CURSO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA APRIMORAMENTO E FORMAÇÃO DE MONITORES E COORDENADORES DE ESDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA APRIMORAMENTO E FORMAÇÃO DE MONITORES E COORDENADORES DE ESDE"

Transcrição

1 CURSO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA APRIMORAMENTO E FORMAÇÃO DE MONITORES E COORDENADORES DE ESDE MÓDULO V Técnicas de Ensino e Recursos Didáticos Consolidação das Atividades

2 MÓDULO V: PLANO DE AULA. HORÁRIO: 19 ás 20 hs DURAÇÃO: 60 minutos MONITORA: Maria Jucelia dos Reis Matteucci TEMA: LEI DE LIBERDADE SUBTEMA: Livre-arbítrio e responsabilidade OBJETVO GERAL: Possibilitar entendimento da Lei de Liberdade OBJETIVO ESPECIFICO Conceituar livre-arbítrio. Estabelecer relação entre livre-arbítrio e responsabilidade. CONTEÚDOS: 1.0Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos? 2.0 Correlação entreliberdade e a responsabilidade 2.1 libertação fisica 2.2 libertação intelectual 2.3 libertação moral ESTRATÉGIAS DE ENSINO - PROCEDIMENTO O tema em estudo será abordado tecnicamente sob a forma de Estudo Dirigido finalizado com a técnica do Debate. 1.Os alunos deverão fazer uma leitura seqüenciada da bibliografia abaixo,cujos os textos serão distribuídos individualmente. 1. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro. 84. ed. Rio de Janeiro: FEB, Questão 843 a DENIS, Léon. O Problema do ser, do destino e da dor. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, (O Livre-arbítrio), cap. 22, p XAVIER, Francisco Cândido. O consolador. 22. ed. Rio de Janeiro: FEB, Questão, 134, p Após cada tópico ter sido lido será estimulado o debate com a participação ativa de cada aluno. 3. O professor fará a conclusão de cada tópico incluindo comentários ou desfazendo dúvidas. RECURSOS:

3 Livros dos Espíritos Livro,O problema do Ser,do destina e da dor. Livro,O consolador. Apostila da FEB,Tomo II. AVALIAÇÃO: Individual Grupal (absorção do conteúdo ministrado,harmonia) REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 1. KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro.84. ed. Rio de Janeiro: FEB, Questão 843 a DENIS, Léon. O Problema do ser, do destino e da dor. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, (O Livre-arbítrio), cap. 22, p XAVIER, Francisco Cândido. O consolador. 22. ed. Rio de Janeiro: FEB, Questão, 134, p

4 PLANO DE AULA Maria da Conceição Normando 1. Temática: Conhecimento de si mesmo. (Módulo XVII A Perfeição Moral) 2. Objetivos Específicos: 2.1. Fazer uma reflexão sobre a importância do autoconhecimento; 2.2. Explicar como se processa esse autoconhecimento; 2.3. Ressaltar a importância do autoconhecimento como uma ferramenta para resignificar valores morais e, consequentemente, transformar o sujeito num homem de bem. 3. Metodologia: Primeiro momento: Fazer a seguinte pergunta aos alunos: Por que é necessário o conhecimento de si mesmo para alcançar a perfeição moral? Anotar, de forma resumida, as respostas de cada um destes, como forma de sondar os seus conhecimentos prévios; Segundo momento: Leitura Silenciosa Individual do Texto Conhecimento de si mesmo ; Terceiro momento: A partir do texto lido os alunos irão confrontar as ideias pré e pós-concebidas, objetivando estabelecer uma resignificação atitudinal da aprendizagem. 4. Recursos: Computador; Data show; Texto Conhecimento de si mesmo. Programa Fundamental Tomo II. Roteiro 2 Módulo XVII A Perfeição Moral; papel, lápis. 5. Avaliação:

5 Participação ativa no diálogo com seus pares e monitoria de forma correta sobre o assunto abordado em aula. 6. Técnica: Estudo em dupla, exposição. 7. Conclusão: Finalizar a reunião, projetando a seguinte frase, constante do subsídio do roteiro: O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual (O L E Q-919) 8. Conteúdo Programático: Conhecimento de si mesmo. 9. Referências bibliográficas: Apostilado. Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita. Programa Fundamental, v.2/organizado pela Área de Estudo Doutrinário da FEB, responsável Cecília Rocha. 1. Ed. 2ª reimpressão. Rio de Janeiro: FEB, KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro.84, Ed. Rio de Janeiro: FEB, Q. 909, p.418. Arq.: Atividade Final Módulo XVII R.2 - Plano de aula

6 PLANO DE AULA DESCRIÇÃO Programa Fundamental Tomo II Módulo X Roteiro 1 - Liberdade de pensar e liberdade de consciência Monitor: Margarida Prazeres OBJETIVOS Esclarecer o significado de liberdade no relacionamento humano. Estabelecer relação entre liberdade de pensar e liberdade de consciência. Explicar como impedir os abusos da manifestação da consciência. CONTEÚDO BÁSICO Questões do OLE 825, 826, 833, 835, 841. SUGESTÃO DIDÁTICA a) Introdução Abrir discussão com a turma fixando um cartaz com a frase O que é liberdade? Dinâmica: Tempestade de ideias Tempo: 15 min b) Desenvolvimento Distribuir o material didático com as questões de OLE e o acróstico (anexo I e II) Dividir a turma em 3 grupos (considerando que são 10 alunos). Cada resumo de uma cor: grupo 1 azul; grupo 2 vermelho; grupo 3 verde.

7 Dar 20 minutos para leitura e redação do acróstico. Fazer a leitura do acróstico e destacar os pontos importantes para o grupo (tempo de 15 min). c) Conclusão Monitor deve fazer a síntese do assunto destacando as contribuições que, efetivamente, enriqueceram a atividade. (Tempo de 10 min) d) Avaliação O estudo será considerado satisfatório se: a construção do acróstico seguiu as regras estabelecidas; a turma participou efetivamente da discussão, apresentando contribuições num clima de serenidade e de companheirismo. e) Técnica(s) Trabalho em pequenos grupos; Tempestade de ideias; exposição. f) Recurso(s): O Livro dos Espíritos; acróstico; lápis / caneta; papel; pilot; cartaz.

8 Centro Espírita Educacional e Assistencial Luz, Caridade e Amor CELCA Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita ESDE Turma III 2º semestre São Luís, de de AULA I Liberdade de Pensar e Liberdade de Consciência 825. Haverá no mundo posições em que o homem possa se vangloriar de gozar de absoluta liberdade? Não, porque todos precisais uns dos outros, assim os pequenos como os grandes Em que condições poderia o homem gozar de absoluta liberdade? Nas do eremita no deserto. Desde que juntos estejam dois homens, há entre eles direitos recíprocos que lhes cumpre respeitar; não mais, portanto, qualquer deles goza de liberdade absoluta Haverá no homem alguma coisa que escape a todo constrangimento e pela qual goze ele de absoluta liberdade? No pensamento goza o homem de ilimitada liberdade, pois que não há como por lhe peias. Pode-se lhe deter o voo, porém, não aniquilá-lo Será a liberdade de consciência uma conseqüência da de pensar? A consciência é um pensamento íntimo, que pertence ao homem, como todos os outros pensamentos Para respeitar a liberdade de consciência, dever-se-á deixar que se propaguem doutrinas perniciosas, ou poder-se-á, sem atentar contra aquela liberdade, procurar trazer ao caminho da verdade os que se transviaram obedecendo a falsos princípios?

9 Certamente que podeis e até deveis; mas, ensinai, a exemplo de Jesus, servindo-vos da brandura e da persuasão e não da força, o que seria pior do que a crença daquele a quem desejaríeis convencer. Se alguma coisa se pode impor, é o bem e a fraternidade. Mas não cremos que o melhor meio de fazê-los admitidos seja obrar com violência. A convicção não se impõe.

10 L I B E R D A D ACRÓSTICO

11 E

12 Lindalri Araujo de Souza Planejamento de ensino: 1 Identificação Organizar flipchart ou apresentação com os objetivos da disciplina Apresentar programação da noite de forma rápida e objetiva. Apresentar os dados do monitor de forma simples e objetiva Aplicar dinâmica de apresentação para descontrair e melhorar a interação Avaliar os questionários (para traçar as metas das aulas e as técnicas) Módulo X Lei de Liberdade 2 Objetivo Ampliar os conhecimentos sobre Livre-arbítrio e responsabilidade; Saber explicar o tema abordado de forma simples e objetiva, e que ao termino os alunos saibam explicitar o tema e quais as formas de por em prática, sabendo que suas ações tem consequências. 3 Conteúdo 1. Livre-arbítrio e responsabilidade 1.1 Conceituação de livre arbitrio

13 1.2 Estabelecer relação entre livre-arbítrio e responsabilidade 1.3 Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos? 1.4 Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 843, 844 e Estratégias de Ensino Aplicar dinamica para conhecer os participantes Fazer dinamica com uma bola, onde os participantes devem jogar para o outro e fazer a apresentação do colega que recebeu a mesma, Colocar no flipchart, quadro, Power point ou cartaz o tópico da aula. Considerando que a casa ou o monitor tenha recurso (notebook e data show) colocar em apresentação o tópico sobre livre arbítrio. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos? (aplicar a dinâmica da Tempestade Cerebral). Após esta a dinâmica separar o grupo e disponibilizar para cada um, uma foto, com base nesta, devem descrever o livre arbítrio, quais as possíveis consequências quando fazemos as escolhas certas e as erradas. Avaliar se existe alguma participante que precise de atenção especial 5 Recursos Canetas ou lápis, borracha Aparelho pequeno de som com CD instrumental Apresentação com explicação da dinâmica (levar os dois modelos, conforme o público aplicar o que melhor se adapta) Perguntas e respostas para usar conforme a dinâmica escolhida

14 Fotos Cópia dos textos Ata de presença 6 Avaliação Se todos tiverem apresentado interesse e participado ativamente das atividades. Aplicar avaliação da monitoria, solicitando sugestão para melhorias e identificando os pontos que podem ser eliminados 7 Fonte consulta Verificar a biblioteca do Centro, para saber quais as obras disponíveis para consulta e empréstimo. Caso a instituição tenha pouco, entrar em contato com outros centros ou com o próprio para verificar a possibilidade de melhorar. Tirar copias das páginas para entregar aos que não tem acesso ou condições. O Livro dos Espiritos; (questões: 843, 844 e 845) O Evangelho Segundo o Espiritismo; CALLIGARIS, Rodolfo. As leis morais. 11. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004, p DENIS, Léon. O Problema do ser, do destino e da dor. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, (O Livre-arbítrio), cap. 22, p XAVIER, Francisco Cândido. O consolador. 22. ed. Rio de Janeiro: FEB, Questão, 134, p

15 MÓDULO XI LEI DO PROGRESSO ROTEIRO 2 INFLUÊNCIA DO ESPIRITISMO NO PROGRESSO DA HUMANIDADE DATA: 6/10/2012 DURAÇÃO: 60 MONITORA: NILDE PEARCE PLANO DE AULA OBJETIVOS CONTEÚDO BÁSICO ATIVIDADES DO MONITOR ATIVIDADES DOS APRENDIZES TÉCNICAS E RECURSOS DIDÁTICOS Específicos *Explicar de que forma o Espiritismo contribui para o progresso da humanidade. *Identificar as dificuldades que podem surgir na difusão das ideias espíritas. *De que maneira pode o Espiritismo contribuir para o progresso da humanidade? LE. Questões 798 / 799 1º Momento *Apresentação do assunto através da provocação: - Poderia a humanidade alcançar o bem estar moral com as suas crenças e instituições atuais? (no quadro) 2º Momento 1º momento (individual) * Leitura da questão. *Respostas orais com justificativas. TÉCNICA(S) *trabalho em pequenos grupos; *exposição oral; *formulação de perguntas RECURSO(S) *subsídios do roteiro; *questões elaboradas *Escuta das respostas da turma.

16 *Esclarecimento do assunto com base no 1º parágrafo dos subsídios do roteiro.. 3º Momento *Divisão da turma em três grupos. *Proposição de tarefa para cada grupo. G1- Exposição oral sobre o tema: A contribuição do Espiritismo para o progresso da humanidade G2 - Exposição oral sobre o tema: Obstáculos à propagação das idéias espíritas G3 Leitura dos textos para subsídios pp. 59, 60, 61 e 62 Elaboração de 2 a 4 questões para os grupos 1 e 2 responderem. 4º Momento 2º momento *Propostas para cada grupo: G1- Exposição oral sobre o tema: A contribuição do Espiritismo para o progresso da humanidade Subsídio para entendimento e discussão: p.59 e 60 até parágrafo 6 G2 - Exposição oral sobre o tema: Obstáculos à propagação das idéias espíritas Subsídio para entendimento e discussão: p.60 parágrafo 8 até p.61 e 62 parágrafo 10 G3 - Elaboração de 2 a 4

17 *Escuta das exposições dos grupos. *Comentários para esclarecimento de possíveis dúvi - das e também para reforço das idéias presentes nos objetivos específicos. questões para os grupos 1 e 2 responderem. Subsídios pp. 59, 60, 61 e 62 3º Momento *Apresentação dos grupos AVALIAÇÃO *O estudo ser considera- do satisfatório se, ao seu final, os aprendizes res -ponderem adequadamente às questões formuladas e também participarem ativamente das atividades pro -

18 postas. Referência O livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2007, questões 798 e 799 Estudo sistematizado da Doutrina Espírita: programa fundamental, v. 2, 1.ed.- 4ª reimpressão. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2012

19 PLANO DE AULA 1. Identificação: Disciplina: ESDE Fundamental III Nº de horas/aula: 1h/a Monitora: Rosemary Araujo 2. Objetivo Específico: - explicar o princípio de ação e reação, segundo o entendimento espírita. 3. Conteúdo: - Módulo X Lei de Liberdade. - Roteiro 4 O princípio de ação e reação. 4. Estratégias de Ensino: - apresentar o tema e o objetivo da aula; - introduzir o assunto, explicando o entendimento espírita a respeito: a) da lei de causa e efeito; b) da diferença existente entre a lei de causa e efeito, propriamente dita, e a pena de Talião ( olho por olho, dente por dente ); - estabelecer a relação entre a lei de causa e efeito e a Justiça Divina; - apresentar formas de aplicação da lei de causa e efeito no curso das reencarnações causas das vicissitudes da vida expiações e provas:

20 diferenciações; - dividir a turma em 3 grupos para leitura dos relatos de casos 1, 2 e 3 dos Subsídios; - cada grupo deverá contar à turma, resumidamente, o caso lido e apresentar suas considerações a respeito dos pontos que identificarem como manifestações da lei de causa e efeito, oferecendo oportunidades de manifestações da turma, se esta concorda ou não comas argumentações do grupo; - concluir fazendo os ajustes necessários ao entendimento geral. 5. Recursos: - quadro branco, pincéis atômicos coloridos, notebook, datashow, livro Fundamental Tomo II e Livro dos Espíritos. 6. Avaliação: - trazer, na próxima aula, uma narrativa de caso verídico de vicissitudes para análise doutrinária da lei de causa e efeito pesquisar nas Obras Básicas da Codificação e em obras espíritas complementares. 7. Fontes de Consulta: - OBRAS BÁSICAS da Codificação Espírita;

21 - AÇÃO E REAÇÃO Chico Xavier/André Luiz; - CONTOS DESTA E DOUTRA VIDA Chico Xavier/irmão X; - SÉRIE ROMANCES DE EMANNUEL - Chico Xavier/Emannuel; - PERDOO-TE: MEMÓRIAS DE UM ESPÍRITO Eudado Pagés/Íris/Org.Amália Domingo y Soler história de algumas encarnações de Santa Teresa d Ávila.

22 I - Plano de Aula: II - Identificação: Federação Espírita do Maranhão Monitor: Eraldo Disciplina: Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Série: Programa Fundamental Tomo II - Programa III - Módulo XII Lei de Sociedade e Lei de Trabalho Turma: Período: Noturno de 19h00min às 20h30min III - Tema: Necessidade da Vida Social IV - Objetivo geral: Possibilitar entendimento das leis de sociedade e do trabalho. V - Objetivos específicos: o EXPLICAR POR QUE A VIDA EM SOCIEDADE FAVORECE O PROGRESSO DO SER HUMANO. o IDENTIFICAR OS PRINCIPAIS MALES SURGIDOS EM DECORRENCIA DO ISOLAMENTO SOCIAL. VI - Conteúdos: o O homem tem que progredir, insulado, não lhe é possível, por não dispor de todas as faculdades. Falta-lhe o contato com os outros homens, No insulamento, ele se embrutece e estiola. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, Q. 768 o Homem nenhum possui faculdades completas. Mediante a união social é que elas umas às outras se completam, para lhes assegurarem o bem estar e o progresso. Por isso é que, precisando uns dos outros, os homens foram feitos para viver em sociedade e não insulados. Allan Kardec: O Livro dos espíritos, Q.768 comentário. VII - Desenvolvimento do tema:

23 o APRESENTAR à turma o tema do estudo com uma pequena exposição, dando ênfase as principais ideias desenvolvidas nos subsídios. o DIVIDIR a turma em dois grupos para: a) LEITURA das questões 766 a 771 de O Livro dos Espíritos, e dos subsídios em anexo. b) TROCA de ideias sobre a leitura e elaboração de um resumo retratando o tema estudado. c) OUVIR OS RELATOS dos representantes de cada grupo e solicitar que demais membros participem enriquecendo com suas opiniões as conclusões, de forma a tornar o estudo mais o interativo possível. d) CONCLUSÃO, pelo Monitor ressaltando que a vida em sociedade favorece o progresso do ser humano, enfatizando também os males advindos do isolamento social. VIII - Recursos: textos, lápis, e caneta, IX - Avaliação: o estudo será proveitoso se os aprendizes realizarem satisfatoriamente os trabalhos em grupos. X - Técnica: Estudo dirigido em sala de aula; estudo em duplas. XI - Fontes de Consulta/Bibliografia: 1. Allan Kardec: O Livro dos Espíritos. Q. 766 a 768, 771 e Subsídios da Apostila Programa Fundamental Módulo XII Roteiro 1

24 SOCIEDADE DE ESTUDO ESPÍRITA ESDE III PLANO DE AULA JOSÉ CARLOS LEI DO PROGRESSO PROGRESSO INTELECTUAL X PROGRESSO MORAL ESTUDOS ESPÍRITAS ISMAEL SISTEMATIZADO DA DOUTRINA OBJETIVOS CONTEÚDO MÉTODOS TÉCNICAS RECURSOS DIDÁTICOS AVALIAÇÃO 1. Estabelecer relação entre progresso moral e progresso intelectual; 2. Identificar os maiores obstáculos ao progresso moral. 1. As duas espécies de progresso: intelectual e moral; ambas se prestam apoio mútuo; 2. O progresso moral decorre do intelectual, mas nem sempre o segue imediatamente; 3. O progresso intelectual engendra o moral, fazendo compreensíveis o bem e o mal, permitindo as escolhas; 4. Os maiores obstáculos ao progresso moral são o orgulho e o egoísmo. 1. Apresentar o assunto e os objetivos da aula, focando as questões 776 a 802 do LE; 2. Dividir a turma em dois grupos para discutir os objetivos, lendo e discutindo os subsídios da Apostila; 3. Ouvir o relato dos grupos, intervindo para esclarecer ou complementar o que for necessário. 1. Exposição oral; 2. Discussão circular. 1. Datashow; 2. Livro dos Espíritos; 3..Apostilha do ESDE Observar e incentivar a participação do aluno no trabalho em grupo, considerando satisfatória a participação se as análises estiverem corretas.

Doutrina Espírita ESDE

Doutrina Espírita ESDE Federação Espírita Brasileira Orientação ao Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita ESDE Organização e Coordenação: Carlos Campetti Colaboradores: Iracema Fernandes, Maria do Socorro Sousa Rodrigues,

Leia mais

Curso: Recursos didáticos para aulas de Nível 2

Curso: Recursos didáticos para aulas de Nível 2 Curso: Recursos didáticos para aulas de Nível 2 OBJETIVOS DA UNIDADE - Compreender a importância do planejamento e da confecção dos recursos didáticos a fim de que o conteúdo doutrinário chegue à criança

Leia mais

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas.

Explicar o significado de bem e de mal, segundo as orientações espíritas. Roteiro 1 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo III Os vícios e as virtudes Conceituar bem e mal Explicar o

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso 2º semestre de 2012. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso 2º semestre de 2012. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso 2º semestre de 2012 Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração

Leia mais

OFICINA VIVENCIANDO O ESDE

OFICINA VIVENCIANDO O ESDE OFICINA VIVENCIANDO O ESDE Programa Fundamental I Módulo I Introdução ao Estudo do Espiritismo Roteiro 3 Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita CIÊNCIA FILOSOFIA RELIGIÃO CIÊNCIA O QUE É E COMO É FEITO?

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração Fazendária ESAF

Leia mais

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo)

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) Coordenador de Pesquisa: Prof. Charley Teixeira Chaves Piumhi, Agosto

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador

Projeto Timóteo. Como Implantar um Programa de. Ação Social na Sua Igreja. Apostila do Orientador Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org Projeto Timóteo Apostila do Orientador 1 Como Implantar um Programa de Ação Social na Sua Igreja www.projeto-timoteo.org

Leia mais

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS

ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS ESTUDANDO O LIVRO DOS ESPÍRITOS OBJETIVO GERAL: Com base em O Livro dos Espíritos, também eixo gerador das demais quatro obras básicas da Codificação Espírita, estudar a Doutrina Espírita, estudar ALLAN

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA. Por: FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA. Por: FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA ESTUDO SISTEMATIZADO DA DOUTRINA ESPÍRITA Por: FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA HISTÓRICO Campanha Comece pelo começo Em nível local. USE União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo. Mensagem Mediúnica

Leia mais

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF

Disseminadores de Educação Fiscal. Regulamento do Curso. Escola de Administração Fazendária ESAF Disseminadores de Educação Fiscal Regulamento do Curso Escola de Administração Fazendária ESAF REGULAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Escola de Administração Fazendária ESAF

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

14a edição CAMPINAS SP 2012

14a edição CAMPINAS SP 2012 14 a edição CAMPINAS SP 2012 SUMÁRIO Esclarecimentos preliminares... IX PRIMEIRA UNIDADE 1. Radiações ou vibrações...15 2. Deus...21 3. A criação...27 4. Os Espíritos...35 5. Classificação dos Espíritos

Leia mais

RESPOSTAS PARA SEREM ESCRITAS NO QUADRO-DE-GIZ, PELO(A) EVANGELIZADOR(A):

RESPOSTAS PARA SEREM ESCRITAS NO QUADRO-DE-GIZ, PELO(A) EVANGELIZADOR(A): ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 18 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 1. TEMA: Reencarnação. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: As crianças deverão tomar conhecimento

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPITULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades e dos Objetivos Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso-TCC

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Manual

Leia mais

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 2011 ROTEIRO PARA OFICINA DE DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS sadeam2011 Oficina de Apropriação dos Resultados 4 ROTEIRO DE OFICINA Multiplicador Este roteiro deverá ser utilizado por você como subsídio para

Leia mais

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas

Roteiro 31. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Roteiro 31 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa Filosofia e Ciência Espíritas Objetivos Explicar a abrangência da Teoria dos valores e sua evolução histórica Analisar

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE MG - SEDESE SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS ESCOLA DE CONSELHOS DE MG

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE MG - SEDESE SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS ESCOLA DE CONSELHOS DE MG SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL DE MG - SEDESE SUBSECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS ESCOLA DE CONSELHOS DE MG PROJETO DE MULTIPLICAÇÃO [TÍTULO COMPLEMENTAR] MULTIPLICADORES [NOMES] LOCAL: DATA

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato Palestra Virtual Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br Tema: Passes e Curas Espirituais Palestrante: Alexandre Lobato Rio de Janeiro 09/01/2004 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo Colegiado do Curso através da Resolução nº 03 de 13 de agosto de 2010 NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA Larissa Rivera Cremonini 1 Lauro Iatskiu Júnior 2 Ângela de

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL PROJETO DE INCENTIVO A LEITURA BIBLIOTECA ITINERANTE 1. APRESENTAÇÃO Este Projeto de Incentivo a Leitura "Minha Escola Lê", será desenvolvido nas unidades escolares que

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-2 DISCIPLINA: Projetos e Interdisciplinaridade Código: JP0058 PROFESSOR: Ms. Claudemir Madeira I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 30h II EMENTA Estudo teórico e prático

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

A casa edificada sobre a rocha

A casa edificada sobre a rocha A casa edificada sobre a rocha Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III - Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo II Ensinos Diretos de Jesus OBJETIVOS

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Os trabalhadores da vinha

Os trabalhadores da vinha Os trabalhadores da vinha Roteiro 2 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III - Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo III Ensinos por Parábolas Objetivo Explicar,

Leia mais

Proposta da Doutrina Espírita para a Educação do Homem. Claudia Werdine claudiawerdine@hotmail.com

Proposta da Doutrina Espírita para a Educação do Homem. Claudia Werdine claudiawerdine@hotmail.com Proposta da Doutrina Espírita para a Educação do Homem Claudia Werdine claudiawerdine@hotmail.com Como vai o nosso mundo? Como poderemos transformar esta triste realidade? O progresso intelectual

Leia mais

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem

Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem 91 Eixo Temático: Processos de Ensino-Aprendizagem ET-06-015 INFLUÊNCIA DA MONTAGEM DE UM JOGO DIDÁTICO DO SISTEMA DIGESTÓRIO PARA A MELHORIA NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM Jéssica Maria Bernardo da Silva,

Leia mais

Apresentação de Seminário

Apresentação de Seminário UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Departamento de Ciência da Informação Apresentação de Seminário Profa. Marta Valentim Marília 2012 Introdução O seminário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO. Edital Discente 2015.2 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO POLITÉCNICO Edital Discente 2015.2 Normas para Avaliação Global A Diretora do Instituto Politécnico, Profª. Ana Paula Ladeira, no uso de suas atribuições, e considerando

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 07 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 07 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 07 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) II CICLO B IDADES: 09/10 1. TEMA: Pai Nosso - A Oração Dominical. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO:

Leia mais

Conviver para Amar e Servir

Conviver para Amar e Servir A Metodologia do Espaço de Convivência, Criatividade e Educação pelo Trabalho (ECCET) Aplicada à divulgação doutrinária na Zona Sul Carioca Guilherme Fraenkel Rio de Janeiro CEACE 07/2014 Guilherme Fraenkel

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

Minicurso Expositor Espírita. Preparando a palestra

Minicurso Expositor Espírita. Preparando a palestra Minicurso Expositor Espírita Preparando a palestra Fonte Livreto O Expositor Espírita FERGS Centro de Treinamento e Estudo - CTE Planejamento da Palestra Para que se faça uma excelente apresentação é necessária

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2015/2 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I e III... 5 2.2 Responsáveis

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS

FACULDADE PATOS DE MINAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS INSTRUÇÕES PARA ORIENTADORES E ORIENTADOS Seguem abaixo informações fundamentais que devem orientar a realização do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) que será feito individualmente e em forma MONOGRAFIA

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 1 Elaboração de Projetos - objetivo da Cooperação Técnica; - a importância do Planejamento na elaboração de um projeto; - o significado de projeto; - detalhamento da ação; - trabalhando

Leia mais

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP

COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO. Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP COMO REALIZAR UM SEMINÁRIO Gilberto Luiz de Azevedo Borges - Departamento de Educação -1B-Botucatu-UNESP A técnica do seminário tem sido usualmente entendida como sinônimo de exposição. O "seminário",

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES 1 Eficácia nos estudos 2 Anotação 2.1 Anotações corridas 2.2 Anotações esquemáticas 2.3 Anotações resumidas 3 Sublinha 4 Vocabulário 5 Seminário 1 EFICÁCIA

Leia mais

SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) EVANGELIZAÇÃO 2013

SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) EVANGELIZAÇÃO 2013 SOCIEDADE ESPÍRITA AMOR E CARIDADE SERVIÇO DE EVANGELIZAÇÃO DA FAMÍLIA (SEF) DEPARATAMENTO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE (DIJ) Para a treva só há um remédio, a luz. (Monteiro Lobato) EVANGELIZAÇÃO 2013 CRONOGRAMA

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I MISSÃO Art. 1º - Em consonância com o Regimento Interno da AECX, e sob a premissa de que a mediunidade é coisa

Leia mais

Programa de Curso de Formação de Monitores do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita

Programa de Curso de Formação de Monitores do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Agosto de 2012 Programa de Curso de Formação de Monitores do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita EQUIPE PEDAGÓGICO- ADMINISTRATIVA DO ESDE FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA EQUIPE PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA. Amanda e Denise

EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA. Amanda e Denise EDUCAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PREPARO E CUIDADO DO TRABALHADOR DA REUNIÃO MEDIUNICA OBJETIVOS: Explicar como se realiza a educação do médium; Destacar a importância da capacitação contínua do trabalho do grupo

Leia mais

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I

Projeto: Filhotes. Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Projeto: Filhotes Eixo: Natureza e Sociedade Duração: Setembro/Outubro de 2012 Infantil I Justificativa: A escolha da temática FILHOTES para o infantil I se deve ao fato de que os animais em geral provocam

Leia mais

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição)

Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Curso de Capacitação para Tutoria de Cursos a Distância (3ª Edição) Proponente: Ricardo Lisboa Pegorini (rpegorini@gmail.com) Especialista em Metodologia da Educação a Distância; Gestor do Ambiente Virtual

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Campus Nilópolis Ana Paula Inacio Diório AS MÍDIAS

Leia mais

Caminho da regeneração

Caminho da regeneração CONCAFRAS - 2014 Caminho da regeneração Ao Espiritismo cabe essa gigantesca tarefa: reconduzir o homem moderno a Deus, insculpir-lhe a fé superior e racional, mediante a utilização dos recursos de que

Leia mais

Projeto de Vendas e Marketing. Projeto de Vendas A ARTE DE VENDER. Instituição: Profissional em Marketing: Emir José Nogueira Mendonça 1 / 19

Projeto de Vendas e Marketing. Projeto de Vendas A ARTE DE VENDER. Instituição: Profissional em Marketing: Emir José Nogueira Mendonça 1 / 19 Projeto de Vendas A ARTE DE VENDER Instituição: Profissional em Marketing: Emir José Nogueira Mendonça 1 / 19 Carga Horária: Horas Período: / / CONTEÚDO PROGRAMÁTICO TEMAS 1. Conceito 2. Características

Leia mais

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação

PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS. Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SAINT PASTOUS Comissão Própria de Avaliação Porto Alegre, março de 2005. 1 Diretora Vera Lucia Dias Duarte Coordenador do Curso Dr. Dakir Lourenço Duarte

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO

A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO A PRODUÇÃO DE VÍDEO AULAS COMO RECURSO E COMPLEMENTO DE ENSINO Thassiane Calíssia Ravazi Ferreira ¹; Bruno da Silva Santos ²; Gabriely Cassiola Rovari¹; Larissa Santos de Oliveira ¹; Raisa Viana Nasralla

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

O homem da mão mirrada

O homem da mão mirrada FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo IV Aprendendo com as Curas O homem da mão mirrada Roteiro 4 Objetivo Explicar a cura do

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA

ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 PLANO DE AULA ALIANÇA MUNICIPAL ESPÍRITA DE JUIZ DE FORA (AME-JF) AULA Nº 27 Departamento de Evangelização da Criança (DEC) IDADES: 09/10 1. TEMA: Obediência e Resignação. PLANO DE AULA 2. OBJETIVO: Levar as crianças

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?.........

QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR. 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?......... ESCOLA: PROFESOR (A): TURNO: ( )M ( )V TURMA: ( )SERIADA ( )MULTISERIADA QUESTIONÁRIO DO PROFESSOR TECNOLOGIA 01. Você já acessou a página www.educacaoanguera.ba.gov.br? O que achou? Tem sugestões a apresentar?

Leia mais

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências

Mário Rocha. A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Mário Rocha A contribuição do Coaching no desenvolvimento das competências Missão Visão Objetivos estratégicos Competências Organizacionais Competências Conhecimento o que saber Habilidades - saber fazer

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães

Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães Projeto - Mães empreendedoras: Minha mãe, nossas mães A proposta a seguir refere-se a um Projeto Didático (PD) elaborado para trabalhar com as crianças do 1º e 2º períodos da Educação Infantil (4 e 5 anos

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

Por que nos reunirmos? Reunião do Conselho Deliberativo da Concafras Mundial 18 a 20 de Julho de 2015

Por que nos reunirmos? Reunião do Conselho Deliberativo da Concafras Mundial 18 a 20 de Julho de 2015 1 Por que nos reunirmos? Reunião do Conselho Deliberativo da Concafras Mundial 18 a 20 de Julho de 2015 14/10/2015 2 2 Até o presente, embora muito numerosos, os espíritas se têm disseminado por todos

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS

ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE BANDEIRANTES-MS FEVEREIRO 2011 ESCOLA ESTADUAL ERNESTO SOLON BORGES PROJETO DENGUE DIRETOR: JOSÉ CANDIDO DE CASTRO NETO COORDENADORA: FÁTIMA SURIANO

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo IV A humanidade

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo IV A humanidade FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro IV Espiritismo, o Consolador Prometido por Jesus Módulo IV A humanidade regenerada OBJETIVOS Esclarecer o significado da expressão

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais