LAURIANA PALUDO UM ESTUDO SOBRE AS TECNOLOGIAS JAVA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LAURIANA PALUDO UM ESTUDO SOBRE AS TECNOLOGIAS JAVA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS"

Transcrição

1 LAURIANA PALUDO UM ESTUDO SOBRE AS TECNOLOGIAS JAVA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS FLORIANÓPOLIS, NOVEMBRO DE 2003

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA UM ESTUDO SOBRE AS TECNOLOGIAS JAVA DE DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS Trabalho de Monografia apresentado ao Departamento de Informática e Estatística (CTC), área de Ciência da Computação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), como requisito para obtenção do Título de Especialista em Ciência da Computação. Orientador : Prof. Leandro J. Komosinski, Dr. FLORIANÓPOLIS, NOVEMBRO DE 2003

3 ii "Se o teu sonho for maior que ti Alonga tuas asas Esgarça os teus medos Amplia o teu mundo Dimensiona o infinito E parte em busca da estrela... " (Trecho de Voa - Ivan Lins / Leda Selma)

4 iii Dedico este trabalho à minha mãe, Ana Canei Paludo, minha fonte eterna de inspiração. Sua luz é minha força. À minha grande amiga, Nice, pelo seu constante incentivo e por me conceder as condições de participar das oportunidades de aquisição do conhecimento, e à minha querida tia, Inês Fátima Vanzo Paludo, pelo seu apoio incansável.

5 iv AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Leandro José Komosinski, meu orientador na UFSC, pelo seu apoio e confiança em mim depositados, oportunizando a execução desta. Ao Prof. Davidson M. Davi, coordenador do curso de Especialização na UNOESC Xanxerê, pelo incentivo, apoio e paciência com que sempre nos recebeu. À minha família que me ensinou o norte da vida e está o tempo todo torcendo por mim. Aos amigos, Max Ruben de Oliveira Schultz e Fabiano Luiz Carniel, companheiros de tantos estudos, viagens e dos momentos de descontração, pela companhia, força, amizade e enorme ajuda com os trabalhos. Aos amigos, Alex Galon, Felipe Seiji Fujihara, que também compartilharam comigo os momentos de estudo, as viagens e a pizza da sexta-feira durante este período. À Fátima Santin e Caroline Crestani, minhas tão boas amigas e colegas de trabalho, vocês foram fundamentais, sem as suas colaborações eu não teria conseguido. Pelos mesmos motivos, aos meus amigos Robison Cris Brito, Bianca Larissa Araldi que muito colaboraram para minha pesquisa. Aos amigos que reencontrei e outros que fiz no curso: Anderson Paulini, Eliane Maria De Bortoli, Juliano Duarte, Leandro Marcos Dalla Agnol, Jorge Roberto Trento, Paulo Sergio Melinski, Christian Garghetti, Nelci Ohse Pereira, que fizeram os finais de semana serem mais agradáveis. Sou especialmete grata ao Dr. Sadao Yamamoto, pela compreensão em tantas ausências em minhas atividades como sua funcionária. À todoas as pessoas que me ajudaram direta ou indiretamente em mais este trabalho. E à Deus pela força de superar os obstáculos e vencer os desafios.

6 v SUMÁRIO !"#$ % %&'()' % * , , '. $ /#% 0 $).# $1$#" '. $ /#!, 2#0"3 1" & '. $ /#, 5 6 %.,1$&$ ''%% * '. $ /#, 5 0 %.,1$&$ ''%% #0"3 #&.8% $ *, * :6# * ;.0 <% '= ** ; , > $).%.$/.% #!"#?3 0 % #.' 0 0#0 %. &#$6 &... A... 46

7 vi B! A, *! A, *, *!, 5, *..0.0, *, *, C **,$% ** '$ 0 0# 0#,$ ** 6&..% %1#% 5.")#' /"D)'# **!, ** 6 1%#" <"$%% $= *7 +, *B!, *B 0!#6% 5 /% *E,, *F!! *F '. $ /# ## #" *F 1&";## *G! *G 9 ",%%#/ "' 5, *G ; *G* %. $.0.# $##) "6#, !A... 97

8 99 B! B H! B % %#0 % B."%0#0% B #"'#.% 0 #&#"$9 % 6I% B* &"#0 "#% 0 $' 61.'#?J% B7 '0#0% %% '#?J% ".#% %#% BB "? % 0.". &#"# #'%% &$ $). 6I$ K 5 %# 0 '. $ /#% ;"$%% K 5 %& % %,

9 viii LISTA DE QUADROS L 5 M6&$ 'I0/, L 5 M6&$ 6N 0 &.' "0 ", L * 5 M6&$ 6N 0 0$"' "0, L 75 M6&$ %#(0# 6N 0 M'

10 ix LISTA DE FIGURAS /1"# 5 %1D" % 6 6$9J% 0# $).# 6I$.% %#0 %.0 % /1"# 5 '. $ /#% 0 '$1$#"% 1$O#0#%. "#%$ 26 P /1"# * 5 0% '$1$#"% P /1"# 75 $1$#"% ## 0%&.(% $1$#"% 6 0%&.(% #"#.D #.# ##".# /1"# B 5 $1$#"% 0%&.(% #"#.D #.# ##".# /1"# E 5 6#"&9.% ## /1"# F 5 % ' 6 %6# &"#'.#$ #$ /1"# G 5 % ;.0 <% /1"# C 5 % ' 6.1M /1"# 5 0?J% 0# $##) "6# ## /1"# 5 $##) "6# ##,'" /1"# * 5 0? % ## ##,'" /1"# 7 5 '$ 0 0# 0 60$ '#$O#?3 0# Q $#". ;.0 <% /1"# B 5 &"%.#?3 0# Q $#" /1"# E 5 "61$D" &" /1"# F 5 "61$D" 0 '.)/1"#?J% 0 &" /1"# G 5 "61$D" 0 0"I" % 0 &" /1"# C 5 61$#0 "/.N"' $= /1"# 5 /% /1"# 5 0!#6% 0, C /1"# * 5 $1M 0."#?3 0 % /% /1"# 7 5 ## '#" R #"0 ''&#.' '... 85

11 x RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre as tecnologias Java para o desenvolvimento de aplicações em dispositivos móveis, mais especificamente sobre a plataforma J2ME. O estudo considera uma introdução aos dispositivos móveis, tipos de aparelhos, tecnologias da telefonia celular, operadoras, características gerais da plataforma Java, direcionando seu esforço na compreensão da tecnologia J2ME. Desta, são abordadas as especificações CLDC (Connected Limited Device Configuration) e a MIDP (Mobile Information Device Profile), as principais classes, APIs, API de jogos, ferramentas de desenvolvimento, configuração de ambiente, como usar o Wireless TollKit, limites operacionais e de processamento e alguns exemplos de aplicações e código de acesso a dados em J2ME. Ainda, é realizada uma contextualização do mercado brasileiro como desenvolvedor dessa plataforma e encerrando com uma apresentação sobre outras tecnologias de desenvolvimento para aplicativos móveis encontradas no mercado. Este estudo é baseado na bibliografia existente, participação de eventos e em alguns estudos de caso sobre as tecnologias wireless e tendências.

12 xi ABSTRACT This work presents a study about Java technologies for the development of applications in mobile devices, more specifically about the J2ME platform. The study shows an introduction to the mobile devices, types of devices, technologies of the cellular telephony and operators, general characteristics of the Java platform, aiming its effort to the understanding of J2ME technology. It will deal with CLDC (Connected Limited Device Configuration) and MIDP (Mobile Information Device Profile) specifications, the main classes, APIs, API of games, tools of development, configuration of environment, how to use the Wireless operational TollKit, operational and processing limits and as well some examples of applications and the access code of data in J2ME. It is still made a contextualization of the Brazilian market as developer of this platform and it ends with a presentation about other technologies of development for mobiles aplications found in the market. This study is based on the existing bibliography, participation of events and in some studies of case on wireless technologies and trends.

13 12 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A busca pela comunicação ágil e rápida sempre existiu em todas as sociedades. Os romanos construíram uma rede de mais de quilômetros para manter da maneira mais ágil possível as comunicações dentro do Império. Na época, os mensageiros conseguiam percorrer no máximo 300 km por dia, e as mensagens, de qualquer ponto do Império, levavam até dois dias para chegar a Roma [TAURION, 2002]. Mas, desde que Marconi enviou a primeira mensagem de rádio, isto em 1895, nunca mais a comunicação precisou de um meio físico e de um mensageiro para transportá-la. A comunicação pelo rádio revolucionou a sociedade, pois podia-se agora enviar mensagens sem sair do lugar. E, com o advento da telefonia móvel e da Internet, uma nova revolução acontece. De acordo com Martin Cooper, inventor do celular, o número de transmissões de dados ou voz que conseguimos enviar pelo ar, em todo o mundo, dobra a cada 30 meses [TAURION, 2002]. A telefonia móvel tornou-se popular com a introdução dos telefones celulares. Essa invenção despertou muito interesse e viu-se em poucos anos uma verdadeira explosão mundial no seu uso, transformando a sociedade e causando o grande momento da telefonia celular [TAURION, 2002]. Uma transformação monumental está em curso : a de transformar o computador invisível e onipresente em realidade. E é objeto de pesquisas em todo o mundo. Cada um imagina o futuro com aparelhos inteligentes ao seu modo. E trabalha para chegar lá de modos diferentes, trabalhando o hardware, o software, os sistemas

14 13 operacionais, os protocolos de comunicação, as redes, as redes sem fio e assim por diante. Há uma explosão de tecnologias facilitando a comunicação sem fios. O dispositivo móvel com acesso a Internet mais usado hoje é o telefone celular. O nome celular é decorrente do fato da rede de comunicações ser composta de uma rede de células, com transceptores de rádio, chamados de estação-base, no centro de cada célula. A célula é a área de cobertura de uma única estação-base. Conforme um telefone móvel se desloca em uma rede, ele tem acesso aos serviços por intermédio da estação-base da célula em que se encontra naquele momento. A célula pode ter diversas formas, de acordo com a topografia da região, dificultando ou mesmo bloqueando os sinais. No geral, a mais adotada é a hexagonal. [TAURION, 2002]. Ainda, é dito mobilidade pois o usuário pode se deslocar de um local a outro e conseqüentemente de uma célula a outra. Esse processo de comutação enquanto a ligação está em andamento é chamado de handover. É um processo complexo pois a estação-base precisa calcular quando o usuário está atravessando a fronteira da célula. Como isso pode demorar alguns segundos, se o deslocamento for muito rápido a probabilidade da ligação cair é grande [TAURION, 2002]. Além do celular, existem diversos equipamentos que nos permitem ganhar mobilidade, como os handhelds, PDAs 1, Palmtops e que nos é possível fazer uma associação, mobilidade/portabilidade, destes equipamentos com a das aves, lembrando da mitologia egípcia, o deus-pássaro Horus 2, o mais antigo adorado deus do Egito. Indiscutivelmente a mobilidade é fundamental e seu potencial muito amplo. O comércio eletrônico tradicional, já sinaliza claramente que a vantagem da 1 Personal Digital Assistants 2 Identificado por um homem com cabeça de falcão e escolhido para designar o primeiro título de todo faraó que reinasse. Acreditavam que devido ao poder da vista do falcão, único animal a fixar o Sol, e voando através dos céus conseguia então vigiar o império.

15 14 conveniência é bem-aceita. Pode-se fazer compras pela Web em supermercados, sem precisar enfrentar trânsito ou perder tempo em deslocamentos. Se essa conveniência puder ser disponibilizada sem a necessidade de nos dirigirmos a um ponto fixo onde esteja instalado um microcomputador, mas oferecida por um equipamento móvel, como um celular, com certeza teremos um conforto muito maior no uso dos serviços [TAURION, 2002]. Há mais usuários de celulares e equipamentos móveis do que usuários de PCs. E a disseminação de celulares tende ser muito maior devido às diferenças de preço entre esse equipamento e um sofisticado microcomputador [TAURION, 2002]. Aliado a essa demanda, vê-se a evolução tecnológica. Ao lado dos aparelhos móveis, crescentemente sofisticados e tecnologias de comunicação cada vez mais potentes em termos de capacidade de transmissão, permitindo tráfego de imagens e vídeos de alta resolução, tem-se tecnologias como o ambiente Java, cada vez mais presente no dia-a-dia seja em produtos fixos ou móveis e que apresentam entre outras características, alguma forma de comunicação e elevado grau de sofisticação em relação às tarefas que executam. Segundo Hopson, Java é uma linguagem de programação independente de plataforma. Desenvolvida pela Sun Microsystems, originalmente feita para integrar circuitos de eletrodomésticos, ganhou a Internet, sendo utilizada largamente na Web com o objetivo de dinamizar sites e integrar servidores [HOPSON, 1998]. A expectativa de utilização de Java é grande. O usuário pode personalizar seu aparelho fazendo a cópia de aplicativos e com a possibilidade de atualização do software ser permanente, sem a necessidade de investir num novo aparelho a cada lançamento de nova aplicação. A plataforma Java é uma excelente escolha para o desenvolvimento sem fio por muitas razões. Uma delas é a segurança. O código Java executa sempre dentro dos limites da Java Virtual Machine (JVM), o qual oferece um ambiente seguro para executar o código baixado. Outra é o encorajamento à programação robusta com os

16 15 mecanismos da linguagem para o tratamento de exceções e o garbage collector que facilita a programação com o controle automático de objetos não mais referenciados na memória. A portabilidade é a grande vencedora das razões. Um programa simples pode ser executado em vários dispositivos diferentes. Um segundo benefício da portabilidade é a tranqüilidade na liberação de aplicações para um dispositivo através de uma rede sem fio, pelo fato do código Java rodar na JVM, ele pode ser baixado para ser executado seguramente. O desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis utilizando a linguagem de programação Java é possível utilizando o ambiente Java 2 Plataform Micro Edition (J2ME). Esta plataforma oferece uma máquina virtual Java, chamada de KVM, compacta o suficiente para ser suportada pelas restrições de memória destes dispositivos. Porém, essa máquina não suporta todas as classes e funcionalidades do Java, sendo formado basicamente por duas outras especificações, a CLDC (Connected Limited Device Configuration), e a MIDP (Mobile Information Device Profile). A CLDC fornece um conjunto de APIs para as aplicações sem fios. Essa especificação fornece as classes responsáveis pela conexão, entrada e saída de dados, classes de manipulação de strings e operações matemáticas. A MIDP oferece a biblioteca de interfaces gráficas. Provê ainda as classes para memória persistente e algumas de definição de objetos de formulário. Diante deste cenário que sinaliza um alto potencial para novas e criativas aplicações, cujas tecnologias de desenvolvimento são o tema desta pesquisa, serão apresentadas as definições, especificações e características das mesmas e dos dispositivos móveis que ofereçam suportem à elas. 1.1 JUSTIFICATIVA DO TRABALHO

17 16 Voltada basicamente para a informação, pretende-se realizar uma pesquisa de cunho científico a respeito do tema Um Estudo Sobre as Tecnologias Java de Desenvolvimento de Aplicações Móveis, cujo foco é a introdução de conceitos e tecnologias baseadas em Java relevantes para o desenvolvimento de software voltados para dispositivos de mão. Diante da necessidade de atender requisitos do curso de Especialização em Ciência da Computação, oferecido pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - Unoesc Xanxerê em convênio com a Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, também por considerar fundamental entender as soluções tecnológicas que o mundo competitivo em que vivemos apresenta e almejando uma noção do mercado e da importância destas tecnologias para saber aplicá-las corretamente nas mais diversas atividades, esse estudo torna-se justificável. Ao se utilizar um aparelho móvel, o ambiente em que nos encontramos é diferente do de um computador. Em geral, se está em trânsito, na rua, no carro, numa reunião, no elevador, no metrô..., e com a atenção compartilhada entre o aparelho e outras atividades. Mesmo um laptop, o uso do computador é bem mais estático e mais parecido com sentar em uma mesa e se dedicar ao trabalho [SOUZA, 2003]. As aplicações feitas para o mundo wireless precisam considerar essas diferenças como fundamentais. A interface, a interação, os movimentos de mão, a atenção do usuário. Tudo é diferente. Não basta colocar HTML ou algo similar e imaginar que todos os problemas estão resolvidos [SOUZA, 2003]. Diante do exposto, considera-se relevante pesquisar as tecnologias existentes para o desenvolvimento de aplicações para os dispositivos móveis, uma vez que o mercado wireless nacional está amadurecendo rapidamente e o desenvolvedor tem importância decisiva nesse processo. Com base no avanço tecnológico que tem oferecido várias possibilidades de ferramentas de desenvolvimento de software e vários modelos de dispositivos portáteis, pretende-se conseguir com esse estudo uma análise das diferentes

18 17 tecnologias e ambientes de desenvolvimento wireless existentes, sobretudo nas baseadas em Java que é sem dúvida a força propulsora dos maiores avanços em aplicações para dispositivos de mão. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Compreender os conceitos, tecnologias e ferramentas orientadas para o desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis baseadas na plataforma Java Objetivos Específicos - Demonstrar as tecnologias Java empregadas para aplicativos em portáteis; - Apresentar os dispositivos móveis e aparelhos celulares que suportam a tecnologia Java; - Analisar as especificações, estrutura e as configurações da plataforma Java para dispositivos com pequeno poder de processamento; - Conhecer algumas ferramentas para a configuração de um ambiente de desenvolvimento de aplicações móveis;

19 18 - Contextualizar o mercado brasileiro no desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis; 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO Esta monografia de pós-graduação está dividida em seis capítulos. Neste primeiro capítulo é introduzido o assunto tema da pesquisa e também abordada a motivação e objetivos, geral e específicos, da mesma. A seguir, no Capítulo 2 Dispositivos Portáteis, são introduzidos os dispositivos móveis, seus sistemas operacionais, a nova geração de palmtops, telefones inteligentes, suas utilizações e aplicações e tecnologias empregadas pela telefonia móvel celular. O Capítulo 3 A Tecnologia Java para Aplicações Móveis, apresenta o domínio desta pesquisa, com uma abordagem da plataforma Java sob o pacote J2ME, apoiado cada vez mais pelo segmento de telefonia móvel. Acrescentando uma contextualização de considerações sobre o mercado brasileiro como desenvolvedor dessa plataforma que vem se destacando em âmbito internacional no desenvolvimento de jogos e encerrando com a apresentação de outras tecnologias de desenvolvimento para aplicativos móveis. Já no Capítulo 4 - Discussão, são debatidas as contribuições e perspectivas futuras desta pesquisa. No Capítulo 5. Conclusão, são apresentadas as conclusões que este trabalho permitiu alcançar. E por último, no Capítulo 6 - Bibliografia, o material consultado para a realização da mesma.

20 19 CAPÍTULO 2 DISPOSITIVOS PORTÁTEIS Em vista do contínuo avanço dos dispositivos eletrônicos, como PDAs, aparelhos celulares, TVs, computadores de bordo e muitos outros cada vez mais programáveis, ou melhor, que permitem estender suas funções básicas, este capítulo é destinado a uma introdução à esses dispositivos, suas características, tecnologias e o exemplo de algumas aplicações. Ainda, apresenta os conceitos, gerações, tecnologias da Telefonia Celular e alguns modelos de aparelhos disponíveis de acordo com as operadoras de telefonia celular brasileiras. 2.1 INTRODUÇÃO AOS DISPOSITIVOS MÓVEIS De acordo com os atuais conceitos de computação móvel e acesso sem fio (wireless), denomina-se dispositivos portáteis ou móveis aos PDA's ( Palm e Pocket PC), celulares e smartphones em geral. Desde que a Apple anunciou o Newton, em 1993, e popularizou a sigla PDA ( Assistente Pessoal Digital ), muita coisa mudou. A nova geração de handhelds, assim também denominados, é irresistível. Hoje os palmtops tem telas de ótima qualidade, chips velozes, executam programas complexos de escritório, tocam MP3, gravam voz, rodam jogos e fotografam. São realmente companheiros do dia-a-dia. Os smartphones, que em seu lançamento há dois anos decepcionaram muita

21 20 gente, estão com boa performance, tanto como celular quanto handheld. Seu maior inconveniente está no alto custo. A subsidiária brasileira da Palm vai iniciar a produção de seus computadores de mão aqui no Brasil. Os primeiros modelos fabricados nessa unidade devem chegar ao mercado este ano ainda. Ela contratou a canadense Celestica, uma das maiores fabricantes de equipamentos eletrônicos e de telefonia do mundo, que mantém desde 1999 uma fábrica em Jaguariúna, no interior de São Paulo, na qual terceiriza a produção de empresas como Nokia e NEC. As fabricantes tradicionais de equipamentos para telefonia móvel estão passando a enfrentar uma crescente ameaça competitiva de empresas como a Microsoft, Intel e uma série de grupos eletrônicos asiáticos, que costumavam se dedicar ao setor de computação. Estas empresas estão tentando entrar em novos mercados, procurando por novas fontes de receita para o saturado mercado de computadores pessoais. Como diz David Levin, presidente-executivo da Symbian, em entrevista à revista Info Exame de setembro deste ano, "nos últimos cem anos construímos telefones para os ouvidos. Agora, podemos construir telefones que se conectem com os olhos". [Info 09/2003] 2.2 TELEFONIA MÓVEL CELULAR Muitos dos dispositivos móveis, principalmente os celulares, disponíveis no mercado apresentam recursos de transmissão de dados, contudo, o tráfego desses dados ainda é muito caro. Com a entrada de novas operadoras no mercado nacional, só nos útlimos 5 ( cinco ) anos foram mais de 10 ( dez ) novas empresas - a guerra pelo cliente resultou

22 21 em ofertas de aparelhos e tarifas bem mais baixas. O famoso celular pré-pago, com a novidade da compra de créditos, também permitiu que pessoas de mais baixa renda pudessem controlar seu gasto e fazer uso da telefonia celular. Um sistema móvel é definido como uma rede de comunicações por rádio que permite mobilidade contínua por meio de células. A comunicação sem fio, por outro lado, implica em comunicação por rádio sem necessariamente requerer passagem (handover) de uma célula para outra durante a conversação [ALENCAR, 2001]. Os sistemas móveis são convencionados nas seguintes gerações : - Primeira geração: celulares analógicos, somente comunicação por voz; - Segunda geração: os atuais celulares digitais, comunicação de dados e voz; - Geração 2,5 : é representada pelas novas tecnologias de transmissão por pacotes, como GPRS e CDMA 1x e, principalmente, pelos serviços diferenciados, como o acesso permanente à web, possíveis pelo aumento das velocidades e tarifação por volume de dados. A cada ligação de voz há um canal de dados à disposição do usuário, basta acessá-lo. Porém não é possível acessar a web e receber ligações simultaneamente. - Terceira geração ou 3G : inaugurada no Japão em 01 de outubro de O serviço de 3G da empresa japonesa NTT DoCoMo chama-se FOMA (Freedom of Mobile Multimedia Access) e utiliza a tecnologia W-CDMA 3 (Wideband-Code Division Multiple Access). Esse novo serviço oferece qualidade na transmissão de voz, com mínima interferência e barulho e suporte a diversos conteúdos de multimída, como transmissão de vídeos, imagens, música e jogos, além de grande capacidade de comunicação de dados. Também oferece cobertura em diversos países. De um modo geral, as previsões são de que o atual conceito de células geográficas que deu origem ao popular "celular", deverá ser expandido para células de tamanhos diferentes ( pico, micro e macro-células ); cada célula deverá adotar uma tecnologia diferente para a 3 Rede celular para o tranporte de multimídia a 2 Mbps de velocidade.

