

Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012. Docente: Grupo 10:

Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012. Docente: Grupo 10: Universidade da Beira Interior Curso Tecnologias e Sistemas de Informação Tecnologia dos Computadores 2011/2012 Docente: Prof.Doutor Pedro Araújo Grupo 10: Luís Pinheiro nº26684 Artur Duque nº 25484 Níveis

Leia mais

DuZeru Linux. Presente passado e futuro do Projeto.

DuZeru Linux. Presente passado e futuro do Projeto. DuZeru Linux Presente passado e futuro do Projeto. DuZeru Linux é um projeto que foi idealizado por Cláudio Silva em 2014, sendo lançado em Janeiro de 2015. Em alguns grupos na rede social. Sua primeira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE TECNOLOGIA FT PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Projeto Gene: Ambiente de Apoio à Aprendizagem de Genética Baseado em Tamagotchi

Leia mais

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL

O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL O USO DO SOFTWARE MATHEMATICA PARA O ENSINO DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL Edward Luis de Araújo edward@pontal.ufu.br Evaneide Alves Carneiro eva@pontal.ufu.br Germano Abud de Rezende germano@pontal.ufu.br

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais