Unidade 4 Concepção de web sites. Subunidade 1 - Fundamentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade 4 Concepção de web sites. Subunidade 1 - Fundamentos"

Transcrição

1 Unidade 4 Concepção de web sites. Subunidade 1 - Fundamentos - Fundamentos do planeamento de um web site o Regras para um web site eficaz -Sobre o conteúdo - Sobre a forma -Modelos de páginas o Planear o web site o Conceber web sites para diferentes suportes -Servidores Linux e Windows -Os diferentes browsers -Editores de páginas web o Editores WYSIWYG o Editores HTML - 1 -

2 1.Fundamentos do planeamento de um web site 1.1. Regras para um web site eficaz Sobre o Conteúdo Categorização dos conteúdos O desenvolvimento de uma página da web é efectuado a partir de um tema previamente definido. Depois de conhecido o tema, é necessário decompô-lo nos diversos conteúdos da página. Os conteúdos são então agrupados em 4 categorias:! Estáticos informações sobre os direitos de autor, políticas de privacidade e regras para membros, etc.! Dinâmicos informações actualizadas semanal ou diariamente.! Funcionais informações que carecem de programas para serem disponibilizados como, por exemplo, consultas a bases de dados.! Transaccionais informações relativas a pagamentos e suas funcionalidades inerentes. Quando uma página resulta de uma adequada categorização dos conteúdos apresenta uma maior flexibilidade, escalabilidade e convertibilidade, que permitem, no futuro, a sua expansão ou renovação. Condensação Os conteúdos devem ser apresentados de uma forma condensada, ou seja, simples e directa numa página da web. Conteúdo da página A página inicial - homepage - deve reflectir o conteúdo do site e ser adequada ao público-alvo para a qual foi concebida. Os conteúdos devem ser apresentados segundo o seu grau de importância, sempre tendo em linha de conta que o utilizador irá fazer uma leitura das páginas do canto superior esquerdo do monitor para o canto inferior direito

3 Sobre a forma Consistência e previsibilidade A consistência é uma das características mais importantes numa página. A falta de consistência leva não só o utilizador à confusão (por não conseguir identificar se a página pertence ao mesmo site), como afecta a imagem do site como um todo, comprometendo a representação do proprietário do site. Quanto à previsibilidade, a definição das características permitem ao utilizador localizar, de uma forma rápida, os principais elementos que podem estar presentes em todas as páginas, como o menu de navegação, botões e imagens. O conjunto das características definidas para os elementos que constituem as páginas pode ser concretizado através da colecção de estilos. Uso racional da tecnologia Inicialmente, o desenvolvimento das páginas web, utilizavam apenas o HTML (HiperText Markup Language), resultava em páginas de conteúdos estáticos. O desenvolvimento de páginas com conteúdos dinâmicos e interactivos era feiro recorrendo à tecnologia CGI ( Common Gateway Interface). Esta tecnologia é suportada pela maioria dos servidores web e define a interface que as aplicações devem utilizar de forma a estender as funcionalidades do servidor web. A alteração do conteúdo das páginas é efectuado do lado do servidor, isto é, as páginas são reescritas e enviadas para o browser. Esta forma leva a um a maior processamento do lado do servidor e, por conseguinte, a uma sobrecarga de tráfego na rede, tornando os processos mais lentos. Hoje em dia existe um conjunto de novas tecnologias, tanto do lado do servidor como do lado do cliente, que permite criar conteúdos dinâmicos e interactivos de forma diferente. Do lado do cliente, a utilização de tecnologia como o Java Applet, o ActiveX e os plug-ins permitem adicionar conteúdos activos às páginas em HTML, mas requerem browsers e plataformas próprias, No caso do Java Applets é necessário existir uma máquina virtual Java (JVM Java Virtual Machine). Relativamente aos controlos do ActiveX, estes funcionam principalmente com browsers da Microsoft. Quanto aos plug-ins, estes têm de ser descarregados, instalados e actualizados. Para ultrapassar as limitações apresentadas do lado do cliente pelas tecnologias anteriores na criação de páginas Web, foram definidos novos standards pelo W3C(World Wide Web Consortium), como por exemplo, o DHTML (Dynamic HTML), o XML(Extensible Markup Language) e outros

4 DHTML, é a união das tecnologias HTML e Javascript para permitir que uma página Web seja modificada dinamicamente na própria máquina cliente, sem necessidade de novos acessos ao servidor web. O XML, utilizando o HTML permite interactivamente trocar dados entre aplicações e organizações e é muito mais utilizado em websites de comercio electrónico. Foi concebido apenas para estruturar o conteúdo dos dados, enquanto que o HTML lhe dá o formato e apresentação. Recentemente surgiu o XHTML (extensible Hypertext Markup Language) anguage). O XHTML é uma reformulação da linguagem de marcação HTML baseada em XML. Combina as tag s de marcação HTML com regras da XML, esse processo de padronização visa a visualização de páginas Web em diversos dispositivos (televisão, etc). A ideia é acessibilidade. O W3C -World Wide ide Web eb Consortium (http://www.w3.org), é um consórcio de empresas de tecnologia (actualmente cerca de 500 membros) fundada por Tim Berners Lee em 1994 para levar a Web para o seu potencial máximo, através do desenvolvimento de protocolos comuns e fóruns abertos que promovem a evolução e asseguram a interoperacionalidade. As recomendações do W3C indicam que no caso de se usarem tecnologias recentes, deve ser criada uma versão alternativa para que todos os utilizadores possam ter acesso e não se criem barreiras tecnológicas. Para alcançar os seus objectivos, a W3C possui diversos comités que estudam as tecnologias existentes para a apresentação de conteúdo na Internet e criam padrões de recomendação para utilizar essas tecnologias. Com a padronização, os programas conseguem aceder facilmente os códigos e entender onde deve ser aplicado cada conhecimento expresso no documento. Tim Berners-Lee, Wide Web W3C - Director e Inventor da World Recurso a imagens A utilização de imagens pode ajudar a tornar as páginas web mais atractivas e legíveis podendo contribuir para um aumento do número de utilizadores. Por outro lado, uma página web que contenha muitas imagens, cujos tamanhos dos ficheiros seja grande, torna-se lenta, contribuindo para a diminuição dos utilizadores. A representação de texto através de imagens deve ser evitada, pois dificulta a pesquisa de informação e o redimensionamento do texto ao ser visualizado nos browsers

5 Combinações de cores A cor é muito importante como elemento orientador do olhar do utilizador. Os olhos movem-se dos elementos maiores para os menores, das cores escuras para as mais claras, e da cor para a ausência de cor. A escolha de cores na rede não é feita como se faz no papel. O papel recebe luz enquanto que o écran ilumina. Esta é a primeira de muitas diferenças. A cor deve guiar, orientar a leitura que na rede tem contornos particulares, trata-se de uma leitura não-linear. As cores básicas do site devem pertencer ao espectro das 256 cores. É claro que em fotos e ilustrações não fundamentais podemos alargar esta paleta mas temos que assegurar que 100% de população consiga aceder sem complicações ao site. Uso de frames As frames ou molduras são, em simultâneo elementos estruturais e de navegação de uma página web. São estruturais porque permitem a definição de uma estrutura dividindo o espaço de uma página web num conjunto de espaços rectangulares mais pequenos. Este conjunto também conhecido por frameset que, depois de implementado, consiste num espaço com múltiplas páginas web. Cada um dos espaços vai poder conter um documento e para cada um deles terá de existir um ficheiro com a sua informação. Por exemplo, para dividir uma página em 3 frames são necessários 4 ficheiros: um para cada uma das frames e outro onde é guardada toda a informação da página com as 3 frames. A utilização da frame permite, por exemplo, definir uma como menu, outra como título e outra para apresentação de conteúdos. No entanto, a utilização de frames apresenta como dificuldades a impressão da página e o seu carregamento inicial

6 Modelos de páginas Um modelo de página é um conjunto predefinido de formatos de texto e gráficos, a partir do qual se criam páginas do website. Os modelos de páginas web podem incluir tabelas de esquema, estilos, formatação, gráficos ou outros elementos de página. Os programas de editores de páginas web tipo WYSIWYG (What You See Is What You Get) têm um conjunto de páginas-modelo que podem ser seleccionadas, permitindo de uma forma mais fácil a sua criação. Páginas de abertura A página de abertura corresponde à primeira página que é carregada no browser quando se acede a um website. Páginas iniciais A página inicial corresponde à pagina que é carregada no browser após a página de abertura, quando acede a um website. Em alguns websites, devido à inexistência da página de abertura, a página inicial e a página de abertura são a mesma. Os ficheiros onde são guardados os dados das páginas de abertura ou inicial são designadas por default ou index e têm extensões htm ou html. No entanto, no caso da utilização de tecnologias mais recentes, podem apresentar outros nomes e extensões. (exemplo: index.php; default.asp, etc)

7 FAQ A página FAQ (Frequently Asked Question) é utilizada nos websites para apresentar um conjunto de questões e as respectivas respostas. As questões são formuladas de acordo com o contexto e o assunto em que se insere o website. Contactos A página de contactos permite divulgar dados sobre a empresa, a instituição ou outras entidades. Normalmente os dados referidos nesta página podem ser a direcção, o telefone, o , o fax e outras. Mapa do site A página Mapa do site mostra aos utilizadores a organização Hierárquica das páginas do website, através de uma representação esquemática. A partir desta páginas é possível navegar nas páginas do website, através dos seus links, à semelhança do índice de um livro. Livro de visitas A página Livro de visitas é constituída por um formulário, que depois de preenchido é enviado para o servidor do website. Através do preenchimento do formulário, a entidade pode requerer dados do utilizador e, em alguns casos, comentários ao website. Páginas de conteúdo As páginas de conteúdo correspondem às páginas web utilizadas para divulgar informação relacionada com os objectivos do site, sob a forma de texto, gráfico, vídeo e/ou som

8 Outros modelos Página Fórum - Zona de comunicação ou de discussão em diferido, comparável ao newsgroup da Usenet. Página Chat - permite conversar com amigos

9 Critérios para a construção de páginas da web DESIGN - Frame rame lateral esquerda sempre presente de modo que o utilizador não se sinta perdido e possa em qualquer momento alterar a sua navegação; - Separadores entre as imagens; - Setas personalizadas do mesmo padrão; - Cores com ténues diferentes entre o menu esquerdo e as páginas do lado direito da frame; - Música apenas com duas repetições para não maçar o utilizador e colocada na página esquerda da frame para que possa ser ouvida até ao fim. - Fundos em tons claros; CORES - Letras em tons escuros e contrastantes (preto ou azul) com o fundo; - A utilização de fundos de páginas com muitos gráficos, imagens animadas ou cores muito berrantes podem funcionar como dispersantes, podendo confundir o utilizador e tornar difícil a leitura do texto que se encontra sobre o background. - É importante que se crie um ambiente harmonioso entre as cores utilizadas nas fontes das letras e a cor utilizada no background da página. Atenção que o uso de cores claras (branco, por exemplo) em backgrounds escuros impossibilita ao utilizador a impressão do texto, pois o branco das letras não vai aparecer na impressão de um folha branca. - Logotipo em cada página com uma cor que realce em relação à cor do fundo; - Separador numa página entre os diferentes temas ou assuntos (em tom concordante com o fundo); - Título de cada página em tom contrastante com o fundo e a cor do restante texto. TEXTOS - Em fonte Verdana (com a alternativa Arial) porque não têm serifa, o que facilita a leitura; - Os títulos podem ser em Times ou outro tipo de letra mais desenhada (com ou sem serifa); - Os textos nunca são sublinhados para que o utilizador não confunda com uma hiperligação. - Evitar a utilização de texto cintilante, animação só por si, desviam a atenção do utilizador daquilo que é essencial para o acessório

10 LIGAÇÕES - A página com ligações dentro da mesma página (com o bookmark) permite que num único documento exista toda a informação necessária (para eventual impressão), tem um separador entre os diferentes textos; - As hiperligações para o exterior devem ser feitas com a abertura de uma nova janela; - As ligações no frame esquerdo, bem como uma qualquer ligação em outra página, abrem sempre um ficheiro html do lado direito (main) do frame, de modo a manter o menu de opções no lado esquerdo; - Algumas imagens têm uma hiperligação, quando se refere a outra página. - Manter, ao longo de todo o site, páginas não muito longas, estabelecendo hiperligações com outras páginas, facilitando, assim, a navegação dos utilizadores nas páginas. IMAGENS - Nas imagens deverá proceder-se à introdução de uma descrição textual que identifique a imagem. - Numa página WWW apenas se podem utilizar imagens com formato.gif ou.jpg, sendo o primeiro geralmente utilizado para ilustrações e o segundo para fotos. - Manter os ficheiros das imagens com dimensões reduzidas por forma a manter o mínimo tempo possível para o carregamento da página. - Uma imagem que apoia um texto (método aconselhável para ajudar a compreensão do texto) deve aparecer do lado direito, para que o utilizador comece por ler o texto. - A consistência, a nível de imagens, do grafismo e de ícones de navegação utilizados, ao longo de todo o site é importante para a sua identificação. - Os ícones de navegação deverão ser óbvios, se suscitarem dúvidas é preferível substituí-los por texto, ou acompanhá-los por texto. INTERFACE - Cada página deve ter uma legenda diferente, de acordo com o tema, que aparece na margem superior do browser; - Cada página não deve ultrapassar os 70 Kb, para que apareça rapidamente; - Não esconder o endereço de uma hiperligação que aparece em rodapé, sempre o rato está sobre ela;

11 OUTROS - O site pode ter um formulário para que os utilizadores possam: enviar uma mensagem ao autor do site; escrever algumas opiniões sobre um tema pré-definido; responder a um questionário sobre um tema; - O site pode ter um fórum com um tema pertinente; - O site deve ter um pesquisador interno para facilitar a pesquisa; - A página do lado esquerdo da frame, ou shared border (o menu) deve estar totalmente observável, deste modo, evita-se de ter a barra de deslocamento vertical; - A página do lado direito da frame (a primeira a aparecer) deve estar 90% observável. Ao deslocar para baixo a barra de navegação vê-se informações complementares, tais como o contador ou a data; - O site deverá ter um contador na página principal para informar o webmaster e os utilizadores da frequência e quantidade de utilizadores que a consultam; - Inserir uma data de produção em cada página de modo a servir de indicador sobre a actualidade da informação nela contida; - No final da página inicial deverá estar visível o contacto com ligação directa ao correio electrónico do responsável pela produção do site. - Evitar finais de páginas das quais não seja possível sair. As barras de navegação devem surgir no final de todas as páginas permitindo redireccionar o utilizador para outras páginas, nomeadamente para a página inicial

12 Os dez maiores erros em Web Design Curso Tecnológico de Informática - Aplicações Informáticas A - 11º Ano -Utilização de quadros- Uma página dividida em quadros é muito confusa para os utilizadores, uma vez que os quadros vão contra o modelo fundamental de uma página web. Não se pode ao mesmo tempo marcar a página corrente e voltar a esta, os URL s param de trabalhar e as impressões tornam-se difíceis. A previsibilidade da reacção dos utilizadores deixa de fazer sentido quando estes não sabem que informação será disponibilizada quando clicam num link, ou se entram em looping dentro da própria página. -Utilização gratuita da tecnologia mais avançada- Não se deve atrair os utilizadores para um site, fazendo menção de que utiliza a última tecnologia web. Pode atrair alguns fanáticos pela informática, mas a maioria dos utilizadores prestam mais atenção aos conteúdos e à possibilidade do site oferecer um bom serviço. Utilizar a melhor e última tecnologia mesmo antes de ser lançada no mercado irá certamente desencorajar os utilizadores: se os seus sistemas forem abaixo enquanto visitam o site, pode-se apostar que muitos deles não voltarão a consultar o site. A não ser que se comercialize produtos ou serviços na net, torna-se mais favorável aguardar até que se obtenha experiência relativamente à forma mais apropriada de utilizar essas técnicas. Quando apareceu o desktop as pessoas colocaram vinte fontes nos seus documentos, logo há que evitar que aconteça uma situação similar relativamente à web. -Texto, marcas e constantes animações em movimento- Nunca se deve incluir numa página elementos que se movam incessantemente. As imagens em movimento têm um efeito nefasto na visão dos humanos. A página web deve dar ao utilizador alguma paz e serenidade para que este possa efectivamente ler o texto. -URL URL s complexas- As URL s nunca devem estar expostas no interface do utilizador, é previsível que os utilizadores tentem descodificar as URL s das páginas para perceber a estrutura do site. Os utilizadores tomam esta atitude devido à grande falta de apoio na navegação e sentido de orientação no browser corrente. Então, a URL deve conter directorias de leitura acessível aos utilizadores e nomes que reflictam a natureza da informação contida no site. -Páginas solitárias- Assegurar que todas as páginas incluem uma clara indicação de qual o website a que pertencem, uma vez que os utilizadores podem aceder a páginas directamente, sem ter de passar pela página inicial. Pela mesma razão, todas as páginas deverão ter um link para a página inicial, bem como alguma indicação sobre a sua localização dentro da estrutura do site

13 -Páginas com longos textos corridos- Apenas 10% dos utilizadores, acedem à informação que está disponível para além da que está visível no ecrã quando surge a página. Todos os conteúdos importantes e opções de navegação devem estar no topo da página. -Falta de suporte à navegação - Nunca se deve assumir que os utilizadores sabem tanto acerca do site como o designer. Eles têm sempre dificuldade em encontrar informação, logo necessitam de suporte no que diz respeito à sua estrutura e localização. Começar o design com uma boa compreensão da estrutura espacial da informação e comunicar explicitamente essa estrutura ao utilizador. Disponibilizar o mapa do site para que os utilizadores saibam onde estão e para onde se podem encaminhar. É necessário, também, um bom motor de busca, uma vez que o melhor de navegação nunca é suficiente. -Cores não Standard nos Links - Os links que não tenham sido utilizados devem ser azuis; os links para páginas que tenham sido anteriormente visitadas devem ser púrpura ou vermelhos. Não se deve misturar estas cores, uma vez que a possibilidade de perceber quais os links que já foram utilizados é uma das poucas ajudas para a navegação e é standard na maioria dos browsers. A consistência é a chave para ensinar aos utilizadores o significado das cores dos links. -Informação desactualizada- É necessário contratar um jardineiro web para fazer parte da equipa, torna-se necessário que alguém retire as ervas daninhas e plante novamente flores enquanto o website se altera, mas a maioria das pessoas preferem criar novos conteúdos em detrimento da manutenção do site. Na prática, a manutenção do site é uma forma barata de realçar o conteúdo do website uma vez que muitas das páginas antigas mantém a sua relevância e devem ter um link para novas páginas. Claro que algumas páginas deverão ser totalmente removidas do server uma vez que se tornam obsoletas. -Downloads demorados- Este erro é referido em último lugar porque muitas pessoas já têm conhecimento sobre o mesmo; e não por ser menos importante. As premissas tradicionais indicam um máximo de resposta de10 segundos até que os utilizadores percam interesse. Na web, os utilizadores têm sido treinados para suportar tanto sofrimento que se torna aceitável aumentar esse limite para 15 segundos nalgumas páginas

14 1.2. Planear o web site Antes de se iniciar a construção de uma página é importante proceder-se a um pla- neamento: 1. Objectivos (o que se pretende fazer; o que se pretende atingir ) 2. Audiência (a quem se destina) 3. Concorrência (avaliação de outras páginas concorrentes) 4. Conteúdos (conteúdos estáticos; dinâmicos; funcionais e transaccionais; relacionados e categorizados) 5.Estrutura (mapa a partir do qual se tenha a percepção o mais exacta e lógica possível das várias páginas, como se relacionam entre si) Tipos de Páginas: - Páginas Pessoais Objectivos: partilhar informação pessoal Audiência: alunos, colegas, amigos, etc - Páginas Comerciais Objectivos: Proporcionar novos negócios, vender produtos, fornecer informações, etc Audiência: clientes, etc. - Páginas Informativas Objectivos: transmitir informações Audiência: público em geral

15 Estrutura da página Uma vez conhecidos os objectivos e a audiência da página, é altura de ver como vamos apresentar a informação. Criamos então um diagrama com a estrutura das páginas, agrupadas por tópicos. Exemplo: Página Principal Index. html Produtos Empresa Notícias Exposição Contactos Exposição do Produto 1 Exposição do Produto 2 Depois de termos as páginas construídas, devemos guardá-las em pastas, por tópicos. Por exemplo criamos uma pasta para todas as imagens, outra para documentos, etc

16 1.3.Conceber web sites para diferentes suportes Servidores Linux e Windows Um servidor web ou servidor http é um computador que disponibiliza informação, sob a forma de páginas web, através da rede, aos computadores clientes. Para implementar um servidor web é necessário instalar software específico como o IIS da Microsoft para o Windows e o Apache, open source tanto para linux como para o Windows. O quadro 1 mostra a distribuição do software de servidor web, de acordo com as plataformas suportadas. A maioria dos servidores web são implementados com os softwares Apache ou IIS. O seguinte quadro apresenta as características funcionais de cada um destes

17 1.3.2.Os diferentes browsers Browers - aplicação que permite consultar páginas de informação disponíveis em servidores ligados em rede, seja esta a Internet, uma rede doméstica ou empresarial. Tim Berners-Lee, que foi um dos pioneiros no uso do hipertexto como forma de compartilhar informações, criou o primeiro browser, designado por WorldWideWeb, em 1990, e introduziu-o como ferramenta entre os seus colegas do CERN em Março de Desde então, o desenvolvimento dos browsers tem sido intrinsecamente ligado ao desenvolvimento da própria Web. A Web, entretanto, só explodiu realmente em popularidade com a introdução do NCSA Mosaic, que era um browser gráfico (em oposição a browsers de modo texto) que funcionava originalmente no Unix, funcionando posteriormente no Macintosh e Microsoft Windows. Marc Andreesen, o líder do projecto Mosaic na NCSA, demitiuse para formar a companhia que seria conhecida mais tarde como Netscape Communications Corporation. A Netscape lançou o seu produto líder Navigator em Outubro de 1994, e este tornou-se o mais popular browser no ano seguinte. A Microsoft, que até então havia ignorado a Internet, entrou na briga com o seu Internet Explorer, comprado às pressas da Splyglass Inc. Isso marcou o começo da Guerra dos browsers, que foi a luta pelo mercado dessas aplicações entre a gigante Microsoft e a companhia menor largamente responsável pela popularização da Web, a Netscape. Tanto a Microsoft como a Netscape deliberadamente incluíram extensões proprietárias ao HTML nos seus produtos, e tentaram ganhar superioridade no mercado através dessa diferenciação. A disputa terminou em 1998 quando ficou claro que a tendência no declínio do domínio de mercado por parte da Netscape era irreversível. Isso aconteceu, em parte, pelas acções da Microsoft no sentido de integrar o browser com o sistema operativo e o empacotamento do mesmo com outros produtos por meio de acordos OEM; A Netscape respondeu tornando livre o seu produto como código aberto, criando o Mozilla. O efeito foi simplesmente acelerar o declínio da companhia, por causa de problemas com o desenvolvimento do novo produto. A companhia acabou sendo comprada pela AOL no fim de O Opera, um navegador rápido e pequeno, popular principalmente em computadores portáteis e em alguns países da Europa, foi lançado em O Lynx browser permanece popular em certos mercados devido à sua natureza completamente textual. Apesar do mercado para o Macintosh ter sido tradicionalmente dominado pelo Internet Explorer e Netscape, o futuro parece pertencer ao próprio navegador da Apple, o Safari, que é baseado no mecanismo de renderização KHTML, parte do browser de código aberto Konqueror. O Safari é o navegador padrão do Mac OS X. Em 2003, a Microsoft anunciou que o Internet Explorer não seria mais disponibilizado como um produto separado mas seria parte da evolução da plataforma Windows, e que nenhuma versão nova para o Macintosh seria criada

18 Mozilla Firefox (inicialmente conhecido como Phoenix e, posteriormente, como Mozilla Firebird) é um browser livre e multiplataforma desenvolvido pela Mozilla Corporation com ajuda de centenas de colaboradores. O Firefox tem se destacado como uma alternativa ao Microsoft Internet Explorer. Em abril de 2005, estimava-se que a margem de uso do Firefox estivesse por volta de 25%. O Firefox está a reduzir, de forma significativa, o uso do Internet Explorer e reactivou a Guerra dos browsers. O Opera é um browser criado em 1994 pela empresa estatal de telecomunicações da Noruega e foi a primeira alternativa leve para os utilizadores. Recentemente perdeu seu posto de browser alternativo para o Mozilla Firefox (a versão light do Mozilla), conta porém ainda com uma fiel comunidade de utilizadores. O Internet Explorer, também conhecido como IE ou MSIE, é um browser de licença proprietária produzido inicialmente pela Microsoft em 23 de agosto de É de longe o browser mais usado actualmente (2005) uma vez que é distribuído em cada versão do sistema operativo Windows, porém desde 2004 vem perdendo espaço para outros browsers. Em abril de 2005, a percentagem de utilizadores do IE é de 85%. O Internet Explorer é um componente integrado das versões mais recentes do Microsoft Windows. Está disponível como um produto grátis e separado para as versões mais antigas do sistema operativo. Acompanha o Windows desde a versão 95 OSR2. No entanto, a última grande actualização do browser só foi oferecida aos utilizadores do Windows XP junto do Service Pack 2. Konqueror faz parte do K Desktop Environment (KDE)- ambiente Linux. Funciona como um web browser ou até como um visualizador de ficheiros. O lynx é um browser web que mostra apenas texto, ideal para sistemas baseados em console ou com poucos recursos gráficos. Acompanha diversas distribuições de sistemas POSIX (Unix, Linux, etc) e também o VMS. Também existem versões para sistemas da Microsoft, como o MS-DOS e as variantes do Windows

19 2. Editores de páginas web Curso Tecnológico de Informática - Aplicações Informáticas A - 11º Ano Os editores de páginas web são programas desenvolvidos para permitirem ao utilizador criar websites e páginas da web. Existem editores do tipo WYSIWYG ou HTML. 2.1.Editores WYSIWYG Os editores WYSIWYG (What You See Is What You Get) são programas de autor para a criação e edição de websites que permitam ver, na sua janela, o aspecto com que o site vai ser apresentado após a sua publicação. Estes editores permitem ao utilizador, de uma forma acessível e sem dominar uma linguagem de programação, desenvolver websites com aparência profissional. Todo o código necessário ao funcionamento do website é autocamaticamente criado sem que o utilizador se aperceba. Editores WYSIWYG: Frontpage, Dreamweaver, Easy Website Pro, BlueVoda, CoffeCup. Frontpage Dreamweaver Easy Website Pro CoffeCup

20 2.2.Editores HTML Os editores HTML podem ser classificados como ferramentas de autor de páginas web. Estes editores são essencialmente editores de texto, embora alguns apresentem funcionalidades acrescidas, como a criação automática de código, a inserção de código de outras linguagens de programação e a pré-visualização da página. A utilização dos editores de HTML implica um conhecimento prévio da sintaxe da linguagem HTML. Editores HTML: bloco de notas; HotDog; Visual Workshop; Crimson Editor, Site Builder; tswebeditor e o LightPad. bloco de notas VisualWorkshop Crimson Editor Site Builder tswebeditor LightPad HotDog

21 Bibliografia: Livros: - Figueiredo, Bruno.Web Design - Estrutura, concepção e profução de sites Web. FCA Editora de informática. - Fonseca, Dalila; Pacheco, Deolinda; Marques, Fernando; Soares, Ricardo. Aplicações Informáticas A - Curso Tecnológico de Informática - 11º Ano. Porto Editora. Páginas da web:

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE VIANA DO CASTELO-SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL UFCD 0152 Estrutura de um sítio

Leia mais

1.2.4. Organizar a estrutura do site

1.2.4. Organizar a estrutura do site 1.2.4. Organizar a estrutura do site 1 Organizar a estrutura do site A organização da estrutura do site passa pela definição das ligações entre as páginas que o compõem Esta organização deve ser intuitiva

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João Luiz

Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João Luiz NAVEGADORES WEB UFF Universidade Federal Fluminense Curso de Graduação em Ciência da Computação Informática 1 1º semestre de 2007 Yuri Maximiano de Pina Ferreira Paulo Ricardo Magalhães Igor César João

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos Sumário Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução ao módulo III. Importância das Páginas Web. Conceitos básicos. Bases de funcionamento de um sistema WWW. Técnicas de implantação e regras básicas

Leia mais

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt

Manual Internet. Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Manual Internet Professora: Elisa Carvalho elisa_castro@sapo.pt http://elisacarvalho.no.sapo.pt Fevereiro de 2006 Índice Internet... 2 Correio electrónico... 2 Os endereços... 2 Lista de correio... 2 Grupos

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Objectivos. Conteúdos. Criar documentos em hipertexto. Desenvolver e alojar um site na Internet.

Objectivos. Conteúdos. Criar documentos em hipertexto. Desenvolver e alojar um site na Internet. CÓDIGO UFCD: 0768 Criação de Sites Web (50h) Objectivos Criar documentos em hipertexto. Desenvolver e alojar um site na Internet. Conteúdos Introdução à Hyper Text Markup Language Elaboração de documentos

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Construção de um WebSite. Luís Ceia

Construção de um WebSite. Luís Ceia Construção de um WebSite Para a construção de um WebSite convém ter-se uma planificação cuidada. Para tal podemos considerar seis etapas fundamentais: 1. Planeamento 2. Desenvolvimento de Conteúdos 3.

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidades Curriculares Serviços de Acesso a Informação Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 6 - Sumário ü Introdução ü World

Leia mais

Guia de Websites para a Administração Pública

Guia de Websites para a Administração Pública Guia de Websites para a Administração Pública Portugal precisa de um desafio de exigência e de conhecimento que nos eleve aos níveis de competência e de produtividade dos países mais desenvolvidos, de

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Microsoft FrontPage2002 Guião Elementar 1. Apresentação Geral do programa Programa Competências Básicas em

Leia mais

A Internet 7 Criação de Páginas Web

A Internet 7 Criação de Páginas Web 7 - Criação de Páginas Web A Internet A Internet Empresas, instituições e pessoas individuais estão cada vez mais interessadas não só em aceder ao imenso manancial de informação disponibilizado pela Internet

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição

Web. Web. Web. Web. Unidade 4. Conceitos básicosb. Publicação. Web: Frontpage Programa de animação gráfica. Programa de edição Criação de páginas p Unidade 4 UNIDADE 4: Criação de Páginas P Conceitos básicosb Técnicas de implantação de páginas p Criação de páginas p Programa de edição : Frontpage Programa de animação gráfica :

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

Manual do FrontPage 2002/XP. Com actividades. Baixa da Banheira, 2006 (Adaptado a partir do manual FrontPage 2002 do CCESEB)

Manual do FrontPage 2002/XP. Com actividades. Baixa da Banheira, 2006 (Adaptado a partir do manual FrontPage 2002 do CCESEB) MANUAL DO Com actividades Baixa da Banheira, 2006 (Adaptado a partir do manual FrontPage 2002 do CCESEB) 1 1. O que é FrontPage 2002 Um site i WWW ii envolve dois tipos de tarefas: a sua criação (tarefa

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 3 Tecnologias da Informação e Comunicação: Internet Aula nº 2º Período Escola EB 2,3 de Taíde Ano lectivo 2009/2010 SUMÁRIO Introdução à Internet: história

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/

Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/ Crie uma pasta (0) no ambiente de trabalho com o seu nome. Inicie o Internet Explorer através do: W O R K S H O P Menú Iniciar -> Programas -> Internet Explorer Entre no site da uarte: http://www.uarte.mct.pt/ajuda/manuais/

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Criação de Páginas Web

Criação de Páginas Web MÓDULO 3 Criação de Páginas Web Duração de Referência: 33 horas 1 Apresentação Neste módulo, procura dar-se uma primeira ideia instrumental de como criar, a partir de aplicativos próprios, a organização

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

1.1. Clique no botão Iniciar, seleccione Todos os programas, Microsoft Office e no submenu aberto escolha o programa Microsoft FrontPage.

1.1. Clique no botão Iniciar, seleccione Todos os programas, Microsoft Office e no submenu aberto escolha o programa Microsoft FrontPage. Objectivos: Identificar os elementos do Ambiente de trabalho do Microsoft FrontPage Criar um website Fechar um website Abrir um website Modos de visualização de um website Criar, eliminar, abrir e fechar

Leia mais

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes

Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Ferramenta para design de web site Macromedia Dreamweaver Fábio Fernandes Em Abril de 2005, as duas maiores gigantes em desenvolvimento de software de web, gráfico e multimídia design se juntaram: a Adobe

Leia mais

Serviços na INTERNET

Serviços na INTERNET Serviços na INTERNET Introdução A Internet é uma rede global que disponibiliza diversos serviços. Os mais conhecidos hoje em dia são a World Wide Web (WWW), o correio electrónico e o Internet Chat Relay

Leia mais

Manual PowerPoint 2000

Manual PowerPoint 2000 Manual PowerPoint 2000 Índice 1. INTRODUÇÃO 1 2. DIRECTRIZES PARA APRESENTAÇÕES DE DIAPOSITIVOS 1 3. ECRÃ INICIAL 2 4. TIPOS DE ESQUEMA 2 5. ÁREA DE TRABALHO 3 5.1. ALTERAR O ESQUEMA AUTOMÁTICO 4 6. MODOS

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Actividades de exploração Objectivo Explorar as funcionalidades essenciais do Programa, na perspectiva da construção/actualização

Leia mais

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET

Como Começar? Criação Páginas. Etapas. Apresentação INTERNET Como Começar? Criação Páginas Apresentação Etapas Como começar Para que um site tenha sucesso é necessário um correcto planeamento do mesmo. Todos os aspectos de desenho de um site devem ser pensados de

Leia mais

CLC5 Formador: Vítor Dourado

CLC5 Formador: Vítor Dourado 1 A designação da Internet advém de Interconnected Network, ou seja, rede interligada. A Internet é uma gigantesca teia mundial de redes de computadores, em constante crescimento e evolução, oferecendo

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1. Oficina da Internet COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina da Internet Utilização Educativa da Internet Guião de iniciação à consulta e pesquisa de informação na Web Índice Introdução... 2 Alguns conceitos básicos...2

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem

1. INTERNET OU NET. Hardware. Computador. Linha telefónica normal, linha RDIS, ligação por cabo ou ADSL. Modem 1. INTERNET OU NET O que é a Internet? A Internet, ou apenas Net, é uma rede mundial de computadores ligados entre si através de linhas telefónicas comuns, linhas de comunicação privadas, satélites e outros

Leia mais

3.º e 4.º Anos de Escolaridade Competências Conteúdos Sugestões metodológicas Articulações

3.º e 4.º Anos de Escolaridade Competências Conteúdos Sugestões metodológicas Articulações Introdução ao Ambiente de Trabalho 3.º e 4.º Anos de Escolaridade Distinguir hardware de software; Identificar os principais componentes físicos de um computador e as suas funções; Reconhecer os principais

Leia mais

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Educacional Ano Lectivo 2006/2007 Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação GRUPO 2 N.º Aluno Licenciatura Nome

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet

Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Ferramentas para Internet CST Sistemas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Ferramentas para Internet Web design: HTML CSS

Leia mais

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3.1. DESCRIÇÃO DA FERRAMENTA E SUAS APLICAÇÕES Dyn3W é um fórum desenvolvido especialmente para ser utilizado na educação. O seu desenvolvimento iniciou-se em meados

Leia mais

Guia da Internet. Página 1

Guia da Internet. Página 1 Guia da Internet Utilização da Internet Introdução... 2 Alguns conceitos básicos... 2 Endereços (URL)... 2 Páginas Web... 3 Abrir o Internet Explorer... 3 O ecrã do Internet Explorer... 4 A Barra de Ferramentas

Leia mais

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1

Google Sites. A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 Google Sites A g r u p a m e n t o C a m p o A b e r t o 2 0 1 0 / 2 0 1 1 1. Google Sites A Google veio anunciar que, para melhorar as funcionalidades centrais do Grupos Google, como listas de discussão

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um Sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um Sítio para Internet SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULOS UFCD 0152 Estrutura de um Sítio para Internet UFCD 0153 Finalização de um sítio para Internet REFERENCIAL Referencial 213006 - Técnico/a de Multimédia, Nível 4

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Outubro de 2003 ISBN: 972-8426-76-3 Depósito legal: 202574/03 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. * O leitor consente,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress TUTORIAL Como criar um blogue/página pessoal no WordPress Índice Criar o blogue... 3 Alterar as definições gerais... 4 Alterar tema... 6 Criar Páginas... 7 Colocar Posts (citações)... 9 Upload de ficheiros...

Leia mais

1ª Edição Outubro de 2007

1ª Edição Outubro de 2007 1 Ficha Técnica Título: Manual de utilização da ELGG - Aluno Autoria: Célia Tavares Direcção Pedagógica e Técnica: Paula Peres Copyright: Projecto de Apoio On-line 1ª Edição Outubro de 2007 O Manual de

Leia mais

Microsoft FrontPage 2002

Microsoft FrontPage 2002 Microsoft FrontPage 2002 Índice 1. Introdução... 5 2. Iniciar o FrontPage 2002... 5 3. Visão geral da área de trabalho... 5 3.1 A Barra de visualzação... 7 3.1.1 O Modo de visualização Página... 7 3.1.2

Leia mais

Guião para as ferramentas etwinning

Guião para as ferramentas etwinning Guião para as ferramentas etwinning Registo em etwinning Primeiro passo: Dados de quem regista Segundo passo: Preferências de geminação Terceiro passo: Dados da escola Quarto passo: Perfil da escola Ferramenta

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

Editor HTML. Composer

Editor HTML. Composer 6 Editor HTML 6 Composer Onde criar Páginas Web no Netscape Communicator? 142 A estrutura visual do Composer 143 Os ecrãs de apoio 144 Configurando o Composer 146 A edição de Páginas 148 Publicando a sua

Leia mais

internet http://www.uarte.mct.pt internet... abrir o programa... pag.. 6 ecrã do internet explorer... ligações... escrever um endereço de internet...

internet http://www.uarte.mct.pt internet... abrir o programa... pag.. 6 ecrã do internet explorer... ligações... escrever um endereço de internet... internet 1 http://www.uarte.mct. internet...... pag.. 2 abrir o programa...... pag.. 3 ecrã do internet explorer... pag.. 4 ligações...... pag.. 5 escrever um endereço de internet... pag.. 6 voltar à página

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

e Campus do ISPA Instituto Universitário

e Campus do ISPA Instituto Universitário e Campus do ISPA Instituto Universitário Manual de utilização do Moodle Perfil utilizador: Docente Versão: Agosto 2010 Índice Índice... 2 Índice de Figuras... 3 Introdução... 4 1. Primeiros passos... 5

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Oficina de Construção de Páginas Web

Oficina de Construção de Páginas Web COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina de Construção de Páginas Web Criação e Publicação Guião Páginas WWW com o editor do Microsoft Office Word 2003 1. Introdução. 2. Abrir uma página Web. 3. Guardar

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 2 Trabalhar na rede... 10 Mural Amigos Endereços Grupos Administração do grupo

Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 2 Trabalhar na rede... 10 Mural Amigos Endereços Grupos Administração do grupo Manual da Ferramenta Introdução... 2 1 Gestão da conta pessoal... 4 Links/Endereços... 6 Actividade... 6 Perfil... 6 Blogs... 6 Mensagens... 6 Amigos... 7 Grupos... 7 Configurações... 9 Sair... 9 2 Trabalhar

Leia mais

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01

Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0. Tutorial HTML. versão 4.01 Fone: (19) 3234-4864 E-mail: editora@komedi.com.br Site: www.komedi.com.br HTM3.0 Tutorial HTML versão 4.01 K O M Σ D I Copyright by Editora Komedi, 2007 Dados para Catalogação Rimoli, Monica Alvarez Chaves,

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas

ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes ENSINO BÁSICO CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Praticas Administrativas ESCOLA: Dr. Solano de Abreu DISCIPLINA:TIC ANO: 1 ANO 2013/2014 CONTEÚDOS Conceitos básicos Informática

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Migrar para o Access 2010

Migrar para o Access 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Access 2010 é muito diferente do Access 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as

Leia mais

Guia de Utilizador. Internet based textile education laboratory

Guia de Utilizador. Internet based textile education laboratory Guia de Utilizador Internet based textile education laboratory Parceria 2 Índice Requisitos; Instalação do software; Interface de Utilizador; Uso da interface para a aprendizagem de um módulo; Utilização

Leia mais

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores)

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) A cada computador integrado na rede é atribuído um número IP que o identifica

Leia mais

Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação

Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação de Setúbal CENTRO DE COMPETÊNCIA NÓNIO SÉCULO XXI Navegar na WWW Pesquisa e Organização de Informação MÓDULO DE CURTA DURAÇO Cadernos de Divulgação

Leia mais

Trabalho Prático 1 Relatório Final

Trabalho Prático 1 Relatório Final Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Informática Desenvolvimento de Aplicações para a Web Ano lectivo 2012 / 2013 Trabalho Prático 1 Relatório Final Realizado por Antero Pires, n.º 33065

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online. Ivo Gomes

Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online. Ivo Gomes Usabilidade e Acessibilidade dos Museus Online Ivo Gomes Análise aos websites dos Museus Nacionais Em colaboração com o Público Digital Análise aos websites dos Museus Nacionais O Público Digital pediu

Leia mais

Microsoft Windows. Aspectos gerais

Microsoft Windows. Aspectos gerais Aspectos gerais É um sistema operativo desenvolvido pela Microsoft Foi desenhado de modo a ser fundamentalmente utilizado em computadores pessoais Veio substituir o sistema operativo MS-DOS e as anteriores

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade)

2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º e 8º Anos de escolaridade) Escola Básica e Secundária de Velas Linhas de Exploração do Quadro de da Disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Oferta de Escola 2ºCiclo (5º e 6º Anos de escolaridade) 3ºCiclo (7º

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Março de 2004 ISBN: 972-8426-81-X Depósito legal: 207877/04

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Março de 2004 ISBN: 972-8426-81-X Depósito legal: 207877/04 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Adobe Reader 6 Colecção: Software obrigatório

Leia mais

manual instalação e configuração v13 1

manual instalação e configuração v13 1 manual instalação e configuração v13 1 Conteúdo Introdução... 3 Conteúdo do DVD:... 3 Instalação e configuração do ERP... 4 Instalação do ERP... 4 Configuração do ERP... 6 Como actualização de versão...

Leia mais

Introdução à Internet

Introdução à Internet Internet Introdução à Internet A Internet é a maior rede de computadores do Mundo, abrangendo praticamente todos os países. Uma rede de computadores é um conjunto de dois ou mais computadores interligados,

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet

Tecnologias da Informação e Comunicação. Principais tipos de serviços da Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Principais tipos de serviços da Internet Introdução à Internet Serviços básicos Word Wide Web (WWW) Correio electrónico (e-mail) Transferência de ficheiros (FTP)

Leia mais

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011

Domine o Word 2007. Professor: Rafael Henriques. Ano Lectivo 2010/2011 Domine o Word 2007 1 Professor: Rafael Henriques Ano Lectivo 2010/2011 Sumário Introdução aos Processadores de texto; Microsoft Word 2007 O ambiente de trabalho O Friso Os Tabuladores do Word 2007; Realização

Leia mais

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas;

Ferramentas desenvolvidas internamente não atendem às necessidades de crescimento, pois precisam estar sendo permanentemente aperfeiçoadas; APRESENTAÇÃO O Myself é um sistema de gerenciamento de conteúdo para websites desenvolvido pela Genial Box Propaganda. Seu grande diferencial é permitir que o conteúdo de seu website possa ser modificado

Leia mais

Seu manual do usuário APPLE IWEB http://pt.yourpdfguides.com/dref/3677519

Seu manual do usuário APPLE IWEB http://pt.yourpdfguides.com/dref/3677519 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação 10.º ano. Criação de Páginas da Teia Mundial

Tecnologias da Informação e Comunicação 10.º ano. Criação de Páginas da Teia Mundial Criação de Páginas da Teia Mundial Manual do NVU Data desta versão: 2006/05/04 Autores: S. Alves, J. Borges, M. Gaspar, R. Vaz Supervisão: S. Ramos Escola Secundária c/ 3.º C.E.B. Dr. Mário Sacramento,

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais