DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015"

Transcrição

1 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

2 PRODUTOS

3 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34 bilhões de litros 98% Mercado Interno 53% Leite 22% Soro de Leite 20% Queijos 3% Importação 52% Argentina 28% Uruguai FONTE: IBGE, SECEX E USDA

4 PROCESSO PRODUTIVO

5 Pasteurização é o processo pelo qual o leite é aquecido a 72 graus Celsius por 15 segundos, seguido de resfriamento imediato do leite e embalagem. Nesta temperatura, apenas as bactérias que são patogênicas (que podem causar doenças) são eliminadas, ficando ainda outras bactérias que são resistentes a pasteurização. Desta forma, o leite pasteurizado deve ser refrigerado e a sua vida de prateleira tem duração de apenas alguns dias (dependendo a sua qualidade microbiológica durante a produção na fazenda e durante o processamento). O leite longa vida (ou UHT, ultra high temperature) também é um leite pasteurizado, porém sofre um processo térmico de aquecimento entre 140 e 145 graus Celsius por aproximadamente 4 a 5 segundos, seguido por resfriamento imediato e posterior embalagem do leite na caixinha. Após o tratamento térmico de alta temperatura que esteriliza o leite, este é envasado nesta embalagem que não permite a entrada de microrganismos, possibilitando que o produto seja conservado por um período de tempo prolongado (geralmente entre 3 e 6 meses de vida útil) sem a necessidade de refrigeração, pois o principal fator determinante da validade do leite é o crescimento de microrganismos que alteram as suas características químicas e de sabor, que podem torná-lo inadequado para o consumo.

6 O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL É REALIZADO NA MAIOR PARTE POR CONFINAMENTO OU SEMI-CONFINAMENTO: 55% Confinamento: as vacas em lactação recebem a alimentação em cochos; 25% Semi-confinamento: as vacas pastejam durante um período do dia, mas ficam a maior parte do tempo em piquetes; 20% Pastagens: as vacas utilizam as pastagens como fonte de alimentação. A raça mais utilizada em sistemas mais tecnificados para a produção de leite é a holandesa (74%), seguida pela Girolando (31%), que têm maior produtividade.

7 SAZONALIDADE

8 O teor de proteína no leite varia de acordo com a época do ano. Durante os meses de abril e maio os teores são médios (3,3%). Entre setembro e outubro cai para 3,1%. Essa queda está relacionada a fatores nutricionais. Os meses de setembro e outubro são período de estiagem, quando há seca das pastagens e o gado perde peso. O teor de proteína no leite é um fator importante na determinação do preço pago pelas indústrias aos produtores, sobretudo para o leite utilizado na fabricação de derivados como queijos, iogurtes e leite em pó. A sazonalidade da produção de leite ocorre no período de chuva, ou seja, a produção é levemente maior no período de chuvas, que vai de novembro a fevereiro, e pouco menor no período de seca que se estende de maio a outubro.

9 SAZONALIDADE DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE LEITE FLUIDO DE Fonte: IBGE Sazonalidade na Industrialização de Leite sob Inspeção Federal VACA ,0% 9,5% 9,5% 9,0% 8,5% 9,0% 8,7% 9,0% 8,0% 7,9% 8,2% 8,1% 8,3% 8,2% 7,5% 7,7% 7,7% 7,7% 7,0% 6,5% 6,0% jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: IBGE

10 CUSTOS DE PRODUÇÃO

11 CUSTOS DE PRODUÇÃO DE LEITE EM MINAS GERAIS 2013 Energia e Combustível 1,62% Medicamentos 3,18% Manutenção de Pastagens 1,2% Transporte 5,3% Outros 16,3% Ração 48,8% Mão de Obra 23,6% FONTE: CONAB

12 Custos de alimentação são: pasto, silagem (capim seco) e ração que pode ser à base de soja, milho, polpa cítrica (subproduto da fabricação de suco de laranja concentrado) ou caroço de algodão; Uma vaca vive de 8 a 10 anos e pode ter em média 8 crias; Consumo de leite tem forte dependência da renda da população.

13 FORNECEDORES

14 PRODUTOS LÁCTEOS IMPORTADOS PELO BRASIL 2014 Produtos Mil US$ Part. % Toneladas Part. % Leite UHT e Leite em pó ,6% ,7% Soro de Leite ,4% ,1% Queijos ,9% ,0% Doce de Leite ,6% 904 0,8% Leite Modificado ,5% 874 0,8% Manteiga ,0% 777 0,7% Leitelho (leite de manteiga) 673 0,2% 175 0,2% Leite Condensado e Creme de Leite 30 0,0% 6 0,0% Iogurte 0 0,0% 0 0,0% Outros lácteos ,9% ,7% Produtos Lácteos ,0% ,0% FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

15 PAÍSES DE ORIGEM DAS IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS LÁCTEOS Chile 3,4% Países Baixos 4,0% EUA 3,1% Outros 10,0% Argentina 51,6% Uruguai 27,8% FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

16 Não há relação integrada entre os produtores e a indústria de laticínios; As importações giram em torno de 10% da produção interna; ocorrem importações e exportações dos mesmos produtos, porque a decisão depende da estratégia de cada laticínio, ou seja, um laticínio pode ter excedente de produção e conseguir melhor preço na exportação, enquanto outro pode precisar da matéria-prima e conseguir melhor preço na importação do que comprar no mercado interno.

17 REGIONALIZAÇÃO

18 PRODUÇÃO NACIONAL DE LEITE FLUIDO DE VACA POR REGIÃO Part. % 2014 Norte 5,4% Nordeste 4,9% Centro-Oeste 13,8% Sudeste 40,4% Sul 35,6% FONTE: IBGE

19 Part. % PRODUÇÃO NACIONAL DE LEITE FLUIDO DE VACA POR UF 2014 Mato Grosso 2,5% Outros 11,4% Rondônia 3,1% Minas Gerais 26,9% Santa Catarina 9,5% Goiás 11,0% Rio Grande do Sul 14,0% São Paulo 10,3% Paraná 11,3% FONTE: IBGE

20 PRODUTIVIDADE REGIONAL DA PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA 2013 PRODUTIVIDADE REGIONAL DA PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA 2010 em litros por cabeça Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco Rio Grande do Sul Santa Catarina Paraná Alagoas Minas Gerais Rondônia Brasil Distrito Federal Sergipe Goiás Pernambuco Rio de Janeiro Mato Grosso São Paulo Espírito Santo Mato Grosso do Sul Rio Grande do Norte Amapá Ceará Paraíba Pará Maranhão Tocantins Acre Piauí Bahia Amazonas Roraima Litros por vaca FONTE: IBGE 2.900

21 RANKING

22 PLAYERS MUNDIAIS

23 PRODUÇÃO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Produção Chile 1,7% Austrália 2,6% Indonésia 1,5% Rússia 1,4% Outros 3,6% Brasil 12,4% Argentina 5,1% Nova Zelândia 29,6% União Européia 14,6% China 27,4% FONTE: USDA

24 EXPORTAÇÃO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Austrália 3,8% Filipinas 0,4% Outros 4,4% Argentina 6,7% União Européia 18,2% Nova Zelândia 66,5% FONTE: USDA

25 PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES NA PRODUÇÃO NACIONAL DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Exp/Prod Nova Zelândia 97,5% Austrália Argentina União Européia 56,9% 54,0% 62,3% Mundo Estados Unidos 38,3% 43,4% Chile 26,8% Ucrânia 16,7% Brasil Rússia China 1,4% 0,4% 6,5% 0% 20% 40% 60% 80% 100% 120% FONTE: USDA