23 22 "interface aérea" ou transmissão dos sinais de rádio; velocidades elevadas de transmissão e integração completa de tecnologias de telecomunicações e eletrônica de estado sólido servirão de suporte para sistemas multimídia com enorme poder de processamento. O Brasil encerrou o ano de 2002 com 35 milhões de usuários de telefonia celular. Uma mudança marcante nos hábitos de utilização do brasileiro no ano passado foi a procura por serviços de dados. Segundo o IDC, no ano passado, 19% dos assinantes utilizaram serviços de mensagens curtas ou WAP. A estimativa é que esse índice seja duplicado até Muitas pessoas não sabem, exatamente, quais as funções do celular, utilizando-o apenas para fazer e receber chamadas. Mesmo os modelos mais simples de telefone possuem acesso a diversos serviços, oferecidos pelas operadoras, que podem modificar o dia-a-dia. O resultado das loterias assim que os números forem sorteados, s, horóscopo, jogos, previsão do tempo, alguns aparelhos permitem o acesso a conta bancária, pagamento de contas, compras, agendar lembretes para compromissos importantes, entre outros softwares específicos que podem ser instalados em seu aparelho Tecnologias de Telefonia Celular Ver Anexo 1. Em anexo, pode-se verificar uma lista com as tecnologias wireless existentes.

24 Tecnologia GSM (Padrão Europeu) O desenvolvimento de um sistema móvel celular na Europa, empregando tecnologia digital, começou em 1982, com a DEPT (Conférence Européene des Administrations des Postes et Télécommunications), em um grupo de trabalho denominado GSM ( Groupe Spéciale Móbile ) [ALENCAR, 2001]. Com a conclusão do desenvolvimento do GSM, a sigla passou a significar Global System for Mobile Communications, ou Sistema Global para Comunicações Móveis. [ALENCAR, 2001]. A introdução como serviço comercial na Europa foi em 1992 e está presente nas Américas desde Esse padrão foi adotado em toda a Europa, Austrália e em diversos países asiáticos. É considerado a evolução do sistema TDMA. Oferece uma série de opções de chamadas, como espera, desvio de chamada, chamada com restrição, uma variedade de serviços de dados em que é dispensável o uso de modems específicos, a troca dos dados do usuário entre telefones através do Sim-Card e acesso mais rápido a seviços WAP e Internet, através do sistema GPRS 4. Com isto, é, sem dúvida, o sistema celular de maior cobertura em todo o mundo. Apesar disto, por se tratar de uma tecnologia ainda recente no Brasil, sua abrangência nacional ainda não tem o mesmo alcance das demais operadoras já instaladas, o que deve ser resolvido em pouco tempo. No Brasil, as empresas que operam com o sistema são: - Tim (todo o Brasil) - Oi (RJ, ES, MG, BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AM) 4 General Packet Radio Service tecnologia que implementa a transmissão de dados por pacote às redes GSM, chamado serviço celular de 2,5G

25 24 A Oi, primeira operadora GSM a estrear no Brasil, completou um ano de operações em junho de 2003, com 2,25 milhões de clientes. De acordo com a Anatel, em um ano, a tecnologia angariou 7,31% do mercado de telefonia celular nacional. A outra operadora a estrear em GSM foi a TIM, que já operava com a tecnologia TDMA nas regiões nordeste e sul. Em breve, toda a sua área TDMA receberá migração para GSM. As telefônicas TDMA Americel, ATL, Telet e Tess ( grupo Telecom Americas ) já começaram a migração de suas redes TDMA para GSM. Isso não significa que a tecnologia TDMA desaparecerá tão cedo. Essas redes serão mantidas e segundo analistas da telecom, apesar de as operadoras criarem incentivos para a troca de aparelhos TDMA por GSM, a resposta à adesão ao GSM pode não ser tão rápida, uma vez que, em média, o brasileiro leva de dois a três anos pra trocar de equipamento. Contudo, o mercado celular brasileiro está amadurecendo. Já não buscamos mais uma aplicação matadora, mas sim vários serviços que conquistem os diversos tipos de público brasileiro, afirma Alberto Blanco, diretor de comunicação da Oi, para a revista Info Exame em fevereiro de Com o SIM Card 5, acrônimo em inglês de módulo de identificação do assinante, o usuário habilita sua linha celular ( qualquer aparelho GSM ) em qualquer lugar do mundo, desde que sua operadora tenha acordos roaming internacional. A Oi e a TIM possuem acordos em mais de 170 países. É possível configurar o menu do aparelho e incluir pequenos programas em Java para serem acoplados ao telefone. Na Itália, a Telecom Itália libera dois SIM Cards com o mesmo número. A intenção é que o cliente possa acoplar um no rádio do carro ou em sua estação de trabalho fixa, passando a ter um único número telefônico onde quer que vá. Também os cartões utilizados pela TIM, já vem com a máquina Java, o que possibilita até aos 5 Microchips portáteis que armazenam o código e a linha do celular

26 25 equipamentos mais populares, soluções em Java. No Brasil, graças ao biling, sistema de cobrança por voz e dados usado pelas operadoras, uma alternativa é o surgimento das MVNO, Móbile Virtual Network Operator. A megaloja de CDs Virgin é um exemplo. Pode-se comprar um celular e pagar a conta do telefone para a Virgin, que repassa o valor para a operadora que lhe alugou o serviço. Também a rede GSM/GPRS promete resolver a falta de segurança nas operações financeiras. Além de ter nascido no padrão digital, também a favor da segurança é a criptografia de ponta a ponta nas ERBs 6, estações que fazem a comunicação entre os celulares independente da rede. A criptografia de 128 bits é tanto para o canal de voz quanto para o de dados. A criação de aplicativos que atraiam o público para usar o celular além da voz contínua sendo o ponto mais crítico das operadoras de todo o mundo. O MMS lançado no segundo semestre do ano passado, oferece o recebimento de mensagens coloridas, com animações e algum som, o que anima os desenvolvedores e as operadoras Tecnologia TDMA - Time Division Multiple Access Tendo como requisito a compatibilidade com o sistema existente AMPS, a TIA ( Telecomunications Industry Association) optou pelo padrão TDMA que possibilitava uma ampliação da capacidade do serviço. A sigla TDMA vem do inglês Time Division Multiple Access, que quer dizer "Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo". O TDMA é um sistema de celular 6 Abreviação de estação rádio-base.

27 26 digital que funciona dividindo um canal de freqüencia em até seis intervalos de tempo distintos. Cada usuário ocupa um espaço de tempo específico na transmissão, o que impede problemas de interferência. A tecnologia TDMA é uma das mais utilizadas em todo o mundo. Segundo a organização 3G Americas, cerca de 120 milhões de pessoas no planeta utilizam telefones celulares TDMA. É, também, a tecnologia mais utilizada no continente americano - 100% da população dos Estados Unidos tem cobertura da tecnologia TDMA, que é a única presente nacionalmente na Colômbia, no Equador, na Nicarágua, no México e no Panamá. Mais de 90 operadoras em 35 países e outros territórios do continente americano utilizam a tecnologia TDMA. No Brasil, as empresas que operam com o sistema são: - Vivo (RS e DF) - Telemig Celular (MG) - Tim Sul (PR, SC e Pelotas-RS) - BCP (SP, AL, PE, PB, RN, CE e PI) - Amazônia Celular (AM, RR, AP, PA e MA) - Sercomtel (Londrina-PR) - CTBC Celular (Curitiba-PR) - ATL (RJ e ES) - Tess (SP) - Americel (GO, MT, MS, TO, RO, AC e DF) - Maxitel (MG, BA e SE) - Claro Digital (RS) Tecnologia CDMA - Code Division Multiple Access

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi"

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi Oi MÓVEL S.A., autorizatária do Serviço Móvel Pessoal com sede no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO:

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO: Manual da fase de teste do Giro Beta Versão: 1.0 Data de publicação: Janeiro/2004 Descrição: Este manual irá ajudá-lo a responder dúvidas que você possa ter sobre a fase de teste do novo serviço Giro.

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA TIM BETA

REGULAMENTO OFERTA TIM BETA REGULAMENTO OFERTA TIM BETA A oferta TIM BETA é valida para os clientes pessoa física que possuam o plano pré-pago Jovem ativado. Eles estarão aderindo automaticamente ao benefício promocional de efetuar

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

A mobilidade da HP em suas mãos

A mobilidade da HP em suas mãos Pocket PCs HP ipaq e Smartphones A mobilidade da HP em suas mãos A mobilidade em suas mãos Hoje em dia, os negócios exigem que você fique o tempo todo conectado. Mas não basta ficar conectado, é preciso

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

Descrição: Benefícios do Produto

Descrição: Benefícios do Produto Descrição: Oi Empresa 2 Planos empresarial assinatura mensal com tarifa zero: o cliente fala graça Oi para Oi da sua empresa, todos os dias da semana, em qualquer horário. Indicado para grupos que falam

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS Última versão de software homologada pela VIVO: 042.010 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia E5 (Número do Modelo: E5-00) Smartphone com sistema operacional: Symbian OS v9.3 e plataforma: S60 v3.2;

Leia mais

LG MG 110 Tela colorida. Agenda com 200 posições de memória no TIMChip + 500 registros no aparelho. Jogos. Calculadora, calendário, conversor de moedas, despertador, data e hora e alerta vibratório. TIM

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP

TELEFONIA CELULAR. Roteiro: História Como funciona WAP TELEFONIA CELULAR Roteiro: História Como funciona WAP Milhões de pessoas em todo o planeta utilizam a telefonia celular, tecnologia que, atualmente, se tornou popular e barata. Muitas são as coisas que

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs

Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Teste de Qualidade Web based para Banda Larga FAQs Pergunta O que é o teste de velocidade? Quem é o público alvo? O que oferece? Como funciona? Por onde é o acesso? Resposta Um teste de qualidade de banda

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

BlueTooth. Teleprocessamento e Redes: Universidade Cató lica do Salvador 2003.1. Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo

BlueTooth. Teleprocessamento e Redes: Universidade Cató lica do Salvador 2003.1. Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo Universidade Cató lica do Salvador 2003.1 Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo Teleprocessamento e Redes: BlueTooth 1. Introduç ão e suas promessas A tecnologia de comunicação

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS

SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS SISTEMAS OPERACIONAIS MÓVEIS - ANDROID X IOS Danielle Dias Simões¹, Júlio César Pereira². Universidade Paranaense - Unipar Paranavaí PR - Brasil dannesimoes@hotmail.com juliocesarp@unipar.br Resumo. O

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis José de Ribamar Martins Bringel Filho Mestre em Ciência da Computação (UFC) bringel@cenapadne.br Roteiro Overview das Plataformas e Linguagens J2ME

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Tecnologias de telefonia celular GSM (Global System for Mobile Communications) Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Plataformas Sistemas Operacionais e Desenvolvimento) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

4. Mercado de Telefonia Móvel

4. Mercado de Telefonia Móvel 70 4. Mercado de Telefonia Móvel Tendo em vista que este estudo de caso é de uma empresa de telefonia móvel, torna-se relevante que seja abordada a evolução histórica da telefonia móvel no Brasil, suas

Leia mais

ABINEE - MCT. Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br

ABINEE - MCT. Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br II Seminário Resultados da Lei de Informática ABINEE - MCT Sergio Cavalcante sergio.cavalcante@cesar.org.br Nossa missão: Parceria Realizar a Transferência Auto-Sustentada de Conhecimento em Tecnologia

Leia mais

Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião

Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião Introdução a programação de dispositivos móveis. Prof. Me. Hélio Esperidião Windows Mobile O Windows Mobile é um sistema operacional compacto, desenvolvido para rodar em dispositivos móveis como Pocket

Leia mais

Comparativo de soluções para comunicação unificada

Comparativo de soluções para comunicação unificada Comparativo de soluções para comunicação unificada Bruno Mathies Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 Resumo Este artigo tem com objetivo

Leia mais

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Atualmente, não dá para falar em mídias digitais sem considerar o mobile. Se por um lado os acessos móveis ganham força,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA MBA EM TV DIGITAL, RADIODIFUSÃO E NOVAS E NOVAS MÍDIAS Trabalho final da disciplina Computadores, Redes, IP e Internet Professor: Walter Freire Aluno:

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Evolução da Convergência Digital

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

REGULAMENTO CONTROLE WHATSAPP EXPRESS

REGULAMENTO CONTROLE WHATSAPP EXPRESS REGULAMENTO CONTROLE WHATSAPP EXPRESS Controle Whatsapp é uma Oferta do Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço "Controle Web" (082/PÓS/SMP - TIM Celular Região I, 077/PÓS/SMP - TIM Celular Região II, 077/PÓS/SMP

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES

CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES CONTROLADOR CENTRAL P25 FASE 1 CAPACIDADE MÍNIMA PARA CONTROLAR 5 SITES O sistema digital de radiocomunicação será constituído pelo Sítio Central, Centro de Despacho (COPOM) e Sítios de Repetição interligados

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME Júlio César Jardim Júnior 1, Elio Lovisi Filho (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rua Palma Bageto Viol, s/n Barbacena - MG.

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações

GSM: Terceira Geração de Telecomunicações UFSM Artigo Científico GSM: Terceira Geração de Telecomunicações Carlos Renan Silveira Ciência da Computação Santa Maria, RS, Brasil 2003 GSM: Terceira Geração de Telecomunicações por Carlos Renan Silveira

Leia mais