PROJETO DE RELATÓRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE RELATÓRIO"

Transcrição

1 Parlamento Europeu Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento Regional Relator: Terry Reintke PR\ doc PE v01-00 Unida na diversidade

2 PR_INI Í N D I C E Página PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU...3 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS...10 PE v /11 PR\ doc

3 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) O Parlamento Europeu, Tendo em conta os artigos 2.º e 3.º do Tratado da União Europeia, Tendo em conta os artigos 151.º, 153.º, 162.º e 174.º a 176.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, Tendo em conta a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, Tendo em conta as Convenções europeias em matéria de proteção dos direitos humanos e das liberdades fundamentais, nomeadamente a Convenção Europeia para a Proteção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (CEDH) e a jurisprudência conexa do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, a Carta Social Europeia e as recomendações do Comité Europeu dos Direitos Sociais com esta relacionadas, bem como a Convenção-Quadro para a Proteção das Minorias Nacionais do Conselho da Europa, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão, ao Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, que estabelece disposições gerais relativas ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, ao Fundo Social Europeu, ao Fundo de Coesão e ao Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1083/2006 do Conselho (a seguir designado «RDC») 1, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1301/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e que estabelece disposições específicas relativas ao objetivo de investimento no crescimento e no emprego, e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1080/2006 2, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 437/2010 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de maio de 2010, que altera o Regulamento (CE) n.º 1080/2006 relativo ao Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional no que diz respeito à elegibilidade de intervenções habitacionais a favor de comunidades marginalizadas 3, Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1304/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, relativo ao Fundo Social Europeu e que revoga o Regulamento (CE) n.º 1081/ do Conselho, 1 JO L 347 de , p JO L 347 de , p JO L 132 de , p JO L 347 de , p PR\ doc 3/11 PE v01-00

4 Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 1381/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro de 2013, que cria o Programa «Direitos, Igualdade e Cidadania» para o período de 2014 a , Tendo em conta o Regulamento (UE) n.º 223/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de março de 2014, relativo ao Fundo de Auxílio Europeu às Pessoas Mais Carenciadas 2, Tendo em conta o Regulamento Delegado (UE) n.º 240/2014 da Comissão, de 7 de janeiro de 2014, relativo ao código de conduta europeu sobre parcerias no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento 3, Tendo em conta a sua resolução, de 26 de fevereiro de 2014, sobre o Sétimo e Oitavo relatórios intercalares da Comissão sobre a política de coesão da UE e o relatório estratégico de 2013 sobre a execução dos programas do período de , Tendo em conta a resolução do Parlamento Europeu, de 12 de dezembro de 2013, sobre os progressos realizados na execução das estratégias nacionais de integração dos ciganos 5, Tendo em conta a sua resolução, de 11 de junho de 2013, sobre a habitação social na União Europeia 6, Tendo em conta a sua resolução, de 9 de março de 2011, sobre a estratégia da UE a favor da integração dos ciganos 7, Tendo em conta a sua resolução, de 20 de maio de 2010, sobre a contribuição da política de coesão para a concretização dos objetivos de Lisboa e da Estratégia UE , Tendo em conta a sua resolução, de 11 de março de 2009, sobre a situação social dos rom e a melhoria do respetivo acesso ao mercado de trabalho na União Europeia 9, Tendo em conta o sexto relatório da Comissão sobre a coesão económica, social e territorial, de 23 de julho de 2014, intitulado «Investimento no crescimento e no emprego: promover a coesão económica, social e territorial da União», Tendo em conta a ficha de orientação temática da Comissão, de 27 de fevereiro de 2014, sobre a comunidade cigana e as comunidades marginalizada (Objetivo temático 9 Inclusão social e pobreza), 1 JO L 354 de , p JO L 72 de , p JO L 74 de , p Textos aprovados, P7_TA(2014) Textos aprovados, P7_TA(2013) Textos aprovados, P7_TA(2013) Textos aprovados, P7_TA(2011) JO C 161 E de , p JO C 87 E de , p.60. PE v /11 PR\ doc

5 Tendo em conta a Comunicação da Comissão, de 2 de abril de 2014, intitulada «Relatório sobre a aplicação do Quadro da UE para as estratégias nacionais de integração dos ciganos» (COM(2014)0209), Tendo em conta a Comunicação da Comissão, de 21 de maio de 2014, intitulada «Estratégias nacionais de integração dos ciganos: um primeiro passo para a aplicação do quadro da UE» (COM(2012)0226), Tendo em conta a Comunicação da Comissão, de 8 de dezembro de 2010, intitulada «Estratégia da União Europeia para a Região do Danúbio» (COM(2010)0715), Tendo em conta a Comunicação da Comissão, de 12 de dezembro de 2010, intitulada «Plataforma Europeia contra a Pobreza e a Exclusão Social: um quadro europeu para a coesão social e territorial» (COM(2010)0758), Tendo em conta a Comunicação da Comissão, de 3 de março de 2010, intitulada «Europa 2020 Estratégia para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo» (COM(2010)2020), Recomendação do Conselho, de 9 de dezembro de 2013, relativa a medidas eficazes para a integração dos ciganos nos Estados-Membros 1, Tendo em conta a pergunta com pedido de resposta escrita à Comissão, de 24 de fevereiro de 2015, sobre o financiamento das comunidades marginalizadas (E ), Tendo em conta o parecer do Comité das Regiões sobre «Estratégias de integração dos ciganos» 2, Tendo em conta o artigo 52.º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão do Desenvolvimento Regional e os pareceres da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais e da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros (A8-0000/2015), A. Considerando que a política de coesão visa reforçar a coesão económica, social e territorial, incluindo a redução e a erradicação da pobreza e da exclusão, o que implica a prevenção da segregação e a promoção da igualdade de acesso e de oportunidades para todos os cidadãos, em particular as comunidades mais marginalizadas; B. Considerando que, em 2010, o FEDER passou a prever oportunidades de financiamento das comunidades marginalizadas; que o quadro legislativo para a política de coesão de oferece uma abordagem estratégica em relação às comunidades marginalizadas que prevê oportunidades de financiamento mais amplas; C. Considerando que o objetivo da coesão social requer a intervenção europeia nas políticas a favor da inclusão das comunidades marginalizadas e obriga os Estados- Membros a assumirem a responsabilidade pela situação e a utilizarem as suas 1 JO C 378 de , p JO C 114 de , p. 73. PR\ doc 5/11 PE v01-00

6 competências para a alterar, aplicando, tanto quanto possível, medidas de apoio; D. Considerando que reduções drásticas nos serviços públicos em consequência da crise deram origem a uma série de problemas, que, em muitos casos, causaram graves dificuldades orçamentais para os municípios, o que conduziu a uma falta de opções a nível do tratamento de grupos marginalizados e da procura melhores soluções para os integrar e evitar a segregação; E. Considerando que mais intervenientes de diferentes níveis e setores, bem como partes interessadas e representantes da sociedade civil são associados e desempenham frequentemente um papel determinante, o que requer uma abordagem bem coordenada e coerente; F. Considerando que não existe uma definição a nível da UE de comunidades marginalizadas; que o relatório começa por especificar certas particularidades e características dos grupos marginalizados, como as condições de vida e de trabalho, o acesso limitado aos sistemas de educação e de saúde, para além da exclusão estrutural e sistémica; G. Considerando que a comunidade cigana é a minoria étnica mais numerosa da Europa e a sua comunidade mais marginalizada; H. Considerando que, para incluir as comunidades marginalizadas no financiamento, é necessário envidar esforços a todos os níveis, adotar uma abordagem a longo prazo, encontrar soluções permanentes, garantir a autonomia, aprender com a experiência e reforçar capacidades, a fim de por termo à segregação e alcançar a normalização; Princípios gerais 1. Congratula-se com o facto de a União estar ciente da necessidade urgente de resolver o problema das comunidades marginalizadas; sublinha o importante papel da política de coesão no apoio à sua inclusão a nível económico, social, cultural e territorial; 2. Congratula-se com o facto de o quadro legislativo para a política de coesão de ter introduzido novos elementos que consolidam a abordagem inicial, alargando as oportunidades de financiamento e incluindo mecanismos para assegurar que o apoio às comunidades marginalizadas respeite os valores e os objetivos europeus e tenha em conta a necessidade de associar esses grupos a todo o processo; 3. Considera lamentável que a Comissão não tenha facultado informações suficientes sobre o aproveitamento de oportunidades de financiamento por parte das comunidades marginalizadas; solicita a realização de um estudo que permita retirar conclusões adequadas e identificar os obstáculos que impedem um maior aproveitamento dessas oportunidades ou a obtenção dos melhores resultados possíveis; 4. Salienta que deve ser aplicado o princípio horizontal da igualdade de oportunidades e da não discriminação, dado que é necessário suprimir as causas sistémicas da desigualdade; realça que a compreensão da xenofobia e do racismo sistémicos e a sensibilização para estes fenómenos, como a hostilidade em relação aos ciganos, devem ser um ponto essencial da análise das causas da exclusão; PE v /11 PR\ doc

7 5. Recorda que a igualdade entre mulheres e homens constitui um princípio de base que se aplica horizontalmente; considera que as comunidades marginalizadas, especialmente as mulheres, são frequentemente confrontadas com múltiplas formas de discriminação; 6. Salienta que o princípio da abordagem «explícita, mas não exclusiva» implica a concentração em grupos destinatários específicos, embora sem excluir outros grupos em circunstâncias socioeconómicas semelhantes, nem desencadear reações defensivas por parte da maioria da população por entender que as suas necessidades não são tidas em conta; 7. Salienta a necessidade de criar estruturas responsáveis, transparentes e democráticas para lutar contra a corrupção e a utilização fraudulenta de fundos e garantir a inclusão de comunidades marginalizadas; 8. Considera que o acesso aos serviços públicos constitui um dos principais objetivos das medidas tendentes à inclusão dos grupos marginalizados; solicita a passagem de uma abordagem centrada na procura para uma abordagem de serviço acolhedor nas administrações públicas; 9. Apela a um alinhamento e a ligações mais fortes entre, por um lado, as estratégias nacionais de integração da comunidade cigana e as estratégias nacionais de redução da pobreza, e, por outro, a política de coesão; 10. Insta a Comissão a garantir que os Estados-Membros respeitem esses princípios no âmbito da adoção e da supervisão da execução dos programas operacionais, bem como no âmbito da resolução das causas das desigualdades estruturais; Preparação dos programas 11. Sublinha que o princípio da parceria deve conduzir à participação a todos os níveis e deve ser obrigatoriamente aplicado pelos Estados-Membros; salienta a importância da aplicação do código de conduta sobre as parcerias para assegurar igualdade de participação e representação das comunidades marginalizadas; manifesta a sua preocupação com a deficiente aplicação do princípio da participação obrigatória dos parceiros previsto no artigo 5.º do RDC; insta a Comissão a não autorizar pagamentos para programas que não prevejam a participação dos parceiros, incluindo os mais afetados; 12. Considera lamentável que a Comissão tenha aceite acordos de parceria que não incluem as comunidades marginalizadas; convida a Comissão a assegurar a inclusão das comunidades marginalizadas na execução dos projetos; sugere a formulação de recomendações no âmbito do Semestre Europeu como instrumento adequado para promover medidas a tomar pelos Estados-Membros; 13. Insta os Estados-Membros a utilizarem os fundos; salienta a necessidade de prestar especial atenção ao financiamento de medidas que vão além das ações específicas no âmbito do objetivo temático de inclusão social, bem como à luta contra a pobreza e a qualquer tipo de discriminação, contribuindo, assim, para uma abordagem mais integrada e sistemática; PR\ doc 7/11 PE v01-00

8 14. Considera que a governação a vários níveis desempenha um papel importante; salienta que a participação das autoridades locais é essencial para chegar ao grupo destinatário e exige a maior proximidade territorial possível; Execução dos programas 15. É de opinião que os fundos devem ser utilizados de forma mais integrada, inclusivamente por meio de programas financiados por vários fundos, do desenvolvimento promovido pelas comunidades locais, de investimentos territoriais integrados e do financiamento cruzado, tal como referido no artigo 98.º, n.º 2, do RDC, e no âmbito de sinergias com outros instrumentos de financiamento europeus e nacionais; insta as administrações e as autoridades em causa a procurarem uma cooperação ativa; 16. Observa que as comunidades marginalizadas vivem muitas vezes em zonas menos favorecidas das cidades; salienta a importância dos programas de regeneração urbana para os bairros desfavorecidos, dado que permitem superar os desafios económicos e sociais e melhorar o ambiente urbano; 17. Sublinha a necessidade de reforçar as capacidades das partes interessadas, incluindo os serviços públicos, as administrações e organizações da sociedade civil; insiste em que a assistência técnica e o financiamento específicos devem ser utilizados para este fim; 18. Congratula-se com a abordagem segundo a qual, antes da realização do investimento, é necessário adotar todas as medidas estratégicas e em matéria de política operacional, como a garantia de uma capacidade administrativa ou institucional suficiente; exorta a Comissão a acompanhar atentamente o cumprimento dessas condições e a velar por que os Estados-Membros adotem ações complementares, em especial no domínio da promoção da inclusão e da luta contra a pobreza e a discriminação; Acompanhamento e recomendações 19. Salienta que os projetos financiados pela UE devem ter uma perspetiva de longo prazo para serem eficazes; adverte para o facto de os responsáveis pela execução dos projetos poderem, em teoria, satisfazer os critérios definidos para a inclusão, mas não investir nas necessidades reais dos beneficiários e não chegar aos grupos destinatários; solicita mecanismos de acompanhamento e de avaliação qualitativa; insta a Comissão a levar a cabo um acompanhamento e uma supervisão pró-ativos e participativos das ações dos Estados-Membros no âmbito do processo de planeamento e avaliação dos fundos; 20. Realça que os representantes das comunidades marginalizadas devem ser ativamente associados a este acompanhamento e participar no mesmo como membros de pleno direito; salienta que poderia ter sido adquirida uma experiência considerável a nível local, regional, nacional e transnacional; sublinha a necessidade de divulgar e aproveitar melhor as boas práticas; insta a Comissão e os Estados-Membros a darem início a atividades de criação de redes, nomeadamente entre cientistas; 21. Exorta todos os intervenientes públicos a levar a cabo campanhas de sensibilização para a necessidade de pôr termo à xenofobia e ao racismo, como a hostilidade em relação aos ciganos, fenómenos que conduzem à exclusão sistemática; sugere que seja estudada a PE v /11 PR\ doc

9 adoção de medidas educativas e contra a discriminação; 22. Convida a Comissão a analisar as limitações da atual chave de repartição para a determinação do apoio a título dos fundos da política de coesão com base no PIB per capita; considera que deve ser dada mais atenção aos indicadores suscetíveis de identificar bolsas de pobreza e de fragilidade social no território da União, a fim de se orientar melhor o apoio da UE para as comunidades marginalizadas; 23. Exorta a Comissão a emitir uma comunicação em que exponha a sua intenção de assegurar que as comunidades marginalizadas sejam incluídas nos fundos da UE; 24. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente resolução ao Conselho e à Comissão. PR\ doc 9/11 PE v01-00

10 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A política de coesão é um dos mais sólidos instrumentos que a União Europeia tem à sua disposição para lutar contra as desigualdades e apoiar a coesão territorial e social nas suas regiões. Em todas as sociedades europeias existem grupos e comunidades que enfrentam a exclusão e a segregação estruturais da maioria da sociedade e não têm sequer acesso às infraestruturas e aos serviços públicos básicos. Além disso, são muitas vezes afetados, de forma desproporcionada, pela pobreza, pelo desemprego e por problemas de saúde. Fortes reduções na despesa pública durante a crise deram origem a um agravamento dos problemas existentes nos Estados-Membros, como o desemprego, a ausência de segurança social, a difícil situação em termos de habitação e a falta de serviços de saúde públicos. A crise teve, por isso, um impacto negativo direto nos membros das comunidades marginalizadas. Além disso, muitos municípios continuam a enfrentar sérias restrições orçamentais que os impedem de combater adequadamente a marginalização na sociedade. Apesar de tudo, a principal responsabilidade pela alteração da situação das comunidades marginalizadas cabe aos Estados-Membros. Embora as circunstâncias, as necessidades e as soluções nacionais específicas variem muito em toda a Europa, o objetivo de coesão social requer a intervenção europeia nas políticas de inclusão das comunidades marginalizadas. Comunidades marginalizadas e estruturas discriminatórias Não existe uma definição uniforme a nível da UE de comunidades marginalizadas; em vez disso, o termo cobre uma grande variedade de conceitos, como o de bairros desfavorecidos, pessoas mais carenciadas ou pessoas gravemente carenciadas, pessoas em risco de pobreza e grupos da sociedade desfavorecidos ou discriminados. No entanto, o conceito de comunidades marginalizadas foi introduzido no Regulamento relativo ao FEDER em 2013, com o objetivo claro de combater as consequências da marginalização. Assim sendo, é agora da responsabilidade da UE dar seguimento e realizar este objetivo de forma coerente. Além disso, existe uma grande variedade de estruturas discriminatórias, incluindo a orientação sexual e a identidade de género, bem como diferentes contextos culturais, religiosos ou étnicos. São muitas as pessoas que enfrentam diferentes formas de discriminação ao mesmo tempo, especialmente entre as comunidades ciganas, que são frequentemente marginalizados nas sociedades europeias. A política de coesão é um instrumento poderoso A política de coesão pode desempenhar um papel essencial na alteração da situação, não apenas na superação dos desafios no setor da habitação ou no acesso a infraestruturas públicas, como é já o caso no âmbito do FEDER, mas também ao adotar uma abordagem integrada em relação à luta contra todas as formas de discriminação que as comunidades marginalizadas enfrentam. PE v /11 PR\ doc

11 No entanto, em muitos casos, as comunidades marginalizadas não beneficiam da política de coesão europeia e não são incluídas nas estruturas de tomada de decisão nem nos processos de execução e acompanhamento dos projetos. Esta situação pode levar a um agravamento dos problemas dos grupos vulneráveis na UE, existindo vários casos de desvio de fundos, em especial no que respeita às comunidades marginalizadas. A compreensão e sensibilização para formas sistemáticas de discriminação, como a hostilidade em relação aos ciganos, devem ser a prioridade quando se analisa as razões da exclusão. Uma abordagem integrada: explícita, mas não exclusiva O princípio da abordagem «explícita, mas não exclusiva» foi adotado por uma série de partes interessadas no âmbito da integração de grupos marginalizados. Este princípio propõe uma concentração em certos grupos destinatários, embora sem excluir outras pessoas em circunstâncias socioeconómicas semelhantes. No entanto, o simples facto de se fazer referência às comunidades marginalizadas, como a comunidade cigana, não garante que sejam adotadas medidas específicas para resolver a sua situação. Para tal, é essencial uma aplicação adequada do código de conduta sobre parcerias, que procura assegurar a igualdade de participação e representação das partes interessadas. Têm sido assinaladas diferenças consideráveis entre Estados-Membros no que diz respeito à aplicação do princípio da parceria, as quais vão da consulta regular dos parceiros sociais ao desinteresse total e desconhecimento do código de conduta. Além disso, a avaliação de projetos durante o anterior período de programação demonstrou que o financiamento nem sempre é orientado para as necessidades reais dos beneficiários. Por vezes, os responsáveis pela execução dos projetos até cumprem os critérios, simplesmente preenchendo quadrículas em que assinalam, por exemplo, que contam com a participação de ONG que supostamente representam a comunidade cigana ou realizando pseudoconsultas sem um verdadeiro diálogo. Existe, pois, uma necessidade clara de avaliações de qualidade e mecanismos de acompanhamento. Temos de passar a efetuar um acompanhamento de qualidade para que as intervenções permitam obter resultados sustentáveis e de longo prazo. Trata-se de um processo complexo e moroso que requer um reforço específico e efetivo das capacidades das organizações da sociedade civil a nível local e nacional, bem como a autonomia das comunidades marginalizadas, para que possam participar de forma proativa na conceção e implementação das intervenções. O orçamento para assistência técnica continua, frequentemente, a não ser utilizado e deve ser atribuído a projetos de reforço de capacidades e programas de formação destinados à sociedade civil. O presente relatório formula recomendações sobre o modo de resolver os problemas acima descritos. A utilização de fundos da UE para a inclusão das comunidades marginalizadas pode tornar-se uma grande oportunidade para promover e apoiar uma maior coesão das sociedades europeias. PR\ doc 11/11 PE v01-00

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões sobre o tema «Um quadro europeu para as estratégias nacionais de integração dos ciganos até 2020» (2012/C 54/03)

Parecer do Comité das Regiões sobre o tema «Um quadro europeu para as estratégias nacionais de integração dos ciganos até 2020» (2012/C 54/03) 23.2.2012 Jornal Oficial da União Europeia C 54/13 Parecer do Comité das Regiões sobre o tema «Um quadro europeu para as estratégias nacionais de integração dos ciganos até 2020» (2012/C 54/03) O COMITÉ

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO LOCAL ORIENTADO PARA A COMUNIDADE POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011 Esta

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Parlamento Europeu 2015/0000(BUD) PROJETO DE PARECER

Parlamento Europeu 2015/0000(BUD) PROJETO DE PARECER Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão das Pescas 2015/0000(BUD) 23.6.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão das Pescas dirigido à Comissão dos Orçamentos sobre o orçamento geral da UE para 2016 Secção III

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Documento de sessão 17.7.2015 B8-0000/2015 PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B8-0000/2015 nos termos do artigo

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Controlo Orçamental 06.02.2012 2011/223 (DEC) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Comunitária de Controlo das Pescas para

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Desenvolvimento Regional 11.1.2012 2011/2195(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o papel da política de coesão nas regiões ultraperiféricas da União Europeia no contexto

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-37. PT Unida na diversidade PT 2013/2277(INI) 24.1.2014. Projeto de parecer Helmut Scholz (PE526.301v01-00)

ALTERAÇÕES 1-37. PT Unida na diversidade PT 2013/2277(INI) 24.1.2014. Projeto de parecer Helmut Scholz (PE526.301v01-00) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Constitucionais 24.1.2014 2013/2277(INI) ALTERAÇÕES 1-37 (PE526.301v01-00) sobre o relatório de investigação sobre o papel e as operações da troica (BCE,

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/470 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1304/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo Social Europeu e que revoga o Regulamento

Leia mais

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo

Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo P7_TA-PROV(2012)0310 Reforço da solidariedade na União Europeia no domínio do asilo Resolução do Parlamento Europeu, de 11 de setembro de 2012, sobre o reforço da solidariedade na União Europeia no domínio

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD FSTR 17 SOC 367 CADREFIN 22 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 16 de Julho

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 12.12.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.2.204 C(204) 9788 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 2.2.204 que aprova determinados elementos do programa operacional "Capital Humano" do apoio do Fundo Social Europeu

Leia mais

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE 19.11.2009 PT C 279 E/23 41. Solicita à Comissão que consulte o Parlamento e os Estados-Membros no que respeita à avaliação desses estudos; * * * 42. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INVESTIMENTO TERRITORIAL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020 foram formalmente

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários 25.9.2013 2013/2174(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre os seguros contra catástrofes naturais ou de origem humana (2013/2174(INI))

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE

O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE O PRINCÍPIO DA SUBSIDIARIEDADE No âmbito das competências não exclusivas da União, o princípio da subsidiariedade, inscrito no Tratado da União Europeia, define as condições em que esta última tem prioridade

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural 23.2.2015 2014/2146(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre as perspetivas para o setor dos laticínios da UE Revisão da aplicação

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Cultura e da Educação 14.6.2013 2012/0340(COD) PROJETO DE PARECER da Comissão da Cultura e da Educação dirigido à Comissão do Mercado Interno e da Proteção dos

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04)

Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04) C 166/18 Jornal Oficial da União Europeia 7.6.2011 Parecer do Comité das Regiões sobre a «Plataforma Europeia contra a pobreza e a exclusão social» (2011/C 166/04) O COMITÉ DAS REGIÕES reconhece que a

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Jurídicos 21.6.2012 2012/2038(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o relatório sobre a aplicação e os efeitos da Diretiva relativa ao direito de sequência

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU 7.9.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 258 E/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES PARLAMENTO EUROPEU O papel da política de coesão nas regiões ultraperiféricas da União Europeia

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2015/2108(INI) 12.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre alcançar o objetivo de 10% de interligação elétrica - preparar a rede

Leia mais

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035),

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035), P7_TA-PROV(2012)0429 Iniciativa de Empreendedorismo Social Resolução do Parlamento Europeu, de 20 de novembro de 2012, sobre a Iniciativa de Empreendedorismo Social - Construir um ecossistema para promover

Leia mais

(Atos legislativos) REGULAMENTOS

(Atos legislativos) REGULAMENTOS 24.4.2014 L 122/1 I (Atos legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 375/2014 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 3 de abril de 2014 que cria o Corpo Voluntário Europeu para a Ajuda Humanitária

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2011/2307(INI) 9.3.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a dádiva voluntária e não remunerada de tecidos e células

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu,

Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu, Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu, Tendo em conta os artigos 3.º, 48.º, 125.º a 130.º e 136.º do Tratado CE, Tendo

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Assembleia Parlamentar Paritária ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 31.7.2014 PROJETO DE RELATÓRIO sobre o desafio da reconciliação nacional nos países em situação de pósconflito e de pós-crise Correlatores:

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

Educação, formação e Europa 2020

Educação, formação e Europa 2020 C 353 E/56 Jornal Oficial da União Europeia 3.12.2013 49. Salienta a necessidade de promover percursos coerentes e racionalizados de formação inicial e contínua para as mulheres, com o objetivo de desenvolver

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROJETO DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Euro-Latin American Parliamentary Assembly Assemblée Parlementaire Euro-Latino Américaine Asamblea Parlamentaria Euro-Latinoamericana Assembleia Parlamentar Euro-Latino-Americana Parlamentarische Versammlung

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão da Cultura e da Educação 14.4.2015 2015/2006(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a promoção do empreendedorismo jovem através da educação e da formação (2015/2006(INI))

Leia mais

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p.

RESUMO. Contribuição da UE: 128 165 000 EUR Base jurídica Artigo 6. do Regulamento (CE) n.º 1889/2006 de 20.12.2006 (JO L 386 de 29.12.2006, p. RESUMO Programa de Ação Anual 2013, ao abrigo do Instrumento Europeu para a Democracia e os Direitos Humanos (IEDDH), a financiar pela rubrica orçamental 19 04 01 do orçamento geral da União Europeia 1.

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PROJETO DE PARECER. da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural

Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PROJETO DE PARECER. da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural 2012/0295(COD) 5.2.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão da Agricultura e do Desenvolvimento Rural dirigido à Comissão do Emprego

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Estratégias de integração dos ciganos (2014/C 114/12)

Parecer do Comité das Regiões Estratégias de integração dos ciganos (2014/C 114/12) 15.4.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 114/73 Parecer do Comité das Regiões Estratégias de integração dos ciganos (2014/C 114/12) I. RECOMENDAÇÕES POLÍTICAS O COMITÉ DAS REGIÕES Observações na

Leia mais

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B

10668/16 pbp/ml 1 DGG 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de junho de 2016 (OR. en) 10668/16 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Secretariado-Geral do Conselho Delegações FSTR 36 FC 30 REGIO 43 SOC 435 AGRISTR 37 PECHE 244

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 REGULAMENTO (UE) N. o 1300/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo de Coesão e que revoga o Regulamento

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER

PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019. Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar PROJETO DE PARECER PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar 2014/2204(INI) 5.1.2015 PROJETO DE PARECER da Comissão do Ambiente, da Saúde Pública e da Segurança Alimentar

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Controlo Orçamental 29.1.2015 2014/2111(DEC) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a quitação pela execução do orçamento da Agência Ferroviária Europeia para o exercício de

Leia mais

Relatora: Maureen O'NEILL

Relatora: Maureen O'NEILL C 248/130 Jornal Oficial da União Europeia 25.8.2011 Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO. de 30.7.2014. que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2014 C(2014) 5513 final DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 30.7.2014 que aprova determinados elementos do Acordo de Parceria com Portugal CCI 2014PT16M8PA001 (APENAS FAZ

Leia mais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais

Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais C 117 E/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.5.2010 Melhores práticas no domínio da política regional e entraves à utilização dos Fundos Estruturais P6_TA(2009)0156 Resolução do Parlamento Europeu, de

Leia mais

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE

E M A N Á L I S E. Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE E M A N Á L I S E N º 2 6 a b r i l 2 0 1 5 - Programa Operacional Inclusão social e emprego : POISE O Programa Operacional Inclusão Social e Emprego POISE foi apresentado a 14 de novembro de 2014 e visa

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013

L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 L 347/320 Jornal Oficial da União Europeia 20.12.2013 REGULAMENTO (UE) N. o 1303/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 que estabelece disposições comuns relativas ao Fundo

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Petições 8.11.2012 2012/2264(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre o Relatório Especial do Provedor de Justiça Europeu na sequência do seu inquérito à queixa 2591/2010/GG

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 19.11.2012 2012/2234(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre uma agenda para pensões adequadas, seguras e sustentáveis (2012/2234(INI)) Comissão

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão dos Assuntos Jurídicos 21.4.2015 2015/2053(INI) PROJETO DE RELATÓRIO sobre a eventual extensão da proteção proporcionada pelas indicações geográficas da União Europeia

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO

DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES À INFORMAÇÃO, CONSULTA E PARTICIPAÇÃO A União Europeia complementa as atividades dos Estados-Membros em matéria dos direitos dos trabalhadores à informação e consulta através

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO 26.4.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 120/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RECOMENDAÇÕES CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 22 de abril de 2013 relativa ao estabelecimento de uma Garantia

Leia mais

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim

Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Estabelecer a ligação entre o desenvolvimento de competências e o trabalho digno Academia sobre o Desenvolvimento de Competências Centro de Turim Girma Agune Chefe a.i. Serviço das Competências e da Empregabilidade

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02)

ALTERAÇÕES 1-58. PT Unida na diversidade PT 2012/2039(INI) 16.10.2012. Projeto de parecer Regina Bastos (PE483.860v02) PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 16.10.2012 2012/2039(INI) ALTERAÇÕES 1-58 Regina Bastos (PE483.860v02) sobre o estatuto da mutualidade europeia (2012/2039(INI))

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza

Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 8 Promover a Inclusão Social e Combater a Pobreza PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL Rosa Maria Simões Vice-presidente do Conselho Diretivo Agência para o Desenvolvimento e Coesão, IP 8 de maio de 2014, Teatro Municipal do

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020. Prioridades do FEDER

EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020. Prioridades do FEDER EVENTO ANUAL DO PO LISBOA Resultados do POR Lisboa e Portugal 2020 Prioridades do FEDER Dina Ferreira, Vogal do Conselho Diretivo - Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional Os novos contornos

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Transportes e do Turismo 26.3.2013 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho relativo à comunicação de ocorrências

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Pacote de investimento social da UE (2013/C 356/11)

Parecer do Comité das Regiões Pacote de investimento social da UE (2013/C 356/11) C 356/60 Jornal Oficial da União Europeia 5.12.2013 Parecer do Comité das Regiões Pacote de investimento social da UE (2013/C 356/11) O COMITÉ DAS REGIÕES aprecia a abordagem estratégica proposta pela

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2013/2092(INI) 9.8.2013 PROJETO DE RELATÓRIO Sobre a política industrial espacial da UE - Explorar o potencial de crescimento

Leia mais

Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros. da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros

Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros. da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 4.10.2013 2013/2061(INI) PARECER da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros dirigido à Comissão

Leia mais

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999),

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta o nº 1 do artigo 47º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão da Política Regional, dos Transportes

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Transportes e do Turismo 2014/2241(INI) 22.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre novos desafios e ideias para o fomento do turismo na Europa (2014/2241(INI)) Comissão

Leia mais