26 CONSUMO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Argentina 2,8% Rússia 3,0% Chile 1,8% Austrália 1,2% Outros 6,3% Indonésia 3,5% Algéria 5,0% União Européia 9,2% China 50,9% Brasil 16,6% FONTE: USDA

27 IMPORTAÇÃO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Brasil 2,8% Filipinas 1,9% Taiwan 3,1% Austrália 0,9% Outros 1,9% Rússia 3,4% Indonésia 4,9% Algéria 18,9% China 62,2% FONTE: USDA

28 PARTICIPAÇÃO DA IMPORTAÇÃO NO CONSUMO DOMÉSTICO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL POR PAÍS 2014 Imp/Cons Algéria 113,3% Indonésia 42,1% China 36,4% Rússia 33,9% Mundo 29,7% Estados Unidos 25,0% Austrália 23,8% Chile 6,2% Brasil 5,0% 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% 80,0% 100,0% 120,0% FONTE: USDA

29 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA POR PAÍS 2014 Argentina 2,3% México 2,4% Austrália Ucrânia 2,0% 2,3% Outros 4,1% Nova Zelândia 4,5% Rússia 6,2% União Européia 30,2% Brasil 6,9% China 7,4% Índia 12,5% Estados Unidos 19,3% FONTE: USDA

30 PARTICIPAÇÃO DO CONSUMO DOMÉSTICO NA PRODUÇÃO NACIONAL DE LEITE FLUIDO DE VACA POR PAÍS 2014 consumo/produção Índia 94% Japão Ucrânia 53% 52% China Mundo Brasil México Rússia Canadá Estados Unidos Austrália União Européia 41% 38% 38% 36% 32% 31% 30% 27% 23% Argentina 18% Nova Zelândia 2% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% FONTE: USDA

31 REBANHO DE VACAS LEITEIRAS POR PAÍS 2014 Nova Zelândia 3,8% México 4,5% Ucrânia 1,8% Argentina 1,4% Outros 2,6% Rússia 5,7% Índia 36,0% China 6,1% Estados Unidos 6,6% Brasil 14,7% União Européia 16,7% FONTE: USDA

32 REBANHO DE VACAS LEITEIRAS POR PAÍS 2014 Índia União Européia Brasil Estados Unidos Rússia China México Nova Zelândia Ucrânia Argentina Austrália Canadá Japão FONTE: USDA Mil cabeças

33 PRODUTIVIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE LITROS DE LEITE FLUIDO PRODUTIVIDADE PRODUZIDO DA PRODUÇÃO POR DE LEITE DIA TONELADAS POR DE CABEÇA LEITE FLUIDO POR DE CABEÇA VACAS DE VACAS LEITEIRAS POR PAÍS 2012 Fonte: USDA Elaboração: Bradesco 2014 Estados Unidos Japão Canadá União Européia - 27 Argentina Austrália média dos países Ucrânia China Nova Zelândia Rússia Média da Região Sul do Brasil México Brasil Índia FONTE: USDA 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0

34 PLAYERS NACIONAIS

35 RANKING DE LATICÍNIOS NO BRASIL 2012 Empresas 2012 milhões Part. % litros DPA (1) ,0% LBR - Lácteos Brasil ,7% ITAMBÉ ,3% ITALAC ,1% BELA VISTA 635 7,5% EMBARÉ 469 5,5% Cooperativas Castrolândia e Batavo 429 5,1% DANONE 363 4,3% JUSSARA 308 3,6% CENTROLEITE 246 2,9% VIGOR 221 2,6% CONFEPAR 266 3,1% FRIMESA 189 2,2% FONTE: LEITE BRASIL TOTAL ,0% (1) Números referentes a compra de leite realizada pela DPA em nome da Nestlé, da Fonterra e da DPA Brasil

36 CONSUMIDORES

37 PRODUTOS LÁCTEOS EXPORTADOS PELO BRASIL 2014 Produtos Mil US$ Part. % Toneladas Part. % Leite UHT e Leite em pó ,3% ,6% Leite Condensado e Creme de Leite ,8% ,9% Manteiga ,5% ,7% Queijos ,9% ,0% Leite Modificado ,7% ,7% Leitelho (leite de manteiga) ,7% 748 0,9% Doce de Leite 239 0,1% 90 0,1% Soro de Leite 122 0,0% 83 0,1% Iogurte 79 0,0% 71 0,1% Outros lácteos 22 0,0% 9 0,0% Produtos Lácteos ,0% ,0% FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

38 PAÍSES DE DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS LÁCTEOS Outros 23,3% Angola 3,5% Egito 3,5% Arábia Saudita 3,6% Argélia 11,3% Venezuela 54,8% FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

39 FATORES DE RISCO

40 Risco Climático; Incidência de pragas e doenças; A informalidade na produção de leite gira em torno de 30% da produção nacional. No mercado formal o leite passa por inspeção federal, estadual e municipal.

41 CENÁRIO ATUAL E TENDÊNCIAS

42 PRODUÇÃO MUNDIAL DE LEITE FLUIDO DE VACA MIL TONELADAS Produção Mundial de leite fluido de vaca * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15

43 CONSUMO MUNDIAL DE LEITE FLUIDO DE VACA MIL TONELADAS Consumo Mundial de leite fluido de vaca * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

44 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA PAÍSES SELECIONADOS (1) MIL TONELADAS Índia China Brasil * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

45 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA PAÍSES SELECIONADOS (2) MIL TONELADAS Nova Zelândia Argentina Austrália * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

46 SUPRIMENTO MUNDIAL DE LEITE EM PÓ INTEGRAL Mil toneladas MIL TONELADAS Consumo, Exportação e Estoque Final Mundial de Leite em pó Integral Fonte e (*)projeção: USDA Elaboração: Bradesco Exportação Consumo Produção Estoque Final * 50 FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

47 EXPORTAÇÃO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL PAÍSES SELECIONADOS (1) MIL TONELADAS Fonte e (*) projeção: USDA Elaboração: Bradesco Exportações de leite em pó integral em mil toneladas Nova Zelândia União Européia * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

48 EXPORTAÇÃO DE LEITE EM PÓ INTEGRAL PAÍSES SELECIONADOS (2) Fonte e (*) projeção: USDA Elaboração: Bradesco Exportações de leite em pó integral em mil toneladas MIL TONELADAS 275 Austrália Argentina Brasil * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15 * Projeção

49 REBANHO BRASILEIRO VACA LEITEIRA (USDA) MIL CABEÇAS Rebanho Nacional de vaca leiteira * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15

50 NÚMERO DE VACAS ORDENHADAS (IBGE) MIL CABEÇAS NÚMERO DE VACAS ORDENHADAS em mil de cabeças Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco FONTE: IBGE

51 CONSUMO NACIONAL DE LEITE FLUIDO DE VACA EM MIL TONELADAS Consumo Brasileiro de leite fluido de vaca * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15

52 CONSUMO NACIONAL PER CAPITA DE LEITE Em litros per capita CONSUMO NACIONAL PER CAPITA DE LEITE Fonte: USDA (projeção) e IBGE Elaboração: Bradesco Em litros per capita 180,0 170,0 160,0 153,2 155,7 158,1 161,1 164,6 167,6 150,0 140,0 130,0 126,6 127,5 131,0 134,7 141,2 145,2 148,6 120,0 110, * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15

53 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE LEITE FLUIDO DE VACA (USDA) MIL TONELADAS Produção Brasileira de leite fluido de vaca * FONTE E PROJEÇÃO: USDA Relatório de 17/07/15

54 PRODUÇÃO BRASILEIRA DE LEITE FLUIDO DE VACA (IBGE) MILHÕES DE LITROS Brasil FONTE: IBGE

55 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA (INDUSTRIALIZADO PELOS LATICÍNIOS SOB INSPEÇÃO FEDERAL) Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA (INDUSTRIALIZADO PELOS LATICÍNIOS SOB INSPEÇÃO FEDERAL) Em milhões de litros MILHÕES DE LITROS FONTE: IBGE

56 set/99 dez/99 mar/00 jun/00 set/00 dez/00 mar/01 jun/01 set/01 dez/01 mar/02 jun/02 set/02 dez/02 mar/03 jun/03 set/03 dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 PRODUÇÃO Fonte: IBGE - Pesquisa Trimestral DE LEITE do Leite Industrialização FLUIDO DE de Leite VACA sob Inspeção ACUMULADO Federal DE 12 MESES Em mil litros MILHÕES DE LITROS FONTE: IBGE

57 set/99 dez/99 mar/00 jun/00 set/00 dez/00 mar/01 jun/01 set/01 dez/01 mar/02 jun/02 set/02 dez/02 mar/03 jun/03 set/03 dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA VAR. % DO ACUMULADO DE 12 MESES ,5% 12,5% 13,7% 13,3% 10,5% 8,5% 8,5% 10,2% 10,7% 9,3% 6,5% 4,5% 2,5% 0,5% 2,8% 2,7% 2,0% 6,7% 4,6% 3,5% 2,5% 5,2% 0,7% 2,7% -1,5% -3,5% -1,5% FONTE: IBGE

58 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez FONTE: IBGE

59 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 PREÇOS DE EXPORTAÇÃO DO LEITE EM PÓ INTEGRAL NA UNIÃO EUROPÉIA E NA OCEANIA EM US$ POR TONELADA Preços do Leite em pó integral Fonte: USDA US$ por tonelada métrica Oceania União Européia FONTE: USDA

60 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10 jul/10 out/10 jan/11 abr/11 jul/11 out/11 jan/12 abr/12 jul/12 out/12 jan/13 abr/13 jul/13 out/13 jan/14 abr/14 jul/14 out/14 jan/15 abr/15 jul/15 out/15 PREÇOS Em R$ PAGOS por litro AO Índice Mensal PRODUTOR da Captação de Leite DE pelos LEITE Laticínios e dos Preços BRASIL Pagos ao Produtor E ÍNDICE de Leite 2007 DE CAPTAÇÃO (OFERTA DE LEITE) Fonte: Cepea Esalq Elaboração: Bradesco Índice Em R$ por litro índice 1,15 1,11 1,07 1,03 0,99 0,95 Preços ao produtor Oferta - Índice de Captação 1,12 0,99 210,0 200,0 1,07 195,97 190,0 180,0 0,91 0,87 0,89 170,0 0,83 0,79 0,75 0,71 0,67 0,63 0,59 0,55 142,23 124,37 153,45 0,60 0,69 146,96 134,51 154,48 135,89 155,3 160,0 150,0 140,0 130,0 120,0 FONTE: CEPEA ESALQ

61 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15 out/15 CAPTAÇÃO DE LEITE PELOS LATICÍNIOS VAR. % DO ACUMULADO DE 12 MESES ,0% 20,0% 15,0% 10,0% 10,9% 5,0% 4,2% 0,0% 0,8% 2,6% -5,0% -10,0% FONTE: CEPEA ESALQ

62 jan/04 jan/05 jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 jan/15 dez/15 PREÇOS PAGOS AO PRODUTOR DE LEITE TIPO C BRASIL Fonte: Cepea Esalq Elaboração e projeção: Bradesco em R$ por litro PREÇOS PAGOS AO PRODUTOR DE LEITE TIPO C BRASIL Em R$ por litro 1,20 1,15 1,10 1,05 1,12 1,10 1,06 1,00 0,95 0,90 0,85 0,80 0,75 0,70 0,80 0,76 0,71 0,77 0,80 0,73 0,89 0,83 0,88 0,99 0,92 0,65 0,60 0,55 0,50 0,45 0,40 0,59 0,57 0,47 0,67 0,58 0,50 0,52 0,42 0,60 FONTE: CEPEA ESALQ

63 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA POR UF PARTICIPAÇÃO Produção de Leite Fluido de Vaca - participação % por regiãoo % Fonte: IBGE Elaboração: Bradeco 35,0% Rio Grande do Sul Minas Gerais 30,0% 28,9% São Paulo Goiás Santa Catarina Paraná 25,0% 26,6% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 14,1% 12,5% 12,2% 8,4% 5,0% 13,9% 11,2% 10,9% 10,2% 9,5% 0,0% FONTE: IBGE

64 PRODUÇÃO DE LEITE FLUIDO DE VACA POR UF PARTICIPAÇÃO % Produção de Leite Fluido de Vaca - participação % por regiãoo Fonte: IBGE Elaboração: Bradeco 43,0% 42,0% 40,8% 39,6% 37,0% 32,0% São Paulo e Minas Gerais Região Sul 37,5% 37,6% 37,3% 34,0% 36,9% 35,3% 36,9% 36,8% 35,5% 34,5% 31,2% 27,0% 28,4% 25,6% 22,0% FONTE: IBGE

65 PRODUTIVIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE POR ESTADO PRODUTIVIDADE DA PRODUÇÃO DE LEITE POR ESTADO FONTE: IBGE Em litros por vaca ordenhada Em litros por vaca ordenhada Brasil Santa Catarina Rio Grande do Sul Paraná São Paulo Minas Gerais Goiás Região Sul FONTE: IBGE

66 PRODUTIVIDADE BRASILEIRA DA PRODUÇÃO DE LEITE Em litros por vaca ordenhada PRODUTIVIDADE BRASILEIRA DA PRODUÇÃO DE LEITE Fonte: IBGE Elaboração: Bradesco em litros por cabeça FONTE: IBGE

67 em mil US$ Exportações Brasileiras de Leite e Derivados EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE LEITE E DERIVADOS EM MILHÕES US$ Fonte: Secex - Elaboração: Bradesco FONTE: SECEX

68 IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE LEITE E DERIVADOS em mil US$ Importações Brasileiras de Leite e Derivados EM MILHÕES US$ Fonte: Secex - Elaboração: Bradesco FONTE: SECEX

69 SALDO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DE LEITE E em mil US$ Balança Comercial de Leite e Derivados DERIVADOS EM MILHÕES US$ Fonte: Secex - Elaboração: Bradesco FONTE: SECEX

70 PREÇO MÉDIO DE EXPORTAÇÃO DE LEITE E PRODUTOS Exportação US$/tonelada LÁCTEOS em US$ por tonelada FONTE: SECEX

71 EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS LÁCTEOS - LEITE UHT E LEITE EM PÓ Exportações em valor US$ mil EM MIL US$ FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

72 EXPORTAÇÕES DE PRODUTOS LÁCTEOS EM MIL US$ Leite Condensado e Creme de Leite Leite UHT e Leite em pó Manteiga Queijos Leite Modificado FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

73 IMPORTAÇÕES DE PRODUTOS LÁCTEOS EM MIL US$ Leite UHT e Leite em pó Soro de Leite Queijos FONTE: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA/SECEX

74 Depec-Bradesco O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso.

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016

LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CIMENTO SETEMBRO DE 2015 PRODUTOS MERCADO DE CIMENTO NO BRASIL - 2012 26 mil toneladas EXPORTADO (0,05%) 53% Paraguai 34% Bolívia 68,8 MILHÕES DE TONELADAS

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SUCO DE LARANJA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS DISTRIBUIÇÃO DA PRODUÇÃO DE LARANJA NO CINTURÃO CITRÍCOLA 49% Farelo 85% laranja para indústria 45% Suco 98%

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE MÓVEIS Importação 3,3% Residenciais 67,7% Mercado interno 96,4% Escritório 16,6% INDÚSTRIA

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO

mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO mensário estatístico-exportação Maio 2012 AÇÚCAR BRUTO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado,

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TURISMO E HOTELARIA SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT) o turismo compreende as atividades realizadas

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011

Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Indicador do PIB Trimestral Espírito Santo IV Trimestre de 2011 Vitória, 29 de Maio de 2012 Indicador de PIB trimestral 17 atividades econômicas pesquisadas, em consonância com os setores das Contas Regionais

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS SAFRA 2008/2009 67% Exportação 89% Café verde 18% Alemanha 18% EUA 10% Japão 9% Itália CAFÉ 49,2 milhões de sacas de

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

COMO CITAR: PRINCIPAIS INDICADORES LEITE E DERIVADOS: boletim eletrônico mensal. Coordenadores, Glauco Rodrigues Carvalho e

COMO CITAR: PRINCIPAIS INDICADORES LEITE E DERIVADOS: boletim eletrônico mensal. Coordenadores, Glauco Rodrigues Carvalho e Coordenação Geral Glauco Carvalho Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Glauco Carvalho - Economista/Pesquisador Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de Leite

Leia mais

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010

O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 O Preço do Leite Volta a Subir Sinalizando Boas Perspectivas para 2010 Ézio José Gomes O preço do litro de leite pago ao produtor vem se recuperando rapidamente nesse início de ano, obtendo uma alta de

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CALÇADOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE CALÇADOS Pecuária Couros Importação de insumos Importação de calçados prontos Petroquímica

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 48 - Novembro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 7, n. 60 - Novembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 7, n. 61 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1

EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 EVOLUÇÃO RECENTE E PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1 1 Introdução Sebastião Teixeira Gomes 2 De todas as cadeias produtivas do setor agropecuário, a que mais se transformou, nos últimos anos,

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 8, n. 65 - Abril/2017 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 8, n. 67 Junho/2017 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 7, n. 59 - Outubro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 7, n. 53 - Abril/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 7, n. 52 - Março/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos HIGIENE PESSOAL ABRIL DE 2014 PRODUTOS HIGIENE PESSOAL 61% Sabonetes Higiene Oral Desodorantes Talcos Higiene Capilar Produtos para Barbear Fraldas

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Exatas e Ambientais Curso de Agronomia Disciplina: Bovinocultura de Leite Introdução a Pecuária Leiteira Valdirene Zabot Zootecnista valdirene@unochapeco.edu.br

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Saúde Suplementar em Números

Saúde Suplementar em Números Saúde Suplementar em Números Edição nº 9-2015 Setembro de 2015 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (setembro/15): 50.261.602; Taxa de crescimento do número de beneficiários

Leia mais

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014

Abril/2014 - BRASIL. Análise do emprego. Brasil Abril/2014 Abril/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Abril/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO

SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SISTEMA DE SAÚDE PRIVADO SETEMBRO DE 2015 1 SERVIÇOS 2 CADEIA DE SERVIÇOS DO SETOR DE SAÚDE Médicos Dentistas Clínicas Consultórios Hospitais Laboratórios

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Junho de 2015 Cotação do açúcar deve seguir em baixo patamar, refletindo elevado nível de estoques globais Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos O nível de estoques de açúcar

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas

MERCADO LÁCTEO. O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente. 2015: Um ano de margens ajustadas MERCADO LÁCTEO O Papel da Indústria na Conquista de Mercados Alexandre Guerra Presidente 2015: Um ano de margens ajustadas -1,18 PIB 2015 Previsão de 2,8% em janeiro de 2014 8,26% Previsão Inflação 2015

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS Vendas, pelas distribuidoras, dos derivados combustíveis de petróleo por produto -

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA Pesquisa Mensal de Comércio. Abril 2012

CONJUNTURA ECONÔMICA Pesquisa Mensal de Comércio. Abril 2012 CONJUNTURA ECONÔMICA Abril 2012 CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais